SlideShare uma empresa Scribd logo
IMPÉRIO ROMANO
Povoamento
Origem de Roma
 Povoamento da Península Itálica, notadamente
de uma planície situada na região centro-
oriental, o Lácio
 Autóctones: lígures, ao norte e sículos, ao sul
 Invasão indo-européia: Italiotas (latinos,
sabinos, volcos e os samnitas)
 Após a segunda diáspora, a região foi
largamente ocupada pelos povos oriundos dos
Bálcãs (influencia grega na formação original de
Roma)
Formação
 Necessidade dos povos do Lácio se proteger
contra as ofensivas dos trucos
 Desenvolve-se um núcleo urbano em torno da
fortificação militar, as margens do rio Tibre, que
acabou por dar origem a Roma
Mito da formação
 A obra Eneida, do poeta Virgílio, narra a origem
de Roma através da história dos gêmeos
Rômulo e Remo, descendentes de Enéas, herói
de Tróia, que foram criados pela loba romana
 Estima-se que a fundação de Roma se deu em
meados do séc. VIII a.C. (753 a.C.)
Lenda
 Na cidade de Alba Longa, depois de uma disputa pelo poder,
Amúlio tirou o trono de seu irmão, o então rei Numitor. Acontece
que a filha de Numitor, Réia Sìlvia, foi obrigada a ser vestal, ou seja,
estava impossibilitada de ter filhos que pudessem posteriormente
reclamar o trono que havia sido de seu avô, já que as vestais eram
obrigadas a permanecer virgens. Só que o deus Marte acabou
ficando apaixonado pela Réia Sílvia e com ela teve dois filhos, que
por acaso eram gêmeos. Ao saber disso, Amúlio mandou enterrar
Réia Sílvia viva e que os gêmeos fossem jogados no rio Tibre.
Lançados ao rio dentro de um grande cesto, eles acabam sendo
encontrados e amamentados por uma loba e depois criados por
um pastor, que lhes dá o nome de Rômulo e Remo. Eles acabm
voltando até a cidade de Alba Longa e depois de devolverem o
trono ao seu avô, decidem escolher um local para fundarem uma
nova cidade. Rômulo acha o local e o demarca com um arado,
fazendo uma marca no chão. Remo acha graça disso e acaba
perturbando seu irmão, que o mata. Apesar de todos esses crimes,
a cidade estaria iniciada.
ROMA ANTIGAséculos:
III d.C.
I
VI
VII a.C.
JC
fases:
MONARQUIA
• fundação de Roma (latinos)
• divisão social:
patrícios, plebeus e escravos
REPÚBLICA
• Senado e magistraturas: patrícios
• lutas sociais: concessões à plebe
• expansão territorial e crise política
IMPÉRIO
BAIXO IMPÉRIO:
• declínio e queda
ALTO IMPÉRIO:
• auge da civilização romana
Economia
 Forma de sobrevivência: agricultura e
pastoreio
 Terra, grande fonte de riqueza
A sociedade
 Patrícios: Elite de proprietários, agrupavam-se
em gens.
O nome patrícios deriva de pater, o mesmo radical
que designava os eupátridas na Grécia
 Plebeus: Massa de pequenos proprietários,
artesãos, comerciantes e camponeses
 Clientes: Ligavam-se a uma família de
patrícios. Clientela. Obrigações políticas,
militares e econômicas.
Monarquia
 Estrutura monárquica centralizada na figura do
Rei (Rex): Chefe supremo, sacerdote e juiz
 Conselho dos Anciãos (Senado): formado pelos
chefes das principais famílias patrícias
 Houveram sete reis no período monárquico
romano (lenda):
- 4 primeiros latinos
- 3 últimos etruscos
Reis Romanos
 Rômulo
 Numa Pompílio
 Túlio Hostílio
 Anco Márcio
 Tarquínio Prisco
 Sérvio Túlio
 Tarquínio, o Soberbo.
Reis Etruscos
 A figura dos reis etruscos reflete a disputa entre
as cidades-estados pela hegemonia pela
Península Itálica
 Tentaram limitar o poder patrício aliando-se a
setores populares (comerciantes que
enriqueceram em função da presença etrusca)
Reis Etruscos
 Tarquínio, o Antigo: O primeiro rei romano sobre
,o qual existe alguma documentação escrita.
Realizou grandes obras publicas
 Sérvio Túlio: edificou a primeira muralha de
Roma e estabeleceu uma constituição
censitária, dividindo a população em cinco
classes com base na renda
 Tarquínio, o Soberbo: O ultimo rei romano,
derrubado por uma revolta patrícia
Assembléia Centurial
 Roma era governada por reis escolhidos pela
Assembléia Centurial (193 centúrias) e cujo poder
era limitado pelo Senado. A Assembléia centurial
era formada por cidadãos em idade militar que,
além de escolher os reis, elaboravam e votavam
as leis. O Senado ou Conselho de Anciãos era um
órgão consultivo, que possuía o direito de aprovar
ou vetar as leis elaboradas pelo rei.
 Divisão solidificava o domínio oligárquico, que
incluía os comerciantes ricos, mesmo de origem
plebéia
Assembléia Centurial
 193 Centúrias
 Cada centúria tem direito a 1 voto
 Centúrias = companhias de soldados
 Os cidadãos custeavam seu próprio armamento
 2 primeiras classes (mais ricas) = 98 centúrias
(infantaria pesada e cavalaria)
 Restante = 95 centúrias, contavam com um
numero maior de homens para compensar as
deficiências no armamento
Revolta Patrícia (509 a.C.)
 Queda do ultimo rei etrusco
 Ao longo do governo dos três últimos reis etruscos,
a desigualdade entre patrícios e plebeus se
aprofundou. Os patrícios não cessavam de ampliar
o seu poder com o recrutamento de clientes
 Já havia um declínio do poderio etrusco na Itália
 Tentativa dos patrícios de resgatarem o monopólio
do poder político, ameaçadas pelas reformas dos
reis etruscos
 Cria-se a República
A República (509 – 27 a.C.)
 República, do latim res publica, ou ‘‘coisa
publica’’
 Governo dos cidadãos,porém não democrático
 Governo exclusivamente patrício
 Principal medida, eliminação do cargo de rei,
acabando com a concentração de poderes.
Magistratura
 Alta Magistratura:
Cônsules – Em número de dois, com mandato
anual, comandavam o exército e pela
administração (convocavam o Senado e
presidiam os cultos públicos)
 Pretores – Responsável pela execução das leis
e da justiça
 Censor – Elaborava o censo com base nas
riquezas e vigiava as condutas dos cidadãos
(escolhidos a cada 5 anos)
Magistratura
 Questor – Responsável pela área financeira.
 Edis – Responsáveis pelo policiamento, pelo
