SlideShare uma empresa Scribd logo
O que são prostaglandinas?

 As prostaglandinas são ácidos graxos modificados, frequentemente derivados de
 lipídios da membrana plasmática. Receberam esse nome por terem sido detectadas
 pela primeira vez no sêmen e terem sido consideradas produto da próstata, estrutura
 do sistema reprodutor masculino. Hoje sabemos que são produzidas e liberadas pela
 maior parte das células do corpo (se não todas), tanto em homens quanto em
 mulheres, diretamente para o fluido intersticial (que banha todas as células),
 funcionando como reguladores locais e afetando as células circundantes de várias
 maneiras. Desde sua descoberta já foram identificados cerca de 16 tipos de
 prostaglandinas, que, embora tenham propriedades de hormônios, diferem destes por
 uma série de razões:
 • são os únicos ácidos graxos conhecidos com atividade hormonal;
 • são produzidos pela membrana plasmática das células, enquanto hormônios
 normalmente são produzidos por estruturas do epitélio;
 • seus tecidos-alvo são os mesmos onde são produzidos, podendo ainda ser o tecido
 de outro indivíduo;
 • produzem efeitos muito acentuados em doses muito pequenas. Entre os efeitos mais
 estudados das prostaglandinas, podem-se destacar os seguintes:
 a) Capacidade de induzir contrações em musculatura lisa, desempenhando importante
 papel na reprodução. Após o ato sexual, prostaglandinas produzidas pelo homem e
 encontradas no sêmen aparecem no trato reprodutor feminino, onde induzem
 contrações da parede do útero e do oviduto. Isto ajuda tanto a movimentação do
 espermatozóide em direção ao oviduto quanto a do ovócito em direção ao
 espermatozóide. A mulher também produz prostaglandinas, em células da parede do
 útero durante o período menstrual e na placenta, durante a gravidez, que estimulam as
 contrações da parede uterina. Foram encontradas concentrações dessa substância 2 a
 3 vezes maiores em mulheres que apresentam cólicas acentuadas no primeiro e
 segundo dias do período menstrual e, nestes casos, a administração de inibidores de
 prostaglandinas reduz a dor.
  b) Outros tipos de prostaglandina inibem contrações da musculatura lisa, como
 ocorre em bronquíolos e vasos sanguíneos, atuando na coagulação do sangue e na
 constrição dos vasos.
 c) Outro grupo produzido pelas células sanguíneas está envolvido em respostas
 inflamatórias e de defesa do organismo. Várias prostaglandinas ajudam a induzir
 febre e inflamação e também intensificam a sensação de dor, o que se acredita que
 funcione como um alarme, indicando que algo não vai bem. A descoberta de que as
 prostaglandinas atuam nesse processo ajudou a desvendar o mecanismo de atuação da
 aspirina (muito utilizada há anos, mas cujo funcionamento permanecia um mistério
 até bem pouco tempo). Descobriu-se que ela atua inibindo a produção de
 prostaglandinas, aliviando assim os sintomas de dor, febre e inflamação.
Os anti-inflamatórios não esteróides (AINEs) são uma das classes de medicamentos
mais usadas no mundo. Existem mais de 20 drogas diferentes, sendo as mais famosas:

       AAS (ácido acetilsalicílico)
       Diclofenaco
       Ibuprofeno
       Naproxeno
       Piroxican
Anti-inflamatórios

