SlideShare uma empresa Scribd logo
Universidade Federal da Bahia
Instituto de Ciências da Saúde
Departamento de Farmacologia IV
Docente: Neuza Gusmão
Discente: Thaline Eveli Martins Araújo
Antibióticos Beta-lactâmicos.
Penicilinas
ANTIOBIÓTICOS BETA-LACTÂMICOS
 O grupo dos antibióticos beta-lactâmicos é formado pelas
penicilinas, cefalosporinas, cefamicinas, ácido clavulânico,
carbapenens, nocardicinas e monobactâmicos.
 Os β-lactâmicos são uma classe ampla de antibióticos, que
inclui a penicilina e seus derivados, que possuem agente
antibiótico e o núcleo β-lactâmico em sua estrutura molecular.
 Há mais de 50 anos os antibióticos beta-lactâmicos têm
demostrado eficiência terapêutica e sua baixa toxicidade.
Inicialmente mais ativos contra as bactérias Gram-positivas,
porém tiveram seus espectros antimicrobianos ampliados.
ANTIOBIÓTICOS BETA-LACTÂMICOS
 Derivados semi-sintéticos e sintéticos permitiram o uso dos
betalactâmicos no combate também ás bactérias Gram-
negativas.
 Cefalosporinas de terceira geração e dos antibioticos
carnapenemicos tem potente ampla atividade amtimicorbiana.
Os monolactâmicos (aztreonam) mostraram serem
especificos contra atividades das bacterias Gram-negativas ,
inclusive Pseudomonas e muitas raças bacterianas de
resistência múltipla.
 É o mais usado grupo de antibióticos.
 Embora não seja antibiótico verdadeiro, o inibidor β-
lactamase é muitas vezes incluído nesse grupo.
ANTIBIÓTICOS BETA-LACTÂMICOS
 São antibióticos que inibem a síntese da parede celular de
bactérias, impedindo que as ligações cruzadas entre as fitas
de peptideoglicano se formem.
http://search.babylon.com/?affID=110825&tt=0112_6&babs
HISTÓRIA DA PENICILINA
 A penicilina foi descoberta em 1928 por Alexander
Fleming quando saiu de férias e esqueceu algumas placas com
culturas de microrganismos em seu laboratório. Quando voltou,
reparou que uma das suas culturas de Staphylococcus tinha sido
contaminada por um bolor, e em volta das colônias deste não
havia mais bactérias.
 Então Fleming e seu colega, Dr. Pryce, descobriram um fungo do
gênero Penicillium, e demonstraram que o fungo produzia uma
substância responsável pelo efeito bactericida: a penicilina. Eles
comprovaram as suas qualidades antibióticas, assim como a sua
não-toxicidade e a utilizaram clinicamente em 1941.
 Fleming foi médico militar durante a Primeira Guerra Mundial,
ficando impressionando com a mortalidade através de feridas
por arma de fogo que resultavam em gangrena gasosa
 Após sua descoberta e consequente utilização a penicilina pôde
diminuir expressivamente o número de doenças causadas por
doenças infecciosas
 Foi o marco inicial da Era dos antibióticos.
ALEXANDER FLEMING
http://t3.gstatic.com/images?q=tbn:ANd9GcSZw_EvVXXHoTmvmWezaHwQ9T76pqhYvlMpi9ynSzNgSHIyz-AQ
QUÍMICA
 As penicilinas tem como núcleo formador o ácido
aminopenicilânico (6-APA), que é um intermediário na
manufatura de penicilinas semi-sintéticas.
 Quando adicionada a 6-APA em diferentes grupos químicos,
obtêm-se várias famílias de penicilinas, dotadas de novas
propriedades físico-químicas, farmacológicas e terapêuticas.
 A estrutura química do núcleo das penicilinas provém de dois
aminoácidos: Cisteína e Valina
 Quando esses aminoácidos se interagem, formam o ácido
penicilâmico (6-APA) surgindo os anéis beta-lactâmico e
tiazolidínico.
ESTRUTURA QUÍMICA
QUÍMICA
 As penicilinas se caracterizam por três aspectos
estruturais:
 • Estrutura beta-lactâmica
 • Carboxila livre
 • É um ou mais grupos amino, convenientemente substituídos na
cadeia lateral
CLASSIFICAÇÃO DAS PENICILINAS
 As modificações realizadas na molécula do 6-APA permitiram
a classificação das penicilinas nos seguintes grupos:
Grupo 1 – Penicilinas sensíveis à penicilinase.
- Benzilpenicilina ou penicilina G
- Fenoximetilpenicilina ou penicilina V
- Carbenicilina
Grupo 2 – Penicilinas que resistem a penicilinase.
- Meticilina
- Nafcilina
- Oxacilina
- Dicloxacilina
- Cloxacilina
CLASSIFICAÇÃO DAS PENICILINAS
Grupo 3 – Penicilinas de espectro aumentado
Amoxilina
Ampicilina
Grupo 4 – Penicilinas antipseudomonas
Ticarcilina
Azlocilina
Piperacilina
Carbenicilina
FARMACOCINÉTICA
 A penicilina G (benzilpeninilina) é inativada pelo pH ácido do
estômago, razão pela qual é usada exclusivamente por vias
parenterais.
 O ácido do estômago hidrolisa a cadeia lateral amídica e abre o
anel beta-lactâmico, fazendo com que a penicilina G perca sua
atividade antibacteriana.
 Apenas 15% do medicamento administrado por via oral chega
ao duodeno, sendo rapidamente absorvido. A penicilina G é
utilizada nas formas: cristalina sódica e potássica; procaína e
benzatina.
 A diferença entre estas formas está nas suas características
farmacocinéticas. Assim, a penicilina G cristalina (sódica e
potássica), quando administrada por via subcutânea ou
intramuscular, apresenta latência de cerca de 30 minutos para
atingir os níveis terapêuticos, e estes se mantêm por 4 a 6 horas.
 A penicilina G procaína, por estas mesmas vias, tem latência de
1 a 3 horas para atingir níveis terapêuticos, que são mantidos
por 12 horas.
FARMACOCINÉTICA
 A penicilina G benzatina apresenta latência de 8 horas,
com níveis podendo perdurar por 3 a 30 dias; ressalta-
se que estes níveis vão decaindo gradativamente e, na
dependência do microorganismo, as concentrações
mínimas podem ser atingidas mais rapidamente ou não.
 Devido ao fato das penicilinas G procaína e benzatina
permanecem no organismo do animal por tempo
prolongado e são chamadas de penicilinas de longa
duração ou de depósito.
 As penicilinas se distribuem por vários tecidos , tendo
dificuldade de atravessar a barreira cérebro-sangue
integra, não são biotransformadas no organismo, sendo
eliminadas pelos rins, 90% por secreção tubular e 10%
por filtração glomerular. As penicilinas possuem um
aspecto de ação natural e de curta ação atuando
principalmente sobre gram-positivos.
MECANISMO DE AÇÃO
 Todos os antibióticos beta-lactâmicos (penicilinas e
cefalosporinas) interferem na síntese de parede
celular bacteriana, através da ligação de enzimas
PBP.
 A penicilina acopla num receptor presente na
membrana interna bacteriana PBP (proteínas
ligantes de penicilina) e interfere com a
transpeptidação que ancora o peptidoglicano
estrutural de forma rígida em volta da bactéria.
Como o interior desta é hiperosmótico, sem uma
parede rígida há afluxo de água do exterior e a
bactéria lisa.
MECANISMO DE AÇÃO
 A parede celular das bactérias é composta de peptideoglicanos,
ou seja, é feita de peptídeos e unidades de açúcar. A estrutura
da parede celular consiste de um esqueleto de açúcares,
contendo dois tipos de açúcares, o ácido N-acetilmurâmico
(NAM) e a N-acetilglucosamina (NAG). As cadeias de peptídeo
são ligadas ao NAM e, no passo final da biossíntese da parede
celular, essas cadeias de peptídeos se ligam pela substituição
da D-alanina de uma cadeia pela glicina de outra cadeia. A
enzima responsável pela reação de ligação cruzada é conhecida
como transpeptidase.
 O último passo da reação cruzada que é inibido pelas penicilinas
e cefalosporinas, de forma que a estrutura da parede celular não
fique unida. Como resultado a parede celular torna-se fraca, uma
vez que a concentração salina dentro da célula é maior do que
fora, com isso a água penetra na célula, essa fica inchada e
acaba se rompendo (lise bacteriana).
RESISTÊNCIA ÀS PENICILINAS
 O principal mecanismo de resistência de bactérias à
penicilina baseia-se na produção de Beta-lactamases,
enzimas que degradam a penicilina impedindo sua ação.
Outro mecanismo de ação da penicilina é a inativação do
inibidor das enzimas autolíticas na parede celular. Isto dá,
como resultado, a lise celular.
 As bactérias adquirem resistência às penicilinas através dos
seguintes mecanismos, decorrente do modo de ação desses
antibióticos:
 A inativação enzimática pelas beta-lactamases
biossintetizadas pelas bactérias;
 Redução da permeabilidade da parede celular bacteriana às
penicilinas que, assim, não conseguem alcançar seus locais
de ligação representadas por proteínas específicas (PLP)
RESISTÊNCIA ÀS PENICILINAS
 Alterações conformacionais nessas proteínas de ligação das
penicilinas, bloqueando a atividade antibiótica
 E o aparecimento do fenômeno da tolerância
TOXICIDADE E HIPERSENSIBILIDADE
 As penicilinas são drogas de elevado índice terapêutico e relativamente
