SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 10
Poema: “ApontAmento”
 de Álvaro de Campos
Índice
             Poema;
 Características estilísticas;
       Motivos temáticos;
   Sensações Representadas;
Valor expressivo dA perguntA “o
     que erA um vAso vAzio?”;
  Expressividade da oposição
 estAbelecidA entre os “cAcos” e
            “um cAco”;
 O resultado da queda da alma.
Apontam
                          ento
 A minha alma partiu-se como um vaso                 Não se zanguem com ela.
                  vazio.                              São tolerantes com ela.
Caiu pela escada excessivamente abaixo.             O que eu era um vaso vazio?
 Caiu das mãos da criada descuidada.
  Caiu, fez-se em mais pedaços do que        Olham os cacos absurdamente conscientes.
           havia loiça no vaso.                 Mas conscientes de si-mesmos, não
                                                        conscientes deles.
     Asneira? Impossível? Sei lá!
                                                         Olham e sorriem.
  Tenho mais sensações do que tinha
         quando me sentia eu.                 Sorriem tolerantes à criada involuntária.
Sou um espalhamento de cacos sobre um
         capacho por sacudir.                 Alastra a grande escadaria atapetada de
                                                              estrelas.
                                             Um caco brilha, virado do exterior lustroso,
Fiz barulho na queda como um vaso que                      entre os astros.
                se partia.                   A minha obra? A minha alma principal? A
    Os deuses que há debruçam-se do                          minha vida?
          parapeito da escada.                                Um caco.
E fitam os cacos que a criada deles fez de    E os deuses olham-no, especialmente, pois
                  mim.                               não sabem porque ficou ali.
Características
                      estilísticas
                         Verso longo e livre
                   Irregularidade estrófica e métrica
                         Pontuação emotiva
                          Ausência da rima
                         Riqueza estilística:
*Comparação e Metáfora :” A minha alma partiu-se como um vaso vazio.”;

*Anáfora: “Caiu pela escada excessivamente abaixo.
Caiu das mãos da criada descuidada.
Caiu, fez-se em mais pedaços do que havia loiça no vaso.”

*Metáfora: “Sou um espalhamento de cacos sobre um capacho por sacudir.”

*Interrogação Retórica: “Asneira? Impossível? Sei lá! “
Motivos temáticos
                            Fase abúlica e intimista
*Sentimentos de frustração e desilusão: “Caiu pela escada excessivamente abaixo” /
                     ; “Caiu das mãos da criada descuidada”;

*Tom pessimista: “ Fiz barulho na queda como um vaso que se partia”/ ; “ E fitam os
                      cacos que a criada deles fez de mim.”;

*Fragmentação do “eu”: “ Caiu, fez-se em mais pedaços do que havia loiça no vaso”/
        ; “Sou um espalhamento de cacos sobre um capacho por sacudir”/;

        *Domínio do pensar e da consciência: “absurdamente conscientes.
            Mas conscientes de si-mesmos, não conscientes deles.”

 *Sensação de estar perdido: “Tenho mais sensações do que tinha quando me sentia
                       eu”/; “ O que eu era um vaso vazio?”

*Perda da unidade e identidade: “E fitam os cacos que a criada deles fez de mim”/;
                      “Sou um espalhamento de cacos…”

                     *Dúvida: “Asneira?, Impossível? Sei lá!”
Motivos
                         temáticos                    Não se zanguem com ela.
 A minha alma partiu-se como um vaso
                  vazio.                               São tolerantes com ela.
Caiu pela escada excessivamente abaixo.              O que eu era um vaso vazio?
 Caiu das mãos da criada descuidada.
  Caiu, fez-se em mais pedaços do que         Olham os cacos absurdamente conscientes.
           havia loiça no vaso.              Mas conscientes de si-mesmos, não conscientes
                                                                 deles.
     Asneira? Impossível? Sei lá!
                                                          Olham e sorriem.
  Tenho mais sensações do que tinha
         quando me sentia eu.                  Sorriem tolerantes à criada involuntária.
Sou um espalhamento de cacos sobre um
         capacho por sacudir.                   Alastra a grande escadaria atapetada de
                                                                estrelas.
Fiz barulho na queda como um vaso que         Um caco brilha, virado do exterior lustroso,
                se partia.                                   entre os astros.
                                               A minha obra? A minha alma principal? A
    Os deuses que há debruçam-se do                           minha vida?
          parapeito da escada.
                                                                Um caco.
E fitam os cacos que a criada deles fez de
                  mim.                       E os deuses olham-no, especialmente, pois não
                                                        sabem porque ficou ali.
Sensações
              representadas
Sensação Auditiva: “Fiz barulho na queda”

