SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 20
Proposta de um Modelo de Matriz de
Correlação e Relevância – ODS e
indicadores de projetos de impacto
social do Sebrae
T R A B A L H O D E S U P O R T E À T E S E D E D O U T O R A M E N T O E M C I Ê N C I A S D A
I N F O R M A Ç Ã O : V A L É R I A B A R R O S E L U I S B O R G E S G O U V E I A – U F P / P O R T O
C O N T R I B U I Ç Õ E S P A R A A M E N S U R A Ç Ã O D A R E L E V Â N C I A D O S I N D I C A D O R E S
D E P R O J E T O S D E I M P A C T O S O C I A L E M A D E R Ê N C I A A O S O D S
A B A L H O D E S U P O R T E À T E S E D E D O U T O R A D O E M C I Ê N C I A S D A I N F O R M A Ç Ã O
Para entender melhor...
Um fluxo
P
O
N
T
O
D
E
P
A
R
T
I
D
A
Contextualização
Pesquisamos em bases bibliográficas, modelos de matriz que pudessem ser adaptadas e servissem de
inspiração para medir um valor de relevância entre os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável e
indicadores de projetos, neste caso os de impacto social. Não foram encontrados modelos
semelhantes. Desde então, buscamos referências em modelos de tabelas de grau de relevância para
dar um valor associado à proposta do modelo sugerido de Matriz, sendo proposto uma tabela criada
por nível de grau de relevância, elemento central a todo processo de mensuração do indicador x ODS.
Contextualização
A tabela criada para a definição do nível de relevância do Indicador dos projetos x ODS foi derivada
de uma adaptação da tabela que mensura a escala de prontidão tecnológica – Technology
Readiness Level (TRL), um instrumento desenvolvido com o intuito de prover uma medida relativa ao
estado de uma nova tecnologia em relação ao seu uso para futuros sistemas espaciais.
Consolidou-se como uma métrica de uso mundial importante não apenas para avaliar a prontidão
tecnológica, mas como método para analisar riscos inerentes ao processo de desenvolvimento
tecnológico e fornecer bases para a tomada de decisão e orientações para gestores voltados à
Pesquisa e Desenvolvimento (Altunok, Cakmak, 2010; Markins, 2009).
Contextualização
Segundo a ABDI (Agência Brasileira de Desenvolvimento Industrial) – a escala de
prontidão tecnológica ou Nível de Maturidade Tecnológica é definido como:
“Um sistema de medição e uma métrica sistemática empregada na avaliação
da maturidade de uma tecnologia particular, assim como na comparação da
maturidade de diferentes tipos de tecnologias, ou seja, trata-se de um
avaliador do nível de maturidade de uma tecnologia”.
Os níveis 1, 2 e 3 se referem ao
conceito da nova tecnologia.
Os níveis 4, 5 e 6 avaliam o
desenvolvimento de componentes,
enquanto os níveis 7, 8 e 9 verificam
se a tecnologia está completa
(NASA, 2010).
Entende-se que quanto menor o
TRL maior o risco tecnológico.
TABELA TRL – Nível de Prontidão da Tecnologia
Notamos então que precisávamos ter um CONJUNTO
de instrumentos que nos apoiasse na mensuração do
grau de relevância entre indicadores de projetos e os
Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS).
Proposta de esquema de Aplicação em estudos de
casos de negócios de impacto do Sebrae
1. Estabelecer o Grau de Relevância conforme proposta de Tabela
( instrumento 1)
2. Aplicar o Grau de relevância na Matriz de Correlação e Relevância;
(instrumento 2)
3. Obter a média dos maiores graus de relevância dos ODS em relação aos Indicadores de projeto;
4. Obter gráficos demonstrativos do desempenho das maiores intervenções dos ODS por Indicador de
projeto;
( instrumento 3)
5. Preencher Relatório de Evidências que comprovem a maior relação do ODS ao projeto
( instrumento 4)
Instrumento 1 – MODELO PROPOSTO, TABELA DE NÍVEL DE RELEVÂNCIA
FONTE : Própria
