SlideShare uma empresa Scribd logo
ARTE E MANIFESTAÇÕES CULTURAIS
ARTE E MANIFESTAÇÕES CULTURAIS
Arte
Cultura
Expressões
Bens
CULTURA E MANIFESTAÇÕES
ARTÍSTICAS
cultura na dimensão simbólica
• Aspecto da cultura que considera que todos os seres humanos
tem capacidade de criar símbolos.
• Esses símbolos se expressam em diversas práticas culturais como
culinária; costumes; vestuário; idiomas, etc.
• Presente também nas linguagens artísticas: teatro, dança, música,
artes visuais, literatura, artesanato, circo, etc.
• Está relacionada às necessidades e ao bem-estar do homem
enquanto ser individual e coletivo
• Entende a cultura como um direito básico do cidadão.
• A Constituição Federal incluiu a cultura como mais um dos direitos
sociais ao lado da educação; saúde; trabalho; moradia e lazer
• Assim, esses direitos devem ser garantidos por políticas de acesso
aos meios de produção, difusão e circulação de bens e serviços
da cultura
• Os mecanismos devem garantir participação social e formação
contínua
cultura na dimensão econômica
•Considera o potencial da cultura para gerar lucros,
emprego e renda.
•Estimula a formação de cadeias de produção que se
relacionam com as diversas expressões culturais e com
uma economia criativa.
•Pode-se pensar a cultura num novo cenário de
desenvolvimento econômico socialmente justo e
sustentável
O que se entende por manifestações
culturais?
• Para a Antropologia Cultural, manifestação cultural
é toda forma de expressão humana, seja através de
celebrações e rituais ou através de outros suportes
como imagens fotográficas e fílmicas. Além disso,
sabemos que as expressões das culturas humanas
também são veiculadas através de outras linguagens,
escritas, verbais e não-verbais
patrimônio
• O patrimônio também se constitui como uma linguagem que
expressa uma forma de sentir e pensar um acontecimento, um
tempo, uma dada forma de ver as coisas do mundo.
• a noção moderna de patrimônio cultural não se restringe mais à
arquitetura, mesmo sendo indiscutível que a presença de
edificações é um ponto alto da realização humana.
Deste modo, o significado de patrimônio cultural é muito mais
amplo, incluindo diversos produtos do sentir, do pensar e do
agir humano.
• Portanto, tem-se que o patrimônio pode abarcar manifestações
culturais intangíveis, como as tradições orais, a música, idiomas e
festas, além dos bens artísticos.
• Neste sentido, as festas populares expressam as formas
identitárias de grupos locais, onde o motivo de encontro, de fé ou
simplesmente de celebrar atrai e identifca devotos e indivíduos de
mesma identidade.
• As manifestações populares possuem um caráter ideológico uma
vez que comemorar é, antes de mais nada, conservar algo que
ficou na memória coletiva (Paiva Moura, 2001) e forma de
manifestação cultural.
http://cafecomsociologia.blogspot.com/2010/03/manifestacoes-culturais-e-patrimonio.html
Postado por Professor Augusto Tavares às 09:39
09:39
09:39
• É importante ressaltar que patrimônio histórico-cultural não é
apenas o acervo de obras raras ou da cultura de um passado
distante; é a valorização e o conhecimento dos bens culturais que
podem contar a história ou a vida de uma sociedade, de um povo,
de uma comunidade.
• Será através do contato com tais bens que conheceremos a
memória ou até mesmo a identidade de um povo.
• Através do conhecimento do nosso patrimônio cultural, podemos
aprender sobre nossa memória e, conseqüentemente, exercer a
cidadania.
DIREITO AO ACESSO CULTURAL
“O Estado garantirá a todos o pleno exercício dos direitos
culturais e acesso às fontes da cultura nacional e apoiará e
incentivará a valorização e a difusão das manifestações
culturais”
é o que diz o artigo 215 da Constituição Brasileira.
1 - Criação, produção, preservação, intercâmbio e circulação
de Bens Artísticos e Culturais
TEXTO-BASE DA III CNC
TEXTO-BASE DA III CNC
• Uma característica comum a todos os bens culturais é a
singularidade, ou seja, cada obra de criação é única.
• Até mesmo as que são fabricadas industrialmente e por isso
podem ser amplamente reproduzidas a partir de matrizes
originais (livros, audiovisual, fotografias, CDs e DVDs).
• Contudo, mesmo essas obras raramente têm retorno financeiro
suficiente para pagar seus custos, ainda mais neste mundo de
consumo desenfreado, no qual os produtos envelhecem pre-
cocemente e são descartados.
• Nesse contexto, cabe ao Estado apoiar o desenvolvimento da
cultura em todas as suas dimensões, mas é inegável que
existem expressões artísticas e culturais mais frágeis.
• Essas merecem tratamento prioritário, seja porque suas
possibilidades de reprodução são menores (espetáculos de
teatro, dança, circo, celebrações populares e obras artesanais),
seja porque tem origem em grupos econômica e socialmente
excluídos ou marginalizados (indígenas, quilombolas, povos e
comunidades tradicionais).
4 - Valorização do Patrimônio Cultural e Proteção aos
Conhecimentos dos Povos e Comunidades Tradicionais.
“O Estado protegerá as manifestações das culturas
populares, indígenas e afro-brasileiras, e das de outros grupos
participantes do processo civilizatório nacional” (§1o do art.
215).
•O constituinte de 1988, ao destacar explicitamente
determinados grupos culturais, entre tantos outros participantes
da sociedade brasileira, além de lhes garantir proteção especial,
com certeza pensou na reparação de injustiças históricas
cometidas contra esses grupos, como o genocídio de tribos
indígenas e a escravidão de índios e negros. Provavelmente
preocupava-se também com o risco de extinção de valores e
modos de viver, fazer e criar.
programas e ações do Ministério da Cultura
• O MinC têm se dedicado à promoção e proteção dessas
culturas.
• O Prêmio de Culturas Indígenas e o Prêmio Culturas
Populares já estão na 4a edição e, recentemente, foram
lançados editais para fomentar projetos de criadores negros
nas áreas das artes visuais, dança, música, circo, teatro,
audiovisual, pesquisa, leitura, criação literária e publicações.
• Simultaneamente, o Ministério trabalha no projeto de
implantação do Museu da Memória Afro Descendente, em
Brasília, pensado como marco de referência da centralidade da
cultura negra na construção de nossa identidade.
• É posterior à Constituição de 1988 a formalização do grupamento
humano denominado “povos e comunidades tradicionais”, cujos
membros não se reconhecem como integrantes das culturas
populares, indígenas e afro-brasileiras, mas têm com elas algumas
analogias.
• Hoje integram a Comissão Nacional de Desenvolvimento
Sustentável dos Povos e Comunidades Tradicionais, criada em
2006, representantes de quilombolas, povos indígenas, ciganos,
pomeranos, ribeirinhos, quebradeiras de coco babuçu, seringueiros,
pescadores artesanais, caiçaras, agroextrativistas da Amazônia,
povos dos faxinais, dos fundos de pasto, geraizeiros, pantaneiros,
retireiros e comunidades de terreiros. E esse número vem
aumentando, já incluídos os cipozeiros e os ilhéus.
• O que os une é a resistência a modelos homogeneizantes da política
de desenvolvimento rural e da pesca, e a defesa de modos de vida
comunitários, baseados em formas próprias de manejo dos recursos
naturais.
• O território é considerado por esses grupos parte estruturante de sua
identidade cultural.
• Desde 2007, esse grupamento tem um estatuto legal próprio, o
Decreto no 6.040, que traz a Política Nacional de Desenvolvimento
Sustentável dos Povos e Comunidades Tradicionais (PNPCT), seus
princípios, objetivos e instrumentos de implantação.
• Entre os princípios destacam-se, para efeito das políticas
culturais, “o reconhecimento, a valorização e o respeito à
diversidade socioambiental e cultural dos povos e
comunidades tradicionais” e a “preservação dos direitos
culturais, o exercício de práticas comunitárias, a memória
cultural e a identidade racial e étnica”.
• Portanto, além das culturas populares, indígenas e afro-
brasileiras, cabe aos gestores da cultura lançar foco especial
também sobre os povos e comunidades tradicionais
MUITO OBRIGADO!
BIA MATTAR
• biamattar@hotmail.com
•tel: (47) 9262 6543

