SlideShare uma empresa Scribd logo
O mundo romano no apogeu do Império
Lenda da fundação de Roma
• Segundo os romanos, a cidade tinha sido fundada por 2
irmãos gémeos, Rómulo e Remo, que tinham sido criados por
uma loba (Capitolina)
• Rómulo tornara-se o primeiro rei de Roma após ter morto o
irmão durante uma discussão
Expansão do Império Romano (sécs. IV a.C a II d.C.)
• “Mare Nostrum” – designação dada ao Mar Mediterrâneo pelos romanos,
pelo facto de terem conquistado todos os territórios que estavam à sua
volta
Integração dos Povos Conquistados no Império
• Pax Romana – após a conquista, o exército romano
permanecia nos territórios para evitar as revoltas
• Romanização – transmissão da cultura romana aos povos
dominados
– Meios usados:
• Divisão do Império em províncias e municípios;
• Aplicação das leis romanas a todo o território;
• O latim torna-se a língua oficial;
• Construção de uma rede de estradas (“todos os caminhos vão dar
a Roma”)
• Édito de Caracala (212 d.C.) – alarga a cidadania romana a todos
os homens livres do Império
Economia Romana (sécs. I e II)
Economia Romana (sécs. I e II)
• O comércio no Império Romano era facilitado pela boa rede de estradas e
pelo domínio do Mediterrâneo
Sociedade nos Séculos I e II a. C.
• Grandes desigualdades sociais
• Hierarquia social baseada na riqueza
1. Ordem Senatorial
– Grandes proprietários
– Fortuna superior a 1 milhão de sestércios
– Altos cargos políticos
Sociedade nos Séculos I e II a. C.
2. Ordem Equestre (Cavaleiros)
– Antigos plebeus que enriquecem e
ascendem à categoria social superior
– Fortuna superior a 400 mil sestércios
– Servem no exército a cavalo e podem
exercer cargos políticos
Sociedade nos Séculos I e II a. C.
3. Plebe
– Camponeses, artesãos, pequenos comerciantes
– Devido à sua pobreza, dependem da ajuda dos mais ricos ou do Estado
(recebem dinheiro ou alimentos)
Sociedade nos Séculos I e II a. C.
4. Libertos
– Antigos escravos que tinham sido libertos pelo dono ou comprado a
sua alforria
5. Escravos
– Grande número
– Geralmente prisioneiros de guerra
– Não tinham direitos
– Exerciam as tarefas habituais, por ex.
na agricultura e nas minas, e alguns eram
pedagogos
As Instituições Políticas do Império
• 1º Regime Político – República
– Instituições republicanas:
• Comícios – assembleias de cidadãos que elegiam os magistrados e
votavam as leis;
• Magistrados – tinham o poder executivo;
• Senado – órgão principal: aprova as leis, controla os magistrados e
o exército, dirige a política externa, etc.
As Instituições Políticas do Império
• 2º Regime Político – Império (século I a. C.)
– Em consequência das lutas políticas entre governadores e generais,
atribui-se o “imperium” a uma só pessoa
– 1º Imperador – Octávio César Augusto
As Instituições Políticas do Império
– Poderes do Imperador:
• Supremo Sacerdote (Pontifex Maximus)
• Chefe do exército (Imperator)
• Magistrado Supremo (Consul)
• Controla o poder legislativo
– Institui-se o culto imperial
– Mantêm-se as instituições republicanas sob o controlo do Imperador
A Originalidade da Cultura Romana
• O Direito
– Conjunto de leis escritas aplicadas a todo o Império
– Muitas das suas noções e normas são a base do Direito
Contemporâneo
• O Urbanismo
– Preocupação com a organização do espaço das cidades (plantas com
traçados geométricos) e com as infraestruturas
– Resposta às necessidades das populações através da construção de
aquedutos, esgotos, termas, arruamentos, etc.
– Roma serve de modelo urbanístico para a construção das outras
cidades do Império
A Originalidade da Cultura Romana
• Arquitetura
– Aspeto original - Caráter prático e funcional das construções:
• Constroem-se anfiteatros, teatros, circos, termas, pontes,
aquedutos e templos para satisfazer às necessidades das
populações
– Monumentalidade dos edifícios
A Originalidade da Cultura Romana
• Arquitetura
– Influências gregas: frontões, frisos, colunas e ordens arquitetónicas
– Uso da cúpula
Panteão (Roma)
A Originalidade da Cultura Romana
– Influências etruscas: arco de volta perfeita e abóbada de berço
– Uso da pintura a fresco e do mosaico
Coliseu de Roma
A Religião Romana
• Politeísmo
• Dois tipos de culto:
– Culto doméstico – dirigido pelo chefe de família, veneravam os deuses
protetores da casa e da família (deuses Lares, Penates e Manes)
– Culto público – dirigido pelos sacerdotes nos templos, adoravam os
deuses protetores da cidade e do Império
– Tolerantes em relação à religião dos povos conquistados
– No caso da religião grega, os seus deuses vêm a tornar-se nas
divindades romanas mais importantes
• Século I – culto ao Imperador - reforço da unidade do Império

