SlideShare uma empresa Scribd logo
NOS DOMÍNIOS 
DA MEDIUNIDADE 
O psicoscópio (Estudo 2 de 30) 
LEONARDO PEREIRA 
ANDRÉ LUIZ / CHICO XAVIER
T R E C H O S D O C A P Í T U L O. 
• " Tornando ao convívio do Assistente, 
na noite imediata, dele recebemos o 
acolhimento gentil da véspera. 
- Creio haver traçado o nosso 
programa - falou, paternal. 
Finda a ligeira pausa em que nos 
registrava a atenção, prosseguiu: 
- Admito que devamos centralizar 
nossas observações em reduzido 
núcleo, onde melhor dispomos do 
fator qualidade.
Temos um grupo de dez 
companheiros encarnados, 
com quatro médiuns 
detentores de faculdades 
regularmente 
desenvolvidas e de lastro 
moral respeitável.Trata-se de 
pequeno conjunto, a serviço de 
uma instituição consagrada ao 
nosso ideal cristianizante. 
Desse grupo-base ser-nos-á 
possível alongar apontamentos 
e coletar anotações que se 
façam valiosas à nossa tarefa.
" Logo após, muniu-se de 
pequena pasta e, talvez 
porque nos percebesse 
a curiosidade, 
informou, paciente: 
- Temos aqui o nosso 
psicoscópio, de modo a 
facilitar-nos exames e 
estudos, sem o 
impositivo de acurada 
concentração 
mental.
A Igreja Universal do Reino de Deus 
tem um aparelhinho cuja lâmpada 
mede o grau de possessão 
demoníaca em fiéis. 
Uma foto do psicoscópio – esse 
seria o nome do instrumento – foi 
exibida ontem em Campo Grande 
(MS) pela desempregada Sueli 
Ferreira de Moura (foto), 42, que 
por sete horas se manteve 
acorrentada ao portão de um 
templo em protesto contra a igreja 
por ter submetido o seu filho de 17 
anos à lavagem cerebral. 
Mãe de fiel mostra foto do 
aparelhinho
" - É um aparelho a que 
intuitivamente se referiu ilustre 
estudioso da fenomenologia 
espirítica, em fins do século 
passado. Destina-se à auscultação 
da alma, com o poder de definir-lhe 
as vibrações e com capacidade 
para efetuar diversas 
observações em torno da matéria 
- esclareceu Áulus, com leve 
sorriso. - Esperamos esteja, mais 
tarde, entre os homens. Funciona 
à base de eletricidade e 
magnetismo, utilizando-se de 
elementos radiantes, análogos na 
essência aos raios 
gama. É constituído por óculos de 
estudo, com recursos disponíveis 
para a microfotografia.
E enquanto demandávamos a 
cidade terrestre, em que nos 
cabia operar, o mentor 
continuava, explicando: 
- Em nosso esforço de supervisão, 
podemos classificar sem 
dificuldade as perspectivas desse 
ou daquele agrupamento 
de serviços psíquicos que 
aparecem no mundo. Analisando 
a psicoscopia de uma 
personalidade ou de uma equipe 
de trabalhadores, é possível 
anotar-lhes as possibilidades e 
categorizar-lhes a situação. 
Segundo as radiações que 
projetam, planejamos a obra que 
podem realizar no tempo.
" - Quer isso dizer que qualquer de nós pode ser submetido a 
exame dessa espécie? 
- Sem dúvida - considerou o nosso interlocutor bem-humorado 
-; decerto que estamos sujeitos às sondagens dos planos 
superiores, tanto quanto pesquisamos agora os planos que se 
nos situam à retaguarda. Se o espectroscópio permite ao 
homem perquirir a natureza dos elementos químicos, 
localizados a enormes distâncias, através da onda luminosa 
que 
arrojam de si, com muito mais facilidade identificaremos os 
valores da individualidade humana pelos raios que emite. A 
moralidade, o sentimento, a educação e o caráter são 
claramente perceptíveis, através de ligeira inspeção.
- Mas - indagou Hilário, 
investigador -, e na hipótese de 
surgirem elementos arraigados 
ao mal, numa formação 
de cooperadores do bem? de 
posse da ficha psicoscópica, os 
instrutores espirituais 
providenciar-lhes-ão a 
expulsão? 
- Não será preciso. Se a maioria 
permanece empenhada na 
extensão do bem, a minoria 
encarcerada no mal distancia-se 
do conjunto, pouco a pouco, 
por ausência de afinidade.
" Reajustando-se aos nossos objetivos, 
Hilário acentuou: 
- O psicoscópio, só por si, dá margem a 
preciosas reflexões. Imaginemos uma 
sociedade humana que pudesse retratar a 
vida interior dos seus membros... Isso 
economizaria grandes quotas de tempo na 
solução de inúmeros problemas 
psicológicos. 
- Sim - anuiu o mentor, cordial -, o futuro 
reserva prodígios ao senso do homem 
comum. 
Havíamos, porém, alcançado o portão de 
espaçoso edifício que o Assistente nos 
designou como sendo o santuário que nos 
competia visitar e servir. 
- Esta é a casa espírita-cristã onde 
encontraremos nosso ponto básico de 
experiências e observações. 
Entramos.
" - Nossos companheiros - 
elucidou o Assistente - fazem o 
serviço de harmonização 
preparatória. Quinze minutos 
de prece, quando não seja de 
palestra ou leitura com 
elevadas bases morais. Sabem 
que não devem abordar o 
mundo 
espiritual sem a atitude nobre 
e digna que lhes outorgará a 
possibilidade de atrair 
companhias edificantes e, por 
esse motivo, não comparece 
aqui sem trazer ao campo que 
lhes é invisível as sementes do 
melhor que possuem.
" O Assistente armou o psicoscópio e, 
depois de ligeira análise, 
recomendou-nos a observação. 
(...) 
Detive-me na contemplação dos 
companheiros encarnados que agora 
apareciam mais estreitamente 
associados entre si, pelos vastos 
círculos radiantes que lhes nimbavam 
as cabeças de opalino esplendor. 
Tive a impressão de fixar, em torno do 
apagado bloco de massa semi-obscura 
a que se reduzira a mesa, uma coroa 
de 
luz solar, formada por dez pontos 
característicos, salientando-se no 
centro de cada um deles o semblante 
espiritual 
dos amigos em oração.
Desse colar de focos dourados 
alongava-se extensa faixa de luz 
violeta, que parecia contida numa 
outra faixa de luz 
alaranjada, a espraiar-se em 
tonalidades diversas que, de 
momento, não pude identificar, 
de vez que a minha atenção 
estava presa ao círculo dos rostos 
fulgurantes, visivelmente unidos 
entre si, à maneira de dez 
pequeninos sóis, imanados uns 
aos outros. Reparei que sobre 
cada um deles se ostentava uma 
auréola de raios quase verticais, 
fulgentes e móveis, 
quais se fossem diminutas 
antenas de ouro fumegante.
Sobre essas coroas que se 
particularizavam, de companheiro a 
companheiro, caíam do Alto 
abundantes jorros de luminosidade 
estelar que, tocando as cabeças ali 
irmanadas, pareciam 
suaves correntes de força a se 
transformarem em pétalas 
microscópicas, que se acendiam e 
apagavam, em miríades de formas 
delicadas e caprichosas, gravitando, 
por momentos, ao redor dos 
cérebros em que se produziam, 
quais satélites 
de vida breve, em torno das fontes 
vitais que lhes davam origem. 
Custodiando a assembléia, 
permaneciam os mentores 
espirituais presentes, cada qual 
irradiando a luz que lhe era própria.
" - (...) Vemo-nos aqui na companhia 
de quatro irmãs e seis irmãos de boa-vontade. 
Naturalmente, são pessoas 
comuns. 
Comem, bebem, vestem-se e 
apresentam-se na Terra sob o aspecto 
vulgar de outras criaturas do 
ramerrão carnal; no entanto, trazem a 
mente voltada para os ideais 
superiores da fé ativa, a expressar-se 
em amor pelos semelhantes. 
Procuram disciplinar-se, exercitam a 
