SlideShare uma empresa Scribd logo
A Democracia em Atenas O Modelo ateniense
Indicadores de aprendizagem Explicar a organização da sociedade ateniense Caracterizar a democracia ateniense Descrever as várias instituições democráticas criadas em Atenas Avaliar os limites da participação democrática
Para caracterizares a sociedade ateniense , lê  os documentos da pág. 38,39, 41, 42
Eram cidadãos os indivíduos de sexo masculino, maiores de 18 anos, filho de pai e mãe ateniense. Tinham o direito e o dever de participar no governo da polis. Só eles podiam possuir propriedades, não estando sujeitas a impostos. Os cidadãos tinham o dever de cumprir o serviço militar . Entre os cidadãos existiam grandes diferenças a nível da riqueza não sendo esta uma condição de importância na cidade. Os cidadãos mais ricos viviam na zona urbana, gozando dos rendimentos das suas propriedades rurais e dos negócios com escravos. Como eram ricos, não precisavam de trabalhar tendo mais tempo livre para o exercício de cargos políticos
Bem deveríamos interessar-nos pelos metecos, pois são uma  das nossas melhores fontes de rendimento; além de se sustentarem a si próprios, pagam ainda um imposto de residência”.   Xenofonte,  O Económico  (Séc.IV a.C.)
Metecos   eram estrangeiros autorizados a viverem em Atenas a condição de estrangeiro passava de pais para filhos  impedidos de participar no governo impedidos de possuir casas ou terras  eram obrigados a pagar um imposto, o metécio, e à prestação de serviço militar podiam recorrer os tribunais mas só com um cidadão a representa-lo  podia participar nas festas religiosas desempenham um papel económico importante, assegurando a maior parte da produção artesanal e das trocas comerciais
Escravos eram a classe mais numerosa, sendo na sua maioria Prisioneiros de guerra, provenientes de pirataria.  Podiam ainda adquirir o estatuto de escravo em resultado de terem contraído dívidas, de se terem vendido a alguém mais rico ou por nascimento pois o filho de escravo é escravo.  Eram considerados como mercadoria e não tinham quaisquer direitos: não podiam possuir bens, nem constituir família, nem conservar os filhos junto de si. Dedicavam-se a vários serviços escravos domésticos (tinham de cuidar da casa) contratados como artesãos sendo pagos como trabalhadores livres mas o amo recebia parte do salário  trabalhavam nas minas  Exerciam o cargo de pedagogo
População da  Ática  400 000 habitantes (aprox.) Cidadãos atenienses  40 000 Mulheres e filhos dos cidadãos  80 000 Metecos ( estrangeiros) e suas famílias  80 000 Escravos  200 000 Com direitos políticos Sem direitos políticos
 