Sensação Táctil: “Caiu das mãos da criada”

Sensações Visuais: “um vaso vazio” ;“caiu pela escada”; “Caiu
das mãos da criada”; “espalhamento de cacos sobre um capacho
por sacudir” e “ um caco que brilha virado do exterior lustroso”.
vAlor expressivo dA perguntA “o que
         eu erA um vAso vAzio?”

  “ O que eu era um vaso vazio?” - esta pergunta intensifica a
 dúvida, incerteza e desilusão do sujeito poético, já que só depois
de o vaso ter caído pelas escadas é que ele interroga-se quanto ao
 vazio da sua alma (vaso), vendo, assim, que existe uma enorme
possibilidade de que a sua alma já estivesse vazia, antes sequer de
  esta ter caído pelas escadas, pois o seu estado de tristeza é tão
  intenso que o leva a duvidar de si próprio e da essência do seu
 ser, sendo que, quando o vaso já está partido, ele tem como que
 uma confirmação do estado da sua alma ( fruto do seu estado de
espírito nesse instante), apesar de o núcleo da dúvida permanecer
                                 lá.
Expressividade da oposição
estAbelecidA entre os “cAcos” e “ um
               cAco”

Cacos:
*Fragmentação da alma: “Sou um espalhamento de cacos sobre um
capacho por sacudir.”
*Sente-se sem existência: “Olham os cacos absurdamente
conscientes./Mas conscientes de si-mesmos, não conscientes deles.”

Um Caco:
*Um caco sobressai: “Um caco brilha, virado do exterior lustroso,
entre os astros.”
*Interrogação Retórica: “A minha obra? A minha alma principal? A
minha vida?”
“Um caco.”
O resultado da queda da
              alma


Depois da queda da alma, o sujeito poético sente-se inútil,
  sem valor, como se nunca mais pudesse restaurar a sua
   alma ( pelo menos nesse momento), não se sente ele
   mesmo, estranhando-se a si próprio (fragmentação do
“eu”), tal é o seu estado emocional; ele também sente que
 a sua alma está excessivamente danificada devido a esta
 queda, sendo que ele utiliza o “barulho” da queda como
mais uma forma de demonstrar a destruição da sua própria
                           alma.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

"Mar Português" e " Ascensão de Vasco da Gama" por Filipe Reis
"Mar Português" e " Ascensão de Vasco da Gama" por Filipe Reis"Mar Português" e " Ascensão de Vasco da Gama" por Filipe Reis
"Mar Português" e " Ascensão de Vasco da Gama" por Filipe Reis
FilipeReis48
 
O heteronimo Alberto Caeiro
O heteronimo Alberto CaeiroO heteronimo Alberto Caeiro
O heteronimo Alberto Caeiro
guest155834
 
Gato que brincas na rua
Gato que brincas na ruaGato que brincas na rua
Gato que brincas na rua
estado
 
Mensagem Fernando Pessoa
Mensagem   Fernando PessoaMensagem   Fernando Pessoa
Mensagem Fernando Pessoa
guest0f0d8
 

Mais procurados (20)

Mensagem: Análise "Escrevo meu livro à beira-mágoa"
Mensagem: Análise "Escrevo meu livro à beira-mágoa"Mensagem: Análise "Escrevo meu livro à beira-mágoa"
Mensagem: Análise "Escrevo meu livro à beira-mágoa"
 
Características de Álvaro de Campos
Características de Álvaro de CamposCaracterísticas de Álvaro de Campos
Características de Álvaro de Campos
 
Síntese fernando pessoa
Síntese fernando pessoaSíntese fernando pessoa
Síntese fernando pessoa
 
Análise do poema: "O que há em mim é sobretudo cansaço" - Álvaro de Campos
Análise do poema: "O que há em mim é sobretudo cansaço" - Álvaro de CamposAnálise do poema: "O que há em mim é sobretudo cansaço" - Álvaro de Campos
Análise do poema: "O que há em mim é sobretudo cansaço" - Álvaro de Campos
 
