SlideShare uma empresa Scribd logo
SONO
E
SONHOS
Dormimos, em média, 1/3 (um terço) de nossas vidas.
Uma pessoa de 75 anos dormiu aproximadamente 22 anos de
sua existência. Será que haveria tanto desperdício de tempo, para
o Espírito reencarnado, o fato de passar esse período dormindo,
sem nada fazer?
O sono, além das propriedades restauradoras da organização
física, concede-nos possibilidades de enriquecimento espiritual
através das experiências vivenciadas enquanto dormimos.
UMA DAS CAUSAS QUE NOS FAZ SENTIR SONO
Situado na parte anterior do hipotálamo, o núcleo supraquiasmático (SCN)
funciona como relógio biológico. Na ausência de luminosidade, ele envia sinais
para a glândula pineal, que passa a liberar a melatonina para o cérebro. Esses
sinais são bloqueados quando o nervo óptico é estimulado por luz e, então, não
ocorre a produção do hormônio. O esquema mostra também a ponte, localizada
no tronco cerebral, de onde partem os estímulos para o tálamo, que nos fazem
perder a consciência e dormir e controlam nossos movimentos durante o sono.
O SONO
CIÊNCIA:
- As células corticais apresentam dois tipos de atividade: o que equivale aos
estados de excitação, caracterizado por grande despesa de energia, e o que
se define como pensamento inibitório, destinado, basicamente, à
reconstituição e reparação da célula. A generalização dos processos
inibitórios responde pela instalação do sono (Enciclopédia Mirador)
- Estado normal de repouso, caracterizado, tanto no ser humano como nos
outros vertebrados, pela supressão da atividade perceptiva e da motricidade
voluntária, com diversos graus de profundidade, por uma dificuldade maior
ou menor de provocar o despertar, por uma alteração mais ou menos
acentuada da atividade elétrica do cérebro e por certa atividade mental, o
sonho. (Wikipedia – Infopedia)
ESPIRITISMO:
- É um estado de emancipação parcial da alma, ocasião em que se aguçam
as nossas percepções. Evasão da alma da prisão do corpo.
- É a oportunidade que tem o Espírito de entrar em relação com o plano
espiritual, onde busca satisfazer suas necessidades e intenções, de acordo
com o seu estágio evolutivo.
O LIVRO DOS ESPÍRITOS
DA EMANCIPAÇÃO DA ALMA
capítulo 8
400. O Espírito encarnado permanece espontaneamente no corpo?
– É como perguntar se o prisioneiro se alegra com a prisão.
O Espírito encarnado aspira sem cessar à libertação, e quanto mais
o corpo for grosseiro, mais deseja desembaraçar-se dele.
07   sono e sonhos
O LIVRO DOS ESPÍRITOS
DA EMANCIPAÇÃO DA ALMA
capítulo 8
402. (...) O que gera a simpatia na Terra é o fato de os homens,
ao despertar, se sentirem ligados pelo coração àqueles com
quem acabaram de passar de oito a nove horas de prazer. Isso
também explica as antipatias invencíveis que sentimos
intimamente, porque sabemos que essas pessoas com quem
antipatizamos têm uma consciência diferente da nossa e as
conhecemos sem nunca tê-las visto com os olhos. Explica ainda
a nossa indiferença, pois não desejamos fazer novos amigos
quando sabemos que há outras pessoas que nos amam e nos
querem bem. Em uma palavra, o sono influi mais na vossa vida
do que pensais.
INFLUÊNCIA DO SONO NOS NOSSOS RELACIONAMENTOS
O LIVRO DOS ESPÍRITOS
DA EMANCIPAÇÃO DA ALMA
capítulo 8
402. Durante o sono, os Espíritos encarnados estão sempre se
relacionando com o mundo dos Espíritos e é isso que faz com os
Espíritos Superiores consintam, sem muita repulsa, em encarnar
entre vós. Deus quis que em contato com o vício eles pudessem
se renovar na fonte do bem, para não mais falharem, eles, que
vêm instruir os outros. O sono é a porta que Deus lhes abriu para
entrarem em contato com seus amigos do céu; é o recreio após o
trabalho, enquanto esperam a grande libertação, a libertação final
que deve devolvê-los a seu verdadeiro meio.
O SONO E A REENCARNAÇÃO DE ESPÍRITOS SUPERIORES
407. O sono completo é necessário para a emancipação do Espírito?
– Não; o Espírito recobra sua liberdade quando os
sentidos se entorpecem. Ele se aproveita, para se emancipar, de
todos os momentos de repouso que o corpo lhe concede. Desde
que haja debilidade das forças vitais, o Espírito se desprende, e
quanto mais fraco estiver o corpo, mais livre ele estará.
Nota: É assim que a sonolência, ou um simples entorpecimento dos
sentidos, apresenta muitas vezes as mesmas imagens do sono.
O LIVRO DOS ESPÍRITOS
DA EMANCIPAÇÃO DA ALMA
capítulo 8
Durante o sono, ocorrem cinco estágios distintos. Quatro classificados de
Não-REM (NREM) e um de REM.
Podem ser caracterizados de acordo com a atividade elétrica cortical de
cada um.
Passa-se da fase 1 para a 2 e desta, para a 3 e 4. Permanece-se neste
estágio por algum tempo, até haver um retrocesso chegando novamente a fase
1 e desta, para a REM. Concluída esta fase, repete-se todo o processo.
A cada novo estágio, há um aprofundamento maior do sono sendo que o
estágio REM possui características diferenciadas.
A FASE REM
(Rapid Eye Movement)
O SONO
CICLOS DO SONO
mas
O SONO
A FASE REM
(Rapid Eye Movement)
É a fase do sono na qual ocorrem os sonhos mais vividos, período em que é
mais comum sonhar. Nela, os olhos movem-se rapidamente e a atividade cerebral
é similar àquela que se passa nas horas em que se está acordado.
As pessoas acordadas durante o sono REM, normalmente, sentem-se alertas,
com maior índice de atenção, ou mais dispostas e prontas para a atividade
normal.
Em média, duas horas após a pessoa adormecer, ingressa na fase REM.
Durante o sono REM, o tônus muscular da pessoa diminui
consideravelmente, ou seja, o cérebro bloqueia os neurônios motores, para
que o corpo não obedeça às ordens sonhadas ou as encene.
CIÊNCIA
O SONO
A FASE REM
(Rapid Eye Movement)
ALGUMAS FUNÇÕES DO SONO REM
- É um estágio de consolidação e armazenamento de informações diurnas; é
provavelmente neste estágio do sono que o cérebro organiza as informações
assimiladas durante o dia.
- Seria, também nesta fase, que o cérebro estaria eliminando conteúdos inúteis da
memória para liberar espaço de processamento e lidar de forma mais eficaz com
as informações mais importantes.
- Até os 12 anos de idade, há uma maior incidência do sono REM em relação ao
total geral de horas dormidas, indicando que neste estágio do sono, há um
envolvimento no desenvolvimento cerebral e estabelecimento de conexões
sinápticas.
OBS.: Seria esta fase, o momento em que a alma (espírito reencarnado) vivencia
com maior intensidade suas experiências e lembranças espirituais, distante ou não
do corpo material mais denso de que se utiliza e que, devido a esta intensidade, e
pelo laço fluídico que os une, se torna necessário que o cérebro físico esteja
relativamente mais ativo para receber, aprender e apreender essas impressões?
OS SONHOS
O SONHO
FREUD
- Publica em 1900 o livro “A Interpretação dos Sonhos” dando um caráter científico
ao tema inaugurando a Psicanálise.
- Segundo ele, os sonhos são:
- a realização de um desejo;
- expressões disfarçadas de desejos insatisfeitos;
- cargas emocionais armazenadas no inconsciente que projetam imagens e
sons.
Haveria no sonho:
- O sentido manifesto (a fachada) (despiste do superego)
- O sentido latente (o significado) (revela, através dos símbolos, desejos do
sonhador)
Estudados corretamente, pode-se conhecer o momento psicológico do indivíduo,
algo como uma espécie de “fotografia” do inconsciente naquele momento. A
linguagem das emoções seriam os símbolos.
Sigmund S. Freud (1.856 – 1.939),
foi um médico neurologista e
criador da Psicanálise.
Superego = o censor da
psique, que escolhe o que se
torna consciente ou não dos
conteúdos inconscientes
O SONHO
JUNG
- É uma ferramenta da psique que busca o equilíbrio por meio da compensação;
Segundo ele:
- O sonhador (protagonista do sonho) (representa o ego)
- As forças malignas (representam as sombras)
Personagens arquetípicos interagem nos sonhos em um conflito que buscam
levar ao consciente, conteúdos do inconsciente.
Entre essas personagens estão a anima (força feminina na psique masculina), o
animus (força masculina na psique feminina) e a sombra (força que se alimenta dos
aspectos não aceitos de nossa personalidade).
Ao contrário de Freud, as situações absurdas dos sonhos para Jung não seriam
uma fachada, mas a forma própria do inconsciente de se expressar.
A interpretação de sonhos é uma ferramenta crucial para a psicologia analítica,
desenvolvida por Jung.
Carl G. Jung, (1.875 – 1.961) foi um
psiquiatra e psicoterapeuta suíço
que fundou a psicologia analítica.
Ego = o eu de cada um.
Responsável pelo controle dos
instintos.
O SONHO
CIÊNCIA
Processo intenso que corresponde aos estados paradoxais do sono, isto é,
àqueles momentos durante os quais os registros eletroencefalográficos se
aproximam dos que se caracterizam o estado de vigília. Geralmente é a parte
lembrada da sucessão de imagens ou ideias fantásticas e associações,
apresentadas de maneira provavelmente contínua à mente durante o sono.
(Enciclopédia Mirador)
ESPIRITISMO
É a lembrança das situações, relações e emoções vivenciadas pelo Espírito
durante o sono.
Efeito da emancipação da alma, que mais independente se torna pela
suspensão da vida ativa e de relação.
O LIVRO DOS ESPÍRITOS
DA EMANCIPAÇÃO DA ALMA
capítulo 8
403. Por que nem sempre nos lembramos dos sonhos?
- O que chamais de sono é apenas o repouso do corpo, mas o
Espírito está sempre ativo e durante o sono recobra um pouco de sua
liberdade e se corresponde com os que lhe são caros, neste mundo ou
em outros. Sendo o corpo uma matéria pesada e grosseira, dificilmente
conserva as impressões que o Espírito recebeu, visto que o Espírito
não as percebeu pelos órgãos do corpo.
402. Como podemos julgar da liberdade do Espírito durante o sono?
- Pelos sonhos. Quando o corpo repousa, tem o Espírito mais
faculdades do que no estado de vigília. Lembra-se do passado e
algumas vezes prevê o futuro. Adquire maior potencialidade e pode pôr-
se em comunicação com os demais Espíritos, quer deste mundo, quer
do outro.
“Não nos lembramos de um sonho por inteiro porque a circuitaria neuronal
usada para produzir o sonho é diferente da utilizada para a memorização do
aprendizado diário”. (Flavio Aloé, neurofisiologista clínico)
O LIVRO DOS ESPÍRITOS
DA EMANCIPAÇÃO DA ALMA
capítulo 8
404. Que pensar da significação atribuída aos sonhos?
– Os sonhos não têm o significado que certos adivinhos lhes
atribuem. É um absurdo acreditar que sonhar com isso significa aquilo.
