SlideShare uma empresa Scribd logo
AS REGIÕES
AGRÁRIAS
Entre Douro e Minho (Norte Litoral)
O Sistema Agrário
 Pequena dimensão
(minifúndio) com
uma dimensão
média de 4.3ha;
 Forma irregular de
parcelas;
 Campos fechados;
 Policultura intensiva;
 Regadio;
Morfologia Agrária: Sistema de culturas:
O Sistema Agrário
 Disperso  Milho
 Feijão Branco
 Produtos hortícolas
(couve, cenoura,
nabo)
 Vinho verde
 Centeio
 Kiwi
Povoamento: Principais culturas:
Criação de gado:
• Bovino em regime
extensivo
O Sistema Agrário
• Pinheiro bravo;
• Eucalipto;
• Carvalho;
Sivilcultura:
Cultura de regadio
Braga, tem dois meses secos,
zona com maior valor de
precipitação
Maior zona com cultura de
regadio em Portugal
continental
madeira
Diferentes culturas
Predominam :
 Culturas temporárias, nomeadamente no
litoral , zona do Porto e Braga, sendo que se
estende a uma pequena parte de Aveiro .
 Prados e as pastagens permanentes, nas
zonas circundantes, predominam no distrito de
Viana do Castelo e nas zonas perto da
barreira de condensação.
Principais produções vegetais e
animais
 Predomina a
horticultura e a
viticultura .
 Zona de
Portugal
continental com
maior mancha
de gado bovino
(leiteiro) .
Problemas da região agrária
• Os campos de exploração são de pequenas
dimensões;
• A população agrícola encontra-se envelhecida (média
nacional é de 63 anos) apesar de ser a região com o
menor índice de envelhecimento. A densidade da
população é fraca, porém tem uma das populações
agrícolas mais numerosas, 19%;
• Não são utilizadas as novas tecnologias, o que faz
com que continuem a utilizar instrumentos
rudimentares;
• Fraca fertilização dos solos portugueses;
• Fraca sustentabilidade social e económica das áreas
rurais;
• Elevado risco de desertificação;
• Insuficiência da formação profissional dos agricultores;
A instrução da população
A maior parte da
população agrícola em
Portugal tem o 1º ciclo ,
sendo que em Entre
Douro e Minho temos
logo a seguir pessoas
com o 2º e 3º ciclos,
sendo que a população
sem escolaridade está
em minoria.
40
35
30
25
Índice de aridez e áreas
montanhosas
 É uma zona muito húmida devido aos fatores já
referidos.
 A zona montanhosa é pouco propícia para a
atividade agrícola, sendo por isso a zona onde
predominam as pastagens.
Fatores naturais e humanos
 Entre Douro e Minho é a região de Portugal
onde temos os maiores valores ao nível da
precipitação, isto deve-se sobretudo á barreira
de condensação.
 A cidade metropolitana do Porto localiza-se
nesta região agrária.
 É uma zona com solos húmidos e férteis.
 Localiza-se no litoral .
Algumas curiosidades
Trabalho realizado por:
Cátia Leite nº2
Mª Inês Gonçalves nº16
Sara Guerra nº21
Vanessa Pinto nº25
11ºL1

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Agricultura Transmontana
Agricultura TransmontanaAgricultura Transmontana
Agricultura Transmontana
Oxana Marian
 
Potencialidades do litoral
Potencialidades do litoralPotencialidades do litoral
Potencialidades do litoral
Ilda Bicacro
 
Geografia11ºano
Geografia11ºanoGeografia11ºano
Geografia11ºano
Gonçalo Paiva
 
Recursos marítimos
Recursos marítimosRecursos marítimos
Recursos marítimos
manjosp
 
Agricultura: fatores condicionantes
Agricultura: fatores condicionantesAgricultura: fatores condicionantes
Agricultura: fatores condicionantes
Idalina Leite
 
2.1 estratificação social e poder político
2.1 estratificação social e poder político2.1 estratificação social e poder político
2.1 estratificação social e poder político
cattonia
 
