SlideShare uma empresa Scribd logo
Aula 7
ASPECTOS
IDEOLÓGICOS DO
DISCURSO
“TODO SIGNO É IDEOLÓGICO”
Segundo Bakhtin (1992),
para interpretar um texto é
necessário compreender seus signos
(ícones, índices e símbolos) .
Sendo que todo signo é carregado
de ideia, é possível afirmar que todo
texto traz em si uma ideologia.
Para um objeto tornar-se um signo
em uma sociedade, no entanto, é
necessário que ele esteja ligado às
condições socioeconômicas de tal
sociedade.
texto
signo
ideologia
CONCEITO
O conceito de ideologia foi criado pelo francês
Antoine Louis Claude Destutt de Tracy (em seu livro
"Elementos de Ideologia", de 1801 ) para designar o
"estudo científico das ideias".
Em relação à ideologia, Fiorin a define como uma
visão de mundo de uma classe social; a maneira
como uma classe ordena, justifica e explica a
realidade. Com base nisso, o autor afirma que
não há conhecimento neutro, já que ele sempre
expressa um ponto de vista de determinada
sociedade.
(CARDOSO,2010)
[A ideologia]
não é um
conjunto de
ideias que
surge da
mente de
alguns
pensadores,
mas é
determinada
pelo modo
de produção
de uma
sociedade.
Dessa
forma, a
ideologia
dominante é
a ideologia
da classe
dominante.
(CARDOSO, 2010)
FUNÇÃO SOCIAL DA IDEOLOGIA
Na perspectiva marxista , a
ideologia é um conceito que
denota "falsa consciência": uma
crença mistificante que é
socialmente determinada e que
se presta a estabilizar a ordem
social vigente em benefício das
classes dominantes. Quando a
ideologia da classe dominante
sofre sérios abalos, devido ao
surgimento de conflitos sociais
(contradições sociais), há riscos
de ocorrer uma ruptura da
ordem social vigente por um
movimento revolucionário.
(CANCIAN,2007)
Estou de pé em cima do monte de
imundo lixo baiano
Cuspo chicletes do ódio no esgoto
exposto do Leblon
Mas retribuo a piscadela do garoto de
frete do Trianon
Eu sei o que é bom
Eu não espero pelo dia em que todos os
homens concordem
Apenas sei de diversas harmonias
bonitas possíveis sem juízo
final.
Alguma coisa está fora da ordem
Fora da nova ordem mundial.
(Fora da Ordem, Caetano Veloso, 1991)
IDEOLOGIA DA CLASSE DOMINANTE
“ AS COISAS SÃO ASSIM PORQUE SÃO”
Ideologia “é (...) um corpo explicativo,
de representações e práticas (normas,
regras e preceitos) cuja função é dar
aos membros de uma sociedade
dividida em classes uma explicação
racional para as diferenças sociais,
políticas e culturais, sem atribuir tais
diferenças à divisão da sociedade em
classes.
(Marilena Chauí, o que é ideologia 1980).
RELAÇÃO ENTRE IDEOLOGIA E DIREITO
“A manipulação da ideologia é feita no
sentido de manter a ordem social vigente e,
para isso, oculta-se a realidade e se a
substitui por abstrações, ideais, valores,
mitos, os quais são absorvidos pelo povo
como se fossem coisas reais.
Assim, por exemplo, as teorias filosóficas,
científicas e jurídicas, estudam, alardeiam e
ocupam-se da liberdade, mas nada dizem
sobre os escravos, numa sociedade onde a
liberdade, a igualdade e a justiça social
estão inseridas na Constituição.
É aí que entra o direito.”
(COELHO, Luís Fernando)
DEFESA DA IGUALDADE
“ Art. 5º Todos são iguais perante a lei, sem distinção de qualquer natureza,
garantindo-se aos brasileiros e aos estrangeiros residentes no País a
inviolabilidade do direito à vida, à liberdade, à igualdade, à segurança e à
propriedade (...)”.
TEXTO E IDEOLOGIA
Eclético
Abre espaço a mais de uma ideologia. A
Constituição do Brasil, por exemplo, ao mesmo
tempo em que reconhece a propriedade
privada exige que ela cumpra uma função
social (art. 170, incisos II e III).
Ortodoxo
Segue apenas uma ideologia, seja esta de um
grupo organizado, ou simplesmente de um
indivíduo.
Quanto ao conteúdo, o texto pode ser:
PRETEXTO PARA ESTUDO
T U T O R I A L P A R A D O W N L O A D D O F I L M E " A O N D A C L I C A N D O E M
< H T T P : / / P A G I N A S . T E R R A . C O M . B R / A R T E / C U L T U R A I N F O R M A C A O / > C L I C A N D O , C A I D I R E T O E M
“ C U L T U R A E I N F O R M A Ç Ã O ” E V E R “ D I C A S E N O T Í C I A S ” S O B R E C O M O F A Z E R D O W N L O A D D O F I L M E
“ A O N D A ” < H T T P : / / W W W . C E F E T S P . B R / E D U / E S O / L A E R T E / >
A Onda é um filme alemão de 2008
dirigido por Dennis Gansel. É inspirado
no livro homônimo de 1981 do autor
americano Todd Strasser e no
experimento social da Terceira Onda.
Baseado em uma história real (que se
passou em meados dos anos 60 nos EUA)
"A Onda" nos apresenta fatos sólidos de
como uma ideologia pode impregnar
valores e costumes das pessoas.
Duração: 107 min (1h e 47min)
Ano: 2008
País: Alemanha
Gênero: Drama
“Em 1967, em Palo Alto
(Califórnia), o professor de história
Ron Jones fez um experimento com
seus alunos: ele impôs uma
ambientação do nazismo em sua
classe e tudo seguia os padrões do
partido. O projeto durou uma
semana e causou diversos
problemas. Anos depois, baseado
na história de Jones, Morton Rhue
produziu o livro de ficção "A Onda",
no qual este filme, de Dennis
Gansel, se baseia. Mas o diretor
também tomou suas liberdades
poéticas com o tema, adaptando
os eventos para dias atuais e
transportando tudo para a
Alemanha.”
VEROSSIMILHANÇA, CITAÇÃO E INTERTEXTUALIDADE
•Experimento “A terceira onda”
•1967, Ron Jones. California.
•Livro “ A Onda”
•1981,Morton Rhue*. EUA.
•(pseudônimo de Tod Strasser)
•Filme
•2008, Dennis Gansel. Alemanha.
VEROSSIMILHANÇA: A HISTÓRIA DO PODER
palavras de ordem e a adoração a um suposto “grande líder” se repetem na história
da humanidade:
Alemanha nazista Itália fascista ‘socialismo real’ da
União Soviética
China, Mao Tse
Tung
 Dois anos depois da "explosão",
o americano foi demitido e
proibido de lecionar em escolas
públicas. Hoje, ensina poesia a
deficientes mentais, escreve e
ministra palestras.
 "Nunca faria isso de novo.
Coloquei os alunos em perigo.
Esse tipo de experimento é útil
para mostrar quão facilmente
nos tornamos vítimas desse
tipo de coisa."
 (15/08/2009, Folha Online. Disponível em:
http://www1.folha.uol.com.br/folha/ilustrada/ul
t90u610047.shtml)
O DESFECHO REAL
CITAÇÃO:
A criação de ícones ,símbolos, slogans e gestos remetem aos fatos
registrados na história como as marcas de regimes totalitários:
INTERTEXTUALIDADE
Ideologia
Cazuza
