SlideShare uma empresa Scribd logo
O CONFLITO ENTRE ÁRABES E JUDEUS NA PALESTINA 
GEOGRAFIA - 3º ANO - 2014 PROFª: ROSILANE RIBEIRO MARALHAS
PALESTINA: UMA PEQUENA REGIÃO DO ORIENTE MÉDIO
O QUE SÃO ISRAEL E PALESTINA? BREVE HISTÓRICO 
A Palestina é uma pequena região do Oriente Médio, o qual, por sua vez, está 
situado no sudoeste da Ásia. 
Era o local da 'Terra Santa' para o povo hebreu (judeus), cujos registros 
históricos de presença na região apontam para o ano de 1.200 a.C.. 
Os hebreus foram expulsos da Palestina, pela última vez, em 70 d.C, pelo 
Império Romano. Espalharam-se, a partir de então, em sua maior parte, pela 
Europa Oriental e Oriente Médio. 
Em 638 d.C, a Palestina foi conquistada pelos árabes, no contexto da expansão 
do islamismo, e passou a fazer parte do mundo árabe. 
De 1517 a 1918, a região foi incorporada ao imenso Império Turco-otomano. 
Vale lembrar que os turcos, embora muçulmanos, não pertencem à etnia árabe.
Na 1ª Guerra Mundial, a Turquia lutou ao lado da Alemanha e, derrotada, viu-se 
privada de todas as suas possessões no mundo árabe. 
A Palestina passou então a ser administrada pela Grã-Bretanha, mediante mandato 
concedido pela Liga das Nações. 
Israel é um estado judeu, criado em 1948, na Palestina histórica. A ocupação da área 
foi feita de forma gradual, a partir do primeiro encontro sionista (movimento 
internacional judeu), em 1897. Nele ficou definido que os judeus retornariam em 
massa à região da 'Terra Santa', em Jerusalém – de onde haviam sido expulsos pelos 
romanos. 
À medida que a imigração de judeus para a Palestina aumentava, foram surgindo os 
confrontos. No início da 1ª Guerra Mundial, em 1914, já havia 60 mil judeus vivendo 
na região. Na 2ª Guerra Mundial (1939-1945), o fluxo de imigrantes aumentou 
drasticamente porque milhões de judeus se dirigiram à Palestina fugindo da 
perseguição nazista na Europa.
Sob o domínio da Grã-Bretanha, a Palestina, cuja religião 
predominante era muçulmana, foi escolhida para a 
criação do lar judeu, por conta de nela situar-se a Terra 
Santa, clamada pelos hebreus. 
Assim, em maio de 1947, o governo do Reino 
Unido solicitou à ONU um plano de partição da área
O INÍCIO DOS CONFRONTOS 
A Liga Árabe (Egito, Síria, Líbano, 
Transjordânia, Iraque, Arábia Saudita 
e Iêmen, em formação original), 
afirmou que a decisão das Nações 
Unidas significava guerra aos judeus. 
Sem consenso, a tentativa da ONU de 
resolver o confronto com a criação de 
um Estado duplo (árabe e judeu) 
fracassou. 
Israel declarou, então, unilateralmente 
a criação de seu Estado em 14 de 
maio de 1948. Neste ano, os judeus 
na Palestina já somam 750 mil. 
Assembléia Geral da Organização das Nações Unidas (ONU) aprova plano para 
partilha da Palestina, ou seja, a criação de Israel e de um Estado palestino. Até 
então, a região era uma colônia britânica. A partilha é rejeitada por árabes e 
palestinos, que prometem lutar contra a formação do Estado judaico.
A REAÇÃO ÁRABE 
Após a declaração de independência de 
Israel, os exércitos da Liga Árabe (Egito, 
Jordânia, Síria e Líbano) atacaram o país. 
700 mil civis palestinos, a grande maioria, 
fugiram do conflito, abandonando terras e 
propriedades, refugiando-se nos países 
árabes. Inicia-se a primeira diáspora. 
Em 1949, Israel vence a guerra árabe-israelense 
e expande suas fronteiras. 
Cisjordânia e Jerusalém Oriental ficam 
com a Jordânia; Gaza, com o Egito. Os 
palestinos perdem a área que lhes fora 
delimitada pelo plano de partilha da ONU. 
1949: Expansão das fronteiras de Israel na Palestina e 
avanço dos países árabes sobre o restante do território .
GUERRA DOS SEIS DIAS: O AGRAVAMENTO DO CONFLITO 
Na Guerra dos Seis Dias, em 1967, a vitória de Israel mudaria o mapa da região. O 
Estado judeu derrotou novamente Egito, Jordânia e Síria (estes apoiados por outros 
estados árabes) e conquistou Jerusalém Oriental, a Península do Sinai (Egito), as 
Colinas de Golan (Síria), a Faixa de Gaza e toda a Cisjordânia – região de maioria 
árabe e reclamada pela Autoridade Nacional Palestina (ANP) e pela Jordânia. 
Entre as guerras envolvendo árabes e israelenses, a de 1967 acentuou as 
rivalidades por envolver territórios de outros países árabes. 
A partir daí, Israel assumiu uma política de colonização de Gaza e da Cisjordânia por 
meio de assentamentos judaicos. Observe o mapa a seguir:
Desde então, a disputa pelo 
território também considerado 
sagrado pelos árabes, transformou a 
região em uma das mais tensas do 
Oriente Médio. 
De um lado, Israel usa seu poderio 
militar para manter a ocupação. 
Do outro, os palestinos tentam até 
hoje alcançar seu objetivo de criar 
um Estado ( país) próprio.
A POSIÇÃO DA ONU 
Contrário as ocupações do 
imediato pós guerra, o Conselho 
de Segurança da ONU compôs 
a resolução 242 (1967), que 
exigia: 
A retirada imediata de Israel das 
áreas ocupadas 
Que Israel retornasse às fronteiras 
pré-1967 (observe novamente o 
mapa). 
Porém o governo israelense 
jamais cumpriu tal exigência, e 
nem por isso sofreu represálias.
1973: O CONFLITO SE EXPANDE 
Guerra de Yom Kippur, 1973. Desobedecendo às determinações da 
ONU, Israel manteve suas conquistas. 
Essa atitude provocou, em 1973, a Guerra do Yom Kippur e a primeira 
crise mundial do petróleo. 
Após a morte do presidente egípcio Abmael Nasser, principal líder 
nacionalista árabe, em 1970, Anuar Sadat subiu ao poder. 
Os esforços de seu governo centraram-se na recuperação dos 
territórios que o Egito havia perdido para Israel em 1967.
1973: GUERRA DO YON KIPPUR 
Para atingir esse objetivo, Egito e Síria 
planejaram uma nova ofensiva armada, 
concretizada em 6 de outubro de 1973, 
dia em que os judeus comemoravam o 
Dia do Perdão ou Yom Kippur. 
No início da Guerra do Yom Kippur, os 
árabes estavam em vantagem, mas a 
imediata ajuda norte-americana mudou 
os rumos da guerra e Israel manteve o 
domínio sobre as áreas ocupadas.
AS INTIFADAS: REAÇÃO POPULAR 
Jovem palestino atira pedras contra soldados 
israelenses em confronto. (Foto: Abbas Momani/AFP) 
Os civis palestinos reagiram à tomada do 
território com as intifadas (que em árabe 
significa levantar a cabeça). Milhares de 
jovens saíram às ruas para protestar 
contra a ocupação israelense – 
considerada ilegal pela ONU. 
Em 1987, na primeira intifada, crianças 
que jogavam pedras nos tanques foram 
mortas por Israel, provocando a 
indignação da comunidade internacional.
O QUE ALIMENTA O CONFLITO NA PALESTINA 
• A postura de Israel de não devolver as áreas ocupadas na Guerra dos Seis 
Dias; 
• O desentendimento sobre o futuro político de Jerusalém, a cidade santa para 
judeus, árabes e cristãos; 
• O absoluto controle econômico, militar e social de Israel sobre toda a 
Palestina, sacrificando enormemente a vida do povo palestino; 
• O boicote palestino, os quais não reconhecem a legitimidade do Estado judeu; 
• Os atentados terroristas utilizados como estratégia de luta, sobretudo da parte 
árabe, como por vezes também ocorre da parte de judeus radicais; 
Em conjunto, esses impasses impedem que os conflitos terminem – apesar de 
haver um processo de negociação de paz que já dura anos.
Palestinos levantam bandeira próximo ao maior assentamento 
Judaico no subúrbio de Jerusalém. (Foto: Abbas Momani/AFP) Judeu ortodoxo reza no Muro das Lamentações, em 
Jerusalém. (Foto: Reuters)
O QUE SÃO O SIONISMO, JUDAÍSMO E ANTISSEMITISMO? 
O SIONISMO foi a principal força por trás da criação do Estado de Israel (1948). 
Foi no primeiro encontro sionista, realizado em 1897, que se definiu que os judeus 
retornariam em massa à "Terra Santa", em Jerusalém – de onde foram expulsos pelos 
romanos nos anos 70 d.C. 
Idealizado e divulgado pelo jornalista e escritor austro-húngaro Theodor Herzl, esse 
movimento político defendia o direito dos judeus de terem sua pátria na região que 
a bíblia chamou de “Terra de Israel”. O projeto, aprovado em um congresso israelita 
reunido em Genebra, teve ampla ressonância junto à comunidade judaica 
internacional e foi apoiado sobretudo pelo governo britânico (apoio oficializado 
em 1917, em plena Primeira Guerra Mundial, pela Declaração Balfour). 
A teoria de Herzl – que presenciou o antissemitismo na Europa – era de que, com a 
existência de um Estado próprio, os judeus poderiam ser politicamente fortes. A 
idéia de possuir um território era algo "revolucionário" para um povo que tinha 
sofrido violentas perseguições durante séculos.
Para os palestinos, o sucesso do 
movimento sionista significou a 
frustração de suas aspirações nacionais 
e a vida sob ocupação em uma terra 
que eles também consideram sagrada. 
O JUDAÍSMO é o nome dado à religião 
do povo judeu, considerada a mais 
antiga entre as principais monoteístas. 
O hebraico é a língua litúrgica, e a Torá 
o livro sagrado. 
Também há costumes alimentares e 
culturais específicos do povo judeu. 
Prisioneiro judeu tem os cabelos cortados em campo 
de concentração nazista. (Foto: AFP)
O ANTISSEMITISMO é um movimento extremista que prega o ódio aos judeus. 
O movimento foi mais forte na Alemanha, onde durante anos foi construído 
o sentimento de que os judeus eram os responsáveis pelos males ocorridos 
no país. A ideologia teve seu ponto máximo no nazismo, que defendia que os 
judeus eram moral e fisicamente inferiores aos arianos. 
Durante a 2ª Guerra Mundial (1939-1945), houve o extermínio de cerca de 6 
milhões de judeus pela Alemanha nazista, o que provocou forte migração de 
famílias judias para fora da Europa. 
O holocausto causado pelos nazistas justificou a pressão do povo judeu 
por um território próprio onde suas crenças e tradições fossem respeitadas, 
conforme defendia o movimento sionista, iniciado no final do século 19. 
Esse território já havia sido prometido aos judeus pela Declaração de Balfour 
e pela Liga das Nações, em 1922. Grande parte deles foi para a Palestina, onde 
seria criado o Estado de Israel, em 1948.
O QUE É A FAIXA DE GAZA? 
A Faixa de Gaza é uma faixa do território palestino localizado em um estreito pedaço 
de terra na costa oeste de Israel, na fronteira com o Egito. 
Marcada pela pobreza e superpopulação, tem 1,7 milhões de habitantes e está lotada 
de favelas. Abrange uma área de menos de 40 km de extensão e outros poucos 
quilômetros de largura. Quem mora ali tem uma vida de restrições 
A região foi tomada por Israel na Guerra dos Seis Dias, em 1967, e entregue aos 
palestinos em 2005 para fazer parte do Estado da Palestina. Israel retirou dali, na 
ocasião, suas tropas e cerca de 7 mil colonos. Porém, boa parte das fronteiras, 
territórios aéreos e marítimos de Gaza ainda são controlados pelos israelenses.
A taxa de desemprego em Gaza ultrapassa 
os 40% (entre os jovens é de 50%), e 21% 
de seus habitantes vivem em situação de 
profunda pobreza. 
Em meados de 2013, a limitação de 
movimento foi ampliada quando o Egito 
impôs novas restrições na fronteira de 
Rafah – que nos últimos anos havia se 
tornado o principal ponto de entrada e 
saída de palestinos de Gaza. 
Restrições à circulação de pessoas impedem a saída e a 
entrada de palestinos em Gaza (Foto: Reuters)
Em 2007, o grupo islâmico Hamas assumiu o controle da região, em votação 
democrática, causando reação imediata de Israel, que impôs um bloqueio à 
Faixa de Gaza, restringindo a circulação de mercadorias e de pessoas. 
Os bloqueios até hoje criam dificuldades de abastecimento de produtos básicos, 
como remédios e comida para a população. 
Os palestinos que vivem ali estão sujeitos a uma rotina em que movimentos são 
restritos, há cortes de energia frequentes e a economia local está em frangalhos. 
Também há restrições para atividades como agricultura e pesca. 
Segundo a ONU, há uma alta proporção de jovens em Gaza. Se a economia local 
ganhar fôlego, haverá abundância de pessoas em idade de trabalho. Caso 
contrário, poderá haver mais tensão social, com tendência à violência e ao 
extremismo.
No último conflito {1914), 360 fábricas e oficinas foram riscadas do mapa, segundo 
a Federação das Indústrias de Gaza. Entre as restantes, a maioria teve de 
suspender a produção devido à chuva de bombas. 
As perdas já passam de mais de 570 milhões de dólares, o que não é pouco para as 
empresas de Gaza que, em geral, são modestas. 
Segundo informa a Organização de Alimentos e Agricultura da ONU (FAO), 42.000 
acres de terras de cultivo sofreram pesados danos. 
Metade da criação de aves foi perdida devido aos bombardeios ou pela 
impossibilidade de os agricultores prestarem cuidados, já que o acesso às granjas 
próximas à fronteira com Israel ficou impossível. 
A única usina de energia elétrica de Gaza foi bombardeada e destruída. Somente a 
reconstrução da usina levará de seis meses a um ano.
NA GUERRA ...O MAIS FORTE PREVALECE 
Menino palestino carrega bebedouros de frango na Faixa de Gaza. A única 
fonte de água potável da Faixa de Gaza tem nível de contaminação dez 
vezes maior do que o normal, impossibilitando o consumo. O bloqueio de 
Israel ao território, dificulta a entrega de muitos equipamentos sanitários 
que poderiam ajudar na limpeza da água. Foto: Ibraheem Abu Mustafa / 
Reuters 
Bombeiro palestino tenta conter fogo em incêndio na única central 
elétrica de Gaza, atingida por um bombardeio de Israel em 29/07/14. 
(Foto: Ahmed Zakot/Reuters)
NA GUERRA, A POPULAÇÃO CIVIL É AMPLAMENTE SACRIFICADA 
A estação de tratamento de água precisará ser reconstruída pois foi um dos primeiros 