Os níveis de 1 à 3 são considerados níveis básicos de
relevância dos indicadores em relação aos ODS.
O nível 4 representa um nível intermediário de relevância e
de 5 à 7, níveis superiores do grau da relevância do Indicador
de Projeto em relação à um ou mais ODS.
O modelo proposto da Matriz de correlação e relevância –
MCR permite que sejam ranqueados os ODS que mais se
alinham ao indicador de cada iniciativa ou projeto de gestão
privada ou pública, a partir do nível de relevância
identificado.
Nota-se que quanto maior o nível de relevância proposto,
maior a possibilidade de integração dos projetos e
iniciativas com outras frentes, promovendo um
transbordamento de informações que pode elevar o
interesse e entrada de outros stakeholders ao projeto. Isso
poderá potencializar resultados positivos para toda a
sociedade.
DEFINIÇÃO DOS GRAUS DE RELEVÂNCIA
Responsabilidades do Gestor
1. Ter conhecimento do Escopo do Projeto
como um todo
2. Ter conhecimento sobre os conceitos de
cada ODS
3. Aplicar notas de nível de relevância
observando a visão sistêmica e integrada
de projetos e formação de redes com
outros stakeholders
Instrumento 2 – Matriz de Correlação e Relevância – Indicadores de Projeto X ODS
Notamos que o ODS 12 tem a maior média de
relevância frente ao conjunto dos indicadores de
projeto do estudo de caso – Desenvolvimento dos
Negócios de Impacto Social e Ambiental do Rio Grande
do Norte – 2018.
Para o indicador: Participação dos pequenos negócios nas
compras governamentais
– os ODS 12 e 16 tem maior relevância.
Para o indicador: Faturamento bruto médio
– os ODS 8, 11 e 12 tem maior relevância.
Para o indicador: Empresas inseridas nas cadeias de valor
– os ODS 9 e 17 tem maior relevância.
INTERPRETAÇÃO DE RELEVÂNCIA POR INDICADOR DO PROJETO RN
Instrumento 3 – Gráfico demonstrativo de relevância dos indicadores X
ODS
Instrumento 4 – Modelo de Relatório de Evidências
Para compor a análise mais substanciosa da aderência do grau de relevância dos
indicadores de projetos em relação aos ODS, foi desenvolvido modelo prático de
relatório de evidências que permite a autoavaliação qualitativa feita pelo gestor
responsável.
O objetivo é comprovar a eficácia das ações do projeto, por meio dos registros
apontados pelo gestor(a) que embasam a sua avaliação para o alcance da
média do grau de relevância, demonstrando justificativa que reforce a maior
relação do projeto como um todo ao ODS mais relevante.
Instrumento 4 – Modelo de Relatório de Evidências
Estudo de caso – Projeto Desenvolvimento de Negócios de Impacto do RN
Benefícios
 Maior aderência dos modelos de negócios aos desafios da Agenda 2030;
 Remodelagem dos modelos de negócios para serem mais competitivos e sustentáveis
reconhecendo os ODS como norteadores de sua missão ou propósito;
 Possibilitar a múltipla visão de parceiros que podem adotar o uso da ferramenta em
conjunto com o gestor de projetos;
 Servir como instrumento de referência para aplicação em outros programas (públicos,
instituições de ensino, empresariais) que buscam alinhar seus indicadores de
resultados à luz da aderência aos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável.
Agradecida!
Valéria Barros
T R A B A L H O D E S U P O R T E À T E S E D E D O U T O R A M E N T O E M C I Ê N C I A S D A
I N F O R M A Ç Ã O , U F P / P O R T O ( V A L É R I A B A R R O S , L U I S B O R G E S G O U V E I A )
C O N T R I B U I Ç Õ E S P A R A A M E N S U R A Ç Ã O D A R E L E V Â N C I A D O S I N D I C A D O R E S
D E P R O J E T O S D E I M P A C T O S O C I A L E M A D E R Ê N C I A A O S O D S
A B A L H O D E S U P O R T E À T E S E D E D O U T O R A D O E M C I Ê N C I A S D A I N F O R M A Ç Ã O

