SlideShare uma empresa Scribd logo
Quais os processos e as
etapas de operacionalização
 da avaliação institucional?

     Módulo IX - Unidade 2
Cursistas
Andréia    Sales Rodrigues
Fernanda    Ferreira Santana
Jamile   Bastos
Juciélia   Oliveira Souza
Kelly   Cristina Araújo
Marla   Carvalho Pereira
Márcia   Costa Couto
Mariana    Cardoso Rodrigues
Renan    Iury Mendes
Sandra    Sueli de Oliveira Rodrigues
Taciara    dos Santos Costa
Avaliar não se trata de medir aspectos
fragmentados, mas de avaliar articuladamente as
diversas dimensões da Instituição.
                  J.D. Sobrinho (2000)




A   avaliação implica em                 um   debate
estrutural, ético e político.
                   H. Simons (1993)


As principais dificuldades não são técnicas,
senão políticas, de vontade, de sentido comum,
de sensibilidade pedagógica, de flexibilidade e de
criatividade.
                    Branco (1993)
Introdução
A avaliação institucional visa ao
aperfeiçoamento da qualidade da
educação – isto é, do ensino, da
aprendizagem e da gestão institucional
– com a finalidade de transformar a
escola atual em uma instituição
comprometida com a aprendizagem de
todos e com a transformação da
sociedade.
A educação é instrumento social,
político-econômico; não para
produzir, de forma isolada, a
mudança social, mas para que os
sujeitos sociais sejam inseridos no
processo de mudança. O saber
cientifico e o popular, o universal e
o regional são produtos da
humanidade. É fundamental que
todos tenham pleno acesso a eles.
A escola pode tornar-se um lugar de
vivências de prazer, de cultura e de
ciência, onde a ética e a justiça
norteiem as ações. A avaliação é,
nessa perspectiva, mais do que
apenas um debate. É um
instrumento poderoso de
reconstrução da educação brasileira.
Objetivos Específicos
Relacionar    os princípios e as finalidades da
avaliação institucional com os objetivos do projeto
pedagógico de sua escola;
Distinguir as três modalidades básicas da avaliação
institucional: de diagnóstico inicial, de processo e de
resultados;
Formular, juntamente com a comunidade escolar , as
ações metodológicas da avaliação de sua escola;
Identificar etapas e estratégias básicas de
operacionalização do processo de avaliação da
escola.
Caracterizar a avaliação institucional como um
processo construído pela escola.
O caminho da Aprendizagem

Aborda três ideias básicas:

1ª Faz uma relação dos princípios e
finalidades da avaliação;
2ª Trabalha as diferentes modalidades da
avaliação;
3ª Trata das ações metodológicas e das
etapas que poderão ser utilizadas.
A avaliação institucional apresenta-se como
um processo que dará oportunidade à
escola, com a participação de todos, de
refletir sobre sua prática.

Afirma uma professora do Ceará que:
Se avaliar é uma forma de estabelecer
compromissos com a sociedade, de estudar,
propor e implementar mudanças no cotidiano das
atividades, o processo de avaliação precisa ser por
nós construído.
Quais as modalidades da avaliação
            institucional?


A avaliação institucional é um
mecanismo importante em todos os
momentos da vivência da escola.
Modalidades básicas da AI

Avaliação diagnostica inicial – Tem
o objetivo de fornecer informações
necessárias à escola.

Avaliação de processo – É a
avaliação do cotidiano escolar.

Avaliação de resultados – Analisa o
resultado do processo de
aprendizagem dos alunos.
É importante que esteja claro para
nós que essas modalidades são
complementares, com dados que se
enriquecem. É preciso analisá-las e
traçar novos caminhos de superação
de situações de dificuldade.
A avaliação precisa ser espelho
e lâmpada, não apenas espelho.
Precisa não apenas refletir a
realidade, mas iluminá-lo criando
enfoques, perspectivas,
mostrando relações, atribuindo
significados.
Que ações metodológicas e etapas da
  avaliação institucional poderemos utilizar?

Visão de Totalidade – Significa
que a escola deve ser avaliada no
seu todo.

Participação Coletiva – O
processo de avaliação deverá ser
discutido por todos os segmentos.
Planejamento e Acompanhamento

É por meio dessa ação que poderá ser
assegurada a continuidade do processo para
que ele não se limite ao levantamento de
informações.Se o estabelecimento já tem
formado o conselho escolar, ou outros
conselhos, com representantes de todos os
segmentos, estes poderão ser aproveitados
para coordenar o projeto de avaliação
institucional, não precisando constituir um
grupo extra.
O que deve fazer o grupo de
            trabalho?

As funções desse grupo poderão ser
definidas pelo próprio grupo na escola.
Podemos citar alguns:
1- Elaborar uma proposta do projeto de avaliação
institucional para a escola;
2- Sensibilizar e discutir a proposta, recebendo sugestões
para a definição do projeto;
3- Sugerir e discutir as grandes categorias para elaboração
dos instrumentos de coleta de informações e os aspectos
que deverão ser avaliados;
4- Elaborar uma versão dos instrumentos de coleta de
informações, discutir nos vários grupos;
5- Aplicar os instrumentos de coleta de informações;
6- Organizar as informações e divulgar esses resultados;
7- Coordenar a análise nos grupos de cada segmento;
8- Elaborar um relatório final;
9- Divulgar os resultados finais, com encaminhamento de
ação.
É preciso ficar claro que a existência de
grupos de planejamento e acompanhamento
não significa que só eles serão responsáveis
pelo processo de avaliação institucional. As
estratégias deverão ser traçadas por cada
escola para que esse aspecto não seja
omitido, pois dele depende a qualidade e a
fidedignidade do processo de avaliação.
As vantagens da Visão de Totalidade (que é a visão
de toda escola) é de possibilitar e estabelecer
relações entre cada ação específica e o projeto
pedagógico da escola. As dificuldades decorrem da
estrutura da escola, da falta de relações entre as
pessoas e principalmente da falta de um projeto que
unifique a escola.

