SlideShare uma empresa Scribd logo
Origem 
A Think Tank Documento Cultural apresenta mais uma iniciativa que consolida seu expertise em gestão de patrimônio cultural. A gestão do patrimônio cultural é um caminho para o desenvolvimento social e econômico sustentável das comunidades, porque respeita sues valores culturais. A Think Tank Documento Cultural entende que o debate social sobre sua gestão é também um debate sobre seu desenvolvimento e futuro. Visando promover ações de apropriação e de participação na gestão do Patrimônio Cultural que foi criada a Organização Não Governamental Instituto Olho D´Agua. 
A origem do nome do Instituto Olho D’ Água (IODA) trás uma carga simbólica, cheia de significados de grande relevância para as comunidades tradicionais do município de Coronel José Dias e seu entorno. Como a principal característica da região é o clima semiárido, com longos períodos de estiagem, os olhos de água surgem na época das chuvas nas fendas das rochas e estão diretamente associados à própria existência dessa comunidade. A água limpa e cristalina era utilizada para abastecer as famílias que viviam no período da seca. Viver no Olho d’ Água está relacionado as práticas como as técnicas de manejo da terra e os conhecimentos tradicionais que constituem a cultura local.
Pertinência da Criação da ONG Instituto Olho D´Água 
A comunidade contemplada pela criação do Instituto Olho D’ Água está situada em Coronel José Dias no Piauí, com abrangência aos municípios de São Raimundo Nonato, João Costa e Brejo do Piauí, ambos localizados no entorno do Parque Nacional Serra da Capivara. 
A proposta do Instituto é aproximar e criar um contexto de inclusão social, através da autonomia da comunidade de Coronel José Dias e municípios envoltórios, na apropriação desse patrimônio. Segundo conhecimento local foi vivendo da venda do látex que a comunidade adentrou mais fundo a caatinga a procura da maniçobeira. É dessa época que se originam uma série de histórias sobre a região, contando o processo de apropriação e interpretação de lugar. 
Diante dessa realidade, e da necessidade de se construir um novo cenário, surge através de uma iniciativa conjunta com a comunidade o Instituto Olho d’ Água. Uma associação sem fins lucrativos, que busca criar uma nova trajetória de valorização da cultural tradicional, plasmados nos modos de vida dessa população, aliada a preservação do patrimônio cultural e ambiental herdado dos povos pré-históricos em exposição a céu aberto no Parque Nacional Serra da Capivara e seu entorno. Para tanto, a iniciativa visa conciliar a preservação do Meio Ambiente Cultural com atividades empreendedoras que promovam a inclusão da comunidade, partindo de iniciativas de dentro da comunidade. 
Um projeto que promove a defesa do Meio Ambiente Cultural integram-se as demandas sociais, patrimoniais e ambientais em uma só iniciativa, concentrando iniciativas, até então dispersas, em um objetivo comum. Isto ocorre ao tratarem-se os potencias da região, como o ecoturismo, patrimônio arqueológico e histórico cultural e inclusão social, de maneira integrada dentro do mesmo projeto, valorizando o contexto e ampliando as possibilidades de iniciativas na região.
Missão 
Na intenção de ampliar o debate e a autonomia na comunidade se propõem, portanto uma ação que seja também uma pesquisa. Como a criação do Instituto pode ser entendida como uma pesquisa? Ora, se entendermos o Instituto como uma pesquisa em si, teremos a oportunidade de nos aproximarmos de diversas maneiras do nosso objeto de pesquisa, o Patrimônio Cultural, e de moldar a pesquisa às demandas sociais. O intuito científico da criação do Instituto é afirmar o Patrimônio Cultural como vetor de desenvolvimento, mostrando que investir na cultura é de extrema importância para os sujeitos, a comunidade, para a região e para o país. Se a comunidade entende que sua cultura pode ser seu motor de desenvolvimento o Instituto poderá apoiar abordagens adequadas que tenham potencial transformador. 
O Instituto também quer experimentar uma metodologia em que cientistas e comunidades colaborem para um projeto comum de desenvolvimento. Essa experiência é fundamental para a autonomia das comunidades e para absorção da pluralidade de perspectivas. A criação dessa instituição deve ser entendida como uma pesquisa retro alimentada onde ações e resultados se desdobram em mais ações de acordo com a resiliência da comunidade. O andamento das atividades do Instituto Olho D’Água dá resultados, ao mesmo tempo em que permite superação como método, sempre tendo como norte as necessidades locais.
Objetivos Gerais 
O Estatuto do Instituto Olho D’ Água detalha os objetivos no Artigo 3º : 
Art. 3º - No cumprimento de sua finalidade propõem-se a realizar os seguintes objetivos: 
a) promover, realizar e divulgar pesquisas e estudos, organizar documentação e desenvolver projetos aplicados a defesa do meio ambiente cultural, dos acervos culturais – material e imaterial, e dos direitos humanos e dos povos, especialmente comunidades tradicionais; 
b) promover a defesa de bens e direitos sociais, coletivos e difusos relativos ao meio ambiente cultural; 
c) Fomentar o fortalecimento da cultura das comunidades tradicionais em todas as suas manifestações regionais, especialmente seus conhecimentos tradicionais, modos de uso dos recursos naturais e redes de relações sociopolíticas. 
d) Estimular e desenvolver espaços educacionais e de memória para o fortalecimento das identidades culturais dos povos. 
e) realizar convênios e parcerias com entidades públicas, privadas, nacionais e internacionais no sentido de obter financiamentos destinados as finalidades específicas de preservação do meio ambiente cultural. 
f) estimular e realizar estudos de caráter preventivo e participativo para combater a degradação do meio ambiental cultural, em todas as suas manifestações, inclusive estudos de impacto ambiental decorrentes das atividades antrópicas. 
h) discutir diretrizes, estratégias, planejar e realizar ações comunitárias e de interesse coletivo, voltadas para o desenvolvimento e consolidação do turismo sustentável no município de Coronel José Dias e seu entorno, com as parcerias governamentais, não governamentais e do setor privado.
g) estimular o desenvolvimento socioeconômico através da garantia do acesso e gestão democráticos e ecologicamente sustentável dos recursos naturais e culturais, para as presentes e futuras gerações; 
h) Realizar pesquisas interdisciplinares em todo território nacional. 
i) promover o intercâmbio com outras organizações governamentais e não governamentais e entidades nacionais e internacionais para a defesa do meio ambiente cultural das comunidades tradicionais. 
j) defender e representar os direitos e interesses das comunidades tradicionais das regiões afiliadas ao Instituto Olho d’ Água em todas as instâncias dentro e fora da do município de Coronel José Dias. 
k) divulgar por quaisquer meios as informações e conhecimentos produzidos por si ou por terceiros e correlatos as suas atividades; 
m) estimular o aperfeiçoamento e o cumprimento de legislação que instrumentalize a consecução dos presentes objetivos;
Contexto 
O município de Coronel José Dias encontra-se no sudeste do estado do Piauí, em pleno semiárido nordestino, tendo a Caatinga como seu principal bioma. Com uma área territorial de 1.915 km2, e localizada a 548 km da capital do estado, Teresina, o município conta com uma população de 4.541 habitantes (Censo 2010). 
Em relação ao seu perfil econômico e social atual, o município é basicamente rural, com apenas 1/3 de sua população vivendo em áreas urbanas (último Censo), e sua atividade econômica se constitui de serviços, agropecuária e indústrias (IBGE, 2011). 
Apesar de ter uma emancipação política de apenas 21 anos, sua ocupação é bem mais antiga, o que explica a relevância da cultura para o município, uma vez que o local possui a maior quantidade de sítios arqueológicos, apontando que o território foi habitado por diversos grupos humanos, desde o período do Pleistocênico Superior. Sua colonização se dá em meados do final do Século XVIII, com a expulsão dos indígenas após uma batalha sangrenta, e posteriormente no início do Século XX, com o ciclo de extração da maniçoba, no que ainda era a Fazenda Várzea Grande. Por volta de 1960, com o fim do ciclo da maniçoba, surge com grande força a extração do calcário para a produção de cal, o que trouxe consequências drásticas para o patrimônio arqueológico da região, uma vez que com a destruição dos blocos calcários, perdiam-se testemunhos da presença do homem pré-histórico na região. Com a emancipação política em 1992, há um grande crescimento econômico e social para a região, quando deixa de ser um Povoado de Várzea Grande para se tornar o município de Coronel José Dias, desmembrando-se da cidade de São Raimundo Nonato. 
Cabe destacar também o crescimento das atividades econômicas voltadas para o turismo, como o polo cerâmico artesanal da Serra da Capivara, projeto idealizado pela Fundação Museu do Homem Americano, onde são produzidos utensílios customizados com motivos rupestres, caracterizando-se em uma nova alternativa de subsistência local. Tais investimentos se devem ao fato de Coronel José Dias estar no entorno do Parque Nacional Serra da Capivara, com 32% do município inserido dentro da área limite do parque, assim como os principais sítios arqueológicos estudados, bem como o fato de ser o produtor de cerâmica da serra. Outro ponto a destacar são as obras da