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

MASP - Metodologia para Análise e Solução de Problemas
MASP - Metodologia para Análise e Solução de ProblemasMASP - Metodologia para Análise e Solução de Problemas
MASP - Metodologia para Análise e Solução de Problemas
eugeniorocha
 
Plano+de+gerenciamento+da+qualidadev exemplo
Plano+de+gerenciamento+da+qualidadev exemploPlano+de+gerenciamento+da+qualidadev exemplo
Plano+de+gerenciamento+da+qualidadev exemplo
Rudileine Fonseca
 

Mais procurados (20)

Gestão de Risco
Gestão de RiscoGestão de Risco
Gestão de Risco
 
Gestão de Riscos nas Operações Empresariais
Gestão de Riscos nas Operações EmpresariaisGestão de Riscos nas Operações Empresariais
Gestão de Riscos nas Operações Empresariais
 
Metricas (e previsões) acionáveis de projeto
Metricas (e previsões) acionáveis de projetoMetricas (e previsões) acionáveis de projeto
Metricas (e previsões) acionáveis de projeto
 
Administração da Empresa Moderna
Administração da Empresa ModernaAdministração da Empresa Moderna
Administração da Empresa Moderna
 
KPI\'s
KPI\'sKPI\'s
KPI\'s
 
MASP - Metodologia para Análise e Solução de Problemas
MASP - Metodologia para Análise e Solução de ProblemasMASP - Metodologia para Análise e Solução de Problemas
MASP - Metodologia para Análise e Solução de Problemas
 
Proposta de Consultoria
Proposta de ConsultoriaProposta de Consultoria
Proposta de Consultoria
 
[ebook] Gestão da TI - versão 0.1
[ebook] Gestão da TI - versão 0.1[ebook] Gestão da TI - versão 0.1
[ebook] Gestão da TI - versão 0.1
 
Manifesto Ágil.pdf
Manifesto Ágil.pdfManifesto Ágil.pdf
Manifesto Ágil.pdf
 
Reunião Recursos Humanos - Remuneração Estratégica
Reunião Recursos Humanos - Remuneração EstratégicaReunião Recursos Humanos - Remuneração Estratégica
Reunião Recursos Humanos - Remuneração Estratégica
 
Apresentação TCC - Plano de Negócios
Apresentação TCC - Plano de Negócios Apresentação TCC - Plano de Negócios
Apresentação TCC - Plano de Negócios
 
Melhoria continua - Six Sigma - Melhoria de processos (Parte 1 de 2)
Melhoria continua - Six Sigma - Melhoria de processos (Parte 1 de 2)Melhoria continua - Six Sigma - Melhoria de processos (Parte 1 de 2)
Melhoria continua - Six Sigma - Melhoria de processos (Parte 1 de 2)
 
Plano+de+gerenciamento+da+qualidade
Plano+de+gerenciamento+da+qualidadePlano+de+gerenciamento+da+qualidade
Plano+de+gerenciamento+da+qualidade
 
Exemplo descricao cargo
Exemplo descricao cargoExemplo descricao cargo
Exemplo descricao cargo
 
Plano+de+gerenciamento+da+qualidadev exemplo
Plano+de+gerenciamento+da+qualidadev exemploPlano+de+gerenciamento+da+qualidadev exemplo
Plano+de+gerenciamento+da+qualidadev exemplo
 
Relatório Final Extensão 2010
Relatório Final Extensão 2010Relatório Final Extensão 2010
Relatório Final Extensão 2010
 
Identificação de riscos em projetos - Check-list
Identificação de riscos em projetos - Check-listIdentificação de riscos em projetos - Check-list
Identificação de riscos em projetos - Check-list
 
Metodologia de Desenvolvimento de Softwares
Metodologia de Desenvolvimento de SoftwaresMetodologia de Desenvolvimento de Softwares
Metodologia de Desenvolvimento de Softwares
 
Gerenciamento de projetos apostila completa
Gerenciamento de projetos   apostila completaGerenciamento de projetos   apostila completa
Gerenciamento de projetos apostila completa
 
Projeto e Desenvolvimento de Software
Projeto e Desenvolvimento de SoftwareProjeto e Desenvolvimento de Software
Projeto e Desenvolvimento de Software
 

Semelhante a Proposta de um Modelo de Matriz de Correlação e Relevância – ODS e indicadores de projetos de impacto social do Sebrae

Semelhante a Proposta de um Modelo de Matriz de Correlação e Relevância – ODS e indicadores de projetos de impacto social do Sebrae (20)

Contribuições para o uso da MVR - Matriz de Valor e Relevância - Indicadores ...
Contribuições para o uso da MVR - Matriz de Valor e Relevância - Indicadores ...Contribuições para o uso da MVR - Matriz de Valor e Relevância - Indicadores ...
Contribuições para o uso da MVR - Matriz de Valor e Relevância - Indicadores ...
 