São verdadeiros no sentido de que apresentam imagens reais ao
Espírito, mas muitas vezes não têm relação com o que se passa na vida
corporal; são também, como dissemos, uma lembrança. Algumas vezes,
podem ser um pressentimento do futuro, se Deus o permite, ou a visão
do que se passa nesse momento em um outro lugar para onde a alma
se transporta.
408. Parece-nos ouvir, algumas vezes em nós, palavras pronunciadas
distintamente e que não têm nenhuma relação com o que nos preocupa; de
onde vem isso?
– Sim, pode acontecer até mesmo ouvirdes frases inteiras,
principalmente quando os sentidos começam a se entorpecer. É
algumas vezes um eco fraco de um Espírito que deseja se comunicar.
O LIVRO DOS ESPÍRITOS
DA EMANCIPAÇÃO DA ALMA
capítulo 8
409. Muitas vezes, num estado que ainda não é a sonolência, quando temos
os olhos fechados, vemos imagens distintas, figuras das quais observamos
os mais minuciosos detalhes; é um efeito de visão ou de imaginação?
– O corpo, estando entorpecido, faz com que o Espírito procure
libertar-se de suas amarras. Ele se transporta e vê. Se o sono fosse
completo, seria um sonho.
412. A atividade do Espírito durante o repouso ou o sono do corpo pode
fazer com que o corpo sinta cansaço?
– Sim, pode. O Espírito está preso ao corpo, assim como um
balão cativo a um poste. Da mesma forma que as agitações do balão
abalam o poste, a atividade do Espírito reage sobre o corpo e pode
fazer com que se sinta cansado.
ESTUDANDO A MEDIUNIDADE
O SONHO
Martins Peralva
CLASSIFICAÇÃO
Espíritas: A alma, desprendida do corpo, exerce atividade real e afetiva, facultando
meios de encontrar-se com parentes, amigos, instrutores e, também, com os
inimigos, desta e de outras vidas.
O Espírito, por influxo magnético, parte para os locais de sua preferência.
O viciado procurará os outros. O religioso buscará um templo.
O sacerdote do Bem irá ao encontro do sofrimento e da lágrima, para assisti-los
fraternalmente.
Comuns: Desligando-se parcialmente do corpo, o Espírito se vê envolvido e
dominado pela onda de imagens e pensamentos, seus e do mundo exterior,
uma vez que vivemos num misterioso turbilhão das mais desencontradas ideias.
Reflexivos: A alma, abandonando o corpo físico, registra as impressões e imagens
arquivadas no subconsciente e plasmadas na organização perispiritual.
Tal registro é possível de ser feito em virtude da modificação vibratória, que põe o
Espírito em relação com fatos e paisagens remotos, desta e de outras existências.
- “Quando encarnados, na Crosta, não temos bastante consciência dos
serviços realizados durante o sono físico; contudo, esses trabalhos são
inexprimíveis e imensos. (...) Infelizmente, porém, a maioria se vale,
inconscientemente, do repouso noturno para sair à caça de emoções frívolas ou
menos dignas. Relaxam-se as defesas próprias, e certos impulsos, longamente
sopitados durante a vigília, extravasam em todas as direções, por falta de
educação espiritual, verdadeiramente sentida e vivida. (Sertório)
MISSIONÁRIOS DA LUZ
NO PLANO DOS SONHOS
André Luiz por Chico Xavier
- “Contamos, em nosso centro de estudos, com número superior a
trezentos associados; no entanto, apenas trinta e dois conseguem romper as teias
inferiores das mais baixas sensações fisiológicas, para assimilarem nossas lições.
E noites se verificam em que mesmo alguns desses quebram os compromissos
assumidos, atendendo a seduções comuns, reduzindo-se ainda mais a frequência
geral”. (Instrutor Alexandre)
Desdobrando-se no sono vulgar, a criatura segue o rumo da própria
concentração, procurando, automaticamente, fora do corpo de carne, os objetivos
que se casam com os seus interesses evidentes ou escusos.
MECANISMOS DA MEDIUNIDADE
DESDOBRAMENTO
André Luiz por Chico Xavier e Waldo Vieira
Dormindo o corpo denso, continua vigilante a onda mental de cada um –
presidindo ao sono ativo, quando registra no cérebro dormente as impressões do
Espírito desligado das células físicas, e ao sono passivo, quando a mente, nessa
condição, se desinteressa, de todo, da esfera carnal.
Nessa posição, sintoniza-se com as oscilações de companheiros
desencarnados ou não, com as quais se harmonize, trazendo para a vigília no
carro de matéria densa, em forma de inspiração, os resultados do intercâmbio que
levou a efeito, porquanto raramente consegue conscientizar as atividades que
empreendeu no tempo de sono.
O homem do campo, no repouso físico, supera os fenômenos hipnagógicos e
volta à gleba que semeou, contemplando aí, em Espírito, a plantação que lhe
recolhe o carinho; o artista regressa à obra a que se consagra, mentalizando-lhe o
aprimoramento; o espírito maternal se aconchega ao pé dos filhinhos que a vida
lhe confia, e o delinquente retorna ao lugar onde se encarcera a dor do seu
arrependimento.
Como um terço da vida física é dedicado ao sono, imenso
patrimônio logrará quem converta esse tempo ou parte dele no
investimento do progresso, em favor da libertação que lhe credenciará,
para uma existência plena, um futuro ditoso.
Se alguém diz como e o que sonha, é fácil explicar-lhe como
vive nas suas horas diárias.
Dorme-se, portanto, como se vive, sendo-lhe os sonhos o
retrato emocional da sua vida moral e espiritual.
Temas da Vida e da Morte
Manoel P. de Miranda por Divaldo P. Franco
O LIVRO DOS ESPÍRITOS
DA EMANCIPAÇÃO DA ALMA
capítulo 8
SONAMBULISMO
425. O sonambulismo natural tem relação com os sonhos? Como se pode
explicá-lo?
– É uma situação de independência do Espírito mais completa
do que no sonho, porque então suas faculdades abrangem maior
amplidão e passa a ter percepções que não tem no sonho, que é um
estado de sonambulismo imperfeito. No sonambulismo, o Espírito atinge
a plena posse de si, é inteiramente ele mesmo; os órgãos materiais,
estando de alguma forma em catalepsia, não recebem mais as
impressões exteriores. Esse estado se manifesta principalmente durante
o sono. (...) Quando os fatos do sonambulismo se produzem, é que o
Espírito, preocupado com uma coisa ou outra, se entrega a uma ação
qualquer que necessita da utilização de seu corpo, do qual se serve,
então, de uma maneira semelhante ao que se faz com uma mesa ou com
qualquer outro material no fenômeno das manifestações físicas, ou até
mesmo de vossa mão, no caso das comunicações escritas.
O LIVRO DOS ESPÍRITOS
DA EMANCIPAÇÃO DA ALMA
capítulo 8
SONAMBULISMO
432. De que modo explicar a visão à distância em certos sonâmbulos?
– A alma não se transporta durante o sono? O mesmo acontece
no sonambulismo.
433. O desenvolvimento menor ou maior da clarividência sonambúlica prende-
se à organização física ou à natureza do Espírito encarnado?
– A uma e a outra; há disposições físicas que permitem ao
Espírito se desprender mais ou menos, facilmente, da matéria.
AS SONÂMBULAS
Na cidade onde nasci, viviam uma mulher e sua filha; e
ambas eram sonâmbulas.
Uma noite, quando o silêncio envolvia o mundo, a mulher
e a filha, caminhando a dormir, encontraram-se no seu
jardim, meio velado pela neblina.
E a mãe falou:
- "Por fim, minha inimiga! Aquela por quem minha
juventude foi destroçada, que construiu sua vida sobre as
ruínas da minha! Pudesse eu matá-la."
E a filha falou:
- "Ó odiosa mulher, velha e egoísta, que se
antepõe entre mim e meu Eu livre! Que gostaria de fazer de
minha vida um eco de sua vida fanada! Quem dera
estivesses morta!"
Nesse momento, um galo cantou, e ambas as mulheres
acordaram. A mãe perguntou ternamente: "És tu, querida?"
E a filha respondeu ternamente: "Sim, querida.“
(Parábolas - Gibran Khalil Gibran)
Esta parábola retrata o que ainda ocorre em muitos dos nossos lares...
RESTRIÇÃO
DO
SONO
PREPARAÇÃO PARA UM BOM SONO:
MENTAL: leituras, conversas, filmes, atividades comedidas, não desgastantes;
ORGÂNICO: refeições leves, higiene, silêncio, etc.
ESPIRITUAL: leitura edificante, meditação, serenidade, perdão, prece
(Mediunidade, Therezinha Oliveira)
- Estabeleça horários regulares para dormir e acordar, mesmo nos fins de
semana;
- Garanta um ambiente apropriado para o sono: quarto escuro, sem barulho,
colchão adequado, temperatura agradável;
- Pratique atividades físicas regulares durante o dia;
- Evite refeições pesadas próximo do horário de dormir;
- Evite a ingestão excessiva de café e cafeinados (chás, colas, chocolates, etc)
durante o dia e, especialmente, à noite;
- Evite o consumo excessivo de nicotina;
- Evite fazer exercícios físicos vigorosos à noite;
- Evite cochilos, especialmente se prolongados, durante o dia;
- Evite ambientes muito iluminados e/ou uso prolongado de aparelhos com
iluminação (computadores, por exemplo) durante a noite;
Paul McCartney, músico inglês, em uma bela manhã do ano de 1964 acordou
inspirado por um sonho e compôs a música “Yesterday”. Esse sucesso ficou na
história e agora você já sabe que as notas do compositor foram retiradas da música
que embalava seu sonho.
Dmitri Mendeleev (1834-1907), químico Russo que realizava estudos sobres os
elementos químicos e suas propriedades. Uma noite do ano de 1869 inspirou a
organização da Tabela Periódica, o cientista sonhou com um diagrama em que todos
os componentes se encaixavam, e criou assim a Tabela Periódica moderna. Graças a
Mendeleev os elementos foram organizados em períodos e famílias para facilitar
seus estudos.
Salvador Dali (1904-1989) teve todas as suas obras inspiradas em sonhos.
Segundo o artista, é durante o sono que nos vemos libertos de nossa realidade.
Os sonhos de Niels Bohr (1885-1962), físico dinamarquês, foram muitas vezes
relacionados ao seu trabalho. Em um desses sonhos, ele sonhou com a estrutura do
átomo: Bohr viu os elétrons e o núcleo em forma de sistema solar.
Frederick Grant Banting, (1891-1941), médico canadense e Prêmio Nobel de
Fisiologia e Medicina, sonhou com um experimento que na realidade significou a
descoberta da insulina.
CURIOSIDADES SOBRE OS SONHOS
Dependendo da interpretação que dermos...
PESQUISA:
- O Livro dos Espíritos, Allan Kardec
- Mecanismos da Mediunidade, André Luiz por Chico Xavier e Waldo Vieira
- Missionário da Luz, André Luiz por Chico Xavier
- Estudando a Mediunidade, Martins Peralva
- Mediunidade, Therezinha Oliveira
- http://pt.wikipedia.org.br
- http://www.alessandrofazolo.com
- http://www.espirito.org.br
- http://www.ceismael.com.br
- http://drauziovarella.com.br
- http://redeglobo.globo.com/globociencia/
- http://www.brasilescola.com
- http://icommercepage.wordpress.com
Elaborado por Júlio César Evadro

