SlideShare uma empresa Scribd logo
Organograma




              Milton Henrique do Couto Neto
                  miltonh@terra.com.br
Organograma
• Gráfico que representa a estrutura formal da
  organização num determinado momento;

• Organograma é um gráfico que representa a
  organização formal, configurada na estrutura
  que foi delineada pelo Regulamento da
  Instituição, apresentando-se no mesmo os
  diversos setores, suas posições e respectivas
  interdependências, via hierárquica, itinerário
  de comunicações, vinculação e subordinação.
Organograma
• o Organograma deve
  possuir um caráter
  dinâmico, ser
  altamente flexível e
  funcional,
  possibilitando uma
  integração sistêmica
  e sinérgica entre
  todos os setores da
  empresa.
Requisitos
   • Fácil leitura

   • Permitir boa interpretação
     dos componentes da
     organização

   • Fazer parte de um processo
     organizacional de
     representação estrutural

   • Ser flexível
Técnicas de
Representação

• Estrutural

• Circular ou Radial

• Funcional

• Estrutural-Funcional

• Matricial
Objetivos

• Demonstrar a divisão
  do trabalho
   – Dividindo a
     organização em
     frações
     organizacionais
     (partes menores)
Objetivos
• Destacar a relação superior-subordinado e a
  delegação de autoridade e responsabilidade
Objetivos
        • Evidenciar o trabalho
          desenvolvido em
          cada unidade,
          detalhando:
            – O tipo de trabalho
              desenvolvido
            – Os cargos existentes
            – Os nomes dos
              titulares
            – Quantidade de
              pessoas por unidade
            – A relação funcional
              além da relação
              hierárquica
Objetivos




• Facilitar a
  análise
  organizacional
• Permite detectar:
  – Funções importantes negligenciadas e
    funções secundárias com demasiada
    importância
  – Funções duplicadas ou mal distribuídas
• Facilita o SIG e o fluxo de comunicação
• Auxilia a graduar trabalhos e tarefas e
  uniformizar cargos
• Auxilia a visualizar o todo
  organizacional, as necessidades de
  mudanças e o crescimento da empresa


        Benefícios
Limitações
• Limitações:
   – Exibe apenas uma dimensão dos
     relacionamentos existentes entre
     indivíduos e as frações organizacionais
   – Mostra as relações que devem existir e
     não a realidade existente
Tipo Mais Comum de Organograma
• Clássico (Vertical ou Retangular)
   É o tipo de organograma mais completo e usual, o qual permite melhor
   entendimento da representação orgânica de uma empresa. Demonstra os
   órgãos de decisão, de assessoria, operacionais e o posicionamento
   hierárquico.
                              Decisão Superior

                                            Assessoria


      Decisão Intermediária                   Decisão Intermediária


Operacionais       Operacionais
Regras Gerais
       • Deve conter nome da
         organização, autor, data
         e número de versão
       • Para análise, deve
         apresentar a estrutura
         existente
       • Se o gráfico mostrar apenas
         parte da organização, deve
         haver linhas abertas para
         demonstrar continuidade.
• Cada função pode ser representada
  por uma figura geométrica, de
  preferência o retângulo:
  – Os tamanhos dos retângulos devem ser
    proporcionais à importância hierárquica
    do órgão
  – Os retângulos devem conter os títulos
    dos cargos
  – Se há necessidade do nome do ocupante,
    este deve aparecer fora do retângulo (ou
    dentro com letra de tipo diferente)



    Regras Gerais
Significado dos componentes
                                                                                          Linhas de
                                                                                         comunicação
Autoridade e hierarquia
                          (cadeia de comando)




                                                        Unidades de trabalho (cargos e
                                                               departamentos)

                                                       Divisão horizontal do trabalho
Técnicas para Construção
• Representação dos órgãos
  1. Assessores – ligados à linha
  2. Assistentes – ligados ao órgão

                                                  2
           Diretoria                  Diretoria       Assessoria

                  1                                   (da pessoa)
                       Assessoria
                       (do órgão)
Técnicas para Construção

• Linhas Tracejadas
  Para os órgãos que não existem formalmente ou deseja destacá-los,
  objetivando um estudo isolado.

                                Manutenção




 Ônibus              Tratores            Caminhões           Automóveis
Técnicas para Construção
● Os níveis superiores devem     ● Para melhorar a estética usar a
  ser, discretamente, maiores   forma intercalada na elaboração
  que seus subordinados         do organograma clássico
      Diretoria

      Departamento

      Divisão

      Serviço

      Seção

      Setor
Técnicas para Construção
• Representação das Linhas
  Órgãos de decisão – representada por linhas verticais
  Órgãos de assessoria – representada por linhas horizontais
Técnicas para Construção

• Representação dos Tipos de Autoridade
    Autoridade     Colorido   Preto / Branco
    Deliberativa
    Executiva
    Fiscal
    Consultiva
    Técnica
    Coordenadora
Técnicas para Construção
• Nível dos Órgãos
   1º nível – órgãos deliberativos     Deliberativos
   2º nível – órgãos executivos
   3º nível – órgãos técnicos           Executivos
   4º nível – órgãos operacionais
                                Técnicos          Técnicos


              Operacionais    Operacionais      Operacionais
Técnicas para Construção

• Nomenclatura dos Órgãos
  Os órgãos que estiverem no mesmo nível hierárquico devem possuir a
  mesma nomenclatura.
Organograma Linear de
           Responsabilidade




• Quem participa e em que grau, quando uma atividade ou
  decisão deve ocorrer na empresa;
• As relações e os tipos de autoridade que devem existir
  quando mais de um responsável contribui para a execução
  de um trabalho comum.
Características do Organograma Linear




 • Conjunto resumido e estruturado de
   informações relevantes dispostos na forma de
   matriz;
Características do Organograma Linear




 • Conjunto de posições e/ou cargos
   organizacionais a serem considerados, que
   constituem as colunas da matriz;
Características do Organograma Linear




 • Conjunto de responsabilidades, atividades,
   decisões, etc., que constituem as linhas da
   matriz;
Características do Organograma Linear




 • Símbolos que indicam o grau de extensão de
   responsabilidade e de autoridade, de forma que
   explicitem as relações entre as linhas e as colunas,
   inseridas nas respectivas células da matriz.
Vantagens do Organograma Linear
             • Permite visualização das
               responsabilidade e das autoridades
               pela função;
             • Possibilita caracterizar a forma pela
               qual um cargo ou função se
               relaciona com os demais dentro da
               empresa;
             • Permite a efetivação de análises
               objetivas da estrutura
               organizacional;
             • Possibilita eliminar ambiguidades
               no processo decisório das
               empresas.
Desvantagens do
     Organograma Linear


• Não considera a estrutura informal;
• Não é de leitura fácil, pois as
  pessoas não estão acostumadas a
  trabalhar com essa forma de
  representação gráfica.
Organograma Vertical
Gráficos de Organização e Controle