Análise de viabilidade financeira em projetos de eficiência energética
Análise de viabilidade financeira em projetos de eficiência energéticaAnálise de viabilidade financeira em projetos de eficiência energética
Análise de viabilidade financeira em projetos de eficiência energética
 
Modelo de Responsabilidade Organizacional e a Transformação Digital
Modelo de Responsabilidade Organizacional e a Transformação DigitalModelo de Responsabilidade Organizacional e a Transformação Digital
Modelo de Responsabilidade Organizacional e a Transformação Digital
 
Pensando a Experiência do Usuário em Projetos Plone - Plone Symposium South A...
Pensando a Experiência do Usuário em Projetos Plone - Plone Symposium South A...Pensando a Experiência do Usuário em Projetos Plone - Plone Symposium South A...
Pensando a Experiência do Usuário em Projetos Plone - Plone Symposium South A...
 
Mini curso aula 02
Mini curso aula 02Mini curso aula 02
Mini curso aula 02
 
A Percepção do Relações Públicas a Respeito de seu Papel na Era da Comunicaçã...
A Percepção do Relações Públicas a Respeito de seu Papel na Era da Comunicaçã...A Percepção do Relações Públicas a Respeito de seu Papel na Era da Comunicaçã...
A Percepção do Relações Públicas a Respeito de seu Papel na Era da Comunicaçã...
 
2016 11 16_indicadores
2016 11 16_indicadores2016 11 16_indicadores
2016 11 16_indicadores
 
ANÁLISE ESTRATÉGICA DE TERCEIRIZAÇÃO: UM ESTUDO DE CASO EM UMA OPERADORA DE T...
ANÁLISE ESTRATÉGICA DE TERCEIRIZAÇÃO: UM ESTUDO DE CASO EM UMA OPERADORA DE T...ANÁLISE ESTRATÉGICA DE TERCEIRIZAÇÃO: UM ESTUDO DE CASO EM UMA OPERADORA DE T...
ANÁLISE ESTRATÉGICA DE TERCEIRIZAÇÃO: UM ESTUDO DE CASO EM UMA OPERADORA DE T...
 
94 1006-1-pb
94 1006-1-pb94 1006-1-pb
94 1006-1-pb
 
Lean Construction no Brasil
Lean Construction no BrasilLean Construction no Brasil
Lean Construction no Brasil
 
Mini curso aula 03
Mini curso aula 03Mini curso aula 03
Mini curso aula 03
 
Relatório_168_APPs__Gerenciamento_Projetos
Relatório_168_APPs__Gerenciamento_ProjetosRelatório_168_APPs__Gerenciamento_Projetos
Relatório_168_APPs__Gerenciamento_Projetos
 
Medição de software
Medição de softwareMedição de software
Medição de software
 
Conheça nossa empresa
Conheça nossa empresaConheça nossa empresa
Conheça nossa empresa
 
RAD - Métodos ágeis
RAD - Métodos ágeisRAD - Métodos ágeis
RAD - Métodos ágeis
 
Uso de Design Thinking no Planejamento Tecnológico de Produtos
Uso de Design Thinking no Planejamento Tecnológico de ProdutosUso de Design Thinking no Planejamento Tecnológico de Produtos
Uso de Design Thinking no Planejamento Tecnológico de Produtos
 
Slides avaliacao de desempenho - curso belém
Slides   avaliacao de desempenho - curso belémSlides   avaliacao de desempenho - curso belém
Slides avaliacao de desempenho - curso belém
 
Mini curso aula 01
Mini curso aula 01Mini curso aula 01
Mini curso aula 01
 
TDC2017 | São Paulo - Trilha BigData How we figured out we had a SRE team at ...
TDC2017 | São Paulo - Trilha BigData How we figured out we had a SRE team at ...TDC2017 | São Paulo - Trilha BigData How we figured out we had a SRE team at ...
TDC2017 | São Paulo - Trilha BigData How we figured out we had a SRE team at ...
 