alvos dos mísseis certeiros da aviação de Israel. 
A ONG inglesa OXFAM informa que o bombardeio de poços, tubulações e reservatórios 
causou a contaminação da água fresca com esgotos e o vazamento de 15 mil toneladas 
de detritos sólidos pelas ruas de Gaza. 
De agora em diante, a população de Gaza só poderá consumir metade da água disponível 
antes da guerra. 
Quarteirões residenciais inteiros foram transformados em ruínas pelas bombas. 
Segundo cálculos da ONU, entre 16 mil e 18 mil lares foram totalmente destruídos e 30 
mil sofreram pesados danos. 
A estimativa é que levarão 18 anos para reconstruir estas casas, caso o bloqueio de Gaza 
continue, limitando a entrada de pessoas e materiais necessários às obras.
GUERRA É ISSO... 
Jovens palestinos jogam pedras contra soldados 
israelenses perto de Tulkarem, na Cisjordânia, em 
janeiro. Fonte: g1.globo.com 
26.jul.2014 - Palestinos caminham sobre escombros de 
suas casas durante um cessar-fogo humanitário de 12 
horas. Fonte: notícias.uou.com.br
Entre 350 mil e 400 mil cidadãos apareceram em busca de abrigo nas instalações 
da ONU. O previsto eram 50 mil desalojados. 
A maioria deles obedecia às ordens do exército de Israel para que abandonassem 
seus lares, que seriam bombardeados. 
As bombas não pouparam abrigos da ONU matando muitos dos palestinos ali 
refugiados. Cerca de 2020 pessoas morreram, das quais pelo menos 80% eram 
civis desarmados. Dessas, 469 eram crianças. Mais de três mil ficaram feridas. 
373 mil crianças de Gaza precisam de “ajuda psicológica imediata”. E a Unesco só 
conta com 50 psicólogos na região, que teriam condições de atender apenas 3 mil 
crianças. 
Todo o sistema de educação infantil de Gaza já está irreparavelmente lesado; 219 
escolas não escaparam da mira dos artilheiros e pilotos israelenses, sendo que em 
22 delas, nada restou.
Fuga de palestinos de ataque israelense a um bairro 
de Gaza 
Escola palestina destruída após ataques aéreos 
israelenses. Fonte: jornaljjn.com.br
Israel justifica as duras medidas tomadas contra os palestinos como legítimas 
devido ao fato do Hamas ser um inimigo declarado. Suas lideranças consideram a 
organização islâmica como um grupo terrorista que se recusa a deixar as armas. 
Para os palestinos que vivem em Gaza, a situação dos bloqueios israelenses é 
insustentável, pois tornam a vida na região extremamente difícil. 
Por essa razão, até mesmo para aqueles que não apoiam o Hamas, o disparo de 
foguetes contra Israel, que consideram o causador de seus tormentos, é uma 
resposta justa.
Uma multidão de palestinos estão sob os escombros de um 
prédio que foi destruído durante os combates entre militantes 
do Hamas e Israel, enquanto assiste a um desfile de militantes 
do Hamas. Foto: Deutsche Welle 
Grande parte da infraestrutura de Gaza foi destruída; há falta de 
energia elétrica e água potável. Fonte: G1.com.br
Jovens palestinos se escodem após lançarem pedras contra soldados israelenses no vilarejo de Qusra, Gaza.
OS TÚNEIS DE CONTRABANDO 
Uma das alternativas aos bloqueios foram os túneis de contrabando, que se 
proliferaram pelo território de Gaza e eram usados pelos palestinos para a entrada 
de alimentos, dinheiro, armas, combustível e materiais de construção. 
O fluxo foi interrompido após operação israelense contra os túneis iniciada em 2013. 
A consequência foi a escassez desses materiais e a alta nos preços dos alimentos 
em Gaza. 
Também causou desemprego nas áreas da construção civil e transportes, que 
dependem diretamente dos materiais que chegavam pelos túneis de contrabando.
Israel usa os túneis como um dos 
argumentos para os ataques à Faixa de 
Gaza. A ação militar terrestre começou 
em 18 de julho de 2014 com o objetivo de 
destruir essas passagens subterrâneas, 
chamadas por Israel de "túneis do terror". 
O Estado judeu afirma que os túneis de 
contrabando também são usados pelo 
Hamas para preparar plataformas de 
lançamento de foguetes e para se infiltrar 
em território israelense. 
Palestino entra em um túnel de contrabando na 
fronteira Gaza-Egito. (Foto: Mahmud Hams/AFP)
Túneis levam mercadorias que vão de 
cimento a vacas e carros desmontados. 
Foto: Heather Sharp - BBC News em Gaza 
Proibidos, jovens namorados Emad al-Malalha, palestina e 
Manal Abu Shanar, egípcio, fazem uso dos túneis de 
contrabando entre Palestina e Egito para se casarem. 
Foto:mudancadevida.net.br
QUEM É O HAMAS? 
O Hamas é considerado a maior organização islâmica nos territórios palestinos 
da atualidade. 
Um de seus criadores foi o xeque Ahmed Yassin, que pregava a destruição de 
Estado israelense. Seu nome é a sigla em árabe para Movimento de Resistência 
Islâmica. 
O grupo surgiu em 1987, após a primeira intifada (revolta popular palestina) 
contra a ocupação israelense na Cisjordânia e na Faixa de Gaza. 
Além da faceta militar – com as brigadas Al-Qassam – o grupo que controla Gaza 
também é um partido político. 
Em sua carta de fundação, o Hamas estabelece dois objetivos: promover a luta 
armada contra Israel e realizar programas de bem-estar social.
Em 2006, o grupo islâmico venceu as eleições parlamentares palestinas, fato não 
reconhecido pelo opositor político Fatah. 
O FATAH é um partido nacionalista árabe, fundado em 1959 pelo líder palestino 
Yasser Arafat e que concorda com a criação de dois Estados (Israel e Palestina) 
para a solução do conflito. 
Ocorreu, então, o racha dentro da Autoridade Nacional Palestina (ANP), após anos 
de confrontos internos. A divisão fez com que o HAMAS passasse a controlar a 
Faixa de Gaza, a partir de 2007, e o FATAH ficasse com o comando da Cisjordânia. 
Israel e Hamas não dialogam – o Estado judeu considera o grupo islâmico uma 
organização terrorista. 
Por seu lado, o grupo islâmico não aceita as condições propostas pela comunidade 
internacional para ser considerado um ator global legítimo: reconhecer Israel, 
aceitar os acordos anteriores e renunciar à violência.
Integrantes do Hamas tomam o escritório do presidente da Autoridade Nacional Palestina, Mahmoud Abbas, do 
Fatah, em 2007, após o racha provocado pela vitória do primeiro, nas eleições do ano anterior . (Foto: AP)
QUEM APÓIA E QUEM CONDENA O HAMAS? 
O Hamas é parte de uma vertente política do Islã que, com as Revoltas 
Árabes iniciadas em 2011, está sendo combatida em toda a região. 
Primeiro no Egito (com a saída da Irmandade Muçulmana), mas também 
em países do Golfo. O Irã, seu aliado histórico, deixou de apoiá-lo. 
Por sua longa história de ataques e sua recusa em renunciar à violência, o 
Hamas é considerado uma organização terrorista também pelos Estados 
Unidos, União Europeia, Canadá e Japão. 
Porém, para o Qatar e a Turquia, o Hamas é visto como um movimento de 
resistência legítimo.
POSIÇÃO DOS PAÍSES ÁRABES E DO OCIDENTE NO ATUAL CONFLITO 
Uma das menores e mais ricas monarquias do mundo, o Qatar financia a 
construção de edifícios e estradas em Gaza. 
Além disso, fornece ao Hamas centenas de milhões de dólares por ano. 
A Turquia já foi aliada de Israel, mas o atual governo é favorável à linha militante 
do islamismo e se aproximou do Hamas. 
Egito, Arábia Saudita, Emirados Árabes e Jordânia condenam tanto o Hamas 
quanto Israel pela morte de civis em Gaza. 
Irã e Síria, que já apoiaram o Hamas, romperam com o movimento palestino, pois 
ele favorece os rebeldes que lutam para derrubar do poder o ditador sírio Bassar 
al-Assad, a cujo governo, o Irã apoia.
No Ocidente, os Estados Unidos apoiam os argumentos de Israel. E afirmam 
que é justa sua decisão de destruir os túneis que o Hamas usa para infiltrar 
extremistas (terroristas) em território israelense. 
Os EUA reconhecem Israel como Estado independente e Israel, por sua vez, é 
o principal aliado dos Estados Unidos no Oriente Médio. 
Com a ajuda americana, Israel permanece nas áreas ocupadas, desrespeitando 
resolução da ONU. 
Ao mesmo tempo, as negociações de paz na região são tocadas pelo secretário 
de Estado americano, John Kerry, com respaldo da União Europeia 
Os países europeus apoiam Israel nos conflitos no Oriente Médio. Entretanto, a 
péssima repercussão das muitas mortes de civis na ofensiva atual fizeram com 
que as manifestações de apoio ficassem mais raras e discretas.
Secretário de Estado dos EUA, John Kerry, e o primeiro-ministro israelense, Benjamin Netanyahu, se 
cumprimentam após reunião. Americanos são o principal aliado de Israel. (Foto: Larry Downing/Reuters)
O Brasil reconhece a existência do Estado Palestino desde 2010. De igual modo, 
também reconhece Israel como um Estado independente na Palestina. 
O governo brasileiro qualificou de “inaceitável” a atual escalada de violência na 
Faixa de Gaza e convocou seu embaixador em Israel “para consulta”. Essacé uma 
medida diplomática excepcional, tomada quando o governo quer demonstrar 
descontentamento e avalia que a situação no outro país é de extrema gravidade. 
Em nota, o Ministério das Relações Exteriores brasileiro considerou 
desproporcional o uso da força por Israel e pediu o fim dos ataques. 
A reação israelense foi imediata e dura. O porta-voz do ministério das Relações 
Exteriores, Yigal Palmor, afirmou que a medida era “uma demonstração 
lamentável de como o Brasil, um gigante econômico e cultural, continuava a ser 
um anão diplomático”.
Resposta do Ministério das Relações Exteriores do Brasil: 
“Se existe algum “anão diplomático” o Brasil não é um deles. Somos um dos 11 
países do mundo que têm relações diplomáticas com todos os membros da ONU 
e temos histórico de cooperação de paz e ações pela paz internacional”. 
Dias depois, o governo de Israel emitiu documento pedindo desculpas pelas 
palavras de seu funcionário afirmando que elas não refletiam o pensamento do 
país.
POR QUE ISRAEL E HAMAS ENTRARAM EM CONFLITO NA FAIXA DE GAZA? 
A escalada de violência começou em junho de 2014. Foi o terceiro conflito do tipo 
desde que o grupo islâmico passou a controlar a região, em 2007. 
O estopim foi o sequestro e assassinato a tiros de três adolescentes israelenses. 
Israel acusou o Hamas pelas mortes. A organização não confirmou nem negou seu 
envolvimento. 
Durante as buscas pelos adolescentes, na Cisjordânia, as forças israelenses 
prenderam centenas de militantes do Hamas. 
No dia seguinte à localização dos corpos, um adolescente palestino foi encontrado 
morto em Jerusalém Oriental. 
A autópsia indicou que ele havia sido queimado vivo.
Estudantes israelenses sequestrados e mortos na Cisjordânia. Israel acusa o Hamas, que 
não nega nem assume a autoria dos crimes. (Foto: Reuters)
Israel prendeu seis judeus extremistas e três deles confessaram o crime. 
A confissão reforçou a tese de assassinato com motivação política, gerando 
revolta e protestos palestinos na Faixa de Gaza. 
Foguetes foram disparados por ativistas palestinos de Gaza em direção ao país 
judeu. Israel contra-atacou com bombas. 
Em 8 de julho/2014, após intenso bombardeio contra o sul de Israel, o Estado 
judeu passou para os ataques aéreos contra Gaza. 
O Hamas respondeu com foguetes contra a capital de Israel, Tel Aviv, e as forças 
israelenses decidiram atacar também por terra. 
O conflito provocou baixas nos dois lados, porém de forma desproporcional 
contra os palestinos. Cerca de 2.200 árabes foram mortos, a maioria civil, 
contra aproximadamente, 80 judeus, quase todos militares.
A DIFÍCIL VIDA EM UM TERRITÓRIO SOB CONFLITO 
MILITAR 
Famílias palestinas caminham entre casas destuídas 
por mísseis israelenses. Fonte: veja.abril.com.br 
O Hamas dispara foguetes contra Tel Aviv e Jerusalém na 
noite de 8 de julho. Os mísseis foram lançados a partir de 
Gaza e respondiam aos ataques de Israel que tenta vingar a 
morte dos três adolescentes judeus que foram sequestrados
Soldado de Israel faz oração na fronteira com Gaza; ao fundo, fumaça de ataques. (Foto: Jack 
Guez/AFP)
AS JUSTIFICATIVAS BÉLICAS DOS PROTAGONISTAS DO CONFLITO 
Além das mortes dos adolescentes, Israel justifica seus ataques como resposta aos 
foguetes disparados pelo Hamas em direção à Israel. Seria uma forma de defesa. 
Segundo Israel, o grupo islâmico esconde militantes e armas em residências da 
Faixa de Gaza e, por isso, precisa bombardeá-las, mesmo que isso signifique a 
morte de civis. 
Essa atitude se reflete de forma altamente negativa na opinião pública interna e, 
sobretudo, internacional. 
Do lado palestino, somado à morte do adolescente e às prisões de integrantes do 
Hamas, está a insatisfação da população de Gaza, a qual considera abusivo o 
controle de Israel sobre a região. 
Por causa dos bloqueios, os moradores dependem do Estado judeu para ter acesso 
a água, eletricidade, meios de comunicação e dinheiro.
13.jul.2014 - Seis foguetes J80 são lançados por militares pró-Hamas na Faixa de Gaza (Palestina) 
para atingir Israel. Fonte: Notícias Uou.com.br
A PAZ NA PALESTINA É POSSÍVEL E DEPENDE DA JUSTIÇA E DA VONTADE POLÍTICA DAS 
LIDERANÇAS DE AMBOS OS POVOS. QUANDO ELAS AS COMPREENDERÃO?
Fontes: Diversas publicações, entre elas: 
http://g1.globo.com/mundo/noticia 
http://www.brasilescola.com/geografia/o-conflito-na-palestina- 
faixa-gaza.htm 
educacao.pesquisablogs.com.br/post.php?http://www.curso 
objetivo.br/vestibular/roteiro_estudos/questao_palestina.as 
px 
http://redes.moderna.com.br/tag/divisao-da-palestina/ 
www.atica.com.br/SitePages/Obra.aspx?cdObra=823
O conflito entre árabes e judeus na palestina