A democracia Ateniense Quem era o povo em Atenas?
As Reformas de Sólon Mais tarde sobreveio a discórdia entre os nobres e a massa do povo. De facto , a constituição da cidade de Atenas era em tudo oligárquica. Uma vez adquirida a direção dos negócios da cidade , Sólon libertou o povo, tanto no presente como em relação ao futuro, ao proibir que se fizessem empréstimos sob hipoteca das próprias pessoas; publicou leis e aboliu as dívidas quer privadas , quer públicas. Aristóteles,  Constituição de Atenas
LEGISLADORES DE ATENAS Drácon: redigiu as leis – até então orais -, dificultando sua manipulação . Sólon: Aboliu a escravidão por dívidas, libertou os devedores da prisão e determinou a devolução de terras confiscadas pelos credores. Também dividiu  a sociedade de forma censitária em quatro classes sociais e instituiu o princípio da eunomia (igualdade perante a lei). Criou órgãos legislativos; a Bulé que preparava leis e a Eclésia  que as votava.
Reformas de Clístenes Clístenes, feito chefe do povo repartiu ao atenienses em dez tribos , em vez de quatro, na intenção de os misturar para fazer participar da cidadania um maior número.  Em seguida fixou em 500 o número de membros da Bulé: 50 por cada tribo Dividiu ainda o país em demos , distribuídas por 30 partes : 10 da cidade, 10 do interior e 10 da costa. Deu-lhe o nome de trítias e atribuiu , por tiragem à sorte , três a cada tribo, de modo a que cada uma delas participasse de todas as regiões. Chamou demotas a todos os que habitavam num mesmo demos, a fim de que se perdesse o uso do patronímico (nome de família) e que nada diferenciasse os novos cidadãos  , apenas designados pelo nome do seu demos. Aristóteles,  Constituição de Atenas Qual foi o contributo de Clístenes para a implantação da Democracia em Atenas?
Medidas de Clístenes Estabeleceu a igualdade de direitos políticos para todos os cidadãos independentemente  da sua riqueza Dividiu a Península da Ática em 10 tribos , incluindo cada tribo membros de todos os grupos sociais Dividiu o território da ática em 100 demos ( pequenos territórios) e atribuiu 10 a cada tribo Cada demo incluía uma zona de campo, cidade e costa para que todos tivessem acesso aos mesmos bens Estabeleceu que cada tribo nomearia 50 cidadão para a Bulé Concedeu aos cidadãos os seguintes direitos: Isegoria ou liberdade de expressão; Isocracia ou igualdade de acesso aos cargos políticos e Isonomia ou igualdade perante a lei Criou a lei do Ostracismo
Péricles sabe que a participação dos mais pobres nas magistraturas será puramente teórica, enquanto não forem salariados os cidadãos que se apresentarem aos cargos a que são admitidos sem preocupações de perda de ganho. Por isso alargou o campo do arcontado aos cidadãos de terceira classe(pequenos comerciantes, artífices). Deixando de fora a classe de operários e serventes. A estas medidas juntou a supressão do direito de veto do Areópago que limitava em diversos casos a soberania popular. André Bonnard,  A Civilização Grega, Vol . I
Lê  o documentos da pág. 31
Medidas de Péricles Implementou o pagamento de um salário aos cidadãos mais pobres (mistoforia) para que estes pudessem participar no exercício do poder político
A Democracia em Atenas  caracterizava-se  pelo facto de todos os cidadãos serem iguais perante  a lei e terem o direito de eleger e ser eleitos para os diversos órgãos do governo da cidade. Como os cidadãos podem participar pessoalmente na vida politica, não havendo um grupo designado para os representar dizia-se que era uma democracia directa.
Analisa o esquema da pág. 32
Executivo Judicial Os cidadãos tinham os poderes Eclésia – todos os cidadãos Bulé – 500 rotativos 10 Estrategos 10 Arcontes Legislativo Areópago ( Antigos Arcontes) Helieu (6000  Heliastas)
Acrópole Orador Guarda Altar de Zeus Cidadãos Escribas Clépsidra
A Eclésia ou assembleia popular era a base de toda a estrutura governamental, exprimindo-se nela a verdadeira vontade da Pólis. Reuniam-se 3 a 4 vezes por mês, ao ar livre na  colina da Pnyx  e nela deviam participar todos os cidadãos. Os votos eram realizados de braço no ar, mas os cidadãos podiam também exigir que fosse secreto. Funções: votar nas leis Votar o ostracismo Decidir a guerra e a paz. –  A Bulé ou Conselhos dos 500  (Constituída por 500 membros)  Elaborava os  prouboulema( propostas de lei) que a Eclésia iria depois aceitar /recusar. Se fossem aprovados, os decretos começavam sempre pela frase “ Quis a Bulé e o povo”, mostrando assim a importância destes dois órgãos na criação das leis.
–  Os Arcontes eram magistrados prestigiados embora as suas funções serem cada vez mais reduzidas eles limitavam-se quase só ao desempenho de funções religiosas e jurídicas. Competindo-lhes a organização e a presidência dos tribunais. Muitos dos antigos arcontes eram recrutados vitaliciamente para serem membros do Areópago, o que conferia ao arcontado muito prestigio.  –  Os Estrategos eram os únicos magistrados eleitos com base na sua competência, comandavam a marinha e o exército. O tempo de guerra vivido no século V a. C., contribuiu para que os estrategos se tornassem os verdadeiros chefes de Atenas, controlando a sua politica externa e financeira.
4.  Areópago  – tribunal onde os antigos arcontes julgavam os crimes de morte e religiosos. No Areópago cada jurado introduzia uma placa de bronze com o seu nome numa  ranhura do Kleroterion , instrumento de pedra que servia para tirar à sorte o nome dos jurados ou dos magistrados que iriam servir no tribunal de forma rotativa.  Este processo garantia igualdade absoluta entre os cidadãos e evitava qualquer corrupção na partilha dos cargos.
–  O Helieu, ou tribunal popular, constituído por 6000 juízes com mais de 30 anos, sorteados anualmente à razão de 600 por tribo, a quem incumbia o julgamento da maior parte dos delitos, à excepção dos crimes de morte. Funciona por sessões   e a instrução dos processos competia aos arcontes e a outros magistrados. Após finalizados os discursos da acusação e do réu, cuja a duração era medida pela  Clepsidra , os juízes pronunciavam pela absolvição ou pela condenação.  Fig.6 – Esta imagem representa uma clepsidra ou Relógio de água utilizado nas sessões do Helieu ( Permitia assegurar, ao acusador e ao acusado, o mesmo tempo de palavra.
Os Atenienses estavam atentos aos perigos que a palavra, incorrectamente manipulada, podia representar para a democracia. Muitos políticos mais interessados nos benefícios que podiam conseguir, aliciavam os atenienses com propostas pouco sensatas ou irrealizáveis para conseguirem o apoio popular a estas propostas eram consideradas demagogas. Foi para atenuar esta demagogia que se introduziu a  graphê paranomon , medida segundo a qual uma proposta, mesmo já aprovada pela Éclesia, podia ser revogada por ser contraria as leis fundamentais da Pólis. Com isso o seu  autor arriscava-se a ser julgado e condenado a pagar uma multa pesada por ter feito uma proposta  “ilegal”. A honestidade exigida com os assuntos do Estado está também patente na importância dada à prestação de contas pelos magistrados no fim dos seus mandatos. Os atenienses por não quererem um só homem no poder e para evitar conflitos entre os cidadãos criaram o ostracismo. Todos os anos, reuniam-se na Ágora, os membros da Eclésia escrevendo numa pequena placa de barro (ostrakon), o nome de um cidadão que achassem perturbador do bom funcionamento democrático. Caso se reunissem 6000 votos com o mesmo nome, o ostracizado deixava a cidade por 10 anos, sem , no entanto , perder os seus bens ou os direitos políticos, que retomaria quando voltasse.  Adaptado A protecção à democracia  Fig. 8 – Esta imagem representa o ostrakon ( placa de barro)
Por que é que a Democracia ateniense era limitada?
Só os cidadãos participavam no governo da cidade Os cidadãos representavam apenas 10% da população( governo de uma minoria) As mulheres e os metecos não possuíam direitos políticos nem alguns direitos civis; Praticava-se o  ostracismo  (expulsão da cidade de todos aqueles que pusessem em causa o governo ou os governantes). A democracia ateniense e o pensamento grego foram concordantes com a escravatura; Prática de um imperialismo económico através da liga de Delos ( organização de cidades que pagavam um tributo a Atenas em troca da sua protecção) Permissão da pena de morte( Condenação de Sócrates à morte por corromper a juventude-  envenamento com cicuta) - atmia pela qual se retirava todos os direitos políticos por um período de 10 anos (era proibido eleger e ser eleito) a quem atentasse contra o governo DEMOS (POVO) + CRATOS (GOVERNO)
Elabora um texto, no qual estabeleças uma comparação entre a Democracia ateniense e  a Democracia actual