áLvaro de campos
áLvaro de camposáLvaro de campos
áLvaro de campos
 
Fernando pessoa ortónimo
Fernando pessoa ortónimoFernando pessoa ortónimo
Fernando pessoa ortónimo
 
Resumos de Português: Fernando Pessoa Ortónimo
Resumos de Português: Fernando Pessoa OrtónimoResumos de Português: Fernando Pessoa Ortónimo
Resumos de Português: Fernando Pessoa Ortónimo
 
Pessoa ortónimo proposta para análise de poemas 14_15
Pessoa ortónimo proposta para análise de poemas 14_15Pessoa ortónimo proposta para análise de poemas 14_15
Pessoa ortónimo proposta para análise de poemas 14_15
 
"Mar Português" e " Ascensão de Vasco da Gama" por Filipe Reis
"Mar Português" e " Ascensão de Vasco da Gama" por Filipe Reis"Mar Português" e " Ascensão de Vasco da Gama" por Filipe Reis
"Mar Português" e " Ascensão de Vasco da Gama" por Filipe Reis
 
O desejado
O desejadoO desejado
O desejado
 
Ode Triunfal de Álvaro de Campos
Ode Triunfal de Álvaro de CamposOde Triunfal de Álvaro de Campos
Ode Triunfal de Álvaro de Campos
 
O heteronimo Alberto Caeiro
O heteronimo Alberto CaeiroO heteronimo Alberto Caeiro
O heteronimo Alberto Caeiro
 
"Mensagem" de Fernando Pessoa: "O das Quinas"
"Mensagem" de Fernando Pessoa: "O das Quinas""Mensagem" de Fernando Pessoa: "O das Quinas"
"Mensagem" de Fernando Pessoa: "O das Quinas"
 
Resumos de Português: Heterónimos De Fernando Pessoa
Resumos de Português: Heterónimos De Fernando PessoaResumos de Português: Heterónimos De Fernando Pessoa
Resumos de Português: Heterónimos De Fernando Pessoa
 
Fernando Pessoa Heterónimos
Fernando Pessoa   HeterónimosFernando Pessoa   Heterónimos
Fernando Pessoa Heterónimos
 
Álvaro de Campos
Álvaro de CamposÁlvaro de Campos
Álvaro de Campos
 
Intertextualidade Mensagem e Os Lusíadas
Intertextualidade Mensagem e Os LusíadasIntertextualidade Mensagem e Os Lusíadas
Intertextualidade Mensagem e Os Lusíadas
 
Gato que brincas na rua
Gato que brincas na ruaGato que brincas na rua
Gato que brincas na rua
 
Mensagem Fernando Pessoa
Mensagem   Fernando PessoaMensagem   Fernando Pessoa
Mensagem Fernando Pessoa
 
"Há tanto tempo que não sou capaz" de Álvaro de Campos.
"Há tanto tempo que não sou capaz" de Álvaro de Campos. "Há tanto tempo que não sou capaz" de Álvaro de Campos.
"Há tanto tempo que não sou capaz" de Álvaro de Campos.
 

Destaque

Tabacaria - Álvaro de Campos
Tabacaria - Álvaro de CamposTabacaria - Álvaro de Campos
Tabacaria - Álvaro de Campos
AMLDRP
 
Alvaro de campos... portugues
Alvaro de campos... portuguesAlvaro de campos... portugues
Alvaro de campos... portugues
Allane Lima
 
Fernando Pessoa e seus heterónimos
Fernando Pessoa e seus heterónimosFernando Pessoa e seus heterónimos
Fernando Pessoa e seus heterónimos
guest40b640
 

Destaque (20)

Poema alvaro de campos
Poema alvaro de camposPoema alvaro de campos
Poema alvaro de campos
 
Tabacaria - Álvaro de Campos
Tabacaria - Álvaro de CamposTabacaria - Álvaro de Campos
Tabacaria - Álvaro de Campos
 
Poema - Álvaro de Campos - "ali não havia electricidade"
Poema - Álvaro de Campos - "ali não havia electricidade"Poema - Álvaro de Campos - "ali não havia electricidade"
Poema - Álvaro de Campos - "ali não havia electricidade"
 
Características Poéticas de Álvaro de Campos
Características Poéticas de Álvaro de CamposCaracterísticas Poéticas de Álvaro de Campos
Características Poéticas de Álvaro de Campos
 