As vantagens da Participação Coletiva decorrem de
várias dimensões que é proporcionada pelos vários
segmentos da escola. Existe também o compromisso
que decorre da participação e da valorização de
todos...
Para superar essas dificuldades, é preciso usar
estratégias como:
- Sensibilizar pais para a importância da avaliação
e da participação deles para a melhoria da escola
de seus filhos;
- Considerar suas sugestões e dando respostas a
elas;
Quando os pais ou outros segmentos sentem que
sua participação é levada a sério, eles colaboram.

O Planejamento e o Acompanhamento a sua
principal vantagem é assegurar a continuidade e a
unidade do processo.
Etapas e Estratégias de
            Operacionalização
1- Etapa de Preparação – Deverão constar
todas as ações que antecedem a
implementação do processo de avaliação. E
como a avaliação é um processo coletivo,
esse projeto terá de ser elaborado por um
Grupo de Trabalho (GT) e discutido por
vários segmentos que formam a escola.
2- Etapa de Implementação – Constam as ações de
elaboração e aplicação de instrumentos de coleta de
informações e de organização e análise dessas informações.

3- Etapa de Síntese – Estão concentradas as informações já
organizadas e que deverão servir de orientação para as
posteriores ações da escola. E o uso e divulgação da
avaliação requerem tomadas de decisões que dependem
muito dos gestores da escola.

O desafio deste Módulo é avaliar a escola como um todo,
buscando identificar como estão funcionando as coisas,
ou seja, como é desenvolvida cada uma das atividades
que levam os alunos a aprenderem e se tornarem
cidadãos.
Processos de Avaliação Institucional

                    É o momento onde a própria instituição
                    volta-se para o levantamento da sua
  Auto-Avaliação    realidade,   utilizando  metodologias   e
                    instrumentos que possibilitem uma análise
                    abrangente      e profunda sobre a sua
                    estrutura institucional.


                    É o momento de agregar o olhar
                    externo ao processo interno. Pode
Avaliação Externa   ser praticada por especialista
                    externo convidado e/ou pelo poder
                    público por meio de suas ações de
                    regulação do sistema de ensino.
Avaliação é um processo complexo e não há um
modelo ideal e único para as escolas. Ela precisa ser
construída. É um desafio de uma longa caminhada,
possível e necessária.


É importante fazer uma reflexição de -
Como esta o desenvolvimento dos
professores? A participação dos pais?
A gestão da escola? Como vai o
sistema educacional? Quais os fatores
e as situações que precisam ser
mudadas?
Esperamos que a avaliação venha facilitar
a função social da escola como serviço
público, viabilizando um processo
democrático, participativo, sério e reflexivo
que possa captar os pontos mais frágeis de
cada estabelecimento de ensino e apontar
os rumos da sua superação com vistas a
elevar o nível do nosso desempenho, face
aos nossos compromissos sociais.
Concluímos que a Avaliação Institucional
é um processo global, contínuo e
sistemático, competente e legitimo,
participativo, que pode envolver agentes
internos e externos na formulação para a
melhoria da qualidade da instituição
escolar.

“Todos devemos colaborar para fazer da
escola um local agradável.”
Referências

Concepção   dos Docentes da UEMA Sobre
Avaliação Institucional
Cesar Henrique Santos Pires

Avaliaçãoeducacional I. Belloni, Isaura. II.
Machado, Maria Aglaê de Medeiros. III. Título:
como desenvolver a avaliação institucional da
escola?

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Reunião de pais
Reunião de paisReunião de pais
Reunião de pais
walcarletti
 
Histórico Ed Infantil
Histórico Ed InfantilHistórico Ed Infantil
Histórico Ed Infantil
Maria Bárbara Floriano
 
SAEB_Prova brasil
SAEB_Prova brasilSAEB_Prova brasil
SAEB_Prova brasil
Jessica Nuvens
 
Alfabetização e linguagem_2014
Alfabetização e linguagem_2014Alfabetização e linguagem_2014
Alfabetização e linguagem_2014
Naysa Taboada
 
8. Educação Inclusiva 22.11.2010
8. Educação Inclusiva 22.11.20108. Educação Inclusiva 22.11.2010
8. Educação Inclusiva 22.11.2010
Sandra Luccas
 
Coordenação pedagógica
Coordenação pedagógicaCoordenação pedagógica
Coordenação pedagógica
Grasiela Dourado
 
Reflexões : O ato de registrar e Aprender com a prática Pedagógica
Reflexões : O ato de registrar e Aprender com a prática PedagógicaReflexões : O ato de registrar e Aprender com a prática Pedagógica
Reflexões : O ato de registrar e Aprender com a prática Pedagógica
Luluroque
 
Como elaborar o memorial
Como elaborar o memorialComo elaborar o memorial
Como elaborar o memorial
UNICEP
 