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Império romano
Império romanoImpério romano
Império romano
Vítor Santos
 
10 atenas no século v
10   atenas no século v10   atenas no século v
10 atenas no século v
Carla Freitas
 
Modelo romano parte 1
Modelo romano   parte 1Modelo romano   parte 1
Modelo romano parte 1
cattonia
 
O mediterrâneo antigo
O mediterrâneo antigoO mediterrâneo antigo
O mediterrâneo antigo
Zé Knust
 
Império Romano
Império RomanoImpério Romano
Império Romano
Carlos Vieira
 
Roma apresentação 1
Roma apresentação 1Roma apresentação 1
Roma apresentação 1
Vítor Santos
 
A Democracia Em Atenas
A Democracia Em  AtenasA Democracia Em  Atenas
A Democracia Em Atenas
Sílvia Mendonça
 
A grécia
A gréciaA grécia
A grécia
Vítor Santos
 
A civilização grega
A civilização gregaA civilização grega
A civilização grega
Lucilia Fonseca
 
O modelo ateniense
O modelo atenienseO modelo ateniense
O modelo ateniense
Escoladocs
 
Atenas no século v
Atenas no século vAtenas no século v
Atenas no século v
Carla Freitas
 
O mundo romano no apogeu do império i
O mundo romano no apogeu do império iO mundo romano no apogeu do império i
O mundo romano no apogeu do império i
Teresa Maia
 
Paleolítico e Neolítico
Paleolítico e NeolíticoPaleolítico e Neolítico
Paleolítico e Neolítico
Carlos Vieira
 
Grecia Antiga: Atenas e Esparta
Grecia Antiga: Atenas e EspartaGrecia Antiga: Atenas e Esparta
Grecia Antiga: Atenas e Esparta
Alexandre Protásio
 
Grécia antiga - período homérico
Grécia antiga - período homéricoGrécia antiga - período homérico
Grécia antiga - período homérico
Guilherme Drumond
 
1° ano - Grécia Antiga
1° ano -  Grécia Antiga1° ano -  Grécia Antiga
1° ano - Grécia Antiga
Daniel Alves Bronstrup
 
Civilização romana
Civilização romanaCivilização romana
Civilização romana
bamp
 
Formação das cidades estado
Formação das cidades estadoFormação das cidades estado
Formação das cidades estado
Carla Teixeira
 
12 formação do império romano
12   formação do império romano12   formação do império romano
12 formação do império romano
Carla Freitas
 

Mais procurados (20)

Império romano
Império romanoImpério romano
Império romano
 
10 atenas no século v
10   atenas no século v10   atenas no século v
10 atenas no século v
 
Modelo romano parte 1
Modelo romano   parte 1Modelo romano   parte 1
Modelo romano parte 1
 
O mediterrâneo antigo
O mediterrâneo antigoO mediterrâneo antigo
O mediterrâneo antigo
 
Império Romano
Império RomanoImpério Romano
Império Romano
 
Roma apresentação 1
Roma apresentação 1Roma apresentação 1
Roma apresentação 1
 
A Democracia Em Atenas
A Democracia Em  AtenasA Democracia Em  Atenas
A Democracia Em Atenas
 
A grécia
A gréciaA grécia
A grécia
 
A civilização grega
A civilização gregaA civilização grega
A civilização grega
 
O modelo ateniense
O modelo atenienseO modelo ateniense
O modelo ateniense
 
Atenas no século v
Atenas no século vAtenas no século v
Atenas no século v
 
O mundo romano no apogeu do império i
O mundo romano no apogeu do império iO mundo romano no apogeu do império i
O mundo romano no apogeu do império i
 