abastecimento e pela preservação das cidades
Senado
 Com o fim da concentração dos poderes
nenhum cargo administrativo estava acima do
Senado (formado por patrícios em caráter
vitalício)
 Controlava a administração,as finanças, os
assuntos militares, e exercia os Poderes
Legislativo e Judiciário
 Elegia os magistrados
 Nomeava um ditador em casos de calamidade
pública, com mandato de 6 meses, podendo ser
prorrogado por mais 6
Assembléia Centurial
 Passa a exercer somente um papel formal de
ratificador das decisões do Senado
 Os patrícios mantém o controle da maioria das
Centúrias e , consequentemente, das decisões
da Assembléia
Lutas Sociais
 A Republica se torna sinônimo de
marginalização da plebe
 A sociedade grega passa a conviver com
intensas lutas sociais entre patrícios e plebeus
Lutas Sociais
 Após 16 anos da instalação da Republica, os
plebeus travaram 3 anos de batalha contra os
patrícios, afim de ampliar sua margem de
participação nas decisões políticas
 Os plebeus retiraram-se para o Monte Sagrado:
a primeira greve social documentada
Importância social dos plebeus
 Mão de obra essencialmente representada por
plebeus
 As centúrias plebéias, muito numerosas, eram
usadas como instrumento de primeiro combate,
servindo para desorganizar o adversário para só
então sobrevir o ataque das centúrias patrícias
 As ameaças externas e as necessidades
econômicas fazem os patrícios cederem
parcialmente as exigências
Conquistas da Plebe
 Os plebeus obtinham os tribunos da plebe,
representantes políticos da plebe com poderes
de vetar as decisões do Senado (490 a.C.)
 Concilia Plebis ou Assembléia da Plebe,
composta por plebeus com função de eleger
seus magistrados (471 a.C.)
 Lei das Doze Tábuas, compilação escrita das
leis até então orais em Roma e afixadas nas
paredes do Fórum (450 a.C.)
Conquistas da Plebe
 Suspensão do casamento entre patrícios e
plebeus (445 a.C.)
Outras conquistas:
 Leis Licínia-Sextia (367 a.C.) que aboliram a
escravidão por divida, franquearam aos plebeus
a posse das terras do Estado e estabeleceram a
obrigatoriedade de um dos cônsules ser sempre
plebeu
Conquistas da Plebe
 Em 286 a.C., as lei votadas pela Assembléia da
Plebe passam a ter validade para todo o Estado
romano (plebiscito)
A formação do Estado Itálico (395-270 a.C.)
 Marco inicial: vitória sobre os etruscos em 395
a.C. e a anexação da Etrúria aos domínios
romanos
 Expansão de caráter defensivo, a fim de
eliminar inimigos potencialmente perigosos
(Batalhas contra Pirro, Rei do Épiro)
 Vitória sobre os etruscos e sobre os gauleses
desencadeou uma reação em cadeia
 Livres dos principais adversários que tinham na
península, domina do norte da Itália até as
regiões da Sicília, rivalizando com Cartago
Guerras Púnicas
 Região de Cartago era chama da pelos
gregos de Punis = Guerras Púnicas (264-146
a.C.)
 3 confrontos (264; 202 e 146 a.C.), todos
vencidos pelos romanos, tendo o último
arrasado totalmente seu rival
Primeira Guerra (264-241 a.C.)
 Fruto da extensão do domínio romano à Sicília,
herdando a rivalidade entre Cartago e as
cidades da Magna Grécia
 Roma transforma-se em potencia terrestre e
naval, dominando as ilhas da Sicília, Córsega e
Sardenha
Segunda Guerra (219-202 a.C.)
 Aníbal,neutralizou toda a estrutura de defesa
romana invertendo toda lógica do ataque
 Ao perder grande parte de sua tropa no trajeto,
devido a difícil travessia dos Alpes e as intensas
batalhas contra os exércitos romanos, não teve
condições militares para invadir Roma
 Tropas romanas da Sicília invadem Cartago,
obrigando Aníbal a voltar
 Decisiva derrota na batalha de Zama
Segunda Guerra (219-202 a.C.)
 Roma controla os antigos domínios
cartagineses, incorporando à Península Ibérica,
o noroeste da África e o sul da França
Terceira Guerra (150-146 a.C.)
 Após a tentativa de reerguer-se, Cartago tem
sua sentença definitiva proferida pelo Senado
romano: delenga est Carthago
 Cartago foi devastada, seus habitantes mortos
ou vendidos como escravos, as ruínas levadas
ao mar e seu território declarado maldito,
salgado para que ali nada pudesse crescer
Controle do Mediterrâneo
 Após seguidas guerras Macedônia e Grécia
são transformadas em províncias (146 a.C.)
e o reino de Pérgamo, incorporado (133 a.C.)
 Conquista no ano I a.C. a Síria, o Egito e o
Ponto
 Mediterrâneo, mare nostrum
Transformações econômicas e sociais
 Aniquilação da pequena agricultura plebéia,
voltada essencialmente para a produção de
gêneros de consumo interno
 Vasto comércio ocupava o lugar da atividade
agrícola
 Classe dos pequenos proprietários tende a
desaparecer devido a concorrência das
províncias e ao latifúndio patrício, o qual tinha
seu crescimento fortemente baseado na mão de
obra escrava
Transformações econômicas e sociais
 Crescimento da escravidão = miséria da plebe
 Os plebeus endividados entregavam suas terras
aos patrícios para sanar seus débitos =
processo de concentração fundiária voltada a
uma produção extensiva de exportação
 Miséria da plebe = êxodo rural, concentrando
em Roma uma massa miserável (tensão social e
política)
Transformações econômicas e sociais
 Novo setor social de comerciantes plebeus
ricos, homens novos ou cavaleiros
 Marginalizados politicamente por serem plebeus
e adversários do Estado patrício por serem ricos
 O exército passa a ser profissional no séc. II
a.C., troca da estrutura centurial por uma força
militar permanente submetida a uma hierarquia
rígida, no topo da qual se achavam os generais
 O exército se torna uma força política a margem
da estrutura republicana, pois o general passa a
representar um poder extraordinário
Elementos que iniciaram a crise da
Republica
 Luta de plebeus miseráveis e escravos por
melhores condições de vida
+
Generais e homens novos em busca do poder
=
Guerras civis e lutas internas