Metodologia fel
Metodologia felMetodologia fel
Metodologia fel
 

Mais de Luis Borges Gouveia

Mais de Luis Borges Gouveia (20)

A Sala de Aula como um espaço de oportunidade num tempo pós pandémico
A Sala de Aula como um espaço de oportunidade num tempo pós pandémicoA Sala de Aula como um espaço de oportunidade num tempo pós pandémico
A Sala de Aula como um espaço de oportunidade num tempo pós pandémico
 
Sharing ongoing research from *TRS group on ICT for teaching and learning
Sharing ongoing research from *TRS group on ICT for teaching and learningSharing ongoing research from *TRS group on ICT for teaching and learning
Sharing ongoing research from *TRS group on ICT for teaching and learning
 
Casos de Estudo e Estudos de Caso. Práticas e Operacionalização: como resolve...
Casos de Estudo e Estudos de Caso. Práticas e Operacionalização: como resolve...Casos de Estudo e Estudos de Caso. Práticas e Operacionalização: como resolve...
Casos de Estudo e Estudos de Caso. Práticas e Operacionalização: como resolve...
 
Inteligência Artificial e o seu uso em contexto militar
Inteligência Artificial e o seu uso em contexto militarInteligência Artificial e o seu uso em contexto militar
Inteligência Artificial e o seu uso em contexto militar
 
Eventos PhD CI SiTEGI UFP
Eventos PhD CI SiTEGI UFPEventos PhD CI SiTEGI UFP
Eventos PhD CI SiTEGI UFP
 
Information Science PhD event
Information Science PhD eventInformation Science PhD event
Information Science PhD event
 
Curadoria Digital de Conteúdo para Educação a Distância
Curadoria Digital de Conteúdo para Educação a DistânciaCuradoria Digital de Conteúdo para Educação a Distância
Curadoria Digital de Conteúdo para Educação a Distância
 
Livro de Resumos do Seminário PhD CI - SiTEGI 2020
Livro de Resumos do Seminário PhD CI - SiTEGI 2020Livro de Resumos do Seminário PhD CI - SiTEGI 2020
Livro de Resumos do Seminário PhD CI - SiTEGI 2020
 
O Digital e um espaço de oportunidades num oceano de desafios
O Digital e um espaço de oportunidades num oceano de desafiosO Digital e um espaço de oportunidades num oceano de desafios
O Digital e um espaço de oportunidades num oceano de desafios
 
Uma análise prévia do ensino de emergência em tempos de pandemia e o impacto ...
Uma análise prévia do ensino de emergência em tempos de pandemia e o impacto ...Uma análise prévia do ensino de emergência em tempos de pandemia e o impacto ...
Uma análise prévia do ensino de emergência em tempos de pandemia e o impacto ...
 
A oportunidade de um novo normal no ensino superior
A oportunidade de um novo normal no ensino superiorA oportunidade de um novo normal no ensino superior
A oportunidade de um novo normal no ensino superior
 
CULTURA DIGITAL DEFINIÇÃO E DIMENSÕES CONSTITUTIVAS: uma proposta para mapear...
CULTURA DIGITAL DEFINIÇÃO E DIMENSÕES CONSTITUTIVAS: uma proposta para mapear...CULTURA DIGITAL DEFINIÇÃO E DIMENSÕES CONSTITUTIVAS: uma proposta para mapear...
CULTURA DIGITAL DEFINIÇÃO E DIMENSÕES CONSTITUTIVAS: uma proposta para mapear...
 
Transformação digital e gestão da informação
Transformação digital e gestão da informaçãoTransformação digital e gestão da informação
Transformação digital e gestão da informação
 
O momento da Transformação digital
O momento da Transformação digitalO momento da Transformação digital
O momento da Transformação digital
 
Emerging alternatives to leadership and governance in a digital ecosystem
Emerging alternatives to leadership and governance in a digital ecosystemEmerging alternatives to leadership and governance in a digital ecosystem
Emerging alternatives to leadership and governance in a digital ecosystem
 
Sobre Cultura Digital
Sobre Cultura DigitalSobre Cultura Digital
Sobre Cultura Digital
 
O lugar da leitura como espaço de convergência entre o real e o digital
O lugar da leitura como espaço de convergência entre o real e o digitalO lugar da leitura como espaço de convergência entre o real e o digital
O lugar da leitura como espaço de convergência entre o real e o digital
 
Responder a um contexto digital nas IES
Responder a um contexto digital nas IESResponder a um contexto digital nas IES
Responder a um contexto digital nas IES
 
Reviewing Power-Saving Approaches Used During the Actual End-User Usage of an...
Reviewing Power-Saving Approaches Used During the Actual End-User Usage of an...Reviewing Power-Saving Approaches Used During the Actual End-User Usage of an...
Reviewing Power-Saving Approaches Used During the Actual End-User Usage of an...
 