Paleolítico e Neolítico
Paleolítico e NeolíticoPaleolítico e Neolítico
Paleolítico e Neolítico
 
Grecia Antiga: Atenas e Esparta
Grecia Antiga: Atenas e EspartaGrecia Antiga: Atenas e Esparta
Grecia Antiga: Atenas e Esparta
 
Grécia antiga - período homérico
Grécia antiga - período homéricoGrécia antiga - período homérico
Grécia antiga - período homérico
 
1° ano - Grécia Antiga
1° ano -  Grécia Antiga1° ano -  Grécia Antiga
1° ano - Grécia Antiga
 
Civilização romana
Civilização romanaCivilização romana
Civilização romana
 
Formação das cidades estado
Formação das cidades estadoFormação das cidades estado
Formação das cidades estado
 
12 formação do império romano
12   formação do império romano12   formação do império romano
12 formação do império romano
 
Roma antiga
Roma antigaRoma antiga
Roma antiga
 

Semelhante a O modelo ateniense a democracia

GRÉCIA DEMOCRACIA ATENIENSE E PERÍODO CLÁSSICO
GRÉCIA DEMOCRACIA ATENIENSE E PERÍODO CLÁSSICOGRÉCIA DEMOCRACIA ATENIENSE E PERÍODO CLÁSSICO
GRÉCIA DEMOCRACIA ATENIENSE E PERÍODO CLÁSSICO
Jorge Miklos
 
A demografia ateniense
A demografia atenienseA demografia ateniense
A demografia ateniense
nita2000
 
C:\Users\Ana\Desktop\O GóTico
C:\Users\Ana\Desktop\O GóTicoC:\Users\Ana\Desktop\O GóTico
C:\Users\Ana\Desktop\O GóTico
Ana Rosendo
 
Guia de estudo Democracia
Guia de estudo DemocraciaGuia de estudo Democracia
Guia de estudo Democracia
Escoladocs
 
Guia de estudo O modelo ateniense 1314
Guia de estudo O modelo ateniense 1314Guia de estudo O modelo ateniense 1314
Guia de estudo O modelo ateniense 1314
Laboratório de História
 
Democracia Grega
Democracia GregaDemocracia Grega
Democracia Grega
Escoladocs
 
A democracia ateniense e a oligarquia militar espartana
A democracia ateniense e a oligarquia militar espartana A democracia ateniense e a oligarquia militar espartana
A democracia ateniense e a oligarquia militar espartana
Isah Lopes
 
Sit 1 vol 2 os primeiros tempos da democracia grega e o regime demogratico at...
Sit 1 vol 2 os primeiros tempos da democracia grega e o regime demogratico at...Sit 1 vol 2 os primeiros tempos da democracia grega e o regime demogratico at...
Sit 1 vol 2 os primeiros tempos da democracia grega e o regime demogratico at...
AprendendoHistoriacomNemeis
 
Trabalho História Grécia
Trabalho História GréciaTrabalho História Grécia
Trabalho História Grécia
TurmaN10C
 
GRÉCIA ANTIGA.pptx
GRÉCIA ANTIGA.pptxGRÉCIA ANTIGA.pptx
GRÉCIA ANTIGA.pptx
LucasCaliari3
 
Grecia geral
Grecia geralGrecia geral
Grecia geral
HCA_10I
 
Democracia em atenas leitura suplementar
Democracia em atenas   leitura suplementarDemocracia em atenas   leitura suplementar
Democracia em atenas leitura suplementar
Ana Cristina F
 
Historia volume-1
Historia volume-1Historia volume-1
Historia volume-1
Josil Setenta
 
A Democracia Em Atenas
A Democracia Em AtenasA Democracia Em Atenas
A Democracia Em Atenas
Sílvia Mendonça
 
Democracia
DemocraciaDemocracia
Democracia
Maria Gomes
 
M1.1 o modelo ateniense
M1.1 o modelo atenienseM1.1 o modelo ateniense
M1.1 o modelo ateniense
João Neves
 
Civilizacaogrega
CivilizacaogregaCivilizacaogrega
Civilizacaogrega
Nuno Pinto
 
102 grecia antiga atenas e esparta
102 grecia antiga atenas e esparta102 grecia antiga atenas e esparta
102 grecia antiga atenas e esparta
cristianoperinpissolato
 
Grecia Antiga
Grecia AntigaGrecia Antiga
Modelo grego parte 1
Modelo grego parte 1Modelo grego parte 1
Modelo grego parte 1
cattonia
 

Semelhante a O modelo ateniense a democracia (20)

GRÉCIA DEMOCRACIA ATENIENSE E PERÍODO CLÁSSICO
GRÉCIA DEMOCRACIA ATENIENSE E PERÍODO CLÁSSICOGRÉCIA DEMOCRACIA ATENIENSE E PERÍODO CLÁSSICO
GRÉCIA DEMOCRACIA ATENIENSE E PERÍODO CLÁSSICO
 
A demografia ateniense
A demografia atenienseA demografia ateniense
A demografia ateniense
 
