SlideShare uma empresa Scribd logo
O IMPÉRIO
ROMANO
LOCALIZAÇÃO NO ESPAÇO
Península Itálica
África
Europa
Ásia
Mar
Tirreno
Mar
Adriátrico
AS CONQUISTAS ROMANAS
MOTIVOS DA EXPANSÃO
ROMANA
Procura de Segurança
Interesses Económicos
Necessidades de
Mão-de-Obra
Desejo de Prestígio
INTEGRAÇÃO DOS
POVOS DOMINADOS
NO IMPÉRIO
Meios de integração dos povos dominados
Concessão de cidadania a todos os homens livres do Império – todos são cidadãos
romanos
Construção de obras públicas: teatros templos, termas, fóruns, sistemas de
saneamento básico
Urbanismo: todas as cidades do império eram traçadas segundo o mesmo
modelo, praça central (fórum) a partir da qual se desenvolvia a cidade
Rede de estradas “todos os caminhos vão dar a Roma”, para facilitar as deslocações
dos soldados, comerciantes e funcionários
Administração: Divisão do império em províncias para melhor o governar
Leis: são aplicadas a todo o império, concessão do direito de cidadania a todos os
habitantes do império
Língua: Latim tornou-se a língua oficial do império
Exército: bem organizado e disciplinado, ficava a garantir a segurança nos territórios
conquistados , pax romana conseguida pela força das armas
SOCIEDADE
ROMANA
O SENADO
 fulcral na vida política romana
 Inicialmente com funções consultivas, foi
ganhando espaço e dominou assuntos da
vida pública com caráter deliberativo e
normativo (decisões de guerra e
paz, administração de finanças, ordem
pública, etc.)
Augusto
(1º Imperador
Romano)
PODERES DO IMPERADOR
Octávio César Augusto (63 a.C. – 14 d. C.)
(sucessor de Júlio César, constrói a época de ouro da civilização romana:
“século de augusto”)
Tinha todos os poderes
 Comandante do exército (estabeleceu a ordem)
 Pontifex maximus – supremo sacerdote
 Principal responsável pela administração
pública, finanças e política externa
 Cunhagem da moeda
 Poder de veto – alterar as decisões do senado
 Apaziguou conflitos sociais
Considerado figura sagrada, adorado por todos
os romanos, contribuiu para a
manutenção e união do Império
GRUPOS SOCIAIS ROMANOS
ESCRAVOS Ordem Senatorial
Sociedade estratificada
e hierarquizada:
- posição social era
determinada pela origem
familiar e pela fortuna
- Havia mobilidade
social, conforme se
enriquecia ou empobrecia
SOCIEDADE
ROMANA
Homens
Livres
Homens
não Livres
Ordem Senatorial - formada por
senadores, grandes proprietários
rurais e eram os únicos que
exerciam cargos políticos
Ordem Equestre – exerciam cargos
políticos e administrativos e
também alguns ao comércio
Plebe: Plebe rural (camponeses) e
plebe urbana (artesãos,
comerciantes). Existia também os
servos libertos
Escravos: Antigos prisioneiros
de guerra. Desempenhavam
todo o tipo de tarefas, mas em
especial nos campos, nas
minas e nas obras públicas. Os
escravos de origem grega eram
muito valorizados como
pedagogos (professores).
Villae Romana
(residência de Verão e/ou Rural)
A vida quotidiana
O dia-a-dia dos romanos variava da classe social a que pertencia:
 Os ricos:
 Participavam na vida
política,
 Viviam em grandes
casas, palácios ou no
campo nas villae estas
possuíam pátio
interior, jardins, paredes
revestidas de
mármore, chão de
mosaicos, paredes
pintadas com frescos
Os pobres: a plebe/ escravos
 Viviam em prédios de
apartamentos de vários
andares, paredes feitas
de madeira, sem
condições - as insullae
 Nestes prédios viviam
várias famílias, não
tinham
água, esgotos, cozinha
ou casa de banho
 Alimentavam se com
iguarias vindas de todas as
partes do império:
carne, peixe, vinho de várias
qualidades, etc
 Realizavam ou participavam
em grandes banquetes –
onde chegavam a apresentar
dezenas de pratos
Alimentação
Os ricos
Os pobres
Refeições simples compostas
por pão, feijão , algum peixe
ou carne e fruta
Os desempregados recebiam cereais,
azeite e vinho do Imperador e
de famílias ricas
 Assistiam a espectáculos
– teatro, circo ( onde
assistiam a corridas
puxadas por
cavalos, lutas, jogos
), anfiteatro (lutas de
gladiadores) …
 Combate de gladiadores
Corrida de Quadrigas - Hipódromo
Os ricos
 Trabalhavam de manhã à
noite
 Assistiam a espectáculos
gratuitos nos anfiteatros e no
circo
Os pobres
VIDA QUOTIDIANA EM ROMA
O DIA-A-DIA
DOS GRANDES SENHORES
Anfiteatro Romano
(Luta de Gladiadores)
Banquete Romano
Os ricos - Frequentavam as termas ( centro da vida social, local de
encontro e lazer) - estas possuíam várias piscinas com água a
diferentes temperaturas, salas para prática de exercício físico, leitura
ou massagens
Abertas de manhã para as mulheres
e à tarde para os homens
O Direito Romano
Tribunal Romano em Asterix
O Direito Romano
- Os Romanos inventaram o Direito
Direito - Conjunto de Leis ou Normas que
regulam as instituições entre os cidadãos e
entre os cidadãos e o Estado.
- Como o Império era extenso e muito
diferente entre si tornou-se necessário dotá-
lo de leis iguais para todos.
XII Tábuas
primeiro código de leis
A Literatura
Os Romanos desenvolveram:
 Poesia - Virgílio, Ovídio, Horácio
 Comédia – Plauto
 História – Tucídides,Tito Lívio e
Cícero – enaltecer os feitos dos
romanos
 Oratória - Arte de como falar
 em público – Cícero
Virgílio
Plauto
O Urbanismo
 Os romanos inventaram e desenvolveram o
urbanismo
Urbanismo - Planeamento do espaço
urbano de acordo com as necessidades
