SlideShare uma empresa Scribd logo
Escola Secundária Alberto Sampaio
           Ano letivo 2012/2013
                Geografia A
      Professora Marina Vasconcelos




A Produção Agrícola
     Nacional
O Alentejo
                                           Bruna Alves
                                        Davide Ferreira
                                             João Silva
                                        Leandro Matos
O Alentejo é a maior região natural de
Portugal, tem uma área de 26 158
km2, correspondentes a cerca de 29% da
superfície total do país.
  Esta região está limitada, a norte, pelo rio                  Beira baixa
Tejo, que o separa da Beira Baixa, a leste, por




                                                                              Espanha
Espanha, a sul, pelo Algarve, e, a oeste, pelo    Ribatejo e
oceano Atlântico e a região Agrária de            Oeste

Ribatejo e Oeste. Segundo dados do INE
(2006), mais de 62% da área total do Alentejo
é coberta por explorações agrícolas.
                                                          Algarve

                Área por Explorar

                Explorações Agrícolas
•Relevo
•Clima
O relevoapresenta características
  clima dos solos alentejanos
mediterrânicas e
caracteriza-se por ser bastante
continentais, sendo
uniforme: peneplanície, levemente
predominantemente quente e seco.
ondulado. São solos geralmente de
A precipitação é fraca e predomina
médio a baixo Inverno, variando
nos meses de nível de fertilidade.
entre os 400 e os 600 mm.
O Alentejo Alentejo, encontramos:
   Assim, no apresenta um reduzido
  numero de explorações agrícolas
• (9%), apesar da grande dimensão
    Explorações de sua ampla área   • Campos abertos, forma regular
  agrícola (49%).




 Estrutura das explorações
                             •    Sequeiro – cultura sem irrigação realizada em
 agrícolas, 2006                 regiões com pouca precipitaçãoblocos por exploração com
                                                       Nº médio de
                                                       SAU, 1999
• Concentrado
O Alentejo é a região portuguesa de menor índice de densidade
populacional (23,7 h/km2) e com um povoamento especialmente
concentrado.

 O traço mais marcante desta região e que tem um índice de
envelhecimento apesar de acompanhar a tendência nacional, é
superior a media do país (18,2%) ou seja tem um índice de
envelhecimento de 23%
• Monocultural
No Alentejo, predominam as explorações de média e grande
                                  • Sistema extensivo
dimensão e parcelas vastas de forma regular que, embora atualmente
se encontrem vedadas por sebes metálicas, na sua maioria eram,
tradicionalmente, campos abertos – sem qualquer vedação. No
Alentejo predomina, de um modo geral, o sistema extensivo,
associado aos campos abertos e ao povoamento concentrado.
•Culturas temporárias
A cultura temporária predominante (cereais em grão) é constituída
por quatro tipos de cereais: o trigo (270.665 toneladas), o arroz
(67.105 toneladas) e o centeio (400 toneladas) – dados de 1997.

•Centeio
•Arroz
• Trigo




A cultura de uma planta arrozquanto aos solos ereduz a Precisa de uma estaçãogrande
O principal exigênciaexigente é umcujo grão se clima. farinha panificável, de seca e
  centeio é trigo é do herbácea, clima quente e muito húmido. Cresce em
quente para se dar no caso do Alentejo, encontra-se nas planícies aluviais das bacias
terrenos alagados, a sua maturação
valor nutritivo
do Mira e Sado
•Culturas industriais
 As culturas industriais são culturas que fornecem produtos (matérias
 primas) para transformação industrial, tais como o tomate, o
 girassol, a beterraba e a soja.
•Olival e Vinha
 A área do olival alentejano é de
 cerca de 138 mil hectares e
 representa cerca de 11,7% da área
 da região.
 Apesar da boa qualidade as áreas
 de exploração são muito reduzidas