                   Funcionograma
• O funcionograma é um gráfico que amplia as partes setoriais
  de um organograma, respeitando suas características
  estruturais, tornando claras as atividades que o justificam,
  possibilitando conhecer a interdependência das partes
  componentes do organismo.
• Conhecido, também como organograma funcional, o
  funcionograma procura das uma idéia geral da missão de
  cada órgão da empresa.
• Os funcionogramas devem ser incluídos no Manual de
  Organização.
• É por intermédio do funcionograma que se criam condições
  de iniciar o processo de análise funcional.
Funcionograma
                               Objetivos
• Possibilitar um conhecimento mais íntimo da organização;
• Fornecer detalhes do órgão em estudo;
• Tornar evidentes as funções que justificam os órgãos (missão).
Outros Tipos de Organogramas
• Em Barras
  São representados por intermédio de longos retângulos a partir de uma
  base vertical, onde o tamanho do retângulo é diretamente proporcional à
  importância da Autoridade que o representa.
Outros Tipos de Organogramas
• Em Setores (Setorial ou Setograma)
  São elaborados por meio de círculos concêntricos, os quis representam os
  diversos níveis de autoridade a partir do círculo central, onde se localiza a
  autoridade maior da empresa.
Outros Tipos de
                                Organogramas


• Radial (Solar ou Circular)
   O seu objetivo é mostrar o
   macro sistema das empresas
   componentes de um grande
   grupo empresarial.
Outros Tipos de Organogramas
• Informativo
  Apresenta um máximo de informações de diversas naturezas relacionadas
  com cada unidade organizacional da empresa.


                                 DEPARTAMENTO DE PESSOAL
                        Adm.: João da Silva
                        Código: 6754       Referência:400 -30   Lotação: 21
                        Síntese da Atribuições:
                        -Processar o controle de férias
                        -Elaborar a Folha de Pagamento
                        -Recrutar e selecionar pessoal
Modelos de
       Estruturas Organizacionais
• Normalmente toda organização apresenta ou
  deveria apresentar alguma forma de
  estruturação interna, a qual estabelece as
  regras básicas para a realização de seus
  objetivos.
• As empresas não adotam um único tipo de
  estrutura organizacional; na realidade, fazem
  uma mesclagem dos diversos modelos pelos
  diversos setores organizacionais.
Modelos de Estruturas Organizacionais
•   Estruturas Clássicas
    Conhecidas como piramidais, são aquelas aplicadas há muito tempo,
    normalmente utilizadas por empresas comerciais e produtoras de bens e
    serviços.
Estruturas Clássicas
                                   Linear
•   Linear (escalar, hierárquica, vertical ou militar)
    É um tipo de estrutura no qual prevalece a centralização, exigindo chefias
    autocráticas e com grande conhecimento da organização como um todo,
    cuja autoridade deve ser implacável, restando aos subordinados
    obediência e execução das atividades decorrentes de seu trabalho.
Estruturas Clássicas
                   Funcional


•   Funcional
    Surgiu em oposição à estrutura linear. Na concepção atual, ela guarda o
    princípio da especialização proposto por Taylor, onde cada chefia possui
    amplo domínio sobre determinada área de sua especialização.
Estruturas Clássicas
                            Linear-Funcional
•   Linear-Funcional (staff, assessoria, estado-maior, ou hierárquico-
    consultivo)
•   Possui como característica básica a manutenção da unidade de comando,
    sem tirar o poder de decisão dos órgãos de linha. Possui a mesma
    estrutura das formas anteriormente apresentadas, adicionando-se um
    órgão de asessoria, cujo objetivo é, entre outros: pesquisar, estudar,
    processar análises e fornecer aconselhamentos.
Estruturas Clássicas
                      Comissional ou Colegiada
•   Este tipo possui um “pool” de diretores ou membros que deliberam sobre
    os assuntos mais relevantes da empresa, ou algum assunto bem
    específico. Usualmente são denominados de conselhos, comitês, juntas,
    comissões colegiados, etc.
Estruturas
                                                   Pós-Clássicas
                                                   Com base na Função e
                                                        Divisional

• Com base na Função
  Graficamente semelhante à estrutura linear, é um modelo em que as
  atividades análogas, interdependentes se unem ao propósito dominante
  da empresa, ou seja, são agrupadas em um órgão especifico, constituindo-
  se em uma grande unidade setorial da organização, a qual se dedica ao
  desenvolvimento de uma única função.
• Divisional
  Caracteriza-se pela divisão da estrutura existente, em unidades orgâ-nicas
  de maior flexibilidade organizacional, constituída de atividades díspares
  (produção, informática, logística, etc), mas vinculadas a um objetivo final
  específico (eletrodomésticos, alimentos, veículos, etc) e agrupadas em
  uma mesma unidade organizacional.
Modelos de Estruturas Organizacionais
•   Estruturas Modernas
    São aquelas mais recentes, normalmente utilizadas em empresas de
    planejamento, pesquisa, construção civil e organizações que possuem
    departamentos específicos de desenvolvimento de projetos.
Estruturas Modernas
                  Por Projetos

• Por Projetos
  Normalmente é um tipo de estrutura que não se aplica na empresa como
  um todo, e os recurso humanos são contratados, geralmente, por tempo
  determinado, coincidente com o prazo de conclusão de cada projeto. Este
  tipo de estrutura funciona com um Banco de Recursos, onde estão
  cadastrados diversos profissionais que são convocados em conformidade
  com a necessidade de cada projeto.
Estruturas Modernas
                 Matricial


• Matricial
  É um tipo de estrutura que surgiu com o advento da tecnologia espacial, a
  qual apresenta duas características básicas:
  - Com relação à autoridade
      Existe uma autoridade hierárquica semelhante à da estrutura
      funcional e outra bem específica e direta, que é a da coordenação de
      cada projeto.
  - Com relação à mobilidade dos funcionários
      Os funcionários são permanentemente vinculados à organização e
      alocados aos diversos projetos em execução. Concluído o projeto, eles
      retornam a seus órgãos de origem.
Estruturas Modernas
      Matricial
Modelos de Estruturas Organizacionais
•   Estruturas Pós-modernas
    São estruturas dinâmicas e altamente mutáveis, que se adaptam com
    rapidez e facilidade à conjuntura do mercado consumidor, oferecendo
    resultados e soluções corretas, com a agilidade que os clientes requerem.
Estruturas
                                    Pós-Modernas


• Estruturas Pós-Modernas
• As estruturas pós-modernas são organizadas horizontalmente e/ou
  em rede (network structure). Seus integrantes se ligam aos demais
  diretamente ou através dos que os cercam. O conjunto resultante é
  semelhante a uma teia de aranha de múltiplos fios ligados entre si,
  que se espalham para todos os lados, sem que nenhum deles possa
  ser considerado mais importante, ou representante dos demais.
Estruturas Pós-Modernas
                   Processual

