SlideShare uma empresa Scribd logo
O PROCESSO OBSESSIVO
O OBSESSOR E O OBSIDIADO
OBSESSÃO E LOUCURA
De Kardec aos nossos dias, quantas edificantes realizações e
preciosos estudos em torno dos médiuns, da mediunidade, das
obsessões e das desobsessões têm sido apresentados! Este capítulo
dos problemas psíquicos — ‘a obsessão’ — tem merecido dos cristãos
novos o mais acendrado interesse. Apesar disso, avassaladoramente
vem-se mantendo em caráter epidêmico, qual morbo virulento que se
alastra por toda a Terra, hoje mais do que em qualquer época...
‘Sinal dos tempos’, a que se referem os Escritos Evangélicos,
prenuncia essa dor generalizada, a Era do Espírito Imortal. Milhões de
criaturas, no entanto, dormem o sono da indiferença, entregues aos
anestésicos do prazer e ao ópio da ilusão.
Por todos os lugares se manifestam os Espíritos advertindo,
esclarecendo, despertando...
NOS BASTIDORES DA OBSESSÃO - Exórdio
Manoel Philomeno de Miranda por Divaldo P. Franco
2
É ETERNO. Se Ele tivesse tido um começo teria saído do nada, ou teria sido
criado por um ser anterior.
É IMUTÁVEL; se estivesse sujeito a mudanças, as leis que regem o universo
não teriam nenhuma estabilidade.
É IMATERIAL, sua natureza difere de tudo o que chamamos matéria; de outro
modo não seria imutável, porque estaria sujeito às transformações da matéria.
É ÚNICO; se houvesse vários deuses, não haveria unidade de desígnios, nem
unidade de poder na ordenação do universo.
É TODO-PODEROSO, porque é único. Se não tivesse o soberano poder,
haveria alguma coisa mais ou tão poderosa quanto Ele;
É SOBERANAMENTE JUSTO E BOM. A sabedoria providencial das Leis
Divinas se revela nas menores como nas maiores coisas, e essa sabedoria não
permite duvidar de sua justiça nem de sua bondade.
Portanto, para aquele que crê em Deus, não há injustiças nem abandonos.
Todos os nossos transtornos são resultados das experiências infelizes, devido ao
estágio evolutivo em que nos encontramos, e que nos servem de aprendizado.
SOMOS OS HERDEIROS DE NÓS MESMOS.
ATRIBUTOS DA DIVINDADE
O LIVRO DOS ESPÍRITOS, Allan Kardec - Livro I capítulo I
3
CONSTRUIMOS O NOSSO PRÓPRIO DESTINO
4
O OBSESSOR
 Aquele que causa a obsessão; que importuna.
 Não é um ser diferente, que só vive de crueldades, nem um condenado sem
remissão pela Justiça Divina.
 Não é um ser estranho a nós. Pelo contrário. É alguém que privou de nossa
convivência, de nossa intimidade, por vezes com estreitos laços afetivos. É
alguém, talvez, a quem amamos outrora. (...)
 O obsessor é o irmão, a quem os sofrimentos e desenganos desequilibraram,
certamente com a nossa participação.
 O obsessor é, em última análise, um irmão enfermo e infeliz. Dominado pela
ideia fixa (monoideísmo) de vingar-se, esquece-se de tudo o mais e passa a
viver em função daquele que é o alvo de seus planos.
Os maus Espíritos são aqueles que ainda não foram tocados pelo
arrependimento; que se satisfazem no mal e disso não sentem nenhum
arrependimento, são insensíveis às censuras, recusam a prece e muitas vezes
blasfemam contra o nome de Deus. Essas são almas endurecidas que, após a morte,
se vingam nos homens dos sofrimentos que suportam, e perseguem com seu ódio
àqueles a quem detestaram durante a sua vida, pela obsessão ou por uma influência
maléfica qualquer.
OBSESSÃO, DESOBSESSÃO - Suely Caldas Schubert - cap. 13
O EVANGELHO SEGUNDO O ESPIRITISMO - Allan Kardec - cap. 28 item 75
5
O OBSIDIADO
 Importunado, atormentado, perseguido. Individuo que se crê atormentado.
 O obsidiado é o algoz de ontem e que agora se apresenta como vítima.
Ou então é o comparsa de crimes, que o cúmplice das sombras não quer
perder, tudo fazendo por cerceá-lo em sua trajetória. As provações que o
afligem representam oportunidade de reajuste, alertando-o para a
necessidade de se moralizar, porquanto, sentindo-se açulado pelo
verdugo espiritual, mais depressa se conscientizará da grandiosa tarefa a
ser realizada: transformar o ódio em amor, a vingança em perdão, e
humilhar-se, para também ser perdoado.
 O obsidiado, vinculado vigorosamente à retaguarda - assaltado, quase
sempre, pelos fantasmas do remorso inconsciente ou do medo
cristalizado, a se manifestarem como complexos de inferioridade e culpa -
conduz o fardo das dívidas para necessário reajustamento, através do
abençoado roteiro carnal.
OBSESSÃO, DESOBSESSÃO - Suely Caldas Schubert - cap. 11
NOS BASTIDORES DA OBSESSÃO, Examinando a Obsessão
Manoel P. de Miranda por Divaldo P. Franco
6
O PROCESSO OBSESSIVO
 A interferência se dá por processo análogo ao que acontece no rádio, quando
uma emissora clandestina passa a utilizar determinada frequência operada
por outra, prejudicando-lhe a transmissão. Essa interferência estará tanto
mais assegurada quanto mais forte, potente e constante ela se apresentar,
até abafar quase por completo os sons emitidos pela emissora burlada.
Quando um Espírito, bom ou mau, quer atuar sobre um indivíduo,
envolve-o, por assim dizer, no seu perispírito, como se fora um manto.
Interpenetrando-se os fluidos, os pensamentos e as vontades dos dois se
confundem e o Espírito, então, se serve do corpo do indivíduo, como se fosse
seu, fazendo-o agir à sua vontade (...). Se é perverso e malfazejo, aperta-o como
numa teia, paralisa-lhe até a vontade e mesmo o juízo, que ele abafa com o seu
fluido, como se abafa o fogo sob uma camada d’água. Fá-lo pensar, falar, agir
em seu lugar, impele-o, a seu mau grado, a atos extravagantes ou ridículos;
magnetiza-o, em suma, lança-o num estado de catalepsia moral e o indivíduo se
torna um instrumento da sua vontade.
OBSESSÃO, DESOBSESSÃO - Suely Caldas Schubert - cap. 9
OBRAS PÓSTUMAS, Allan Kardec 1ª. Parte item 56 7
“(...) não ignoramos que a obsessão se torna possível, graças à ação do
agente no campo perispiritual do paciente. A consciência de culpa do
hospedeiro desarticula o campo vibratório que o defende do exterior e,
nessa área deficiente, por sintonia fixa-se a indução perturbadora do
hóspede. A essa consciência de culpa chamaremos matriz, que facultará
o acoplamento do plugue mental do adversário. Não raro, a força de
atração da matriz é tão intensa - por necessidade de reparação moral do
endividado - que atrai o seu opositor espiritual, iniciando-se o processo
alienador. (...) Quando a culpa é de menor intensidade, o cobrador sitia a
usina mental do futuro hospedeiro, que termina por aceitar a inspiração
perniciosa, tendo início o intercâmbio telepático, que romperá o campo de
defesa, facultando a instalação da parasitose. Esta, graças à sua
intensidade, através do perispírito se alojará na mente, gerando
alucinações, pavores, insatisfação, manias, exacerbação do ânimo ou
depressão, ou se refletirá no órgão que tenha deficiência funcional, pelo
assimilar das energias destrutivas que lhe são direcionadas e absorvidas.”
Dr. José Carneiro de Campos
TRILHAS DA LIBERTAÇÃO, Ampliando os conhecimentos
Manoel P. Miranda por Divaldo P. Franco
8
O PROCESSO OBSESSIVO
TRANSTORNOS EMOCIONAIS
E O ESPIRITISMO
10
PSIQUIATRIA E ESPIRITISMO
“No encadeamento das vidas sucessivas, o Espírito herda das
experiências pretéritas as conquistas e os prejuízos morais que ressurgem
consciente ou inconscientemente nos recônditos de si mesmo. Disso
resulta que as aquisições negativas, que foram fatores do insucesso,
reaparecem em condicionamentos psíquicos deprimentes, em complexas
manifestações de narcisismo, de evasão da realidade, de catarse, de
esquizofrenia, nas suas apresentações variadas, ou repontam em
expressões de instintos agressivos, inibições, repressões,
conflitos, em que o próprio Espírito sofre as perturbações que lhe são
atinentes, transmitindo dos centros sensíveis do psicossoma à matéria as
distonias e as alienações de variada espécie, que traz do pretérito
espiritual.”
“Outras vezes, os traumas decorrem de fundas marcas
do passado próximo, removíveis com relativa facilidade,
dentro, todavia, dos quadros de débitos e créditos a que se
encontra o Espírito vinculado.” (Vianna de Carvalho)
ASPECTOS PSIQUIÁTRICOS E ESPIRITUAIS
NOS TRANSTORNOS EMOCIONAIS
Divaldo Franco - organizador: Washington Luiz N. Fernandes
11
A PERSONALIDADE HUMANA
“Personalidade é a organização dinâmica dos traços no
interior do EU, formados a partir dos genes particulares que
herdamos, das existências singulares que experimentamos e das
percepções individuais que temos do mundo, capazes de tornar cada
indivíduo único em sua maneira de ser, de sentir e de desempenhar o
seu papel social.”
“O Ser é a soma de muitas reencarnações, nas quais esteve
na condição de personalidades transitórias, cujos conteúdos foram-
lhe incorporados, formando-lhe a individualidade.”
GENÉTICA + FAMÍLIA + SOCIEDADE = formação da personalidade humana
VISÃO PSICOLÓGICA
VISÃO ESPÍRITA
AMOR, IMBATÍVEL AMOR - Joanna de Ângelis por Divaldo P. Franco
12
“Não andeis, pois, inquietos, dizendo: Que comeremos, ou que
beberemos, ou com que nos vestiremos?
Porque todas estas coisas os gentios procuram. Decerto vosso Pai
celestial bem sabe que necessitais de todas estas coisas;
Mas, buscai primeiro o reino de Deus, e a sua justiça, e todas
estas coisas vos serão acrescentadas.
Não vos inquieteis, pois, pelo dia de amanhã, porque o dia de
amanhã cuidará de si mesmo. Basta a cada dia o seu mal.”
Mateus 6: 31-34
TRANSTORNOS DE ANSIEDADE
ANTÍDOTO
13
Ansiedade é um estado emocional de apreensão, uma expectativa de
que algo ruim aconteça, acompanhado por várias reações físicas e mentais
desconfortáveis.
Os principais Transtornos de Ansiedade são:
- SÍNDROME DO PÂNICO - FOBIA ESPECÍFICA
- FOBIA SOCIAL - ESTRESSE PÓS-TRAUMÁTICO
- TRANSTORNO OBSESSIVO-COMPULSIVO
- DISTÚRBIO DE ANSIEDADE GENERALIZADA
http://www.psicoterapia.psc.br
ALGUNS SINTOMAS:
- dor no peito ou desconforto - tontura ou desmaio
- sensação de engasgar - suor, calafrios ou ondas de calor
- sensação de falta de ar - palpitações
- sequidão da boca
- medo de perder o autocontrole e de morrer
- náuseas ou mal-estar estomacal - sentir-se fora da realidade
- dormência ou formigamento nas mãos, nos pés ou no rosto
14
TRANSTORNOS DE ANSIEDADE
NEUROSE
Os expressivos e alarmantes índices da neurose na Terra funcionam como
um veemente apelo ao nosso discernimento, ao exame das causas e suas
consequências, com maior vigor do que até o momento tem merecido de cada
um de nós.
Sociólogos conjeturam; psicólogos interrogam; teólogos meditam;
psiquiatras, psicanalistas tentam penetrar-lhe as causas e, não obstante a
metodologia de que se servem para a segura diagnose e o eficaz tratamento,
a onda neurótica, vencendo incautos e desavisados, cada vez mais se
apresenta referta, avassalante e dominadora. (Carneiro de Campos)
ASPECTOS PSIQUIÁTRICOS E ESPIRITUAIS NOS TRANSTORNOS EMOCIONAIS
Divaldo Franco - organizador: Washington Luiz N. Fernandes
Neurose é uma doença emocional, afetiva e da personalidade.
Não é sinônimo de loucura, assim como também, não compromete a
inteligência, nem o contato com a realidade.
(http://www.psiqweb.med.br)
15
NEUROSE = ansiedade, fobias, T.O.C., depressão (distimia).
O NEURÓTICO
O neurótico é, antes, um Espírito em inadiável processo purificador,
reencarnado para compensar ou recambiado à reencarnação por
necessidade premente de esquecer delitos e logo repará-los.
A sua psicosfera impõe, nos implementos orgânicos, distonias e
desarmonias que se refletirão mais tarde em forma de alienação, como
decorrência do seu estado interior, como Espírito desajustado.
O neurótico é alguém rebelado contra si mesmo, insatisfeito no
inconsciente e contra os outros, revoltado. (Carneiro de Campos)
ASPECTOS PSIQUIÁTRICOS E ESPIRITUAIS NOS TRANSTORNOS EMOCIONAIS
Divaldo Franco - organizador: Washington Luiz N. Fernandes
O neurótico tem plena consciência do seu problema e, muitas vezes,
sente-se impotente para modificá-lo.
Seus sentimentos também são normais; eles amam, sentem alegria,
tristeza, raiva, etc., como qualquer pessoa.
(http://www.psiqweb.med.br)
O neurótico é uma pessoa com depressão ou ansiedade, falta de
emoções, pouca autoconfiança, e/ou instabilidade emocional.
16
CID 10 - CLASSIFICAÇÃO INTERNACIONAL DE DOENÇAS
F32 Episódios depressivos
Nos episódios típicos de cada um dos três graus de depressão: leve,
moderado ou grave, o paciente apresenta:
 um rebaixamento do humor,
 redução da energia e diminuição da atividade,
 alteração da capacidade de experimentar o prazer,
 perda de interesse, de apetite, de peso, da libido,
 diminuição da capacidade de concentração, associadas em geral à fadiga
importante, mesmo após um esforço mínimo,
 observam-se em geral problemas do sono e diminuição do apetite.
 existe quase sempre uma diminuição da autoestima e da autoconfiança e
frequentemente ideias de culpabilidade e ou de indignidade, mesmo nas
formas leves.
 pode se acompanhar de sintomas ditos “somáticos”, por exemplo perda de
interesse ou prazer, despertar matinal precoce, várias horas antes da hora
habitual de despertar, agravamento matinal da depressão, lentidão psicomotora
importante, agitação. (http://www.psiqweb.med.br)
A DEPRESSÃO NA CIÊNCIA
A Classificação Internacional de Doenças é publicada pela Organização Mundial de Saúde (OMS) e visa
padronizar a codificação de doenças e outros problemas relacionados à saúde.
17
MELANCOLIA = “Desde a Grécia antiga, a encontramos a partir de
Hipócrates. Galeno, médico grego do século II dizia ser um distúrbio
procedente daquilo que considerava os fatores que desencadeavam
determinados transtornos do indivíduo como a bílis negra, a bílis amarela, o
sangue (as sangrias).”
“A palavra DEPRESSÃO surge no final do século XVII, início do século
XVIII na literatura inglesa. A tristeza, como um fato de introspecção, nem
sempre é melancólica. A melancolia tem raízes mais profundas e quando
torna-se demorada passa a ser patológica. Todos nós temos momentos de
tristeza, de melancolia, que podem durar alguns dias.”
“A tristeza seria a 1ª. Fase do desencanto; a melancolia é uma tristeza
profunda e a depressão é a denominação moderna do Transtorno da
melancolia.”
A MELANCOLIA E A DEPRESSÃO
- Transtorno do Humor -
PROGRAMA TRANSIÇÃO 08
Divaldo P. Franco
18
Um estudo apresentado durante o recente Encontro Anual da Associação
Americana de Psiquiatria reforçou uma certeza já corroborada por outros
levantamentos feitos nas últimas décadas: a de que existe, sim, um componente
genético na ocorrência da depressão. O trabalho foi conduzido por
pesquisadores da Universidade Stanford, nos Estados Unidos, em conjunto com
a área de neurociências de uma indústria farmacêutica fabricante de
antidepressivos, e avaliou, ao longo de 23 anos, um grupo de 424 pais
deprimidos e 143 filhos destes, comparando-o com igual número de pais sem
depressão (grupo controle) e seus 197 filhos.
Os resultados mostraram que os filhos adultos de pais que iniciaram
tratamento para depressão apresentam maior probabilidade de manifestar
sintomas depressivos, se comparados aos filhos adultos dos pais do grupo
controle, especialmente se o pai teve um histórico grave da doença. Eles
também demonstraram ter mais dores e limitação para atividades comuns,
devido a problemas físicos ou emocionais. Mais de 70% dos adultos com pais
depressivos relataram que alguém na família sofre de depressão - enquanto
apenas 45% informou o mesmo no grupo controle.
A DEPRESSÃO E A HEREDITARIEDADE
Por Stella Galvão - revista Viva Saúde 030-set/06 - http://revistavivasaude.uol.com.br
19
- Estima-se que entre 15 à 25% da população mundial sofre de algum dos
transtornos emocionais, tais como a depressão crônica, o distúrbio afetivo
bipolar ou o transtorno obsessivo compulsivo, bem como a síndrome do pânico.
O que o Espiritismo nos diz à respeito?
“Do ponto de vista espírita, todos esses fenômenos são do Espírito. Doente
é o Espírito. Segundo a Organização Mundial da Saúde, não há doenças, mas
doentes. Quando o indivíduo tem débitos perante a Consciência Cósmica,
quando ele é um enfermo espiritualmente, passa a ter condições de captar
essas ondas de perturbação, de desajustes, esses conflitos que vêm como
arquétipos ancestrais das suas aflições. Dessa maneira, a melancolia e a
depressão, os distúrbios do pânico e outros muito graves, estão ínsitos no
Espírito devedor.”
PROGRAMA TRANSIÇÃO 08 com Divaldo P. Franco
20
A DEPRESSÃO E O ESPIRITISMO
“Hoje, o medo, a ansiedade, a solidão passaram a serem também
responsáveis por graves transtornos, como fruto de uma vida estressante,
onde o tempo passa a ser exíguo.”
“O Espiritismo vem nos apresentar uma outra causa para esses
fenômenos perturbadores que é a Lei de Causa e Efeito, a reencarnação.
Nessa lei, mesmo nos transtornos clássicos academicamente considerados,
o Espiritismo coloca mais uma síndrome, que é a da obsessão, a
interferência de Espíritos perversos em nossas vidas.”
PROGRAMA TRANSIÇÃO 08 com Divaldo P. Franco
21
A DEPRESSÃO E O ESPIRITISMO
Entre 18 países, o Brasil é o que tem maior incidência de depressão, diz um
estudo da Organização Mundial de Saúde.
Os países foram divididos em dois grupos:
