SlideShare uma empresa Scribd logo
O IMPÉRIO PORTUGUÊS E A CONCORRÊNCIA INTERNACIONAL A Restauração da Independência de Portugal (1640)
Quais foram as razões que levaram à restauração da independência de Portugal em 1640? A RESTAURAÇÃO DA INDEPENDÊNCIA DE PORTUGAL    A  crise do Império Espanhol , na 1ª metade do século XVII, provocada, essencialmente, por dois motivos:    a diminuição das remessas de ouro e prata da América;    o envolvimento da Espanha em guerras (Guerra dos Trinta Anos, 1618-1648) e revoltas internas (ex: Revolta da Catalunha) que levou ao aumento dos impostos. Revolta popular em Espanha, os “motins da fome”, devido ao aumento dos impostos pelos reis espanhóis.
   O  grande descontentamento geral dos portugueses , devido ao não cumprimento das promessas feitas nas Cortes de Tomar:    entrega, por Filipe II de Portugal, de cargos da administração e do governo a espanhóis;    aumento dos impostos, por Filipe III de Portugal, que provocou várias revoltas populares, como por exemplo, a  Revolta do Manuelinho , em 1637; Revolta do Manuelinho  (Alterações de Évora) em 1637. Filipe II Filipe III
   utilização das tropas e navios portugueses nas guerras espanholas contra ingleses, holandeses e franceses;    deficiente defesa das colónias portuguesas, pelo que estas eram frequentemente atacadas e também conquistadas por holandeses, ingleses e franceses (Ex: Brasil e Angola).
 
No dia 1 de Dezembro de 1640, um grupo de nobres revoltou-se ( atacou o paço da Ribeira, prendendo a vice-rainha, a duquesa de Mântua, D. Margarida Gonzaga, Governadora de Portugal e, então, Regente do rei de Espanha, e matando o secretário de estado, Miguel de Vasconcelos , que se escondera num armário) e aclamou como rei de Portugal o duque de Bragança, com o título de  D. João IV . A RESTAURAÇÃO DA INDEPENDÊNCIA
A paz foi assinada apenas em 1668, após várias tentativas de invasão dos espanhóis, que foram sempre vencidas (Batalhas de Linhas de Elvas, Montijo, Ameixial, Castelo Rodrigo e Montes Claros).
FIM
D. João IV (1640 - 1656) . Nasceu em Vila Viçosa, a 19 de Março de 1604 e morreu em Lisboa, a 6 de Dezembro de 1656, tendo sido sepultado no Mosteiro de S. Vicente de Fora. Era filho de D. Teodósio II, 7 ° duque de Bragança, e de sua mulher, D. Ana de Velasco. Do seu casamento, celebrado em 12 de Janeiro de 1633, com D. Luísa Francisca de Gusmão,, nasceram: D. Teodósio,  D. Ana, D. Joana, D. Catarina, D. Manuel, D. Afonso VI, que herdou a coroa, e D, Maria. Já em 1638, os conjurados da Revolução de 1640 tinham procurado obter a aceitação de D. João para uma revolta contra Espanha. Mas as hesitações, ou cautelas, do duque fizeram levantar a hipótese de se conseguir o regresso do infante D. Duarte, solução que falhou, tendo-se mesmo encarado a instauração de uma república, nos moldes da das Províncias Unidas.  A verdade é, que depois da sua aclamação como rei a 15 de Dezembro de 1640, todas as hesitações desapareceram e D. João IV fez frente às dificuldades com um vigor que muito contribuiu para a efectiva restauração da independência de Portugal. Da actividade global do seu reinado, deveremos destacar o esforço efectuado na reorganização do aparelho militar: reparação das fortalezas das linhas defensivas fronteiriças, fortalecimento das guarnições, defesa do Alentejo e Beira e obtenção de material e reforços no estrangeiro; a intensa e inteligente actividade diplomática junto das cortes da Europa, no sentido de obter apoio militar e financeiro, negociar tratados de paz ou de tréguas e conseguir o reconhecimento da Restauração; a acção desenvolvida para a reconquista do império ultramarino, no Brasil e em Africa; a alta visão na escolha dos colaboradores.  Quando morreu, o reino não estava ainda em segurança absoluta, mas D. João IV tinha-lhe construído umas bases suficientemente sólidas para vencer a crise. Sucedeu-lhe D. Afonso VI, seu segundo filho.   