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Apresentação pré projecto tese doutoramento
Apresentação pré projecto tese doutoramentoApresentação pré projecto tese doutoramento
Apresentação pré projecto tese doutoramento
Ana Santos
 
Coisas que acontaceram no ano de 711
Coisas que acontaceram no ano de 711Coisas que acontaceram no ano de 711
Coisas que acontaceram no ano de 711
pipoquinhalove
 
Reflexão Final da Unidade Curricular – Ana Carvalho
Reflexão Final da Unidade Curricular – Ana CarvalhoReflexão Final da Unidade Curricular – Ana Carvalho
Reflexão Final da Unidade Curricular – Ana Carvalho
AnaAndreia
 
Os descobrimentos portugueses 1ªparte
Os descobrimentos portugueses 1ªparteOs descobrimentos portugueses 1ªparte
Os descobrimentos portugueses 1ªparte
Anabela Sobral
 
Sermão de santo antónio aos peixes(2)
Sermão de santo antónio aos peixes(2)Sermão de santo antónio aos peixes(2)
Sermão de santo antónio aos peixes(2)
marfat
 
Apresentação Pré- projeto tese
Apresentação Pré- projeto tese Apresentação Pré- projeto tese
Apresentação Pré- projeto tese
João Piedade
 
Desenho Metodológico da Investigação
Desenho Metodológico da Investigação Desenho Metodológico da Investigação
Desenho Metodológico da Investigação
Pedro Ferreira
 
Exemplos de Cronogramas de Pesquisa
Exemplos de Cronogramas de PesquisaExemplos de Cronogramas de Pesquisa
Exemplos de Cronogramas de Pesquisa
richard_romancini
 
1299158038 objectivos pedagogicos
1299158038 objectivos pedagogicos1299158038 objectivos pedagogicos
1299158038 objectivos pedagogicos
Tarcisio Baptista
 
Nocoes de prospeccao e pesquisa mineral para tecnicos em geologia e mineracao
Nocoes de prospeccao e pesquisa mineral para tecnicos em geologia e mineracaoNocoes de prospeccao e pesquisa mineral para tecnicos em geologia e mineracao
Nocoes de prospeccao e pesquisa mineral para tecnicos em geologia e mineracao
Vanderson Santos Silva
 

Mais procurados (20)

Apresentação pré projecto tese doutoramento
Apresentação pré projecto tese doutoramentoApresentação pré projecto tese doutoramento
Apresentação pré projecto tese doutoramento
 
Coisas que acontaceram no ano de 711
Coisas que acontaceram no ano de 711Coisas que acontaceram no ano de 711
Coisas que acontaceram no ano de 711
 
Defesa da tese na UCP
Defesa da tese na UCPDefesa da tese na UCP
Defesa da tese na UCP
 
A história do lixo
A história do lixoA história do lixo
A história do lixo
 
InjeçAo De Co2 SemináRio
InjeçAo De Co2 SemináRioInjeçAo De Co2 SemináRio
InjeçAo De Co2 SemináRio
 