C:\Users\Ana\Desktop\O GóTico
C:\Users\Ana\Desktop\O GóTicoC:\Users\Ana\Desktop\O GóTico
C:\Users\Ana\Desktop\O GóTico
 
Guia de estudo Democracia
Guia de estudo DemocraciaGuia de estudo Democracia
Guia de estudo Democracia
 
Guia de estudo O modelo ateniense 1314
Guia de estudo O modelo ateniense 1314Guia de estudo O modelo ateniense 1314
Guia de estudo O modelo ateniense 1314
 
Democracia Grega
Democracia GregaDemocracia Grega
Democracia Grega
 
A democracia ateniense e a oligarquia militar espartana
A democracia ateniense e a oligarquia militar espartana A democracia ateniense e a oligarquia militar espartana
A democracia ateniense e a oligarquia militar espartana
 
Sit 1 vol 2 os primeiros tempos da democracia grega e o regime demogratico at...
Sit 1 vol 2 os primeiros tempos da democracia grega e o regime demogratico at...Sit 1 vol 2 os primeiros tempos da democracia grega e o regime demogratico at...
Sit 1 vol 2 os primeiros tempos da democracia grega e o regime demogratico at...
 
Trabalho História Grécia
Trabalho História GréciaTrabalho História Grécia
Trabalho História Grécia
 
GRÉCIA ANTIGA.pptx
GRÉCIA ANTIGA.pptxGRÉCIA ANTIGA.pptx
GRÉCIA ANTIGA.pptx
 
Grecia geral
Grecia geralGrecia geral
Grecia geral
 
Democracia em atenas leitura suplementar
Democracia em atenas   leitura suplementarDemocracia em atenas   leitura suplementar
Democracia em atenas leitura suplementar
 
Historia volume-1
Historia volume-1Historia volume-1
Historia volume-1
 
A Democracia Em Atenas
A Democracia Em AtenasA Democracia Em Atenas
A Democracia Em Atenas
 
Democracia
DemocraciaDemocracia
Democracia
 
M1.1 o modelo ateniense
M1.1 o modelo atenienseM1.1 o modelo ateniense
M1.1 o modelo ateniense
 
Civilizacaogrega
CivilizacaogregaCivilizacaogrega
Civilizacaogrega
 
102 grecia antiga atenas e esparta
102 grecia antiga atenas e esparta102 grecia antiga atenas e esparta
102 grecia antiga atenas e esparta
 
Grecia Antiga
Grecia AntigaGrecia Antiga
Grecia Antiga
 
Modelo grego parte 1
Modelo grego parte 1Modelo grego parte 1
Modelo grego parte 1
 

Mais de Carla Teixeira

A civilização industrial no séc XIX.ppt
A civilização industrial no séc XIX.pptA civilização industrial no séc XIX.ppt
A civilização industrial no séc XIX.ppt
Carla Teixeira
 
1-guerra-mundial-esic.ppt
1-guerra-mundial-esic.ppt1-guerra-mundial-esic.ppt
1-guerra-mundial-esic.ppt
Carla Teixeira
 
a polis no mundo grego.ppt
a polis no mundo grego.ppta polis no mundo grego.ppt
a polis no mundo grego.ppt
Carla Teixeira
 
O tempo das reformas religiosas parte 1
O tempo das reformas religiosas parte 1O tempo das reformas religiosas parte 1
O tempo das reformas religiosas parte 1
Carla Teixeira
 
Arte renascentista parte 3
Arte renascentista  parte 3Arte renascentista  parte 3
Arte renascentista parte 3
Carla Teixeira
 
Arte renascentista
Arte renascentistaArte renascentista
Arte renascentista
Carla Teixeira
 
A reforma religiosa parte 2
A reforma religiosa  parte 2A reforma religiosa  parte 2
A reforma religiosa parte 2
Carla Teixeira
 
A reforma católica e a contra reforma- parte 1
A reforma católica e a contra  reforma- parte 1A reforma católica e a contra  reforma- parte 1
A reforma católica e a contra reforma- parte 1
Carla Teixeira
 
A contra reforma parte 3
A contra reforma  parte 3A contra reforma  parte 3
A contra reforma parte 3
Carla Teixeira
 
A contra reforma parte 2
A contra reforma   parte 2A contra reforma   parte 2
A contra reforma parte 2
Carla Teixeira
 
A arte renascentista parte 2
A arte renascentista parte 2A arte renascentista parte 2
A arte renascentista parte 2
Carla Teixeira
 
O rococó e o neoclássico parte 1
O rococó e o neoclássico parte 1O rococó e o neoclássico parte 1
O rococó e o neoclássico parte 1
Carla Teixeira
 
Neoclássico parte 2
Neoclássico parte 2Neoclássico parte 2
Neoclássico parte 2
Carla Teixeira
 
Neoclássico parte3
Neoclássico parte3Neoclássico parte3
Neoclássico parte3
Carla Teixeira
 
Revolução francesa módulo 7
Revolução francesa  módulo 7Revolução francesa  módulo 7
Revolução francesa módulo 7
Carla Teixeira
 
Ficha de trabalho nº 1
Ficha de trabalho nº 1Ficha de trabalho nº 1
Ficha de trabalho nº 1
Carla Teixeira
 