renúncia, cultivam a bondade 
constante e, por intermédio do 
esforço próprio no bem e no estudo 
nobremente conduzido, adquiriram 
elevado teor de radiação mental.
" - (...) não sabe você que um 
homem encarnado é um gerador 
de força electromagnética, com 
uma oscilação por segundo, 
registrada pelo coração? Ignora, 
porventura, que todas as 
substâncias vivas da Terra emitem 
energias, enquadradas nos 
domínios das radiações 
ultravioletas? Em nos reportando 
aos nossos companheiros, 
possuímos neles almas 
regularmente evolutidas, em 
apreciáveis condições vibratórias 
pela sincera devoção ao bem, com 
esquecimento dos seus próprios 
desejos. Podem, desse modo, 
projetar raios mentais, em vias de 
sublimação, assimilando correntes 
superiores e enriquecendo os 
raios vitais de que são dínamos 
comuns.
Raios vitais? - redargüiu meu 
colega, faminto de esclarecimento. 
- Sim, para maior limpidez da 
definição, chamemos-lhes raios 
ectoplásmicos, unindo nossos 
apontamentos à nomenclatura 
dos espiritistas modernos. Esses 
raios são peculiares a todos os seres 
vivos. É com eles que a lagarta 
realiza suas 
complicadas demonstrações de 
metamorfose e é ainda na base 
deles que se efetuam todos os 
processos de materialização 
mediúnica, porquanto os sensitivos 
encarnados que os favorecem 
libertam essas energias com mais 
facilidade. Todas as criaturas, 
porém, guardam-nas consigo, 
emitindo-as em freqüência que 
varia em cada uma, de 
conformidade com as tarefas 
que o Plano de Vida lhes assinala.
E, otimista, acrescentou: 
- O estudo da mediunidade 
repousa nos alicerces de 
mente com o seu prodigioso 
campo de radiações. A 
ciência dos raios 
imprimirá, em breve, grande 
renovação aos setores 
culturais do mundo. 
Aguardemos o porvir. 
Em seguida, Áulus convidou-nos 
a inspeção mais direta e 
acompanhamo-lo, 
alegremente."
1.- Como podemos entender o psicoscópio, 
aparelho de que nos dá notícia André Luiz, 
neste capítulo? 
O psicoscópio é um aparelho existente no plano 
espiritual que tem a propriedade de definir a qualidade 
das vibrações mentais emanadas de encarnados e de 
desencarnados, caracterizando os mais íntimos 
sentimentos de que são portadores aqueles que a ele 
são submetidos. O espírito, quando encarnado ou no 
plano espiritual, é uma fonte irradiante de energias 
resultantes do seu produto mental, que vibram em torno 
de si, propagam-se e revelam o estado de evolução em 
que ele se encontra. O psicoscópio permite que essa 
energia emanada seja percebida e analisada pelos 
benfeitores do plano espiritual.
2.- Qual a sua importância para o 
desenvolvimento da mediunidade? 
Vimos que o psicoscópio funciona como uma espécie de 
"detetor de mentira". Diante dele, o espírito se desnuda. 
Nada pode ser escondido, com relação aos seus pensamentos. 
Com isso, a sua utilização nas reuniões mediúnicas permite à 
espiritualidade superior uma melhor administração do 
intercâmbio mediúnico. O trabalho a ser desenvolvido será 
programado de acordo com a aptidão do grupo mediúnico e 
dos espíritos que o assistem. A mediunidade se manifestará 
de maneira mais organizada, compatível com as necessidades 
e com a capacidade de trabalho de cada um. Os benfeitores 
sabem com quem podem contar e de que maneira podem os 
trabalhadores ser aproveitados. 
Evita-se, assim, que percam tempo em reuniões que pouco ou 
nada de útil podem produzir. A qualidade do 
trabalho mediúnico, dessa maneira, tende a ser cada vez mais 
qualificado, em benefício de toda a humanidade.
3.- Qual o objetivo da prece que precede o 
início do trabalho mediúnico? 
Conforme ensina o assistente Áulus, a abordagem ao mundo 
espiritual deve ser precedida de atitude nobre e digna, 
para permitir a atração de companhias espirituais do mesmo 
nível. A prece, a palestra ou a leitura de uma página 
evangélica ou outra que transmita algum ensinamento moral 
harmonizam previamente o ambiente, procedendo a uma 
verdadeira profilaxia energética do local. Como vimos no estudo 
do capítulo anterior, a sintonia mental está na base 
de toda e qualquer comunicação mediúnica. Através da prece, 
buscamos o amparo e a intuição do Alto para que nos 
sintonizemos com espíritos que se dedicam à prática do bem, 
possibilitando a obtenção de mensagens sérias, que 
possam trazer aos necessitados que somos o consolo e o 
esclarecimento que precisamos para o enfrentamento de 
nossas provas.
4.- Por que o Instrutor Áulus elogiou o grupo 
mediúnico que visitavam? 
Vimos, também, no estudo do capítulo anterior, 
que a sintonia, que o Instrutor Albério 
denominou vibrações compensadas, isto é, a 
ressonância psíquica entre dois espíritos que 
nutrem pensamentos da mesma natureza, é fator 
determinante da qualidade da comunicação 
mediúnica. Através dela, os espíritos encarnados 
e desencarnados estabelecem entre eles uma 
imantação pelo pensamento, vinculando-se, 
magneticamente, uns aos outros. Essa troca de 
energias da mesma natureza faz com que as 
mentes envolvidas entrem em sintonia e se 
alimentem mutuamente com seus pensamentos.
O grupo visitado pela equipe de benfeitores da 
qual André Luiz participava não era composto de 
espíritos sublimados, grandes missionários, mas 
de espíritos que já possuíam consideráveis 
conquistas evolutivas. Suas mentes 
estavam voltadas aos ideais superiores de fé e ao 
amor pelo próximo. Pautavam-se pela disciplina e 
esforço na prática do bem e se conduziam com 
espírito de renúncia e dedicação ao estudo 
doutrinário. Com esse comportamento, 
emanavam de suas mentes radiações de elevado 
teor vibratório, atraindo para o trabalho espíritos 
de elevada evolução moral.
5.- O que são raios vitais ou raios 
ectoplásmicos? Qual a sua importância nas 
manifestações mediúnicas? 
O ectoplasma ou raios vitais, ou, ainda, raios ectoplásmicos, 
é uma substância formada por uma combinação de 
fluidos emanados do plano espiritual, de médiuns e de 
todas as formas vivas da natureza, como demais pessoas, 
animais e plantas que se encontrem próximos ao local onde 
se realiza a reunião mediúnica. 
É uma substância semi-fluídica e semi-material, como "uma 
pasta flexível, à maneira de uma geléia viscosa e semi- 
-líquida", segundo descrição de André Luiz em outro 
capítulo. Emana do corpo de todas as pessoas pelos 
orifícios 
naturais do corpo físico, como as narinas, o ouvido e a 
boca.
Há pessoas, contudo, cujo organismo físico 
permite que essa emanação fluídica se dê de 
maneira mais intensa e com mais facilidade. São os 
chamados médiuns de efeitos físicos. Serve para a 
produção de fenômenos de efeitos físicos, ou seja, 
aqueles que podem ser percebidos pelos sentidos 
do corpo material. 
Nos trabalhos mediúnicos, essas energias são 
utilizadas para a produção de manifestações 
conhecidas como de 
efeitos físicos (materialização, transporte, cura, 
dentre outras). Os espíritos extraem essa energia e 
a manipulam, conforme necessitam para a 
obtenção do resultado pretendido.
O psicoscópio aula 2