Atividade piscatória
Atividade piscatóriaAtividade piscatória
Atividade piscatória
Ilda Bicacro
 
A agricultura portuguesa e a política agrícola comum
A agricultura portuguesa e a política agrícola comumA agricultura portuguesa e a política agrícola comum
A agricultura portuguesa e a política agrícola comum
Ilda Bicacro
 
Características da população agrícola
Características da população agrícolaCaracterísticas da população agrícola
Características da população agrícola
Maria Adelaide
 
Poder régio
Poder régioPoder régio
Poder régio
Carina Vale
 
Geografia A 11 ano - Transportes
Geografia A 11 ano - TransportesGeografia A 11 ano - Transportes
Geografia A 11 ano - Transportes
Raffaella Ergün
 
Algarve - Região Agrária
Algarve - Região Agrária Algarve - Região Agrária
Algarve - Região Agrária
Miguel Sargento
 
O mundo rural em portugal
O mundo rural em portugalO mundo rural em portugal
O mundo rural em portugal
Cacilda Basto
 
As áreas metropolitanas de Lisboa e Porto - Geografia 11º ano
As áreas metropolitanas de Lisboa e Porto - Geografia 11º anoAs áreas metropolitanas de Lisboa e Porto - Geografia 11º ano
As áreas metropolitanas de Lisboa e Porto - Geografia 11º ano
713773
 
Geografia A- Transportes Rodoviários
Geografia A- Transportes Rodoviários Geografia A- Transportes Rodoviários
Geografia A- Transportes Rodoviários
Ana Catarina
 
As características da rede urbana
As características da rede urbanaAs características da rede urbana
As características da rede urbana
Ilda Bicacro
 
Principais acidentes da costa portuguesa
Principais acidentes da costa portuguesaPrincipais acidentes da costa portuguesa
Principais acidentes da costa portuguesa
Thepatriciamartins12
 
Gil vicente, farsa de inês pereira
Gil vicente, farsa de inês pereiraGil vicente, farsa de inês pereira
Gil vicente, farsa de inês pereira
David Caçador
 
MACS - grafos, trajetos e circuitos eulerianos; circuitos eulerianos...
MACS - grafos, trajetos e circuitos eulerianos; circuitos eulerianos...MACS - grafos, trajetos e circuitos eulerianos; circuitos eulerianos...
MACS - grafos, trajetos e circuitos eulerianos; circuitos eulerianos...
Joana Pinto
 
A sociedade de antigo regime em Portugal
A sociedade de antigo regime em PortugalA sociedade de antigo regime em Portugal
A sociedade de antigo regime em Portugal
Joana Filipa Rodrigues
 

Mais procurados (20)

Agricultura Transmontana
Agricultura TransmontanaAgricultura Transmontana
Agricultura Transmontana
 
Potencialidades do litoral
Potencialidades do litoralPotencialidades do litoral
Potencialidades do litoral
 
Geografia11ºano
Geografia11ºanoGeografia11ºano
Geografia11ºano
 
Recursos marítimos
Recursos marítimosRecursos marítimos
Recursos marítimos
 
Agricultura: fatores condicionantes
Agricultura: fatores condicionantesAgricultura: fatores condicionantes
Agricultura: fatores condicionantes
 
2.1 estratificação social e poder político
2.1 estratificação social e poder político2.1 estratificação social e poder político
2.1 estratificação social e poder político
 
Atividade piscatória
Atividade piscatóriaAtividade piscatória
Atividade piscatória
 
A agricultura portuguesa e a política agrícola comum
A agricultura portuguesa e a política agrícola comumA agricultura portuguesa e a política agrícola comum
A agricultura portuguesa e a política agrícola comum
 
Características da população agrícola
Características da população agrícolaCaracterísticas da população agrícola
Características da população agrícola
 
Poder régio
Poder régioPoder régio
Poder régio
 
Geografia A 11 ano - Transportes
Geografia A 11 ano - TransportesGeografia A 11 ano - Transportes
Geografia A 11 ano - Transportes
 
Algarve - Região Agrária
Algarve - Região Agrária Algarve - Região Agrária
Algarve - Região Agrária
 