 alta renda: Bélgica, França, Alemanha, Israel, Itália, Japão, Holanda, Nova Zelândia,
Espanha e Estados Unidos
 baixa e média renda: Brasil – com dados exclusivamente de São Paulo –, Colômbia, Índia,
China, Líbano, México, África do Sul e Ucrânia. (Revista Exame-28.07.2011)
No Brasil, foram registrados quase 10 mil casos de depressão – 9.852 – em 2011
(dados Datasus). Calcula-se que mais pessoas tenha morrido assim, pois nem todos
os suicídios são notificados. Estudos mostram que 90% dos casos estão relacionados
a “estados depressivos”. (www.50emais.com.br)
A DEPRESSÃO NO BRASIL E NO MUNDO
Outubro de 2012 - “DEPRESSÃO: Uma Crise Global”, foi o tema escolhido em
2012 para a celebração da Jornada Mundial de Saúde Mental e para assinalar o 20°-
Ano da comemoração do Dia Mundial da Saúde Mental.
O Representante da OMS, Dr. Barrysson Andriamahefazafy referiu-se à
amplitude desta crise que afeta atualmente mais de 350 milhões de pessoas no
mundo. Uma em cada vinte pessoas sofrem de depressão; esta doença constituía a
terceira causa de morbilidade em 2004, devendo evoluir para a primeira causa daqui
a 2030.
22
SÍNDROME DO PÂNICO
“É a Consciência de culpa, alguém que se refugia, um Espírito
endividado que se refugia no corpo para fugir de determinados problemas,
praticados em vida anterior.”
PROGRAMA TRANSIÇÃO 08 com Divaldo P. Franco
É um tipo de transtorno de ansiedade no qual ocorrem ataques repetidos
de medo de que algo ruim aconteça de forma inesperada. Em geral, ocorre
sem que haja nenhum histórico familiar. No entanto, pesquisas indicam que, se
um gêmeo idêntico tem a síndrome do pânico, o outro também desenvolverá o
problema em 40% das vezes. É duas vezes mais comum em mulheres do que
em homens. Os ataques de pânico se parecem com ataques cardíacos.
Devem ser considerados os distúrbios relacionados ao abuso de drogas, pois
os sintomas podem ser iguais aos de ataque de pânico.
Inicia-se de repente e, na maioria das vezes, atinge seu ápice dentro de 10
até 20 minutos.
http://www.minhavida.com.br
O ESTRESSE É UM DOS FATORES DESENCADEADORES DO PÂNICO
23
Há, entretanto, síndromes de distúrbio de pânico (...) que têm um
componente paranormal, como decorrência de ações espirituais em
processos lamentáveis de obsessão.
Agindo psiquicamente sobre a mente da vítima, o ser espiritual
estabelece um intercâmbio parasitário, transmitindo-lhe telepaticamente
clichês de aterradoras imagens que vão se fixando, até se tornarem cenas
vivas, ameaçadoras, encontrando ressonância no inconsciente profundo,
onde estão armazenadas as experiências reencarnatórias, que
desencadeadas emergem, produzindo confusão mental até o momento em
que o pânico irrompe incontrolável, generalizado.
AUTODESCOBRIMENTO: Uma busca interior - Joanna de Ângelis por Divaldo Franco
24
SÍNDROME DO PÂNICO
FOBIAS = Medos irracionais
“Dos quadros fóbicos podemos encontrar Espíritos que
conduzem, no íntimo, pavores que sobreviveram ao fenômeno
biológico da reencarnação, cicatrizes do mundo espiritual inferior por
onde transitaram.”
VIDA - DESAFIOS E SOLUÇÕES - Joanna de Ângelis por Divaldo P. Franco
25
As fobias estão associadas espiritualmente a condutas incorretas
anteriormente vivenciadas, quando se permitiram os indivíduos abusos e
crueldades, ou sofreram sepultamento em vida, considerados mortos e
estando apenas em estado cataléptico, despertando depois e vindo a falecer
em situação deplorável, desenvolvendo a claustrofobia, ou foram vítimas de
crueldades em praças e ambientes abertos, diante da massa alucinada,
desencadeando agorafobia e fobia social, etc.
TRIUNFO PESSOAL - Joanna de Ângelis por Divaldo P. Franco
26
Claustrofobia Agorafobia
FOBIAS = Medos irracionais
A LOUCURA
UM BREVE HISTÓRICO
Na Renascença, os loucos eram banidos dos muros das cidades
europeias. Eram condenados a andar de cidade em cidade ou colocados em
navios chegando, ocasionalmente a algum porto.
Na Idade Média, eles são confinados em grandes asilos e hospitais
destinados a toda sorte de indesejáveis – inválidos, portadores de doenças
venéreas, mendigos e libertinos. Nessas instituições, os mais violentos eram
acorrentados e outros tinham a permissão para sair e mendigar.
27
UM BREVE HISTÓRICO
No século XVIII, Philippe Pinel (1745-1826), considerado o pai da
psiquiatria, propõe uma nova forma de tratamento aos loucos, libertando-os
das correntes e transferindo-os aos manicômios, destinados somente aos
doentes mentais. Para Pinel, a função disciplinadora do médico e do
manicômio deve ser exercida com firmeza, porém com gentileza. Isso denota o
caráter essencialmente moral com o qual a loucura passa a ser revestida.
Porém, no século XIX, o tratamento ao doente mental incluía medidas
físicas como banhos frios, chicoteadas, máquinas giratórias, trepanação e
sangrias.
28
A LOUCURA
Philippe Pinel liberta os “loucos” das correntes...
29
UM BREVE HISTÓRICO
A partir da segunda metade do século XX, Franco Basaglia (1924-1980),
psiquiatra italiano, inicia uma radical crítica sobre as instituições psiquiátricas
e os seus tratamentos. Esse movimento inicia-se na Itália, mas tem
repercussões em todo o mundo. Nasce, então, um movimento marcado pela
ideia de defesa dos direitos humanos e de resgate da cidadania dos que
carregam transtornos mentais.
Franco Basaglia e a luta contra os maus-tratos aos enfermos
30
A LOUCURA
NO BRASIL
No Brasil, tal movimento inicia-se no final da década de 70 com a
mobilização dos profissionais da saúde mental e dos familiares de pacientes
com transtornos mentais.
A partir de 1990, é proposto ao Brasil a reestruturação da assistência
psiquiátrica, e, em 2001, é aprovada a Lei Federal 10.216 que dispõe sobre
a proteção e os direitos das pessoas portadoras de transtornos mentais e
redireciona o modelo assistencial em saúde mental.
Dessa lei origina-se a Política de Saúde Mental que, basicamente, visa
garantir o cuidado ao paciente com transtorno mental em serviços
substitutivos aos hospitais psiquiátricos, superando assim a lógica das
internações de longa permanência que tratam o paciente isolando-o do
convívio com a família e com a sociedade como um todo.
Antes, destituídos da própria identidade, privados de seus direitos mais
básicos de liberdade e sem a chance de possuir qualquer objeto pessoal (os
poucos que possuíam tinham que ser carregados junto ao próprio corpo),
esses sobreviventes agora vivem nós como transeuntes no cenário urbano,
vizinhos, trabalhadores e também turistas, estudantes e artistas compondo
novas histórias no mundo.
http://www.ccms.saude.gov.br
31
A LOUCURA
O homem não pode ser examinado parcialmente, como um conjunto de
ossos, nervos e sangue, tampouco na acepção tradicional dualista, de alma e
corpo, mas, sob o aspecto pleno e total de Espírito, perispírito e matéria.
É o perispírito o órgão intermediário pelo qual experimenta a influência
dos demais Espíritos que pululam em sua volta, aguardando o momento
próprio para o intercâmbio em que se comprazem.
Quando esses Espíritos são maus encontram guarida que as dívidas
morais agasalham na futura vítima, aí nascem as obsessões, a princípio
sutis, quase despercebidas, para, logo depois, se agigantarem, assumindo a
gravidade das subjugações lamentáveis e, às vezes, irreversíveis...
Mesmo nos casos em que reconhecemos a presença da loucura nos seus
moldes clássicos, deparamo-nos sempre com um Espírito, em si mesmo
doente, que plasmou um organismo próprio para redimir-se, corrigindo
antigas viciações e crimes que, ocultos ou conhecidos, lhe pesam na
economia moral, exigindo liberação.
(Manoel Philomeno de Miranda)
ASPECTOS PSIQUIÁTRICOS E ESPIRITUAIS NOS TRANSTORNOS EMOCIONAIS
Divaldo Franco - organizador: Washington Luiz N. Fernandes
32
A LOUCURA
(...) A verdade é que há casos bem verificados de perturbação mental sem
lesão orgânica do cérebro, o que diz bem positivamente que a loucura não
depende essencialmente do estado mórbido do cérebro.
(...) Não é, pois, duvidoso, para quem sabe refletir, que o cérebro não é mais
do que um instrumento material, a serviço da alma, para pô-la em relação com o
mundo material. E, tanto é assim, que temos um mundo de pensamentos sem
objetivo fora de nós, isto é, no mundo material, de que o cérebro pode receber
as impressões.
Assim, portanto, as faculdades são da alma e o meio material de pô-las em
relação com o mundo material é que pertence ao cérebro e suas dependências.
Quem exerce as funções da vida de relação, quem pensa, raciocina, guarda a
memória dos sucessos, sente, delibera, vê, ouve, sente o cheiro, o gosto, e tem
as impressões de tato, é a alma.
A LOUCURA SOB NOVO PRISMA - Bezerra de Menezes - capítulo III
33
A LOUCURA
371 - A opinião de que os deficientes mentais teriam uma alma inferior tem
fundamento?
– Não. Eles têm uma alma humana, muitas vezes mais inteligente do
que pensais, que sofre da insuficiência dos meios que tem para se manifestar,
assim como o mudo sofre por não poder falar.
372 - Qual o objetivo da Providência ao criar seres infelizes como os loucos e
os deficientes mentais?
– São Espíritos em punição que habitam corpos deficientes. Esses
Espíritos sofrem com o constrangimento que experimentam e com a dificuldade
que têm de se manifestarem por meio de órgãos não desenvolvidos ou
desarranjados.
372a - É exato dizer que os órgãos não têm influência sobre as faculdades?
– Nunca dissemos que os órgãos não têm influência. Têm uma
influência muito grande sobre a manifestação das faculdades; porém, não as
produzem; eis a diferença. Um bom músico com um instrumento ruim não fará
boa música, mas isso não o impedirá de ser um bom músico.
O LIVRO DOS ESPÍRITOS - Allan Kardec - Livro II - capítulo VII
34
A LOUCURA
375 - Qual é a situação do Espírito na loucura?
– O Espírito, no estado de liberdade, recebe diretamente suas
impressões e exerce diretamente sua ação sobre a matéria. Porém, encarnado,
se encontra em condições bem diferentes e na obrigatoriedade de só fazer isso
com a ajuda de órgãos especiais. Se uma parte ou o conjunto desses órgãos for
alterado, sua ação ou suas impressões, no que diz respeito a esses órgãos, são
interrompidas. Se ele perde os olhos, torna-se cego; se perde o ouvido, torna-se
surdo, etc. Imagina agora que o órgão que dirige os efeitos da inteligência e da
vontade, o cérebro, seja parcial ou inteiramente danificado ou modificado e
ficará fácil compreender que o Espírito, podendo dispor apenas de órgãos
incompletos ou deturpados, deverá sentir uma perturbação da qual, por si
mesmo e em seu íntimo, tem perfeita consciência, mas não é senhor para deter-
lhe o curso, não tem como alterar essa condição.
O LIVRO DOS ESPÍRITOS - Allan Kardec - Livro II - capítulo VII
375a - (...) Pode acontecer que, depois de um período longo, quando a loucura
durou muito tempo, a repetição dos mesmos atos acabe por ter sobre o Espírito
uma influência da qual somente se livra quando estiver completamente
desligado de todas as impressões materiais.
35
A LOUCURA
(...) deve-se incluir na psicogênese (*) do transtorno esquizofrênico, a
consciência de culpa das ações vivenciadas em existências anteriores, quando a
delinquência assinalou o desenvolvimento do Self (*), hedonista (*) e explorador,
que somente utilizou dos amigos e conhecidos para os explorar, traindo-lhes a
confiança ou covardemente destruindo-lhes o corpo em horrorosos crimes que
não foram justiçados, porque passaram desconhecidos ou as circunstâncias
legais não os alcançaram. Não havendo sido liberados pela reparação mediante
os cometimentos impostos pela Lei vigilante, insculpiram nas delicadas
tecelagens vibratórias do corpo perispiritual a responsabilidade infeliz, que ora
ressurge como cobrança, necessidade de reparação, impositivo de reequilíbrio,
de recomposição social, familial, humana. (Joanna de Ângelis – Esquizofrenia)
ASPECTOS PSIQUIÁTRICOS E ESPIRITUAIS NOS TRANSTORNOS EMOCIONAIS
Divaldo Franco - organizador: Washington Luiz N. Fernandes
(*)
PSICOGÊNESE: origem e desenvolvimento dos processos mentais ou
psicológicos da mente ou da personalidade.
SELF: aquilo que define a pessoa na sua individualidade e subjetividade, isto
é, a sua essência.
HEDONISTA: indivíduo que prioriza o prazer como objetivo de vida.
36
A LOUCURA
MAL DE ALZHEIMER
A doença de Alzheimer é a mais frequente forma de demência entre idosos.
É caracterizada por um progressivo e irreversível declínio em certas funções
intelectuais: memória, orientação no tempo e no espaço, pensamento abstrato,
aprendizado, incapacidade de realizar cálculos simples, distúrbios da
linguagem, da comunicação e da capacidade de realizar as tarefas cotidianas.
(http://www.alzheimermed.com.br)
Estudos desenvolvidos pela Associação Médico-Espírita do Brasil, em que
destacamos a atuação da Dra. Alessandra Granero, médica geriatra, e do Dr.
Décio Iandoli Júnior, renomado professor e autor de obras espíritas, têm
levantado algumas hipóteses de causas espirituais, baseados em estudos
sistemáticos de obras espíritas, como as obras de André Luiz. Estes estudiosos
têm citado a rigidez de caráter (inflexibilidade), a culpa, os processos
obsessivos graves, a depressão e os sentimentos doentios, tais como ódio e
mágoa (sobretudo quando mantidos a médio e longo prazo), como causas
espirituais para a ocorrência do mal de Alzheimer.
(http://www.oconsolador.com.br)
37
É uma enfermidade degenerativa do cérebro, cujas células, os neurônios, se
deterioram de forma lenta e progressiva, provocando uma atrofia do cérebro.
(http://reinaldocantanhede.blogspot.com.br)
A INFÂNCIA
Os pais e familiares, igualmente, não são sucessos fortuitos, obedecendo
ao acaso, mas Espíritos com os quais se identifica o reencarnante, e em cujo
programa de provações se encontram todos em cursos por ocorrências
transatas.
Pais afetuosos, irmãos gentis, ou genitores perversos, indiferentes,
agressivos, assim como família desajustada, que estabelecem os
mecanismos próprios para o processo de crescimento moral e intelectual da
criatura humana, provém do pretérito. (Joanna de Ângelis)
Os transtornos de personalidade são resultantes de estruturação anômala
da personalidade desde a infância.
O Transtorno Obsessivo-Compulsivo (TOC) tem como causas os
transtornos da afetividade também na infância como a insegurança, uma mãe
castradora, uma supermãe, um pai negligente, que geram no indivíduo
aquele tormento da repetição. Poderá ter também, uma origem anterior,
porque todos os nossos padecimentos atuais têm uma causa anterior, ou
seja, de uma existência precedente.
ASPECTOS PSIQUIÁTRICOS E ESPIRITUAIS NOS TRANSTORNOS EMOCIONAIS
Divaldo Franco - organizador: Washington Luiz N. Fernandes
PROGRAMA TRANSIÇÃO 08 - Divaldo P. Franco
38
BOI, BOI, BOI, BOI DA CARA PRETA
PEGA ESTA CRIANÇA QUE TEM MEDO DE CARETA...
ATIREI O PAU NO GATO, MAS O GATO NÃO MORREU
DONA CHICA ADMIROU-SE, DO BERRO, DO BERRO QUE O GATO DEU!
SE EU FOSSE UM PEIXINHO E SOUBESSE NADAR
EU TIRAVA O “FULANO” LÁ DO FUNDO DO MAR...
A CANOA VIROU POIS DEIXARAM ELA VIRAR
FOI POR CAUSA DO “FULANO” QUE NÃO SOUBE REMAR...
O CRAVO BRIGOU COM A ROSA, DEBAIXO DE UMA SACADA,
O CRAVO SAIU FERIDO E A ROSA DESPEDAÇADA...
As músicas “infantis” com conteúdos perturbadores:
39
A INFÂNCIA
O ATENDENTE FRATERNO NA CASA ESPÍRITA
É muito importante para o Atendimento Fraterno que o
atendente conheça algumas noções básicas (ainda que bem
simples) acerca dos problemas de personalidade, a fim de
evitar-se o equívoco, diante de certos casos, considerados
como processos obsessivos quando, na realidade, expressam
conflitos, desajustes, traumas, transtornos psíquicos, enfim,
que têm como origem o próprio indivíduo, que é um Espírito
enfermo, digamos assim.
(Suely Caldas Schubert)
ATENDIMENTO FRATERNO - Projeto Manoel Philomeno de Miranda
40
“A função do Espiritismo não é a de curar corpos. É a de
erradicar os males que se encontram enraizados na alma e
que se manifestam através dos problemas orgânicos.
O Espiritismo não veio substituir a ciência. Veio
completá-la. Se em algum lugar médiuns ou instituições
recomendar o abandono da terapia médica, abandone esse
lugar que deu essa proposta.”
PROGRAMA TRANSIÇÃO 08 com Divaldo P. Franco
41
PESQUISA
• Evangelho Segundo Mateus
• O Livro dos Espíritos, Allan Kardec
• Obras Póstumas, Allan Kardec
• O Céu e o Inferno, Allan Kardec
• O Evangelho Segundo o Espiritismo, Allan Kardec
• Amor, Imbatível Amor, Joanna de Ângelis por Divaldo P. Franco
• Autodescobrimento, Joanna de Ângelis por Divaldo P. Franco
• Vida, Desafios e Soluções, Joanna de Ângelis por Divaldo P. Franco
• Nos Bastidores da Obsessão, Manoel Philomeno de Miranda por Divaldo P. Franco
• Trilhas da Libertação, Manoel Philomeno de Miranda por Divaldo P. Franco
• Triunfo Pessoal, Joanna de Ângelis por Divaldo P. Franco
• Aspectos Psiquiátricos e Espirituais nos Transtornos Emocionais, Divaldo Franco
• Atendimento Fraterno - Projeto Manoel Philomeno de Miranda
• A Loucura Sob Novo Prisma, Bezerra de Menezes (Max)
• Obsessão, Desobsessão, Suely Caldas Schubert elaboração: Júlio César Evadro