Os AINES agem inibindo uma enzima chamada ciclooxigenase que produz outra
chamada prostaglandina. São essas as substâncias responsáveis pela inflamação e dor.
Porém, existem mais de um tipo de prostaglandina e ciclooxigenase, apresentando
outras funções além de mediar processos inflamatórios. Como a inibição realizada pelos
anti-inflamatórios é não seletiva, além de abortar a inflamação, ocorre também uma
alteração         nos        efeitos        benéficos        dessas         substâncias.
As prostaglandinas são responsáveis pelos seguintes efeitos no organismo:
- Proteção do estômago contra ácidos produzidos no seu interior = Quando as
prostaglandinas são inibidas, aumenta-se o risco de formação de gastrite e úlceras. Uma
das principais causas de hemorragia digestiva é uso indiscriminado de AINES. O
Colecoxib é de uma classe chamada inibidores da COX2 que não afeta as
prostaglandinas do estômago e por isso causam menos lesões gástricas.
- Fluxo de sangue no rins = Pessoas normais conseguem tolerar essas alterações, mas
pacientes com problemas renais dependem muito das prostaglandinas para função dos
rins, e sua inibição pode levar a um quadro de insuficiência renal aguda. Não existe
nenhum anti-inflamatório que não piore a função renal em pacientes com
insuficiência      renal.     São      todos      contra-indicados      neste       caso.
- Coagulação sanguínea = Todos os AINES atuam nas plaquetas, diminuindo sua
atividade. O AAS é a substância que mais inibe a função das plaquetas. Esse efeito
colateral é freqüentemente aproveitado em doentes com risco de infarto. É o que os
leigos chamam de "afinar o sangue". Neste caso, o efeito colateral é benéfico. Mas essa
inibição das plaquetas e da coagulação pode ser perigosa em doentes que se submeterão
a cirurgias ou que apresentem algum traumatismo. Deve-se sempre suspender o AAS 7
dias antes das operações. Os AINES são drogas seguras se administradas com indicação
médica. O problema é que esta talvez seja a classe de drogas mais auto-prescrita pela
população. Existem inúmeros efeitos colaterais e interações com outros medicamentos
que devem ser levados em conta antes de tomá-los. Além dos efeitos já descritos acima,
também                                   podem                                   ocorrer:
Portanto, apesar de ser uma droga muito usada e segura, ela está longe de não apresentar
complicações. Seu uso sem critérios pode levar a consequências graves.
Um dos mais famosos casos de pressão da indústria farmacêutica na aprovação de
drogas aconteceu sobre os inibidores da COX2. Não havia estudos suficientes sobre
efeitos colaterais e há suspeitas de ocultação de dados. Após ser lançado com grande
repercussão pela pouca toxicidade gástrica, o Rofecoxib (VIOXX) foi retirado do
mercado quando um estudo que tentava provar seu benefício no câncer de cólon
mostrou um aumento de infartos e AVCs nos pacientes que estavam tomando esta
droga.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Aula - SNC - Ansiolíticos e Hipnóticos
Aula - SNC - Ansiolíticos e HipnóticosAula - SNC - Ansiolíticos e Hipnóticos
Aula - SNC - Ansiolíticos e Hipnóticos
Mauro Cunha Xavier Pinto
 
Lipídios - Geral
Lipídios - Geral Lipídios - Geral
Lipídios - Geral
Rodolfo Pimentel Oliveira
 
Básico de farmacologia
Básico de farmacologiaBásico de farmacologia
Básico de farmacologia
Francisco José
 
Choque (1) 1
Choque (1) 1Choque (1) 1
Choque (1) 1
janinemagalhaes
 
Aula de Farmacologia sobre Antihistaminicos
Aula de Farmacologia sobre AntihistaminicosAula de Farmacologia sobre Antihistaminicos
Aula de Farmacologia sobre Antihistaminicos
Jaqueline Almeida
 
Farmacocinética básica e clínica
Farmacocinética básica e clínicaFarmacocinética básica e clínica
Farmacocinética básica e clínica
Vinicius Henrique
 
Aula - Farmacologia básica - Farmacodinâmica
Aula - Farmacologia básica - FarmacodinâmicaAula - Farmacologia básica - Farmacodinâmica
Aula - Farmacologia básica - Farmacodinâmica
Mauro Cunha Xavier Pinto
 
Farmaco transmissao adrenergica
Farmaco transmissao adrenergicaFarmaco transmissao adrenergica
Farmaco transmissao adrenergica
cesarjuli05
 
Glicocorticoides (AIES) e Antiinflamatórios não esteroidais (AINES)
Glicocorticoides (AIES) e Antiinflamatórios não esteroidais (AINES)Glicocorticoides (AIES) e Antiinflamatórios não esteroidais (AINES)
Glicocorticoides (AIES) e Antiinflamatórios não esteroidais (AINES)
Vanessa Cunha
 
Triacilgliceróis
TriacilgliceróisTriacilgliceróis
Triacilgliceróis
Daniely Vatras
 
Aula de Farmacologia sobre Fármacos anti-hipertensivos
Aula de Farmacologia sobre Fármacos anti-hipertensivosAula de Farmacologia sobre Fármacos anti-hipertensivos
Aula de Farmacologia sobre Fármacos anti-hipertensivos
Jaqueline Almeida
 
Farmacocinética básica
Farmacocinética básicaFarmacocinética básica
Farmacocinética básica
Carlos Collares
 
Aula - SNC - Antidepressivos
Aula - SNC - AntidepressivosAula - SNC - Antidepressivos
Aula - SNC - Antidepressivos
Mauro Cunha Xavier Pinto
 
Aula antihipertensivos
Aula  antihipertensivosAula  antihipertensivos
Aula antihipertensivos
Renato Santos
 
Farmacologia resumo completo
Farmacologia resumo completoFarmacologia resumo completo
Farmacologia resumo completo
Dr.João Calais.:
 