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

11ª aula – perigos e inconvenientes da mediunidade coem
11ª aula – perigos e inconvenientes da mediunidade   coem11ª aula – perigos e inconvenientes da mediunidade   coem
11ª aula – perigos e inconvenientes da mediunidade coem
Wagner Quadros
 
Evangeliza - Mediunidade com Jesus
Evangeliza - Mediunidade com JesusEvangeliza - Mediunidade com Jesus
Evangeliza - Mediunidade com Jesus
Antonino Silva
 
Princípios Básicos do Espiritismo
Princípios Básicos do EspiritismoPrincípios Básicos do Espiritismo
Princípios Básicos do Espiritismo
paikachambi
 
Nos dominios da mediunidade Cap. 4 Ante o Servico
Nos dominios da mediunidade   Cap. 4 Ante o ServicoNos dominios da mediunidade   Cap. 4 Ante o Servico
Nos dominios da mediunidade Cap. 4 Ante o Servico
Patricia Farias
 
L Mediuns CAP17 Da Formacao dos Mediuns
L Mediuns CAP17 Da Formacao dos MediunsL Mediuns CAP17 Da Formacao dos Mediuns
L Mediuns CAP17 Da Formacao dos Mediuns
Fernando Pinto
 
Ajuda-te a ti mesmo que o céu te ajudará
Ajuda-te a ti mesmo que o céu te ajudaráAjuda-te a ti mesmo que o céu te ajudará
Ajuda-te a ti mesmo que o céu te ajudará
Graça Maciel
 
MEDIUNIDADE E ESPIRITISMO
MEDIUNIDADE E ESPIRITISMOMEDIUNIDADE E ESPIRITISMO
MEDIUNIDADE E ESPIRITISMO
Jorge Luiz dos Santos
 
" Missionários da Luz " - Influenciação cap5
" Missionários da Luz " - Influenciação cap5" Missionários da Luz " - Influenciação cap5
" Missionários da Luz " - Influenciação cap5
Lar Irmã Zarabatana
 
O compromisso com a tarefa
O compromisso com a tarefaO compromisso com a tarefa
O compromisso com a tarefa
umecamaqua
 
Nos dominios da mediunidade - Cap5
Nos dominios da mediunidade - Cap5Nos dominios da mediunidade - Cap5
Nos dominios da mediunidade - Cap5
Patricia Farias
 
Capitulo III Retorno da vida corporea a vida espiritual
Capitulo III Retorno da vida corporea a vida espiritualCapitulo III Retorno da vida corporea a vida espiritual
Capitulo III Retorno da vida corporea a vida espiritual
Marta Gomes
 
Nos domínios da mediunidade aula 5
Nos domínios da mediunidade aula 5Nos domínios da mediunidade aula 5
Nos domínios da mediunidade aula 5
Leonardo Pereira
 
Ingratidão dos Filhos e Laços de Família
Ingratidão dos Filhos e Laços de FamíliaIngratidão dos Filhos e Laços de Família
Ingratidão dos Filhos e Laços de Família
igmateus
 
Livro os mensageiros sinopse
Livro os mensageiros sinopseLivro os mensageiros sinopse
Livro os mensageiros sinopse
Solange Montosa
 
Genese cap 01 de 1 a 29
Genese cap 01  de 1 a 29Genese cap 01  de 1 a 29
Genese cap 01 de 1 a 29
Fernando A. O. Pinto
 
Missionários da luz resumo de consolidação
Missionários da luz resumo de consolidaçãoMissionários da luz resumo de consolidação
Missionários da luz resumo de consolidação
Sergio Rodriguez
 
O passe espirita
O passe espiritaO passe espirita
O passe espirita
carlos freire
 
Dimensões espirituais do centro espírita!
Dimensões espirituais do centro espírita!Dimensões espirituais do centro espírita!
Dimensões espirituais do centro espírita!
Leonardo Pereira
 
2.8.3 Letargia, catalepsia e mortes aparentes
2.8.3   Letargia, catalepsia e mortes aparentes2.8.3   Letargia, catalepsia e mortes aparentes
2.8.3 Letargia, catalepsia e mortes aparentes
Marta Gomes
 
Nos dominios da mediunidade cap. 2 - 0 psicoscopio
Nos dominios da mediunidade   cap. 2 - 0 psicoscopioNos dominios da mediunidade   cap. 2 - 0 psicoscopio
Nos dominios da mediunidade cap. 2 - 0 psicoscopio
Patricia Farias
 

Mais procurados (20)

11ª aula – perigos e inconvenientes da mediunidade coem
11ª aula – perigos e inconvenientes da mediunidade   coem11ª aula – perigos e inconvenientes da mediunidade   coem
11ª aula – perigos e inconvenientes da mediunidade coem
 
Evangeliza - Mediunidade com Jesus
Evangeliza - Mediunidade com JesusEvangeliza - Mediunidade com Jesus
Evangeliza - Mediunidade com Jesus
 
Princípios Básicos do Espiritismo
Princípios Básicos do EspiritismoPrincípios Básicos do Espiritismo
Princípios Básicos do Espiritismo
 
Nos dominios da mediunidade Cap. 4 Ante o Servico
Nos dominios da mediunidade   Cap. 4 Ante o ServicoNos dominios da mediunidade   Cap. 4 Ante o Servico
Nos dominios da mediunidade Cap. 4 Ante o Servico
 
L Mediuns CAP17 Da Formacao dos Mediuns
L Mediuns CAP17 Da Formacao dos MediunsL Mediuns CAP17 Da Formacao dos Mediuns
L Mediuns CAP17 Da Formacao dos Mediuns
 
Ajuda-te a ti mesmo que o céu te ajudará
Ajuda-te a ti mesmo que o céu te ajudaráAjuda-te a ti mesmo que o céu te ajudará
Ajuda-te a ti mesmo que o céu te ajudará
 
MEDIUNIDADE E ESPIRITISMO
MEDIUNIDADE E ESPIRITISMOMEDIUNIDADE E ESPIRITISMO
MEDIUNIDADE E ESPIRITISMO
 
" Missionários da Luz " - Influenciação cap5
" Missionários da Luz " - Influenciação cap5" Missionários da Luz " - Influenciação cap5
" Missionários da Luz " - Influenciação cap5
 
O compromisso com a tarefa
O compromisso com a tarefaO compromisso com a tarefa
O compromisso com a tarefa
 
Nos dominios da mediunidade - Cap5
Nos dominios da mediunidade - Cap5Nos dominios da mediunidade - Cap5
Nos dominios da mediunidade - Cap5
 
Capitulo III Retorno da vida corporea a vida espiritual
Capitulo III Retorno da vida corporea a vida espiritualCapitulo III Retorno da vida corporea a vida espiritual
Capitulo III Retorno da vida corporea a vida espiritual
 
Nos domínios da mediunidade aula 5
Nos domínios da mediunidade aula 5Nos domínios da mediunidade aula 5
Nos domínios da mediunidade aula 5
 
Ingratidão dos Filhos e Laços de Família
Ingratidão dos Filhos e Laços de FamíliaIngratidão dos Filhos e Laços de Família
Ingratidão dos Filhos e Laços de Família
 
Livro os mensageiros sinopse
Livro os mensageiros sinopseLivro os mensageiros sinopse
Livro os mensageiros sinopse
 
Genese cap 01 de 1 a 29
Genese cap 01  de 1 a 29Genese cap 01  de 1 a 29
Genese cap 01 de 1 a 29
 
Missionários da luz resumo de consolidação
Missionários da luz resumo de consolidaçãoMissionários da luz resumo de consolidação
Missionários da luz resumo de consolidação
 
O passe espirita
O passe espiritaO passe espirita
O passe espirita
 
Dimensões espirituais do centro espírita!
Dimensões espirituais do centro espírita!Dimensões espirituais do centro espírita!
Dimensões espirituais do centro espírita!
 