Expansão marítima
Expansão marítimaExpansão marítima
Expansão marítima
 
Testes de pressão em poços de petróleo
Testes de pressão em poços de petróleo Testes de pressão em poços de petróleo
Testes de pressão em poços de petróleo
 
Reflexão Final da Unidade Curricular – Ana Carvalho
Reflexão Final da Unidade Curricular – Ana CarvalhoReflexão Final da Unidade Curricular – Ana Carvalho
Reflexão Final da Unidade Curricular – Ana Carvalho
 
Os descobrimentos portugueses 1ªparte
Os descobrimentos portugueses 1ªparteOs descobrimentos portugueses 1ªparte
Os descobrimentos portugueses 1ªparte
 
Sermão de santo antónio aos peixes(2)
Sermão de santo antónio aos peixes(2)Sermão de santo antónio aos peixes(2)
Sermão de santo antónio aos peixes(2)
 
Expansão mapas
Expansão mapasExpansão mapas
Expansão mapas
 
Apresentação Pré- projeto tese
Apresentação Pré- projeto tese Apresentação Pré- projeto tese
Apresentação Pré- projeto tese
 
Desenho Metodológico da Investigação
Desenho Metodológico da Investigação Desenho Metodológico da Investigação
Desenho Metodológico da Investigação
 
Como elaborar um projeto de pesquisa - profa. Elizabeth Fantauzzi
Como elaborar um projeto de pesquisa - profa. Elizabeth FantauzziComo elaborar um projeto de pesquisa - profa. Elizabeth Fantauzzi
Como elaborar um projeto de pesquisa - profa. Elizabeth Fantauzzi
 
Exemplos de Cronogramas de Pesquisa
Exemplos de Cronogramas de PesquisaExemplos de Cronogramas de Pesquisa
Exemplos de Cronogramas de Pesquisa
 
1299158038 objectivos pedagogicos
1299158038 objectivos pedagogicos1299158038 objectivos pedagogicos
1299158038 objectivos pedagogicos
 
Recursos minerais
Recursos mineraisRecursos minerais
Recursos minerais
 
2º ciclo projeto das literacias
2º ciclo projeto das literacias 2º ciclo projeto das literacias
2º ciclo projeto das literacias
 
Definir Objectivos
Definir ObjectivosDefinir Objectivos
Definir Objectivos
 
Nocoes de prospeccao e pesquisa mineral para tecnicos em geologia e mineracao
Nocoes de prospeccao e pesquisa mineral para tecnicos em geologia e mineracaoNocoes de prospeccao e pesquisa mineral para tecnicos em geologia e mineracao
Nocoes de prospeccao e pesquisa mineral para tecnicos em geologia e mineracao
 

Destaque (15)

Império Romano
Império RomanoImpério Romano
Império Romano
 
O império romano
O império romanoO império romano
O império romano
 
O mundo romano no apogeu do império i
O mundo romano no apogeu do império iO mundo romano no apogeu do império i
O mundo romano no apogeu do império i
 
Arte bizantina
Arte bizantinaArte bizantina
Arte bizantina
 
B. o império romano no seu apogeu
B. o império romano no seu apogeuB. o império romano no seu apogeu
B. o império romano no seu apogeu
 
O Mundo Romano No Apogeu Do ImpéRio
O Mundo Romano No Apogeu Do ImpéRioO Mundo Romano No Apogeu Do ImpéRio
O Mundo Romano No Apogeu Do ImpéRio
 
O mundo romano no apogeu do império i
O mundo romano no apogeu do império iO mundo romano no apogeu do império i
O mundo romano no apogeu do império i
 
Império Romano
Império RomanoImpério Romano
Império Romano
 
O Império Romano no apogeu do império
O Império Romano no apogeu do impérioO Império Romano no apogeu do império
O Império Romano no apogeu do império
 
Egipto
EgiptoEgipto
Egipto
 
Cultura do Mosteiro - Arte paleocristã e bizantina
Cultura do Mosteiro - Arte paleocristã e bizantinaCultura do Mosteiro - Arte paleocristã e bizantina
Cultura do Mosteiro - Arte paleocristã e bizantina
 
Arquitetura romana ii
Arquitetura romana iiArquitetura romana ii
Arquitetura romana ii
 