                               Em termos nacionais a cultura da
                               vinha no Alentejo tem uma expressão muito reduzida;
                               não vai além dos 7% da área vitícola Portuguesa e
                               representa apenas 1,2% do número de explorações
                               vitícolas nacionais. A vitivinicultura Alentejana tem
                               vindo progressivamente a desenvolver-se à volta
                               das Cooperativas de tal modo que 95% dos viticultores
                               são associados das Cooperativas
A forma de exploração dos solos no
Alentejo e na maioria em todo país
é, na sua predominância, por Conta
Própria. No Alentejo a percentagem é
mais reduzida (no entanto predomina
este tipo de exploração) dado que a
posse de terras pertence a uma
minoria que muitas vezes não vive na
região. Esta forma de exploração
também se deve ao tamanho das
explorações agrícolas
A importância da àEstados-membros da UE,portuguesa temovindo a
  No como noutros agricultura na da agricultura para a FBCF, representa
  Tal que se refere contribuição economia a agricultura e emprego
  diminuir, tal agrícola, no período em análise, veio industrializados.setor
  menos de 1% da FBCF total, em todos a mão-de-obra a cargo no
  primário perderam a sua importância: os países
  O comércio como se verificaseguindo uma tendência decrescente a
                                                       a crescer mas menos
  longo prazo. do de 21%, em 1988/99 , para 10% em 2001. A relação
  agrícola desceu esta
  Para analisarmosque oimportância, decidimostem tambémtrês fatores
  rapidamente A importância do consumoEm 1988/1999, a quota do
                           comércio global. final considerar vindo a
  •Empregoagrícolasidocomércio 22,5% no período maspois o decréscimo
  entre o emprego agrícola e o PIB tem sido negativa, recente em
  comércio tendo agrícola
  decrescer, no setorno de cerca total foi de 7,8%, maisem 2000/2002
  do PIB tem sido acompanhada por uma desaceleração da taxa de
  análise.
  •FBCF na agricultura
  essa percentagem desceu para 6%.
  decréscimo da mão de obra agrícola
  •Consumo Alimentar
  •Comércio Emprego
              Agrícola Consumo Alimentar,        FBCF na      Comércio Agrícola
                            Tabaco e Bebidas      agricultura
                               Alcoólicas
              % do         % do consumo final     % FBCF total   % da agricultura
           emprego total          total                          no comércio total
1988/90    21.9            27.7                 1.7              7.8
1994/96    14.7            24.9                 1.2              7.5
1999/2001 10.2             22.5                 0.8              6.0
•Com a elaboração deste trabalho concluímos que:
•A região agrária do Alentejo e a maior a nível nacional
•Apresenta um reduzido numero de explorações agrícolas
•Tem um povoamento concentrado
•Os sistemas de culturas são extensivos e monoculturais
•A importância da agricultura para a economia portuguesa tem vindo a
diminuir
• http://www.slideshare.net/esas/a-agricultura
• http://pt.scribd.com/doc/19756384/Caracteristicas-das-
  exploracoes-agricolas-11
• http://pt.scribd.com/doc/37891016/4-Distribuicao-e-formas-de-
  exploracao-da-SAU
• http://www.isa.utl.pt/files/pub/destaques/diagnosticos/Azeite__Di
  agnostico_Sectorial.pdf
• http://www.drapal.min-agricultura.pt/regiao.html
• DE ROSE, Francesco, GARGANO, Nadia, SAEZ, Ramiro, Situação da
  Agricultura em Portugal, Direção Geral de Agricultura, Comissão
  Europeia

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

A agricultura portuguesa e a política agrícola comum
A agricultura portuguesa e a política agrícola comumA agricultura portuguesa e a política agrícola comum
A agricultura portuguesa e a política agrícola comum
Ilda Bicacro
 
Geografia A 10 ano - Recursos Marítimos
Geografia A 10 ano - Recursos MarítimosGeografia A 10 ano - Recursos Marítimos
Geografia A 10 ano - Recursos Marítimos
Raffaella Ergün
 
Geografia11ºano
Geografia11ºanoGeografia11ºano
Geografia11ºano
Gonçalo Paiva
 
Geografia A 10 ano - Recursos Hídricos
Geografia A 10 ano - Recursos HídricosGeografia A 10 ano - Recursos Hídricos
Geografia A 10 ano - Recursos Hídricos
Raffaella Ergün
 
Atividade piscatória
Atividade piscatóriaAtividade piscatória
Atividade piscatória
Ilda Bicacro
 
Agricultura 11º ano (exceto PAC)
Agricultura 11º ano (exceto PAC)Agricultura 11º ano (exceto PAC)
Agricultura 11º ano (exceto PAC)
Maria Inês Jorge
 
Distribuição da população portuguesa
Distribuição da população portuguesaDistribuição da população portuguesa
Distribuição da população portuguesa
Ilda Bicacro
 
A Politica AgríCola Comum
A Politica AgríCola ComumA Politica AgríCola Comum
A Politica AgríCola Comum
Maria Adelaide
 
Características da agricultura portuguesa
Características da agricultura portuguesaCaracterísticas da agricultura portuguesa
Características da agricultura portuguesa
Fernando Branco_Geografia
 
Pac
PacPac
Evolução da agricultura em Portugal.
Evolução da agricultura em Portugal. Evolução da agricultura em Portugal.
Evolução da agricultura em Portugal.
Idalina Leite
 
Algarve - Região Agrária
Algarve - Região Agrária Algarve - Região Agrária
Algarve - Região Agrária
Miguel Sargento
 
A distribuição espacial das redes de transporte
A distribuição espacial das redes de transporteA distribuição espacial das redes de transporte
A distribuição espacial das redes de transporte
Ilda Bicacro
 
As Cidades Cbd
As Cidades CbdAs Cidades Cbd
As Cidades Cbd
Maria Adelaide
 
As regiões agrárias: Entre Douro e Minho
As regiões agrárias: Entre Douro e MinhoAs regiões agrárias: Entre Douro e Minho
As regiões agrárias: Entre Douro e Minho
Sara Guerra
 
FunçõEs Urbanas
FunçõEs UrbanasFunçõEs Urbanas
FunçõEs Urbanas
Maria Adelaide
 
As áreas metropolitanas de Lisboa e Porto - Geografia 11º ano
As áreas metropolitanas de Lisboa e Porto - Geografia 11º anoAs áreas metropolitanas de Lisboa e Porto - Geografia 11º ano
As áreas metropolitanas de Lisboa e Porto - Geografia 11º ano
713773
 