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

História da Arte no Brasil
História da Arte no BrasilHistória da Arte no Brasil
História da Arte no Brasil
CLEBER LUIS DAMACENO
 
A cultura do nordeste
A cultura do nordesteA cultura do nordeste
A cultura do nordeste
Nicole Gouveia
 
DANÇA - CONCEITOS E DANÇA CONTEMPORÂNEA
DANÇA - CONCEITOS E DANÇA CONTEMPORÂNEADANÇA - CONCEITOS E DANÇA CONTEMPORÂNEA
DANÇA - CONCEITOS E DANÇA CONTEMPORÂNEA
VIVIAN TROMBINI
 
O que é cultura?
O que é cultura?O que é cultura?
O que é cultura?
Renata Telha
 
AULA SOBRE INDÚSTRIA CULTURAL - Prof. Noe Assunção - Colégio Estadual Roselân...
AULA SOBRE INDÚSTRIA CULTURAL - Prof. Noe Assunção - Colégio Estadual Roselân...AULA SOBRE INDÚSTRIA CULTURAL - Prof. Noe Assunção - Colégio Estadual Roselân...
AULA SOBRE INDÚSTRIA CULTURAL - Prof. Noe Assunção - Colégio Estadual Roselân...
Prof. Noe Assunção
 
Cultura e patrimônio cultural
Cultura e patrimônio culturalCultura e patrimônio cultural
Cultura e patrimônio cultural
Raphael Lanzillotte
 
Diversidade cultural e multiculturalismo
Diversidade cultural e multiculturalismoDiversidade cultural e multiculturalismo
Diversidade cultural e multiculturalismo
Edenilson Morais
 
Indústria Cultural
Indústria CulturalIndústria Cultural
Indústria Cultural
Beatriz Schnaider Tontini
 
Identidade cultural fap
Identidade cultural  fapIdentidade cultural  fap
Identidade cultural fap
SONIAPASSOS7
 
Pop Art
Pop ArtPop Art
Cultura indígena
Cultura indígenaCultura indígena
Cultura indígena
Karoline Rodrigues de Melo
 
História da música 1
História da música 1História da música 1
História da música 1
Deborah Oliver
 
Artes Visuais
Artes VisuaisArtes Visuais
Artes Visuais
Júnior Maciel
 
Modernismo
Modernismo Modernismo
Modernismo
Cláudia Heloísa
 
Guia da eletiva africanidade
Guia da  eletiva africanidadeGuia da  eletiva africanidade
Guia da eletiva africanidade
CEPI-INDEPENDENCIA
 
Racismo no Brasil
Racismo no BrasilRacismo no Brasil
Racismo no Brasil
progerio81
 
Industria Cultural e Cultura de Massa
Industria Cultural e Cultura de MassaIndustria Cultural e Cultura de Massa
Industria Cultural e Cultura de Massa
Elisama Lopes
 
O que é a arte
O que é a arteO que é a arte
O que é a arte
Ana Barreiros
 
Globalização
GlobalizaçãoGlobalização
Globalização
Luciano Pessanha
 
FUNK - MOVIMENTO CULTURAL
FUNK - MOVIMENTO CULTURALFUNK - MOVIMENTO CULTURAL
FUNK - MOVIMENTO CULTURAL
Dayane SLima
 

Mais procurados (20)

História da Arte no Brasil
História da Arte no BrasilHistória da Arte no Brasil
História da Arte no Brasil
 
A cultura do nordeste
A cultura do nordesteA cultura do nordeste
A cultura do nordeste
 
DANÇA - CONCEITOS E DANÇA CONTEMPORÂNEA
DANÇA - CONCEITOS E DANÇA CONTEMPORÂNEADANÇA - CONCEITOS E DANÇA CONTEMPORÂNEA
DANÇA - CONCEITOS E DANÇA CONTEMPORÂNEA
 
O que é cultura?
O que é cultura?O que é cultura?
O que é cultura?
 
