SlideShare uma empresa Scribd logo
Desigualdades Raciais
no Brasil
Escritório Nacional "Zumbi dos Palmares"
Consultoria Rosana Heringer
Desigualdades Raciais no Brasil
Pesquisas mostram que os negros estão em
desvantagem em relação aos brancos em
âmbito geral: na infra-estrutura urbana e
habitação, no acesso à educação e justiça, no
mercado de trabalho e na distribuição de
renda.
Escritório Nacional "Zumbi dos Palmares"
Consultoria Rosana Heringer
Desigualdades Raciais no Brasil
Critérios de classificação racial e distribuição
da população brasileira segundo cor/raça
O Censo brasileiro pede às pessoas que se classifiquem dentro de uma das cinco categorias
seguintes: branco, preto, pardo, indígena ou amarelo (oriental). Segundo dados do IBGE (Instituto Brasileiro
de Geografia e Estatística) de 1996, pretos e pardos constituem 45% de toda a população e 98,7% da
população não branca.
A fim de aperfeiçoar, no censo do ano 2000, as opções de classificação contidas no quesito
cor/raça, o IBGE realizou um pré-teste em 1998 junto a uma amostra de 90 mil pessoas em seis áreas
metropolitanas do País. Neste teste foi incluída uma pergunta sobre a origem dos entrevistados ("Qual a
origem que o (a) senhor (a) considera ter?"). Tanto nas respostas à pergunta aberta quanto à formulação
fechada, a opção "origem brasileira" foi escolhida pela grande maioria dos entrevistados (85,7% e 86,6%,
respectivamente). A partir deste pré-teste, a comissão consultativa do Censo 2000 recomendou ao IBGE
manter as mesmas cinco categorias utilizadas atualmente (Schwartzman, 1999).
A distribuição regional de brancos e negros apresenta-se bastante diferenciada, com
grande concentração da população afro-brasileira nas regiões Nordeste e Norte. O Sul do País
possui população majoritariamente branca e a região Centro-Oeste apresenta uma distribuição
equilibrada entre brancos e negros, similar à distribuição nacional.
O fato de a população negra estar concentrada principalmente nas regiões mais pobres
do País já indica que a mesma encontra-se mais vulnerável no que diz respeito às condições de
vida e ao acesso a serviços básicos. As informações que poderiam nos fornecer esta
caracterização são escassas. Entretanto, alguns indicadores revelam que a população negra no
Brasil vivencia condições mais precárias na sua luta pela sobrevivência.
Pela Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios de 1996 podemos observar também
que as taxas de mortalidade infantil das crianças até um ano de vida e entre crianças menores
de cinco anos são maiores na população negra. Esta situação se acentua na região Nordeste,
onde a taxa de mortalidade de crianças negras até cinco anos é de 102,1 por mil nascidos vivos.
A desigualdade, entretanto, não se restringe ao Nordeste, já que as taxas de mortalidade
infantil das crianças negras no Sudeste também são maiores do que a das brancas (25,1 e 43,1 –
mortalidade infantil; 30,9 e 52,7 – mortalidade de menores de 5 anos de idade,
respectivamente).
Infra-estrutura urbana e habitação
É de conhecimento geral a estreita relação entre as condições de saúde e o acesso à infra-estrutura
básica em termos de serviços públicos tais como saneamento básico, coleta de lixo e acesso à eletricidade, entre
outros.
Também pela Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios de 1996 podemos ver que brancos e negros no Brasil
têm acesso desigual a estes serviços. No que diz respeito à rede de esgoto, por exemplo, apenas metade dos
negros tem acesso a ele, enquanto 73,6% dos brancos o possuem.
Outros indicadores de condições de vida e acesso a serviços disponíveis para o ano de 1987 revelam
mais aspectos de desigualdades entre negros e brancos no que diz respeito à infra-estrutura urbana. O percentual
da população que vivia em barracos, predominantes em favelas, era de 3.4 para os brancos, 13.9 para os pretos e
13.3 para os pardos em 1987. No mesmo ano, o percentual da população que vivia em bairros sem coleta de lixo era
de 18.3 para brancos, 34.1 para pretos e 39.5 para pardos. A porcentagem das pessoas que viviam em domicílios
sem eletricidade era de 10.2 para brancos, 21.7 para pretos e 28.0 para pardos.
Ainda que este quadro tenha melhorado para o conjunto do País ao longo da década, as diferenças entre negros e
brancos permanecem.
Baseados nesses e em
outros dados, os pesquisadores
Wânia Sant’anna e Marcelo
Paixão utilizaram o Índice de
Desenvolvimento Humano
(IDH), usado pelo Programa
das Nações Unidas para o
Desenvolvimento (PNUD), para
calcular a qualidade de vida
relativa da população afro-
brasileira (pretos e pardos). O
IDH do conjunto da população
brasileira era de 0.796 (para um
máximo de 1.000). Para os
afro-brasileiros, o IDH era
0.573.
"O IDH para os afro-brasileiros é pior do que o
dos países latino-americanos, exceto Nicarágua,
que vêm logo atrás com 0.568. (...) Uma triste
situação para o paraíso da democracia racial..."
(Sant’anna & Paixão, 1997:33).
Acesso à educação
Uma primeira constatação sobre o acesso à educação (com base na Pesquisa Nacional por
Amostra de Domicílios de 1996) é a baixa escolaridade da população brasileira como um todo, já que a
média do País é de apenas 5,3 anos de estudo. Supondo que não haja repetência, isto equivaleria apenas à
conclusão da 5ª série do ensino básico.
Um outro aspecto a se levar em conta é a diferença em termos de anos de estudo entre negros
e brancos. Estes últimos possuem em média dois anos de estudo a mais que os negros.
Se compararmos a situação dos anos de estudo efetivamente cursados pelas pessoas de 15
anos ou mais entre 1988 e 1996 verificamos que houve um aumento da escolaridade dos brasileiros no
período. Entretanto, esta ampliação do acesso à escola não se traduziu numa diminuição das
desigualdades raciais, já que a proporção de negros entre as pessoas com 12 anos ou mais de estudo
(equivalente aos que concluíram o ensino médio e possuem curso superior) é de apenas 2,8%, quase quatro
vezes menos do que os brancos na mesma faixa (10,9%).
Por outro lado, a proporção de negros entre aqueles sem instrução ou com menos de um
ano de estudo continua em 1996 a ser mais do dobro da proporção de brancos nesta faixa.
Dados de pesquisas realizadas especificamente sobre a situação educacional da população negra
indicam que, mesmo quando se controla o valor do rendimento familiar per capita, "a taxa de
escolarização de negros é inferior a dos brancos; os brancos apresentam uma porcentagem maior de
crianças sem atraso escolar; e maior proporção de alunos negros frequenta escolas que oferecem
cursos com menor número de horas de aula" (ROSEMBERG, 1986; HASENBALG& SILVA, 1990).
Este quadro geral da situação educacional dos negros no Brasil representa uma das
principais dificuldades a serem enfrentadas a fim de gerar maior igualdade de oportunidades entre
brancos e negros no país. Atenta a este cenário, a presidente do Instituto Nacional de Estudos e
Pesquisas Educacionais – INEP, ligado ao Ministério da Educação, afirmou em artigo recente que "a
população negra continua apresentando um nível de escolaridade mais baixo. Esta é uma das
prioridades para uma política de equidade e integração socioeconômicas que requer uma ação mais
afirmativa do poder público e da sociedade." (CASTRO, 1998:8-9).
Mercado de trabalho e distribuição de
renda
"Mais de um século depois da abolição
da escravidão, o trabalho manual
continua a ser o lugar reservado para
os afro-brasileiros. Em oposição ao
que afirmaram as teorias sobre
modernização, a estrutura de
transição fornecida pelo rápido
crescimento econômico nas últimas
décadas não parece ter contribuído
para diminuir de maneira significativa
à distância existente entre os grupos
raciais presentes na população“
(Hasenbalg, 1996:15).
Os negros brasileiros têm feito pouco progresso na conquista de profissões de maior
prestígio social, no estabelecimento de seus próprios negócios e na ocupação de posições de
poder político. Eles ainda concentram-se em atividades manuais que exigem pouca
qualificação e escolaridade formal. As desvantagens acumuladas através da história brasileira
tornaram o sucesso difícil para a população afro-brasileira.
Informações recentes, obtidas a partir de pesquisa específica realizada em seis
regiões metropolitanas do País indicam que a desigualdade racial está presente nos mais
variados indicadores associados ao desempenho de brancos e negros no mercado de trabalho.
Na região metropolitana de São Paulo, a maior cidade brasileira, a taxa de
desemprego entre os homens negros é de 20,9%, enquanto esta taxa é de 13,8% entre os
brancos (INSPIR et alli, 1999: 29).
Como afirma o relatório sobre desigualdades raciais no mercado de trabalho, "é
preciso que o Estado invista em políticas públicas e implemente de fato a Convenção 111 da
OIT, invertendo a lógica da estrutura de oportunidades, que está profundamente marcada por
práticas violadoras de direitos e de discriminações baseadas na raça e no sexo".(Inspir et alli,
1999: 8).
A pesquisa revela que apenas 1,9% dos negros ocupados em São Paulo são
empregadores, em comparação aos 7,2% de brancos nesta posição, enquanto mais
da metade das mulheres negras (56,3%) estão ocupadas como domésticas ou
mensalistas (INSPIR et alli, 1999).
No que diz respeito à distribuição dos ocupados por grupos de ocupação, os
dados demonstram que apenas 5,9% dos negros ocupam cargos de direção e
planejamento, enquanto 21,4% dos brancos encontram-se nesta posição. O mesmo
ocorre em relação aos cargos de gerência (3,6% e 11,7, respectivamente) e
planejamento (2,3% e 9,7%) (INSPIR et alli, 1999).
O quadro de desigualdade entre negros e brancos está relacionado tanto a
fatores estruturais quanto à discriminação. Entre os fatores estruturais, sem dúvida o
mais significativo é o componente educacional. Ao se situarem nos grupos com
menor acesso à educação formal, os negros também ocupam postos de menor
prestígio no mercado de trabalho.
A Pesquisa de Emprego e Desemprego elaborada pelo Dieese em convênio com o
Seade demonstra que, em 1998, enquanto 32,8% dos brancos ocupados na Região Metropolitana de
São Paulo possuíam escolaridade até o 1º grau incompleto (ensino fundamental), cerca de 54% dos
negros estavam nesta posição. A situação se inverte quando analisamos a faixa equivalente ao
ensino médio e ao ensino superior. Neste último grupo a proporção de brancos equivale a quase
cinco vezes a dos negros.
No que diz respeito ao rendimento, negros e brancos também possuem situações
desiguais. Ainda no caso da Região Metropolitana de São Paulo, esta mesma pesquisa revela que
apenas 5,3% dos negros ocupados recebem mais de 10 salários mínimos.
Este fato poderia ser interpretado – e em muitos casos o é – como decorrente somente
do menor grau de instrução dos negros. Entretanto, o estudo revela o contrário, ao mostrar que,
mesmo quando se encontram em iguais condições de escolaridade, negros e brancos possuem
rendimentos diferenciados. Esta situação se agrava principalmente nos grupos com grau de
instrução mais elevado. Tal fato pode ser atribuído à ausência, entre os negros, de redes pessoais
que permitam maior acesso a melhores oportunidades de emprego. Também pode ser atribuído à
sub-remuneração e à sub-utilização de mão-de-obra negra qualificada, decorrente da discriminação
racial.
Este quadro apresentado para a Região Metropolitana de São Paulo não se constitui num caso isolado. Ao
contrário, reproduz-se em todo o país, provavelmente de formas mais acentuadas em regiões com menor circulação de
riqueza e atividade econômica menos dinâmica.
Alguns indicadores de renda ajudam-nos a analisar este quadro para o conjunto do país. Utilizando dados
da PNAD (Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios) 1996, LIMA (1999) apresenta a distribuição de renda da
População Economicamente Ativa (PEA) brasileira segundo quartis. Esta divisão permite-nos identificar quantas
pessoas encontram-se entre os 25% com menor rendimento (Quartil 1), nos 25% imediatamente seguintes (Quartil 2),
nos 25% seguintes (Quartil 3) e, finalmente, nos 25% onde se encontra a parcela com maiores rendimentos (Quartil 4).
Negros e brancos encontram-se inversamente representados nos extremos (25% mais pobres – Quartil 1; e 25% mais
ricos – Quartil 4). Esta situação permaneceu praticamente inalterada entre 1988 e 1996. Cerca de 60% dos negros
encontram-se concentrados nos dois primeiros quartis, enquanto 40% dos brancos encontram-se neste grupo. Há uma
convergência entre a renda de brancos e negros na faixa intermediária e, no Quartil 4, de renda mais alta, ocorre a
inversão: o número de brancos (32,2%) é o dobro do dos pretos (14,1%) e dos pardos (14,5%).
Vale a pena observar a desigualdade entre brancos e negros no que diz respeito à mobilidade ocupacional