Modelo romano parte 1
Modelo romano   parte 1Modelo romano   parte 1
Modelo romano parte 1
 
Roma
RomaRoma
Roma
 
13 o império romano
13   o império romano13   o império romano
13 o império romano
 

Semelhante a O mundo romano no apogeu do império (20)

A cultura do belo ii
A cultura do belo iiA cultura do belo ii
A cultura do belo ii
 
Roma
RomaRoma
Roma
 
A cultura do senado
A cultura do senadoA cultura do senado
A cultura do senado
 
01_02_o_modelo_romano.pdf
01_02_o_modelo_romano.pdf01_02_o_modelo_romano.pdf
01_02_o_modelo_romano.pdf
 
Roma1 120103075852-phpapp01
Roma1 120103075852-phpapp01Roma1 120103075852-phpapp01
Roma1 120103075852-phpapp01
 
Módulo 2 contextualização
Módulo 2   contextualizaçãoMódulo 2   contextualização
Módulo 2 contextualização
 
Módulo 2 a cultura do senado
Módulo 2   a cultura do senadoMódulo 2   a cultura do senado
Módulo 2 a cultura do senado
 
A civilização romana
A civilização romana  A civilização romana
A civilização romana
 
ROMANOS.pptx
ROMANOS.pptxROMANOS.pptx
ROMANOS.pptx
 
Roma antiga
Roma antigaRoma antiga
Roma antiga
 
Império romano 2011
Império romano 2011Império romano 2011
Império romano 2011
 
1grega
1grega1grega
1grega
 
A civilização romana
A civilização romanaA civilização romana
A civilização romana
 
A Integração Dos Povos No Império Romano
A Integração Dos Povos No Império RomanoA Integração Dos Povos No Império Romano
A Integração Dos Povos No Império Romano
 
Modelo romano
Modelo romanoModelo romano
Modelo romano
 
História Roma
História RomaHistória Roma
História Roma
 
Roma
RomaRoma
Roma
 
Império romano blogue
Império romano blogueImpério romano blogue
Império romano blogue
 
Civilização romana
Civilização romanaCivilização romana
Civilização romana
 
Império romano
Império romanoImpério romano
Império romano
 

Mais de HizqeelMajoka

Mais de HizqeelMajoka (20)

A rússia do antigo regime - Resumo - 9ºano
A rússia do antigo regime - Resumo - 9ºanoA rússia do antigo regime - Resumo - 9ºano
A rússia do antigo regime - Resumo - 9ºano
 
O mundo saído da guerra - Resumo - 9ºano
O mundo saído da guerra - Resumo - 9ºanoO mundo saído da guerra - Resumo - 9ºano
O mundo saído da guerra - Resumo - 9ºano
 
Salazar e o estado novo - Resumo - 9ºano
Salazar e o estado novo - Resumo - 9ºanoSalazar e o estado novo - Resumo - 9ºano
Salazar e o estado novo - Resumo - 9ºano
 
A revolução soviética - Resumo
A revolução soviética - ResumoA revolução soviética - Resumo
A revolução soviética - Resumo
 
O período após a 2ª guerra mundial - Resumo - 9ºano
O período após a 2ª guerra mundial - Resumo - 9ºanoO período após a 2ª guerra mundial - Resumo - 9ºano
O período após a 2ª guerra mundial - Resumo - 9ºano
 
Trabalho sobre Theatre em Inglês
Trabalho sobre Theatre em InglêsTrabalho sobre Theatre em Inglês
Trabalho sobre Theatre em Inglês
 
Trabalho sobre Le environnement em Francês
Trabalho sobre Le environnement em FrancêsTrabalho sobre Le environnement em Francês
Trabalho sobre Le environnement em Francês
 
A segunda guerra mundial - Resumo - 9ºano
A segunda guerra mundial - Resumo - 9ºanoA segunda guerra mundial - Resumo - 9ºano
A segunda guerra mundial - Resumo - 9ºano
 
