SlideShare uma empresa Scribd logo
O MITO DE SATANÁSO MITO DE SATANÁS
UM ANÁLISE EXEGÉTICA DEUM ANÁLISE EXEGÉTICA DE
EZEQUIEL 28.1-19EZEQUIEL 28.1-19
Prof. Rev. João Ricardo Ferreira de França.
Visitem: www.centrodeestudospresbiteriano.blogspot.com
INTRODUÇÃO:INTRODUÇÃO:
 Tema desafiador
 A história da Igreja tem mostrado que muitas
interpretações erradas tem se perpetuado ao longo
dos séculos como se fossem uma interpretação
verdadeira.
 A passagem bíblica em foco tem sido interpretada
de uma forma a sugerir e indicar que refere-se a
queda de Satanás.
 O nosso estudo procurará mostrar, com base na
exegese do texto, que esta interpretação está
equivocada.
 E veio a mim a palavra do SENHOR, dizendo:
(Eze 28:1 ARC)
yhiy>w:e vayhi - Este verbo expressa o
passado narrativo – indicado a veracidade
profecia – “E veio”! Desde o capítulo 3.16 os
assuntos abordados são: rebeldia,desobediência erebeldia,desobediência e
destruiçãodestruição [ sempre ligado aos seres humanos].
 Verso 2 – Afirmações Positivas e Negativas: o
advérbio ohK [qoh] – demonstra o que vem em
seguida e sobre quem se refere. A arrogância está
relacionada à questão da divinização do humano.
Eu sou Deusa
a
Sobre a cadeira de Deusb
b
Não és Deus...a’
a’
Com o se fora o coraão de Deusb’
b’
O PRÍNCIPE DE TIROO PRÍNCIPE DE TIRO
 Apalavra hebraica para príncipe em Ezequiel é:
dy=«gn>ili(linegîd), mas infelizmente há
uma nota na Mp [Massôra Parva]* registrando
a seguinte informação: lO ; ou seja, o termo:
dy=«gn>ili(linegîd) é um “hapax legómenon”
(palavra ou expressão única no texto bíblico).
 * Nota: É o conjunto principal de anotações
massoréticas escrito entre colunas e nas margens
laterais do texto bíblico – Na BHS – Biblia
Hebraica Stuttgartensia.
QUAL A RAZÃO DE O PRÍNCIPEQUAL A RAZÃO DE O PRÍNCIPE DEDE
TIRO SE CONSIDERAR UM DEUS?TIRO SE CONSIDERAR UM DEUS?
a) A sua cidade era a “mais notável”
das cidades fenícias;
e) Era fértil, bem regada pelo o rio
Leontes (Litany) tinha uma grande
provisão para a
Cidade e os “jardins”
b) O centro de Tiro ficava situado em
uma “ilha rochosa”
f) Tiro era notado pela habilidade de
seus artífices e seus produtos
fabricados eram
“famosos por todo o mundo”
c)Eles “adoravam muitos deuses”
inclusive: “Baal, Melkarth e Astarte”
g) Hirão, o rei aumentou e embelezou
a sua capital. Ele uniu as duas ilhas
pequenas nas
Quais a cidade fora construída e
assim construiu um: “templo
esplêndido aos deuses” à
Melkarth e Astarte
d) O espaço dentro da cidade
comportava 40.000 habitantes
h) Não se pode esquece todo o
capítulo 27, que descreve sua
potência em
comercialização.
 sim, és mais sábio que Daniel, não há segredo algumsim, és mais sábio que Daniel, não há segredo algum
que se possa esconder de tique se possa esconder de ti; (Eze 28:3 ARA)
 Outro problema é a expressão: “nenhum segredo” que
na BHS temos: [ kol-satum] A expressão “nenhum
segredo” não é atestada em nenhum outro lugar no
Antigo Testamento pelo que é proposto pelo TM
[ Texto Massorético].
 A expressão da LXX, “sábio” é atestada no contexto
do capítulo 27 (Ez 27.8,9 Em síntese, o termo “sábio” é
melhor para estar no texto devidamente ao contexto E
não a expressão “nenhum segredo”; pois, se for aceito
conceito que “nenhum segredo, então, o atributo de
onisciência divina será colocado em seres criados
h; sofoi, =
~ymik;)x
 não há segredo algum que se possa esconder de tinão há segredo algum que se possa esconder de ti
(Eze 28:3 ARA)
 A expressão “esconder de ti”esconder de ti”:[ – a’mamuka] o
aparato crítico da BHS traz a seguinte
informação:
 ||prp &'M,mi qmo[ cf. Isto significa que
não é atestada na BHS e sim, em outras
versões.
 A expressão usada no original hebraico tem o
significado de “te supera, te escurece e te cobri” o
sentido de “te supera” é preferível pois se encaixa
com o vocábulo “sábio”.
 pela tua sabedoria e pelo teu entendimento, alcançaste opela tua sabedoria e pelo teu entendimento, alcançaste o
teu poder e adquiriste ouro e prata nos teus tesouros;teu poder e adquiriste ouro e prata nos teus tesouros;
(Eze 28:4 ARA)
 A palavra “sabedoria” e “entendimento”, são algumas
das “verdades centrais” de Ezequiel 28, As duas
qualidades foram “causas” para adquirir “riqueza”. As
riquezas adquiridas pelo príncipe podem ser visto no
capítulo 27, veja:
a) Negocia com os povos em
muitas ilhas V.3;
b) Faias, e cedros,V.5;
c) Carvalhos e marfim, V.6; d) Linho fino bordado e púrpura,
V.7;
e) Prata, ferro, estanho e chumbo,
negociavam em tuas feiras, V.12;
f) Objetos de bronze, V.13;
g)Cavalos, cavaleiros e mulos,
V.14;
h)Dentes de marfim e pau de
ébano, V.15;
 pela extensão da tua sabedoria no teu comércio,pela extensão da tua sabedoria no teu comércio,
aumentaste as tuas riquezas; e, por causa delas,aumentaste as tuas riquezas; e, por causa delas,
se eleva o teu coração , assim diz o SENHORse eleva o teu coração , assim diz o SENHOR
Deus: Visto que estimas o teu coração como se foraDeus: Visto que estimas o teu coração como se fora
o coração de Deus,o coração de Deus, (Eze 28:5-6 ARA)
 Estes dois textos confirmam a tônica do orgulho
do Príncipe de Tiro, e esta ideia é confirmada
nesta seção textual assim:
 V.3.sábio, segredo e esconder;
 V.4. sabedoria, entendimento e riqueza;
 V.5. sabedoria, comércio, riqueza e orgulho;
 V.6. orgulho.
O ANÚNCIO DE JUÍZOO ANÚNCIO DE JUÍZO
 assim diz o SENHOR Deusassim diz o SENHOR Deus (Eze 28:6 ARA)
 A sua presunção de se comparar com o coração de
Deus é por razões de crescimento de seu império,
ele se tornou um soberano, onde todas as suas
palavras e desejos eram obedecidos.
 eis que eu trarei sobre ti os mais terríveiseis que eu trarei sobre ti os mais terríveis
estrangeiros dentre as nações, os quaisestrangeiros dentre as nações, os quais
desembainharão a espada contra a formosura dadesembainharão a espada contra a formosura da
tua sabedoria e mancharão o teu resplendor.tua sabedoria e mancharão o teu resplendor.
(Eze 28:7 ARA)
 Como pode um anjo (Satanás) ser ferido por
espadas se é espírito? Logo, deveria escapar com
sua velocidade e não ser pego por uma grande
multidão. O objetivo é detalhar mais alguns
aspectos deste versículo como prova do “Mito de
Satanás”.
 O verbo “trareitrarei” (mëbî´) na BHS é atestado
por 2.570 vezes. No texto de Ezequiel e em
preferência ao versículo, conota o anúncio de
ameaça e promessa de destruição.
 A expressão “os mais terríveis dentre as nações”[
] - `ärîtsê Gôyìm- é traduzida como “os
Impiedosos das nações” (lit.Ez 28.7; 30.11;
31.12; 32.12).
 Dirás ainda diante daquele que te matar: Eu souDirás ainda diante daquele que te matar: Eu sou
Deus? Pois não passas de homem e não és Deus,Deus? Pois não passas de homem e não és Deus,
no poder do que te traspassa. Da morte deno poder do que te traspassa. Da morte de
incircuncisos morrerás, por intermédio deincircuncisos morrerás, por intermédio de
estrangeiros, porque eu o falei, diz o SENHORestrangeiros, porque eu o falei, diz o SENHOR
Deus.Deus. (Eze 28:9-10 ARA)
 * Um anjo morto por homens?
 * Deus dá por certo a morte deste personagem.
 A presunção e o orgulho do Príncipe de Tiro tem
mostrado que o oráculo profético dirige-se a um
ser humano e não a um ser celestial.
ESBOÇO DO ORÁCULOESBOÇO DO ORÁCULO
PROFÉTICO EZEQUIEL 28.1-10PROFÉTICO EZEQUIEL 28.1-10.
I – A MISSÃO DO MENSAGEIRO (VS.1-2)
1.1 – A acusação (vs.2)
1.2 – O Desenvolvimento da acusação (vs.3-6)
II – A FÓRMULA DA MENSAGEM
1. [ laken koh ‘Amar] – (vs.6)
2. [laken hinni] – (vs 7)
III – ANUNCIO DO JUÍZO