AULA SOBRE INDÚSTRIA CULTURAL - Prof. Noe Assunção - Colégio Estadual Roselân...
AULA SOBRE INDÚSTRIA CULTURAL - Prof. Noe Assunção - Colégio Estadual Roselân...AULA SOBRE INDÚSTRIA CULTURAL - Prof. Noe Assunção - Colégio Estadual Roselân...
AULA SOBRE INDÚSTRIA CULTURAL - Prof. Noe Assunção - Colégio Estadual Roselân...
 
Cultura e patrimônio cultural
Cultura e patrimônio culturalCultura e patrimônio cultural
Cultura e patrimônio cultural
 
Diversidade cultural e multiculturalismo
Diversidade cultural e multiculturalismoDiversidade cultural e multiculturalismo
Diversidade cultural e multiculturalismo
 
Indústria Cultural
Indústria CulturalIndústria Cultural
Indústria Cultural
 
Identidade cultural fap
Identidade cultural  fapIdentidade cultural  fap
Identidade cultural fap
 
Pop Art
Pop ArtPop Art
Pop Art
 
Cultura indígena
Cultura indígenaCultura indígena
Cultura indígena
 
História da música 1
História da música 1História da música 1
História da música 1
 
Artes Visuais
Artes VisuaisArtes Visuais
Artes Visuais
 
Modernismo
Modernismo Modernismo
Modernismo
 
Guia da eletiva africanidade
Guia da  eletiva africanidadeGuia da  eletiva africanidade
Guia da eletiva africanidade
 
Racismo no Brasil
Racismo no BrasilRacismo no Brasil
Racismo no Brasil
 
Industria Cultural e Cultura de Massa
Industria Cultural e Cultura de MassaIndustria Cultural e Cultura de Massa
Industria Cultural e Cultura de Massa
 
O que é a arte
O que é a arteO que é a arte
O que é a arte
 
Globalização
GlobalizaçãoGlobalização
Globalização
 
FUNK - MOVIMENTO CULTURAL
FUNK - MOVIMENTO CULTURALFUNK - MOVIMENTO CULTURAL
FUNK - MOVIMENTO CULTURAL
 

Destaque

Origem das Manifestações Artísticas
Origem das Manifestações Artísticas   Origem das Manifestações Artísticas
Origem das Manifestações Artísticas
Andrea Dressler
 
Arte Pré-Histórica
Arte Pré-HistóricaArte Pré-Histórica
Arte Pré-Histórica
Andrea Dressler
 
Manifestações da Arte Popular
Manifestações da Arte PopularManifestações da Arte Popular
Manifestações da Arte Popular
carlosbidu
 
O que é arte?
O que é arte?O que é arte?
O que é arte?
IF - Baiano
 
DEFINIÇÕES DE ARTE
DEFINIÇÕES DE ARTEDEFINIÇÕES DE ARTE
DEFINIÇÕES DE ARTE
Aclecio Dantas
 
Manifestações artísticas da literatura brasileira contemporânea e as
Manifestações artísticas da literatura brasileira contemporânea e asManifestações artísticas da literatura brasileira contemporânea e as
Manifestações artísticas da literatura brasileira contemporânea e as
Kivia Caroline
 
Manifestações artísticas 1º trimestre por simone helen drumond de carvalho
Manifestações artísticas   1º trimestre por simone helen drumond de carvalhoManifestações artísticas   1º trimestre por simone helen drumond de carvalho
Manifestações artísticas 1º trimestre por simone helen drumond de carvalho
SimoneHelenDrumond
 
Grafite
GrafiteGrafite
Arte Pré-Histórica no Brasil
Arte Pré-Histórica no BrasilArte Pré-Histórica no Brasil
Arte Pré-Histórica no Brasil
Andrea Dressler
 
Dança Erudita
Dança EruditaDança Erudita
Dança Erudita
Eduarda Alves
 
A Arte na pré-história brasileira
A Arte na pré-história brasileiraA Arte na pré-história brasileira
A Arte na pré-história brasileira
Giorgia Marrone
 
Pré-historia brasileira
Pré-historia brasileiraPré-historia brasileira
Pré-historia brasileira
Lú Carvalho
 
Arte pré-colombiana - Maia, Asteca e Inca
Arte pré-colombiana - Maia, Asteca e IncaArte pré-colombiana - Maia, Asteca e Inca
Arte pré-colombiana - Maia, Asteca e Inca
Andrea Dressler
 
Arte pré histórica no brasil
Arte pré histórica no brasilArte pré histórica no brasil
Arte pré histórica no brasil
Ed de Souza
 
Pré-História no Brasil
Pré-História no BrasilPré-História no Brasil
Pré-História no Brasil
Luizelene Moreira
 
Aula pre história brasileira
Aula pre história brasileiraAula pre história brasileira
Aula pre história brasileira
professoramariaraquel
 
Prova Artes 1 ano médio
Prova Artes 1 ano médioProva Artes 1 ano médio
Prova Artes 1 ano médio
Geo Honório
 
A arte na pré história
A arte na pré históriaA arte na pré história
A arte na pré história
Daniella Cincoetti
 