entre gerações, isto é, a situação ocupacional do indivíduo em relação à ocupação do pai. Hasenbalg e Silva (1999)
demonstram que "os brancos têm uma vantagem significativa em termos de mobilidade ocupacional ascendente;
pouco mais da metade deles (52,5%) encontram-se em grupos ocupacionais mais elevados que os de seus pais, ao
passo que isso ocorre com somente 43,9% dos pardos e 45,5% dos pretos" (pág. 223). Estes autores concluem que "os
grupos não-brancos estão sujeitos a um ‘processo de cumulação de desvantagens’ ao longo de suas trajetórias sociais"
(pág. 218).
Vitimização e acesso à justiça
Nas grandes cidades brasileiras, principalmente nos bairros mais pobres e
favelas, é comum a existência de quadrilhas organizadas que controlam a
distribuição e venda de drogas ilegais, principalmente maconha, cocaína e crack,
consumida geralmente por integrantes dos setores médios e altos da sociedade. Este
comércio ilegal movimenta altas cifras e emprega vários adolescentes e jovens que
identificam aí uma oportunidade de ganhar muito mais do que o salário que
conseguiriam receber em alguma ocupação legal. O controle por pontos de venda de
drogas nas cidades e o enfrentamento com a polícia tornam esta atividade geradora
de grande violência e insegurança nas cidades, o que a faz responsável por altíssimos
índices de homicídio entre jovens pobres nas grandes cidades brasileiras.
Sabe-se que apenas um pequeno número de adolescentes e jovens dos setores
populares no Brasil envolvem-se em atividades relacionadas ao tráfico de drogas e em outras
atividades criminosas. Isto não impede, entretanto, que a sociedade identifique grande parte dos
jovens pobres, e moradores de bairros de periferia e favelas como potencialmente perigosos e
termine por tratá-los como tal. Esta é uma das situações em que o preconceito racial se expressa de
maneira mais visível no Brasil: os jovens negros e pobres são desproporcionalmente mais
identificados como fonte de ameaça e insegurança para a população do que os jovens brancos
pobres. Nestas situações a cor funciona como uma agravante no estabelecimento dos critérios de
definição dos suspeitos, seja por parte da população ou da própria polícia, em situações como
batidas e revistas policiais. PAIXÃO (1982), ao pesquisar quais eram os esteriótipos do suspeito ou do
criminoso identificados por policiais militares em Belo Horizonte (MG), observou que a cor da pele
foi um dos principais fatores identificados. Zaluar (1989) também desenvolveu pesquisas que
apontam que as características da atuação policial contribuem para que os negros sejam alvo
preferencial do policiamento repressivo.
Esta maior desconfiança
em relação aos negros como
agentes de violência ganhou
melhores contornos através de
pesquisas realizadas pelo
Datafolha e pelo ILANUD
(Instituto Latino-Americano das
Nações Unidas para a Prevenção
ao Delito e Tratamento do
Delinqüente), respectivamente
em 1995 e 1997. Ambos
trabalhos buscaram investigar a
imagem da polícia entre os
moradores de São Paulo e Rio de
Janeiro. Assim analisa o cientista
políticoTúlio Kahn:
"Se a opinião da maioria das pessoas não é
favorável à forma de atuação das polícias, existe
um grupo cuja opinião é particularmente
desfavorável e este é o grupo dos "não-brancos".
Os motivos desta desconfiança estão baseados
em grande medida na experiência própria ou no
conhecimento do trato das forças policiais com
relação aos negros e mulatos." (Kahn, 1998: 2).
A pesquisa realizada em 1995 aponta que as críticas dos brancos em relação à polícia
concentraram-se em aspectos como ineficiência e corrupção, enquanto os negros criticaram com
mais freqüência a atuação violenta da polícia: 20% dos negros afirmaram sentir medo da polícia, em
contraste com 11% dos brancos. Além disso, entre os negros foi maior o número de entrevistados
que revelaram ter mais medo da polícia do que dos bandidos.
Estas pesquisas revelam também que quase metade dos negros (47%) entrevistados
em 1995 disseram Ter sido abordados pela polícia pelo menos uma vez, em comparação com 34%
dos brancos. Os resultados foram semelhantes em 1997. Kahn aponta que "dos negros, 24%
disseram que já foram parados e ou mais vezes [pela polícia]" (KAHN, 1998: 4).
Túlio Kahn afirma também que, após ter realizado diversas pesquisas sobre a atuação
policial em relação aos negros, pode concluir que a violência é um dos principais dramas
enfrentados atualmente pela população negra no Brasil.
Uma pesquisa realizada por Adorno (1995) em São Paulo ajuda a ilustrar mais
claramente as dificuldades enfrentadas pelos negros numa outra fase do sistema de segurança
pública e administração da justiça, quando encontram-se como réus no âmbito da justiça
criminal. O objetivo deste estudo foi identificar, caracterizar e explicar as causas do acesso
diferencial de brancos e negros à justiça criminal, através da análise das sentenças judiciais para
crimes da mesma natureza praticados por negros e brancos. A pesquisa indica que "brancos e
negros cometem crimes violentos em iguais proporções, mas os réus negros tendem a ser mais
perseguidos pela vigilância policial, enfrentam maiores obstáculos de acesso à justiça criminal e
revelam maiores dificuldades de usufruir do direito de ampla defesa assegurado pelas normas
constitucionais." (ADORNO, 1995:45).
Em função destas ocorrências, o estudo conclui que os negros tendem a receber um
tratamento penal mais rigoroso, com maior probabilidade de serem punidos do que os brancos. O
autor afirma que, "por conseguinte, a cor é poderoso instrumento de discriminação na
distribuição da justiça" (Ibidem).
A pesquisa de Adorno indica uma maior incidência de prisões em flagrante para réus negros em
comparação aos brancos, assim como um maior número de réus brancos em liberdade. Além disso, o
trabalho mostra que os réus negros utilizam com mais freqüência do que os brancos os serviços da
defensoria pública e da defensoria dativa (advogados particulares pagos pelo Estado), ambas em geral
designadas para réus que não possuem recursos para contratar sua própria defesa. A defensoria pública em
geral, incluindo a dativa, encontra-se sobrecarregada de trabalho e nem sempre consegue oferecer um
serviço de qualidade ao réu, valendo-se muitas vezes de procedimentos meramente burocráticos e não
estabelecendo uma relação de proximidade com o cliente. Estas características do serviço da defensoria
levam a crer que há uma maior predisposição dos réus que fazem uso deste serviço serem condenados.
(ADORNO, 1995: 56-57).
Em relação ao desfecho processual e segundo o fato de terem ou não apresentado provas
testemunhais ao longo do processo, a análise de Adorno mostra que os brancos foram mais beneficiados
pelo uso deste direito no que diz respeito às chances de absolvição. "Entre os réus negros que deixaram de
exercer aquele direito (isto é, não arrolaram testemunhas), 30,0% foram absolvidos e 70,0% condenados;
entre os réus brancos que se valeram desse direito, o quadro muda substantivamente (...): 48,8% foram
absolvidos e 52,0% condenados. Em outras palavras, aumenta, para os réus brancos, a probabilidade de
absolvição com o exercício deste direito." (ADORNO, 1995:62).
Além disso, se analisamos a população
carcerária do País, verificamos que os negros
encontram-se numa proporção maior do que a sua
representação na população, enquanto ocorre o inverso
em relação aos brancos. Dados recentes disponíveis para
o Estado de São Paulo indicam que a taxa de
encarceramento "é de 76,8 por 100 mil habitantes para
os brancos e de 140 por 100 mil para pardos, elevando-se
para 421 por 100 mil para negros. A probabilidade de um
negro estar na prisão é portanto de 5,4 vezes maior do
que a de um branco e 3 vezes maior que a de um pardo."
(Kahn, 1999:1)
Bibliografia
ADORNO, Sérgio – "Discriminação racial e justiça criminal em São Paulo" in Novos Estudos –
CEBRAP. São Paulo, nº. 43, novembro de 1995.
CASTRO, Maria Helena G. de – Avaliação do Sistema Educacional Brasileiro: Tendências e
Perspectivas. Texto apresentado no Seminário Especial: "Um modelo de educação para o século
XXI", promovido pelo Instituto Nacional de Altos Estudos (INAE/ Fórum Nacional, realizado no Rio
de Janeiro em 31/08/98).
Degler, Charles N. – Neither Black nor White (Madison: University of Wisconsin Press, 1991).
Guimarães, Antônio Sérgio A. – "Racism and Anti-Racism in Brazil: A Postmodern Perspective" in
Racism and Anti-Racism in World Perspective, ed. B. Bowser (London: Sage, 1995).
Hasenbalg, Carlos – Os números da cor (Rio de Janeiro: Centro de Estudos Afro-Asiáticos, 1996).
Hasenbalg, Carlos & Silva, Nelson Valle – Estrutura Social, Mobilidade e Raça (São Paulo: Vértice,
1988).
Hasenbalg, Carlos & Silva, Nelson Valle – Raça e Oportunidades
Educacionais no Brasil. Estudos Afro-Asiáticos, nº 18, 1990.
Hasenbalg, Carlos & Silva, Nelson Valle – Relações raciais no Brasil contemporâneo. Rio de
Janeiro: Rio Fundo, 1992.
Hasenbalg, Carlos & Silva, Nelson Valle – Educação e Diferenças Raciais na Mobilidade
Ocupacional no Brasil. In Hasenbalg, C.; Silva, N. V. e Lima, M. – Cor e Estratificação Social. Rio de
Janeiro: Contracapa, 1999.
Hasenbalg, C.; Silva, N. V. e Lima, M. – Cor e Estratificação Social. Rio de Janeiro: Contracapa,
1999.
Heringer, Rosana – "Introduction to the Analysis of Racism and Anti-Racism in Brazil" in Racism
and Anti-Racism in World Perspective, ed. B. Bowser (London: Sage, 1995).
HERINGER, Rosana – Addressing Race Inequalities in Brazil: Lessons from the United States in
Working Paper Series No. 237. Washington, DC: Woodrow Wilson International Center for Scholars,
The Latin American Program, 1999.
Heringer, R.; Sant’anna, W.; Martins, S. and Oliveira, S. de – Negros no Brasil: dados da realidade.
Petrópolis: Vozes/ Ibase, 1989.
IBGE, 1987. Estatísticas Históricas do Brasil. Rio de Janeiro: IBGE.
IBGE, 1990. PNAD 1987 – Cor da População. Rio de janeiro: IBGE.
IBGE, 2000 – PNAD 1996. (www.ibge.gov.br )
INSPIR/ DIEESE/ AFL-CIO – Mapa da População Negra no Mercado de Trabalho. São Paulo: INSPIR
(Instituto Sindical Interamericano pela Igualdade Racial), 1999.
KAHN, Túlio – "Os Negros e a Polícia: recuperando a confiança mútua" in Boletim Conjuntura
Criminal nº. 07, 1998 (www.conjunturacriminal.com.br).
– "Justiça e discriminação racial" in Boletim Conjuntura Criminal nº. 11, 1999
(www.conjunturacriminal.com.br).
LIMA, Márcia – "O quadro atual das desigualdades" in Hasenbalg, C.; Silva, N. V. e Lima, M. – Cor e
Estratificação Social. Rio de Janeiro: Contracapa, 1999.
LOVELL, Peggy (org.) – Desigualdade Racial no Brasil Contemporâneo. Belo Horizonte:
UFMG/CEDEPLAR, 1991.
MINISTÉRIO DA JUSTIÇA/ MINISTÉRIO DAS RELAÇÕES EXTERIORES – Décimo relatório periódico
relativo à Convenção Internacional sobre a Eliminação de todas as formas de Discriminação Racial.
Brasília: FUNAG/ M. da Justiça, 1996.
MINISTÉRIO DA JUSTIÇA. Programa Nacional de Direitos Humanos. Brasília: Ministério da Justiça,
Secretaria Nacional dos Direitos Humanos, 1998.
Núcleo de Estudos da Violência/Universidade de São Paulo e Comissão Teotônio Villela,
Os DireitosHumanos no Brasil(São Paulo,NEV/CTV, 1993).
Oliveira, Lúcia Elena G. et alli – O lugar do negro na força de trabalho (Rio de Janeiro:
FIBGE, 1983).
PAIXÃO, Antônio L. – "A organização policial numa área metropolitana." In Dados –
Revista de Ciências Sociais.Rio de Janeiro,25 (1), pp.63-85.
PORTELA, Adélia L. et alli – Educação e os Afro-brasileiros: trajetórias, identidades e
alternativas.Salvador:Programa"A Cor da Bahia"/UFBA.ColeçãoNovosToques, 1997.
PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA. Construindo a Democracia Racial. Brasília: Presidência
da República,1998.
ROSEMBERG, Fúlvia – Diagnóstico sobre a situação educacional de negros (pretos e
pardos) no estado de São Paulo.2 vols. São Paulo:FundaçãoCarlosChagas,mimeo.
SANT’ANNA, Wânia and Paixão, Marcelo – "Desenvolvimento Humano e população
afrodescendenteno Brasil:uma questãode raça"in Proposta,n. 73 (1997).
Schwartzman,Simon – Cor, raçae origem no Brasil. Rio de Janeiro:1999 (artigo inédito).
SILVA JR. Hédio. Anti-Racismo: Coletânea de Leis Brasileiras (Federais, Estaduais,
Municipais).São Paulo:OliveiraMendes, 1998.
Souza, Jessé (org.) – Multiculturalismo e Racismo: uma comparação Brasil - Estados
Unidos (Brasília:Paralelo15, 1997).
VIEIRA, Andréa Costa – "Combate às desigualdades raciais no Brasil: iniciativas
governamentais".Rio de Janeiro: Artigo inédito, 2000.
WOOD, Charles H. e CARVALHO, José A. M. de – A Demografia da Desigualdade no
Brasil.Rio de Janeiro:IPEA, 1994.
ZALUAR, Alba – "A polícia e a comunidade: paradoxos da (in)convivência." In Presença –
Políticae Cultura.Rio de Janeiro,nº. 13, pp.144-53.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Cultura
CulturaCultura
Cultura
Jhonatan Max
 