3.1 – A intervenção de Deus (vs.6)
3.2 – As Consequências (vs.7-10)
O MITO DE SATANÁSO MITO DE SATANÁS
UM ANÁLISE EXEGÉTICA DEUM ANÁLISE EXEGÉTICA DE
EZEQUIEL 28.1-19EZEQUIEL 28.1-19
(PARTE 2)(PARTE 2)
Prof. Rev. João Ricardo Ferreira de França.
Contatos: (86)9938-5631 / (86) 8811-2607
E-mail: jrcalvino9@hotmail.com
Visitem: www.centrodeestudospresbiteriano.blogspot.com
O mito de satanás
ORÁCULO DE LAMENTO SOBRE OORÁCULO DE LAMENTO SOBRE O
REI DE TIROREI DE TIRO
 Filho do homem, levanta uma lamentação contraFilho do homem, levanta uma lamentação contra
o rei de Tiro e dize-lhe: Assim diz o SENHORo rei de Tiro e dize-lhe: Assim diz o SENHOR
Deus: Tu és o sinete da perfeição, cheio deDeus: Tu és o sinete da perfeição, cheio de
sabedoria e formosura. (Eze 28:12 ARA).sabedoria e formosura. (Eze 28:12 ARA).
 Análise do Gênero Literário:
O autor faz mudança de linguagem de prosa
para a poesia como é atestada também nos
capítulos antecedentes em 26.17 e 27.2. Destaca-
se como verdade central às expressões
“sabedoria”, “perfeito” e “formosura”,Palavras
também apresentadas nos capítulos anteriores.
Logo, temos aqui a sequência de ideias da seção
anterior.
 A palavra hebraica “ ” [ qinar ] – lamentação –
nunca é usada para referir-se a seres espirituais
nas narrativas bíblicas.
 A lamentação é específica “ ” [al-meleke tsor] –
sobre o rei de Tiro – um personagem humano.
 Tu és o sinete da perfeição -Tu és o sinete da perfeição - -- (‘athah hotem
thakenith) a MP indica tratar-se de um haparx
legomenon – ou seja, é uma expressão única em
todo o texto hebraico.
 A expressão: “cheio de sabedoria...”: – male’
hokemah – o aparato crítico da BHS informa que
foi omitida pela septuaginta LXX, e que o ponto
de ser o sinete está ligado a questão desta grande
sabedoria.
 Estavas no Éden, jardim deEstavas no Éden, jardim de
Deus; de todas as pedrasDeus; de todas as pedras
preciosas te cobrias: o sárdio, opreciosas te cobrias: o sárdio, o
topázio, o diamante, o berilo, otopázio, o diamante, o berilo, o
ônix, o jaspe, a safira, oônix, o jaspe, a safira, o
carbúnculo e a esmeralda; decarbúnculo e a esmeralda; de
ouro se te fizeram os engastes eouro se te fizeram os engastes e
os ornamentos; no dia em queos ornamentos; no dia em que
foste criado, foram elesfoste criado, foram eles
preparados.preparados. (Eze 28:13 ARA)
 A palavra:!d,[e (‘eden) é
relatada por várias versões
como o Pentateuco Samaritano
que trás a forma:
 a Septuaginta relata a
forma: Edem (Gn 2.8"10; 4.16).
É argumentado que a palavra
provavelmente conota o sentido
de “terra de felicidades”.Fica
fácil o raciocínio, pois o rei de
Tiro tinha todas as regalias
possíveis, onde leva o autor
comparar a sua terra com o
Éden.
 1-Sárdio - Judá
 2-Topázio - Issacar
 3-Carbúnculo -
Zebulom
 4-Esmeralda - Rubén
 5-Safira - Simeão
 6-Diamante - Gade
 7-Jacinto - Jose
 8-Ágata - Manasses
 9-Ametista -
Benjamim
 10-Berilo - Dã
 11-Ônix - Aser
 12-Jaspe - Naftali
 Não é de se surpreender que o plural da palavra
tem o significado de “delícia”e foi suposto que
aquele Éden significa a terra de delícias e que
apalavra se tornou um sinônimo para Paraíso.
 2ª O livro de Ezequiel quando utiliza a expressão
“Éden”,não quer provar nada além de uma
formade expressar regozijo e felicidade no sentido
positivo,mas se tratando de um juízo, abre-se à
sentença de algo que era maravilhoso (Éden) e
agora arruinado.Este raciocínio pode ser visto em
passagens como: Ez.31.9,16,18.
 Conclusão. É patente a forma em que o autor
procura expressar a beleza do rei. Demonstra isso
utilizando excelentes figuras de linguagem.
A IMAGEM DE TIRO
 Tu eras querubim da guarda ungido, e teTu eras querubim da guarda ungido, e te
estabeleci; permanecias no monte santo de Deus,estabeleci; permanecias no monte santo de Deus,
no brilho das pedras andavas.no brilho das pedras andavas. (Eze 28:14 ARA)
 A expressão “tu eras” é complexa “ ” – athe
keruvin - a versão LXX traduz do seguinte modo:
“μετ το χερουβὰ ῦ ” que é traduzido assim: “fiz de
ti um querubim” com o sentido de abençaador. O
vocábulo é colocado aqui no sentido de que Tiro
deveria ser uma benção para as nações ao seu
redor.
 permanecias no monte santo de Deuspermanecias no monte santo de Deus
(Eze 28:14 ARA)
 - beher kadesh elohim - A idéia de um monte
santo de Deus, era na verdade: “o assento do rei
de Tiro”. Tiro construiu sua fortaleza em uma ou
duas ilhas rochosas do mediterrâneo.
 Como o termo Elohim não está prefixado com o
artigo singular, a implicação é que aqui ser refere
ao monte dos deuses.
 no meio das pedras afogueadas andavas.no meio das pedras afogueadas andavas.
(Eze 28:14 ACF) – a ideia aqui é pisar em jóias,
pedras preciosas apontando para a riqueza do rei.
 Na multiplicação do teu comércio, se encheu o teu interiorNa multiplicação do teu comércio, se encheu o teu interior
de violência, e pecaste; pelo que te lançarei, profanado, forade violência, e pecaste; pelo que te lançarei, profanado, fora
do monte de Deus e te farei perecer, ó querubim da guarda,do monte de Deus e te farei perecer, ó querubim da guarda,
em meio ao brilho das pedras. Elevou-se o teu coração porem meio ao brilho das pedras. Elevou-se o teu coração por
causa da tua formosura, corrompeste a tua sabedoria porcausa da tua formosura, corrompeste a tua sabedoria por
causa do teu resplendor; lancei-te por terra, diante dos reiscausa do teu resplendor; lancei-te por terra, diante dos reis
te pus, para que te contemplem.te pus, para que te contemplem.
 18 Pela multidão das tuas iniqüidades, pela injustiça do18 Pela multidão das tuas iniqüidades, pela injustiça do
teu comércio, profanaste os teus santuários; eu, pois, fiz sairteu comércio, profanaste os teus santuários; eu, pois, fiz sair
do meio de ti um fogo, que te consumiu, e te reduzi a cinzasdo meio de ti um fogo, que te consumiu, e te reduzi a cinzas
sobre a terra, aos olhos de todos os que te contemplam.sobre a terra, aos olhos de todos os que te contemplam.
 19 Todos os que te conhecem entre os povos estão19 Todos os que te conhecem entre os povos estão
espantados de ti; vens a ser objeto de espanto e jamaisespantados de ti; vens a ser objeto de espanto e jamais
subsistirás. (Eze 28:16-19 ARA)subsistirás. (Eze 28:16-19 ARA)
 Aqui temos tônica do Juízo de Deus.Aqui temos tônica do Juízo de Deus.
ESBOÇO DO ORÁCULOESBOÇO DO ORÁCULO
PROFÉTICO 2PROFÉTICO 2
 I – MISSÃO DO MENSAGEIRO (VS11)
 1. A acusação (vs.12-15)
 2. O desenvolvimento da Acusação (vs 16)
 II – O ORÁCULO DO JUÍZO
 1. intervenção de Deus (vs.17-18)
 2. Consequências (vs.18-19)
APÊNDICE – A MASSÔRAAPÊNDICE – A MASSÔRA
PARVA.PARVA.
APÊNDICE – O APARATOAPÊNDICE – O APARATO
CRÍTICO DO TEXTOCRÍTICO DO TEXTO
HEBRAICOHEBRAICO
 INFORMAÇÕES SOBRE O AUTOR.INFORMAÇÕES SOBRE O AUTOR.
O autor é Ministro da Palavra pela Igreja Presbiteriana
do Brasil. Formado em Teologia Reformada pelo
Seminário Presbiteriano do Norte (SPN) em Recife –
PE. Foi professor de línguas bíblicas (Grego e
Hebraico) no Seminário Presbiteriano Fundamentalista
do Brasil (SPFB) em Recife - PE. É o fundador do
Centro de Estudos Presbiteriano. Atualmente é pastor
auxiliar da Primeira Igreja Presbiteriana Riachão do
Jacuípe – BA. É casado com Géssica Araújo Soares
Nascimento de França. E tem dois filhos: Lucas Luis
Nascimento de França e Júlia Hadassa Nascimento de
França.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Missões : Eu Um Missionário
Missões : Eu Um MissionárioMissões : Eu Um Missionário
Missões : Eu Um Missionário
jonasfreitasdejesus
 