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

A Crise Do Império Português
A Crise Do Império PortuguêsA Crise Do Império Português
A Crise Do Império Português
Carlos Vieira
 
A Revolução de 1640 e a Guerra da Restauração
A Revolução de 1640 e a Guerra da RestauraçãoA Revolução de 1640 e a Guerra da Restauração
A Revolução de 1640 e a Guerra da Restauração
guest68cbf4
 
Portugal na 1ª guerra mundial
Portugal na 1ª guerra mundialPortugal na 1ª guerra mundial
Portugal na 1ª guerra mundial
Susana Simões
 
02 história a_revisões_módulo_2
02 história a_revisões_módulo_202 história a_revisões_módulo_2
02 história a_revisões_módulo_2
Vítor Santos
 
Crise dinastica
Crise dinasticaCrise dinastica
Crise dinastica
cattonia
 
Revolução liberal portuguesa de 1820
Revolução liberal portuguesa de 1820Revolução liberal portuguesa de 1820
Revolução liberal portuguesa de 1820
Joana Filipa Rodrigues
 
O império português e a concorrência internacional
O império português e a concorrência internacionalO império português e a concorrência internacional
O império português e a concorrência internacional
cattonia
 
23 os descobrimentos
23  os descobrimentos23  os descobrimentos
23 os descobrimentos
Carla Freitas
 
O espaço português 1
O espaço português 1O espaço português 1
O espaço português 1
Vítor Santos
 
Reconquista Cristã (Resumo)
Reconquista Cristã (Resumo)Reconquista Cristã (Resumo)
Reconquista Cristã (Resumo)
mari_punk
 
Revolucao francesa
Revolucao francesaRevolucao francesa
Revolucao francesa
cattonia
 
Crise de 1383 85
Crise de 1383 85Crise de 1383 85
Crise de 1383 85
Maria Gomes
 
A Expansão marítima
A Expansão marítimaA Expansão marítima
A Expansão marítima
cattonia
 
22 - A crise do século XIV
22 - A crise do século XIV22 - A crise do século XIV
22 - A crise do século XIV
Carla Freitas
 
Império Português nos séculos XVI a XVIII
Império Português nos séculos XVI a XVIIIImpério Português nos séculos XVI a XVIII
Império Português nos séculos XVI a XVIII
Cátia Botelho
 
Séc. xii a xiv
Séc. xii a xivSéc. xii a xiv
Séc. xii a xiv
cattonia
 
Concelhos 1
Concelhos 1Concelhos 1
Concelhos 1
Carla Teixeira
 
D. João V, o Absolutismo e o Absolutismo Joanino
D. João V, o Absolutismo e o Absolutismo JoaninoD. João V, o Absolutismo e o Absolutismo Joanino
D. João V, o Absolutismo e o Absolutismo Joanino
BarbaraSilveira9
 
Resumo sobre a a matéria (O antigo regime) de 8ºano.
Resumo sobre a a matéria (O antigo regime) de 8ºano. Resumo sobre a a matéria (O antigo regime) de 8ºano.
Resumo sobre a a matéria (O antigo regime) de 8ºano.
HizqeelMajoka
 
Invasões Francesas
Invasões FrancesasInvasões Francesas
Invasões Francesas
Edite Bartissol
 

Mais procurados (20)

A Crise Do Império Português
A Crise Do Império PortuguêsA Crise Do Império Português
A Crise Do Império Português
 
A Revolução de 1640 e a Guerra da Restauração
A Revolução de 1640 e a Guerra da RestauraçãoA Revolução de 1640 e a Guerra da Restauração
A Revolução de 1640 e a Guerra da Restauração
 
Portugal na 1ª guerra mundial
Portugal na 1ª guerra mundialPortugal na 1ª guerra mundial
Portugal na 1ª guerra mundial
 
02 história a_revisões_módulo_2
02 história a_revisões_módulo_202 história a_revisões_módulo_2
02 história a_revisões_módulo_2
 
Crise dinastica
Crise dinasticaCrise dinastica
Crise dinastica
 
Revolução liberal portuguesa de 1820
Revolução liberal portuguesa de 1820Revolução liberal portuguesa de 1820
Revolução liberal portuguesa de 1820
 