2.8.3 Letargia, catalepsia e mortes aparentes
2.8.3   Letargia, catalepsia e mortes aparentes2.8.3   Letargia, catalepsia e mortes aparentes
2.8.3 Letargia, catalepsia e mortes aparentes
 
Nos dominios da mediunidade cap. 2 - 0 psicoscopio
Nos dominios da mediunidade   cap. 2 - 0 psicoscopioNos dominios da mediunidade   cap. 2 - 0 psicoscopio
Nos dominios da mediunidade cap. 2 - 0 psicoscopio
 

Destaque

Nos dominios da mediunidade cap. 4
Nos dominios da mediunidade cap. 4Nos dominios da mediunidade cap. 4
Nos dominios da mediunidade cap. 4
Leonardo Pereira
 
Nos domínios da mediunidade aula 3
Nos domínios da mediunidade aula 3Nos domínios da mediunidade aula 3
Nos domínios da mediunidade aula 3
Leonardo Pereira
 
Nos dominios da mediunidade
Nos dominios da mediunidadeNos dominios da mediunidade
Nos dominios da mediunidade
guestae3c203
 
Nos domínios da mediunidade aula9
Nos domínios da mediunidade aula9Nos domínios da mediunidade aula9
Nos domínios da mediunidade aula9
Leonardo Pereira
 
Nos domínios da mediunidade aula10
Nos domínios da mediunidade aula10Nos domínios da mediunidade aula10
Nos domínios da mediunidade aula10
Leonardo Pereira
 
Nos dominios da mediunidade
Nos dominios da mediunidadeNos dominios da mediunidade
Nos dominios da mediunidade
Antonio SSantos
 
Andre Luiz - Mecanismos da Mediunidade
Andre Luiz - Mecanismos da MediunidadeAndre Luiz - Mecanismos da Mediunidade
Andre Luiz - Mecanismos da Mediunidade
Ari Carrasco
 
Nos domínios da mediunidade aula7
Nos domínios da mediunidade aula7Nos domínios da mediunidade aula7
Nos domínios da mediunidade aula7
Leonardo Pereira
 
Nos domínios da mediunidade aula15
Nos domínios da mediunidade aula15Nos domínios da mediunidade aula15
Nos domínios da mediunidade aula15
Leonardo Pereira
 
Aula 19 - Nos domínios da mediunidade
Aula 19  - Nos domínios da mediunidadeAula 19  - Nos domínios da mediunidade
Aula 19 - Nos domínios da mediunidade
Leonardo Pereira
 
Nos domínios da mediunidade aula8
Nos domínios da mediunidade aula8Nos domínios da mediunidade aula8
Nos domínios da mediunidade aula8
Leonardo Pereira
 
Mediunidade aula 01
Mediunidade aula 01Mediunidade aula 01
Mediunidade aula 01
Candice Gunther
 
Missionários da luz
Missionários da luzMissionários da luz
Missionários da luz
guestae3c203
 
Mecanismos da mediunidade
Mecanismos da mediunidadeMecanismos da mediunidade
Mecanismos da mediunidade
EWALDO DE SOUZA
 
Nos domínios da mediunidade aula14
Nos domínios da mediunidade aula14Nos domínios da mediunidade aula14
Nos domínios da mediunidade aula14
Leonardo Pereira
 
Materialização
MaterializaçãoMaterialização
Nos domínios da mediunidade aula27
Nos domínios da mediunidade aula27Nos domínios da mediunidade aula27
Nos domínios da mediunidade aula27
Leonardo Pereira
 
Aula 28 - Nos domínios da mediunidade
Aula 28  -  Nos domínios da mediunidadeAula 28  -  Nos domínios da mediunidade
Aula 28 - Nos domínios da mediunidade
Leonardo Pereira
 
Terceiro Módulo - 2ª aula - Mediunidade e natureza da medinudade
Terceiro Módulo - 2ª aula - Mediunidade e natureza da medinudadeTerceiro Módulo - 2ª aula - Mediunidade e natureza da medinudade
Terceiro Módulo - 2ª aula - Mediunidade e natureza da medinudade
CeiClarencio
 
Mediunidade esírita, conceitos e fundamentos
Mediunidade esírita, conceitos e fundamentosMediunidade esírita, conceitos e fundamentos
Mediunidade esírita, conceitos e fundamentos
Jackson Façanha Damasceno
 

Destaque (20)

Nos dominios da mediunidade cap. 4
Nos dominios da mediunidade cap. 4Nos dominios da mediunidade cap. 4
Nos dominios da mediunidade cap. 4
 
Nos domínios da mediunidade aula 3
Nos domínios da mediunidade aula 3Nos domínios da mediunidade aula 3
Nos domínios da mediunidade aula 3
 
Nos dominios da mediunidade
Nos dominios da mediunidadeNos dominios da mediunidade
Nos dominios da mediunidade
 
Nos domínios da mediunidade aula9
Nos domínios da mediunidade aula9Nos domínios da mediunidade aula9
Nos domínios da mediunidade aula9
 
Nos domínios da mediunidade aula10
Nos domínios da mediunidade aula10Nos domínios da mediunidade aula10
Nos domínios da mediunidade aula10
 
Nos dominios da mediunidade
Nos dominios da mediunidadeNos dominios da mediunidade
Nos dominios da mediunidade
 
Andre Luiz - Mecanismos da Mediunidade
Andre Luiz - Mecanismos da MediunidadeAndre Luiz - Mecanismos da Mediunidade
Andre Luiz - Mecanismos da Mediunidade
 
Nos domínios da mediunidade aula7
Nos domínios da mediunidade aula7Nos domínios da mediunidade aula7
Nos domínios da mediunidade aula7
 
Nos domínios da mediunidade aula15
Nos domínios da mediunidade aula15Nos domínios da mediunidade aula15
Nos domínios da mediunidade aula15
 
Aula 19 - Nos domínios da mediunidade
Aula 19  - Nos domínios da mediunidadeAula 19  - Nos domínios da mediunidade
Aula 19 - Nos domínios da mediunidade
 
Nos domínios da mediunidade aula8
Nos domínios da mediunidade aula8Nos domínios da mediunidade aula8
Nos domínios da mediunidade aula8
 
Mediunidade aula 01
Mediunidade aula 01Mediunidade aula 01
Mediunidade aula 01
 
Missionários da luz
Missionários da luzMissionários da luz
Missionários da luz
 
Mecanismos da mediunidade
Mecanismos da mediunidadeMecanismos da mediunidade
Mecanismos da mediunidade
 
Nos domínios da mediunidade aula14
Nos domínios da mediunidade aula14Nos domínios da mediunidade aula14
Nos domínios da mediunidade aula14
 
Materialização
MaterializaçãoMaterialização
Materialização
 
Nos domínios da mediunidade aula27
Nos domínios da mediunidade aula27Nos domínios da mediunidade aula27
Nos domínios da mediunidade aula27
 
Aula 28 - Nos domínios da mediunidade
Aula 28  -  Nos domínios da mediunidadeAula 28  -  Nos domínios da mediunidade
Aula 28 - Nos domínios da mediunidade
 
Terceiro Módulo - 2ª aula - Mediunidade e natureza da medinudade
Terceiro Módulo - 2ª aula - Mediunidade e natureza da medinudadeTerceiro Módulo - 2ª aula - Mediunidade e natureza da medinudade
Terceiro Módulo - 2ª aula - Mediunidade e natureza da medinudade
 
Mediunidade esírita, conceitos e fundamentos
Mediunidade esírita, conceitos e fundamentosMediunidade esírita, conceitos e fundamentos
Mediunidade esírita, conceitos e fundamentos
 

Semelhante a O psicoscópio aula 2

aparelhos reunião mediunicaa.pptx
aparelhos reunião mediunicaa.pptxaparelhos reunião mediunicaa.pptx
aparelhos reunião mediunicaa.pptx
M.R.L
 
Aparelhos utilizados em reunião mediunica.pptx
Aparelhos utilizados em reunião mediunica.pptxAparelhos utilizados em reunião mediunica.pptx
Aparelhos utilizados em reunião mediunica.pptx
M.R.L
 
AULA 112 EAE DM - ESTUDO DO PERISPÍRITO E DOS CENTROS DE FORÇA - 20210709v1
AULA 112 EAE DM - ESTUDO DO PERISPÍRITO E DOS CENTROS DE FORÇA - 20210709v1AULA 112 EAE DM - ESTUDO DO PERISPÍRITO E DOS CENTROS DE FORÇA - 20210709v1
AULA 112 EAE DM - ESTUDO DO PERISPÍRITO E DOS CENTROS DE FORÇA - 20210709v1
Daniel de Melo
 
Fluidoterapia13
Fluidoterapia13Fluidoterapia13
Fluidoterapia13
Celene Muniz
 
Nos dominios da mediunidade - Cap.3
Nos dominios da mediunidade  - Cap.3Nos dominios da mediunidade  - Cap.3
Nos dominios da mediunidade - Cap.3
Patricia Farias
 
Estudando André Luiz 1- Cap 6.
Estudando André Luiz 1- Cap 6.Estudando André Luiz 1- Cap 6.
Estudando André Luiz 1- Cap 6.
ThiagoPereiraSantos2
 