lição nº 10 O PROCESSO DA SALVAÇÃO
lição nº 10 O PROCESSO DA SALVAÇÃOlição nº 10 O PROCESSO DA SALVAÇÃO
lição nº 10 O PROCESSO DA SALVAÇÃO
Hilda Helena Heringer
 
O propósito dos dons espirituais
O propósito dos dons espirituaisO propósito dos dons espirituais
O propósito dos dons espirituais
Moisés Sampaio
 
A NATUREZA DA IGREJA DE JESUS
A NATUREZA DA IGREJA DE JESUSA NATUREZA DA IGREJA DE JESUS
A NATUREZA DA IGREJA DE JESUS
Sandra Dias
 
Missões_lição 3 - A igreja e missões
Missões_lição 3 - A igreja e missõesMissões_lição 3 - A igreja e missões
Missões_lição 3 - A igreja e missões
Natalino das Neves Neves
 
SEITAS E HERESIAS - CATOLICISMO ROMANO
SEITAS E HERESIAS - CATOLICISMO ROMANOSEITAS E HERESIAS - CATOLICISMO ROMANO
SEITAS E HERESIAS - CATOLICISMO ROMANO
Leonam dos Santos
 
Uma igreja vivendo em pequenos grupos
Uma igreja vivendo em pequenos gruposUma igreja vivendo em pequenos grupos
Uma igreja vivendo em pequenos grupos
Viva a Igreja
 
Missiologia
MissiologiaMissiologia
Missiologia
Hebert Balieiro
 
Pneumatologia prof sandro valentin
Pneumatologia prof sandro valentinPneumatologia prof sandro valentin
Pneumatologia prof sandro valentin
casa
 
Lição 11 - A Importância da Bíblia como única regra de Fé
Lição 11 - A Importância da Bíblia como única regra de FéLição 11 - A Importância da Bíblia como única regra de Fé
Lição 11 - A Importância da Bíblia como única regra de Fé
Éder Tomé
 
IGREJA PRESBITERIANA - O GOVERNO DA IGREJA
IGREJA PRESBITERIANA - O GOVERNO DA IGREJA IGREJA PRESBITERIANA - O GOVERNO DA IGREJA
IGREJA PRESBITERIANA - O GOVERNO DA IGREJA
Joao Franca
 
Missões
MissõesMissões
Missões
ibavida
 
Historia da igreja i aula 1
Historia da igreja i  aula 1Historia da igreja i  aula 1
Historia da igreja i aula 1
Moisés Sampaio
 
1. avivamento do odre novo
1. avivamento do odre novo1. avivamento do odre novo
1. avivamento do odre novo
Nicolas Panda
 
1 introdução à missiologia
1 introdução à missiologia1 introdução à missiologia
1 introdução à missiologia
faculdadeteologica
 
Seitas, heresias e falsos ensinos - Introdução
Seitas, heresias e falsos ensinos - IntroduçãoSeitas, heresias e falsos ensinos - Introdução
Seitas, heresias e falsos ensinos - Introdução
Luan Almeida
 
Lição 10 Espiritismo - 2º Quadrimestre 2012 - EBD - Religiões e Religiosida...
Lição 10   Espiritismo - 2º Quadrimestre 2012 - EBD - Religiões e Religiosida...Lição 10   Espiritismo - 2º Quadrimestre 2012 - EBD - Religiões e Religiosida...
Lição 10 Espiritismo - 2º Quadrimestre 2012 - EBD - Religiões e Religiosida...
Sergio Silva
 
Eclesiologia
EclesiologiaEclesiologia
Eclesiologia
Romulo Roosemberg
 
Introdução 1 cristologia
Introdução 1 cristologiaIntrodução 1 cristologia
Introdução 1 cristologia
frpoverello
 
Homilética lição - 01
Homilética   lição - 01Homilética   lição - 01
Homilética lição - 01
Ev Nelson Fernandes
 

Mais procurados (20)

Missões : Eu Um Missionário
Missões : Eu Um MissionárioMissões : Eu Um Missionário
Missões : Eu Um Missionário
 
lição nº 10 O PROCESSO DA SALVAÇÃO
lição nº 10 O PROCESSO DA SALVAÇÃOlição nº 10 O PROCESSO DA SALVAÇÃO
lição nº 10 O PROCESSO DA SALVAÇÃO
 
O propósito dos dons espirituais
O propósito dos dons espirituaisO propósito dos dons espirituais
O propósito dos dons espirituais
 
A NATUREZA DA IGREJA DE JESUS
A NATUREZA DA IGREJA DE JESUSA NATUREZA DA IGREJA DE JESUS
A NATUREZA DA IGREJA DE JESUS
 
Missões_lição 3 - A igreja e missões
Missões_lição 3 - A igreja e missõesMissões_lição 3 - A igreja e missões
Missões_lição 3 - A igreja e missões
 
SEITAS E HERESIAS - CATOLICISMO ROMANO
SEITAS E HERESIAS - CATOLICISMO ROMANOSEITAS E HERESIAS - CATOLICISMO ROMANO
SEITAS E HERESIAS - CATOLICISMO ROMANO
 
Uma igreja vivendo em pequenos grupos
Uma igreja vivendo em pequenos gruposUma igreja vivendo em pequenos grupos
Uma igreja vivendo em pequenos grupos
 
Missiologia
MissiologiaMissiologia
Missiologia
 
Pneumatologia prof sandro valentin
Pneumatologia prof sandro valentinPneumatologia prof sandro valentin
Pneumatologia prof sandro valentin
 
Lição 11 - A Importância da Bíblia como única regra de Fé
Lição 11 - A Importância da Bíblia como única regra de FéLição 11 - A Importância da Bíblia como única regra de Fé
Lição 11 - A Importância da Bíblia como única regra de Fé
 
IGREJA PRESBITERIANA - O GOVERNO DA IGREJA
IGREJA PRESBITERIANA - O GOVERNO DA IGREJA IGREJA PRESBITERIANA - O GOVERNO DA IGREJA
IGREJA PRESBITERIANA - O GOVERNO DA IGREJA
 
Missões
MissõesMissões
Missões
 
Historia da igreja i aula 1
Historia da igreja i  aula 1Historia da igreja i  aula 1
Historia da igreja i aula 1
 
1. avivamento do odre novo
1. avivamento do odre novo1. avivamento do odre novo
1. avivamento do odre novo
 
1 introdução à missiologia
1 introdução à missiologia1 introdução à missiologia
1 introdução à missiologia
 
Seitas, heresias e falsos ensinos - Introdução
Seitas, heresias e falsos ensinos - IntroduçãoSeitas, heresias e falsos ensinos - Introdução
Seitas, heresias e falsos ensinos - Introdução
 
Lição 10 Espiritismo - 2º Quadrimestre 2012 - EBD - Religiões e Religiosida...
Lição 10   Espiritismo - 2º Quadrimestre 2012 - EBD - Religiões e Religiosida...Lição 10   Espiritismo - 2º Quadrimestre 2012 - EBD - Religiões e Religiosida...
Lição 10 Espiritismo - 2º Quadrimestre 2012 - EBD - Religiões e Religiosida...
 
Eclesiologia
EclesiologiaEclesiologia
Eclesiologia
 
Introdução 1 cristologia
Introdução 1 cristologiaIntrodução 1 cristologia
Introdução 1 cristologia
 
Homilética lição - 01
Homilética   lição - 01Homilética   lição - 01
Homilética lição - 01
 

Destaque

Curso de teologia econômica 01
Curso de teologia econômica   01Curso de teologia econômica   01
Curso de teologia econômica 01
Joao Franca
 
Escatologia estudo 12 o juízo final
Escatologia  estudo 12   o juízo finalEscatologia  estudo 12   o juízo final
Escatologia estudo 12 o juízo final
Joao Franca
 
Escatologia estudo 05 a volta de cristo e a tribualção
Escatologia  estudo 05   a volta de cristo e a tribualçãoEscatologia  estudo 05   a volta de cristo e a tribualção
Escatologia estudo 05 a volta de cristo e a tribualção
Joao Franca
 
Estado intermediário
Estado intermediárioEstado intermediário
Estado intermediário
Joao Franca
 
Estacatologia estudo 04 a volta de cristo
Estacatologia estudo 04   a volta de cristoEstacatologia estudo 04   a volta de cristo
Estacatologia estudo 04 a volta de cristo
Joao Franca
 
Escatologia correntes escatológicas
Escatologia   correntes escatológicasEscatologia   correntes escatológicas
Escatologia correntes escatológicas
Joao Franca
 
Curso de diácono 02
Curso de diácono 02Curso de diácono 02
Curso de diácono 02
Joao Franca
 