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Sonhos na visão espírita
Sonhos na visão espíritaSonhos na visão espírita
Sonhos na visão espírita
Eduardo Ottonelli Pithan
 
O PENSAMENTO Uma abordagem espírita
O PENSAMENTO Uma abordagem espíritaO PENSAMENTO Uma abordagem espírita
O PENSAMENTO Uma abordagem espírita
Jorge Luiz dos Santos
 
A força do pensamento
A força do pensamentoA força do pensamento
A força do pensamento
Erik Gabriel Thomazi
 
7 aula reencarnação
7   aula reencarnação7   aula reencarnação
7 aula reencarnação
Sergio Lima Dias Junior
 
O sacrificio mais agradável a Deus
O sacrificio mais agradável a DeusO sacrificio mais agradável a Deus
O sacrificio mais agradável a Deus
Izabel Cristina Fonseca
 
Vencendo a morte
Vencendo a morteVencendo a morte
Vencendo a morte
Lisete B.
 
Aula espiritos errantes
Aula espiritos errantesAula espiritos errantes
Aula espiritos errantes
Oribes Teixeira
 
providência divina
providência divinaprovidência divina
providência divina
Denise Aguiar
 
Ondas e Percepções
Ondas e PercepçõesOndas e Percepções
Ondas e Percepções
hamletcrs
 
REFORMA INTIMA E ESPIRITISMO
REFORMA INTIMA E ESPIRITISMOREFORMA INTIMA E ESPIRITISMO
REFORMA INTIMA E ESPIRITISMO
ARMAZÉM DE ARTES TANIA PAUPITZ
 
Desencarnação
DesencarnaçãoDesencarnação
Palestra Espírita - A paciência
Palestra Espírita - A paciênciaPalestra Espírita - A paciência
Palestra Espírita - A paciência
Divulgador do Espiritismo
 
2.8.1 O sono e os sonhos
2.8.1   O sono e os sonhos2.8.1   O sono e os sonhos
2.8.1 O sono e os sonhos
Marta Gomes
 
O Livre Arbitrio
O Livre ArbitrioO Livre Arbitrio
O Livre Arbitrio
Rivaldo Guedes Corrêa. Jr
 
Desprendimento dos bens terrenos
Desprendimento dos bens terrenosDesprendimento dos bens terrenos
Desprendimento dos bens terrenos
Henrique Vieira
 
A QUEM MUITO FOI DADO, MUITO SERÁ.pptx
A QUEM MUITO FOI DADO, MUITO SERÁ.pptxA QUEM MUITO FOI DADO, MUITO SERÁ.pptx
A QUEM MUITO FOI DADO, MUITO SERÁ.pptx
BrunoSimoes23
 
2.9.3 Afeição dos Espíritos por certas pessoas
2.9.3   Afeição dos Espíritos por certas pessoas2.9.3   Afeição dos Espíritos por certas pessoas
2.9.3 Afeição dos Espíritos por certas pessoas
Marta Gomes
 
Missão do homem inteligente na terra
Missão do homem inteligente na terraMissão do homem inteligente na terra
Missão do homem inteligente na terra
Graça Maciel
 
07 propriedades do perespirito
07   propriedades do perespirito07   propriedades do perespirito
07 propriedades do perespirito
carlos freire
 
Sono e sonhos
Sono e sonhosSono e sonhos
Sono e sonhos
Victor Passos
 

Mais procurados (20)

Sonhos na visão espírita
Sonhos na visão espíritaSonhos na visão espírita
Sonhos na visão espírita
 
O PENSAMENTO Uma abordagem espírita
O PENSAMENTO Uma abordagem espíritaO PENSAMENTO Uma abordagem espírita
O PENSAMENTO Uma abordagem espírita
 
A força do pensamento
A força do pensamentoA força do pensamento
A força do pensamento
 
7 aula reencarnação
7   aula reencarnação7   aula reencarnação
7 aula reencarnação
 
O sacrificio mais agradável a Deus
O sacrificio mais agradável a DeusO sacrificio mais agradável a Deus
O sacrificio mais agradável a Deus
 
Vencendo a morte
Vencendo a morteVencendo a morte
Vencendo a morte
 
Aula espiritos errantes
Aula espiritos errantesAula espiritos errantes
Aula espiritos errantes
 
providência divina
providência divinaprovidência divina
providência divina
 
Ondas e Percepções
Ondas e PercepçõesOndas e Percepções
Ondas e Percepções
 
REFORMA INTIMA E ESPIRITISMO
REFORMA INTIMA E ESPIRITISMOREFORMA INTIMA E ESPIRITISMO
REFORMA INTIMA E ESPIRITISMO
 
Desencarnação
DesencarnaçãoDesencarnação
Desencarnação
 
Palestra Espírita - A paciência
Palestra Espírita - A paciênciaPalestra Espírita - A paciência
Palestra Espírita - A paciência
 
2.8.1 O sono e os sonhos
2.8.1   O sono e os sonhos2.8.1   O sono e os sonhos
2.8.1 O sono e os sonhos
 
O Livre Arbitrio
O Livre ArbitrioO Livre Arbitrio
O Livre Arbitrio
 
Desprendimento dos bens terrenos
Desprendimento dos bens terrenosDesprendimento dos bens terrenos
Desprendimento dos bens terrenos
 
A QUEM MUITO FOI DADO, MUITO SERÁ.pptx
A QUEM MUITO FOI DADO, MUITO SERÁ.pptxA QUEM MUITO FOI DADO, MUITO SERÁ.pptx
A QUEM MUITO FOI DADO, MUITO SERÁ.pptx
 
2.9.3 Afeição dos Espíritos por certas pessoas
2.9.3   Afeição dos Espíritos por certas pessoas2.9.3   Afeição dos Espíritos por certas pessoas
2.9.3 Afeição dos Espíritos por certas pessoas
 
Missão do homem inteligente na terra
Missão do homem inteligente na terraMissão do homem inteligente na terra
Missão do homem inteligente na terra
 
07 propriedades do perespirito
07   propriedades do perespirito07   propriedades do perespirito
07 propriedades do perespirito
 
Sono e sonhos
Sono e sonhosSono e sonhos
Sono e sonhos
 

Destaque

Sono e sonhos
Sono e sonhosSono e sonhos
Sono e sonhos
Graça Maciel
 
Palestra Sobre Sono E Sonho
Palestra Sobre Sono E SonhoPalestra Sobre Sono E Sonho
Palestra Sobre Sono E Sonho
Grupo Espírita Cristão
 
Sono e Sonhos na visão Espírita
Sono e Sonhos na visão EspíritaSono e Sonhos na visão Espírita
Sono e Sonhos na visão Espírita
ARMAZÉM DE ARTES TANIA PAUPITZ
 
O sono e os sonhos
O sono e os sonhosO sono e os sonhos
O sono e os sonhos
Shantappa Jewur
 
Mocidade Espírita Chico Xavier - Sono e Sonhos
Mocidade Espírita Chico Xavier - Sono e SonhosMocidade Espírita Chico Xavier - Sono e Sonhos
Mocidade Espírita Chico Xavier - Sono e Sonhos
Sergio Lima Dias Junior
 
Estados de emancipação da alma-1,5hs
Estados de emancipação da alma-1,5hsEstados de emancipação da alma-1,5hs
Estados de emancipação da alma-1,5hs
home
 
Mocidade Espírita Chico Xavier - Vidência e clarividência
Mocidade Espírita Chico Xavier - Vidência e clarividênciaMocidade Espírita Chico Xavier - Vidência e clarividência
Mocidade Espírita Chico Xavier - Vidência e clarividência
Sergio Lima Dias Junior
 
Psicanálise e a interpretação dos sonhos
Psicanálise e a interpretação dos sonhosPsicanálise e a interpretação dos sonhos
Psicanálise e a interpretação dos sonhos
Isabel Vitória
 
081029 le–livro ii-cap.8–o sono e os sonhos
081029 le–livro ii-cap.8–o sono e os sonhos081029 le–livro ii-cap.8–o sono e os sonhos
081029 le–livro ii-cap.8–o sono e os sonhos
Carlos Alberto Freire De Souza
 
Power point do Curso "Interpretação dos Sonhos na Prática Psicanalítica" - Jo...
Power point do Curso "Interpretação dos Sonhos na Prática Psicanalítica" - Jo...Power point do Curso "Interpretação dos Sonhos na Prática Psicanalítica" - Jo...
Power point do Curso "Interpretação dos Sonhos na Prática Psicanalítica" - Jo...
Tacio Aguiar
 
Sonhos
SonhosSonhos
Sonhos
sonhoss
 
A interpretação dos sonhos
A interpretação dos sonhosA interpretação dos sonhos
A interpretação dos sonhos
Claudio Duarte Sá
 
O SONO E OS SONHOS
O SONO E OS SONHOSO SONO E OS SONHOS
O SONO E OS SONHOS
Isnande Mota Barros
 
Exposicao interpretacao dos sonhos
Exposicao   interpretacao dos sonhosExposicao   interpretacao dos sonhos
Exposicao interpretacao dos sonhos
caminhodaluz41
 
Comunicação dos pensamentos 413 a 421
Comunicação dos pensamentos 413 a 421Comunicação dos pensamentos 413 a 421
Comunicação dos pensamentos 413 a 421
Shantappa Jewur
 
Coem 2011-aula-20-emancipacao da-alma
Coem 2011-aula-20-emancipacao da-almaCoem 2011-aula-20-emancipacao da-alma
Coem 2011-aula-20-emancipacao da-alma
Alice Lirio
 
Palestra Interpretação dos Sonhos - Sigmund Freud
Palestra Interpretação dos Sonhos - Sigmund FreudPalestra Interpretação dos Sonhos - Sigmund Freud
Palestra Interpretação dos Sonhos - Sigmund Freud
tacio111
 
Mocidade Espírita Chico Xavier - Desdobramento
Mocidade Espírita Chico Xavier - DesdobramentoMocidade Espírita Chico Xavier - Desdobramento
Mocidade Espírita Chico Xavier - Desdobramento
Sergio Lima Dias Junior
 
Regressão através da manipulação da sua energia
Regressão através da manipulação da sua energiaRegressão através da manipulação da sua energia
Regressão através da manipulação da sua energia
GSArt Web Solutions
 
Psicologia alteraçoes do sono
Psicologia alteraçoes do sonoPsicologia alteraçoes do sono
Psicologia alteraçoes do sono
fergwen
 

Destaque (20)