A ExpansãO Urbana
A ExpansãO UrbanaA ExpansãO Urbana
A ExpansãO Urbana
Maria Adelaide
 
As fragilidades dos sistemas agrários
As fragilidades dos sistemas agráriosAs fragilidades dos sistemas agrários
As fragilidades dos sistemas agrários
Ilda Bicacro
 
Expansão urbana
Expansão urbanaExpansão urbana
Expansão urbana
Cacilda Basto
 

Mais procurados (20)

A agricultura portuguesa e a política agrícola comum
A agricultura portuguesa e a política agrícola comumA agricultura portuguesa e a política agrícola comum
A agricultura portuguesa e a política agrícola comum
 
Geografia A 10 ano - Recursos Marítimos
Geografia A 10 ano - Recursos MarítimosGeografia A 10 ano - Recursos Marítimos
Geografia A 10 ano - Recursos Marítimos
 
Geografia11ºano
Geografia11ºanoGeografia11ºano
Geografia11ºano
 
Geografia A 10 ano - Recursos Hídricos
Geografia A 10 ano - Recursos HídricosGeografia A 10 ano - Recursos Hídricos
Geografia A 10 ano - Recursos Hídricos
 
Atividade piscatória
Atividade piscatóriaAtividade piscatória
Atividade piscatória
 
Agricultura 11º ano (exceto PAC)
Agricultura 11º ano (exceto PAC)Agricultura 11º ano (exceto PAC)
Agricultura 11º ano (exceto PAC)
 
Distribuição da população portuguesa
Distribuição da população portuguesaDistribuição da população portuguesa
Distribuição da população portuguesa
 
A Politica AgríCola Comum
A Politica AgríCola ComumA Politica AgríCola Comum
A Politica AgríCola Comum
 
Características da agricultura portuguesa
Características da agricultura portuguesaCaracterísticas da agricultura portuguesa
Características da agricultura portuguesa
 
Pac
PacPac
Pac
 
Evolução da agricultura em Portugal.
Evolução da agricultura em Portugal. Evolução da agricultura em Portugal.
Evolução da agricultura em Portugal.
 
Algarve - Região Agrária
Algarve - Região Agrária Algarve - Região Agrária
Algarve - Região Agrária
 
A distribuição espacial das redes de transporte
A distribuição espacial das redes de transporteA distribuição espacial das redes de transporte
A distribuição espacial das redes de transporte
 
As Cidades Cbd
As Cidades CbdAs Cidades Cbd
As Cidades Cbd
 
As regiões agrárias: Entre Douro e Minho
As regiões agrárias: Entre Douro e MinhoAs regiões agrárias: Entre Douro e Minho
As regiões agrárias: Entre Douro e Minho
 
FunçõEs Urbanas
FunçõEs UrbanasFunçõEs Urbanas
FunçõEs Urbanas
 
As áreas metropolitanas de Lisboa e Porto - Geografia 11º ano
As áreas metropolitanas de Lisboa e Porto - Geografia 11º anoAs áreas metropolitanas de Lisboa e Porto - Geografia 11º ano
As áreas metropolitanas de Lisboa e Porto - Geografia 11º ano
 
A ExpansãO Urbana
A ExpansãO UrbanaA ExpansãO Urbana
A ExpansãO Urbana
 
As fragilidades dos sistemas agrários
As fragilidades dos sistemas agráriosAs fragilidades dos sistemas agrários
As fragilidades dos sistemas agrários
 
Expansão urbana
Expansão urbanaExpansão urbana
Expansão urbana
 

Destaque

Álvaro de Campos
Álvaro de CamposÁlvaro de Campos
Álvaro de Campos
Ketlin Stringhini
 
áLvaro de campos
áLvaro de camposáLvaro de campos
áLvaro de campos
Stelian Ravas
 
Álvaro de Campos, trabalho sobre o poema "O que há em mim é sobretudo cansaço"
Álvaro de Campos, trabalho sobre o poema "O que há em mim é sobretudo cansaço"Álvaro de Campos, trabalho sobre o poema "O que há em mim é sobretudo cansaço"
Álvaro de Campos, trabalho sobre o poema "O que há em mim é sobretudo cansaço"
MiguelavRodrigues
 
Alvaro de campos... portugues
Alvaro de campos... portuguesAlvaro de campos... portugues
Alvaro de campos... portugues
Allane Lima
 
ÁLvaro de campos
ÁLvaro de camposÁLvaro de campos
ÁLvaro de campos
Margarida Tomaz
 
Análise do poema: "O que há em mim é sobretudo cansaço" - Álvaro de Campos
Análise do poema: "O que há em mim é sobretudo cansaço" - Álvaro de CamposAnálise do poema: "O que há em mim é sobretudo cansaço" - Álvaro de Campos
Análise do poema: "O que há em mim é sobretudo cansaço" - Álvaro de Campos
Escola Secundária de Santa Maria da Feira
 
Poema alvaro de campos
Poema alvaro de camposPoema alvaro de campos
Poema alvaro de campos
Maria Teixiera
 
