SlideShare uma empresa Scribd logo
Nome autores
A representação
da amada na
lírica de Camões
A representação da amada
Na poesia lírica, Camões representa dois
tipos de mulher.
Retrato realista Retrato petrarquista
Na medida velha
(em redondilhas)
Na medida nova
(sobretudo nos sonetos)
A representação da amada – retrato realista
(características)
Retrato realista da figura feminina
(modelo de Vénus)
Botticelli, A Primavera
(pormenor), c. 1478.
Figura terrena
Bela e sensual
Com vestuário colorido e adereços
que realçam a sua beleza
Apaixonada e alegre Exaltação da dimensão
terrena do amor
Acessível e recetiva ao amor
Em cenas da vida quotidiana e cenários
naturais (na fonte, no campo) que espelham
a vitalidade e o brilho da figura feminina
Descrição marcada pelo
desejo
A representação da amada – retrato realista (exemplos)
Vilancete «Descalça vai para a fonte»
Jovem mulher que vai à fonte buscar água
Enquadrada num cenário campestre
Bela («tão linda que o mundo espanta»)
e graciosa («chove nela graça tanta»)
Vestuário/adereços e cores que realçam a sua beleza:
– cinta e fita vermelhas (força, alegria e sensualidade)
– pele branca e saia branca (pureza)
– «cabelos d’ouro» (perfeição)
Tímida, insegura/ansiosa
Figura do povo (vai à fonte e está descalça)
William-Adolphe Bouguereau,
Italiana na fonte, 1870.

Recomendado para você

Cantigas de amigo - resumo
Cantigas de amigo - resumoCantigas de amigo - resumo
Cantigas de amigo - resumo

Este documento resume cinco cantigas de amigo e uma cantiga de bailia em língua galego-portuguesa da Idade Média. Cada cantiga é analisada em termos de personagens, enredo, estrutura, estado de espírito do sujeito lírico e simbologia. As cantigas descrevem cenas de amor, saudade, espera, angústia e desespero vividas por donzelas em relação aos seus amados. A natureza é retratada como testemunha, confidente ou ameaça nestas narrativas lí

Cesário Verde-Sistematização
Cesário Verde-SistematizaçãoCesário Verde-Sistematização
Cesário Verde-Sistematização

Sistematização da Poesia de Cesário: principais características e influências artísticas e literárias.

realismo11ºanoportuguês
Erros meus, má fortuna, amor ardente
Erros  meus, má fortuna, amor ardenteErros  meus, má fortuna, amor ardente
Erros meus, má fortuna, amor ardente

O poeta faz um balanço autobiográfico da sua vida desventurada, atribuindo a culpa aos seus erros, má sorte e amor, que se conjuraram contra ele. Apesar de ter passado por muitas dificuldades, mantém viva a dor das experiências passadas, o que o leva a não querer mais ter esperanças ou ser feliz.

lírica camoniana
A representação da amada – retrato realista (exemplos)
Vilancete «Minina dos olhos verdes»
Jovem mulher de belos olhos verdes
William-Adolphe Bouguereau,
Jovem pastora de pé, 1887.
Cantiga «Verdes são os campos»
Cor da esperança e da Natureza
A representação da amada – retrato realista (exemplos)
Endecha «Aquela cativa»
Jovem escrava bela e graciosa
Beleza singular: de pele escura, cabelo negro, olhos negros e meigos
Contraste com o modelo de mulher da época
(pele clara, olhos claros, cabelos louros)
Recatada e doce
Alegre
Serena e ponderada
Paul Gauguin, A semente de Areoi,
1892.
A representação da amada – retrato petrarquista
(características)
Retrato petrarquista da figura feminina
(modelo de Laura, de Petrarca – renascentista)
Retrato estereotipado e idealizado:
pele, cabelo e olhos claros (perfeição física
que espelha a perfeição interior)
Modesta, equilibrada, discreta, serena e grave
(perfeição psicológica e moral)
Ser perfeito, superior, divino, permitindo ao amador elevar-se através de
um amor exclusivamente espiritual
Exaltação da dimensão
espiritual do amor
Botticelli, Retrato de uma jovem,
c. 1480-1485.
Impalpável, incorpórea, de uma beleza inefável (traços pouco definidos)
Abstrata, ausente, inacessível ao amador (amor impossível)
A quem o sujeito poético presta vassalagem (relação suserano-vassalo)
A representação da amada – retrato petrarquista (exemplos)
Soneto «Um mover d’olhos, brando e piadoso»
Riso suave e honesto / quase forçado (ambiguidade)
Rosto doce e humilde
Contida, recatada
Leonardo da Vinci, Mona Lisa,
1503-1505.
Serena
Modesta
Piedosa
Mulher ideal, divina, inefável, de «celeste fermosura»
Retrato esfumado (uso do determinante indefinido)

Recomendado para você

Cantigas de amigo
Cantigas de amigoCantigas de amigo
Cantigas de amigo

Este documento resume as Cantigas de Amigo, uma forma poética da Idade Média portuguesa. 1) São cantigas populares que expressam os sentimentos amorosos de uma donzela em relação ao seu amigo ausente. 2) Possuem uma estrutura simples com refrão e paralelismo. 3) Abordam temas como saudade, espera, alegria e natureza.

cantigas de amigolírica trovadoresca
O Mostrengo
O MostrengoO Mostrengo
O Mostrengo

Este documento analisa o poema "O Mostrengo" de Fernando Pessoa. Resume a estrutura narrativa do poema, as personagens principais e a simbologia presente, incluindo o significado do Mostrengo e do homem do leme.