dos seus habitantes.
Cidades romanas obedeciam a um traçado de
ruas rigoroso e perpendicular.
O Urbanismo
As cidades organizavam-se de forma idêntica em todo o império, o
que contribuiu para a uniformização progressiva dos hábitos de vida no
mundo romano.
O Urbanismo
Cidade Romana
Timgad
O Urbanismo
 Principais construções romanas:
- Fórum – era o centro da cidade, onde se
encontravam os edifícios públicos.
Fórum Romano Reconstituição
O Urbanismo
- Templos, Teatro, Anfiteatro, Circo, Es
gotos, Hipódromo, Bibliotecas, Termas, Arco
de Triunfo, Colunas Comemorativas.
Principais construções romanas:
Para proporcionar água destinada ao consumo e à limpeza, a cidade de
Roma era provida de 14 grandes aquedutos que traziam água de fontes
distantes através de condutos subterrâneos ou suspensos. No início da
era cristã, eles proporcionavam à cidade cerca de 200 milhões de litros
de água por dia.
Todos os cuidados com a água, esgoto, asseio pessoal e limpeza da
cidade certamente contribuíram muito para preservar os romanos de
doenças.
AQUEDUTO
Guiados pelo bom senso, os romanos deram grande importância aos
cuidados sanitários e de higiene. Havia um sistema de esgotos na cidade
de Roma que não foi ultrapassado por qualquer sistema semelhante no mundo
todo, até o século XIX .
Os esgotos eram levados em condutos subterrâneos até um local, a cloaca
máxima, onde eram lançados no rio Tibre. Além de casas de banho nas
casas, havia sanitários públicos, alguns deles muito luxuosos, todos equipados
com água corrente.
Para os cuidados sanitários, as casas luxuosas dispunham de banhos
privativos, com água canalizada mas os pobres tinham que utilizar as latrinas e
as termas públicas, como os banhos de Caracalla, capazes de acomodar mil e
seiscentas pessoas de cada vez, ou os de Diocleciano, com três mil quartos de
banho. Isso mostra que o asseio era uma prática generalizada, em Roma.
Os Romanos passavam muito tempo mas termas ou banhos públicos. Estes
eram, simultaneamente locais para cuidar da higiene do corpo e locais de
encontro e de convívio. Para além das piscinas de água quente e fria, algumas
termas tinham também edifícios anexos com
ginásios, estádio, bibliotecas, lojas, etc.
Em 33 a.C., já existiam 170 banhos públicos em Roma.
Os Romanos em Portugal
 A maior Herança Romana: o latim do qual
descende o português.
Os Romanos na Península Ibérica
Vias Romanas
Províncias Romanas
Os Romanos trouxeram muitas inovações que foram alterando o modo de vida
dos povos peninsulares:
novas culturas como a vinha e a oliveira;
exploração de minas;
desenvolvimento de indústrias como a salga de peixe, olaria e tecelagem;
 novos materiais de construção como as telhas, os tijolos e os mosaicos;
novos utensílios como ânforas, talhas, candeias, jóias;
o uso generalizado da moeda para o comércio;
uma rede de estradas e pontes para unir as diversas cidades a Roma e facilitar a
circulação do exército e das mercadorias;
novas cidades com teatros, templos, balneários públicos com água quente (termas),
aquedutos, monumentos;
um novo tipo de casa, coberta com telha, jardins interiores, repuxos de água, mosaico a
cobrir o chão;
uso do latim como língua falada na Península e que está na base das línguas latinas
(português, espanhol, francês, italiano, romeno);
uso da numeração romana;
a partir do século IV, o Cristianismo passou a ser a religião oficial de todo o Império
Romano.
A estas transformações da paisagem e modo de vida dos povos peninsulares por influência
dos Romanos chamamos Romanização
•
Arquitectura Romana
Arquitectura Romana
Características
 Funcionalidade - Carácter prático e utilitário
 Monumentalidade
 Arco de volta perfeita
 Abóbada de berço
 Cúpulas
 Herança Grega: Colunas – Ex: templos
Arquitectura Romana
 Novidade: Arco de Volta Perfeita
Arquitectura Romana
 Novidades: Abóbada de Berço
Arquitectura Romana
 Novidades: Cúpula
Vista Exterior Vista Interior
Panteão Romano
Arquitectura Romana
 Outra característica
da arquitectura
romana é o seu
carácter triunfal.
Arco de Triunfo
Arquitectura Romana
 Outro exemplo do
carácter triunfal da
arquitectura romana é
a construção de
colunas.
Coluna de Trajano
A Escultura
Romana
A Escultura Romana
CARACTERÍSTICAS
 Realismo
 Retrato
 Estátuas Equestres: movimento, rigor anatómico
 Utilização do relevo: como forma de glorificar os
feitos do Imperador
A Escultura Romana
Busto do general romano
Cipião, o Africano
 Novidades Romanas:
- Retrato;
- Características - Realismo
Retrato/Busto Romano
A Escultura Romana
 Novidade Romana:
- Estátuas Equestres.
Estátua Equestre do
Imperador Marco António
A Escultura Romana
 Quais as influências
gregas visíveis na
Imagem?
- Rigor anatómico;
- Idealismo.
Estátua do Imperador César
Augusto
A Escultura Romana
 Utilização do relevo.
Aqui o relevo tem por
objectivo
narrar, exaltar, glorificar
os feitos do Imperador.
A coluna de Trajano é
ainda um monumento
funerário.
Pormenor da Coluna de
Trajano
A Pintura
Romana
Características
 Pintura mural, a fresco nas paredes interiores
 Representação de Cenas quotidianas;
 Representação de Cenas Mitológicas.
Pintura Romana
A Pintura Romana
Pintura Romana
Mosaicos Romanos
 Mosaico Romano:
efeito de cobertura.
 Cenas da vida
quotidiana, mitologia
Mosaico Romano

