SlideShare uma empresa Scribd logo
O DESPOTISMO POMBALINO
O Despotismo Esclarecido ou Iluminado    No século XVIII, desenvolveu-se na Europa (Áustria, Prússia e Rússia) uma nova concepção do absolutismo, o chamado  despotismo esclarecido ou iluminado : Nova concepção do absolutismo, segundo a qual o rei, cujo  poder era “esclarecido” ou “iluminado” pela Razão , deveria reforçar e centralizar o seu poder de modo a governar em favor do bem-estar e do progresso do povo.    Em Portugal, o  despotismo esclarecido ou iluminado  foi aplicado no reinado de D. José (1750-1777), por intermédio de Sebastião José de Carvalho e Melo, o  Marquês de Pombal .
O reforço do poder do Estado    O grande objectivo do Marquês de Pombal era  fortalecer o poder do Estado e modernizar a administração . Nesse sentido, Pombal: - criou o Erário Régio (organismo que superintendia as finanças do Reino); - criou a Real Mesa Censória (substituta da Inquisição na censura à imprensa); - criou a Intendência Geral da Polícia; - reorganizou o exército; - reorganizou os impostos; - reformou o ensino e a Inquisição; - aboliu a distinção entre cristãos-novos e cristãos-velhos.
A submissão dos grupos privilegiados e a promoção da burguesia      Para fortalecer o poder do Estado e modernizar a administração, Pombal teve que proceder, por um lado, à  submissão da alta nobreza e da Companhia de Jesus  e, por outro, à  promoção da burguesia e da pequena nobreza : - Vários membros da  alta nobreza  foram perseguidos, presos e condenados à morte (ex: a família dos Távoras, acusados de tentarem assassinar o rei D. José em 1758), outros viram os seus bens confiscados   ; - Os  Jesuítas  foram expulsos de Portugal e dos territórios ultramarinos, em 1759, devido a resistirem à autoridade do Estado e ao facto de constituírem um obstáculo às reformas do ensino, que estava nas suas mãos; - À  burguesia  (ligada às companhias comerciais, ao comércio com o Brasil e aos vinhos do Douro) e a uma parte da  pequena nobreza  concedeu muitos privilégios e foi com eles que constituiu uma elite social que o ajudou na sua política de centralização do poder e de modernização da administração e da economia.
A política económica: o desenvolvimento comercial e manufactureiro    Para resolver a  crise económica  que afectava Portugal, apesar do grande afluxo de ouro brasileiro no reinado de D. João V,   o Marquês de Pombal retomou a  política mercantilista  e tomou uma série de medidas para  desenvolver o comércio e as manufacturas nacionais  e para  libertar o país da dependência económica em relação à Inglaterra :    Medidas para o desenvolvimento comercial (1753 a 1759) :   Fundou a Junta do Comércio (organismo que controlava o comércio e as indústrias); Criou grandes companhias de comércio, às quais concedeu o monopólio do comércio em determinadas zonas ou de determinados produtos: Companhia da Ásia Portuguesa (1753); Companhia do Grão-Pará e Maranhão (1755); Companhia do Pernambuco e Paraíba (1759); Companhia Real da Agricultura das Vinhas do Alto Douro (1756); Companhia de Pescas do Algarve (1773); Proibiu a cultura da vinha em terras próprias para os cereais.
   Medidas para o desenvolvimento das manufacturas (1764 a 1775) :   Concedeu às manufacturas o monopólio da produção de determinados artigos; Baixou as taxas alfandegárias sobre as importações de matérias-primas; Criou e renovou oficinas e manufacturas; Reorganizou as fábricas reais de lanifícios e a Real Fábrica da Seda; Financiou a criação de fábricas de vidros (Marinha Grande), louças, cutelarias, fundição, papel e outras; Fundou a primeira fábrica de refinação de açúcar.
A acção do Marquês de Pombal: ▪   _________________________________________________________________ ▪  _________________________________________________________________ ▪  _________________________________________________________________ - ______________________________________________________________ - ______________________________________________________________ - ______________________________________________________________ - ______________________________________________________________ Mandou elaborar um  plano de reconstrução de Lisboa : Mandou policiar as ruas e os edifícios mais importantes para evitar os roubos; Mandou enterrar os mortos e socorrer os feridos; Acontecimento:  ____________________ _____________________________________ _________________________________________________________ A cidade como imagem do poder: o urbanismo pombalino O Terramoto de 1755 Data:  __________________ ______________________________________________ 1 de Novembro de 1755, cerca das 9h30m. Terramoto, seguido de um maremoto (Tsunami), que atingiu principalmente Lisboa, Setúbal e várias localidades do Algarve. Consequências:  _______ _________________________________________________ ________________________________________________________ Morte de mais de 10 mil pessoas e destruição de muitos edifícios, monumentos, tesouros e obras de arte. ruas largas e geométricas com passeios calcetados; casas com fachadas iguais, da mesma altura e com estrutura anti-sismo (sistema de gaiola); rede geral de esgotos; reconstrução do Terreiro do Paço que passou a chamar-se Praça do Comércio.
 