Recursos expressivos
Recursos expressivosRecursos expressivos
Recursos expressivos

O documento descreve diferentes recursos expressivos da linguagem literária como a aliteração, assonância, onomatopeia, anáfora e outros como a metáfora, hipérbole, ironia e alegoria que podem ser usados para tornar o texto mais belo ou expressivo.

língua portuguesarecursos expressivos
A representação da amada – retrato petrarquista (exemplos)
Soneto «Ondados fios d’ ouro reluzente»
Cabelos loiros e brilhantes («Ondados fios d’ ouro reluzente»)
Faces rosadas («as rosas»)
Olhar doce («olhos, que vos moveis tão docemente»)
Botticelli, Vénus e Marte
(pormenor), c. 1485.
Olhos luminosos («em mil divinos raios encendidos»)
Dentes brancos, como «perlas»
Lábios vermelhos, como «corais»
Honesta («Honesto riso»)
Bela e encantadora, mesmo à distância
A representação da amada – traços comuns
Traços comuns da representação da
amada na medida velha e na medida nova
Retrato plástico da mulher amada
recursos retóricos e pictóricos que exploram:
elementos e imagens da Natureza
vestuário/acessórios [na medida velha /
modelo de Vénus] ou metais preciosos
[na medida nova / modelo petrarquista]
sugestões cromáticas
jogos de palavras
Poder transformador da amada
sobre a Natureza, os homens, o sujeito poético…
A representação da amada – inovação do cânone literário
Tentativa de síntese
entre a mulher carnal e a
mulher etérea
Elogio da beleza exótica (mulher
de pele morena/escura)
Combinação dos traços
típicos do modelo de Vénus
da lírica tradicional e do
modelo petrarquista da
poesia de influência clássica
Inovação do cânone literário
na representação da amada
Consolida

Recomendado para você

Camões lírico 2017
Camões lírico 2017Camões lírico 2017
Camões lírico 2017

O documento descreve as características formais e temáticas da lírica de Camões. Apresenta duas correntes principais: a tradicional, influenciada pela poesia trovadoresca, e a renascentista, influenciada pelos modelos greco-latinos e italianos. Detalha as formas poéticas, métricas e temas abordados em cada corrente, como amor, saudade e natureza na tradicional, e reflexão filosófica e experiência pessoal na renascentista.

Lírica de Luís de Camões
Lírica de Luís de Camões Lírica de Luís de Camões
Lírica de Luís de Camões

O poema estabelece uma comparação entre os olhos da amada e os campos verdes, projetando a imagem da amada na natureza. À medida que o poema avança, esta projeção torna-se mais evidente, com o sujeito poético a afirmar que o gado na verdade se alimenta da "graça dos olhos" da amada, e não da erva. No final, os olhos deixam de ser comparados aos campos e passam a ser eles próprios os campos verdes.

Deíticos
DeíticosDeíticos
Deíticos

O documento fornece informações sobre deícticos em língua portuguesa. Deícticos são palavras que estabelecem a articulação entre o ato de fala e o contexto em que é produzido. Existem três tipos de deícticos: pessoais, temporais e espaciais.

1- Seleciona a opção que completa cada afirmação.
Solução
em medida velha.
A Na lírica camoniana, a representação da mulher amada é feita nos poemas compostos
B A representação da mulher amada na lírica camoniana
em medida nova.
em medida velha e em medida nova.
centra-se nas características físicas.
centra-se nas características psicológicas/morais.
foca características físicas e psicológicas/morais.
C O retrato da figura feminina nas redondilhas camonianas
corresponde ao modelo de Vénus (figura terrena, marcada pela sensualidade).
corresponde ao modelo de Laura (figura idealizada, com uma dimensão etérea).
retoma o retrato da figura feminina das cantigas de amigo.
Consolida
1- Seleciona a opção que completa cada afirmação.
Solução
na figura de Vénus, com contornos definidos e palpáveis.
D O modelo de Laura, em voga no Renascimento, é inspirado
E Fisicamente, a mulher cantada nos sonetos camonianos
na mulher cantada por Petrarca e representante da dimensão espiritual do amor.
na mulher cantada por Petrarca e representante da dimensão terrena do amor.
é dotada de uma beleza exótica.
tem pele, cabelos e olhos claros.
tem pele, cabelos e olhos escuros.
F No retrato petrarquista, a figura feminina
demonstra modéstia, discrição, serenidade e gravidade.
revela equilíbrio, serenidade, gravidade uma certa altivez.
as duas opções anteriores estão corretas.
Consolida
2- Indica se é verdadeira (V) ou falsa (F) cada uma das seguintes afirmações. Corrige as falsas.
Solução
Verdadeira.
A Na lírica camoniana em medida nova, a representação da figura feminina segue o modelo de Laura,
presente nos poemas de Petrarca.
B Nos poemas que correspondem ao ideal de Laura, a mulher surge como uma figura concreta,
corpórea e com traços definidos.
Falsa. … como uma figura impalpável, incorpórea e com traços pouco definidos.
C O ideal de Laura está associado a um amor carnal e que permite ao eu poético elevar-se.
Falsa. … a um amor exclusivamente espiritual e que permite ao eu poético elevar-se.
D O ideal petrarquista da mulher reproduz a relação entre vassalo e suserano, presente
na poesia provençal e nas cantigas de amor da poesia galego-portuguesa.
Verdadeira.
Consolida
2- Indica se é verdadeira (V) ou falsa (F) cada uma das seguintes afirmações. Corrige as falsas.
Solução
Verdadeira.
E Na lírica camoniana, a descrição da mulher amada é feita com recurso a elementos e imagens da
Natureza e tirando partido de vestuário e acessórios, metais preciosos e sugestões cromáticas.
F A mulher amada, pela sua perfeição, tem a capacidade de transformar a Natureza e o sujeito poético.
Verdadeira.
G Como demonstra o poema «Aquela cativa», Camões limita-se a seguir o cânone literário.
Falsa. … Camões, ao elogiar a beleza exótica, inova a forma de retratar a mulher.
Consolida