Creatina quinase
Creatina quinaseCreatina quinase
Creatina quinase
TBQ-RLORC
 
Farmaco adrenergica
Farmaco adrenergicaFarmaco adrenergica
Farmaco adrenergica
bruninhogaldino
 
Segurança de Medicamentos Antiinflamatórios inibidores da Cox 2
Segurança de Medicamentos Antiinflamatórios inibidores da Cox 2Segurança de Medicamentos Antiinflamatórios inibidores da Cox 2
Segurança de Medicamentos Antiinflamatórios inibidores da Cox 2
Safia Naser
 
Aula - SNA - Farmacologia Colinérgica - Bloqueadores Neuromusculares
Aula - SNA - Farmacologia Colinérgica - Bloqueadores NeuromuscularesAula - SNA - Farmacologia Colinérgica - Bloqueadores Neuromusculares
Aula - SNA - Farmacologia Colinérgica - Bloqueadores Neuromusculares
Mauro Cunha Xavier Pinto
 
Hipoglicemiantes orais
Hipoglicemiantes oraisHipoglicemiantes orais
Hipoglicemiantes orais
Vanessa Cunha
 

Mais procurados (20)

Aula - SNC - Ansiolíticos e Hipnóticos
Aula - SNC - Ansiolíticos e HipnóticosAula - SNC - Ansiolíticos e Hipnóticos
Aula - SNC - Ansiolíticos e Hipnóticos
 
Lipídios - Geral
Lipídios - Geral Lipídios - Geral
Lipídios - Geral
 
Básico de farmacologia
Básico de farmacologiaBásico de farmacologia
Básico de farmacologia
 
Choque (1) 1
Choque (1) 1Choque (1) 1
Choque (1) 1
 
Aula de Farmacologia sobre Antihistaminicos
Aula de Farmacologia sobre AntihistaminicosAula de Farmacologia sobre Antihistaminicos
Aula de Farmacologia sobre Antihistaminicos
 
Farmacocinética básica e clínica
Farmacocinética básica e clínicaFarmacocinética básica e clínica
Farmacocinética básica e clínica
 
Aula - Farmacologia básica - Farmacodinâmica
Aula - Farmacologia básica - FarmacodinâmicaAula - Farmacologia básica - Farmacodinâmica
Aula - Farmacologia básica - Farmacodinâmica
 
Farmaco transmissao adrenergica
Farmaco transmissao adrenergicaFarmaco transmissao adrenergica
Farmaco transmissao adrenergica
 
Glicocorticoides (AIES) e Antiinflamatórios não esteroidais (AINES)
Glicocorticoides (AIES) e Antiinflamatórios não esteroidais (AINES)Glicocorticoides (AIES) e Antiinflamatórios não esteroidais (AINES)
Glicocorticoides (AIES) e Antiinflamatórios não esteroidais (AINES)
 
Triacilgliceróis
TriacilgliceróisTriacilgliceróis
Triacilgliceróis
 
Aula de Farmacologia sobre Fármacos anti-hipertensivos
Aula de Farmacologia sobre Fármacos anti-hipertensivosAula de Farmacologia sobre Fármacos anti-hipertensivos
Aula de Farmacologia sobre Fármacos anti-hipertensivos
 
Farmacocinética básica
Farmacocinética básicaFarmacocinética básica
Farmacocinética básica
 
Aula - SNC - Antidepressivos
Aula - SNC - AntidepressivosAula - SNC - Antidepressivos
Aula - SNC - Antidepressivos
 
Aula antihipertensivos
Aula  antihipertensivosAula  antihipertensivos
Aula antihipertensivos
 
Farmacologia resumo completo
Farmacologia resumo completoFarmacologia resumo completo
Farmacologia resumo completo
 
Creatina quinase
Creatina quinaseCreatina quinase
Creatina quinase
 
Farmaco adrenergica
Farmaco adrenergicaFarmaco adrenergica
Farmaco adrenergica
 
Segurança de Medicamentos Antiinflamatórios inibidores da Cox 2
Segurança de Medicamentos Antiinflamatórios inibidores da Cox 2Segurança de Medicamentos Antiinflamatórios inibidores da Cox 2
Segurança de Medicamentos Antiinflamatórios inibidores da Cox 2
 
Aula - SNA - Farmacologia Colinérgica - Bloqueadores Neuromusculares
Aula - SNA - Farmacologia Colinérgica - Bloqueadores NeuromuscularesAula - SNA - Farmacologia Colinérgica - Bloqueadores Neuromusculares
Aula - SNA - Farmacologia Colinérgica - Bloqueadores Neuromusculares
 