Sono e sonhos
Sono e sonhosSono e sonhos
Sono e sonhos
 
Palestra Sobre Sono E Sonho
Palestra Sobre Sono E SonhoPalestra Sobre Sono E Sonho
Palestra Sobre Sono E Sonho
 
Sono e Sonhos na visão Espírita
Sono e Sonhos na visão EspíritaSono e Sonhos na visão Espírita
Sono e Sonhos na visão Espírita
 
O sono e os sonhos
O sono e os sonhosO sono e os sonhos
O sono e os sonhos
 
Mocidade Espírita Chico Xavier - Sono e Sonhos
Mocidade Espírita Chico Xavier - Sono e SonhosMocidade Espírita Chico Xavier - Sono e Sonhos
Mocidade Espírita Chico Xavier - Sono e Sonhos
 
Estados de emancipação da alma-1,5hs
Estados de emancipação da alma-1,5hsEstados de emancipação da alma-1,5hs
Estados de emancipação da alma-1,5hs
 
Mocidade Espírita Chico Xavier - Vidência e clarividência
Mocidade Espírita Chico Xavier - Vidência e clarividênciaMocidade Espírita Chico Xavier - Vidência e clarividência
Mocidade Espírita Chico Xavier - Vidência e clarividência
 
Psicanálise e a interpretação dos sonhos
Psicanálise e a interpretação dos sonhosPsicanálise e a interpretação dos sonhos
Psicanálise e a interpretação dos sonhos
 
081029 le–livro ii-cap.8–o sono e os sonhos
081029 le–livro ii-cap.8–o sono e os sonhos081029 le–livro ii-cap.8–o sono e os sonhos
081029 le–livro ii-cap.8–o sono e os sonhos
 
Power point do Curso "Interpretação dos Sonhos na Prática Psicanalítica" - Jo...
Power point do Curso "Interpretação dos Sonhos na Prática Psicanalítica" - Jo...Power point do Curso "Interpretação dos Sonhos na Prática Psicanalítica" - Jo...
Power point do Curso "Interpretação dos Sonhos na Prática Psicanalítica" - Jo...
 
Sonhos
SonhosSonhos
Sonhos
 
A interpretação dos sonhos
A interpretação dos sonhosA interpretação dos sonhos
A interpretação dos sonhos
 
O SONO E OS SONHOS
O SONO E OS SONHOSO SONO E OS SONHOS
O SONO E OS SONHOS
 
Exposicao interpretacao dos sonhos
Exposicao   interpretacao dos sonhosExposicao   interpretacao dos sonhos
Exposicao interpretacao dos sonhos
 
Comunicação dos pensamentos 413 a 421
Comunicação dos pensamentos 413 a 421Comunicação dos pensamentos 413 a 421
Comunicação dos pensamentos 413 a 421
 
Coem 2011-aula-20-emancipacao da-alma
Coem 2011-aula-20-emancipacao da-almaCoem 2011-aula-20-emancipacao da-alma
Coem 2011-aula-20-emancipacao da-alma
 
Palestra Interpretação dos Sonhos - Sigmund Freud
Palestra Interpretação dos Sonhos - Sigmund FreudPalestra Interpretação dos Sonhos - Sigmund Freud
Palestra Interpretação dos Sonhos - Sigmund Freud
 
Mocidade Espírita Chico Xavier - Desdobramento
Mocidade Espírita Chico Xavier - DesdobramentoMocidade Espírita Chico Xavier - Desdobramento
Mocidade Espírita Chico Xavier - Desdobramento
 
Regressão através da manipulação da sua energia
Regressão através da manipulação da sua energiaRegressão através da manipulação da sua energia
Regressão através da manipulação da sua energia
 
Psicologia alteraçoes do sono
Psicologia alteraçoes do sonoPsicologia alteraçoes do sono
Psicologia alteraçoes do sono
 

Semelhante a 07 sono e sonhos

Evangeliza - Sono e Sonhos
Evangeliza - Sono e SonhosEvangeliza - Sono e Sonhos
Evangeliza - Sono e Sonhos
Antonino Silva
 
Visaoespiritasonosonhos
VisaoespiritasonosonhosVisaoespiritasonosonhos
Visaoespiritasonosonhos
Neusa Lustosa
 
SONO E SONHOS VISÃO ESPIRITA
SONO E SONHOS VISÃO ESPIRITASONO E SONHOS VISÃO ESPIRITA
SONO E SONHOS VISÃO ESPIRITA
ARMAZÉM DE ARTES TANIA PAUPITZ
 
O sono e os sonhos (g.e. cristao a caminho da luz)
O sono e os sonhos (g.e. cristao a caminho da luz)O sono e os sonhos (g.e. cristao a caminho da luz)
O sono e os sonhos (g.e. cristao a caminho da luz)
Laboratório de Cimentos da UFRN - LABCIM/UFRN
 
O sono e os sonhos
O sono e os sonhosO sono e os sonhos
O sono e os sonhos
Shantappa Jewur
 
Capitulo VIII - Emancipacao da alma
Capitulo VIII - Emancipacao da almaCapitulo VIII - Emancipacao da alma
Capitulo VIII - Emancipacao da alma
Marta Gomes
 
081105 le–livro ii-cap.8–o sono e os sonhos-cont
081105 le–livro ii-cap.8–o sono e os sonhos-cont081105 le–livro ii-cap.8–o sono e os sonhos-cont
081105 le–livro ii-cap.8–o sono e os sonhos-cont
Carlos Alberto Freire De Souza
 
53 o sono e os sonhos
53 o sono e os sonhos53 o sono e os sonhos
53 o sono e os sonhos
Antonio SSantos
 
Paletras - Sonhos, mensagens da alma ...
Paletras - Sonhos, mensagens da alma ...Paletras - Sonhos, mensagens da alma ...
Paletras - Sonhos, mensagens da alma ...
dariosr40
 
Emancipação Parcial da Alma 2
Emancipação Parcial da Alma 2Emancipação Parcial da Alma 2
Emancipação Parcial da Alma 2
Graça Maciel
 
Seminário sobre os sonhos
Seminário sobre os sonhosSeminário sobre os sonhos
Seminário sobre os sonhos
Djalma Argollo
 
Sono & Sonhos ESDE. Visão Espírita, Fenômenos da Atencipação da Alam
Sono & Sonhos ESDE. Visão Espírita, Fenômenos da Atencipação da AlamSono & Sonhos ESDE. Visão Espírita, Fenômenos da Atencipação da Alam
Sono & Sonhos ESDE. Visão Espírita, Fenômenos da Atencipação da Alam
Deborah Oliver
 
( Espiritismo) # - aluney e a silva - atividade noturna do espirito, desdob...
( Espiritismo)   # - aluney e a silva - atividade noturna do espirito, desdob...( Espiritismo)   # - aluney e a silva - atividade noturna do espirito, desdob...
( Espiritismo) # - aluney e a silva - atividade noturna do espirito, desdob...
Instituto de Psicobiofísica Rama Schain
 
( Espiritismo) # - aluney e a silva - atividade noturna do espirito, desdob...
( Espiritismo)   # - aluney e a silva - atividade noturna do espirito, desdob...( Espiritismo)   # - aluney e a silva - atividade noturna do espirito, desdob...
( Espiritismo) # - aluney e a silva - atividade noturna do espirito, desdob...
Instituto de Psicobiofísica Rama Schain
 
Estados da emancipação da alma parte 1 (elio mollo)
Estados da emancipação da alma   parte 1 (elio mollo)Estados da emancipação da alma   parte 1 (elio mollo)
Estados da emancipação da alma parte 1 (elio mollo)
Maria Salete da Cunha
 
Estados da emancipação da alma parte 1 (elio mollo)
Estados da emancipação da alma   parte 1 (elio mollo)Estados da emancipação da alma   parte 1 (elio mollo)
Estados da emancipação da alma parte 1 (elio mollo)
Maria Salete da Cunha
 
Estudo Sistematizado da Mediunidade
Estudo Sistematizado da Mediunidade Estudo Sistematizado da Mediunidade
Estudo Sistematizado da Mediunidade
Leonardo Pereira
 
Estudo Sistematizado da Mediunidade
Estudo Sistematizado da Mediunidade Estudo Sistematizado da Mediunidade
Estudo Sistematizado da Mediunidade
Leonardo Pereira
 
2.8.4 sonambulismo
2.8.4   sonambulismo2.8.4   sonambulismo
2.8.4 sonambulismo
Marta Gomes
 
1 5. sono, sonambulismo, êxtase e dupla vista claudio c. conti
1 5. sono, sonambulismo, êxtase e dupla vista claudio c. conti1 5. sono, sonambulismo, êxtase e dupla vista claudio c. conti
1 5. sono, sonambulismo, êxtase e dupla vista claudio c. conti
Silvio Figueirôa
 

Semelhante a 07 sono e sonhos (20)

Evangeliza - Sono e Sonhos
Evangeliza - Sono e SonhosEvangeliza - Sono e Sonhos
Evangeliza - Sono e Sonhos
 
Visaoespiritasonosonhos
VisaoespiritasonosonhosVisaoespiritasonosonhos
Visaoespiritasonosonhos
 
SONO E SONHOS VISÃO ESPIRITA
SONO E SONHOS VISÃO ESPIRITASONO E SONHOS VISÃO ESPIRITA
SONO E SONHOS VISÃO ESPIRITA
 
O sono e os sonhos (g.e. cristao a caminho da luz)
O sono e os sonhos (g.e. cristao a caminho da luz)O sono e os sonhos (g.e. cristao a caminho da luz)
O sono e os sonhos (g.e. cristao a caminho da luz)
 
O sono e os sonhos
O sono e os sonhosO sono e os sonhos
O sono e os sonhos
 
Capitulo VIII - Emancipacao da alma
Capitulo VIII - Emancipacao da almaCapitulo VIII - Emancipacao da alma
Capitulo VIII - Emancipacao da alma
 
081105 le–livro ii-cap.8–o sono e os sonhos-cont
081105 le–livro ii-cap.8–o sono e os sonhos-cont081105 le–livro ii-cap.8–o sono e os sonhos-cont
081105 le–livro ii-cap.8–o sono e os sonhos-cont
 
53 o sono e os sonhos
53 o sono e os sonhos53 o sono e os sonhos
53 o sono e os sonhos
 
Paletras - Sonhos, mensagens da alma ...
Paletras - Sonhos, mensagens da alma ...Paletras - Sonhos, mensagens da alma ...
Paletras - Sonhos, mensagens da alma ...
 
Emancipação Parcial da Alma 2
Emancipação Parcial da Alma 2Emancipação Parcial da Alma 2
Emancipação Parcial da Alma 2
 
Seminário sobre os sonhos
Seminário sobre os sonhosSeminário sobre os sonhos
Seminário sobre os sonhos
 
Sono & Sonhos ESDE. Visão Espírita, Fenômenos da Atencipação da Alam
Sono & Sonhos ESDE. Visão Espírita, Fenômenos da Atencipação da AlamSono & Sonhos ESDE. Visão Espírita, Fenômenos da Atencipação da Alam
Sono & Sonhos ESDE. Visão Espírita, Fenômenos da Atencipação da Alam
 
( Espiritismo) # - aluney e a silva - atividade noturna do espirito, desdob...
( Espiritismo)   # - aluney e a silva - atividade noturna do espirito, desdob...( Espiritismo)   # - aluney e a silva - atividade noturna do espirito, desdob...
( Espiritismo) # - aluney e a silva - atividade noturna do espirito, desdob...
 