A execução dos Távoras (alguns membros desta família foram executados publicamente, em 1759, sob a acusação de terem participado na tentativa de assassinato do rei D. José.
A expulsão dos Jesuítas de Portugal.
 
 
Interior do Convento do Carmo após o terramoto de 1755.
Os principais responsáveis pela reconstrução de Lisboa foram Carlos Mardel, Eugénio dos Santos e Manuel da Maia.
 
 

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

2 globalização compressed
2 globalização compressed2 globalização compressed
2 globalização compressed
ProfessorRogerioSant
 
O mercantilismo em portugal
O mercantilismo em portugalO mercantilismo em portugal
O mercantilismo em portugal
Susana Simões
 
MarquêS De Pombal ReforçO Do Estado
MarquêS De Pombal ReforçO Do EstadoMarquêS De Pombal ReforçO Do Estado
MarquêS De Pombal ReforçO Do Estado
crie_historia8
 
Guião 3 8º ano
Guião 3 8º anoGuião 3 8º ano
Guião 3 8º ano
Marquês de Pombal
 
O projeto pombalino de inspiração iluminista
O projeto pombalino de inspiração iluministaO projeto pombalino de inspiração iluminista
O projeto pombalino de inspiração iluminista
Stelian Ravas
 
Fomento Comercial E Manufactureiro
Fomento Comercial E ManufactureiroFomento Comercial E Manufactureiro
Fomento Comercial E Manufactureiro
Sílvia Mendonça
 
Mercantilismo português
Mercantilismo portuguêsMercantilismo português
Mercantilismo português
cattonia
 
Reformas pombalinas: educação
Reformas pombalinas: educaçãoReformas pombalinas: educação
Reformas pombalinas: educação
Maria Gomes
 
O Mercantilismo Em Portugal
O Mercantilismo Em PortugalO Mercantilismo Em Portugal
O Mercantilismo Em Portugal
Sílvia Mendonça
 
ALCA - Objetivos e Possibilidades
ALCA - Objetivos e PossibilidadesALCA - Objetivos e Possibilidades
ALCA - Objetivos e Possibilidades
Sabrina Baracho S
 

Mais procurados (10)

2 globalização compressed
2 globalização compressed2 globalização compressed
2 globalização compressed
 
O mercantilismo em portugal
O mercantilismo em portugalO mercantilismo em portugal
O mercantilismo em portugal
 
MarquêS De Pombal ReforçO Do Estado
MarquêS De Pombal ReforçO Do EstadoMarquêS De Pombal ReforçO Do Estado
MarquêS De Pombal ReforçO Do Estado
 
Guião 3 8º ano
Guião 3 8º anoGuião 3 8º ano
Guião 3 8º ano
 
O projeto pombalino de inspiração iluminista
O projeto pombalino de inspiração iluministaO projeto pombalino de inspiração iluminista
O projeto pombalino de inspiração iluminista
 
Fomento Comercial E Manufactureiro
Fomento Comercial E ManufactureiroFomento Comercial E Manufactureiro
Fomento Comercial E Manufactureiro
 
Mercantilismo português
Mercantilismo portuguêsMercantilismo português
Mercantilismo português
 
Reformas pombalinas: educação
Reformas pombalinas: educaçãoReformas pombalinas: educação
Reformas pombalinas: educação
 
O Mercantilismo Em Portugal
O Mercantilismo Em PortugalO Mercantilismo Em Portugal
O Mercantilismo Em Portugal
 
ALCA - Objetivos e Possibilidades
ALCA - Objetivos e PossibilidadesALCA - Objetivos e Possibilidades
ALCA - Objetivos e Possibilidades
 

Destaque

7. guía ceguera y d.v.
7.  guía ceguera y d.v.7.  guía ceguera y d.v.
7. guía ceguera y d.v.
RossyPalmaM Palma M
 
Recopilacion Blog
Recopilacion BlogRecopilacion Blog
Recopilacion Blog
Florencia
 
Sale Deed Chez La Tour 1
Sale Deed   Chez La Tour 1Sale Deed   Chez La Tour 1
Sale Deed Chez La Tour 1
anchorbill
 
Pesquisa Brasileira de Mídia/PBM 2015
Pesquisa Brasileira de Mídia/PBM 2015Pesquisa Brasileira de Mídia/PBM 2015
Pesquisa Brasileira de Mídia/PBM 2015
DenizecomZ
 