Recomendado para você

Os Lusíadas - Reflexões do Poeta
Os Lusíadas - Reflexões do PoetaOs Lusíadas - Reflexões do Poeta
Os Lusíadas - Reflexões do Poeta

1) O documento discute as reflexões do poeta Camões em sua obra épica "Os Lusíadas". 2) Camões critica a sociedade portuguesa por seu desprezo pelas artes e letras e pela ingratidão para com aqueles que louvam Portugal. 3) O poeta também lamenta a decadência de Portugal e alerta para os perigos do materialismo e do mau exercício do poder.

lusadasplano do poetareflexes
Lírica camoniana
Lírica camonianaLírica camoniana
Lírica camoniana

O documento resume as principais características da lírica de Camões, distinguindo entre a influência da tradição peninsular e a influência clássica e renascentista. Apresenta os principais temas, formas poéticas e estilos presentes na obra de Camões, influenciada por ambas as correntes literárias.

Cantigas de amor -resumo
Cantigas de amor -resumoCantigas de amor -resumo
Cantigas de amor -resumo

O documento apresenta três cantigas de amor medievais portuguesas. A primeira descreve um homem sofrendo por amor não correspondido e incapaz de vingança. A segunda critica os trovadores provençais por apenas cantarem no verão. A terceira é uma prece onde o homem suplica a Deus para ver sua amada senhora ou dar-lhe a morte.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Ondados fios de ouro reluzente
Ondados fios de ouro reluzenteOndados fios de ouro reluzente
Ondados fios de ouro reluzente
Helena Coutinho
 
Cantigas de amor
Cantigas de amorCantigas de amor
Cantigas de amor
Helena Coutinho
 
Lírica camoniana
Lírica camoniana Lírica camoniana
Lírica camoniana
Sara Afonso
 
Cantigas de amigo - resumo
Cantigas de amigo - resumoCantigas de amigo - resumo
Cantigas de amigo - resumo
Gijasilvelitz 2
 
Cesário Verde-Sistematização
Cesário Verde-SistematizaçãoCesário Verde-Sistematização
Cesário Verde-Sistematização
Dina Baptista
 
Erros meus, má fortuna, amor ardente
Erros  meus, má fortuna, amor ardenteErros  meus, má fortuna, amor ardente
Erros meus, má fortuna, amor ardente
Helena Coutinho
 
Cantigas de amigo
Cantigas de amigoCantigas de amigo
Cantigas de amigo
Paula Oliveira Cruz
 
O Mostrengo
O MostrengoO Mostrengo
O Mostrengo
António Teixeira
 
Recursos expressivos
Recursos expressivosRecursos expressivos
Recursos expressivos
becastanheiradepera
 
Camões lírico 2017
Camões lírico 2017Camões lírico 2017
Camões lírico 2017
Rosa Fernandes
 
Lírica de Luís de Camões
Lírica de Luís de Camões Lírica de Luís de Camões
Lírica de Luís de Camões
Lurdes Augusto
 
Deíticos
DeíticosDeíticos
Deíticos
Paula Angelo
 
Os Lusíadas - Reflexões do Poeta
Os Lusíadas - Reflexões do PoetaOs Lusíadas - Reflexões do Poeta
Os Lusíadas - Reflexões do Poeta
Dina Baptista
 
Lírica camoniana
Lírica camonianaLírica camoniana
Lírica camoniana
Helena Coutinho
 
Cantigas de amor -resumo
Cantigas de amor -resumoCantigas de amor -resumo
Cantigas de amor -resumo
Gijasilvelitz 2
 
Estrutura do Texto de Apreciação Crítica
Estrutura do Texto de Apreciação CríticaEstrutura do Texto de Apreciação Crítica
Estrutura do Texto de Apreciação Crítica
Vanda Sousa
 
Aquela cativa Poema e Análise
Aquela cativa Poema e AnáliseAquela cativa Poema e Análise
Aquela cativa Poema e Análise
Bruno Jardim
 
Amor de perdição
Amor de perdiçãoAmor de perdição
Amor de perdição
Aparecida Mallagoli
 