Hipoglicemiantes orais
Hipoglicemiantes oraisHipoglicemiantes orais
Hipoglicemiantes orais
 

Semelhante a O que são prostaglandinas

Lipostabil
LipostabilLipostabil
Lipostabil
waldyr
 
LONGEVIDADE FUTURA COM QUALIDADE DE VIDA – O RESVERATROL ENCONTRADO EM CASCA ...
LONGEVIDADE FUTURA COM QUALIDADE DE VIDA – O RESVERATROL ENCONTRADO EM CASCA ...LONGEVIDADE FUTURA COM QUALIDADE DE VIDA – O RESVERATROL ENCONTRADO EM CASCA ...
LONGEVIDADE FUTURA COM QUALIDADE DE VIDA – O RESVERATROL ENCONTRADO EM CASCA ...
Van Der Häägen Brazil
 
Longevidade futura com qualidade de vida – o resveratrol encontrado em casca ...
Longevidade futura com qualidade de vida – o resveratrol encontrado em casca ...Longevidade futura com qualidade de vida – o resveratrol encontrado em casca ...
Longevidade futura com qualidade de vida – o resveratrol encontrado em casca ...
Van Der Häägen Brazil
 
Efeitos colaterais-de-antiinflamatoacut
Efeitos colaterais-de-antiinflamatoacutEfeitos colaterais-de-antiinflamatoacut
Efeitos colaterais-de-antiinflamatoacut
argeropulos1
 
Revista Bifórmula Informa - Med Esportiva - 2015
Revista Bifórmula  Informa - Med Esportiva - 2015Revista Bifórmula  Informa - Med Esportiva - 2015
Revista Bifórmula Informa - Med Esportiva - 2015
Sylvia Ferreira
 
O Peptídeo Anorexígeno Oxintomodulina (oxm)
O Peptídeo Anorexígeno Oxintomodulina (oxm)O Peptídeo Anorexígeno Oxintomodulina (oxm)
O Peptídeo Anorexígeno Oxintomodulina (oxm)
Van Der Häägen Brazil
 
Benefícios não contraceptivos dos anticoncepcionais hormonais
Benefícios não contraceptivos dos anticoncepcionais hormonaisBenefícios não contraceptivos dos anticoncepcionais hormonais
Benefícios não contraceptivos dos anticoncepcionais hormonais
Luana Ortencio
 
Benefícios não contraceptivos dos anticoncepcionais hormonais
Benefícios não contraceptivos dos anticoncepcionais hormonaisBenefícios não contraceptivos dos anticoncepcionais hormonais
Benefícios não contraceptivos dos anticoncepcionais hormonais
febrasgo
 
Benefícios não contraceptivos dos anticoncepcionais hormonais
Benefícios não contraceptivos dos anticoncepcionais hormonaisBenefícios não contraceptivos dos anticoncepcionais hormonais
Benefícios não contraceptivos dos anticoncepcionais hormonais
Larissa Hipólito
 
Prostaglendinas
ProstaglendinasProstaglendinas
Prostaglendinas
Rosemary Zillig Chile
 
Aula - Anti-inflamatórios não esteróidais
Aula - Anti-inflamatórios não esteróidaisAula - Anti-inflamatórios não esteróidais
Aula - Anti-inflamatórios não esteróidais
Mauro Cunha Xavier Pinto
 
Métodos contraceptivos hormonais
Métodos contraceptivos hormonaisMétodos contraceptivos hormonais
Métodos contraceptivos hormonais
Raquel Correia
 
Gastroenterologia completa
Gastroenterologia   completaGastroenterologia   completa
Gastroenterologia completa
Jucie Vasconcelos
 
Farmacologia - AINES
Farmacologia - AINESFarmacologia - AINES
Farmacologia - AINES
Alcione de Souza
 
site do Libid Gel
site do Libid Gelsite do Libid Gel
site do Libid Gel
i7hcmac955
 
Artigo homens prostata estrogenio progesterona
Artigo homens prostata estrogenio progesteronaArtigo homens prostata estrogenio progesterona
Artigo homens prostata estrogenio progesterona
Andre Eichstaedt
 
Pílula
PílulaPílula
Pílula
Bioworld12
 
Manejo de inflamações mais completo.pptx
Manejo de inflamações mais completo.pptxManejo de inflamações mais completo.pptx
Manejo de inflamações mais completo.pptx
JAQUELINE549534
 
5. AINES.pdf
5. AINES.pdf5. AINES.pdf
5. AINES.pdf
Gabriele20752
 
Libid Gel antes e depois
Libid Gel antes e depoisLibid Gel antes e depois
Libid Gel antes e depois
w3gqdbo506
 

Semelhante a O que são prostaglandinas (20)

Lipostabil
LipostabilLipostabil
Lipostabil
 
LONGEVIDADE FUTURA COM QUALIDADE DE VIDA – O RESVERATROL ENCONTRADO EM CASCA ...
LONGEVIDADE FUTURA COM QUALIDADE DE VIDA – O RESVERATROL ENCONTRADO EM CASCA ...LONGEVIDADE FUTURA COM QUALIDADE DE VIDA – O RESVERATROL ENCONTRADO EM CASCA ...
LONGEVIDADE FUTURA COM QUALIDADE DE VIDA – O RESVERATROL ENCONTRADO EM CASCA ...
 
