SlideShare uma empresa Scribd logo
OTRANSE
CONCEITO - TIPOS
 É um estado altamente focalizado de atenção. Acontece em graus diferenciados
e, num grau leve, se dá quando estamos com nossa atenção centrada em um
filme, uma história, uma música, etc.
 O transe caracteriza-se por um estado de dissociação ou alteração da
consciência, estado especial, situado entre a vigília e o sono e que favorece
acesso aos arquivos da subconsciência. No médium, pode tornar-se perceptível
pela forma como ele se exprime, gesticula, olha, etc.
 É uma inibição do córtex cerebral e lobos frontais (cérebro).
O transtorno dissociativo de identidade é conhecido
popularmente como dupla personalidade; é uma condição mental
onde um único indivíduo demonstra características de duas ou
mais personalidades distintas, cada uma com sua maneira de
perceber e interagir com o meio.
É a perda total ou parcial de uma função mental ou
neurológica. As funções comumente afetadas são a memória, a
consciência da própria identidade, sensações corporais, controle
dos movimentos corporais.
CONCEITO
2
Córtex cerebral: Sede do entendimento, da razão, linguagem, percepção, emoção, memória,
cognição.
Lobo frontal: Localizado na frente do cérebro (testa), e nele acontece o planejamento
de ações e movimento, bem como o pensamento abstrato.
NA HISTÓRIA
Na antiguidade, utilizava-se induções hipnóticas individuais ou
em grupos, através de danças, cantos, orações, rituais e palavras.
3
NA HISTÓRIA
 Há mais de 4 mil anos, no Egito, Grécia,
China e África, entre outros lugares, já se
tem registro do uso da hipnose dentro de
contextos religiosos, assim como medida
terapêutica, indicando sucesso em casos
como paralisia, epilepsia, cegueira, etc.
 No Egito antigo, aproximadamente no ano
1550 a.C., os sacerdotes induziam um
certo tipo de estado hipnótico com
finalidade de cura, conforme escrito nos
papiros de Ebers. Estes papiros
continham uma coletânea de antigos
escritos médicos descrevendo como aliviar
a dor e as doenças.
( HIPNOS = deus grego do sono )
A HIPNOSE
4
Mesmer Puységur James Braid Jean Charcot Bernheim
Émile Coué Allan Kardec Freud Ivan Pavlov James Esdaile
ALGUNS DOS PRINCIPAIS PESQUISADORES
5
Médico do século XVIII,
acreditava na existência de um
magnetismo humano, realizando
várias cirurgias e anestesias sobre
o chamado “sono mesmérico”,
desenvolvendo-se a partir daí a
expressão “Mesmerismo”.
Induzia tal estado através de
movimentos realizados com as
mãos associados a sua fala.
FRANZ A. MESMER
(1734 - 1815)
O SONO MESMÉRICO
6
Mesmer deixa um discípulo, o
MARQUÊS de PUYSÉGUR (1751-1825).
Em 1784, ao magnetizar Victor
Race, que se queixava de dores
torácicas e dispneia, viu o paciente
adormecer profundamente em seus
braços.
O rapaz, curiosamente, respondia
lucidamente apenas às perguntas
formuladas pelo marquês, aceitando
suas sugestões de que ficaria bom
ao acordar, o que de fato ocorreu.
Embora sentindo-se curado, Race
não admitia haver dormido.
Registrava-se assim o primeiro
caso descrito de hipnose, claramente
documentado. Puységur denominou
o fenômeno de sonambulismo.
Hipnotizado por Puységur,
Victor Race toma leite como se fora um gato.
O SONAMBULISMO PROVOCADO
7
 Foi um dos pioneiros cientistas modernos a investigar e a
trabalhar clinicamente com o estado hipnótico. É considerado
o iniciador da hipnose científica. Em 1842 cunhou o termo
hipnotismo para se referir ao procedimento de indução ao
estado hipnótico.
 James Braid utilizou o sono hipnótico como “anestesia geral”
em algumas intervenções cirúrgicas. Mas com a descoberta
dos anestésicos gerais, principalmente o éter e o monóxido
de nitrogênio, a hipnose fora abandonada como recurso para
eliminar a dor.
JAMES BRAID (1795–1860) médico cirurgião escocês.
8
Une leçon clinique à la Salpêtrière - Pierre-André Brouillet Charroux,1887, Museu de Nice.
Considerado o fundador da neurologia moderna. Foi professor de Freud.
Empregou a hipnose a fim de descobrir a base orgânica da histeria. Em experiências
com a histérica Alcina, em Paris, disse aos seus discípulos:
"...eis aqui uma histérica que sob hipnose obedece cegamente a quanto
se lhe ordenar."
Ordenaram que ela escrevesse em grego (desconhecido para ela), sobre
assuntos científicos, literários, etc., o que foi cumprido diante de inúmeras
testemunhas.
JEAN-MARTIN CHARCOT (1825-1893) Médico francês
9
TIPOS
sonâmbulos
sensitivos
paranormais
psicometria (ler impressões em objetos)
pirogenia (combustão espontânea)
mediúnico
hipnótico
sonambúlico
químico (farmacógeno)
mesmérico
epilepsia
transtornos mentais
coma
delírio febril
traumatismo crânioencefálico...
ESPONTÂNEO PATOLÓGICO
PROVOCADO
O TRANSE
10
O TRANSE PROVOCADO
MEDIÚNICO:
Provocado por um Espírito; tem gradações que dependem do gênero de
mediunidade.
HIPNÓTICO:
Variante do processo do sono; sono conduzido; inibição da atividade consciente.
11
ANÍMICO-SONAMBÚLICO:
 Provocado pela própria pessoa ao se desligar parcialmente do corpo.
 Através de cantos mântricos, gregorianos, de pontos, etc.
 Favorece a bicorporeidade, dupla vista, êxtase, catalepsia, letargia,
sonambulismo...
12
O TRANSE PROVOCADO
Siddharta Gautama, o Buda, em meditação
O TRANSE ANÍMICO
13
QUÍMICO:
Ação de substâncias químicas, álcool, drogas, chás
MESMÉRICO:
Por efeito magnético (passe)
O TRANSE PROVOCADO
14
 O transe mediúnico, em algumas pessoas, é semelhante a uma convulsão
epiléptica.
 Estado alterado da consciência que, em diferentes graus de intensidade, se
dissocia global ou parcialmente dos centros psicossomáticos, mantendo ou não a
sensibilidade e a lucidez, em condições de baixa tensão psíquica (estado alpha).
Convulsão epiléptica é uma descarga elétrica cerebral
desorganizada que se propaga para todas as regiões do
cérebro, levando a uma alteração de toda atividade cerebral.
Pode se manifestar como uma alteração comportamental, na
qual o indivíduo fala coisas sem sentido. por movimentos
estereotipados (repetidos) de um membro, ou mesmo através
de episódios nos quais o paciente parece ficar "fora do ar",
com o olhar parado, fixo e sem contato com o ambiente.
Estado alpha é um determinado predomínio cortical pré-frontal de frequências
cerebrais entre 7 a 12 ciclos por segundo. Acontece durante sonhos, em devaneios, em
meditações e orações, mas também em momentos de intensa concentração prazerosa,
quando, por exemplo, um artista está buscando definir uma pintura ou um escritor está
escrevendo a sua obra. Quando estamos relaxados, nossa atividade cerebral baixa do
rápido padrão Beta para as ondas Alfa mais lentas. Nossa energia criativa começa a fluir e
a ansiedade desaparece. Experimentamos uma sensação de paz e bem-estar.
15
O TRANSE MEDIÚNICO
“Muitos estudiosos do Espiritismo se preocupam com o problema da
concentração, em trabalhos de natureza espiritual. Não são poucos os que
estabelecem padrão ao aspecto exterior da pessoa concentrada, os que exigem
determinada atitude corporal e os que esperam resultados rápidos nas
atividades dessa ordem. Entretanto, quem diz concentrar, forçosamente se
refere ao ato de congregar alguma coisa. Ora, se os amigos encarnados não
tomam a sério as responsabilidades que lhes dizem respeito, fora dos recintos
de prática espiritista, se, porventura, são cultores da leviandade, da indiferença,
do erro deliberado e incessante, da teimosia, da inobservância interna dos
conselhos de perfeição cedidos a outrem, que poderão concentrar nos
momentos fugazes de serviço espiritual?”
OS MENSAGEIROS, Aniceto - André Luiz por Chico Xavier - cap. 47
16
O TRANSE MEDIÚNICO
O PREPARO
“Boa concentração exige vida reta. Para que os nossos
pensamentos se congreguem uns aos outros, fornecendo o potencial de
nobre união para o bem, é indispensável o trabalho preparatório de
atividades mental na meditação de ordem superior. A atitude íntima de
relaxamento, ante as lições evangélicas recebidas, não pode conferir ao
crente, ou ao cooperador, a concentração de forças espirituais no serviço
de elevação, tão só porque estes se entreguem, apenas por alguns minutos
na semana, a pensamentos compulsórios de amor cristão. Como veem, o
assunto é complexo e demanda longas considerações e ensinamentos.”
OS MENSAGEIROS, Aniceto - André Luiz por Chico Xavier - cap. 47
17
O TRANSE MEDIÚNICO
O PREPARO
A concentração é uma das fases do transe mediúnico, e para isso é
preciso preparar-se para entrar nesse estado de maior percepção fluídica,
sensorial, psíquica deixando a mente desligada dos estímulos externos.
É provável que poucos médiuns consigam plenamente concentrar-
se, no real sentido da palavra, a fim de participarem das atividades
mediúnicas. O médium, por razões diversas, ou chega ao trabalho em cima
do horário, ou prende-se a conversações várias deixando para silenciar no
início das atividades, etc.
Para muitos, concentrar-se é apenas fechar os olhos e expressar,
seja pela escrita, fala ou desenho, aquilo que sente, ouve ou vê
psiquicamente. Evidentemente, há exceções, pessoas que facilmente
entram num estado de percepção extrassensorial, mas não é tão comum.
Por isso, para o exercício da concentração, é preciso seriedade,
estudo e bom senso.
A CONCENTRAÇÃO
O TRANSE MEDIÚNICO
18
O QUE PREJUDICA NA CONCENTRAÇÃO?
FATORES EXTERNOS:
 ruídos, sons altos
 toques físicos que causem dor ou prazer
 iluminação inadequada ao que se propõe
 perturbação espiritual (obsessão)
FATORES INTERNOS:
 tensões e dores físicas
 distração inconsciente, não percebida
 cansaço gerando sonolência (dormir bem na noite anterior ao
trabalho)
 indisciplina interior, muitos pensamentos ao mesmo tempo;
 perturbações afetivo-emocionais que possam gerar ansiedade.
O TRANSE MEDIÚNICO
19
Transe mediúnico: estado de concentração, atenção e
SILÊNCIO INTERIOR
20
223. 1. O médium, no momento em que exerce sua
faculdade, está num estado perfeitamente normal?
Algumas vezes, está num estado de crise mais ou
menos pronunciado, é isso que o fatiga e é por isso que
necessita de repouso; porém, frequentemente, seu estado
não difere sensivelmente do estado normal, sobretudo nos
médiuns escreventes.
O LIVRO DOS MÉDIUNS, Allan Kardec
cap. XIX - Papel do médium nas comunicações espíritas
21
O TRANSE MEDIÚNICO
A tendência do transe mediúnico é a de
sutilizar-se, ocorrendo de maneira tão natural quanto
possível. O desgaste orgânico, pois, tende a se
mostrar cada vez mais discreto, a não ser nos
médiuns em que haja maior dispêndio de energias
cedidas à produção de fenômenos físicos.
O TRANSE MEDIÚNICO - Odilon Fernandes por Carlos A. Baccelli
22
O TRANSE MEDIÚNICO
O TRANSE MEDIÚNICO
O PAPEL DO PERISPÍRITO