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

A guerra dos 6 dias
A guerra dos 6 diasA guerra dos 6 dias
A guerra dos 6 dias
PLETZ.com -
 
Conflitos Árabes Israelenses.
Conflitos Árabes Israelenses.Conflitos Árabes Israelenses.
Conflitos Árabes Israelenses.
marise brandao
 
Israel E ..
Israel E ..Israel E ..
Israel E ..
Gabriel Pasche
 
O conflito entre israelenses e palestinos
O  conflito entre israelenses e palestinosO  conflito entre israelenses e palestinos
O conflito entre israelenses e palestinos
Antonio Marcos Nunes dos Reis Marcos
 
A Criação do Estado de Israel e a Questão Palestina
A Criação do Estado de Israel e a Questão PalestinaA Criação do Estado de Israel e a Questão Palestina
A Criação do Estado de Israel e a Questão Palestina
eiprofessor
 
Israel e os conflitos árabes
Israel e os conflitos árabesIsrael e os conflitos árabes
Israel e os conflitos árabes
ana1935
 
Oriente Médio e alguns confrontos.
Oriente Médio e alguns confrontos.Oriente Médio e alguns confrontos.
Oriente Médio e alguns confrontos.
Andre Caiado
 
Trabalho / Formação de Israel
Trabalho / Formação de IsraelTrabalho / Formação de Israel
Trabalho / Formação de Israel
Vinicius Neves
 
Conflitos Árabes - Israelenses - aula silmara
Conflitos Árabes - Israelenses - aula silmaraConflitos Árabes - Israelenses - aula silmara
Conflitos Árabes - Israelenses - aula silmara
Silmara Vedoveli
 
Conflito israel e palestina
Conflito israel e palestinaConflito israel e palestina
Conflito israel e palestina
Jordanna Rangel
 
Israel e palestina
Israel e palestinaIsrael e palestina
Israel e palestina
Artur Lara
 
Conflitos árabe-israelenses
Conflitos árabe-israelensesConflitos árabe-israelenses
Conflitos árabe-israelenses
marise brandao
 
Entendendo o conflito israel x palestina
Entendendo o conflito israel x palestinaEntendendo o conflito israel x palestina
Entendendo o conflito israel x palestina
Eduardo Mendes
 
Conflitos árabe israelenses
Conflitos árabe israelensesConflitos árabe israelenses
Conflitos árabe israelenses
KarinyLobato
 
Conflito israel palestina
Conflito israel   palestinaConflito israel   palestina
Conflito israel palestina
Colégio Santo Antônio
 
Israelpalestina1
Israelpalestina1Israelpalestina1
Israelpalestina1
Bruno Celidonio
 
Conflito árabe israelense
Conflito árabe   israelenseConflito árabe   israelense
Conflito árabe israelense
Alfredo Moreira
 
Israel vs palestina
Israel vs palestinaIsrael vs palestina
Israel vs palestina
turmac12
 
Conflito entre Israel e Palestina
Conflito entre Israel e PalestinaConflito entre Israel e Palestina
Conflito entre Israel e Palestina
Ajuda Escolar
 
Questão palestina
Questão palestinaQuestão palestina
Questão palestina
harlissoncarvalho
 

Mais procurados (20)

A guerra dos 6 dias
A guerra dos 6 diasA guerra dos 6 dias
A guerra dos 6 dias
 
Conflitos Árabes Israelenses.
Conflitos Árabes Israelenses.Conflitos Árabes Israelenses.
Conflitos Árabes Israelenses.
 
Israel E ..
Israel E ..Israel E ..
Israel E ..
 
O conflito entre israelenses e palestinos
O  conflito entre israelenses e palestinosO  conflito entre israelenses e palestinos
O conflito entre israelenses e palestinos
 
A Criação do Estado de Israel e a Questão Palestina
A Criação do Estado de Israel e a Questão PalestinaA Criação do Estado de Israel e a Questão Palestina
A Criação do Estado de Israel e a Questão Palestina
 
Israel e os conflitos árabes
Israel e os conflitos árabesIsrael e os conflitos árabes
Israel e os conflitos árabes
 
Oriente Médio e alguns confrontos.
Oriente Médio e alguns confrontos.Oriente Médio e alguns confrontos.
Oriente Médio e alguns confrontos.
 