Oséias estudo 02
Oséias   estudo 02Oséias   estudo 02
Oséias estudo 02
Joao Franca
 
Escatologia estudo 01
Escatologia  estudo 01Escatologia  estudo 01
Escatologia estudo 01
Joao Franca
 
Escatologia estudo 02
Escatologia estudo 02Escatologia estudo 02
Escatologia estudo 02
Joao Franca
 
A GRANDE TRIBULAÇÃO E O ANTICRISTO
A GRANDE TRIBULAÇÃO E O ANTICRISTOA GRANDE TRIBULAÇÃO E O ANTICRISTO
A GRANDE TRIBULAÇÃO E O ANTICRISTO
Joao Franca
 
Cristãos acolhedores
Cristãos acolhedoresCristãos acolhedores
Cristãos acolhedores
Flavio Brim
 
Campanha de evangelismo da shalom
Campanha de evangelismo da shalomCampanha de evangelismo da shalom
Campanha de evangelismo da shalom
Flavio Brim
 
Olhando abaixo da superfície
Olhando abaixo da superfícieOlhando abaixo da superfície
Olhando abaixo da superfície
Ricardo Gondim
 
Como nos tornamos uma igreja de programas
Como nos tornamos uma igreja de programasComo nos tornamos uma igreja de programas
Como nos tornamos uma igreja de programas
Flavio Brim
 
O problema do Perdão
O problema do PerdãoO problema do Perdão
O problema do Perdão
Ricardo Gondim
 
Slides shalom 2016 06 28
Slides shalom 2016 06 28Slides shalom 2016 06 28
Slides shalom 2016 06 28
Flavio Brim
 
Calendário shalom 2016
Calendário shalom 2016Calendário shalom 2016
Calendário shalom 2016
Flavio Brim
 
Escatologia estudo 08 as setentas semanas 1
Escatologia  estudo 08   as setentas semanas 1Escatologia  estudo 08   as setentas semanas 1
Escatologia estudo 08 as setentas semanas 1
Joao Franca
 
Introdução (vocação e ensino)
Introdução (vocação e ensino)Introdução (vocação e ensino)
Introdução (vocação e ensino)
Ricardo Gondim
 

Destaque (20)

Curso de teologia econômica 01
Curso de teologia econômica   01Curso de teologia econômica   01
Curso de teologia econômica 01
 
Escatologia estudo 12 o juízo final
Escatologia  estudo 12   o juízo finalEscatologia  estudo 12   o juízo final
Escatologia estudo 12 o juízo final
 
Escatologia estudo 05 a volta de cristo e a tribualção
Escatologia  estudo 05   a volta de cristo e a tribualçãoEscatologia  estudo 05   a volta de cristo e a tribualção
Escatologia estudo 05 a volta de cristo e a tribualção
 
Estado intermediário
Estado intermediárioEstado intermediário
Estado intermediário
 
Estacatologia estudo 04 a volta de cristo
Estacatologia estudo 04   a volta de cristoEstacatologia estudo 04   a volta de cristo
Estacatologia estudo 04 a volta de cristo
 
Escatologia correntes escatológicas
Escatologia   correntes escatológicasEscatologia   correntes escatológicas
Escatologia correntes escatológicas
 
Curso de diácono 02
Curso de diácono 02Curso de diácono 02
Curso de diácono 02
 
Oséias estudo 02
Oséias   estudo 02Oséias   estudo 02
Oséias estudo 02
 
Escatologia estudo 01
Escatologia  estudo 01Escatologia  estudo 01
Escatologia estudo 01
 
Escatologia estudo 02
Escatologia estudo 02Escatologia estudo 02
Escatologia estudo 02
 
A GRANDE TRIBULAÇÃO E O ANTICRISTO
A GRANDE TRIBULAÇÃO E O ANTICRISTOA GRANDE TRIBULAÇÃO E O ANTICRISTO
A GRANDE TRIBULAÇÃO E O ANTICRISTO
 
Cristãos acolhedores
Cristãos acolhedoresCristãos acolhedores
Cristãos acolhedores
 
Campanha de evangelismo da shalom
Campanha de evangelismo da shalomCampanha de evangelismo da shalom
Campanha de evangelismo da shalom
 
Olhando abaixo da superfície
Olhando abaixo da superfícieOlhando abaixo da superfície
Olhando abaixo da superfície
 
Como nos tornamos uma igreja de programas
Como nos tornamos uma igreja de programasComo nos tornamos uma igreja de programas
Como nos tornamos uma igreja de programas
 
O problema do Perdão
O problema do PerdãoO problema do Perdão
O problema do Perdão
 
Slides shalom 2016 06 28
Slides shalom 2016 06 28Slides shalom 2016 06 28
Slides shalom 2016 06 28
 
Calendário shalom 2016
Calendário shalom 2016Calendário shalom 2016
Calendário shalom 2016
 
Escatologia estudo 08 as setentas semanas 1
Escatologia  estudo 08   as setentas semanas 1Escatologia  estudo 08   as setentas semanas 1
Escatologia estudo 08 as setentas semanas 1
 
Introdução (vocação e ensino)
Introdução (vocação e ensino)Introdução (vocação e ensino)
Introdução (vocação e ensino)
 

Semelhante a O mito de satanás

Li a oo 9 - a arca da alianca
Li a oo 9 - a arca da alianca Li a oo 9 - a arca da alianca
Li a oo 9 - a arca da alianca
Vilma Longuini
 
DEUS CRIOU O DIABO - Parte III.docx
DEUS CRIOU O DIABO - Parte III.docxDEUS CRIOU O DIABO - Parte III.docx
DEUS CRIOU O DIABO - Parte III.docx
Nelson Pereira
 
Lição 4 - A providência divina na fidelidade humana - 4°Tri.2014
Lição 4 - A providência divina na fidelidade humana - 4°Tri.2014Lição 4 - A providência divina na fidelidade humana - 4°Tri.2014
Lição 4 - A providência divina na fidelidade humana - 4°Tri.2014
Pr. Andre Luiz
 
Lição 9 - A Arca da Aliança
Lição 9 - A Arca da AliançaLição 9 - A Arca da Aliança
Lição 9 - A Arca da Aliança
Hamilton Souza
 
Teologia de êxodo
Teologia de êxodoTeologia de êxodo
Teologia de êxodo
José Santos
 
Documento 1
Documento 1Documento 1
Lição 8 ebd 2014
Lição 8 ebd   2014Lição 8 ebd   2014
Lição 8 ebd 2014
JEFFERSON LIMA DE SOUSA
 
Profetas maiores
Profetas maioresProfetas maiores
Profetas maiores
Silvio Fagundes
 
Doutrina Dos Anjos Modulo 2
Doutrina Dos Anjos Modulo 2Doutrina Dos Anjos Modulo 2
Doutrina Dos Anjos Modulo 2
fogotv
 
Satanás e seu destino
Satanás e seu destinoSatanás e seu destino
Satanás e seu destino
Antonio Ferreira
 
Palestra vertical II - os aspectos históricos da religião judaica
Palestra vertical II - os  aspectos históricos da religião judaicaPalestra vertical II - os  aspectos históricos da religião judaica
Palestra vertical II - os aspectos históricos da religião judaica
Gabi Baticioto
 
Ciência e Técnica no Antigo Testamento
Ciência e Técnica no Antigo TestamentoCiência e Técnica no Antigo Testamento
Ciência e Técnica no Antigo Testamento
Osame Kinouchi
 
lição 09 EBD..pptx
lição 09  EBD..pptxlição 09  EBD..pptx
lição 09 EBD..pptx
emanoelsilvadonascim
 
Lição 12 - A Nuvem de Glória
Lição 12 - A Nuvem de GlóriaLição 12 - A Nuvem de Glória
Lição 12 - A Nuvem de Glória
Éder Tomé
 
OBADIAS
OBADIASOBADIAS
OBADIAS
Enerliz
 
LIÇÃO 03 – O DEUS QUE INTERVÉM NA HISTÓRIA
LIÇÃO 03 – O DEUS QUE INTERVÉM NA HISTÓRIALIÇÃO 03 – O DEUS QUE INTERVÉM NA HISTÓRIA
LIÇÃO 03 – O DEUS QUE INTERVÉM NA HISTÓRIA
Lourinaldo Serafim
 
5db88f55f1ef1.pptx
5db88f55f1ef1.pptx5db88f55f1ef1.pptx
5db88f55f1ef1.pptx
ssuserb11e07
 
A Importância DO SANGUE - aula8 da EBD IBCN
A Importância DO SANGUE - aula8 da EBD  IBCNA Importância DO SANGUE - aula8 da EBD  IBCN
A Importância DO SANGUE - aula8 da EBD IBCN
AiltonLeandro3
 
A profecia de daniel 8
A profecia de daniel 8A profecia de daniel 8
A profecia de daniel 8
Patricio Darvisson
 
O conflito cósmico sobre o caráter de Deus_Lição_original com textos_1242013
O conflito cósmico sobre o caráter de Deus_Lição_original com textos_1242013O conflito cósmico sobre o caráter de Deus_Lição_original com textos_1242013
O conflito cósmico sobre o caráter de Deus_Lição_original com textos_1242013
Gerson G. Ramos
 