DESIGUALDADES SOCIOECONÕMICAS
DESIGUALDADES SOCIOECONÕMICASDESIGUALDADES SOCIOECONÕMICAS
DESIGUALDADES SOCIOECONÕMICAS
Conceição Fontolan
 
Power Point "Racismo e Desigualdades Raciais no Brasil"
Power Point "Racismo e Desigualdades Raciais no Brasil"Power Point "Racismo e Desigualdades Raciais no Brasil"
Power Point "Racismo e Desigualdades Raciais no Brasil"
ANDI - Comunicação e Direitos
 
Diversidade etnica
Diversidade etnicaDiversidade etnica
Diversidade etnica
Cristina de Souza
 
Slides da aula de Sociologia (Luciano) sobre Desigualdade Social
Slides da aula de Sociologia (Luciano) sobre Desigualdade SocialSlides da aula de Sociologia (Luciano) sobre Desigualdade Social
Slides da aula de Sociologia (Luciano) sobre Desigualdade Social
Turma Olímpica
 
Aula 2 Mercado de trabalho e desigualdades- 2º Sociologia - Prof. Noe Assunção
Aula 2   Mercado de trabalho e desigualdades- 2º Sociologia - Prof. Noe AssunçãoAula 2   Mercado de trabalho e desigualdades- 2º Sociologia - Prof. Noe Assunção
Aula 2 Mercado de trabalho e desigualdades- 2º Sociologia - Prof. Noe Assunção
Prof. Noe Assunção
 
Projeto de vida
Projeto de vidaProjeto de vida
Projeto de vida
Andreza Oliveira
 
Dia Da Consciência Negra
Dia Da Consciência NegraDia Da Consciência Negra
Dia Da Consciência Negra
Paulo Medeiros
 
Racismo no Brasil
Racismo no BrasilRacismo no Brasil
Racismo no Brasil
progerio81
 
Atividades de sociologia
Atividades de sociologiaAtividades de sociologia
Atividades de sociologia
Atividades Diversas Cláudia
 
A Escolha de uma Profissão
A Escolha de uma ProfissãoA Escolha de uma Profissão
A Escolha de uma Profissão
Cassia Dias
 
DESIGUALDADE SOCIAL NO BRASIL
DESIGUALDADE SOCIAL NO BRASIL DESIGUALDADE SOCIAL NO BRASIL
DESIGUALDADE SOCIAL NO BRASIL
Cibele Machado
 
Slide ações afirmativas
Slide ações afirmativasSlide ações afirmativas
Slide ações afirmativas
estudosacademicospedag
 
Sexualidade e Gênero
Sexualidade e GêneroSexualidade e Gênero
Sexualidade e Gênero
Marina Godoy
 
O trabalho escravo
O trabalho escravoO trabalho escravo
O trabalho escravo
Rebeca Neiva
 
O que é cultura?
O que é cultura?O que é cultura?
O que é cultura?
Renata Telha
 
Do meio natural ao meio técnico científico informacional
Do meio natural ao meio técnico científico informacionalDo meio natural ao meio técnico científico informacional
Do meio natural ao meio técnico científico informacional
Cadernizando
 
Arquivo 1 - Escada dos Sonhos - Acolhimento Estudantes - 1 por estudante.pdf
Arquivo 1 - Escada dos Sonhos - Acolhimento Estudantes -  1 por estudante.pdfArquivo 1 - Escada dos Sonhos - Acolhimento Estudantes -  1 por estudante.pdf
Arquivo 1 - Escada dos Sonhos - Acolhimento Estudantes - 1 por estudante.pdf
ErlissonPinheiro
 
Sociologia Desigualdade Social
Sociologia Desigualdade SocialSociologia Desigualdade Social
Sociologia Desigualdade Social
Jefferson Medeiiros Araújo
 
Desigualdade De Género
Desigualdade De GéneroDesigualdade De Género
Desigualdade De Género
Instituto Monitor
 

Mais procurados (20)

Cultura
CulturaCultura
Cultura
 
DESIGUALDADES SOCIOECONÕMICAS
DESIGUALDADES SOCIOECONÕMICASDESIGUALDADES SOCIOECONÕMICAS
DESIGUALDADES SOCIOECONÕMICAS
 
Power Point "Racismo e Desigualdades Raciais no Brasil"
Power Point "Racismo e Desigualdades Raciais no Brasil"Power Point "Racismo e Desigualdades Raciais no Brasil"
Power Point "Racismo e Desigualdades Raciais no Brasil"
 