Trabalho / Formação de Israel
Trabalho / Formação de IsraelTrabalho / Formação de Israel
Trabalho / Formação de Israel
 
Conflitos Árabes - Israelenses - aula silmara
Conflitos Árabes - Israelenses - aula silmaraConflitos Árabes - Israelenses - aula silmara
Conflitos Árabes - Israelenses - aula silmara
 
Conflito israel e palestina
Conflito israel e palestinaConflito israel e palestina
Conflito israel e palestina
 
Israel e palestina
Israel e palestinaIsrael e palestina
Israel e palestina
 
Conflitos árabe-israelenses
Conflitos árabe-israelensesConflitos árabe-israelenses
Conflitos árabe-israelenses
 
Entendendo o conflito israel x palestina
Entendendo o conflito israel x palestinaEntendendo o conflito israel x palestina
Entendendo o conflito israel x palestina
 
Conflitos árabe israelenses
Conflitos árabe israelensesConflitos árabe israelenses
Conflitos árabe israelenses
 
Conflito israel palestina
Conflito israel   palestinaConflito israel   palestina
Conflito israel palestina
 
Israelpalestina1
Israelpalestina1Israelpalestina1
Israelpalestina1
 
Conflito árabe israelense
Conflito árabe   israelenseConflito árabe   israelense
Conflito árabe israelense
 
Israel vs palestina
Israel vs palestinaIsrael vs palestina
Israel vs palestina
 
Conflito entre Israel e Palestina
Conflito entre Israel e PalestinaConflito entre Israel e Palestina
Conflito entre Israel e Palestina
 
Questão palestina
Questão palestinaQuestão palestina
Questão palestina
 

Destaque

CONFLITOS ENTRE JUDEUS E ÁRABES
CONFLITOS ENTRE JUDEUS E ÁRABESCONFLITOS ENTRE JUDEUS E ÁRABES
CONFLITOS ENTRE JUDEUS E ÁRABES
Antonio Marcos Nunes dos Reis Marcos
 
Aula pre sal 6 sistemas de produção
Aula pre sal 6 sistemas de produçãoAula pre sal 6 sistemas de produção
Aula pre sal 6 sistemas de produção
Augusto Junior
 
Laís, bianca e lorena estaçoes do ano
Laís, bianca e lorena estaçoes do anoLaís, bianca e lorena estaçoes do ano
Laís, bianca e lorena estaçoes do ano
Marcos Neves
 
Royalties do petroleo
Royalties do petroleoRoyalties do petroleo
Royalties do petroleo
Abner de Paula
 
Pré-sal: Panorama e Oportunidades - Rio Oil & Gas 2012
Pré-sal: Panorama e Oportunidades - Rio Oil & Gas 2012Pré-sal: Panorama e Oportunidades - Rio Oil & Gas 2012
Pré-sal: Panorama e Oportunidades - Rio Oil & Gas 2012
Petrobras
 
Evolução geológica e placas tectonicas
Evolução geológica e placas tectonicasEvolução geológica e placas tectonicas
Evolução geológica e placas tectonicas
Sérgio Fernandes
 
Geopolítica do Petróleo UENF - 30 AGO 2016
Geopolítica do Petróleo UENF - 30 AGO 2016Geopolítica do Petróleo UENF - 30 AGO 2016
Geopolítica do Petróleo UENF - 30 AGO 2016
Lincoln Weinhardt
 
Pré sal
Pré salPré sal
Pré sal
gabriellecomte
 
Dinâmica da litosfera
Dinâmica da litosferaDinâmica da litosfera
Dinâmica da litosfera
Abner de Paula
 
Camada Pré-sal
Camada Pré-salCamada Pré-sal
Camada Pré-sal
Isabela Mendonça
 
9ºano lista de exercicios ásia ii
9ºano   lista de exercicios ásia ii9ºano   lista de exercicios ásia ii
9ºano lista de exercicios ásia ii
Google
 
1820 e o liberalismo
1820 e o liberalismo1820 e o liberalismo
1820 e o liberalismo
cruchinho
 
Asia
AsiaAsia
Capitalismo e socialismo
Capitalismo e socialismoCapitalismo e socialismo
Capitalismo e socialismo
Abner de Paula
 
Slides geografia e economia japão
Slides geografia e economia   japãoSlides geografia e economia   japão
Slides geografia e economia japão
Luis Alberto Bassoli
 
A América platina
A América platinaA América platina
A América platina
Salomão Medeiros
 
As placas tectônicas
As placas tectônicas As placas tectônicas
As placas tectônicas
João Monteiro
 
Produção de derivados do petróleo (destilação fracionada)
Produção de derivados do petróleo (destilação fracionada)Produção de derivados do petróleo (destilação fracionada)
Produção de derivados do petróleo (destilação fracionada)
Clécio Bubela
 
Operações de perfuração de poços de petróleo
Operações de perfuração de poços de petróleoOperações de perfuração de poços de petróleo
Operações de perfuração de poços de petróleo
Cláudia Melchíades
 
Atividades rotaçao e translaçao
Atividades rotaçao e translaçaoAtividades rotaçao e translaçao
Atividades rotaçao e translaçao
Atividades Diversas Cláudia
 

Destaque (20)

CONFLITOS ENTRE JUDEUS E ÁRABES
CONFLITOS ENTRE JUDEUS E ÁRABESCONFLITOS ENTRE JUDEUS E ÁRABES
CONFLITOS ENTRE JUDEUS E ÁRABES
 
Aula pre sal 6 sistemas de produção
Aula pre sal 6 sistemas de produçãoAula pre sal 6 sistemas de produção
Aula pre sal 6 sistemas de produção
 
Laís, bianca e lorena estaçoes do ano
Laís, bianca e lorena estaçoes do anoLaís, bianca e lorena estaçoes do ano
Laís, bianca e lorena estaçoes do ano
 
Royalties do petroleo
Royalties do petroleoRoyalties do petroleo
Royalties do petroleo
 
Pré-sal: Panorama e Oportunidades - Rio Oil & Gas 2012
Pré-sal: Panorama e Oportunidades - Rio Oil & Gas 2012Pré-sal: Panorama e Oportunidades - Rio Oil & Gas 2012
Pré-sal: Panorama e Oportunidades - Rio Oil & Gas 2012
 
Evolução geológica e placas tectonicas
Evolução geológica e placas tectonicasEvolução geológica e placas tectonicas
Evolução geológica e placas tectonicas
 
Geopolítica do Petróleo UENF - 30 AGO 2016
Geopolítica do Petróleo UENF - 30 AGO 2016Geopolítica do Petróleo UENF - 30 AGO 2016
Geopolítica do Petróleo UENF - 30 AGO 2016
 
Pré sal
Pré salPré sal
Pré sal
 
Dinâmica da litosfera
Dinâmica da litosferaDinâmica da litosfera
Dinâmica da litosfera
 
Camada Pré-sal
Camada Pré-salCamada Pré-sal
Camada Pré-sal
 
9ºano lista de exercicios ásia ii
9ºano   lista de exercicios ásia ii9ºano   lista de exercicios ásia ii
9ºano lista de exercicios ásia ii
 
1820 e o liberalismo
1820 e o liberalismo1820 e o liberalismo
1820 e o liberalismo
 
Asia
AsiaAsia
Asia
 
Capitalismo e socialismo
Capitalismo e socialismoCapitalismo e socialismo
Capitalismo e socialismo
 
Slides geografia e economia japão
Slides geografia e economia   japãoSlides geografia e economia   japão
Slides geografia e economia japão
 
A América platina
A América platinaA América platina
A América platina
 
As placas tectônicas
As placas tectônicas As placas tectônicas
As placas tectônicas
 
Produção de derivados do petróleo (destilação fracionada)
Produção de derivados do petróleo (destilação fracionada)Produção de derivados do petróleo (destilação fracionada)
Produção de derivados do petróleo (destilação fracionada)
 
Operações de perfuração de poços de petróleo
Operações de perfuração de poços de petróleoOperações de perfuração de poços de petróleo
Operações de perfuração de poços de petróleo
 
Atividades rotaçao e translaçao
Atividades rotaçao e translaçaoAtividades rotaçao e translaçao
Atividades rotaçao e translaçao
 

Semelhante a O conflito entre árabes e judeus na palestina

O conflito entre árabes e judeus na palestina
O conflito entre árabes e judeus na palestinaO conflito entre árabes e judeus na palestina
O conflito entre árabes e judeus na palestina
Google
 
Conflito árabe israelense
Conflito árabe israelenseConflito árabe israelense
Conflito árabe israelense
Vinícius Moisés
 
Oriente médio
Oriente médioOriente médio
Oriente médio
Luiza Meneses
 
Resumo do conflito israel x palestinos
Resumo do conflito  israel x palestinosResumo do conflito  israel x palestinos
Resumo do conflito israel x palestinos
Google
 
Oriente Médio Evolução Histórica
Oriente Médio  Evolução HistóricaOriente Médio  Evolução Histórica
Oriente Médio Evolução Histórica
ceama
 
Orientemedio parte1 170520101843 (2)
Orientemedio parte1 170520101843 (2)Orientemedio parte1 170520101843 (2)
Orientemedio parte1 170520101843 (2)
Norma Almeida
 
Questão palestina
Questão palestinaQuestão palestina
Questão palestina
Fernanda Lopes
 
A HistóRia De Israel
A HistóRia De IsraelA HistóRia De Israel
A HistóRia De Israel
Alexandre Santos
 
Oriente proximo evolucao_historica e geopolitica
Oriente proximo evolucao_historica e geopoliticaOriente proximo evolucao_historica e geopolitica
Oriente proximo evolucao_historica e geopolitica
Gisele Finatti Baraglio
 
O CONFLITO ENTRE JUDEUS E PALESTINOS E SEUS CENÁRIOS FUTUROS.pdf
O CONFLITO ENTRE JUDEUS E PALESTINOS E SEUS CENÁRIOS FUTUROS.pdfO CONFLITO ENTRE JUDEUS E PALESTINOS E SEUS CENÁRIOS FUTUROS.pdf
O CONFLITO ENTRE JUDEUS E PALESTINOS E SEUS CENÁRIOS FUTUROS.pdf
Faga1939
 
Conflitos contemporâneos no oriente médio
Conflitos contemporâneos no oriente médioConflitos contemporâneos no oriente médio
Conflitos contemporâneos no oriente médio
Guilherme Lúo
 
Conflito israelo-árabe: subsídios para a sua compreensão
Conflito israelo-árabe: subsídios para a sua compreensãoConflito israelo-árabe: subsídios para a sua compreensão
Conflito israelo-árabe: subsídios para a sua compreensão
Maria Gomes
 
Israel e palestina
Israel e palestinaIsrael e palestina
Israel e palestina
AntniaRibeiroRibeiro
 
Conflito árabe israelense
Conflito árabe israelenseConflito árabe israelense
Conflito árabe israelense
ElvisJohnR
 
Israel x palestina
Israel x palestinaIsrael x palestina
Israel x palestina
jugalli
 
Oriente medio
Oriente medioOriente medio
Oriente medio
Prof.Paulo/geografia
 
Formação do Estado de Israel
Formação do Estado de IsraelFormação do Estado de Israel
Formação do Estado de Israel
Valéria Shoujofan
 
Trabalho História - Palestina;
Trabalho História - Palestina; Trabalho História - Palestina;
Trabalho História - Palestina;
Melyssa Vaz
 
Oriente médio
Oriente médioOriente médio
Revisão 3º ano geografia
Revisão 3º ano geografiaRevisão 3º ano geografia
Revisão 3º ano geografia
eunamahcado
 

Semelhante a O conflito entre árabes e judeus na palestina (20)

O conflito entre árabes e judeus na palestina
O conflito entre árabes e judeus na palestinaO conflito entre árabes e judeus na palestina
O conflito entre árabes e judeus na palestina
 
Conflito árabe israelense
Conflito árabe israelenseConflito árabe israelense
Conflito árabe israelense
 
Oriente médio
Oriente médioOriente médio
Oriente médio
 
Resumo do conflito israel x palestinos
Resumo do conflito  israel x palestinosResumo do conflito  israel x palestinos
Resumo do conflito israel x palestinos
 