Ficha de gramática12º
Ficha de gramática12ºFicha de gramática12º
Ficha de gramática12º
quintaldasletras
 
Resumos Exame Nacional Português 12º ano
Resumos Exame Nacional Português 12º ano Resumos Exame Nacional Português 12º ano
Resumos Exame Nacional Português 12º ano
Paula Pereira
 

Mais procurados (20)

Ondados fios de ouro reluzente
Ondados fios de ouro reluzenteOndados fios de ouro reluzente
Ondados fios de ouro reluzente
 
Cantigas de amor
Cantigas de amorCantigas de amor
Cantigas de amor
 
Lírica camoniana
Lírica camoniana Lírica camoniana
Lírica camoniana
 
Cantigas de amigo - resumo
Cantigas de amigo - resumoCantigas de amigo - resumo
Cantigas de amigo - resumo
 
Cesário Verde-Sistematização
Cesário Verde-SistematizaçãoCesário Verde-Sistematização
Cesário Verde-Sistematização
 
Erros meus, má fortuna, amor ardente
Erros  meus, má fortuna, amor ardenteErros  meus, má fortuna, amor ardente
Erros meus, má fortuna, amor ardente
 
Cantigas de amigo
Cantigas de amigoCantigas de amigo
Cantigas de amigo
 
O Mostrengo
O MostrengoO Mostrengo
O Mostrengo
 
Recursos expressivos
Recursos expressivosRecursos expressivos
Recursos expressivos
 
Camões lírico 2017
Camões lírico 2017Camões lírico 2017
Camões lírico 2017
 
Lírica de Luís de Camões
Lírica de Luís de Camões Lírica de Luís de Camões
Lírica de Luís de Camões
 
Deíticos
DeíticosDeíticos
Deíticos
 
Os Lusíadas - Reflexões do Poeta
Os Lusíadas - Reflexões do PoetaOs Lusíadas - Reflexões do Poeta
Os Lusíadas - Reflexões do Poeta
 
Lírica camoniana
Lírica camonianaLírica camoniana
Lírica camoniana
 
Cantigas de amor -resumo
Cantigas de amor -resumoCantigas de amor -resumo
Cantigas de amor -resumo
 
Estrutura do Texto de Apreciação Crítica
Estrutura do Texto de Apreciação CríticaEstrutura do Texto de Apreciação Crítica
Estrutura do Texto de Apreciação Crítica
 
Aquela cativa Poema e Análise
Aquela cativa Poema e AnáliseAquela cativa Poema e Análise
Aquela cativa Poema e Análise
 
Amor de perdição
Amor de perdiçãoAmor de perdição
Amor de perdição
 
Ficha de gramática12º
Ficha de gramática12ºFicha de gramática12º
Ficha de gramática12º
 
Resumos Exame Nacional Português 12º ano
Resumos Exame Nacional Português 12º ano Resumos Exame Nacional Português 12º ano
Resumos Exame Nacional Português 12º ano
 

Semelhante a A representação na amada na lírica de Camões

A representação na amada na lírica de Camões.pptx
A representação na amada na lírica de Camões.pptxA representação na amada na lírica de Camões.pptx
A representação na amada na lírica de Camões.pptx
CristinaCarvalho717285
 
Representaçãoo da Amada luis de camoes
Representaçãoo da Amada luis de camoesRepresentaçãoo da Amada luis de camoes
Representaçãoo da Amada luis de camoes
FredericaMaria
 
Dolce Stil Nuovo, Petrarca e o petrarquismo
Dolce Stil Nuovo, Petrarca e o petrarquismo Dolce Stil Nuovo, Petrarca e o petrarquismo
Dolce Stil Nuovo, Petrarca e o petrarquismo
Maria Luísa de Castro Soares
 
ldia10_ppt_poesia_trovadoresca.pptx
ldia10_ppt_poesia_trovadoresca.pptxldia10_ppt_poesia_trovadoresca.pptx
ldia10_ppt_poesia_trovadoresca.pptx
Marta Ferreira
 
Folhas caídas características gerais da obra
Folhas caídas  características gerais da obraFolhas caídas  características gerais da obra
Folhas caídas características gerais da obra
Helena Coutinho
 
Guia de Correcção do Teste/Fevereiro 2011/Camões Lírico
Guia de Correcção do Teste/Fevereiro 2011/Camões LíricoGuia de Correcção do Teste/Fevereiro 2011/Camões Lírico
Guia de Correcção do Teste/Fevereiro 2011/Camões Lírico
Vanda Sousa
 
49065391 lirica-camoniana
49065391 lirica-camoniana49065391 lirica-camoniana
49065391 lirica-camoniana
Alcindo Correia
 
Guia de Correcção do Teste 1 Fevereiro
Guia de Correcção do Teste 1  FevereiroGuia de Correcção do Teste 1  Fevereiro
Guia de Correcção do Teste 1 Fevereiro
Vanda Sousa
 
A lírica de camões medida nova
A lírica de camões   medida novaA lírica de camões   medida nova
A lírica de camões medida nova
Escola Secundária de Santa Maria da Feira
 
Q114
Q114Q114
Guia de Correcção do Teste 2 Fevereiro 2011
Guia de Correcção do Teste 2  Fevereiro 2011Guia de Correcção do Teste 2  Fevereiro 2011
Guia de Correcção do Teste 2 Fevereiro 2011
Vanda Sousa
 