Diversidade etnica
Diversidade etnicaDiversidade etnica
Diversidade etnica
 
Slides da aula de Sociologia (Luciano) sobre Desigualdade Social
Slides da aula de Sociologia (Luciano) sobre Desigualdade SocialSlides da aula de Sociologia (Luciano) sobre Desigualdade Social
Slides da aula de Sociologia (Luciano) sobre Desigualdade Social
 
Aula 2 Mercado de trabalho e desigualdades- 2º Sociologia - Prof. Noe Assunção
Aula 2   Mercado de trabalho e desigualdades- 2º Sociologia - Prof. Noe AssunçãoAula 2   Mercado de trabalho e desigualdades- 2º Sociologia - Prof. Noe Assunção
Aula 2 Mercado de trabalho e desigualdades- 2º Sociologia - Prof. Noe Assunção
 
Projeto de vida
Projeto de vidaProjeto de vida
Projeto de vida
 
Dia Da Consciência Negra
Dia Da Consciência NegraDia Da Consciência Negra
Dia Da Consciência Negra
 
Racismo no Brasil
Racismo no BrasilRacismo no Brasil
Racismo no Brasil
 
Atividades de sociologia
Atividades de sociologiaAtividades de sociologia
Atividades de sociologia
 
A Escolha de uma Profissão
A Escolha de uma ProfissãoA Escolha de uma Profissão
A Escolha de uma Profissão
 
DESIGUALDADE SOCIAL NO BRASIL
DESIGUALDADE SOCIAL NO BRASIL DESIGUALDADE SOCIAL NO BRASIL
DESIGUALDADE SOCIAL NO BRASIL
 
Slide ações afirmativas
Slide ações afirmativasSlide ações afirmativas
Slide ações afirmativas
 
Sexualidade e Gênero
Sexualidade e GêneroSexualidade e Gênero
Sexualidade e Gênero
 
O trabalho escravo
O trabalho escravoO trabalho escravo
O trabalho escravo
 
O que é cultura?
O que é cultura?O que é cultura?
O que é cultura?
 
Do meio natural ao meio técnico científico informacional
Do meio natural ao meio técnico científico informacionalDo meio natural ao meio técnico científico informacional
Do meio natural ao meio técnico científico informacional
 
Arquivo 1 - Escada dos Sonhos - Acolhimento Estudantes - 1 por estudante.pdf
Arquivo 1 - Escada dos Sonhos - Acolhimento Estudantes -  1 por estudante.pdfArquivo 1 - Escada dos Sonhos - Acolhimento Estudantes -  1 por estudante.pdf
Arquivo 1 - Escada dos Sonhos - Acolhimento Estudantes - 1 por estudante.pdf
 
Sociologia Desigualdade Social
Sociologia Desigualdade SocialSociologia Desigualdade Social
Sociologia Desigualdade Social
 
Desigualdade De Género
Desigualdade De GéneroDesigualdade De Género
Desigualdade De Género
 

Destaque

Negros no trabalho
Negros no trabalhoNegros no trabalho
Negros no trabalho
Luiz Carlos Azenha
 
Trab classes sociais apresentação
Trab classes sociais   apresentaçãoTrab classes sociais   apresentação
Trab classes sociais apresentação
geugouvea
 
Revolução em imagens
Revolução em imagensRevolução em imagens
Revolução em imagens
Acrópole - História & Educação
 
Desigualdades raciais
Desigualdades raciaisDesigualdades raciais
Desigualdades raciais
primeiraopcao
 
A igualdade que não veio
A igualdade que não veioA igualdade que não veio
A igualdade que não veio
primeiraopcao
 
Ressignificando a história
Ressignificando a históriaRessignificando a história
Ressignificando a história
primeiraopcao
 
A situação Social da População Negra por Estado - Brasil
A situação Social da População Negra por Estado - BrasilA situação Social da População Negra por Estado - Brasil
A situação Social da População Negra por Estado - Brasil
Fabricio Rocha
 

Destaque (7)

Negros no trabalho
Negros no trabalhoNegros no trabalho
Negros no trabalho
 
Trab classes sociais apresentação
Trab classes sociais   apresentaçãoTrab classes sociais   apresentação
Trab classes sociais apresentação
 
Revolução em imagens
Revolução em imagensRevolução em imagens
Revolução em imagens
 
Desigualdades raciais
Desigualdades raciaisDesigualdades raciais
Desigualdades raciais
 
A igualdade que não veio
A igualdade que não veioA igualdade que não veio
A igualdade que não veio
 
Ressignificando a história
Ressignificando a históriaRessignificando a história
Ressignificando a história
 
A situação Social da População Negra por Estado - Brasil
A situação Social da População Negra por Estado - BrasilA situação Social da População Negra por Estado - Brasil
A situação Social da População Negra por Estado - Brasil
 

Semelhante a Desigualdades raciais no brasil

Roseli ct nacional_2010
Roseli ct nacional_2010Roseli ct nacional_2010
Roseli ct nacional_2010
Estati
 
Identidade Fragmentada - racismo - sistema de cotas
Identidade Fragmentada - racismo - sistema de cotasIdentidade Fragmentada - racismo - sistema de cotas
Identidade Fragmentada - racismo - sistema de cotas
Paulo Ferreira
 
Dados Sobre As Desigualdades Raciais No Brasil Site Mundo Negro
Dados Sobre As Desigualdades Raciais No Brasil   Site Mundo NegroDados Sobre As Desigualdades Raciais No Brasil   Site Mundo Negro
Dados Sobre As Desigualdades Raciais No Brasil Site Mundo Negro
guesta7e113
 
Slaide eitnico racial
Slaide eitnico racialSlaide eitnico racial
Slaide eitnico racial
Sebastião Neto
 
Slaide eitnico racial
Slaide eitnico racialSlaide eitnico racial
Slaide eitnico racial
Sebastião Neto
 
Brasil: 122 anos da abolição da Escravatura - Igualdade Racial, Direito a ser...
Brasil: 122 anos da abolição da Escravatura - Igualdade Racial, Direito a ser...Brasil: 122 anos da abolição da Escravatura - Igualdade Racial, Direito a ser...
Brasil: 122 anos da abolição da Escravatura - Igualdade Racial, Direito a ser...
Gleisi Hoffmann
 
Abc das desigualdades_raciais
Abc das desigualdades_raciaisAbc das desigualdades_raciais
Abc das desigualdades_raciais
População Negra e Saúde
 
AULA 1 - PSICOLOGIA E RELAÇÕES ETNICO-RACIAIS.pdf
AULA 1 - PSICOLOGIA E RELAÇÕES ETNICO-RACIAIS.pdfAULA 1 - PSICOLOGIA E RELAÇÕES ETNICO-RACIAIS.pdf
AULA 1 - PSICOLOGIA E RELAÇÕES ETNICO-RACIAIS.pdf
SilierAndradeCardoso
 
Desigualdade Etnico Racial
Desigualdade Etnico RacialDesigualdade Etnico Racial
Desigualdade Etnico Racial
Lucas Nunes de Souza
 
Teses apresentadas nos congressos nacionais da nsb
Teses apresentadas nos congressos nacionais da nsbTeses apresentadas nos congressos nacionais da nsb
Teses apresentadas nos congressos nacionais da nsb
Sergiana Helmer
 
Índice mostra que desigualdade racial condena negros a menos renda ensino e e...
Índice mostra que desigualdade racial condena negros a menos renda ensino e e...Índice mostra que desigualdade racial condena negros a menos renda ensino e e...
Índice mostra que desigualdade racial condena negros a menos renda ensino e e...
TRAMPO Comunicação e Eventos Soares
 
Pesquisa Retrato Das Desigualdades
Pesquisa Retrato Das DesigualdadesPesquisa Retrato Das Desigualdades
Pesquisa Retrato Das Desigualdades
guesta7e113
 
16467 50753-1-pb
16467 50753-1-pb16467 50753-1-pb
16467 50753-1-pb
BBianca SSantos
 
Mulheres
MulheresMulheres
Mulheres
Rafael Dantas
 
Apresentação da nota sobre desigualdade social 2017
Apresentação da nota sobre desigualdade social 2017Apresentação da nota sobre desigualdade social 2017
Apresentação da nota sobre desigualdade social 2017
Valerio Arcary
 
Negro e Educação
Negro e EducaçãoNegro e Educação
Negro e Educação
Ivy Silva Cunha
 
Desenvolvimento Humano para Além das Médias
Desenvolvimento Humano para Além das MédiasDesenvolvimento Humano para Além das Médias
Desenvolvimento Humano para Além das Médias
Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada
 
Racismo institucional e o direito humano à saúde
Racismo institucional  e o direito humano à saúdeRacismo institucional  e o direito humano à saúde
Racismo institucional e o direito humano à saúde
População Negra e Saúde
 
Conclusão do Relatório
Conclusão do RelatórioConclusão do Relatório
Conclusão do Relatório
Jamildo Melo
 
Para alem dos numeros
Para alem dos numerosPara alem dos numeros
Para alem dos numeros
População Negra e Saúde
 

Semelhante a Desigualdades raciais no brasil (20)

Roseli ct nacional_2010
Roseli ct nacional_2010Roseli ct nacional_2010
Roseli ct nacional_2010
 
Identidade Fragmentada - racismo - sistema de cotas
Identidade Fragmentada - racismo - sistema de cotasIdentidade Fragmentada - racismo - sistema de cotas
Identidade Fragmentada - racismo - sistema de cotas
 
Dados Sobre As Desigualdades Raciais No Brasil Site Mundo Negro
Dados Sobre As Desigualdades Raciais No Brasil   Site Mundo NegroDados Sobre As Desigualdades Raciais No Brasil   Site Mundo Negro
Dados Sobre As Desigualdades Raciais No Brasil Site Mundo Negro
 
Slaide eitnico racial
Slaide eitnico racialSlaide eitnico racial
Slaide eitnico racial
 
Slaide eitnico racial
Slaide eitnico racialSlaide eitnico racial
Slaide eitnico racial
 
Brasil: 122 anos da abolição da Escravatura - Igualdade Racial, Direito a ser...
Brasil: 122 anos da abolição da Escravatura - Igualdade Racial, Direito a ser...Brasil: 122 anos da abolição da Escravatura - Igualdade Racial, Direito a ser...
Brasil: 122 anos da abolição da Escravatura - Igualdade Racial, Direito a ser...
 