Seara dos médiuns chico xavier
Seara dos médiuns   chico xavierSeara dos médiuns   chico xavier
Seara dos médiuns chico xavier
havatar
 
Estudando André Luiz 1- Cap 12.
Estudando André Luiz 1- Cap 12.Estudando André Luiz 1- Cap 12.
Estudando André Luiz 1- Cap 12.
ThiagoPereiraSantos2
 
Assistência espiritual, obsessão e desobsessão
Assistência espiritual, obsessão e desobsessãoAssistência espiritual, obsessão e desobsessão
Assistência espiritual, obsessão e desobsessão
Rivaldo Guedes Corrêa. Jr
 
Apostila do III Módulo do Projeto Mediunidade sem tabu. - A Fisiologia da Com...
Apostila do III Módulo do Projeto Mediunidade sem tabu. - A Fisiologia da Com...Apostila do III Módulo do Projeto Mediunidade sem tabu. - A Fisiologia da Com...
Apostila do III Módulo do Projeto Mediunidade sem tabu. - A Fisiologia da Com...
6º Conselho Espírita de Unificação
 
Estudo do livro Roteiro, lição 25
Estudo do livro Roteiro, lição 25Estudo do livro Roteiro, lição 25
Estudo do livro Roteiro, lição 25
Candice Gunther
 
9 nos dominios-da_mediunidade-1954
9 nos dominios-da_mediunidade-19549 nos dominios-da_mediunidade-1954
9 nos dominios-da_mediunidade-1954
paulasa pin
 
Nos dominios-da-mediunidade
Nos dominios-da-mediunidadeNos dominios-da-mediunidade
Nos dominios-da-mediunidade
lilianehenz
 
Nos dominios-da-mediunidade
Nos dominios-da-mediunidadeNos dominios-da-mediunidade
Nos dominios-da-mediunidade
lilianehenz
 
08 os corpos espirituais
08  os corpos espirituais08  os corpos espirituais
08 os corpos espirituais
Antonio SSantos
 
Curso de-passe-2012-aula-1-29.09.12
Curso de-passe-2012-aula-1-29.09.12Curso de-passe-2012-aula-1-29.09.12
Curso de-passe-2012-aula-1-29.09.12
José Augusto Vieira
 
Irradiação
IrradiaçãoIrradiação
Irradiação
Wilma Badan C.G.
 
Tomadas mentais.pptx
Tomadas mentais.pptxTomadas mentais.pptx
Tomadas mentais.pptx
M.R.L
 
Mecanismo das comunicações - Afinidade - Sintonia
Mecanismo das comunicações - Afinidade  - SintoniaMecanismo das comunicações - Afinidade  - Sintonia
Mecanismo das comunicações - Afinidade - Sintonia
jcevadro
 
opoderdopensamento-160914205819.pdf
opoderdopensamento-160914205819.pdfopoderdopensamento-160914205819.pdf
opoderdopensamento-160914205819.pdf
DarcyPaschoal1
 

Semelhante a O psicoscópio aula 2 (20)

aparelhos reunião mediunicaa.pptx
aparelhos reunião mediunicaa.pptxaparelhos reunião mediunicaa.pptx
aparelhos reunião mediunicaa.pptx
 
Aparelhos utilizados em reunião mediunica.pptx
Aparelhos utilizados em reunião mediunica.pptxAparelhos utilizados em reunião mediunica.pptx
Aparelhos utilizados em reunião mediunica.pptx
 
AULA 112 EAE DM - ESTUDO DO PERISPÍRITO E DOS CENTROS DE FORÇA - 20210709v1
AULA 112 EAE DM - ESTUDO DO PERISPÍRITO E DOS CENTROS DE FORÇA - 20210709v1AULA 112 EAE DM - ESTUDO DO PERISPÍRITO E DOS CENTROS DE FORÇA - 20210709v1
AULA 112 EAE DM - ESTUDO DO PERISPÍRITO E DOS CENTROS DE FORÇA - 20210709v1
 
Fluidoterapia13
Fluidoterapia13Fluidoterapia13
Fluidoterapia13
 
Nos dominios da mediunidade - Cap.3
Nos dominios da mediunidade  - Cap.3Nos dominios da mediunidade  - Cap.3
Nos dominios da mediunidade - Cap.3
 
Estudando André Luiz 1- Cap 6.
Estudando André Luiz 1- Cap 6.Estudando André Luiz 1- Cap 6.
Estudando André Luiz 1- Cap 6.
 
Seara dos médiuns chico xavier
Seara dos médiuns   chico xavierSeara dos médiuns   chico xavier
Seara dos médiuns chico xavier
 
Estudando André Luiz 1- Cap 12.
Estudando André Luiz 1- Cap 12.Estudando André Luiz 1- Cap 12.
Estudando André Luiz 1- Cap 12.
 
Assistência espiritual, obsessão e desobsessão
Assistência espiritual, obsessão e desobsessãoAssistência espiritual, obsessão e desobsessão
Assistência espiritual, obsessão e desobsessão
 
Apostila do III Módulo do Projeto Mediunidade sem tabu. - A Fisiologia da Com...
Apostila do III Módulo do Projeto Mediunidade sem tabu. - A Fisiologia da Com...Apostila do III Módulo do Projeto Mediunidade sem tabu. - A Fisiologia da Com...
Apostila do III Módulo do Projeto Mediunidade sem tabu. - A Fisiologia da Com...
 
Estudo do livro Roteiro, lição 25
Estudo do livro Roteiro, lição 25Estudo do livro Roteiro, lição 25
Estudo do livro Roteiro, lição 25
 
9 nos dominios-da_mediunidade-1954
9 nos dominios-da_mediunidade-19549 nos dominios-da_mediunidade-1954
9 nos dominios-da_mediunidade-1954
 
Nos dominios-da-mediunidade
Nos dominios-da-mediunidadeNos dominios-da-mediunidade
Nos dominios-da-mediunidade
 
Nos dominios-da-mediunidade
Nos dominios-da-mediunidadeNos dominios-da-mediunidade
Nos dominios-da-mediunidade
 
08 os corpos espirituais
08  os corpos espirituais08  os corpos espirituais
08 os corpos espirituais
 
Curso de-passe-2012-aula-1-29.09.12
Curso de-passe-2012-aula-1-29.09.12Curso de-passe-2012-aula-1-29.09.12
Curso de-passe-2012-aula-1-29.09.12
 
Irradiação
IrradiaçãoIrradiação
Irradiação
 
Tomadas mentais.pptx
Tomadas mentais.pptxTomadas mentais.pptx
Tomadas mentais.pptx
 
Mecanismo das comunicações - Afinidade - Sintonia
Mecanismo das comunicações - Afinidade  - SintoniaMecanismo das comunicações - Afinidade  - Sintonia
Mecanismo das comunicações - Afinidade - Sintonia
 
opoderdopensamento-160914205819.pdf
opoderdopensamento-160914205819.pdfopoderdopensamento-160914205819.pdf
opoderdopensamento-160914205819.pdf
 

Mais de Leonardo Pereira

Jesus " psicólogo por excelência"
Jesus " psicólogo por excelência" Jesus " psicólogo por excelência"
Jesus " psicólogo por excelência"
Leonardo Pereira
 
Jesus "o Cristo de nossos dias"
Jesus "o Cristo de nossos dias"Jesus "o Cristo de nossos dias"
Jesus "o Cristo de nossos dias"
Leonardo Pereira
 
E a morte o fim da vida
E a morte o fim da vidaE a morte o fim da vida
E a morte o fim da vida
Leonardo Pereira
 
Doentes da alma ' Raiva ' melindre e magoa
Doentes da alma ' Raiva ' melindre e magoa Doentes da alma ' Raiva ' melindre e magoa
Doentes da alma ' Raiva ' melindre e magoa
Leonardo Pereira
 
Escutando sentimentos cap 10 a 12
Escutando sentimentos cap 10 a 12Escutando sentimentos cap 10 a 12
Escutando sentimentos cap 10 a 12
Leonardo Pereira
 
Escutando sentimentos cap 09e 10
Escutando sentimentos cap 09e 10Escutando sentimentos cap 09e 10
Escutando sentimentos cap 09e 10
Leonardo Pereira
 