Poema Apontamento de Álvaro de Campos
Poema Apontamento de Álvaro de CamposPoema Apontamento de Álvaro de Campos
Poema Apontamento de Álvaro de Campos
Oxana Marian
 
Características Poéticas de Álvaro de Campos
Características Poéticas de Álvaro de CamposCaracterísticas Poéticas de Álvaro de Campos
Características Poéticas de Álvaro de Campos
Dina Baptista
 
Álvaro de Campos
Álvaro de CamposÁlvaro de Campos
Álvaro de Campos
Ana Isabel
 
áLvaro de campos
áLvaro de camposáLvaro de campos
áLvaro de campos
Maria da Paz
 
áLvaro de campos
áLvaro de camposáLvaro de campos
áLvaro de campos
Ualas Magalhães
 
Ricardo Reis
Ricardo ReisRicardo Reis
Ricardo Reis
guestde10d2
 
Características poéticas de Ricardo Reis
Características poéticas de Ricardo ReisCaracterísticas poéticas de Ricardo Reis
Características poéticas de Ricardo Reis
Dina Baptista
 
Ricardo reis
Ricardo reisRicardo reis
Ricardo reis
Bruno Freitas
 

Destaque (15)

Álvaro de Campos
Álvaro de CamposÁlvaro de Campos
Álvaro de Campos
 
áLvaro de campos
áLvaro de camposáLvaro de campos
áLvaro de campos
 
Álvaro de Campos, trabalho sobre o poema "O que há em mim é sobretudo cansaço"
Álvaro de Campos, trabalho sobre o poema "O que há em mim é sobretudo cansaço"Álvaro de Campos, trabalho sobre o poema "O que há em mim é sobretudo cansaço"
Álvaro de Campos, trabalho sobre o poema "O que há em mim é sobretudo cansaço"
 
Alvaro de campos... portugues
Alvaro de campos... portuguesAlvaro de campos... portugues
Alvaro de campos... portugues
 
ÁLvaro de campos
ÁLvaro de camposÁLvaro de campos
ÁLvaro de campos
 
Análise do poema: "O que há em mim é sobretudo cansaço" - Álvaro de Campos
Análise do poema: "O que há em mim é sobretudo cansaço" - Álvaro de CamposAnálise do poema: "O que há em mim é sobretudo cansaço" - Álvaro de Campos
Análise do poema: "O que há em mim é sobretudo cansaço" - Álvaro de Campos
 
Poema alvaro de campos
Poema alvaro de camposPoema alvaro de campos
Poema alvaro de campos
 
Poema Apontamento de Álvaro de Campos
Poema Apontamento de Álvaro de CamposPoema Apontamento de Álvaro de Campos
Poema Apontamento de Álvaro de Campos
 
Características Poéticas de Álvaro de Campos
Características Poéticas de Álvaro de CamposCaracterísticas Poéticas de Álvaro de Campos
Características Poéticas de Álvaro de Campos
 
Álvaro de Campos
Álvaro de CamposÁlvaro de Campos
Álvaro de Campos
 
áLvaro de campos
áLvaro de camposáLvaro de campos
áLvaro de campos
 
áLvaro de campos
áLvaro de camposáLvaro de campos
áLvaro de campos
 
Ricardo Reis
Ricardo ReisRicardo Reis
Ricardo Reis
 
Características poéticas de Ricardo Reis
Características poéticas de Ricardo ReisCaracterísticas poéticas de Ricardo Reis
Características poéticas de Ricardo Reis
 
Ricardo reis
Ricardo reisRicardo reis
Ricardo reis
 

Semelhante a Produção agrícola nacional- Alentejo

Horticultura floricultura & fruticultura
Horticultura floricultura & fruticulturaHorticultura floricultura & fruticultura
Horticultura floricultura & fruticultura
Pedro Tomé
 
As áreas rurais em mudança 2
As áreas rurais em mudança 2As áreas rurais em mudança 2
As áreas rurais em mudança 2
Idalina Leite
 
Aula 2
Aula 2Aula 2
Produções agrícolas em Portugal
Produções agrícolas em PortugalProduções agrícolas em Portugal
Produções agrícolas em Portugal
Emília Cabral
 
D - Como tem evoluído a atividade agrícola em Portugal.pdf
D - Como tem evoluído a atividade agrícola em Portugal.pdfD - Como tem evoluído a atividade agrícola em Portugal.pdf
D - Como tem evoluído a atividade agrícola em Portugal.pdf
DomingosSantos40
 
Fruticultura, Geografia 11º ano
Fruticultura, Geografia 11º anoFruticultura, Geografia 11º ano
Fruticultura, Geografia 11º ano
Daniela Azevedo
 
Futuro da agricultura
Futuro da agriculturaFuturo da agricultura
Futuro da agricultura
gtsantos
 
AULA_06_DEZ_CARACTERISTICAS DA PRODUCAO AGROPECUARIA1.pptx
AULA_06_DEZ_CARACTERISTICAS DA PRODUCAO AGROPECUARIA1.pptxAULA_06_DEZ_CARACTERISTICAS DA PRODUCAO AGROPECUARIA1.pptx
AULA_06_DEZ_CARACTERISTICAS DA PRODUCAO AGROPECUARIA1.pptx
alessandraleal20
 