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

A civilização romana
A civilização romanaA civilização romana
A civilização romana
Pedro Henriques
 
O expansionismo romano
O expansionismo romanoO expansionismo romano
O expansionismo romano
Laguat
 
Roma 1
Roma 1Roma 1
A civilização romana
A civilização romanaA civilização romana
A civilização romana
Paulo Alexandre
 
Império Romano - Ens. Médio
Império Romano - Ens. MédioImpério Romano - Ens. Médio
Império Romano - Ens. Médio
Daniel Alves Bronstrup
 
História (Roma)
História (Roma)História (Roma)
História (Roma)
Giorgia Marrone
 
Império romano
Império romanoImpério romano
Império romano
Vítor Santos
 
Os romanos
Os romanosOs romanos
Os romanos
Isabel Mendinhos
 
Roma a.C.
Roma a.C.Roma a.C.
Roma a.C.
Sofia Marques
 
A civilização romana
A civilização romana  A civilização romana
A civilização romana
eb23ja
 
Roma antiga
Roma antigaRoma antiga
Roma antiga
Valeria Kosicki
 
Monarquia Romana - Prof. Altair Aguilar
Monarquia Romana - Prof. Altair AguilarMonarquia Romana - Prof. Altair Aguilar
Monarquia Romana - Prof. Altair Aguilar
Altair Moisés Aguilar
 
O poder político em roma
O poder político em romaO poder político em roma
O poder político em roma
Carla Teixeira
 
Expansão romana
Expansão romanaExpansão romana
Expansão romana
nilmarfgalvao
 
Roma Antiga
Roma AntigaRoma Antiga
Roma Antiga
Norberto Correa
 
Roma
RomaRoma
Mundo Romano
Mundo RomanoMundo Romano
Mundo Romano
aninhaoliveeeira
 
A Civilização Romana
A Civilização RomanaA Civilização Romana
A Civilização Romana
Paulo Alexandre
 