Endechas Bárbara escrava
Endechas Bárbara escravaEndechas Bárbara escrava
Endechas Bárbara escrava
Maria Gois
 
Guia de Correcção do Teste 2 Fevereiro 2011
Guia de Correcção do Teste 2  Fevereiro 2011Guia de Correcção do Teste 2  Fevereiro 2011
Guia de Correcção do Teste 2 Fevereiro 2011
Vanda Sousa
 
Analise dos poemas de camoes ... apresentação
Analise dos poemas de camoes ... apresentaçãoAnalise dos poemas de camoes ... apresentação
Analise dos poemas de camoes ... apresentação
Angela Silva
 
Análise de textos poéticos
Análise de textos poéticosAnálise de textos poéticos
Análise de textos poéticos
José Alexandre Dos Santos
 
Análise de textos poéticos
Análise de textos poéticosAnálise de textos poéticos
Análise de textos poéticos
José Alexandre Dos Santos
 
Guia de Correcção do Teste 2 Fevereiro 2011
Guia de Correcção do Teste 2  Fevereiro 2011  Guia de Correcção do Teste 2  Fevereiro 2011
Guia de Correcção do Teste 2 Fevereiro 2011
Vanda Sousa
 
Comentários sobre “A Obra de Arte na Época de suas Técnicas de Reprodução”, p...
Comentários sobre “A Obra de Arte na Época de suas Técnicas de Reprodução”, p...Comentários sobre “A Obra de Arte na Época de suas Técnicas de Reprodução”, p...
Comentários sobre “A Obra de Arte na Época de suas Técnicas de Reprodução”, p...
RobertsonKircher
 
Adélia prado
Adélia pradoAdélia prado
Adélia prado
Rildenice Santos
 
Cantigas do amigo (literatura portuguesa- resumo)
Cantigas do amigo (literatura portuguesa- resumo)Cantigas do amigo (literatura portuguesa- resumo)
Cantigas do amigo (literatura portuguesa- resumo)
Sofia Yuna
 

Semelhante a A representação na amada na lírica de Camões (20)

A representação na amada na lírica de Camões.pptx
A representação na amada na lírica de Camões.pptxA representação na amada na lírica de Camões.pptx
A representação na amada na lírica de Camões.pptx
 
Representaçãoo da Amada luis de camoes
Representaçãoo da Amada luis de camoesRepresentaçãoo da Amada luis de camoes
Representaçãoo da Amada luis de camoes
 
Dolce Stil Nuovo, Petrarca e o petrarquismo
Dolce Stil Nuovo, Petrarca e o petrarquismo Dolce Stil Nuovo, Petrarca e o petrarquismo
Dolce Stil Nuovo, Petrarca e o petrarquismo
 
ldia10_ppt_poesia_trovadoresca.pptx
ldia10_ppt_poesia_trovadoresca.pptxldia10_ppt_poesia_trovadoresca.pptx
ldia10_ppt_poesia_trovadoresca.pptx
 
Folhas caídas características gerais da obra
Folhas caídas  características gerais da obraFolhas caídas  características gerais da obra
Folhas caídas características gerais da obra
 
Guia de Correcção do Teste/Fevereiro 2011/Camões Lírico
Guia de Correcção do Teste/Fevereiro 2011/Camões LíricoGuia de Correcção do Teste/Fevereiro 2011/Camões Lírico
Guia de Correcção do Teste/Fevereiro 2011/Camões Lírico
 
49065391 lirica-camoniana
49065391 lirica-camoniana49065391 lirica-camoniana
49065391 lirica-camoniana
 
Guia de Correcção do Teste 1 Fevereiro
Guia de Correcção do Teste 1  FevereiroGuia de Correcção do Teste 1  Fevereiro
Guia de Correcção do Teste 1 Fevereiro
 
A lírica de camões medida nova
A lírica de camões   medida novaA lírica de camões   medida nova
A lírica de camões medida nova
 
Q114
Q114Q114
Q114
 
Guia de Correcção do Teste 2 Fevereiro 2011
Guia de Correcção do Teste 2  Fevereiro 2011Guia de Correcção do Teste 2  Fevereiro 2011
Guia de Correcção do Teste 2 Fevereiro 2011
 
Endechas Bárbara escrava
Endechas Bárbara escravaEndechas Bárbara escrava
Endechas Bárbara escrava
 
Guia de Correcção do Teste 2 Fevereiro 2011
Guia de Correcção do Teste 2  Fevereiro 2011Guia de Correcção do Teste 2  Fevereiro 2011
Guia de Correcção do Teste 2 Fevereiro 2011
 
Analise dos poemas de camoes ... apresentação
Analise dos poemas de camoes ... apresentaçãoAnalise dos poemas de camoes ... apresentação
Analise dos poemas de camoes ... apresentação
 
Análise de textos poéticos
Análise de textos poéticosAnálise de textos poéticos
Análise de textos poéticos
 
Análise de textos poéticos
Análise de textos poéticosAnálise de textos poéticos
Análise de textos poéticos
 
Guia de Correcção do Teste 2 Fevereiro 2011
Guia de Correcção do Teste 2  Fevereiro 2011  Guia de Correcção do Teste 2  Fevereiro 2011
Guia de Correcção do Teste 2 Fevereiro 2011
 
Comentários sobre “A Obra de Arte na Época de suas Técnicas de Reprodução”, p...
Comentários sobre “A Obra de Arte na Época de suas Técnicas de Reprodução”, p...Comentários sobre “A Obra de Arte na Época de suas Técnicas de Reprodução”, p...
Comentários sobre “A Obra de Arte na Época de suas Técnicas de Reprodução”, p...
 