AULA_14_NOV_frAGILIDADES AGRARIAS.pdf
AULA_14_NOV_frAGILIDADES AGRARIAS.pdfAULA_14_NOV_frAGILIDADES AGRARIAS.pdf
AULA_14_NOV_frAGILIDADES AGRARIAS.pdf
alessandraleal20
 
INFLUÊNCIA DOS EXTREMOS CLIMÁTICOS SOBRE CULTURA DE MILHO EM ANGÓNIA NO PERÍO...
INFLUÊNCIA DOS EXTREMOS CLIMÁTICOS SOBRE CULTURA DE MILHO EM ANGÓNIA NO PERÍO...INFLUÊNCIA DOS EXTREMOS CLIMÁTICOS SOBRE CULTURA DE MILHO EM ANGÓNIA NO PERÍO...
INFLUÊNCIA DOS EXTREMOS CLIMÁTICOS SOBRE CULTURA DE MILHO EM ANGÓNIA NO PERÍO...
Geraldo Duarte
 
As fragilidades dos sistemas agrários
As fragilidades dos sistemas agráriosAs fragilidades dos sistemas agrários
As fragilidades dos sistemas agrários
Ilda Bicacro
 
Paisagens agrarias 2
Paisagens agrarias 2Paisagens agrarias 2
Paisagens agrarias 2
Idalina Leite
 
3 a região alentejo
3 a região alentejo3 a região alentejo
3 a região alentejo
Pelo Siro
 
Agricultura Transmontana
Agricultura TransmontanaAgricultura Transmontana
Agricultura Transmontana
Oxana Marian
 
2_Est Ag_Alent_Alg.pdf
2_Est Ag_Alent_Alg.pdf2_Est Ag_Alent_Alg.pdf
2_Est Ag_Alent_Alg.pdf
Escola E.B.2,3 de Jovim Gondomar
 
Horticultura, Floricultura e Fruticultura
Horticultura, Floricultura e FruticulturaHorticultura, Floricultura e Fruticultura
Horticultura, Floricultura e Fruticultura
Alexandra Soares
 
C - Que características apresentam as áreas rurais em Portugal.pdf
C - Que características apresentam as áreas rurais em Portugal.pdfC - Que características apresentam as áreas rurais em Portugal.pdf
C - Que características apresentam as áreas rurais em Portugal.pdf
DomingosSantos40
 
Características das Explorações Agrícolas.pptx
Características das Explorações Agrícolas.pptxCaracterísticas das Explorações Agrícolas.pptx
Características das Explorações Agrícolas.pptx
alessandraleal20
 
A agricultura
A agriculturaA agricultura
A agricultura
Maria Adelaide
 
Produção agrícola em Portugal - Talita Andrade voc.14 3 B
Produção agrícola em Portugal - Talita Andrade voc.14 3 BProdução agrícola em Portugal - Talita Andrade voc.14 3 B
Produção agrícola em Portugal - Talita Andrade voc.14 3 B
cv143b
 

Semelhante a Produção agrícola nacional- Alentejo (20)

Horticultura floricultura & fruticultura
Horticultura floricultura & fruticulturaHorticultura floricultura & fruticultura
Horticultura floricultura & fruticultura
 
As áreas rurais em mudança 2
As áreas rurais em mudança 2As áreas rurais em mudança 2
As áreas rurais em mudança 2
 
Aula 2
Aula 2Aula 2
Aula 2
 
Produções agrícolas em Portugal
Produções agrícolas em PortugalProduções agrícolas em Portugal
Produções agrícolas em Portugal
 
D - Como tem evoluído a atividade agrícola em Portugal.pdf
D - Como tem evoluído a atividade agrícola em Portugal.pdfD - Como tem evoluído a atividade agrícola em Portugal.pdf
D - Como tem evoluído a atividade agrícola em Portugal.pdf
 
Fruticultura, Geografia 11º ano
Fruticultura, Geografia 11º anoFruticultura, Geografia 11º ano
Fruticultura, Geografia 11º ano
 
Futuro da agricultura
Futuro da agriculturaFuturo da agricultura
Futuro da agricultura
 
AULA_06_DEZ_CARACTERISTICAS DA PRODUCAO AGROPECUARIA1.pptx
AULA_06_DEZ_CARACTERISTICAS DA PRODUCAO AGROPECUARIA1.pptxAULA_06_DEZ_CARACTERISTICAS DA PRODUCAO AGROPECUARIA1.pptx
AULA_06_DEZ_CARACTERISTICAS DA PRODUCAO AGROPECUARIA1.pptx
 
AULA_14_NOV_frAGILIDADES AGRARIAS.pdf
AULA_14_NOV_frAGILIDADES AGRARIAS.pdfAULA_14_NOV_frAGILIDADES AGRARIAS.pdf
AULA_14_NOV_frAGILIDADES AGRARIAS.pdf
 
INFLUÊNCIA DOS EXTREMOS CLIMÁTICOS SOBRE CULTURA DE MILHO EM ANGÓNIA NO PERÍO...
INFLUÊNCIA DOS EXTREMOS CLIMÁTICOS SOBRE CULTURA DE MILHO EM ANGÓNIA NO PERÍO...INFLUÊNCIA DOS EXTREMOS CLIMÁTICOS SOBRE CULTURA DE MILHO EM ANGÓNIA NO PERÍO...
INFLUÊNCIA DOS EXTREMOS CLIMÁTICOS SOBRE CULTURA DE MILHO EM ANGÓNIA NO PERÍO...
 