PiéNsatelo
PiéNsateloPiéNsatelo
PiéNsatelo
13500
 
Tita, a-coelhinha-diferente
Tita, a-coelhinha-diferenteTita, a-coelhinha-diferente
Tita, a-coelhinha-diferente
mfsfernandes59
 
InauguracióN Del Nuevo PabellóN Liceo Dor
InauguracióN Del Nuevo PabellóN Liceo DorInauguracióN Del Nuevo PabellóN Liceo Dor
InauguracióN Del Nuevo PabellóN Liceo Dor
dor illapel
 
Publicidade - RITA
Publicidade - RITAPublicidade - RITA
Publicidade - RITA
primaquim
 
Paracompreender
ParacompreenderParacompreender
Paracompreender
primaquim
 
Inadi guia-para-docentes
Inadi guia-para-docentesInadi guia-para-docentes
Inadi guia-para-docentes
RossyPalmaM Palma M
 
Fakt Presentation 2010
Fakt Presentation 2010Fakt Presentation 2010
Fakt Presentation 2010
tarutin
 
Historias con huella relatos para la comprensión lectora y la expresión escr...
Historias con huella  relatos para la comprensión lectora y la expresión escr...Historias con huella  relatos para la comprensión lectora y la expresión escr...
Historias con huella relatos para la comprensión lectora y la expresión escr...
RossyPalmaM Palma M
 
Pink Elephant Bedrijfspresentatie
Pink Elephant BedrijfspresentatiePink Elephant Bedrijfspresentatie
Pink Elephant Bedrijfspresentatie
denisbierling
 
Irakaskuntza 2 0 (HIKHASI 2007)
Irakaskuntza 2 0 (HIKHASI 2007)Irakaskuntza 2 0 (HIKHASI 2007)
Irakaskuntza 2 0 (HIKHASI 2007)
Jokin Lacalle
 
Apresentação do ministro do Planejamento Nelson Barbosa em 17/3/15
Apresentação do ministro do Planejamento Nelson Barbosa em 17/3/15Apresentação do ministro do Planejamento Nelson Barbosa em 17/3/15
Apresentação do ministro do Planejamento Nelson Barbosa em 17/3/15
DenizecomZ
 
8. guía as secundaria.
8.  guía as secundaria.8.  guía as secundaria.
8. guía as secundaria.
RossyPalmaM Palma M
 
Questionário
QuestionárioQuestionário
Questionário
gooddark
 
Slide Khatam 2008
Slide Khatam 2008Slide Khatam 2008
Slide Khatam 2008
Hamdi27378
 
O Magnesio Magico
O Magnesio MagicoO Magnesio Magico
O Magnesio Magico
primaquim
 
Proposta uca cópia
Proposta uca   cópiaProposta uca   cópia
Proposta uca cópia
kassionline
 

Destaque (20)

7. guía ceguera y d.v.
7.  guía ceguera y d.v.7.  guía ceguera y d.v.
7. guía ceguera y d.v.
 
Recopilacion Blog
Recopilacion BlogRecopilacion Blog
Recopilacion Blog
 
Sale Deed Chez La Tour 1
Sale Deed   Chez La Tour 1Sale Deed   Chez La Tour 1
Sale Deed Chez La Tour 1
 
Pesquisa Brasileira de Mídia/PBM 2015
Pesquisa Brasileira de Mídia/PBM 2015Pesquisa Brasileira de Mídia/PBM 2015
Pesquisa Brasileira de Mídia/PBM 2015
 
PiéNsatelo
PiéNsateloPiéNsatelo
PiéNsatelo
 
Tita, a-coelhinha-diferente
Tita, a-coelhinha-diferenteTita, a-coelhinha-diferente
Tita, a-coelhinha-diferente
 
InauguracióN Del Nuevo PabellóN Liceo Dor
InauguracióN Del Nuevo PabellóN Liceo DorInauguracióN Del Nuevo PabellóN Liceo Dor
InauguracióN Del Nuevo PabellóN Liceo Dor
 
Publicidade - RITA
Publicidade - RITAPublicidade - RITA
Publicidade - RITA
 
Paracompreender
ParacompreenderParacompreender
Paracompreender
 
Inadi guia-para-docentes
Inadi guia-para-docentesInadi guia-para-docentes
Inadi guia-para-docentes
 
Fakt Presentation 2010
Fakt Presentation 2010Fakt Presentation 2010
Fakt Presentation 2010
 
Historias con huella relatos para la comprensión lectora y la expresión escr...
Historias con huella  relatos para la comprensión lectora y la expresión escr...Historias con huella  relatos para la comprensión lectora y la expresión escr...
Historias con huella relatos para la comprensión lectora y la expresión escr...
 