Ensino hibrido
Ensino hibridoEnsino hibrido
Ensino hibrido
Claudio Ribeiro
 
PLANO DE CURSO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO - 7° PERÍODO DE PEDAGOGIA DAS FIP
PLANO DE CURSO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO - 7° PERÍODO DE PEDAGOGIA DAS FIPPLANO DE CURSO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO - 7° PERÍODO DE PEDAGOGIA DAS FIP
PLANO DE CURSO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO - 7° PERÍODO DE PEDAGOGIA DAS FIP
www.estagiosupervisionadofip.blogspot.com
 
Portfolio disciplina planejamento e avaliação
Portfolio disciplina planejamento e avaliaçãoPortfolio disciplina planejamento e avaliação
Portfolio disciplina planejamento e avaliação
JOAO AURELIANO
 
Auto avaliação educação física
Auto avaliação educação físicaAuto avaliação educação física
Auto avaliação educação física
José Carlos Licheschi Barbosa
 
Alfabetização e letramento
Alfabetização e letramentoAlfabetização e letramento
Alfabetização e letramento
LianeMagnolia
 
Conselho de classe 2º trimestre - poli i - vespertino
Conselho de classe   2º trimestre - poli i - vespertinoConselho de classe   2º trimestre - poli i - vespertino
Conselho de classe 2º trimestre - poli i - vespertino
Polivalente Linhares
 
Eja – Formação e prática de professores - IFMA
Eja – Formação e prática de professores - IFMAEja – Formação e prática de professores - IFMA
Eja – Formação e prática de professores - IFMA
Leandro Marques
 
Libâneo, josé carlos
Libâneo, josé carlosLibâneo, josé carlos
Libâneo, josé carlos
Soares Junior
 
Pauta htpc 08 de fevereiro 2012
Pauta htpc 08 de fevereiro 2012Pauta htpc 08 de fevereiro 2012
Pauta htpc 08 de fevereiro 2012
Nethy Marques
 
Dez novas competências para ensinar – philippe perrenoud
Dez novas competências para ensinar – philippe perrenoudDez novas competências para ensinar – philippe perrenoud
Dez novas competências para ensinar – philippe perrenoud
Soares Junior
 
Saeb
SaebSaeb
Projeto de Intervenção
Projeto de IntervençãoProjeto de Intervenção
Projeto de Intervenção
moniquests
 

Mais procurados (20)

Reunião de pais
Reunião de paisReunião de pais
Reunião de pais
 
Histórico Ed Infantil
Histórico Ed InfantilHistórico Ed Infantil
Histórico Ed Infantil
 
SAEB_Prova brasil
SAEB_Prova brasilSAEB_Prova brasil
SAEB_Prova brasil
 
Alfabetização e linguagem_2014
Alfabetização e linguagem_2014Alfabetização e linguagem_2014
Alfabetização e linguagem_2014
 
8. Educação Inclusiva 22.11.2010
8. Educação Inclusiva 22.11.20108. Educação Inclusiva 22.11.2010
8. Educação Inclusiva 22.11.2010
 
Coordenação pedagógica
Coordenação pedagógicaCoordenação pedagógica
Coordenação pedagógica
 
Reflexões : O ato de registrar e Aprender com a prática Pedagógica
Reflexões : O ato de registrar e Aprender com a prática PedagógicaReflexões : O ato de registrar e Aprender com a prática Pedagógica
Reflexões : O ato de registrar e Aprender com a prática Pedagógica
 
Como elaborar o memorial
Como elaborar o memorialComo elaborar o memorial
Como elaborar o memorial
 
Ensino hibrido
Ensino hibridoEnsino hibrido
Ensino hibrido
 
PLANO DE CURSO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO - 7° PERÍODO DE PEDAGOGIA DAS FIP
PLANO DE CURSO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO - 7° PERÍODO DE PEDAGOGIA DAS FIPPLANO DE CURSO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO - 7° PERÍODO DE PEDAGOGIA DAS FIP
PLANO DE CURSO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO - 7° PERÍODO DE PEDAGOGIA DAS FIP
 
Portfolio disciplina planejamento e avaliação
Portfolio disciplina planejamento e avaliaçãoPortfolio disciplina planejamento e avaliação
Portfolio disciplina planejamento e avaliação
 
Auto avaliação educação física
Auto avaliação educação físicaAuto avaliação educação física
Auto avaliação educação física
 
Alfabetização e letramento
Alfabetização e letramentoAlfabetização e letramento
Alfabetização e letramento
 
Conselho de classe 2º trimestre - poli i - vespertino
Conselho de classe   2º trimestre - poli i - vespertinoConselho de classe   2º trimestre - poli i - vespertino
Conselho de classe 2º trimestre - poli i - vespertino
 
Eja – Formação e prática de professores - IFMA
Eja – Formação e prática de professores - IFMAEja – Formação e prática de professores - IFMA
Eja – Formação e prática de professores - IFMA
 
Libâneo, josé carlos
Libâneo, josé carlosLibâneo, josé carlos
Libâneo, josé carlos
 
Pauta htpc 08 de fevereiro 2012
Pauta htpc 08 de fevereiro 2012Pauta htpc 08 de fevereiro 2012
Pauta htpc 08 de fevereiro 2012
 
Dez novas competências para ensinar – philippe perrenoud
Dez novas competências para ensinar – philippe perrenoudDez novas competências para ensinar – philippe perrenoud
Dez novas competências para ensinar – philippe perrenoud
 
Saeb
SaebSaeb
Saeb
 
Projeto de Intervenção
Projeto de IntervençãoProjeto de Intervenção
Projeto de Intervenção
 