atóxicas para o homem.
 Em certas percentagens em pacientes, observam-se reações alérgicas
ou de hipersensibilidade à droga
 As formas farmacêuticas atuais mais responsáveis por essas reações
são as parentais e as orais. Um paciente que jamais tomou penicilina
pode desenvolver reação de hipersensibilidade se esteve exposto
anteriormente a fontes naturais de fungos produtores de penicilina.
 As reações alérgicas às penicilinas são classificadas como imediatas,
aceleradas, tardias e reações menos comuns.
 As reações imediatas são as mais perigosas e desencadeiam-se até 30
minutos após a administração, os sintomas são provocados pela
liberação de histamina e outras substâncias por mastócitos e basófilos.
As reações aceleradas surgem 1 a 72 horas, geralmente não põem a
vida em risco. As tardias são as mais frequentes, aparecem dias ou
semanas após sua administração e as menos comuns raramente
acorrem e são representadas por: febre, anemia hemolítica, infiltração
pulmonar, eosinofília, vasculite, eritrema multiforme, etc.
OUTRAS REAÇÕES ADVERSAS À PENICILINA
 Toxicidade da procaína, após uso da penicilina G procaína;
dor e inflamação estéril no local da injeção intramuscular;
flebite ou tromboflebite, quando se usa a via intravenosa;
irritação no trato gastrointestinal, com pirose, anorexia,
vômitos, diarréia, após administração oral (ampicilina);
irritação do SNC, após uso de grandes doses; nefrite
intersticial (meticilina); hipercalemia, arritmias, parada
cardíaca em grandes doses de penicilina G potássica;
hipocalemia, quando usa-se grandes doses intravenosas de
carbenicilina e ticarcilina; hipernatremia em pacientes renais,
cardíacos ou hepáticos; toxicidade hematológica raramente,
podendo aparecer neutropenia, anemia hemolítica; alterações
na flora bacteriana, podendo propiciar superinfecções por
microrganismo resistentes; colite pseodomembranosa.
Na gravidez, as penicilinas são consideradas os antibióticos
mais seguros.
FARMACOCINÉTICA:
 A benzilpenicilina ou penicilina G pode ser administradas pelas vias oral,
intramuscular e intravenosa. As preparações usadas por via oral podem ser
inativadas pelo suco gástrico, e sua absorção é imprevisível.
 A porcentagem de absorção das preparações orais varia de 20 a 30%, ao
nível do duodeno
 Quando administrada por via oral, a adultos em jejum, 30 a 60 minutos
observa-se o nível sérico máximo da droga
 O alimento retarda a absorção e, por isso, quando se administra
benzilpenicilina por via oral, a droga deve ser usada de 2 a 3 horas antes ou
depois das refeições
 Por via intramuscular os níveis sanguíneos máximos da droga são atingidos
15 a 30 minutos após a injeção de penicilina cristalina em solução aquosa
 Pela via intravenosa, com essa forma de penicilina os níveis séricos máximos
são atingidos imediatamente. Esses níveis são de quatro a cinco vezes
maiores do que os obtidos por via oral
BENZILPENICILINA OU PENICILINA G
 O volume de distribuição aparente da droga é de 0,2 l/kg
 A distribuição é ampla na massa muscular pulmões, fígado, rins,
ossos, fluidos intersticial, sinovial, pericárdio, peritoneal e pleural
 Quando não há inflamação a distribuição da benzilpenicilina é
diminuta no líquor, no Humor aquoso e na próstata. Nesses
territórios entretanto quando há inflamação, a distribuição é grande
 A placenta é facilmente atravessada pela benzilpenicilina
 A eliminação da benzilpenicilina é muito rápida. Na adiminstração
parenteral, a droga é eliminada,na taxa de 60 a 90%, pela urina, 1
hora após sua adminitração, principalmente pelo mecanismo de
secreção tubular. Esse tipo de excreção pode ser retardado da
probenecida
 Uma pequena parte da droga é excretada pela bile e cerca de 20%
são metabolizados, produzindo derivados inativos do ácido
penicilóico
BENZILPENICILINA OU PENICILINA G
 Nos pacientes com função renal normal, a meia-vida da fase
beta de eliminação é de aproximadamente de 30 min
 Nos pacientes com insuficiência renal, a meia-vida pode ser
prolongada
 Nos paciente anúricos, pode alcançar de 6 a 10 horas, o que
exigirá ajustes de posologia
 Em pacientes idosos a meia- vida da benzilpenicilina é
prolongada
 A maior parte da penicilina, por via oral, não é absorvida, é
inativada por bactérias do cólon.
BENZILPENICILINA OU PENICILINA G
ESPECTRO ANTIBACTERIANO
 Benzilpenicilina é a primeira escolha no tratamento de
infecções causadas por cocos Gram-positivos em pacientes
não alérgicos. Ex.: estreptococos dos grupos A,B e D não-
enterococos; S. viridans e o S. pneumoniae
 Os enterococos são menos sensíveis à benzilpenicilina.
Apesar disso, a benzilpenicilina (em associação com a
gentamicina ou estreptomicina) é útil em certas infecções
enterocócicas, sobretudo na endocardite. Ex.: S. faecalis, S.
durans, S.liquefaciens e S. zymogens
BENZILPENICILINA OU PENICILINA G
 A maioria dos Staphylococus produz beta-lactamase e é
resistente ao antibiótico
 A benzilpenicilina também é a droga de eleição para os
cocos Gram-negativos sensíveis, inclusive a Neisseria
meningitidis e a N. gonorrhoeae. Algumas raças de N.
gonorrhoeae são produtoras de penicilinases e são
resistentes (PPNG)
 Também é preferiada também para infecções causadas por
certos bacilos Gram-positivos. Alguns bacilos Gram-negativos
também são sensíveis à benzilpenicilina
BENZILPENICILINA OU PENICILINA G
 A penicilina V é um derivado semi-sintético, do grupo das
fenoxipenicilinas, possui a seguinte fórmula estrutural:
PENICILINA V
PENICILINA V
FARMACOCINÉTICA
 A penicilina V foi desenvolvida para obviar a desvantagem da
benzilpenicilina ou penicilina G de ser inativada pelo suco
gástrico, tendo como vantagem a possibilidade de ser
administrada por via oral
 É absorvida na taxa de 60%, principalmente ao nível do
duodeno
 A presença de alimento, ao contrário do que acontece com a
benzilpenicilina , não interfere na absorção da penicilina V
PENICILINA V
 Quando se necessita de concentrações mais elevadas , como
nas infecções mais graves, prefere-se a benzilpenicilina por
via parenteral
 A distribuição da penicilina V é ampla
 É eliminada rapidamente pelos rins, pelo mecanismos de
secreção tubular renal. A probenecida retarda essa
eliminação
 A meia-vida da penicilina V dura aproximadamente 30 a 60
minutos
 É metabolizada na taxa de 55% em derivados do ácido
penicilóico
PENICILINA V
INDICAÇÕES
 Faringite estreptocócica por estreptococos beta-hemolíticos
do grupo A, durante 10 dias
 Piodermas estreptocócicos brandos, infecção brandas do
trato respiratório superior por Streptococos pneumoniae
 Profilaxia secundária da febre reumática ( deve-se preferir a
penicilina G benzatina) e profilaxia, por via oral, em certos
pacientes da alto risco, antes de intervenção dentária ou
cirúrgica e instrumentação no trato respiratório superior
PENICILINAS PENICILINASES-
RESISTENTES
 Nesta categoria as penicilinas, também chamadas de
antiestafilocócicas, caracterizam-se por sua capacidade de
resistir a ação de penicilinases, especialmente produzidas por
Staphylococcus aureus. São representadas pela Meticilina,
Nafcilina, e pelas penicilinas Isoxazolíticas ou
Izoxazolilpenicilinas (Oxacilina, Cloxacilina e Dicloxacilina).
METICILINA
 A meticilina é uma penicilina semi-sintética,
penicilinase-resistente, possui a seguinte forma
estrutural:
METICILINA
FARMACOCINÉTICA
 A meticilina é inativada pelo suco gástrico e não é absorvida
pelo trato gastrointestinal, sua administração só pode ser feita
por via parenteral
 De trinta a sessenta minutos após a injeção intra muscular
atingem-se as concentrações séricas máximas
 O antibiótico se liga às proteínas plasmáticas, especialmente
albumina na porcentagem de 35 a 40%
METICILINA
 A distribuição é ampla
 A excreção é rápida principalmente pelo
mecanismo de secreção tubular renal. A
associação com probenecida reduz a excreção
 Meia vida da meticilina em pacientes normais é de
aproximadamente trinta minutos. Na insuficiência
renal é prolongada chegando a quatro horas
METICILINA
ESPECTRO ANTIBACTERIANO
 A Meticilina é ativada contra a maioria das raças de
Staphylococcus aureus, mesmo as que produzem beta-
lactamases
 Muitas cepas do S. epidermides também são sensíveis
 A maioria dos estreptococos (viridans, pneumoniae,
pyogenes)
 A benzilpenicilina, entretanto, é mais potente que a meticilina
contra estreptococos, e nesse caso deve ser preferível.