Meu partido
É um coração partido
E as ilusões
Estão todas perdidas
Os meus sonhos
Foram todos vendidos
Tão barato
Que eu nem acredito
Ah! eu nem acredito...
Que aquele garoto
Que ia mudar o mundo
Mudar o mundo
Frequenta agora
As festas do "Grand Monde"...
Meus heróis
Morreram de overdose
Meus inimigos
Estão no poder
Ideologia!
Eu quero uma pra viver
Ideologia!
Eu quero uma pra viver...
O meu prazer
Agora é risco de vida
Meu sex and drugs
Não tem nenhum rock 'n' roll
Eu vou pagar
A conta do analista
Pra nunca mais
Ter que saber
Quem eu sou
Ah! saber quem eu sou..
Pois aquele garoto
Que ia mudar o mundo
Mudar o mundo
Agora assiste a tudo
Em cima do muro
Em cima do muro...
Meus heróis
Morreram de overdose
Meus inimigos
Estão no poder
Ideologia!
Eu quero uma pra viver
Ideologia!
Pra viver...
REFLEXÕES
1
RECENTEMENTE, LÍDERES NEO-POPULISTAS DA
AMÉRICA LATINA, VALENDO-SE DE UM DISCURSO
ANTI-AMERICANO, CONSEGUEM ILUDIR PARTE DA
ESQUERDA QUE RESISTE A APRENDER
COM A HISTÓRIA.
MAS, AFINAL, QUAIS SERIAM AS RAZÕES QUE
PERMITEM A ASCENSÃO DE UM GOVERNO DE
NATUREZA TOTALITÁRIA?”
Piva aula 7  2016
2
APENAS A PROMESSA DE
REDUÇÃO DOS PROBLEMAS DE
ORDEM ECONÔMICA ELEVA O RISCO
DO RETORNO DE GOVERNOS
TOTALITÁRIOS ?
3
NA INSTALAÇÃO DE UMA
IDEOLOGIA, HÁ
DESEQUILÍBRIO
PSÍQUICO DA
POPULAÇÃO, OU
APENAS OMISSÃO?
4OS ALEMÃES ADERIRAM AO REGIME
NAZISTA NA MEDIDA EM QUE AS AÇÕES
DAQUELE GOVERNO CONSEGUIRAM
RESOLVER AS DEMANDAS SOCIAIS E
ECONÔMICAS DAQUELE TEMPO. POR QUE
OS ALUNOS DE WENGER ADERIRAM AO
REGIME DE “A ONDA”?
5
QUAIS CONDIÇÕES
FIZERAM DE KARO UMA
ALUNA LÚCIDA DIANTE
DO REGIME QUE SE
INSTALOU EM SUA
TURMA?
6
QUEM DETERMINA, NUMA
SOCIEDADE, OS VALORES E OS
OBJETIVOS ?
7
“ É EXTREMAMENTE DIDÁTICO [O
FILME] NO QUE SE REFERE A
MOSTRAR O QUANTO É FÁCIL
MANIPULAR GRUPOS DE PESSOAS,
DESDE QUE SE USEM OS
INSTRUMENTOS E FERRAMENTAS
APROPRIADOS. EM POUCO TEMPO,
UM PROFESSOR TRANSFORMA UM
GRUPO DE ESTUDANTES EM
FANÁTICOS.”
POR QUÊ? QUAIS INSTRUMENTOS E
FERRAMENTAS SERVEM A ESTE
PROPÓSITO?
8
COMO NASCE UM
LÍDER?
9
POR QUE AS PESSOAS
ACEITAM SER
CONTROLADAS?
10
COMO UM REGIME
TOTALITÁRIO PODE SAIR
DO CONTROLE?
 O filme é um sério alerta para:
 a) o risco do “sujeito” perder a “liberdade” e “autonomia”,
submetendo-se incondicionalmente ao poder do grupo, sua “causa
absoluta” veiculadas por slogans e palavras que ordenam uma ação
automática, fazendo desaparecer o sujeito ;
 b) a a possibilidade de ressurgimento do nazi-fascismo, ou dos
totalitarismos de direita ou de esquerda, tendo em vista o desgaste
das democracias representativas de nossa época;
 c) a formação de grupites de adolescentes e gangues
potencialmente intolerantes e criminosas. Há uma tendência
narcisista nesses grupos que, geralmente, são atraídos pela
proposta de igualdade e novo sentido existencial-no-mundo, a
fundação na vivência da territorialidade, o desenvolvimento de um
código de linguagem próprio onde os atos de rejeição dos “mais
fracos”, “desgarrados” ou “diferentes” parecem legítimos e
morais.(LIMA, Raymundo. adaptado)
CONSIDERAÇÕES FINAIS
 “A Onda” é uma metáfora que se aplica, mais ou menos, a
qualquer movimento de massa respondente aos apelos de um
líder carismático ou de uma causa mítica irracional.
 Foi assim com os atos criminosos da Ku Klux Klan, o
Macartismo que desencadeou a “caça às bruxas” perseguindo
todos os supostos “comunistas” nos EUA, os governos de
direita da América Latina com traços totalitários como foi o
de Pinochet (Chile), o regime de apartheid da África do Sul
(antes de Nelson Mandela), o processo de “limpeza étnica”
conduzida pelos sérvios nos Bálcãs, os grupos neonazistas
skinheads espalhados pelo mundo, os carecas do ABC
paulista, e o movimento separatista do Iguaçu, no Paraná,
entre outros menos conhecidos.
METÁFORA
 “A onda” pode ser vista através de alguns movimentos
político-ideológicos de nossa história:
 quando atuou em nome de uma suposta “superioridade da
raça ariana”, causou o genocídio nazista;
 quando levantou a bandeira da “causa do proletariado”
milhares foram estigmatizados de ‘anti-revolucionários’,
‘reacionários burgueses’, ‘intelectuais inúteis’;
 quando surgiu com o nome de “revolução cultural” fez o povo
quase perder suas tradições; quando “em nome de Deus”
milhares são assassinados;
 quando “em nome do Bem contra o Mal”, da “causa justa” ou
da “democracia”, invadiu países, destruindo prédios e vidas;
Enfim, quanto o irracional está a serviço da racionalidade, o
resultado é a imoralidade, o sofrimento e a morte em massa.
LIÇÕES DA HISTÓRIA DA HUMANIDADE
FONTES
CHAUÍ, Marilena. O que é Ideologia? 1ª edição.Ed. Brasiliense, 1980.
CANCIAN, Renato. Ideologia: Termo tem vários significados em ciências sociais.
Especial para Pedagogia & Comunicação, UOL, 2007. Disponível em : http://educacao.uol.com.br/disciplinas/sociolgia/ideologia-termo-tem-varios-
significados-em-ciencias-sociais.htmo
COELHO, Luís Fernando. Ideologia e Direito. BuscaLegis.ccj.ufsc.br REVISTA N.º 11 Dezembro de 1985 - p. 67-75. Disponível em:
http://www.buscalegis.ufsc.br/revistas/files/anexos/370-384-1-PB.pdf
FACHINETTO, Eliane Arbusti; RAMOS, Flávia, Brocchetto. Reflexões Sobre a Leitura: Estudo de caso. Disponível em:
<http://www.pucrs.br/edipucrs/online/vsemanaletras/Artigos%20e%20Notas_PDF/Eliane%20Arbusti%20Fachinetto%20e%20Fl%E1via%20Brocche
to%20Ramos.pdf.
D´ARCÁDIA, Ronaldo. A onda. Disponível em: http://www.criticadaquelefilme.com.br/2010/06/critica-de-cinema-onda.html
CAMPOS, Leonardo. O filme "A Onda" numa perspectiva educacional. 2010.
Disponível em: http://www.passeiweb.com/saiba_mais/arte_cultura/cinema/leonardo_cinema_11_a_onda
MATOS, Olgária. Discretas esperanças: reflexões filosóficas sobre o mundo contemporâneo. São Paulo: Editora Nova Alexandria, 2006.
CARDOSO Ana Carolina Sinmões. Linguagem, discurso e ideologia.
disponível em: http://linguagensedialogos.com.br/2010.1/textos/09ens-AnaCarolina.pdf
LIMA, Raymundo. A onda e o irracionalismo dos grupos. Disponível em: http://www.espacoacademico.com.br/065/65lima.html
http://educador.brasilescola.com/estrategias-ensino/as-possibilidades-trabalho-com-filme-onda-sala-aula.htm
Pesquisa e organização
Profa. Cláudia Heloísa Cunha Andria e Profa. Paula Denari
Contato: clauheloisa@yahoo.com.br