O mundo rural em portugal
O mundo rural em portugalO mundo rural em portugal
O mundo rural em portugal
 
As áreas metropolitanas de Lisboa e Porto - Geografia 11º ano
As áreas metropolitanas de Lisboa e Porto - Geografia 11º anoAs áreas metropolitanas de Lisboa e Porto - Geografia 11º ano
As áreas metropolitanas de Lisboa e Porto - Geografia 11º ano
 
Geografia A- Transportes Rodoviários
Geografia A- Transportes Rodoviários Geografia A- Transportes Rodoviários
Geografia A- Transportes Rodoviários
 
As características da rede urbana
As características da rede urbanaAs características da rede urbana
As características da rede urbana
 
Principais acidentes da costa portuguesa
Principais acidentes da costa portuguesaPrincipais acidentes da costa portuguesa
Principais acidentes da costa portuguesa
 
Gil vicente, farsa de inês pereira
Gil vicente, farsa de inês pereiraGil vicente, farsa de inês pereira
Gil vicente, farsa de inês pereira
 
MACS - grafos, trajetos e circuitos eulerianos; circuitos eulerianos...
MACS - grafos, trajetos e circuitos eulerianos; circuitos eulerianos...MACS - grafos, trajetos e circuitos eulerianos; circuitos eulerianos...
MACS - grafos, trajetos e circuitos eulerianos; circuitos eulerianos...
 
A sociedade de antigo regime em Portugal
A sociedade de antigo regime em PortugalA sociedade de antigo regime em Portugal
A sociedade de antigo regime em Portugal
 

Semelhante a As regiões agrárias: Entre Douro e Minho

C - Que características apresentam as áreas rurais em Portugal.pdf
C - Que características apresentam as áreas rurais em Portugal.pdfC - Que características apresentam as áreas rurais em Portugal.pdf
C - Que características apresentam as áreas rurais em Portugal.pdf
DomingosSantos40
 
A Agricultura
A AgriculturaA Agricultura
A Agricultura
Maria Adelaide
 
A agricultura
A agriculturaA agricultura
A agricultura
Maria Adelaide
 
Horticultura floricultura & fruticultura
Horticultura floricultura & fruticulturaHorticultura floricultura & fruticultura
Horticultura floricultura & fruticultura
Pedro Tomé
 
Aula 2
Aula 2Aula 2
D - Como tem evoluído a atividade agrícola em Portugal.pdf
D - Como tem evoluído a atividade agrícola em Portugal.pdfD - Como tem evoluído a atividade agrícola em Portugal.pdf
D - Como tem evoluído a atividade agrícola em Portugal.pdf
DomingosSantos40
 
A - O que são áreas rurais.pdf
A - O que são áreas rurais.pdfA - O que são áreas rurais.pdf
A - O que são áreas rurais.pdf
DomingosSantos40
 
As áreas rurais em mudança 2
As áreas rurais em mudança 2As áreas rurais em mudança 2
As áreas rurais em mudança 2
Idalina Leite
 
Seminário
SeminárioSeminário
Seminário
Karoll Castro
 
Regiões Geoeconômicas
Regiões GeoeconômicasRegiões Geoeconômicas
Regiões Geoeconômicas
Pré Master
 
Urbanização
UrbanizaçãoUrbanização
Urbanização
alcidessf
 
1228694024 diapositivos
1228694024 diapositivos1228694024 diapositivos
1228694024 diapositivos
Pelo Siro
 
As fragilidades dos sistemas agrários
As fragilidades dos sistemas agráriosAs fragilidades dos sistemas agrários
As fragilidades dos sistemas agrários
Ilda Bicacro
 
Agricultura 11º ano (exceto PAC)
Agricultura 11º ano (exceto PAC)Agricultura 11º ano (exceto PAC)
Agricultura 11º ano (exceto PAC)
Maria Inês Jorge
 
Bioma Mata atlântica
Bioma Mata atlânticaBioma Mata atlântica
Bioma Mata atlântica
Felipe Batista
 