praça de eventos do município, que contará com uma concha acústica, banheiros e restaurantes, feitas para a comemoração da Festa de São Pedro, concluído. 
Com a emancipação política e a criação do Parque Nacional, acarretando em políticas de preservação patrimonial, implementadas pela gestão do mesmo, Coronel José Dias obteve grande visibilidade, ainda que sejam necessários mais investimentos no setor. 
Figuras: Bairro São Pedro Igreja e Praça de eventos 
Figuras: Casarões antigos e centro do município
Parque Nacional Serra da Capivara 
O território do Parque Nacional Serra da Capivara abriga uma grande concentração de sítios arqueológicos com arte rupestre em abrigos sob rocha a céu aberto. Dada a importância desse complexo artístico rupestre a Organização das Nações Unidas para Educação, Ciência e a Cultura (UNESCO) inscreveu o Parque na lista de Sítios do Patrimônio Mundial, e por sua relevância cultural, o Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (IPHAN) reconheceu o Parque como Patrimônio Nacional, registrando no livro do tombo arqueológico, paisagístico e etnográfico. 
Contudo, o fator importante e necessário para entender o contexto em que surge o Instituto Olho D’Água é a criação do Parque Nacional Serra da Capivara, e a profunda relação que o mesmo possui com a comunidade de Coronel José Dias, e os processos de inclusão educacional e patrimonial. 
Embora a ideia de valor e apropriação fosse outra, a comunidade envolvente já conhecia o patrimônio cultural da área, antes mesmo da criação do Parque, uma vez que muitas famílias tradicionais viveram ali até o processo de desapropriação. 
Mesmo sem possuir um conhecimento e uma noção sobre o valor científico que tal patrimônio representa nos dias atuais, tanto a nível regional como mundial, já existia uma relação harmoniosa e afetiva entre a comunidade e a Serra da Capivara, através do respeito ao local, pois já sabiam da singularidade que ele possuía, mostrando a apropriação deste patrimônio, ainda que de forma inconsciente. 
No município de Coronel José Dias está situado os primeiros sítios arqueológicos estudados pela pesquisadora Drª Niède Guidon e sua equipe, e os principais circuitos turísticos abertos à visitação: Boqueirão da Pedra Furada, Desfiladeiro da Capivara e Serrotes Calcários da Bastiana.
Projetos e Ações em Andamento 
Arte na Serra: Educação sempre dá Certo: Consiste em uma experiência educativa desenvolvida com crianças e jovens por meio de ateliers de arte e cultura, com intuito de envolvê-los no universo da arqueologia, através da experimentação didática, mostrando como o homem pré-histórico utilizava os recursos da natureza para pintar nos paredões rochosos, para fabricar seus instrumentos e objetos de uso cotidiano. 
Status: Vigente desde 2011 e em andamento 
http://arqueologiadigital.com/profiles/blogs/projeto-arte-na-serra-educa-o-arte-e- arqueologia 
Figura: Ações educativas de apropriação cultural. Arte na Serra 
Arte Rupestre: Histórias e Lendas do Desfiladeiro da Capivara: O objetivo é a valorização da memória, tradição e identidade dos moradores locais que têm fortes relações com o território tradicional. Para o cumprimento deste objetivo está sendo desenvolvida inicialmente a produção de pesquisa e registro da memória do território por meio de entrevistas com os moradores, relacionando os seus modos de vida com o acervo de arte rupestre do Desfiladeiro da Serra da Capivara. O projeto tem como principal diretriz o desenvolvimento de uma Ciência Aplicada, que alia a realização de pesquisa científica com o envolvimento simétrico das comunidades locais, levando a um tratamento integrado dos resultados científicos com os saberes tradicionais e estabelecendo uma relação de complementariedade entre Ciência e Tradição. 
Status: Início 2013, em andamento. 
Produto Final: Publicação de um livro e documentário. 
Coordenação: Marília da Silva Gomes, Jorlan Oliveira e Marian Rodrigues.
Blog do Instituto Olho D’ Água: Sustentabilidade em Cultura 
Foi desenvolvido em tecnologia NING, que é uma plataforma online que permite criação de redes sociais individualizadas, desenvolvido para a comunidade, é interativo e dinâmico, tem o intuito de promover a interação da comunidade como o acompanhamento dos trabalhos e a colaboração, com a captação de sugestões e participação. Concentra as notícias do andamento dos trabalhos, entrevistas e fotografias da comunidade, entrevistas com os profissionais envolvidos. 
Status: Ativo 
Endereço: http://documentoculturalolhodagua.ning.com/ 
Documentário Estradas da Cultura: Consiste em um filme documentário realizado pelo projeto Expedição Nordeste, idealizado por Lenin Falcão do Centro Cultural do BNB de Souza-PB, financiado pelo BNB de Cultura, que apresenta a experiência de projetos culturais desenvolvidos em várias regiões do Nordeste que traz no seu seio o objetivo de transformar a realidade de pequenos municípios por meio de ações culturais. O Projeto Arte na Serra foi selecionado por cumprir o seu papel social de criação, fruição e democratização dos bens culturais da sua região. 
http://expedicaonordeste-central.blogspot.com.br/ 
Status: Concluído. Em exibição pelo Brasil 
Expedição Nordeste na revista 4x4 & Cia
Criando e recriando um ambiente sustentável: Projeto anual da Escola Raquel Ferreira de Oliveira em Coronel José Dias/2013, sala temática: Arte na Serra e a Sustentabilidade Cultural. No evento de culminância foram apresentadas para a comunidade as ações do Instituto Olho d’ Água. 
Coordenação: Marília Gomes 
Status: Concluído 2013. Coo
Pesquisa Científica: Projeto de doutoramento em Quaternário Materiais e Culturas; Tema: Acervos Patrimoniais e a Sustentabilidade Cultural: Diretrizes e Práticas no Brasil. Universidade de Trás- Os Montes e Alto Douro (UTAD). Doutoranda Marian Helen da Silva Gomes Rodrigues. Orientação L.D. Erika Marion Robrahn-Gonzalez e Drº Luiz Miguel Oosterbeek. 
Status: 2013/2015 – em andamento 
Divulgação Científica: Constitui uma plataforma de divulgação dos resultados da pesquisa voltada para a comunidade científica, contribuindo para ampliar o conhecimento da pré-história e da história nacional, e da região de estudo em particular. Tem como público alvo o meio acadêmico (bibliotecas, instituições de pesquisas, profissionais em arqueologia, história e patrimônio cultural, instituições públicas). 
1. Artigo Publicado: Arte na Serra: Educação Sempre dá Certo. Revista Tecnologia e Ambiente, Dossiê Arqueologia, Ambiente e Patrimônio, v. 17, 2011, Criciúma, Santa Catarina. ISSN 1413-8131. http://periodicos.unesc.net/index.php/tecnoambiente/article/view/1207/1163 
2. Apresentações em congressos e Jornadas. 
OLIVEIRA, J. Instituto Olho d’ Agua: Sustentabilidade em Cultura; Pôster. Congresso da Sociedade Brasileira de Arqueologia – SAB. Arqueologia sem Fronteiras, Repensando Espaço, Tempo e Agentes. 2013.
OLIVEIRA. J. RODRIGUES, M.H.S.G; MERCURI, J, SOUZA, P.D. Arte na Serra: Educación siempre funciona. 1º Congresso Latinoamericano de Gestion Cultural. Santiago do Chile. 2014. RODRIGUES, M. H. da S.G. Instituto Olho d’ Água: Sustentabilidade em Cultural. Jornada de Arqueologia Ibero-Americana e a I Jornada de Arqueologia Transatlântica. Criciúma - SC. 2013. 
RODRIGUES, M.H.S.G. Parque Nacional Serra da Capivara e Comunidade: Educação, preservação e Fruição Social. Congresso da Sociedade Brasileira de Arqueologia – SAB. Arqueologia sem Fronteiras, Repensando Espaço, Tempo e Agentes. 2013. 
RODRIGUES, M. H. S. da G.; BRUGNERA, C. Herramientas didácticas para la accesibilidad e inclusión arqueológica. II Encontro Iberoamaericano Em Políticas, Gestion e Insdustrias Culturales. Promocionando Derechos a Traves de la Cultura. General Roca, Rio Negro. Patagônia. Argentina. Fundación Patagónica de Ciencias Naturales Museo Patagónico de Ciencias Naturales EcoCultural. 2013. 
RODRIGUES, M.H. da S.G. Acervos patrimoniais e a sustentabilidade cultural: Diretrizes e Práticas no Brasil. JORNADAS DE ARQUEOLOGIA IBEROAMERICANA * II JORNADAS DE ARQUEOLOGIA TRANSATLÂNTICA . Portugal- 2014. 
RODRIGUES, M. H. da S. G. Acervos Patrimoniais: Pesquisa e Extroversão Social dos Conhecimentos nos Programas de Gestão do Patrimônio Arqueológico e Histórico Cultural no Brasil. Arqueologia Ibero-Americana e Transatlântica. Arqueologia, Sociedade e Território. Org. Juliano Bitencourt Campos.[ et. Al.]. Erechim, RS. Habilis, 353-368. 2014. 
Grupo de Pesquisa: Centro de Investigação Geociência-FCT73- PT; Instituto Terra e Memória – PT.
Equipe Estratégica 
Presidente: Jorlan Oliveira 
E-mail: jorlanso@yahoo.com.br 
jorlan@documentocultural.net 
Skype:jorlanso 
Fone: 11- 97812162/ 89 81084143 
Diretora Executiva: Marian Rodrigues 
E-mail: marrian@yahoo.com.br 
marian@documentocultural.net 
artnaserra@gmail.com 
Skype:marian.helen 
Fone: 11- 974115822/ 89 81084143 
Assessoria Jurídica: Jean Sidney Oliveira 
Secretária Executiva: Marília Gomes 
E-mail: mariliacel@hotmail.com
Think Tank Documento Cultural 
Conselho Consultivo: Sócrates França Silva 
Políticas Públicas: Juliana Mercury 
Relações Internacionais: Pedro Diniz 
Grupo Documento.
Apoio: 
Parceiros