As fragilidades dos sistemas agrários
As fragilidades dos sistemas agráriosAs fragilidades dos sistemas agrários
As fragilidades dos sistemas agrários
 
Paisagens agrarias 2
Paisagens agrarias 2Paisagens agrarias 2
Paisagens agrarias 2
 
3 a região alentejo
3 a região alentejo3 a região alentejo
3 a região alentejo
 
Agricultura Transmontana
Agricultura TransmontanaAgricultura Transmontana
Agricultura Transmontana
 
2_Est Ag_Alent_Alg.pdf
2_Est Ag_Alent_Alg.pdf2_Est Ag_Alent_Alg.pdf
2_Est Ag_Alent_Alg.pdf
 
Horticultura, Floricultura e Fruticultura
Horticultura, Floricultura e FruticulturaHorticultura, Floricultura e Fruticultura
Horticultura, Floricultura e Fruticultura
 
C - Que características apresentam as áreas rurais em Portugal.pdf
C - Que características apresentam as áreas rurais em Portugal.pdfC - Que características apresentam as áreas rurais em Portugal.pdf
C - Que características apresentam as áreas rurais em Portugal.pdf
 
Características das Explorações Agrícolas.pptx
Características das Explorações Agrícolas.pptxCaracterísticas das Explorações Agrícolas.pptx
Características das Explorações Agrícolas.pptx
 
A agricultura
A agriculturaA agricultura
A agricultura
 
Produção agrícola em Portugal - Talita Andrade voc.14 3 B
Produção agrícola em Portugal - Talita Andrade voc.14 3 BProdução agrícola em Portugal - Talita Andrade voc.14 3 B
Produção agrícola em Portugal - Talita Andrade voc.14 3 B
 

Mais de Davide Ferreira

A visão de Pessoa (Os últimos Três dias de Fernando Pessoa)
A visão de Pessoa (Os últimos Três dias de Fernando Pessoa)A visão de Pessoa (Os últimos Três dias de Fernando Pessoa)
A visão de Pessoa (Os últimos Três dias de Fernando Pessoa)
Davide Ferreira
 
Documento de ajuda apresentação filosofia
Documento de ajuda apresentação filosofiaDocumento de ajuda apresentação filosofia
Documento de ajuda apresentação filosofia
Davide Ferreira
 
Trabalho de filosofia o último
Trabalho de filosofia   o últimoTrabalho de filosofia   o último
Trabalho de filosofia o último
Davide Ferreira
 
A influencia do tabagismo e sedentarismo na vida do homem final
A influencia do tabagismo e sedentarismo na vida do homem finalA influencia do tabagismo e sedentarismo na vida do homem final
A influencia do tabagismo e sedentarismo na vida do homem final
Davide Ferreira
 
A corrupção vs verdade desportiva
A corrupção vs verdade desportivaA corrupção vs verdade desportiva
A corrupção vs verdade desportiva
Davide Ferreira
 
Tomás de alencar
Tomás de alencarTomás de alencar
Tomás de alencar
Davide Ferreira
 

Mais de Davide Ferreira (6)

A visão de Pessoa (Os últimos Três dias de Fernando Pessoa)
A visão de Pessoa (Os últimos Três dias de Fernando Pessoa)A visão de Pessoa (Os últimos Três dias de Fernando Pessoa)
A visão de Pessoa (Os últimos Três dias de Fernando Pessoa)
 
Documento de ajuda apresentação filosofia
Documento de ajuda apresentação filosofiaDocumento de ajuda apresentação filosofia
Documento de ajuda apresentação filosofia
 
Trabalho de filosofia o último
Trabalho de filosofia   o últimoTrabalho de filosofia   o último
Trabalho de filosofia o último
 
A influencia do tabagismo e sedentarismo na vida do homem final
A influencia do tabagismo e sedentarismo na vida do homem finalA influencia do tabagismo e sedentarismo na vida do homem final
A influencia do tabagismo e sedentarismo na vida do homem final
 
A corrupção vs verdade desportiva
A corrupção vs verdade desportivaA corrupção vs verdade desportiva
A corrupção vs verdade desportiva
 
Tomás de alencar
Tomás de alencarTomás de alencar
Tomás de alencar
 

Último

OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdfOS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
AmiltonAparecido1
 
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptxRedação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
DECIOMAURINARAMOS
 