METICILINA
 Os enterococos e as bactérias Gram-negativas são
resistentes a meticilina
 As resistências que muitas espécies adquirem à
meticilina é provocada pela redução da afinidade
entre o antibiótico e as proteínas que
especificamente se ligam às penicilinas
METICILINA
INDICAÇÕES
 São indicadas em infecções causadas por estafilococos
produtores da penicilinase, motivo pelo qual se tornam as
penicilinas de primeira linha nas infecções por estafilococos
resistentes a benzilpenicilina
 Nas cepas meticilina-resistentes, usa-se a vancomicina
 Infecções causadas por Staphylococcus aureus: bacteremias,
endocardite, meningite, osteomielite, artrite séptica,
pneumonia, empiema, piodermas e abscessos renais. Mas
em geral, preferem-se a nafcilina e a oxacilina nessas
indicações, por causa da nefrite intersticial que meticilina
pode provocar.
METICILINA
TOXICIDADE
 De modo geral a meticilina é bem tolerada, porém
pode apresentar reações alérgicas que
caracterizam todas as penicilinas
 Das penicilinas antiestafilocócicas, a meticilina é a
que mais provoca nefrite intersticial
NAFCILINA
 A nafcilina é uma penicilina semi-sintética,
penicilinase resistente, possui a seguinte forma
estrutural:
NAFCILINA
FARMACOCINÉTICA
 Pode ser utilizada por via oral mas prefere-se a via
parenteral pois sua absorção é maior
 A nafcilina liga-se as proteínas plasmáticas na taxa de
87 a 90%
 Se distribui de modo amplo
 Diferentemente de outras penicilinas ela é secretada
principalmente pela bile e menor quantidade pela urina
 Em paciente normais 60% da nafcilina é metabolizada
pelo fígado e 10% são recuperáveis na urina
NAFCILINA
TOXICIDADE
 De modo geral é bem tolerada. Os efeitos colaterais são
brandos e são causados pelas reações de hipersensibilidade
INDICAÇÕES
 Idênticas àquelas da meticilina, sendo a principal indicação
representada pelas infecções graves provocadas por
Staphylococcus aureus. Não é recomendada em lactantes
nem em pacientes com disfunção hepática
PENICILINA DE ESPECTRO
AMPLIADO
 Estão nesse grupo:
 Penicilinas da segunda geração ou Aminopenicilinas:
Ampicilina, Amoxilina, Bacompicilina, Ciclacilina
 Penicilinas da terceira geração ou Antipseudomonas:
Carbenicilina, Ticarcilina
 Penicilinas da quarta geração: Azlocilina, Mezlocilina.
 Piperazinopenicilina: piperacilina
→ As aminopenicilinas foram às primeiras penicilinas com
atividade contra bactérias Gram-negativas. Pertencem a
esta classificação a amoxicilina e ampicilina.
AMPICILINA
 A ampicilina é uma penicilina de amplo espectro,
resistente à ação do suco gástrico, porém sensíveis às
beta-lactamases. Pertencem a classe das
aminopenicilinas e tem a seguinte fórmula estrutural:
AMPICILINA
FARMACOCINÉTICA
 Pode ser administrada pelas vias oral, intramuscular e
intravenosa
 Apesar de resistir à ação do suco gástrico, sua absorção, ao
nível gastrointestinal, varia de 30 a 50% da dose ingerida
 O alimento, no trato gastrointestinal, reduz a absorção do
antibiótico
 A ampicilina se liga às proteínas plasmáticas na taxa de 20%
 É principalmente eliminada por via renal, através da secreção
tubular
AMPICILINA
 Após a administração parenteral, a ampicilina pode
ser recuperada na urina na taxa de 90% e, após a
administração oral na taxa de 40%
 Apenas 10% da droga é metabolizada
 A meia- vida na fase beta da eliminação dura cerca
de 1 hora, na presença de função renal normal
AMPICILINA
ESPECTRO ANTIBACTERIANO
 É ativa in vitro contra a maioria das bactérias
Gram-positivas, estafilococos, estreptococos, com
exceção dos estafilococos produtores de beta-
lactamases. Além de cocos Gram-positivos,
bactérias anaeróbias com exceção de algumas
bactérias
 É ativa contra algumas bactérias Gram-Negativas
 A ampicilina é hidrolisada pelas beta-lactamases
produzidas por diversas bactérias
AMPICILINA
TOXICIDADE
 A ampicilina é bem tolerada e os efeitos colaterais são
brandos, representados por exantemas e diarréia
INDICAÇÕES
 É bactericida, possui elevado índice terapêutico
 Cistite aguda bacteriana, pielonefrite aguda, epidídimo-
orquite aguda, gonorréia não complicada ou
disseminada, meningite, pneumonia, infecções
cultâneas, otite média aguda, sinusite aguda, entre
outros
AMOXICILINA
 A amoxicilina é uma penicilina de amplo espectro,
porém sensíveis as beta-lactamases
 Administradas por via oral
 Pertence à classe das aminopenicilinase.
AMOXICILINA
FARMACOCINÉTICA
 Resistente à ação do suco gástrico, e sua absorção
pelo trato gastrointestinal atinge 75 a 80% da dose
oral
 Uma a 2 horas após a administração de uma dose
de 500 mg, atingem-se as concentrações séricas
máximas
 A alimentação não interfere, de maneira
significativa, na absorção do antibiótico, motivo
pelo qual é preferido em lugar da ampicilina, por via
oral
AMOXICILINA
 A amoxicilina se liga às proteínas plasmáticas na
taxa de cerca de 20%
 Atinge elevadas concentrações na bile e na urina
 É eliminada rapidamente por secreção tubular
renal. Cerca de 50 a 70% são excretados pela
urina, sob a forma inalterada
 É metabolizada na taxa de 10%
 Nos paciente com função renal normal, a meia-
vida da fase beta de eliminação dura
aproximadamente 1 hora
AMOXICILINA
ESPECTRO ANTIBACTERIANO
 Similar a da ampicilina, porém exerce menor
atividade contra espécie de Shigella.
 É inativada pelas beta-lactamases produzidas por
diversas bactérias como S. aureus, H. Influenze, N.
gonorrhoeae e várias enterobactérias, como E. coli
e Salmonella sp.
INDICAÇÕES
 1- INFECÇÕES ESTREPTOCÓCICAS
Faringite, amigdalite, otite média, sinusite, impetigo, erisipela, pneumonia
 2- INFECÇÕES PNEUMOCÓCICAS
Pneumonia
 3- INFECÇÕES GONOCÓCICAS
 4- SÍFILIS
 5- INFECÇÕES ESTAFILOCÓCICAS
Broncopneumonia, septicemia, meningoencefalites, abcessos, osteomielites,
furúnculos
 6- INFECÇÕES POR BACILOS GRAM-NEGATIVOS
 7- INFECÇÕES POR PSEUDOMONAS
PENICILINAS ANTIPSEUDOMONAS
CARBENICILINA
 A carbenicilina é uma penicilina semi-sintética, sensível à
ação do suco gástrico e das beta-lactamases.
 Pertence ao grupo das penicilinas antipseudomonas
CARBENICILINA
FARMACOCINÉTICA:
 A carbenicilina não é absorvida após administração oral,
devendo ser aplicada por via parental.
 Se liga a proteínas plasmáticas na taxa de 5%.
Distribui-se como outras penicilinas, primariamente no
líquido extracelular.
 É eliminada rapidamente por secreção tubular renal, e a
probenicida associada retarda a excreção. Menos de
5% da carbenicilina sofrem metabolização.
 O derivado indanílico da carbenicilina, também usado
em clínica, resiste à ação do suco gástrico e pode ser
dado via oral, sendo utilizado para tratamento de
infecções urinárias.
CARBENICILINA
ESPECTRO ANTIBACTERIANO:
 Ativa contra a maioria dos cocos Gram-positivos e Gram-
negativos, mas nessas indicações, é muito menos ativa que a
benzilpenicilina e a ampicilina.
 A maior vantagem clínica da carbenicilina consiste na sua
atividade contra diversas raças de Pseudomonas aeruginosa
e também ativa contra cepas de Acinetobacter e, entre os
anaeróbios, Fusobacteruim e Bacteroides, inclusive muitas
raçãs sensíveis de B. fragilis.
 Como a carnenicilina é sensível à ação de beta-lactamases, o
aparecimento de raças resistentes de bacilos Gram-negativos
é muito comum.
CARBENICILINA
INTERAÇÃO DROGA-DROGA E TOXICIDADE:
 A carbenicilina e as outras penicilinas antipseudomonas
inativam a gentamicina ou tobramicina, quando se misturam
os antibióticos antes de serem administrados. Devem,
portanto, ser aplicadas separadamente, quando se utiliza
essa associação.
 Apesar de ser bem tolerada, a carbenicilina pode provocar
reações típicas das penicilinas (hipersensibilidade). Seu uso
prolongado com doses elevadas pode provocar alterações
hematológicas: neutropenia, eosinofilia, perturbação da
coagulação sanguínea, além de alteração eletrolíticas.
 Como outras penicilinas, doses intravenosas elevadas podem
provocar convulsões, sobretudo em pacientes renais nos
quais não fizeram ajustes na posologia. Também já foram
registradas elevação das transaminases, nefrites intertisciais
e superinfecções.
REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS
 SILVA, Penildon. Farmacologia. 6. ed. Rio de
Janeiro: Guanabara Koogan, 2002.
 GUYTON, A.C., HALL, J.E Tratado De Fisiologia
Médica 9. Ed. Rj . Guanabara Koogan, 1997.
 FARIAS, S. M. Revista Sociedade Brasileira de
Pediatria: Penicilinas