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

culminância da eletiva - Do lixo ao luxo.pptx
culminância da eletiva - Do lixo ao luxo.pptxculminância da eletiva - Do lixo ao luxo.pptx
culminância da eletiva - Do lixo ao luxo.pptx
poliananunes27
 
Efeito estufa
Efeito estufaEfeito estufa
Efeito estufa
Luiz Henrique Ferreira
 
Combustíveis Fósseis [8º ano]
Combustíveis Fósseis [8º ano] Combustíveis Fósseis [8º ano]
Combustíveis Fósseis [8º ano]
Vivian Reis
 
Dia das mulheres
Dia das mulheresDia das mulheres
Dia das mulheres
vanessacristina
 
A TéCnica E A Tecnologia
A TéCnica E A TecnologiaA TéCnica E A Tecnologia
A TéCnica E A Tecnologia
guest7c93f08f
 
Introdução à Astronomia
Introdução à AstronomiaIntrodução à Astronomia
Introdução à Astronomia
Colégio Espaço Aberto
 
recursos hídricos, geografia
recursos hídricos, geografiarecursos hídricos, geografia
recursos hídricos, geografia
Nilton Goulart
 
_CULTURA DIGITAL.pdf
_CULTURA DIGITAL.pdf_CULTURA DIGITAL.pdf
_CULTURA DIGITAL.pdf
Kele Santos
 
A diversidade e a cultura afrobrasileira
A diversidade e a cultura afrobrasileiraA diversidade e a cultura afrobrasileira
A diversidade e a cultura afrobrasileira
prof_roseli_barbosa
 
Efeito estufa e aquecimento global
Efeito estufa e aquecimento globalEfeito estufa e aquecimento global
Efeito estufa e aquecimento global
profleofonseca
 
Plano de ensino ciências 6º ano
Plano de ensino ciências 6º anoPlano de ensino ciências 6º ano
Plano de ensino ciências 6º ano
Atividades Diversas Cláudia
 
Arte Pública
Arte PúblicaArte Pública
Arte Pública
Karoline Oliveira
 
Aula 9º Ano (Ensino Fundamental) Fontes de energia 9 ano
Aula 9º Ano (Ensino Fundamental) Fontes de energia 9 anoAula 9º Ano (Ensino Fundamental) Fontes de energia 9 ano
Aula 9º Ano (Ensino Fundamental) Fontes de energia 9 ano
Ronaldo Santana
 
Plano de aula com video
Plano de aula com videoPlano de aula com video
Plano de aula com video
Maria Conceição Melo
 
Aula SUSTENTABILIDADE
Aula SUSTENTABILIDADEAula SUSTENTABILIDADE
Aula SUSTENTABILIDADE
DAIANE AZOLINI
 
Pos medio 2 (1)
Pos medio 2 (1)Pos medio 2 (1)
Pos medio 2 (1)
LILIANE OLIVEIRA
 
Diário de campo
Diário de campoDiário de campo
Diário de campo
pibidsociais
 
Chuva Ácida
Chuva ÁcidaChuva Ácida
Chuva Ácida
Ricardo Pini Caramit
 
Arte e cultura
Arte e cultura Arte e cultura
Arte e cultura
Tavares tavares
 
Brincadeiras de roda
Brincadeiras de rodaBrincadeiras de roda
Brincadeiras de roda
deysemanfrin
 

Mais procurados (20)

culminância da eletiva - Do lixo ao luxo.pptx
culminância da eletiva - Do lixo ao luxo.pptxculminância da eletiva - Do lixo ao luxo.pptx
culminância da eletiva - Do lixo ao luxo.pptx
 
Efeito estufa
Efeito estufaEfeito estufa
Efeito estufa
 
Combustíveis Fósseis [8º ano]
Combustíveis Fósseis [8º ano] Combustíveis Fósseis [8º ano]
Combustíveis Fósseis [8º ano]
 
Dia das mulheres
Dia das mulheresDia das mulheres
Dia das mulheres
 
A TéCnica E A Tecnologia
A TéCnica E A TecnologiaA TéCnica E A Tecnologia
A TéCnica E A Tecnologia
 
Introdução à Astronomia
Introdução à AstronomiaIntrodução à Astronomia
Introdução à Astronomia
 
recursos hídricos, geografia
recursos hídricos, geografiarecursos hídricos, geografia
recursos hídricos, geografia
 
_CULTURA DIGITAL.pdf
_CULTURA DIGITAL.pdf_CULTURA DIGITAL.pdf
_CULTURA DIGITAL.pdf
 
A diversidade e a cultura afrobrasileira
A diversidade e a cultura afrobrasileiraA diversidade e a cultura afrobrasileira
A diversidade e a cultura afrobrasileira
 
Efeito estufa e aquecimento global
Efeito estufa e aquecimento globalEfeito estufa e aquecimento global
Efeito estufa e aquecimento global
 
Plano de ensino ciências 6º ano
Plano de ensino ciências 6º anoPlano de ensino ciências 6º ano
Plano de ensino ciências 6º ano
 
Arte Pública
Arte PúblicaArte Pública
Arte Pública
 
Aula 9º Ano (Ensino Fundamental) Fontes de energia 9 ano
Aula 9º Ano (Ensino Fundamental) Fontes de energia 9 anoAula 9º Ano (Ensino Fundamental) Fontes de energia 9 ano
Aula 9º Ano (Ensino Fundamental) Fontes de energia 9 ano
 