Pink Elephant Bedrijfspresentatie
Pink Elephant BedrijfspresentatiePink Elephant Bedrijfspresentatie
Pink Elephant Bedrijfspresentatie
 
Irakaskuntza 2 0 (HIKHASI 2007)
Irakaskuntza 2 0 (HIKHASI 2007)Irakaskuntza 2 0 (HIKHASI 2007)
Irakaskuntza 2 0 (HIKHASI 2007)
 
Apresentação do ministro do Planejamento Nelson Barbosa em 17/3/15
Apresentação do ministro do Planejamento Nelson Barbosa em 17/3/15Apresentação do ministro do Planejamento Nelson Barbosa em 17/3/15
Apresentação do ministro do Planejamento Nelson Barbosa em 17/3/15
 
8. guía as secundaria.
8.  guía as secundaria.8.  guía as secundaria.
8. guía as secundaria.
 
Questionário
QuestionárioQuestionário
Questionário
 
Slide Khatam 2008
Slide Khatam 2008Slide Khatam 2008
Slide Khatam 2008
 
O Magnesio Magico
O Magnesio MagicoO Magnesio Magico
O Magnesio Magico
 
Proposta uca cópia
Proposta uca   cópiaProposta uca   cópia
Proposta uca cópia
 

Semelhante a O despotismo pombalino

O Despotismo Pombalino
O  Despotismo  PombalinoO  Despotismo  Pombalino
O Despotismo Pombalino
Rui Neto
 
O projecto pombalino de inspiração iluminista
O projecto pombalino de inspiração iluministaO projecto pombalino de inspiração iluminista
O projecto pombalino de inspiração iluminista
Carla Teixeira
 
32 despotismo pombalino
32   despotismo pombalino32   despotismo pombalino
32 despotismo pombalino
Carla Freitas
 
História- trabalho realizado pelo uma escola
História- trabalho realizado pelo uma escolaHistória- trabalho realizado pelo uma escola
História- trabalho realizado pelo uma escola
MariaCaneira1
 
Politica pombalina
Politica pombalinaPolitica pombalina
Politica pombalina
JoanaRitaSilva
 
Política económica - século XVIII
Política económica - século XVIIIPolítica económica - século XVIII
Política económica - século XVIII
Maria Gomes
 
Fluxograma Império-Luso-Brasileiro
Fluxograma Império-Luso-BrasileiroFluxograma Império-Luso-Brasileiro
Fluxograma Império-Luso-Brasileiro
Glauciela Sobrinho
 
175 abcdefghi brasil colonial 1750 1801 crise na produção aurifera e do siste...
175 abcdefghi brasil colonial 1750 1801 crise na produção aurifera e do siste...175 abcdefghi brasil colonial 1750 1801 crise na produção aurifera e do siste...
175 abcdefghi brasil colonial 1750 1801 crise na produção aurifera e do siste...
cristianoperinpissolato
 
Mercantilismo português
Mercantilismo portuguêsMercantilismo português
Mercantilismo português
cattonia
 
Absolutismo 8
Absolutismo 8Absolutismo 8
Absolutismo 8
Jorge Basílio
 
Crise do Antigo Regime Colonial Revoltas Nativistas e Período Pombalino.pptx
Crise do Antigo Regime Colonial Revoltas Nativistas e Período Pombalino.pptxCrise do Antigo Regime Colonial Revoltas Nativistas e Período Pombalino.pptx
Crise do Antigo Regime Colonial Revoltas Nativistas e Período Pombalino.pptx
Alex Fonte
 
Segundo Reinado
Segundo ReinadoSegundo Reinado
Segundo Reinado
Alexandre Protásio
 
História do Brasil
História do BrasilHistória do Brasil
Portugal na Segunda Metade do Sé.XVIII
Portugal na Segunda Metade do Sé.XVIIIPortugal na Segunda Metade do Sé.XVIII
Portugal na Segunda Metade do Sé.XVIII
Ana Beatriz Gonçalves
 
Absolutismo e mercantilismo
Absolutismo e mercantilismoAbsolutismo e mercantilismo
Absolutismo e mercantilismo
Maria Luiza
 
Portugal na Europa do Antigo Regime
Portugal na Europa do Antigo RegimePortugal na Europa do Antigo Regime
Portugal na Europa do Antigo Regime
Carlos Pinheiro
 
O empreendimento colonial na América portuguesa
O empreendimento colonial na América portuguesaO empreendimento colonial na América portuguesa
O empreendimento colonial na América portuguesa
jefersondutra08
 
O despotismo esclarecido
O despotismo esclarecidoO despotismo esclarecido
O despotismo esclarecido
historiando
 
O despotismo esclarecido
O despotismo esclarecidoO despotismo esclarecido
O despotismo esclarecido
Nelia Salles Nantes
 
Resumo De História do 8º Ano
Resumo De História do 8º AnoResumo De História do 8º Ano
Resumo De História do 8º Ano
Denis Best
 

Semelhante a O despotismo pombalino (20)