Semelhante a O mito de satanás (20)

Li a oo 9 - a arca da alianca
Li a oo 9 - a arca da alianca Li a oo 9 - a arca da alianca
Li a oo 9 - a arca da alianca
 
DEUS CRIOU O DIABO - Parte III.docx
DEUS CRIOU O DIABO - Parte III.docxDEUS CRIOU O DIABO - Parte III.docx
DEUS CRIOU O DIABO - Parte III.docx
 
Lição 4 - A providência divina na fidelidade humana - 4°Tri.2014
Lição 4 - A providência divina na fidelidade humana - 4°Tri.2014Lição 4 - A providência divina na fidelidade humana - 4°Tri.2014
Lição 4 - A providência divina na fidelidade humana - 4°Tri.2014
 
Lição 9 - A Arca da Aliança
Lição 9 - A Arca da AliançaLição 9 - A Arca da Aliança
Lição 9 - A Arca da Aliança
 
Teologia de êxodo
Teologia de êxodoTeologia de êxodo
Teologia de êxodo
 
Documento 1
Documento 1Documento 1
Documento 1
 
Lição 8 ebd 2014
Lição 8 ebd   2014Lição 8 ebd   2014
Lição 8 ebd 2014
 
Profetas maiores
Profetas maioresProfetas maiores
Profetas maiores
 
Doutrina Dos Anjos Modulo 2
Doutrina Dos Anjos Modulo 2Doutrina Dos Anjos Modulo 2
Doutrina Dos Anjos Modulo 2
 
Satanás e seu destino
Satanás e seu destinoSatanás e seu destino
Satanás e seu destino
 
Palestra vertical II - os aspectos históricos da religião judaica
Palestra vertical II - os  aspectos históricos da religião judaicaPalestra vertical II - os  aspectos históricos da religião judaica
Palestra vertical II - os aspectos históricos da religião judaica
 
Ciência e Técnica no Antigo Testamento
Ciência e Técnica no Antigo TestamentoCiência e Técnica no Antigo Testamento
Ciência e Técnica no Antigo Testamento
 
lição 09 EBD..pptx
lição 09  EBD..pptxlição 09  EBD..pptx
lição 09 EBD..pptx
 
Lição 12 - A Nuvem de Glória
Lição 12 - A Nuvem de GlóriaLição 12 - A Nuvem de Glória
Lição 12 - A Nuvem de Glória
 
OBADIAS
OBADIASOBADIAS
OBADIAS
 
LIÇÃO 03 – O DEUS QUE INTERVÉM NA HISTÓRIA
LIÇÃO 03 – O DEUS QUE INTERVÉM NA HISTÓRIALIÇÃO 03 – O DEUS QUE INTERVÉM NA HISTÓRIA
LIÇÃO 03 – O DEUS QUE INTERVÉM NA HISTÓRIA
 
5db88f55f1ef1.pptx
5db88f55f1ef1.pptx5db88f55f1ef1.pptx
5db88f55f1ef1.pptx
 
A Importância DO SANGUE - aula8 da EBD IBCN
A Importância DO SANGUE - aula8 da EBD  IBCNA Importância DO SANGUE - aula8 da EBD  IBCN
A Importância DO SANGUE - aula8 da EBD IBCN
 
A profecia de daniel 8
A profecia de daniel 8A profecia de daniel 8
A profecia de daniel 8
 
O conflito cósmico sobre o caráter de Deus_Lição_original com textos_1242013
O conflito cósmico sobre o caráter de Deus_Lição_original com textos_1242013O conflito cósmico sobre o caráter de Deus_Lição_original com textos_1242013
O conflito cósmico sobre o caráter de Deus_Lição_original com textos_1242013
 

Mais de Joao Franca

ESTUDO EM RUTE - COMPLETO.pptx
ESTUDO EM RUTE - COMPLETO.pptxESTUDO EM RUTE - COMPLETO.pptx
ESTUDO EM RUTE - COMPLETO.pptx
Joao Franca
 
PRESBITERATO BÍBLICO.pptx
PRESBITERATO BÍBLICO.pptxPRESBITERATO BÍBLICO.pptx
PRESBITERATO BÍBLICO.pptx
Joao Franca
 
Aula 02 exegese nt
Aula 02 exegese ntAula 02 exegese nt
Aula 02 exegese nt
Joao Franca
 
Estudo sobre presbiterianismo aula 03
Estudo sobre presbiterianismo   aula 03Estudo sobre presbiterianismo   aula 03
Estudo sobre presbiterianismo aula 03
Joao Franca
 
Estudo sobre presbiterianismo aula 02
Estudo sobre presbiterianismo   aula 02Estudo sobre presbiterianismo   aula 02
Estudo sobre presbiterianismo aula 02
Joao Franca
 
Estudo sobre presbiterianismo aula 01
Estudo sobre presbiterianismo   aula 01Estudo sobre presbiterianismo   aula 01
Estudo sobre presbiterianismo aula 01
Joao Franca
 
Respostas à cristo vive
Respostas à cristo viveRespostas à cristo vive
Respostas à cristo vive
Joao Franca
 
Curso de diacono 01
Curso de diacono 01Curso de diacono 01
Curso de diacono 01
Joao Franca
 
Escatologia estudo 11 a ressurreição do corpo
Escatologia  estudo 11   a ressurreição do corpoEscatologia  estudo 11   a ressurreição do corpo
Escatologia estudo 11 a ressurreição do corpo
Joao Franca
 
Escatologia estudo 10 o milênio e interpretações
Escatologia  estudo 10    o milênio e interpretaçõesEscatologia  estudo 10    o milênio e interpretações
Escatologia estudo 10 o milênio e interpretações
Joao Franca
 
Aula 01 a doutrina da revelação - PDF
Aula 01   a doutrina da revelação - PDFAula 01   a doutrina da revelação - PDF
Aula 01 a doutrina da revelação - PDF
Joao Franca
 
A doutrina da revelação
A doutrina da revelaçãoA doutrina da revelação
A doutrina da revelação
Joao Franca
 
Amós estudo 02
Amós   estudo 02Amós   estudo 02
Amós estudo 02
Joao Franca
 
Amós estudo 01 -
Amós   estudo 01 -Amós   estudo 01 -
Amós estudo 01 -
Joao Franca
 
Oséias estudo 03
Oséias   estudo 03Oséias   estudo 03
Oséias estudo 03
Joao Franca
 
Oséias estudo 01
Oséias   estudo 01Oséias   estudo 01
Oséias estudo 01
Joao Franca
 
A BÍBLIA, ARMAS E A FÉ REFORMADA
A BÍBLIA, ARMAS E A FÉ REFORMADAA BÍBLIA, ARMAS E A FÉ REFORMADA
A BÍBLIA, ARMAS E A FÉ REFORMADA
Joao Franca
 
Dos eternos decretos de deus
Dos eternos decretos de deusDos eternos decretos de deus
Dos eternos decretos de deus
Joao Franca
 

Mais de Joao Franca (18)

ESTUDO EM RUTE - COMPLETO.pptx
ESTUDO EM RUTE - COMPLETO.pptxESTUDO EM RUTE - COMPLETO.pptx
ESTUDO EM RUTE - COMPLETO.pptx
 
PRESBITERATO BÍBLICO.pptx
PRESBITERATO BÍBLICO.pptxPRESBITERATO BÍBLICO.pptx
PRESBITERATO BÍBLICO.pptx
 
Aula 02 exegese nt
Aula 02 exegese ntAula 02 exegese nt
Aula 02 exegese nt
 
Estudo sobre presbiterianismo aula 03
Estudo sobre presbiterianismo   aula 03Estudo sobre presbiterianismo   aula 03
Estudo sobre presbiterianismo aula 03
 
Estudo sobre presbiterianismo aula 02
Estudo sobre presbiterianismo   aula 02Estudo sobre presbiterianismo   aula 02
Estudo sobre presbiterianismo aula 02
 
Estudo sobre presbiterianismo aula 01
Estudo sobre presbiterianismo   aula 01Estudo sobre presbiterianismo   aula 01
Estudo sobre presbiterianismo aula 01
 
Respostas à cristo vive
Respostas à cristo viveRespostas à cristo vive
Respostas à cristo vive
 
Curso de diacono 01
Curso de diacono 01Curso de diacono 01
Curso de diacono 01
 
Escatologia estudo 11 a ressurreição do corpo
Escatologia  estudo 11   a ressurreição do corpoEscatologia  estudo 11   a ressurreição do corpo
Escatologia estudo 11 a ressurreição do corpo
 
Escatologia estudo 10 o milênio e interpretações
Escatologia  estudo 10    o milênio e interpretaçõesEscatologia  estudo 10    o milênio e interpretações
Escatologia estudo 10 o milênio e interpretações
 
Aula 01 a doutrina da revelação - PDF
Aula 01   a doutrina da revelação - PDFAula 01   a doutrina da revelação - PDF
Aula 01 a doutrina da revelação - PDF
 
A doutrina da revelação
A doutrina da revelaçãoA doutrina da revelação
A doutrina da revelação
 