Revolução francesa módulo 7
Revolução francesa  módulo 7Revolução francesa  módulo 7
Revolução francesa módulo 7
Carla Teixeira
 
Revolução francesa 2
Revolução francesa 2Revolução francesa 2
Revolução francesa 2
Carla Teixeira
 
Revolução francesa parte 3
Revolução francesa parte 3Revolução francesa parte 3
Revolução francesa parte 3
Carla Teixeira
 
Revolução francesa 2
Revolução francesa 2Revolução francesa 2
Revolução francesa 2
Carla Teixeira
 

Mais de Carla Teixeira (20)

A civilização industrial no séc XIX.ppt
A civilização industrial no séc XIX.pptA civilização industrial no séc XIX.ppt
A civilização industrial no séc XIX.ppt
 
1-guerra-mundial-esic.ppt
1-guerra-mundial-esic.ppt1-guerra-mundial-esic.ppt
1-guerra-mundial-esic.ppt
 
a polis no mundo grego.ppt
a polis no mundo grego.ppta polis no mundo grego.ppt
a polis no mundo grego.ppt
 
O tempo das reformas religiosas parte 1
O tempo das reformas religiosas parte 1O tempo das reformas religiosas parte 1
O tempo das reformas religiosas parte 1
 
Arte renascentista parte 3
Arte renascentista  parte 3Arte renascentista  parte 3
Arte renascentista parte 3
 
Arte renascentista
Arte renascentistaArte renascentista
Arte renascentista
 
A reforma religiosa parte 2
A reforma religiosa  parte 2A reforma religiosa  parte 2
A reforma religiosa parte 2
 
A reforma católica e a contra reforma- parte 1
A reforma católica e a contra  reforma- parte 1A reforma católica e a contra  reforma- parte 1
A reforma católica e a contra reforma- parte 1
 
A contra reforma parte 3
A contra reforma  parte 3A contra reforma  parte 3
A contra reforma parte 3
 
A contra reforma parte 2
A contra reforma   parte 2A contra reforma   parte 2
A contra reforma parte 2
 
A arte renascentista parte 2
A arte renascentista parte 2A arte renascentista parte 2
A arte renascentista parte 2
 
O rococó e o neoclássico parte 1
O rococó e o neoclássico parte 1O rococó e o neoclássico parte 1
O rococó e o neoclássico parte 1
 
Neoclássico parte 2
Neoclássico parte 2Neoclássico parte 2
Neoclássico parte 2
 
Neoclássico parte3
Neoclássico parte3Neoclássico parte3
Neoclássico parte3
 
Revolução francesa módulo 7
Revolução francesa  módulo 7Revolução francesa  módulo 7
Revolução francesa módulo 7
 
Ficha de trabalho nº 1
Ficha de trabalho nº 1Ficha de trabalho nº 1
Ficha de trabalho nº 1
 
Revolução francesa módulo 7
Revolução francesa  módulo 7Revolução francesa  módulo 7
Revolução francesa módulo 7
 
Revolução francesa 2
Revolução francesa 2Revolução francesa 2
Revolução francesa 2
 
Revolução francesa parte 3
Revolução francesa parte 3Revolução francesa parte 3
Revolução francesa parte 3
 
Revolução francesa 2
Revolução francesa 2Revolução francesa 2
Revolução francesa 2
 