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

2.8.2 Visitas espiritas entre pessoas vivas
2.8.2   Visitas espiritas entre pessoas vivas2.8.2   Visitas espiritas entre pessoas vivas
2.8.2 Visitas espiritas entre pessoas vivas
Marta Gomes
 
Obsessão e desobsessão
Obsessão e desobsessãoObsessão e desobsessão
Obsessão e desobsessão
KATIA MARIA FARAH V DA SILVA
 
Aula o perispirito
Aula o perispiritoAula o perispirito
Aula o perispirito
duadv
 
Sintonia e vibração
Sintonia e vibraçãoSintonia e vibração
Sintonia e vibração
Louis Oliver
 
INFLUENCIA DOS ESPIRITOS EM NOSSAS VIDAS
INFLUENCIA DOS ESPIRITOS EM NOSSAS VIDASINFLUENCIA DOS ESPIRITOS EM NOSSAS VIDAS
INFLUENCIA DOS ESPIRITOS EM NOSSAS VIDAS
Rodrigo Leite
 
O processo obsessivo
O processo obsessivoO processo obsessivo
O processo obsessivo
Sandro Monteiro
 
6ª aula manifestaçoes visuais - coem
6ª aula   manifestaçoes visuais - coem6ª aula   manifestaçoes visuais - coem
6ª aula manifestaçoes visuais - coem
Wagner Quadros
 
A vida no mundo espiritual
A vida no mundo espiritualA vida no mundo espiritual
A vida no mundo espiritual
Graça Maciel
 
Quarto Módulo - 5ª aula - Psicografia
Quarto Módulo - 5ª aula - PsicografiaQuarto Módulo - 5ª aula - Psicografia
Quarto Módulo - 5ª aula - Psicografia
CeiClarencio
 
3ª aula da natureza das comunicações - coem
3ª aula   da natureza das comunicações - coem3ª aula   da natureza das comunicações - coem
3ª aula da natureza das comunicações - coem
Wagner Quadros
 
Ondas e Percepções
Ondas e PercepçõesOndas e Percepções
Ondas e Percepções
hamletcrs
 
Mediunidade aula 08 - efeitos inteligentes 1
Mediunidade   aula 08 - efeitos inteligentes 1Mediunidade   aula 08 - efeitos inteligentes 1
Mediunidade aula 08 - efeitos inteligentes 1
Augusto Luvisotto
 
DOLOROSO REMÉDIO (O MAL E O REMÉDIO)
DOLOROSO REMÉDIO (O MAL E O REMÉDIO)DOLOROSO REMÉDIO (O MAL E O REMÉDIO)
DOLOROSO REMÉDIO (O MAL E O REMÉDIO)
Jorge Luiz dos Santos
 