Abc das desigualdades_raciais
Abc das desigualdades_raciaisAbc das desigualdades_raciais
Abc das desigualdades_raciais
 
AULA 1 - PSICOLOGIA E RELAÇÕES ETNICO-RACIAIS.pdf
AULA 1 - PSICOLOGIA E RELAÇÕES ETNICO-RACIAIS.pdfAULA 1 - PSICOLOGIA E RELAÇÕES ETNICO-RACIAIS.pdf
AULA 1 - PSICOLOGIA E RELAÇÕES ETNICO-RACIAIS.pdf
 
Desigualdade Etnico Racial
Desigualdade Etnico RacialDesigualdade Etnico Racial
Desigualdade Etnico Racial
 
Teses apresentadas nos congressos nacionais da nsb
Teses apresentadas nos congressos nacionais da nsbTeses apresentadas nos congressos nacionais da nsb
Teses apresentadas nos congressos nacionais da nsb
 
Índice mostra que desigualdade racial condena negros a menos renda ensino e e...
Índice mostra que desigualdade racial condena negros a menos renda ensino e e...Índice mostra que desigualdade racial condena negros a menos renda ensino e e...
Índice mostra que desigualdade racial condena negros a menos renda ensino e e...
 
Pesquisa Retrato Das Desigualdades
Pesquisa Retrato Das DesigualdadesPesquisa Retrato Das Desigualdades
Pesquisa Retrato Das Desigualdades
 
16467 50753-1-pb
16467 50753-1-pb16467 50753-1-pb
16467 50753-1-pb
 
Mulheres
MulheresMulheres
Mulheres
 
Apresentação da nota sobre desigualdade social 2017
Apresentação da nota sobre desigualdade social 2017Apresentação da nota sobre desigualdade social 2017
Apresentação da nota sobre desigualdade social 2017
 
Negro e Educação
Negro e EducaçãoNegro e Educação
Negro e Educação
 
Desenvolvimento Humano para Além das Médias
Desenvolvimento Humano para Além das MédiasDesenvolvimento Humano para Além das Médias
Desenvolvimento Humano para Além das Médias
 
Racismo institucional e o direito humano à saúde
Racismo institucional  e o direito humano à saúdeRacismo institucional  e o direito humano à saúde
Racismo institucional e o direito humano à saúde
 
Conclusão do Relatório
Conclusão do RelatórioConclusão do Relatório
Conclusão do Relatório
 
Para alem dos numeros
Para alem dos numerosPara alem dos numeros
Para alem dos numeros
 

Mais de primeiraopcao

A desigualdade racial
A desigualdade racialA desigualdade racial
A desigualdade racial
primeiraopcao
 
Educação a distância: conceitos e história no Brasil e no mundo
Educação a distância: conceitos  e história no Brasil e no mundoEducação a distância: conceitos  e história no Brasil e no mundo
Educação a distância: conceitos e história no Brasil e no mundo
primeiraopcao
 
Disciplina: construção da disciplina consciente e interativa em sala de aula ...
Disciplina: construção da disciplina consciente e interativa em sala de aula ...Disciplina: construção da disciplina consciente e interativa em sala de aula ...
Disciplina: construção da disciplina consciente e interativa em sala de aula ...
primeiraopcao
 
Indisciplina escolar: diferentes olhares teóricos
Indisciplina escolar: diferentes olhares teóricosIndisciplina escolar: diferentes olhares teóricos
Indisciplina escolar: diferentes olhares teóricos
primeiraopcao
 
Os motivos da indisciplina na escola: a perspectiva dos alunos
Os motivos da indisciplina na escola: a perspectiva dos alunosOs motivos da indisciplina na escola: a perspectiva dos alunos
Os motivos da indisciplina na escola: a perspectiva dos alunos
primeiraopcao
 
Os desafios da indisciplina em sala de aula e na escola
Os desafios da indisciplina em sala de aula e na escolaOs desafios da indisciplina em sala de aula e na escola
Os desafios da indisciplina em sala de aula e na escola
primeiraopcao
 
Direitos e-normas-disciplinares-dos-alunos
Direitos e-normas-disciplinares-dos-alunosDireitos e-normas-disciplinares-dos-alunos
Direitos e-normas-disciplinares-dos-alunos
primeiraopcao
 
11 cultura afro brasileira e cultura indígena
11 cultura afro brasileira e cultura indígena11 cultura afro brasileira e cultura indígena
11 cultura afro brasileira e cultura indígena
primeiraopcao
 
08 as tecnologias de comunicação e a construção do conhecimento em comunidade...
08 as tecnologias de comunicação e a construção do conhecimento em comunidade...08 as tecnologias de comunicação e a construção do conhecimento em comunidade...
08 as tecnologias de comunicação e a construção do conhecimento em comunidade...
primeiraopcao
 
07 aperfeiçoamento em estudos indígenas
07 aperfeiçoamento em estudos indígenas07 aperfeiçoamento em estudos indígenas
07 aperfeiçoamento em estudos indígenas
primeiraopcao
 
05 cultura e identidades indígenas
05 cultura e identidades indígenas05 cultura e identidades indígenas
05 cultura e identidades indígenas
primeiraopcao
 
patrimônio cultural povos indígenas
patrimônio cultural   povos indígenaspatrimônio cultural   povos indígenas
patrimônio cultural povos indígenas
primeiraopcao
 
Cantigas infantis
Cantigas infantisCantigas infantis
Cantigas infantis
primeiraopcao
 
Receitas africanas
Receitas africanasReceitas africanas
Receitas africanas
primeiraopcao
 
Contos africanos
Contos africanosContos africanos
Contos africanos
primeiraopcao
 
Mitologia dos orixás
Mitologia dos orixásMitologia dos orixás
Mitologia dos orixás
primeiraopcao
 
Presenças africanas
Presenças africanasPresenças africanas
Presenças africanas
primeiraopcao
 
O ensino da história africana
O ensino da história africanaO ensino da história africana
O ensino da história africana
primeiraopcao
 
Entrevista com Kabengele Munanga
Entrevista com Kabengele MunangaEntrevista com Kabengele Munanga
Entrevista com Kabengele Munanga
primeiraopcao
 
como fazer sequência didática
como fazer sequência didáticacomo fazer sequência didática
como fazer sequência didática
primeiraopcao
 

Mais de primeiraopcao (20)

A desigualdade racial
A desigualdade racialA desigualdade racial
A desigualdade racial
 
Educação a distância: conceitos e história no Brasil e no mundo
Educação a distância: conceitos  e história no Brasil e no mundoEducação a distância: conceitos  e história no Brasil e no mundo
Educação a distância: conceitos e história no Brasil e no mundo
 
Disciplina: construção da disciplina consciente e interativa em sala de aula ...
Disciplina: construção da disciplina consciente e interativa em sala de aula ...Disciplina: construção da disciplina consciente e interativa em sala de aula ...
Disciplina: construção da disciplina consciente e interativa em sala de aula ...
 
Indisciplina escolar: diferentes olhares teóricos
Indisciplina escolar: diferentes olhares teóricosIndisciplina escolar: diferentes olhares teóricos
Indisciplina escolar: diferentes olhares teóricos
 
Os motivos da indisciplina na escola: a perspectiva dos alunos
Os motivos da indisciplina na escola: a perspectiva dos alunosOs motivos da indisciplina na escola: a perspectiva dos alunos
Os motivos da indisciplina na escola: a perspectiva dos alunos
 
Os desafios da indisciplina em sala de aula e na escola
Os desafios da indisciplina em sala de aula e na escolaOs desafios da indisciplina em sala de aula e na escola
Os desafios da indisciplina em sala de aula e na escola
 
Direitos e-normas-disciplinares-dos-alunos
Direitos e-normas-disciplinares-dos-alunosDireitos e-normas-disciplinares-dos-alunos
Direitos e-normas-disciplinares-dos-alunos
 
11 cultura afro brasileira e cultura indígena
11 cultura afro brasileira e cultura indígena11 cultura afro brasileira e cultura indígena
11 cultura afro brasileira e cultura indígena
 
08 as tecnologias de comunicação e a construção do conhecimento em comunidade...
08 as tecnologias de comunicação e a construção do conhecimento em comunidade...08 as tecnologias de comunicação e a construção do conhecimento em comunidade...
08 as tecnologias de comunicação e a construção do conhecimento em comunidade...
 
07 aperfeiçoamento em estudos indígenas
07 aperfeiçoamento em estudos indígenas07 aperfeiçoamento em estudos indígenas
07 aperfeiçoamento em estudos indígenas
 
05 cultura e identidades indígenas
05 cultura e identidades indígenas05 cultura e identidades indígenas
05 cultura e identidades indígenas
 
patrimônio cultural povos indígenas
patrimônio cultural   povos indígenaspatrimônio cultural   povos indígenas
patrimônio cultural povos indígenas
 
Cantigas infantis
Cantigas infantisCantigas infantis
Cantigas infantis
 
Receitas africanas
Receitas africanasReceitas africanas
Receitas africanas
 
Contos africanos
Contos africanosContos africanos
Contos africanos
 
Mitologia dos orixás
Mitologia dos orixásMitologia dos orixás
Mitologia dos orixás
 
Presenças africanas
Presenças africanasPresenças africanas
Presenças africanas
 
O ensino da história africana
O ensino da história africanaO ensino da história africana
O ensino da história africana
 
Entrevista com Kabengele Munanga
Entrevista com Kabengele MunangaEntrevista com Kabengele Munanga
Entrevista com Kabengele Munanga
 
como fazer sequência didática
como fazer sequência didáticacomo fazer sequência didática
como fazer sequência didática
 

Último

.Template .padrao .slides .TCC .2024 ppt
.Template .padrao .slides .TCC .2024 ppt.Template .padrao .slides .TCC .2024 ppt
.Template .padrao .slides .TCC .2024 ppt
IslanderAndrade
 
Caderno de Resumos XVIII ENPFil UFU, IX EPGFil UFU E VII EPFEM.pdf
Caderno de Resumos XVIII ENPFil UFU, IX EPGFil UFU E VII EPFEM.pdfCaderno de Resumos XVIII ENPFil UFU, IX EPGFil UFU E VII EPFEM.pdf
Caderno de Resumos XVIII ENPFil UFU, IX EPGFil UFU E VII EPFEM.pdf
enpfilosofiaufu
 
PowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdf
PowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdfPowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdf
PowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdf
1000a
 
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.pptEstrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
livrosjovert
 
educação inclusiva na atualidade como ela se estabelece atualmente
educação inclusiva na atualidade como ela se estabelece atualmenteeducação inclusiva na atualidade como ela se estabelece atualmente
educação inclusiva na atualidade como ela se estabelece atualmente
DeuzinhaAzevedo
 