Adélia prado
Adélia pradoAdélia prado
Adélia prado
 
Cantigas do amigo (literatura portuguesa- resumo)
Cantigas do amigo (literatura portuguesa- resumo)Cantigas do amigo (literatura portuguesa- resumo)
Cantigas do amigo (literatura portuguesa- resumo)
 

Último

As Ideias Têm Consequências - Richard M. Weaver
As Ideias Têm Consequências - Richard M. WeaverAs Ideias Têm Consequências - Richard M. Weaver
As Ideias Têm Consequências - Richard M. Weaver
C4io99
 
Relatório de Atividades 2015 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2015 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2015 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2015 CENSIPAM.pdf
Falcão Brasil
 
A perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptx
A perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptxA perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptx
A perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptx
marcos oliveira
 
Ideais do Ministério jovem Adventista pdf
Ideais do Ministério jovem Adventista pdfIdeais do Ministério jovem Adventista pdf
Ideais do Ministério jovem Adventista pdf
Anesio2
 
Oficina de bases de dados - Dimensions.pdf
Oficina de bases de dados - Dimensions.pdfOficina de bases de dados - Dimensions.pdf
Oficina de bases de dados - Dimensions.pdf
beathrizalves131
 
Manejo de plantas daninhas
Manejo de plantas daninhasManejo de plantas daninhas
Manejo de plantas daninhas
Geagra UFG
 
Relatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdf
Falcão Brasil
 
SEQUÊNCIA NÃO ME TOCA, SEU BOBOCA, Violência sexual infantilil
SEQUÊNCIA NÃO ME TOCA, SEU BOBOCA, Violência sexual infantililSEQUÊNCIA NÃO ME TOCA, SEU BOBOCA, Violência sexual infantilil
SEQUÊNCIA NÃO ME TOCA, SEU BOBOCA, Violência sexual infantilil
menesabi
 
Mini livro sanfona - Minha Escola Tem História.
Mini livro  sanfona - Minha Escola Tem História. Mini livro  sanfona - Minha Escola Tem História.
Mini livro sanfona - Minha Escola Tem História.
Mary Alvarenga
 
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UEInfografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Centro Jacques Delors
 
TEORIAS UECE.pdf química geral nome de cientistas famosos da química
TEORIAS UECE.pdf química geral nome de cientistas famosos da químicaTEORIAS UECE.pdf química geral nome de cientistas famosos da química
TEORIAS UECE.pdf química geral nome de cientistas famosos da química
VictorEmanoel37
 
Resolução do Exame de Biologia UEM - 2008.
Resolução do Exame de Biologia UEM - 2008.Resolução do Exame de Biologia UEM - 2008.
Resolução do Exame de Biologia UEM - 2008.
mozalgebrista
 
Plano Analitico de Psicopedagogia -11 Classe- II Trimestre - 2024_014203.docx
Plano Analitico de Psicopedagogia -11 Classe- II Trimestre - 2024_014203.docxPlano Analitico de Psicopedagogia -11 Classe- II Trimestre - 2024_014203.docx
Plano Analitico de Psicopedagogia -11 Classe- II Trimestre - 2024_014203.docx
IsaiasJohaneSimango
 
Alfabetização de adultos.pdf
Alfabetização de             adultos.pdfAlfabetização de             adultos.pdf
Alfabetização de adultos.pdf
arodatos81
 
Relatório de Atividades 2016 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2016 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2016 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2016 CENSIPAM.pdf
Falcão Brasil
 
Texto e atividade - Fontes alternativas de energia
Texto e atividade -  Fontes alternativas de energiaTexto e atividade -  Fontes alternativas de energia
Texto e atividade - Fontes alternativas de energia
Mary Alvarenga
 
Atividade Dias dos Pais - Meu Pai, Razão da Minha História.
Atividade Dias dos Pais -  Meu Pai, Razão da Minha História.Atividade Dias dos Pais -  Meu Pai, Razão da Minha História.
Atividade Dias dos Pais - Meu Pai, Razão da Minha História.
Mary Alvarenga
 
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsxNoite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Luzia Gabriele
 
Relatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdf
Falcão Brasil
 
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdfoficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
marcos oliveira
 

Último (20)

As Ideias Têm Consequências - Richard M. Weaver
As Ideias Têm Consequências - Richard M. WeaverAs Ideias Têm Consequências - Richard M. Weaver
As Ideias Têm Consequências - Richard M. Weaver
 
Relatório de Atividades 2015 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2015 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2015 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2015 CENSIPAM.pdf
 
A perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptx
A perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptxA perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptx
A perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptx
 
Ideais do Ministério jovem Adventista pdf
Ideais do Ministério jovem Adventista pdfIdeais do Ministério jovem Adventista pdf
Ideais do Ministério jovem Adventista pdf
 