2.9.2 Possessos - Convulsionários
2.9.2   Possessos - Convulsionários2.9.2   Possessos - Convulsionários
2.9.2 Possessos - Convulsionários
Marta Gomes
 
Comunicabilidade dos Espíritos
Comunicabilidade dos EspíritosComunicabilidade dos Espíritos
Comunicabilidade dos Espíritos
igmateus
 
Princípios Básicos do Espiritismo
Princípios Básicos do EspiritismoPrincípios Básicos do Espiritismo
Princípios Básicos do Espiritismo
paikachambi
 
Palestra 29 o homem de bem
Palestra 29 o homem de bemPalestra 29 o homem de bem
Palestra 29 o homem de bem
Jose Ferreira Almeida Almeida
 
Trabalhador espírita
Trabalhador espíritaTrabalhador espírita
Trabalhador espírita
Norberto Tomasini Jr
 
Mecanismo das comunicações - Afinidade - Sintonia
Mecanismo das comunicações - Afinidade  - SintoniaMecanismo das comunicações - Afinidade  - Sintonia
Mecanismo das comunicações - Afinidade - Sintonia
jcevadro
 
Obsessão e influenciação espiritual
Obsessão e influenciação espiritualObsessão e influenciação espiritual
Obsessão e influenciação espiritual
grupodepaisceb
 

Mais procurados (20)

2.8.2 Visitas espiritas entre pessoas vivas
2.8.2   Visitas espiritas entre pessoas vivas2.8.2   Visitas espiritas entre pessoas vivas
2.8.2 Visitas espiritas entre pessoas vivas
 
Obsessão e desobsessão
Obsessão e desobsessãoObsessão e desobsessão
Obsessão e desobsessão
 
Aula o perispirito
Aula o perispiritoAula o perispirito
Aula o perispirito
 
Sintonia e vibração
Sintonia e vibraçãoSintonia e vibração
Sintonia e vibração
 
INFLUENCIA DOS ESPIRITOS EM NOSSAS VIDAS
INFLUENCIA DOS ESPIRITOS EM NOSSAS VIDASINFLUENCIA DOS ESPIRITOS EM NOSSAS VIDAS
INFLUENCIA DOS ESPIRITOS EM NOSSAS VIDAS
 
O processo obsessivo
O processo obsessivoO processo obsessivo
O processo obsessivo
 
6ª aula manifestaçoes visuais - coem
6ª aula   manifestaçoes visuais - coem6ª aula   manifestaçoes visuais - coem
6ª aula manifestaçoes visuais - coem
 
A vida no mundo espiritual
A vida no mundo espiritualA vida no mundo espiritual
A vida no mundo espiritual
 
Quarto Módulo - 5ª aula - Psicografia
Quarto Módulo - 5ª aula - PsicografiaQuarto Módulo - 5ª aula - Psicografia
Quarto Módulo - 5ª aula - Psicografia
 
3ª aula da natureza das comunicações - coem
3ª aula   da natureza das comunicações - coem3ª aula   da natureza das comunicações - coem
3ª aula da natureza das comunicações - coem
 
Ondas e Percepções
Ondas e PercepçõesOndas e Percepções
Ondas e Percepções
 
Mediunidade aula 08 - efeitos inteligentes 1
Mediunidade   aula 08 - efeitos inteligentes 1Mediunidade   aula 08 - efeitos inteligentes 1
Mediunidade aula 08 - efeitos inteligentes 1
 
DOLOROSO REMÉDIO (O MAL E O REMÉDIO)
DOLOROSO REMÉDIO (O MAL E O REMÉDIO)DOLOROSO REMÉDIO (O MAL E O REMÉDIO)
DOLOROSO REMÉDIO (O MAL E O REMÉDIO)
 
2.9.2 Possessos - Convulsionários
2.9.2   Possessos - Convulsionários2.9.2   Possessos - Convulsionários
2.9.2 Possessos - Convulsionários
 
Comunicabilidade dos Espíritos
Comunicabilidade dos EspíritosComunicabilidade dos Espíritos
Comunicabilidade dos Espíritos
 
Princípios Básicos do Espiritismo
Princípios Básicos do EspiritismoPrincípios Básicos do Espiritismo
Princípios Básicos do Espiritismo
 
Palestra 29 o homem de bem
Palestra 29 o homem de bemPalestra 29 o homem de bem
Palestra 29 o homem de bem
 
Trabalhador espírita
Trabalhador espíritaTrabalhador espírita
Trabalhador espírita
 
Mecanismo das comunicações - Afinidade - Sintonia
Mecanismo das comunicações - Afinidade  - SintoniaMecanismo das comunicações - Afinidade  - Sintonia
Mecanismo das comunicações - Afinidade - Sintonia
 
Obsessão e influenciação espiritual
Obsessão e influenciação espiritualObsessão e influenciação espiritual
Obsessão e influenciação espiritual
 

Semelhante a O processo obsessivo - obsessor e obsidiado - obsessão e loucura

Apostila 07 doc
Apostila 07 docApostila 07 doc
Legião -_um_olhar_sobre_o_reino_das_sombras
Legião  -_um_olhar_sobre_o_reino_das_sombrasLegião  -_um_olhar_sobre_o_reino_das_sombras
Legião -_um_olhar_sobre_o_reino_das_sombras
havatar
 
Legiao um-olhar-sobre-o-reino-das-sombras
Legiao um-olhar-sobre-o-reino-das-sombrasLegiao um-olhar-sobre-o-reino-das-sombras
Legiao um-olhar-sobre-o-reino-das-sombras
guestae3c203
 
Apostila obsessão lar rubataiana -doc - 07 doc
Apostila obsessão   lar rubataiana -doc - 07 docApostila obsessão   lar rubataiana -doc - 07 doc
Apostila obsessão lar rubataiana -doc - 07 doc
Instituto de Psicobiofísica Rama Schain
 
Apostila obsessão lar rubataiana -2009 .doc - 07 doc
Apostila obsessão   lar rubataiana -2009 .doc - 07 docApostila obsessão   lar rubataiana -2009 .doc - 07 doc
Apostila obsessão lar rubataiana -2009 .doc - 07 doc
Instituto de Psicobiofísica Rama Schain
 
Apostila obsessão lar rubataiana -doc - 07 doc
Apostila obsessão   lar rubataiana -doc - 07 docApostila obsessão   lar rubataiana -doc - 07 doc
Apostila obsessão lar rubataiana -doc - 07 doc
Instituto de Psicobiofísica Rama Schain
 
Inimigos desencarnados obsessao mal da humanidade
Inimigos desencarnados obsessao mal da humanidadeInimigos desencarnados obsessao mal da humanidade
Inimigos desencarnados obsessao mal da humanidade
Claudio Macedo
 
Mediunidade o que é isso apostila 027
Mediunidade o que é isso   apostila 027Mediunidade o que é isso   apostila 027
Mediunidade o que é isso apostila 027
Instituto de Psicobiofísica Rama Schain
 
Mediunidade o que é isso apostila 041
Mediunidade o que é isso   apostila 041Mediunidade o que é isso   apostila 041
Mediunidade o que é isso apostila 041
Instituto de Psicobiofísica Rama Schain
 
Mediunidade o que é isso apostila 034
Mediunidade o que é isso   apostila 034Mediunidade o que é isso   apostila 034
Mediunidade o que é isso apostila 034
Instituto de Psicobiofísica Rama Schain
 
Nos domínios da mediunidade Cap. 6 Psicofonia consciente
Nos domínios da mediunidade   Cap. 6 Psicofonia conscienteNos domínios da mediunidade   Cap. 6 Psicofonia consciente
Nos domínios da mediunidade Cap. 6 Psicofonia consciente
Patricia Farias
 
Boletim 85
Boletim 85Boletim 85
Boletim 85
CEJG
 
Nos domínios da mediunidade aula15
Nos domínios da mediunidade aula15Nos domínios da mediunidade aula15
Nos domínios da mediunidade aula15
Leonardo Pereira
 
Regressão terapêutica espirita
Regressão terapêutica espiritaRegressão terapêutica espirita
Regressão terapêutica espirita
Anselmo Heib
 
Providencia divina
Providencia divinaProvidencia divina
Providencia divina
Alice Lirio
 
Obsessao _Divida agravada
Obsessao _Divida agravada Obsessao _Divida agravada
Obsessao _Divida agravada
Claudio Macedo
 
Conquiste o inimigo venca a obsessao
Conquiste o inimigo   venca a obsessaoConquiste o inimigo   venca a obsessao
Conquiste o inimigo venca a obsessao
Henrique Vieira
 
A cura de uma mulher encurvada
A cura de uma mulher encurvadaA cura de uma mulher encurvada
A cura de uma mulher encurvada
Eduardo Henrique Marçal
 
Anjos Guardioes Protetores - Livro dos Espiritos - Questoes 489-521 / O Evang...
Anjos Guardioes Protetores - Livro dos Espiritos - Questoes 489-521 / O Evang...Anjos Guardioes Protetores - Livro dos Espiritos - Questoes 489-521 / O Evang...
Anjos Guardioes Protetores - Livro dos Espiritos - Questoes 489-521 / O Evang...
Antonio Braga
 
dinamica_espirita_73.pdf
dinamica_espirita_73.pdfdinamica_espirita_73.pdf
dinamica_espirita_73.pdf
CESARSOMMER2
 

Semelhante a O processo obsessivo - obsessor e obsidiado - obsessão e loucura (20)

Apostila 07 doc
Apostila 07 docApostila 07 doc
Apostila 07 doc
 
Legião -_um_olhar_sobre_o_reino_das_sombras
Legião  -_um_olhar_sobre_o_reino_das_sombrasLegião  -_um_olhar_sobre_o_reino_das_sombras
Legião -_um_olhar_sobre_o_reino_das_sombras
 
Legiao um-olhar-sobre-o-reino-das-sombras
Legiao um-olhar-sobre-o-reino-das-sombrasLegiao um-olhar-sobre-o-reino-das-sombras
Legiao um-olhar-sobre-o-reino-das-sombras
 
Apostila obsessão lar rubataiana -doc - 07 doc
Apostila obsessão   lar rubataiana -doc - 07 docApostila obsessão   lar rubataiana -doc - 07 doc
Apostila obsessão lar rubataiana -doc - 07 doc
 
Apostila obsessão lar rubataiana -2009 .doc - 07 doc
Apostila obsessão   lar rubataiana -2009 .doc - 07 docApostila obsessão   lar rubataiana -2009 .doc - 07 doc
Apostila obsessão lar rubataiana -2009 .doc - 07 doc
 
Apostila obsessão lar rubataiana -doc - 07 doc
Apostila obsessão   lar rubataiana -doc - 07 docApostila obsessão   lar rubataiana -doc - 07 doc
Apostila obsessão lar rubataiana -doc - 07 doc
 
Inimigos desencarnados obsessao mal da humanidade
Inimigos desencarnados obsessao mal da humanidadeInimigos desencarnados obsessao mal da humanidade
Inimigos desencarnados obsessao mal da humanidade
 
Mediunidade o que é isso apostila 027
Mediunidade o que é isso   apostila 027Mediunidade o que é isso   apostila 027
Mediunidade o que é isso apostila 027
 
Mediunidade o que é isso apostila 041
Mediunidade o que é isso   apostila 041Mediunidade o que é isso   apostila 041
Mediunidade o que é isso apostila 041
 
Mediunidade o que é isso apostila 034
Mediunidade o que é isso   apostila 034Mediunidade o que é isso   apostila 034
Mediunidade o que é isso apostila 034
 
Nos domínios da mediunidade Cap. 6 Psicofonia consciente
Nos domínios da mediunidade   Cap. 6 Psicofonia conscienteNos domínios da mediunidade   Cap. 6 Psicofonia consciente
Nos domínios da mediunidade Cap. 6 Psicofonia consciente
 
Boletim 85
Boletim 85Boletim 85
Boletim 85
 
Nos domínios da mediunidade aula15
Nos domínios da mediunidade aula15Nos domínios da mediunidade aula15
Nos domínios da mediunidade aula15
 
Regressão terapêutica espirita
Regressão terapêutica espiritaRegressão terapêutica espirita
Regressão terapêutica espirita
 
Providencia divina
Providencia divinaProvidencia divina
Providencia divina
 
Obsessao _Divida agravada
Obsessao _Divida agravada Obsessao _Divida agravada
Obsessao _Divida agravada
 
Conquiste o inimigo venca a obsessao
Conquiste o inimigo   venca a obsessaoConquiste o inimigo   venca a obsessao
Conquiste o inimigo venca a obsessao
 
A cura de uma mulher encurvada
A cura de uma mulher encurvadaA cura de uma mulher encurvada
A cura de uma mulher encurvada
 
Anjos Guardioes Protetores - Livro dos Espiritos - Questoes 489-521 / O Evang...
Anjos Guardioes Protetores - Livro dos Espiritos - Questoes 489-521 / O Evang...Anjos Guardioes Protetores - Livro dos Espiritos - Questoes 489-521 / O Evang...
Anjos Guardioes Protetores - Livro dos Espiritos - Questoes 489-521 / O Evang...
 
dinamica_espirita_73.pdf
dinamica_espirita_73.pdfdinamica_espirita_73.pdf
dinamica_espirita_73.pdf
 

Mais de jcevadro

Mistificações, contradições e animismo
Mistificações, contradições e animismoMistificações, contradições e animismo
Mistificações, contradições e animismo
jcevadro
 
A audiência, a psicopictografia, psicometria e o sonambulismo
A audiência, a psicopictografia, psicometria e o sonambulismoA audiência, a psicopictografia, psicometria e o sonambulismo
A audiência, a psicopictografia, psicometria e o sonambulismo
jcevadro
 