O império português e a concorrência internacional
O império português e a concorrência internacionalO império português e a concorrência internacional
O império português e a concorrência internacional
 
23 os descobrimentos
23  os descobrimentos23  os descobrimentos
23 os descobrimentos
 
O espaço português 1
O espaço português 1O espaço português 1
O espaço português 1
 
Reconquista Cristã (Resumo)
Reconquista Cristã (Resumo)Reconquista Cristã (Resumo)
Reconquista Cristã (Resumo)
 
Revolucao francesa
Revolucao francesaRevolucao francesa
Revolucao francesa
 
Crise de 1383 85
Crise de 1383 85Crise de 1383 85
Crise de 1383 85
 
A Expansão marítima
A Expansão marítimaA Expansão marítima
A Expansão marítima
 
22 - A crise do século XIV
22 - A crise do século XIV22 - A crise do século XIV
22 - A crise do século XIV
 
Império Português nos séculos XVI a XVIII
Império Português nos séculos XVI a XVIIIImpério Português nos séculos XVI a XVIII
Império Português nos séculos XVI a XVIII
 
Séc. xii a xiv
Séc. xii a xivSéc. xii a xiv
Séc. xii a xiv
 
Concelhos 1
Concelhos 1Concelhos 1
Concelhos 1
 
D. João V, o Absolutismo e o Absolutismo Joanino
D. João V, o Absolutismo e o Absolutismo JoaninoD. João V, o Absolutismo e o Absolutismo Joanino
D. João V, o Absolutismo e o Absolutismo Joanino
 
Resumo sobre a a matéria (O antigo regime) de 8ºano.
Resumo sobre a a matéria (O antigo regime) de 8ºano. Resumo sobre a a matéria (O antigo regime) de 8ºano.
Resumo sobre a a matéria (O antigo regime) de 8ºano.
 
Invasões Francesas
Invasões FrancesasInvasões Francesas
Invasões Francesas
 

Semelhante a A Restauração Da Independência

Historia
HistoriaHistoria
A revolta do 1º de dezembro de 1640
A revolta do 1º de dezembro de 1640A revolta do 1º de dezembro de 1640
A revolta do 1º de dezembro de 1640
Leonel Gomes
 
B4 – da união ibérica à restauração
B4 – da união ibérica à restauraçãoB4 – da união ibérica à restauração
B4 – da união ibérica à restauração
Carlos Vaz
 
Restauração
RestauraçãoRestauração
Restauração
Maria Gomes
 
Uniaoiberica
UniaoibericaUniaoiberica
Uniaoiberica
Marta Pereira
 
Restauração da Independência
Restauração da IndependênciaRestauração da Independência
Restauração da Independência
Maria Gomes
 
União ibérica & restauração
União ibérica & restauraçãoUnião ibérica & restauração
União ibérica & restauração
Rainha Maga
 
A crise do Império no Oriente e União Dinástica
A crise do Império no Oriente e União DinásticaA crise do Império no Oriente e União Dinástica
A crise do Império no Oriente e União Dinástica
Zé Mário
 
Dauniaoibericaarestauracaodaindependenciaem1 110114143013-phpapp01
Dauniaoibericaarestauracaodaindependenciaem1 110114143013-phpapp01Dauniaoibericaarestauracaodaindependenciaem1 110114143013-phpapp01
Dauniaoibericaarestauracaodaindependenciaem1 110114143013-phpapp01
becastanheiradepera
 
A união ibérica e a restauração da independência
A união ibérica e a restauração da independênciaA união ibérica e a restauração da independência
A união ibérica e a restauração da independência
JosPedroSilva11
 
1 de dezembro de 1640 power point
1 de dezembro de 1640   power point1 de dezembro de 1640   power point
1 de dezembro de 1640 power point
Ana Paiva
 
A transferência da corte para o brasil 1808
A transferência da corte para o brasil 1808A transferência da corte para o brasil 1808
A transferência da corte para o brasil 1808
ProfessoresColeguium
 