Longevidade futura com qualidade de vida – o resveratrol encontrado em casca ...
Longevidade futura com qualidade de vida – o resveratrol encontrado em casca ...Longevidade futura com qualidade de vida – o resveratrol encontrado em casca ...
Longevidade futura com qualidade de vida – o resveratrol encontrado em casca ...
 
Efeitos colaterais-de-antiinflamatoacut
Efeitos colaterais-de-antiinflamatoacutEfeitos colaterais-de-antiinflamatoacut
Efeitos colaterais-de-antiinflamatoacut
 
Revista Bifórmula Informa - Med Esportiva - 2015
Revista Bifórmula  Informa - Med Esportiva - 2015Revista Bifórmula  Informa - Med Esportiva - 2015
Revista Bifórmula Informa - Med Esportiva - 2015
 
O Peptídeo Anorexígeno Oxintomodulina (oxm)
O Peptídeo Anorexígeno Oxintomodulina (oxm)O Peptídeo Anorexígeno Oxintomodulina (oxm)
O Peptídeo Anorexígeno Oxintomodulina (oxm)
 
Benefícios não contraceptivos dos anticoncepcionais hormonais
Benefícios não contraceptivos dos anticoncepcionais hormonaisBenefícios não contraceptivos dos anticoncepcionais hormonais
Benefícios não contraceptivos dos anticoncepcionais hormonais
 
Benefícios não contraceptivos dos anticoncepcionais hormonais
Benefícios não contraceptivos dos anticoncepcionais hormonaisBenefícios não contraceptivos dos anticoncepcionais hormonais
Benefícios não contraceptivos dos anticoncepcionais hormonais
 
Benefícios não contraceptivos dos anticoncepcionais hormonais
Benefícios não contraceptivos dos anticoncepcionais hormonaisBenefícios não contraceptivos dos anticoncepcionais hormonais
Benefícios não contraceptivos dos anticoncepcionais hormonais
 
Prostaglendinas
ProstaglendinasProstaglendinas
Prostaglendinas
 
Aula - Anti-inflamatórios não esteróidais
Aula - Anti-inflamatórios não esteróidaisAula - Anti-inflamatórios não esteróidais
Aula - Anti-inflamatórios não esteróidais
 
Métodos contraceptivos hormonais
Métodos contraceptivos hormonaisMétodos contraceptivos hormonais
Métodos contraceptivos hormonais
 
Gastroenterologia completa
Gastroenterologia   completaGastroenterologia   completa
Gastroenterologia completa
 
Farmacologia - AINES
Farmacologia - AINESFarmacologia - AINES
Farmacologia - AINES
 
site do Libid Gel
site do Libid Gelsite do Libid Gel
site do Libid Gel
 
Artigo homens prostata estrogenio progesterona
Artigo homens prostata estrogenio progesteronaArtigo homens prostata estrogenio progesterona
Artigo homens prostata estrogenio progesterona
 
Pílula
PílulaPílula
Pílula
 
Manejo de inflamações mais completo.pptx
Manejo de inflamações mais completo.pptxManejo de inflamações mais completo.pptx
Manejo de inflamações mais completo.pptx
 
5. AINES.pdf
5. AINES.pdf5. AINES.pdf
5. AINES.pdf
 
Libid Gel antes e depois
Libid Gel antes e depoisLibid Gel antes e depois
Libid Gel antes e depois
 

Último

As Ideias Têm Consequências - Richard M. Weaver
As Ideias Têm Consequências - Richard M. WeaverAs Ideias Têm Consequências - Richard M. Weaver
As Ideias Têm Consequências - Richard M. Weaver
C4io99
 
Apostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdf
Apostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdfApostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdf
Apostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdf
pattyhsilva271204
 
Guia referencial de Apoio - Planejamento Escolar 2024.pdf
Guia referencial de Apoio - Planejamento Escolar 2024.pdfGuia referencial de Apoio - Planejamento Escolar 2024.pdf
Guia referencial de Apoio - Planejamento Escolar 2024.pdf
FLAVIOROBERTOGOUVEA
 
