SlideShare uma empresa Scribd logo
ORIENTE PRÓXIMOISRAEL E PALESTINA EVOLUÇÃO HISTÓRICA  E GEOPOLÍTICA ATUAL Gisele F Baraglio Estácio Uniradial Licenciatura em História
A região onde situam-se Israel e Palestina, chamado de Oriente Próximo está localizado na Ásia, o maior continente e o mais populoso.  Grande diversidade em suas populações: povos de origem árabe, judeus, turcos, curdos, gregos e palestinos.
FATORES QUE  CARACTERIZAM A REGIÃO COMO ESTRATÉGICA PARA O MUNDO. IMPORTÂNCIA GEOGRÁFICA – localizado no sudoeste asiático, estrategicamente entre três continentes: Europa, Ásia e África Canal de Suez – ligação artificial entre o mar Mediterrâneo e o mar Vermelho Estreito de Ormuz – liga o Golfo Pérsico ao oceano Índico (rota obrigatória dos petroleiros dos países árabes) Estreito de Bósforo – liga o mar Mediterrâneo e o mar Negro (passagem da Europa para países asiáticos)
FATORES QUE  CARACTERIZAM A REGIÃO COMO ESTRATÉGICA PARA O MUNDO. presença do petróleo na região  presença de armamento bélico Influência Cultural e religiosa Localização estratégica no globo terrestre
O CONFLITO ANTES DO CONFLITO Os curdos são um grupo étnico que se considera como sendo nativo de uma região freqüentemente referida como Curdistão, que inclui partes adjacentes de IRÃ, IRAQUE, SÍRIA e TURQUIA. Comunidades curdas também podem ser encontradas no LÍBANO, ARMÊNIA, AZERBAIJÃO (Kalbajar e Lachin, a oeste de Nagorno-Karabakh) e, em décadas recentes, em alguns países europeus e nos Estados Unidos. CAUSAS DOS CONFLITOS Religioso  posse da terra - palestinos e curdos político/econômico- interesses internacionais
A palavra Palestina deriva do grego Philistia, nome dado pelos autores da Grécia Antiga a esta região, devido ao fato de em parte dela (entre a atual cidade de TelAviv e Gaza) se terem fixado no século XII a.C. os Filisteus. Os Filisteus não eram semitas e sua provável origem é creto-micenica, uma das mais conhecidas nações dos chamados “Povos do Mar” que se estabeleceram em várias partes do litoral sul do mar Mediterrâneo, incluindo a área hoje conhecida como Faixa de Gaza é o nome dado desde a Antigüidade à região do Oriente Próximo (impropriamente chamado de “Oriente Médio”), localizada ao sul do Líbano e a nordeste da Península do Sinai, entre o Mar Mediterrâneo e o vale do Rio Jordão. Trata-se da Canaã bíblica, que os judeus tradicionalistas preferem chamar de Sion. A Palestina foi conquistada pelos hebreus ou israelitas (mais tarde também conhecidos como judeus) por volta de 1200 a.C.
OS HEBREUS Eram inicialmente, um pequeno grupo de pastores nômades, organizados em clãs ou tribos, chefiadas por um patriarca. Conduzidos por Abraão, deixaram a cidade de Ur, na Mesopotâmia, e se fixaram na Palestina (Canaã, a Terra Prometida), por volta de 2000 a.C.  Os principais patriarcas hebreus, foram Abraão (o primeiro patriarca), Isaac, Jacó (também chamado Israel, daí o nome israelita), Moisés e Josué
OS HEBREUS Por volta de 1750 a.C. uma terrível seca atingiu a Palestina. Os hebreus deixam a região e buscam melhores condições de sobrevivência no Egito.  Permaneceram no Egito, cerca de 400 anos, até serem perseguidos e escravizados pelos faraós. Liderados e “libertados” então, pelo patriarca Moisés. Abandonaram o Egito em 1250 a.C., retornando à Palestina. Essa saída em massa dos hebreus do Egito é conhecida como Êxodo.