Caça-palavras - ortografia S, SS, X, C e Z
Caça-palavras - ortografia  S, SS, X, C e ZCaça-palavras - ortografia  S, SS, X, C e Z
Caça-palavras - ortografia S, SS, X, C e Z
Mary Alvarenga
 
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantilVogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
mamaeieby
 
Leonardo da Vinci .pptx
Leonardo da Vinci                  .pptxLeonardo da Vinci                  .pptx
Leonardo da Vinci .pptx
TomasSousa7
 
O sentimento nacional brasiliero, segundo o historiador Jose Murlo de Carvalho
O sentimento nacional brasiliero, segundo o historiador Jose Murlo de CarvalhoO sentimento nacional brasiliero, segundo o historiador Jose Murlo de Carvalho
O sentimento nacional brasiliero, segundo o historiador Jose Murlo de Carvalho
analuisasesso
 
759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf
759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf
759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf
MessiasMarianoG
 
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
AntnioManuelAgdoma
 
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sonsAula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Érika Rufo
 
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptxSlides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Caça-palavras ortografia M antes de P e B.
Caça-palavras    ortografia M antes de P e B.Caça-palavras    ortografia M antes de P e B.
Caça-palavras ortografia M antes de P e B.
Mary Alvarenga
 
UFCD_5420_Integração de sistemas de informação - conceitos_índice.pdf
UFCD_5420_Integração de sistemas de informação - conceitos_índice.pdfUFCD_5420_Integração de sistemas de informação - conceitos_índice.pdf
UFCD_5420_Integração de sistemas de informação - conceitos_índice.pdf
Manuais Formação
 
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptxTreinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
MarcosPaulo777883
 
Funções e Progressões - Livro completo prisma
Funções e Progressões - Livro completo prismaFunções e Progressões - Livro completo prisma
Funções e Progressões - Livro completo prisma
djincognito
 
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
ValdineyRodriguesBez1
 
Especialidade - Animais Ameaçados de Extinção(1).pdf
Especialidade - Animais Ameaçados de Extinção(1).pdfEspecialidade - Animais Ameaçados de Extinção(1).pdf
Especialidade - Animais Ameaçados de Extinção(1).pdf
DanielCastro80471
 
Fernão Lopes. pptx
Fernão Lopes.                       pptxFernão Lopes.                       pptx
Fernão Lopes. pptx
TomasSousa7
 

Último (20)

.Template .padrao .slides .TCC .2024 ppt
.Template .padrao .slides .TCC .2024 ppt.Template .padrao .slides .TCC .2024 ppt
.Template .padrao .slides .TCC .2024 ppt
 
Caderno de Resumos XVIII ENPFil UFU, IX EPGFil UFU E VII EPFEM.pdf
Caderno de Resumos XVIII ENPFil UFU, IX EPGFil UFU E VII EPFEM.pdfCaderno de Resumos XVIII ENPFil UFU, IX EPGFil UFU E VII EPFEM.pdf
Caderno de Resumos XVIII ENPFil UFU, IX EPGFil UFU E VII EPFEM.pdf
 
PowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdf
PowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdfPowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdf
PowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdf
 
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.pptEstrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
 
educação inclusiva na atualidade como ela se estabelece atualmente
educação inclusiva na atualidade como ela se estabelece atualmenteeducação inclusiva na atualidade como ela se estabelece atualmente
educação inclusiva na atualidade como ela se estabelece atualmente
 
Caça-palavras - ortografia S, SS, X, C e Z
Caça-palavras - ortografia  S, SS, X, C e ZCaça-palavras - ortografia  S, SS, X, C e Z
Caça-palavras - ortografia S, SS, X, C e Z
 
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantilVogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
 
Leonardo da Vinci .pptx
Leonardo da Vinci                  .pptxLeonardo da Vinci                  .pptx
Leonardo da Vinci .pptx
 
O sentimento nacional brasiliero, segundo o historiador Jose Murlo de Carvalho
O sentimento nacional brasiliero, segundo o historiador Jose Murlo de CarvalhoO sentimento nacional brasiliero, segundo o historiador Jose Murlo de Carvalho
O sentimento nacional brasiliero, segundo o historiador Jose Murlo de Carvalho
 
759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf
759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf
759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf
 
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
 
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sonsAula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
 
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptxSlides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
 
Caça-palavras ortografia M antes de P e B.
Caça-palavras    ortografia M antes de P e B.Caça-palavras    ortografia M antes de P e B.
Caça-palavras ortografia M antes de P e B.
 
UFCD_5420_Integração de sistemas de informação - conceitos_índice.pdf
UFCD_5420_Integração de sistemas de informação - conceitos_índice.pdfUFCD_5420_Integração de sistemas de informação - conceitos_índice.pdf
UFCD_5420_Integração de sistemas de informação - conceitos_índice.pdf
 
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptxTreinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
 
Funções e Progressões - Livro completo prisma
Funções e Progressões - Livro completo prismaFunções e Progressões - Livro completo prisma
Funções e Progressões - Livro completo prisma
 
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
 
Especialidade - Animais Ameaçados de Extinção(1).pdf
Especialidade - Animais Ameaçados de Extinção(1).pdfEspecialidade - Animais Ameaçados de Extinção(1).pdf
Especialidade - Animais Ameaçados de Extinção(1).pdf
 
Fernão Lopes. pptx
Fernão Lopes.                       pptxFernão Lopes.                       pptx
Fernão Lopes. pptx
 