Módulo 6 monarquia e república romanas 111 112-113
Módulo 6   monarquia e república romanas 111 112-113Módulo 6   monarquia e república romanas 111 112-113
Módulo 6 monarquia e república romanas 111 112-113
Edson
 

Mais procurados (19)

A civilização romana
A civilização romanaA civilização romana
A civilização romana
 
O expansionismo romano
O expansionismo romanoO expansionismo romano
O expansionismo romano
 
Roma 1
Roma 1Roma 1
Roma 1
 
A civilização romana
A civilização romanaA civilização romana
A civilização romana
 
Império Romano - Ens. Médio
Império Romano - Ens. MédioImpério Romano - Ens. Médio
Império Romano - Ens. Médio
 
História (Roma)
História (Roma)História (Roma)
História (Roma)
 
Império romano
Império romanoImpério romano
Império romano
 
Os romanos
Os romanosOs romanos
Os romanos
 
Roma a.C.
Roma a.C.Roma a.C.
Roma a.C.
 
A civilização romana
A civilização romana  A civilização romana
A civilização romana
 
Roma antiga
Roma antigaRoma antiga
Roma antiga
 
Monarquia Romana - Prof. Altair Aguilar
Monarquia Romana - Prof. Altair AguilarMonarquia Romana - Prof. Altair Aguilar
Monarquia Romana - Prof. Altair Aguilar
 
O poder político em roma
O poder político em romaO poder político em roma
O poder político em roma
 
Expansão romana
Expansão romanaExpansão romana
Expansão romana
 
Roma Antiga
Roma AntigaRoma Antiga
Roma Antiga
 
Roma
RomaRoma
Roma
 
Mundo Romano
Mundo RomanoMundo Romano
Mundo Romano
 
A Civilização Romana
A Civilização RomanaA Civilização Romana
A Civilização Romana
 
Módulo 6 monarquia e república romanas 111 112-113
Módulo 6   monarquia e república romanas 111 112-113Módulo 6   monarquia e república romanas 111 112-113
Módulo 6 monarquia e república romanas 111 112-113
 

Semelhante a Império romano 2011

Capítulo 9 - Roma Antiga
Capítulo 9 - Roma AntigaCapítulo 9 - Roma Antiga
Capítulo 9 - Roma Antiga
Marcos Antonio Grigorio de Figueiredo
 
Antiguidade clássica roma 7ano
Antiguidade clássica roma 7anoAntiguidade clássica roma 7ano
Antiguidade clássica roma 7ano
Leonardo Caputo
 
ROMA ANTIGA.pdf
ROMA ANTIGA.pdfROMA ANTIGA.pdf
ROMA ANTIGA.pdf
GEILSONJOSEDASILVA
 
3° ano - Civilização Romana - aula 1
3° ano - Civilização Romana - aula 13° ano - Civilização Romana - aula 1
3° ano - Civilização Romana - aula 1
Daniel Alves Bronstrup
 
Roma prof. andre teixeira
Roma prof. andre teixeiraRoma prof. andre teixeira
Roma prof. andre teixeira
Tâmara Almeida
 
Os romanos por Rafael Ascari
Os romanos por Rafael AscariOs romanos por Rafael Ascari
Os romanos por Rafael Ascari
Ócio do Ofício
 
Roma antiga-resumo-ilustrado
Roma antiga-resumo-ilustradoRoma antiga-resumo-ilustrado
Roma antiga-resumo-ilustrado
Marcio Cicchelli
 
Apresentaçãohistdir11
Apresentaçãohistdir11Apresentaçãohistdir11
ROMA
ROMAROMA
Apresentaçãohistdir12
Apresentaçãohistdir12Apresentaçãohistdir12
PPT - Civilização Romana
PPT - Civilização RomanaPPT - Civilização Romana
PPT - Civilização Romana
josafaslima
 
Koneski Aula império Romano
 Koneski Aula império Romano Koneski Aula império Romano
Koneski Aula império Romano
Tavinho Koneski Westphal
 
Civilização romana
Civilização romanaCivilização romana
Civilização romana
Ócio do Ofício
 
ImpéRio Romano Blog
ImpéRio Romano BlogImpéRio Romano Blog
ImpéRio Romano Blog
vaniareginahistoria1
 
ImpéRio Romano Blog
ImpéRio Romano BlogImpéRio Romano Blog
ImpéRio Romano Blog
vaniareginahistoria1
 
ImpéRio Romano Blog
ImpéRio Romano BlogImpéRio Romano Blog
ImpéRio Romano Blog
vaniareginahistoria1
 
Roma Antiga
Roma AntigaRoma Antiga
Roma Antiga
Jonathan Alves
 
Roma antiga
Roma antigaRoma antiga
Roma antiga
Carlos Zaranza
 
Roma antiga
Roma antigaRoma antiga
Roma antiga
Carlos Zaranza
 
Roma antiga fundação e monarquia
Roma antiga   fundação e monarquiaRoma antiga   fundação e monarquia
Roma antiga fundação e monarquia
Nelia Salles Nantes
 

Semelhante a Império romano 2011 (20)