Plano de aula com video
Plano de aula com videoPlano de aula com video
Plano de aula com video
 
Aula SUSTENTABILIDADE
Aula SUSTENTABILIDADEAula SUSTENTABILIDADE
Aula SUSTENTABILIDADE
 
Pos medio 2 (1)
Pos medio 2 (1)Pos medio 2 (1)
Pos medio 2 (1)
 
Diário de campo
Diário de campoDiário de campo
Diário de campo
 
Chuva Ácida
Chuva ÁcidaChuva Ácida
Chuva Ácida
 
Arte e cultura
Arte e cultura Arte e cultura
Arte e cultura
 
Brincadeiras de roda
Brincadeiras de rodaBrincadeiras de roda
Brincadeiras de roda
 

Semelhante a Portfólio Instituto Olho D'Água

OS DESAFIOS DO DESENVOLVIMENTO E A PRESERVAÇÃO DO SABER LOCAL EM PORTO DA MAN...
OS DESAFIOS DO DESENVOLVIMENTO E A PRESERVAÇÃO DO SABER LOCAL EM PORTO DA MAN...OS DESAFIOS DO DESENVOLVIMENTO E A PRESERVAÇÃO DO SABER LOCAL EM PORTO DA MAN...
OS DESAFIOS DO DESENVOLVIMENTO E A PRESERVAÇÃO DO SABER LOCAL EM PORTO DA MAN...
1sested
 
Cartilha educação patrimonial jocenaide rosetto
Cartilha educação patrimonial   jocenaide rosettoCartilha educação patrimonial   jocenaide rosetto
Cartilha educação patrimonial jocenaide rosetto
Gleibiane Silva
 
Quadra sequence
Quadra sequenceQuadra sequence
Quadra sequence
cattonia
 
Projeto CCajuru Cultural
Projeto CCajuru CulturalProjeto CCajuru Cultural
Projeto CCajuru Cultural
fflorion
 
Conferênia Nacional de Cultura: Eixo 1
Conferênia Nacional de Cultura: Eixo 1Conferênia Nacional de Cultura: Eixo 1
Conferênia Nacional de Cultura: Eixo 1
leonardofsales
 
Plano Municipal de Educação Patrimonial de Olinda (PMEP) - Julho de 2013
Plano Municipal de Educação Patrimonial de Olinda (PMEP) - Julho de 2013Plano Municipal de Educação Patrimonial de Olinda (PMEP) - Julho de 2013
Plano Municipal de Educação Patrimonial de Olinda (PMEP) - Julho de 2013
Prefeitura de Olinda
 
Guia do Arquivo Público Municipal Olímpio Michael Gonzaga
Guia do Arquivo Público Municipal Olímpio Michael GonzagaGuia do Arquivo Público Municipal Olímpio Michael Gonzaga
Guia do Arquivo Público Municipal Olímpio Michael Gonzaga
Arquivo Público de Paracatu
 
Projecto Educação Patrimonial
Projecto Educação PatrimonialProjecto Educação Patrimonial
Projecto Educação Patrimonial
Dália Silva
 
Conferênia Nacional de Cultura: Eixo 2
Conferênia Nacional de Cultura: Eixo 2Conferênia Nacional de Cultura: Eixo 2
Conferênia Nacional de Cultura: Eixo 2
leonardofsales
 
Projeto de Educação Patrimonial - levantamento e criação acervo museológico
Projeto de Educação Patrimonial - levantamento e criação acervo museológicoProjeto de Educação Patrimonial - levantamento e criação acervo museológico
Projeto de Educação Patrimonial - levantamento e criação acervo museológico
Muriel Pinto
 
INTEGRAÇÃO ARTE, CULTURA E TURISMO - THAYANNE ELER
INTEGRAÇÃO ARTE, CULTURA E TURISMO - THAYANNE ELERINTEGRAÇÃO ARTE, CULTURA E TURISMO - THAYANNE ELER
INTEGRAÇÃO ARTE, CULTURA E TURISMO - THAYANNE ELER
Thayanne Eler
 
Apresentação rs
Apresentação rsApresentação rs
Apresentação rs
planoscultura
 
Políticas setoriais no brasil
Políticas setoriais no brasilPolíticas setoriais no brasil
Políticas setoriais no brasil
Elena Barros
 
Cultura Viva - Pontos de Cultura Socioambiental
Cultura Viva - Pontos de Cultura SocioambientalCultura Viva - Pontos de Cultura Socioambiental
Cultura Viva - Pontos de Cultura Socioambiental
Regiane Nigro
 
A IMPORTANCIA DA CULTURA NA SOCIEDADE PAULISTANA
A IMPORTANCIA DA CULTURA NA SOCIEDADE PAULISTANAA IMPORTANCIA DA CULTURA NA SOCIEDADE PAULISTANA
A IMPORTANCIA DA CULTURA NA SOCIEDADE PAULISTANA
RAPPER PIRATA
 
Bacia do Rio Pardo- Aula 2 - Versão Professor
Bacia do Rio Pardo-  Aula 2 - Versão ProfessorBacia do Rio Pardo-  Aula 2 - Versão Professor
Bacia do Rio Pardo- Aula 2 - Versão Professor
Erika Marion Robrahn-González
 
Minicurso educação e patrimônio cultural 2012
Minicurso educação e patrimônio cultural 2012Minicurso educação e patrimônio cultural 2012
Minicurso educação e patrimônio cultural 2012
Lilian Oliveira Rosa
 
Apresentação RJ
Apresentação RJApresentação RJ
Apresentação RJ
planoscultura
 
GLOBALIZAÇÃO E IDENTIDADE CULTURAL NO MUNICÍPIO DE.pdf
GLOBALIZAÇÃO E IDENTIDADE CULTURAL NO MUNICÍPIO DE.pdfGLOBALIZAÇÃO E IDENTIDADE CULTURAL NO MUNICÍPIO DE.pdf
GLOBALIZAÇÃO E IDENTIDADE CULTURAL NO MUNICÍPIO DE.pdf
BrunoAndrade238623
 
Cultura e manifestações artísticas
Cultura e manifestações artísticasCultura e manifestações artísticas
Cultura e manifestações artísticas
Bia Mattar
 

Semelhante a Portfólio Instituto Olho D'Água (20)

OS DESAFIOS DO DESENVOLVIMENTO E A PRESERVAÇÃO DO SABER LOCAL EM PORTO DA MAN...
OS DESAFIOS DO DESENVOLVIMENTO E A PRESERVAÇÃO DO SABER LOCAL EM PORTO DA MAN...OS DESAFIOS DO DESENVOLVIMENTO E A PRESERVAÇÃO DO SABER LOCAL EM PORTO DA MAN...
OS DESAFIOS DO DESENVOLVIMENTO E A PRESERVAÇÃO DO SABER LOCAL EM PORTO DA MAN...
 
Cartilha educação patrimonial jocenaide rosetto
Cartilha educação patrimonial   jocenaide rosettoCartilha educação patrimonial   jocenaide rosetto
Cartilha educação patrimonial jocenaide rosetto
 
Quadra sequence
Quadra sequenceQuadra sequence
Quadra sequence
 
Projeto CCajuru Cultural
Projeto CCajuru CulturalProjeto CCajuru Cultural
Projeto CCajuru Cultural
 
Conferênia Nacional de Cultura: Eixo 1
Conferênia Nacional de Cultura: Eixo 1Conferênia Nacional de Cultura: Eixo 1
Conferênia Nacional de Cultura: Eixo 1
 
Plano Municipal de Educação Patrimonial de Olinda (PMEP) - Julho de 2013
Plano Municipal de Educação Patrimonial de Olinda (PMEP) - Julho de 2013Plano Municipal de Educação Patrimonial de Olinda (PMEP) - Julho de 2013
Plano Municipal de Educação Patrimonial de Olinda (PMEP) - Julho de 2013
 
Guia do Arquivo Público Municipal Olímpio Michael Gonzaga
Guia do Arquivo Público Municipal Olímpio Michael GonzagaGuia do Arquivo Público Municipal Olímpio Michael Gonzaga
Guia do Arquivo Público Municipal Olímpio Michael Gonzaga
 
Projecto Educação Patrimonial
Projecto Educação PatrimonialProjecto Educação Patrimonial
Projecto Educação Patrimonial
 