Sul – o Brasil
Sul – o BrasilSul – o Brasil
Sul – o Brasil
joao paulo
 
Distribuição da população portuguesa
Distribuição da população portuguesaDistribuição da população portuguesa
Distribuição da população portuguesa
Ilda Bicacro
 
São mateus
São mateusSão mateus
São mateus
Edvaldo S. Júnior
 
Europa meridional2 (mediterrânea)
  Europa meridional2 (mediterrânea)  Europa meridional2 (mediterrânea)
Europa meridional2 (mediterrânea)
Leoo Bianchi
 
AULA_14_NOV_frAGILIDADES AGRARIAS.pdf
AULA_14_NOV_frAGILIDADES AGRARIAS.pdfAULA_14_NOV_frAGILIDADES AGRARIAS.pdf
AULA_14_NOV_frAGILIDADES AGRARIAS.pdf
alessandraleal20
 

Semelhante a As regiões agrárias: Entre Douro e Minho (20)

C - Que características apresentam as áreas rurais em Portugal.pdf
C - Que características apresentam as áreas rurais em Portugal.pdfC - Que características apresentam as áreas rurais em Portugal.pdf
C - Que características apresentam as áreas rurais em Portugal.pdf
 
A Agricultura
A AgriculturaA Agricultura
A Agricultura
 
A agricultura
A agriculturaA agricultura
A agricultura
 
Horticultura floricultura & fruticultura
Horticultura floricultura & fruticulturaHorticultura floricultura & fruticultura
Horticultura floricultura & fruticultura
 
Aula 2
Aula 2Aula 2
Aula 2
 
D - Como tem evoluído a atividade agrícola em Portugal.pdf
D - Como tem evoluído a atividade agrícola em Portugal.pdfD - Como tem evoluído a atividade agrícola em Portugal.pdf
D - Como tem evoluído a atividade agrícola em Portugal.pdf
 
A - O que são áreas rurais.pdf
A - O que são áreas rurais.pdfA - O que são áreas rurais.pdf
A - O que são áreas rurais.pdf
 
As áreas rurais em mudança 2
As áreas rurais em mudança 2As áreas rurais em mudança 2
As áreas rurais em mudança 2
 
Seminário
SeminárioSeminário
Seminário
 
Regiões Geoeconômicas
Regiões GeoeconômicasRegiões Geoeconômicas
Regiões Geoeconômicas
 
Urbanização
UrbanizaçãoUrbanização
Urbanização
 
1228694024 diapositivos
1228694024 diapositivos1228694024 diapositivos
1228694024 diapositivos
 
As fragilidades dos sistemas agrários
As fragilidades dos sistemas agráriosAs fragilidades dos sistemas agrários
As fragilidades dos sistemas agrários
 
Agricultura 11º ano (exceto PAC)
Agricultura 11º ano (exceto PAC)Agricultura 11º ano (exceto PAC)
Agricultura 11º ano (exceto PAC)
 
Bioma Mata atlântica
Bioma Mata atlânticaBioma Mata atlântica
Bioma Mata atlântica
 
Sul – o Brasil
Sul – o BrasilSul – o Brasil
Sul – o Brasil
 
Distribuição da população portuguesa
Distribuição da população portuguesaDistribuição da população portuguesa
Distribuição da população portuguesa
 
São mateus
São mateusSão mateus
São mateus
 
Europa meridional2 (mediterrânea)
  Europa meridional2 (mediterrânea)  Europa meridional2 (mediterrânea)
Europa meridional2 (mediterrânea)
 
AULA_14_NOV_frAGILIDADES AGRARIAS.pdf
AULA_14_NOV_frAGILIDADES AGRARIAS.pdfAULA_14_NOV_frAGILIDADES AGRARIAS.pdf
AULA_14_NOV_frAGILIDADES AGRARIAS.pdf
 

Mais de Sara Guerra

Movimentos sociais
Movimentos sociais Movimentos sociais
Movimentos sociais
Sara Guerra
 
Canal do Suez
Canal do SuezCanal do Suez
Canal do Suez
Sara Guerra
 
Consumo e estilos de vida - Sociologia
Consumo e estilos de vida - Sociologia Consumo e estilos de vida - Sociologia
Consumo e estilos de vida - Sociologia
Sara Guerra
 