Capítulo 9 - Roma Antiga
Capítulo 9 - Roma AntigaCapítulo 9 - Roma Antiga
Capítulo 9 - Roma Antiga
 
Antiguidade clássica roma 7ano
Antiguidade clássica roma 7anoAntiguidade clássica roma 7ano
Antiguidade clássica roma 7ano
 
ROMA ANTIGA.pdf
ROMA ANTIGA.pdfROMA ANTIGA.pdf
ROMA ANTIGA.pdf
 
3° ano - Civilização Romana - aula 1
3° ano - Civilização Romana - aula 13° ano - Civilização Romana - aula 1
3° ano - Civilização Romana - aula 1
 
Roma prof. andre teixeira
Roma prof. andre teixeiraRoma prof. andre teixeira
Roma prof. andre teixeira
 
Os romanos por Rafael Ascari
Os romanos por Rafael AscariOs romanos por Rafael Ascari
Os romanos por Rafael Ascari
 
Roma antiga-resumo-ilustrado
Roma antiga-resumo-ilustradoRoma antiga-resumo-ilustrado
Roma antiga-resumo-ilustrado
 
Apresentaçãohistdir11
Apresentaçãohistdir11Apresentaçãohistdir11
Apresentaçãohistdir11
 
ROMA
ROMAROMA
ROMA
 
Apresentaçãohistdir12
Apresentaçãohistdir12Apresentaçãohistdir12
Apresentaçãohistdir12
 
PPT - Civilização Romana
PPT - Civilização RomanaPPT - Civilização Romana
PPT - Civilização Romana
 
Koneski Aula império Romano
 Koneski Aula império Romano Koneski Aula império Romano
Koneski Aula império Romano
 
Civilização romana
Civilização romanaCivilização romana
Civilização romana
 
ImpéRio Romano Blog
ImpéRio Romano BlogImpéRio Romano Blog
ImpéRio Romano Blog
 
ImpéRio Romano Blog
ImpéRio Romano BlogImpéRio Romano Blog
ImpéRio Romano Blog
 
ImpéRio Romano Blog
ImpéRio Romano BlogImpéRio Romano Blog
ImpéRio Romano Blog
 
Roma Antiga
Roma AntigaRoma Antiga
Roma Antiga
 
Roma antiga
Roma antigaRoma antiga
Roma antiga
 
Roma antiga
Roma antigaRoma antiga
Roma antiga
 
Roma antiga fundação e monarquia
Roma antiga   fundação e monarquiaRoma antiga   fundação e monarquia
Roma antiga fundação e monarquia
 

Mais de BriefCase

Evolução
EvoluçãoEvolução
Evolução
BriefCase
 
Biomas
Biomas Biomas
Biomas
BriefCase
 
White Fang Jack London
White Fang  Jack LondonWhite Fang  Jack London
White Fang Jack London
BriefCase
 
República brasileira
República brasileiraRepública brasileira
República brasileira
BriefCase
 
Nazismo na Alemanha 2010
Nazismo na Alemanha   2010Nazismo na Alemanha   2010
Nazismo na Alemanha 2010
BriefCase
 
Totalitarismo
TotalitarismoTotalitarismo
Totalitarismo
BriefCase
 
Resumo Sistema Nervoso
Resumo Sistema NervosoResumo Sistema Nervoso
Resumo Sistema Nervoso
BriefCase
 
Questão Palestina
Questão PalestinaQuestão Palestina
Questão Palestina
BriefCase
 
Guerra Fria
Guerra FriaGuerra Fria
Guerra Fria
BriefCase
 
Grandes grupos-vegetais Exercícios
Grandes grupos-vegetais ExercíciosGrandes grupos-vegetais Exercícios
Grandes grupos-vegetais Exercícios
BriefCase
 
Funções quimica organica
Funções quimica organicaFunções quimica organica
Funções quimica organica
BriefCase
 
Enzimas aspectos gerais
Enzimas aspectos geraisEnzimas aspectos gerais
Enzimas aspectos gerais
BriefCase
 
Resumão Dom Casmurro
Resumão Dom CasmurroResumão Dom Casmurro
Resumão Dom Casmurro
BriefCase
 
República Oligárquica
República OligárquicaRepública Oligárquica
República Oligárquica
BriefCase
 
Egito, Palestina e Grécia
Egito, Palestina e GréciaEgito, Palestina e Grécia
Egito, Palestina e Grécia
BriefCase
 
Baixa Idade Média, Idade Moderna e Colônia portuguesa
Baixa Idade Média, Idade Moderna e Colônia portuguesaBaixa Idade Média, Idade Moderna e Colônia portuguesa
Baixa Idade Média, Idade Moderna e Colônia portuguesa
BriefCase
 
As reformas religiosas
As reformas religiosasAs reformas religiosas
As reformas religiosas
BriefCase
 
A Idade Média
A Idade MédiaA Idade Média
A Idade Média
BriefCase
 
A economia mineradora
A economia mineradoraA economia mineradora
A economia mineradora
BriefCase
 
A Baixa Idade Média
A Baixa Idade MédiaA Baixa Idade Média
A Baixa Idade Média
BriefCase
 