O Despotismo Pombalino
O  Despotismo  PombalinoO  Despotismo  Pombalino
O Despotismo Pombalino
 
O projecto pombalino de inspiração iluminista
O projecto pombalino de inspiração iluministaO projecto pombalino de inspiração iluminista
O projecto pombalino de inspiração iluminista
 
32 despotismo pombalino
32   despotismo pombalino32   despotismo pombalino
32 despotismo pombalino
 
História- trabalho realizado pelo uma escola
História- trabalho realizado pelo uma escolaHistória- trabalho realizado pelo uma escola
História- trabalho realizado pelo uma escola
 
Politica pombalina
Politica pombalinaPolitica pombalina
Politica pombalina
 
Política económica - século XVIII
Política económica - século XVIIIPolítica económica - século XVIII
Política económica - século XVIII
 
Fluxograma Império-Luso-Brasileiro
Fluxograma Império-Luso-BrasileiroFluxograma Império-Luso-Brasileiro
Fluxograma Império-Luso-Brasileiro
 
175 abcdefghi brasil colonial 1750 1801 crise na produção aurifera e do siste...
175 abcdefghi brasil colonial 1750 1801 crise na produção aurifera e do siste...175 abcdefghi brasil colonial 1750 1801 crise na produção aurifera e do siste...
175 abcdefghi brasil colonial 1750 1801 crise na produção aurifera e do siste...
 
Mercantilismo português
Mercantilismo portuguêsMercantilismo português
Mercantilismo português
 
Absolutismo 8
Absolutismo 8Absolutismo 8
Absolutismo 8
 
Crise do Antigo Regime Colonial Revoltas Nativistas e Período Pombalino.pptx
Crise do Antigo Regime Colonial Revoltas Nativistas e Período Pombalino.pptxCrise do Antigo Regime Colonial Revoltas Nativistas e Período Pombalino.pptx
Crise do Antigo Regime Colonial Revoltas Nativistas e Período Pombalino.pptx
 
Segundo Reinado
Segundo ReinadoSegundo Reinado
Segundo Reinado
 
História do Brasil
História do BrasilHistória do Brasil
História do Brasil
 
Portugal na Segunda Metade do Sé.XVIII
Portugal na Segunda Metade do Sé.XVIIIPortugal na Segunda Metade do Sé.XVIII
Portugal na Segunda Metade do Sé.XVIII
 
Absolutismo e mercantilismo
Absolutismo e mercantilismoAbsolutismo e mercantilismo
Absolutismo e mercantilismo
 
Portugal na Europa do Antigo Regime
Portugal na Europa do Antigo RegimePortugal na Europa do Antigo Regime
Portugal na Europa do Antigo Regime
 
O empreendimento colonial na América portuguesa
O empreendimento colonial na América portuguesaO empreendimento colonial na América portuguesa
O empreendimento colonial na América portuguesa
 
O despotismo esclarecido
O despotismo esclarecidoO despotismo esclarecido
O despotismo esclarecido
 
O despotismo esclarecido
O despotismo esclarecidoO despotismo esclarecido
O despotismo esclarecido
 
Resumo De História do 8º Ano
Resumo De História do 8º AnoResumo De História do 8º Ano
Resumo De História do 8º Ano
 

Mais de borgia

Expansaoportuguesaapaula 090609084639-phpapp02
Expansaoportuguesaapaula 090609084639-phpapp02Expansaoportuguesaapaula 090609084639-phpapp02
Expansaoportuguesaapaula 090609084639-phpapp02
borgia
 
Colonialismo e imperialismo
Colonialismo e imperialismoColonialismo e imperialismo
Colonialismo e imperialismo
borgia
 
8º ano as revoluções liberais
8º ano   as revoluções liberais8º ano   as revoluções liberais
8º ano as revoluções liberais
borgia
 
A sociedade medieval
A sociedade medievalA sociedade medieval
A sociedade medieval
borgia
 
A ind. eua
A ind. euaA ind. eua
A ind. eua
borgia
 
O barroco-
O barroco-O barroco-
O barroco-
borgia
 
Escravos e gladiadores
Escravos e gladiadoresEscravos e gladiadores
Escravos e gladiadores
borgia
 
O despotismo pombalino
O despotismo pombalinoO despotismo pombalino
O despotismo pombalino
borgia
 
A crise do império português no oriente
A crise do império português no orienteA crise do império português no oriente
A crise do império português no oriente
borgia
 
A crise-do-imprio-portugus-1234654982023962-2
A crise-do-imprio-portugus-1234654982023962-2A crise-do-imprio-portugus-1234654982023962-2
A crise-do-imprio-portugus-1234654982023962-2
borgia
 