• Processual
  É um tipo de estrutura que modifica totalmente o enfoque estrutural, o
  qual deixa de ser caracterizado pelas funções e passa a ser caracterizado
  pelos processos. Em vez de criar departamentos, divisões, seções, etc.
  criam-se células de produtividade, unidades de negócios, grupos de
  produtos, times de qualidade, equipes multidisciplinares, força-tarefa, etc.
Estruturas Pós-Modernas
                Integrada


• Integrada
• Propõe que a hierarquia tão comum nas organizações seja
  substituída por uma rede de comunicações, ou seja, por uma rede
  de relacionamento.
• Este modelo exige uma grande integração entre as partes
  envolvidas, porém sem desrespeitar a interdependência requerida
  entre os diversos negócios da empresa, em relação aos seus
  colaboradores, clientes, parceiros e, inclusive na relação com
  outras empresas, que define as práticas e as tecnologias
  necessárias para as empresas trabalharem em projetos comuns,
  compartilhando informações remotamente distribuídas.
Estruturas
Pós-Modernas
   Integrada
Estruturas Pós-Modernas
                           Integrada
• A operacionalização da Estrutura
  Integrada deverão estar apoiados
   na utilização dos diversos
  recursos das comunicações
  eletrônicas e das Tecnologias da
  Informação – TI, notadamente
  nos sistemas integrados de
  gestão empresarial e nas
  ferramentas de apoio à decisão.
Estruturas
   Pós-Modernas
             Integrada

• Sistemas / softwares “inteligentes” da TI e das comunicações
  eletrônicas, mais usuais e comuns, utilizadas por organizações de
  todo o mundo, especialmente, por “empresas virtuais”:
   –   ERP (Sistema de Gestão Empresarial)
   –   Business Intelligence (Data warehouse, OLAP, Data mining)
   –   CRM (Gerenciamento das Relações com os Clientes)
   –   SCM (Gerenciamento da Cadeia de Suprimento)
   –   EAI (Integração de Aplicações Corporativas)
   –   GED (Gerenciamento Eletrônico de Documentos)
   –   Worflow (Gerenciamento Eletrônico do Fluxo de Trabalho)
   –   COLD/ERM (Gerenciamento Corporativo de Relatórios)
   –   Document Management, entre outros

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Fluxograma de-processos
Fluxograma de-processosFluxograma de-processos
Fluxograma de-processos
Liliane França
 
Teorias da Administração
Teorias da AdministraçãoTeorias da Administração
Teorias da Administração
Alex Eduardo Ribeiro
 
Sistemas administrativos
Sistemas administrativosSistemas administrativos
Sistemas administrativos
Correios
 
Fluxogramas
FluxogramasFluxogramas
Fluxogramas
Tiago Domingos
 
Modelos de Organograma
Modelos de OrganogramaModelos de Organograma
Modelos de Organograma
Unipinhal
 
Organização do trabalho
Organização do trabalhoOrganização do trabalho
Organização do trabalho
Marcelo Vianello
 
Gestão de Pessoas- Introdução
Gestão de Pessoas- IntroduçãoGestão de Pessoas- Introdução
Gestão de Pessoas- Introdução
Marcos Alves
 
Fundamentos de administração 1
Fundamentos de administração 1Fundamentos de administração 1
Fundamentos de administração 1
Andrey Martins
 
Organogramas
OrganogramasOrganogramas
Organogramas
cattonia
 
Administração - conceitos, origens e evolução
Administração - conceitos, origens e evoluçãoAdministração - conceitos, origens e evolução
Administração - conceitos, origens e evolução
Lemos1960
 
Clima organizacional
Clima organizacionalClima organizacional
Clima organizacional
Larissa Estevão
 
Noções de Administração: Funções da Administração (aula 1)
Noções de Administração: Funções da Administração (aula 1)Noções de Administração: Funções da Administração (aula 1)
Noções de Administração: Funções da Administração (aula 1)
Gustavo Zimmermann
 
Tipos de organização
Tipos de organizaçãoTipos de organização
Tipos de organização
Robson Costa
 
Aula 01 O que é estratégia
Aula 01   O que é estratégiaAula 01   O que é estratégia
Aula 01 O que é estratégia
alemartins10
 
Fundamentos da Administração
Fundamentos da AdministraçãoFundamentos da Administração
Fundamentos da Administração
alemartins10
 
Aula: TEORIAS da ADMINISTRAÇÃO
Aula: TEORIAS da ADMINISTRAÇÃOAula: TEORIAS da ADMINISTRAÇÃO
Aula: TEORIAS da ADMINISTRAÇÃO
Alexandre Conte
 
Teoria geral da administração ppt
Teoria geral da administração pptTeoria geral da administração ppt
Teoria geral da administração ppt
icbianchi
 
Introdução à adminstração revisão para av 1
Introdução à adminstração revisão para av 1Introdução à adminstração revisão para av 1
Introdução à adminstração revisão para av 1
Cariocabear
 
Exercicio de Planejamento Estrategico
Exercicio de Planejamento EstrategicoExercicio de Planejamento Estrategico
Exercicio de Planejamento Estrategico
PAULO RICARDO FLORES
 
Organização do trabalho
Organização do trabalhoOrganização do trabalho
Organização do trabalho
José Gomes
 

Mais procurados (20)

Fluxograma de-processos
Fluxograma de-processosFluxograma de-processos
Fluxograma de-processos
 
Teorias da Administração
Teorias da AdministraçãoTeorias da Administração
Teorias da Administração
 
Sistemas administrativos
Sistemas administrativosSistemas administrativos
Sistemas administrativos
 
Fluxogramas
FluxogramasFluxogramas
Fluxogramas
 
Modelos de Organograma
Modelos de OrganogramaModelos de Organograma
Modelos de Organograma
 
Organização do trabalho
Organização do trabalhoOrganização do trabalho
Organização do trabalho
 
Gestão de Pessoas- Introdução
Gestão de Pessoas- IntroduçãoGestão de Pessoas- Introdução
Gestão de Pessoas- Introdução
 
Fundamentos de administração 1
Fundamentos de administração 1Fundamentos de administração 1
Fundamentos de administração 1
 
Organogramas
OrganogramasOrganogramas
Organogramas
 
Administração - conceitos, origens e evolução
Administração - conceitos, origens e evoluçãoAdministração - conceitos, origens e evolução
Administração - conceitos, origens e evolução
 
Clima organizacional
Clima organizacionalClima organizacional
Clima organizacional
 
Noções de Administração: Funções da Administração (aula 1)
Noções de Administração: Funções da Administração (aula 1)Noções de Administração: Funções da Administração (aula 1)
Noções de Administração: Funções da Administração (aula 1)
 