Desigualdades raciais no brasil

  • 1. Desigualdades Raciais no Brasil Escritório Nacional "Zumbi dos Palmares" Consultoria Rosana Heringer
  • 2. Desigualdades Raciais no Brasil Pesquisas mostram que os negros estão em desvantagem em relação aos brancos em âmbito geral: na infra-estrutura urbana e habitação, no acesso à educação e justiça, no mercado de trabalho e na distribuição de renda. Escritório Nacional "Zumbi dos Palmares" Consultoria Rosana Heringer
  • 3. Desigualdades Raciais no Brasil Critérios de classificação racial e distribuição da população brasileira segundo cor/raça O Censo brasileiro pede às pessoas que se classifiquem dentro de uma das cinco categorias seguintes: branco, preto, pardo, indígena ou amarelo (oriental). Segundo dados do IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística) de 1996, pretos e pardos constituem 45% de toda a população e 98,7% da população não branca. A fim de aperfeiçoar, no censo do ano 2000, as opções de classificação contidas no quesito cor/raça, o IBGE realizou um pré-teste em 1998 junto a uma amostra de 90 mil pessoas em seis áreas metropolitanas do País. Neste teste foi incluída uma pergunta sobre a origem dos entrevistados ("Qual a origem que o (a) senhor (a) considera ter?"). Tanto nas respostas à pergunta aberta quanto à formulação fechada, a opção "origem brasileira" foi escolhida pela grande maioria dos entrevistados (85,7% e 86,6%, respectivamente). A partir deste pré-teste, a comissão consultativa do Censo 2000 recomendou ao IBGE manter as mesmas cinco categorias utilizadas atualmente (Schwartzman, 1999).
  • 4. A distribuição regional de brancos e negros apresenta-se bastante diferenciada, com grande concentração da população afro-brasileira nas regiões Nordeste e Norte. O Sul do País possui população majoritariamente branca e a região Centro-Oeste apresenta uma distribuição equilibrada entre brancos e negros, similar à distribuição nacional. O fato de a população negra estar concentrada principalmente nas regiões mais pobres do País já indica que a mesma encontra-se mais vulnerável no que diz respeito às condições de vida e ao acesso a serviços básicos. As informações que poderiam nos fornecer esta caracterização são escassas. Entretanto, alguns indicadores revelam que a população negra no Brasil vivencia condições mais precárias na sua luta pela sobrevivência. Pela Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios de 1996 podemos observar também que as taxas de mortalidade infantil das crianças até um ano de vida e entre crianças menores de cinco anos são maiores na população negra. Esta situação se acentua na região Nordeste, onde a taxa de mortalidade de crianças negras até cinco anos é de 102,1 por mil nascidos vivos. A desigualdade, entretanto, não se restringe ao Nordeste, já que as taxas de mortalidade infantil das crianças negras no Sudeste também são maiores do que a das brancas (25,1 e 43,1 – mortalidade infantil; 30,9 e 52,7 – mortalidade de menores de 5 anos de idade, respectivamente).
  • 5. Infra-estrutura urbana e habitação É de conhecimento geral a estreita relação entre as condições de saúde e o acesso à infra-estrutura básica em termos de serviços públicos tais como saneamento básico, coleta de lixo e acesso à eletricidade, entre outros. Também pela Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios de 1996 podemos ver que brancos e negros no Brasil têm acesso desigual a estes serviços. No que diz respeito à rede de esgoto, por exemplo, apenas metade dos negros tem acesso a ele, enquanto 73,6% dos brancos o possuem. Outros indicadores de condições de vida e acesso a serviços disponíveis para o ano de 1987 revelam mais aspectos de desigualdades entre negros e brancos no que diz respeito à infra-estrutura urbana. O percentual da população que vivia em barracos, predominantes em favelas, era de 3.4 para os brancos, 13.9 para os pretos e 13.3 para os pardos em 1987. No mesmo ano, o percentual da população que vivia em bairros sem coleta de lixo era de 18.3 para brancos, 34.1 para pretos e 39.5 para pardos. A porcentagem das pessoas que viviam em domicílios sem eletricidade era de 10.2 para brancos, 21.7 para pretos e 28.0 para pardos. Ainda que este quadro tenha melhorado para o conjunto do País ao longo da década, as diferenças entre negros e brancos permanecem.
  • 6. Baseados nesses e em outros dados, os pesquisadores Wânia Sant’anna e Marcelo Paixão utilizaram o Índice de Desenvolvimento Humano (IDH), usado pelo Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD), para calcular a qualidade de vida relativa da população afro- brasileira (pretos e pardos). O IDH do conjunto da população brasileira era de 0.796 (para um máximo de 1.000). Para os afro-brasileiros, o IDH era 0.573. "O IDH para os afro-brasileiros é pior do que o dos países latino-americanos, exceto Nicarágua, que vêm logo atrás com 0.568. (...) Uma triste situação para o paraíso da democracia racial..." (Sant’anna & Paixão, 1997:33).
  • 7. Acesso à educação Uma primeira constatação sobre o acesso à educação (com base na Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios de 1996) é a baixa escolaridade da população brasileira como um todo, já que a média do País é de apenas 5,3 anos de estudo. Supondo que não haja repetência, isto equivaleria apenas à conclusão da 5ª série do ensino básico. Um outro aspecto a se levar em conta é a diferença em termos de anos de estudo entre negros e brancos. Estes últimos possuem em média dois anos de estudo a mais que os negros. Se compararmos a situação dos anos de estudo efetivamente cursados pelas pessoas de 15 anos ou mais entre 1988 e 1996 verificamos que houve um aumento da escolaridade dos brasileiros no período. Entretanto, esta ampliação do acesso à escola não se traduziu numa diminuição das desigualdades raciais, já que a proporção de negros entre as pessoas com 12 anos ou mais de estudo (equivalente aos que concluíram o ensino médio e possuem curso superior) é de apenas 2,8%, quase quatro vezes menos do que os brancos na mesma faixa (10,9%).
  • 8. Por outro lado, a proporção de negros entre aqueles sem instrução ou com menos de um ano de estudo continua em 1996 a ser mais do dobro da proporção de brancos nesta faixa. Dados de pesquisas realizadas especificamente sobre a situação educacional da população negra indicam que, mesmo quando se controla o valor do rendimento familiar per capita, "a taxa de escolarização de negros é inferior a dos brancos; os brancos apresentam uma porcentagem maior de crianças sem atraso escolar; e maior proporção de alunos negros frequenta escolas que oferecem cursos com menor número de horas de aula" (ROSEMBERG, 1986; HASENBALG& SILVA, 1990). Este quadro geral da situação educacional dos negros no Brasil representa uma das principais dificuldades a serem enfrentadas a fim de gerar maior igualdade de oportunidades entre brancos e negros no país. Atenta a este cenário, a presidente do Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais – INEP, ligado ao Ministério da Educação, afirmou em artigo recente que "a população negra continua apresentando um nível de escolaridade mais baixo. Esta é uma das prioridades para uma política de equidade e integração socioeconômicas que requer uma ação mais afirmativa do poder público e da sociedade." (CASTRO, 1998:8-9).
  • 9. Mercado de trabalho e distribuição de renda "Mais de um século depois da abolição da escravidão, o trabalho manual continua a ser o lugar reservado para os afro-brasileiros. Em oposição ao que afirmaram as teorias sobre modernização, a estrutura de transição fornecida pelo rápido crescimento econômico nas últimas décadas não parece ter contribuído para diminuir de maneira significativa à distância existente entre os grupos raciais presentes na população“ (Hasenbalg, 1996:15).
  • 10. Os negros brasileiros têm feito pouco progresso na conquista de profissões de maior prestígio social, no estabelecimento de seus próprios negócios e na ocupação de posições de poder político. Eles ainda concentram-se em atividades manuais que exigem pouca qualificação e escolaridade formal. As desvantagens acumuladas através da história brasileira tornaram o sucesso difícil para a população afro-brasileira. Informações recentes, obtidas a partir de pesquisa específica realizada em seis regiões metropolitanas do País indicam que a desigualdade racial está presente nos mais variados indicadores associados ao desempenho de brancos e negros no mercado de trabalho. Na região metropolitana de São Paulo, a maior cidade brasileira, a taxa de desemprego entre os homens negros é de 20,9%, enquanto esta taxa é de 13,8% entre os brancos (INSPIR et alli, 1999: 29). Como afirma o relatório sobre desigualdades raciais no mercado de trabalho, "é preciso que o Estado invista em políticas públicas e implemente de fato a Convenção 111 da OIT, invertendo a lógica da estrutura de oportunidades, que está profundamente marcada por práticas violadoras de direitos e de discriminações baseadas na raça e no sexo".(Inspir et alli, 1999: 8).
  • 11. A pesquisa revela que apenas 1,9% dos negros ocupados em São Paulo são empregadores, em comparação aos 7,2% de brancos nesta posição, enquanto mais da metade das mulheres negras (56,3%) estão ocupadas como domésticas ou mensalistas (INSPIR et alli, 1999). No que diz respeito à distribuição dos ocupados por grupos de ocupação, os dados demonstram que apenas 5,9% dos negros ocupam cargos de direção e planejamento, enquanto 21,4% dos brancos encontram-se nesta posição. O mesmo ocorre em relação aos cargos de gerência (3,6% e 11,7, respectivamente) e planejamento (2,3% e 9,7%) (INSPIR et alli, 1999). O quadro de desigualdade entre negros e brancos está relacionado tanto a fatores estruturais quanto à discriminação. Entre os fatores estruturais, sem dúvida o mais significativo é o componente educacional. Ao se situarem nos grupos com menor acesso à educação formal, os negros também ocupam postos de menor prestígio no mercado de trabalho.
  • 12. A Pesquisa de Emprego e Desemprego elaborada pelo Dieese em convênio com o Seade demonstra que, em 1998, enquanto 32,8% dos brancos ocupados na Região Metropolitana de São Paulo possuíam escolaridade até o 1º grau incompleto (ensino fundamental), cerca de 54% dos negros estavam nesta posição. A situação se inverte quando analisamos a faixa equivalente ao ensino médio e ao ensino superior. Neste último grupo a proporção de brancos equivale a quase cinco vezes a dos negros. No que diz respeito ao rendimento, negros e brancos também possuem situações desiguais. Ainda no caso da Região Metropolitana de São Paulo, esta mesma pesquisa revela que apenas 5,3% dos negros ocupados recebem mais de 10 salários mínimos. Este fato poderia ser interpretado – e em muitos casos o é – como decorrente somente do menor grau de instrução dos negros. Entretanto, o estudo revela o contrário, ao mostrar que, mesmo quando se encontram em iguais condições de escolaridade, negros e brancos possuem rendimentos diferenciados. Esta situação se agrava principalmente nos grupos com grau de instrução mais elevado. Tal fato pode ser atribuído à ausência, entre os negros, de redes pessoais que permitam maior acesso a melhores oportunidades de emprego. Também pode ser atribuído à sub-remuneração e à sub-utilização de mão-de-obra negra qualificada, decorrente da discriminação racial.
  • 13. Este quadro apresentado para a Região Metropolitana de São Paulo não se constitui num caso isolado. Ao contrário, reproduz-se em todo o país, provavelmente de formas mais acentuadas em regiões com menor circulação de riqueza e atividade econômica menos dinâmica. Alguns indicadores de renda ajudam-nos a analisar este quadro para o conjunto do país. Utilizando dados da PNAD (Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios) 1996, LIMA (1999) apresenta a distribuição de renda da População Economicamente Ativa (PEA) brasileira segundo quartis. Esta divisão permite-nos identificar quantas pessoas encontram-se entre os 25% com menor rendimento (Quartil 1), nos 25% imediatamente seguintes (Quartil 2), nos 25% seguintes (Quartil 3) e, finalmente, nos 25% onde se encontra a parcela com maiores rendimentos (Quartil 4). Negros e brancos encontram-se inversamente representados nos extremos (25% mais pobres – Quartil 1; e 25% mais ricos – Quartil 4). Esta situação permaneceu praticamente inalterada entre 1988 e 1996. Cerca de 60% dos negros encontram-se concentrados nos dois primeiros quartis, enquanto 40% dos brancos encontram-se neste grupo. Há uma convergência entre a renda de brancos e negros na faixa intermediária e, no Quartil 4, de renda mais alta, ocorre a inversão: o número de brancos (32,2%) é o dobro do dos pretos (14,1%) e dos pardos (14,5%). Vale a pena observar a desigualdade entre brancos e negros no que diz respeito à mobilidade ocupacional entre gerações, isto é, a situação ocupacional do indivíduo em relação à ocupação do pai. Hasenbalg e Silva (1999) demonstram que "os brancos têm uma vantagem significativa em termos de mobilidade ocupacional ascendente; pouco mais da metade deles (52,5%) encontram-se em grupos ocupacionais mais elevados que os de seus pais, ao passo que isso ocorre com somente 43,9% dos pardos e 45,5% dos pretos" (pág. 223). Estes autores concluem que "os grupos não-brancos estão sujeitos a um ‘processo de cumulação de desvantagens’ ao longo de suas trajetórias sociais" (pág. 218).