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Modelo romano parte 3
Modelo romano parte 3Modelo romano parte 3
Modelo romano parte 3
cattonia
 
Roma- Resumo de história 10ºano
Roma- Resumo de história 10ºanoRoma- Resumo de história 10ºano
Roma- Resumo de história 10ºano
Susana Grandão
 
Os Romanos na Península Ibérica
Os Romanos na Península IbéricaOs Romanos na Península Ibérica
Os Romanos na Península Ibérica
HistN
 
Guia de estudo o modelo romano 1415
Guia de estudo o modelo romano 1415Guia de estudo o modelo romano 1415
Guia de estudo o modelo romano 1415
Laboratório de História
 
O império romano, romanização e economia
O império romano, romanização e economiaO império romano, romanização e economia
O império romano, romanização e economia
Lúcia Texeira
 
Modelo romano parte 1
Modelo romano   parte 1Modelo romano   parte 1
Modelo romano parte 1
cattonia
 
Romanização
RomanizaçãoRomanização
Romanização
Escoladocs
 
Apresentação n.º 2 O Modelo Romano
Apresentação n.º 2 O Modelo RomanoApresentação n.º 2 O Modelo Romano
Apresentação n.º 2 O Modelo Romano
Laboratório de História
 
Ficha formativa roma
Ficha formativa romaFicha formativa roma
Ficha formativa roma
Ana Barreiros
 
Caderno Diário Roma 1213
Caderno Diário Roma 1213Caderno Diário Roma 1213
Caderno Diário Roma 1213
Escoladocs
 
Roma apresentação 2
Roma apresentação 2Roma apresentação 2
Roma apresentação 2
Vítor Santos
 
Vestígios de romanos
Vestígios de romanosVestígios de romanos
Vestígios de romanos
Lurdes Gomes
 
Os romanos na península ibérica
Os romanos na península ibéricaOs romanos na península ibérica
Os romanos na península ibérica
rafaelkaoz123
 
Romanos
RomanosRomanos
Romanos
cattonia
 
A romanização em portugal helena 5_c (3)
A romanização em portugal helena 5_c (3)A romanização em portugal helena 5_c (3)
A romanização em portugal helena 5_c (3)
Mariajosesantos57
 