O modelo ateniense a democracia

  • 1. A Democracia em Atenas O Modelo ateniense
  • 2. Indicadores de aprendizagem Explicar a organização da sociedade ateniense Caracterizar a democracia ateniense Descrever as várias instituições democráticas criadas em Atenas Avaliar os limites da participação democrática
  • 3. Para caracterizares a sociedade ateniense , lê os documentos da pág. 38,39, 41, 42
  • 4. Eram cidadãos os indivíduos de sexo masculino, maiores de 18 anos, filho de pai e mãe ateniense. Tinham o direito e o dever de participar no governo da polis. Só eles podiam possuir propriedades, não estando sujeitas a impostos. Os cidadãos tinham o dever de cumprir o serviço militar . Entre os cidadãos existiam grandes diferenças a nível da riqueza não sendo esta uma condição de importância na cidade. Os cidadãos mais ricos viviam na zona urbana, gozando dos rendimentos das suas propriedades rurais e dos negócios com escravos. Como eram ricos, não precisavam de trabalhar tendo mais tempo livre para o exercício de cargos políticos
  • 5. Bem deveríamos interessar-nos pelos metecos, pois são uma das nossas melhores fontes de rendimento; além de se sustentarem a si próprios, pagam ainda um imposto de residência”. Xenofonte, O Económico (Séc.IV a.C.)
  • 6. Metecos eram estrangeiros autorizados a viverem em Atenas a condição de estrangeiro passava de pais para filhos impedidos de participar no governo impedidos de possuir casas ou terras eram obrigados a pagar um imposto, o metécio, e à prestação de serviço militar podiam recorrer os tribunais mas só com um cidadão a representa-lo podia participar nas festas religiosas desempenham um papel económico importante, assegurando a maior parte da produção artesanal e das trocas comerciais
  • 7. Escravos eram a classe mais numerosa, sendo na sua maioria Prisioneiros de guerra, provenientes de pirataria. Podiam ainda adquirir o estatuto de escravo em resultado de terem contraído dívidas, de se terem vendido a alguém mais rico ou por nascimento pois o filho de escravo é escravo. Eram considerados como mercadoria e não tinham quaisquer direitos: não podiam possuir bens, nem constituir família, nem conservar os filhos junto de si. Dedicavam-se a vários serviços escravos domésticos (tinham de cuidar da casa) contratados como artesãos sendo pagos como trabalhadores livres mas o amo recebia parte do salário trabalhavam nas minas Exerciam o cargo de pedagogo
  • 8. População da Ática 400 000 habitantes (aprox.) Cidadãos atenienses 40 000 Mulheres e filhos dos cidadãos 80 000 Metecos ( estrangeiros) e suas famílias 80 000 Escravos 200 000 Com direitos políticos Sem direitos políticos
  • 9.  
  • 10. A democracia Ateniense Quem era o povo em Atenas?
  • 11. As Reformas de Sólon Mais tarde sobreveio a discórdia entre os nobres e a massa do povo. De facto , a constituição da cidade de Atenas era em tudo oligárquica. Uma vez adquirida a direção dos negócios da cidade , Sólon libertou o povo, tanto no presente como em relação ao futuro, ao proibir que se fizessem empréstimos sob hipoteca das próprias pessoas; publicou leis e aboliu as dívidas quer privadas , quer públicas. Aristóteles, Constituição de Atenas
  • 12. LEGISLADORES DE ATENAS Drácon: redigiu as leis – até então orais -, dificultando sua manipulação . Sólon: Aboliu a escravidão por dívidas, libertou os devedores da prisão e determinou a devolução de terras confiscadas pelos credores. Também dividiu a sociedade de forma censitária em quatro classes sociais e instituiu o princípio da eunomia (igualdade perante a lei). Criou órgãos legislativos; a Bulé que preparava leis e a Eclésia que as votava.
  • 13. Reformas de Clístenes Clístenes, feito chefe do povo repartiu ao atenienses em dez tribos , em vez de quatro, na intenção de os misturar para fazer participar da cidadania um maior número. Em seguida fixou em 500 o número de membros da Bulé: 50 por cada tribo Dividiu ainda o país em demos , distribuídas por 30 partes : 10 da cidade, 10 do interior e 10 da costa. Deu-lhe o nome de trítias e atribuiu , por tiragem à sorte , três a cada tribo, de modo a que cada uma delas participasse de todas as regiões. Chamou demotas a todos os que habitavam num mesmo demos, a fim de que se perdesse o uso do patronímico (nome de família) e que nada diferenciasse os novos cidadãos , apenas designados pelo nome do seu demos. Aristóteles, Constituição de Atenas Qual foi o contributo de Clístenes para a implantação da Democracia em Atenas?
  • 14. Medidas de Clístenes Estabeleceu a igualdade de direitos políticos para todos os cidadãos independentemente da sua riqueza Dividiu a Península da Ática em 10 tribos , incluindo cada tribo membros de todos os grupos sociais Dividiu o território da ática em 100 demos ( pequenos territórios) e atribuiu 10 a cada tribo Cada demo incluía uma zona de campo, cidade e costa para que todos tivessem acesso aos mesmos bens Estabeleceu que cada tribo nomearia 50 cidadão para a Bulé Concedeu aos cidadãos os seguintes direitos: Isegoria ou liberdade de expressão; Isocracia ou igualdade de acesso aos cargos políticos e Isonomia ou igualdade perante a lei Criou a lei do Ostracismo
  • 15. Péricles sabe que a participação dos mais pobres nas magistraturas será puramente teórica, enquanto não forem salariados os cidadãos que se apresentarem aos cargos a que são admitidos sem preocupações de perda de ganho. Por isso alargou o campo do arcontado aos cidadãos de terceira classe(pequenos comerciantes, artífices). Deixando de fora a classe de operários e serventes. A estas medidas juntou a supressão do direito de veto do Areópago que limitava em diversos casos a soberania popular. André Bonnard, A Civilização Grega, Vol . I
  • 16. Lê o documentos da pág. 31