A união ibérica
A união ibérica A união ibérica
A união ibérica
Laís Uchôa
 
fdocumentos.com_da-uniao-iberica-a-restauracao-da-independencia.ppt
fdocumentos.com_da-uniao-iberica-a-restauracao-da-independencia.pptfdocumentos.com_da-uniao-iberica-a-restauracao-da-independencia.ppt
fdocumentos.com_da-uniao-iberica-a-restauracao-da-independencia.ppt
Belmiramolar
 
fdocumentos.com_da-uniao-iberica-a-restauracao-da-independencia1.ppt
fdocumentos.com_da-uniao-iberica-a-restauracao-da-independencia1.pptfdocumentos.com_da-uniao-iberica-a-restauracao-da-independencia1.ppt
fdocumentos.com_da-uniao-iberica-a-restauracao-da-independencia1.ppt
Belmiramolar
 
União ibérica
União ibéricaUnião ibérica
União ibérica
Pedro Henrique
 
fdocumentos.com_a-morte-de-d-sebastiao-e-a-crise-de-sucessao-a-uniao-iberica-...
fdocumentos.com_a-morte-de-d-sebastiao-e-a-crise-de-sucessao-a-uniao-iberica-...fdocumentos.com_a-morte-de-d-sebastiao-e-a-crise-de-sucessao-a-uniao-iberica-...
fdocumentos.com_a-morte-de-d-sebastiao-e-a-crise-de-sucessao-a-uniao-iberica-...
Belmiramolar
 
3 O ComéRcio AçUcareiro E A RestauraçãO De 1640
3   O ComéRcio AçUcareiro E A RestauraçãO De 16403   O ComéRcio AçUcareiro E A RestauraçãO De 1640
3 O ComéRcio AçUcareiro E A RestauraçãO De 1640
Hist8
 
da União Ibérica à Restauração
da União Ibérica  à Restauraçãoda União Ibérica  à Restauração
da União Ibérica à Restauração
Cristiana Silva
 
A morte de D. Sebastião e a crise de sucessão, a união ibérica e a restauração
A morte de D. Sebastião e a crise de sucessão, a união ibérica e a restauraçãoA morte de D. Sebastião e a crise de sucessão, a união ibérica e a restauração
A morte de D. Sebastião e a crise de sucessão, a união ibérica e a restauração
Anabela Sobral
 

Semelhante a A Restauração Da Independência (20)

Historia
HistoriaHistoria
Historia
 
A revolta do 1º de dezembro de 1640
A revolta do 1º de dezembro de 1640A revolta do 1º de dezembro de 1640
A revolta do 1º de dezembro de 1640
 
B4 – da união ibérica à restauração
B4 – da união ibérica à restauraçãoB4 – da união ibérica à restauração
B4 – da união ibérica à restauração
 
Restauração
RestauraçãoRestauração
Restauração
 
Uniaoiberica
UniaoibericaUniaoiberica
Uniaoiberica
 
Restauração da Independência
Restauração da IndependênciaRestauração da Independência
Restauração da Independência
 
União ibérica & restauração
União ibérica & restauraçãoUnião ibérica & restauração
União ibérica & restauração
 
A crise do Império no Oriente e União Dinástica
A crise do Império no Oriente e União DinásticaA crise do Império no Oriente e União Dinástica
A crise do Império no Oriente e União Dinástica
 
Dauniaoibericaarestauracaodaindependenciaem1 110114143013-phpapp01
Dauniaoibericaarestauracaodaindependenciaem1 110114143013-phpapp01Dauniaoibericaarestauracaodaindependenciaem1 110114143013-phpapp01
Dauniaoibericaarestauracaodaindependenciaem1 110114143013-phpapp01
 
A união ibérica e a restauração da independência
A união ibérica e a restauração da independênciaA união ibérica e a restauração da independência
A união ibérica e a restauração da independência
 
1 de dezembro de 1640 power point
1 de dezembro de 1640   power point1 de dezembro de 1640   power point
1 de dezembro de 1640 power point
 
A transferência da corte para o brasil 1808
A transferência da corte para o brasil 1808A transferência da corte para o brasil 1808
A transferência da corte para o brasil 1808
 
A união ibérica
A união ibérica A união ibérica
A união ibérica
 
fdocumentos.com_da-uniao-iberica-a-restauracao-da-independencia.ppt
fdocumentos.com_da-uniao-iberica-a-restauracao-da-independencia.pptfdocumentos.com_da-uniao-iberica-a-restauracao-da-independencia.ppt
fdocumentos.com_da-uniao-iberica-a-restauracao-da-independencia.ppt
 
fdocumentos.com_da-uniao-iberica-a-restauracao-da-independencia1.ppt
fdocumentos.com_da-uniao-iberica-a-restauracao-da-independencia1.pptfdocumentos.com_da-uniao-iberica-a-restauracao-da-independencia1.ppt
fdocumentos.com_da-uniao-iberica-a-restauracao-da-independencia1.ppt
 