Escutando sentimentos cap 07e 08
Escutando sentimentos cap 07e 08Escutando sentimentos cap 07e 08
Escutando sentimentos cap 07e 08
Leonardo Pereira
 
Escutando sentimentos cap 06
Escutando sentimentos cap 06Escutando sentimentos cap 06
Escutando sentimentos cap 06
Leonardo Pereira
 
Escutando sentimentos cap 04
Escutando sentimentos cap 04Escutando sentimentos cap 04
Escutando sentimentos cap 04
Leonardo Pereira
 
Escutando sentimentos cap 03
Escutando sentimentos cap 03Escutando sentimentos cap 03
Escutando sentimentos cap 03
Leonardo Pereira
 
Escutando sentimentos cap 02
Escutando sentimentos cap 02Escutando sentimentos cap 02
Escutando sentimentos cap 02
Leonardo Pereira
 
Escutando sentimentos cap 1
Escutando sentimentos  cap 1Escutando sentimentos  cap 1
Escutando sentimentos cap 1
Leonardo Pereira
 
O apego e suas consequencias para o espirito imortal
O apego e suas consequencias para o espirito imortalO apego e suas consequencias para o espirito imortal
O apego e suas consequencias para o espirito imortal
Leonardo Pereira
 
Consciência e evolução
Consciência e evolução Consciência e evolução
Consciência e evolução
Leonardo Pereira
 
Prisões mentais
Prisões mentaisPrisões mentais
Prisões mentais
Leonardo Pereira
 
Seminário Médiuns obsediados
Seminário Médiuns obsediadosSeminário Médiuns obsediados
Seminário Médiuns obsediados
Leonardo Pereira
 
Estudo Sistematizado da Mediunidade
Estudo Sistematizado da Mediunidade Estudo Sistematizado da Mediunidade
Estudo Sistematizado da Mediunidade
Leonardo Pereira
 
Estudo Sistematizado da Mediunidade
Estudo Sistematizado da Mediunidade Estudo Sistematizado da Mediunidade
Estudo Sistematizado da Mediunidade
Leonardo Pereira
 
Estudo Sistematizado da Mediunidade
Estudo Sistematizado da Mediunidade Estudo Sistematizado da Mediunidade
Estudo Sistematizado da Mediunidade
Leonardo Pereira
 
Estudo Sistematizado da Mediunidade
Estudo Sistematizado da Mediunidade Estudo Sistematizado da Mediunidade
Estudo Sistematizado da Mediunidade
Leonardo Pereira
 

Mais de Leonardo Pereira (20)

Jesus " psicólogo por excelência"
Jesus " psicólogo por excelência" Jesus " psicólogo por excelência"
Jesus " psicólogo por excelência"
 
Jesus "o Cristo de nossos dias"
Jesus "o Cristo de nossos dias"Jesus "o Cristo de nossos dias"
Jesus "o Cristo de nossos dias"
 
E a morte o fim da vida
E a morte o fim da vidaE a morte o fim da vida
E a morte o fim da vida
 
Doentes da alma ' Raiva ' melindre e magoa
Doentes da alma ' Raiva ' melindre e magoa Doentes da alma ' Raiva ' melindre e magoa
Doentes da alma ' Raiva ' melindre e magoa
 
Escutando sentimentos cap 10 a 12
Escutando sentimentos cap 10 a 12Escutando sentimentos cap 10 a 12
Escutando sentimentos cap 10 a 12
 
Escutando sentimentos cap 09e 10
Escutando sentimentos cap 09e 10Escutando sentimentos cap 09e 10
Escutando sentimentos cap 09e 10
 
Escutando sentimentos cap 07e 08
Escutando sentimentos cap 07e 08Escutando sentimentos cap 07e 08
Escutando sentimentos cap 07e 08
 
Escutando sentimentos cap 06
Escutando sentimentos cap 06Escutando sentimentos cap 06
Escutando sentimentos cap 06
 
Escutando sentimentos cap 04
Escutando sentimentos cap 04Escutando sentimentos cap 04
Escutando sentimentos cap 04
 
Escutando sentimentos cap 03
Escutando sentimentos cap 03Escutando sentimentos cap 03
Escutando sentimentos cap 03
 
Escutando sentimentos cap 02
Escutando sentimentos cap 02Escutando sentimentos cap 02
Escutando sentimentos cap 02
 
Escutando sentimentos cap 1
Escutando sentimentos  cap 1Escutando sentimentos  cap 1
Escutando sentimentos cap 1
 
O apego e suas consequencias para o espirito imortal
O apego e suas consequencias para o espirito imortalO apego e suas consequencias para o espirito imortal
O apego e suas consequencias para o espirito imortal
 
Consciência e evolução
Consciência e evolução Consciência e evolução
Consciência e evolução
 
Prisões mentais
Prisões mentaisPrisões mentais
Prisões mentais
 
Seminário Médiuns obsediados
Seminário Médiuns obsediadosSeminário Médiuns obsediados
Seminário Médiuns obsediados
 
Estudo Sistematizado da Mediunidade
Estudo Sistematizado da Mediunidade Estudo Sistematizado da Mediunidade
Estudo Sistematizado da Mediunidade
 
Estudo Sistematizado da Mediunidade
Estudo Sistematizado da Mediunidade Estudo Sistematizado da Mediunidade
Estudo Sistematizado da Mediunidade
 
Estudo Sistematizado da Mediunidade
Estudo Sistematizado da Mediunidade Estudo Sistematizado da Mediunidade
Estudo Sistematizado da Mediunidade
 
Estudo Sistematizado da Mediunidade
Estudo Sistematizado da Mediunidade Estudo Sistematizado da Mediunidade
Estudo Sistematizado da Mediunidade
 

Último

Enfermos - Unção para consagração dosa enfermos
Enfermos - Unção para consagração dosa enfermosEnfermos - Unção para consagração dosa enfermos
Enfermos - Unção para consagração dosa enfermos
FernandoCavalcante48
 
Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (2)
Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (2)Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (2)
Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (2)
Nilson Almeida
 
Lição 13 Estudo Biblico para alimento da alma.pptx
Lição 13 Estudo Biblico para alimento da alma.pptxLição 13 Estudo Biblico para alimento da alma.pptx
Lição 13 Estudo Biblico para alimento da alma.pptx
JaquelineSantosBasto
 
Lição 13 – A Cidade Celestial - CPAD.pptx
Lição 13 – A Cidade Celestial - CPAD.pptxLição 13 – A Cidade Celestial - CPAD.pptx
Lição 13 – A Cidade Celestial - CPAD.pptx
Celso Napoleon
 
Malleus Maleficarum: o martelo das bruxas
Malleus Maleficarum: o martelo das bruxasMalleus Maleficarum: o martelo das bruxas
Malleus Maleficarum: o martelo das bruxas
Lourhana
 
Bíblia Sagrada - Jonas - slides testamento3 (1).pptx
Bíblia Sagrada - Jonas - slides testamento3 (1).pptxBíblia Sagrada - Jonas - slides testamento3 (1).pptx
Bíblia Sagrada - Jonas - slides testamento3 (1).pptx
Igreja Jesus é o Verbo
 
PROFECIAS DE NOSTRADAMUS SÃO BÍBLICAS_.pdf
PROFECIAS DE NOSTRADAMUS SÃO BÍBLICAS_.pdfPROFECIAS DE NOSTRADAMUS SÃO BÍBLICAS_.pdf
PROFECIAS DE NOSTRADAMUS SÃO BÍBLICAS_.pdf
Nelson Pereira
 
Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (3)
Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (3)Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (3)
Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (3)
Nilson Almeida
 
Lição 12 - A Bendita Esperança: A Marca do Cristão.pptx
Lição 12 - A Bendita Esperança: A Marca do Cristão.pptxLição 12 - A Bendita Esperança: A Marca do Cristão.pptx
Lição 12 - A Bendita Esperança: A Marca do Cristão.pptx
Celso Napoleon
 
Aula do ESDE 2 - Penas e Gozos Futuros 2024
Aula do ESDE 2 - Penas e Gozos Futuros 2024Aula do ESDE 2 - Penas e Gozos Futuros 2024
Aula do ESDE 2 - Penas e Gozos Futuros 2024
HerverthRibeiro1
 