A EDUCAÇÃO COM A INTELIGÊNCIA ARTIFICIAL E AS DEFICIÊNCIAS DE SUA APLICAÇÃO N...
A EDUCAÇÃO COM A INTELIGÊNCIA ARTIFICIAL E AS DEFICIÊNCIAS DE SUA APLICAÇÃO N...A EDUCAÇÃO COM A INTELIGÊNCIA ARTIFICIAL E AS DEFICIÊNCIAS DE SUA APLICAÇÃO N...
A EDUCAÇÃO COM A INTELIGÊNCIA ARTIFICIAL E AS DEFICIÊNCIAS DE SUA APLICAÇÃO N...
Faga1939
 
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
marcos oliveira
 
Texto e atividade - Fontes alternativas de energia
Texto e atividade -  Fontes alternativas de energiaTexto e atividade -  Fontes alternativas de energia
Texto e atividade - Fontes alternativas de energia
Mary Alvarenga
 
escrita criativa utilizada na arteterapia
escrita criativa   utilizada na arteterapiaescrita criativa   utilizada na arteterapia
escrita criativa utilizada na arteterapia
shirleisousa9166
 
Painel para comemerorar odia dos avós grátis.pdf
Painel  para comemerorar odia dos avós grátis.pdfPainel  para comemerorar odia dos avós grátis.pdf
Painel para comemerorar odia dos avós grátis.pdf
marcos oliveira
 
Se A Música É O Alimento do Amor Não Parem de Tocar Luzia Gabriele.ppsx
Se A Música É O Alimento do Amor Não Parem de Tocar Luzia Gabriele.ppsxSe A Música É O Alimento do Amor Não Parem de Tocar Luzia Gabriele.ppsx
Se A Música É O Alimento do Amor Não Parem de Tocar Luzia Gabriele.ppsx
Luzia Gabriele
 
(45-ESTUDO - LUCAS) A EPIRITUALIDADE DE JESUS
(45-ESTUDO - LUCAS) A EPIRITUALIDADE DE JESUS(45-ESTUDO - LUCAS) A EPIRITUALIDADE DE JESUS
(45-ESTUDO - LUCAS) A EPIRITUALIDADE DE JESUS
Pr Davi Passos - Estudos Bíblicos
 
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Texto e atividade - O que fazemos com a água que usamos.
Texto e atividade -  O que fazemos com a água que usamos.Texto e atividade -  O que fazemos com a água que usamos.
Texto e atividade - O que fazemos com a água que usamos.
Mary Alvarenga
 
Operações de adição, subtração, multiplicação e divisão.
Operações de adição, subtração, multiplicação e divisão.Operações de adição, subtração, multiplicação e divisão.
Operações de adição, subtração, multiplicação e divisão.
Mary Alvarenga
 
Relatório de Atividades 2015 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2015 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2015 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2015 CENSIPAM.pdf
Falcão Brasil
 
Relatório de Atividades 2009 CENSIPAM
Relatório de Atividades 2009 CENSIPAM Relatório de Atividades 2009 CENSIPAM
Relatório de Atividades 2009 CENSIPAM
Falcão Brasil
 
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsxNoite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Luzia Gabriele
 
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
Sandra Pratas
 
IV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptx
IV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptxIV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptx
IV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptx
Ligia Galvão
 
STALINISMO apresentação slides para escolares
STALINISMO apresentação slides para escolaresSTALINISMO apresentação slides para escolares
STALINISMO apresentação slides para escolares
Daniel273024
 
LEMBRANCINHA Para-MENSAGEM de -FERIAS.pdf
LEMBRANCINHA Para-MENSAGEM de -FERIAS.pdfLEMBRANCINHA Para-MENSAGEM de -FERIAS.pdf
LEMBRANCINHA Para-MENSAGEM de -FERIAS.pdf
LucliaMartins5
 

Último (20)

As Ideias Têm Consequências - Richard M. Weaver
As Ideias Têm Consequências - Richard M. WeaverAs Ideias Têm Consequências - Richard M. Weaver
As Ideias Têm Consequências - Richard M. Weaver
 
Apostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdf
Apostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdfApostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdf
Apostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdf
 
Guia referencial de Apoio - Planejamento Escolar 2024.pdf
Guia referencial de Apoio - Planejamento Escolar 2024.pdfGuia referencial de Apoio - Planejamento Escolar 2024.pdf
Guia referencial de Apoio - Planejamento Escolar 2024.pdf
 
A EDUCAÇÃO COM A INTELIGÊNCIA ARTIFICIAL E AS DEFICIÊNCIAS DE SUA APLICAÇÃO N...
A EDUCAÇÃO COM A INTELIGÊNCIA ARTIFICIAL E AS DEFICIÊNCIAS DE SUA APLICAÇÃO N...A EDUCAÇÃO COM A INTELIGÊNCIA ARTIFICIAL E AS DEFICIÊNCIAS DE SUA APLICAÇÃO N...
A EDUCAÇÃO COM A INTELIGÊNCIA ARTIFICIAL E AS DEFICIÊNCIAS DE SUA APLICAÇÃO N...
 