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Antibióticos e Quimioterápicos
Antibióticos e QuimioterápicosAntibióticos e Quimioterápicos
Antibióticos e Quimioterápicos
Jose Carlos
 
Aula - Autacoides
Aula - AutacoidesAula - Autacoides
Aula - Autacoides
Mauro Cunha Xavier Pinto
 
Farmacodinâmica
FarmacodinâmicaFarmacodinâmica
Farmacodinâmica
Leonardo Souza
 
Antibióticos - mecanismo de ação
Antibióticos - mecanismo de açãoAntibióticos - mecanismo de ação
Antibióticos - mecanismo de ação
Safia Naser
 
Aula de Farmacologia sobre Fármacos Antimicrobianos.
Aula de Farmacologia sobre Fármacos Antimicrobianos.Aula de Farmacologia sobre Fármacos Antimicrobianos.
Aula de Farmacologia sobre Fármacos Antimicrobianos.
Jaqueline Almeida
 
8.2 antibióticos 2
8.2 antibióticos 28.2 antibióticos 2
8.2 antibióticos 2
Luiz Gonçalves Mendes Jr
 
Penicilinas e cefalosporinas
Penicilinas e cefalosporinasPenicilinas e cefalosporinas
Penicilinas e cefalosporinas
Markley Pereira
 
Antimicrobianos final-mga
Antimicrobianos final-mgaAntimicrobianos final-mga
Antimicrobianos final-mga
Glauce Trevisan
 
Aula de Farmacocinética e Vias de Administração
Aula de Farmacocinética e Vias de AdministraçãoAula de Farmacocinética e Vias de Administração
Aula de Farmacocinética e Vias de Administração
Jaqueline Almeida
 
Aula - Cardiovascular - Anticoagulantes
Aula - Cardiovascular  - AnticoagulantesAula - Cardiovascular  - Anticoagulantes
Aula - Cardiovascular - Anticoagulantes
Mauro Cunha Xavier Pinto
 
Aula - SNA - Farmacologia Adrenérgica - Simpatomiméticos e Simpatolíticos
Aula - SNA - Farmacologia Adrenérgica - Simpatomiméticos e SimpatolíticosAula - SNA - Farmacologia Adrenérgica - Simpatomiméticos e Simpatolíticos
Aula - SNA - Farmacologia Adrenérgica - Simpatomiméticos e Simpatolíticos
Mauro Cunha Xavier Pinto
 
Aula - SNA - Farmacologia Colinérgica - Parassimpatomiméticos e Parassimpatol...
Aula - SNA - Farmacologia Colinérgica - Parassimpatomiméticos e Parassimpatol...Aula - SNA - Farmacologia Colinérgica - Parassimpatomiméticos e Parassimpatol...
Aula - SNA - Farmacologia Colinérgica - Parassimpatomiméticos e Parassimpatol...
Mauro Cunha Xavier Pinto
 
Aula - Farmacologia básica - Eliminação de fármacos
Aula - Farmacologia básica - Eliminação de fármacosAula - Farmacologia básica - Eliminação de fármacos
Aula - Farmacologia básica - Eliminação de fármacos
Mauro Cunha Xavier Pinto
 
Penicilinas e Cefalosporinas UFPB
Penicilinas e Cefalosporinas UFPBPenicilinas e Cefalosporinas UFPB
Penicilinas e Cefalosporinas UFPB
Marcello Weynes B S
 
Aula de Farmacologia sobre Antihistaminicos
Aula de Farmacologia sobre AntihistaminicosAula de Farmacologia sobre Antihistaminicos
Aula de Farmacologia sobre Antihistaminicos
Jaqueline Almeida
 
Mecanismo de ação dos antimicrobianos
Mecanismo de ação dos antimicrobianosMecanismo de ação dos antimicrobianos
Mecanismo de ação dos antimicrobianos
nanaqueiroz
 
Aula - Anti-inflamatórios esteróidais
Aula - Anti-inflamatórios esteróidaisAula - Anti-inflamatórios esteróidais
Aula - Anti-inflamatórios esteróidais
Mauro Cunha Xavier Pinto
 
analgesicos
analgesicosanalgesicos
analgesicos
josi uchoa
 
Introdução à farmacologia
Introdução à farmacologiaIntrodução à farmacologia
Introdução à farmacologia
Mauro Cunha Xavier Pinto
 
Penicilinas e cefalosporinas
Penicilinas e cefalosporinasPenicilinas e cefalosporinas
Penicilinas e cefalosporinas
Elon Freire
 

Mais procurados (20)

Antibióticos e Quimioterápicos
Antibióticos e QuimioterápicosAntibióticos e Quimioterápicos
Antibióticos e Quimioterápicos
 
Aula - Autacoides
Aula - AutacoidesAula - Autacoides
Aula - Autacoides
 
Farmacodinâmica
FarmacodinâmicaFarmacodinâmica
Farmacodinâmica
 
Antibióticos - mecanismo de ação
Antibióticos - mecanismo de açãoAntibióticos - mecanismo de ação
Antibióticos - mecanismo de ação
 
Aula de Farmacologia sobre Fármacos Antimicrobianos.
Aula de Farmacologia sobre Fármacos Antimicrobianos.Aula de Farmacologia sobre Fármacos Antimicrobianos.
Aula de Farmacologia sobre Fármacos Antimicrobianos.
 
8.2 antibióticos 2
8.2 antibióticos 28.2 antibióticos 2
8.2 antibióticos 2
 
Penicilinas e cefalosporinas
Penicilinas e cefalosporinasPenicilinas e cefalosporinas
Penicilinas e cefalosporinas
 
Antimicrobianos final-mga
Antimicrobianos final-mgaAntimicrobianos final-mga
Antimicrobianos final-mga
 
Aula de Farmacocinética e Vias de Administração
Aula de Farmacocinética e Vias de AdministraçãoAula de Farmacocinética e Vias de Administração
Aula de Farmacocinética e Vias de Administração
 
Aula - Cardiovascular - Anticoagulantes
Aula - Cardiovascular  - AnticoagulantesAula - Cardiovascular  - Anticoagulantes
Aula - Cardiovascular - Anticoagulantes
 
Aula - SNA - Farmacologia Adrenérgica - Simpatomiméticos e Simpatolíticos
Aula - SNA - Farmacologia Adrenérgica - Simpatomiméticos e SimpatolíticosAula - SNA - Farmacologia Adrenérgica - Simpatomiméticos e Simpatolíticos
Aula - SNA - Farmacologia Adrenérgica - Simpatomiméticos e Simpatolíticos
 
Aula - SNA - Farmacologia Colinérgica - Parassimpatomiméticos e Parassimpatol...
Aula - SNA - Farmacologia Colinérgica - Parassimpatomiméticos e Parassimpatol...Aula - SNA - Farmacologia Colinérgica - Parassimpatomiméticos e Parassimpatol...
Aula - SNA - Farmacologia Colinérgica - Parassimpatomiméticos e Parassimpatol...
 
Aula - Farmacologia básica - Eliminação de fármacos
Aula - Farmacologia básica - Eliminação de fármacosAula - Farmacologia básica - Eliminação de fármacos
Aula - Farmacologia básica - Eliminação de fármacos
 
Penicilinas e Cefalosporinas UFPB
Penicilinas e Cefalosporinas UFPBPenicilinas e Cefalosporinas UFPB
Penicilinas e Cefalosporinas UFPB
 
Aula de Farmacologia sobre Antihistaminicos
Aula de Farmacologia sobre AntihistaminicosAula de Farmacologia sobre Antihistaminicos
Aula de Farmacologia sobre Antihistaminicos
 
Mecanismo de ação dos antimicrobianos
Mecanismo de ação dos antimicrobianosMecanismo de ação dos antimicrobianos
Mecanismo de ação dos antimicrobianos
 
Aula - Anti-inflamatórios esteróidais
Aula - Anti-inflamatórios esteróidaisAula - Anti-inflamatórios esteróidais
Aula - Anti-inflamatórios esteróidais
 
analgesicos
analgesicosanalgesicos
analgesicos
 
Introdução à farmacologia
Introdução à farmacologiaIntrodução à farmacologia
Introdução à farmacologia
 
Penicilinas e cefalosporinas
Penicilinas e cefalosporinasPenicilinas e cefalosporinas
Penicilinas e cefalosporinas
 

Destaque

Sulfas
SulfasSulfas
Sulfas
Safia Naser
 
Sulfas, Quinolonas e Glicopeptídeos - Antibióticos
Sulfas, Quinolonas e Glicopeptídeos - AntibióticosSulfas, Quinolonas e Glicopeptídeos - Antibióticos
Sulfas, Quinolonas e Glicopeptídeos - Antibióticos
Tamires Fernandes
 
Plasmídeos- Genética Bacteriana
Plasmídeos- Genética BacterianaPlasmídeos- Genética Bacteriana
Plasmídeos- Genética Bacteriana
Hemilly Rayanne
 
Microbiologia revisão
Microbiologia revisãoMicrobiologia revisão
Microbiologia revisão
Hemilly Rayanne
 
Aula de Farmacologia sobre Fármacos Ansiolíticos
Aula de Farmacologia sobre Fármacos AnsiolíticosAula de Farmacologia sobre Fármacos Ansiolíticos
Aula de Farmacologia sobre Fármacos Ansiolíticos
Jaqueline Almeida
 