Aveiro+à+..
Aveiro+à+..Aveiro+à+..
Aveiro+à+..
borgia
 
A expansao portuguesa 01
A expansao portuguesa 01A expansao portuguesa 01
A expansao portuguesa 01
borgia
 
A expansao portuguesa 01
A expansao portuguesa 01A expansao portuguesa 01
A expansao portuguesa 01
borgia
 
Expansao portuguesa
Expansao portuguesaExpansao portuguesa
Expansao portuguesa
borgia
 
Portugal no século xiv
Portugal no século xivPortugal no século xiv
Portugal no século xiv
borgia
 
S Bento da Porta Aberta
S  Bento da Porta AbertaS  Bento da Porta Aberta
S Bento da Porta Aberta
borgia
 
Caravaggio
CaravaggioCaravaggio
Caravaggio
borgia
 

Mais de borgia (17)

Expansaoportuguesaapaula 090609084639-phpapp02
Expansaoportuguesaapaula 090609084639-phpapp02Expansaoportuguesaapaula 090609084639-phpapp02
Expansaoportuguesaapaula 090609084639-phpapp02
 
Colonialismo e imperialismo
Colonialismo e imperialismoColonialismo e imperialismo
Colonialismo e imperialismo
 
8º ano as revoluções liberais
8º ano   as revoluções liberais8º ano   as revoluções liberais
8º ano as revoluções liberais
 
A sociedade medieval
A sociedade medievalA sociedade medieval
A sociedade medieval
 
A ind. eua
A ind. euaA ind. eua
A ind. eua
 
O barroco-
O barroco-O barroco-
O barroco-
 
Escravos e gladiadores
Escravos e gladiadoresEscravos e gladiadores
Escravos e gladiadores
 
O despotismo pombalino
O despotismo pombalinoO despotismo pombalino
O despotismo pombalino
 
A crise do império português no oriente
A crise do império português no orienteA crise do império português no oriente
A crise do império português no oriente
 
A crise-do-imprio-portugus-1234654982023962-2
A crise-do-imprio-portugus-1234654982023962-2A crise-do-imprio-portugus-1234654982023962-2
A crise-do-imprio-portugus-1234654982023962-2
 
Aveiro+à+..
Aveiro+à+..Aveiro+à+..
Aveiro+à+..
 
A expansao portuguesa 01
A expansao portuguesa 01A expansao portuguesa 01
A expansao portuguesa 01
 
A expansao portuguesa 01
A expansao portuguesa 01A expansao portuguesa 01
A expansao portuguesa 01
 
Expansao portuguesa
Expansao portuguesaExpansao portuguesa
Expansao portuguesa
 
Portugal no século xiv
Portugal no século xivPortugal no século xiv
Portugal no século xiv
 
S Bento da Porta Aberta
S  Bento da Porta AbertaS  Bento da Porta Aberta
S Bento da Porta Aberta
 
Caravaggio
CaravaggioCaravaggio
Caravaggio
 

Último

Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptxSlides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdfUFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
Manuais Formação
 
Administração Em Enfermagem.pptx caala - Cópia-1.pptx
Administração Em Enfermagem.pptx caala - Cópia-1.pptxAdministração Em Enfermagem.pptx caala - Cópia-1.pptx
Administração Em Enfermagem.pptx caala - Cópia-1.pptx
helenawaya9
 
A GEOPOLÍTICA ATUAL E A INTEGRAÇÃO ECONÔMICA E SOCIAL
A GEOPOLÍTICA ATUAL E A INTEGRAÇÃO ECONÔMICA E SOCIALA GEOPOLÍTICA ATUAL E A INTEGRAÇÃO ECONÔMICA E SOCIAL
A GEOPOLÍTICA ATUAL E A INTEGRAÇÃO ECONÔMICA E SOCIAL
ArapiracaNoticiasFat
 
Endereços — Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia - ...
Endereços — Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia - ...Endereços — Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia - ...
Endereços — Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia - ...
Falcão Brasil
 
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdfMarinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Falcão Brasil
 
A Participação do Brasil nas Operações de Manutenção da Paz da ONU Passado, P...
A Participação do Brasil nas Operações de Manutenção da Paz da ONU Passado, P...A Participação do Brasil nas Operações de Manutenção da Paz da ONU Passado, P...
A Participação do Brasil nas Operações de Manutenção da Paz da ONU Passado, P...
Falcão Brasil
 
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Falcão Brasil
 
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Centro Jacques Delors
 
Relatório do Ministério da Defesa (MD) 2017.pdf
Relatório do Ministério da Defesa (MD) 2017.pdfRelatório do Ministério da Defesa (MD) 2017.pdf
Relatório do Ministério da Defesa (MD) 2017.pdf
Falcão Brasil
 
Fotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosas
Fotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosasFotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosas
Fotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosas
MariaJooSilva58
 