As transformações económicas e sociais do após guerra - Resumo - 9ºano
As transformações económicas e sociais do após guerra - Resumo - 9ºanoAs transformações económicas e sociais do após guerra - Resumo - 9ºano
As transformações económicas e sociais do após guerra - Resumo - 9ºano
 
Os regimes fascista e nazi - Resumo - 9ºano
Os regimes fascista e nazi - Resumo - 9ºanoOs regimes fascista e nazi - Resumo - 9ºano
Os regimes fascista e nazi - Resumo - 9ºano
 
As transformações socioculturais das 1ªs Décadas do Século XX - Resumo - 9ºano
As transformações socioculturais das 1ªs Décadas do Século XX - Resumo - 9ºanoAs transformações socioculturais das 1ªs Décadas do Século XX - Resumo - 9ºano
As transformações socioculturais das 1ªs Décadas do Século XX - Resumo - 9ºano
 
As realizações e as dificuldades da 1ª república - Resumo - 9ºano
As realizações e as dificuldades da 1ª república - Resumo - 9ºanoAs realizações e as dificuldades da 1ª república - Resumo - 9ºano
As realizações e as dificuldades da 1ª república - Resumo - 9ºano
 
Trabalho sobre The technological world em Inglês.
Trabalho sobre The technological world em Inglês.Trabalho sobre The technological world em Inglês.
Trabalho sobre The technological world em Inglês.
 
Trabalho sobre Impressora 3D em Francês
Trabalho sobre Impressora 3D em FrancêsTrabalho sobre Impressora 3D em Francês
Trabalho sobre Impressora 3D em Francês
 
Trabalho sobre Ementa diária de 8ºano
Trabalho sobre Ementa diária de 8ºanoTrabalho sobre Ementa diária de 8ºano
Trabalho sobre Ementa diária de 8ºano
 
Cartaz sobre asma de 9ºano
Cartaz sobre asma de 9ºanoCartaz sobre asma de 9ºano
Cartaz sobre asma de 9ºano
 
PowerPoint sobre Conjunções coordenativas
PowerPoint sobre Conjunções coordenativasPowerPoint sobre Conjunções coordenativas
PowerPoint sobre Conjunções coordenativas
 
Trabalho de T.I.C. (Fórum) de 8ºano.
Trabalho de T.I.C. (Fórum) de 8ºano. Trabalho de T.I.C. (Fórum) de 8ºano.
Trabalho de T.I.C. (Fórum) de 8ºano.
 
Trabalho de T.I.C. (Netiquetas e plágio na net) de 8ºano.
Trabalho de T.I.C. (Netiquetas e plágio na net) de 8ºano. Trabalho de T.I.C. (Netiquetas e plágio na net) de 8ºano.
Trabalho de T.I.C. (Netiquetas e plágio na net) de 8ºano.
 
Trabalho T.I.C. (A história da internet e os seus perigos) de 8ºano.
Trabalho T.I.C. (A história da internet e os seus perigos) de 8ºano. Trabalho T.I.C. (A história da internet e os seus perigos) de 8ºano.
Trabalho T.I.C. (A história da internet e os seus perigos) de 8ºano.
 

Último

AS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdf
AS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdfAS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdf
AS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdf
ssuserbb4ac2
 
clubinho-bio-2.pdf vacinas saúde importância
clubinho-bio-2.pdf vacinas saúde importânciaclubinho-bio-2.pdf vacinas saúde importância
clubinho-bio-2.pdf vacinas saúde importância
LuanaAlves940822
 
5ca0e9_ea0307e5baa1478490e87a15cb4ee530.pdf
5ca0e9_ea0307e5baa1478490e87a15cb4ee530.pdf5ca0e9_ea0307e5baa1478490e87a15cb4ee530.pdf
5ca0e9_ea0307e5baa1478490e87a15cb4ee530.pdf
edjailmax
 

Último (20)

Fotossíntese para o Ensino médio primeiros anos
Fotossíntese para o Ensino médio primeiros anosFotossíntese para o Ensino médio primeiros anos
Fotossíntese para o Ensino médio primeiros anos
 
AULA Saúde e tradição-3º Bimestre tscqv.pptx
AULA Saúde e tradição-3º Bimestre tscqv.pptxAULA Saúde e tradição-3º Bimestre tscqv.pptx
AULA Saúde e tradição-3º Bimestre tscqv.pptx
 