Pela sua união íntima com o corpo, o perispírito desempenha um
papel preponderante no organismo; pela sua expansão, coloca o Espírito
encarnado em relação mais direta com os Espíritos livres, e também com
os Espíritos encarnados.
O pensamento do Espírito encarnado age sobre os fluidos
espirituais como o dos Espíritos desencarnados; ele se transmite de
Espírito a Espírito pela mesma via, e, segundo seja bom ou mau, saneia
ou vicia os fluidos circundantes.
Atuando os fluidos sobre o perispírito, este reage sobre o
organismo material com que se acha em contato molecular. Se os eflúvios
são de boa natureza, o corpo sente-lhes uma impressão salutar; se são
maus, a impressão é penosa.
O perispírito é o órgão sensitivo do Espírito; é por seu intermédio
que o Espírito encarnado tem a percepção das coisas espirituais que
escapam aos seus sentidos carnais.
A GÊNESE, Allan Kardec - cap. 14, itens18 e 22
23
OBSERVAÇÕES:
 Recomenda-se não tocar no médium durante o transe mediúnico,
principalmente em grau profundo.
 As impressões recolhidas pelos sentidos ficam na aparência esquecidas, mas
arquivadas na consciência profunda (subconsciente).
 Entre a SUPERFICIAL e a PROFUNDA há uma graduação infinita.
O TRANSE MEDIÚNICO
INTENSIDADE (GRAUS)
SUPERFICIAL
LUCIDEZ TOTAL = médiuns intuitivos, colaboração direta na transmissão da
mensagem.
INTERMEDIÁRIA
SEMILUCIDEZ = recordação com posterior esquecimento.
PROFUNDA
INCONSCIÊNCIA SONAMBÚLICA = Apesar de não perder totalmente a
ligação com a consciência, o médium raramente se recorda.
24
Ilustração do livro Nos Domínios da Mediunidade, André Luiz por Chico Xavier
( Projeto Imagem )
25
O TRANSE MEDIÚNICO
NATUREZA
PSÍQUICA
 EFEITOS INTELECTUAIS:
- psicografia, psicofonia, vidência...
BIOLÓGICA
 EFEITOS FÍSICOS:
- ectoplasmia diversas,...
26
1. PREPARAÇÃO / CONCENTRAÇÃO
(no trabalho mediúnico)
 Rebaixamento da tensão psíquica;
 Requer controle das emanações mentais e das emoções;
 Ambiente físico e psicológico adequados
 Boas emanações fluídicas
 Leitura adequada (opcional)
27
O TRANSE MEDIÚNICO
ETAPAS
2. PERCEPÇÃO DE FLUIDOS
 Sensação de alteração na temperatura do corpo;
 Sensação de bem ou mal estar.
3. A APROXIMAÇÃO
 Início de um envolvimento perispiritual entre o médium e o Espírito
comunicante (afinidade);
 Sensação de ter alguém bem próximo;
 Inicia-se um aumento no campo psicossensorial no médium.
O TRANSE MEDIÚNICO
ETAPAS
4. O CONTATO
 Envolvimento perispiritual mais acentuado entre ambos produzindo efeito
entorpecedor no médium;
 O médium poderá perceber algumas manifestações físicas como calafrios,
tremores, formigamentos devido a sensibilização do seu sistema nervoso;
 Poderá ocorrer o desdobramento (deslocação perispiritual).
 Se tocar no médium, ele poderá perder o contato.
5. O ENVOLVIMENTO
 Quanto mais intenso e integral o envolvimento, maior será o grau de
inconsciência do transe;
 O Espírito procura assenhorear-se da mente do médium através de vibrações ou
radiações, e este capta as emoções e o estado psicológico do Espírito;
 Se alguém fala com o médium, ele pode não escutar;
28
O TRANSE MEDIÚNICO
ETAPAS
6. A MANIFESTAÇÃO
 O Espírito sensibiliza a área cerebral referente a natureza da faculdade
mediúnica que o médium possui;
 O médium transmitirá ou bloqueará o pensamento (mensagem) envolvido de
emoções do Espírito;
 Os sintomas da mediunidade ficam mais perceptíveis e visíveis.
médium Celso de Almeida Afonso
29
“Em verdade eu não sei as palavras, não tenho conhecimento
do desenvolvimento verbal daquilo que o amigo espiritual está escrevendo,
mas eu me sinto dentro do clima do livro que eles estão escrevendo. Por
exemplo: quando nosso amigo espiritual, Emmanuel, começou a escrever o
livro Há dois mil anos, em 1938, comecei a ver uma cidade, depois vim a
saber que era Roma. Havia jardins na cidade e aquilo me conturbou um
pouco, causou-me certo assombro. Tendo perguntado, disse-me que estava
escrevendo com ele como com alguém debaixo de uma “hipnose branda”; eu
estava no seu pensamento conquanto não soubesse as palavras que ele
escrevia. E assim tem sido até hoje”.
ENTREVISTAS, Emmanuel / Chico Xavier
O TRANSE MEDIÚNICO-HIPNÓTICO
30
37 - Por que acontece, às vezes, nas sessões
mediúnicas, não haver nenhuma manifestação? O
que determina ou impede as manifestações?
Divaldo - O baixo padrão vibratório reinante no
ambiente. A sintonia psíquica dos membros da reunião
responde pelos resultados da mesma.
4 - Tem o médium inconsciente responsabilidade pelo que ocorra durante as
comunicações?
Divaldo - O fenômeno é sonambúlico, mas a comunicação está relacionada com a
conduta moral do médium.
5 - De que dispõe o médium psicofônico
consciente para distinguir seu pensamento do
pensamento da entidade comunicante?
Divaldo - O médium consciente dispõe do bom senso.
Eis porque, antes de exercitar a mediunidade deve
estudá-la; antes de entregar-se ao ministério da
vivência mediúnica é-lhe lícito entender o próprio
mecanismo do fenômeno mediúnico.
DIRETRIZES DE SEGURANÇA
Divaldo Franco e Raul Teixeira
31
DIRETRIZES DE SEGURANÇA
Divaldo Franco e Raul Teixeira
Resposta da pergunta 29
Divaldo - Durante o trabalho de psicografar o livro
romanceado, os espíritos permitiram-me acompanhar o que
grafavam. Como são psicografias feitas em horas
específicas, adrede reservadas para esse mister, registramos
cenas, à medida que os espíritos iam escrevendo, através
dos clichês mentais que me projetavam. Certa vez, quando
psicografava o Párias em Redenção, que foi o nosso
primeiro romance mediúnico ditado por Victor Hugo,
observamos toda a paisagem que ele mostrava enquanto
meu braço escrevia.
Para minha surpresa, notei, quando li as páginas, que
havia visto muito mais do que ali estava escrito. Ocorreu-me
a ideia de explicar aos confrades de nossa Casa, que era o
mesmo que ir ao cinema acompanhado por um cego e estar
explicando-lhe as cenas que se projetam na tela. A
capacidade visual é muito maior do que a palavra ou a grafia.
(...)
32
75. Qual a iluminação adequada para o recinto da reunião mediúnica?
R: Não existe uma necessidade absoluta de iluminação especial, para que
sejam levadas a efeito as reuniões mediúnicas comuns. Desde que haja
medianeiros e clima psíquico propício, as manifestações poderão ocorrer em
plena luz do dia ou na intimidade da mais caliginosa noite.
DESAFIOS DA MEDIUNIDADE
Espírito Camilo por Raul Teixeira
65. Existe desgaste do médium durante a reunião mediúnica?
R: Sem dúvida possível. Assevera Allan Kardec que “o exercício muito
prolongado de qualquer faculdade acarreta fadiga” (O Livro dos Médiuns, cap.
XVIII, it. 221), e que com a mediunidade não se daria diferente. O bom senso,
então, propõe que os médiuns não exorbitem. É possível servir ao bem sem
causar distúrbios a si mesmo, respeitando o tempo e as condições do próprio
organismo.
33
- Quais os procedimentos corretos quando uma pessoa, não
espírita e não estudiosa, entra em transe, debatendo-se e
dizendo coisas desconexas?
R: Por isso eu estou insistindo em que o espírita aprenda sobre
o "transe", porque um tipo de situação dessa pode ser um
"transe patológico" (esquizofrênico, psicótico, efeitos de drogas,
obsessivo etc. ). E para ajudar melhor, o espírita deve
reconhecer o transe e tomar as providências cabíveis, junto ao
socorro médico ou aos recursos espíritas, como a ordem moral
de afastamento dos espíritos, passe, irradiação, etc.
Entrevista com o escritor espírita Lamartine Palhano Jr.
- A emancipação da alma ou projeção astral, não considerada como caráter
mediúnico, mas como capacidade inerente do ser, poderia ser considerada uma
forma de transe?
R: Evidente. É um transe anímico, no qual o espírito do próprio tem essa
liberdade de emancipar-se, numa espécie de dissociação psíquica. Veja o
capítulo de O Livro dos Espíritos chamado "Emancipação da Alma".
34
Referência internacional, o DSM-V também deixa de incluir
casos de transe religioso (cultos evangélicos, espíritas,
umbandistas, de candomblé, etc.) como um distúrbio de
personalidade, ou seja, uma personalidade múltipla (transtorno
dissociativo de identidade, originalmente denominado transtorno
de múltiplas personalidades).
CID 10
Classificação Estatística Internacional de Doenças e Problemas Relacionados à Saúde
item F44.3 - ESTADOS DE TRANSE E POSSESSÃO:
Transtornos caracterizados por uma perda transitória da
consciência de sua própria identidade, associada a uma
conservação perfeita da consciência do meio ambiente. Devem
aqui ser incluídos somente os estados de transe involuntários e
não desejados, excluídos aqueles de situações admitidas no
contexto cultural ou religioso do sujeito.
DSM – V
Manual de Diagnóstico e Estatística de Transtornos Mentais
(Associação Americana de Psiquiatria)
35
Pesquisa inédita usa equipamentos de
última geração para investigar o cérebro
de médiuns durante o transe.
Ele funciona de modo diferente
A pesquisa foi feita por cientistas da
Universidade de São Paulo e da Universidade
Thomas Jefferson, da Filadélfia (EUA), para
determinar os fluxos de sangue em diferentes
regiões do cérebro durante os transes.
Os pesquisadores estudaram o
comportamento de 10 médiuns que tinham entre
15 e 47 anos de psicografia, realizando-a até 18
vezes por mês.
Foi observado que os médiuns mais experientes mostraram durante a
psicografia níveis mais baixos de atividade no hipocampo esquerdo (sistema
límbico), no giro temporal superior e no giro pré-central direito no lóbulo frontal.
REVISTA ÉPOCA
36
As áreas do lóbulo frontal estão
ligadas ao raciocínio, ao
planejamento, à geração de
linguagem, aos movimentos e à
solução de problemas, pelo que
os pesquisadores acreditam que
durante a psicografia ocorre uma
ausência de percepção de si
mesmo e de consciência.
Os médiuns menos
experientes mostraram o oposto:
níveis maiores de atividade nas
mesmas áreas durante a
psicografia, o que parece indicar
um maior esforço para realizá-la.
37
MEDIUNIDADE SOB INVESTIGAÇÃO
Uma médium brasileira psicografa no
laboratório do Hospital da Universidade
da Pensilvânia, Estados Unidos
(Foto: Denise Paraná, Revista ÉPOCA)
38
PESQUISA
- O Livro dos Médiuns, Allan Kardec
- A Gênese, Allan Kardec
- Os Mensageiros, André Luiz por Chico Xavier
- Entrevistas, Emmanuel / Chico Xavier
- Diretrizes de Segurança, Divaldo P. Franco e Raul Teixeira
- Desafios da Mediunidade, Camilo por Raul Teixeira
- O Transe Mediúnico, Odilon Fernandes por Carlos A. Baccelli
- http://www.terapiaregressivaevolutiva.com
- http://revistaepoca.globo.com - os avanços da ciência da alma
- http://miltonerickson.com.br
- http://pt.wikipedia.org
Elaboração: Júlio César Evadro