Último (10)

Enfermos - Unção para consagração dosa enfermos
Enfermos - Unção para consagração dosa enfermosEnfermos - Unção para consagração dosa enfermos
Enfermos - Unção para consagração dosa enfermos
 
Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (2)
Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (2)Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (2)
Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (2)
 
Lição 13 Estudo Biblico para alimento da alma.pptx
Lição 13 Estudo Biblico para alimento da alma.pptxLição 13 Estudo Biblico para alimento da alma.pptx
Lição 13 Estudo Biblico para alimento da alma.pptx
 
Lição 13 – A Cidade Celestial - CPAD.pptx
Lição 13 – A Cidade Celestial - CPAD.pptxLição 13 – A Cidade Celestial - CPAD.pptx
Lição 13 – A Cidade Celestial - CPAD.pptx
 
Malleus Maleficarum: o martelo das bruxas
Malleus Maleficarum: o martelo das bruxasMalleus Maleficarum: o martelo das bruxas
Malleus Maleficarum: o martelo das bruxas
 
Bíblia Sagrada - Jonas - slides testamento3 (1).pptx
Bíblia Sagrada - Jonas - slides testamento3 (1).pptxBíblia Sagrada - Jonas - slides testamento3 (1).pptx
Bíblia Sagrada - Jonas - slides testamento3 (1).pptx
 
PROFECIAS DE NOSTRADAMUS SÃO BÍBLICAS_.pdf
PROFECIAS DE NOSTRADAMUS SÃO BÍBLICAS_.pdfPROFECIAS DE NOSTRADAMUS SÃO BÍBLICAS_.pdf
PROFECIAS DE NOSTRADAMUS SÃO BÍBLICAS_.pdf
 
Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (3)
Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (3)Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (3)
Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (3)
 
Lição 12 - A Bendita Esperança: A Marca do Cristão.pptx
Lição 12 - A Bendita Esperança: A Marca do Cristão.pptxLição 12 - A Bendita Esperança: A Marca do Cristão.pptx
Lição 12 - A Bendita Esperança: A Marca do Cristão.pptx
 
Aula do ESDE 2 - Penas e Gozos Futuros 2024
Aula do ESDE 2 - Penas e Gozos Futuros 2024Aula do ESDE 2 - Penas e Gozos Futuros 2024
Aula do ESDE 2 - Penas e Gozos Futuros 2024
 