( Espiritismo) # - aluney e a silva - atividade noturna do espirito, desdob...
( Espiritismo)   # - aluney e a silva - atividade noturna do espirito, desdob...( Espiritismo)   # - aluney e a silva - atividade noturna do espirito, desdob...
( Espiritismo) # - aluney e a silva - atividade noturna do espirito, desdob...
 
Estados da emancipação da alma parte 1 (elio mollo)
Estados da emancipação da alma   parte 1 (elio mollo)Estados da emancipação da alma   parte 1 (elio mollo)
Estados da emancipação da alma parte 1 (elio mollo)
 
Estados da emancipação da alma parte 1 (elio mollo)
Estados da emancipação da alma   parte 1 (elio mollo)Estados da emancipação da alma   parte 1 (elio mollo)
Estados da emancipação da alma parte 1 (elio mollo)
 
Estudo Sistematizado da Mediunidade
Estudo Sistematizado da Mediunidade Estudo Sistematizado da Mediunidade
Estudo Sistematizado da Mediunidade
 
Estudo Sistematizado da Mediunidade
Estudo Sistematizado da Mediunidade Estudo Sistematizado da Mediunidade
Estudo Sistematizado da Mediunidade
 
2.8.4 sonambulismo
2.8.4   sonambulismo2.8.4   sonambulismo
2.8.4 sonambulismo
 
1 5. sono, sonambulismo, êxtase e dupla vista claudio c. conti
1 5. sono, sonambulismo, êxtase e dupla vista claudio c. conti1 5. sono, sonambulismo, êxtase e dupla vista claudio c. conti
1 5. sono, sonambulismo, êxtase e dupla vista claudio c. conti
 

Mais de jcevadro

Mistificações, contradições e animismo
Mistificações, contradições e animismoMistificações, contradições e animismo
Mistificações, contradições e animismo
jcevadro
 
O processo obsessivo - obsessor e obsidiado - obsessão e loucura
O processo obsessivo - obsessor e obsidiado - obsessão e loucuraO processo obsessivo - obsessor e obsidiado - obsessão e loucura
O processo obsessivo - obsessor e obsidiado - obsessão e loucura
jcevadro
 
Conceito,causas e graus da obsessão
Conceito,causas e graus da obsessãoConceito,causas e graus da obsessão
Conceito,causas e graus da obsessão
jcevadro
 
A audiência, a psicopictografia, psicometria e o sonambulismo
A audiência, a psicopictografia, psicometria e o sonambulismoA audiência, a psicopictografia, psicometria e o sonambulismo
A audiência, a psicopictografia, psicometria e o sonambulismo
jcevadro
 
A psicofonia, a vidência e as manifestações visuais
A psicofonia, a vidência e as manifestações visuaisA psicofonia, a vidência e as manifestações visuais
A psicofonia, a vidência e as manifestações visuais
jcevadro
 
A categoria de médiuns de efeitos intelectuais - a psicografia
A categoria de médiuns de efeitos intelectuais - a  psicografiaA categoria de médiuns de efeitos intelectuais - a  psicografia
A categoria de médiuns de efeitos intelectuais - a psicografia
jcevadro
 
Mecanismo das comunicações - Afinidade - Sintonia
Mecanismo das comunicações - Afinidade  - SintoniaMecanismo das comunicações - Afinidade  - Sintonia
Mecanismo das comunicações - Afinidade - Sintonia
jcevadro
 
Sintomas precursores da mediunidade
Sintomas precursores da mediunidadeSintomas precursores da mediunidade
Sintomas precursores da mediunidade
jcevadro
 
Desobsessão-profilaxia e terapêutica
Desobsessão-profilaxia e terapêuticaDesobsessão-profilaxia e terapêutica
Desobsessão-profilaxia e terapêutica
jcevadro
 
18 transe - conceito e tipos
18   transe - conceito e tipos18   transe - conceito e tipos
18 transe - conceito e tipos
jcevadro
 
04 A categoria de médiuns de efeitos físicos
04   A categoria de médiuns de efeitos físicos04   A categoria de médiuns de efeitos físicos
04 A categoria de médiuns de efeitos físicos
jcevadro
 
16 o passe, responsabilidade do médium e assistidos
16   o  passe, responsabilidade do médium e assistidos16   o  passe, responsabilidade do médium e assistidos
16 o passe, responsabilidade do médium e assistidos
jcevadro
 
15 o passe-conceito, tipos e mecanismos
15   o passe-conceito, tipos e mecanismos15   o passe-conceito, tipos e mecanismos
15 o passe-conceito, tipos e mecanismos
jcevadro
 
2.o fenômeno mediúnico através dos tempos. médiuns precursores
2.o fenômeno mediúnico através dos tempos. médiuns precursores2.o fenômeno mediúnico através dos tempos. médiuns precursores
2.o fenômeno mediúnico através dos tempos. médiuns precursores
jcevadro
 
01 o médium conceito e classif. mediunidade com jesus
01   o médium conceito e classif. mediunidade com jesus01   o médium conceito e classif. mediunidade com jesus
01 o médium conceito e classif. mediunidade com jesus
jcevadro
 
08 o ectoplasma
08   o ectoplasma08   o ectoplasma
08 o ectoplasma
jcevadro
 
11 centros vitais frontal e laríngeo
11   centros vitais frontal e laríngeo11   centros vitais frontal e laríngeo
11 centros vitais frontal e laríngeo
jcevadro
 
18 transe. conceito - tipos
18   transe. conceito - tipos18   transe. conceito - tipos
18 transe. conceito - tipos
jcevadro
 
14 atividade espiritual no centro espírita
14   atividade espiritual no centro espírita14   atividade espiritual no centro espírita
14 atividade espiritual no centro espírita
jcevadro
 
06 perispírito
06   perispírito06   perispírito
06 perispírito
jcevadro
 

Mais de jcevadro (20)

Mistificações, contradições e animismo
Mistificações, contradições e animismoMistificações, contradições e animismo
Mistificações, contradições e animismo
 
O processo obsessivo - obsessor e obsidiado - obsessão e loucura
O processo obsessivo - obsessor e obsidiado - obsessão e loucuraO processo obsessivo - obsessor e obsidiado - obsessão e loucura
O processo obsessivo - obsessor e obsidiado - obsessão e loucura
 
Conceito,causas e graus da obsessão
Conceito,causas e graus da obsessãoConceito,causas e graus da obsessão
Conceito,causas e graus da obsessão
 
A audiência, a psicopictografia, psicometria e o sonambulismo
A audiência, a psicopictografia, psicometria e o sonambulismoA audiência, a psicopictografia, psicometria e o sonambulismo
A audiência, a psicopictografia, psicometria e o sonambulismo
 
A psicofonia, a vidência e as manifestações visuais
A psicofonia, a vidência e as manifestações visuaisA psicofonia, a vidência e as manifestações visuais
A psicofonia, a vidência e as manifestações visuais
 
A categoria de médiuns de efeitos intelectuais - a psicografia
A categoria de médiuns de efeitos intelectuais - a  psicografiaA categoria de médiuns de efeitos intelectuais - a  psicografia
A categoria de médiuns de efeitos intelectuais - a psicografia
 
Mecanismo das comunicações - Afinidade - Sintonia
Mecanismo das comunicações - Afinidade  - SintoniaMecanismo das comunicações - Afinidade  - Sintonia
Mecanismo das comunicações - Afinidade - Sintonia
 
Sintomas precursores da mediunidade
Sintomas precursores da mediunidadeSintomas precursores da mediunidade
Sintomas precursores da mediunidade
 
Desobsessão-profilaxia e terapêutica
Desobsessão-profilaxia e terapêuticaDesobsessão-profilaxia e terapêutica
Desobsessão-profilaxia e terapêutica
 
18 transe - conceito e tipos
18   transe - conceito e tipos18   transe - conceito e tipos
18 transe - conceito e tipos
 
04 A categoria de médiuns de efeitos físicos
04   A categoria de médiuns de efeitos físicos04   A categoria de médiuns de efeitos físicos
04 A categoria de médiuns de efeitos físicos
 
16 o passe, responsabilidade do médium e assistidos
16   o  passe, responsabilidade do médium e assistidos16   o  passe, responsabilidade do médium e assistidos
16 o passe, responsabilidade do médium e assistidos
 
15 o passe-conceito, tipos e mecanismos
15   o passe-conceito, tipos e mecanismos15   o passe-conceito, tipos e mecanismos
15 o passe-conceito, tipos e mecanismos
 
2.o fenômeno mediúnico através dos tempos. médiuns precursores
2.o fenômeno mediúnico através dos tempos. médiuns precursores2.o fenômeno mediúnico através dos tempos. médiuns precursores
2.o fenômeno mediúnico através dos tempos. médiuns precursores
 
01 o médium conceito e classif. mediunidade com jesus
01   o médium conceito e classif. mediunidade com jesus01   o médium conceito e classif. mediunidade com jesus
01 o médium conceito e classif. mediunidade com jesus
 
08 o ectoplasma
08   o ectoplasma08   o ectoplasma
08 o ectoplasma
 
11 centros vitais frontal e laríngeo
11   centros vitais frontal e laríngeo11   centros vitais frontal e laríngeo
11 centros vitais frontal e laríngeo
 
18 transe. conceito - tipos
18   transe. conceito - tipos18   transe. conceito - tipos
18 transe. conceito - tipos
 
14 atividade espiritual no centro espírita
14   atividade espiritual no centro espírita14   atividade espiritual no centro espírita
14 atividade espiritual no centro espírita
 
06 perispírito
06   perispírito06   perispírito
06 perispírito
 

Último

21 Dias - Jejum de Daniel Copyright ©️ de Joel Engel.pdf
21 Dias - Jejum de Daniel Copyright ©️ de Joel Engel.pdf21 Dias - Jejum de Daniel Copyright ©️ de Joel Engel.pdf
21 Dias - Jejum de Daniel Copyright ©️ de Joel Engel.pdf
AlailzaSoares1
 
auxiliar- juvenis-1trimestre de 2024.pdf
auxiliar- juvenis-1trimestre de 2024.pdfauxiliar- juvenis-1trimestre de 2024.pdf
auxiliar- juvenis-1trimestre de 2024.pdf
EzeirAlvesdaSilva
 
quem e essa pessoa. Rogerio Augusto Ayres de Araújo
quem e essa pessoa. Rogerio Augusto Ayres de Araújoquem e essa pessoa. Rogerio Augusto Ayres de Araújo
quem e essa pessoa. Rogerio Augusto Ayres de Araújo
Rogério Augusto Ayres de Araujo
 