Os romanos e a romanização
Os romanos e a romanizaçãoOs romanos e a romanização
Os romanos e a romanização
Isabel Mendinhos
 
A Integração Dos Povos No Império Romano
A Integração Dos Povos No Império RomanoA Integração Dos Povos No Império Romano
A Integração Dos Povos No Império Romano
Mariana Neves
 
Romanização
RomanizaçãoRomanização
Romanização
naterciacampos
 
Romanização Ppt
Romanização PptRomanização Ppt
Romanização Ppt
rukka
 
Cultura Romana
Cultura RomanaCultura Romana
Cultura Romana
João França
 

Mais procurados (20)

Modelo romano parte 3
Modelo romano parte 3Modelo romano parte 3
Modelo romano parte 3
 
Roma- Resumo de história 10ºano
Roma- Resumo de história 10ºanoRoma- Resumo de história 10ºano
Roma- Resumo de história 10ºano
 
Os Romanos na Península Ibérica
Os Romanos na Península IbéricaOs Romanos na Península Ibérica
Os Romanos na Península Ibérica
 
Guia de estudo o modelo romano 1415
Guia de estudo o modelo romano 1415Guia de estudo o modelo romano 1415
Guia de estudo o modelo romano 1415
 
O império romano, romanização e economia
O império romano, romanização e economiaO império romano, romanização e economia
O império romano, romanização e economia
 
Modelo romano parte 1
Modelo romano   parte 1Modelo romano   parte 1
Modelo romano parte 1
 
Romanização
RomanizaçãoRomanização
Romanização
 
Apresentação n.º 2 O Modelo Romano
Apresentação n.º 2 O Modelo RomanoApresentação n.º 2 O Modelo Romano
Apresentação n.º 2 O Modelo Romano
 
Ficha formativa roma
Ficha formativa romaFicha formativa roma
Ficha formativa roma
 
Caderno Diário Roma 1213
Caderno Diário Roma 1213Caderno Diário Roma 1213
Caderno Diário Roma 1213
 
Roma apresentação 2
Roma apresentação 2Roma apresentação 2
Roma apresentação 2
 
Vestígios de romanos
Vestígios de romanosVestígios de romanos
Vestígios de romanos
 
Os romanos na península ibérica
Os romanos na península ibéricaOs romanos na península ibérica
Os romanos na península ibérica
 
Romanos
RomanosRomanos
Romanos
 
A romanização em portugal helena 5_c (3)
A romanização em portugal helena 5_c (3)A romanização em portugal helena 5_c (3)
A romanização em portugal helena 5_c (3)
 
Os romanos e a romanização
Os romanos e a romanizaçãoOs romanos e a romanização
Os romanos e a romanização
 
A Integração Dos Povos No Império Romano
A Integração Dos Povos No Império RomanoA Integração Dos Povos No Império Romano
A Integração Dos Povos No Império Romano
 
Romanização
RomanizaçãoRomanização
Romanização
 
Romanização Ppt
Romanização PptRomanização Ppt
Romanização Ppt
 
Cultura Romana
Cultura RomanaCultura Romana
Cultura Romana
 

Semelhante a Roma1 120103075852-phpapp01

A civilização romana
A civilização romana  A civilização romana
A civilização romana
eb23ja
 
civilização romana.pdf
civilização romana.pdfcivilização romana.pdf
civilização romana.pdf
MariaBalhico
 
O Império Romano
O Império RomanoO Império Romano
O Império Romano
HCA_10I
 
A civilização romana
A civilização romanaA civilização romana
A civilização romana
Pedro Henriques
 
Civilização romana
Civilização romanaCivilização romana
Civilização romana
Paula Frias
 
civilização-romana.ppt
civilização-romana.pptcivilização-romana.ppt
civilização-romana.ppt
MariaBalhico
 
ROMANOS.pptx
ROMANOS.pptxROMANOS.pptx
ROMANOS.pptx
Sílvia Pinto
 
Roma imperial.ppt
Roma imperial.pptRoma imperial.ppt
Roma imperial.ppt
Patrícia Alves
 
Os romanos
Os romanosOs romanos
Os romanos
Isabel Mendinhos
 
Roma Imperial
Roma ImperialRoma Imperial
Roma Imperial
eb23ja
 
Império romano
Império romanoImpério romano
Império romano
Vítor Santos
 
Guia de estudo n.º 2 O Modelo Romano
Guia de estudo n.º 2 O Modelo RomanoGuia de estudo n.º 2 O Modelo Romano
Guia de estudo n.º 2 O Modelo Romano
Laboratório de História
 