Conferênia Nacional de Cultura: Eixo 2
Conferênia Nacional de Cultura: Eixo 2Conferênia Nacional de Cultura: Eixo 2
Conferênia Nacional de Cultura: Eixo 2
 
Projeto de Educação Patrimonial - levantamento e criação acervo museológico
Projeto de Educação Patrimonial - levantamento e criação acervo museológicoProjeto de Educação Patrimonial - levantamento e criação acervo museológico
Projeto de Educação Patrimonial - levantamento e criação acervo museológico
 
INTEGRAÇÃO ARTE, CULTURA E TURISMO - THAYANNE ELER
INTEGRAÇÃO ARTE, CULTURA E TURISMO - THAYANNE ELERINTEGRAÇÃO ARTE, CULTURA E TURISMO - THAYANNE ELER
INTEGRAÇÃO ARTE, CULTURA E TURISMO - THAYANNE ELER
 
Apresentação rs
Apresentação rsApresentação rs
Apresentação rs
 
Políticas setoriais no brasil
Políticas setoriais no brasilPolíticas setoriais no brasil
Políticas setoriais no brasil
 
Cultura Viva - Pontos de Cultura Socioambiental
Cultura Viva - Pontos de Cultura SocioambientalCultura Viva - Pontos de Cultura Socioambiental
Cultura Viva - Pontos de Cultura Socioambiental
 
A IMPORTANCIA DA CULTURA NA SOCIEDADE PAULISTANA
A IMPORTANCIA DA CULTURA NA SOCIEDADE PAULISTANAA IMPORTANCIA DA CULTURA NA SOCIEDADE PAULISTANA
A IMPORTANCIA DA CULTURA NA SOCIEDADE PAULISTANA
 
Bacia do Rio Pardo- Aula 2 - Versão Professor
Bacia do Rio Pardo-  Aula 2 - Versão ProfessorBacia do Rio Pardo-  Aula 2 - Versão Professor
Bacia do Rio Pardo- Aula 2 - Versão Professor
 
Minicurso educação e patrimônio cultural 2012
Minicurso educação e patrimônio cultural 2012Minicurso educação e patrimônio cultural 2012
Minicurso educação e patrimônio cultural 2012
 
Apresentação RJ
Apresentação RJApresentação RJ
Apresentação RJ
 
GLOBALIZAÇÃO E IDENTIDADE CULTURAL NO MUNICÍPIO DE.pdf
GLOBALIZAÇÃO E IDENTIDADE CULTURAL NO MUNICÍPIO DE.pdfGLOBALIZAÇÃO E IDENTIDADE CULTURAL NO MUNICÍPIO DE.pdf
GLOBALIZAÇÃO E IDENTIDADE CULTURAL NO MUNICÍPIO DE.pdf
 
Cultura e manifestações artísticas
Cultura e manifestações artísticasCultura e manifestações artísticas
Cultura e manifestações artísticas
 

Mais de Erika Marion Robrahn-González

Apresentação do Workshop Colaborativo com Professores - Eduardo Staudt
Apresentação do Workshop Colaborativo com Professores - Eduardo StaudtApresentação do Workshop Colaborativo com Professores - Eduardo Staudt
Apresentação do Workshop Colaborativo com Professores - Eduardo Staudt
Erika Marion Robrahn-González
 
Apresentação do Workshop Colaborativo com Professores - Felipe Sobral
Apresentação do Workshop Colaborativo com Professores - Felipe SobralApresentação do Workshop Colaborativo com Professores - Felipe Sobral
Apresentação do Workshop Colaborativo com Professores - Felipe Sobral
Erika Marion Robrahn-González
 
Apresentação do Workshop Colaborativo com Professores - Marrian Rodrigues
Apresentação do Workshop Colaborativo com Professores - Marrian RodriguesApresentação do Workshop Colaborativo com Professores - Marrian Rodrigues
Apresentação do Workshop Colaborativo com Professores - Marrian Rodrigues
Erika Marion Robrahn-González
 
Apresentação do Workshop Colaborativo com Professores - Erika González
Apresentação do Workshop Colaborativo com Professores - Erika GonzálezApresentação do Workshop Colaborativo com Professores - Erika González
Apresentação do Workshop Colaborativo com Professores - Erika González
Erika Marion Robrahn-González
 
Aula Didática Completa - Programa de Porto Maravilha
Aula Didática Completa - Programa de Porto MaravilhaAula Didática Completa - Programa de Porto Maravilha
Aula Didática Completa - Programa de Porto Maravilha
Erika Marion Robrahn-González
 
Métodos de pesquisa em patrimônio cultural - Projeto Aripuanã
Métodos de pesquisa em patrimônio cultural - Projeto AripuanãMétodos de pesquisa em patrimônio cultural - Projeto Aripuanã
Métodos de pesquisa em patrimônio cultural - Projeto Aripuanã
Erika Marion Robrahn-González
 
Patrimônio cultural - Projeto Aripuanã
Patrimônio cultural -  Projeto AripuanãPatrimônio cultural -  Projeto Aripuanã
Patrimônio cultural - Projeto Aripuanã
Erika Marion Robrahn-González
 
Métodos de estudo arqueológico - Projeto Aripuanã
Métodos de estudo arqueológico - Projeto AripuanãMétodos de estudo arqueológico - Projeto Aripuanã
Métodos de estudo arqueológico - Projeto Aripuanã
Erika Marion Robrahn-González
 
O que é arqueologia - Projeto Aripuanã
O que é arqueologia - Projeto AripuanãO que é arqueologia - Projeto Aripuanã
O que é arqueologia - Projeto Aripuanã
Erika Marion Robrahn-González
 
Cartilha Patrimonial PCH´s do Rio Juruena
Cartilha Patrimonial PCH´s do Rio JuruenaCartilha Patrimonial PCH´s do Rio Juruena
Cartilha Patrimonial PCH´s do Rio Juruena
Erika Marion Robrahn-González
 
Cartilha Patrimonial Aqwa Corporate
Cartilha Patrimonial Aqwa CorporateCartilha Patrimonial Aqwa Corporate
Cartilha Patrimonial Aqwa Corporate
Erika Marion Robrahn-González
 
Cartilha Patrimonial Seropédica
Cartilha Patrimonial SeropédicaCartilha Patrimonial Seropédica
Cartilha Patrimonial Seropédica
Erika Marion Robrahn-González
 
Cartilha Patrimonial PCH Bocaiúva
Cartilha Patrimonial PCH BocaiúvaCartilha Patrimonial PCH Bocaiúva
Cartilha Patrimonial PCH Bocaiúva
Erika Marion Robrahn-González
 
Cartilha Patrimonial da Baía de Santos
Cartilha Patrimonial da Baía de SantosCartilha Patrimonial da Baía de Santos
Cartilha Patrimonial da Baía de Santos
Erika Marion Robrahn-González
 
Cartilha Patrimonial do Metropolitano de São Paulo
Cartilha Patrimonial do Metropolitano de São PauloCartilha Patrimonial do Metropolitano de São Paulo
Cartilha Patrimonial do Metropolitano de São Paulo
Erika Marion Robrahn-González
 
Cartilha Patrimonial do Programa Embraport, Santos, SP
Cartilha Patrimonial do Programa Embraport, Santos, SPCartilha Patrimonial do Programa Embraport, Santos, SP
Cartilha Patrimonial do Programa Embraport, Santos, SP
Erika Marion Robrahn-González
 
Bacia do Rio Tietê - Aula 4 - Versão Professor
Bacia do Rio Tietê -  Aula 4 - Versão ProfessorBacia do Rio Tietê -  Aula 4 - Versão Professor
Bacia do Rio Tietê - Aula 4 - Versão Professor
Erika Marion Robrahn-González
 
Bacia do Rio Tietê - Aula 4 - Versão Aluno
Bacia do Rio Tietê -  Aula 4 - Versão AlunoBacia do Rio Tietê -  Aula 4 - Versão Aluno
Bacia do Rio Tietê - Aula 4 - Versão Aluno
Erika Marion Robrahn-González
 