A psicofonia, a vidência e as manifestações visuais
A psicofonia, a vidência e as manifestações visuaisA psicofonia, a vidência e as manifestações visuais
A psicofonia, a vidência e as manifestações visuais
jcevadro
 
A categoria de médiuns de efeitos intelectuais - a psicografia
A categoria de médiuns de efeitos intelectuais - a  psicografiaA categoria de médiuns de efeitos intelectuais - a  psicografia
A categoria de médiuns de efeitos intelectuais - a psicografia
jcevadro
 
Sintomas precursores da mediunidade
Sintomas precursores da mediunidadeSintomas precursores da mediunidade
Sintomas precursores da mediunidade
jcevadro
 
Desobsessão-profilaxia e terapêutica
Desobsessão-profilaxia e terapêuticaDesobsessão-profilaxia e terapêutica
Desobsessão-profilaxia e terapêutica
jcevadro
 
18 transe - conceito e tipos
18   transe - conceito e tipos18   transe - conceito e tipos
18 transe - conceito e tipos
jcevadro
 
04 A categoria de médiuns de efeitos físicos
04   A categoria de médiuns de efeitos físicos04   A categoria de médiuns de efeitos físicos
04 A categoria de médiuns de efeitos físicos
jcevadro
 
07 sono e sonhos
07   sono e sonhos07   sono e sonhos
07 sono e sonhos
jcevadro
 
16 o passe, responsabilidade do médium e assistidos
16   o  passe, responsabilidade do médium e assistidos16   o  passe, responsabilidade do médium e assistidos
16 o passe, responsabilidade do médium e assistidos
jcevadro
 
15 o passe-conceito, tipos e mecanismos
15   o passe-conceito, tipos e mecanismos15   o passe-conceito, tipos e mecanismos
15 o passe-conceito, tipos e mecanismos
jcevadro
 
2.o fenômeno mediúnico através dos tempos. médiuns precursores
2.o fenômeno mediúnico através dos tempos. médiuns precursores2.o fenômeno mediúnico através dos tempos. médiuns precursores
2.o fenômeno mediúnico através dos tempos. médiuns precursores
jcevadro
 
01 o médium conceito e classif. mediunidade com jesus
01   o médium conceito e classif. mediunidade com jesus01   o médium conceito e classif. mediunidade com jesus
01 o médium conceito e classif. mediunidade com jesus
jcevadro
 
08 o ectoplasma
08   o ectoplasma08   o ectoplasma
08 o ectoplasma
jcevadro
 
11 centros vitais frontal e laríngeo
11   centros vitais frontal e laríngeo11   centros vitais frontal e laríngeo
11 centros vitais frontal e laríngeo
jcevadro
 
18 transe. conceito - tipos
18   transe. conceito - tipos18   transe. conceito - tipos
18 transe. conceito - tipos
jcevadro
 
14 atividade espiritual no centro espírita
14   atividade espiritual no centro espírita14   atividade espiritual no centro espírita
14 atividade espiritual no centro espírita
jcevadro
 
06 perispírito
06   perispírito06   perispírito
06 perispírito
jcevadro
 
07 perispírito e doenças
07   perispírito e doenças07   perispírito e doenças
07 perispírito e doenças
jcevadro
 
Aula 8 o ectoplasma
Aula 8 o  ectoplasmaAula 8 o  ectoplasma
Aula 8 o ectoplasma
jcevadro
 

Mais de jcevadro (20)

Mistificações, contradições e animismo
Mistificações, contradições e animismoMistificações, contradições e animismo
Mistificações, contradições e animismo
 
A audiência, a psicopictografia, psicometria e o sonambulismo
A audiência, a psicopictografia, psicometria e o sonambulismoA audiência, a psicopictografia, psicometria e o sonambulismo
A audiência, a psicopictografia, psicometria e o sonambulismo
 
A psicofonia, a vidência e as manifestações visuais
A psicofonia, a vidência e as manifestações visuaisA psicofonia, a vidência e as manifestações visuais
A psicofonia, a vidência e as manifestações visuais
 
A categoria de médiuns de efeitos intelectuais - a psicografia
A categoria de médiuns de efeitos intelectuais - a  psicografiaA categoria de médiuns de efeitos intelectuais - a  psicografia
A categoria de médiuns de efeitos intelectuais - a psicografia
 
Sintomas precursores da mediunidade
Sintomas precursores da mediunidadeSintomas precursores da mediunidade
Sintomas precursores da mediunidade
 
Desobsessão-profilaxia e terapêutica
Desobsessão-profilaxia e terapêuticaDesobsessão-profilaxia e terapêutica
Desobsessão-profilaxia e terapêutica
 
18 transe - conceito e tipos
18   transe - conceito e tipos18   transe - conceito e tipos
18 transe - conceito e tipos
 
04 A categoria de médiuns de efeitos físicos
04   A categoria de médiuns de efeitos físicos04   A categoria de médiuns de efeitos físicos
04 A categoria de médiuns de efeitos físicos
 
07 sono e sonhos
07   sono e sonhos07   sono e sonhos
07 sono e sonhos
 
16 o passe, responsabilidade do médium e assistidos
16   o  passe, responsabilidade do médium e assistidos16   o  passe, responsabilidade do médium e assistidos
16 o passe, responsabilidade do médium e assistidos
 
15 o passe-conceito, tipos e mecanismos
15   o passe-conceito, tipos e mecanismos15   o passe-conceito, tipos e mecanismos
15 o passe-conceito, tipos e mecanismos
 
2.o fenômeno mediúnico através dos tempos. médiuns precursores
2.o fenômeno mediúnico através dos tempos. médiuns precursores2.o fenômeno mediúnico através dos tempos. médiuns precursores
2.o fenômeno mediúnico através dos tempos. médiuns precursores
 
01 o médium conceito e classif. mediunidade com jesus
01   o médium conceito e classif. mediunidade com jesus01   o médium conceito e classif. mediunidade com jesus
01 o médium conceito e classif. mediunidade com jesus
 
08 o ectoplasma
08   o ectoplasma08   o ectoplasma
08 o ectoplasma
 
11 centros vitais frontal e laríngeo
11   centros vitais frontal e laríngeo11   centros vitais frontal e laríngeo
11 centros vitais frontal e laríngeo
 
18 transe. conceito - tipos
18   transe. conceito - tipos18   transe. conceito - tipos
18 transe. conceito - tipos
 
14 atividade espiritual no centro espírita
14   atividade espiritual no centro espírita14   atividade espiritual no centro espírita
14 atividade espiritual no centro espírita
 
06 perispírito
06   perispírito06   perispírito
06 perispírito
 
07 perispírito e doenças
07   perispírito e doenças07   perispírito e doenças
07 perispírito e doenças
 
Aula 8 o ectoplasma
Aula 8 o  ectoplasmaAula 8 o  ectoplasma
Aula 8 o ectoplasma
 

Último

Tornar se Como Deus - A Cabala E Nosso Destino Final
Tornar se Como Deus - A Cabala E Nosso Destino FinalTornar se Como Deus - A Cabala E Nosso Destino Final
Tornar se Como Deus - A Cabala E Nosso Destino Final
André Ricardo Marcondes
 
1984 DE GEORGE ORWELL ILUSTRADO E COMENTADO
1984 DE GEORGE ORWELL ILUSTRADO E COMENTADO1984 DE GEORGE ORWELL ILUSTRADO E COMENTADO
1984 DE GEORGE ORWELL ILUSTRADO E COMENTADO
ESCRIBA DE CRISTO
 
Aula do ESDE 2 - Penas e Gozos Futuros 2024
Aula do ESDE 2 - Penas e Gozos Futuros 2024Aula do ESDE 2 - Penas e Gozos Futuros 2024
Aula do ESDE 2 - Penas e Gozos Futuros 2024
HerverthRibeiro1
 
Habacuque.docx estudo bíblico, conhecimento
Habacuque.docx estudo bíblico, conhecimentoHabacuque.docx estudo bíblico, conhecimento
Habacuque.docx estudo bíblico, conhecimento
ayronleonardo
 
DIDÁTICA MAGNA DE COMENIUS COM COMENTÁRIOS
DIDÁTICA MAGNA DE COMENIUS COM COMENTÁRIOSDIDÁTICA MAGNA DE COMENIUS COM COMENTÁRIOS
DIDÁTICA MAGNA DE COMENIUS COM COMENTÁRIOS
ESCRIBA DE CRISTO
 
Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (3)
Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (3)Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (3)
Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (3)
Nilson Almeida
 
PEDRO NUNCA FOI PAPA [COM COMENTÁRIOS]
PEDRO NUNCA FOI PAPA   [COM COMENTÁRIOS]PEDRO NUNCA FOI PAPA   [COM COMENTÁRIOS]
PEDRO NUNCA FOI PAPA [COM COMENTÁRIOS]
ESCRIBA DE CRISTO
 
Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (2)
Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (2)Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (2)
Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (2)
Nilson Almeida
 
Lição 11 - A Realidade Bíblica do Inferno.pptx
Lição 11 - A Realidade Bíblica do Inferno.pptxLição 11 - A Realidade Bíblica do Inferno.pptx
Lição 11 - A Realidade Bíblica do Inferno.pptx
Celso Napoleon
 
Aula02_Métodos de Interpretacao Bíblica_Prof. Gerson Willy.pdf
Aula02_Métodos de Interpretacao Bíblica_Prof. Gerson Willy.pdfAula02_Métodos de Interpretacao Bíblica_Prof. Gerson Willy.pdf
Aula02_Métodos de Interpretacao Bíblica_Prof. Gerson Willy.pdf
SrgioLinsPessoa
 
Malleus Maleficarum: o martelo das bruxas
Malleus Maleficarum: o martelo das bruxasMalleus Maleficarum: o martelo das bruxas
Malleus Maleficarum: o martelo das bruxas
Lourhana
 
O-livro-de-Jasher-O-Justo, the book of jasher.pdf
O-livro-de-Jasher-O-Justo, the book of jasher.pdfO-livro-de-Jasher-O-Justo, the book of jasher.pdf
O-livro-de-Jasher-O-Justo, the book of jasher.pdf
WELITONNOGUEIRA3
 
Lição 10 - Desenvolvendo Uma Consciência de Santidade.pptx
Lição 10 - Desenvolvendo Uma Consciência de Santidade.pptxLição 10 - Desenvolvendo Uma Consciência de Santidade.pptx
Lição 10 - Desenvolvendo Uma Consciência de Santidade.pptx
Celso Napoleon
 
Lição 12 - A Bendita Esperança: A Marca do Cristão.pptx
Lição 12 - A Bendita Esperança: A Marca do Cristão.pptxLição 12 - A Bendita Esperança: A Marca do Cristão.pptx
Lição 12 - A Bendita Esperança: A Marca do Cristão.pptx
Celso Napoleon
 
PROFECIAS DE NOSTRADAMUS SÃO BÍBLICAS_.pdf
PROFECIAS DE NOSTRADAMUS SÃO BÍBLICAS_.pdfPROFECIAS DE NOSTRADAMUS SÃO BÍBLICAS_.pdf
PROFECIAS DE NOSTRADAMUS SÃO BÍBLICAS_.pdf
Nelson Pereira
 
Escola de A E Aula 96 Evolução Animica
Escola de A E Aula 96 Evolução AnimicaEscola de A E Aula 96 Evolução Animica
Escola de A E Aula 96 Evolução Animica
AlessandroSanches8
 
MUSEU EGÍPCIO DO CAIRO [MUSEOLOGIA]
MUSEU EGÍPCIO DO CAIRO      [MUSEOLOGIA]MUSEU EGÍPCIO DO CAIRO      [MUSEOLOGIA]
MUSEU EGÍPCIO DO CAIRO [MUSEOLOGIA]
ESCRIBA DE CRISTO
 
Bíblia Sagrada - Jonas - slides testamento3 (1).pptx
Bíblia Sagrada - Jonas - slides testamento3 (1).pptxBíblia Sagrada - Jonas - slides testamento3 (1).pptx
Bíblia Sagrada - Jonas - slides testamento3 (1).pptx
Igreja Jesus é o Verbo
 

Último (18)

Tornar se Como Deus - A Cabala E Nosso Destino Final
Tornar se Como Deus - A Cabala E Nosso Destino FinalTornar se Como Deus - A Cabala E Nosso Destino Final
Tornar se Como Deus - A Cabala E Nosso Destino Final
 
1984 DE GEORGE ORWELL ILUSTRADO E COMENTADO
1984 DE GEORGE ORWELL ILUSTRADO E COMENTADO1984 DE GEORGE ORWELL ILUSTRADO E COMENTADO
1984 DE GEORGE ORWELL ILUSTRADO E COMENTADO
 
Aula do ESDE 2 - Penas e Gozos Futuros 2024
Aula do ESDE 2 - Penas e Gozos Futuros 2024Aula do ESDE 2 - Penas e Gozos Futuros 2024
Aula do ESDE 2 - Penas e Gozos Futuros 2024
 
Habacuque.docx estudo bíblico, conhecimento
Habacuque.docx estudo bíblico, conhecimentoHabacuque.docx estudo bíblico, conhecimento
Habacuque.docx estudo bíblico, conhecimento
 
DIDÁTICA MAGNA DE COMENIUS COM COMENTÁRIOS
DIDÁTICA MAGNA DE COMENIUS COM COMENTÁRIOSDIDÁTICA MAGNA DE COMENIUS COM COMENTÁRIOS
DIDÁTICA MAGNA DE COMENIUS COM COMENTÁRIOS
 
Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (3)
Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (3)Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (3)
Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (3)
 