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Linguagem, língua e fala
Linguagem, língua e falaLinguagem, língua e fala
Linguagem, língua e fala
Jirede Abisai
 
Tipologia textual
Tipologia textualTipologia textual
Tipologia textual
Ana Claudia André
 
Pronomes ensino médio
Pronomes ensino médioPronomes ensino médio
Pronomes ensino médio
Escola Estadual Joaquim Abarca -
 
Conotacao e denotacao
Conotacao e denotacaoConotacao e denotacao
Conotacao e denotacao
bubble13
 
RELAÇÃO TESE - ARGUMENTO
RELAÇÃO TESE - ARGUMENTORELAÇÃO TESE - ARGUMENTO
RELAÇÃO TESE - ARGUMENTO
maria saleti Saleti
 
Intertextualidade
Intertextualidade Intertextualidade
Intertextualidade
Denise
 
Concordancia verbal-slide-adriana
Concordancia verbal-slide-adrianaConcordancia verbal-slide-adriana
Concordancia verbal-slide-adriana
Lucilene Barcelos
 
Gênero textual narrativo
Gênero textual narrativoGênero textual narrativo
Gênero textual narrativo
Paulo Alexandre
 
Termos integrantes-da-oracao
Termos integrantes-da-oracaoTermos integrantes-da-oracao
Termos integrantes-da-oracao
Sandra Paula
 
Auto da compadecida
Auto da compadecidaAuto da compadecida
Auto da compadecida
Josi Motta
 
Figuras de linguagem
Figuras de linguagemFiguras de linguagem
Figuras de linguagem
Ivan Barreto Dos Santos
 
10. tipos de argumento
10. tipos de argumento10. tipos de argumento
10. tipos de argumento
Nastrilhas da lingua portuguesa
 
SLIDES – TIRINHAS.
SLIDES – TIRINHAS.SLIDES – TIRINHAS.
SLIDES – TIRINHAS.
Tissiane Gomes
 
AULA 3 - COESÃO E COERÊNCIA
AULA 3 - COESÃO E COERÊNCIAAULA 3 - COESÃO E COERÊNCIA
AULA 3 - COESÃO E COERÊNCIA
aulasdejornalismo
 
Intertextualidade
IntertextualidadeIntertextualidade
Intertextualidade
Francis Paula
 
Sujeito
SujeitoSujeito
Generos Textuais
Generos TextuaisGeneros Textuais
Generos Textuais
Luciane Oliveira
 
Slide introdução à literatura
Slide introdução à literaturaSlide introdução à literatura
Slide introdução à literatura
fabrinnem
 
Linguagem lingua e código
Linguagem lingua  e códigoLinguagem lingua  e código
Linguagem lingua e código
Paulinha Iacks
 
Literatura de cordel
Literatura de cordelLiteratura de cordel
Literatura de cordel
Gracita Fraga
 

Mais procurados (20)

Linguagem, língua e fala
Linguagem, língua e falaLinguagem, língua e fala
Linguagem, língua e fala
 
Tipologia textual
Tipologia textualTipologia textual
Tipologia textual
 
Pronomes ensino médio
Pronomes ensino médioPronomes ensino médio
Pronomes ensino médio
 
Conotacao e denotacao
Conotacao e denotacaoConotacao e denotacao
Conotacao e denotacao
 
RELAÇÃO TESE - ARGUMENTO
RELAÇÃO TESE - ARGUMENTORELAÇÃO TESE - ARGUMENTO
RELAÇÃO TESE - ARGUMENTO
 
Intertextualidade
Intertextualidade Intertextualidade
Intertextualidade
 
Concordancia verbal-slide-adriana
Concordancia verbal-slide-adrianaConcordancia verbal-slide-adriana
Concordancia verbal-slide-adriana
 
Gênero textual narrativo
Gênero textual narrativoGênero textual narrativo
Gênero textual narrativo
 
Termos integrantes-da-oracao
Termos integrantes-da-oracaoTermos integrantes-da-oracao
Termos integrantes-da-oracao
 
Auto da compadecida
Auto da compadecidaAuto da compadecida
Auto da compadecida
 
Figuras de linguagem
Figuras de linguagemFiguras de linguagem
Figuras de linguagem
 
10. tipos de argumento
10. tipos de argumento10. tipos de argumento
10. tipos de argumento
 
SLIDES – TIRINHAS.
SLIDES – TIRINHAS.SLIDES – TIRINHAS.
SLIDES – TIRINHAS.
 
AULA 3 - COESÃO E COERÊNCIA
AULA 3 - COESÃO E COERÊNCIAAULA 3 - COESÃO E COERÊNCIA
AULA 3 - COESÃO E COERÊNCIA
 
Intertextualidade
IntertextualidadeIntertextualidade
Intertextualidade
 
Sujeito
SujeitoSujeito
Sujeito
 
Generos Textuais
Generos TextuaisGeneros Textuais
Generos Textuais
 
Slide introdução à literatura
Slide introdução à literaturaSlide introdução à literatura
Slide introdução à literatura
 
Linguagem lingua e código
Linguagem lingua  e códigoLinguagem lingua  e código
Linguagem lingua e código
 
Literatura de cordel
Literatura de cordelLiteratura de cordel
Literatura de cordel
 

Destaque

Figuras de linguagem em propagandas
Figuras de linguagem em propagandasFiguras de linguagem em propagandas
Figuras de linguagem em propagandas
Cláudia Heloísa
 
PIVA -Aula2 2016
PIVA -Aula2 2016 PIVA -Aula2 2016
PIVA -Aula2 2016
Cláudia Heloísa
 
Aula 4
Aula 4 Aula 4
Revisão6 concordância e problemas notacionais
Revisão6 concordância  e problemas notacionaisRevisão6 concordância  e problemas notacionais
Revisão6 concordância e problemas notacionais
Cláudia Heloísa
 
Aula 8 texto e discurso
Aula 8 texto e discursoAula 8 texto e discurso
Aula 8 texto e discurso
Cláudia Heloísa
 
Funções de linguagem exercicios
Funções de linguagem exercicios Funções de linguagem exercicios
Funções de linguagem exercicios
Cláudia Heloísa
 
Variedades linguísticas- exercício
Variedades linguísticas-  exercícioVariedades linguísticas-  exercício
Variedades linguísticas- exercício
Cláudia Heloísa
 
PIVA- Aula 3 lógica
PIVA- Aula 3 lógicaPIVA- Aula 3 lógica
PIVA- Aula 3 lógica
Cláudia Heloísa
 
PIVA - Aula 1 2016
PIVA - Aula 1 2016PIVA - Aula 1 2016
PIVA - Aula 1 2016
Cláudia Heloísa
 