Aula de Farmacologia sobre Fármacos Antidepressivos
Aula de Farmacologia sobre Fármacos AntidepressivosAula de Farmacologia sobre Fármacos Antidepressivos
Aula de Farmacologia sobre Fármacos Antidepressivos
Jaqueline Almeida
 

Destaque (6)

Sulfas
SulfasSulfas
Sulfas
 
Sulfas, Quinolonas e Glicopeptídeos - Antibióticos
Sulfas, Quinolonas e Glicopeptídeos - AntibióticosSulfas, Quinolonas e Glicopeptídeos - Antibióticos
Sulfas, Quinolonas e Glicopeptídeos - Antibióticos
 
Plasmídeos- Genética Bacteriana
Plasmídeos- Genética BacterianaPlasmídeos- Genética Bacteriana
Plasmídeos- Genética Bacteriana
 
Microbiologia revisão
Microbiologia revisãoMicrobiologia revisão
Microbiologia revisão
 
Aula de Farmacologia sobre Fármacos Ansiolíticos
Aula de Farmacologia sobre Fármacos AnsiolíticosAula de Farmacologia sobre Fármacos Ansiolíticos
Aula de Farmacologia sobre Fármacos Ansiolíticos
 
Aula de Farmacologia sobre Fármacos Antidepressivos
Aula de Farmacologia sobre Fármacos AntidepressivosAula de Farmacologia sobre Fármacos Antidepressivos
Aula de Farmacologia sobre Fármacos Antidepressivos
 

Semelhante a Antibióticos Beta-lactâmicos; Penicilinas

Antibioticos Beta-lactamicos - Curso de Atualização em Farmacologia
Antibioticos Beta-lactamicos - Curso de Atualização em FarmacologiaAntibioticos Beta-lactamicos - Curso de Atualização em Farmacologia
Antibioticos Beta-lactamicos - Curso de Atualização em Farmacologia
MikaLima4
 
Antibiticos completo
Antibiticos completoAntibiticos completo
Antibiticos completo
Wandervan Lima
 
2. Cefalosporinas.pdf
2. Cefalosporinas.pdf2. Cefalosporinas.pdf
2. Cefalosporinas.pdf
Fernanda Oliveira
 
ANTIBACTERIANOS 2022 pós.pptx
ANTIBACTERIANOS 2022 pós.pptxANTIBACTERIANOS 2022 pós.pptx
ANTIBACTERIANOS 2022 pós.pptx
christiancerqc
 
Juliana, jéssica e maria geabriela
Juliana, jéssica e maria geabrielaJuliana, jéssica e maria geabriela
Juliana, jéssica e maria geabriela
profmarildapb
 
Farmacologia 16 antibióticos 2- abordagem clínica - agosto-2011
Farmacologia 16   antibióticos 2- abordagem clínica - agosto-2011Farmacologia 16   antibióticos 2- abordagem clínica - agosto-2011
Farmacologia 16 antibióticos 2- abordagem clínica - agosto-2011
Jucie Vasconcelos
 
Antimicrobianos aula (1).pptx
Antimicrobianos aula (1).pptxAntimicrobianos aula (1).pptx
Antimicrobianos aula (1).pptx
ProfYasminBlanco
 
Prontuario Terapeutico
Prontuario TerapeuticoProntuario Terapeutico
Prontuario Terapeutico
nuno
 
1. penicilinas naturais.pdf
1. penicilinas naturais.pdf1. penicilinas naturais.pdf
1. penicilinas naturais.pdf
Renata Lima de Freitas
 
Farmacologia antibioticos de uso frequente veterinaria
Farmacologia   antibioticos de uso frequente veterinariaFarmacologia   antibioticos de uso frequente veterinaria
Farmacologia antibioticos de uso frequente veterinaria
Juan Carlos Ordóñez Fernández
 
Antimicrobianos aula.pptx
Antimicrobianos aula.pptxAntimicrobianos aula.pptx
Antimicrobianos aula.pptx
ProfYasminBlanco
 
atenção farma ANTIBACTERIANOS.pptx
atenção farma ANTIBACTERIANOS.pptxatenção farma ANTIBACTERIANOS.pptx
atenção farma ANTIBACTERIANOS.pptx
christiancerqc
 
Farmacologia 16 antibióticos - med resumos - julho-2011
Farmacologia 16   antibióticos - med resumos - julho-2011Farmacologia 16   antibióticos - med resumos - julho-2011
Farmacologia 16 antibióticos - med resumos - julho-2011
Jucie Vasconcelos
 
Farmacologia uso-frequente-veterinaria
Farmacologia uso-frequente-veterinariaFarmacologia uso-frequente-veterinaria
Farmacologia uso-frequente-veterinaria
Ana Claudia Cabral Chaves
 
Antibióticos
AntibióticosAntibióticos
Antibióticos
DurvalJosdeSantanaNe
 
Medresumos 2016 08 Introdução aos antibioticos
Medresumos 2016 08 Introdução aos antibioticosMedresumos 2016 08 Introdução aos antibioticos
Medresumos 2016 08 Introdução aos antibioticos
Sabrina Spósito
 
Centro de educação profissional ltda - CEL - Antibióticos: Ciprofloxacina ...
Centro de educação profissional   ltda  - CEL - Antibióticos: Ciprofloxacina ...Centro de educação profissional   ltda  - CEL - Antibióticos: Ciprofloxacina ...
Centro de educação profissional ltda - CEL - Antibióticos: Ciprofloxacina ...
Jandresson Soares de Araújo
 
Leishmaniose - novas terapias
Leishmaniose  - novas terapiasLeishmaniose  - novas terapias
Leishmaniose - novas terapias
Victor Hugo
 
Dan linetzky waitzberg dieta, nutrição e câncer - 3
Dan linetzky waitzberg   dieta, nutrição e câncer - 3Dan linetzky waitzberg   dieta, nutrição e câncer - 3
Dan linetzky waitzberg dieta, nutrição e câncer - 3
Eliana Gomes
 
aula antiasmáticos.pptx
aula antiasmáticos.pptxaula antiasmáticos.pptx
aula antiasmáticos.pptx
PedroNabarrete
 

Semelhante a Antibióticos Beta-lactâmicos; Penicilinas (20)

Antibioticos Beta-lactamicos - Curso de Atualização em Farmacologia
Antibioticos Beta-lactamicos - Curso de Atualização em FarmacologiaAntibioticos Beta-lactamicos - Curso de Atualização em Farmacologia
Antibioticos Beta-lactamicos - Curso de Atualização em Farmacologia
 
Antibiticos completo
Antibiticos completoAntibiticos completo
Antibiticos completo
 
2. Cefalosporinas.pdf
2. Cefalosporinas.pdf2. Cefalosporinas.pdf
2. Cefalosporinas.pdf
 
ANTIBACTERIANOS 2022 pós.pptx
ANTIBACTERIANOS 2022 pós.pptxANTIBACTERIANOS 2022 pós.pptx
ANTIBACTERIANOS 2022 pós.pptx
 
Juliana, jéssica e maria geabriela
Juliana, jéssica e maria geabrielaJuliana, jéssica e maria geabriela
Juliana, jéssica e maria geabriela
 
Farmacologia 16 antibióticos 2- abordagem clínica - agosto-2011
Farmacologia 16   antibióticos 2- abordagem clínica - agosto-2011Farmacologia 16   antibióticos 2- abordagem clínica - agosto-2011
Farmacologia 16 antibióticos 2- abordagem clínica - agosto-2011
 
Antimicrobianos aula (1).pptx
Antimicrobianos aula (1).pptxAntimicrobianos aula (1).pptx
Antimicrobianos aula (1).pptx
 
Prontuario Terapeutico
Prontuario TerapeuticoProntuario Terapeutico
Prontuario Terapeutico
 
1. penicilinas naturais.pdf
1. penicilinas naturais.pdf1. penicilinas naturais.pdf
1. penicilinas naturais.pdf
 
Farmacologia antibioticos de uso frequente veterinaria
Farmacologia   antibioticos de uso frequente veterinariaFarmacologia   antibioticos de uso frequente veterinaria
Farmacologia antibioticos de uso frequente veterinaria
 
Antimicrobianos aula.pptx
Antimicrobianos aula.pptxAntimicrobianos aula.pptx
Antimicrobianos aula.pptx
 
atenção farma ANTIBACTERIANOS.pptx
atenção farma ANTIBACTERIANOS.pptxatenção farma ANTIBACTERIANOS.pptx
atenção farma ANTIBACTERIANOS.pptx
 
Farmacologia 16 antibióticos - med resumos - julho-2011
Farmacologia 16   antibióticos - med resumos - julho-2011Farmacologia 16   antibióticos - med resumos - julho-2011
Farmacologia 16 antibióticos - med resumos - julho-2011
 
Farmacologia uso-frequente-veterinaria
Farmacologia uso-frequente-veterinariaFarmacologia uso-frequente-veterinaria
Farmacologia uso-frequente-veterinaria
 
Antibióticos
AntibióticosAntibióticos
Antibióticos
 
Medresumos 2016 08 Introdução aos antibioticos
Medresumos 2016 08 Introdução aos antibioticosMedresumos 2016 08 Introdução aos antibioticos
Medresumos 2016 08 Introdução aos antibioticos
 
Centro de educação profissional ltda - CEL - Antibióticos: Ciprofloxacina ...
Centro de educação profissional   ltda  - CEL - Antibióticos: Ciprofloxacina ...Centro de educação profissional   ltda  - CEL - Antibióticos: Ciprofloxacina ...
Centro de educação profissional ltda - CEL - Antibióticos: Ciprofloxacina ...
 