Amós estudo 02
Amós   estudo 02Amós   estudo 02
Amós estudo 02
 
Amós estudo 01 -
Amós   estudo 01 -Amós   estudo 01 -
Amós estudo 01 -
 
Oséias estudo 03
Oséias   estudo 03Oséias   estudo 03
Oséias estudo 03
 
Oséias estudo 01
Oséias   estudo 01Oséias   estudo 01
Oséias estudo 01
 
A BÍBLIA, ARMAS E A FÉ REFORMADA
A BÍBLIA, ARMAS E A FÉ REFORMADAA BÍBLIA, ARMAS E A FÉ REFORMADA
A BÍBLIA, ARMAS E A FÉ REFORMADA
 
Dos eternos decretos de deus
Dos eternos decretos de deusDos eternos decretos de deus
Dos eternos decretos de deus
 

Último

Oração Para Pedir A Bondade
Oração Para Pedir A BondadeOração Para Pedir A Bondade
Oração Para Pedir A Bondade
Nilson Almeida
 
12 - A ambição do Cristão. Alvo da Lição: Entender que a verdadeira ambição ...
12 - A ambição do Cristão. Alvo da Lição: Entender que a verdadeira  ambição ...12 - A ambição do Cristão. Alvo da Lição: Entender que a verdadeira  ambição ...
12 - A ambição do Cristão. Alvo da Lição: Entender que a verdadeira ambição ...
PIB Penha
 
11 - A oração que Deus atende. Alvo da Lição: Entender que a verdadeira ambi...
11 - A oração que Deus atende. Alvo da Lição: Entender que a verdadeira  ambi...11 - A oração que Deus atende. Alvo da Lição: Entender que a verdadeira  ambi...
11 - A oração que Deus atende. Alvo da Lição: Entender que a verdadeira ambi...
PIB Penha
 
A VIDA SEGUNDO O EVANGELHO - MICHAEL HORTON.pdf
A VIDA SEGUNDO O EVANGELHO - MICHAEL HORTON.pdfA VIDA SEGUNDO O EVANGELHO - MICHAEL HORTON.pdf
A VIDA SEGUNDO O EVANGELHO - MICHAEL HORTON.pdf
marcusviniciussabino1
 
Palestra ECC - A Fé nos Reverses da Vida.pptx
Palestra ECC - A Fé nos Reverses da Vida.pptxPalestra ECC - A Fé nos Reverses da Vida.pptx
Palestra ECC - A Fé nos Reverses da Vida.pptx
NEDIONOSSOMUNDO
 
9 - Negação e Afirmação na Vida do Cristão-Alvo da Lição: Entender que ser cr...
9 - Negação e Afirmação na Vida do Cristão-Alvo da Lição: Entender que ser cr...9 - Negação e Afirmação na Vida do Cristão-Alvo da Lição: Entender que ser cr...
9 - Negação e Afirmação na Vida do Cristão-Alvo da Lição: Entender que ser cr...
PIB Penha
 
15 - Renúncia - Escolha a vida para viver.pdf
15 - Renúncia - Escolha a vida para viver.pdf15 - Renúncia - Escolha a vida para viver.pdf
15 - Renúncia - Escolha a vida para viver.pdf
PIB Penha
 
10 - A Piedade do Cristão.Alvo da Lição: Entender que o dar esmolas, orar e...
10 - A Piedade do Cristão.Alvo da Lição: Entender que o dar esmolas, orar  e...10 - A Piedade do Cristão.Alvo da Lição: Entender que o dar esmolas, orar  e...
10 - A Piedade do Cristão.Alvo da Lição: Entender que o dar esmolas, orar e...
PIB Penha
 
Lição 3 Rute e Noemi - Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Lição 3 Rute e Noemi - Entrelaçadas pelo Amor.pptxLição 3 Rute e Noemi - Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Lição 3 Rute e Noemi - Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Celso Napoleon
 
Jardim de infância- A história de José 1
Jardim de infância- A história de José 1Jardim de infância- A história de José 1
Jardim de infância- A história de José 1
CleideTeles3
 
Biblia em ordem cronologica-Edward Reese e Frank Klassen-NVI-pdf.pdf
Biblia em ordem cronologica-Edward Reese e Frank Klassen-NVI-pdf.pdfBiblia em ordem cronologica-Edward Reese e Frank Klassen-NVI-pdf.pdf
Biblia em ordem cronologica-Edward Reese e Frank Klassen-NVI-pdf.pdf
AndreyCamarini
 
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 143 - Não Tiranizes
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 143 - Não TiranizesSérie Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 143 - Não Tiranizes
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 143 - Não Tiranizes
Ricardo Azevedo
 
16 - O compromisso do cristão.Relacionamento do crente com Deus
16 - O compromisso do cristão.Relacionamento do crente com Deus16 - O compromisso do cristão.Relacionamento do crente com Deus
16 - O compromisso do cristão.Relacionamento do crente com Deus
PIB Penha
 
Lição 2 O Livro de Rute - CPAD Adultos.pptx
Lição 2 O Livro de Rute - CPAD Adultos.pptxLição 2 O Livro de Rute - CPAD Adultos.pptx
Lição 2 O Livro de Rute - CPAD Adultos.pptx
Celso Napoleon
 

Último (14)

Oração Para Pedir A Bondade
Oração Para Pedir A BondadeOração Para Pedir A Bondade
Oração Para Pedir A Bondade
 
12 - A ambição do Cristão. Alvo da Lição: Entender que a verdadeira ambição ...
12 - A ambição do Cristão. Alvo da Lição: Entender que a verdadeira  ambição ...12 - A ambição do Cristão. Alvo da Lição: Entender que a verdadeira  ambição ...
12 - A ambição do Cristão. Alvo da Lição: Entender que a verdadeira ambição ...
 
11 - A oração que Deus atende. Alvo da Lição: Entender que a verdadeira ambi...
11 - A oração que Deus atende. Alvo da Lição: Entender que a verdadeira  ambi...11 - A oração que Deus atende. Alvo da Lição: Entender que a verdadeira  ambi...
11 - A oração que Deus atende. Alvo da Lição: Entender que a verdadeira ambi...
 
A VIDA SEGUNDO O EVANGELHO - MICHAEL HORTON.pdf
A VIDA SEGUNDO O EVANGELHO - MICHAEL HORTON.pdfA VIDA SEGUNDO O EVANGELHO - MICHAEL HORTON.pdf
A VIDA SEGUNDO O EVANGELHO - MICHAEL HORTON.pdf
 
Palestra ECC - A Fé nos Reverses da Vida.pptx
Palestra ECC - A Fé nos Reverses da Vida.pptxPalestra ECC - A Fé nos Reverses da Vida.pptx
Palestra ECC - A Fé nos Reverses da Vida.pptx
 
9 - Negação e Afirmação na Vida do Cristão-Alvo da Lição: Entender que ser cr...
9 - Negação e Afirmação na Vida do Cristão-Alvo da Lição: Entender que ser cr...9 - Negação e Afirmação na Vida do Cristão-Alvo da Lição: Entender que ser cr...
9 - Negação e Afirmação na Vida do Cristão-Alvo da Lição: Entender que ser cr...
 
15 - Renúncia - Escolha a vida para viver.pdf
15 - Renúncia - Escolha a vida para viver.pdf15 - Renúncia - Escolha a vida para viver.pdf
15 - Renúncia - Escolha a vida para viver.pdf
 
10 - A Piedade do Cristão.Alvo da Lição: Entender que o dar esmolas, orar e...
10 - A Piedade do Cristão.Alvo da Lição: Entender que o dar esmolas, orar  e...10 - A Piedade do Cristão.Alvo da Lição: Entender que o dar esmolas, orar  e...
10 - A Piedade do Cristão.Alvo da Lição: Entender que o dar esmolas, orar e...
 