Aula 11 2016 problemas notacionais
Aula 11 2016 problemas notacionaisAula 11 2016 problemas notacionais
Aula 11 2016 problemas notacionais
Cláudia Heloísa
 
Revisao enem carmo 2015_aula 7
Revisao enem carmo 2015_aula 7Revisao enem carmo 2015_aula 7
Revisao enem carmo 2015_aula 7
Cláudia Heloísa
 
Revisão 4 regência
Revisão 4  regênciaRevisão 4  regência
Revisão 4 regência
Cláudia Heloísa
 
Aula 5 2016
Aula 5 2016Aula 5 2016
Aula 5 2016
Cláudia Heloísa
 
Revisão 7 vícios de linguagem
Revisão 7 vícios de linguagemRevisão 7 vícios de linguagem
Revisão 7 vícios de linguagem
Cláudia Heloísa
 
Revisão 5 crase
Revisão 5 craseRevisão 5 crase
Revisão 5 crase
Cláudia Heloísa
 
Romantismo 2a geracao
Romantismo 2a geracaoRomantismo 2a geracao
Romantismo 2a geracao
Cláudia Heloísa
 
Álvares de Azevedo
Álvares de AzevedoÁlvares de Azevedo
Álvares de Azevedo
Cláudia Heloísa
 
Figuras de linguagem: 25 propagandas. Exercício 2.
Figuras de linguagem: 25 propagandas. Exercício 2.Figuras de linguagem: 25 propagandas. Exercício 2.
Figuras de linguagem: 25 propagandas. Exercício 2.
Cláudia Heloísa
 
Pesquisa na escola
Pesquisa na escolaPesquisa na escola
Pesquisa na escola
Reginalda Silva
 
VOGT, C. Semiótica e semiologia.
VOGT, C. Semiótica e semiologia.VOGT, C. Semiótica e semiologia.
VOGT, C. Semiótica e semiologia.
Juciele Dias
 

Destaque (20)

Figuras de linguagem em propagandas
Figuras de linguagem em propagandasFiguras de linguagem em propagandas
Figuras de linguagem em propagandas
 
PIVA -Aula2 2016
PIVA -Aula2 2016 PIVA -Aula2 2016
PIVA -Aula2 2016
 
Aula 4
Aula 4 Aula 4
Aula 4
 
Revisão6 concordância e problemas notacionais
Revisão6 concordância  e problemas notacionaisRevisão6 concordância  e problemas notacionais
Revisão6 concordância e problemas notacionais
 
Aula 8 texto e discurso
Aula 8 texto e discursoAula 8 texto e discurso
Aula 8 texto e discurso
 
Funções de linguagem exercicios
Funções de linguagem exercicios Funções de linguagem exercicios
Funções de linguagem exercicios
 
Variedades linguísticas- exercício
Variedades linguísticas-  exercícioVariedades linguísticas-  exercício
Variedades linguísticas- exercício
 
PIVA- Aula 3 lógica
PIVA- Aula 3 lógicaPIVA- Aula 3 lógica
PIVA- Aula 3 lógica
 
PIVA - Aula 1 2016
PIVA - Aula 1 2016PIVA - Aula 1 2016
PIVA - Aula 1 2016
 
Aula 11 2016 problemas notacionais
Aula 11 2016 problemas notacionaisAula 11 2016 problemas notacionais
Aula 11 2016 problemas notacionais
 
Revisao enem carmo 2015_aula 7
Revisao enem carmo 2015_aula 7Revisao enem carmo 2015_aula 7
Revisao enem carmo 2015_aula 7
 
Revisão 4 regência
Revisão 4  regênciaRevisão 4  regência
Revisão 4 regência
 
Aula 5 2016
Aula 5 2016Aula 5 2016
Aula 5 2016
 
Revisão 7 vícios de linguagem
Revisão 7 vícios de linguagemRevisão 7 vícios de linguagem
Revisão 7 vícios de linguagem
 
Revisão 5 crase
Revisão 5 craseRevisão 5 crase
Revisão 5 crase
 
Romantismo 2a geracao
Romantismo 2a geracaoRomantismo 2a geracao
Romantismo 2a geracao
 
Álvares de Azevedo
Álvares de AzevedoÁlvares de Azevedo
Álvares de Azevedo
 
Figuras de linguagem: 25 propagandas. Exercício 2.
Figuras de linguagem: 25 propagandas. Exercício 2.Figuras de linguagem: 25 propagandas. Exercício 2.
Figuras de linguagem: 25 propagandas. Exercício 2.
 
Pesquisa na escola
Pesquisa na escolaPesquisa na escola
Pesquisa na escola
 
VOGT, C. Semiótica e semiologia.
VOGT, C. Semiótica e semiologia.VOGT, C. Semiótica e semiologia.
VOGT, C. Semiótica e semiologia.
 

Semelhante a Piva aula 7 2016

Eric voegelin e o cenário político atual
Eric voegelin e o cenário político atualEric voegelin e o cenário político atual
Eric voegelin e o cenário político atual
Andre Assi Barreto
 
O poder da ideologia
O poder da ideologiaO poder da ideologia
O poder da ideologia
Kelly Ane
 
Artigo Popper_vida do autor_textos centrais
Artigo Popper_vida do autor_textos centraisArtigo Popper_vida do autor_textos centrais
Artigo Popper_vida do autor_textos centrais
LusFrancisco9
 
O ponto de mutação
O ponto de mutaçãoO ponto de mutação
O ponto de mutação
AndréCafé Oliveira
 
Teoria crítica
Teoria críticaTeoria crítica
Teoria crítica
Eddieuepg
 
A sociologia clássica Émile durkheim
A sociologia clássica   Émile durkheimA sociologia clássica   Émile durkheim
A sociologia clássica Émile durkheim
Edenilson Morais
 
Realismo/Naturalismo
Realismo/NaturalismoRealismo/Naturalismo
Realismo/Naturalismo
profconrad
 
Os Clássicos da Sociologia (Émile Durkheim)
Os Clássicos da Sociologia (Émile Durkheim)Os Clássicos da Sociologia (Émile Durkheim)
Os Clássicos da Sociologia (Émile Durkheim)
e neto
 
Escuta zé ninguém!
Escuta zé ninguém!Escuta zé ninguém!
Escuta zé ninguém!
Luana Andrade Coutinho
 
A década da utopia
A década da utopiaA década da utopia
A década da utopia
Edenilson Morais
 
Regime totalitário na concepção de hannah arendt
Regime totalitário na concepção de hannah arendtRegime totalitário na concepção de hannah arendt
Regime totalitário na concepção de hannah arendt
Wesley Santos
 
A obsessão totalitária
A obsessão totalitáriaA obsessão totalitária
A obsessão totalitária
Marcioveras
 
Filosofia - 25 livros fundamentais
Filosofia - 25 livros fundamentaisFilosofia - 25 livros fundamentais
Filosofia - 25 livros fundamentais
Do outro lado da barricada
 
100 DIAS DE VERÃO
100 DIAS DE VERÃO100 DIAS DE VERÃO
100 DIAS DE VERÃO
augustodefranco .
 
A sociedade-industrial-e-seu-futuro-manifesto-de-unabomber
A sociedade-industrial-e-seu-futuro-manifesto-de-unabomberA sociedade-industrial-e-seu-futuro-manifesto-de-unabomber
A sociedade-industrial-e-seu-futuro-manifesto-de-unabomber
Eder Prado
 