Destaque

Números racionais.projeto
Números racionais.projetoNúmeros racionais.projeto
Números racionais.projeto
Julieta Miho Yamate
 
Apresentação das mudanças ocorridas na escola gestão 2010 a 2012
Apresentação das mudanças ocorridas na escola  gestão 2010 a 2012Apresentação das mudanças ocorridas na escola  gestão 2010 a 2012
Apresentação das mudanças ocorridas na escola gestão 2010 a 2012
Jaqueline_Sobreira
 
Avaliação unidade 1
Avaliação unidade 1Avaliação unidade 1
Avaliação unidade 1
progestaoanguera
 
Indicadores - Intro - Apresentação
Indicadores - Intro - ApresentaçãoIndicadores - Intro - Apresentação
Indicadores - Intro - Apresentação
Rafael Lisboa
 
Indicadores da escola
Indicadores da escolaIndicadores da escola
Indicadores da escola
Estado do RS
 
Treinamento processos draw io
Treinamento processos draw ioTreinamento processos draw io
Treinamento processos draw io
Rafael Lisboa
 
Ppp 2014 versão blog
Ppp 2014 versão blogPpp 2014 versão blog
Ppp 2014 versão blog
labjosecataldi
 
Apresentação do projeto
Apresentação do projetoApresentação do projeto
Apresentação do projeto
Juciara Brito
 
10 Indicadores Para Uma Boa Escola Ramiro Marques
10 Indicadores Para Uma Boa Escola Ramiro Marques10 Indicadores Para Uma Boa Escola Ramiro Marques
10 Indicadores Para Uma Boa Escola Ramiro Marques
guest3d46ef
 
A escola ideal
A escola idealA escola ideal
Por que usar indicadores de desempenho na Educação?
Por que usar indicadores de desempenho na Educação?Por que usar indicadores de desempenho na Educação?
Por que usar indicadores de desempenho na Educação?
Elizabeth Fantauzzi
 
Indicadores de Qualidade na Educação
Indicadores de Qualidade na EducaçãoIndicadores de Qualidade na Educação
Indicadores de Qualidade na Educação
nitjales
 
Uma Escola Ideal se faz com:
Uma Escola Ideal se faz com:Uma Escola Ideal se faz com:
Uma Escola Ideal se faz com:
Seduc MT
 
O USO DOS INDICADORES DA QUALIDADE NA EDUCAÇÃO
O USO DOS INDICADORES DA QUALIDADE NA EDUCAÇÃOO USO DOS INDICADORES DA QUALIDADE NA EDUCAÇÃO
O USO DOS INDICADORES DA QUALIDADE NA EDUCAÇÃO
Abong Consultoria EaD - GEduC
 

Destaque (14)

Números racionais.projeto
Números racionais.projetoNúmeros racionais.projeto
Números racionais.projeto
 
Apresentação das mudanças ocorridas na escola gestão 2010 a 2012
Apresentação das mudanças ocorridas na escola  gestão 2010 a 2012Apresentação das mudanças ocorridas na escola  gestão 2010 a 2012
Apresentação das mudanças ocorridas na escola gestão 2010 a 2012
 
Avaliação unidade 1
Avaliação unidade 1Avaliação unidade 1
Avaliação unidade 1
 
Indicadores - Intro - Apresentação
Indicadores - Intro - ApresentaçãoIndicadores - Intro - Apresentação
Indicadores - Intro - Apresentação
 
Indicadores da escola
Indicadores da escolaIndicadores da escola
Indicadores da escola
 
Treinamento processos draw io
Treinamento processos draw ioTreinamento processos draw io
Treinamento processos draw io
 
Ppp 2014 versão blog
Ppp 2014 versão blogPpp 2014 versão blog
Ppp 2014 versão blog
 
Apresentação do projeto
Apresentação do projetoApresentação do projeto
Apresentação do projeto
 
10 Indicadores Para Uma Boa Escola Ramiro Marques
10 Indicadores Para Uma Boa Escola Ramiro Marques10 Indicadores Para Uma Boa Escola Ramiro Marques
10 Indicadores Para Uma Boa Escola Ramiro Marques
 
A escola ideal
A escola idealA escola ideal
A escola ideal
 
Por que usar indicadores de desempenho na Educação?
Por que usar indicadores de desempenho na Educação?Por que usar indicadores de desempenho na Educação?
Por que usar indicadores de desempenho na Educação?
 
Indicadores de Qualidade na Educação
Indicadores de Qualidade na EducaçãoIndicadores de Qualidade na Educação
Indicadores de Qualidade na Educação
 
Uma Escola Ideal se faz com:
Uma Escola Ideal se faz com:Uma Escola Ideal se faz com:
Uma Escola Ideal se faz com:
 
O USO DOS INDICADORES DA QUALIDADE NA EDUCAÇÃO
O USO DOS INDICADORES DA QUALIDADE NA EDUCAÇÃOO USO DOS INDICADORES DA QUALIDADE NA EDUCAÇÃO
O USO DOS INDICADORES DA QUALIDADE NA EDUCAÇÃO
 

Semelhante a Progestao módulo ix dia 13 de junho

progestao da educação escolar e avaliação
progestao da educação escolar e avaliaçãoprogestao da educação escolar e avaliação
progestao da educação escolar e avaliação
MaelDaSilvaNegreiros
 