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
 
Texto e atividade - Fontes alternativas de energia
Texto e atividade -  Fontes alternativas de energiaTexto e atividade -  Fontes alternativas de energia
Texto e atividade - Fontes alternativas de energia
 
escrita criativa utilizada na arteterapia
escrita criativa   utilizada na arteterapiaescrita criativa   utilizada na arteterapia
escrita criativa utilizada na arteterapia
 
Painel para comemerorar odia dos avós grátis.pdf
Painel  para comemerorar odia dos avós grátis.pdfPainel  para comemerorar odia dos avós grátis.pdf
Painel para comemerorar odia dos avós grátis.pdf
 
Se A Música É O Alimento do Amor Não Parem de Tocar Luzia Gabriele.ppsx
Se A Música É O Alimento do Amor Não Parem de Tocar Luzia Gabriele.ppsxSe A Música É O Alimento do Amor Não Parem de Tocar Luzia Gabriele.ppsx
Se A Música É O Alimento do Amor Não Parem de Tocar Luzia Gabriele.ppsx
 
(45-ESTUDO - LUCAS) A EPIRITUALIDADE DE JESUS
(45-ESTUDO - LUCAS) A EPIRITUALIDADE DE JESUS(45-ESTUDO - LUCAS) A EPIRITUALIDADE DE JESUS
(45-ESTUDO - LUCAS) A EPIRITUALIDADE DE JESUS
 
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
 
Texto e atividade - O que fazemos com a água que usamos.
Texto e atividade -  O que fazemos com a água que usamos.Texto e atividade -  O que fazemos com a água que usamos.
Texto e atividade - O que fazemos com a água que usamos.
 
Operações de adição, subtração, multiplicação e divisão.
Operações de adição, subtração, multiplicação e divisão.Operações de adição, subtração, multiplicação e divisão.
Operações de adição, subtração, multiplicação e divisão.
 
Relatório de Atividades 2015 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2015 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2015 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2015 CENSIPAM.pdf
 
Relatório de Atividades 2009 CENSIPAM
Relatório de Atividades 2009 CENSIPAM Relatório de Atividades 2009 CENSIPAM
Relatório de Atividades 2009 CENSIPAM
 
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsxNoite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
 
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
 
IV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptx
IV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptxIV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptx
IV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptx
 
STALINISMO apresentação slides para escolares
STALINISMO apresentação slides para escolaresSTALINISMO apresentação slides para escolares
STALINISMO apresentação slides para escolares
 
LEMBRANCINHA Para-MENSAGEM de -FERIAS.pdf
LEMBRANCINHA Para-MENSAGEM de -FERIAS.pdfLEMBRANCINHA Para-MENSAGEM de -FERIAS.pdf
LEMBRANCINHA Para-MENSAGEM de -FERIAS.pdf
 