Existencialismo schopenhauer kierkegaard nietsche husserl heidegger pdf
Existencialismo schopenhauer kierkegaard nietsche husserl heidegger   pdfExistencialismo schopenhauer kierkegaard nietsche husserl heidegger   pdf
Existencialismo schopenhauer kierkegaard nietsche husserl heidegger pdf
firminomaissociologiafilosofia2019
 
Iluminismo (2).pptx
Iluminismo (2).pptxIluminismo (2).pptx
Iluminismo (2).pptx
AndressaSilvaSoares1
 
Novo_Livro_Prof_Sousa_Lara-63555972 (1).docx
Novo_Livro_Prof_Sousa_Lara-63555972 (1).docxNovo_Livro_Prof_Sousa_Lara-63555972 (1).docx
Novo_Livro_Prof_Sousa_Lara-63555972 (1).docx
EduardoNeto70
 
Existencialismo - Sartre - Albanir.pdf
Existencialismo - Sartre - Albanir.pdfExistencialismo - Sartre - Albanir.pdf
Existencialismo - Sartre - Albanir.pdf
AlbanirFaleiros1
 
Cap 04 sociologia
Cap 04   sociologiaCap 04   sociologia
Cap 04 sociologia
Jesanias Rodrigues
 

Semelhante a Piva aula 7 2016 (20)

Eric voegelin e o cenário político atual
Eric voegelin e o cenário político atualEric voegelin e o cenário político atual
Eric voegelin e o cenário político atual
 
O poder da ideologia
O poder da ideologiaO poder da ideologia
O poder da ideologia
 
Artigo Popper_vida do autor_textos centrais
Artigo Popper_vida do autor_textos centraisArtigo Popper_vida do autor_textos centrais
Artigo Popper_vida do autor_textos centrais
 
O ponto de mutação
O ponto de mutaçãoO ponto de mutação
O ponto de mutação
 
Teoria crítica
Teoria críticaTeoria crítica
Teoria crítica
 
A sociologia clássica Émile durkheim
A sociologia clássica   Émile durkheimA sociologia clássica   Émile durkheim
A sociologia clássica Émile durkheim
 
Realismo/Naturalismo
Realismo/NaturalismoRealismo/Naturalismo
Realismo/Naturalismo
 
Os Clássicos da Sociologia (Émile Durkheim)
Os Clássicos da Sociologia (Émile Durkheim)Os Clássicos da Sociologia (Émile Durkheim)
Os Clássicos da Sociologia (Émile Durkheim)
 
Escuta zé ninguém!
Escuta zé ninguém!Escuta zé ninguém!
Escuta zé ninguém!
 
A década da utopia
A década da utopiaA década da utopia
A década da utopia
 
Regime totalitário na concepção de hannah arendt
Regime totalitário na concepção de hannah arendtRegime totalitário na concepção de hannah arendt
Regime totalitário na concepção de hannah arendt
 
A obsessão totalitária
A obsessão totalitáriaA obsessão totalitária
A obsessão totalitária
 
Filosofia - 25 livros fundamentais
Filosofia - 25 livros fundamentaisFilosofia - 25 livros fundamentais
Filosofia - 25 livros fundamentais
 
100 DIAS DE VERÃO
100 DIAS DE VERÃO100 DIAS DE VERÃO
100 DIAS DE VERÃO
 
A sociedade-industrial-e-seu-futuro-manifesto-de-unabomber
A sociedade-industrial-e-seu-futuro-manifesto-de-unabomberA sociedade-industrial-e-seu-futuro-manifesto-de-unabomber
A sociedade-industrial-e-seu-futuro-manifesto-de-unabomber
 
Existencialismo schopenhauer kierkegaard nietsche husserl heidegger pdf
Existencialismo schopenhauer kierkegaard nietsche husserl heidegger   pdfExistencialismo schopenhauer kierkegaard nietsche husserl heidegger   pdf
Existencialismo schopenhauer kierkegaard nietsche husserl heidegger pdf
 
Iluminismo (2).pptx
Iluminismo (2).pptxIluminismo (2).pptx
Iluminismo (2).pptx
 
Novo_Livro_Prof_Sousa_Lara-63555972 (1).docx
Novo_Livro_Prof_Sousa_Lara-63555972 (1).docxNovo_Livro_Prof_Sousa_Lara-63555972 (1).docx
Novo_Livro_Prof_Sousa_Lara-63555972 (1).docx
 
Existencialismo - Sartre - Albanir.pdf
Existencialismo - Sartre - Albanir.pdfExistencialismo - Sartre - Albanir.pdf
Existencialismo - Sartre - Albanir.pdf
 
Cap 04 sociologia
Cap 04   sociologiaCap 04   sociologia
Cap 04 sociologia
 

Mais de Cláudia Heloísa

Dom Casmurro
Dom CasmurroDom Casmurro
Dom Casmurro
Cláudia Heloísa
 
Quincas Borba
Quincas BorbaQuincas Borba
Quincas Borba
Cláudia Heloísa
 
Angústia, de Graciliano Ramos
Angústia, de Graciliano RamosAngústia, de Graciliano Ramos
Angústia, de Graciliano Ramos
Cláudia Heloísa
 
A relíquia - Eça de Queirós
A relíquia - Eça de QueirósA relíquia - Eça de Queirós
A relíquia - Eça de Queirós
Cláudia Heloísa
 
Enem 2018 informações
Enem 2018 informaçõesEnem 2018 informações
Enem 2018 informações
Cláudia Heloísa
 
Mayombe
MayombeMayombe
Minha vida de menina - Helena Morley
Minha vida de menina - Helena MorleyMinha vida de menina - Helena Morley
Minha vida de menina - Helena Morley
Cláudia Heloísa
 
Iracema - José de Alencar
Iracema - José de AlencarIracema - José de Alencar
Iracema - José de Alencar
Cláudia Heloísa
 
Aula 1 P.I.V.A
Aula 1 P.I.V.AAula 1 P.I.V.A
Aula 1 P.I.V.A
Cláudia Heloísa
 
Variedades linguísticas
Variedades linguísticasVariedades linguísticas
Variedades linguísticas
Cláudia Heloísa
 
Lusofonia
Lusofonia Lusofonia
Lusofonia
Cláudia Heloísa
 
Vanguarda I - Surrealismo
Vanguarda I - SurrealismoVanguarda I - Surrealismo
Vanguarda I - Surrealismo
Cláudia Heloísa
 

Mais de Cláudia Heloísa (12)

Dom Casmurro
Dom CasmurroDom Casmurro
Dom Casmurro
 
Quincas Borba
Quincas BorbaQuincas Borba
Quincas Borba
 
Angústia, de Graciliano Ramos
Angústia, de Graciliano RamosAngústia, de Graciliano Ramos
Angústia, de Graciliano Ramos
 
A relíquia - Eça de Queirós
A relíquia - Eça de QueirósA relíquia - Eça de Queirós
A relíquia - Eça de Queirós
 
Enem 2018 informações
Enem 2018 informaçõesEnem 2018 informações
Enem 2018 informações
 
Mayombe
MayombeMayombe
Mayombe
 
Minha vida de menina - Helena Morley
Minha vida de menina - Helena MorleyMinha vida de menina - Helena Morley
Minha vida de menina - Helena Morley
 
Iracema - José de Alencar
Iracema - José de AlencarIracema - José de Alencar
Iracema - José de Alencar
 
Aula 1 P.I.V.A
Aula 1 P.I.V.AAula 1 P.I.V.A
Aula 1 P.I.V.A
 
Variedades linguísticas
Variedades linguísticasVariedades linguísticas
Variedades linguísticas
 