000. Para rezar o terço - Junho - mês do Sagrado Coração de Jesús.pdf
000. Para rezar o terço - Junho - mês do Sagrado Coração de Jesús.pdf000. Para rezar o terço - Junho - mês do Sagrado Coração de Jesús.pdf
000. Para rezar o terço - Junho - mês do Sagrado Coração de Jesús.pdf
YeniferGarcia36
 
Fernão Lopes. pptx
Fernão Lopes.                       pptxFernão Lopes.                       pptx
Fernão Lopes. pptx
TomasSousa7
 
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptxSlides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
karl marx biografia resumida com suas obras e história de vida
karl marx biografia resumida com suas obras e história de vidakarl marx biografia resumida com suas obras e história de vida
karl marx biografia resumida com suas obras e história de vida
KleginaldoPaz2
 
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdfUFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
Manuais Formação
 
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdfUFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
Manuais Formação
 
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.pptEstrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
livrosjovert
 
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).pptepidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
MarceloMonteiro213738
 
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptxAula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
LILIANPRESTESSCUDELE
 
Pintura Romana .pptx
Pintura Romana                     .pptxPintura Romana                     .pptx
Pintura Romana .pptx
TomasSousa7
 
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptxTreinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
MarcosPaulo777883
 
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdfO que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
Pastor Robson Colaço
 
slides de Didática 2.pdf para apresentar
slides de Didática 2.pdf para apresentarslides de Didática 2.pdf para apresentar
slides de Didática 2.pdf para apresentar
JoeteCarvalho
 
Atividade de reforço de matemática 2º ano
Atividade de reforço de matemática 2º anoAtividade de reforço de matemática 2º ano
Atividade de reforço de matemática 2º ano
fernandacosta37763
 
D20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
D20 - Descritores SAEB de Língua PortuguesaD20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
D20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
eaiprofpolly
 
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptxPP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
Biblioteca UCS
 
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo FreireLivro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
WelberMerlinCardoso
 

Último (20)

OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdfOS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
 
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptxRedação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
 
000. Para rezar o terço - Junho - mês do Sagrado Coração de Jesús.pdf
000. Para rezar o terço - Junho - mês do Sagrado Coração de Jesús.pdf000. Para rezar o terço - Junho - mês do Sagrado Coração de Jesús.pdf
000. Para rezar o terço - Junho - mês do Sagrado Coração de Jesús.pdf
 
Fernão Lopes. pptx
Fernão Lopes.                       pptxFernão Lopes.                       pptx
Fernão Lopes. pptx
 
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptxSlides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
 
karl marx biografia resumida com suas obras e história de vida
karl marx biografia resumida com suas obras e história de vidakarl marx biografia resumida com suas obras e história de vida
karl marx biografia resumida com suas obras e história de vida
 
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdfUFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
 
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdfUFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
 
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.pptEstrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
 
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).pptepidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
 
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptxAula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
 
Pintura Romana .pptx
Pintura Romana                     .pptxPintura Romana                     .pptx
Pintura Romana .pptx
 
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptxTreinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
 
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdfO que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
 
slides de Didática 2.pdf para apresentar
slides de Didática 2.pdf para apresentarslides de Didática 2.pdf para apresentar
slides de Didática 2.pdf para apresentar
 
Atividade de reforço de matemática 2º ano
Atividade de reforço de matemática 2º anoAtividade de reforço de matemática 2º ano
Atividade de reforço de matemática 2º ano
 
D20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
D20 - Descritores SAEB de Língua PortuguesaD20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
D20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
 
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptxPP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
 
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
 
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo FreireLivro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
 