Alvaro de campos... portugues
Alvaro de campos... portuguesAlvaro de campos... portugues
Alvaro de campos... portugues
 
áLvaro de campos
áLvaro de camposáLvaro de campos
áLvaro de campos
 
Alberto caeiro biografia e caracteristicas
Alberto caeiro biografia e caracteristicasAlberto caeiro biografia e caracteristicas
Alberto caeiro biografia e caracteristicas
 
Álvaro de Campos
Álvaro de CamposÁlvaro de Campos
Álvaro de Campos
 
Produção agrícola nacional- Alentejo
Produção agrícola nacional- AlentejoProdução agrícola nacional- Alentejo
Produção agrícola nacional- Alentejo
 
áLvaro de campos
áLvaro de camposáLvaro de campos
áLvaro de campos
 
Álvaro de Campos, trabalho sobre o poema "O que há em mim é sobretudo cansaço"
Álvaro de Campos, trabalho sobre o poema "O que há em mim é sobretudo cansaço"Álvaro de Campos, trabalho sobre o poema "O que há em mim é sobretudo cansaço"
Álvaro de Campos, trabalho sobre o poema "O que há em mim é sobretudo cansaço"
 
ÁLvaro de campos
ÁLvaro de camposÁLvaro de campos
ÁLvaro de campos
 
Poemas de Alberto Caeiro
Poemas de Alberto CaeiroPoemas de Alberto Caeiro
Poemas de Alberto Caeiro
 
Fernando Pessoa e seus heterónimos
Fernando Pessoa e seus heterónimosFernando Pessoa e seus heterónimos
Fernando Pessoa e seus heterónimos
 
Análise do poema Nao sei quantas almas tenho
Análise do poema Nao sei quantas almas tenhoAnálise do poema Nao sei quantas almas tenho
Análise do poema Nao sei quantas almas tenho
 
Ricardo Reis
Ricardo ReisRicardo Reis
Ricardo Reis
 
Características poéticas de Ricardo Reis
Características poéticas de Ricardo ReisCaracterísticas poéticas de Ricardo Reis
Características poéticas de Ricardo Reis
 
Ricardo reis
Ricardo reisRicardo reis
Ricardo reis
 
7 01 parte_2_as_transformações_das_primeiras_décadas_do_século_xx
7 01 parte_2_as_transformações_das_primeiras_décadas_do_século_xx7 01 parte_2_as_transformações_das_primeiras_décadas_do_século_xx
7 01 parte_2_as_transformações_das_primeiras_décadas_do_século_xx
 
7 01 parte_1_as_transformações_das_primeiras_décadas_do_século_xx
7 01 parte_1_as_transformações_das_primeiras_décadas_do_século_xx7 01 parte_1_as_transformações_das_primeiras_décadas_do_século_xx
7 01 parte_1_as_transformações_das_primeiras_décadas_do_século_xx
 

Mais de Oxana Marian

Estratégias de industrialização da América Latina
Estratégias de industrialização da América LatinaEstratégias de industrialização da América Latina
Estratégias de industrialização da América Latina
Oxana Marian
 
A gestão do espaço marítimo
A gestão do espaço marítimoA gestão do espaço marítimo
A gestão do espaço marítimo
Oxana Marian
 
Os Maias - Episódio da Corneta do Diabo e Jornal A Trade
Os Maias - Episódio da Corneta do Diabo e  Jornal A TradeOs Maias - Episódio da Corneta do Diabo e  Jornal A Trade
Os Maias - Episódio da Corneta do Diabo e Jornal A Trade
Oxana Marian
 
Agricultura Transmontana
Agricultura TransmontanaAgricultura Transmontana
Agricultura Transmontana
Oxana Marian
 
"Cansa sentir quando se pensa" - Fernando Pessoa Ortónimo
"Cansa sentir quando se pensa" - Fernando Pessoa Ortónimo"Cansa sentir quando se pensa" - Fernando Pessoa Ortónimo
"Cansa sentir quando se pensa" - Fernando Pessoa Ortónimo
Oxana Marian
 

Mais de Oxana Marian (7)

Estratégias de industrialização da América Latina
Estratégias de industrialização da América LatinaEstratégias de industrialização da América Latina
Estratégias de industrialização da América Latina
 
Jogos olímpicos
Jogos olímpicosJogos olímpicos
Jogos olímpicos
 
A gestão do espaço marítimo
A gestão do espaço marítimoA gestão do espaço marítimo
A gestão do espaço marítimo
 