Império Romano
Império RomanoImpério Romano
Império Romano
Carlos Vieira
 
O urbanismo e arte romana
O urbanismo e arte romanaO urbanismo e arte romana
O urbanismo e arte romana
Carla Teixeira
 
A cultura do belo ii
A cultura do belo iiA cultura do belo ii
A cultura do belo ii
cattonia
 
O império romano
O império romanoO império romano
O império romano
JoTita Gonçalves
 
1grega
1grega1grega
O mundo romano no apogeu do império
O mundo romano no apogeu do impérioO mundo romano no apogeu do império
O mundo romano no apogeu do império
HizqeelMajoka
 
Roma Aspecto Culturais
Roma Aspecto CulturaisRoma Aspecto Culturais
Roma Aspecto Culturais
Kely Cristina Metzker
 

Semelhante a Roma1 120103075852-phpapp01 (20)

Roma antiga
Roma antigaRoma antiga
Roma antiga
 
A civilização romana
A civilização romana  A civilização romana
A civilização romana
 
civilização romana.pdf
civilização romana.pdfcivilização romana.pdf
civilização romana.pdf
 
O Império Romano
O Império RomanoO Império Romano
O Império Romano
 
A civilização romana
A civilização romanaA civilização romana
A civilização romana
 
Civilização romana
Civilização romanaCivilização romana
Civilização romana
 
civilização-romana.ppt
civilização-romana.pptcivilização-romana.ppt
civilização-romana.ppt
 
ROMANOS.pptx
ROMANOS.pptxROMANOS.pptx
ROMANOS.pptx
 
Roma imperial.ppt
Roma imperial.pptRoma imperial.ppt
Roma imperial.ppt
 
Os romanos
Os romanosOs romanos
Os romanos
 
Roma Imperial
Roma ImperialRoma Imperial
Roma Imperial
 
Império romano
Império romanoImpério romano
Império romano
 
Guia de estudo n.º 2 O Modelo Romano
Guia de estudo n.º 2 O Modelo RomanoGuia de estudo n.º 2 O Modelo Romano
Guia de estudo n.º 2 O Modelo Romano
 
Império Romano
Império RomanoImpério Romano
Império Romano
 
O urbanismo e arte romana
O urbanismo e arte romanaO urbanismo e arte romana
O urbanismo e arte romana
 
A cultura do belo ii
A cultura do belo iiA cultura do belo ii
A cultura do belo ii
 
O império romano
O império romanoO império romano
O império romano
 
1grega
1grega1grega
1grega
 
O mundo romano no apogeu do império
O mundo romano no apogeu do impérioO mundo romano no apogeu do império
O mundo romano no apogeu do império
 
Roma Aspecto Culturais
Roma Aspecto CulturaisRoma Aspecto Culturais
Roma Aspecto Culturais
 

Último

Fernão Lopes. pptx
Fernão Lopes.                       pptxFernão Lopes.                       pptx
Fernão Lopes. pptx
TomasSousa7
 
Slide de biologia aula2 2 bimestre no ano de 2024
Slide de biologia aula2  2 bimestre no ano de 2024Slide de biologia aula2  2 bimestre no ano de 2024
Slide de biologia aula2 2 bimestre no ano de 2024
vinibolado86
 
Aula Contrato Individual de Trabalho .pdf
Aula Contrato Individual de Trabalho .pdfAula Contrato Individual de Trabalho .pdf
Aula Contrato Individual de Trabalho .pdf
Pedro Luis Moraes
 
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdfOS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
AmiltonAparecido1
 
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdfUFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
Manuais Formação
 
Pintura Romana .pptx
Pintura Romana                     .pptxPintura Romana                     .pptx
Pintura Romana .pptx
TomasSousa7
 
slides de Didática 2.pdf para apresentar
slides de Didática 2.pdf para apresentarslides de Didática 2.pdf para apresentar
slides de Didática 2.pdf para apresentar
JoeteCarvalho
 
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdfA QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
AurelianoFerreirades2
 
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptxSlides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Atpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptx
Atpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptxAtpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptx
Atpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptx
joaresmonte3
 
REGULAMENTO DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
REGULAMENTO  DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...REGULAMENTO  DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
REGULAMENTO DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
Eró Cunha
 
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões.          pptxRimas, Luís Vaz de Camões.          pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
TomasSousa7
 
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
LeticiaRochaCupaiol
 
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdfUFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
Manuais Formação
 
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
fran0410
 
As sequências didáticas: práticas educativas
As sequências didáticas: práticas educativasAs sequências didáticas: práticas educativas
As sequências didáticas: práticas educativas
rloureiro1
 
Leonardo da Vinci .pptx
Leonardo da Vinci                  .pptxLeonardo da Vinci                  .pptx
Leonardo da Vinci .pptx
TomasSousa7
 