Slide sala planejamento_e_praticas_de_gestão_-2014
Slide sala planejamento_e_praticas_de_gestão_-2014Slide sala planejamento_e_praticas_de_gestão_-2014
Slide sala planejamento_e_praticas_de_gestão_-2014
Marlon Vaughan
 
Dil
DilDil
Construção de um dispositivo de autoavaliaçao docente dm iris ribeiro_2015
Construção de um dispositivo de autoavaliaçao docente dm  iris ribeiro_2015Construção de um dispositivo de autoavaliaçao docente dm  iris ribeiro_2015
Construção de um dispositivo de autoavaliaçao docente dm iris ribeiro_2015
CARLO Mantinni
 
2 -AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL GESTÃO ESCOLAR.ppt
2 -AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL GESTÃO ESCOLAR.ppt2 -AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL GESTÃO ESCOLAR.ppt
2 -AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL GESTÃO ESCOLAR.ppt
Giovan Santana
 
Progestão x
Progestão xProgestão x
Progestão x
progestaoanguera
 
A eficácia das escolas não se mede
A eficácia das escolas não se medeA eficácia das escolas não se mede
A eficácia das escolas não se mede
UNICEP
 
Relatório da Avaliação Institucional: FATEC SBC
Relatório da Avaliação Institucional: FATEC SBCRelatório da Avaliação Institucional: FATEC SBC
Relatório da Avaliação Institucional: FATEC SBC
Fatec São Bernardo do Campo
 
Seminário discussao coordenada (1)
Seminário   discussao coordenada (1)Seminário   discussao coordenada (1)
Seminário discussao coordenada (1)
jamilemile
 
Avaliação escolar e democratização: o direito de errar
Avaliação escolar e democratização: o direito de errarAvaliação escolar e democratização: o direito de errar
Avaliação escolar e democratização: o direito de errar
Gilson Trajano
 
Discussao 2
Discussao 2Discussao 2
Discussao 2
EdileideSantosAlves
 
Avaliação pedagógica digital em contextos de e learning
Avaliação pedagógica digital em contextos de e learningAvaliação pedagógica digital em contextos de e learning
Avaliação pedagógica digital em contextos de e learning
Sofia Nogueira
 
Relatorio final2008 2009
Relatorio final2008 2009Relatorio final2008 2009
Relatorio final2008 2009
Inês Bernardes
 
Assuntos da certificação estude tem tudo
Assuntos da certificação estude tem tudoAssuntos da certificação estude tem tudo
Assuntos da certificação estude tem tudo
Antonio Carneiro
 
Slides_Avaliação METODOLOGIAS E ESTRATTÉGIAS DE ENSINO.pptx
Slides_Avaliação METODOLOGIAS E ESTRATTÉGIAS DE ENSINO.pptxSlides_Avaliação METODOLOGIAS E ESTRATTÉGIAS DE ENSINO.pptx
Slides_Avaliação METODOLOGIAS E ESTRATTÉGIAS DE ENSINO.pptx
JoelmaSilva207710
 
Avaliação do desempenho docente
Avaliação do desempenho docenteAvaliação do desempenho docente
Avaliação do desempenho docente
viviprof
 
80 conceitos importantes_na_pr
80 conceitos importantes_na_pr80 conceitos importantes_na_pr
80 conceitos importantes_na_pr
afermartins
 
Avaliação do Desempenho Docente
Avaliação do Desempenho DocenteAvaliação do Desempenho Docente
Avaliação do Desempenho Docente
viviprof
 
Seminário Aprova Brasil Santillana 2010
Seminário Aprova Brasil Santillana  2010Seminário Aprova Brasil Santillana  2010
Seminário Aprova Brasil Santillana 2010
Editora Moderna
 
Manual de Operacionalização da Portaria SEEDUC 419-2013 - AVALIAÇÃO ESCOLA PÚ...
Manual de Operacionalização da Portaria SEEDUC 419-2013 - AVALIAÇÃO ESCOLA PÚ...Manual de Operacionalização da Portaria SEEDUC 419-2013 - AVALIAÇÃO ESCOLA PÚ...
Manual de Operacionalização da Portaria SEEDUC 419-2013 - AVALIAÇÃO ESCOLA PÚ...
SEEDUC-RJ
 

Semelhante a Progestao módulo ix dia 13 de junho (20)

progestao da educação escolar e avaliação
progestao da educação escolar e avaliaçãoprogestao da educação escolar e avaliação
progestao da educação escolar e avaliação
 
Slide sala planejamento_e_praticas_de_gestão_-2014
Slide sala planejamento_e_praticas_de_gestão_-2014Slide sala planejamento_e_praticas_de_gestão_-2014
Slide sala planejamento_e_praticas_de_gestão_-2014
 
Dil
DilDil
Dil
 
Construção de um dispositivo de autoavaliaçao docente dm iris ribeiro_2015
Construção de um dispositivo de autoavaliaçao docente dm  iris ribeiro_2015Construção de um dispositivo de autoavaliaçao docente dm  iris ribeiro_2015
Construção de um dispositivo de autoavaliaçao docente dm iris ribeiro_2015
 
2 -AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL GESTÃO ESCOLAR.ppt
2 -AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL GESTÃO ESCOLAR.ppt2 -AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL GESTÃO ESCOLAR.ppt
2 -AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL GESTÃO ESCOLAR.ppt
 
Progestão x
Progestão xProgestão x
Progestão x
 
A eficácia das escolas não se mede
A eficácia das escolas não se medeA eficácia das escolas não se mede
A eficácia das escolas não se mede
 