Conteúdos d arte e ed. f[isica para o 1º e 2º ano do ensino fundamental
Conteúdos d arte e ed. f[isica para o 1º e 2º ano do ensino fundamentalConteúdos d arte e ed. f[isica para o 1º e 2º ano do ensino fundamental
Conteúdos d arte e ed. f[isica para o 1º e 2º ano do ensino fundamental
josivaldopassos
 
Pesquisa em língua portuguesa 1 m3
Pesquisa em língua portuguesa 1 m3Pesquisa em língua portuguesa 1 m3
Pesquisa em língua portuguesa 1 m3
Greice Lisian Folk Fonseca
 

Destaque (20)

Origem das Manifestações Artísticas
Origem das Manifestações Artísticas   Origem das Manifestações Artísticas
Origem das Manifestações Artísticas
 
Arte Pré-Histórica
Arte Pré-HistóricaArte Pré-Histórica
Arte Pré-Histórica
 
Manifestações da Arte Popular
Manifestações da Arte PopularManifestações da Arte Popular
Manifestações da Arte Popular
 
O que é arte?
O que é arte?O que é arte?
O que é arte?
 
DEFINIÇÕES DE ARTE
DEFINIÇÕES DE ARTEDEFINIÇÕES DE ARTE
DEFINIÇÕES DE ARTE
 
Manifestações artísticas da literatura brasileira contemporânea e as
Manifestações artísticas da literatura brasileira contemporânea e asManifestações artísticas da literatura brasileira contemporânea e as
Manifestações artísticas da literatura brasileira contemporânea e as
 
Manifestações artísticas 1º trimestre por simone helen drumond de carvalho
Manifestações artísticas   1º trimestre por simone helen drumond de carvalhoManifestações artísticas   1º trimestre por simone helen drumond de carvalho
Manifestações artísticas 1º trimestre por simone helen drumond de carvalho
 
Grafite
GrafiteGrafite
Grafite
 
Arte Pré-Histórica no Brasil
Arte Pré-Histórica no BrasilArte Pré-Histórica no Brasil
Arte Pré-Histórica no Brasil
 
Dança Erudita
Dança EruditaDança Erudita
Dança Erudita
 
A Arte na pré-história brasileira
A Arte na pré-história brasileiraA Arte na pré-história brasileira
A Arte na pré-história brasileira
 
Pré-historia brasileira
Pré-historia brasileiraPré-historia brasileira
Pré-historia brasileira
 
Arte pré-colombiana - Maia, Asteca e Inca
Arte pré-colombiana - Maia, Asteca e IncaArte pré-colombiana - Maia, Asteca e Inca
Arte pré-colombiana - Maia, Asteca e Inca
 
Arte pré histórica no brasil
Arte pré histórica no brasilArte pré histórica no brasil
Arte pré histórica no brasil
 
Pré-História no Brasil
Pré-História no BrasilPré-História no Brasil
Pré-História no Brasil
 
Aula pre história brasileira
Aula pre história brasileiraAula pre história brasileira
Aula pre história brasileira
 
Prova Artes 1 ano médio
Prova Artes 1 ano médioProva Artes 1 ano médio
Prova Artes 1 ano médio
 
A arte na pré história
A arte na pré históriaA arte na pré história
A arte na pré história
 
Conteúdos d arte e ed. f[isica para o 1º e 2º ano do ensino fundamental
Conteúdos d arte e ed. f[isica para o 1º e 2º ano do ensino fundamentalConteúdos d arte e ed. f[isica para o 1º e 2º ano do ensino fundamental
Conteúdos d arte e ed. f[isica para o 1º e 2º ano do ensino fundamental
 
Pesquisa em língua portuguesa 1 m3
Pesquisa em língua portuguesa 1 m3Pesquisa em língua portuguesa 1 m3
Pesquisa em língua portuguesa 1 m3
 

Semelhante a Cultura e manifestações artísticas

Modelo programa area de cultura
Modelo   programa area de culturaModelo   programa area de cultura
Modelo programa area de cultura
Alexandre Marinho
 
Eixo2 2ªconferência intermunicipal amai
Eixo2 2ªconferência intermunicipal amaiEixo2 2ªconferência intermunicipal amai
Eixo2 2ªconferência intermunicipal amai
Marcelo Pertussatti
 
241642272 1-cutura-material-e-imaterial-pdf
241642272 1-cutura-material-e-imaterial-pdf241642272 1-cutura-material-e-imaterial-pdf
241642272 1-cutura-material-e-imaterial-pdf
gisele picolli
 
Conferênia Nacional de Cultura: Eixo 1
Conferênia Nacional de Cultura: Eixo 1Conferênia Nacional de Cultura: Eixo 1
Conferênia Nacional de Cultura: Eixo 1
leonardofsales
 
Bacia do Rio Pardo- Aula 2 - Versão Professor
Bacia do Rio Pardo-  Aula 2 - Versão ProfessorBacia do Rio Pardo-  Aula 2 - Versão Professor
Bacia do Rio Pardo- Aula 2 - Versão Professor
Erika Marion Robrahn-González
 
Bacia do Rio Tietê - Aula 2 - Versão Professor
Bacia do Rio Tietê -  Aula 2 - Versão ProfessorBacia do Rio Tietê -  Aula 2 - Versão Professor
Bacia do Rio Tietê - Aula 2 - Versão Professor
Erika Marion Robrahn-González
 
Bacia do Rio Grande Aula 2 Versão Professor
Bacia do Rio Grande Aula 2 Versão ProfessorBacia do Rio Grande Aula 2 Versão Professor
Bacia do Rio Grande Aula 2 Versão Professor
Erika Marion Robrahn-González
 
Enem - CULTURA - por Cadu
Enem - CULTURA - por CaduEnem - CULTURA - por Cadu
Enem - CULTURA - por Cadu
Carlos Glufke
 
Patrimônio Histórico, Cultural e Natural.pptx
Patrimônio Histórico, Cultural e Natural.pptxPatrimônio Histórico, Cultural e Natural.pptx
Patrimônio Histórico, Cultural e Natural.pptx
GabrielBrando57
 