Oriente Médio Evolução Histórica
Oriente Médio  Evolução HistóricaOriente Médio  Evolução Histórica
Oriente Médio Evolução Histórica
 
Orientemedio parte1 170520101843 (2)
Orientemedio parte1 170520101843 (2)Orientemedio parte1 170520101843 (2)
Orientemedio parte1 170520101843 (2)
 
Questão palestina
Questão palestinaQuestão palestina
Questão palestina
 
A HistóRia De Israel
A HistóRia De IsraelA HistóRia De Israel
A HistóRia De Israel
 
Oriente proximo evolucao_historica e geopolitica
Oriente proximo evolucao_historica e geopoliticaOriente proximo evolucao_historica e geopolitica
Oriente proximo evolucao_historica e geopolitica
 
O CONFLITO ENTRE JUDEUS E PALESTINOS E SEUS CENÁRIOS FUTUROS.pdf
O CONFLITO ENTRE JUDEUS E PALESTINOS E SEUS CENÁRIOS FUTUROS.pdfO CONFLITO ENTRE JUDEUS E PALESTINOS E SEUS CENÁRIOS FUTUROS.pdf
O CONFLITO ENTRE JUDEUS E PALESTINOS E SEUS CENÁRIOS FUTUROS.pdf
 
Conflitos contemporâneos no oriente médio
Conflitos contemporâneos no oriente médioConflitos contemporâneos no oriente médio
Conflitos contemporâneos no oriente médio
 
Conflito israelo-árabe: subsídios para a sua compreensão
Conflito israelo-árabe: subsídios para a sua compreensãoConflito israelo-árabe: subsídios para a sua compreensão
Conflito israelo-árabe: subsídios para a sua compreensão
 
Israel e palestina
Israel e palestinaIsrael e palestina
Israel e palestina
 
Conflito árabe israelense
Conflito árabe israelenseConflito árabe israelense
Conflito árabe israelense
 
Israel x palestina
Israel x palestinaIsrael x palestina
Israel x palestina
 
Oriente medio
Oriente medioOriente medio
Oriente medio
 
Formação do Estado de Israel
Formação do Estado de IsraelFormação do Estado de Israel
Formação do Estado de Israel
 
Trabalho História - Palestina;
Trabalho História - Palestina; Trabalho História - Palestina;
Trabalho História - Palestina;
 
Oriente médio
Oriente médioOriente médio
Oriente médio
 
Revisão 3º ano geografia
Revisão 3º ano geografiaRevisão 3º ano geografia
Revisão 3º ano geografia
 

Mais de Google

8 pontos para entender o islã político
8 pontos para entender o islã político8 pontos para entender o islã político
8 pontos para entender o islã político
Google
 
O trabalho e a terra no espaço rural brasileiro
O trabalho e a terra no espaço rural brasileiroO trabalho e a terra no espaço rural brasileiro
O trabalho e a terra no espaço rural brasileiro
Google
 
O trabalho e a terra no espaço rural brasileiro
O trabalho e a terra no espaço rural brasileiroO trabalho e a terra no espaço rural brasileiro
O trabalho e a terra no espaço rural brasileiro
Google
 
Transporte no brasil 00
Transporte no brasil 00Transporte no brasil 00
Transporte no brasil 00
Google
 
Transporte no brasil 00
Transporte no brasil 00Transporte no brasil 00
Transporte no brasil 00
Google
 
Transporte no brasil 00
Transporte no brasil 00Transporte no brasil 00
Transporte no brasil 00
Google
 
Transporte no brasil 00
Transporte no brasil 00Transporte no brasil 00
Transporte no brasil 00
Google
 
O brasil segundo o mundo
O brasil segundo o mundoO brasil segundo o mundo
O brasil segundo o mundo
Google
 
Prova de geografia 9 ano 2
Prova de geografia 9 ano 2Prova de geografia 9 ano 2
Prova de geografia 9 ano 2
Google
 
Prova de geografia 8º ano 2
Prova de geografia 8º ano 2Prova de geografia 8º ano 2
Prova de geografia 8º ano 2
Google
 
G7 avaliação 1º bim
G7 avaliação 1º bimG7 avaliação 1º bim
G7 avaliação 1º bim
Google
 
G7 avaliação 1º bim
G7 avaliação 1º bimG7 avaliação 1º bim
G7 avaliação 1º bim
Google
 
G7 avaliação 1º bim
G7 avaliação 1º bimG7 avaliação 1º bim
G7 avaliação 1º bim
Google
 
Prova de geografia 9 ano
Prova de geografia 9 anoProva de geografia 9 ano
Prova de geografia 9 ano
Google
 
Prova de geografia 7º ano
Prova de geografia 7º anoProva de geografia 7º ano
Prova de geografia 7º ano
Google
 
Prova de geografia 7º ano
Prova de geografia 7º anoProva de geografia 7º ano
Prova de geografia 7º ano
Google
 
Prova de geografia 7º ano
Prova de geografia 7º anoProva de geografia 7º ano
Prova de geografia 7º ano
Google
 
Guerrafriacompleta 120223195554-phpapp01 (1)
Guerrafriacompleta 120223195554-phpapp01 (1)Guerrafriacompleta 120223195554-phpapp01 (1)
Guerrafriacompleta 120223195554-phpapp01 (1)
Google
 
G7 agentes construtores e modeladores do relevo
G7   agentes construtores e modeladores do relevoG7   agentes construtores e modeladores do relevo
G7 agentes construtores e modeladores do relevo
Google
 
G7 agentes construtores e modeladores do relevo
G7   agentes construtores e modeladores do relevoG7   agentes construtores e modeladores do relevo
G7 agentes construtores e modeladores do relevo
Google
 

Mais de Google (20)

8 pontos para entender o islã político
8 pontos para entender o islã político8 pontos para entender o islã político
8 pontos para entender o islã político
 
O trabalho e a terra no espaço rural brasileiro
O trabalho e a terra no espaço rural brasileiroO trabalho e a terra no espaço rural brasileiro
O trabalho e a terra no espaço rural brasileiro
 
O trabalho e a terra no espaço rural brasileiro
O trabalho e a terra no espaço rural brasileiroO trabalho e a terra no espaço rural brasileiro
O trabalho e a terra no espaço rural brasileiro
 
Transporte no brasil 00
Transporte no brasil 00Transporte no brasil 00
Transporte no brasil 00
 
Transporte no brasil 00
Transporte no brasil 00Transporte no brasil 00
Transporte no brasil 00
 
Transporte no brasil 00
Transporte no brasil 00Transporte no brasil 00
Transporte no brasil 00
 
Transporte no brasil 00
Transporte no brasil 00Transporte no brasil 00
Transporte no brasil 00
 
O brasil segundo o mundo
O brasil segundo o mundoO brasil segundo o mundo
O brasil segundo o mundo
 
Prova de geografia 9 ano 2
Prova de geografia 9 ano 2Prova de geografia 9 ano 2
Prova de geografia 9 ano 2
 
Prova de geografia 8º ano 2
Prova de geografia 8º ano 2Prova de geografia 8º ano 2
Prova de geografia 8º ano 2
 
G7 avaliação 1º bim
G7 avaliação 1º bimG7 avaliação 1º bim
G7 avaliação 1º bim
 
G7 avaliação 1º bim
G7 avaliação 1º bimG7 avaliação 1º bim
G7 avaliação 1º bim
 
G7 avaliação 1º bim
G7 avaliação 1º bimG7 avaliação 1º bim
G7 avaliação 1º bim
 
Prova de geografia 9 ano
Prova de geografia 9 anoProva de geografia 9 ano
Prova de geografia 9 ano
 
Prova de geografia 7º ano
Prova de geografia 7º anoProva de geografia 7º ano
Prova de geografia 7º ano
 
Prova de geografia 7º ano
Prova de geografia 7º anoProva de geografia 7º ano
Prova de geografia 7º ano
 
Prova de geografia 7º ano
Prova de geografia 7º anoProva de geografia 7º ano
Prova de geografia 7º ano
 
Guerrafriacompleta 120223195554-phpapp01 (1)
Guerrafriacompleta 120223195554-phpapp01 (1)Guerrafriacompleta 120223195554-phpapp01 (1)
Guerrafriacompleta 120223195554-phpapp01 (1)
 
G7 agentes construtores e modeladores do relevo
G7   agentes construtores e modeladores do relevoG7   agentes construtores e modeladores do relevo
G7 agentes construtores e modeladores do relevo
 
G7 agentes construtores e modeladores do relevo
G7   agentes construtores e modeladores do relevoG7   agentes construtores e modeladores do relevo
G7 agentes construtores e modeladores do relevo
 

Último

-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
fagnerlopes11
 
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
DouglasMoraes54
 
UFCD_6580_Cuidados na saúde a populações mais vulneráveis_índice.pdf
UFCD_6580_Cuidados na saúde a populações mais vulneráveis_índice.pdfUFCD_6580_Cuidados na saúde a populações mais vulneráveis_índice.pdf
UFCD_6580_Cuidados na saúde a populações mais vulneráveis_índice.pdf
Manuais Formação
 
Planejamento BNCC - 4 ANO -TRIMESTRAL - ENSINO FUNDAMENTAL
Planejamento BNCC - 4 ANO -TRIMESTRAL - ENSINO FUNDAMENTALPlanejamento BNCC - 4 ANO -TRIMESTRAL - ENSINO FUNDAMENTAL
Planejamento BNCC - 4 ANO -TRIMESTRAL - ENSINO FUNDAMENTAL
katbrochier1
 
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdfUFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
Manuais Formação
 
FUNCAO EQUAÇÃO DO 2° GRAU SLIDES AULA 1.ppt
FUNCAO EQUAÇÃO DO 2° GRAU SLIDES AULA 1.pptFUNCAO EQUAÇÃO DO 2° GRAU SLIDES AULA 1.ppt
FUNCAO EQUAÇÃO DO 2° GRAU SLIDES AULA 1.ppt
MarceloMonteiro213738
 
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptxPP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Roteiro para análise do Livro Didático.pptx
Roteiro para análise do Livro Didático.pptxRoteiro para análise do Livro Didático.pptx
Roteiro para análise do Livro Didático.pptx
pamellaaraujo10
 
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionaisResumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
beatrizsilva525654
 
PALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇO
PALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇOPALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇO
PALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇO
ARIADNEMARTINSDACRUZ
 
Exercicios de Word Básico para a aulas de informatica Basica
Exercicios de Word Básico para a aulas de informatica BasicaExercicios de Word Básico para a aulas de informatica Basica
Exercicios de Word Básico para a aulas de informatica Basica
ElinarioCosta
 
MAPAS MENTAIS Conhecimentos Pedagógicos - ATUALIZADO 2024 PROF. Fernanda.pdf
MAPAS MENTAIS Conhecimentos Pedagógicos - ATUALIZADO 2024 PROF. Fernanda.pdfMAPAS MENTAIS Conhecimentos Pedagógicos - ATUALIZADO 2024 PROF. Fernanda.pdf
MAPAS MENTAIS Conhecimentos Pedagógicos - ATUALIZADO 2024 PROF. Fernanda.pdf
GracinhaSantos6
 
Atpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptx
Atpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptxAtpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptx
Atpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptx
joaresmonte3
 
AUTISMO LEGAL - DIREITOS DOS AUTISTAS- LEGISLAÇÃO
AUTISMO LEGAL - DIREITOS DOS AUTISTAS- LEGISLAÇÃOAUTISMO LEGAL - DIREITOS DOS AUTISTAS- LEGISLAÇÃO
AUTISMO LEGAL - DIREITOS DOS AUTISTAS- LEGISLAÇÃO
FernandaOliveira758273
 