  • 14. Vitimização e acesso à justiça Nas grandes cidades brasileiras, principalmente nos bairros mais pobres e favelas, é comum a existência de quadrilhas organizadas que controlam a distribuição e venda de drogas ilegais, principalmente maconha, cocaína e crack, consumida geralmente por integrantes dos setores médios e altos da sociedade. Este comércio ilegal movimenta altas cifras e emprega vários adolescentes e jovens que identificam aí uma oportunidade de ganhar muito mais do que o salário que conseguiriam receber em alguma ocupação legal. O controle por pontos de venda de drogas nas cidades e o enfrentamento com a polícia tornam esta atividade geradora de grande violência e insegurança nas cidades, o que a faz responsável por altíssimos índices de homicídio entre jovens pobres nas grandes cidades brasileiras.
  • 15. Sabe-se que apenas um pequeno número de adolescentes e jovens dos setores populares no Brasil envolvem-se em atividades relacionadas ao tráfico de drogas e em outras atividades criminosas. Isto não impede, entretanto, que a sociedade identifique grande parte dos jovens pobres, e moradores de bairros de periferia e favelas como potencialmente perigosos e termine por tratá-los como tal. Esta é uma das situações em que o preconceito racial se expressa de maneira mais visível no Brasil: os jovens negros e pobres são desproporcionalmente mais identificados como fonte de ameaça e insegurança para a população do que os jovens brancos pobres. Nestas situações a cor funciona como uma agravante no estabelecimento dos critérios de definição dos suspeitos, seja por parte da população ou da própria polícia, em situações como batidas e revistas policiais. PAIXÃO (1982), ao pesquisar quais eram os esteriótipos do suspeito ou do criminoso identificados por policiais militares em Belo Horizonte (MG), observou que a cor da pele foi um dos principais fatores identificados. Zaluar (1989) também desenvolveu pesquisas que apontam que as características da atuação policial contribuem para que os negros sejam alvo preferencial do policiamento repressivo.
  • 16. Esta maior desconfiança em relação aos negros como agentes de violência ganhou melhores contornos através de pesquisas realizadas pelo Datafolha e pelo ILANUD (Instituto Latino-Americano das Nações Unidas para a Prevenção ao Delito e Tratamento do Delinqüente), respectivamente em 1995 e 1997. Ambos trabalhos buscaram investigar a imagem da polícia entre os moradores de São Paulo e Rio de Janeiro. Assim analisa o cientista políticoTúlio Kahn: "Se a opinião da maioria das pessoas não é favorável à forma de atuação das polícias, existe um grupo cuja opinião é particularmente desfavorável e este é o grupo dos "não-brancos". Os motivos desta desconfiança estão baseados em grande medida na experiência própria ou no conhecimento do trato das forças policiais com relação aos negros e mulatos." (Kahn, 1998: 2).
  • 17. A pesquisa realizada em 1995 aponta que as críticas dos brancos em relação à polícia concentraram-se em aspectos como ineficiência e corrupção, enquanto os negros criticaram com mais freqüência a atuação violenta da polícia: 20% dos negros afirmaram sentir medo da polícia, em contraste com 11% dos brancos. Além disso, entre os negros foi maior o número de entrevistados que revelaram ter mais medo da polícia do que dos bandidos. Estas pesquisas revelam também que quase metade dos negros (47%) entrevistados em 1995 disseram Ter sido abordados pela polícia pelo menos uma vez, em comparação com 34% dos brancos. Os resultados foram semelhantes em 1997. Kahn aponta que "dos negros, 24% disseram que já foram parados e ou mais vezes [pela polícia]" (KAHN, 1998: 4). Túlio Kahn afirma também que, após ter realizado diversas pesquisas sobre a atuação policial em relação aos negros, pode concluir que a violência é um dos principais dramas enfrentados atualmente pela população negra no Brasil.
  • 18. Uma pesquisa realizada por Adorno (1995) em São Paulo ajuda a ilustrar mais claramente as dificuldades enfrentadas pelos negros numa outra fase do sistema de segurança pública e administração da justiça, quando encontram-se como réus no âmbito da justiça criminal. O objetivo deste estudo foi identificar, caracterizar e explicar as causas do acesso diferencial de brancos e negros à justiça criminal, através da análise das sentenças judiciais para crimes da mesma natureza praticados por negros e brancos. A pesquisa indica que "brancos e negros cometem crimes violentos em iguais proporções, mas os réus negros tendem a ser mais perseguidos pela vigilância policial, enfrentam maiores obstáculos de acesso à justiça criminal e revelam maiores dificuldades de usufruir do direito de ampla defesa assegurado pelas normas constitucionais." (ADORNO, 1995:45). Em função destas ocorrências, o estudo conclui que os negros tendem a receber um tratamento penal mais rigoroso, com maior probabilidade de serem punidos do que os brancos. O autor afirma que, "por conseguinte, a cor é poderoso instrumento de discriminação na distribuição da justiça" (Ibidem).
  • 19. A pesquisa de Adorno indica uma maior incidência de prisões em flagrante para réus negros em comparação aos brancos, assim como um maior número de réus brancos em liberdade. Além disso, o trabalho mostra que os réus negros utilizam com mais freqüência do que os brancos os serviços da defensoria pública e da defensoria dativa (advogados particulares pagos pelo Estado), ambas em geral designadas para réus que não possuem recursos para contratar sua própria defesa. A defensoria pública em geral, incluindo a dativa, encontra-se sobrecarregada de trabalho e nem sempre consegue oferecer um serviço de qualidade ao réu, valendo-se muitas vezes de procedimentos meramente burocráticos e não estabelecendo uma relação de proximidade com o cliente. Estas características do serviço da defensoria levam a crer que há uma maior predisposição dos réus que fazem uso deste serviço serem condenados. (ADORNO, 1995: 56-57). Em relação ao desfecho processual e segundo o fato de terem ou não apresentado provas testemunhais ao longo do processo, a análise de Adorno mostra que os brancos foram mais beneficiados pelo uso deste direito no que diz respeito às chances de absolvição. "Entre os réus negros que deixaram de exercer aquele direito (isto é, não arrolaram testemunhas), 30,0% foram absolvidos e 70,0% condenados; entre os réus brancos que se valeram desse direito, o quadro muda substantivamente (...): 48,8% foram absolvidos e 52,0% condenados. Em outras palavras, aumenta, para os réus brancos, a probabilidade de absolvição com o exercício deste direito." (ADORNO, 1995:62).
  • 20. Além disso, se analisamos a população carcerária do País, verificamos que os negros encontram-se numa proporção maior do que a sua representação na população, enquanto ocorre o inverso em relação aos brancos. Dados recentes disponíveis para o Estado de São Paulo indicam que a taxa de encarceramento "é de 76,8 por 100 mil habitantes para os brancos e de 140 por 100 mil para pardos, elevando-se para 421 por 100 mil para negros. A probabilidade de um negro estar na prisão é portanto de 5,4 vezes maior do que a de um branco e 3 vezes maior que a de um pardo." (Kahn, 1999:1)
  • 21. Bibliografia ADORNO, Sérgio – "Discriminação racial e justiça criminal em São Paulo" in Novos Estudos – CEBRAP. São Paulo, nº. 43, novembro de 1995. CASTRO, Maria Helena G. de – Avaliação do Sistema Educacional Brasileiro: Tendências e Perspectivas. Texto apresentado no Seminário Especial: "Um modelo de educação para o século XXI", promovido pelo Instituto Nacional de Altos Estudos (INAE/ Fórum Nacional, realizado no Rio de Janeiro em 31/08/98). Degler, Charles N. – Neither Black nor White (Madison: University of Wisconsin Press, 1991). Guimarães, Antônio Sérgio A. – "Racism and Anti-Racism in Brazil: A Postmodern Perspective" in Racism and Anti-Racism in World Perspective, ed. B. Bowser (London: Sage, 1995). Hasenbalg, Carlos – Os números da cor (Rio de Janeiro: Centro de Estudos Afro-Asiáticos, 1996). Hasenbalg, Carlos & Silva, Nelson Valle – Estrutura Social, Mobilidade e Raça (São Paulo: Vértice, 1988). Hasenbalg, Carlos & Silva, Nelson Valle – Raça e Oportunidades Educacionais no Brasil. Estudos Afro-Asiáticos, nº 18, 1990. Hasenbalg, Carlos & Silva, Nelson Valle – Relações raciais no Brasil contemporâneo. Rio de Janeiro: Rio Fundo, 1992. Hasenbalg, Carlos & Silva, Nelson Valle – Educação e Diferenças Raciais na Mobilidade Ocupacional no Brasil. In Hasenbalg, C.; Silva, N. V. e Lima, M. – Cor e Estratificação Social. Rio de Janeiro: Contracapa, 1999. Hasenbalg, C.; Silva, N. V. e Lima, M. – Cor e Estratificação Social. Rio de Janeiro: Contracapa, 1999. Heringer, Rosana – "Introduction to the Analysis of Racism and Anti-Racism in Brazil" in Racism and Anti-Racism in World Perspective, ed. B. Bowser (London: Sage, 1995). HERINGER, Rosana – Addressing Race Inequalities in Brazil: Lessons from the United States in Working Paper Series No. 237. Washington, DC: Woodrow Wilson International Center for Scholars, The Latin American Program, 1999. Heringer, R.; Sant’anna, W.; Martins, S. and Oliveira, S. de – Negros no Brasil: dados da realidade. Petrópolis: Vozes/ Ibase, 1989. IBGE, 1987. Estatísticas Históricas do Brasil. Rio de Janeiro: IBGE. IBGE, 1990. PNAD 1987 – Cor da População. Rio de janeiro: IBGE. IBGE, 2000 – PNAD 1996. (www.ibge.gov.br ) INSPIR/ DIEESE/ AFL-CIO – Mapa da População Negra no Mercado de Trabalho. São Paulo: INSPIR (Instituto Sindical Interamericano pela Igualdade Racial), 1999. KAHN, Túlio – "Os Negros e a Polícia: recuperando a confiança mútua" in Boletim Conjuntura Criminal nº. 07, 1998 (www.conjunturacriminal.com.br). – "Justiça e discriminação racial" in Boletim Conjuntura Criminal nº. 11, 1999 (www.conjunturacriminal.com.br). LIMA, Márcia – "O quadro atual das desigualdades" in Hasenbalg, C.; Silva, N. V. e Lima, M. – Cor e Estratificação Social. Rio de Janeiro: Contracapa, 1999. LOVELL, Peggy (org.) – Desigualdade Racial no Brasil Contemporâneo. Belo Horizonte: UFMG/CEDEPLAR, 1991. MINISTÉRIO DA JUSTIÇA/ MINISTÉRIO DAS RELAÇÕES EXTERIORES – Décimo relatório periódico relativo à Convenção Internacional sobre a Eliminação de todas as formas de Discriminação Racial. Brasília: FUNAG/ M. da Justiça, 1996. MINISTÉRIO DA JUSTIÇA. Programa Nacional de Direitos Humanos. Brasília: Ministério da Justiça, Secretaria Nacional dos Direitos Humanos, 1998.
  • 22. Núcleo de Estudos da Violência/Universidade de São Paulo e Comissão Teotônio Villela, Os DireitosHumanos no Brasil(São Paulo,NEV/CTV, 1993). Oliveira, Lúcia Elena G. et alli – O lugar do negro na força de trabalho (Rio de Janeiro: FIBGE, 1983). PAIXÃO, Antônio L. – "A organização policial numa área metropolitana." In Dados – Revista de Ciências Sociais.Rio de Janeiro,25 (1), pp.63-85. PORTELA, Adélia L. et alli – Educação e os Afro-brasileiros: trajetórias, identidades e alternativas.Salvador:Programa"A Cor da Bahia"/UFBA.ColeçãoNovosToques, 1997. PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA. Construindo a Democracia Racial. Brasília: Presidência da República,1998. ROSEMBERG, Fúlvia – Diagnóstico sobre a situação educacional de negros (pretos e pardos) no estado de São Paulo.2 vols. São Paulo:FundaçãoCarlosChagas,mimeo. SANT’ANNA, Wânia and Paixão, Marcelo – "Desenvolvimento Humano e população afrodescendenteno Brasil:uma questãode raça"in Proposta,n. 73 (1997). Schwartzman,Simon – Cor, raçae origem no Brasil. Rio de Janeiro:1999 (artigo inédito). SILVA JR. Hédio. Anti-Racismo: Coletânea de Leis Brasileiras (Federais, Estaduais, Municipais).São Paulo:OliveiraMendes, 1998. Souza, Jessé (org.) – Multiculturalismo e Racismo: uma comparação Brasil - Estados Unidos (Brasília:Paralelo15, 1997). VIEIRA, Andréa Costa – "Combate às desigualdades raciais no Brasil: iniciativas governamentais".Rio de Janeiro: Artigo inédito, 2000. WOOD, Charles H. e CARVALHO, José A. M. de – A Demografia da Desigualdade no Brasil.Rio de Janeiro:IPEA, 1994. ZALUAR, Alba – "A polícia e a comunidade: paradoxos da (in)convivência." In Presença – Políticae Cultura.Rio de Janeiro,nº. 13, pp.144-53.