Leishmaniose - novas terapias
Leishmaniose  - novas terapiasLeishmaniose  - novas terapias
Leishmaniose - novas terapias
 
Dan linetzky waitzberg dieta, nutrição e câncer - 3
Dan linetzky waitzberg   dieta, nutrição e câncer - 3Dan linetzky waitzberg   dieta, nutrição e câncer - 3
Dan linetzky waitzberg dieta, nutrição e câncer - 3
 
aula antiasmáticos.pptx
aula antiasmáticos.pptxaula antiasmáticos.pptx
aula antiasmáticos.pptx
 

Antibióticos Beta-lactâmicos; Penicilinas

  • 1. Universidade Federal da Bahia Instituto de Ciências da Saúde Departamento de Farmacologia IV Docente: Neuza Gusmão Discente: Thaline Eveli Martins Araújo Antibióticos Beta-lactâmicos. Penicilinas
  • 2. ANTIOBIÓTICOS BETA-LACTÂMICOS  O grupo dos antibióticos beta-lactâmicos é formado pelas penicilinas, cefalosporinas, cefamicinas, ácido clavulânico, carbapenens, nocardicinas e monobactâmicos.  Os β-lactâmicos são uma classe ampla de antibióticos, que inclui a penicilina e seus derivados, que possuem agente antibiótico e o núcleo β-lactâmico em sua estrutura molecular.  Há mais de 50 anos os antibióticos beta-lactâmicos têm demostrado eficiência terapêutica e sua baixa toxicidade. Inicialmente mais ativos contra as bactérias Gram-positivas, porém tiveram seus espectros antimicrobianos ampliados.
  • 3. ANTIOBIÓTICOS BETA-LACTÂMICOS  Derivados semi-sintéticos e sintéticos permitiram o uso dos betalactâmicos no combate também ás bactérias Gram- negativas.  Cefalosporinas de terceira geração e dos antibioticos carnapenemicos tem potente ampla atividade amtimicorbiana. Os monolactâmicos (aztreonam) mostraram serem especificos contra atividades das bacterias Gram-negativas , inclusive Pseudomonas e muitas raças bacterianas de resistência múltipla.  É o mais usado grupo de antibióticos.  Embora não seja antibiótico verdadeiro, o inibidor β- lactamase é muitas vezes incluído nesse grupo.
  • 4. ANTIBIÓTICOS BETA-LACTÂMICOS  São antibióticos que inibem a síntese da parede celular de bactérias, impedindo que as ligações cruzadas entre as fitas de peptideoglicano se formem. http://search.babylon.com/?affID=110825&tt=0112_6&babs
  • 5.
  • 6. HISTÓRIA DA PENICILINA  A penicilina foi descoberta em 1928 por Alexander Fleming quando saiu de férias e esqueceu algumas placas com culturas de microrganismos em seu laboratório. Quando voltou, reparou que uma das suas culturas de Staphylococcus tinha sido contaminada por um bolor, e em volta das colônias deste não havia mais bactérias.  Então Fleming e seu colega, Dr. Pryce, descobriram um fungo do gênero Penicillium, e demonstraram que o fungo produzia uma substância responsável pelo efeito bactericida: a penicilina. Eles comprovaram as suas qualidades antibióticas, assim como a sua não-toxicidade e a utilizaram clinicamente em 1941.  Fleming foi médico militar durante a Primeira Guerra Mundial, ficando impressionando com a mortalidade através de feridas por arma de fogo que resultavam em gangrena gasosa  Após sua descoberta e consequente utilização a penicilina pôde diminuir expressivamente o número de doenças causadas por doenças infecciosas  Foi o marco inicial da Era dos antibióticos.
  • 8. QUÍMICA  As penicilinas tem como núcleo formador o ácido aminopenicilânico (6-APA), que é um intermediário na manufatura de penicilinas semi-sintéticas.  Quando adicionada a 6-APA em diferentes grupos químicos, obtêm-se várias famílias de penicilinas, dotadas de novas propriedades físico-químicas, farmacológicas e terapêuticas.  A estrutura química do núcleo das penicilinas provém de dois aminoácidos: Cisteína e Valina  Quando esses aminoácidos se interagem, formam o ácido penicilâmico (6-APA) surgindo os anéis beta-lactâmico e tiazolidínico.
  • 10. QUÍMICA  As penicilinas se caracterizam por três aspectos estruturais:  • Estrutura beta-lactâmica  • Carboxila livre  • É um ou mais grupos amino, convenientemente substituídos na cadeia lateral
  • 11. CLASSIFICAÇÃO DAS PENICILINAS  As modificações realizadas na molécula do 6-APA permitiram a classificação das penicilinas nos seguintes grupos: Grupo 1 – Penicilinas sensíveis à penicilinase. - Benzilpenicilina ou penicilina G - Fenoximetilpenicilina ou penicilina V - Carbenicilina Grupo 2 – Penicilinas que resistem a penicilinase. - Meticilina - Nafcilina - Oxacilina - Dicloxacilina - Cloxacilina
  • 12. CLASSIFICAÇÃO DAS PENICILINAS Grupo 3 – Penicilinas de espectro aumentado Amoxilina Ampicilina Grupo 4 – Penicilinas antipseudomonas Ticarcilina Azlocilina Piperacilina Carbenicilina
  • 13. FARMACOCINÉTICA  A penicilina G (benzilpeninilina) é inativada pelo pH ácido do estômago, razão pela qual é usada exclusivamente por vias parenterais.  O ácido do estômago hidrolisa a cadeia lateral amídica e abre o anel beta-lactâmico, fazendo com que a penicilina G perca sua atividade antibacteriana.  Apenas 15% do medicamento administrado por via oral chega ao duodeno, sendo rapidamente absorvido. A penicilina G é utilizada nas formas: cristalina sódica e potássica; procaína e benzatina.  A diferença entre estas formas está nas suas características farmacocinéticas. Assim, a penicilina G cristalina (sódica e potássica), quando administrada por via subcutânea ou intramuscular, apresenta latência de cerca de 30 minutos para atingir os níveis terapêuticos, e estes se mantêm por 4 a 6 horas.  A penicilina G procaína, por estas mesmas vias, tem latência de 1 a 3 horas para atingir níveis terapêuticos, que são mantidos por 12 horas.
  • 14. FARMACOCINÉTICA  A penicilina G benzatina apresenta latência de 8 horas, com níveis podendo perdurar por 3 a 30 dias; ressalta- se que estes níveis vão decaindo gradativamente e, na dependência do microorganismo, as concentrações mínimas podem ser atingidas mais rapidamente ou não.  Devido ao fato das penicilinas G procaína e benzatina permanecem no organismo do animal por tempo prolongado e são chamadas de penicilinas de longa duração ou de depósito.  As penicilinas se distribuem por vários tecidos , tendo dificuldade de atravessar a barreira cérebro-sangue integra, não são biotransformadas no organismo, sendo eliminadas pelos rins, 90% por secreção tubular e 10% por filtração glomerular. As penicilinas possuem um aspecto de ação natural e de curta ação atuando principalmente sobre gram-positivos.
  • 15. MECANISMO DE AÇÃO  Todos os antibióticos beta-lactâmicos (penicilinas e cefalosporinas) interferem na síntese de parede celular bacteriana, através da ligação de enzimas PBP.  A penicilina acopla num receptor presente na membrana interna bacteriana PBP (proteínas ligantes de penicilina) e interfere com a transpeptidação que ancora o peptidoglicano estrutural de forma rígida em volta da bactéria. Como o interior desta é hiperosmótico, sem uma parede rígida há afluxo de água do exterior e a bactéria lisa.
  • 16. MECANISMO DE AÇÃO  A parede celular das bactérias é composta de peptideoglicanos, ou seja, é feita de peptídeos e unidades de açúcar. A estrutura da parede celular consiste de um esqueleto de açúcares, contendo dois tipos de açúcares, o ácido N-acetilmurâmico (NAM) e a N-acetilglucosamina (NAG). As cadeias de peptídeo são ligadas ao NAM e, no passo final da biossíntese da parede celular, essas cadeias de peptídeos se ligam pela substituição da D-alanina de uma cadeia pela glicina de outra cadeia. A enzima responsável pela reação de ligação cruzada é conhecida como transpeptidase.  O último passo da reação cruzada que é inibido pelas penicilinas e cefalosporinas, de forma que a estrutura da parede celular não fique unida. Como resultado a parede celular torna-se fraca, uma vez que a concentração salina dentro da célula é maior do que fora, com isso a água penetra na célula, essa fica inchada e acaba se rompendo (lise bacteriana).
  • 17. RESISTÊNCIA ÀS PENICILINAS  O principal mecanismo de resistência de bactérias à penicilina baseia-se na produção de Beta-lactamases, enzimas que degradam a penicilina impedindo sua ação. Outro mecanismo de ação da penicilina é a inativação do inibidor das enzimas autolíticas na parede celular. Isto dá, como resultado, a lise celular.  As bactérias adquirem resistência às penicilinas através dos seguintes mecanismos, decorrente do modo de ação desses antibióticos:  A inativação enzimática pelas beta-lactamases biossintetizadas pelas bactérias;  Redução da permeabilidade da parede celular bacteriana às penicilinas que, assim, não conseguem alcançar seus locais de ligação representadas por proteínas específicas (PLP)