Reviewing Power-Saving Approaches Used During the Actual End-User Usage of an...
Reviewing Power-Saving Approaches Used During the Actual End-User Usage of an...Reviewing Power-Saving Approaches Used During the Actual End-User Usage of an...
Reviewing Power-Saving Approaches Used During the Actual End-User Usage of an...
 

Último

Historia-em-cartaz-Lucas-o-menino-que-aprendeu-a-comer-saudavel- (1).pdf
Historia-em-cartaz-Lucas-o-menino-que-aprendeu-a-comer-saudavel- (1).pdfHistoria-em-cartaz-Lucas-o-menino-que-aprendeu-a-comer-saudavel- (1).pdf
Historia-em-cartaz-Lucas-o-menino-que-aprendeu-a-comer-saudavel- (1).pdf
andreaLisboa7
 
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhosoO Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
VALMIRARIBEIRO1
 
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
aulasgege
 
TAMPINHAS Sílabas. Para fazer e trabalhar com as crianças.
TAMPINHAS Sílabas. Para fazer e trabalhar com as crianças.TAMPINHAS Sílabas. Para fazer e trabalhar com as crianças.
TAMPINHAS Sílabas. Para fazer e trabalhar com as crianças.
FLAVIA LEZAN
 

Último (20)

Produção de poemas - Reciclar é preciso
Produção  de  poemas  -  Reciclar é precisoProdução  de  poemas  -  Reciclar é preciso
Produção de poemas - Reciclar é preciso
 
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptxSlides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
 
Multiplicação - Caça-número
Multiplicação - Caça-número Multiplicação - Caça-número
Multiplicação - Caça-número
 
bem estar animal em proteção integrada componente animal
bem estar animal em proteção integrada componente animalbem estar animal em proteção integrada componente animal
bem estar animal em proteção integrada componente animal
 
o-homem-que-calculava-malba-tahan-1_123516.pdf
o-homem-que-calculava-malba-tahan-1_123516.pdfo-homem-que-calculava-malba-tahan-1_123516.pdf
o-homem-que-calculava-malba-tahan-1_123516.pdf
 
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdfufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
 
Livro infantil: A onda da raiva. pdf-crianças
Livro infantil: A onda da raiva. pdf-criançasLivro infantil: A onda da raiva. pdf-crianças
Livro infantil: A onda da raiva. pdf-crianças
 
Historia-em-cartaz-Lucas-o-menino-que-aprendeu-a-comer-saudavel- (1).pdf
Historia-em-cartaz-Lucas-o-menino-que-aprendeu-a-comer-saudavel- (1).pdfHistoria-em-cartaz-Lucas-o-menino-que-aprendeu-a-comer-saudavel- (1).pdf
Historia-em-cartaz-Lucas-o-menino-que-aprendeu-a-comer-saudavel- (1).pdf
 
O que é, de facto, a Educação de Infância
O que é, de facto, a Educação de InfânciaO que é, de facto, a Educação de Infância
O que é, de facto, a Educação de Infância
 
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhosoO Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
 
Apresentação sobre Robots e processos educativos
Apresentação sobre Robots e processos educativosApresentação sobre Robots e processos educativos
Apresentação sobre Robots e processos educativos
 
662938.pdf aula digital de educação básica
662938.pdf aula digital de educação básica662938.pdf aula digital de educação básica
662938.pdf aula digital de educação básica
 
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
 
Poema - Maio Laranja
Poema - Maio Laranja Poema - Maio Laranja
Poema - Maio Laranja
 
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamente
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamenteDescrever e planear atividades imersivas estruturadamente
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamente
 
Testes de avaliação português 6º ano .pdf
Testes de avaliação português 6º ano .pdfTestes de avaliação português 6º ano .pdf
Testes de avaliação português 6º ano .pdf
 
Slides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptx
Slides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptxSlides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptx
Slides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptx
 
TAMPINHAS Sílabas. Para fazer e trabalhar com as crianças.
TAMPINHAS Sílabas. Para fazer e trabalhar com as crianças.TAMPINHAS Sílabas. Para fazer e trabalhar com as crianças.
TAMPINHAS Sílabas. Para fazer e trabalhar com as crianças.
 