1.3 - Criação. Considerações e concordâncias bíblicas no tocante à criação.
1.3 - Criação. Considerações e concordâncias bíblicas no tocante à criação.1.3 - Criação. Considerações e concordâncias bíblicas no tocante à criação.
1.3 - Criação. Considerações e concordâncias bíblicas no tocante à criação.
Marta Gomes
 
Lição 2 O Livro de Rute - CPAD Adultos.pptx
Lição 2 O Livro de Rute - CPAD Adultos.pptxLição 2 O Livro de Rute - CPAD Adultos.pptx
Lição 2 O Livro de Rute - CPAD Adultos.pptx
Celso Napoleon
 
A Parábola da Figueira Seca - Grupo Espírita Rafael
A Parábola da Figueira Seca - Grupo Espírita RafaelA Parábola da Figueira Seca - Grupo Espírita Rafael
A Parábola da Figueira Seca - Grupo Espírita Rafael
DavidBertelli3
 
PALESTRA SACRAMENTO DO MATRIMÔNIO 09-09-2017 slides.ppt
PALESTRA SACRAMENTO DO MATRIMÔNIO 09-09-2017 slides.pptPALESTRA SACRAMENTO DO MATRIMÔNIO 09-09-2017 slides.ppt
PALESTRA SACRAMENTO DO MATRIMÔNIO 09-09-2017 slides.ppt
FranciscoAudisio2
 
10 Orações Poderosas Ao Espírito Santo
10 Orações Poderosas Ao Espírito Santo10 Orações Poderosas Ao Espírito Santo
10 Orações Poderosas Ao Espírito Santo
Nilson Almeida
 
8 - A Palavra de Honra do Cristão.Versículo-Chave: Tiago 5.12
8 - A Palavra de Honra do Cristão.Versículo-Chave: Tiago 5.128 - A Palavra de Honra do Cristão.Versículo-Chave: Tiago 5.12
8 - A Palavra de Honra do Cristão.Versículo-Chave: Tiago 5.12
PIB Penha
 
7 - O Casamento Cristão. Mateus 19.6 Assim, eles já não são dois, mas sim uma...
7 - O Casamento Cristão. Mateus 19.6 Assim, eles já não são dois, mas sim uma...7 - O Casamento Cristão. Mateus 19.6 Assim, eles já não são dois, mas sim uma...
7 - O Casamento Cristão. Mateus 19.6 Assim, eles já não são dois, mas sim uma...
PIB Penha
 
5 - A justiça do cristão. Mateus 5.20 Pois eu digo que, se a justiça de vocês...
5 - A justiça do cristão. Mateus 5.20 Pois eu digo que, se a justiça de vocês...5 - A justiça do cristão. Mateus 5.20 Pois eu digo que, se a justiça de vocês...
5 - A justiça do cristão. Mateus 5.20 Pois eu digo que, se a justiça de vocês...
PIB Penha
 
Batismo CELEBRANDO A NOSSA FÉ BATISMAL.pptx
Batismo CELEBRANDO A NOSSA FÉ BATISMAL.pptxBatismo CELEBRANDO A NOSSA FÉ BATISMAL.pptx
Batismo CELEBRANDO A NOSSA FÉ BATISMAL.pptx
nadeclarice
 
Encontro ECC - Sacramento Penitência.ppt
Encontro ECC - Sacramento Penitência.pptEncontro ECC - Sacramento Penitência.ppt
Encontro ECC - Sacramento Penitência.ppt
SanturioTacararu
 
Lição 3 Rute e Noemi - Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Lição 3 Rute e Noemi - Entrelaçadas pelo Amor.pptxLição 3 Rute e Noemi - Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Lição 3 Rute e Noemi - Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Celso Napoleon
 
Marie Louise Von Franz - Alquimia.pdf001
Marie Louise Von Franz - Alquimia.pdf001Marie Louise Von Franz - Alquimia.pdf001
Marie Louise Von Franz - Alquimia.pdf001
EdimarEdigesso
 
3 - Plena Paz.ppt Harpa cristã assembleia
3 - Plena Paz.ppt Harpa cristã assembleia3 - Plena Paz.ppt Harpa cristã assembleia
3 - Plena Paz.ppt Harpa cristã assembleia
OBrasilParaCristoRad
 
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 142 - Revides
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 142 - RevidesSérie Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 142 - Revides
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 142 - Revides
Ricardo Azevedo
 
3 - O Caráter do Cristão 2. Lição 3: O CARÁTER DO CRISTÃO (2)
3 - O Caráter do Cristão 2. Lição 3: O CARÁTER DO CRISTÃO (2)3 - O Caráter do Cristão 2. Lição 3: O CARÁTER DO CRISTÃO (2)
3 - O Caráter do Cristão 2. Lição 3: O CARÁTER DO CRISTÃO (2)
PIB Penha
 
controle-unidade.pptxvvvvggffgfftrddfyug
controle-unidade.pptxvvvvggffgfftrddfyugcontrole-unidade.pptxvvvvggffgfftrddfyug
controle-unidade.pptxvvvvggffgfftrddfyug
AntonioMugiba
 
A VIVÊNCIA DO SACRAMENTO DO MATRIMÔNIO slides.ppt
A VIVÊNCIA DO SACRAMENTO DO MATRIMÔNIO slides.pptA VIVÊNCIA DO SACRAMENTO DO MATRIMÔNIO slides.ppt
A VIVÊNCIA DO SACRAMENTO DO MATRIMÔNIO slides.ppt
FranciscoAudisio2
 

Último (20)

21 Dias - Jejum de Daniel Copyright ©️ de Joel Engel.pdf
21 Dias - Jejum de Daniel Copyright ©️ de Joel Engel.pdf21 Dias - Jejum de Daniel Copyright ©️ de Joel Engel.pdf
21 Dias - Jejum de Daniel Copyright ©️ de Joel Engel.pdf
 
auxiliar- juvenis-1trimestre de 2024.pdf
auxiliar- juvenis-1trimestre de 2024.pdfauxiliar- juvenis-1trimestre de 2024.pdf
auxiliar- juvenis-1trimestre de 2024.pdf
 
quem e essa pessoa. Rogerio Augusto Ayres de Araújo
quem e essa pessoa. Rogerio Augusto Ayres de Araújoquem e essa pessoa. Rogerio Augusto Ayres de Araújo
quem e essa pessoa. Rogerio Augusto Ayres de Araújo
 
1.3 - Criação. Considerações e concordâncias bíblicas no tocante à criação.
1.3 - Criação. Considerações e concordâncias bíblicas no tocante à criação.1.3 - Criação. Considerações e concordâncias bíblicas no tocante à criação.
1.3 - Criação. Considerações e concordâncias bíblicas no tocante à criação.
 
Lição 2 O Livro de Rute - CPAD Adultos.pptx
Lição 2 O Livro de Rute - CPAD Adultos.pptxLição 2 O Livro de Rute - CPAD Adultos.pptx
Lição 2 O Livro de Rute - CPAD Adultos.pptx
 
A Parábola da Figueira Seca - Grupo Espírita Rafael
A Parábola da Figueira Seca - Grupo Espírita RafaelA Parábola da Figueira Seca - Grupo Espírita Rafael
A Parábola da Figueira Seca - Grupo Espírita Rafael
 
PALESTRA SACRAMENTO DO MATRIMÔNIO 09-09-2017 slides.ppt
PALESTRA SACRAMENTO DO MATRIMÔNIO 09-09-2017 slides.pptPALESTRA SACRAMENTO DO MATRIMÔNIO 09-09-2017 slides.ppt
PALESTRA SACRAMENTO DO MATRIMÔNIO 09-09-2017 slides.ppt
 
10 Orações Poderosas Ao Espírito Santo
10 Orações Poderosas Ao Espírito Santo10 Orações Poderosas Ao Espírito Santo
10 Orações Poderosas Ao Espírito Santo
 
8 - A Palavra de Honra do Cristão.Versículo-Chave: Tiago 5.12
8 - A Palavra de Honra do Cristão.Versículo-Chave: Tiago 5.128 - A Palavra de Honra do Cristão.Versículo-Chave: Tiago 5.12
8 - A Palavra de Honra do Cristão.Versículo-Chave: Tiago 5.12
 
7 - O Casamento Cristão. Mateus 19.6 Assim, eles já não são dois, mas sim uma...
7 - O Casamento Cristão. Mateus 19.6 Assim, eles já não são dois, mas sim uma...7 - O Casamento Cristão. Mateus 19.6 Assim, eles já não são dois, mas sim uma...
7 - O Casamento Cristão. Mateus 19.6 Assim, eles já não são dois, mas sim uma...
 
5 - A justiça do cristão. Mateus 5.20 Pois eu digo que, se a justiça de vocês...
5 - A justiça do cristão. Mateus 5.20 Pois eu digo que, se a justiça de vocês...5 - A justiça do cristão. Mateus 5.20 Pois eu digo que, se a justiça de vocês...
5 - A justiça do cristão. Mateus 5.20 Pois eu digo que, se a justiça de vocês...
 
Batismo CELEBRANDO A NOSSA FÉ BATISMAL.pptx
Batismo CELEBRANDO A NOSSA FÉ BATISMAL.pptxBatismo CELEBRANDO A NOSSA FÉ BATISMAL.pptx
Batismo CELEBRANDO A NOSSA FÉ BATISMAL.pptx
 
Encontro ECC - Sacramento Penitência.ppt
Encontro ECC - Sacramento Penitência.pptEncontro ECC - Sacramento Penitência.ppt
Encontro ECC - Sacramento Penitência.ppt
 
Lição 3 Rute e Noemi - Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Lição 3 Rute e Noemi - Entrelaçadas pelo Amor.pptxLição 3 Rute e Noemi - Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Lição 3 Rute e Noemi - Entrelaçadas pelo Amor.pptx
 
Marie Louise Von Franz - Alquimia.pdf001
Marie Louise Von Franz - Alquimia.pdf001Marie Louise Von Franz - Alquimia.pdf001
Marie Louise Von Franz - Alquimia.pdf001
 
3 - Plena Paz.ppt Harpa cristã assembleia
3 - Plena Paz.ppt Harpa cristã assembleia3 - Plena Paz.ppt Harpa cristã assembleia
3 - Plena Paz.ppt Harpa cristã assembleia
 
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 142 - Revides
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 142 - RevidesSérie Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 142 - Revides
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 142 - Revides
 
3 - O Caráter do Cristão 2. Lição 3: O CARÁTER DO CRISTÃO (2)
3 - O Caráter do Cristão 2. Lição 3: O CARÁTER DO CRISTÃO (2)3 - O Caráter do Cristão 2. Lição 3: O CARÁTER DO CRISTÃO (2)
3 - O Caráter do Cristão 2. Lição 3: O CARÁTER DO CRISTÃO (2)
 
controle-unidade.pptxvvvvggffgfftrddfyug
controle-unidade.pptxvvvvggffgfftrddfyugcontrole-unidade.pptxvvvvggffgfftrddfyug
controle-unidade.pptxvvvvggffgfftrddfyug
 
A VIVÊNCIA DO SACRAMENTO DO MATRIMÔNIO slides.ppt
A VIVÊNCIA DO SACRAMENTO DO MATRIMÔNIO slides.pptA VIVÊNCIA DO SACRAMENTO DO MATRIMÔNIO slides.ppt
A VIVÊNCIA DO SACRAMENTO DO MATRIMÔNIO slides.ppt
 