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

12ª aula riscos da mediunidade, perda e suspensão da faculdade
12ª aula   riscos da  mediunidade, perda e suspensão da faculdade12ª aula   riscos da  mediunidade, perda e suspensão da faculdade
12ª aula riscos da mediunidade, perda e suspensão da faculdade
Wagner Quadros
 
Mistificações
MistificaçõesMistificações
Mistificações
igmateus
 
Mocidade Espírita Chico Xavier - Psicografia
Mocidade Espírita Chico Xavier - PsicografiaMocidade Espírita Chico Xavier - Psicografia
Mocidade Espírita Chico Xavier - Psicografia
Sergio Lima Dias Junior
 
Ag 110330-teoria da presciência-as predições do evangelho
Ag 110330-teoria da presciência-as predições do evangelhoAg 110330-teoria da presciência-as predições do evangelho
Ag 110330-teoria da presciência-as predições do evangelho
Carlos Alberto Freire De Souza
 
8ª aula do papel dos mediuns nas comunicações espiritas - coem
8ª aula   do papel dos mediuns nas comunicações espiritas - coem8ª aula   do papel dos mediuns nas comunicações espiritas - coem
8ª aula do papel dos mediuns nas comunicações espiritas - coem
Wagner Quadros
 
Olm 100922-médiuns escreventes-especiais-formação dos médiuns
Olm 100922-médiuns escreventes-especiais-formação dos médiunsOlm 100922-médiuns escreventes-especiais-formação dos médiuns
Olm 100922-médiuns escreventes-especiais-formação dos médiuns
Carlos Alberto Freire De Souza
 
6ª aula manifestaçoes visuais - coem
6ª aula   manifestaçoes visuais - coem6ª aula   manifestaçoes visuais - coem
6ª aula manifestaçoes visuais - coem
Wagner Quadros
 
Quarto Módulo - 3ª aula - O transe mediúnico
Quarto Módulo - 3ª aula - O transe mediúnicoQuarto Módulo - 3ª aula - O transe mediúnico
Quarto Módulo - 3ª aula - O transe mediúnico
CeiClarencio
 
11ª aula – perigos e inconvenientes da mediunidade coem
11ª aula – perigos e inconvenientes da mediunidade   coem11ª aula – perigos e inconvenientes da mediunidade   coem
11ª aula – perigos e inconvenientes da mediunidade coem
Wagner Quadros
 
08 o ectoplasma
08   o ectoplasma08   o ectoplasma
08 o ectoplasma
jcevadro
 
Cm 21 - cérebro espiritual
Cm  21 - cérebro espiritualCm  21 - cérebro espiritual
Cm 21 - cérebro espiritual
Norberto Scavone Augusto
 
17 papel dos médiuns nas comunicações espiritas
17 papel dos médiuns nas comunicações espiritas17 papel dos médiuns nas comunicações espiritas
17 papel dos médiuns nas comunicações espiritas
Antonio SSantos
 
Todos nós somos médiuns?
Todos nós somos médiuns?Todos nós somos médiuns?
Todos nós somos médiuns?
home
 
7ª aula desenvolvimento mediunico - coem
7ª aula   desenvolvimento mediunico - coem7ª aula   desenvolvimento mediunico - coem
7ª aula desenvolvimento mediunico - coem
Wagner Quadros
 
Terceiro Módulo - 8ª aula - Educação mediunica e exerc. mediunico 1ª parte
Terceiro Módulo - 8ª aula - Educação mediunica e exerc. mediunico 1ª parteTerceiro Módulo - 8ª aula - Educação mediunica e exerc. mediunico 1ª parte
Terceiro Módulo - 8ª aula - Educação mediunica e exerc. mediunico 1ª parte
CeiClarencio
 
MANIFESTAÇÕES FÍSICAS ESPONTÂNEAS
MANIFESTAÇÕES FÍSICAS ESPONTÂNEASMANIFESTAÇÕES FÍSICAS ESPONTÂNEAS
MANIFESTAÇÕES FÍSICAS ESPONTÂNEAS
Jorge Luiz dos Santos
 
Psicofonia
PsicofoniaPsicofonia
Psicofonia
paikachambi
 
Mediunidade aula 08 - efeitos inteligentes 1
Mediunidade   aula 08 - efeitos inteligentes 1Mediunidade   aula 08 - efeitos inteligentes 1
Mediunidade aula 08 - efeitos inteligentes 1
Augusto Luvisotto
 
Desencarnação
DesencarnaçãoDesencarnação
Desencarnação
Izabel Cristina Fonseca
 
O papel do médium no mecanismo das comunicações 1,5hs
O papel do médium no mecanismo das comunicações 1,5hsO papel do médium no mecanismo das comunicações 1,5hs
O papel do médium no mecanismo das comunicações 1,5hs
home
 

Mais procurados (20)

12ª aula riscos da mediunidade, perda e suspensão da faculdade
12ª aula   riscos da  mediunidade, perda e suspensão da faculdade12ª aula   riscos da  mediunidade, perda e suspensão da faculdade
12ª aula riscos da mediunidade, perda e suspensão da faculdade
 
Mistificações
MistificaçõesMistificações
Mistificações
 
Mocidade Espírita Chico Xavier - Psicografia
Mocidade Espírita Chico Xavier - PsicografiaMocidade Espírita Chico Xavier - Psicografia
Mocidade Espírita Chico Xavier - Psicografia
 
Ag 110330-teoria da presciência-as predições do evangelho
Ag 110330-teoria da presciência-as predições do evangelhoAg 110330-teoria da presciência-as predições do evangelho
Ag 110330-teoria da presciência-as predições do evangelho
 
8ª aula do papel dos mediuns nas comunicações espiritas - coem
8ª aula   do papel dos mediuns nas comunicações espiritas - coem8ª aula   do papel dos mediuns nas comunicações espiritas - coem
8ª aula do papel dos mediuns nas comunicações espiritas - coem
 
Olm 100922-médiuns escreventes-especiais-formação dos médiuns
Olm 100922-médiuns escreventes-especiais-formação dos médiunsOlm 100922-médiuns escreventes-especiais-formação dos médiuns
Olm 100922-médiuns escreventes-especiais-formação dos médiuns
 
6ª aula manifestaçoes visuais - coem
6ª aula   manifestaçoes visuais - coem6ª aula   manifestaçoes visuais - coem
6ª aula manifestaçoes visuais - coem
 
Quarto Módulo - 3ª aula - O transe mediúnico
Quarto Módulo - 3ª aula - O transe mediúnicoQuarto Módulo - 3ª aula - O transe mediúnico
Quarto Módulo - 3ª aula - O transe mediúnico
 
11ª aula – perigos e inconvenientes da mediunidade coem
11ª aula – perigos e inconvenientes da mediunidade   coem11ª aula – perigos e inconvenientes da mediunidade   coem
11ª aula – perigos e inconvenientes da mediunidade coem
 
08 o ectoplasma
08   o ectoplasma08   o ectoplasma
08 o ectoplasma
 
Cm 21 - cérebro espiritual
Cm  21 - cérebro espiritualCm  21 - cérebro espiritual
Cm 21 - cérebro espiritual
 
17 papel dos médiuns nas comunicações espiritas
17 papel dos médiuns nas comunicações espiritas17 papel dos médiuns nas comunicações espiritas
17 papel dos médiuns nas comunicações espiritas
 
Todos nós somos médiuns?
Todos nós somos médiuns?Todos nós somos médiuns?
Todos nós somos médiuns?
 