Biomassa
BiomassaBiomassa
Biomassa
Sara Guerra
 
D. Dinis - A Mensagem (Fernando Pessoa)
D. Dinis - A Mensagem (Fernando Pessoa)D. Dinis - A Mensagem (Fernando Pessoa)
D. Dinis - A Mensagem (Fernando Pessoa)
Sara Guerra
 
Os Maias | Capítulo 12
Os Maias | Capítulo 12Os Maias | Capítulo 12
Os Maias | Capítulo 12
Sara Guerra
 
Intinerário em espaço rural | São Miguel - Açores e Madeira
Intinerário em espaço rural | São Miguel - Açores e MadeiraIntinerário em espaço rural | São Miguel - Açores e Madeira
Intinerário em espaço rural | São Miguel - Açores e Madeira
Sara Guerra
 
Cesário Verde | Em Petiz - III Parte: Histórias
Cesário Verde | Em Petiz - III Parte: HistóriasCesário Verde | Em Petiz - III Parte: Histórias
Cesário Verde | Em Petiz - III Parte: Histórias
Sara Guerra
 
Tributos, encargos e rendas medievais
Tributos, encargos e rendas medievaisTributos, encargos e rendas medievais
Tributos, encargos e rendas medievais
Sara Guerra
 
Declaração e requerimento - tipos de texto
Declaração e requerimento - tipos de texto Declaração e requerimento - tipos de texto
Declaração e requerimento - tipos de texto
Sara Guerra
 
Vinicius de Moraes - Vida e Obra
Vinicius de Moraes - Vida e ObraVinicius de Moraes - Vida e Obra
Vinicius de Moraes - Vida e Obra
Sara Guerra
 

Mais de Sara Guerra (11)

Movimentos sociais
Movimentos sociais Movimentos sociais
Movimentos sociais
 
Canal do Suez
Canal do SuezCanal do Suez
Canal do Suez
 
Consumo e estilos de vida - Sociologia
Consumo e estilos de vida - Sociologia Consumo e estilos de vida - Sociologia
Consumo e estilos de vida - Sociologia
 
Biomassa
BiomassaBiomassa
Biomassa
 
D. Dinis - A Mensagem (Fernando Pessoa)
D. Dinis - A Mensagem (Fernando Pessoa)D. Dinis - A Mensagem (Fernando Pessoa)
D. Dinis - A Mensagem (Fernando Pessoa)
 
Os Maias | Capítulo 12
Os Maias | Capítulo 12Os Maias | Capítulo 12
Os Maias | Capítulo 12
 
Intinerário em espaço rural | São Miguel - Açores e Madeira
Intinerário em espaço rural | São Miguel - Açores e MadeiraIntinerário em espaço rural | São Miguel - Açores e Madeira
Intinerário em espaço rural | São Miguel - Açores e Madeira
 
Cesário Verde | Em Petiz - III Parte: Histórias
Cesário Verde | Em Petiz - III Parte: HistóriasCesário Verde | Em Petiz - III Parte: Histórias
Cesário Verde | Em Petiz - III Parte: Histórias
 
Tributos, encargos e rendas medievais
Tributos, encargos e rendas medievaisTributos, encargos e rendas medievais
Tributos, encargos e rendas medievais
 
Declaração e requerimento - tipos de texto
Declaração e requerimento - tipos de texto Declaração e requerimento - tipos de texto
Declaração e requerimento - tipos de texto
 
Vinicius de Moraes - Vida e Obra
Vinicius de Moraes - Vida e ObraVinicius de Moraes - Vida e Obra
Vinicius de Moraes - Vida e Obra
 

Último

Slides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptx
Slides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptxSlides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptx
Slides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
O sentimento nacional brasiliero, segundo o historiador Jose Murlo de Carvalho
O sentimento nacional brasiliero, segundo o historiador Jose Murlo de CarvalhoO sentimento nacional brasiliero, segundo o historiador Jose Murlo de Carvalho
O sentimento nacional brasiliero, segundo o historiador Jose Murlo de Carvalho
analuisasesso
 