07 sono e sonhos

  • 2. Dormimos, em média, 1/3 (um terço) de nossas vidas. Uma pessoa de 75 anos dormiu aproximadamente 22 anos de sua existência. Será que haveria tanto desperdício de tempo, para o Espírito reencarnado, o fato de passar esse período dormindo, sem nada fazer? O sono, além das propriedades restauradoras da organização física, concede-nos possibilidades de enriquecimento espiritual através das experiências vivenciadas enquanto dormimos.
  • 3. UMA DAS CAUSAS QUE NOS FAZ SENTIR SONO Situado na parte anterior do hipotálamo, o núcleo supraquiasmático (SCN) funciona como relógio biológico. Na ausência de luminosidade, ele envia sinais para a glândula pineal, que passa a liberar a melatonina para o cérebro. Esses sinais são bloqueados quando o nervo óptico é estimulado por luz e, então, não ocorre a produção do hormônio. O esquema mostra também a ponte, localizada no tronco cerebral, de onde partem os estímulos para o tálamo, que nos fazem perder a consciência e dormir e controlam nossos movimentos durante o sono.
  • 4. O SONO CIÊNCIA: - As células corticais apresentam dois tipos de atividade: o que equivale aos estados de excitação, caracterizado por grande despesa de energia, e o que se define como pensamento inibitório, destinado, basicamente, à reconstituição e reparação da célula. A generalização dos processos inibitórios responde pela instalação do sono (Enciclopédia Mirador) - Estado normal de repouso, caracterizado, tanto no ser humano como nos outros vertebrados, pela supressão da atividade perceptiva e da motricidade voluntária, com diversos graus de profundidade, por uma dificuldade maior ou menor de provocar o despertar, por uma alteração mais ou menos acentuada da atividade elétrica do cérebro e por certa atividade mental, o sonho. (Wikipedia – Infopedia) ESPIRITISMO: - É um estado de emancipação parcial da alma, ocasião em que se aguçam as nossas percepções. Evasão da alma da prisão do corpo. - É a oportunidade que tem o Espírito de entrar em relação com o plano espiritual, onde busca satisfazer suas necessidades e intenções, de acordo com o seu estágio evolutivo.
  • 5. O LIVRO DOS ESPÍRITOS DA EMANCIPAÇÃO DA ALMA capítulo 8 400. O Espírito encarnado permanece espontaneamente no corpo? – É como perguntar se o prisioneiro se alegra com a prisão. O Espírito encarnado aspira sem cessar à libertação, e quanto mais o corpo for grosseiro, mais deseja desembaraçar-se dele.
  • 7. O LIVRO DOS ESPÍRITOS DA EMANCIPAÇÃO DA ALMA capítulo 8 402. (...) O que gera a simpatia na Terra é o fato de os homens, ao despertar, se sentirem ligados pelo coração àqueles com quem acabaram de passar de oito a nove horas de prazer. Isso também explica as antipatias invencíveis que sentimos intimamente, porque sabemos que essas pessoas com quem antipatizamos têm uma consciência diferente da nossa e as conhecemos sem nunca tê-las visto com os olhos. Explica ainda a nossa indiferença, pois não desejamos fazer novos amigos quando sabemos que há outras pessoas que nos amam e nos querem bem. Em uma palavra, o sono influi mais na vossa vida do que pensais. INFLUÊNCIA DO SONO NOS NOSSOS RELACIONAMENTOS
  • 8. O LIVRO DOS ESPÍRITOS DA EMANCIPAÇÃO DA ALMA capítulo 8 402. Durante o sono, os Espíritos encarnados estão sempre se relacionando com o mundo dos Espíritos e é isso que faz com os Espíritos Superiores consintam, sem muita repulsa, em encarnar entre vós. Deus quis que em contato com o vício eles pudessem se renovar na fonte do bem, para não mais falharem, eles, que vêm instruir os outros. O sono é a porta que Deus lhes abriu para entrarem em contato com seus amigos do céu; é o recreio após o trabalho, enquanto esperam a grande libertação, a libertação final que deve devolvê-los a seu verdadeiro meio. O SONO E A REENCARNAÇÃO DE ESPÍRITOS SUPERIORES
  • 9. 407. O sono completo é necessário para a emancipação do Espírito? – Não; o Espírito recobra sua liberdade quando os sentidos se entorpecem. Ele se aproveita, para se emancipar, de todos os momentos de repouso que o corpo lhe concede. Desde que haja debilidade das forças vitais, o Espírito se desprende, e quanto mais fraco estiver o corpo, mais livre ele estará. Nota: É assim que a sonolência, ou um simples entorpecimento dos sentidos, apresenta muitas vezes as mesmas imagens do sono. O LIVRO DOS ESPÍRITOS DA EMANCIPAÇÃO DA ALMA capítulo 8
  • 10. Durante o sono, ocorrem cinco estágios distintos. Quatro classificados de Não-REM (NREM) e um de REM. Podem ser caracterizados de acordo com a atividade elétrica cortical de cada um. Passa-se da fase 1 para a 2 e desta, para a 3 e 4. Permanece-se neste estágio por algum tempo, até haver um retrocesso chegando novamente a fase 1 e desta, para a REM. Concluída esta fase, repete-se todo o processo. A cada novo estágio, há um aprofundamento maior do sono sendo que o estágio REM possui características diferenciadas. A FASE REM (Rapid Eye Movement) O SONO
  • 12. O SONO A FASE REM (Rapid Eye Movement) É a fase do sono na qual ocorrem os sonhos mais vividos, período em que é mais comum sonhar. Nela, os olhos movem-se rapidamente e a atividade cerebral é similar àquela que se passa nas horas em que se está acordado. As pessoas acordadas durante o sono REM, normalmente, sentem-se alertas, com maior índice de atenção, ou mais dispostas e prontas para a atividade normal. Em média, duas horas após a pessoa adormecer, ingressa na fase REM. Durante o sono REM, o tônus muscular da pessoa diminui consideravelmente, ou seja, o cérebro bloqueia os neurônios motores, para que o corpo não obedeça às ordens sonhadas ou as encene. CIÊNCIA
  • 13. O SONO A FASE REM (Rapid Eye Movement) ALGUMAS FUNÇÕES DO SONO REM - É um estágio de consolidação e armazenamento de informações diurnas; é provavelmente neste estágio do sono que o cérebro organiza as informações assimiladas durante o dia. - Seria, também nesta fase, que o cérebro estaria eliminando conteúdos inúteis da memória para liberar espaço de processamento e lidar de forma mais eficaz com as informações mais importantes. - Até os 12 anos de idade, há uma maior incidência do sono REM em relação ao total geral de horas dormidas, indicando que neste estágio do sono, há um envolvimento no desenvolvimento cerebral e estabelecimento de conexões sinápticas. OBS.: Seria esta fase, o momento em que a alma (espírito reencarnado) vivencia com maior intensidade suas experiências e lembranças espirituais, distante ou não do corpo material mais denso de que se utiliza e que, devido a esta intensidade, e pelo laço fluídico que os une, se torna necessário que o cérebro físico esteja relativamente mais ativo para receber, aprender e apreender essas impressões?
  • 15. O SONHO FREUD - Publica em 1900 o livro “A Interpretação dos Sonhos” dando um caráter científico ao tema inaugurando a Psicanálise. - Segundo ele, os sonhos são: - a realização de um desejo; - expressões disfarçadas de desejos insatisfeitos; - cargas emocionais armazenadas no inconsciente que projetam imagens e sons. Haveria no sonho: - O sentido manifesto (a fachada) (despiste do superego) - O sentido latente (o significado) (revela, através dos símbolos, desejos do sonhador) Estudados corretamente, pode-se conhecer o momento psicológico do indivíduo, algo como uma espécie de “fotografia” do inconsciente naquele momento. A linguagem das emoções seriam os símbolos. Sigmund S. Freud (1.856 – 1.939), foi um médico neurologista e criador da Psicanálise. Superego = o censor da psique, que escolhe o que se torna consciente ou não dos conteúdos inconscientes
  • 16. O SONHO JUNG - É uma ferramenta da psique que busca o equilíbrio por meio da compensação; Segundo ele: - O sonhador (protagonista do sonho) (representa o ego) - As forças malignas (representam as sombras) Personagens arquetípicos interagem nos sonhos em um conflito que buscam levar ao consciente, conteúdos do inconsciente. Entre essas personagens estão a anima (força feminina na psique masculina), o animus (força masculina na psique feminina) e a sombra (força que se alimenta dos aspectos não aceitos de nossa personalidade). Ao contrário de Freud, as situações absurdas dos sonhos para Jung não seriam uma fachada, mas a forma própria do inconsciente de se expressar. A interpretação de sonhos é uma ferramenta crucial para a psicologia analítica, desenvolvida por Jung. Carl G. Jung, (1.875 – 1.961) foi um psiquiatra e psicoterapeuta suíço que fundou a psicologia analítica. Ego = o eu de cada um. Responsável pelo controle dos instintos.
  • 17. O SONHO CIÊNCIA Processo intenso que corresponde aos estados paradoxais do sono, isto é, àqueles momentos durante os quais os registros eletroencefalográficos se aproximam dos que se caracterizam o estado de vigília. Geralmente é a parte lembrada da sucessão de imagens ou ideias fantásticas e associações, apresentadas de maneira provavelmente contínua à mente durante o sono. (Enciclopédia Mirador) ESPIRITISMO É a lembrança das situações, relações e emoções vivenciadas pelo Espírito durante o sono. Efeito da emancipação da alma, que mais independente se torna pela suspensão da vida ativa e de relação.
  • 18. O LIVRO DOS ESPÍRITOS DA EMANCIPAÇÃO DA ALMA capítulo 8 403. Por que nem sempre nos lembramos dos sonhos? - O que chamais de sono é apenas o repouso do corpo, mas o Espírito está sempre ativo e durante o sono recobra um pouco de sua liberdade e se corresponde com os que lhe são caros, neste mundo ou em outros. Sendo o corpo uma matéria pesada e grosseira, dificilmente conserva as impressões que o Espírito recebeu, visto que o Espírito não as percebeu pelos órgãos do corpo. 402. Como podemos julgar da liberdade do Espírito durante o sono? - Pelos sonhos. Quando o corpo repousa, tem o Espírito mais faculdades do que no estado de vigília. Lembra-se do passado e algumas vezes prevê o futuro. Adquire maior potencialidade e pode pôr- se em comunicação com os demais Espíritos, quer deste mundo, quer do outro. “Não nos lembramos de um sonho por inteiro porque a circuitaria neuronal usada para produzir o sonho é diferente da utilizada para a memorização do aprendizado diário”. (Flavio Aloé, neurofisiologista clínico)