Lusofonia
Lusofonia Lusofonia
Lusofonia
 
Vanguarda I - Surrealismo
Vanguarda I - SurrealismoVanguarda I - Surrealismo
Vanguarda I - Surrealismo
 

Último

APRESENTAÇÃO CURSO FORMAÇÃO EXPERT EM MODERAÇÃO DE FOCUS GROUP.pdf
APRESENTAÇÃO  CURSO FORMAÇÃO EXPERT EM MODERAÇÃO DE FOCUS GROUP.pdfAPRESENTAÇÃO  CURSO FORMAÇÃO EXPERT EM MODERAÇÃO DE FOCUS GROUP.pdf
APRESENTAÇÃO CURSO FORMAÇÃO EXPERT EM MODERAÇÃO DE FOCUS GROUP.pdf
portaladministradores
 
Escola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdf
Escola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdfEscola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdf
Escola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdf
Falcão Brasil
 
A Participação do Brasil nas Operações de Manutenção da Paz da ONU Passado, P...
A Participação do Brasil nas Operações de Manutenção da Paz da ONU Passado, P...A Participação do Brasil nas Operações de Manutenção da Paz da ONU Passado, P...
A Participação do Brasil nas Operações de Manutenção da Paz da ONU Passado, P...
Falcão Brasil
 
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Centro Jacques Delors
 
Plano Diretor da Tecnologia da Informação PDTIC 2020 a 2023.pdf
Plano Diretor da Tecnologia da Informação PDTIC 2020 a 2023.pdfPlano Diretor da Tecnologia da Informação PDTIC 2020 a 2023.pdf
Plano Diretor da Tecnologia da Informação PDTIC 2020 a 2023.pdf
Falcão Brasil
 
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Falcão Brasil
 
A GEOPOLÍTICA ATUAL E A INTEGRAÇÃO ECONÔMICA E SOCIAL
A GEOPOLÍTICA ATUAL E A INTEGRAÇÃO ECONÔMICA E SOCIALA GEOPOLÍTICA ATUAL E A INTEGRAÇÃO ECONÔMICA E SOCIAL
A GEOPOLÍTICA ATUAL E A INTEGRAÇÃO ECONÔMICA E SOCIAL
ArapiracaNoticiasFat
 
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptxSlides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Os Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdf
Os Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdfOs Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdf
Os Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdf
Falcão Brasil
 
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsxOceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Luzia Gabriele
 
Boletim informativo - Contacto - julho de 2024
Boletim informativo - Contacto - julho de 2024Boletim informativo - Contacto - julho de 2024
Boletim informativo - Contacto - julho de 2024
Bibliotecas Escolares AEIDH
 
Plano Estratégico Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de ...
Plano Estratégico Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de ...Plano Estratégico Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de ...
Plano Estratégico Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de ...
Falcão Brasil
 
Aula 3 CURSO LETRANDO (classes gramaticais).pdf
Aula 3 CURSO LETRANDO (classes gramaticais).pdfAula 3 CURSO LETRANDO (classes gramaticais).pdf
Aula 3 CURSO LETRANDO (classes gramaticais).pdf
ProfessoraSilmaraArg
 
Análise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.ppt
Análise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.pptAnálise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.ppt
Análise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.ppt
Falcão Brasil
 
Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...
Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...
Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...
Falcão Brasil
 
Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...
Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...
Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...
Falcão Brasil
 
Introdução ao filme Divertida Mente 2 em pdf
Introdução ao filme Divertida Mente 2 em pdfIntrodução ao filme Divertida Mente 2 em pdf
Introdução ao filme Divertida Mente 2 em pdf
valdeci17
 
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdfGeotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Falcão Brasil
 
28 - Agente de Endemias (40 mapas mentais) - Amostra.pdf
28 - Agente de Endemias (40 mapas mentais) - Amostra.pdf28 - Agente de Endemias (40 mapas mentais) - Amostra.pdf
28 - Agente de Endemias (40 mapas mentais) - Amostra.pdf
SheylaAlves6
 

Último (20)

APRESENTAÇÃO CURSO FORMAÇÃO EXPERT EM MODERAÇÃO DE FOCUS GROUP.pdf
APRESENTAÇÃO  CURSO FORMAÇÃO EXPERT EM MODERAÇÃO DE FOCUS GROUP.pdfAPRESENTAÇÃO  CURSO FORMAÇÃO EXPERT EM MODERAÇÃO DE FOCUS GROUP.pdf
APRESENTAÇÃO CURSO FORMAÇÃO EXPERT EM MODERAÇÃO DE FOCUS GROUP.pdf
 
Escola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdf
Escola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdfEscola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdf
Escola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdf
 
A Participação do Brasil nas Operações de Manutenção da Paz da ONU Passado, P...
A Participação do Brasil nas Operações de Manutenção da Paz da ONU Passado, P...A Participação do Brasil nas Operações de Manutenção da Paz da ONU Passado, P...
A Participação do Brasil nas Operações de Manutenção da Paz da ONU Passado, P...
 
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
 
Plano Diretor da Tecnologia da Informação PDTIC 2020 a 2023.pdf
Plano Diretor da Tecnologia da Informação PDTIC 2020 a 2023.pdfPlano Diretor da Tecnologia da Informação PDTIC 2020 a 2023.pdf
Plano Diretor da Tecnologia da Informação PDTIC 2020 a 2023.pdf
 
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
 
A GEOPOLÍTICA ATUAL E A INTEGRAÇÃO ECONÔMICA E SOCIAL
A GEOPOLÍTICA ATUAL E A INTEGRAÇÃO ECONÔMICA E SOCIALA GEOPOLÍTICA ATUAL E A INTEGRAÇÃO ECONÔMICA E SOCIAL
A GEOPOLÍTICA ATUAL E A INTEGRAÇÃO ECONÔMICA E SOCIAL
 
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptxSlides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
 
Os Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdf
Os Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdfOs Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdf
Os Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdf
 
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsxOceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
 
Boletim informativo - Contacto - julho de 2024
Boletim informativo - Contacto - julho de 2024Boletim informativo - Contacto - julho de 2024
Boletim informativo - Contacto - julho de 2024
 
Plano Estratégico Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de ...
Plano Estratégico Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de ...Plano Estratégico Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de ...
Plano Estratégico Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de ...
 
Aula 3 CURSO LETRANDO (classes gramaticais).pdf
Aula 3 CURSO LETRANDO (classes gramaticais).pdfAula 3 CURSO LETRANDO (classes gramaticais).pdf
Aula 3 CURSO LETRANDO (classes gramaticais).pdf
 
Análise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.ppt
Análise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.pptAnálise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.ppt
Análise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.ppt
 
Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...
Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...
Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...
 
TALENTOS DA NOSSA ESCOLA .
TALENTOS DA NOSSA ESCOLA                .TALENTOS DA NOSSA ESCOLA                .
TALENTOS DA NOSSA ESCOLA .
 
Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...
Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...
Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...
 