Mais de BriefCase (20)

Evolução
EvoluçãoEvolução
Evolução
 
Biomas
Biomas Biomas
Biomas
 
White Fang Jack London
White Fang  Jack LondonWhite Fang  Jack London
White Fang Jack London
 
República brasileira
República brasileiraRepública brasileira
República brasileira
 
Nazismo na Alemanha 2010
Nazismo na Alemanha   2010Nazismo na Alemanha   2010
Nazismo na Alemanha 2010
 
Totalitarismo
TotalitarismoTotalitarismo
Totalitarismo
 
Resumo Sistema Nervoso
Resumo Sistema NervosoResumo Sistema Nervoso
Resumo Sistema Nervoso
 
Questão Palestina
Questão PalestinaQuestão Palestina
Questão Palestina
 
Guerra Fria
Guerra FriaGuerra Fria
Guerra Fria
 
Grandes grupos-vegetais Exercícios
Grandes grupos-vegetais ExercíciosGrandes grupos-vegetais Exercícios
Grandes grupos-vegetais Exercícios
 
Funções quimica organica
Funções quimica organicaFunções quimica organica
Funções quimica organica
 
Enzimas aspectos gerais
Enzimas aspectos geraisEnzimas aspectos gerais
Enzimas aspectos gerais
 
Resumão Dom Casmurro
Resumão Dom CasmurroResumão Dom Casmurro
Resumão Dom Casmurro
 
República Oligárquica
República OligárquicaRepública Oligárquica
República Oligárquica
 
Egito, Palestina e Grécia
Egito, Palestina e GréciaEgito, Palestina e Grécia
Egito, Palestina e Grécia
 
Baixa Idade Média, Idade Moderna e Colônia portuguesa
Baixa Idade Média, Idade Moderna e Colônia portuguesaBaixa Idade Média, Idade Moderna e Colônia portuguesa
Baixa Idade Média, Idade Moderna e Colônia portuguesa
 
As reformas religiosas
As reformas religiosasAs reformas religiosas
As reformas religiosas
 
A Idade Média
A Idade MédiaA Idade Média
A Idade Média
 
A economia mineradora
A economia mineradoraA economia mineradora
A economia mineradora
 