Oficina de bases de dados - Dimensions.pdf
Oficina de bases de dados - Dimensions.pdfOficina de bases de dados - Dimensions.pdf
Oficina de bases de dados - Dimensions.pdf
 
Manejo de plantas daninhas
Manejo de plantas daninhasManejo de plantas daninhas
Manejo de plantas daninhas
 
Relatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdf
 
SEQUÊNCIA NÃO ME TOCA, SEU BOBOCA, Violência sexual infantilil
SEQUÊNCIA NÃO ME TOCA, SEU BOBOCA, Violência sexual infantililSEQUÊNCIA NÃO ME TOCA, SEU BOBOCA, Violência sexual infantilil
SEQUÊNCIA NÃO ME TOCA, SEU BOBOCA, Violência sexual infantilil
 
Mini livro sanfona - Minha Escola Tem História.
Mini livro  sanfona - Minha Escola Tem História. Mini livro  sanfona - Minha Escola Tem História.
Mini livro sanfona - Minha Escola Tem História.
 
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UEInfografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UE
 
TEORIAS UECE.pdf química geral nome de cientistas famosos da química
TEORIAS UECE.pdf química geral nome de cientistas famosos da químicaTEORIAS UECE.pdf química geral nome de cientistas famosos da química
TEORIAS UECE.pdf química geral nome de cientistas famosos da química
 
Resolução do Exame de Biologia UEM - 2008.
Resolução do Exame de Biologia UEM - 2008.Resolução do Exame de Biologia UEM - 2008.
Resolução do Exame de Biologia UEM - 2008.
 
Plano Analitico de Psicopedagogia -11 Classe- II Trimestre - 2024_014203.docx
Plano Analitico de Psicopedagogia -11 Classe- II Trimestre - 2024_014203.docxPlano Analitico de Psicopedagogia -11 Classe- II Trimestre - 2024_014203.docx
Plano Analitico de Psicopedagogia -11 Classe- II Trimestre - 2024_014203.docx
 
Alfabetização de adultos.pdf
Alfabetização de             adultos.pdfAlfabetização de             adultos.pdf
Alfabetização de adultos.pdf
 
Relatório de Atividades 2016 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2016 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2016 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2016 CENSIPAM.pdf
 
Texto e atividade - Fontes alternativas de energia
Texto e atividade -  Fontes alternativas de energiaTexto e atividade -  Fontes alternativas de energia
Texto e atividade - Fontes alternativas de energia
 
Atividade Dias dos Pais - Meu Pai, Razão da Minha História.
Atividade Dias dos Pais -  Meu Pai, Razão da Minha História.Atividade Dias dos Pais -  Meu Pai, Razão da Minha História.
Atividade Dias dos Pais - Meu Pai, Razão da Minha História.
 
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsxNoite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
 
Relatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdf
 
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdfoficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
 