Aula Aberta_Avaliação Digital no ensino basico e secundário.pdf
Aula Aberta_Avaliação Digital no ensino basico e secundário.pdfAula Aberta_Avaliação Digital no ensino basico e secundário.pdf
Aula Aberta_Avaliação Digital no ensino basico e secundário.pdf
Marília Pacheco
 
Concurso FEMAR Resultado Final Etapa1-EmpregoscomEtapaII.pdf
Concurso FEMAR Resultado Final Etapa1-EmpregoscomEtapaII.pdfConcurso FEMAR Resultado Final Etapa1-EmpregoscomEtapaII.pdf
Concurso FEMAR Resultado Final Etapa1-EmpregoscomEtapaII.pdf
TathyLopes1
 
Aula de filosofia sobre Sexo, Gênero e sexualidade
Aula de filosofia sobre Sexo, Gênero e sexualidadeAula de filosofia sobre Sexo, Gênero e sexualidade
Aula de filosofia sobre Sexo, Gênero e sexualidade
AlessandraRibas7
 
filosofia e Direito- É a teoria que explica como a sociedade se organizou co...
filosofia e Direito- É a teoria que explica como a sociedade se organizou  co...filosofia e Direito- É a teoria que explica como a sociedade se organizou  co...
filosofia e Direito- É a teoria que explica como a sociedade se organizou co...
SidneySilva523387
 
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
fran0410
 
Aula 1 - Ordem Mundial Aula de Geografia
Aula 1 - Ordem Mundial Aula de GeografiaAula 1 - Ordem Mundial Aula de Geografia
Aula 1 - Ordem Mundial Aula de Geografia
WELTONROBERTOFREITAS
 

Último (20)

-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
 
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
 
UFCD_6580_Cuidados na saúde a populações mais vulneráveis_índice.pdf
UFCD_6580_Cuidados na saúde a populações mais vulneráveis_índice.pdfUFCD_6580_Cuidados na saúde a populações mais vulneráveis_índice.pdf
UFCD_6580_Cuidados na saúde a populações mais vulneráveis_índice.pdf
 
Planejamento BNCC - 4 ANO -TRIMESTRAL - ENSINO FUNDAMENTAL
Planejamento BNCC - 4 ANO -TRIMESTRAL - ENSINO FUNDAMENTALPlanejamento BNCC - 4 ANO -TRIMESTRAL - ENSINO FUNDAMENTAL
Planejamento BNCC - 4 ANO -TRIMESTRAL - ENSINO FUNDAMENTAL
 
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdfUFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
 
FUNCAO EQUAÇÃO DO 2° GRAU SLIDES AULA 1.ppt
FUNCAO EQUAÇÃO DO 2° GRAU SLIDES AULA 1.pptFUNCAO EQUAÇÃO DO 2° GRAU SLIDES AULA 1.ppt
FUNCAO EQUAÇÃO DO 2° GRAU SLIDES AULA 1.ppt
 
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptxPP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
 
Roteiro para análise do Livro Didático.pptx
Roteiro para análise do Livro Didático.pptxRoteiro para análise do Livro Didático.pptx
Roteiro para análise do Livro Didático.pptx
 
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionaisResumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
 
PALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇO
PALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇOPALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇO
PALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇO
 
Exercicios de Word Básico para a aulas de informatica Basica
Exercicios de Word Básico para a aulas de informatica BasicaExercicios de Word Básico para a aulas de informatica Basica
Exercicios de Word Básico para a aulas de informatica Basica
 
MAPAS MENTAIS Conhecimentos Pedagógicos - ATUALIZADO 2024 PROF. Fernanda.pdf
MAPAS MENTAIS Conhecimentos Pedagógicos - ATUALIZADO 2024 PROF. Fernanda.pdfMAPAS MENTAIS Conhecimentos Pedagógicos - ATUALIZADO 2024 PROF. Fernanda.pdf
MAPAS MENTAIS Conhecimentos Pedagógicos - ATUALIZADO 2024 PROF. Fernanda.pdf
 
Atpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptx
Atpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptxAtpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptx
Atpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptx
 
AUTISMO LEGAL - DIREITOS DOS AUTISTAS- LEGISLAÇÃO
AUTISMO LEGAL - DIREITOS DOS AUTISTAS- LEGISLAÇÃOAUTISMO LEGAL - DIREITOS DOS AUTISTAS- LEGISLAÇÃO
AUTISMO LEGAL - DIREITOS DOS AUTISTAS- LEGISLAÇÃO
 
Aula Aberta_Avaliação Digital no ensino basico e secundário.pdf
Aula Aberta_Avaliação Digital no ensino basico e secundário.pdfAula Aberta_Avaliação Digital no ensino basico e secundário.pdf
Aula Aberta_Avaliação Digital no ensino basico e secundário.pdf
 
Concurso FEMAR Resultado Final Etapa1-EmpregoscomEtapaII.pdf
Concurso FEMAR Resultado Final Etapa1-EmpregoscomEtapaII.pdfConcurso FEMAR Resultado Final Etapa1-EmpregoscomEtapaII.pdf
Concurso FEMAR Resultado Final Etapa1-EmpregoscomEtapaII.pdf
 
Aula de filosofia sobre Sexo, Gênero e sexualidade
Aula de filosofia sobre Sexo, Gênero e sexualidadeAula de filosofia sobre Sexo, Gênero e sexualidade
Aula de filosofia sobre Sexo, Gênero e sexualidade
 
filosofia e Direito- É a teoria que explica como a sociedade se organizou co...
filosofia e Direito- É a teoria que explica como a sociedade se organizou  co...filosofia e Direito- É a teoria que explica como a sociedade se organizou  co...
filosofia e Direito- É a teoria que explica como a sociedade se organizou co...
 
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
 
Aula 1 - Ordem Mundial Aula de Geografia
Aula 1 - Ordem Mundial Aula de GeografiaAula 1 - Ordem Mundial Aula de Geografia
Aula 1 - Ordem Mundial Aula de Geografia
 