7ª aula desenvolvimento mediunico - coem
7ª aula   desenvolvimento mediunico - coem7ª aula   desenvolvimento mediunico - coem
7ª aula desenvolvimento mediunico - coem
 
Terceiro Módulo - 8ª aula - Educação mediunica e exerc. mediunico 1ª parte
Terceiro Módulo - 8ª aula - Educação mediunica e exerc. mediunico 1ª parteTerceiro Módulo - 8ª aula - Educação mediunica e exerc. mediunico 1ª parte
Terceiro Módulo - 8ª aula - Educação mediunica e exerc. mediunico 1ª parte
 
MANIFESTAÇÕES FÍSICAS ESPONTÂNEAS
MANIFESTAÇÕES FÍSICAS ESPONTÂNEASMANIFESTAÇÕES FÍSICAS ESPONTÂNEAS
MANIFESTAÇÕES FÍSICAS ESPONTÂNEAS
 
Psicofonia
PsicofoniaPsicofonia
Psicofonia
 
Mediunidade aula 08 - efeitos inteligentes 1
Mediunidade   aula 08 - efeitos inteligentes 1Mediunidade   aula 08 - efeitos inteligentes 1
Mediunidade aula 08 - efeitos inteligentes 1
 
Desencarnação
DesencarnaçãoDesencarnação
Desencarnação
 
O papel do médium no mecanismo das comunicações 1,5hs
O papel do médium no mecanismo das comunicações 1,5hsO papel do médium no mecanismo das comunicações 1,5hs
O papel do médium no mecanismo das comunicações 1,5hs
 

Semelhante a 18 transe - conceito e tipos

18 transe. conceito - tipos
18   transe. conceito - tipos18   transe. conceito - tipos
18 transe. conceito - tipos
jcevadro
 
Ciência cognitiva hipnose
Ciência cognitiva   hipnoseCiência cognitiva   hipnose
Ciência cognitiva hipnose
Wagner Kinera
 
Espiritismo e mediunidade 07
Espiritismo e mediunidade  07Espiritismo e mediunidade  07
Espiritismo e mediunidade 07
Leonardo Pereira
 
Espiritismo e mediunidade 02
Espiritismo e  mediunidade 02Espiritismo e  mediunidade 02
Espiritismo e mediunidade 02
Leonardo Pereira
 
Parapsicologia [Parte 03]
Parapsicologia [Parte 03]Parapsicologia [Parte 03]
Parapsicologia [Parte 03]
momengtonoticia
 
O que é transe (Leonardo Pereira).
O que é transe (Leonardo Pereira). O que é transe (Leonardo Pereira).
O que é transe (Leonardo Pereira).
Leonardo Pereira
 
Apostila obsessão lar rubataiana -2009 .doc - 22 doc
Apostila obsessão   lar rubataiana -2009 .doc - 22 docApostila obsessão   lar rubataiana -2009 .doc - 22 doc
Apostila obsessão lar rubataiana -2009 .doc - 22 doc
Instituto de Psicobiofísica Rama Schain
 
25 animismo
25 animismo25 animismo
25 animismo
Antonio SSantos
 
A psicofonia, a vidência e as manifestações visuais
A psicofonia, a vidência e as manifestações visuaisA psicofonia, a vidência e as manifestações visuais
A psicofonia, a vidência e as manifestações visuais
jcevadro
 
Mediunidade
MediunidadeMediunidade
Mediunidade
Kleber Galo
 
Estudo Sistematizado da Mediunidade
Estudo Sistematizado da Mediunidade Estudo Sistematizado da Mediunidade
Estudo Sistematizado da Mediunidade
Leonardo Pereira
 
O que é transe?
O que é transe?O que é transe?
O que é transe?
Leonardo Pereira
 
Epífise ou Glândula Pineal
Epífise ou Glândula PinealEpífise ou Glândula Pineal
Epífise ou Glândula Pineal
Wilma Badan C.G.
 
Estados de consciência - Psicologia Transpessoal porManoel Simão
Estados de consciência - Psicologia Transpessoal porManoel SimãoEstados de consciência - Psicologia Transpessoal porManoel Simão
Estados de consciência - Psicologia Transpessoal porManoel Simão
ManoelSimao1
 
Apostila numinon 2
Apostila numinon 2Apostila numinon 2
Apostila numinon 2
Jamsessions J.R
 
3 ano cem
3 ano cem3 ano cem
3 ano cem
3 ano cem3 ano cem
Estudo Sistematizado da Mediunidade
Estudo Sistematizado da Mediunidade Estudo Sistematizado da Mediunidade
Estudo Sistematizado da Mediunidade
Leonardo Pereira
 
Regressão terapêutica espirita
Regressão terapêutica espiritaRegressão terapêutica espirita
Regressão terapêutica espirita
Anselmo Heib
 
animismo e-mediunidade
animismo e-mediunidade animismo e-mediunidade
animismo e-mediunidade
carlos freire
 

Semelhante a 18 transe - conceito e tipos (20)

18 transe. conceito - tipos
18   transe. conceito - tipos18   transe. conceito - tipos
18 transe. conceito - tipos
 
Ciência cognitiva hipnose
Ciência cognitiva   hipnoseCiência cognitiva   hipnose
Ciência cognitiva hipnose
 
Espiritismo e mediunidade 07
Espiritismo e mediunidade  07Espiritismo e mediunidade  07
Espiritismo e mediunidade 07
 
Espiritismo e mediunidade 02
Espiritismo e  mediunidade 02Espiritismo e  mediunidade 02
Espiritismo e mediunidade 02
 
Parapsicologia [Parte 03]
Parapsicologia [Parte 03]Parapsicologia [Parte 03]
Parapsicologia [Parte 03]
 
O que é transe (Leonardo Pereira).
O que é transe (Leonardo Pereira). O que é transe (Leonardo Pereira).
O que é transe (Leonardo Pereira).
 
Apostila obsessão lar rubataiana -2009 .doc - 22 doc
Apostila obsessão   lar rubataiana -2009 .doc - 22 docApostila obsessão   lar rubataiana -2009 .doc - 22 doc
Apostila obsessão lar rubataiana -2009 .doc - 22 doc
 
25 animismo
25 animismo25 animismo
25 animismo
 
A psicofonia, a vidência e as manifestações visuais
A psicofonia, a vidência e as manifestações visuaisA psicofonia, a vidência e as manifestações visuais
A psicofonia, a vidência e as manifestações visuais
 
Mediunidade
MediunidadeMediunidade
Mediunidade
 
Estudo Sistematizado da Mediunidade
Estudo Sistematizado da Mediunidade Estudo Sistematizado da Mediunidade
Estudo Sistematizado da Mediunidade
 
O que é transe?
O que é transe?O que é transe?
O que é transe?
 
Epífise ou Glândula Pineal
Epífise ou Glândula PinealEpífise ou Glândula Pineal
Epífise ou Glândula Pineal
 
Estados de consciência - Psicologia Transpessoal porManoel Simão
Estados de consciência - Psicologia Transpessoal porManoel SimãoEstados de consciência - Psicologia Transpessoal porManoel Simão
Estados de consciência - Psicologia Transpessoal porManoel Simão
 
Apostila numinon 2
Apostila numinon 2Apostila numinon 2
Apostila numinon 2
 
3 ano cem
3 ano cem3 ano cem
3 ano cem
 
3 ano cem
3 ano cem3 ano cem
3 ano cem
 
Estudo Sistematizado da Mediunidade
Estudo Sistematizado da Mediunidade Estudo Sistematizado da Mediunidade
Estudo Sistematizado da Mediunidade
 
Regressão terapêutica espirita
Regressão terapêutica espiritaRegressão terapêutica espirita
Regressão terapêutica espirita
 
animismo e-mediunidade
animismo e-mediunidade animismo e-mediunidade
animismo e-mediunidade
 

Mais de jcevadro

Mistificações, contradições e animismo
Mistificações, contradições e animismoMistificações, contradições e animismo
Mistificações, contradições e animismo
jcevadro
 
O processo obsessivo - obsessor e obsidiado - obsessão e loucura
O processo obsessivo - obsessor e obsidiado - obsessão e loucuraO processo obsessivo - obsessor e obsidiado - obsessão e loucura
O processo obsessivo - obsessor e obsidiado - obsessão e loucura
jcevadro
 
Conceito,causas e graus da obsessão
Conceito,causas e graus da obsessãoConceito,causas e graus da obsessão
Conceito,causas e graus da obsessão
jcevadro
 
A audiência, a psicopictografia, psicometria e o sonambulismo
A audiência, a psicopictografia, psicometria e o sonambulismoA audiência, a psicopictografia, psicometria e o sonambulismo
A audiência, a psicopictografia, psicometria e o sonambulismo
jcevadro
 
A categoria de médiuns de efeitos intelectuais - a psicografia
A categoria de médiuns de efeitos intelectuais - a  psicografiaA categoria de médiuns de efeitos intelectuais - a  psicografia
A categoria de médiuns de efeitos intelectuais - a psicografia
jcevadro
 
Mecanismo das comunicações - Afinidade - Sintonia
Mecanismo das comunicações - Afinidade  - SintoniaMecanismo das comunicações - Afinidade  - Sintonia
Mecanismo das comunicações - Afinidade - Sintonia
jcevadro
 
Sintomas precursores da mediunidade
Sintomas precursores da mediunidadeSintomas precursores da mediunidade
Sintomas precursores da mediunidade
jcevadro
 
Desobsessão-profilaxia e terapêutica
Desobsessão-profilaxia e terapêuticaDesobsessão-profilaxia e terapêutica
Desobsessão-profilaxia e terapêutica
jcevadro
 
07 sono e sonhos
07   sono e sonhos07   sono e sonhos
07 sono e sonhos
jcevadro
 
16 o passe, responsabilidade do médium e assistidos
16   o  passe, responsabilidade do médium e assistidos16   o  passe, responsabilidade do médium e assistidos
16 o passe, responsabilidade do médium e assistidos
jcevadro
 