Relatório da Avaliação Institucional: FATEC SBC
Relatório da Avaliação Institucional: FATEC SBCRelatório da Avaliação Institucional: FATEC SBC
Relatório da Avaliação Institucional: FATEC SBC
 
Seminário discussao coordenada (1)
Seminário   discussao coordenada (1)Seminário   discussao coordenada (1)
Seminário discussao coordenada (1)
 
Avaliação escolar e democratização: o direito de errar
Avaliação escolar e democratização: o direito de errarAvaliação escolar e democratização: o direito de errar
Avaliação escolar e democratização: o direito de errar
 
Discussao 2
Discussao 2Discussao 2
Discussao 2
 
Avaliação pedagógica digital em contextos de e learning
Avaliação pedagógica digital em contextos de e learningAvaliação pedagógica digital em contextos de e learning
Avaliação pedagógica digital em contextos de e learning
 
Relatorio final2008 2009
Relatorio final2008 2009Relatorio final2008 2009
Relatorio final2008 2009
 
Assuntos da certificação estude tem tudo
Assuntos da certificação estude tem tudoAssuntos da certificação estude tem tudo
Assuntos da certificação estude tem tudo
 
Slides_Avaliação METODOLOGIAS E ESTRATTÉGIAS DE ENSINO.pptx
Slides_Avaliação METODOLOGIAS E ESTRATTÉGIAS DE ENSINO.pptxSlides_Avaliação METODOLOGIAS E ESTRATTÉGIAS DE ENSINO.pptx
Slides_Avaliação METODOLOGIAS E ESTRATTÉGIAS DE ENSINO.pptx
 
Avaliação do desempenho docente
Avaliação do desempenho docenteAvaliação do desempenho docente
Avaliação do desempenho docente
 
80 conceitos importantes_na_pr
80 conceitos importantes_na_pr80 conceitos importantes_na_pr
80 conceitos importantes_na_pr
 
Avaliação do Desempenho Docente
Avaliação do Desempenho DocenteAvaliação do Desempenho Docente
Avaliação do Desempenho Docente
 
Seminário Aprova Brasil Santillana 2010
Seminário Aprova Brasil Santillana  2010Seminário Aprova Brasil Santillana  2010
Seminário Aprova Brasil Santillana 2010
 
Manual de Operacionalização da Portaria SEEDUC 419-2013 - AVALIAÇÃO ESCOLA PÚ...
Manual de Operacionalização da Portaria SEEDUC 419-2013 - AVALIAÇÃO ESCOLA PÚ...Manual de Operacionalização da Portaria SEEDUC 419-2013 - AVALIAÇÃO ESCOLA PÚ...
Manual de Operacionalização da Portaria SEEDUC 419-2013 - AVALIAÇÃO ESCOLA PÚ...
 

Mais de progestaoanguera

Frente
FrenteFrente
Verso
VersoVerso
Reunião entre os profissionais da escola e famílias progestão
Reunião entre os profissionais da escola e famílias   progestãoReunião entre os profissionais da escola e famílias   progestão
Reunião entre os profissionais da escola e famílias progestão
progestaoanguera
 
Reunião do progestão
Reunião do progestão Reunião do progestão
Reunião do progestão
progestaoanguera
 
Relações interpessoais
Relações interpessoaisRelações interpessoais
Relações interpessoais
progestaoanguera
 
Projeto pedagogico
Projeto pedagogicoProjeto pedagogico
Projeto pedagogico
progestaoanguera
 
Projeto progestão
Projeto   progestãoProjeto   progestão
Projeto progestão
progestaoanguera
 
Progestão salário educação
Progestão salário educaçãoProgestão salário educação
Progestão salário educação
progestaoanguera
 
Progetão (módulo x )
Progetão  (módulo x )Progetão  (módulo x )
Progetão (módulo x )
progestaoanguera
 
Progestão módulo viii
Progestão  módulo viii  Progestão  módulo viii
Progestão módulo viii
progestaoanguera
 
Progestão modulo viii
Progestão modulo viiiProgestão modulo viii
Progestão modulo viii
progestaoanguera
 
Progestão módulo i
Progestão módulo iProgestão módulo i
Progestão módulo i
progestaoanguera
 
Progestao mod x
Progestao mod xProgestao mod x
Progestao mod x
progestaoanguera
 
Progestão ldb
Progestão  ldbProgestão  ldb
Progestão ldb
progestaoanguera
 
Progestão final
Progestão finalProgestão final
Progestão final
progestaoanguera
 
Por que e como articular o pp da escola
Por que e como articular o pp da escolaPor que e como articular o pp da escola
Por que e como articular o pp da escola
progestaoanguera
 
O planejamento ppa dia 16.05.12 ii
O planejamento   ppa dia 16.05.12 iiO planejamento   ppa dia 16.05.12 ii
O planejamento ppa dia 16.05.12 ii
progestaoanguera
 
Progestão 1
Progestão 1Progestão 1
Progestão 1
progestaoanguera
 
Módulo-ix
 Módulo-ix Módulo-ix
Módulo-ix
progestaoanguera
 
Módulo ii
Módulo iiMódulo ii
Módulo ii
progestaoanguera
 

Mais de progestaoanguera (20)

Frente
FrenteFrente
Frente
 
Verso
VersoVerso
Verso
 
Reunião entre os profissionais da escola e famílias progestão
Reunião entre os profissionais da escola e famílias   progestãoReunião entre os profissionais da escola e famílias   progestão
Reunião entre os profissionais da escola e famílias progestão
 