Palestra sobre educação patrimonial
Palestra sobre educação patrimonialPalestra sobre educação patrimonial
Palestra sobre educação patrimonial
Junior Lima
 
Conhecendo o patrimônio cultural brasileiro
Conhecendo o patrimônio cultural brasileiroConhecendo o patrimônio cultural brasileiro
Conhecendo o patrimônio cultural brasileiro
Marcos Luis Christo
 
Cultura e diversidade cultural
Cultura e diversidade culturalCultura e diversidade cultural
Cultura e diversidade cultural
Antonio Tavares
 
Texto-Base da III Conferência Municipal de Cultura de Leopoldina-MG
Texto-Base da III Conferência Municipal de Cultura de Leopoldina-MGTexto-Base da III Conferência Municipal de Cultura de Leopoldina-MG
Texto-Base da III Conferência Municipal de Cultura de Leopoldina-MG
Casa De Leitura Lya Botelho
 
Bacia do Rio Tietê - Aula 2 - Versão Aluno
Bacia do Rio Tietê -  Aula 2 - Versão AlunoBacia do Rio Tietê -  Aula 2 - Versão Aluno
Bacia do Rio Tietê - Aula 2 - Versão Aluno
Erika Marion Robrahn-González
 
Si sobre cultura popular tradicional e música folclórica
Si sobre cultura popular tradicional e música folclóricaSi sobre cultura popular tradicional e música folclórica
Si sobre cultura popular tradicional e música folclórica
ritabonadio
 
SI sobre cultura popular tradicional e música folclórica
SI sobre cultura popular tradicional e música folclóricaSI sobre cultura popular tradicional e música folclórica
SI sobre cultura popular tradicional e música folclórica
ritabonadio
 
Bacia do Rio Grande Aula 2 Versão Aluno
Bacia do Rio Grande Aula 2 Versão AlunoBacia do Rio Grande Aula 2 Versão Aluno
Bacia do Rio Grande Aula 2 Versão Aluno
Erika Marion Robrahn-González
 
Bacia do Rio Pardo- Aula 2 - Versão Aluno
Bacia do Rio Pardo-  Aula 2 - Versão AlunoBacia do Rio Pardo-  Aula 2 - Versão Aluno
Bacia do Rio Pardo- Aula 2 - Versão Aluno
Erika Marion Robrahn-González
 
[NITRO] FAQ - DIRH08F01 - Direito e Humanidades.pdf
[NITRO] FAQ -  DIRH08F01 - Direito e Humanidades.pdf[NITRO] FAQ -  DIRH08F01 - Direito e Humanidades.pdf
[NITRO] FAQ - DIRH08F01 - Direito e Humanidades.pdf
BrunoCosta364836
 
Culturasetniasediversidades
CulturasetniasediversidadesCulturasetniasediversidades
Culturasetniasediversidades
Paula Mendes
 

Semelhante a Cultura e manifestações artísticas (20)

Modelo programa area de cultura
Modelo   programa area de culturaModelo   programa area de cultura
Modelo programa area de cultura
 
Eixo2 2ªconferência intermunicipal amai
Eixo2 2ªconferência intermunicipal amaiEixo2 2ªconferência intermunicipal amai
Eixo2 2ªconferência intermunicipal amai
 
241642272 1-cutura-material-e-imaterial-pdf
241642272 1-cutura-material-e-imaterial-pdf241642272 1-cutura-material-e-imaterial-pdf
241642272 1-cutura-material-e-imaterial-pdf
 
Conferênia Nacional de Cultura: Eixo 1
Conferênia Nacional de Cultura: Eixo 1Conferênia Nacional de Cultura: Eixo 1
Conferênia Nacional de Cultura: Eixo 1
 
Bacia do Rio Pardo- Aula 2 - Versão Professor
Bacia do Rio Pardo-  Aula 2 - Versão ProfessorBacia do Rio Pardo-  Aula 2 - Versão Professor
Bacia do Rio Pardo- Aula 2 - Versão Professor
 
Bacia do Rio Tietê - Aula 2 - Versão Professor
Bacia do Rio Tietê -  Aula 2 - Versão ProfessorBacia do Rio Tietê -  Aula 2 - Versão Professor
Bacia do Rio Tietê - Aula 2 - Versão Professor
 
Bacia do Rio Grande Aula 2 Versão Professor
Bacia do Rio Grande Aula 2 Versão ProfessorBacia do Rio Grande Aula 2 Versão Professor
Bacia do Rio Grande Aula 2 Versão Professor
 
Enem - CULTURA - por Cadu
Enem - CULTURA - por CaduEnem - CULTURA - por Cadu
Enem - CULTURA - por Cadu
 
Patrimônio Histórico, Cultural e Natural.pptx
Patrimônio Histórico, Cultural e Natural.pptxPatrimônio Histórico, Cultural e Natural.pptx
Patrimônio Histórico, Cultural e Natural.pptx
 
Palestra sobre educação patrimonial
Palestra sobre educação patrimonialPalestra sobre educação patrimonial
Palestra sobre educação patrimonial
 
Conhecendo o patrimônio cultural brasileiro
Conhecendo o patrimônio cultural brasileiroConhecendo o patrimônio cultural brasileiro
Conhecendo o patrimônio cultural brasileiro
 
Cultura e diversidade cultural
Cultura e diversidade culturalCultura e diversidade cultural
Cultura e diversidade cultural
 
Texto-Base da III Conferência Municipal de Cultura de Leopoldina-MG
Texto-Base da III Conferência Municipal de Cultura de Leopoldina-MGTexto-Base da III Conferência Municipal de Cultura de Leopoldina-MG
Texto-Base da III Conferência Municipal de Cultura de Leopoldina-MG
 