15 o passe-conceito, tipos e mecanismos
15   o passe-conceito, tipos e mecanismos15   o passe-conceito, tipos e mecanismos
15 o passe-conceito, tipos e mecanismos
jcevadro
 
2.o fenômeno mediúnico através dos tempos. médiuns precursores
2.o fenômeno mediúnico através dos tempos. médiuns precursores2.o fenômeno mediúnico através dos tempos. médiuns precursores
2.o fenômeno mediúnico através dos tempos. médiuns precursores
jcevadro
 
01 o médium conceito e classif. mediunidade com jesus
01   o médium conceito e classif. mediunidade com jesus01   o médium conceito e classif. mediunidade com jesus
01 o médium conceito e classif. mediunidade com jesus
jcevadro
 
11 centros vitais frontal e laríngeo
11   centros vitais frontal e laríngeo11   centros vitais frontal e laríngeo
11 centros vitais frontal e laríngeo
jcevadro
 
14 atividade espiritual no centro espírita
14   atividade espiritual no centro espírita14   atividade espiritual no centro espírita
14 atividade espiritual no centro espírita
jcevadro
 
06 perispírito
06   perispírito06   perispírito
06 perispírito
jcevadro
 
07 perispírito e doenças
07   perispírito e doenças07   perispírito e doenças
07 perispírito e doenças
jcevadro
 
Aula 8 o ectoplasma
Aula 8 o  ectoplasmaAula 8 o  ectoplasma
Aula 8 o ectoplasma
jcevadro
 

Mais de jcevadro (18)

Mistificações, contradições e animismo
Mistificações, contradições e animismoMistificações, contradições e animismo
Mistificações, contradições e animismo
 
O processo obsessivo - obsessor e obsidiado - obsessão e loucura
O processo obsessivo - obsessor e obsidiado - obsessão e loucuraO processo obsessivo - obsessor e obsidiado - obsessão e loucura
O processo obsessivo - obsessor e obsidiado - obsessão e loucura
 
Conceito,causas e graus da obsessão
Conceito,causas e graus da obsessãoConceito,causas e graus da obsessão
Conceito,causas e graus da obsessão
 
A audiência, a psicopictografia, psicometria e o sonambulismo
A audiência, a psicopictografia, psicometria e o sonambulismoA audiência, a psicopictografia, psicometria e o sonambulismo
A audiência, a psicopictografia, psicometria e o sonambulismo
 
A categoria de médiuns de efeitos intelectuais - a psicografia
A categoria de médiuns de efeitos intelectuais - a  psicografiaA categoria de médiuns de efeitos intelectuais - a  psicografia
A categoria de médiuns de efeitos intelectuais - a psicografia
 
Mecanismo das comunicações - Afinidade - Sintonia
Mecanismo das comunicações - Afinidade  - SintoniaMecanismo das comunicações - Afinidade  - Sintonia
Mecanismo das comunicações - Afinidade - Sintonia
 
Sintomas precursores da mediunidade
Sintomas precursores da mediunidadeSintomas precursores da mediunidade
Sintomas precursores da mediunidade
 
Desobsessão-profilaxia e terapêutica
Desobsessão-profilaxia e terapêuticaDesobsessão-profilaxia e terapêutica
Desobsessão-profilaxia e terapêutica
 
07 sono e sonhos
07   sono e sonhos07   sono e sonhos
07 sono e sonhos
 
16 o passe, responsabilidade do médium e assistidos
16   o  passe, responsabilidade do médium e assistidos16   o  passe, responsabilidade do médium e assistidos
16 o passe, responsabilidade do médium e assistidos
 
15 o passe-conceito, tipos e mecanismos
15   o passe-conceito, tipos e mecanismos15   o passe-conceito, tipos e mecanismos
15 o passe-conceito, tipos e mecanismos
 
2.o fenômeno mediúnico através dos tempos. médiuns precursores
2.o fenômeno mediúnico através dos tempos. médiuns precursores2.o fenômeno mediúnico através dos tempos. médiuns precursores
2.o fenômeno mediúnico através dos tempos. médiuns precursores
 
01 o médium conceito e classif. mediunidade com jesus
01   o médium conceito e classif. mediunidade com jesus01   o médium conceito e classif. mediunidade com jesus
01 o médium conceito e classif. mediunidade com jesus
 
11 centros vitais frontal e laríngeo
11   centros vitais frontal e laríngeo11   centros vitais frontal e laríngeo
11 centros vitais frontal e laríngeo
 
14 atividade espiritual no centro espírita
14   atividade espiritual no centro espírita14   atividade espiritual no centro espírita
14 atividade espiritual no centro espírita
 
06 perispírito
06   perispírito06   perispírito
06 perispírito
 
07 perispírito e doenças
07   perispírito e doenças07   perispírito e doenças
07 perispírito e doenças
 
Aula 8 o ectoplasma
Aula 8 o  ectoplasmaAula 8 o  ectoplasma
Aula 8 o ectoplasma
 

Último

10 Orações Poderosas Ao Espírito Santo
10 Orações Poderosas Ao Espírito Santo10 Orações Poderosas Ao Espírito Santo
10 Orações Poderosas Ao Espírito Santo
Nilson Almeida
 
5 - A justiça do cristão. Mateus 5.20 Pois eu digo que, se a justiça de vocês...
5 - A justiça do cristão. Mateus 5.20 Pois eu digo que, se a justiça de vocês...5 - A justiça do cristão. Mateus 5.20 Pois eu digo que, se a justiça de vocês...
5 - A justiça do cristão. Mateus 5.20 Pois eu digo que, se a justiça de vocês...
PIB Penha
 
2 - O Caráter do Cristão 1."Bem-aventurado aquele cujas transgressões são pe...
2 - O Caráter do Cristão 1."Bem-aventurado aquele cujas transgressões são  pe...2 - O Caráter do Cristão 1."Bem-aventurado aquele cujas transgressões são  pe...
2 - O Caráter do Cristão 1."Bem-aventurado aquele cujas transgressões são pe...
PIB Penha
 
edgard-armond-passes-e-radiacoes.pdf rad
edgard-armond-passes-e-radiacoes.pdf radedgard-armond-passes-e-radiacoes.pdf rad
edgard-armond-passes-e-radiacoes.pdf rad
carla983678
 
7 - O Casamento Cristão. Mateus 19.6 Assim, eles já não são dois, mas sim uma...
7 - O Casamento Cristão. Mateus 19.6 Assim, eles já não são dois, mas sim uma...7 - O Casamento Cristão. Mateus 19.6 Assim, eles já não são dois, mas sim uma...
7 - O Casamento Cristão. Mateus 19.6 Assim, eles já não são dois, mas sim uma...
PIB Penha
 
4 - A Influência do Cristão. Mateus 5.16 Da mesma forma, brilhe a luz de você...
4 - A Influência do Cristão. Mateus 5.16 Da mesma forma, brilhe a luz de você...4 - A Influência do Cristão. Mateus 5.16 Da mesma forma, brilhe a luz de você...
4 - A Influência do Cristão. Mateus 5.16 Da mesma forma, brilhe a luz de você...
PIB Penha
 
6 - O ato de Reconciliação do cristão Versículo-Chave: Mateus 5.22.
6 - O ato de Reconciliação do cristão Versículo-Chave: Mateus 5.22.6 - O ato de Reconciliação do cristão Versículo-Chave: Mateus 5.22.
6 - O ato de Reconciliação do cristão Versículo-Chave: Mateus 5.22.
PIB Penha
 
Biblia em ordem cronologica-Edward Reese e Frank Klassen-NVI-pdf.pdf
Biblia em ordem cronologica-Edward Reese e Frank Klassen-NVI-pdf.pdfBiblia em ordem cronologica-Edward Reese e Frank Klassen-NVI-pdf.pdf
Biblia em ordem cronologica-Edward Reese e Frank Klassen-NVI-pdf.pdf
AndreyCamarini
 
Batismo CELEBRANDO A NOSSA FÉ BATISMAL.pptx
Batismo CELEBRANDO A NOSSA FÉ BATISMAL.pptxBatismo CELEBRANDO A NOSSA FÉ BATISMAL.pptx
Batismo CELEBRANDO A NOSSA FÉ BATISMAL.pptx
nadeclarice
 
1 - Jesus - O Mestre por Excelência. Mt 1,2 "Ao ver as multidões, Jesus subiu...
1 - Jesus - O Mestre por Excelência. Mt 1,2 "Ao ver as multidões, Jesus subiu...1 - Jesus - O Mestre por Excelência. Mt 1,2 "Ao ver as multidões, Jesus subiu...
1 - Jesus - O Mestre por Excelência. Mt 1,2 "Ao ver as multidões, Jesus subiu...
PIB Penha
 
Lição 2 O Livro de Rute - CPAD Adultos.pptx
Lição 2 O Livro de Rute - CPAD Adultos.pptxLição 2 O Livro de Rute - CPAD Adultos.pptx
Lição 2 O Livro de Rute - CPAD Adultos.pptx
Celso Napoleon
 
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 142 - Revides
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 142 - RevidesSérie Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 142 - Revides
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 142 - Revides
Ricardo Azevedo
 
controle-unidade.pptxvvvvggffgfftrddfyug
controle-unidade.pptxvvvvggffgfftrddfyugcontrole-unidade.pptxvvvvggffgfftrddfyug
controle-unidade.pptxvvvvggffgfftrddfyug
AntonioMugiba
 
O MÉTODO DE CRISTO - A DINÂMICA DO TESTEMUNHO.pptx
O MÉTODO DE CRISTO - A DINÂMICA DO TESTEMUNHO.pptxO MÉTODO DE CRISTO - A DINÂMICA DO TESTEMUNHO.pptx
O MÉTODO DE CRISTO - A DINÂMICA DO TESTEMUNHO.pptx
valneirocha
 
8 - A Palavra de Honra do Cristão.Versículo-Chave: Tiago 5.12
8 - A Palavra de Honra do Cristão.Versículo-Chave: Tiago 5.128 - A Palavra de Honra do Cristão.Versículo-Chave: Tiago 5.12
8 - A Palavra de Honra do Cristão.Versículo-Chave: Tiago 5.12
PIB Penha
 
Lição 3 Rute e Noemi - Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Lição 3 Rute e Noemi - Entrelaçadas pelo Amor.pptxLição 3 Rute e Noemi - Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Lição 3 Rute e Noemi - Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Celso Napoleon
 