Reunião do progestão
Reunião do progestão Reunião do progestão
Reunião do progestão
 
Relações interpessoais
Relações interpessoaisRelações interpessoais
Relações interpessoais
 
Projeto pedagogico
Projeto pedagogicoProjeto pedagogico
Projeto pedagogico
 
Projeto progestão
Projeto   progestãoProjeto   progestão
Projeto progestão
 
Progestão salário educação
Progestão salário educaçãoProgestão salário educação
Progestão salário educação
 
Progetão (módulo x )
Progetão  (módulo x )Progetão  (módulo x )
Progetão (módulo x )
 
Progestão módulo viii
Progestão  módulo viii  Progestão  módulo viii
Progestão módulo viii
 
Progestão modulo viii
Progestão modulo viiiProgestão modulo viii
Progestão modulo viii
 
Progestão módulo i
Progestão módulo iProgestão módulo i
Progestão módulo i
 
Progestao mod x
Progestao mod xProgestao mod x
Progestao mod x
 
Progestão ldb
Progestão  ldbProgestão  ldb
Progestão ldb
 
Progestão final
Progestão finalProgestão final
Progestão final
 
Por que e como articular o pp da escola
Por que e como articular o pp da escolaPor que e como articular o pp da escola
Por que e como articular o pp da escola
 
O planejamento ppa dia 16.05.12 ii
O planejamento   ppa dia 16.05.12 iiO planejamento   ppa dia 16.05.12 ii
O planejamento ppa dia 16.05.12 ii
 