Produção agrícola nacional- Alentejo

  • 1. Escola Secundária Alberto Sampaio Ano letivo 2012/2013 Geografia A Professora Marina Vasconcelos A Produção Agrícola Nacional O Alentejo Bruna Alves Davide Ferreira João Silva Leandro Matos
  • 2. O Alentejo é a maior região natural de Portugal, tem uma área de 26 158 km2, correspondentes a cerca de 29% da superfície total do país. Esta região está limitada, a norte, pelo rio Beira baixa Tejo, que o separa da Beira Baixa, a leste, por Espanha Espanha, a sul, pelo Algarve, e, a oeste, pelo Ribatejo e oceano Atlântico e a região Agrária de Oeste Ribatejo e Oeste. Segundo dados do INE (2006), mais de 62% da área total do Alentejo é coberta por explorações agrícolas. Algarve Área por Explorar Explorações Agrícolas
  • 3. •Relevo •Clima O relevoapresenta características clima dos solos alentejanos mediterrânicas e caracteriza-se por ser bastante continentais, sendo uniforme: peneplanície, levemente predominantemente quente e seco. ondulado. São solos geralmente de A precipitação é fraca e predomina médio a baixo Inverno, variando nos meses de nível de fertilidade. entre os 400 e os 600 mm.
  • 4. O Alentejo Alentejo, encontramos: Assim, no apresenta um reduzido numero de explorações agrícolas • (9%), apesar da grande dimensão Explorações de sua ampla área • Campos abertos, forma regular agrícola (49%). Estrutura das explorações • Sequeiro – cultura sem irrigação realizada em agrícolas, 2006 regiões com pouca precipitaçãoblocos por exploração com Nº médio de SAU, 1999
  • 5. • Concentrado O Alentejo é a região portuguesa de menor índice de densidade populacional (23,7 h/km2) e com um povoamento especialmente concentrado. O traço mais marcante desta região e que tem um índice de envelhecimento apesar de acompanhar a tendência nacional, é superior a media do país (18,2%) ou seja tem um índice de envelhecimento de 23%
  • 6. • Monocultural No Alentejo, predominam as explorações de média e grande • Sistema extensivo dimensão e parcelas vastas de forma regular que, embora atualmente se encontrem vedadas por sebes metálicas, na sua maioria eram, tradicionalmente, campos abertos – sem qualquer vedação. No Alentejo predomina, de um modo geral, o sistema extensivo, associado aos campos abertos e ao povoamento concentrado.
  • 7. •Culturas temporárias A cultura temporária predominante (cereais em grão) é constituída por quatro tipos de cereais: o trigo (270.665 toneladas), o arroz (67.105 toneladas) e o centeio (400 toneladas) – dados de 1997. •Centeio •Arroz • Trigo A cultura de uma planta arrozquanto aos solos ereduz a Precisa de uma estaçãogrande O principal exigênciaexigente é umcujo grão se clima. farinha panificável, de seca e centeio é trigo é do herbácea, clima quente e muito húmido. Cresce em quente para se dar no caso do Alentejo, encontra-se nas planícies aluviais das bacias terrenos alagados, a sua maturação valor nutritivo do Mira e Sado
  • 8. •Culturas industriais As culturas industriais são culturas que fornecem produtos (matérias primas) para transformação industrial, tais como o tomate, o girassol, a beterraba e a soja.
  • 9. •Olival e Vinha A área do olival alentejano é de cerca de 138 mil hectares e representa cerca de 11,7% da área da região. Apesar da boa qualidade as áreas de exploração são muito reduzidas Em termos nacionais a cultura da vinha no Alentejo tem uma expressão muito reduzida; não vai além dos 7% da área vitícola Portuguesa e representa apenas 1,2% do número de explorações vitícolas nacionais. A vitivinicultura Alentejana tem vindo progressivamente a desenvolver-se à volta das Cooperativas de tal modo que 95% dos viticultores são associados das Cooperativas
  • 10. A forma de exploração dos solos no Alentejo e na maioria em todo país é, na sua predominância, por Conta Própria. No Alentejo a percentagem é mais reduzida (no entanto predomina este tipo de exploração) dado que a posse de terras pertence a uma minoria que muitas vezes não vive na região. Esta forma de exploração também se deve ao tamanho das explorações agrícolas
  • 11. A importância da àEstados-membros da UE,portuguesa temovindo a No como noutros agricultura na da agricultura para a FBCF, representa Tal que se refere contribuição economia a agricultura e emprego diminuir, tal agrícola, no período em análise, veio industrializados.setor menos de 1% da FBCF total, em todos a mão-de-obra a cargo no primário perderam a sua importância: os países O comércio como se verificaseguindo uma tendência decrescente a a crescer mas menos longo prazo. do de 21%, em 1988/99 , para 10% em 2001. A relação agrícola desceu esta Para analisarmosque oimportância, decidimostem tambémtrês fatores rapidamente A importância do consumoEm 1988/1999, a quota do comércio global. final considerar vindo a •Empregoagrícolasidocomércio 22,5% no período maspois o decréscimo entre o emprego agrícola e o PIB tem sido negativa, recente em comércio tendo agrícola decrescer, no setorno de cerca total foi de 7,8%, maisem 2000/2002 do PIB tem sido acompanhada por uma desaceleração da taxa de análise. •FBCF na agricultura essa percentagem desceu para 6%. decréscimo da mão de obra agrícola •Consumo Alimentar •Comércio Emprego Agrícola Consumo Alimentar, FBCF na Comércio Agrícola Tabaco e Bebidas agricultura Alcoólicas % do % do consumo final % FBCF total % da agricultura emprego total total no comércio total 1988/90 21.9 27.7 1.7 7.8 1994/96 14.7 24.9 1.2 7.5 1999/2001 10.2 22.5 0.8 6.0
  • 12. •Com a elaboração deste trabalho concluímos que: •A região agrária do Alentejo e a maior a nível nacional •Apresenta um reduzido numero de explorações agrícolas •Tem um povoamento concentrado •Os sistemas de culturas são extensivos e monoculturais •A importância da agricultura para a economia portuguesa tem vindo a diminuir
  • 13. • http://www.slideshare.net/esas/a-agricultura • http://pt.scribd.com/doc/19756384/Caracteristicas-das- exploracoes-agricolas-11 • http://pt.scribd.com/doc/37891016/4-Distribuicao-e-formas-de- exploracao-da-SAU • http://www.isa.utl.pt/files/pub/destaques/diagnosticos/Azeite__Di agnostico_Sectorial.pdf • http://www.drapal.min-agricultura.pt/regiao.html • DE ROSE, Francesco, GARGANO, Nadia, SAEZ, Ramiro, Situação da Agricultura em Portugal, Direção Geral de Agricultura, Comissão Europeia