Bacia do Rio Tietê - Aula 3 - Versão Professor
Bacia do Rio Tietê -  Aula 3 - Versão ProfessorBacia do Rio Tietê -  Aula 3 - Versão Professor
Bacia do Rio Tietê - Aula 3 - Versão Professor
Erika Marion Robrahn-González
 
Bacia do Rio Tietê - Aula 3 - Versão Aluno
Bacia do Rio Tietê -  Aula 3 - Versão AlunoBacia do Rio Tietê -  Aula 3 - Versão Aluno
Bacia do Rio Tietê - Aula 3 - Versão Aluno
Erika Marion Robrahn-González
 

Mais de Erika Marion Robrahn-González (20)

Apresentação do Workshop Colaborativo com Professores - Eduardo Staudt
Apresentação do Workshop Colaborativo com Professores - Eduardo StaudtApresentação do Workshop Colaborativo com Professores - Eduardo Staudt
Apresentação do Workshop Colaborativo com Professores - Eduardo Staudt
 
Apresentação do Workshop Colaborativo com Professores - Felipe Sobral
Apresentação do Workshop Colaborativo com Professores - Felipe SobralApresentação do Workshop Colaborativo com Professores - Felipe Sobral
Apresentação do Workshop Colaborativo com Professores - Felipe Sobral
 
Apresentação do Workshop Colaborativo com Professores - Marrian Rodrigues
Apresentação do Workshop Colaborativo com Professores - Marrian RodriguesApresentação do Workshop Colaborativo com Professores - Marrian Rodrigues
Apresentação do Workshop Colaborativo com Professores - Marrian Rodrigues
 
Apresentação do Workshop Colaborativo com Professores - Erika González
Apresentação do Workshop Colaborativo com Professores - Erika GonzálezApresentação do Workshop Colaborativo com Professores - Erika González
Apresentação do Workshop Colaborativo com Professores - Erika González
 
Aula Didática Completa - Programa de Porto Maravilha
Aula Didática Completa - Programa de Porto MaravilhaAula Didática Completa - Programa de Porto Maravilha
Aula Didática Completa - Programa de Porto Maravilha
 
Métodos de pesquisa em patrimônio cultural - Projeto Aripuanã
Métodos de pesquisa em patrimônio cultural - Projeto AripuanãMétodos de pesquisa em patrimônio cultural - Projeto Aripuanã
Métodos de pesquisa em patrimônio cultural - Projeto Aripuanã
 
Patrimônio cultural - Projeto Aripuanã
Patrimônio cultural -  Projeto AripuanãPatrimônio cultural -  Projeto Aripuanã
Patrimônio cultural - Projeto Aripuanã
 
Métodos de estudo arqueológico - Projeto Aripuanã
Métodos de estudo arqueológico - Projeto AripuanãMétodos de estudo arqueológico - Projeto Aripuanã
Métodos de estudo arqueológico - Projeto Aripuanã
 
O que é arqueologia - Projeto Aripuanã
O que é arqueologia - Projeto AripuanãO que é arqueologia - Projeto Aripuanã
O que é arqueologia - Projeto Aripuanã
 
Cartilha Patrimonial PCH´s do Rio Juruena
Cartilha Patrimonial PCH´s do Rio JuruenaCartilha Patrimonial PCH´s do Rio Juruena
Cartilha Patrimonial PCH´s do Rio Juruena
 
Cartilha Patrimonial Aqwa Corporate
Cartilha Patrimonial Aqwa CorporateCartilha Patrimonial Aqwa Corporate
Cartilha Patrimonial Aqwa Corporate
 
Cartilha Patrimonial Seropédica
Cartilha Patrimonial SeropédicaCartilha Patrimonial Seropédica
Cartilha Patrimonial Seropédica
 
Cartilha Patrimonial PCH Bocaiúva
Cartilha Patrimonial PCH BocaiúvaCartilha Patrimonial PCH Bocaiúva
Cartilha Patrimonial PCH Bocaiúva
 
Cartilha Patrimonial da Baía de Santos
Cartilha Patrimonial da Baía de SantosCartilha Patrimonial da Baía de Santos
Cartilha Patrimonial da Baía de Santos
 
Cartilha Patrimonial do Metropolitano de São Paulo
Cartilha Patrimonial do Metropolitano de São PauloCartilha Patrimonial do Metropolitano de São Paulo
Cartilha Patrimonial do Metropolitano de São Paulo
 
Cartilha Patrimonial do Programa Embraport, Santos, SP
Cartilha Patrimonial do Programa Embraport, Santos, SPCartilha Patrimonial do Programa Embraport, Santos, SP
Cartilha Patrimonial do Programa Embraport, Santos, SP
 
Bacia do Rio Tietê - Aula 4 - Versão Professor
Bacia do Rio Tietê -  Aula 4 - Versão ProfessorBacia do Rio Tietê -  Aula 4 - Versão Professor
Bacia do Rio Tietê - Aula 4 - Versão Professor
 
Bacia do Rio Tietê - Aula 4 - Versão Aluno
Bacia do Rio Tietê -  Aula 4 - Versão AlunoBacia do Rio Tietê -  Aula 4 - Versão Aluno
Bacia do Rio Tietê - Aula 4 - Versão Aluno
 
Bacia do Rio Tietê - Aula 3 - Versão Professor
Bacia do Rio Tietê -  Aula 3 - Versão ProfessorBacia do Rio Tietê -  Aula 3 - Versão Professor
Bacia do Rio Tietê - Aula 3 - Versão Professor
 
Bacia do Rio Tietê - Aula 3 - Versão Aluno
Bacia do Rio Tietê -  Aula 3 - Versão AlunoBacia do Rio Tietê -  Aula 3 - Versão Aluno
Bacia do Rio Tietê - Aula 3 - Versão Aluno
 