Escola Preparatória de Cadetes do Ar (EPCAR).pdf
Escola Preparatória de Cadetes do Ar (EPCAR).pdfEscola Preparatória de Cadetes do Ar (EPCAR).pdf
Escola Preparatória de Cadetes do Ar (EPCAR).pdf
Falcão Brasil
 
28 - Agente de Endemias (40 mapas mentais) - Amostra.pdf
28 - Agente de Endemias (40 mapas mentais) - Amostra.pdf28 - Agente de Endemias (40 mapas mentais) - Amostra.pdf
28 - Agente de Endemias (40 mapas mentais) - Amostra.pdf
SheylaAlves6
 
Os Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdf
Os Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdfOs Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdf
Os Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdf
Falcão Brasil
 
Slides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptxSlides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Análise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.ppt
Análise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.pptAnálise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.ppt
Análise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.ppt
Falcão Brasil
 
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdfOrganograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Falcão Brasil
 
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdfGeotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Falcão Brasil
 
Boletim informativo - Contacto - julho de 2024
Boletim informativo - Contacto - julho de 2024Boletim informativo - Contacto - julho de 2024
Boletim informativo - Contacto - julho de 2024
Bibliotecas Escolares AEIDH
 

Último (20)

Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptxSlides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
 
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdfUFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
 
Administração Em Enfermagem.pptx caala - Cópia-1.pptx
Administração Em Enfermagem.pptx caala - Cópia-1.pptxAdministração Em Enfermagem.pptx caala - Cópia-1.pptx
Administração Em Enfermagem.pptx caala - Cópia-1.pptx
 
A GEOPOLÍTICA ATUAL E A INTEGRAÇÃO ECONÔMICA E SOCIAL
A GEOPOLÍTICA ATUAL E A INTEGRAÇÃO ECONÔMICA E SOCIALA GEOPOLÍTICA ATUAL E A INTEGRAÇÃO ECONÔMICA E SOCIAL
A GEOPOLÍTICA ATUAL E A INTEGRAÇÃO ECONÔMICA E SOCIAL
 
Endereços — Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia - ...
Endereços — Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia - ...Endereços — Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia - ...
Endereços — Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia - ...
 
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdfMarinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
 
Festa dos Finalistas .
Festa dos Finalistas                    .Festa dos Finalistas                    .
Festa dos Finalistas .
 
A Participação do Brasil nas Operações de Manutenção da Paz da ONU Passado, P...
A Participação do Brasil nas Operações de Manutenção da Paz da ONU Passado, P...A Participação do Brasil nas Operações de Manutenção da Paz da ONU Passado, P...
A Participação do Brasil nas Operações de Manutenção da Paz da ONU Passado, P...
 
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
 
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
 
Relatório do Ministério da Defesa (MD) 2017.pdf
Relatório do Ministério da Defesa (MD) 2017.pdfRelatório do Ministério da Defesa (MD) 2017.pdf
Relatório do Ministério da Defesa (MD) 2017.pdf
 
Fotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosas
Fotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosasFotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosas
Fotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosas
 
Escola Preparatória de Cadetes do Ar (EPCAR).pdf
Escola Preparatória de Cadetes do Ar (EPCAR).pdfEscola Preparatória de Cadetes do Ar (EPCAR).pdf
Escola Preparatória de Cadetes do Ar (EPCAR).pdf
 
28 - Agente de Endemias (40 mapas mentais) - Amostra.pdf
28 - Agente de Endemias (40 mapas mentais) - Amostra.pdf28 - Agente de Endemias (40 mapas mentais) - Amostra.pdf
28 - Agente de Endemias (40 mapas mentais) - Amostra.pdf
 
Os Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdf
Os Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdfOs Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdf
Os Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdf
 
Slides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptxSlides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptx
 
Análise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.ppt
Análise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.pptAnálise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.ppt
Análise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.ppt
 
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdfOrganograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
 
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdfGeotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
 
Boletim informativo - Contacto - julho de 2024
Boletim informativo - Contacto - julho de 2024Boletim informativo - Contacto - julho de 2024
Boletim informativo - Contacto - julho de 2024
 