Progestão 1
Progestão 1Progestão 1
Progestão 1
 
Módulo-ix
 Módulo-ix Módulo-ix
Módulo-ix
 
Módulo ii
Módulo iiMódulo ii
Módulo ii
 

Progestao módulo ix dia 13 de junho

  • 1. Quais os processos e as etapas de operacionalização da avaliação institucional? Módulo IX - Unidade 2
  • 2. Cursistas Andréia Sales Rodrigues Fernanda Ferreira Santana Jamile Bastos Juciélia Oliveira Souza Kelly Cristina Araújo Marla Carvalho Pereira Márcia Costa Couto Mariana Cardoso Rodrigues Renan Iury Mendes Sandra Sueli de Oliveira Rodrigues Taciara dos Santos Costa
  • 3. Avaliar não se trata de medir aspectos fragmentados, mas de avaliar articuladamente as diversas dimensões da Instituição. J.D. Sobrinho (2000) A avaliação implica em um debate estrutural, ético e político. H. Simons (1993) As principais dificuldades não são técnicas, senão políticas, de vontade, de sentido comum, de sensibilidade pedagógica, de flexibilidade e de criatividade. Branco (1993)
  • 4. Introdução A avaliação institucional visa ao aperfeiçoamento da qualidade da educação – isto é, do ensino, da aprendizagem e da gestão institucional – com a finalidade de transformar a escola atual em uma instituição comprometida com a aprendizagem de todos e com a transformação da sociedade.
  • 5. A educação é instrumento social, político-econômico; não para produzir, de forma isolada, a mudança social, mas para que os sujeitos sociais sejam inseridos no processo de mudança. O saber cientifico e o popular, o universal e o regional são produtos da humanidade. É fundamental que todos tenham pleno acesso a eles.
  • 6. A escola pode tornar-se um lugar de vivências de prazer, de cultura e de ciência, onde a ética e a justiça norteiem as ações. A avaliação é, nessa perspectiva, mais do que apenas um debate. É um instrumento poderoso de reconstrução da educação brasileira.
  • 7. Objetivos Específicos Relacionar os princípios e as finalidades da avaliação institucional com os objetivos do projeto pedagógico de sua escola; Distinguir as três modalidades básicas da avaliação institucional: de diagnóstico inicial, de processo e de resultados; Formular, juntamente com a comunidade escolar , as ações metodológicas da avaliação de sua escola; Identificar etapas e estratégias básicas de operacionalização do processo de avaliação da escola. Caracterizar a avaliação institucional como um processo construído pela escola.
  • 8. O caminho da Aprendizagem Aborda três ideias básicas: 1ª Faz uma relação dos princípios e finalidades da avaliação; 2ª Trabalha as diferentes modalidades da avaliação; 3ª Trata das ações metodológicas e das etapas que poderão ser utilizadas.
  • 9. A avaliação institucional apresenta-se como um processo que dará oportunidade à escola, com a participação de todos, de refletir sobre sua prática. Afirma uma professora do Ceará que: Se avaliar é uma forma de estabelecer compromissos com a sociedade, de estudar, propor e implementar mudanças no cotidiano das atividades, o processo de avaliação precisa ser por nós construído.
  • 10. Quais as modalidades da avaliação institucional? A avaliação institucional é um mecanismo importante em todos os momentos da vivência da escola.
  • 11. Modalidades básicas da AI Avaliação diagnostica inicial – Tem o objetivo de fornecer informações necessárias à escola. Avaliação de processo – É a avaliação do cotidiano escolar. Avaliação de resultados – Analisa o resultado do processo de aprendizagem dos alunos.
  • 12. É importante que esteja claro para nós que essas modalidades são complementares, com dados que se enriquecem. É preciso analisá-las e traçar novos caminhos de superação de situações de dificuldade.
  • 13. A avaliação precisa ser espelho e lâmpada, não apenas espelho. Precisa não apenas refletir a realidade, mas iluminá-lo criando enfoques, perspectivas, mostrando relações, atribuindo significados.
  • 14. Que ações metodológicas e etapas da avaliação institucional poderemos utilizar? Visão de Totalidade – Significa que a escola deve ser avaliada no seu todo. Participação Coletiva – O processo de avaliação deverá ser discutido por todos os segmentos.
  • 15. Planejamento e Acompanhamento É por meio dessa ação que poderá ser assegurada a continuidade do processo para que ele não se limite ao levantamento de informações.Se o estabelecimento já tem formado o conselho escolar, ou outros conselhos, com representantes de todos os segmentos, estes poderão ser aproveitados para coordenar o projeto de avaliação institucional, não precisando constituir um grupo extra.
  • 16. O que deve fazer o grupo de trabalho? As funções desse grupo poderão ser definidas pelo próprio grupo na escola. Podemos citar alguns:
  • 17. 1- Elaborar uma proposta do projeto de avaliação institucional para a escola; 2- Sensibilizar e discutir a proposta, recebendo sugestões para a definição do projeto; 3- Sugerir e discutir as grandes categorias para elaboração dos instrumentos de coleta de informações e os aspectos que deverão ser avaliados; 4- Elaborar uma versão dos instrumentos de coleta de informações, discutir nos vários grupos; 5- Aplicar os instrumentos de coleta de informações; 6- Organizar as informações e divulgar esses resultados; 7- Coordenar a análise nos grupos de cada segmento; 8- Elaborar um relatório final; 9- Divulgar os resultados finais, com encaminhamento de ação.
  • 18. É preciso ficar claro que a existência de grupos de planejamento e acompanhamento não significa que só eles serão responsáveis pelo processo de avaliação institucional. As estratégias deverão ser traçadas por cada escola para que esse aspecto não seja omitido, pois dele depende a qualidade e a fidedignidade do processo de avaliação.
  • 19. As vantagens da Visão de Totalidade (que é a visão de toda escola) é de possibilitar e estabelecer relações entre cada ação específica e o projeto pedagógico da escola. As dificuldades decorrem da estrutura da escola, da falta de relações entre as pessoas e principalmente da falta de um projeto que unifique a escola. As vantagens da Participação Coletiva decorrem de várias dimensões que é proporcionada pelos vários segmentos da escola. Existe também o compromisso que decorre da participação e da valorização de todos...
  • 20. Para superar essas dificuldades, é preciso usar estratégias como: - Sensibilizar pais para a importância da avaliação e da participação deles para a melhoria da escola de seus filhos; - Considerar suas sugestões e dando respostas a elas; Quando os pais ou outros segmentos sentem que sua participação é levada a sério, eles colaboram. O Planejamento e o Acompanhamento a sua principal vantagem é assegurar a continuidade e a unidade do processo.
  • 21. Etapas e Estratégias de Operacionalização 1- Etapa de Preparação – Deverão constar todas as ações que antecedem a implementação do processo de avaliação. E como a avaliação é um processo coletivo, esse projeto terá de ser elaborado por um Grupo de Trabalho (GT) e discutido por vários segmentos que formam a escola.
  • 22. 2- Etapa de Implementação – Constam as ações de elaboração e aplicação de instrumentos de coleta de informações e de organização e análise dessas informações. 3- Etapa de Síntese – Estão concentradas as informações já organizadas e que deverão servir de orientação para as posteriores ações da escola. E o uso e divulgação da avaliação requerem tomadas de decisões que dependem muito dos gestores da escola. O desafio deste Módulo é avaliar a escola como um todo, buscando identificar como estão funcionando as coisas, ou seja, como é desenvolvida cada uma das atividades que levam os alunos a aprenderem e se tornarem cidadãos.
  • 23. Processos de Avaliação Institucional É o momento onde a própria instituição volta-se para o levantamento da sua Auto-Avaliação realidade, utilizando metodologias e instrumentos que possibilitem uma análise abrangente e profunda sobre a sua estrutura institucional. É o momento de agregar o olhar externo ao processo interno. Pode Avaliação Externa ser praticada por especialista externo convidado e/ou pelo poder público por meio de suas ações de regulação do sistema de ensino.
  • 24. Avaliação é um processo complexo e não há um modelo ideal e único para as escolas. Ela precisa ser construída. É um desafio de uma longa caminhada, possível e necessária. É importante fazer uma reflexição de - Como esta o desenvolvimento dos professores? A participação dos pais? A gestão da escola? Como vai o sistema educacional? Quais os fatores e as situações que precisam ser mudadas?
  • 25. Esperamos que a avaliação venha facilitar a função social da escola como serviço público, viabilizando um processo democrático, participativo, sério e reflexivo que possa captar os pontos mais frágeis de cada estabelecimento de ensino e apontar os rumos da sua superação com vistas a elevar o nível do nosso desempenho, face aos nossos compromissos sociais.
  • 26. Concluímos que a Avaliação Institucional é um processo global, contínuo e sistemático, competente e legitimo, participativo, que pode envolver agentes internos e externos na formulação para a melhoria da qualidade da instituição escolar. “Todos devemos colaborar para fazer da escola um local agradável.”
  • 27. Referências Concepção dos Docentes da UEMA Sobre Avaliação Institucional Cesar Henrique Santos Pires Avaliaçãoeducacional I. Belloni, Isaura. II. Machado, Maria Aglaê de Medeiros. III. Título: como desenvolver a avaliação institucional da escola?