A Baixa Idade Média
A Baixa Idade MédiaA Baixa Idade Média
A Baixa Idade Média
 

Império romano 2011

  • 2. Origem de Roma  Povoamento da Península Itálica, notadamente de uma planície situada na região centro- oriental, o Lácio  Autóctones: lígures, ao norte e sículos, ao sul  Invasão indo-européia: Italiotas (latinos, sabinos, volcos e os samnitas)  Após a segunda diáspora, a região foi largamente ocupada pelos povos oriundos dos Bálcãs (influencia grega na formação original de Roma)
  • 3. Formação  Necessidade dos povos do Lácio se proteger contra as ofensivas dos trucos  Desenvolve-se um núcleo urbano em torno da fortificação militar, as margens do rio Tibre, que acabou por dar origem a Roma
  • 4. Mito da formação  A obra Eneida, do poeta Virgílio, narra a origem de Roma através da história dos gêmeos Rômulo e Remo, descendentes de Enéas, herói de Tróia, que foram criados pela loba romana  Estima-se que a fundação de Roma se deu em meados do séc. VIII a.C. (753 a.C.)
  • 5. Lenda  Na cidade de Alba Longa, depois de uma disputa pelo poder, Amúlio tirou o trono de seu irmão, o então rei Numitor. Acontece que a filha de Numitor, Réia Sìlvia, foi obrigada a ser vestal, ou seja, estava impossibilitada de ter filhos que pudessem posteriormente reclamar o trono que havia sido de seu avô, já que as vestais eram obrigadas a permanecer virgens. Só que o deus Marte acabou ficando apaixonado pela Réia Sílvia e com ela teve dois filhos, que por acaso eram gêmeos. Ao saber disso, Amúlio mandou enterrar Réia Sílvia viva e que os gêmeos fossem jogados no rio Tibre. Lançados ao rio dentro de um grande cesto, eles acabam sendo encontrados e amamentados por uma loba e depois criados por um pastor, que lhes dá o nome de Rômulo e Remo. Eles acabm voltando até a cidade de Alba Longa e depois de devolverem o trono ao seu avô, decidem escolher um local para fundarem uma nova cidade. Rômulo acha o local e o demarca com um arado, fazendo uma marca no chão. Remo acha graça disso e acaba perturbando seu irmão, que o mata. Apesar de todos esses crimes, a cidade estaria iniciada.
  • 6. ROMA ANTIGAséculos: III d.C. I VI VII a.C. JC fases: MONARQUIA • fundação de Roma (latinos) • divisão social: patrícios, plebeus e escravos REPÚBLICA • Senado e magistraturas: patrícios • lutas sociais: concessões à plebe • expansão territorial e crise política IMPÉRIO BAIXO IMPÉRIO: • declínio e queda ALTO IMPÉRIO: • auge da civilização romana
  • 7. Economia  Forma de sobrevivência: agricultura e pastoreio  Terra, grande fonte de riqueza
  • 8. A sociedade  Patrícios: Elite de proprietários, agrupavam-se em gens. O nome patrícios deriva de pater, o mesmo radical que designava os eupátridas na Grécia  Plebeus: Massa de pequenos proprietários, artesãos, comerciantes e camponeses  Clientes: Ligavam-se a uma família de patrícios. Clientela. Obrigações políticas, militares e econômicas.
  • 9. Monarquia  Estrutura monárquica centralizada na figura do Rei (Rex): Chefe supremo, sacerdote e juiz  Conselho dos Anciãos (Senado): formado pelos chefes das principais famílias patrícias  Houveram sete reis no período monárquico romano (lenda): - 4 primeiros latinos - 3 últimos etruscos
  • 10. Reis Romanos  Rômulo  Numa Pompílio  Túlio Hostílio  Anco Márcio  Tarquínio Prisco  Sérvio Túlio  Tarquínio, o Soberbo.
  • 11. Reis Etruscos  A figura dos reis etruscos reflete a disputa entre as cidades-estados pela hegemonia pela Península Itálica  Tentaram limitar o poder patrício aliando-se a setores populares (comerciantes que enriqueceram em função da presença etrusca)
  • 12. Reis Etruscos  Tarquínio, o Antigo: O primeiro rei romano sobre ,o qual existe alguma documentação escrita. Realizou grandes obras publicas  Sérvio Túlio: edificou a primeira muralha de Roma e estabeleceu uma constituição censitária, dividindo a população em cinco classes com base na renda  Tarquínio, o Soberbo: O ultimo rei romano, derrubado por uma revolta patrícia
  • 13. Assembléia Centurial  Roma era governada por reis escolhidos pela Assembléia Centurial (193 centúrias) e cujo poder era limitado pelo Senado. A Assembléia centurial era formada por cidadãos em idade militar que, além de escolher os reis, elaboravam e votavam as leis. O Senado ou Conselho de Anciãos era um órgão consultivo, que possuía o direito de aprovar ou vetar as leis elaboradas pelo rei.  Divisão solidificava o domínio oligárquico, que incluía os comerciantes ricos, mesmo de origem plebéia
  • 14. Assembléia Centurial  193 Centúrias  Cada centúria tem direito a 1 voto  Centúrias = companhias de soldados  Os cidadãos custeavam seu próprio armamento  2 primeiras classes (mais ricas) = 98 centúrias (infantaria pesada e cavalaria)  Restante = 95 centúrias, contavam com um numero maior de homens para compensar as deficiências no armamento
  • 15. Revolta Patrícia (509 a.C.)  Queda do ultimo rei etrusco  Ao longo do governo dos três últimos reis etruscos, a desigualdade entre patrícios e plebeus se aprofundou. Os patrícios não cessavam de ampliar o seu poder com o recrutamento de clientes  Já havia um declínio do poderio etrusco na Itália  Tentativa dos patrícios de resgatarem o monopólio do poder político, ameaçadas pelas reformas dos reis etruscos  Cria-se a República
  • 16. A República (509 – 27 a.C.)  República, do latim res publica, ou ‘‘coisa publica’’  Governo dos cidadãos,porém não democrático  Governo exclusivamente patrício  Principal medida, eliminação do cargo de rei, acabando com a concentração de poderes.
  • 17. Magistratura  Alta Magistratura: Cônsules – Em número de dois, com mandato anual, comandavam o exército e pela administração (convocavam o Senado e presidiam os cultos públicos)  Pretores – Responsável pela execução das leis e da justiça  Censor – Elaborava o censo com base nas riquezas e vigiava as condutas dos cidadãos (escolhidos a cada 5 anos)
  • 18. Magistratura  Questor – Responsável pela área financeira.  Edis – Responsáveis pelo policiamento, pelo abastecimento e pela preservação das cidades