Bacia do Rio Tietê - Aula 2 - Versão Aluno
Bacia do Rio Tietê -  Aula 2 - Versão AlunoBacia do Rio Tietê -  Aula 2 - Versão Aluno
Bacia do Rio Tietê - Aula 2 - Versão Aluno
 
Si sobre cultura popular tradicional e música folclórica
Si sobre cultura popular tradicional e música folclóricaSi sobre cultura popular tradicional e música folclórica
Si sobre cultura popular tradicional e música folclórica
 
SI sobre cultura popular tradicional e música folclórica
SI sobre cultura popular tradicional e música folclóricaSI sobre cultura popular tradicional e música folclórica
SI sobre cultura popular tradicional e música folclórica
 
Bacia do Rio Grande Aula 2 Versão Aluno
Bacia do Rio Grande Aula 2 Versão AlunoBacia do Rio Grande Aula 2 Versão Aluno
Bacia do Rio Grande Aula 2 Versão Aluno
 
Bacia do Rio Pardo- Aula 2 - Versão Aluno
Bacia do Rio Pardo-  Aula 2 - Versão AlunoBacia do Rio Pardo-  Aula 2 - Versão Aluno
Bacia do Rio Pardo- Aula 2 - Versão Aluno
 
[NITRO] FAQ - DIRH08F01 - Direito e Humanidades.pdf
[NITRO] FAQ -  DIRH08F01 - Direito e Humanidades.pdf[NITRO] FAQ -  DIRH08F01 - Direito e Humanidades.pdf
[NITRO] FAQ - DIRH08F01 - Direito e Humanidades.pdf
 
Culturasetniasediversidades
CulturasetniasediversidadesCulturasetniasediversidades
Culturasetniasediversidades
 

Último

reconquista sobre a guerra de ibérica.docx
reconquista sobre a guerra de ibérica.docxreconquista sobre a guerra de ibérica.docx
reconquista sobre a guerra de ibérica.docx
felipescherner
 
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
Sandra Pratas
 
Atividade Dias dos Pais - Meu Pai, Razão da Minha História.
Atividade Dias dos Pais -  Meu Pai, Razão da Minha História.Atividade Dias dos Pais -  Meu Pai, Razão da Minha História.
Atividade Dias dos Pais - Meu Pai, Razão da Minha História.
Mary Alvarenga
 
Relatório de Atividades 2009 CENSIPAM
Relatório de Atividades 2009 CENSIPAM Relatório de Atividades 2009 CENSIPAM
Relatório de Atividades 2009 CENSIPAM
Falcão Brasil
 
Relatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdf
Falcão Brasil
 
Relatório de Atividades 2015 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2015 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2015 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2015 CENSIPAM.pdf
Falcão Brasil
 
Apostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdf
Apostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdfApostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdf
Apostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdf
pattyhsilva271204
 
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdfCaderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
shirleisousa9166
 
Painel para comemerorar odia dos avós grátis.pdf
Painel  para comemerorar odia dos avós grátis.pdfPainel  para comemerorar odia dos avós grátis.pdf
Painel para comemerorar odia dos avós grátis.pdf
marcos oliveira
 
Oficina de bases de dados - Dimensions.pdf
Oficina de bases de dados - Dimensions.pdfOficina de bases de dados - Dimensions.pdf
Oficina de bases de dados - Dimensions.pdf
beathrizalves131
 
IV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptx
IV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptxIV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptx
IV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptx
Ligia Galvão
 
Acróstico - Bullying é crime!
Acróstico - Bullying é crime!Acróstico - Bullying é crime!
Acróstico - Bullying é crime!
Mary Alvarenga
 
_jogo-brinquedo-brincadeira-e-a-e-ducacao-tizuko-morchida-kishimoto-leandro-p...
_jogo-brinquedo-brincadeira-e-a-e-ducacao-tizuko-morchida-kishimoto-leandro-p..._jogo-brinquedo-brincadeira-e-a-e-ducacao-tizuko-morchida-kishimoto-leandro-p...
_jogo-brinquedo-brincadeira-e-a-e-ducacao-tizuko-morchida-kishimoto-leandro-p...
marcos oliveira
 
As Ideias Têm Consequências - Richard M. Weaver
As Ideias Têm Consequências - Richard M. WeaverAs Ideias Têm Consequências - Richard M. Weaver
As Ideias Têm Consequências - Richard M. Weaver
C4io99
 
Slide para aplicação da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
Slide para aplicação  da AVAL. FLUÊNCIA.pptxSlide para aplicação  da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
Slide para aplicação da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
LeilaVilasboas
 
Caderno 1 - Módulo Água JMS 2024 (1).pdf
Caderno 1 -  Módulo Água JMS 2024 (1).pdfCaderno 1 -  Módulo Água JMS 2024 (1).pdf
Caderno 1 - Módulo Água JMS 2024 (1).pdf
SupervisoEMAC
 
Ideais do Ministério jovem Adventista pdf
Ideais do Ministério jovem Adventista pdfIdeais do Ministério jovem Adventista pdf
Ideais do Ministério jovem Adventista pdf
Anesio2
 
Relatório de Atividades 2016 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2016 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2016 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2016 CENSIPAM.pdf
Falcão Brasil
 
Mini livro sanfona - Minha Escola Tem História.
Mini livro  sanfona - Minha Escola Tem História. Mini livro  sanfona - Minha Escola Tem História.
Mini livro sanfona - Minha Escola Tem História.
Mary Alvarenga
 
Caça-palavras e cruzadinha - Encontros consonantais.
Caça-palavras e cruzadinha -  Encontros consonantais.Caça-palavras e cruzadinha -  Encontros consonantais.
Caça-palavras e cruzadinha - Encontros consonantais.
Mary Alvarenga
 

Último (20)

reconquista sobre a guerra de ibérica.docx
reconquista sobre a guerra de ibérica.docxreconquista sobre a guerra de ibérica.docx
reconquista sobre a guerra de ibérica.docx
 
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
 
Atividade Dias dos Pais - Meu Pai, Razão da Minha História.
Atividade Dias dos Pais -  Meu Pai, Razão da Minha História.Atividade Dias dos Pais -  Meu Pai, Razão da Minha História.
Atividade Dias dos Pais - Meu Pai, Razão da Minha História.
 