Slides Lição 9, CPAD, Resistindo à Tentação no Caminho, 2Tr24.pptx
Slides Lição 9, CPAD, Resistindo à Tentação no Caminho, 2Tr24.pptxSlides Lição 9, CPAD, Resistindo à Tentação no Caminho, 2Tr24.pptx
Slides Lição 9, CPAD, Resistindo à Tentação no Caminho, 2Tr24.pptx
 
O que é uma Revolução Solar. tecnica preditiva
O que é uma Revolução Solar. tecnica preditivaO que é uma Revolução Solar. tecnica preditiva
O que é uma Revolução Solar. tecnica preditiva
 
APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.
APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.
APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.
 
Memórias_póstumas_de_Brás_Cubas_ Machado_de_Assis
Memórias_póstumas_de_Brás_Cubas_ Machado_de_AssisMemórias_póstumas_de_Brás_Cubas_ Machado_de_Assis
Memórias_póstumas_de_Brás_Cubas_ Machado_de_Assis
 
Respostas prova do exame nacional Port. 2008 - 1ª fase - Criterios.pdf
Respostas prova do exame nacional Port. 2008 - 1ª fase - Criterios.pdfRespostas prova do exame nacional Port. 2008 - 1ª fase - Criterios.pdf
Respostas prova do exame nacional Port. 2008 - 1ª fase - Criterios.pdf
 
AS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdf
AS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdfAS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdf
AS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdf
 
O carteiro chegou - Janet & Allan Ahlberg
O carteiro chegou - Janet & Allan AhlbergO carteiro chegou - Janet & Allan Ahlberg
O carteiro chegou - Janet & Allan Ahlberg
 
clubinho-bio-2.pdf vacinas saúde importância
clubinho-bio-2.pdf vacinas saúde importânciaclubinho-bio-2.pdf vacinas saúde importância
clubinho-bio-2.pdf vacinas saúde importância
 
UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...
UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...
UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...
 
Recurso da Casa das Ciências: Bateria/Acumulador
Recurso da Casa das Ciências: Bateria/AcumuladorRecurso da Casa das Ciências: Bateria/Acumulador
Recurso da Casa das Ciências: Bateria/Acumulador
 
Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....
Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....
Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....
 
Produção de poemas - Reciclar é preciso
Produção  de  poemas  -  Reciclar é precisoProdução  de  poemas  -  Reciclar é preciso
Produção de poemas - Reciclar é preciso
 
Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024
Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024
Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024
 
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamente
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamenteDescrever e planear atividades imersivas estruturadamente
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamente
 
Meu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livro
Meu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livroMeu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livro
Meu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livro
 
Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...
Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...
Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...
 
Atividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdf
Atividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdfAtividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdf
Atividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdf
 
5ca0e9_ea0307e5baa1478490e87a15cb4ee530.pdf
5ca0e9_ea0307e5baa1478490e87a15cb4ee530.pdf5ca0e9_ea0307e5baa1478490e87a15cb4ee530.pdf
5ca0e9_ea0307e5baa1478490e87a15cb4ee530.pdf
 