  • 19. Senado  Com o fim da concentração dos poderes nenhum cargo administrativo estava acima do Senado (formado por patrícios em caráter vitalício)  Controlava a administração,as finanças, os assuntos militares, e exercia os Poderes Legislativo e Judiciário  Elegia os magistrados  Nomeava um ditador em casos de calamidade pública, com mandato de 6 meses, podendo ser prorrogado por mais 6
  • 20. Assembléia Centurial  Passa a exercer somente um papel formal de ratificador das decisões do Senado  Os patrícios mantém o controle da maioria das Centúrias e , consequentemente, das decisões da Assembléia
  • 21. Lutas Sociais  A Republica se torna sinônimo de marginalização da plebe  A sociedade grega passa a conviver com intensas lutas sociais entre patrícios e plebeus
  • 22. Lutas Sociais  Após 16 anos da instalação da Republica, os plebeus travaram 3 anos de batalha contra os patrícios, afim de ampliar sua margem de participação nas decisões políticas  Os plebeus retiraram-se para o Monte Sagrado: a primeira greve social documentada
  • 23. Importância social dos plebeus  Mão de obra essencialmente representada por plebeus  As centúrias plebéias, muito numerosas, eram usadas como instrumento de primeiro combate, servindo para desorganizar o adversário para só então sobrevir o ataque das centúrias patrícias  As ameaças externas e as necessidades econômicas fazem os patrícios cederem parcialmente as exigências
  • 24. Conquistas da Plebe  Os plebeus obtinham os tribunos da plebe, representantes políticos da plebe com poderes de vetar as decisões do Senado (490 a.C.)  Concilia Plebis ou Assembléia da Plebe, composta por plebeus com função de eleger seus magistrados (471 a.C.)  Lei das Doze Tábuas, compilação escrita das leis até então orais em Roma e afixadas nas paredes do Fórum (450 a.C.)
  • 25. Conquistas da Plebe  Suspensão do casamento entre patrícios e plebeus (445 a.C.) Outras conquistas:  Leis Licínia-Sextia (367 a.C.) que aboliram a escravidão por divida, franquearam aos plebeus a posse das terras do Estado e estabeleceram a obrigatoriedade de um dos cônsules ser sempre plebeu
  • 26. Conquistas da Plebe  Em 286 a.C., as lei votadas pela Assembléia da Plebe passam a ter validade para todo o Estado romano (plebiscito)
  • 27. A formação do Estado Itálico (395-270 a.C.)  Marco inicial: vitória sobre os etruscos em 395 a.C. e a anexação da Etrúria aos domínios romanos  Expansão de caráter defensivo, a fim de eliminar inimigos potencialmente perigosos (Batalhas contra Pirro, Rei do Épiro)  Vitória sobre os etruscos e sobre os gauleses desencadeou uma reação em cadeia  Livres dos principais adversários que tinham na península, domina do norte da Itália até as regiões da Sicília, rivalizando com Cartago
  • 28. Guerras Púnicas  Região de Cartago era chama da pelos gregos de Punis = Guerras Púnicas (264-146 a.C.)  3 confrontos (264; 202 e 146 a.C.), todos vencidos pelos romanos, tendo o último arrasado totalmente seu rival
  • 29. Primeira Guerra (264-241 a.C.)  Fruto da extensão do domínio romano à Sicília, herdando a rivalidade entre Cartago e as cidades da Magna Grécia  Roma transforma-se em potencia terrestre e naval, dominando as ilhas da Sicília, Córsega e Sardenha
  • 30. Segunda Guerra (219-202 a.C.)  Aníbal,neutralizou toda a estrutura de defesa romana invertendo toda lógica do ataque  Ao perder grande parte de sua tropa no trajeto, devido a difícil travessia dos Alpes e as intensas batalhas contra os exércitos romanos, não teve condições militares para invadir Roma  Tropas romanas da Sicília invadem Cartago, obrigando Aníbal a voltar  Decisiva derrota na batalha de Zama
  • 31. Segunda Guerra (219-202 a.C.)  Roma controla os antigos domínios cartagineses, incorporando à Península Ibérica, o noroeste da África e o sul da França
  • 32. Terceira Guerra (150-146 a.C.)  Após a tentativa de reerguer-se, Cartago tem sua sentença definitiva proferida pelo Senado romano: delenga est Carthago  Cartago foi devastada, seus habitantes mortos ou vendidos como escravos, as ruínas levadas ao mar e seu território declarado maldito, salgado para que ali nada pudesse crescer
  • 33. Controle do Mediterrâneo  Após seguidas guerras Macedônia e Grécia são transformadas em províncias (146 a.C.) e o reino de Pérgamo, incorporado (133 a.C.)  Conquista no ano I a.C. a Síria, o Egito e o Ponto  Mediterrâneo, mare nostrum
  • 34. Transformações econômicas e sociais  Aniquilação da pequena agricultura plebéia, voltada essencialmente para a produção de gêneros de consumo interno  Vasto comércio ocupava o lugar da atividade agrícola  Classe dos pequenos proprietários tende a desaparecer devido a concorrência das províncias e ao latifúndio patrício, o qual tinha seu crescimento fortemente baseado na mão de obra escrava
  • 35. Transformações econômicas e sociais  Crescimento da escravidão = miséria da plebe  Os plebeus endividados entregavam suas terras aos patrícios para sanar seus débitos = processo de concentração fundiária voltada a uma produção extensiva de exportação  Miséria da plebe = êxodo rural, concentrando em Roma uma massa miserável (tensão social e política)
  • 36. Transformações econômicas e sociais  Novo setor social de comerciantes plebeus ricos, homens novos ou cavaleiros  Marginalizados politicamente por serem plebeus e adversários do Estado patrício por serem ricos  O exército passa a ser profissional no séc. II a.C., troca da estrutura centurial por uma força militar permanente submetida a uma hierarquia rígida, no topo da qual se achavam os generais  O exército se torna uma força política a margem da estrutura republicana, pois o general passa a representar um poder extraordinário
  • 37. Elementos que iniciaram a crise da Republica  Luta de plebeus miseráveis e escravos por melhores condições de vida + Generais e homens novos em busca do poder = Guerras civis e lutas internas