PEDRO NUNCA FOI PAPA [COM COMENTÁRIOS]
PEDRO NUNCA FOI PAPA   [COM COMENTÁRIOS]PEDRO NUNCA FOI PAPA   [COM COMENTÁRIOS]
PEDRO NUNCA FOI PAPA [COM COMENTÁRIOS]
 
Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (2)
Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (2)Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (2)
Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (2)
 
Lição 11 - A Realidade Bíblica do Inferno.pptx
Lição 11 - A Realidade Bíblica do Inferno.pptxLição 11 - A Realidade Bíblica do Inferno.pptx
Lição 11 - A Realidade Bíblica do Inferno.pptx
 
Aula02_Métodos de Interpretacao Bíblica_Prof. Gerson Willy.pdf
Aula02_Métodos de Interpretacao Bíblica_Prof. Gerson Willy.pdfAula02_Métodos de Interpretacao Bíblica_Prof. Gerson Willy.pdf
Aula02_Métodos de Interpretacao Bíblica_Prof. Gerson Willy.pdf
 
Malleus Maleficarum: o martelo das bruxas
Malleus Maleficarum: o martelo das bruxasMalleus Maleficarum: o martelo das bruxas
Malleus Maleficarum: o martelo das bruxas
 
O-livro-de-Jasher-O-Justo, the book of jasher.pdf
O-livro-de-Jasher-O-Justo, the book of jasher.pdfO-livro-de-Jasher-O-Justo, the book of jasher.pdf
O-livro-de-Jasher-O-Justo, the book of jasher.pdf
 
Lição 10 - Desenvolvendo Uma Consciência de Santidade.pptx
Lição 10 - Desenvolvendo Uma Consciência de Santidade.pptxLição 10 - Desenvolvendo Uma Consciência de Santidade.pptx
Lição 10 - Desenvolvendo Uma Consciência de Santidade.pptx
 
Lição 12 - A Bendita Esperança: A Marca do Cristão.pptx
Lição 12 - A Bendita Esperança: A Marca do Cristão.pptxLição 12 - A Bendita Esperança: A Marca do Cristão.pptx
Lição 12 - A Bendita Esperança: A Marca do Cristão.pptx
 
PROFECIAS DE NOSTRADAMUS SÃO BÍBLICAS_.pdf
PROFECIAS DE NOSTRADAMUS SÃO BÍBLICAS_.pdfPROFECIAS DE NOSTRADAMUS SÃO BÍBLICAS_.pdf
PROFECIAS DE NOSTRADAMUS SÃO BÍBLICAS_.pdf
 
Escola de A E Aula 96 Evolução Animica
Escola de A E Aula 96 Evolução AnimicaEscola de A E Aula 96 Evolução Animica
Escola de A E Aula 96 Evolução Animica
 
MUSEU EGÍPCIO DO CAIRO [MUSEOLOGIA]
MUSEU EGÍPCIO DO CAIRO      [MUSEOLOGIA]MUSEU EGÍPCIO DO CAIRO      [MUSEOLOGIA]
MUSEU EGÍPCIO DO CAIRO [MUSEOLOGIA]
 
Bíblia Sagrada - Jonas - slides testamento3 (1).pptx
Bíblia Sagrada - Jonas - slides testamento3 (1).pptxBíblia Sagrada - Jonas - slides testamento3 (1).pptx
Bíblia Sagrada - Jonas - slides testamento3 (1).pptx
 