  • 18. RESISTÊNCIA ÀS PENICILINAS  Alterações conformacionais nessas proteínas de ligação das penicilinas, bloqueando a atividade antibiótica  E o aparecimento do fenômeno da tolerância
  • 19. TOXICIDADE E HIPERSENSIBILIDADE  As penicilinas são drogas de elevado índice terapêutico e relativamente atóxicas para o homem.  Em certas percentagens em pacientes, observam-se reações alérgicas ou de hipersensibilidade à droga  As formas farmacêuticas atuais mais responsáveis por essas reações são as parentais e as orais. Um paciente que jamais tomou penicilina pode desenvolver reação de hipersensibilidade se esteve exposto anteriormente a fontes naturais de fungos produtores de penicilina.  As reações alérgicas às penicilinas são classificadas como imediatas, aceleradas, tardias e reações menos comuns.  As reações imediatas são as mais perigosas e desencadeiam-se até 30 minutos após a administração, os sintomas são provocados pela liberação de histamina e outras substâncias por mastócitos e basófilos. As reações aceleradas surgem 1 a 72 horas, geralmente não põem a vida em risco. As tardias são as mais frequentes, aparecem dias ou semanas após sua administração e as menos comuns raramente acorrem e são representadas por: febre, anemia hemolítica, infiltração pulmonar, eosinofília, vasculite, eritrema multiforme, etc.
  • 20. OUTRAS REAÇÕES ADVERSAS À PENICILINA  Toxicidade da procaína, após uso da penicilina G procaína; dor e inflamação estéril no local da injeção intramuscular; flebite ou tromboflebite, quando se usa a via intravenosa; irritação no trato gastrointestinal, com pirose, anorexia, vômitos, diarréia, após administração oral (ampicilina); irritação do SNC, após uso de grandes doses; nefrite intersticial (meticilina); hipercalemia, arritmias, parada cardíaca em grandes doses de penicilina G potássica; hipocalemia, quando usa-se grandes doses intravenosas de carbenicilina e ticarcilina; hipernatremia em pacientes renais, cardíacos ou hepáticos; toxicidade hematológica raramente, podendo aparecer neutropenia, anemia hemolítica; alterações na flora bacteriana, podendo propiciar superinfecções por microrganismo resistentes; colite pseodomembranosa. Na gravidez, as penicilinas são consideradas os antibióticos mais seguros.
  • 21. FARMACOCINÉTICA:  A benzilpenicilina ou penicilina G pode ser administradas pelas vias oral, intramuscular e intravenosa. As preparações usadas por via oral podem ser inativadas pelo suco gástrico, e sua absorção é imprevisível.  A porcentagem de absorção das preparações orais varia de 20 a 30%, ao nível do duodeno  Quando administrada por via oral, a adultos em jejum, 30 a 60 minutos observa-se o nível sérico máximo da droga  O alimento retarda a absorção e, por isso, quando se administra benzilpenicilina por via oral, a droga deve ser usada de 2 a 3 horas antes ou depois das refeições  Por via intramuscular os níveis sanguíneos máximos da droga são atingidos 15 a 30 minutos após a injeção de penicilina cristalina em solução aquosa  Pela via intravenosa, com essa forma de penicilina os níveis séricos máximos são atingidos imediatamente. Esses níveis são de quatro a cinco vezes maiores do que os obtidos por via oral BENZILPENICILINA OU PENICILINA G
  • 22.  O volume de distribuição aparente da droga é de 0,2 l/kg  A distribuição é ampla na massa muscular pulmões, fígado, rins, ossos, fluidos intersticial, sinovial, pericárdio, peritoneal e pleural  Quando não há inflamação a distribuição da benzilpenicilina é diminuta no líquor, no Humor aquoso e na próstata. Nesses territórios entretanto quando há inflamação, a distribuição é grande  A placenta é facilmente atravessada pela benzilpenicilina  A eliminação da benzilpenicilina é muito rápida. Na adiminstração parenteral, a droga é eliminada,na taxa de 60 a 90%, pela urina, 1 hora após sua adminitração, principalmente pelo mecanismo de secreção tubular. Esse tipo de excreção pode ser retardado da probenecida  Uma pequena parte da droga é excretada pela bile e cerca de 20% são metabolizados, produzindo derivados inativos do ácido penicilóico BENZILPENICILINA OU PENICILINA G
  • 23.  Nos pacientes com função renal normal, a meia-vida da fase beta de eliminação é de aproximadamente de 30 min  Nos pacientes com insuficiência renal, a meia-vida pode ser prolongada  Nos paciente anúricos, pode alcançar de 6 a 10 horas, o que exigirá ajustes de posologia  Em pacientes idosos a meia- vida da benzilpenicilina é prolongada  A maior parte da penicilina, por via oral, não é absorvida, é inativada por bactérias do cólon. BENZILPENICILINA OU PENICILINA G
  • 24. ESPECTRO ANTIBACTERIANO  Benzilpenicilina é a primeira escolha no tratamento de infecções causadas por cocos Gram-positivos em pacientes não alérgicos. Ex.: estreptococos dos grupos A,B e D não- enterococos; S. viridans e o S. pneumoniae  Os enterococos são menos sensíveis à benzilpenicilina. Apesar disso, a benzilpenicilina (em associação com a gentamicina ou estreptomicina) é útil em certas infecções enterocócicas, sobretudo na endocardite. Ex.: S. faecalis, S. durans, S.liquefaciens e S. zymogens BENZILPENICILINA OU PENICILINA G
  • 25.  A maioria dos Staphylococus produz beta-lactamase e é resistente ao antibiótico  A benzilpenicilina também é a droga de eleição para os cocos Gram-negativos sensíveis, inclusive a Neisseria meningitidis e a N. gonorrhoeae. Algumas raças de N. gonorrhoeae são produtoras de penicilinases e são resistentes (PPNG)  Também é preferiada também para infecções causadas por certos bacilos Gram-positivos. Alguns bacilos Gram-negativos também são sensíveis à benzilpenicilina BENZILPENICILINA OU PENICILINA G
  • 26.  A penicilina V é um derivado semi-sintético, do grupo das fenoxipenicilinas, possui a seguinte fórmula estrutural: PENICILINA V
  • 27. PENICILINA V FARMACOCINÉTICA  A penicilina V foi desenvolvida para obviar a desvantagem da benzilpenicilina ou penicilina G de ser inativada pelo suco gástrico, tendo como vantagem a possibilidade de ser administrada por via oral  É absorvida na taxa de 60%, principalmente ao nível do duodeno  A presença de alimento, ao contrário do que acontece com a benzilpenicilina , não interfere na absorção da penicilina V
  • 28. PENICILINA V  Quando se necessita de concentrações mais elevadas , como nas infecções mais graves, prefere-se a benzilpenicilina por via parenteral  A distribuição da penicilina V é ampla  É eliminada rapidamente pelos rins, pelo mecanismos de secreção tubular renal. A probenecida retarda essa eliminação  A meia-vida da penicilina V dura aproximadamente 30 a 60 minutos  É metabolizada na taxa de 55% em derivados do ácido penicilóico
  • 29. PENICILINA V INDICAÇÕES  Faringite estreptocócica por estreptococos beta-hemolíticos do grupo A, durante 10 dias  Piodermas estreptocócicos brandos, infecção brandas do trato respiratório superior por Streptococos pneumoniae  Profilaxia secundária da febre reumática ( deve-se preferir a penicilina G benzatina) e profilaxia, por via oral, em certos pacientes da alto risco, antes de intervenção dentária ou cirúrgica e instrumentação no trato respiratório superior
  • 30. PENICILINAS PENICILINASES- RESISTENTES  Nesta categoria as penicilinas, também chamadas de antiestafilocócicas, caracterizam-se por sua capacidade de resistir a ação de penicilinases, especialmente produzidas por Staphylococcus aureus. São representadas pela Meticilina, Nafcilina, e pelas penicilinas Isoxazolíticas ou Izoxazolilpenicilinas (Oxacilina, Cloxacilina e Dicloxacilina).
  • 31. METICILINA  A meticilina é uma penicilina semi-sintética, penicilinase-resistente, possui a seguinte forma estrutural:
  • 32. METICILINA FARMACOCINÉTICA  A meticilina é inativada pelo suco gástrico e não é absorvida pelo trato gastrointestinal, sua administração só pode ser feita por via parenteral  De trinta a sessenta minutos após a injeção intra muscular atingem-se as concentrações séricas máximas  O antibiótico se liga às proteínas plasmáticas, especialmente albumina na porcentagem de 35 a 40%
  • 33. METICILINA  A distribuição é ampla  A excreção é rápida principalmente pelo mecanismo de secreção tubular renal. A associação com probenecida reduz a excreção  Meia vida da meticilina em pacientes normais é de aproximadamente trinta minutos. Na insuficiência renal é prolongada chegando a quatro horas
  • 34. METICILINA ESPECTRO ANTIBACTERIANO  A Meticilina é ativada contra a maioria das raças de Staphylococcus aureus, mesmo as que produzem beta- lactamases  Muitas cepas do S. epidermides também são sensíveis  A maioria dos estreptococos (viridans, pneumoniae, pyogenes)  A benzilpenicilina, entretanto, é mais potente que a meticilina contra estreptococos, e nesse caso deve ser preferível.