União ibérica
União ibéricaUnião ibérica
União ibérica
 
fdocumentos.com_a-morte-de-d-sebastiao-e-a-crise-de-sucessao-a-uniao-iberica-...
fdocumentos.com_a-morte-de-d-sebastiao-e-a-crise-de-sucessao-a-uniao-iberica-...fdocumentos.com_a-morte-de-d-sebastiao-e-a-crise-de-sucessao-a-uniao-iberica-...
fdocumentos.com_a-morte-de-d-sebastiao-e-a-crise-de-sucessao-a-uniao-iberica-...
 
3 O ComéRcio AçUcareiro E A RestauraçãO De 1640
3   O ComéRcio AçUcareiro E A RestauraçãO De 16403   O ComéRcio AçUcareiro E A RestauraçãO De 1640
3 O ComéRcio AçUcareiro E A RestauraçãO De 1640
 
da União Ibérica à Restauração
da União Ibérica  à Restauraçãoda União Ibérica  à Restauração
da União Ibérica à Restauração
 
A morte de D. Sebastião e a crise de sucessão, a união ibérica e a restauração
A morte de D. Sebastião e a crise de sucessão, a união ibérica e a restauraçãoA morte de D. Sebastião e a crise de sucessão, a união ibérica e a restauração
A morte de D. Sebastião e a crise de sucessão, a união ibérica e a restauração
 

Mais de Rui Neto

Os Regimes Fascista e Nazi
Os Regimes Fascista e NaziOs Regimes Fascista e Nazi
Os Regimes Fascista e Nazi
Rui Neto
 
A 1ª RepúBlica
A 1ª RepúBlicaA 1ª RepúBlica
A 1ª RepúBlica
Rui Neto
 
A Reforma
A ReformaA Reforma
A Reforma
Rui Neto
 
Fases Da 2ª Guerra Mundial
Fases Da 2ª Guerra MundialFases Da 2ª Guerra Mundial
Fases Da 2ª Guerra Mundial
Rui Neto
 
Crise 1929
Crise 1929Crise 1929
Crise 1929
Rui Neto
 
Holocausto
HolocaustoHolocausto
Holocausto
Rui Neto
 
O Iluminismo
O IluminismoO Iluminismo
O Iluminismo
Rui Neto
 
A Revolução Científica
A Revolução CientíficaA Revolução Científica
A Revolução Científica
Rui Neto
 
O Despotismo Pombalino
O  Despotismo  PombalinoO  Despotismo  Pombalino
O Despotismo Pombalino
Rui Neto
 
O Barroco
O BarrocoO Barroco
O Barroco
Rui Neto
 
O Estado Novo
O Estado NovoO Estado Novo
O Estado Novo
Rui Neto
 

Mais de Rui Neto (11)

Os Regimes Fascista e Nazi
Os Regimes Fascista e NaziOs Regimes Fascista e Nazi
Os Regimes Fascista e Nazi
 
A 1ª RepúBlica
A 1ª RepúBlicaA 1ª RepúBlica
A 1ª RepúBlica
 
A Reforma
A ReformaA Reforma
A Reforma
 
Fases Da 2ª Guerra Mundial
Fases Da 2ª Guerra MundialFases Da 2ª Guerra Mundial
Fases Da 2ª Guerra Mundial
 
Crise 1929
Crise 1929Crise 1929
Crise 1929
 
Holocausto
HolocaustoHolocausto
Holocausto
 
O Iluminismo
O IluminismoO Iluminismo
O Iluminismo
 
A Revolução Científica
A Revolução CientíficaA Revolução Científica
A Revolução Científica
 
O Despotismo Pombalino
O  Despotismo  PombalinoO  Despotismo  Pombalino
O Despotismo Pombalino
 