  • 19. O LIVRO DOS ESPÍRITOS DA EMANCIPAÇÃO DA ALMA capítulo 8 404. Que pensar da significação atribuída aos sonhos? – Os sonhos não têm o significado que certos adivinhos lhes atribuem. É um absurdo acreditar que sonhar com isso significa aquilo. São verdadeiros no sentido de que apresentam imagens reais ao Espírito, mas muitas vezes não têm relação com o que se passa na vida corporal; são também, como dissemos, uma lembrança. Algumas vezes, podem ser um pressentimento do futuro, se Deus o permite, ou a visão do que se passa nesse momento em um outro lugar para onde a alma se transporta. 408. Parece-nos ouvir, algumas vezes em nós, palavras pronunciadas distintamente e que não têm nenhuma relação com o que nos preocupa; de onde vem isso? – Sim, pode acontecer até mesmo ouvirdes frases inteiras, principalmente quando os sentidos começam a se entorpecer. É algumas vezes um eco fraco de um Espírito que deseja se comunicar.
  • 20. O LIVRO DOS ESPÍRITOS DA EMANCIPAÇÃO DA ALMA capítulo 8 409. Muitas vezes, num estado que ainda não é a sonolência, quando temos os olhos fechados, vemos imagens distintas, figuras das quais observamos os mais minuciosos detalhes; é um efeito de visão ou de imaginação? – O corpo, estando entorpecido, faz com que o Espírito procure libertar-se de suas amarras. Ele se transporta e vê. Se o sono fosse completo, seria um sonho. 412. A atividade do Espírito durante o repouso ou o sono do corpo pode fazer com que o corpo sinta cansaço? – Sim, pode. O Espírito está preso ao corpo, assim como um balão cativo a um poste. Da mesma forma que as agitações do balão abalam o poste, a atividade do Espírito reage sobre o corpo e pode fazer com que se sinta cansado.
  • 21. ESTUDANDO A MEDIUNIDADE O SONHO Martins Peralva CLASSIFICAÇÃO Espíritas: A alma, desprendida do corpo, exerce atividade real e afetiva, facultando meios de encontrar-se com parentes, amigos, instrutores e, também, com os inimigos, desta e de outras vidas. O Espírito, por influxo magnético, parte para os locais de sua preferência. O viciado procurará os outros. O religioso buscará um templo. O sacerdote do Bem irá ao encontro do sofrimento e da lágrima, para assisti-los fraternalmente. Comuns: Desligando-se parcialmente do corpo, o Espírito se vê envolvido e dominado pela onda de imagens e pensamentos, seus e do mundo exterior, uma vez que vivemos num misterioso turbilhão das mais desencontradas ideias. Reflexivos: A alma, abandonando o corpo físico, registra as impressões e imagens arquivadas no subconsciente e plasmadas na organização perispiritual. Tal registro é possível de ser feito em virtude da modificação vibratória, que põe o Espírito em relação com fatos e paisagens remotos, desta e de outras existências.
  • 22. - “Quando encarnados, na Crosta, não temos bastante consciência dos serviços realizados durante o sono físico; contudo, esses trabalhos são inexprimíveis e imensos. (...) Infelizmente, porém, a maioria se vale, inconscientemente, do repouso noturno para sair à caça de emoções frívolas ou menos dignas. Relaxam-se as defesas próprias, e certos impulsos, longamente sopitados durante a vigília, extravasam em todas as direções, por falta de educação espiritual, verdadeiramente sentida e vivida. (Sertório) MISSIONÁRIOS DA LUZ NO PLANO DOS SONHOS André Luiz por Chico Xavier - “Contamos, em nosso centro de estudos, com número superior a trezentos associados; no entanto, apenas trinta e dois conseguem romper as teias inferiores das mais baixas sensações fisiológicas, para assimilarem nossas lições. E noites se verificam em que mesmo alguns desses quebram os compromissos assumidos, atendendo a seduções comuns, reduzindo-se ainda mais a frequência geral”. (Instrutor Alexandre)
  • 23. Desdobrando-se no sono vulgar, a criatura segue o rumo da própria concentração, procurando, automaticamente, fora do corpo de carne, os objetivos que se casam com os seus interesses evidentes ou escusos. MECANISMOS DA MEDIUNIDADE DESDOBRAMENTO André Luiz por Chico Xavier e Waldo Vieira Dormindo o corpo denso, continua vigilante a onda mental de cada um – presidindo ao sono ativo, quando registra no cérebro dormente as impressões do Espírito desligado das células físicas, e ao sono passivo, quando a mente, nessa condição, se desinteressa, de todo, da esfera carnal. Nessa posição, sintoniza-se com as oscilações de companheiros desencarnados ou não, com as quais se harmonize, trazendo para a vigília no carro de matéria densa, em forma de inspiração, os resultados do intercâmbio que levou a efeito, porquanto raramente consegue conscientizar as atividades que empreendeu no tempo de sono. O homem do campo, no repouso físico, supera os fenômenos hipnagógicos e volta à gleba que semeou, contemplando aí, em Espírito, a plantação que lhe recolhe o carinho; o artista regressa à obra a que se consagra, mentalizando-lhe o aprimoramento; o espírito maternal se aconchega ao pé dos filhinhos que a vida lhe confia, e o delinquente retorna ao lugar onde se encarcera a dor do seu arrependimento.
  • 24. Como um terço da vida física é dedicado ao sono, imenso patrimônio logrará quem converta esse tempo ou parte dele no investimento do progresso, em favor da libertação que lhe credenciará, para uma existência plena, um futuro ditoso. Se alguém diz como e o que sonha, é fácil explicar-lhe como vive nas suas horas diárias. Dorme-se, portanto, como se vive, sendo-lhe os sonhos o retrato emocional da sua vida moral e espiritual. Temas da Vida e da Morte Manoel P. de Miranda por Divaldo P. Franco
  • 25. O LIVRO DOS ESPÍRITOS DA EMANCIPAÇÃO DA ALMA capítulo 8 SONAMBULISMO 425. O sonambulismo natural tem relação com os sonhos? Como se pode explicá-lo? – É uma situação de independência do Espírito mais completa do que no sonho, porque então suas faculdades abrangem maior amplidão e passa a ter percepções que não tem no sonho, que é um estado de sonambulismo imperfeito. No sonambulismo, o Espírito atinge a plena posse de si, é inteiramente ele mesmo; os órgãos materiais, estando de alguma forma em catalepsia, não recebem mais as impressões exteriores. Esse estado se manifesta principalmente durante o sono. (...) Quando os fatos do sonambulismo se produzem, é que o Espírito, preocupado com uma coisa ou outra, se entrega a uma ação qualquer que necessita da utilização de seu corpo, do qual se serve, então, de uma maneira semelhante ao que se faz com uma mesa ou com qualquer outro material no fenômeno das manifestações físicas, ou até mesmo de vossa mão, no caso das comunicações escritas.
  • 26. O LIVRO DOS ESPÍRITOS DA EMANCIPAÇÃO DA ALMA capítulo 8 SONAMBULISMO 432. De que modo explicar a visão à distância em certos sonâmbulos? – A alma não se transporta durante o sono? O mesmo acontece no sonambulismo. 433. O desenvolvimento menor ou maior da clarividência sonambúlica prende- se à organização física ou à natureza do Espírito encarnado? – A uma e a outra; há disposições físicas que permitem ao Espírito se desprender mais ou menos, facilmente, da matéria.
  • 27. AS SONÂMBULAS Na cidade onde nasci, viviam uma mulher e sua filha; e ambas eram sonâmbulas. Uma noite, quando o silêncio envolvia o mundo, a mulher e a filha, caminhando a dormir, encontraram-se no seu jardim, meio velado pela neblina. E a mãe falou: - "Por fim, minha inimiga! Aquela por quem minha juventude foi destroçada, que construiu sua vida sobre as ruínas da minha! Pudesse eu matá-la." E a filha falou: - "Ó odiosa mulher, velha e egoísta, que se antepõe entre mim e meu Eu livre! Que gostaria de fazer de minha vida um eco de sua vida fanada! Quem dera estivesses morta!" Nesse momento, um galo cantou, e ambas as mulheres acordaram. A mãe perguntou ternamente: "És tu, querida?" E a filha respondeu ternamente: "Sim, querida.“ (Parábolas - Gibran Khalil Gibran) Esta parábola retrata o que ainda ocorre em muitos dos nossos lares...
  • 29. PREPARAÇÃO PARA UM BOM SONO: MENTAL: leituras, conversas, filmes, atividades comedidas, não desgastantes; ORGÂNICO: refeições leves, higiene, silêncio, etc. ESPIRITUAL: leitura edificante, meditação, serenidade, perdão, prece (Mediunidade, Therezinha Oliveira) - Estabeleça horários regulares para dormir e acordar, mesmo nos fins de semana; - Garanta um ambiente apropriado para o sono: quarto escuro, sem barulho, colchão adequado, temperatura agradável; - Pratique atividades físicas regulares durante o dia; - Evite refeições pesadas próximo do horário de dormir; - Evite a ingestão excessiva de café e cafeinados (chás, colas, chocolates, etc) durante o dia e, especialmente, à noite; - Evite o consumo excessivo de nicotina; - Evite fazer exercícios físicos vigorosos à noite; - Evite cochilos, especialmente se prolongados, durante o dia; - Evite ambientes muito iluminados e/ou uso prolongado de aparelhos com iluminação (computadores, por exemplo) durante a noite;
  • 30. Paul McCartney, músico inglês, em uma bela manhã do ano de 1964 acordou inspirado por um sonho e compôs a música “Yesterday”. Esse sucesso ficou na história e agora você já sabe que as notas do compositor foram retiradas da música que embalava seu sonho. Dmitri Mendeleev (1834-1907), químico Russo que realizava estudos sobres os elementos químicos e suas propriedades. Uma noite do ano de 1869 inspirou a organização da Tabela Periódica, o cientista sonhou com um diagrama em que todos os componentes se encaixavam, e criou assim a Tabela Periódica moderna. Graças a Mendeleev os elementos foram organizados em períodos e famílias para facilitar seus estudos. Salvador Dali (1904-1989) teve todas as suas obras inspiradas em sonhos. Segundo o artista, é durante o sono que nos vemos libertos de nossa realidade. Os sonhos de Niels Bohr (1885-1962), físico dinamarquês, foram muitas vezes relacionados ao seu trabalho. Em um desses sonhos, ele sonhou com a estrutura do átomo: Bohr viu os elétrons e o núcleo em forma de sistema solar. Frederick Grant Banting, (1891-1941), médico canadense e Prêmio Nobel de Fisiologia e Medicina, sonhou com um experimento que na realidade significou a descoberta da insulina. CURIOSIDADES SOBRE OS SONHOS
  • 32. PESQUISA: - O Livro dos Espíritos, Allan Kardec - Mecanismos da Mediunidade, André Luiz por Chico Xavier e Waldo Vieira - Missionário da Luz, André Luiz por Chico Xavier - Estudando a Mediunidade, Martins Peralva - Mediunidade, Therezinha Oliveira - http://pt.wikipedia.org.br - http://www.alessandrofazolo.com - http://www.espirito.org.br - http://www.ceismael.com.br - http://drauziovarella.com.br - http://redeglobo.globo.com/globociencia/ - http://www.brasilescola.com - http://icommercepage.wordpress.com Elaborado por Júlio César Evadro