  • 17. Medidas de Péricles Implementou o pagamento de um salário aos cidadãos mais pobres (mistoforia) para que estes pudessem participar no exercício do poder político
  • 18. A Democracia em Atenas caracterizava-se pelo facto de todos os cidadãos serem iguais perante a lei e terem o direito de eleger e ser eleitos para os diversos órgãos do governo da cidade. Como os cidadãos podem participar pessoalmente na vida politica, não havendo um grupo designado para os representar dizia-se que era uma democracia directa.
  • 19. Analisa o esquema da pág. 32
  • 20. Executivo Judicial Os cidadãos tinham os poderes Eclésia – todos os cidadãos Bulé – 500 rotativos 10 Estrategos 10 Arcontes Legislativo Areópago ( Antigos Arcontes) Helieu (6000 Heliastas)
  • 21. Acrópole Orador Guarda Altar de Zeus Cidadãos Escribas Clépsidra
  • 22. A Eclésia ou assembleia popular era a base de toda a estrutura governamental, exprimindo-se nela a verdadeira vontade da Pólis. Reuniam-se 3 a 4 vezes por mês, ao ar livre na colina da Pnyx e nela deviam participar todos os cidadãos. Os votos eram realizados de braço no ar, mas os cidadãos podiam também exigir que fosse secreto. Funções: votar nas leis Votar o ostracismo Decidir a guerra e a paz. – A Bulé ou Conselhos dos 500 (Constituída por 500 membros) Elaborava os prouboulema( propostas de lei) que a Eclésia iria depois aceitar /recusar. Se fossem aprovados, os decretos começavam sempre pela frase “ Quis a Bulé e o povo”, mostrando assim a importância destes dois órgãos na criação das leis.
  • 23. – Os Arcontes eram magistrados prestigiados embora as suas funções serem cada vez mais reduzidas eles limitavam-se quase só ao desempenho de funções religiosas e jurídicas. Competindo-lhes a organização e a presidência dos tribunais. Muitos dos antigos arcontes eram recrutados vitaliciamente para serem membros do Areópago, o que conferia ao arcontado muito prestigio. – Os Estrategos eram os únicos magistrados eleitos com base na sua competência, comandavam a marinha e o exército. O tempo de guerra vivido no século V a. C., contribuiu para que os estrategos se tornassem os verdadeiros chefes de Atenas, controlando a sua politica externa e financeira.
  • 24. 4. Areópago – tribunal onde os antigos arcontes julgavam os crimes de morte e religiosos. No Areópago cada jurado introduzia uma placa de bronze com o seu nome numa ranhura do Kleroterion , instrumento de pedra que servia para tirar à sorte o nome dos jurados ou dos magistrados que iriam servir no tribunal de forma rotativa. Este processo garantia igualdade absoluta entre os cidadãos e evitava qualquer corrupção na partilha dos cargos.
  • 25. – O Helieu, ou tribunal popular, constituído por 6000 juízes com mais de 30 anos, sorteados anualmente à razão de 600 por tribo, a quem incumbia o julgamento da maior parte dos delitos, à excepção dos crimes de morte. Funciona por sessões e a instrução dos processos competia aos arcontes e a outros magistrados. Após finalizados os discursos da acusação e do réu, cuja a duração era medida pela Clepsidra , os juízes pronunciavam pela absolvição ou pela condenação. Fig.6 – Esta imagem representa uma clepsidra ou Relógio de água utilizado nas sessões do Helieu ( Permitia assegurar, ao acusador e ao acusado, o mesmo tempo de palavra.
  • 26. Os Atenienses estavam atentos aos perigos que a palavra, incorrectamente manipulada, podia representar para a democracia. Muitos políticos mais interessados nos benefícios que podiam conseguir, aliciavam os atenienses com propostas pouco sensatas ou irrealizáveis para conseguirem o apoio popular a estas propostas eram consideradas demagogas. Foi para atenuar esta demagogia que se introduziu a graphê paranomon , medida segundo a qual uma proposta, mesmo já aprovada pela Éclesia, podia ser revogada por ser contraria as leis fundamentais da Pólis. Com isso o seu autor arriscava-se a ser julgado e condenado a pagar uma multa pesada por ter feito uma proposta “ilegal”. A honestidade exigida com os assuntos do Estado está também patente na importância dada à prestação de contas pelos magistrados no fim dos seus mandatos. Os atenienses por não quererem um só homem no poder e para evitar conflitos entre os cidadãos criaram o ostracismo. Todos os anos, reuniam-se na Ágora, os membros da Eclésia escrevendo numa pequena placa de barro (ostrakon), o nome de um cidadão que achassem perturbador do bom funcionamento democrático. Caso se reunissem 6000 votos com o mesmo nome, o ostracizado deixava a cidade por 10 anos, sem , no entanto , perder os seus bens ou os direitos políticos, que retomaria quando voltasse. Adaptado A protecção à democracia Fig. 8 – Esta imagem representa o ostrakon ( placa de barro)
  • 27. Por que é que a Democracia ateniense era limitada?
  • 28. Só os cidadãos participavam no governo da cidade Os cidadãos representavam apenas 10% da população( governo de uma minoria) As mulheres e os metecos não possuíam direitos políticos nem alguns direitos civis; Praticava-se o ostracismo (expulsão da cidade de todos aqueles que pusessem em causa o governo ou os governantes). A democracia ateniense e o pensamento grego foram concordantes com a escravatura; Prática de um imperialismo económico através da liga de Delos ( organização de cidades que pagavam um tributo a Atenas em troca da sua protecção) Permissão da pena de morte( Condenação de Sócrates à morte por corromper a juventude- envenamento com cicuta) - atmia pela qual se retirava todos os direitos políticos por um período de 10 anos (era proibido eleger e ser eleito) a quem atentasse contra o governo DEMOS (POVO) + CRATOS (GOVERNO)
  • 29. Elabora um texto, no qual estabeleças uma comparação entre a Democracia ateniense e a Democracia actual