Lição 3 Rute e Noemi - Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Lição 3 Rute e Noemi - Entrelaçadas pelo Amor.pptxLição 3 Rute e Noemi - Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Lição 3 Rute e Noemi - Entrelaçadas pelo Amor.pptx
 
Jardim de infância- A história de José 1
Jardim de infância- A história de José 1Jardim de infância- A história de José 1
Jardim de infância- A história de José 1
 
Biblia em ordem cronologica-Edward Reese e Frank Klassen-NVI-pdf.pdf
Biblia em ordem cronologica-Edward Reese e Frank Klassen-NVI-pdf.pdfBiblia em ordem cronologica-Edward Reese e Frank Klassen-NVI-pdf.pdf
Biblia em ordem cronologica-Edward Reese e Frank Klassen-NVI-pdf.pdf
 
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 143 - Não Tiranizes
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 143 - Não TiranizesSérie Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 143 - Não Tiranizes
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 143 - Não Tiranizes
 
16 - O compromisso do cristão.Relacionamento do crente com Deus
16 - O compromisso do cristão.Relacionamento do crente com Deus16 - O compromisso do cristão.Relacionamento do crente com Deus
16 - O compromisso do cristão.Relacionamento do crente com Deus
 
Lição 2 O Livro de Rute - CPAD Adultos.pptx
Lição 2 O Livro de Rute - CPAD Adultos.pptxLição 2 O Livro de Rute - CPAD Adultos.pptx
Lição 2 O Livro de Rute - CPAD Adultos.pptx
 