Introdução ao filme Divertida Mente 2 em pdf
Introdução ao filme Divertida Mente 2 em pdfIntrodução ao filme Divertida Mente 2 em pdf
Introdução ao filme Divertida Mente 2 em pdf
 
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdfGeotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
 
28 - Agente de Endemias (40 mapas mentais) - Amostra.pdf
28 - Agente de Endemias (40 mapas mentais) - Amostra.pdf28 - Agente de Endemias (40 mapas mentais) - Amostra.pdf
28 - Agente de Endemias (40 mapas mentais) - Amostra.pdf
 

Piva aula 7 2016

  • 2. “TODO SIGNO É IDEOLÓGICO” Segundo Bakhtin (1992), para interpretar um texto é necessário compreender seus signos (ícones, índices e símbolos) . Sendo que todo signo é carregado de ideia, é possível afirmar que todo texto traz em si uma ideologia. Para um objeto tornar-se um signo em uma sociedade, no entanto, é necessário que ele esteja ligado às condições socioeconômicas de tal sociedade. texto signo ideologia
  • 3. CONCEITO O conceito de ideologia foi criado pelo francês Antoine Louis Claude Destutt de Tracy (em seu livro "Elementos de Ideologia", de 1801 ) para designar o "estudo científico das ideias". Em relação à ideologia, Fiorin a define como uma visão de mundo de uma classe social; a maneira como uma classe ordena, justifica e explica a realidade. Com base nisso, o autor afirma que não há conhecimento neutro, já que ele sempre expressa um ponto de vista de determinada sociedade. (CARDOSO,2010)
  • 4. [A ideologia] não é um conjunto de ideias que surge da mente de alguns pensadores, mas é determinada pelo modo de produção de uma sociedade. Dessa forma, a ideologia dominante é a ideologia da classe dominante. (CARDOSO, 2010)
  • 5. FUNÇÃO SOCIAL DA IDEOLOGIA Na perspectiva marxista , a ideologia é um conceito que denota "falsa consciência": uma crença mistificante que é socialmente determinada e que se presta a estabilizar a ordem social vigente em benefício das classes dominantes. Quando a ideologia da classe dominante sofre sérios abalos, devido ao surgimento de conflitos sociais (contradições sociais), há riscos de ocorrer uma ruptura da ordem social vigente por um movimento revolucionário. (CANCIAN,2007) Estou de pé em cima do monte de imundo lixo baiano Cuspo chicletes do ódio no esgoto exposto do Leblon Mas retribuo a piscadela do garoto de frete do Trianon Eu sei o que é bom Eu não espero pelo dia em que todos os homens concordem Apenas sei de diversas harmonias bonitas possíveis sem juízo final. Alguma coisa está fora da ordem Fora da nova ordem mundial. (Fora da Ordem, Caetano Veloso, 1991)
  • 7. “ AS COISAS SÃO ASSIM PORQUE SÃO” Ideologia “é (...) um corpo explicativo, de representações e práticas (normas, regras e preceitos) cuja função é dar aos membros de uma sociedade dividida em classes uma explicação racional para as diferenças sociais, políticas e culturais, sem atribuir tais diferenças à divisão da sociedade em classes. (Marilena Chauí, o que é ideologia 1980).
  • 8. RELAÇÃO ENTRE IDEOLOGIA E DIREITO “A manipulação da ideologia é feita no sentido de manter a ordem social vigente e, para isso, oculta-se a realidade e se a substitui por abstrações, ideais, valores, mitos, os quais são absorvidos pelo povo como se fossem coisas reais. Assim, por exemplo, as teorias filosóficas, científicas e jurídicas, estudam, alardeiam e ocupam-se da liberdade, mas nada dizem sobre os escravos, numa sociedade onde a liberdade, a igualdade e a justiça social estão inseridas na Constituição. É aí que entra o direito.” (COELHO, Luís Fernando)
  • 9. DEFESA DA IGUALDADE “ Art. 5º Todos são iguais perante a lei, sem distinção de qualquer natureza, garantindo-se aos brasileiros e aos estrangeiros residentes no País a inviolabilidade do direito à vida, à liberdade, à igualdade, à segurança e à propriedade (...)”.
  • 10. TEXTO E IDEOLOGIA Eclético Abre espaço a mais de uma ideologia. A Constituição do Brasil, por exemplo, ao mesmo tempo em que reconhece a propriedade privada exige que ela cumpra uma função social (art. 170, incisos II e III). Ortodoxo Segue apenas uma ideologia, seja esta de um grupo organizado, ou simplesmente de um indivíduo. Quanto ao conteúdo, o texto pode ser:
  • 11. PRETEXTO PARA ESTUDO T U T O R I A L P A R A D O W N L O A D D O F I L M E " A O N D A C L I C A N D O E M < H T T P : / / P A G I N A S . T E R R A . C O M . B R / A R T E / C U L T U R A I N F O R M A C A O / > C L I C A N D O , C A I D I R E T O E M “ C U L T U R A E I N F O R M A Ç Ã O ” E V E R “ D I C A S E N O T Í C I A S ” S O B R E C O M O F A Z E R D O W N L O A D D O F I L M E “ A O N D A ” < H T T P : / / W W W . C E F E T S P . B R / E D U / E S O / L A E R T E / > A Onda é um filme alemão de 2008 dirigido por Dennis Gansel. É inspirado no livro homônimo de 1981 do autor americano Todd Strasser e no experimento social da Terceira Onda. Baseado em uma história real (que se passou em meados dos anos 60 nos EUA) "A Onda" nos apresenta fatos sólidos de como uma ideologia pode impregnar valores e costumes das pessoas. Duração: 107 min (1h e 47min) Ano: 2008 País: Alemanha Gênero: Drama
  • 12. “Em 1967, em Palo Alto (Califórnia), o professor de história Ron Jones fez um experimento com seus alunos: ele impôs uma ambientação do nazismo em sua classe e tudo seguia os padrões do partido. O projeto durou uma semana e causou diversos problemas. Anos depois, baseado na história de Jones, Morton Rhue produziu o livro de ficção "A Onda", no qual este filme, de Dennis Gansel, se baseia. Mas o diretor também tomou suas liberdades poéticas com o tema, adaptando os eventos para dias atuais e transportando tudo para a Alemanha.” VEROSSIMILHANÇA, CITAÇÃO E INTERTEXTUALIDADE •Experimento “A terceira onda” •1967, Ron Jones. California. •Livro “ A Onda” •1981,Morton Rhue*. EUA. •(pseudônimo de Tod Strasser) •Filme •2008, Dennis Gansel. Alemanha.
  • 13. VEROSSIMILHANÇA: A HISTÓRIA DO PODER palavras de ordem e a adoração a um suposto “grande líder” se repetem na história da humanidade: Alemanha nazista Itália fascista ‘socialismo real’ da União Soviética China, Mao Tse Tung
  • 14.  Dois anos depois da "explosão", o americano foi demitido e proibido de lecionar em escolas públicas. Hoje, ensina poesia a deficientes mentais, escreve e ministra palestras.  "Nunca faria isso de novo. Coloquei os alunos em perigo. Esse tipo de experimento é útil para mostrar quão facilmente nos tornamos vítimas desse tipo de coisa."  (15/08/2009, Folha Online. Disponível em: http://www1.folha.uol.com.br/folha/ilustrada/ul t90u610047.shtml) O DESFECHO REAL