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptxCartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Zenir Carmen Bez Trombeta
 
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptxRedação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
DECIOMAURINARAMOS
 
AULA-001---AS-CELULAS_5546dad041b949bbb7b1f0fa841a6d1f.pdf
AULA-001---AS-CELULAS_5546dad041b949bbb7b1f0fa841a6d1f.pdfAULA-001---AS-CELULAS_5546dad041b949bbb7b1f0fa841a6d1f.pdf
AULA-001---AS-CELULAS_5546dad041b949bbb7b1f0fa841a6d1f.pdf
SthafaniHussin1
 

Último (20)

Fernão Lopes. pptx
Fernão Lopes.                       pptxFernão Lopes.                       pptx
Fernão Lopes. pptx
 
Slide de biologia aula2 2 bimestre no ano de 2024
Slide de biologia aula2  2 bimestre no ano de 2024Slide de biologia aula2  2 bimestre no ano de 2024
Slide de biologia aula2 2 bimestre no ano de 2024
 
Aula Contrato Individual de Trabalho .pdf
Aula Contrato Individual de Trabalho .pdfAula Contrato Individual de Trabalho .pdf
Aula Contrato Individual de Trabalho .pdf
 
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdfOS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
 
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdfUFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
 
Pintura Romana .pptx
Pintura Romana                     .pptxPintura Romana                     .pptx
Pintura Romana .pptx
 
slides de Didática 2.pdf para apresentar
slides de Didática 2.pdf para apresentarslides de Didática 2.pdf para apresentar
slides de Didática 2.pdf para apresentar
 
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdfA QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
 
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptxSlides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
 
Atpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptx
Atpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptxAtpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptx
Atpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptx
 
REGULAMENTO DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
REGULAMENTO  DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...REGULAMENTO  DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
REGULAMENTO DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
 
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões.          pptxRimas, Luís Vaz de Camões.          pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
 
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
 
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdfUFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
 
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
 
As sequências didáticas: práticas educativas
As sequências didáticas: práticas educativasAs sequências didáticas: práticas educativas
As sequências didáticas: práticas educativas
 
Leonardo da Vinci .pptx
Leonardo da Vinci                  .pptxLeonardo da Vinci                  .pptx
Leonardo da Vinci .pptx
 
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptxCartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
 
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptxRedação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
 
AULA-001---AS-CELULAS_5546dad041b949bbb7b1f0fa841a6d1f.pdf
AULA-001---AS-CELULAS_5546dad041b949bbb7b1f0fa841a6d1f.pdfAULA-001---AS-CELULAS_5546dad041b949bbb7b1f0fa841a6d1f.pdf
AULA-001---AS-CELULAS_5546dad041b949bbb7b1f0fa841a6d1f.pdf
 