Os Maias - Episódio da Corneta do Diabo e Jornal A Trade
Os Maias - Episódio da Corneta do Diabo e  Jornal A TradeOs Maias - Episódio da Corneta do Diabo e  Jornal A Trade
Os Maias - Episódio da Corneta do Diabo e Jornal A Trade
 
Agricultura Transmontana
Agricultura TransmontanaAgricultura Transmontana
Agricultura Transmontana
 
Renascimento
Renascimento  Renascimento
Renascimento
 
"Cansa sentir quando se pensa" - Fernando Pessoa Ortónimo
"Cansa sentir quando se pensa" - Fernando Pessoa Ortónimo"Cansa sentir quando se pensa" - Fernando Pessoa Ortónimo
"Cansa sentir quando se pensa" - Fernando Pessoa Ortónimo
 

Último

Filosofia - 1º ano - Ensino Médio do ensino médio para primeiro bimestre
Filosofia - 1º ano - Ensino Médio do ensino médio para primeiro bimestreFilosofia - 1º ano - Ensino Médio do ensino médio para primeiro bimestre
Filosofia - 1º ano - Ensino Médio do ensino médio para primeiro bimestre
LeandroLima265595
 

Último (20)

Missa catequese para o dia da mãe 2025.pdf
Missa catequese para o dia da mãe 2025.pdfMissa catequese para o dia da mãe 2025.pdf
Missa catequese para o dia da mãe 2025.pdf
 
Novena de Pentecostes com textos de São João Eudes
Novena de Pentecostes com textos de São João EudesNovena de Pentecostes com textos de São João Eudes
Novena de Pentecostes com textos de São João Eudes
 
Quando a escola é de vidro, de Ruth Rocha
Quando a escola é de vidro, de Ruth RochaQuando a escola é de vidro, de Ruth Rocha
Quando a escola é de vidro, de Ruth Rocha
 
Apresentação | Dia da Europa 2024 - Celebremos a União Europeia!
Apresentação | Dia da Europa 2024 - Celebremos a União Europeia!Apresentação | Dia da Europa 2024 - Celebremos a União Europeia!
Apresentação | Dia da Europa 2024 - Celebremos a União Europeia!
 
RENASCIMENTO E HUMANISMO_QUIZ 7º ANO.pptx
RENASCIMENTO E HUMANISMO_QUIZ 7º ANO.pptxRENASCIMENTO E HUMANISMO_QUIZ 7º ANO.pptx
RENASCIMENTO E HUMANISMO_QUIZ 7º ANO.pptx
 
Química-ensino médio ESTEQUIOMETRIA.pptx
Química-ensino médio ESTEQUIOMETRIA.pptxQuímica-ensino médio ESTEQUIOMETRIA.pptx
Química-ensino médio ESTEQUIOMETRIA.pptx
 
ESPANHOL PARA O ENEM (2).pdf questões da prova
ESPANHOL PARA O ENEM (2).pdf questões da provaESPANHOL PARA O ENEM (2).pdf questões da prova
ESPANHOL PARA O ENEM (2).pdf questões da prova
 
QUESTÃO 4 Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...
QUESTÃO 4   Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...QUESTÃO 4   Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...
QUESTÃO 4 Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...
 
Slides Lição 7, Betel, Ordenança para uma vida de fidelidade e lealdade, 2Tr2...
Slides Lição 7, Betel, Ordenança para uma vida de fidelidade e lealdade, 2Tr2...Slides Lição 7, Betel, Ordenança para uma vida de fidelidade e lealdade, 2Tr2...
Slides Lição 7, Betel, Ordenança para uma vida de fidelidade e lealdade, 2Tr2...
 