Portfólio Instituto Olho D'Água

  • 1.
  • 2. Origem A Think Tank Documento Cultural apresenta mais uma iniciativa que consolida seu expertise em gestão de patrimônio cultural. A gestão do patrimônio cultural é um caminho para o desenvolvimento social e econômico sustentável das comunidades, porque respeita sues valores culturais. A Think Tank Documento Cultural entende que o debate social sobre sua gestão é também um debate sobre seu desenvolvimento e futuro. Visando promover ações de apropriação e de participação na gestão do Patrimônio Cultural que foi criada a Organização Não Governamental Instituto Olho D´Agua. A origem do nome do Instituto Olho D’ Água (IODA) trás uma carga simbólica, cheia de significados de grande relevância para as comunidades tradicionais do município de Coronel José Dias e seu entorno. Como a principal característica da região é o clima semiárido, com longos períodos de estiagem, os olhos de água surgem na época das chuvas nas fendas das rochas e estão diretamente associados à própria existência dessa comunidade. A água limpa e cristalina era utilizada para abastecer as famílias que viviam no período da seca. Viver no Olho d’ Água está relacionado as práticas como as técnicas de manejo da terra e os conhecimentos tradicionais que constituem a cultura local.
  • 3. Pertinência da Criação da ONG Instituto Olho D´Água A comunidade contemplada pela criação do Instituto Olho D’ Água está situada em Coronel José Dias no Piauí, com abrangência aos municípios de São Raimundo Nonato, João Costa e Brejo do Piauí, ambos localizados no entorno do Parque Nacional Serra da Capivara. A proposta do Instituto é aproximar e criar um contexto de inclusão social, através da autonomia da comunidade de Coronel José Dias e municípios envoltórios, na apropriação desse patrimônio. Segundo conhecimento local foi vivendo da venda do látex que a comunidade adentrou mais fundo a caatinga a procura da maniçobeira. É dessa época que se originam uma série de histórias sobre a região, contando o processo de apropriação e interpretação de lugar. Diante dessa realidade, e da necessidade de se construir um novo cenário, surge através de uma iniciativa conjunta com a comunidade o Instituto Olho d’ Água. Uma associação sem fins lucrativos, que busca criar uma nova trajetória de valorização da cultural tradicional, plasmados nos modos de vida dessa população, aliada a preservação do patrimônio cultural e ambiental herdado dos povos pré-históricos em exposição a céu aberto no Parque Nacional Serra da Capivara e seu entorno. Para tanto, a iniciativa visa conciliar a preservação do Meio Ambiente Cultural com atividades empreendedoras que promovam a inclusão da comunidade, partindo de iniciativas de dentro da comunidade. Um projeto que promove a defesa do Meio Ambiente Cultural integram-se as demandas sociais, patrimoniais e ambientais em uma só iniciativa, concentrando iniciativas, até então dispersas, em um objetivo comum. Isto ocorre ao tratarem-se os potencias da região, como o ecoturismo, patrimônio arqueológico e histórico cultural e inclusão social, de maneira integrada dentro do mesmo projeto, valorizando o contexto e ampliando as possibilidades de iniciativas na região.
  • 4. Missão Na intenção de ampliar o debate e a autonomia na comunidade se propõem, portanto uma ação que seja também uma pesquisa. Como a criação do Instituto pode ser entendida como uma pesquisa? Ora, se entendermos o Instituto como uma pesquisa em si, teremos a oportunidade de nos aproximarmos de diversas maneiras do nosso objeto de pesquisa, o Patrimônio Cultural, e de moldar a pesquisa às demandas sociais. O intuito científico da criação do Instituto é afirmar o Patrimônio Cultural como vetor de desenvolvimento, mostrando que investir na cultura é de extrema importância para os sujeitos, a comunidade, para a região e para o país. Se a comunidade entende que sua cultura pode ser seu motor de desenvolvimento o Instituto poderá apoiar abordagens adequadas que tenham potencial transformador. O Instituto também quer experimentar uma metodologia em que cientistas e comunidades colaborem para um projeto comum de desenvolvimento. Essa experiência é fundamental para a autonomia das comunidades e para absorção da pluralidade de perspectivas. A criação dessa instituição deve ser entendida como uma pesquisa retro alimentada onde ações e resultados se desdobram em mais ações de acordo com a resiliência da comunidade. O andamento das atividades do Instituto Olho D’Água dá resultados, ao mesmo tempo em que permite superação como método, sempre tendo como norte as necessidades locais.
  • 5. Objetivos Gerais O Estatuto do Instituto Olho D’ Água detalha os objetivos no Artigo 3º : Art. 3º - No cumprimento de sua finalidade propõem-se a realizar os seguintes objetivos: a) promover, realizar e divulgar pesquisas e estudos, organizar documentação e desenvolver projetos aplicados a defesa do meio ambiente cultural, dos acervos culturais – material e imaterial, e dos direitos humanos e dos povos, especialmente comunidades tradicionais; b) promover a defesa de bens e direitos sociais, coletivos e difusos relativos ao meio ambiente cultural; c) Fomentar o fortalecimento da cultura das comunidades tradicionais em todas as suas manifestações regionais, especialmente seus conhecimentos tradicionais, modos de uso dos recursos naturais e redes de relações sociopolíticas. d) Estimular e desenvolver espaços educacionais e de memória para o fortalecimento das identidades culturais dos povos. e) realizar convênios e parcerias com entidades públicas, privadas, nacionais e internacionais no sentido de obter financiamentos destinados as finalidades específicas de preservação do meio ambiente cultural. f) estimular e realizar estudos de caráter preventivo e participativo para combater a degradação do meio ambiental cultural, em todas as suas manifestações, inclusive estudos de impacto ambiental decorrentes das atividades antrópicas. h) discutir diretrizes, estratégias, planejar e realizar ações comunitárias e de interesse coletivo, voltadas para o desenvolvimento e consolidação do turismo sustentável no município de Coronel José Dias e seu entorno, com as parcerias governamentais, não governamentais e do setor privado.
  • 6. g) estimular o desenvolvimento socioeconômico através da garantia do acesso e gestão democráticos e ecologicamente sustentável dos recursos naturais e culturais, para as presentes e futuras gerações; h) Realizar pesquisas interdisciplinares em todo território nacional. i) promover o intercâmbio com outras organizações governamentais e não governamentais e entidades nacionais e internacionais para a defesa do meio ambiente cultural das comunidades tradicionais. j) defender e representar os direitos e interesses das comunidades tradicionais das regiões afiliadas ao Instituto Olho d’ Água em todas as instâncias dentro e fora da do município de Coronel José Dias. k) divulgar por quaisquer meios as informações e conhecimentos produzidos por si ou por terceiros e correlatos as suas atividades; m) estimular o aperfeiçoamento e o cumprimento de legislação que instrumentalize a consecução dos presentes objetivos;
  • 7. Contexto O município de Coronel José Dias encontra-se no sudeste do estado do Piauí, em pleno semiárido nordestino, tendo a Caatinga como seu principal bioma. Com uma área territorial de 1.915 km2, e localizada a 548 km da capital do estado, Teresina, o município conta com uma população de 4.541 habitantes (Censo 2010). Em relação ao seu perfil econômico e social atual, o município é basicamente rural, com apenas 1/3 de sua população vivendo em áreas urbanas (último Censo), e sua atividade econômica se constitui de serviços, agropecuária e indústrias (IBGE, 2011). Apesar de ter uma emancipação política de apenas 21 anos, sua ocupação é bem mais antiga, o que explica a relevância da cultura para o município, uma vez que o local possui a maior quantidade de sítios arqueológicos, apontando que o território foi habitado por diversos grupos humanos, desde o período do Pleistocênico Superior. Sua colonização se dá em meados do final do Século XVIII, com a expulsão dos indígenas após uma batalha sangrenta, e posteriormente no início do Século XX, com o ciclo de extração da maniçoba, no que ainda era a Fazenda Várzea Grande. Por volta de 1960, com o fim do ciclo da maniçoba, surge com grande força a extração do calcário para a produção de cal, o que trouxe consequências drásticas para o patrimônio arqueológico da região, uma vez que com a destruição dos blocos calcários, perdiam-se testemunhos da presença do homem pré-histórico na região. Com a emancipação política em 1992, há um grande crescimento econômico e social para a região, quando deixa de ser um Povoado de Várzea Grande para se tornar o município de Coronel José Dias, desmembrando-se da cidade de São Raimundo Nonato. Cabe destacar também o crescimento das atividades econômicas voltadas para o turismo, como o polo cerâmico artesanal da Serra da Capivara, projeto idealizado pela Fundação Museu do Homem Americano, onde são produzidos utensílios customizados com motivos rupestres, caracterizando-se em uma nova alternativa de subsistência local. Tais investimentos se devem ao fato de Coronel José Dias estar no entorno do Parque Nacional Serra da Capivara, com 32% do município inserido dentro da área limite do parque, assim como os principais sítios arqueológicos estudados, bem como o fato de ser o produtor de cerâmica da serra. Outro ponto a destacar são as obras da