O processo obsessivo - obsessor e obsidiado - obsessão e loucura

  • 1. O PROCESSO OBSESSIVO O OBSESSOR E O OBSIDIADO OBSESSÃO E LOUCURA
  • 2. De Kardec aos nossos dias, quantas edificantes realizações e preciosos estudos em torno dos médiuns, da mediunidade, das obsessões e das desobsessões têm sido apresentados! Este capítulo dos problemas psíquicos — ‘a obsessão’ — tem merecido dos cristãos novos o mais acendrado interesse. Apesar disso, avassaladoramente vem-se mantendo em caráter epidêmico, qual morbo virulento que se alastra por toda a Terra, hoje mais do que em qualquer época... ‘Sinal dos tempos’, a que se referem os Escritos Evangélicos, prenuncia essa dor generalizada, a Era do Espírito Imortal. Milhões de criaturas, no entanto, dormem o sono da indiferença, entregues aos anestésicos do prazer e ao ópio da ilusão. Por todos os lugares se manifestam os Espíritos advertindo, esclarecendo, despertando... NOS BASTIDORES DA OBSESSÃO - Exórdio Manoel Philomeno de Miranda por Divaldo P. Franco 2
  • 3. É ETERNO. Se Ele tivesse tido um começo teria saído do nada, ou teria sido criado por um ser anterior. É IMUTÁVEL; se estivesse sujeito a mudanças, as leis que regem o universo não teriam nenhuma estabilidade. É IMATERIAL, sua natureza difere de tudo o que chamamos matéria; de outro modo não seria imutável, porque estaria sujeito às transformações da matéria. É ÚNICO; se houvesse vários deuses, não haveria unidade de desígnios, nem unidade de poder na ordenação do universo. É TODO-PODEROSO, porque é único. Se não tivesse o soberano poder, haveria alguma coisa mais ou tão poderosa quanto Ele; É SOBERANAMENTE JUSTO E BOM. A sabedoria providencial das Leis Divinas se revela nas menores como nas maiores coisas, e essa sabedoria não permite duvidar de sua justiça nem de sua bondade. Portanto, para aquele que crê em Deus, não há injustiças nem abandonos. Todos os nossos transtornos são resultados das experiências infelizes, devido ao estágio evolutivo em que nos encontramos, e que nos servem de aprendizado. SOMOS OS HERDEIROS DE NÓS MESMOS. ATRIBUTOS DA DIVINDADE O LIVRO DOS ESPÍRITOS, Allan Kardec - Livro I capítulo I 3
  • 4. CONSTRUIMOS O NOSSO PRÓPRIO DESTINO 4
  • 5. O OBSESSOR  Aquele que causa a obsessão; que importuna.  Não é um ser diferente, que só vive de crueldades, nem um condenado sem remissão pela Justiça Divina.  Não é um ser estranho a nós. Pelo contrário. É alguém que privou de nossa convivência, de nossa intimidade, por vezes com estreitos laços afetivos. É alguém, talvez, a quem amamos outrora. (...)  O obsessor é o irmão, a quem os sofrimentos e desenganos desequilibraram, certamente com a nossa participação.  O obsessor é, em última análise, um irmão enfermo e infeliz. Dominado pela ideia fixa (monoideísmo) de vingar-se, esquece-se de tudo o mais e passa a viver em função daquele que é o alvo de seus planos. Os maus Espíritos são aqueles que ainda não foram tocados pelo arrependimento; que se satisfazem no mal e disso não sentem nenhum arrependimento, são insensíveis às censuras, recusam a prece e muitas vezes blasfemam contra o nome de Deus. Essas são almas endurecidas que, após a morte, se vingam nos homens dos sofrimentos que suportam, e perseguem com seu ódio àqueles a quem detestaram durante a sua vida, pela obsessão ou por uma influência maléfica qualquer. OBSESSÃO, DESOBSESSÃO - Suely Caldas Schubert - cap. 13 O EVANGELHO SEGUNDO O ESPIRITISMO - Allan Kardec - cap. 28 item 75 5
  • 6. O OBSIDIADO  Importunado, atormentado, perseguido. Individuo que se crê atormentado.  O obsidiado é o algoz de ontem e que agora se apresenta como vítima. Ou então é o comparsa de crimes, que o cúmplice das sombras não quer perder, tudo fazendo por cerceá-lo em sua trajetória. As provações que o afligem representam oportunidade de reajuste, alertando-o para a necessidade de se moralizar, porquanto, sentindo-se açulado pelo verdugo espiritual, mais depressa se conscientizará da grandiosa tarefa a ser realizada: transformar o ódio em amor, a vingança em perdão, e humilhar-se, para também ser perdoado.  O obsidiado, vinculado vigorosamente à retaguarda - assaltado, quase sempre, pelos fantasmas do remorso inconsciente ou do medo cristalizado, a se manifestarem como complexos de inferioridade e culpa - conduz o fardo das dívidas para necessário reajustamento, através do abençoado roteiro carnal. OBSESSÃO, DESOBSESSÃO - Suely Caldas Schubert - cap. 11 NOS BASTIDORES DA OBSESSÃO, Examinando a Obsessão Manoel P. de Miranda por Divaldo P. Franco 6
  • 7. O PROCESSO OBSESSIVO  A interferência se dá por processo análogo ao que acontece no rádio, quando uma emissora clandestina passa a utilizar determinada frequência operada por outra, prejudicando-lhe a transmissão. Essa interferência estará tanto mais assegurada quanto mais forte, potente e constante ela se apresentar, até abafar quase por completo os sons emitidos pela emissora burlada. Quando um Espírito, bom ou mau, quer atuar sobre um indivíduo, envolve-o, por assim dizer, no seu perispírito, como se fora um manto. Interpenetrando-se os fluidos, os pensamentos e as vontades dos dois se confundem e o Espírito, então, se serve do corpo do indivíduo, como se fosse seu, fazendo-o agir à sua vontade (...). Se é perverso e malfazejo, aperta-o como numa teia, paralisa-lhe até a vontade e mesmo o juízo, que ele abafa com o seu fluido, como se abafa o fogo sob uma camada d’água. Fá-lo pensar, falar, agir em seu lugar, impele-o, a seu mau grado, a atos extravagantes ou ridículos; magnetiza-o, em suma, lança-o num estado de catalepsia moral e o indivíduo se torna um instrumento da sua vontade. OBSESSÃO, DESOBSESSÃO - Suely Caldas Schubert - cap. 9 OBRAS PÓSTUMAS, Allan Kardec 1ª. Parte item 56 7
  • 8. “(...) não ignoramos que a obsessão se torna possível, graças à ação do agente no campo perispiritual do paciente. A consciência de culpa do hospedeiro desarticula o campo vibratório que o defende do exterior e, nessa área deficiente, por sintonia fixa-se a indução perturbadora do hóspede. A essa consciência de culpa chamaremos matriz, que facultará o acoplamento do plugue mental do adversário. Não raro, a força de atração da matriz é tão intensa - por necessidade de reparação moral do endividado - que atrai o seu opositor espiritual, iniciando-se o processo alienador. (...) Quando a culpa é de menor intensidade, o cobrador sitia a usina mental do futuro hospedeiro, que termina por aceitar a inspiração perniciosa, tendo início o intercâmbio telepático, que romperá o campo de defesa, facultando a instalação da parasitose. Esta, graças à sua intensidade, através do perispírito se alojará na mente, gerando alucinações, pavores, insatisfação, manias, exacerbação do ânimo ou depressão, ou se refletirá no órgão que tenha deficiência funcional, pelo assimilar das energias destrutivas que lhe são direcionadas e absorvidas.” Dr. José Carneiro de Campos TRILHAS DA LIBERTAÇÃO, Ampliando os conhecimentos Manoel P. Miranda por Divaldo P. Franco 8 O PROCESSO OBSESSIVO
  • 9.
  • 10. TRANSTORNOS EMOCIONAIS E O ESPIRITISMO 10
  • 11. PSIQUIATRIA E ESPIRITISMO “No encadeamento das vidas sucessivas, o Espírito herda das experiências pretéritas as conquistas e os prejuízos morais que ressurgem consciente ou inconscientemente nos recônditos de si mesmo. Disso resulta que as aquisições negativas, que foram fatores do insucesso, reaparecem em condicionamentos psíquicos deprimentes, em complexas manifestações de narcisismo, de evasão da realidade, de catarse, de esquizofrenia, nas suas apresentações variadas, ou repontam em expressões de instintos agressivos, inibições, repressões, conflitos, em que o próprio Espírito sofre as perturbações que lhe são atinentes, transmitindo dos centros sensíveis do psicossoma à matéria as distonias e as alienações de variada espécie, que traz do pretérito espiritual.” “Outras vezes, os traumas decorrem de fundas marcas do passado próximo, removíveis com relativa facilidade, dentro, todavia, dos quadros de débitos e créditos a que se encontra o Espírito vinculado.” (Vianna de Carvalho) ASPECTOS PSIQUIÁTRICOS E ESPIRITUAIS NOS TRANSTORNOS EMOCIONAIS Divaldo Franco - organizador: Washington Luiz N. Fernandes 11
  • 12. A PERSONALIDADE HUMANA “Personalidade é a organização dinâmica dos traços no interior do EU, formados a partir dos genes particulares que herdamos, das existências singulares que experimentamos e das percepções individuais que temos do mundo, capazes de tornar cada indivíduo único em sua maneira de ser, de sentir e de desempenhar o seu papel social.” “O Ser é a soma de muitas reencarnações, nas quais esteve na condição de personalidades transitórias, cujos conteúdos foram- lhe incorporados, formando-lhe a individualidade.” GENÉTICA + FAMÍLIA + SOCIEDADE = formação da personalidade humana VISÃO PSICOLÓGICA VISÃO ESPÍRITA AMOR, IMBATÍVEL AMOR - Joanna de Ângelis por Divaldo P. Franco 12
  • 13. “Não andeis, pois, inquietos, dizendo: Que comeremos, ou que beberemos, ou com que nos vestiremos? Porque todas estas coisas os gentios procuram. Decerto vosso Pai celestial bem sabe que necessitais de todas estas coisas; Mas, buscai primeiro o reino de Deus, e a sua justiça, e todas estas coisas vos serão acrescentadas. Não vos inquieteis, pois, pelo dia de amanhã, porque o dia de amanhã cuidará de si mesmo. Basta a cada dia o seu mal.” Mateus 6: 31-34 TRANSTORNOS DE ANSIEDADE ANTÍDOTO 13
  • 14. Ansiedade é um estado emocional de apreensão, uma expectativa de que algo ruim aconteça, acompanhado por várias reações físicas e mentais desconfortáveis. Os principais Transtornos de Ansiedade são: - SÍNDROME DO PÂNICO - FOBIA ESPECÍFICA - FOBIA SOCIAL - ESTRESSE PÓS-TRAUMÁTICO - TRANSTORNO OBSESSIVO-COMPULSIVO - DISTÚRBIO DE ANSIEDADE GENERALIZADA http://www.psicoterapia.psc.br ALGUNS SINTOMAS: - dor no peito ou desconforto - tontura ou desmaio - sensação de engasgar - suor, calafrios ou ondas de calor - sensação de falta de ar - palpitações - sequidão da boca - medo de perder o autocontrole e de morrer - náuseas ou mal-estar estomacal - sentir-se fora da realidade - dormência ou formigamento nas mãos, nos pés ou no rosto 14 TRANSTORNOS DE ANSIEDADE
  • 15. NEUROSE Os expressivos e alarmantes índices da neurose na Terra funcionam como um veemente apelo ao nosso discernimento, ao exame das causas e suas consequências, com maior vigor do que até o momento tem merecido de cada um de nós. Sociólogos conjeturam; psicólogos interrogam; teólogos meditam; psiquiatras, psicanalistas tentam penetrar-lhe as causas e, não obstante a metodologia de que se servem para a segura diagnose e o eficaz tratamento, a onda neurótica, vencendo incautos e desavisados, cada vez mais se apresenta referta, avassalante e dominadora. (Carneiro de Campos) ASPECTOS PSIQUIÁTRICOS E ESPIRITUAIS NOS TRANSTORNOS EMOCIONAIS Divaldo Franco - organizador: Washington Luiz N. Fernandes Neurose é uma doença emocional, afetiva e da personalidade. Não é sinônimo de loucura, assim como também, não compromete a inteligência, nem o contato com a realidade. (http://www.psiqweb.med.br) 15 NEUROSE = ansiedade, fobias, T.O.C., depressão (distimia).
  • 16. O NEURÓTICO O neurótico é, antes, um Espírito em inadiável processo purificador, reencarnado para compensar ou recambiado à reencarnação por necessidade premente de esquecer delitos e logo repará-los. A sua psicosfera impõe, nos implementos orgânicos, distonias e desarmonias que se refletirão mais tarde em forma de alienação, como decorrência do seu estado interior, como Espírito desajustado. O neurótico é alguém rebelado contra si mesmo, insatisfeito no inconsciente e contra os outros, revoltado. (Carneiro de Campos) ASPECTOS PSIQUIÁTRICOS E ESPIRITUAIS NOS TRANSTORNOS EMOCIONAIS Divaldo Franco - organizador: Washington Luiz N. Fernandes O neurótico tem plena consciência do seu problema e, muitas vezes, sente-se impotente para modificá-lo. Seus sentimentos também são normais; eles amam, sentem alegria, tristeza, raiva, etc., como qualquer pessoa. (http://www.psiqweb.med.br) O neurótico é uma pessoa com depressão ou ansiedade, falta de emoções, pouca autoconfiança, e/ou instabilidade emocional. 16
  • 17. CID 10 - CLASSIFICAÇÃO INTERNACIONAL DE DOENÇAS F32 Episódios depressivos Nos episódios típicos de cada um dos três graus de depressão: leve, moderado ou grave, o paciente apresenta:  um rebaixamento do humor,  redução da energia e diminuição da atividade,  alteração da capacidade de experimentar o prazer,  perda de interesse, de apetite, de peso, da libido,  diminuição da capacidade de concentração, associadas em geral à fadiga importante, mesmo após um esforço mínimo,  observam-se em geral problemas do sono e diminuição do apetite.  existe quase sempre uma diminuição da autoestima e da autoconfiança e frequentemente ideias de culpabilidade e ou de indignidade, mesmo nas formas leves.  pode se acompanhar de sintomas ditos “somáticos”, por exemplo perda de interesse ou prazer, despertar matinal precoce, várias horas antes da hora habitual de despertar, agravamento matinal da depressão, lentidão psicomotora importante, agitação. (http://www.psiqweb.med.br) A DEPRESSÃO NA CIÊNCIA A Classificação Internacional de Doenças é publicada pela Organização Mundial de Saúde (OMS) e visa padronizar a codificação de doenças e outros problemas relacionados à saúde. 17
  • 18. MELANCOLIA = “Desde a Grécia antiga, a encontramos a partir de Hipócrates. Galeno, médico grego do século II dizia ser um distúrbio procedente daquilo que considerava os fatores que desencadeavam determinados transtornos do indivíduo como a bílis negra, a bílis amarela, o sangue (as sangrias).” “A palavra DEPRESSÃO surge no final do século XVII, início do século XVIII na literatura inglesa. A tristeza, como um fato de introspecção, nem sempre é melancólica. A melancolia tem raízes mais profundas e quando torna-se demorada passa a ser patológica. Todos nós temos momentos de tristeza, de melancolia, que podem durar alguns dias.” “A tristeza seria a 1ª. Fase do desencanto; a melancolia é uma tristeza profunda e a depressão é a denominação moderna do Transtorno da melancolia.” A MELANCOLIA E A DEPRESSÃO - Transtorno do Humor - PROGRAMA TRANSIÇÃO 08 Divaldo P. Franco 18
  • 19. Um estudo apresentado durante o recente Encontro Anual da Associação Americana de Psiquiatria reforçou uma certeza já corroborada por outros levantamentos feitos nas últimas décadas: a de que existe, sim, um componente genético na ocorrência da depressão. O trabalho foi conduzido por pesquisadores da Universidade Stanford, nos Estados Unidos, em conjunto com a área de neurociências de uma indústria farmacêutica fabricante de antidepressivos, e avaliou, ao longo de 23 anos, um grupo de 424 pais deprimidos e 143 filhos destes, comparando-o com igual número de pais sem depressão (grupo controle) e seus 197 filhos. Os resultados mostraram que os filhos adultos de pais que iniciaram tratamento para depressão apresentam maior probabilidade de manifestar sintomas depressivos, se comparados aos filhos adultos dos pais do grupo controle, especialmente se o pai teve um histórico grave da doença. Eles também demonstraram ter mais dores e limitação para atividades comuns, devido a problemas físicos ou emocionais. Mais de 70% dos adultos com pais depressivos relataram que alguém na família sofre de depressão - enquanto apenas 45% informou o mesmo no grupo controle. A DEPRESSÃO E A HEREDITARIEDADE Por Stella Galvão - revista Viva Saúde 030-set/06 - http://revistavivasaude.uol.com.br 19
  • 20. - Estima-se que entre 15 à 25% da população mundial sofre de algum dos transtornos emocionais, tais como a depressão crônica, o distúrbio afetivo bipolar ou o transtorno obsessivo compulsivo, bem como a síndrome do pânico. O que o Espiritismo nos diz à respeito? “Do ponto de vista espírita, todos esses fenômenos são do Espírito. Doente é o Espírito. Segundo a Organização Mundial da Saúde, não há doenças, mas doentes. Quando o indivíduo tem débitos perante a Consciência Cósmica, quando ele é um enfermo espiritualmente, passa a ter condições de captar essas ondas de perturbação, de desajustes, esses conflitos que vêm como arquétipos ancestrais das suas aflições. Dessa maneira, a melancolia e a depressão, os distúrbios do pânico e outros muito graves, estão ínsitos no Espírito devedor.” PROGRAMA TRANSIÇÃO 08 com Divaldo P. Franco 20 A DEPRESSÃO E O ESPIRITISMO
  • 21. “Hoje, o medo, a ansiedade, a solidão passaram a serem também responsáveis por graves transtornos, como fruto de uma vida estressante, onde o tempo passa a ser exíguo.” “O Espiritismo vem nos apresentar uma outra causa para esses fenômenos perturbadores que é a Lei de Causa e Efeito, a reencarnação. Nessa lei, mesmo nos transtornos clássicos academicamente considerados, o Espiritismo coloca mais uma síndrome, que é a da obsessão, a interferência de Espíritos perversos em nossas vidas.” PROGRAMA TRANSIÇÃO 08 com Divaldo P. Franco 21 A DEPRESSÃO E O ESPIRITISMO