425416820-Testes-7º-Ano-Leandro-Rei-Da-Heliria-Com-Solucoes.pdf
425416820-Testes-7º-Ano-Leandro-Rei-Da-Heliria-Com-Solucoes.pdf425416820-Testes-7º-Ano-Leandro-Rei-Da-Heliria-Com-Solucoes.pdf
425416820-Testes-7º-Ano-Leandro-Rei-Da-Heliria-Com-Solucoes.pdf
 
Filosofia - 1º ano - Ensino Médio do ensino médio para primeiro bimestre
Filosofia - 1º ano - Ensino Médio do ensino médio para primeiro bimestreFilosofia - 1º ano - Ensino Médio do ensino médio para primeiro bimestre
Filosofia - 1º ano - Ensino Médio do ensino médio para primeiro bimestre
 
Periodo da escravidAo O Brasil tem seu corpo na América e sua alma na África
Periodo da escravidAo O Brasil tem seu corpo na América e sua alma na ÁfricaPeriodo da escravidAo O Brasil tem seu corpo na América e sua alma na África
Periodo da escravidAo O Brasil tem seu corpo na América e sua alma na África
 
Teatro como estrategias de ensino secundario
Teatro como estrategias de ensino secundarioTeatro como estrategias de ensino secundario
Teatro como estrategias de ensino secundario
 
13_mch9_hormonal.pptx............................
13_mch9_hormonal.pptx............................13_mch9_hormonal.pptx............................
13_mch9_hormonal.pptx............................
 
Religiosidade de Assaré - Prof. Francisco Leite
Religiosidade de Assaré - Prof. Francisco LeiteReligiosidade de Assaré - Prof. Francisco Leite
Religiosidade de Assaré - Prof. Francisco Leite
 
12_mch9_nervoso.pptx...........................
12_mch9_nervoso.pptx...........................12_mch9_nervoso.pptx...........................
12_mch9_nervoso.pptx...........................
 
Prova nivel 3 da XXII OBA DE 2019 - GABARITO POWER POINT.pptx
Prova nivel 3 da XXII OBA DE 2019 - GABARITO POWER POINT.pptxProva nivel 3 da XXII OBA DE 2019 - GABARITO POWER POINT.pptx
Prova nivel 3 da XXII OBA DE 2019 - GABARITO POWER POINT.pptx
 
Quiz | Dia da Europa 2024 (comemoração)
Quiz | Dia da Europa 2024  (comemoração)Quiz | Dia da Europa 2024  (comemoração)
Quiz | Dia da Europa 2024 (comemoração)
 
Modelos de Inteligencia Emocional segundo diversos autores
Modelos de Inteligencia Emocional segundo diversos autoresModelos de Inteligencia Emocional segundo diversos autores
Modelos de Inteligencia Emocional segundo diversos autores
 
SQL Parte 1 - Criação de Banco de Dados.pdf
SQL Parte 1 - Criação de Banco de Dados.pdfSQL Parte 1 - Criação de Banco de Dados.pdf
SQL Parte 1 - Criação de Banco de Dados.pdf
 