O mundo romano no apogeu do império

  • 1. O mundo romano no apogeu do Império
  • 2. Lenda da fundação de Roma • Segundo os romanos, a cidade tinha sido fundada por 2 irmãos gémeos, Rómulo e Remo, que tinham sido criados por uma loba (Capitolina) • Rómulo tornara-se o primeiro rei de Roma após ter morto o irmão durante uma discussão
  • 3. Expansão do Império Romano (sécs. IV a.C a II d.C.) • “Mare Nostrum” – designação dada ao Mar Mediterrâneo pelos romanos, pelo facto de terem conquistado todos os territórios que estavam à sua volta
  • 4. Integração dos Povos Conquistados no Império • Pax Romana – após a conquista, o exército romano permanecia nos territórios para evitar as revoltas • Romanização – transmissão da cultura romana aos povos dominados – Meios usados: • Divisão do Império em províncias e municípios; • Aplicação das leis romanas a todo o território; • O latim torna-se a língua oficial; • Construção de uma rede de estradas (“todos os caminhos vão dar a Roma”) • Édito de Caracala (212 d.C.) – alarga a cidadania romana a todos os homens livres do Império
  • 6. Economia Romana (sécs. I e II) • O comércio no Império Romano era facilitado pela boa rede de estradas e pelo domínio do Mediterrâneo
  • 7. Sociedade nos Séculos I e II a. C. • Grandes desigualdades sociais • Hierarquia social baseada na riqueza 1. Ordem Senatorial – Grandes proprietários – Fortuna superior a 1 milhão de sestércios – Altos cargos políticos
  • 8. Sociedade nos Séculos I e II a. C. 2. Ordem Equestre (Cavaleiros) – Antigos plebeus que enriquecem e ascendem à categoria social superior – Fortuna superior a 400 mil sestércios – Servem no exército a cavalo e podem exercer cargos políticos
  • 9. Sociedade nos Séculos I e II a. C. 3. Plebe – Camponeses, artesãos, pequenos comerciantes – Devido à sua pobreza, dependem da ajuda dos mais ricos ou do Estado (recebem dinheiro ou alimentos)
  • 10. Sociedade nos Séculos I e II a. C. 4. Libertos – Antigos escravos que tinham sido libertos pelo dono ou comprado a sua alforria 5. Escravos – Grande número – Geralmente prisioneiros de guerra – Não tinham direitos – Exerciam as tarefas habituais, por ex. na agricultura e nas minas, e alguns eram pedagogos
  • 11. As Instituições Políticas do Império • 1º Regime Político – República – Instituições republicanas: • Comícios – assembleias de cidadãos que elegiam os magistrados e votavam as leis; • Magistrados – tinham o poder executivo; • Senado – órgão principal: aprova as leis, controla os magistrados e o exército, dirige a política externa, etc.
  • 12. As Instituições Políticas do Império • 2º Regime Político – Império (século I a. C.) – Em consequência das lutas políticas entre governadores e generais, atribui-se o “imperium” a uma só pessoa – 1º Imperador – Octávio César Augusto
  • 13. As Instituições Políticas do Império – Poderes do Imperador: • Supremo Sacerdote (Pontifex Maximus) • Chefe do exército (Imperator) • Magistrado Supremo (Consul) • Controla o poder legislativo – Institui-se o culto imperial – Mantêm-se as instituições republicanas sob o controlo do Imperador
  • 14. A Originalidade da Cultura Romana • O Direito – Conjunto de leis escritas aplicadas a todo o Império – Muitas das suas noções e normas são a base do Direito Contemporâneo • O Urbanismo – Preocupação com a organização do espaço das cidades (plantas com traçados geométricos) e com as infraestruturas – Resposta às necessidades das populações através da construção de aquedutos, esgotos, termas, arruamentos, etc. – Roma serve de modelo urbanístico para a construção das outras cidades do Império
  • 15. A Originalidade da Cultura Romana • Arquitetura – Aspeto original - Caráter prático e funcional das construções: • Constroem-se anfiteatros, teatros, circos, termas, pontes, aquedutos e templos para satisfazer às necessidades das populações – Monumentalidade dos edifícios
  • 16. A Originalidade da Cultura Romana • Arquitetura – Influências gregas: frontões, frisos, colunas e ordens arquitetónicas – Uso da cúpula Panteão (Roma)
  • 17. A Originalidade da Cultura Romana – Influências etruscas: arco de volta perfeita e abóbada de berço – Uso da pintura a fresco e do mosaico Coliseu de Roma
  • 18. A Religião Romana • Politeísmo • Dois tipos de culto: – Culto doméstico – dirigido pelo chefe de família, veneravam os deuses protetores da casa e da família (deuses Lares, Penates e Manes) – Culto público – dirigido pelos sacerdotes nos templos, adoravam os deuses protetores da cidade e do Império – Tolerantes em relação à religião dos povos conquistados – No caso da religião grega, os seus deuses vêm a tornar-se nas divindades romanas mais importantes • Século I – culto ao Imperador - reforço da unidade do Império