DIÁSPORA PALESTINA As sucessivas dominações estrangeiras, começadas com a tomada de Jerusalém (587 a.C.) por Nabucodonosor, rei da Babilônia, deram início a um progressivo processo de diáspora (dispersão) da população judaica, embora sua grande maioria ainda permanecesse na Palestina.
CONFLITO COM OS ROMANOS As duas rebeliões dos judeus contra o domínio romano (em 66-70 e 133-135 d.C.) tiveram resultados desastrosos. Ao debelar a primeira revolta, o general (mais tarde imperador) Tito arrasou o Templo de Jerusalém, do qual restou apenas o Muro das Lamentações.  E o imperador Adriano, ao sufocar a segunda, intensificou a diáspora e proibiu os judeus de viver em Jerusalém.
CONFLITO COM OS CRISTÃOS ,[object Object],[object Object]
A partir de então, os israelitas espalharam-se pelo Império Romano;  alguns grupos emigraram para a Mesopotâmia e outros pontos do Oriente Médio, fora do poder de Roma.
OS ÁRABES Ocuparam a região durante sua expansão (entre os séc. VII e XV). Permaneceram na região durante o domínio do Império Otomano e do protetorado britânico. Também denominados de palestinos.
OS ÁRABES Em 638, a região foi conquistada pelos árabes, no contexto da expansão do islamismo, e passou a fazer parte do mundo árabe, embora sua situação política oscilasse ao sabor das constantes lutas entre governos muçulmanos rivais.
DE QUEM É O DIREITO DE OCUPAR A TERRA? 		JUDEUS?  		PALESTINOS? Em 1896, o escritor austríaco de origem judaica Theodor Herzl fundou o Movimento Sionista, que pregava a criação de um Estado judeu na antiga pátria dos hebreus.
PÓS – 1ª GUERRA MUNDIAL PALESTINA SOB DOMÍNIO BRITÂNICO Movimento sionista – surgiu na Europa no final do séc. XIX, quando os judeus elegeram a Palestina como a terra prometida para a construção de seu respectivo Estado A Inglaterra, falida no pós-guerra e responsável pela região na época permitiu a entrada de colonos judeus na Palestina O choque com os habitantes locais (árabes) foram inevitáveis e cada vez mais intensos
DECLARAÇÃO BALFOUR (1918) Documento do governo britânico sobre o estabelecimento de uma nação judaica na Palestina. O secretário de assuntos estrangeiros britânico Arthur James Balfour divulgou-o em 1917.  Neste documento, temos a declaração de simpatia por parte do governo britânico em estabelecer um "lar nacional na Palestina para o povo judeu". O território da Palestina, até a 1ª Grande Guerra, pertencia ao Império Otomano. Tanto a maioria muçulmana, quanto os judeus e cristãos que lá residiam eram oprimidos pelo império. Outros territórios eram parte do império, como a Síria, por exemplo. A promessa dada pelo governo britânico aos árabes (representados pelo Xeique Hussein na época), garantia a eles um território  que englobava a Palestina, caso vencessem a guerra.  Balfour criou uma declaração em que cabia à Inglaterra o controle da região palestina
INICIAM-SE OS CONFLITOS MODERNOS JUDEUS  ALEGAM DIREITOS HISTÓRICOS SOBRE A PALESTINA ,[object Object],Ano 638 (Era Cristã) durante a expansão islâmica, a região da Palestina foi ocupada pelos árabes. Século VII foi conquistada pelos muçulmanos  PALESTINOS  ALEGAM DIREITOS ADQUIRIDOS, POIS NUNCA SAÍRAM DA PALESTINA
O FIM DA PALESTINA ÁRABE Durante a II Guerra Mundial, o fluxo migratório dos judeus para o Oriente Próximo aumentou, devido a perseguição a qual estes foram submetidos pelos nazistas Com o final da II Guerra e a independência dos protetorados ingleses, a situação entre árabes e judeus ficou insustentável.