Roma1 120103075852-phpapp01

  • 2. LOCALIZAÇÃO NO ESPAÇO Península Itálica África Europa Ásia Mar Tirreno Mar Adriátrico
  • 3. AS CONQUISTAS ROMANAS MOTIVOS DA EXPANSÃO ROMANA Procura de Segurança Interesses Económicos Necessidades de Mão-de-Obra Desejo de Prestígio
  • 5. Meios de integração dos povos dominados Concessão de cidadania a todos os homens livres do Império – todos são cidadãos romanos Construção de obras públicas: teatros templos, termas, fóruns, sistemas de saneamento básico Urbanismo: todas as cidades do império eram traçadas segundo o mesmo modelo, praça central (fórum) a partir da qual se desenvolvia a cidade Rede de estradas “todos os caminhos vão dar a Roma”, para facilitar as deslocações dos soldados, comerciantes e funcionários Administração: Divisão do império em províncias para melhor o governar Leis: são aplicadas a todo o império, concessão do direito de cidadania a todos os habitantes do império Língua: Latim tornou-se a língua oficial do império Exército: bem organizado e disciplinado, ficava a garantir a segurança nos territórios conquistados , pax romana conseguida pela força das armas
  • 7. O SENADO  fulcral na vida política romana  Inicialmente com funções consultivas, foi ganhando espaço e dominou assuntos da vida pública com caráter deliberativo e normativo (decisões de guerra e paz, administração de finanças, ordem pública, etc.)
  • 8. Augusto (1º Imperador Romano) PODERES DO IMPERADOR Octávio César Augusto (63 a.C. – 14 d. C.) (sucessor de Júlio César, constrói a época de ouro da civilização romana: “século de augusto”) Tinha todos os poderes  Comandante do exército (estabeleceu a ordem)  Pontifex maximus – supremo sacerdote  Principal responsável pela administração pública, finanças e política externa  Cunhagem da moeda  Poder de veto – alterar as decisões do senado  Apaziguou conflitos sociais Considerado figura sagrada, adorado por todos os romanos, contribuiu para a manutenção e união do Império
  • 9. GRUPOS SOCIAIS ROMANOS ESCRAVOS Ordem Senatorial Sociedade estratificada e hierarquizada: - posição social era determinada pela origem familiar e pela fortuna - Havia mobilidade social, conforme se enriquecia ou empobrecia
  • 10. SOCIEDADE ROMANA Homens Livres Homens não Livres Ordem Senatorial - formada por senadores, grandes proprietários rurais e eram os únicos que exerciam cargos políticos Ordem Equestre – exerciam cargos políticos e administrativos e também alguns ao comércio Plebe: Plebe rural (camponeses) e plebe urbana (artesãos, comerciantes). Existia também os servos libertos Escravos: Antigos prisioneiros de guerra. Desempenhavam todo o tipo de tarefas, mas em especial nos campos, nas minas e nas obras públicas. Os escravos de origem grega eram muito valorizados como pedagogos (professores).
  • 11. Villae Romana (residência de Verão e/ou Rural) A vida quotidiana O dia-a-dia dos romanos variava da classe social a que pertencia:  Os ricos:  Participavam na vida política,  Viviam em grandes casas, palácios ou no campo nas villae estas possuíam pátio interior, jardins, paredes revestidas de mármore, chão de mosaicos, paredes pintadas com frescos
  • 12. Os pobres: a plebe/ escravos  Viviam em prédios de apartamentos de vários andares, paredes feitas de madeira, sem condições - as insullae  Nestes prédios viviam várias famílias, não tinham água, esgotos, cozinha ou casa de banho
  • 13.  Alimentavam se com iguarias vindas de todas as partes do império: carne, peixe, vinho de várias qualidades, etc  Realizavam ou participavam em grandes banquetes – onde chegavam a apresentar dezenas de pratos Alimentação Os ricos Os pobres Refeições simples compostas por pão, feijão , algum peixe ou carne e fruta Os desempregados recebiam cereais, azeite e vinho do Imperador e de famílias ricas
  • 14.  Assistiam a espectáculos – teatro, circo ( onde assistiam a corridas puxadas por cavalos, lutas, jogos ), anfiteatro (lutas de gladiadores) …  Combate de gladiadores Corrida de Quadrigas - Hipódromo Os ricos  Trabalhavam de manhã à noite  Assistiam a espectáculos gratuitos nos anfiteatros e no circo Os pobres
  • 15. VIDA QUOTIDIANA EM ROMA O DIA-A-DIA DOS GRANDES SENHORES Anfiteatro Romano (Luta de Gladiadores) Banquete Romano
  • 16. Os ricos - Frequentavam as termas ( centro da vida social, local de encontro e lazer) - estas possuíam várias piscinas com água a diferentes temperaturas, salas para prática de exercício físico, leitura ou massagens Abertas de manhã para as mulheres e à tarde para os homens
  • 17. O Direito Romano Tribunal Romano em Asterix
  • 18. O Direito Romano - Os Romanos inventaram o Direito Direito - Conjunto de Leis ou Normas que regulam as instituições entre os cidadãos e entre os cidadãos e o Estado. - Como o Império era extenso e muito diferente entre si tornou-se necessário dotá- lo de leis iguais para todos. XII Tábuas primeiro código de leis
  • 19. A Literatura Os Romanos desenvolveram:  Poesia - Virgílio, Ovídio, Horácio  Comédia – Plauto  História – Tucídides,Tito Lívio e Cícero – enaltecer os feitos dos romanos  Oratória - Arte de como falar  em público – Cícero Virgílio Plauto