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - AlfabetinhoAtividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
MateusTavares54
 
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
LucianaCristina58
 
CADERNO DE CONCEITOS E ORIENTAÇÕES DO CENSO ESCOLAR 2024.pdf
CADERNO DE CONCEITOS E ORIENTAÇÕES DO CENSO ESCOLAR 2024.pdfCADERNO DE CONCEITOS E ORIENTAÇÕES DO CENSO ESCOLAR 2024.pdf
CADERNO DE CONCEITOS E ORIENTAÇÕES DO CENSO ESCOLAR 2024.pdf
NatySousa3
 
UFCD_8298_Cozinha criativa_índice do manual
UFCD_8298_Cozinha criativa_índice do manualUFCD_8298_Cozinha criativa_índice do manual
UFCD_8298_Cozinha criativa_índice do manual
Manuais Formação
 
iNTRODUÇÃO À Plantas terrestres e Plantas aquáticas. (1).pdf
iNTRODUÇÃO À Plantas terrestres e Plantas aquáticas. (1).pdfiNTRODUÇÃO À Plantas terrestres e Plantas aquáticas. (1).pdf
iNTRODUÇÃO À Plantas terrestres e Plantas aquáticas. (1).pdf
andressacastro36
 
proposta curricular ou plano de cursode lingua portuguesa eja anos finais ( ...
proposta curricular  ou plano de cursode lingua portuguesa eja anos finais ( ...proposta curricular  ou plano de cursode lingua portuguesa eja anos finais ( ...
proposta curricular ou plano de cursode lingua portuguesa eja anos finais ( ...
Escola Municipal Jesus Cristo
 
BULLYING NÃO É AMOR.pdf LIVRO PARA TRABALHAR COM ALUNOS ATRAVÉS DE PROJETOS...
BULLYING NÃO É AMOR.pdf LIVRO PARA TRABALHAR COM ALUNOS ATRAVÉS DE PROJETOS...BULLYING NÃO É AMOR.pdf LIVRO PARA TRABALHAR COM ALUNOS ATRAVÉS DE PROJETOS...
BULLYING NÃO É AMOR.pdf LIVRO PARA TRABALHAR COM ALUNOS ATRAVÉS DE PROJETOS...
Escola Municipal Jesus Cristo
 
Sócrates e os sofistas - apresentação de slides
Sócrates e os sofistas - apresentação de slidesSócrates e os sofistas - apresentação de slides
Sócrates e os sofistas - apresentação de slides
jbellas2
 
Química orgânica e as funções organicas.pptx
Química orgânica e as funções organicas.pptxQuímica orgânica e as funções organicas.pptx
Química orgânica e as funções organicas.pptx
KeilianeOliveira3
 
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do AssaréFamílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
profesfrancleite
 
Slides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptx
Slides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptxSlides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptx
Slides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdfUFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
Manuais Formação
 
livro da EJA - 2a ETAPA - 4o e 5o ano. para análise do professorpdf
livro da EJA - 2a ETAPA - 4o e 5o ano. para análise do professorpdflivro da EJA - 2a ETAPA - 4o e 5o ano. para análise do professorpdf
livro da EJA - 2a ETAPA - 4o e 5o ano. para análise do professorpdf
Escola Municipal Jesus Cristo
 
Apresentação_Primeira_Guerra_Mundial 9 ANO-1.pptx
Apresentação_Primeira_Guerra_Mundial 9 ANO-1.pptxApresentação_Primeira_Guerra_Mundial 9 ANO-1.pptx
Apresentação_Primeira_Guerra_Mundial 9 ANO-1.pptx
JulianeMelo17
 
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
ValdineyRodriguesBez1
 
the_story_garden_5_SB_with_activities.pdf
the_story_garden_5_SB_with_activities.pdfthe_story_garden_5_SB_with_activities.pdf
the_story_garden_5_SB_with_activities.pdf
CarinaSoto12
 