A representação na amada na lírica de Camões

  • 1. Nome autores A representação da amada na lírica de Camões
  • 2. A representação da amada Na poesia lírica, Camões representa dois tipos de mulher. Retrato realista Retrato petrarquista Na medida velha (em redondilhas) Na medida nova (sobretudo nos sonetos)
  • 3. A representação da amada – retrato realista (características) Retrato realista da figura feminina (modelo de Vénus) Botticelli, A Primavera (pormenor), c. 1478. Figura terrena Bela e sensual Com vestuário colorido e adereços que realçam a sua beleza Apaixonada e alegre Exaltação da dimensão terrena do amor Acessível e recetiva ao amor Em cenas da vida quotidiana e cenários naturais (na fonte, no campo) que espelham a vitalidade e o brilho da figura feminina Descrição marcada pelo desejo
  • 4. A representação da amada – retrato realista (exemplos) Vilancete «Descalça vai para a fonte» Jovem mulher que vai à fonte buscar água Enquadrada num cenário campestre Bela («tão linda que o mundo espanta») e graciosa («chove nela graça tanta») Vestuário/adereços e cores que realçam a sua beleza: – cinta e fita vermelhas (força, alegria e sensualidade) – pele branca e saia branca (pureza) – «cabelos d’ouro» (perfeição) Tímida, insegura/ansiosa Figura do povo (vai à fonte e está descalça) William-Adolphe Bouguereau, Italiana na fonte, 1870.
  • 5. A representação da amada – retrato realista (exemplos) Vilancete «Minina dos olhos verdes» Jovem mulher de belos olhos verdes William-Adolphe Bouguereau, Jovem pastora de pé, 1887. Cantiga «Verdes são os campos» Cor da esperança e da Natureza
  • 6. A representação da amada – retrato realista (exemplos) Endecha «Aquela cativa» Jovem escrava bela e graciosa Beleza singular: de pele escura, cabelo negro, olhos negros e meigos Contraste com o modelo de mulher da época (pele clara, olhos claros, cabelos louros) Recatada e doce Alegre Serena e ponderada Paul Gauguin, A semente de Areoi, 1892.
  • 7. A representação da amada – retrato petrarquista (características) Retrato petrarquista da figura feminina (modelo de Laura, de Petrarca – renascentista) Retrato estereotipado e idealizado: pele, cabelo e olhos claros (perfeição física que espelha a perfeição interior) Modesta, equilibrada, discreta, serena e grave (perfeição psicológica e moral) Ser perfeito, superior, divino, permitindo ao amador elevar-se através de um amor exclusivamente espiritual Exaltação da dimensão espiritual do amor Botticelli, Retrato de uma jovem, c. 1480-1485. Impalpável, incorpórea, de uma beleza inefável (traços pouco definidos) Abstrata, ausente, inacessível ao amador (amor impossível) A quem o sujeito poético presta vassalagem (relação suserano-vassalo)
  • 8. A representação da amada – retrato petrarquista (exemplos) Soneto «Um mover d’olhos, brando e piadoso» Riso suave e honesto / quase forçado (ambiguidade) Rosto doce e humilde Contida, recatada Leonardo da Vinci, Mona Lisa, 1503-1505. Serena Modesta Piedosa Mulher ideal, divina, inefável, de «celeste fermosura» Retrato esfumado (uso do determinante indefinido)
  • 9. A representação da amada – retrato petrarquista (exemplos) Soneto «Ondados fios d’ ouro reluzente» Cabelos loiros e brilhantes («Ondados fios d’ ouro reluzente») Faces rosadas («as rosas») Olhar doce («olhos, que vos moveis tão docemente») Botticelli, Vénus e Marte (pormenor), c. 1485. Olhos luminosos («em mil divinos raios encendidos») Dentes brancos, como «perlas» Lábios vermelhos, como «corais» Honesta («Honesto riso») Bela e encantadora, mesmo à distância
  • 10. A representação da amada – traços comuns Traços comuns da representação da amada na medida velha e na medida nova Retrato plástico da mulher amada recursos retóricos e pictóricos que exploram: elementos e imagens da Natureza vestuário/acessórios [na medida velha / modelo de Vénus] ou metais preciosos [na medida nova / modelo petrarquista] sugestões cromáticas jogos de palavras Poder transformador da amada sobre a Natureza, os homens, o sujeito poético…
  • 11. A representação da amada – inovação do cânone literário Tentativa de síntese entre a mulher carnal e a mulher etérea Elogio da beleza exótica (mulher de pele morena/escura) Combinação dos traços típicos do modelo de Vénus da lírica tradicional e do modelo petrarquista da poesia de influência clássica Inovação do cânone literário na representação da amada
  • 13. 1- Seleciona a opção que completa cada afirmação. Solução em medida velha. A Na lírica camoniana, a representação da mulher amada é feita nos poemas compostos B A representação da mulher amada na lírica camoniana em medida nova. em medida velha e em medida nova. centra-se nas características físicas. centra-se nas características psicológicas/morais. foca características físicas e psicológicas/morais. C O retrato da figura feminina nas redondilhas camonianas corresponde ao modelo de Vénus (figura terrena, marcada pela sensualidade). corresponde ao modelo de Laura (figura idealizada, com uma dimensão etérea). retoma o retrato da figura feminina das cantigas de amigo. Consolida
  • 14. 1- Seleciona a opção que completa cada afirmação. Solução na figura de Vénus, com contornos definidos e palpáveis. D O modelo de Laura, em voga no Renascimento, é inspirado E Fisicamente, a mulher cantada nos sonetos camonianos na mulher cantada por Petrarca e representante da dimensão espiritual do amor. na mulher cantada por Petrarca e representante da dimensão terrena do amor. é dotada de uma beleza exótica. tem pele, cabelos e olhos claros. tem pele, cabelos e olhos escuros. F No retrato petrarquista, a figura feminina demonstra modéstia, discrição, serenidade e gravidade. revela equilíbrio, serenidade, gravidade uma certa altivez. as duas opções anteriores estão corretas. Consolida
  • 15. 2- Indica se é verdadeira (V) ou falsa (F) cada uma das seguintes afirmações. Corrige as falsas. Solução Verdadeira. A Na lírica camoniana em medida nova, a representação da figura feminina segue o modelo de Laura, presente nos poemas de Petrarca. B Nos poemas que correspondem ao ideal de Laura, a mulher surge como uma figura concreta, corpórea e com traços definidos. Falsa. … como uma figura impalpável, incorpórea e com traços pouco definidos. C O ideal de Laura está associado a um amor carnal e que permite ao eu poético elevar-se. Falsa. … a um amor exclusivamente espiritual e que permite ao eu poético elevar-se. D O ideal petrarquista da mulher reproduz a relação entre vassalo e suserano, presente na poesia provençal e nas cantigas de amor da poesia galego-portuguesa. Verdadeira. Consolida
  • 16. 2- Indica se é verdadeira (V) ou falsa (F) cada uma das seguintes afirmações. Corrige as falsas. Solução Verdadeira. E Na lírica camoniana, a descrição da mulher amada é feita com recurso a elementos e imagens da Natureza e tirando partido de vestuário e acessórios, metais preciosos e sugestões cromáticas. F A mulher amada, pela sua perfeição, tem a capacidade de transformar a Natureza e o sujeito poético. Verdadeira. G Como demonstra o poema «Aquela cativa», Camões limita-se a seguir o cânone literário. Falsa. … Camões, ao elogiar a beleza exótica, inova a forma de retratar a mulher. Consolida