O psicoscópio aula 2

  • 1. NOS DOMÍNIOS DA MEDIUNIDADE O psicoscópio (Estudo 2 de 30) LEONARDO PEREIRA ANDRÉ LUIZ / CHICO XAVIER
  • 2. T R E C H O S D O C A P Í T U L O. • " Tornando ao convívio do Assistente, na noite imediata, dele recebemos o acolhimento gentil da véspera. - Creio haver traçado o nosso programa - falou, paternal. Finda a ligeira pausa em que nos registrava a atenção, prosseguiu: - Admito que devamos centralizar nossas observações em reduzido núcleo, onde melhor dispomos do fator qualidade.
  • 3. Temos um grupo de dez companheiros encarnados, com quatro médiuns detentores de faculdades regularmente desenvolvidas e de lastro moral respeitável.Trata-se de pequeno conjunto, a serviço de uma instituição consagrada ao nosso ideal cristianizante. Desse grupo-base ser-nos-á possível alongar apontamentos e coletar anotações que se façam valiosas à nossa tarefa.
  • 4. " Logo após, muniu-se de pequena pasta e, talvez porque nos percebesse a curiosidade, informou, paciente: - Temos aqui o nosso psicoscópio, de modo a facilitar-nos exames e estudos, sem o impositivo de acurada concentração mental.
  • 5. A Igreja Universal do Reino de Deus tem um aparelhinho cuja lâmpada mede o grau de possessão demoníaca em fiéis. Uma foto do psicoscópio – esse seria o nome do instrumento – foi exibida ontem em Campo Grande (MS) pela desempregada Sueli Ferreira de Moura (foto), 42, que por sete horas se manteve acorrentada ao portão de um templo em protesto contra a igreja por ter submetido o seu filho de 17 anos à lavagem cerebral. Mãe de fiel mostra foto do aparelhinho
  • 6. " - É um aparelho a que intuitivamente se referiu ilustre estudioso da fenomenologia espirítica, em fins do século passado. Destina-se à auscultação da alma, com o poder de definir-lhe as vibrações e com capacidade para efetuar diversas observações em torno da matéria - esclareceu Áulus, com leve sorriso. - Esperamos esteja, mais tarde, entre os homens. Funciona à base de eletricidade e magnetismo, utilizando-se de elementos radiantes, análogos na essência aos raios gama. É constituído por óculos de estudo, com recursos disponíveis para a microfotografia.
  • 7. E enquanto demandávamos a cidade terrestre, em que nos cabia operar, o mentor continuava, explicando: - Em nosso esforço de supervisão, podemos classificar sem dificuldade as perspectivas desse ou daquele agrupamento de serviços psíquicos que aparecem no mundo. Analisando a psicoscopia de uma personalidade ou de uma equipe de trabalhadores, é possível anotar-lhes as possibilidades e categorizar-lhes a situação. Segundo as radiações que projetam, planejamos a obra que podem realizar no tempo.
  • 8. " - Quer isso dizer que qualquer de nós pode ser submetido a exame dessa espécie? - Sem dúvida - considerou o nosso interlocutor bem-humorado -; decerto que estamos sujeitos às sondagens dos planos superiores, tanto quanto pesquisamos agora os planos que se nos situam à retaguarda. Se o espectroscópio permite ao homem perquirir a natureza dos elementos químicos, localizados a enormes distâncias, através da onda luminosa que arrojam de si, com muito mais facilidade identificaremos os valores da individualidade humana pelos raios que emite. A moralidade, o sentimento, a educação e o caráter são claramente perceptíveis, através de ligeira inspeção.
  • 9. - Mas - indagou Hilário, investigador -, e na hipótese de surgirem elementos arraigados ao mal, numa formação de cooperadores do bem? de posse da ficha psicoscópica, os instrutores espirituais providenciar-lhes-ão a expulsão? - Não será preciso. Se a maioria permanece empenhada na extensão do bem, a minoria encarcerada no mal distancia-se do conjunto, pouco a pouco, por ausência de afinidade.
  • 10. " Reajustando-se aos nossos objetivos, Hilário acentuou: - O psicoscópio, só por si, dá margem a preciosas reflexões. Imaginemos uma sociedade humana que pudesse retratar a vida interior dos seus membros... Isso economizaria grandes quotas de tempo na solução de inúmeros problemas psicológicos. - Sim - anuiu o mentor, cordial -, o futuro reserva prodígios ao senso do homem comum. Havíamos, porém, alcançado o portão de espaçoso edifício que o Assistente nos designou como sendo o santuário que nos competia visitar e servir. - Esta é a casa espírita-cristã onde encontraremos nosso ponto básico de experiências e observações. Entramos.
  • 11. " - Nossos companheiros - elucidou o Assistente - fazem o serviço de harmonização preparatória. Quinze minutos de prece, quando não seja de palestra ou leitura com elevadas bases morais. Sabem que não devem abordar o mundo espiritual sem a atitude nobre e digna que lhes outorgará a possibilidade de atrair companhias edificantes e, por esse motivo, não comparece aqui sem trazer ao campo que lhes é invisível as sementes do melhor que possuem.
  • 12. " O Assistente armou o psicoscópio e, depois de ligeira análise, recomendou-nos a observação. (...) Detive-me na contemplação dos companheiros encarnados que agora apareciam mais estreitamente associados entre si, pelos vastos círculos radiantes que lhes nimbavam as cabeças de opalino esplendor. Tive a impressão de fixar, em torno do apagado bloco de massa semi-obscura a que se reduzira a mesa, uma coroa de luz solar, formada por dez pontos característicos, salientando-se no centro de cada um deles o semblante espiritual dos amigos em oração.
  • 13. Desse colar de focos dourados alongava-se extensa faixa de luz violeta, que parecia contida numa outra faixa de luz alaranjada, a espraiar-se em tonalidades diversas que, de momento, não pude identificar, de vez que a minha atenção estava presa ao círculo dos rostos fulgurantes, visivelmente unidos entre si, à maneira de dez pequeninos sóis, imanados uns aos outros. Reparei que sobre cada um deles se ostentava uma auréola de raios quase verticais, fulgentes e móveis, quais se fossem diminutas antenas de ouro fumegante.
  • 14. Sobre essas coroas que se particularizavam, de companheiro a companheiro, caíam do Alto abundantes jorros de luminosidade estelar que, tocando as cabeças ali irmanadas, pareciam suaves correntes de força a se transformarem em pétalas microscópicas, que se acendiam e apagavam, em miríades de formas delicadas e caprichosas, gravitando, por momentos, ao redor dos cérebros em que se produziam, quais satélites de vida breve, em torno das fontes vitais que lhes davam origem. Custodiando a assembléia, permaneciam os mentores espirituais presentes, cada qual irradiando a luz que lhe era própria.
  • 15. " - (...) Vemo-nos aqui na companhia de quatro irmãs e seis irmãos de boa-vontade. Naturalmente, são pessoas comuns. Comem, bebem, vestem-se e apresentam-se na Terra sob o aspecto vulgar de outras criaturas do ramerrão carnal; no entanto, trazem a mente voltada para os ideais superiores da fé ativa, a expressar-se em amor pelos semelhantes. Procuram disciplinar-se, exercitam a renúncia, cultivam a bondade constante e, por intermédio do esforço próprio no bem e no estudo nobremente conduzido, adquiriram elevado teor de radiação mental.
  • 16. " - (...) não sabe você que um homem encarnado é um gerador de força electromagnética, com uma oscilação por segundo, registrada pelo coração? Ignora, porventura, que todas as substâncias vivas da Terra emitem energias, enquadradas nos domínios das radiações ultravioletas? Em nos reportando aos nossos companheiros, possuímos neles almas regularmente evolutidas, em apreciáveis condições vibratórias pela sincera devoção ao bem, com esquecimento dos seus próprios desejos. Podem, desse modo, projetar raios mentais, em vias de sublimação, assimilando correntes superiores e enriquecendo os raios vitais de que são dínamos comuns.
  • 17. Raios vitais? - redargüiu meu colega, faminto de esclarecimento. - Sim, para maior limpidez da definição, chamemos-lhes raios ectoplásmicos, unindo nossos apontamentos à nomenclatura dos espiritistas modernos. Esses raios são peculiares a todos os seres vivos. É com eles que a lagarta realiza suas complicadas demonstrações de metamorfose e é ainda na base deles que se efetuam todos os processos de materialização mediúnica, porquanto os sensitivos encarnados que os favorecem libertam essas energias com mais facilidade. Todas as criaturas, porém, guardam-nas consigo, emitindo-as em freqüência que varia em cada uma, de conformidade com as tarefas que o Plano de Vida lhes assinala.
  • 18. E, otimista, acrescentou: - O estudo da mediunidade repousa nos alicerces de mente com o seu prodigioso campo de radiações. A ciência dos raios imprimirá, em breve, grande renovação aos setores culturais do mundo. Aguardemos o porvir. Em seguida, Áulus convidou-nos a inspeção mais direta e acompanhamo-lo, alegremente."
  • 19. 1.- Como podemos entender o psicoscópio, aparelho de que nos dá notícia André Luiz, neste capítulo? O psicoscópio é um aparelho existente no plano espiritual que tem a propriedade de definir a qualidade das vibrações mentais emanadas de encarnados e de desencarnados, caracterizando os mais íntimos sentimentos de que são portadores aqueles que a ele são submetidos. O espírito, quando encarnado ou no plano espiritual, é uma fonte irradiante de energias resultantes do seu produto mental, que vibram em torno de si, propagam-se e revelam o estado de evolução em que ele se encontra. O psicoscópio permite que essa energia emanada seja percebida e analisada pelos benfeitores do plano espiritual.
  • 20. 2.- Qual a sua importância para o desenvolvimento da mediunidade? Vimos que o psicoscópio funciona como uma espécie de "detetor de mentira". Diante dele, o espírito se desnuda. Nada pode ser escondido, com relação aos seus pensamentos. Com isso, a sua utilização nas reuniões mediúnicas permite à espiritualidade superior uma melhor administração do intercâmbio mediúnico. O trabalho a ser desenvolvido será programado de acordo com a aptidão do grupo mediúnico e dos espíritos que o assistem. A mediunidade se manifestará de maneira mais organizada, compatível com as necessidades e com a capacidade de trabalho de cada um. Os benfeitores sabem com quem podem contar e de que maneira podem os trabalhadores ser aproveitados. Evita-se, assim, que percam tempo em reuniões que pouco ou nada de útil podem produzir. A qualidade do trabalho mediúnico, dessa maneira, tende a ser cada vez mais qualificado, em benefício de toda a humanidade.
  • 21. 3.- Qual o objetivo da prece que precede o início do trabalho mediúnico? Conforme ensina o assistente Áulus, a abordagem ao mundo espiritual deve ser precedida de atitude nobre e digna, para permitir a atração de companhias espirituais do mesmo nível. A prece, a palestra ou a leitura de uma página evangélica ou outra que transmita algum ensinamento moral harmonizam previamente o ambiente, procedendo a uma verdadeira profilaxia energética do local. Como vimos no estudo do capítulo anterior, a sintonia mental está na base de toda e qualquer comunicação mediúnica. Através da prece, buscamos o amparo e a intuição do Alto para que nos sintonizemos com espíritos que se dedicam à prática do bem, possibilitando a obtenção de mensagens sérias, que possam trazer aos necessitados que somos o consolo e o esclarecimento que precisamos para o enfrentamento de nossas provas.
  • 22. 4.- Por que o Instrutor Áulus elogiou o grupo mediúnico que visitavam? Vimos, também, no estudo do capítulo anterior, que a sintonia, que o Instrutor Albério denominou vibrações compensadas, isto é, a ressonância psíquica entre dois espíritos que nutrem pensamentos da mesma natureza, é fator determinante da qualidade da comunicação mediúnica. Através dela, os espíritos encarnados e desencarnados estabelecem entre eles uma imantação pelo pensamento, vinculando-se, magneticamente, uns aos outros. Essa troca de energias da mesma natureza faz com que as mentes envolvidas entrem em sintonia e se alimentem mutuamente com seus pensamentos.
  • 23. O grupo visitado pela equipe de benfeitores da qual André Luiz participava não era composto de espíritos sublimados, grandes missionários, mas de espíritos que já possuíam consideráveis conquistas evolutivas. Suas mentes estavam voltadas aos ideais superiores de fé e ao amor pelo próximo. Pautavam-se pela disciplina e esforço na prática do bem e se conduziam com espírito de renúncia e dedicação ao estudo doutrinário. Com esse comportamento, emanavam de suas mentes radiações de elevado teor vibratório, atraindo para o trabalho espíritos de elevada evolução moral.
  • 24. 5.- O que são raios vitais ou raios ectoplásmicos? Qual a sua importância nas manifestações mediúnicas? O ectoplasma ou raios vitais, ou, ainda, raios ectoplásmicos, é uma substância formada por uma combinação de fluidos emanados do plano espiritual, de médiuns e de todas as formas vivas da natureza, como demais pessoas, animais e plantas que se encontrem próximos ao local onde se realiza a reunião mediúnica. É uma substância semi-fluídica e semi-material, como "uma pasta flexível, à maneira de uma geléia viscosa e semi- -líquida", segundo descrição de André Luiz em outro capítulo. Emana do corpo de todas as pessoas pelos orifícios naturais do corpo físico, como as narinas, o ouvido e a boca.
  • 25. Há pessoas, contudo, cujo organismo físico permite que essa emanação fluídica se dê de maneira mais intensa e com mais facilidade. São os chamados médiuns de efeitos físicos. Serve para a produção de fenômenos de efeitos físicos, ou seja, aqueles que podem ser percebidos pelos sentidos do corpo material. Nos trabalhos mediúnicos, essas energias são utilizadas para a produção de manifestações conhecidas como de efeitos físicos (materialização, transporte, cura, dentre outras). Os espíritos extraem essa energia e a manipulam, conforme necessitam para a obtenção do resultado pretendido.