Tipos de organização
Tipos de organizaçãoTipos de organização
Tipos de organização
 
Aula 01 O que é estratégia
Aula 01   O que é estratégiaAula 01   O que é estratégia
Aula 01 O que é estratégia
 
Fundamentos da Administração
Fundamentos da AdministraçãoFundamentos da Administração
Fundamentos da Administração
 
Aula: TEORIAS da ADMINISTRAÇÃO
Aula: TEORIAS da ADMINISTRAÇÃOAula: TEORIAS da ADMINISTRAÇÃO
Aula: TEORIAS da ADMINISTRAÇÃO
 
Teoria geral da administração ppt
Teoria geral da administração pptTeoria geral da administração ppt
Teoria geral da administração ppt
 
Introdução à adminstração revisão para av 1
Introdução à adminstração revisão para av 1Introdução à adminstração revisão para av 1
Introdução à adminstração revisão para av 1
 
Exercicio de Planejamento Estrategico
Exercicio de Planejamento EstrategicoExercicio de Planejamento Estrategico
Exercicio de Planejamento Estrategico
 
Organização do trabalho
Organização do trabalhoOrganização do trabalho
Organização do trabalho
 

Semelhante a Organograma 2012_01

Aula 4 - Organogramas, Fluxogramas e Funcionagrama
Aula 4 - Organogramas, Fluxogramas e FuncionagramaAula 4 - Organogramas, Fluxogramas e Funcionagrama
Aula 4 - Organogramas, Fluxogramas e Funcionagrama
Prof. Leonardo Rocha
 
Departamentalização.pptx
Departamentalização.pptxDepartamentalização.pptx
Departamentalização.pptx
Diego556946
 
aula 1 - Organograma e fluxograma...pptx
aula 1 - Organograma e fluxograma...pptxaula 1 - Organograma e fluxograma...pptx
aula 1 - Organograma e fluxograma...pptx
AlexandreBarbosa874644
 
Aula sobre-organograma
Aula sobre-organogramaAula sobre-organograma
Aula sobre-organograma
Brunna Heiderich
 
Osm Organogramas Funcionogramas
Osm Organogramas FuncionogramasOsm Organogramas Funcionogramas
Osm Organogramas Funcionogramas
Adm Pub
 
Mqa setembro semana 2
Mqa setembro semana 2Mqa setembro semana 2
Mqa setembro semana 2
Raquel Alves
 
OMS UnB 02_2012 - Aula 04
OMS UnB 02_2012 - Aula 04OMS UnB 02_2012 - Aula 04
OMS UnB 02_2012 - Aula 04
Euller Barros
 
Org e-fluxogramas
Org e-fluxogramasOrg e-fluxogramas
Org e-fluxogramas
Kércia Silva
 
Aula 2 estrutura organizacional
Aula 2   estrutura organizacionalAula 2   estrutura organizacional
Aula 2 estrutura organizacional
Niloar Bissani
 
aula 5 - Organograma e fluxograma...pptx
aula 5 - Organograma e fluxograma...pptxaula 5 - Organograma e fluxograma...pptx
aula 5 - Organograma e fluxograma...pptx
AlexandreBarbosa874644
 
Organograma- prof. valdecir
  Organograma- prof. valdecir  Organograma- prof. valdecir
Organograma- prof. valdecir
Pedro Okan
 
aula 4 - Organograma e fluxograma...pptx
aula 4 - Organograma e fluxograma...pptxaula 4 - Organograma e fluxograma...pptx
aula 4 - Organograma e fluxograma...pptx
AlexandreBarbosa874644
 
aula 3 - Organograma e fluxograma...pptx
aula 3 - Organograma e fluxograma...pptxaula 3 - Organograma e fluxograma...pptx
aula 3 - Organograma e fluxograma...pptx
AlexandreBarbosa874644
 
aula 2 - Organograma e fluxograma....pptx
aula 2 - Organograma e fluxograma....pptxaula 2 - Organograma e fluxograma....pptx
aula 2 - Organograma e fluxograma....pptx
AlexandreBarbosa874644
 
Aula 5 organogramas, fluxogramas e funcionagramas
Aula 5   organogramas, fluxogramas e funcionagramasAula 5   organogramas, fluxogramas e funcionagramas
Aula 5 organogramas, fluxogramas e funcionagramas
Prof. Leonardo Rocha
 
1
11
Defini odefição organograma wiki
Defini odefição organograma wikiDefini odefição organograma wiki
Defini odefição organograma wiki
Erlan Moreno
 
MINTZ_A_ESTRUTURACAO_DAS_ORG_cap_8.1_2014.ppt
MINTZ_A_ESTRUTURACAO_DAS_ORG_cap_8.1_2014.pptMINTZ_A_ESTRUTURACAO_DAS_ORG_cap_8.1_2014.ppt
MINTZ_A_ESTRUTURACAO_DAS_ORG_cap_8.1_2014.ppt
ssuser6f6a00
 
Aula3 dimenso1-estruturaorganizacional-110924131822-phpapp02
Aula3 dimenso1-estruturaorganizacional-110924131822-phpapp02Aula3 dimenso1-estruturaorganizacional-110924131822-phpapp02
Aula3 dimenso1-estruturaorganizacional-110924131822-phpapp02
Gracietti Santana de Oliveira
 
Estruturas organizacionais
Estruturas organizacionaisEstruturas organizacionais
Estruturas organizacionais
Luis Cunha
 

Semelhante a Organograma 2012_01 (20)

Aula 4 - Organogramas, Fluxogramas e Funcionagrama
Aula 4 - Organogramas, Fluxogramas e FuncionagramaAula 4 - Organogramas, Fluxogramas e Funcionagrama
Aula 4 - Organogramas, Fluxogramas e Funcionagrama
 
Departamentalização.pptx
Departamentalização.pptxDepartamentalização.pptx
Departamentalização.pptx
 
aula 1 - Organograma e fluxograma...pptx
aula 1 - Organograma e fluxograma...pptxaula 1 - Organograma e fluxograma...pptx
aula 1 - Organograma e fluxograma...pptx
 
Aula sobre-organograma
Aula sobre-organogramaAula sobre-organograma
Aula sobre-organograma
 
Osm Organogramas Funcionogramas
Osm Organogramas FuncionogramasOsm Organogramas Funcionogramas
Osm Organogramas Funcionogramas
 
Mqa setembro semana 2
Mqa setembro semana 2Mqa setembro semana 2
Mqa setembro semana 2
 
OMS UnB 02_2012 - Aula 04
OMS UnB 02_2012 - Aula 04OMS UnB 02_2012 - Aula 04
OMS UnB 02_2012 - Aula 04
 