O conflito entre árabes e judeus na palestina

  • 1. O CONFLITO ENTRE ÁRABES E JUDEUS NA PALESTINA GEOGRAFIA - 3º ANO - 2014 PROFª: ROSILANE RIBEIRO MARALHAS
  • 2. PALESTINA: UMA PEQUENA REGIÃO DO ORIENTE MÉDIO
  • 3. O QUE SÃO ISRAEL E PALESTINA? BREVE HISTÓRICO A Palestina é uma pequena região do Oriente Médio, o qual, por sua vez, está situado no sudoeste da Ásia. Era o local da 'Terra Santa' para o povo hebreu (judeus), cujos registros históricos de presença na região apontam para o ano de 1.200 a.C.. Os hebreus foram expulsos da Palestina, pela última vez, em 70 d.C, pelo Império Romano. Espalharam-se, a partir de então, em sua maior parte, pela Europa Oriental e Oriente Médio. Em 638 d.C, a Palestina foi conquistada pelos árabes, no contexto da expansão do islamismo, e passou a fazer parte do mundo árabe. De 1517 a 1918, a região foi incorporada ao imenso Império Turco-otomano. Vale lembrar que os turcos, embora muçulmanos, não pertencem à etnia árabe.
  • 4. Na 1ª Guerra Mundial, a Turquia lutou ao lado da Alemanha e, derrotada, viu-se privada de todas as suas possessões no mundo árabe. A Palestina passou então a ser administrada pela Grã-Bretanha, mediante mandato concedido pela Liga das Nações. Israel é um estado judeu, criado em 1948, na Palestina histórica. A ocupação da área foi feita de forma gradual, a partir do primeiro encontro sionista (movimento internacional judeu), em 1897. Nele ficou definido que os judeus retornariam em massa à região da 'Terra Santa', em Jerusalém – de onde haviam sido expulsos pelos romanos. À medida que a imigração de judeus para a Palestina aumentava, foram surgindo os confrontos. No início da 1ª Guerra Mundial, em 1914, já havia 60 mil judeus vivendo na região. Na 2ª Guerra Mundial (1939-1945), o fluxo de imigrantes aumentou drasticamente porque milhões de judeus se dirigiram à Palestina fugindo da perseguição nazista na Europa.
  • 5. Sob o domínio da Grã-Bretanha, a Palestina, cuja religião predominante era muçulmana, foi escolhida para a criação do lar judeu, por conta de nela situar-se a Terra Santa, clamada pelos hebreus. Assim, em maio de 1947, o governo do Reino Unido solicitou à ONU um plano de partição da área
  • 6. O INÍCIO DOS CONFRONTOS A Liga Árabe (Egito, Síria, Líbano, Transjordânia, Iraque, Arábia Saudita e Iêmen, em formação original), afirmou que a decisão das Nações Unidas significava guerra aos judeus. Sem consenso, a tentativa da ONU de resolver o confronto com a criação de um Estado duplo (árabe e judeu) fracassou. Israel declarou, então, unilateralmente a criação de seu Estado em 14 de maio de 1948. Neste ano, os judeus na Palestina já somam 750 mil. Assembléia Geral da Organização das Nações Unidas (ONU) aprova plano para partilha da Palestina, ou seja, a criação de Israel e de um Estado palestino. Até então, a região era uma colônia britânica. A partilha é rejeitada por árabes e palestinos, que prometem lutar contra a formação do Estado judaico.
  • 7. A REAÇÃO ÁRABE Após a declaração de independência de Israel, os exércitos da Liga Árabe (Egito, Jordânia, Síria e Líbano) atacaram o país. 700 mil civis palestinos, a grande maioria, fugiram do conflito, abandonando terras e propriedades, refugiando-se nos países árabes. Inicia-se a primeira diáspora. Em 1949, Israel vence a guerra árabe-israelense e expande suas fronteiras. Cisjordânia e Jerusalém Oriental ficam com a Jordânia; Gaza, com o Egito. Os palestinos perdem a área que lhes fora delimitada pelo plano de partilha da ONU. 1949: Expansão das fronteiras de Israel na Palestina e avanço dos países árabes sobre o restante do território .
  • 8. GUERRA DOS SEIS DIAS: O AGRAVAMENTO DO CONFLITO Na Guerra dos Seis Dias, em 1967, a vitória de Israel mudaria o mapa da região. O Estado judeu derrotou novamente Egito, Jordânia e Síria (estes apoiados por outros estados árabes) e conquistou Jerusalém Oriental, a Península do Sinai (Egito), as Colinas de Golan (Síria), a Faixa de Gaza e toda a Cisjordânia – região de maioria árabe e reclamada pela Autoridade Nacional Palestina (ANP) e pela Jordânia. Entre as guerras envolvendo árabes e israelenses, a de 1967 acentuou as rivalidades por envolver territórios de outros países árabes. A partir daí, Israel assumiu uma política de colonização de Gaza e da Cisjordânia por meio de assentamentos judaicos. Observe o mapa a seguir:
  • 9. Desde então, a disputa pelo território também considerado sagrado pelos árabes, transformou a região em uma das mais tensas do Oriente Médio. De um lado, Israel usa seu poderio militar para manter a ocupação. Do outro, os palestinos tentam até hoje alcançar seu objetivo de criar um Estado ( país) próprio.
  • 10. A POSIÇÃO DA ONU Contrário as ocupações do imediato pós guerra, o Conselho de Segurança da ONU compôs a resolução 242 (1967), que exigia: A retirada imediata de Israel das áreas ocupadas Que Israel retornasse às fronteiras pré-1967 (observe novamente o mapa). Porém o governo israelense jamais cumpriu tal exigência, e nem por isso sofreu represálias.
  • 11. 1973: O CONFLITO SE EXPANDE Guerra de Yom Kippur, 1973. Desobedecendo às determinações da ONU, Israel manteve suas conquistas. Essa atitude provocou, em 1973, a Guerra do Yom Kippur e a primeira crise mundial do petróleo. Após a morte do presidente egípcio Abmael Nasser, principal líder nacionalista árabe, em 1970, Anuar Sadat subiu ao poder. Os esforços de seu governo centraram-se na recuperação dos territórios que o Egito havia perdido para Israel em 1967.
  • 12. 1973: GUERRA DO YON KIPPUR Para atingir esse objetivo, Egito e Síria planejaram uma nova ofensiva armada, concretizada em 6 de outubro de 1973, dia em que os judeus comemoravam o Dia do Perdão ou Yom Kippur. No início da Guerra do Yom Kippur, os árabes estavam em vantagem, mas a imediata ajuda norte-americana mudou os rumos da guerra e Israel manteve o domínio sobre as áreas ocupadas.
  • 13. AS INTIFADAS: REAÇÃO POPULAR Jovem palestino atira pedras contra soldados israelenses em confronto. (Foto: Abbas Momani/AFP) Os civis palestinos reagiram à tomada do território com as intifadas (que em árabe significa levantar a cabeça). Milhares de jovens saíram às ruas para protestar contra a ocupação israelense – considerada ilegal pela ONU. Em 1987, na primeira intifada, crianças que jogavam pedras nos tanques foram mortas por Israel, provocando a indignação da comunidade internacional.
  • 14. O QUE ALIMENTA O CONFLITO NA PALESTINA • A postura de Israel de não devolver as áreas ocupadas na Guerra dos Seis Dias; • O desentendimento sobre o futuro político de Jerusalém, a cidade santa para judeus, árabes e cristãos; • O absoluto controle econômico, militar e social de Israel sobre toda a Palestina, sacrificando enormemente a vida do povo palestino; • O boicote palestino, os quais não reconhecem a legitimidade do Estado judeu; • Os atentados terroristas utilizados como estratégia de luta, sobretudo da parte árabe, como por vezes também ocorre da parte de judeus radicais; Em conjunto, esses impasses impedem que os conflitos terminem – apesar de haver um processo de negociação de paz que já dura anos.
  • 15. Palestinos levantam bandeira próximo ao maior assentamento Judaico no subúrbio de Jerusalém. (Foto: Abbas Momani/AFP) Judeu ortodoxo reza no Muro das Lamentações, em Jerusalém. (Foto: Reuters)
  • 16. O QUE SÃO O SIONISMO, JUDAÍSMO E ANTISSEMITISMO? O SIONISMO foi a principal força por trás da criação do Estado de Israel (1948). Foi no primeiro encontro sionista, realizado em 1897, que se definiu que os judeus retornariam em massa à "Terra Santa", em Jerusalém – de onde foram expulsos pelos romanos nos anos 70 d.C. Idealizado e divulgado pelo jornalista e escritor austro-húngaro Theodor Herzl, esse movimento político defendia o direito dos judeus de terem sua pátria na região que a bíblia chamou de “Terra de Israel”. O projeto, aprovado em um congresso israelita reunido em Genebra, teve ampla ressonância junto à comunidade judaica internacional e foi apoiado sobretudo pelo governo britânico (apoio oficializado em 1917, em plena Primeira Guerra Mundial, pela Declaração Balfour). A teoria de Herzl – que presenciou o antissemitismo na Europa – era de que, com a existência de um Estado próprio, os judeus poderiam ser politicamente fortes. A idéia de possuir um território era algo "revolucionário" para um povo que tinha sofrido violentas perseguições durante séculos.
  • 17. Para os palestinos, o sucesso do movimento sionista significou a frustração de suas aspirações nacionais e a vida sob ocupação em uma terra que eles também consideram sagrada. O JUDAÍSMO é o nome dado à religião do povo judeu, considerada a mais antiga entre as principais monoteístas. O hebraico é a língua litúrgica, e a Torá o livro sagrado. Também há costumes alimentares e culturais específicos do povo judeu. Prisioneiro judeu tem os cabelos cortados em campo de concentração nazista. (Foto: AFP)
  • 18. O ANTISSEMITISMO é um movimento extremista que prega o ódio aos judeus. O movimento foi mais forte na Alemanha, onde durante anos foi construído o sentimento de que os judeus eram os responsáveis pelos males ocorridos no país. A ideologia teve seu ponto máximo no nazismo, que defendia que os judeus eram moral e fisicamente inferiores aos arianos. Durante a 2ª Guerra Mundial (1939-1945), houve o extermínio de cerca de 6 milhões de judeus pela Alemanha nazista, o que provocou forte migração de famílias judias para fora da Europa. O holocausto causado pelos nazistas justificou a pressão do povo judeu por um território próprio onde suas crenças e tradições fossem respeitadas, conforme defendia o movimento sionista, iniciado no final do século 19. Esse território já havia sido prometido aos judeus pela Declaração de Balfour e pela Liga das Nações, em 1922. Grande parte deles foi para a Palestina, onde seria criado o Estado de Israel, em 1948.
  • 19. O QUE É A FAIXA DE GAZA? A Faixa de Gaza é uma faixa do território palestino localizado em um estreito pedaço de terra na costa oeste de Israel, na fronteira com o Egito. Marcada pela pobreza e superpopulação, tem 1,7 milhões de habitantes e está lotada de favelas. Abrange uma área de menos de 40 km de extensão e outros poucos quilômetros de largura. Quem mora ali tem uma vida de restrições A região foi tomada por Israel na Guerra dos Seis Dias, em 1967, e entregue aos palestinos em 2005 para fazer parte do Estado da Palestina. Israel retirou dali, na ocasião, suas tropas e cerca de 7 mil colonos. Porém, boa parte das fronteiras, territórios aéreos e marítimos de Gaza ainda são controlados pelos israelenses.
  • 20. A taxa de desemprego em Gaza ultrapassa os 40% (entre os jovens é de 50%), e 21% de seus habitantes vivem em situação de profunda pobreza. Em meados de 2013, a limitação de movimento foi ampliada quando o Egito impôs novas restrições na fronteira de Rafah – que nos últimos anos havia se tornado o principal ponto de entrada e saída de palestinos de Gaza. Restrições à circulação de pessoas impedem a saída e a entrada de palestinos em Gaza (Foto: Reuters)
  • 21. Em 2007, o grupo islâmico Hamas assumiu o controle da região, em votação democrática, causando reação imediata de Israel, que impôs um bloqueio à Faixa de Gaza, restringindo a circulação de mercadorias e de pessoas. Os bloqueios até hoje criam dificuldades de abastecimento de produtos básicos, como remédios e comida para a população. Os palestinos que vivem ali estão sujeitos a uma rotina em que movimentos são restritos, há cortes de energia frequentes e a economia local está em frangalhos. Também há restrições para atividades como agricultura e pesca. Segundo a ONU, há uma alta proporção de jovens em Gaza. Se a economia local ganhar fôlego, haverá abundância de pessoas em idade de trabalho. Caso contrário, poderá haver mais tensão social, com tendência à violência e ao extremismo.
  • 22. No último conflito {1914), 360 fábricas e oficinas foram riscadas do mapa, segundo a Federação das Indústrias de Gaza. Entre as restantes, a maioria teve de suspender a produção devido à chuva de bombas. As perdas já passam de mais de 570 milhões de dólares, o que não é pouco para as empresas de Gaza que, em geral, são modestas. Segundo informa a Organização de Alimentos e Agricultura da ONU (FAO), 42.000 acres de terras de cultivo sofreram pesados danos. Metade da criação de aves foi perdida devido aos bombardeios ou pela impossibilidade de os agricultores prestarem cuidados, já que o acesso às granjas próximas à fronteira com Israel ficou impossível. A única usina de energia elétrica de Gaza foi bombardeada e destruída. Somente a reconstrução da usina levará de seis meses a um ano.
  • 23. NA GUERRA ...O MAIS FORTE PREVALECE Menino palestino carrega bebedouros de frango na Faixa de Gaza. A única fonte de água potável da Faixa de Gaza tem nível de contaminação dez vezes maior do que o normal, impossibilitando o consumo. O bloqueio de Israel ao território, dificulta a entrega de muitos equipamentos sanitários que poderiam ajudar na limpeza da água. Foto: Ibraheem Abu Mustafa / Reuters Bombeiro palestino tenta conter fogo em incêndio na única central elétrica de Gaza, atingida por um bombardeio de Israel em 29/07/14. (Foto: Ahmed Zakot/Reuters)