O mito de satanás

  • 1. O MITO DE SATANÁSO MITO DE SATANÁS UM ANÁLISE EXEGÉTICA DEUM ANÁLISE EXEGÉTICA DE EZEQUIEL 28.1-19EZEQUIEL 28.1-19 Prof. Rev. João Ricardo Ferreira de França. Visitem: www.centrodeestudospresbiteriano.blogspot.com
  • 2. INTRODUÇÃO:INTRODUÇÃO:  Tema desafiador  A história da Igreja tem mostrado que muitas interpretações erradas tem se perpetuado ao longo dos séculos como se fossem uma interpretação verdadeira.  A passagem bíblica em foco tem sido interpretada de uma forma a sugerir e indicar que refere-se a queda de Satanás.  O nosso estudo procurará mostrar, com base na exegese do texto, que esta interpretação está equivocada.
  • 3.  E veio a mim a palavra do SENHOR, dizendo: (Eze 28:1 ARC) yhiy>w:e vayhi - Este verbo expressa o passado narrativo – indicado a veracidade profecia – “E veio”! Desde o capítulo 3.16 os assuntos abordados são: rebeldia,desobediência erebeldia,desobediência e destruiçãodestruição [ sempre ligado aos seres humanos].  Verso 2 – Afirmações Positivas e Negativas: o advérbio ohK [qoh] – demonstra o que vem em seguida e sobre quem se refere. A arrogância está relacionada à questão da divinização do humano. Eu sou Deusa a Sobre a cadeira de Deusb b Não és Deus...a’ a’ Com o se fora o coraão de Deusb’ b’
  • 4. O PRÍNCIPE DE TIROO PRÍNCIPE DE TIRO  Apalavra hebraica para príncipe em Ezequiel é: dy=«gn>ili(linegîd), mas infelizmente há uma nota na Mp [Massôra Parva]* registrando a seguinte informação: lO ; ou seja, o termo: dy=«gn>ili(linegîd) é um “hapax legómenon” (palavra ou expressão única no texto bíblico).  * Nota: É o conjunto principal de anotações massoréticas escrito entre colunas e nas margens laterais do texto bíblico – Na BHS – Biblia Hebraica Stuttgartensia.
  • 5. QUAL A RAZÃO DE O PRÍNCIPEQUAL A RAZÃO DE O PRÍNCIPE DEDE TIRO SE CONSIDERAR UM DEUS?TIRO SE CONSIDERAR UM DEUS? a) A sua cidade era a “mais notável” das cidades fenícias; e) Era fértil, bem regada pelo o rio Leontes (Litany) tinha uma grande provisão para a Cidade e os “jardins” b) O centro de Tiro ficava situado em uma “ilha rochosa” f) Tiro era notado pela habilidade de seus artífices e seus produtos fabricados eram “famosos por todo o mundo” c)Eles “adoravam muitos deuses” inclusive: “Baal, Melkarth e Astarte” g) Hirão, o rei aumentou e embelezou a sua capital. Ele uniu as duas ilhas pequenas nas Quais a cidade fora construída e assim construiu um: “templo esplêndido aos deuses” à Melkarth e Astarte d) O espaço dentro da cidade comportava 40.000 habitantes h) Não se pode esquece todo o capítulo 27, que descreve sua potência em comercialização.
  • 6.  sim, és mais sábio que Daniel, não há segredo algumsim, és mais sábio que Daniel, não há segredo algum que se possa esconder de tique se possa esconder de ti; (Eze 28:3 ARA)  Outro problema é a expressão: “nenhum segredo” que na BHS temos: [ kol-satum] A expressão “nenhum segredo” não é atestada em nenhum outro lugar no Antigo Testamento pelo que é proposto pelo TM [ Texto Massorético].  A expressão da LXX, “sábio” é atestada no contexto do capítulo 27 (Ez 27.8,9 Em síntese, o termo “sábio” é melhor para estar no texto devidamente ao contexto E não a expressão “nenhum segredo”; pois, se for aceito conceito que “nenhum segredo, então, o atributo de onisciência divina será colocado em seres criados h; sofoi, = ~ymik;)x
  • 7.  não há segredo algum que se possa esconder de tinão há segredo algum que se possa esconder de ti (Eze 28:3 ARA)  A expressão “esconder de ti”esconder de ti”:[ – a’mamuka] o aparato crítico da BHS traz a seguinte informação:  ||prp &'M,mi qmo[ cf. Isto significa que não é atestada na BHS e sim, em outras versões.  A expressão usada no original hebraico tem o significado de “te supera, te escurece e te cobri” o sentido de “te supera” é preferível pois se encaixa com o vocábulo “sábio”.
  • 8.  pela tua sabedoria e pelo teu entendimento, alcançaste opela tua sabedoria e pelo teu entendimento, alcançaste o teu poder e adquiriste ouro e prata nos teus tesouros;teu poder e adquiriste ouro e prata nos teus tesouros; (Eze 28:4 ARA)  A palavra “sabedoria” e “entendimento”, são algumas das “verdades centrais” de Ezequiel 28, As duas qualidades foram “causas” para adquirir “riqueza”. As riquezas adquiridas pelo príncipe podem ser visto no capítulo 27, veja: a) Negocia com os povos em muitas ilhas V.3; b) Faias, e cedros,V.5; c) Carvalhos e marfim, V.6; d) Linho fino bordado e púrpura, V.7; e) Prata, ferro, estanho e chumbo, negociavam em tuas feiras, V.12; f) Objetos de bronze, V.13; g)Cavalos, cavaleiros e mulos, V.14; h)Dentes de marfim e pau de ébano, V.15;
  • 9.  pela extensão da tua sabedoria no teu comércio,pela extensão da tua sabedoria no teu comércio, aumentaste as tuas riquezas; e, por causa delas,aumentaste as tuas riquezas; e, por causa delas, se eleva o teu coração , assim diz o SENHORse eleva o teu coração , assim diz o SENHOR Deus: Visto que estimas o teu coração como se foraDeus: Visto que estimas o teu coração como se fora o coração de Deus,o coração de Deus, (Eze 28:5-6 ARA)  Estes dois textos confirmam a tônica do orgulho do Príncipe de Tiro, e esta ideia é confirmada nesta seção textual assim:  V.3.sábio, segredo e esconder;  V.4. sabedoria, entendimento e riqueza;  V.5. sabedoria, comércio, riqueza e orgulho;  V.6. orgulho.
  • 10. O ANÚNCIO DE JUÍZOO ANÚNCIO DE JUÍZO  assim diz o SENHOR Deusassim diz o SENHOR Deus (Eze 28:6 ARA)  A sua presunção de se comparar com o coração de Deus é por razões de crescimento de seu império, ele se tornou um soberano, onde todas as suas palavras e desejos eram obedecidos.  eis que eu trarei sobre ti os mais terríveiseis que eu trarei sobre ti os mais terríveis estrangeiros dentre as nações, os quaisestrangeiros dentre as nações, os quais desembainharão a espada contra a formosura dadesembainharão a espada contra a formosura da tua sabedoria e mancharão o teu resplendor.tua sabedoria e mancharão o teu resplendor. (Eze 28:7 ARA)
  • 11.  Como pode um anjo (Satanás) ser ferido por espadas se é espírito? Logo, deveria escapar com sua velocidade e não ser pego por uma grande multidão. O objetivo é detalhar mais alguns aspectos deste versículo como prova do “Mito de Satanás”.  O verbo “trareitrarei” (mëbî´) na BHS é atestado por 2.570 vezes. No texto de Ezequiel e em preferência ao versículo, conota o anúncio de ameaça e promessa de destruição.  A expressão “os mais terríveis dentre as nações”[ ] - `ärîtsê Gôyìm- é traduzida como “os Impiedosos das nações” (lit.Ez 28.7; 30.11; 31.12; 32.12).
  • 12.  Dirás ainda diante daquele que te matar: Eu souDirás ainda diante daquele que te matar: Eu sou Deus? Pois não passas de homem e não és Deus,Deus? Pois não passas de homem e não és Deus, no poder do que te traspassa. Da morte deno poder do que te traspassa. Da morte de incircuncisos morrerás, por intermédio deincircuncisos morrerás, por intermédio de estrangeiros, porque eu o falei, diz o SENHORestrangeiros, porque eu o falei, diz o SENHOR Deus.Deus. (Eze 28:9-10 ARA)  * Um anjo morto por homens?  * Deus dá por certo a morte deste personagem.  A presunção e o orgulho do Príncipe de Tiro tem mostrado que o oráculo profético dirige-se a um ser humano e não a um ser celestial.
  • 13. ESBOÇO DO ORÁCULOESBOÇO DO ORÁCULO PROFÉTICO EZEQUIEL 28.1-10PROFÉTICO EZEQUIEL 28.1-10. I – A MISSÃO DO MENSAGEIRO (VS.1-2) 1.1 – A acusação (vs.2) 1.2 – O Desenvolvimento da acusação (vs.3-6) II – A FÓRMULA DA MENSAGEM 1. [ laken koh ‘Amar] – (vs.6) 2. [laken hinni] – (vs 7) III – ANUNCIO DO JUÍZO 3.1 – A intervenção de Deus (vs.6) 3.2 – As Consequências (vs.7-10)
  • 14. O MITO DE SATANÁSO MITO DE SATANÁS UM ANÁLISE EXEGÉTICA DEUM ANÁLISE EXEGÉTICA DE EZEQUIEL 28.1-19EZEQUIEL 28.1-19 (PARTE 2)(PARTE 2) Prof. Rev. João Ricardo Ferreira de França. Contatos: (86)9938-5631 / (86) 8811-2607 E-mail: jrcalvino9@hotmail.com Visitem: www.centrodeestudospresbiteriano.blogspot.com
  • 16. ORÁCULO DE LAMENTO SOBRE OORÁCULO DE LAMENTO SOBRE O REI DE TIROREI DE TIRO  Filho do homem, levanta uma lamentação contraFilho do homem, levanta uma lamentação contra o rei de Tiro e dize-lhe: Assim diz o SENHORo rei de Tiro e dize-lhe: Assim diz o SENHOR Deus: Tu és o sinete da perfeição, cheio deDeus: Tu és o sinete da perfeição, cheio de sabedoria e formosura. (Eze 28:12 ARA).sabedoria e formosura. (Eze 28:12 ARA).  Análise do Gênero Literário: O autor faz mudança de linguagem de prosa para a poesia como é atestada também nos capítulos antecedentes em 26.17 e 27.2. Destaca- se como verdade central às expressões “sabedoria”, “perfeito” e “formosura”,Palavras também apresentadas nos capítulos anteriores. Logo, temos aqui a sequência de ideias da seção anterior.
  • 17.  A palavra hebraica “ ” [ qinar ] – lamentação – nunca é usada para referir-se a seres espirituais nas narrativas bíblicas.  A lamentação é específica “ ” [al-meleke tsor] – sobre o rei de Tiro – um personagem humano.  Tu és o sinete da perfeição -Tu és o sinete da perfeição - -- (‘athah hotem thakenith) a MP indica tratar-se de um haparx legomenon – ou seja, é uma expressão única em todo o texto hebraico.  A expressão: “cheio de sabedoria...”: – male’ hokemah – o aparato crítico da BHS informa que foi omitida pela septuaginta LXX, e que o ponto de ser o sinete está ligado a questão desta grande sabedoria.
  • 18.  Estavas no Éden, jardim deEstavas no Éden, jardim de Deus; de todas as pedrasDeus; de todas as pedras preciosas te cobrias: o sárdio, opreciosas te cobrias: o sárdio, o topázio, o diamante, o berilo, otopázio, o diamante, o berilo, o ônix, o jaspe, a safira, oônix, o jaspe, a safira, o carbúnculo e a esmeralda; decarbúnculo e a esmeralda; de ouro se te fizeram os engastes eouro se te fizeram os engastes e os ornamentos; no dia em queos ornamentos; no dia em que foste criado, foram elesfoste criado, foram eles preparados.preparados. (Eze 28:13 ARA)  A palavra:!d,[e (‘eden) é relatada por várias versões como o Pentateuco Samaritano que trás a forma:  a Septuaginta relata a forma: Edem (Gn 2.8"10; 4.16). É argumentado que a palavra provavelmente conota o sentido de “terra de felicidades”.Fica fácil o raciocínio, pois o rei de Tiro tinha todas as regalias possíveis, onde leva o autor comparar a sua terra com o Éden.
  • 19.  1-Sárdio - Judá  2-Topázio - Issacar  3-Carbúnculo - Zebulom  4-Esmeralda - Rubén  5-Safira - Simeão  6-Diamante - Gade  7-Jacinto - Jose  8-Ágata - Manasses  9-Ametista - Benjamim  10-Berilo - Dã  11-Ônix - Aser  12-Jaspe - Naftali
  • 20.  Não é de se surpreender que o plural da palavra tem o significado de “delícia”e foi suposto que aquele Éden significa a terra de delícias e que apalavra se tornou um sinônimo para Paraíso.  2ª O livro de Ezequiel quando utiliza a expressão “Éden”,não quer provar nada além de uma formade expressar regozijo e felicidade no sentido positivo,mas se tratando de um juízo, abre-se à sentença de algo que era maravilhoso (Éden) e agora arruinado.Este raciocínio pode ser visto em passagens como: Ez.31.9,16,18.  Conclusão. É patente a forma em que o autor procura expressar a beleza do rei. Demonstra isso utilizando excelentes figuras de linguagem.
  • 21. A IMAGEM DE TIRO  Tu eras querubim da guarda ungido, e teTu eras querubim da guarda ungido, e te estabeleci; permanecias no monte santo de Deus,estabeleci; permanecias no monte santo de Deus, no brilho das pedras andavas.no brilho das pedras andavas. (Eze 28:14 ARA)  A expressão “tu eras” é complexa “ ” – athe keruvin - a versão LXX traduz do seguinte modo: “μετ το χερουβὰ ῦ ” que é traduzido assim: “fiz de ti um querubim” com o sentido de abençaador. O vocábulo é colocado aqui no sentido de que Tiro deveria ser uma benção para as nações ao seu redor.
  • 22.  permanecias no monte santo de Deuspermanecias no monte santo de Deus (Eze 28:14 ARA)  - beher kadesh elohim - A idéia de um monte santo de Deus, era na verdade: “o assento do rei de Tiro”. Tiro construiu sua fortaleza em uma ou duas ilhas rochosas do mediterrâneo.  Como o termo Elohim não está prefixado com o artigo singular, a implicação é que aqui ser refere ao monte dos deuses.  no meio das pedras afogueadas andavas.no meio das pedras afogueadas andavas. (Eze 28:14 ACF) – a ideia aqui é pisar em jóias, pedras preciosas apontando para a riqueza do rei.
  • 23.  Na multiplicação do teu comércio, se encheu o teu interiorNa multiplicação do teu comércio, se encheu o teu interior de violência, e pecaste; pelo que te lançarei, profanado, forade violência, e pecaste; pelo que te lançarei, profanado, fora do monte de Deus e te farei perecer, ó querubim da guarda,do monte de Deus e te farei perecer, ó querubim da guarda, em meio ao brilho das pedras. Elevou-se o teu coração porem meio ao brilho das pedras. Elevou-se o teu coração por causa da tua formosura, corrompeste a tua sabedoria porcausa da tua formosura, corrompeste a tua sabedoria por causa do teu resplendor; lancei-te por terra, diante dos reiscausa do teu resplendor; lancei-te por terra, diante dos reis te pus, para que te contemplem.te pus, para que te contemplem.  18 Pela multidão das tuas iniqüidades, pela injustiça do18 Pela multidão das tuas iniqüidades, pela injustiça do teu comércio, profanaste os teus santuários; eu, pois, fiz sairteu comércio, profanaste os teus santuários; eu, pois, fiz sair do meio de ti um fogo, que te consumiu, e te reduzi a cinzasdo meio de ti um fogo, que te consumiu, e te reduzi a cinzas sobre a terra, aos olhos de todos os que te contemplam.sobre a terra, aos olhos de todos os que te contemplam.  19 Todos os que te conhecem entre os povos estão19 Todos os que te conhecem entre os povos estão espantados de ti; vens a ser objeto de espanto e jamaisespantados de ti; vens a ser objeto de espanto e jamais subsistirás. (Eze 28:16-19 ARA)subsistirás. (Eze 28:16-19 ARA)  Aqui temos tônica do Juízo de Deus.Aqui temos tônica do Juízo de Deus.
  • 24. ESBOÇO DO ORÁCULOESBOÇO DO ORÁCULO PROFÉTICO 2PROFÉTICO 2  I – MISSÃO DO MENSAGEIRO (VS11)  1. A acusação (vs.12-15)  2. O desenvolvimento da Acusação (vs 16)  II – O ORÁCULO DO JUÍZO  1. intervenção de Deus (vs.17-18)  2. Consequências (vs.18-19)
  • 25. APÊNDICE – A MASSÔRAAPÊNDICE – A MASSÔRA PARVA.PARVA.
  • 26. APÊNDICE – O APARATOAPÊNDICE – O APARATO CRÍTICO DO TEXTOCRÍTICO DO TEXTO HEBRAICOHEBRAICO
  • 27.  INFORMAÇÕES SOBRE O AUTOR.INFORMAÇÕES SOBRE O AUTOR. O autor é Ministro da Palavra pela Igreja Presbiteriana do Brasil. Formado em Teologia Reformada pelo Seminário Presbiteriano do Norte (SPN) em Recife – PE. Foi professor de línguas bíblicas (Grego e Hebraico) no Seminário Presbiteriano Fundamentalista do Brasil (SPFB) em Recife - PE. É o fundador do Centro de Estudos Presbiteriano. Atualmente é pastor auxiliar da Primeira Igreja Presbiteriana Riachão do Jacuípe – BA. É casado com Géssica Araújo Soares Nascimento de França. E tem dois filhos: Lucas Luis Nascimento de França e Júlia Hadassa Nascimento de França.