Org e-fluxogramas
Org e-fluxogramasOrg e-fluxogramas
Org e-fluxogramas
 
Aula 2 estrutura organizacional
Aula 2   estrutura organizacionalAula 2   estrutura organizacional
Aula 2 estrutura organizacional
 
aula 5 - Organograma e fluxograma...pptx
aula 5 - Organograma e fluxograma...pptxaula 5 - Organograma e fluxograma...pptx
aula 5 - Organograma e fluxograma...pptx
 
Organograma- prof. valdecir
  Organograma- prof. valdecir  Organograma- prof. valdecir
Organograma- prof. valdecir
 
aula 4 - Organograma e fluxograma...pptx
aula 4 - Organograma e fluxograma...pptxaula 4 - Organograma e fluxograma...pptx
aula 4 - Organograma e fluxograma...pptx
 
aula 3 - Organograma e fluxograma...pptx
aula 3 - Organograma e fluxograma...pptxaula 3 - Organograma e fluxograma...pptx
aula 3 - Organograma e fluxograma...pptx
 
aula 2 - Organograma e fluxograma....pptx
aula 2 - Organograma e fluxograma....pptxaula 2 - Organograma e fluxograma....pptx
aula 2 - Organograma e fluxograma....pptx
 
Aula 5 organogramas, fluxogramas e funcionagramas
Aula 5   organogramas, fluxogramas e funcionagramasAula 5   organogramas, fluxogramas e funcionagramas
Aula 5 organogramas, fluxogramas e funcionagramas
 
1
11
1
 
Defini odefição organograma wiki
Defini odefição organograma wikiDefini odefição organograma wiki
Defini odefição organograma wiki
 
MINTZ_A_ESTRUTURACAO_DAS_ORG_cap_8.1_2014.ppt
MINTZ_A_ESTRUTURACAO_DAS_ORG_cap_8.1_2014.pptMINTZ_A_ESTRUTURACAO_DAS_ORG_cap_8.1_2014.ppt
MINTZ_A_ESTRUTURACAO_DAS_ORG_cap_8.1_2014.ppt
 
Aula3 dimenso1-estruturaorganizacional-110924131822-phpapp02
Aula3 dimenso1-estruturaorganizacional-110924131822-phpapp02Aula3 dimenso1-estruturaorganizacional-110924131822-phpapp02
Aula3 dimenso1-estruturaorganizacional-110924131822-phpapp02
 
Estruturas organizacionais
Estruturas organizacionaisEstruturas organizacionais
Estruturas organizacionais
 

Mais de Milton Henrique do Couto Neto

A implantação de uma Central de Monitoramento como inteligência, numa empresa...
A implantação de uma Central de Monitoramento como inteligência, numa empresa...A implantação de uma Central de Monitoramento como inteligência, numa empresa...
A implantação de uma Central de Monitoramento como inteligência, numa empresa...
Milton Henrique do Couto Neto
 
Aula Pós - Instrumentos de Renda Fixa, Variável e Derivativos
Aula Pós - Instrumentos de Renda Fixa, Variável e DerivativosAula Pós - Instrumentos de Renda Fixa, Variável e Derivativos
Aula Pós - Instrumentos de Renda Fixa, Variável e Derivativos
Milton Henrique do Couto Neto
 
Gestão Ambiental 08 - eia e rima
Gestão Ambiental 08 - eia e rimaGestão Ambiental 08 - eia e rima
Gestão Ambiental 08 - eia e rima
Milton Henrique do Couto Neto
 
Gestão Ambiental 07 - produção limpa
Gestão Ambiental 07 -  produção limpaGestão Ambiental 07 -  produção limpa
Gestão Ambiental 07 - produção limpa
Milton Henrique do Couto Neto
 
Gestão Ambiental 06 - emissão zero
Gestão Ambiental 06 -  emissão zeroGestão Ambiental 06 -  emissão zero
Gestão Ambiental 06 - emissão zero
Milton Henrique do Couto Neto
 
Gestão Ambiental 05 - politica nacional para resíduos sólidos e reciclagem
Gestão Ambiental 05 -  politica nacional para resíduos sólidos e reciclagemGestão Ambiental 05 -  politica nacional para resíduos sólidos e reciclagem
Gestão Ambiental 05 - politica nacional para resíduos sólidos e reciclagem
Milton Henrique do Couto Neto
 
Gestão Ambiental 04 - gerenciamento de resíduos sólidos
Gestão Ambiental 04 -  gerenciamento de resíduos sólidosGestão Ambiental 04 -  gerenciamento de resíduos sólidos
Gestão Ambiental 04 - gerenciamento de resíduos sólidos
Milton Henrique do Couto Neto
 
Gestão Ambiental 03 - a sustentabilidade no microambiente
Gestão Ambiental 03 -  a sustentabilidade no microambienteGestão Ambiental 03 -  a sustentabilidade no microambiente
Gestão Ambiental 03 - a sustentabilidade no microambiente
Milton Henrique do Couto Neto
 
Gestão Ambiental 02 - impactos no macroambiente
Gestão Ambiental 02 -  impactos no macroambienteGestão Ambiental 02 -  impactos no macroambiente
Gestão Ambiental 02 - impactos no macroambiente
Milton Henrique do Couto Neto
 
Gestão Ambiental 01 - Introdução a Gestão Ambiental e Sustentabilidade
Gestão Ambiental 01 - Introdução a Gestão Ambiental e SustentabilidadeGestão Ambiental 01 - Introdução a Gestão Ambiental e Sustentabilidade
Gestão Ambiental 01 - Introdução a Gestão Ambiental e Sustentabilidade
Milton Henrique do Couto Neto
 
Análise das Demonstrações Financeiras
Análise das Demonstrações FinanceirasAnálise das Demonstrações Financeiras
Análise das Demonstrações Financeiras
Milton Henrique do Couto Neto
 
Pesquisa de Marketing - UFES (Curso de Verão)
Pesquisa de Marketing - UFES (Curso de Verão)Pesquisa de Marketing - UFES (Curso de Verão)
Pesquisa de Marketing - UFES (Curso de Verão)
Milton Henrique do Couto Neto
 
Questões ENADE - Administração Financeira
Questões ENADE - Administração FinanceiraQuestões ENADE - Administração Financeira
Questões ENADE - Administração Financeira
Milton Henrique do Couto Neto
 
Pós - Matemática Financeira
Pós - Matemática FinanceiraPós - Matemática Financeira
Pós - Matemática Financeira
Milton Henrique do Couto Neto
 
Politicas e Modelos de Financiamento
Politicas e Modelos de FinanciamentoPoliticas e Modelos de Financiamento
Politicas e Modelos de Financiamento
Milton Henrique do Couto Neto
 
Análise da criação, manutenção e exclusão das redes de relacionamentos (netwo...
Análise da criação, manutenção e exclusão das redes de relacionamentos (netwo...Análise da criação, manutenção e exclusão das redes de relacionamentos (netwo...
Análise da criação, manutenção e exclusão das redes de relacionamentos (netwo...
Milton Henrique do Couto Neto
 