ROTINA DE ESTUDO-APOSTILA ESTUDO ORIENTADO.pdf
ROTINA DE ESTUDO-APOSTILA ESTUDO ORIENTADO.pdfROTINA DE ESTUDO-APOSTILA ESTUDO ORIENTADO.pdf
ROTINA DE ESTUDO-APOSTILA ESTUDO ORIENTADO.pdf
 
Edital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PE
Edital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PEEdital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PE
Edital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PE
 

Proposta de um Modelo de Matriz de Correlação e Relevância – ODS e indicadores de projetos de impacto social do Sebrae

  • 1. Proposta de um Modelo de Matriz de Correlação e Relevância – ODS e indicadores de projetos de impacto social do Sebrae T R A B A L H O D E S U P O R T E À T E S E D E D O U T O R A M E N T O E M C I Ê N C I A S D A I N F O R M A Ç Ã O : V A L É R I A B A R R O S E L U I S B O R G E S G O U V E I A – U F P / P O R T O C O N T R I B U I Ç Õ E S P A R A A M E N S U R A Ç Ã O D A R E L E V Â N C I A D O S I N D I C A D O R E S D E P R O J E T O S D E I M P A C T O S O C I A L E M A D E R Ê N C I A A O S O D S A B A L H O D E S U P O R T E À T E S E D E D O U T O R A D O E M C I Ê N C I A S D A I N F O R M A Ç Ã O
  • 4. Contextualização Pesquisamos em bases bibliográficas, modelos de matriz que pudessem ser adaptadas e servissem de inspiração para medir um valor de relevância entre os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável e indicadores de projetos, neste caso os de impacto social. Não foram encontrados modelos semelhantes. Desde então, buscamos referências em modelos de tabelas de grau de relevância para dar um valor associado à proposta do modelo sugerido de Matriz, sendo proposto uma tabela criada por nível de grau de relevância, elemento central a todo processo de mensuração do indicador x ODS.
  • 5. Contextualização A tabela criada para a definição do nível de relevância do Indicador dos projetos x ODS foi derivada de uma adaptação da tabela que mensura a escala de prontidão tecnológica – Technology Readiness Level (TRL), um instrumento desenvolvido com o intuito de prover uma medida relativa ao estado de uma nova tecnologia em relação ao seu uso para futuros sistemas espaciais. Consolidou-se como uma métrica de uso mundial importante não apenas para avaliar a prontidão tecnológica, mas como método para analisar riscos inerentes ao processo de desenvolvimento tecnológico e fornecer bases para a tomada de decisão e orientações para gestores voltados à Pesquisa e Desenvolvimento (Altunok, Cakmak, 2010; Markins, 2009).
  • 6. Contextualização Segundo a ABDI (Agência Brasileira de Desenvolvimento Industrial) – a escala de prontidão tecnológica ou Nível de Maturidade Tecnológica é definido como: “Um sistema de medição e uma métrica sistemática empregada na avaliação da maturidade de uma tecnologia particular, assim como na comparação da maturidade de diferentes tipos de tecnologias, ou seja, trata-se de um avaliador do nível de maturidade de uma tecnologia”.
  • 7. Os níveis 1, 2 e 3 se referem ao conceito da nova tecnologia. Os níveis 4, 5 e 6 avaliam o desenvolvimento de componentes, enquanto os níveis 7, 8 e 9 verificam se a tecnologia está completa (NASA, 2010). Entende-se que quanto menor o TRL maior o risco tecnológico. TABELA TRL – Nível de Prontidão da Tecnologia
  • 8. Notamos então que precisávamos ter um CONJUNTO de instrumentos que nos apoiasse na mensuração do grau de relevância entre indicadores de projetos e os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS).
  • 9. Proposta de esquema de Aplicação em estudos de casos de negócios de impacto do Sebrae 1. Estabelecer o Grau de Relevância conforme proposta de Tabela ( instrumento 1) 2. Aplicar o Grau de relevância na Matriz de Correlação e Relevância; (instrumento 2) 3. Obter a média dos maiores graus de relevância dos ODS em relação aos Indicadores de projeto; 4. Obter gráficos demonstrativos do desempenho das maiores intervenções dos ODS por Indicador de projeto; ( instrumento 3) 5. Preencher Relatório de Evidências que comprovem a maior relação do ODS ao projeto ( instrumento 4)