1.3 - Criação. Considerações e concordâncias bíblicas no tocante à criação.
1.3 - Criação. Considerações e concordâncias bíblicas no tocante à criação.1.3 - Criação. Considerações e concordâncias bíblicas no tocante à criação.
1.3 - Criação. Considerações e concordâncias bíblicas no tocante à criação.
Marta Gomes
 
Marie Louise Von Franz - Alquimia.pdf001
Marie Louise Von Franz - Alquimia.pdf001Marie Louise Von Franz - Alquimia.pdf001
Marie Louise Von Franz - Alquimia.pdf001
EdimarEdigesso
 
quem e essa pessoa. Rogerio Augusto Ayres de Araújo
quem e essa pessoa. Rogerio Augusto Ayres de Araújoquem e essa pessoa. Rogerio Augusto Ayres de Araújo
quem e essa pessoa. Rogerio Augusto Ayres de Araújo
Rogério Augusto Ayres de Araujo
 
Apresentação Transformando-Membros-e-Líderes.pptx
Apresentação Transformando-Membros-e-Líderes.pptxApresentação Transformando-Membros-e-Líderes.pptx
Apresentação Transformando-Membros-e-Líderes.pptx
AlexandreCarvalho858758
 

Último (20)

10 Orações Poderosas Ao Espírito Santo
10 Orações Poderosas Ao Espírito Santo10 Orações Poderosas Ao Espírito Santo
10 Orações Poderosas Ao Espírito Santo
 
5 - A justiça do cristão. Mateus 5.20 Pois eu digo que, se a justiça de vocês...
5 - A justiça do cristão. Mateus 5.20 Pois eu digo que, se a justiça de vocês...5 - A justiça do cristão. Mateus 5.20 Pois eu digo que, se a justiça de vocês...
5 - A justiça do cristão. Mateus 5.20 Pois eu digo que, se a justiça de vocês...
 
2 - O Caráter do Cristão 1."Bem-aventurado aquele cujas transgressões são pe...
2 - O Caráter do Cristão 1."Bem-aventurado aquele cujas transgressões são  pe...2 - O Caráter do Cristão 1."Bem-aventurado aquele cujas transgressões são  pe...
2 - O Caráter do Cristão 1."Bem-aventurado aquele cujas transgressões são pe...
 
edgard-armond-passes-e-radiacoes.pdf rad
edgard-armond-passes-e-radiacoes.pdf radedgard-armond-passes-e-radiacoes.pdf rad
edgard-armond-passes-e-radiacoes.pdf rad
 
7 - O Casamento Cristão. Mateus 19.6 Assim, eles já não são dois, mas sim uma...
7 - O Casamento Cristão. Mateus 19.6 Assim, eles já não são dois, mas sim uma...7 - O Casamento Cristão. Mateus 19.6 Assim, eles já não são dois, mas sim uma...
7 - O Casamento Cristão. Mateus 19.6 Assim, eles já não são dois, mas sim uma...
 
4 - A Influência do Cristão. Mateus 5.16 Da mesma forma, brilhe a luz de você...
4 - A Influência do Cristão. Mateus 5.16 Da mesma forma, brilhe a luz de você...4 - A Influência do Cristão. Mateus 5.16 Da mesma forma, brilhe a luz de você...
4 - A Influência do Cristão. Mateus 5.16 Da mesma forma, brilhe a luz de você...
 
6 - O ato de Reconciliação do cristão Versículo-Chave: Mateus 5.22.
6 - O ato de Reconciliação do cristão Versículo-Chave: Mateus 5.22.6 - O ato de Reconciliação do cristão Versículo-Chave: Mateus 5.22.
6 - O ato de Reconciliação do cristão Versículo-Chave: Mateus 5.22.
 
Biblia em ordem cronologica-Edward Reese e Frank Klassen-NVI-pdf.pdf
Biblia em ordem cronologica-Edward Reese e Frank Klassen-NVI-pdf.pdfBiblia em ordem cronologica-Edward Reese e Frank Klassen-NVI-pdf.pdf
Biblia em ordem cronologica-Edward Reese e Frank Klassen-NVI-pdf.pdf
 
Batismo CELEBRANDO A NOSSA FÉ BATISMAL.pptx
Batismo CELEBRANDO A NOSSA FÉ BATISMAL.pptxBatismo CELEBRANDO A NOSSA FÉ BATISMAL.pptx
Batismo CELEBRANDO A NOSSA FÉ BATISMAL.pptx
 
1 - Jesus - O Mestre por Excelência. Mt 1,2 "Ao ver as multidões, Jesus subiu...
1 - Jesus - O Mestre por Excelência. Mt 1,2 "Ao ver as multidões, Jesus subiu...1 - Jesus - O Mestre por Excelência. Mt 1,2 "Ao ver as multidões, Jesus subiu...
1 - Jesus - O Mestre por Excelência. Mt 1,2 "Ao ver as multidões, Jesus subiu...
 
Lição 2 O Livro de Rute - CPAD Adultos.pptx
Lição 2 O Livro de Rute - CPAD Adultos.pptxLição 2 O Livro de Rute - CPAD Adultos.pptx
Lição 2 O Livro de Rute - CPAD Adultos.pptx
 
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 142 - Revides
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 142 - RevidesSérie Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 142 - Revides
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 142 - Revides
 
controle-unidade.pptxvvvvggffgfftrddfyug
controle-unidade.pptxvvvvggffgfftrddfyugcontrole-unidade.pptxvvvvggffgfftrddfyug
controle-unidade.pptxvvvvggffgfftrddfyug
 
O MÉTODO DE CRISTO - A DINÂMICA DO TESTEMUNHO.pptx
O MÉTODO DE CRISTO - A DINÂMICA DO TESTEMUNHO.pptxO MÉTODO DE CRISTO - A DINÂMICA DO TESTEMUNHO.pptx
O MÉTODO DE CRISTO - A DINÂMICA DO TESTEMUNHO.pptx
 
8 - A Palavra de Honra do Cristão.Versículo-Chave: Tiago 5.12
8 - A Palavra de Honra do Cristão.Versículo-Chave: Tiago 5.128 - A Palavra de Honra do Cristão.Versículo-Chave: Tiago 5.12
8 - A Palavra de Honra do Cristão.Versículo-Chave: Tiago 5.12
 
Lição 3 Rute e Noemi - Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Lição 3 Rute e Noemi - Entrelaçadas pelo Amor.pptxLição 3 Rute e Noemi - Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Lição 3 Rute e Noemi - Entrelaçadas pelo Amor.pptx
 
1.3 - Criação. Considerações e concordâncias bíblicas no tocante à criação.
1.3 - Criação. Considerações e concordâncias bíblicas no tocante à criação.1.3 - Criação. Considerações e concordâncias bíblicas no tocante à criação.
1.3 - Criação. Considerações e concordâncias bíblicas no tocante à criação.
 
Marie Louise Von Franz - Alquimia.pdf001
Marie Louise Von Franz - Alquimia.pdf001Marie Louise Von Franz - Alquimia.pdf001
Marie Louise Von Franz - Alquimia.pdf001
 
quem e essa pessoa. Rogerio Augusto Ayres de Araújo
quem e essa pessoa. Rogerio Augusto Ayres de Araújoquem e essa pessoa. Rogerio Augusto Ayres de Araújo
quem e essa pessoa. Rogerio Augusto Ayres de Araújo
 
Apresentação Transformando-Membros-e-Líderes.pptx
Apresentação Transformando-Membros-e-Líderes.pptxApresentação Transformando-Membros-e-Líderes.pptx
Apresentação Transformando-Membros-e-Líderes.pptx
 