O que são prostaglandinas

  • 1. O que são prostaglandinas? As prostaglandinas são ácidos graxos modificados, frequentemente derivados de lipídios da membrana plasmática. Receberam esse nome por terem sido detectadas pela primeira vez no sêmen e terem sido consideradas produto da próstata, estrutura do sistema reprodutor masculino. Hoje sabemos que são produzidas e liberadas pela maior parte das células do corpo (se não todas), tanto em homens quanto em mulheres, diretamente para o fluido intersticial (que banha todas as células), funcionando como reguladores locais e afetando as células circundantes de várias maneiras. Desde sua descoberta já foram identificados cerca de 16 tipos de prostaglandinas, que, embora tenham propriedades de hormônios, diferem destes por uma série de razões: • são os únicos ácidos graxos conhecidos com atividade hormonal; • são produzidos pela membrana plasmática das células, enquanto hormônios normalmente são produzidos por estruturas do epitélio; • seus tecidos-alvo são os mesmos onde são produzidos, podendo ainda ser o tecido de outro indivíduo; • produzem efeitos muito acentuados em doses muito pequenas. Entre os efeitos mais estudados das prostaglandinas, podem-se destacar os seguintes: a) Capacidade de induzir contrações em musculatura lisa, desempenhando importante papel na reprodução. Após o ato sexual, prostaglandinas produzidas pelo homem e encontradas no sêmen aparecem no trato reprodutor feminino, onde induzem contrações da parede do útero e do oviduto. Isto ajuda tanto a movimentação do espermatozóide em direção ao oviduto quanto a do ovócito em direção ao espermatozóide. A mulher também produz prostaglandinas, em células da parede do útero durante o período menstrual e na placenta, durante a gravidez, que estimulam as contrações da parede uterina. Foram encontradas concentrações dessa substância 2 a 3 vezes maiores em mulheres que apresentam cólicas acentuadas no primeiro e segundo dias do período menstrual e, nestes casos, a administração de inibidores de prostaglandinas reduz a dor. b) Outros tipos de prostaglandina inibem contrações da musculatura lisa, como ocorre em bronquíolos e vasos sanguíneos, atuando na coagulação do sangue e na constrição dos vasos. c) Outro grupo produzido pelas células sanguíneas está envolvido em respostas inflamatórias e de defesa do organismo. Várias prostaglandinas ajudam a induzir febre e inflamação e também intensificam a sensação de dor, o que se acredita que funcione como um alarme, indicando que algo não vai bem. A descoberta de que as prostaglandinas atuam nesse processo ajudou a desvendar o mecanismo de atuação da aspirina (muito utilizada há anos, mas cujo funcionamento permanecia um mistério até bem pouco tempo). Descobriu-se que ela atua inibindo a produção de prostaglandinas, aliviando assim os sintomas de dor, febre e inflamação. Os anti-inflamatórios não esteróides (AINEs) são uma das classes de medicamentos mais usadas no mundo. Existem mais de 20 drogas diferentes, sendo as mais famosas: AAS (ácido acetilsalicílico) Diclofenaco Ibuprofeno Naproxeno Piroxican
  • 2. Anti-inflamatórios Os AINES agem inibindo uma enzima chamada ciclooxigenase que produz outra chamada prostaglandina. São essas as substâncias responsáveis pela inflamação e dor. Porém, existem mais de um tipo de prostaglandina e ciclooxigenase, apresentando outras funções além de mediar processos inflamatórios. Como a inibição realizada pelos anti-inflamatórios é não seletiva, além de abortar a inflamação, ocorre também uma alteração nos efeitos benéficos dessas substâncias. As prostaglandinas são responsáveis pelos seguintes efeitos no organismo: - Proteção do estômago contra ácidos produzidos no seu interior = Quando as prostaglandinas são inibidas, aumenta-se o risco de formação de gastrite e úlceras. Uma das principais causas de hemorragia digestiva é uso indiscriminado de AINES. O Colecoxib é de uma classe chamada inibidores da COX2 que não afeta as prostaglandinas do estômago e por isso causam menos lesões gástricas. - Fluxo de sangue no rins = Pessoas normais conseguem tolerar essas alterações, mas pacientes com problemas renais dependem muito das prostaglandinas para função dos rins, e sua inibição pode levar a um quadro de insuficiência renal aguda. Não existe nenhum anti-inflamatório que não piore a função renal em pacientes com insuficiência renal. São todos contra-indicados neste caso. - Coagulação sanguínea = Todos os AINES atuam nas plaquetas, diminuindo sua atividade. O AAS é a substância que mais inibe a função das plaquetas. Esse efeito colateral é freqüentemente aproveitado em doentes com risco de infarto. É o que os leigos chamam de "afinar o sangue". Neste caso, o efeito colateral é benéfico. Mas essa inibição das plaquetas e da coagulação pode ser perigosa em doentes que se submeterão a cirurgias ou que apresentem algum traumatismo. Deve-se sempre suspender o AAS 7 dias antes das operações. Os AINES são drogas seguras se administradas com indicação médica. O problema é que esta talvez seja a classe de drogas mais auto-prescrita pela população. Existem inúmeros efeitos colaterais e interações com outros medicamentos que devem ser levados em conta antes de tomá-los. Além dos efeitos já descritos acima, também podem ocorrer: Portanto, apesar de ser uma droga muito usada e segura, ela está longe de não apresentar complicações. Seu uso sem critérios pode levar a consequências graves. Um dos mais famosos casos de pressão da indústria farmacêutica na aprovação de drogas aconteceu sobre os inibidores da COX2. Não havia estudos suficientes sobre efeitos colaterais e há suspeitas de ocultação de dados. Após ser lançado com grande repercussão pela pouca toxicidade gástrica, o Rofecoxib (VIOXX) foi retirado do mercado quando um estudo que tentava provar seu benefício no câncer de cólon mostrou um aumento de infartos e AVCs nos pacientes que estavam tomando esta droga.