1947 – ONU APROVA A PARTILHA DA PALESTINA Estado Judeu (Israel)   56,7% da áreas  Estado Palestino   42,6% da área  Jerusalém   Área Internacional sob administração da ONU
O FIM DA PALESTINA ÁRABE Palestinos, que somavam 1.300.00 habitantes, ficaram com 11.500 km2  Judeus, que eram 700.000, ficaram com um território maior (14.500 km2), apesar de serem em número menor. Os judeus transformam suas terras áridas em produtivas. 1948 criação do Estado de Israel. Palestinos reagem atacando Jerusalém que, segundo a ONU, deveria ser uma área livre.
A RIVALIDADE Apesar de perder o território, os árabes preservaram a vontade de manter a soberania em suas terras, agora ocupadas por Israel. Com a derrota, cerca de 750 mil palestinos foram expulsos de sua pátria (estes passaram a viver em países vizinhos, onde eram tratados como cidadãos de segunda classe). O mesmo aconteceu com os palestinos que permaneceram no Estado de Israel.
1º CONFLITOGUERRA DE INDEPENDÊNCIA DE ISRAEL (1948-1949) Países Árabes (Egito, Síria, Jordânia, Líbano e Iraque) e povo palestino atacam Israel.  Objetivos  Forçar a criação nas duas outras áreas territoriais (a Faixa de Gaza e a Cisjordânia), de maioria árabe-palestina, de um estado palestiniano-árabe , como proposto no acordo que criou o Estado de Israel.  Impedir a formação do Estado de Israel e expulsar os judeus da Palestina.
RESULTADO DO 1º CONFLITO Israel vence e ocupa parte do território dos Palestinos  Egito ocupa a Faixa de Gaza  Jordânia ocupa a Cisjordânia  Jerusalém é dividida: Parte Ocidental (domínio dos Judeus) e Parte Oriental (ocupação da Jordânia) Palestinos ficam SEM Território (sem seu próprio Estado)
2º CONFLITO: GUERRA DOS SEIS DIAS1967  Egito, Jordânia e Síria preparam um novo ataque a Israel Em 1967 incidentes entre Israel e Síria agravaram a tensão, sempre presente na região. O presidente Nasser, do Egito, pediu e obteve a retirada das forças da ONU do Sinai, para onde mandou muitos militares ao mesmo tempo que fazia alianças militares com a Jordânia, Síria e Iraque. Até que Nasser bloqueou o estreito de Tiran à navegação israelense e a guerra começou.  Israel , alertada pelos EUA antecipa o ataque dos árabes e ataca primeiro
RESULTADO DO 2º CONFLITO Israel em apenas seis dias conquista:  Toda Faixa de Gaza (antes sob domínio egípcio)  Toda Península do Sinai (Território do Egito) Toda a Cisjordânia (antes sob domínio da Jordânia)  Colinas de Golan (Território da Síria) Toda cidade de Jerusalém
IMPORTÂNCIA DE CADA ÁREA CONQUISTADA NA GUERRA DOS SEIS DIAS Faixa de Gaza e Cisjordânia  Controle total sob a Palestina (sionismo)  Península do Sinai  Segurança Nacional (Proteção de suas fronteiras com o Egito)  Colinas de Golan  Área de Nascentes (Recursos Hídricos)
3º CONFLITO: GUERRA DO YOM KIPPUR1973  Guerra do YomKippur (“Dia do Perdão”). Aproveitando o feriado religioso judaico, Egito e Síria atacam Israel; são porém derrotados e os israelenses conservam em seu poder os territórios ocupados em 1967.  Para pressionar os países ocidentais, no sentido de diminuir seu apoio a Israel, a OPEP (Organização dos Países Exportadores de Petróleo) provoca uma forte elevação nos preços do petróleo.
PALESTINA HEZBOLLAH HAMAS JIHAD
HAMAS“RESISTÊNCIA ISLÂMICA” Hamas é a abreviatura de HarakatAl-MuqawamaAl-Islamia  (Movimento de Resistência Islâmica), uma organização política palestina que luta contra a existência do Estado de Israel. O movimento ficou conhecido somente em 1987, quando este grupo islâmico conservador surgiu atuante na Faixa de Gaza e na Cisjordânia, tornando questionável a atuação da Organização para a Libertação da Palestina (OLP).