18 transe - conceito e tipos

  • 2.  É um estado altamente focalizado de atenção. Acontece em graus diferenciados e, num grau leve, se dá quando estamos com nossa atenção centrada em um filme, uma história, uma música, etc.  O transe caracteriza-se por um estado de dissociação ou alteração da consciência, estado especial, situado entre a vigília e o sono e que favorece acesso aos arquivos da subconsciência. No médium, pode tornar-se perceptível pela forma como ele se exprime, gesticula, olha, etc.  É uma inibição do córtex cerebral e lobos frontais (cérebro). O transtorno dissociativo de identidade é conhecido popularmente como dupla personalidade; é uma condição mental onde um único indivíduo demonstra características de duas ou mais personalidades distintas, cada uma com sua maneira de perceber e interagir com o meio. É a perda total ou parcial de uma função mental ou neurológica. As funções comumente afetadas são a memória, a consciência da própria identidade, sensações corporais, controle dos movimentos corporais. CONCEITO 2 Córtex cerebral: Sede do entendimento, da razão, linguagem, percepção, emoção, memória, cognição. Lobo frontal: Localizado na frente do cérebro (testa), e nele acontece o planejamento de ações e movimento, bem como o pensamento abstrato.
  • 3. NA HISTÓRIA Na antiguidade, utilizava-se induções hipnóticas individuais ou em grupos, através de danças, cantos, orações, rituais e palavras. 3
  • 4. NA HISTÓRIA  Há mais de 4 mil anos, no Egito, Grécia, China e África, entre outros lugares, já se tem registro do uso da hipnose dentro de contextos religiosos, assim como medida terapêutica, indicando sucesso em casos como paralisia, epilepsia, cegueira, etc.  No Egito antigo, aproximadamente no ano 1550 a.C., os sacerdotes induziam um certo tipo de estado hipnótico com finalidade de cura, conforme escrito nos papiros de Ebers. Estes papiros continham uma coletânea de antigos escritos médicos descrevendo como aliviar a dor e as doenças. ( HIPNOS = deus grego do sono ) A HIPNOSE 4
  • 5. Mesmer Puységur James Braid Jean Charcot Bernheim Émile Coué Allan Kardec Freud Ivan Pavlov James Esdaile ALGUNS DOS PRINCIPAIS PESQUISADORES 5
  • 6. Médico do século XVIII, acreditava na existência de um magnetismo humano, realizando várias cirurgias e anestesias sobre o chamado “sono mesmérico”, desenvolvendo-se a partir daí a expressão “Mesmerismo”. Induzia tal estado através de movimentos realizados com as mãos associados a sua fala. FRANZ A. MESMER (1734 - 1815) O SONO MESMÉRICO 6
  • 7. Mesmer deixa um discípulo, o MARQUÊS de PUYSÉGUR (1751-1825). Em 1784, ao magnetizar Victor Race, que se queixava de dores torácicas e dispneia, viu o paciente adormecer profundamente em seus braços. O rapaz, curiosamente, respondia lucidamente apenas às perguntas formuladas pelo marquês, aceitando suas sugestões de que ficaria bom ao acordar, o que de fato ocorreu. Embora sentindo-se curado, Race não admitia haver dormido. Registrava-se assim o primeiro caso descrito de hipnose, claramente documentado. Puységur denominou o fenômeno de sonambulismo. Hipnotizado por Puységur, Victor Race toma leite como se fora um gato. O SONAMBULISMO PROVOCADO 7
  • 8.  Foi um dos pioneiros cientistas modernos a investigar e a trabalhar clinicamente com o estado hipnótico. É considerado o iniciador da hipnose científica. Em 1842 cunhou o termo hipnotismo para se referir ao procedimento de indução ao estado hipnótico.  James Braid utilizou o sono hipnótico como “anestesia geral” em algumas intervenções cirúrgicas. Mas com a descoberta dos anestésicos gerais, principalmente o éter e o monóxido de nitrogênio, a hipnose fora abandonada como recurso para eliminar a dor. JAMES BRAID (1795–1860) médico cirurgião escocês. 8
  • 9. Une leçon clinique à la Salpêtrière - Pierre-André Brouillet Charroux,1887, Museu de Nice. Considerado o fundador da neurologia moderna. Foi professor de Freud. Empregou a hipnose a fim de descobrir a base orgânica da histeria. Em experiências com a histérica Alcina, em Paris, disse aos seus discípulos: "...eis aqui uma histérica que sob hipnose obedece cegamente a quanto se lhe ordenar." Ordenaram que ela escrevesse em grego (desconhecido para ela), sobre assuntos científicos, literários, etc., o que foi cumprido diante de inúmeras testemunhas. JEAN-MARTIN CHARCOT (1825-1893) Médico francês 9
  • 10. TIPOS sonâmbulos sensitivos paranormais psicometria (ler impressões em objetos) pirogenia (combustão espontânea) mediúnico hipnótico sonambúlico químico (farmacógeno) mesmérico epilepsia transtornos mentais coma delírio febril traumatismo crânioencefálico... ESPONTÂNEO PATOLÓGICO PROVOCADO O TRANSE 10
  • 11. O TRANSE PROVOCADO MEDIÚNICO: Provocado por um Espírito; tem gradações que dependem do gênero de mediunidade. HIPNÓTICO: Variante do processo do sono; sono conduzido; inibição da atividade consciente. 11
  • 12. ANÍMICO-SONAMBÚLICO:  Provocado pela própria pessoa ao se desligar parcialmente do corpo.  Através de cantos mântricos, gregorianos, de pontos, etc.  Favorece a bicorporeidade, dupla vista, êxtase, catalepsia, letargia, sonambulismo... 12 O TRANSE PROVOCADO
  • 13. Siddharta Gautama, o Buda, em meditação O TRANSE ANÍMICO 13
  • 14. QUÍMICO: Ação de substâncias químicas, álcool, drogas, chás MESMÉRICO: Por efeito magnético (passe) O TRANSE PROVOCADO 14
  • 15.  O transe mediúnico, em algumas pessoas, é semelhante a uma convulsão epiléptica.  Estado alterado da consciência que, em diferentes graus de intensidade, se dissocia global ou parcialmente dos centros psicossomáticos, mantendo ou não a sensibilidade e a lucidez, em condições de baixa tensão psíquica (estado alpha). Convulsão epiléptica é uma descarga elétrica cerebral desorganizada que se propaga para todas as regiões do cérebro, levando a uma alteração de toda atividade cerebral. Pode se manifestar como uma alteração comportamental, na qual o indivíduo fala coisas sem sentido. por movimentos estereotipados (repetidos) de um membro, ou mesmo através de episódios nos quais o paciente parece ficar "fora do ar", com o olhar parado, fixo e sem contato com o ambiente. Estado alpha é um determinado predomínio cortical pré-frontal de frequências cerebrais entre 7 a 12 ciclos por segundo. Acontece durante sonhos, em devaneios, em meditações e orações, mas também em momentos de intensa concentração prazerosa, quando, por exemplo, um artista está buscando definir uma pintura ou um escritor está escrevendo a sua obra. Quando estamos relaxados, nossa atividade cerebral baixa do rápido padrão Beta para as ondas Alfa mais lentas. Nossa energia criativa começa a fluir e a ansiedade desaparece. Experimentamos uma sensação de paz e bem-estar. 15 O TRANSE MEDIÚNICO
  • 16. “Muitos estudiosos do Espiritismo se preocupam com o problema da concentração, em trabalhos de natureza espiritual. Não são poucos os que estabelecem padrão ao aspecto exterior da pessoa concentrada, os que exigem determinada atitude corporal e os que esperam resultados rápidos nas atividades dessa ordem. Entretanto, quem diz concentrar, forçosamente se refere ao ato de congregar alguma coisa. Ora, se os amigos encarnados não tomam a sério as responsabilidades que lhes dizem respeito, fora dos recintos de prática espiritista, se, porventura, são cultores da leviandade, da indiferença, do erro deliberado e incessante, da teimosia, da inobservância interna dos conselhos de perfeição cedidos a outrem, que poderão concentrar nos momentos fugazes de serviço espiritual?” OS MENSAGEIROS, Aniceto - André Luiz por Chico Xavier - cap. 47 16 O TRANSE MEDIÚNICO O PREPARO
  • 17. “Boa concentração exige vida reta. Para que os nossos pensamentos se congreguem uns aos outros, fornecendo o potencial de nobre união para o bem, é indispensável o trabalho preparatório de atividades mental na meditação de ordem superior. A atitude íntima de relaxamento, ante as lições evangélicas recebidas, não pode conferir ao crente, ou ao cooperador, a concentração de forças espirituais no serviço de elevação, tão só porque estes se entreguem, apenas por alguns minutos na semana, a pensamentos compulsórios de amor cristão. Como veem, o assunto é complexo e demanda longas considerações e ensinamentos.” OS MENSAGEIROS, Aniceto - André Luiz por Chico Xavier - cap. 47 17 O TRANSE MEDIÚNICO O PREPARO
  • 18. A concentração é uma das fases do transe mediúnico, e para isso é preciso preparar-se para entrar nesse estado de maior percepção fluídica, sensorial, psíquica deixando a mente desligada dos estímulos externos. É provável que poucos médiuns consigam plenamente concentrar- se, no real sentido da palavra, a fim de participarem das atividades mediúnicas. O médium, por razões diversas, ou chega ao trabalho em cima do horário, ou prende-se a conversações várias deixando para silenciar no início das atividades, etc. Para muitos, concentrar-se é apenas fechar os olhos e expressar, seja pela escrita, fala ou desenho, aquilo que sente, ouve ou vê psiquicamente. Evidentemente, há exceções, pessoas que facilmente entram num estado de percepção extrassensorial, mas não é tão comum. Por isso, para o exercício da concentração, é preciso seriedade, estudo e bom senso. A CONCENTRAÇÃO O TRANSE MEDIÚNICO 18
  • 19. O QUE PREJUDICA NA CONCENTRAÇÃO? FATORES EXTERNOS:  ruídos, sons altos  toques físicos que causem dor ou prazer  iluminação inadequada ao que se propõe  perturbação espiritual (obsessão) FATORES INTERNOS:  tensões e dores físicas  distração inconsciente, não percebida  cansaço gerando sonolência (dormir bem na noite anterior ao trabalho)  indisciplina interior, muitos pensamentos ao mesmo tempo;  perturbações afetivo-emocionais que possam gerar ansiedade. O TRANSE MEDIÚNICO 19
  • 20. Transe mediúnico: estado de concentração, atenção e SILÊNCIO INTERIOR 20
  • 21. 223. 1. O médium, no momento em que exerce sua faculdade, está num estado perfeitamente normal? Algumas vezes, está num estado de crise mais ou menos pronunciado, é isso que o fatiga e é por isso que necessita de repouso; porém, frequentemente, seu estado não difere sensivelmente do estado normal, sobretudo nos médiuns escreventes. O LIVRO DOS MÉDIUNS, Allan Kardec cap. XIX - Papel do médium nas comunicações espíritas 21 O TRANSE MEDIÚNICO
  • 22. A tendência do transe mediúnico é a de sutilizar-se, ocorrendo de maneira tão natural quanto possível. O desgaste orgânico, pois, tende a se mostrar cada vez mais discreto, a não ser nos médiuns em que haja maior dispêndio de energias cedidas à produção de fenômenos físicos. O TRANSE MEDIÚNICO - Odilon Fernandes por Carlos A. Baccelli 22 O TRANSE MEDIÚNICO