Relatório de Atividades 2009 CENSIPAM
Relatório de Atividades 2009 CENSIPAM Relatório de Atividades 2009 CENSIPAM
Relatório de Atividades 2009 CENSIPAM
 
Relatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdf
 
Relatório de Atividades 2015 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2015 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2015 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2015 CENSIPAM.pdf
 
Apostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdf
Apostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdfApostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdf
Apostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdf
 
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdfCaderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
 
Painel para comemerorar odia dos avós grátis.pdf
Painel  para comemerorar odia dos avós grátis.pdfPainel  para comemerorar odia dos avós grátis.pdf
Painel para comemerorar odia dos avós grátis.pdf
 
Oficina de bases de dados - Dimensions.pdf
Oficina de bases de dados - Dimensions.pdfOficina de bases de dados - Dimensions.pdf
Oficina de bases de dados - Dimensions.pdf
 
IV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptx
IV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptxIV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptx
IV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptx
 
Acróstico - Bullying é crime!
Acróstico - Bullying é crime!Acróstico - Bullying é crime!
Acróstico - Bullying é crime!
 
_jogo-brinquedo-brincadeira-e-a-e-ducacao-tizuko-morchida-kishimoto-leandro-p...
_jogo-brinquedo-brincadeira-e-a-e-ducacao-tizuko-morchida-kishimoto-leandro-p..._jogo-brinquedo-brincadeira-e-a-e-ducacao-tizuko-morchida-kishimoto-leandro-p...
_jogo-brinquedo-brincadeira-e-a-e-ducacao-tizuko-morchida-kishimoto-leandro-p...
 
As Ideias Têm Consequências - Richard M. Weaver
As Ideias Têm Consequências - Richard M. WeaverAs Ideias Têm Consequências - Richard M. Weaver
As Ideias Têm Consequências - Richard M. Weaver
 
Slide para aplicação da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
Slide para aplicação  da AVAL. FLUÊNCIA.pptxSlide para aplicação  da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
Slide para aplicação da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
 
Caderno 1 - Módulo Água JMS 2024 (1).pdf
Caderno 1 -  Módulo Água JMS 2024 (1).pdfCaderno 1 -  Módulo Água JMS 2024 (1).pdf
Caderno 1 - Módulo Água JMS 2024 (1).pdf
 
Ideais do Ministério jovem Adventista pdf
Ideais do Ministério jovem Adventista pdfIdeais do Ministério jovem Adventista pdf
Ideais do Ministério jovem Adventista pdf
 
Relatório de Atividades 2016 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2016 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2016 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2016 CENSIPAM.pdf
 
Mini livro sanfona - Minha Escola Tem História.
Mini livro  sanfona - Minha Escola Tem História. Mini livro  sanfona - Minha Escola Tem História.
Mini livro sanfona - Minha Escola Tem História.
 
Caça-palavras e cruzadinha - Encontros consonantais.
Caça-palavras e cruzadinha -  Encontros consonantais.Caça-palavras e cruzadinha -  Encontros consonantais.
Caça-palavras e cruzadinha - Encontros consonantais.
 