Avaliação de Empresas e Gestão de Investimentos
Avaliação de Empresas e Gestão de InvestimentosAvaliação de Empresas e Gestão de Investimentos
Avaliação de Empresas e Gestão de Investimentos
Milton Henrique do Couto Neto
 
Desenvolvimento Sustentável
Desenvolvimento SustentávelDesenvolvimento Sustentável
Desenvolvimento Sustentável
Milton Henrique do Couto Neto
 
60 Exercícios Resolvidos de Administração Financeira para Concursos
60 Exercícios Resolvidos de Administração Financeira para Concursos60 Exercícios Resolvidos de Administração Financeira para Concursos
60 Exercícios Resolvidos de Administração Financeira para Concursos
Milton Henrique do Couto Neto
 
Gestão de Tesouraria
Gestão de TesourariaGestão de Tesouraria
Gestão de Tesouraria
Milton Henrique do Couto Neto
 

Mais de Milton Henrique do Couto Neto (20)

A implantação de uma Central de Monitoramento como inteligência, numa empresa...
A implantação de uma Central de Monitoramento como inteligência, numa empresa...A implantação de uma Central de Monitoramento como inteligência, numa empresa...
A implantação de uma Central de Monitoramento como inteligência, numa empresa...
 
Aula Pós - Instrumentos de Renda Fixa, Variável e Derivativos
Aula Pós - Instrumentos de Renda Fixa, Variável e DerivativosAula Pós - Instrumentos de Renda Fixa, Variável e Derivativos
Aula Pós - Instrumentos de Renda Fixa, Variável e Derivativos
 
Gestão Ambiental 08 - eia e rima
Gestão Ambiental 08 - eia e rimaGestão Ambiental 08 - eia e rima
Gestão Ambiental 08 - eia e rima
 
Gestão Ambiental 07 - produção limpa
Gestão Ambiental 07 -  produção limpaGestão Ambiental 07 -  produção limpa
Gestão Ambiental 07 - produção limpa
 
Gestão Ambiental 06 - emissão zero
Gestão Ambiental 06 -  emissão zeroGestão Ambiental 06 -  emissão zero
Gestão Ambiental 06 - emissão zero
 
Gestão Ambiental 05 - politica nacional para resíduos sólidos e reciclagem
Gestão Ambiental 05 -  politica nacional para resíduos sólidos e reciclagemGestão Ambiental 05 -  politica nacional para resíduos sólidos e reciclagem
Gestão Ambiental 05 - politica nacional para resíduos sólidos e reciclagem
 
Gestão Ambiental 04 - gerenciamento de resíduos sólidos
Gestão Ambiental 04 -  gerenciamento de resíduos sólidosGestão Ambiental 04 -  gerenciamento de resíduos sólidos
Gestão Ambiental 04 - gerenciamento de resíduos sólidos
 
Gestão Ambiental 03 - a sustentabilidade no microambiente
Gestão Ambiental 03 -  a sustentabilidade no microambienteGestão Ambiental 03 -  a sustentabilidade no microambiente
Gestão Ambiental 03 - a sustentabilidade no microambiente
 
Gestão Ambiental 02 - impactos no macroambiente
Gestão Ambiental 02 -  impactos no macroambienteGestão Ambiental 02 -  impactos no macroambiente
Gestão Ambiental 02 - impactos no macroambiente
 
Gestão Ambiental 01 - Introdução a Gestão Ambiental e Sustentabilidade
Gestão Ambiental 01 - Introdução a Gestão Ambiental e SustentabilidadeGestão Ambiental 01 - Introdução a Gestão Ambiental e Sustentabilidade
Gestão Ambiental 01 - Introdução a Gestão Ambiental e Sustentabilidade
 
Análise das Demonstrações Financeiras
Análise das Demonstrações FinanceirasAnálise das Demonstrações Financeiras
Análise das Demonstrações Financeiras
 
Pesquisa de Marketing - UFES (Curso de Verão)
Pesquisa de Marketing - UFES (Curso de Verão)Pesquisa de Marketing - UFES (Curso de Verão)
Pesquisa de Marketing - UFES (Curso de Verão)
 
Questões ENADE - Administração Financeira
Questões ENADE - Administração FinanceiraQuestões ENADE - Administração Financeira
Questões ENADE - Administração Financeira
 
Pós - Matemática Financeira
Pós - Matemática FinanceiraPós - Matemática Financeira
Pós - Matemática Financeira
 
Politicas e Modelos de Financiamento
Politicas e Modelos de FinanciamentoPoliticas e Modelos de Financiamento
Politicas e Modelos de Financiamento
 
Análise da criação, manutenção e exclusão das redes de relacionamentos (netwo...
Análise da criação, manutenção e exclusão das redes de relacionamentos (netwo...Análise da criação, manutenção e exclusão das redes de relacionamentos (netwo...
Análise da criação, manutenção e exclusão das redes de relacionamentos (netwo...
 
Avaliação de Empresas e Gestão de Investimentos
Avaliação de Empresas e Gestão de InvestimentosAvaliação de Empresas e Gestão de Investimentos
Avaliação de Empresas e Gestão de Investimentos
 
Desenvolvimento Sustentável
Desenvolvimento SustentávelDesenvolvimento Sustentável
Desenvolvimento Sustentável
 
60 Exercícios Resolvidos de Administração Financeira para Concursos
60 Exercícios Resolvidos de Administração Financeira para Concursos60 Exercícios Resolvidos de Administração Financeira para Concursos
60 Exercícios Resolvidos de Administração Financeira para Concursos
 
Gestão de Tesouraria
Gestão de TesourariaGestão de Tesouraria
Gestão de Tesouraria
 