  • 10. Instrumento 1 – MODELO PROPOSTO, TABELA DE NÍVEL DE RELEVÂNCIA FONTE : Própria
  • 11. Os níveis de 1 à 3 são considerados níveis básicos de relevância dos indicadores em relação aos ODS. O nível 4 representa um nível intermediário de relevância e de 5 à 7, níveis superiores do grau da relevância do Indicador de Projeto em relação à um ou mais ODS. O modelo proposto da Matriz de correlação e relevância – MCR permite que sejam ranqueados os ODS que mais se alinham ao indicador de cada iniciativa ou projeto de gestão privada ou pública, a partir do nível de relevância identificado. Nota-se que quanto maior o nível de relevância proposto, maior a possibilidade de integração dos projetos e iniciativas com outras frentes, promovendo um transbordamento de informações que pode elevar o interesse e entrada de outros stakeholders ao projeto. Isso poderá potencializar resultados positivos para toda a sociedade. DEFINIÇÃO DOS GRAUS DE RELEVÂNCIA
  • 12. Responsabilidades do Gestor 1. Ter conhecimento do Escopo do Projeto como um todo 2. Ter conhecimento sobre os conceitos de cada ODS 3. Aplicar notas de nível de relevância observando a visão sistêmica e integrada de projetos e formação de redes com outros stakeholders
  • 13. Instrumento 2 – Matriz de Correlação e Relevância – Indicadores de Projeto X ODS
  • 14. Notamos que o ODS 12 tem a maior média de relevância frente ao conjunto dos indicadores de projeto do estudo de caso – Desenvolvimento dos Negócios de Impacto Social e Ambiental do Rio Grande do Norte – 2018.
  • 15. Para o indicador: Participação dos pequenos negócios nas compras governamentais – os ODS 12 e 16 tem maior relevância. Para o indicador: Faturamento bruto médio – os ODS 8, 11 e 12 tem maior relevância. Para o indicador: Empresas inseridas nas cadeias de valor – os ODS 9 e 17 tem maior relevância. INTERPRETAÇÃO DE RELEVÂNCIA POR INDICADOR DO PROJETO RN
  • 16. Instrumento 3 – Gráfico demonstrativo de relevância dos indicadores X ODS
  • 17. Instrumento 4 – Modelo de Relatório de Evidências Para compor a análise mais substanciosa da aderência do grau de relevância dos indicadores de projetos em relação aos ODS, foi desenvolvido modelo prático de relatório de evidências que permite a autoavaliação qualitativa feita pelo gestor responsável. O objetivo é comprovar a eficácia das ações do projeto, por meio dos registros apontados pelo gestor(a) que embasam a sua avaliação para o alcance da média do grau de relevância, demonstrando justificativa que reforce a maior relação do projeto como um todo ao ODS mais relevante.
  • 18. Instrumento 4 – Modelo de Relatório de Evidências Estudo de caso – Projeto Desenvolvimento de Negócios de Impacto do RN
  • 19. Benefícios  Maior aderência dos modelos de negócios aos desafios da Agenda 2030;  Remodelagem dos modelos de negócios para serem mais competitivos e sustentáveis reconhecendo os ODS como norteadores de sua missão ou propósito;  Possibilitar a múltipla visão de parceiros que podem adotar o uso da ferramenta em conjunto com o gestor de projetos;  Servir como instrumento de referência para aplicação em outros programas (públicos, instituições de ensino, empresariais) que buscam alinhar seus indicadores de resultados à luz da aderência aos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável.
  • 20. Agradecida! Valéria Barros T R A B A L H O D E S U P O R T E À T E S E D E D O U T O R A M E N T O E M C I Ê N C I A S D A I N F O R M A Ç Ã O , U F P / P O R T O ( V A L É R I A B A R R O S , L U I S B O R G E S G O U V E I A ) C O N T R I B U I Ç Õ E S P A R A A M E N S U R A Ç Ã O D A R E L E V Â N C I A D O S I N D I C A D O R E S D E P R O J E T O S D E I M P A C T O S O C I A L E M A D E R Ê N C I A A O S O D S A B A L H O D E S U P O R T E À T E S E D E D O U T O R A D O E M C I Ê N C I A S D A I N F O R M A Ç Ã O