  • 20. O Urbanismo  Os romanos inventaram e desenvolveram o urbanismo Urbanismo - Planeamento do espaço urbano de acordo com as necessidades dos seus habitantes. Cidades romanas obedeciam a um traçado de ruas rigoroso e perpendicular.
  • 21. O Urbanismo As cidades organizavam-se de forma idêntica em todo o império, o que contribuiu para a uniformização progressiva dos hábitos de vida no mundo romano.
  • 23. O Urbanismo  Principais construções romanas: - Fórum – era o centro da cidade, onde se encontravam os edifícios públicos. Fórum Romano Reconstituição
  • 24. O Urbanismo - Templos, Teatro, Anfiteatro, Circo, Es gotos, Hipódromo, Bibliotecas, Termas, Arco de Triunfo, Colunas Comemorativas. Principais construções romanas:
  • 25. Para proporcionar água destinada ao consumo e à limpeza, a cidade de Roma era provida de 14 grandes aquedutos que traziam água de fontes distantes através de condutos subterrâneos ou suspensos. No início da era cristã, eles proporcionavam à cidade cerca de 200 milhões de litros de água por dia. Todos os cuidados com a água, esgoto, asseio pessoal e limpeza da cidade certamente contribuíram muito para preservar os romanos de doenças. AQUEDUTO
  • 26. Guiados pelo bom senso, os romanos deram grande importância aos cuidados sanitários e de higiene. Havia um sistema de esgotos na cidade de Roma que não foi ultrapassado por qualquer sistema semelhante no mundo todo, até o século XIX . Os esgotos eram levados em condutos subterrâneos até um local, a cloaca máxima, onde eram lançados no rio Tibre. Além de casas de banho nas casas, havia sanitários públicos, alguns deles muito luxuosos, todos equipados com água corrente. Para os cuidados sanitários, as casas luxuosas dispunham de banhos privativos, com água canalizada mas os pobres tinham que utilizar as latrinas e as termas públicas, como os banhos de Caracalla, capazes de acomodar mil e seiscentas pessoas de cada vez, ou os de Diocleciano, com três mil quartos de banho. Isso mostra que o asseio era uma prática generalizada, em Roma. Os Romanos passavam muito tempo mas termas ou banhos públicos. Estes eram, simultaneamente locais para cuidar da higiene do corpo e locais de encontro e de convívio. Para além das piscinas de água quente e fria, algumas termas tinham também edifícios anexos com ginásios, estádio, bibliotecas, lojas, etc. Em 33 a.C., já existiam 170 banhos públicos em Roma.
  • 27. Os Romanos em Portugal  A maior Herança Romana: o latim do qual descende o português.
  • 28. Os Romanos na Península Ibérica Vias Romanas Províncias Romanas
  • 29. Os Romanos trouxeram muitas inovações que foram alterando o modo de vida dos povos peninsulares: novas culturas como a vinha e a oliveira; exploração de minas; desenvolvimento de indústrias como a salga de peixe, olaria e tecelagem;  novos materiais de construção como as telhas, os tijolos e os mosaicos; novos utensílios como ânforas, talhas, candeias, jóias; o uso generalizado da moeda para o comércio; uma rede de estradas e pontes para unir as diversas cidades a Roma e facilitar a circulação do exército e das mercadorias; novas cidades com teatros, templos, balneários públicos com água quente (termas), aquedutos, monumentos; um novo tipo de casa, coberta com telha, jardins interiores, repuxos de água, mosaico a cobrir o chão; uso do latim como língua falada na Península e que está na base das línguas latinas (português, espanhol, francês, italiano, romeno); uso da numeração romana; a partir do século IV, o Cristianismo passou a ser a religião oficial de todo o Império Romano. A estas transformações da paisagem e modo de vida dos povos peninsulares por influência dos Romanos chamamos Romanização •
  • 31. Arquitectura Romana Características  Funcionalidade - Carácter prático e utilitário  Monumentalidade  Arco de volta perfeita  Abóbada de berço  Cúpulas  Herança Grega: Colunas – Ex: templos
  • 32. Arquitectura Romana  Novidade: Arco de Volta Perfeita
  • 34. Arquitectura Romana  Novidades: Cúpula Vista Exterior Vista Interior Panteão Romano
  • 35. Arquitectura Romana  Outra característica da arquitectura romana é o seu carácter triunfal. Arco de Triunfo
  • 36. Arquitectura Romana  Outro exemplo do carácter triunfal da arquitectura romana é a construção de colunas. Coluna de Trajano
  • 38. A Escultura Romana CARACTERÍSTICAS  Realismo  Retrato  Estátuas Equestres: movimento, rigor anatómico  Utilização do relevo: como forma de glorificar os feitos do Imperador
  • 39. A Escultura Romana Busto do general romano Cipião, o Africano  Novidades Romanas: - Retrato; - Características - Realismo Retrato/Busto Romano
  • 40. A Escultura Romana  Novidade Romana: - Estátuas Equestres. Estátua Equestre do Imperador Marco António
  • 41. A Escultura Romana  Quais as influências gregas visíveis na Imagem? - Rigor anatómico; - Idealismo. Estátua do Imperador César Augusto
  • 42. A Escultura Romana  Utilização do relevo. Aqui o relevo tem por objectivo narrar, exaltar, glorificar os feitos do Imperador. A coluna de Trajano é ainda um monumento funerário. Pormenor da Coluna de Trajano
  • 44. Características  Pintura mural, a fresco nas paredes interiores  Representação de Cenas quotidianas;  Representação de Cenas Mitológicas. Pintura Romana
  • 46. Mosaicos Romanos  Mosaico Romano: efeito de cobertura.  Cenas da vida quotidiana, mitologia Mosaico Romano