  • 22. Entre 18 países, o Brasil é o que tem maior incidência de depressão, diz um estudo da Organização Mundial de Saúde. Os países foram divididos em dois grupos:  alta renda: Bélgica, França, Alemanha, Israel, Itália, Japão, Holanda, Nova Zelândia, Espanha e Estados Unidos  baixa e média renda: Brasil – com dados exclusivamente de São Paulo –, Colômbia, Índia, China, Líbano, México, África do Sul e Ucrânia. (Revista Exame-28.07.2011) No Brasil, foram registrados quase 10 mil casos de depressão – 9.852 – em 2011 (dados Datasus). Calcula-se que mais pessoas tenha morrido assim, pois nem todos os suicídios são notificados. Estudos mostram que 90% dos casos estão relacionados a “estados depressivos”. (www.50emais.com.br) A DEPRESSÃO NO BRASIL E NO MUNDO Outubro de 2012 - “DEPRESSÃO: Uma Crise Global”, foi o tema escolhido em 2012 para a celebração da Jornada Mundial de Saúde Mental e para assinalar o 20°- Ano da comemoração do Dia Mundial da Saúde Mental. O Representante da OMS, Dr. Barrysson Andriamahefazafy referiu-se à amplitude desta crise que afeta atualmente mais de 350 milhões de pessoas no mundo. Uma em cada vinte pessoas sofrem de depressão; esta doença constituía a terceira causa de morbilidade em 2004, devendo evoluir para a primeira causa daqui a 2030. 22
  • 23. SÍNDROME DO PÂNICO “É a Consciência de culpa, alguém que se refugia, um Espírito endividado que se refugia no corpo para fugir de determinados problemas, praticados em vida anterior.” PROGRAMA TRANSIÇÃO 08 com Divaldo P. Franco É um tipo de transtorno de ansiedade no qual ocorrem ataques repetidos de medo de que algo ruim aconteça de forma inesperada. Em geral, ocorre sem que haja nenhum histórico familiar. No entanto, pesquisas indicam que, se um gêmeo idêntico tem a síndrome do pânico, o outro também desenvolverá o problema em 40% das vezes. É duas vezes mais comum em mulheres do que em homens. Os ataques de pânico se parecem com ataques cardíacos. Devem ser considerados os distúrbios relacionados ao abuso de drogas, pois os sintomas podem ser iguais aos de ataque de pânico. Inicia-se de repente e, na maioria das vezes, atinge seu ápice dentro de 10 até 20 minutos. http://www.minhavida.com.br O ESTRESSE É UM DOS FATORES DESENCADEADORES DO PÂNICO 23
  • 24. Há, entretanto, síndromes de distúrbio de pânico (...) que têm um componente paranormal, como decorrência de ações espirituais em processos lamentáveis de obsessão. Agindo psiquicamente sobre a mente da vítima, o ser espiritual estabelece um intercâmbio parasitário, transmitindo-lhe telepaticamente clichês de aterradoras imagens que vão se fixando, até se tornarem cenas vivas, ameaçadoras, encontrando ressonância no inconsciente profundo, onde estão armazenadas as experiências reencarnatórias, que desencadeadas emergem, produzindo confusão mental até o momento em que o pânico irrompe incontrolável, generalizado. AUTODESCOBRIMENTO: Uma busca interior - Joanna de Ângelis por Divaldo Franco 24 SÍNDROME DO PÂNICO
  • 25. FOBIAS = Medos irracionais “Dos quadros fóbicos podemos encontrar Espíritos que conduzem, no íntimo, pavores que sobreviveram ao fenômeno biológico da reencarnação, cicatrizes do mundo espiritual inferior por onde transitaram.” VIDA - DESAFIOS E SOLUÇÕES - Joanna de Ângelis por Divaldo P. Franco 25
  • 26. As fobias estão associadas espiritualmente a condutas incorretas anteriormente vivenciadas, quando se permitiram os indivíduos abusos e crueldades, ou sofreram sepultamento em vida, considerados mortos e estando apenas em estado cataléptico, despertando depois e vindo a falecer em situação deplorável, desenvolvendo a claustrofobia, ou foram vítimas de crueldades em praças e ambientes abertos, diante da massa alucinada, desencadeando agorafobia e fobia social, etc. TRIUNFO PESSOAL - Joanna de Ângelis por Divaldo P. Franco 26 Claustrofobia Agorafobia FOBIAS = Medos irracionais
  • 27. A LOUCURA UM BREVE HISTÓRICO Na Renascença, os loucos eram banidos dos muros das cidades europeias. Eram condenados a andar de cidade em cidade ou colocados em navios chegando, ocasionalmente a algum porto. Na Idade Média, eles são confinados em grandes asilos e hospitais destinados a toda sorte de indesejáveis – inválidos, portadores de doenças venéreas, mendigos e libertinos. Nessas instituições, os mais violentos eram acorrentados e outros tinham a permissão para sair e mendigar. 27
  • 28. UM BREVE HISTÓRICO No século XVIII, Philippe Pinel (1745-1826), considerado o pai da psiquiatria, propõe uma nova forma de tratamento aos loucos, libertando-os das correntes e transferindo-os aos manicômios, destinados somente aos doentes mentais. Para Pinel, a função disciplinadora do médico e do manicômio deve ser exercida com firmeza, porém com gentileza. Isso denota o caráter essencialmente moral com o qual a loucura passa a ser revestida. Porém, no século XIX, o tratamento ao doente mental incluía medidas físicas como banhos frios, chicoteadas, máquinas giratórias, trepanação e sangrias. 28 A LOUCURA
  • 29. Philippe Pinel liberta os “loucos” das correntes... 29
  • 30. UM BREVE HISTÓRICO A partir da segunda metade do século XX, Franco Basaglia (1924-1980), psiquiatra italiano, inicia uma radical crítica sobre as instituições psiquiátricas e os seus tratamentos. Esse movimento inicia-se na Itália, mas tem repercussões em todo o mundo. Nasce, então, um movimento marcado pela ideia de defesa dos direitos humanos e de resgate da cidadania dos que carregam transtornos mentais. Franco Basaglia e a luta contra os maus-tratos aos enfermos 30 A LOUCURA
  • 31. NO BRASIL No Brasil, tal movimento inicia-se no final da década de 70 com a mobilização dos profissionais da saúde mental e dos familiares de pacientes com transtornos mentais. A partir de 1990, é proposto ao Brasil a reestruturação da assistência psiquiátrica, e, em 2001, é aprovada a Lei Federal 10.216 que dispõe sobre a proteção e os direitos das pessoas portadoras de transtornos mentais e redireciona o modelo assistencial em saúde mental. Dessa lei origina-se a Política de Saúde Mental que, basicamente, visa garantir o cuidado ao paciente com transtorno mental em serviços substitutivos aos hospitais psiquiátricos, superando assim a lógica das internações de longa permanência que tratam o paciente isolando-o do convívio com a família e com a sociedade como um todo. Antes, destituídos da própria identidade, privados de seus direitos mais básicos de liberdade e sem a chance de possuir qualquer objeto pessoal (os poucos que possuíam tinham que ser carregados junto ao próprio corpo), esses sobreviventes agora vivem nós como transeuntes no cenário urbano, vizinhos, trabalhadores e também turistas, estudantes e artistas compondo novas histórias no mundo. http://www.ccms.saude.gov.br 31 A LOUCURA
  • 32. O homem não pode ser examinado parcialmente, como um conjunto de ossos, nervos e sangue, tampouco na acepção tradicional dualista, de alma e corpo, mas, sob o aspecto pleno e total de Espírito, perispírito e matéria. É o perispírito o órgão intermediário pelo qual experimenta a influência dos demais Espíritos que pululam em sua volta, aguardando o momento próprio para o intercâmbio em que se comprazem. Quando esses Espíritos são maus encontram guarida que as dívidas morais agasalham na futura vítima, aí nascem as obsessões, a princípio sutis, quase despercebidas, para, logo depois, se agigantarem, assumindo a gravidade das subjugações lamentáveis e, às vezes, irreversíveis... Mesmo nos casos em que reconhecemos a presença da loucura nos seus moldes clássicos, deparamo-nos sempre com um Espírito, em si mesmo doente, que plasmou um organismo próprio para redimir-se, corrigindo antigas viciações e crimes que, ocultos ou conhecidos, lhe pesam na economia moral, exigindo liberação. (Manoel Philomeno de Miranda) ASPECTOS PSIQUIÁTRICOS E ESPIRITUAIS NOS TRANSTORNOS EMOCIONAIS Divaldo Franco - organizador: Washington Luiz N. Fernandes 32 A LOUCURA
  • 33. (...) A verdade é que há casos bem verificados de perturbação mental sem lesão orgânica do cérebro, o que diz bem positivamente que a loucura não depende essencialmente do estado mórbido do cérebro. (...) Não é, pois, duvidoso, para quem sabe refletir, que o cérebro não é mais do que um instrumento material, a serviço da alma, para pô-la em relação com o mundo material. E, tanto é assim, que temos um mundo de pensamentos sem objetivo fora de nós, isto é, no mundo material, de que o cérebro pode receber as impressões. Assim, portanto, as faculdades são da alma e o meio material de pô-las em relação com o mundo material é que pertence ao cérebro e suas dependências. Quem exerce as funções da vida de relação, quem pensa, raciocina, guarda a memória dos sucessos, sente, delibera, vê, ouve, sente o cheiro, o gosto, e tem as impressões de tato, é a alma. A LOUCURA SOB NOVO PRISMA - Bezerra de Menezes - capítulo III 33 A LOUCURA
  • 34. 371 - A opinião de que os deficientes mentais teriam uma alma inferior tem fundamento? – Não. Eles têm uma alma humana, muitas vezes mais inteligente do que pensais, que sofre da insuficiência dos meios que tem para se manifestar, assim como o mudo sofre por não poder falar. 372 - Qual o objetivo da Providência ao criar seres infelizes como os loucos e os deficientes mentais? – São Espíritos em punição que habitam corpos deficientes. Esses Espíritos sofrem com o constrangimento que experimentam e com a dificuldade que têm de se manifestarem por meio de órgãos não desenvolvidos ou desarranjados. 372a - É exato dizer que os órgãos não têm influência sobre as faculdades? – Nunca dissemos que os órgãos não têm influência. Têm uma influência muito grande sobre a manifestação das faculdades; porém, não as produzem; eis a diferença. Um bom músico com um instrumento ruim não fará boa música, mas isso não o impedirá de ser um bom músico. O LIVRO DOS ESPÍRITOS - Allan Kardec - Livro II - capítulo VII 34 A LOUCURA
  • 35. 375 - Qual é a situação do Espírito na loucura? – O Espírito, no estado de liberdade, recebe diretamente suas impressões e exerce diretamente sua ação sobre a matéria. Porém, encarnado, se encontra em condições bem diferentes e na obrigatoriedade de só fazer isso com a ajuda de órgãos especiais. Se uma parte ou o conjunto desses órgãos for alterado, sua ação ou suas impressões, no que diz respeito a esses órgãos, são interrompidas. Se ele perde os olhos, torna-se cego; se perde o ouvido, torna-se surdo, etc. Imagina agora que o órgão que dirige os efeitos da inteligência e da vontade, o cérebro, seja parcial ou inteiramente danificado ou modificado e ficará fácil compreender que o Espírito, podendo dispor apenas de órgãos incompletos ou deturpados, deverá sentir uma perturbação da qual, por si mesmo e em seu íntimo, tem perfeita consciência, mas não é senhor para deter- lhe o curso, não tem como alterar essa condição. O LIVRO DOS ESPÍRITOS - Allan Kardec - Livro II - capítulo VII 375a - (...) Pode acontecer que, depois de um período longo, quando a loucura durou muito tempo, a repetição dos mesmos atos acabe por ter sobre o Espírito uma influência da qual somente se livra quando estiver completamente desligado de todas as impressões materiais. 35 A LOUCURA
  • 36. (...) deve-se incluir na psicogênese (*) do transtorno esquizofrênico, a consciência de culpa das ações vivenciadas em existências anteriores, quando a delinquência assinalou o desenvolvimento do Self (*), hedonista (*) e explorador, que somente utilizou dos amigos e conhecidos para os explorar, traindo-lhes a confiança ou covardemente destruindo-lhes o corpo em horrorosos crimes que não foram justiçados, porque passaram desconhecidos ou as circunstâncias legais não os alcançaram. Não havendo sido liberados pela reparação mediante os cometimentos impostos pela Lei vigilante, insculpiram nas delicadas tecelagens vibratórias do corpo perispiritual a responsabilidade infeliz, que ora ressurge como cobrança, necessidade de reparação, impositivo de reequilíbrio, de recomposição social, familial, humana. (Joanna de Ângelis – Esquizofrenia) ASPECTOS PSIQUIÁTRICOS E ESPIRITUAIS NOS TRANSTORNOS EMOCIONAIS Divaldo Franco - organizador: Washington Luiz N. Fernandes (*) PSICOGÊNESE: origem e desenvolvimento dos processos mentais ou psicológicos da mente ou da personalidade. SELF: aquilo que define a pessoa na sua individualidade e subjetividade, isto é, a sua essência. HEDONISTA: indivíduo que prioriza o prazer como objetivo de vida. 36 A LOUCURA
  • 37. MAL DE ALZHEIMER A doença de Alzheimer é a mais frequente forma de demência entre idosos. É caracterizada por um progressivo e irreversível declínio em certas funções intelectuais: memória, orientação no tempo e no espaço, pensamento abstrato, aprendizado, incapacidade de realizar cálculos simples, distúrbios da linguagem, da comunicação e da capacidade de realizar as tarefas cotidianas. (http://www.alzheimermed.com.br) Estudos desenvolvidos pela Associação Médico-Espírita do Brasil, em que destacamos a atuação da Dra. Alessandra Granero, médica geriatra, e do Dr. Décio Iandoli Júnior, renomado professor e autor de obras espíritas, têm levantado algumas hipóteses de causas espirituais, baseados em estudos sistemáticos de obras espíritas, como as obras de André Luiz. Estes estudiosos têm citado a rigidez de caráter (inflexibilidade), a culpa, os processos obsessivos graves, a depressão e os sentimentos doentios, tais como ódio e mágoa (sobretudo quando mantidos a médio e longo prazo), como causas espirituais para a ocorrência do mal de Alzheimer. (http://www.oconsolador.com.br) 37 É uma enfermidade degenerativa do cérebro, cujas células, os neurônios, se deterioram de forma lenta e progressiva, provocando uma atrofia do cérebro. (http://reinaldocantanhede.blogspot.com.br)
  • 38. A INFÂNCIA Os pais e familiares, igualmente, não são sucessos fortuitos, obedecendo ao acaso, mas Espíritos com os quais se identifica o reencarnante, e em cujo programa de provações se encontram todos em cursos por ocorrências transatas. Pais afetuosos, irmãos gentis, ou genitores perversos, indiferentes, agressivos, assim como família desajustada, que estabelecem os mecanismos próprios para o processo de crescimento moral e intelectual da criatura humana, provém do pretérito. (Joanna de Ângelis) Os transtornos de personalidade são resultantes de estruturação anômala da personalidade desde a infância. O Transtorno Obsessivo-Compulsivo (TOC) tem como causas os transtornos da afetividade também na infância como a insegurança, uma mãe castradora, uma supermãe, um pai negligente, que geram no indivíduo aquele tormento da repetição. Poderá ter também, uma origem anterior, porque todos os nossos padecimentos atuais têm uma causa anterior, ou seja, de uma existência precedente. ASPECTOS PSIQUIÁTRICOS E ESPIRITUAIS NOS TRANSTORNOS EMOCIONAIS Divaldo Franco - organizador: Washington Luiz N. Fernandes PROGRAMA TRANSIÇÃO 08 - Divaldo P. Franco 38
  • 39. BOI, BOI, BOI, BOI DA CARA PRETA PEGA ESTA CRIANÇA QUE TEM MEDO DE CARETA... ATIREI O PAU NO GATO, MAS O GATO NÃO MORREU DONA CHICA ADMIROU-SE, DO BERRO, DO BERRO QUE O GATO DEU! SE EU FOSSE UM PEIXINHO E SOUBESSE NADAR EU TIRAVA O “FULANO” LÁ DO FUNDO DO MAR... A CANOA VIROU POIS DEIXARAM ELA VIRAR FOI POR CAUSA DO “FULANO” QUE NÃO SOUBE REMAR... O CRAVO BRIGOU COM A ROSA, DEBAIXO DE UMA SACADA, O CRAVO SAIU FERIDO E A ROSA DESPEDAÇADA... As músicas “infantis” com conteúdos perturbadores: 39 A INFÂNCIA
  • 40. O ATENDENTE FRATERNO NA CASA ESPÍRITA É muito importante para o Atendimento Fraterno que o atendente conheça algumas noções básicas (ainda que bem simples) acerca dos problemas de personalidade, a fim de evitar-se o equívoco, diante de certos casos, considerados como processos obsessivos quando, na realidade, expressam conflitos, desajustes, traumas, transtornos psíquicos, enfim, que têm como origem o próprio indivíduo, que é um Espírito enfermo, digamos assim. (Suely Caldas Schubert) ATENDIMENTO FRATERNO - Projeto Manoel Philomeno de Miranda 40
  • 41. “A função do Espiritismo não é a de curar corpos. É a de erradicar os males que se encontram enraizados na alma e que se manifestam através dos problemas orgânicos. O Espiritismo não veio substituir a ciência. Veio completá-la. Se em algum lugar médiuns ou instituições recomendar o abandono da terapia médica, abandone esse lugar que deu essa proposta.” PROGRAMA TRANSIÇÃO 08 com Divaldo P. Franco 41
  • 42. PESQUISA • Evangelho Segundo Mateus • O Livro dos Espíritos, Allan Kardec • Obras Póstumas, Allan Kardec • O Céu e o Inferno, Allan Kardec • O Evangelho Segundo o Espiritismo, Allan Kardec • Amor, Imbatível Amor, Joanna de Ângelis por Divaldo P. Franco • Autodescobrimento, Joanna de Ângelis por Divaldo P. Franco • Vida, Desafios e Soluções, Joanna de Ângelis por Divaldo P. Franco • Nos Bastidores da Obsessão, Manoel Philomeno de Miranda por Divaldo P. Franco • Trilhas da Libertação, Manoel Philomeno de Miranda por Divaldo P. Franco • Triunfo Pessoal, Joanna de Ângelis por Divaldo P. Franco • Aspectos Psiquiátricos e Espirituais nos Transtornos Emocionais, Divaldo Franco • Atendimento Fraterno - Projeto Manoel Philomeno de Miranda • A Loucura Sob Novo Prisma, Bezerra de Menezes (Max) • Obsessão, Desobsessão, Suely Caldas Schubert elaboração: Júlio César Evadro