Poema Apontamento de Álvaro de Campos

  • 1. Poema: “ApontAmento” de Álvaro de Campos
  • 2. Índice Poema; Características estilísticas; Motivos temáticos; Sensações Representadas; Valor expressivo dA perguntA “o que erA um vAso vAzio?”; Expressividade da oposição estAbelecidA entre os “cAcos” e “um cAco”; O resultado da queda da alma.
  • 3. Apontam ento A minha alma partiu-se como um vaso Não se zanguem com ela. vazio. São tolerantes com ela. Caiu pela escada excessivamente abaixo. O que eu era um vaso vazio? Caiu das mãos da criada descuidada. Caiu, fez-se em mais pedaços do que Olham os cacos absurdamente conscientes. havia loiça no vaso. Mas conscientes de si-mesmos, não conscientes deles. Asneira? Impossível? Sei lá! Olham e sorriem. Tenho mais sensações do que tinha quando me sentia eu. Sorriem tolerantes à criada involuntária. Sou um espalhamento de cacos sobre um capacho por sacudir. Alastra a grande escadaria atapetada de estrelas. Um caco brilha, virado do exterior lustroso, Fiz barulho na queda como um vaso que entre os astros. se partia. A minha obra? A minha alma principal? A Os deuses que há debruçam-se do minha vida? parapeito da escada. Um caco. E fitam os cacos que a criada deles fez de E os deuses olham-no, especialmente, pois mim. não sabem porque ficou ali.
  • 4. Características estilísticas Verso longo e livre Irregularidade estrófica e métrica Pontuação emotiva Ausência da rima Riqueza estilística: *Comparação e Metáfora :” A minha alma partiu-se como um vaso vazio.”; *Anáfora: “Caiu pela escada excessivamente abaixo. Caiu das mãos da criada descuidada. Caiu, fez-se em mais pedaços do que havia loiça no vaso.” *Metáfora: “Sou um espalhamento de cacos sobre um capacho por sacudir.” *Interrogação Retórica: “Asneira? Impossível? Sei lá! “
  • 5. Motivos temáticos Fase abúlica e intimista *Sentimentos de frustração e desilusão: “Caiu pela escada excessivamente abaixo” / ; “Caiu das mãos da criada descuidada”; *Tom pessimista: “ Fiz barulho na queda como um vaso que se partia”/ ; “ E fitam os cacos que a criada deles fez de mim.”; *Fragmentação do “eu”: “ Caiu, fez-se em mais pedaços do que havia loiça no vaso”/ ; “Sou um espalhamento de cacos sobre um capacho por sacudir”/; *Domínio do pensar e da consciência: “absurdamente conscientes. Mas conscientes de si-mesmos, não conscientes deles.” *Sensação de estar perdido: “Tenho mais sensações do que tinha quando me sentia eu”/; “ O que eu era um vaso vazio?” *Perda da unidade e identidade: “E fitam os cacos que a criada deles fez de mim”/; “Sou um espalhamento de cacos…” *Dúvida: “Asneira?, Impossível? Sei lá!”
  • 6. Motivos temáticos Não se zanguem com ela. A minha alma partiu-se como um vaso vazio. São tolerantes com ela. Caiu pela escada excessivamente abaixo. O que eu era um vaso vazio? Caiu das mãos da criada descuidada. Caiu, fez-se em mais pedaços do que Olham os cacos absurdamente conscientes. havia loiça no vaso. Mas conscientes de si-mesmos, não conscientes deles. Asneira? Impossível? Sei lá! Olham e sorriem. Tenho mais sensações do que tinha quando me sentia eu. Sorriem tolerantes à criada involuntária. Sou um espalhamento de cacos sobre um capacho por sacudir. Alastra a grande escadaria atapetada de estrelas. Fiz barulho na queda como um vaso que Um caco brilha, virado do exterior lustroso, se partia. entre os astros. A minha obra? A minha alma principal? A Os deuses que há debruçam-se do minha vida? parapeito da escada. Um caco. E fitam os cacos que a criada deles fez de mim. E os deuses olham-no, especialmente, pois não sabem porque ficou ali.
  • 7. Sensações representadas Sensação Auditiva: “Fiz barulho na queda” Sensação Táctil: “Caiu das mãos da criada” Sensações Visuais: “um vaso vazio” ;“caiu pela escada”; “Caiu das mãos da criada”; “espalhamento de cacos sobre um capacho por sacudir” e “ um caco que brilha virado do exterior lustroso”.
  • 8. vAlor expressivo dA perguntA “o que eu erA um vAso vAzio?” “ O que eu era um vaso vazio?” - esta pergunta intensifica a dúvida, incerteza e desilusão do sujeito poético, já que só depois de o vaso ter caído pelas escadas é que ele interroga-se quanto ao vazio da sua alma (vaso), vendo, assim, que existe uma enorme possibilidade de que a sua alma já estivesse vazia, antes sequer de esta ter caído pelas escadas, pois o seu estado de tristeza é tão intenso que o leva a duvidar de si próprio e da essência do seu ser, sendo que, quando o vaso já está partido, ele tem como que uma confirmação do estado da sua alma ( fruto do seu estado de espírito nesse instante), apesar de o núcleo da dúvida permanecer lá.
  • 9. Expressividade da oposição estAbelecidA entre os “cAcos” e “ um cAco” Cacos: *Fragmentação da alma: “Sou um espalhamento de cacos sobre um capacho por sacudir.” *Sente-se sem existência: “Olham os cacos absurdamente conscientes./Mas conscientes de si-mesmos, não conscientes deles.” Um Caco: *Um caco sobressai: “Um caco brilha, virado do exterior lustroso, entre os astros.” *Interrogação Retórica: “A minha obra? A minha alma principal? A minha vida?” “Um caco.”
  • 10. O resultado da queda da alma Depois da queda da alma, o sujeito poético sente-se inútil, sem valor, como se nunca mais pudesse restaurar a sua alma ( pelo menos nesse momento), não se sente ele mesmo, estranhando-se a si próprio (fragmentação do “eu”), tal é o seu estado emocional; ele também sente que a sua alma está excessivamente danificada devido a esta queda, sendo que ele utiliza o “barulho” da queda como mais uma forma de demonstrar a destruição da sua própria alma.