  • 23. O TRANSE MEDIÚNICO O PAPEL DO PERISPÍRITO Pela sua união íntima com o corpo, o perispírito desempenha um papel preponderante no organismo; pela sua expansão, coloca o Espírito encarnado em relação mais direta com os Espíritos livres, e também com os Espíritos encarnados. O pensamento do Espírito encarnado age sobre os fluidos espirituais como o dos Espíritos desencarnados; ele se transmite de Espírito a Espírito pela mesma via, e, segundo seja bom ou mau, saneia ou vicia os fluidos circundantes. Atuando os fluidos sobre o perispírito, este reage sobre o organismo material com que se acha em contato molecular. Se os eflúvios são de boa natureza, o corpo sente-lhes uma impressão salutar; se são maus, a impressão é penosa. O perispírito é o órgão sensitivo do Espírito; é por seu intermédio que o Espírito encarnado tem a percepção das coisas espirituais que escapam aos seus sentidos carnais. A GÊNESE, Allan Kardec - cap. 14, itens18 e 22 23
  • 24. OBSERVAÇÕES:  Recomenda-se não tocar no médium durante o transe mediúnico, principalmente em grau profundo.  As impressões recolhidas pelos sentidos ficam na aparência esquecidas, mas arquivadas na consciência profunda (subconsciente).  Entre a SUPERFICIAL e a PROFUNDA há uma graduação infinita. O TRANSE MEDIÚNICO INTENSIDADE (GRAUS) SUPERFICIAL LUCIDEZ TOTAL = médiuns intuitivos, colaboração direta na transmissão da mensagem. INTERMEDIÁRIA SEMILUCIDEZ = recordação com posterior esquecimento. PROFUNDA INCONSCIÊNCIA SONAMBÚLICA = Apesar de não perder totalmente a ligação com a consciência, o médium raramente se recorda. 24
  • 25. Ilustração do livro Nos Domínios da Mediunidade, André Luiz por Chico Xavier ( Projeto Imagem ) 25
  • 26. O TRANSE MEDIÚNICO NATUREZA PSÍQUICA  EFEITOS INTELECTUAIS: - psicografia, psicofonia, vidência... BIOLÓGICA  EFEITOS FÍSICOS: - ectoplasmia diversas,... 26
  • 27. 1. PREPARAÇÃO / CONCENTRAÇÃO (no trabalho mediúnico)  Rebaixamento da tensão psíquica;  Requer controle das emanações mentais e das emoções;  Ambiente físico e psicológico adequados  Boas emanações fluídicas  Leitura adequada (opcional) 27 O TRANSE MEDIÚNICO ETAPAS 2. PERCEPÇÃO DE FLUIDOS  Sensação de alteração na temperatura do corpo;  Sensação de bem ou mal estar. 3. A APROXIMAÇÃO  Início de um envolvimento perispiritual entre o médium e o Espírito comunicante (afinidade);  Sensação de ter alguém bem próximo;  Inicia-se um aumento no campo psicossensorial no médium.
  • 28. O TRANSE MEDIÚNICO ETAPAS 4. O CONTATO  Envolvimento perispiritual mais acentuado entre ambos produzindo efeito entorpecedor no médium;  O médium poderá perceber algumas manifestações físicas como calafrios, tremores, formigamentos devido a sensibilização do seu sistema nervoso;  Poderá ocorrer o desdobramento (deslocação perispiritual).  Se tocar no médium, ele poderá perder o contato. 5. O ENVOLVIMENTO  Quanto mais intenso e integral o envolvimento, maior será o grau de inconsciência do transe;  O Espírito procura assenhorear-se da mente do médium através de vibrações ou radiações, e este capta as emoções e o estado psicológico do Espírito;  Se alguém fala com o médium, ele pode não escutar; 28
  • 29. O TRANSE MEDIÚNICO ETAPAS 6. A MANIFESTAÇÃO  O Espírito sensibiliza a área cerebral referente a natureza da faculdade mediúnica que o médium possui;  O médium transmitirá ou bloqueará o pensamento (mensagem) envolvido de emoções do Espírito;  Os sintomas da mediunidade ficam mais perceptíveis e visíveis. médium Celso de Almeida Afonso 29
  • 30. “Em verdade eu não sei as palavras, não tenho conhecimento do desenvolvimento verbal daquilo que o amigo espiritual está escrevendo, mas eu me sinto dentro do clima do livro que eles estão escrevendo. Por exemplo: quando nosso amigo espiritual, Emmanuel, começou a escrever o livro Há dois mil anos, em 1938, comecei a ver uma cidade, depois vim a saber que era Roma. Havia jardins na cidade e aquilo me conturbou um pouco, causou-me certo assombro. Tendo perguntado, disse-me que estava escrevendo com ele como com alguém debaixo de uma “hipnose branda”; eu estava no seu pensamento conquanto não soubesse as palavras que ele escrevia. E assim tem sido até hoje”. ENTREVISTAS, Emmanuel / Chico Xavier O TRANSE MEDIÚNICO-HIPNÓTICO 30
  • 31. 37 - Por que acontece, às vezes, nas sessões mediúnicas, não haver nenhuma manifestação? O que determina ou impede as manifestações? Divaldo - O baixo padrão vibratório reinante no ambiente. A sintonia psíquica dos membros da reunião responde pelos resultados da mesma. 4 - Tem o médium inconsciente responsabilidade pelo que ocorra durante as comunicações? Divaldo - O fenômeno é sonambúlico, mas a comunicação está relacionada com a conduta moral do médium. 5 - De que dispõe o médium psicofônico consciente para distinguir seu pensamento do pensamento da entidade comunicante? Divaldo - O médium consciente dispõe do bom senso. Eis porque, antes de exercitar a mediunidade deve estudá-la; antes de entregar-se ao ministério da vivência mediúnica é-lhe lícito entender o próprio mecanismo do fenômeno mediúnico. DIRETRIZES DE SEGURANÇA Divaldo Franco e Raul Teixeira 31
  • 32. DIRETRIZES DE SEGURANÇA Divaldo Franco e Raul Teixeira Resposta da pergunta 29 Divaldo - Durante o trabalho de psicografar o livro romanceado, os espíritos permitiram-me acompanhar o que grafavam. Como são psicografias feitas em horas específicas, adrede reservadas para esse mister, registramos cenas, à medida que os espíritos iam escrevendo, através dos clichês mentais que me projetavam. Certa vez, quando psicografava o Párias em Redenção, que foi o nosso primeiro romance mediúnico ditado por Victor Hugo, observamos toda a paisagem que ele mostrava enquanto meu braço escrevia. Para minha surpresa, notei, quando li as páginas, que havia visto muito mais do que ali estava escrito. Ocorreu-me a ideia de explicar aos confrades de nossa Casa, que era o mesmo que ir ao cinema acompanhado por um cego e estar explicando-lhe as cenas que se projetam na tela. A capacidade visual é muito maior do que a palavra ou a grafia. (...) 32
  • 33. 75. Qual a iluminação adequada para o recinto da reunião mediúnica? R: Não existe uma necessidade absoluta de iluminação especial, para que sejam levadas a efeito as reuniões mediúnicas comuns. Desde que haja medianeiros e clima psíquico propício, as manifestações poderão ocorrer em plena luz do dia ou na intimidade da mais caliginosa noite. DESAFIOS DA MEDIUNIDADE Espírito Camilo por Raul Teixeira 65. Existe desgaste do médium durante a reunião mediúnica? R: Sem dúvida possível. Assevera Allan Kardec que “o exercício muito prolongado de qualquer faculdade acarreta fadiga” (O Livro dos Médiuns, cap. XVIII, it. 221), e que com a mediunidade não se daria diferente. O bom senso, então, propõe que os médiuns não exorbitem. É possível servir ao bem sem causar distúrbios a si mesmo, respeitando o tempo e as condições do próprio organismo. 33
  • 34. - Quais os procedimentos corretos quando uma pessoa, não espírita e não estudiosa, entra em transe, debatendo-se e dizendo coisas desconexas? R: Por isso eu estou insistindo em que o espírita aprenda sobre o "transe", porque um tipo de situação dessa pode ser um "transe patológico" (esquizofrênico, psicótico, efeitos de drogas, obsessivo etc. ). E para ajudar melhor, o espírita deve reconhecer o transe e tomar as providências cabíveis, junto ao socorro médico ou aos recursos espíritas, como a ordem moral de afastamento dos espíritos, passe, irradiação, etc. Entrevista com o escritor espírita Lamartine Palhano Jr. - A emancipação da alma ou projeção astral, não considerada como caráter mediúnico, mas como capacidade inerente do ser, poderia ser considerada uma forma de transe? R: Evidente. É um transe anímico, no qual o espírito do próprio tem essa liberdade de emancipar-se, numa espécie de dissociação psíquica. Veja o capítulo de O Livro dos Espíritos chamado "Emancipação da Alma". 34
  • 35. Referência internacional, o DSM-V também deixa de incluir casos de transe religioso (cultos evangélicos, espíritas, umbandistas, de candomblé, etc.) como um distúrbio de personalidade, ou seja, uma personalidade múltipla (transtorno dissociativo de identidade, originalmente denominado transtorno de múltiplas personalidades). CID 10 Classificação Estatística Internacional de Doenças e Problemas Relacionados à Saúde item F44.3 - ESTADOS DE TRANSE E POSSESSÃO: Transtornos caracterizados por uma perda transitória da consciência de sua própria identidade, associada a uma conservação perfeita da consciência do meio ambiente. Devem aqui ser incluídos somente os estados de transe involuntários e não desejados, excluídos aqueles de situações admitidas no contexto cultural ou religioso do sujeito. DSM – V Manual de Diagnóstico e Estatística de Transtornos Mentais (Associação Americana de Psiquiatria) 35
  • 36. Pesquisa inédita usa equipamentos de última geração para investigar o cérebro de médiuns durante o transe. Ele funciona de modo diferente A pesquisa foi feita por cientistas da Universidade de São Paulo e da Universidade Thomas Jefferson, da Filadélfia (EUA), para determinar os fluxos de sangue em diferentes regiões do cérebro durante os transes. Os pesquisadores estudaram o comportamento de 10 médiuns que tinham entre 15 e 47 anos de psicografia, realizando-a até 18 vezes por mês. Foi observado que os médiuns mais experientes mostraram durante a psicografia níveis mais baixos de atividade no hipocampo esquerdo (sistema límbico), no giro temporal superior e no giro pré-central direito no lóbulo frontal. REVISTA ÉPOCA 36
  • 37. As áreas do lóbulo frontal estão ligadas ao raciocínio, ao planejamento, à geração de linguagem, aos movimentos e à solução de problemas, pelo que os pesquisadores acreditam que durante a psicografia ocorre uma ausência de percepção de si mesmo e de consciência. Os médiuns menos experientes mostraram o oposto: níveis maiores de atividade nas mesmas áreas durante a psicografia, o que parece indicar um maior esforço para realizá-la. 37
  • 38. MEDIUNIDADE SOB INVESTIGAÇÃO Uma médium brasileira psicografa no laboratório do Hospital da Universidade da Pensilvânia, Estados Unidos (Foto: Denise Paraná, Revista ÉPOCA) 38
  • 39. PESQUISA - O Livro dos Médiuns, Allan Kardec - A Gênese, Allan Kardec - Os Mensageiros, André Luiz por Chico Xavier - Entrevistas, Emmanuel / Chico Xavier - Diretrizes de Segurança, Divaldo P. Franco e Raul Teixeira - Desafios da Mediunidade, Camilo por Raul Teixeira - O Transe Mediúnico, Odilon Fernandes por Carlos A. Baccelli - http://www.terapiaregressivaevolutiva.com - http://revistaepoca.globo.com - os avanços da ciência da alma - http://miltonerickson.com.br - http://pt.wikipedia.org Elaboração: Júlio César Evadro