Cultura e manifestações artísticas

  • 1. ARTE E MANIFESTAÇÕES CULTURAIS ARTE E MANIFESTAÇÕES CULTURAIS Arte Cultura Expressões Bens CULTURA E MANIFESTAÇÕES ARTÍSTICAS
  • 2. cultura na dimensão simbólica • Aspecto da cultura que considera que todos os seres humanos tem capacidade de criar símbolos. • Esses símbolos se expressam em diversas práticas culturais como culinária; costumes; vestuário; idiomas, etc. • Presente também nas linguagens artísticas: teatro, dança, música, artes visuais, literatura, artesanato, circo, etc. • Está relacionada às necessidades e ao bem-estar do homem enquanto ser individual e coletivo
  • 3. • Entende a cultura como um direito básico do cidadão. • A Constituição Federal incluiu a cultura como mais um dos direitos sociais ao lado da educação; saúde; trabalho; moradia e lazer • Assim, esses direitos devem ser garantidos por políticas de acesso aos meios de produção, difusão e circulação de bens e serviços da cultura • Os mecanismos devem garantir participação social e formação contínua
  • 4. cultura na dimensão econômica •Considera o potencial da cultura para gerar lucros, emprego e renda. •Estimula a formação de cadeias de produção que se relacionam com as diversas expressões culturais e com uma economia criativa. •Pode-se pensar a cultura num novo cenário de desenvolvimento econômico socialmente justo e sustentável
  • 5. O que se entende por manifestações culturais? • Para a Antropologia Cultural, manifestação cultural é toda forma de expressão humana, seja através de celebrações e rituais ou através de outros suportes como imagens fotográficas e fílmicas. Além disso, sabemos que as expressões das culturas humanas também são veiculadas através de outras linguagens, escritas, verbais e não-verbais
  • 6. patrimônio • O patrimônio também se constitui como uma linguagem que expressa uma forma de sentir e pensar um acontecimento, um tempo, uma dada forma de ver as coisas do mundo. • a noção moderna de patrimônio cultural não se restringe mais à arquitetura, mesmo sendo indiscutível que a presença de edificações é um ponto alto da realização humana. Deste modo, o significado de patrimônio cultural é muito mais amplo, incluindo diversos produtos do sentir, do pensar e do agir humano.
  • 7. • Portanto, tem-se que o patrimônio pode abarcar manifestações culturais intangíveis, como as tradições orais, a música, idiomas e festas, além dos bens artísticos. • Neste sentido, as festas populares expressam as formas identitárias de grupos locais, onde o motivo de encontro, de fé ou simplesmente de celebrar atrai e identifca devotos e indivíduos de mesma identidade. • As manifestações populares possuem um caráter ideológico uma vez que comemorar é, antes de mais nada, conservar algo que ficou na memória coletiva (Paiva Moura, 2001) e forma de manifestação cultural.
  • 8. http://cafecomsociologia.blogspot.com/2010/03/manifestacoes-culturais-e-patrimonio.html Postado por Professor Augusto Tavares às 09:39 09:39 09:39 • É importante ressaltar que patrimônio histórico-cultural não é apenas o acervo de obras raras ou da cultura de um passado distante; é a valorização e o conhecimento dos bens culturais que podem contar a história ou a vida de uma sociedade, de um povo, de uma comunidade. • Será através do contato com tais bens que conheceremos a memória ou até mesmo a identidade de um povo. • Através do conhecimento do nosso patrimônio cultural, podemos aprender sobre nossa memória e, conseqüentemente, exercer a cidadania.
  • 9. DIREITO AO ACESSO CULTURAL “O Estado garantirá a todos o pleno exercício dos direitos culturais e acesso às fontes da cultura nacional e apoiará e incentivará a valorização e a difusão das manifestações culturais” é o que diz o artigo 215 da Constituição Brasileira.
  • 10. 1 - Criação, produção, preservação, intercâmbio e circulação de Bens Artísticos e Culturais TEXTO-BASE DA III CNC TEXTO-BASE DA III CNC • Uma característica comum a todos os bens culturais é a singularidade, ou seja, cada obra de criação é única. • Até mesmo as que são fabricadas industrialmente e por isso podem ser amplamente reproduzidas a partir de matrizes originais (livros, audiovisual, fotografias, CDs e DVDs). • Contudo, mesmo essas obras raramente têm retorno financeiro suficiente para pagar seus custos, ainda mais neste mundo de consumo desenfreado, no qual os produtos envelhecem pre- cocemente e são descartados.
  • 11. • Nesse contexto, cabe ao Estado apoiar o desenvolvimento da cultura em todas as suas dimensões, mas é inegável que existem expressões artísticas e culturais mais frágeis. • Essas merecem tratamento prioritário, seja porque suas possibilidades de reprodução são menores (espetáculos de teatro, dança, circo, celebrações populares e obras artesanais), seja porque tem origem em grupos econômica e socialmente excluídos ou marginalizados (indígenas, quilombolas, povos e comunidades tradicionais).
  • 12. 4 - Valorização do Patrimônio Cultural e Proteção aos Conhecimentos dos Povos e Comunidades Tradicionais. “O Estado protegerá as manifestações das culturas populares, indígenas e afro-brasileiras, e das de outros grupos participantes do processo civilizatório nacional” (§1o do art. 215). •O constituinte de 1988, ao destacar explicitamente determinados grupos culturais, entre tantos outros participantes da sociedade brasileira, além de lhes garantir proteção especial, com certeza pensou na reparação de injustiças históricas cometidas contra esses grupos, como o genocídio de tribos indígenas e a escravidão de índios e negros. Provavelmente preocupava-se também com o risco de extinção de valores e modos de viver, fazer e criar.
  • 13. programas e ações do Ministério da Cultura • O MinC têm se dedicado à promoção e proteção dessas culturas. • O Prêmio de Culturas Indígenas e o Prêmio Culturas Populares já estão na 4a edição e, recentemente, foram lançados editais para fomentar projetos de criadores negros nas áreas das artes visuais, dança, música, circo, teatro, audiovisual, pesquisa, leitura, criação literária e publicações. • Simultaneamente, o Ministério trabalha no projeto de implantação do Museu da Memória Afro Descendente, em Brasília, pensado como marco de referência da centralidade da cultura negra na construção de nossa identidade.
  • 14. • É posterior à Constituição de 1988 a formalização do grupamento humano denominado “povos e comunidades tradicionais”, cujos membros não se reconhecem como integrantes das culturas populares, indígenas e afro-brasileiras, mas têm com elas algumas analogias. • Hoje integram a Comissão Nacional de Desenvolvimento Sustentável dos Povos e Comunidades Tradicionais, criada em 2006, representantes de quilombolas, povos indígenas, ciganos, pomeranos, ribeirinhos, quebradeiras de coco babuçu, seringueiros, pescadores artesanais, caiçaras, agroextrativistas da Amazônia, povos dos faxinais, dos fundos de pasto, geraizeiros, pantaneiros, retireiros e comunidades de terreiros. E esse número vem aumentando, já incluídos os cipozeiros e os ilhéus.
  • 15. • O que os une é a resistência a modelos homogeneizantes da política de desenvolvimento rural e da pesca, e a defesa de modos de vida comunitários, baseados em formas próprias de manejo dos recursos naturais. • O território é considerado por esses grupos parte estruturante de sua identidade cultural. • Desde 2007, esse grupamento tem um estatuto legal próprio, o Decreto no 6.040, que traz a Política Nacional de Desenvolvimento Sustentável dos Povos e Comunidades Tradicionais (PNPCT), seus princípios, objetivos e instrumentos de implantação.
  • 16. • Entre os princípios destacam-se, para efeito das políticas culturais, “o reconhecimento, a valorização e o respeito à diversidade socioambiental e cultural dos povos e comunidades tradicionais” e a “preservação dos direitos culturais, o exercício de práticas comunitárias, a memória cultural e a identidade racial e étnica”. • Portanto, além das culturas populares, indígenas e afro- brasileiras, cabe aos gestores da cultura lançar foco especial também sobre os povos e comunidades tradicionais
  • 17. MUITO OBRIGADO! BIA MATTAR • biamattar@hotmail.com •tel: (47) 9262 6543