O despotismo pombalino

  • 2. O Despotismo Esclarecido ou Iluminado  No século XVIII, desenvolveu-se na Europa (Áustria, Prússia e Rússia) uma nova concepção do absolutismo, o chamado despotismo esclarecido ou iluminado : Nova concepção do absolutismo, segundo a qual o rei, cujo poder era “esclarecido” ou “iluminado” pela Razão , deveria reforçar e centralizar o seu poder de modo a governar em favor do bem-estar e do progresso do povo.  Em Portugal, o despotismo esclarecido ou iluminado foi aplicado no reinado de D. José (1750-1777), por intermédio de Sebastião José de Carvalho e Melo, o Marquês de Pombal .
  • 3. O reforço do poder do Estado  O grande objectivo do Marquês de Pombal era fortalecer o poder do Estado e modernizar a administração . Nesse sentido, Pombal: - criou o Erário Régio (organismo que superintendia as finanças do Reino); - criou a Real Mesa Censória (substituta da Inquisição na censura à imprensa); - criou a Intendência Geral da Polícia; - reorganizou o exército; - reorganizou os impostos; - reformou o ensino e a Inquisição; - aboliu a distinção entre cristãos-novos e cristãos-velhos.
  • 4. A submissão dos grupos privilegiados e a promoção da burguesia  Para fortalecer o poder do Estado e modernizar a administração, Pombal teve que proceder, por um lado, à submissão da alta nobreza e da Companhia de Jesus e, por outro, à promoção da burguesia e da pequena nobreza : - Vários membros da alta nobreza foram perseguidos, presos e condenados à morte (ex: a família dos Távoras, acusados de tentarem assassinar o rei D. José em 1758), outros viram os seus bens confiscados ; - Os Jesuítas foram expulsos de Portugal e dos territórios ultramarinos, em 1759, devido a resistirem à autoridade do Estado e ao facto de constituírem um obstáculo às reformas do ensino, que estava nas suas mãos; - À burguesia (ligada às companhias comerciais, ao comércio com o Brasil e aos vinhos do Douro) e a uma parte da pequena nobreza concedeu muitos privilégios e foi com eles que constituiu uma elite social que o ajudou na sua política de centralização do poder e de modernização da administração e da economia.
  • 5. A política económica: o desenvolvimento comercial e manufactureiro  Para resolver a crise económica que afectava Portugal, apesar do grande afluxo de ouro brasileiro no reinado de D. João V, o Marquês de Pombal retomou a política mercantilista e tomou uma série de medidas para desenvolver o comércio e as manufacturas nacionais e para libertar o país da dependência económica em relação à Inglaterra :  Medidas para o desenvolvimento comercial (1753 a 1759) : Fundou a Junta do Comércio (organismo que controlava o comércio e as indústrias); Criou grandes companhias de comércio, às quais concedeu o monopólio do comércio em determinadas zonas ou de determinados produtos: Companhia da Ásia Portuguesa (1753); Companhia do Grão-Pará e Maranhão (1755); Companhia do Pernambuco e Paraíba (1759); Companhia Real da Agricultura das Vinhas do Alto Douro (1756); Companhia de Pescas do Algarve (1773); Proibiu a cultura da vinha em terras próprias para os cereais.
  • 6. Medidas para o desenvolvimento das manufacturas (1764 a 1775) : Concedeu às manufacturas o monopólio da produção de determinados artigos; Baixou as taxas alfandegárias sobre as importações de matérias-primas; Criou e renovou oficinas e manufacturas; Reorganizou as fábricas reais de lanifícios e a Real Fábrica da Seda; Financiou a criação de fábricas de vidros (Marinha Grande), louças, cutelarias, fundição, papel e outras; Fundou a primeira fábrica de refinação de açúcar.
  • 7. A acção do Marquês de Pombal: ▪ _________________________________________________________________ ▪ _________________________________________________________________ ▪ _________________________________________________________________ - ______________________________________________________________ - ______________________________________________________________ - ______________________________________________________________ - ______________________________________________________________ Mandou elaborar um plano de reconstrução de Lisboa : Mandou policiar as ruas e os edifícios mais importantes para evitar os roubos; Mandou enterrar os mortos e socorrer os feridos; Acontecimento: ____________________ _____________________________________ _________________________________________________________ A cidade como imagem do poder: o urbanismo pombalino O Terramoto de 1755 Data: __________________ ______________________________________________ 1 de Novembro de 1755, cerca das 9h30m. Terramoto, seguido de um maremoto (Tsunami), que atingiu principalmente Lisboa, Setúbal e várias localidades do Algarve. Consequências: _______ _________________________________________________ ________________________________________________________ Morte de mais de 10 mil pessoas e destruição de muitos edifícios, monumentos, tesouros e obras de arte. ruas largas e geométricas com passeios calcetados; casas com fachadas iguais, da mesma altura e com estrutura anti-sismo (sistema de gaiola); rede geral de esgotos; reconstrução do Terreiro do Paço que passou a chamar-se Praça do Comércio.
  • 8.  
  • 9. A execução dos Távoras (alguns membros desta família foram executados publicamente, em 1759, sob a acusação de terem participado na tentativa de assassinato do rei D. José.
  • 10. A expulsão dos Jesuítas de Portugal.
  • 11.  
  • 12.  
  • 13. Interior do Convento do Carmo após o terramoto de 1755.
  • 14. Os principais responsáveis pela reconstrução de Lisboa foram Carlos Mardel, Eugénio dos Santos e Manuel da Maia.
  • 15.  
  • 16.