  • 8. praça de eventos do município, que contará com uma concha acústica, banheiros e restaurantes, feitas para a comemoração da Festa de São Pedro, concluído. Com a emancipação política e a criação do Parque Nacional, acarretando em políticas de preservação patrimonial, implementadas pela gestão do mesmo, Coronel José Dias obteve grande visibilidade, ainda que sejam necessários mais investimentos no setor. Figuras: Bairro São Pedro Igreja e Praça de eventos Figuras: Casarões antigos e centro do município
  • 9. Parque Nacional Serra da Capivara O território do Parque Nacional Serra da Capivara abriga uma grande concentração de sítios arqueológicos com arte rupestre em abrigos sob rocha a céu aberto. Dada a importância desse complexo artístico rupestre a Organização das Nações Unidas para Educação, Ciência e a Cultura (UNESCO) inscreveu o Parque na lista de Sítios do Patrimônio Mundial, e por sua relevância cultural, o Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (IPHAN) reconheceu o Parque como Patrimônio Nacional, registrando no livro do tombo arqueológico, paisagístico e etnográfico. Contudo, o fator importante e necessário para entender o contexto em que surge o Instituto Olho D’Água é a criação do Parque Nacional Serra da Capivara, e a profunda relação que o mesmo possui com a comunidade de Coronel José Dias, e os processos de inclusão educacional e patrimonial. Embora a ideia de valor e apropriação fosse outra, a comunidade envolvente já conhecia o patrimônio cultural da área, antes mesmo da criação do Parque, uma vez que muitas famílias tradicionais viveram ali até o processo de desapropriação. Mesmo sem possuir um conhecimento e uma noção sobre o valor científico que tal patrimônio representa nos dias atuais, tanto a nível regional como mundial, já existia uma relação harmoniosa e afetiva entre a comunidade e a Serra da Capivara, através do respeito ao local, pois já sabiam da singularidade que ele possuía, mostrando a apropriação deste patrimônio, ainda que de forma inconsciente. No município de Coronel José Dias está situado os primeiros sítios arqueológicos estudados pela pesquisadora Drª Niède Guidon e sua equipe, e os principais circuitos turísticos abertos à visitação: Boqueirão da Pedra Furada, Desfiladeiro da Capivara e Serrotes Calcários da Bastiana.
  • 10. Projetos e Ações em Andamento Arte na Serra: Educação sempre dá Certo: Consiste em uma experiência educativa desenvolvida com crianças e jovens por meio de ateliers de arte e cultura, com intuito de envolvê-los no universo da arqueologia, através da experimentação didática, mostrando como o homem pré-histórico utilizava os recursos da natureza para pintar nos paredões rochosos, para fabricar seus instrumentos e objetos de uso cotidiano. Status: Vigente desde 2011 e em andamento http://arqueologiadigital.com/profiles/blogs/projeto-arte-na-serra-educa-o-arte-e- arqueologia Figura: Ações educativas de apropriação cultural. Arte na Serra Arte Rupestre: Histórias e Lendas do Desfiladeiro da Capivara: O objetivo é a valorização da memória, tradição e identidade dos moradores locais que têm fortes relações com o território tradicional. Para o cumprimento deste objetivo está sendo desenvolvida inicialmente a produção de pesquisa e registro da memória do território por meio de entrevistas com os moradores, relacionando os seus modos de vida com o acervo de arte rupestre do Desfiladeiro da Serra da Capivara. O projeto tem como principal diretriz o desenvolvimento de uma Ciência Aplicada, que alia a realização de pesquisa científica com o envolvimento simétrico das comunidades locais, levando a um tratamento integrado dos resultados científicos com os saberes tradicionais e estabelecendo uma relação de complementariedade entre Ciência e Tradição. Status: Início 2013, em andamento. Produto Final: Publicação de um livro e documentário. Coordenação: Marília da Silva Gomes, Jorlan Oliveira e Marian Rodrigues.
  • 11. Blog do Instituto Olho D’ Água: Sustentabilidade em Cultura Foi desenvolvido em tecnologia NING, que é uma plataforma online que permite criação de redes sociais individualizadas, desenvolvido para a comunidade, é interativo e dinâmico, tem o intuito de promover a interação da comunidade como o acompanhamento dos trabalhos e a colaboração, com a captação de sugestões e participação. Concentra as notícias do andamento dos trabalhos, entrevistas e fotografias da comunidade, entrevistas com os profissionais envolvidos. Status: Ativo Endereço: http://documentoculturalolhodagua.ning.com/ Documentário Estradas da Cultura: Consiste em um filme documentário realizado pelo projeto Expedição Nordeste, idealizado por Lenin Falcão do Centro Cultural do BNB de Souza-PB, financiado pelo BNB de Cultura, que apresenta a experiência de projetos culturais desenvolvidos em várias regiões do Nordeste que traz no seu seio o objetivo de transformar a realidade de pequenos municípios por meio de ações culturais. O Projeto Arte na Serra foi selecionado por cumprir o seu papel social de criação, fruição e democratização dos bens culturais da sua região. http://expedicaonordeste-central.blogspot.com.br/ Status: Concluído. Em exibição pelo Brasil Expedição Nordeste na revista 4x4 & Cia
  • 12. Criando e recriando um ambiente sustentável: Projeto anual da Escola Raquel Ferreira de Oliveira em Coronel José Dias/2013, sala temática: Arte na Serra e a Sustentabilidade Cultural. No evento de culminância foram apresentadas para a comunidade as ações do Instituto Olho d’ Água. Coordenação: Marília Gomes Status: Concluído 2013. Coo
  • 13. Pesquisa Científica: Projeto de doutoramento em Quaternário Materiais e Culturas; Tema: Acervos Patrimoniais e a Sustentabilidade Cultural: Diretrizes e Práticas no Brasil. Universidade de Trás- Os Montes e Alto Douro (UTAD). Doutoranda Marian Helen da Silva Gomes Rodrigues. Orientação L.D. Erika Marion Robrahn-Gonzalez e Drº Luiz Miguel Oosterbeek. Status: 2013/2015 – em andamento Divulgação Científica: Constitui uma plataforma de divulgação dos resultados da pesquisa voltada para a comunidade científica, contribuindo para ampliar o conhecimento da pré-história e da história nacional, e da região de estudo em particular. Tem como público alvo o meio acadêmico (bibliotecas, instituições de pesquisas, profissionais em arqueologia, história e patrimônio cultural, instituições públicas). 1. Artigo Publicado: Arte na Serra: Educação Sempre dá Certo. Revista Tecnologia e Ambiente, Dossiê Arqueologia, Ambiente e Patrimônio, v. 17, 2011, Criciúma, Santa Catarina. ISSN 1413-8131. http://periodicos.unesc.net/index.php/tecnoambiente/article/view/1207/1163 2. Apresentações em congressos e Jornadas. OLIVEIRA, J. Instituto Olho d’ Agua: Sustentabilidade em Cultura; Pôster. Congresso da Sociedade Brasileira de Arqueologia – SAB. Arqueologia sem Fronteiras, Repensando Espaço, Tempo e Agentes. 2013.
  • 14. OLIVEIRA. J. RODRIGUES, M.H.S.G; MERCURI, J, SOUZA, P.D. Arte na Serra: Educación siempre funciona. 1º Congresso Latinoamericano de Gestion Cultural. Santiago do Chile. 2014. RODRIGUES, M. H. da S.G. Instituto Olho d’ Água: Sustentabilidade em Cultural. Jornada de Arqueologia Ibero-Americana e a I Jornada de Arqueologia Transatlântica. Criciúma - SC. 2013. RODRIGUES, M.H.S.G. Parque Nacional Serra da Capivara e Comunidade: Educação, preservação e Fruição Social. Congresso da Sociedade Brasileira de Arqueologia – SAB. Arqueologia sem Fronteiras, Repensando Espaço, Tempo e Agentes. 2013. RODRIGUES, M. H. S. da G.; BRUGNERA, C. Herramientas didácticas para la accesibilidad e inclusión arqueológica. II Encontro Iberoamaericano Em Políticas, Gestion e Insdustrias Culturales. Promocionando Derechos a Traves de la Cultura. General Roca, Rio Negro. Patagônia. Argentina. Fundación Patagónica de Ciencias Naturales Museo Patagónico de Ciencias Naturales EcoCultural. 2013. RODRIGUES, M.H. da S.G. Acervos patrimoniais e a sustentabilidade cultural: Diretrizes e Práticas no Brasil. JORNADAS DE ARQUEOLOGIA IBEROAMERICANA * II JORNADAS DE ARQUEOLOGIA TRANSATLÂNTICA . Portugal- 2014. RODRIGUES, M. H. da S. G. Acervos Patrimoniais: Pesquisa e Extroversão Social dos Conhecimentos nos Programas de Gestão do Patrimônio Arqueológico e Histórico Cultural no Brasil. Arqueologia Ibero-Americana e Transatlântica. Arqueologia, Sociedade e Território. Org. Juliano Bitencourt Campos.[ et. Al.]. Erechim, RS. Habilis, 353-368. 2014. Grupo de Pesquisa: Centro de Investigação Geociência-FCT73- PT; Instituto Terra e Memória – PT.
  • 15. Equipe Estratégica Presidente: Jorlan Oliveira E-mail: jorlanso@yahoo.com.br jorlan@documentocultural.net Skype:jorlanso Fone: 11- 97812162/ 89 81084143 Diretora Executiva: Marian Rodrigues E-mail: marrian@yahoo.com.br marian@documentocultural.net artnaserra@gmail.com Skype:marian.helen Fone: 11- 974115822/ 89 81084143 Assessoria Jurídica: Jean Sidney Oliveira Secretária Executiva: Marília Gomes E-mail: mariliacel@hotmail.com
  • 16. Think Tank Documento Cultural Conselho Consultivo: Sócrates França Silva Políticas Públicas: Juliana Mercury Relações Internacionais: Pedro Diniz Grupo Documento.