O Barroco
O BarrocoO Barroco
O Barroco
 
O Estado Novo
O Estado NovoO Estado Novo
O Estado Novo
 

A Restauração Da Independência

  • 1. O IMPÉRIO PORTUGUÊS E A CONCORRÊNCIA INTERNACIONAL A Restauração da Independência de Portugal (1640)
  • 2. Quais foram as razões que levaram à restauração da independência de Portugal em 1640? A RESTAURAÇÃO DA INDEPENDÊNCIA DE PORTUGAL  A crise do Império Espanhol , na 1ª metade do século XVII, provocada, essencialmente, por dois motivos:  a diminuição das remessas de ouro e prata da América;  o envolvimento da Espanha em guerras (Guerra dos Trinta Anos, 1618-1648) e revoltas internas (ex: Revolta da Catalunha) que levou ao aumento dos impostos. Revolta popular em Espanha, os “motins da fome”, devido ao aumento dos impostos pelos reis espanhóis.
  • 3. O grande descontentamento geral dos portugueses , devido ao não cumprimento das promessas feitas nas Cortes de Tomar:  entrega, por Filipe II de Portugal, de cargos da administração e do governo a espanhóis;  aumento dos impostos, por Filipe III de Portugal, que provocou várias revoltas populares, como por exemplo, a Revolta do Manuelinho , em 1637; Revolta do Manuelinho (Alterações de Évora) em 1637. Filipe II Filipe III
  • 4. utilização das tropas e navios portugueses nas guerras espanholas contra ingleses, holandeses e franceses;  deficiente defesa das colónias portuguesas, pelo que estas eram frequentemente atacadas e também conquistadas por holandeses, ingleses e franceses (Ex: Brasil e Angola).
  • 5.  
  • 6. No dia 1 de Dezembro de 1640, um grupo de nobres revoltou-se ( atacou o paço da Ribeira, prendendo a vice-rainha, a duquesa de Mântua, D. Margarida Gonzaga, Governadora de Portugal e, então, Regente do rei de Espanha, e matando o secretário de estado, Miguel de Vasconcelos , que se escondera num armário) e aclamou como rei de Portugal o duque de Bragança, com o título de D. João IV . A RESTAURAÇÃO DA INDEPENDÊNCIA
  • 7. A paz foi assinada apenas em 1668, após várias tentativas de invasão dos espanhóis, que foram sempre vencidas (Batalhas de Linhas de Elvas, Montijo, Ameixial, Castelo Rodrigo e Montes Claros).
  • 8. FIM
  • 9. D. João IV (1640 - 1656) . Nasceu em Vila Viçosa, a 19 de Março de 1604 e morreu em Lisboa, a 6 de Dezembro de 1656, tendo sido sepultado no Mosteiro de S. Vicente de Fora. Era filho de D. Teodósio II, 7 ° duque de Bragança, e de sua mulher, D. Ana de Velasco. Do seu casamento, celebrado em 12 de Janeiro de 1633, com D. Luísa Francisca de Gusmão,, nasceram: D. Teodósio, D. Ana, D. Joana, D. Catarina, D. Manuel, D. Afonso VI, que herdou a coroa, e D, Maria. Já em 1638, os conjurados da Revolução de 1640 tinham procurado obter a aceitação de D. João para uma revolta contra Espanha. Mas as hesitações, ou cautelas, do duque fizeram levantar a hipótese de se conseguir o regresso do infante D. Duarte, solução que falhou, tendo-se mesmo encarado a instauração de uma república, nos moldes da das Províncias Unidas.  A verdade é, que depois da sua aclamação como rei a 15 de Dezembro de 1640, todas as hesitações desapareceram e D. João IV fez frente às dificuldades com um vigor que muito contribuiu para a efectiva restauração da independência de Portugal. Da actividade global do seu reinado, deveremos destacar o esforço efectuado na reorganização do aparelho militar: reparação das fortalezas das linhas defensivas fronteiriças, fortalecimento das guarnições, defesa do Alentejo e Beira e obtenção de material e reforços no estrangeiro; a intensa e inteligente actividade diplomática junto das cortes da Europa, no sentido de obter apoio militar e financeiro, negociar tratados de paz ou de tréguas e conseguir o reconhecimento da Restauração; a acção desenvolvida para a reconquista do império ultramarino, no Brasil e em Africa; a alta visão na escolha dos colaboradores. Quando morreu, o reino não estava ainda em segurança absoluta, mas D. João IV tinha-lhe construído umas bases suficientemente sólidas para vencer a crise. Sucedeu-lhe D. Afonso VI, seu segundo filho.