Aula 3- 6º HIS - As origens da humanidade, seus deslocamentos e os processos ...
Aula 3- 6º HIS - As origens da humanidade, seus deslocamentos e os processos ...Aula 3- 6º HIS - As origens da humanidade, seus deslocamentos e os processos ...
Aula 3- 6º HIS - As origens da humanidade, seus deslocamentos e os processos ...
Luana Neres
 
Memorial do convento slides- português 2023
Memorial do convento slides- português 2023Memorial do convento slides- português 2023
Memorial do convento slides- português 2023
MatildeBrites
 

Último (20)

Slides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptx
Slides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptxSlides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptx
Slides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptx
 
O sentimento nacional brasiliero, segundo o historiador Jose Murlo de Carvalho
O sentimento nacional brasiliero, segundo o historiador Jose Murlo de CarvalhoO sentimento nacional brasiliero, segundo o historiador Jose Murlo de Carvalho
O sentimento nacional brasiliero, segundo o historiador Jose Murlo de Carvalho
 
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - AlfabetinhoAtividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
 
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
 
CADERNO DE CONCEITOS E ORIENTAÇÕES DO CENSO ESCOLAR 2024.pdf
CADERNO DE CONCEITOS E ORIENTAÇÕES DO CENSO ESCOLAR 2024.pdfCADERNO DE CONCEITOS E ORIENTAÇÕES DO CENSO ESCOLAR 2024.pdf
CADERNO DE CONCEITOS E ORIENTAÇÕES DO CENSO ESCOLAR 2024.pdf
 
UFCD_8298_Cozinha criativa_índice do manual
UFCD_8298_Cozinha criativa_índice do manualUFCD_8298_Cozinha criativa_índice do manual
UFCD_8298_Cozinha criativa_índice do manual
 
iNTRODUÇÃO À Plantas terrestres e Plantas aquáticas. (1).pdf
iNTRODUÇÃO À Plantas terrestres e Plantas aquáticas. (1).pdfiNTRODUÇÃO À Plantas terrestres e Plantas aquáticas. (1).pdf
iNTRODUÇÃO À Plantas terrestres e Plantas aquáticas. (1).pdf
 
proposta curricular ou plano de cursode lingua portuguesa eja anos finais ( ...
proposta curricular  ou plano de cursode lingua portuguesa eja anos finais ( ...proposta curricular  ou plano de cursode lingua portuguesa eja anos finais ( ...
proposta curricular ou plano de cursode lingua portuguesa eja anos finais ( ...
 
BULLYING NÃO É AMOR.pdf LIVRO PARA TRABALHAR COM ALUNOS ATRAVÉS DE PROJETOS...
BULLYING NÃO É AMOR.pdf LIVRO PARA TRABALHAR COM ALUNOS ATRAVÉS DE PROJETOS...BULLYING NÃO É AMOR.pdf LIVRO PARA TRABALHAR COM ALUNOS ATRAVÉS DE PROJETOS...
BULLYING NÃO É AMOR.pdf LIVRO PARA TRABALHAR COM ALUNOS ATRAVÉS DE PROJETOS...
 
Sócrates e os sofistas - apresentação de slides
Sócrates e os sofistas - apresentação de slidesSócrates e os sofistas - apresentação de slides
Sócrates e os sofistas - apresentação de slides
 
Química orgânica e as funções organicas.pptx
Química orgânica e as funções organicas.pptxQuímica orgânica e as funções organicas.pptx
Química orgânica e as funções organicas.pptx
 
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do AssaréFamílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
 
Slides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptx
Slides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptxSlides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptx
Slides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptx
 
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdfUFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
 
livro da EJA - 2a ETAPA - 4o e 5o ano. para análise do professorpdf
livro da EJA - 2a ETAPA - 4o e 5o ano. para análise do professorpdflivro da EJA - 2a ETAPA - 4o e 5o ano. para análise do professorpdf
livro da EJA - 2a ETAPA - 4o e 5o ano. para análise do professorpdf
 