  • 15. CITAÇÃO: A criação de ícones ,símbolos, slogans e gestos remetem aos fatos registrados na história como as marcas de regimes totalitários:
  • 16. INTERTEXTUALIDADE Ideologia Cazuza Meu partido É um coração partido E as ilusões Estão todas perdidas Os meus sonhos Foram todos vendidos Tão barato Que eu nem acredito Ah! eu nem acredito... Que aquele garoto Que ia mudar o mundo Mudar o mundo Frequenta agora As festas do "Grand Monde"... Meus heróis Morreram de overdose Meus inimigos Estão no poder Ideologia! Eu quero uma pra viver Ideologia! Eu quero uma pra viver... O meu prazer Agora é risco de vida Meu sex and drugs Não tem nenhum rock 'n' roll Eu vou pagar A conta do analista Pra nunca mais Ter que saber Quem eu sou Ah! saber quem eu sou.. Pois aquele garoto Que ia mudar o mundo Mudar o mundo Agora assiste a tudo Em cima do muro Em cima do muro... Meus heróis Morreram de overdose Meus inimigos Estão no poder Ideologia! Eu quero uma pra viver Ideologia! Pra viver...
  • 18. 1 RECENTEMENTE, LÍDERES NEO-POPULISTAS DA AMÉRICA LATINA, VALENDO-SE DE UM DISCURSO ANTI-AMERICANO, CONSEGUEM ILUDIR PARTE DA ESQUERDA QUE RESISTE A APRENDER COM A HISTÓRIA. MAS, AFINAL, QUAIS SERIAM AS RAZÕES QUE PERMITEM A ASCENSÃO DE UM GOVERNO DE NATUREZA TOTALITÁRIA?”
  • 20. 2 APENAS A PROMESSA DE REDUÇÃO DOS PROBLEMAS DE ORDEM ECONÔMICA ELEVA O RISCO DO RETORNO DE GOVERNOS TOTALITÁRIOS ?
  • 21. 3 NA INSTALAÇÃO DE UMA IDEOLOGIA, HÁ DESEQUILÍBRIO PSÍQUICO DA POPULAÇÃO, OU APENAS OMISSÃO?
  • 22. 4OS ALEMÃES ADERIRAM AO REGIME NAZISTA NA MEDIDA EM QUE AS AÇÕES DAQUELE GOVERNO CONSEGUIRAM RESOLVER AS DEMANDAS SOCIAIS E ECONÔMICAS DAQUELE TEMPO. POR QUE OS ALUNOS DE WENGER ADERIRAM AO REGIME DE “A ONDA”?
  • 23. 5 QUAIS CONDIÇÕES FIZERAM DE KARO UMA ALUNA LÚCIDA DIANTE DO REGIME QUE SE INSTALOU EM SUA TURMA?
  • 24. 6 QUEM DETERMINA, NUMA SOCIEDADE, OS VALORES E OS OBJETIVOS ?
  • 25. 7 “ É EXTREMAMENTE DIDÁTICO [O FILME] NO QUE SE REFERE A MOSTRAR O QUANTO É FÁCIL MANIPULAR GRUPOS DE PESSOAS, DESDE QUE SE USEM OS INSTRUMENTOS E FERRAMENTAS APROPRIADOS. EM POUCO TEMPO, UM PROFESSOR TRANSFORMA UM GRUPO DE ESTUDANTES EM FANÁTICOS.” POR QUÊ? QUAIS INSTRUMENTOS E FERRAMENTAS SERVEM A ESTE PROPÓSITO?
  • 27. 9 POR QUE AS PESSOAS ACEITAM SER CONTROLADAS?
  • 28. 10 COMO UM REGIME TOTALITÁRIO PODE SAIR DO CONTROLE?
  • 29.  O filme é um sério alerta para:  a) o risco do “sujeito” perder a “liberdade” e “autonomia”, submetendo-se incondicionalmente ao poder do grupo, sua “causa absoluta” veiculadas por slogans e palavras que ordenam uma ação automática, fazendo desaparecer o sujeito ;  b) a a possibilidade de ressurgimento do nazi-fascismo, ou dos totalitarismos de direita ou de esquerda, tendo em vista o desgaste das democracias representativas de nossa época;  c) a formação de grupites de adolescentes e gangues potencialmente intolerantes e criminosas. Há uma tendência narcisista nesses grupos que, geralmente, são atraídos pela proposta de igualdade e novo sentido existencial-no-mundo, a fundação na vivência da territorialidade, o desenvolvimento de um código de linguagem próprio onde os atos de rejeição dos “mais fracos”, “desgarrados” ou “diferentes” parecem legítimos e morais.(LIMA, Raymundo. adaptado) CONSIDERAÇÕES FINAIS
  • 30.  “A Onda” é uma metáfora que se aplica, mais ou menos, a qualquer movimento de massa respondente aos apelos de um líder carismático ou de uma causa mítica irracional.  Foi assim com os atos criminosos da Ku Klux Klan, o Macartismo que desencadeou a “caça às bruxas” perseguindo todos os supostos “comunistas” nos EUA, os governos de direita da América Latina com traços totalitários como foi o de Pinochet (Chile), o regime de apartheid da África do Sul (antes de Nelson Mandela), o processo de “limpeza étnica” conduzida pelos sérvios nos Bálcãs, os grupos neonazistas skinheads espalhados pelo mundo, os carecas do ABC paulista, e o movimento separatista do Iguaçu, no Paraná, entre outros menos conhecidos. METÁFORA
  • 31.  “A onda” pode ser vista através de alguns movimentos político-ideológicos de nossa história:  quando atuou em nome de uma suposta “superioridade da raça ariana”, causou o genocídio nazista;  quando levantou a bandeira da “causa do proletariado” milhares foram estigmatizados de ‘anti-revolucionários’, ‘reacionários burgueses’, ‘intelectuais inúteis’;  quando surgiu com o nome de “revolução cultural” fez o povo quase perder suas tradições; quando “em nome de Deus” milhares são assassinados;  quando “em nome do Bem contra o Mal”, da “causa justa” ou da “democracia”, invadiu países, destruindo prédios e vidas; Enfim, quanto o irracional está a serviço da racionalidade, o resultado é a imoralidade, o sofrimento e a morte em massa. LIÇÕES DA HISTÓRIA DA HUMANIDADE
  • 32. FONTES CHAUÍ, Marilena. O que é Ideologia? 1ª edição.Ed. Brasiliense, 1980. CANCIAN, Renato. Ideologia: Termo tem vários significados em ciências sociais. Especial para Pedagogia & Comunicação, UOL, 2007. Disponível em : http://educacao.uol.com.br/disciplinas/sociolgia/ideologia-termo-tem-varios- significados-em-ciencias-sociais.htmo COELHO, Luís Fernando. Ideologia e Direito. BuscaLegis.ccj.ufsc.br REVISTA N.º 11 Dezembro de 1985 - p. 67-75. Disponível em: http://www.buscalegis.ufsc.br/revistas/files/anexos/370-384-1-PB.pdf FACHINETTO, Eliane Arbusti; RAMOS, Flávia, Brocchetto. Reflexões Sobre a Leitura: Estudo de caso. Disponível em: <http://www.pucrs.br/edipucrs/online/vsemanaletras/Artigos%20e%20Notas_PDF/Eliane%20Arbusti%20Fachinetto%20e%20Fl%E1via%20Brocche to%20Ramos.pdf. D´ARCÁDIA, Ronaldo. A onda. Disponível em: http://www.criticadaquelefilme.com.br/2010/06/critica-de-cinema-onda.html CAMPOS, Leonardo. O filme "A Onda" numa perspectiva educacional. 2010. Disponível em: http://www.passeiweb.com/saiba_mais/arte_cultura/cinema/leonardo_cinema_11_a_onda MATOS, Olgária. Discretas esperanças: reflexões filosóficas sobre o mundo contemporâneo. São Paulo: Editora Nova Alexandria, 2006. CARDOSO Ana Carolina Sinmões. Linguagem, discurso e ideologia. disponível em: http://linguagensedialogos.com.br/2010.1/textos/09ens-AnaCarolina.pdf LIMA, Raymundo. A onda e o irracionalismo dos grupos. Disponível em: http://www.espacoacademico.com.br/065/65lima.html http://educador.brasilescola.com/estrategias-ensino/as-possibilidades-trabalho-com-filme-onda-sala-aula.htm Pesquisa e organização Profa. Cláudia Heloísa Cunha Andria e Profa. Paula Denari Contato: clauheloisa@yahoo.com.br