  • 35. METICILINA  Os enterococos e as bactérias Gram-negativas são resistentes a meticilina  As resistências que muitas espécies adquirem à meticilina é provocada pela redução da afinidade entre o antibiótico e as proteínas que especificamente se ligam às penicilinas
  • 36. METICILINA INDICAÇÕES  São indicadas em infecções causadas por estafilococos produtores da penicilinase, motivo pelo qual se tornam as penicilinas de primeira linha nas infecções por estafilococos resistentes a benzilpenicilina  Nas cepas meticilina-resistentes, usa-se a vancomicina  Infecções causadas por Staphylococcus aureus: bacteremias, endocardite, meningite, osteomielite, artrite séptica, pneumonia, empiema, piodermas e abscessos renais. Mas em geral, preferem-se a nafcilina e a oxacilina nessas indicações, por causa da nefrite intersticial que meticilina pode provocar.
  • 37. METICILINA TOXICIDADE  De modo geral a meticilina é bem tolerada, porém pode apresentar reações alérgicas que caracterizam todas as penicilinas  Das penicilinas antiestafilocócicas, a meticilina é a que mais provoca nefrite intersticial
  • 38. NAFCILINA  A nafcilina é uma penicilina semi-sintética, penicilinase resistente, possui a seguinte forma estrutural:
  • 39. NAFCILINA FARMACOCINÉTICA  Pode ser utilizada por via oral mas prefere-se a via parenteral pois sua absorção é maior  A nafcilina liga-se as proteínas plasmáticas na taxa de 87 a 90%  Se distribui de modo amplo  Diferentemente de outras penicilinas ela é secretada principalmente pela bile e menor quantidade pela urina  Em paciente normais 60% da nafcilina é metabolizada pelo fígado e 10% são recuperáveis na urina
  • 40. NAFCILINA TOXICIDADE  De modo geral é bem tolerada. Os efeitos colaterais são brandos e são causados pelas reações de hipersensibilidade INDICAÇÕES  Idênticas àquelas da meticilina, sendo a principal indicação representada pelas infecções graves provocadas por Staphylococcus aureus. Não é recomendada em lactantes nem em pacientes com disfunção hepática
  • 41. PENICILINA DE ESPECTRO AMPLIADO  Estão nesse grupo:  Penicilinas da segunda geração ou Aminopenicilinas: Ampicilina, Amoxilina, Bacompicilina, Ciclacilina  Penicilinas da terceira geração ou Antipseudomonas: Carbenicilina, Ticarcilina  Penicilinas da quarta geração: Azlocilina, Mezlocilina.  Piperazinopenicilina: piperacilina → As aminopenicilinas foram às primeiras penicilinas com atividade contra bactérias Gram-negativas. Pertencem a esta classificação a amoxicilina e ampicilina.
  • 42. AMPICILINA  A ampicilina é uma penicilina de amplo espectro, resistente à ação do suco gástrico, porém sensíveis às beta-lactamases. Pertencem a classe das aminopenicilinas e tem a seguinte fórmula estrutural:
  • 43. AMPICILINA FARMACOCINÉTICA  Pode ser administrada pelas vias oral, intramuscular e intravenosa  Apesar de resistir à ação do suco gástrico, sua absorção, ao nível gastrointestinal, varia de 30 a 50% da dose ingerida  O alimento, no trato gastrointestinal, reduz a absorção do antibiótico  A ampicilina se liga às proteínas plasmáticas na taxa de 20%  É principalmente eliminada por via renal, através da secreção tubular
  • 44. AMPICILINA  Após a administração parenteral, a ampicilina pode ser recuperada na urina na taxa de 90% e, após a administração oral na taxa de 40%  Apenas 10% da droga é metabolizada  A meia- vida na fase beta da eliminação dura cerca de 1 hora, na presença de função renal normal
  • 45. AMPICILINA ESPECTRO ANTIBACTERIANO  É ativa in vitro contra a maioria das bactérias Gram-positivas, estafilococos, estreptococos, com exceção dos estafilococos produtores de beta- lactamases. Além de cocos Gram-positivos, bactérias anaeróbias com exceção de algumas bactérias  É ativa contra algumas bactérias Gram-Negativas  A ampicilina é hidrolisada pelas beta-lactamases produzidas por diversas bactérias
  • 46. AMPICILINA TOXICIDADE  A ampicilina é bem tolerada e os efeitos colaterais são brandos, representados por exantemas e diarréia INDICAÇÕES  É bactericida, possui elevado índice terapêutico  Cistite aguda bacteriana, pielonefrite aguda, epidídimo- orquite aguda, gonorréia não complicada ou disseminada, meningite, pneumonia, infecções cultâneas, otite média aguda, sinusite aguda, entre outros
  • 47. AMOXICILINA  A amoxicilina é uma penicilina de amplo espectro, porém sensíveis as beta-lactamases  Administradas por via oral  Pertence à classe das aminopenicilinase.
  • 48. AMOXICILINA FARMACOCINÉTICA  Resistente à ação do suco gástrico, e sua absorção pelo trato gastrointestinal atinge 75 a 80% da dose oral  Uma a 2 horas após a administração de uma dose de 500 mg, atingem-se as concentrações séricas máximas  A alimentação não interfere, de maneira significativa, na absorção do antibiótico, motivo pelo qual é preferido em lugar da ampicilina, por via oral
  • 49. AMOXICILINA  A amoxicilina se liga às proteínas plasmáticas na taxa de cerca de 20%  Atinge elevadas concentrações na bile e na urina  É eliminada rapidamente por secreção tubular renal. Cerca de 50 a 70% são excretados pela urina, sob a forma inalterada  É metabolizada na taxa de 10%  Nos paciente com função renal normal, a meia- vida da fase beta de eliminação dura aproximadamente 1 hora
  • 50. AMOXICILINA ESPECTRO ANTIBACTERIANO  Similar a da ampicilina, porém exerce menor atividade contra espécie de Shigella.  É inativada pelas beta-lactamases produzidas por diversas bactérias como S. aureus, H. Influenze, N. gonorrhoeae e várias enterobactérias, como E. coli e Salmonella sp.
  • 51. INDICAÇÕES  1- INFECÇÕES ESTREPTOCÓCICAS Faringite, amigdalite, otite média, sinusite, impetigo, erisipela, pneumonia  2- INFECÇÕES PNEUMOCÓCICAS Pneumonia  3- INFECÇÕES GONOCÓCICAS  4- SÍFILIS  5- INFECÇÕES ESTAFILOCÓCICAS Broncopneumonia, septicemia, meningoencefalites, abcessos, osteomielites, furúnculos  6- INFECÇÕES POR BACILOS GRAM-NEGATIVOS  7- INFECÇÕES POR PSEUDOMONAS
  • 52. PENICILINAS ANTIPSEUDOMONAS CARBENICILINA  A carbenicilina é uma penicilina semi-sintética, sensível à ação do suco gástrico e das beta-lactamases.  Pertence ao grupo das penicilinas antipseudomonas
  • 53. CARBENICILINA FARMACOCINÉTICA:  A carbenicilina não é absorvida após administração oral, devendo ser aplicada por via parental.  Se liga a proteínas plasmáticas na taxa de 5%. Distribui-se como outras penicilinas, primariamente no líquido extracelular.  É eliminada rapidamente por secreção tubular renal, e a probenicida associada retarda a excreção. Menos de 5% da carbenicilina sofrem metabolização.  O derivado indanílico da carbenicilina, também usado em clínica, resiste à ação do suco gástrico e pode ser dado via oral, sendo utilizado para tratamento de infecções urinárias.
  • 54. CARBENICILINA ESPECTRO ANTIBACTERIANO:  Ativa contra a maioria dos cocos Gram-positivos e Gram- negativos, mas nessas indicações, é muito menos ativa que a benzilpenicilina e a ampicilina.  A maior vantagem clínica da carbenicilina consiste na sua atividade contra diversas raças de Pseudomonas aeruginosa e também ativa contra cepas de Acinetobacter e, entre os anaeróbios, Fusobacteruim e Bacteroides, inclusive muitas raçãs sensíveis de B. fragilis.  Como a carnenicilina é sensível à ação de beta-lactamases, o aparecimento de raças resistentes de bacilos Gram-negativos é muito comum.
  • 55. CARBENICILINA INTERAÇÃO DROGA-DROGA E TOXICIDADE:  A carbenicilina e as outras penicilinas antipseudomonas inativam a gentamicina ou tobramicina, quando se misturam os antibióticos antes de serem administrados. Devem, portanto, ser aplicadas separadamente, quando se utiliza essa associação.  Apesar de ser bem tolerada, a carbenicilina pode provocar reações típicas das penicilinas (hipersensibilidade). Seu uso prolongado com doses elevadas pode provocar alterações hematológicas: neutropenia, eosinofilia, perturbação da coagulação sanguínea, além de alteração eletrolíticas.  Como outras penicilinas, doses intravenosas elevadas podem provocar convulsões, sobretudo em pacientes renais nos quais não fizeram ajustes na posologia. Também já foram registradas elevação das transaminases, nefrites intertisciais e superinfecções.
  • 56. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS  SILVA, Penildon. Farmacologia. 6. ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2002.  GUYTON, A.C., HALL, J.E Tratado De Fisiologia Médica 9. Ed. Rj . Guanabara Koogan, 1997.  FARIAS, S. M. Revista Sociedade Brasileira de Pediatria: Penicilinas