Organograma 2012_01

  • 1. Organograma Milton Henrique do Couto Neto miltonh@terra.com.br
  • 2. Organograma • Gráfico que representa a estrutura formal da organização num determinado momento; • Organograma é um gráfico que representa a organização formal, configurada na estrutura que foi delineada pelo Regulamento da Instituição, apresentando-se no mesmo os diversos setores, suas posições e respectivas interdependências, via hierárquica, itinerário de comunicações, vinculação e subordinação.
  • 3. Organograma • o Organograma deve possuir um caráter dinâmico, ser altamente flexível e funcional, possibilitando uma integração sistêmica e sinérgica entre todos os setores da empresa.
  • 4. Requisitos • Fácil leitura • Permitir boa interpretação dos componentes da organização • Fazer parte de um processo organizacional de representação estrutural • Ser flexível
  • 5. Técnicas de Representação • Estrutural • Circular ou Radial • Funcional • Estrutural-Funcional • Matricial
  • 6. Objetivos • Demonstrar a divisão do trabalho – Dividindo a organização em frações organizacionais (partes menores)
  • 7. Objetivos • Destacar a relação superior-subordinado e a delegação de autoridade e responsabilidade
  • 8. Objetivos • Evidenciar o trabalho desenvolvido em cada unidade, detalhando: – O tipo de trabalho desenvolvido – Os cargos existentes – Os nomes dos titulares – Quantidade de pessoas por unidade – A relação funcional além da relação hierárquica
  • 9. Objetivos • Facilitar a análise organizacional
  • 10. • Permite detectar: – Funções importantes negligenciadas e funções secundárias com demasiada importância – Funções duplicadas ou mal distribuídas • Facilita o SIG e o fluxo de comunicação • Auxilia a graduar trabalhos e tarefas e uniformizar cargos • Auxilia a visualizar o todo organizacional, as necessidades de mudanças e o crescimento da empresa Benefícios
  • 11. Limitações • Limitações: – Exibe apenas uma dimensão dos relacionamentos existentes entre indivíduos e as frações organizacionais – Mostra as relações que devem existir e não a realidade existente
  • 12. Tipo Mais Comum de Organograma • Clássico (Vertical ou Retangular) É o tipo de organograma mais completo e usual, o qual permite melhor entendimento da representação orgânica de uma empresa. Demonstra os órgãos de decisão, de assessoria, operacionais e o posicionamento hierárquico. Decisão Superior Assessoria Decisão Intermediária Decisão Intermediária Operacionais Operacionais
  • 13. Regras Gerais • Deve conter nome da organização, autor, data e número de versão • Para análise, deve apresentar a estrutura existente • Se o gráfico mostrar apenas parte da organização, deve haver linhas abertas para demonstrar continuidade.
  • 14. • Cada função pode ser representada por uma figura geométrica, de preferência o retângulo: – Os tamanhos dos retângulos devem ser proporcionais à importância hierárquica do órgão – Os retângulos devem conter os títulos dos cargos – Se há necessidade do nome do ocupante, este deve aparecer fora do retângulo (ou dentro com letra de tipo diferente) Regras Gerais
  • 15. Significado dos componentes Linhas de comunicação Autoridade e hierarquia (cadeia de comando) Unidades de trabalho (cargos e departamentos) Divisão horizontal do trabalho
  • 16. Técnicas para Construção • Representação dos órgãos 1. Assessores – ligados à linha 2. Assistentes – ligados ao órgão 2 Diretoria Diretoria Assessoria 1 (da pessoa) Assessoria (do órgão)
  • 17. Técnicas para Construção • Linhas Tracejadas Para os órgãos que não existem formalmente ou deseja destacá-los, objetivando um estudo isolado. Manutenção Ônibus Tratores Caminhões Automóveis
  • 18. Técnicas para Construção ● Os níveis superiores devem ● Para melhorar a estética usar a ser, discretamente, maiores forma intercalada na elaboração que seus subordinados do organograma clássico Diretoria Departamento Divisão Serviço Seção Setor
  • 19. Técnicas para Construção • Representação das Linhas Órgãos de decisão – representada por linhas verticais Órgãos de assessoria – representada por linhas horizontais
  • 20. Técnicas para Construção • Representação dos Tipos de Autoridade Autoridade Colorido Preto / Branco Deliberativa Executiva Fiscal Consultiva Técnica Coordenadora
  • 21. Técnicas para Construção • Nível dos Órgãos 1º nível – órgãos deliberativos Deliberativos 2º nível – órgãos executivos 3º nível – órgãos técnicos Executivos 4º nível – órgãos operacionais Técnicos Técnicos Operacionais Operacionais Operacionais
  • 22. Técnicas para Construção • Nomenclatura dos Órgãos Os órgãos que estiverem no mesmo nível hierárquico devem possuir a mesma nomenclatura.
  • 23. Organograma Linear de Responsabilidade • Quem participa e em que grau, quando uma atividade ou decisão deve ocorrer na empresa; • As relações e os tipos de autoridade que devem existir quando mais de um responsável contribui para a execução de um trabalho comum.
  • 24. Características do Organograma Linear • Conjunto resumido e estruturado de informações relevantes dispostos na forma de matriz;
  • 25. Características do Organograma Linear • Conjunto de posições e/ou cargos organizacionais a serem considerados, que constituem as colunas da matriz;
  • 26. Características do Organograma Linear • Conjunto de responsabilidades, atividades, decisões, etc., que constituem as linhas da matriz;
  • 27. Características do Organograma Linear • Símbolos que indicam o grau de extensão de responsabilidade e de autoridade, de forma que explicitem as relações entre as linhas e as colunas, inseridas nas respectivas células da matriz.
  • 28. Vantagens do Organograma Linear • Permite visualização das responsabilidade e das autoridades pela função; • Possibilita caracterizar a forma pela qual um cargo ou função se relaciona com os demais dentro da empresa; • Permite a efetivação de análises objetivas da estrutura organizacional; • Possibilita eliminar ambiguidades no processo decisório das empresas.
  • 29. Desvantagens do Organograma Linear • Não considera a estrutura informal; • Não é de leitura fácil, pois as pessoas não estão acostumadas a trabalhar com essa forma de representação gráfica.
  • 31. Gráficos de Organização e Controle Funcionograma • O funcionograma é um gráfico que amplia as partes setoriais de um organograma, respeitando suas características estruturais, tornando claras as atividades que o justificam, possibilitando conhecer a interdependência das partes componentes do organismo. • Conhecido, também como organograma funcional, o funcionograma procura das uma idéia geral da missão de cada órgão da empresa. • Os funcionogramas devem ser incluídos no Manual de Organização. • É por intermédio do funcionograma que se criam condições de iniciar o processo de análise funcional.
  • 32. Funcionograma Objetivos • Possibilitar um conhecimento mais íntimo da organização; • Fornecer detalhes do órgão em estudo; • Tornar evidentes as funções que justificam os órgãos (missão).
  • 33. Outros Tipos de Organogramas • Em Barras São representados por intermédio de longos retângulos a partir de uma base vertical, onde o tamanho do retângulo é diretamente proporcional à importância da Autoridade que o representa.
  • 34. Outros Tipos de Organogramas • Em Setores (Setorial ou Setograma) São elaborados por meio de círculos concêntricos, os quis representam os diversos níveis de autoridade a partir do círculo central, onde se localiza a autoridade maior da empresa.