Apresentação_Primeira_Guerra_Mundial 9 ANO-1.pptx
Apresentação_Primeira_Guerra_Mundial 9 ANO-1.pptxApresentação_Primeira_Guerra_Mundial 9 ANO-1.pptx
Apresentação_Primeira_Guerra_Mundial 9 ANO-1.pptx
 
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
 
the_story_garden_5_SB_with_activities.pdf
the_story_garden_5_SB_with_activities.pdfthe_story_garden_5_SB_with_activities.pdf
the_story_garden_5_SB_with_activities.pdf
 
Aula 3- 6º HIS - As origens da humanidade, seus deslocamentos e os processos ...
Aula 3- 6º HIS - As origens da humanidade, seus deslocamentos e os processos ...Aula 3- 6º HIS - As origens da humanidade, seus deslocamentos e os processos ...
Aula 3- 6º HIS - As origens da humanidade, seus deslocamentos e os processos ...
 
Memorial do convento slides- português 2023
Memorial do convento slides- português 2023Memorial do convento slides- português 2023
Memorial do convento slides- português 2023
 

As regiões agrárias: Entre Douro e Minho

  • 1. AS REGIÕES AGRÁRIAS Entre Douro e Minho (Norte Litoral)
  • 2. O Sistema Agrário  Pequena dimensão (minifúndio) com uma dimensão média de 4.3ha;  Forma irregular de parcelas;  Campos fechados;  Policultura intensiva;  Regadio; Morfologia Agrária: Sistema de culturas:
  • 3. O Sistema Agrário  Disperso  Milho  Feijão Branco  Produtos hortícolas (couve, cenoura, nabo)  Vinho verde  Centeio  Kiwi Povoamento: Principais culturas: Criação de gado: • Bovino em regime extensivo
  • 4. O Sistema Agrário • Pinheiro bravo; • Eucalipto; • Carvalho; Sivilcultura:
  • 5. Cultura de regadio Braga, tem dois meses secos, zona com maior valor de precipitação Maior zona com cultura de regadio em Portugal continental madeira
  • 6. Diferentes culturas Predominam :  Culturas temporárias, nomeadamente no litoral , zona do Porto e Braga, sendo que se estende a uma pequena parte de Aveiro .  Prados e as pastagens permanentes, nas zonas circundantes, predominam no distrito de Viana do Castelo e nas zonas perto da barreira de condensação.
  • 7. Principais produções vegetais e animais  Predomina a horticultura e a viticultura .  Zona de Portugal continental com maior mancha de gado bovino (leiteiro) .
  • 8. Problemas da região agrária • Os campos de exploração são de pequenas dimensões; • A população agrícola encontra-se envelhecida (média nacional é de 63 anos) apesar de ser a região com o menor índice de envelhecimento. A densidade da população é fraca, porém tem uma das populações agrícolas mais numerosas, 19%; • Não são utilizadas as novas tecnologias, o que faz com que continuem a utilizar instrumentos rudimentares; • Fraca fertilização dos solos portugueses; • Fraca sustentabilidade social e económica das áreas rurais; • Elevado risco de desertificação; • Insuficiência da formação profissional dos agricultores;
  • 9. A instrução da população A maior parte da população agrícola em Portugal tem o 1º ciclo , sendo que em Entre Douro e Minho temos logo a seguir pessoas com o 2º e 3º ciclos, sendo que a população sem escolaridade está em minoria. 40 35 30 25
  • 10. Índice de aridez e áreas montanhosas  É uma zona muito húmida devido aos fatores já referidos.  A zona montanhosa é pouco propícia para a atividade agrícola, sendo por isso a zona onde predominam as pastagens.
  • 11. Fatores naturais e humanos  Entre Douro e Minho é a região de Portugal onde temos os maiores valores ao nível da precipitação, isto deve-se sobretudo á barreira de condensação.  A cidade metropolitana do Porto localiza-se nesta região agrária.  É uma zona com solos húmidos e férteis.  Localiza-se no litoral .
  • 13. Trabalho realizado por: Cátia Leite nº2 Mª Inês Gonçalves nº16 Sara Guerra nº21 Vanessa Pinto nº25 11ºL1