  • 24. NA GUERRA, A POPULAÇÃO CIVIL É AMPLAMENTE SACRIFICADA A estação de tratamento de água precisará ser reconstruída pois foi um dos primeiros alvos dos mísseis certeiros da aviação de Israel. A ONG inglesa OXFAM informa que o bombardeio de poços, tubulações e reservatórios causou a contaminação da água fresca com esgotos e o vazamento de 15 mil toneladas de detritos sólidos pelas ruas de Gaza. De agora em diante, a população de Gaza só poderá consumir metade da água disponível antes da guerra. Quarteirões residenciais inteiros foram transformados em ruínas pelas bombas. Segundo cálculos da ONU, entre 16 mil e 18 mil lares foram totalmente destruídos e 30 mil sofreram pesados danos. A estimativa é que levarão 18 anos para reconstruir estas casas, caso o bloqueio de Gaza continue, limitando a entrada de pessoas e materiais necessários às obras.
  • 25. GUERRA É ISSO... Jovens palestinos jogam pedras contra soldados israelenses perto de Tulkarem, na Cisjordânia, em janeiro. Fonte: g1.globo.com 26.jul.2014 - Palestinos caminham sobre escombros de suas casas durante um cessar-fogo humanitário de 12 horas. Fonte: notícias.uou.com.br
  • 26. Entre 350 mil e 400 mil cidadãos apareceram em busca de abrigo nas instalações da ONU. O previsto eram 50 mil desalojados. A maioria deles obedecia às ordens do exército de Israel para que abandonassem seus lares, que seriam bombardeados. As bombas não pouparam abrigos da ONU matando muitos dos palestinos ali refugiados. Cerca de 2020 pessoas morreram, das quais pelo menos 80% eram civis desarmados. Dessas, 469 eram crianças. Mais de três mil ficaram feridas. 373 mil crianças de Gaza precisam de “ajuda psicológica imediata”. E a Unesco só conta com 50 psicólogos na região, que teriam condições de atender apenas 3 mil crianças. Todo o sistema de educação infantil de Gaza já está irreparavelmente lesado; 219 escolas não escaparam da mira dos artilheiros e pilotos israelenses, sendo que em 22 delas, nada restou.
  • 27. Fuga de palestinos de ataque israelense a um bairro de Gaza Escola palestina destruída após ataques aéreos israelenses. Fonte: jornaljjn.com.br
  • 28. Israel justifica as duras medidas tomadas contra os palestinos como legítimas devido ao fato do Hamas ser um inimigo declarado. Suas lideranças consideram a organização islâmica como um grupo terrorista que se recusa a deixar as armas. Para os palestinos que vivem em Gaza, a situação dos bloqueios israelenses é insustentável, pois tornam a vida na região extremamente difícil. Por essa razão, até mesmo para aqueles que não apoiam o Hamas, o disparo de foguetes contra Israel, que consideram o causador de seus tormentos, é uma resposta justa.
  • 29. Uma multidão de palestinos estão sob os escombros de um prédio que foi destruído durante os combates entre militantes do Hamas e Israel, enquanto assiste a um desfile de militantes do Hamas. Foto: Deutsche Welle Grande parte da infraestrutura de Gaza foi destruída; há falta de energia elétrica e água potável. Fonte: G1.com.br
  • 30. Jovens palestinos se escodem após lançarem pedras contra soldados israelenses no vilarejo de Qusra, Gaza.
  • 31. OS TÚNEIS DE CONTRABANDO Uma das alternativas aos bloqueios foram os túneis de contrabando, que se proliferaram pelo território de Gaza e eram usados pelos palestinos para a entrada de alimentos, dinheiro, armas, combustível e materiais de construção. O fluxo foi interrompido após operação israelense contra os túneis iniciada em 2013. A consequência foi a escassez desses materiais e a alta nos preços dos alimentos em Gaza. Também causou desemprego nas áreas da construção civil e transportes, que dependem diretamente dos materiais que chegavam pelos túneis de contrabando.
  • 32. Israel usa os túneis como um dos argumentos para os ataques à Faixa de Gaza. A ação militar terrestre começou em 18 de julho de 2014 com o objetivo de destruir essas passagens subterrâneas, chamadas por Israel de "túneis do terror". O Estado judeu afirma que os túneis de contrabando também são usados pelo Hamas para preparar plataformas de lançamento de foguetes e para se infiltrar em território israelense. Palestino entra em um túnel de contrabando na fronteira Gaza-Egito. (Foto: Mahmud Hams/AFP)
  • 33. Túneis levam mercadorias que vão de cimento a vacas e carros desmontados. Foto: Heather Sharp - BBC News em Gaza Proibidos, jovens namorados Emad al-Malalha, palestina e Manal Abu Shanar, egípcio, fazem uso dos túneis de contrabando entre Palestina e Egito para se casarem. Foto:mudancadevida.net.br
  • 34. QUEM É O HAMAS? O Hamas é considerado a maior organização islâmica nos territórios palestinos da atualidade. Um de seus criadores foi o xeque Ahmed Yassin, que pregava a destruição de Estado israelense. Seu nome é a sigla em árabe para Movimento de Resistência Islâmica. O grupo surgiu em 1987, após a primeira intifada (revolta popular palestina) contra a ocupação israelense na Cisjordânia e na Faixa de Gaza. Além da faceta militar – com as brigadas Al-Qassam – o grupo que controla Gaza também é um partido político. Em sua carta de fundação, o Hamas estabelece dois objetivos: promover a luta armada contra Israel e realizar programas de bem-estar social.
  • 35. Em 2006, o grupo islâmico venceu as eleições parlamentares palestinas, fato não reconhecido pelo opositor político Fatah. O FATAH é um partido nacionalista árabe, fundado em 1959 pelo líder palestino Yasser Arafat e que concorda com a criação de dois Estados (Israel e Palestina) para a solução do conflito. Ocorreu, então, o racha dentro da Autoridade Nacional Palestina (ANP), após anos de confrontos internos. A divisão fez com que o HAMAS passasse a controlar a Faixa de Gaza, a partir de 2007, e o FATAH ficasse com o comando da Cisjordânia. Israel e Hamas não dialogam – o Estado judeu considera o grupo islâmico uma organização terrorista. Por seu lado, o grupo islâmico não aceita as condições propostas pela comunidade internacional para ser considerado um ator global legítimo: reconhecer Israel, aceitar os acordos anteriores e renunciar à violência.
  • 36. Integrantes do Hamas tomam o escritório do presidente da Autoridade Nacional Palestina, Mahmoud Abbas, do Fatah, em 2007, após o racha provocado pela vitória do primeiro, nas eleições do ano anterior . (Foto: AP)
  • 37. QUEM APÓIA E QUEM CONDENA O HAMAS? O Hamas é parte de uma vertente política do Islã que, com as Revoltas Árabes iniciadas em 2011, está sendo combatida em toda a região. Primeiro no Egito (com a saída da Irmandade Muçulmana), mas também em países do Golfo. O Irã, seu aliado histórico, deixou de apoiá-lo. Por sua longa história de ataques e sua recusa em renunciar à violência, o Hamas é considerado uma organização terrorista também pelos Estados Unidos, União Europeia, Canadá e Japão. Porém, para o Qatar e a Turquia, o Hamas é visto como um movimento de resistência legítimo.
  • 38. POSIÇÃO DOS PAÍSES ÁRABES E DO OCIDENTE NO ATUAL CONFLITO Uma das menores e mais ricas monarquias do mundo, o Qatar financia a construção de edifícios e estradas em Gaza. Além disso, fornece ao Hamas centenas de milhões de dólares por ano. A Turquia já foi aliada de Israel, mas o atual governo é favorável à linha militante do islamismo e se aproximou do Hamas. Egito, Arábia Saudita, Emirados Árabes e Jordânia condenam tanto o Hamas quanto Israel pela morte de civis em Gaza. Irã e Síria, que já apoiaram o Hamas, romperam com o movimento palestino, pois ele favorece os rebeldes que lutam para derrubar do poder o ditador sírio Bassar al-Assad, a cujo governo, o Irã apoia.
  • 39. No Ocidente, os Estados Unidos apoiam os argumentos de Israel. E afirmam que é justa sua decisão de destruir os túneis que o Hamas usa para infiltrar extremistas (terroristas) em território israelense. Os EUA reconhecem Israel como Estado independente e Israel, por sua vez, é o principal aliado dos Estados Unidos no Oriente Médio. Com a ajuda americana, Israel permanece nas áreas ocupadas, desrespeitando resolução da ONU. Ao mesmo tempo, as negociações de paz na região são tocadas pelo secretário de Estado americano, John Kerry, com respaldo da União Europeia Os países europeus apoiam Israel nos conflitos no Oriente Médio. Entretanto, a péssima repercussão das muitas mortes de civis na ofensiva atual fizeram com que as manifestações de apoio ficassem mais raras e discretas.
  • 40. Secretário de Estado dos EUA, John Kerry, e o primeiro-ministro israelense, Benjamin Netanyahu, se cumprimentam após reunião. Americanos são o principal aliado de Israel. (Foto: Larry Downing/Reuters)
  • 41. O Brasil reconhece a existência do Estado Palestino desde 2010. De igual modo, também reconhece Israel como um Estado independente na Palestina. O governo brasileiro qualificou de “inaceitável” a atual escalada de violência na Faixa de Gaza e convocou seu embaixador em Israel “para consulta”. Essacé uma medida diplomática excepcional, tomada quando o governo quer demonstrar descontentamento e avalia que a situação no outro país é de extrema gravidade. Em nota, o Ministério das Relações Exteriores brasileiro considerou desproporcional o uso da força por Israel e pediu o fim dos ataques. A reação israelense foi imediata e dura. O porta-voz do ministério das Relações Exteriores, Yigal Palmor, afirmou que a medida era “uma demonstração lamentável de como o Brasil, um gigante econômico e cultural, continuava a ser um anão diplomático”.
  • 42. Resposta do Ministério das Relações Exteriores do Brasil: “Se existe algum “anão diplomático” o Brasil não é um deles. Somos um dos 11 países do mundo que têm relações diplomáticas com todos os membros da ONU e temos histórico de cooperação de paz e ações pela paz internacional”. Dias depois, o governo de Israel emitiu documento pedindo desculpas pelas palavras de seu funcionário afirmando que elas não refletiam o pensamento do país.
  • 43. POR QUE ISRAEL E HAMAS ENTRARAM EM CONFLITO NA FAIXA DE GAZA? A escalada de violência começou em junho de 2014. Foi o terceiro conflito do tipo desde que o grupo islâmico passou a controlar a região, em 2007. O estopim foi o sequestro e assassinato a tiros de três adolescentes israelenses. Israel acusou o Hamas pelas mortes. A organização não confirmou nem negou seu envolvimento. Durante as buscas pelos adolescentes, na Cisjordânia, as forças israelenses prenderam centenas de militantes do Hamas. No dia seguinte à localização dos corpos, um adolescente palestino foi encontrado morto em Jerusalém Oriental. A autópsia indicou que ele havia sido queimado vivo.
  • 44. Estudantes israelenses sequestrados e mortos na Cisjordânia. Israel acusa o Hamas, que não nega nem assume a autoria dos crimes. (Foto: Reuters)
  • 45. Israel prendeu seis judeus extremistas e três deles confessaram o crime. A confissão reforçou a tese de assassinato com motivação política, gerando revolta e protestos palestinos na Faixa de Gaza. Foguetes foram disparados por ativistas palestinos de Gaza em direção ao país judeu. Israel contra-atacou com bombas. Em 8 de julho/2014, após intenso bombardeio contra o sul de Israel, o Estado judeu passou para os ataques aéreos contra Gaza. O Hamas respondeu com foguetes contra a capital de Israel, Tel Aviv, e as forças israelenses decidiram atacar também por terra. O conflito provocou baixas nos dois lados, porém de forma desproporcional contra os palestinos. Cerca de 2.200 árabes foram mortos, a maioria civil, contra aproximadamente, 80 judeus, quase todos militares.
  • 46. A DIFÍCIL VIDA EM UM TERRITÓRIO SOB CONFLITO MILITAR Famílias palestinas caminham entre casas destuídas por mísseis israelenses. Fonte: veja.abril.com.br O Hamas dispara foguetes contra Tel Aviv e Jerusalém na noite de 8 de julho. Os mísseis foram lançados a partir de Gaza e respondiam aos ataques de Israel que tenta vingar a morte dos três adolescentes judeus que foram sequestrados
  • 47. Soldado de Israel faz oração na fronteira com Gaza; ao fundo, fumaça de ataques. (Foto: Jack Guez/AFP)
  • 48. AS JUSTIFICATIVAS BÉLICAS DOS PROTAGONISTAS DO CONFLITO Além das mortes dos adolescentes, Israel justifica seus ataques como resposta aos foguetes disparados pelo Hamas em direção à Israel. Seria uma forma de defesa. Segundo Israel, o grupo islâmico esconde militantes e armas em residências da Faixa de Gaza e, por isso, precisa bombardeá-las, mesmo que isso signifique a morte de civis. Essa atitude se reflete de forma altamente negativa na opinião pública interna e, sobretudo, internacional. Do lado palestino, somado à morte do adolescente e às prisões de integrantes do Hamas, está a insatisfação da população de Gaza, a qual considera abusivo o controle de Israel sobre a região. Por causa dos bloqueios, os moradores dependem do Estado judeu para ter acesso a água, eletricidade, meios de comunicação e dinheiro.
  • 49. 13.jul.2014 - Seis foguetes J80 são lançados por militares pró-Hamas na Faixa de Gaza (Palestina) para atingir Israel. Fonte: Notícias Uou.com.br
  • 50. A PAZ NA PALESTINA É POSSÍVEL E DEPENDE DA JUSTIÇA E DA VONTADE POLÍTICA DAS LIDERANÇAS DE AMBOS OS POVOS. QUANDO ELAS AS COMPREENDERÃO?
  • 51. Fontes: Diversas publicações, entre elas: http://g1.globo.com/mundo/noticia http://www.brasilescola.com/geografia/o-conflito-na-palestina- faixa-gaza.htm educacao.pesquisablogs.com.br/post.php?http://www.curso objetivo.br/vestibular/roteiro_estudos/questao_palestina.as px http://redes.moderna.com.br/tag/divisao-da-palestina/ www.atica.com.br/SitePages/Obra.aspx?cdObra=823