  • 35. Outros Tipos de Organogramas • Radial (Solar ou Circular) O seu objetivo é mostrar o macro sistema das empresas componentes de um grande grupo empresarial.
  • 36. Outros Tipos de Organogramas • Informativo Apresenta um máximo de informações de diversas naturezas relacionadas com cada unidade organizacional da empresa. DEPARTAMENTO DE PESSOAL Adm.: João da Silva Código: 6754 Referência:400 -30 Lotação: 21 Síntese da Atribuições: -Processar o controle de férias -Elaborar a Folha de Pagamento -Recrutar e selecionar pessoal
  • 37. Modelos de Estruturas Organizacionais • Normalmente toda organização apresenta ou deveria apresentar alguma forma de estruturação interna, a qual estabelece as regras básicas para a realização de seus objetivos. • As empresas não adotam um único tipo de estrutura organizacional; na realidade, fazem uma mesclagem dos diversos modelos pelos diversos setores organizacionais.
  • 38. Modelos de Estruturas Organizacionais • Estruturas Clássicas Conhecidas como piramidais, são aquelas aplicadas há muito tempo, normalmente utilizadas por empresas comerciais e produtoras de bens e serviços.
  • 39. Estruturas Clássicas Linear • Linear (escalar, hierárquica, vertical ou militar) É um tipo de estrutura no qual prevalece a centralização, exigindo chefias autocráticas e com grande conhecimento da organização como um todo, cuja autoridade deve ser implacável, restando aos subordinados obediência e execução das atividades decorrentes de seu trabalho.
  • 40. Estruturas Clássicas Funcional • Funcional Surgiu em oposição à estrutura linear. Na concepção atual, ela guarda o princípio da especialização proposto por Taylor, onde cada chefia possui amplo domínio sobre determinada área de sua especialização.
  • 41. Estruturas Clássicas Linear-Funcional • Linear-Funcional (staff, assessoria, estado-maior, ou hierárquico- consultivo) • Possui como característica básica a manutenção da unidade de comando, sem tirar o poder de decisão dos órgãos de linha. Possui a mesma estrutura das formas anteriormente apresentadas, adicionando-se um órgão de asessoria, cujo objetivo é, entre outros: pesquisar, estudar, processar análises e fornecer aconselhamentos.
  • 42. Estruturas Clássicas Comissional ou Colegiada • Este tipo possui um “pool” de diretores ou membros que deliberam sobre os assuntos mais relevantes da empresa, ou algum assunto bem específico. Usualmente são denominados de conselhos, comitês, juntas, comissões colegiados, etc.
  • 43. Estruturas Pós-Clássicas Com base na Função e Divisional • Com base na Função Graficamente semelhante à estrutura linear, é um modelo em que as atividades análogas, interdependentes se unem ao propósito dominante da empresa, ou seja, são agrupadas em um órgão especifico, constituindo- se em uma grande unidade setorial da organização, a qual se dedica ao desenvolvimento de uma única função. • Divisional Caracteriza-se pela divisão da estrutura existente, em unidades orgâ-nicas de maior flexibilidade organizacional, constituída de atividades díspares (produção, informática, logística, etc), mas vinculadas a um objetivo final específico (eletrodomésticos, alimentos, veículos, etc) e agrupadas em uma mesma unidade organizacional.
  • 44. Modelos de Estruturas Organizacionais • Estruturas Modernas São aquelas mais recentes, normalmente utilizadas em empresas de planejamento, pesquisa, construção civil e organizações que possuem departamentos específicos de desenvolvimento de projetos.
  • 45. Estruturas Modernas Por Projetos • Por Projetos Normalmente é um tipo de estrutura que não se aplica na empresa como um todo, e os recurso humanos são contratados, geralmente, por tempo determinado, coincidente com o prazo de conclusão de cada projeto. Este tipo de estrutura funciona com um Banco de Recursos, onde estão cadastrados diversos profissionais que são convocados em conformidade com a necessidade de cada projeto.
  • 46. Estruturas Modernas Matricial • Matricial É um tipo de estrutura que surgiu com o advento da tecnologia espacial, a qual apresenta duas características básicas: - Com relação à autoridade Existe uma autoridade hierárquica semelhante à da estrutura funcional e outra bem específica e direta, que é a da coordenação de cada projeto. - Com relação à mobilidade dos funcionários Os funcionários são permanentemente vinculados à organização e alocados aos diversos projetos em execução. Concluído o projeto, eles retornam a seus órgãos de origem.
  • 47. Estruturas Modernas Matricial
  • 48. Modelos de Estruturas Organizacionais • Estruturas Pós-modernas São estruturas dinâmicas e altamente mutáveis, que se adaptam com rapidez e facilidade à conjuntura do mercado consumidor, oferecendo resultados e soluções corretas, com a agilidade que os clientes requerem.
  • 49. Estruturas Pós-Modernas • Estruturas Pós-Modernas • As estruturas pós-modernas são organizadas horizontalmente e/ou em rede (network structure). Seus integrantes se ligam aos demais diretamente ou através dos que os cercam. O conjunto resultante é semelhante a uma teia de aranha de múltiplos fios ligados entre si, que se espalham para todos os lados, sem que nenhum deles possa ser considerado mais importante, ou representante dos demais.
  • 50. Estruturas Pós-Modernas Processual • Processual É um tipo de estrutura que modifica totalmente o enfoque estrutural, o qual deixa de ser caracterizado pelas funções e passa a ser caracterizado pelos processos. Em vez de criar departamentos, divisões, seções, etc. criam-se células de produtividade, unidades de negócios, grupos de produtos, times de qualidade, equipes multidisciplinares, força-tarefa, etc.
  • 51. Estruturas Pós-Modernas Integrada • Integrada • Propõe que a hierarquia tão comum nas organizações seja substituída por uma rede de comunicações, ou seja, por uma rede de relacionamento. • Este modelo exige uma grande integração entre as partes envolvidas, porém sem desrespeitar a interdependência requerida entre os diversos negócios da empresa, em relação aos seus colaboradores, clientes, parceiros e, inclusive na relação com outras empresas, que define as práticas e as tecnologias necessárias para as empresas trabalharem em projetos comuns, compartilhando informações remotamente distribuídas.
  • 53. Estruturas Pós-Modernas Integrada • A operacionalização da Estrutura Integrada deverão estar apoiados na utilização dos diversos recursos das comunicações eletrônicas e das Tecnologias da Informação – TI, notadamente nos sistemas integrados de gestão empresarial e nas ferramentas de apoio à decisão.
  • 54. Estruturas Pós-Modernas Integrada • Sistemas / softwares “inteligentes” da TI e das comunicações eletrônicas, mais usuais e comuns, utilizadas por organizações de todo o mundo, especialmente, por “empresas virtuais”: – ERP (Sistema de Gestão Empresarial) – Business Intelligence (Data warehouse, OLAP, Data mining) – CRM (Gerenciamento das Relações com os Clientes) – SCM (Gerenciamento da Cadeia de Suprimento) – EAI (Integração de Aplicações Corporativas) – GED (Gerenciamento Eletrônico de Documentos) – Worflow (Gerenciamento Eletrônico do Fluxo de Trabalho) – COLD/ERM (Gerenciamento Corporativo de Relatórios) – Document Management, entre outros

Notas do Editor

  1. Professor: Solicitar aos alunos que elaborem o Guia de Estudo 3 (pág. 253 do livro)