JIHAD  Organização criada por por estudantes palestinos no Egito. Em 1981, o Jihah assassinou o presidente egpcio Anwar Sadat  O grupo tem uma pequena base de apoio. Ao contrário do Hamas, que é bem maior e administra escolas e hospitais, a Jihad Islâmica não tem nenhum verdadeiro papel social ou político.A facção é baseada na capital da Síria, Damasco, e acredita-se que seus recursos financeiros venham do Irã.A Jihad Islâmica tem como objetivo a criação de um Estado palestino islâmico e a destruição de Israel por meio de uma guerra santa. O grupo também se opõe aos governos árabes alinhados com o Ocidente.
Apesar de pequeno, o Jihad é conhecido pela repercussão, em geral, dos seus atentados organizados, por vezes, em cooperação com o Hamas O Jihad foi autor de vários atentados à bomba
Nasceu como uma milícia islâmica após a invasão israelense no Líbano em 1982.  É considerado um grupo terrorista pelos Estados Unidos. No Líbano, não é visto como uma entidade terrorista, mas como um grupo de resistência contra a invasão israelense ao país, em 1982. O grupo também é um dos principais partidos libaneses, realiza ações humanitárias e possui uma rede de escolas e hospitais. Os serviços sociais do Hizbollah concentram-se em cinco áreas: ajuda a familiares de mártires, saúde, educação  HEZBOLLAH – Partido de Deus(Organização xiita apoiada pelo governo do Irã)
 I INTIFIDADA - 1987 Revolta popular palestina contra a ocupação israelense na Faixa de Gaza e na Cisjordânia (Organizada pelo Hamas)
1993 - ACORDOS DE OSLO (OSLO I) Em 1993, na Noruega, Israel se compromete a devolver os territórios ocupados em 1967 em troca de um acordo de paz definitivo. Israel deixa boa parte dos centros urbanos palestinos em Gaza e Cisjordânia, dando autonomia aos palestinos, mas mantém entraves. O prazo é adiado devido a impasses sobre Jerusalém, o retorno de refugiados palestinos, os assentamentos judaicos e atentados terroristas palestinos. Tal situação mantém-se até hoje. Na pratica: Arafat passou a chefiar um governo autônomo em 1994, mas o terrorismo palestino aumentou.
ACORDO DE OSLO II - (1995) Partes  ANP (Yasser Arafat) e Israel (Ytizak Rabin) Acordo  Aumenta as áreas sob controle dos Palestinos:  Seis cidades (Jenin, Naplouse, Tulkaren, Kalkiya, Rammallah e  Belém; Nablus controle parcial 1995 – Assassinato de Rabin  Radical Judeu RESULTADO  Abriu um precedente favorável ao projeto israelense de perenizar o controle de larga porção desse território, em nome de motivações de seguranças. Com isso, adicionalmente, Israel assegurou seu controle sobre as fontes de água do Jordão.
Em julho de 2000, em Camp David (EUA), Israel ofereceu soberania aos palestinos em certas áreas de Jerusalém Oriental e a retirada de quase todas as áreas ocupadas, mas Iasser Arafat [morto 11 de novembro de 2004, após ficar internado durante 14 dias em um hospital militar na França] exigiu soberania plena nos locais sagrados de Jerusalém e a volta dos refugiados. Israel recusou.  Resultado: não houve acordo e, um mês depois, começou a Intifada, a revolta palestina nos territórios ocupados que dura até hoje. 2000 - CAMP DAVID  Participantes: Yasser Arafat e EhudBarak
II INTIFADA - 2000 A Intifada de Al Aqsa, iniciada em 29 de setembro de 2000, após uma visita provocativa do primeiro-ministro de Israel, Ariel Sharon, à Esplanada das Mesquitas, quando dois dias depois, o exército israelense matou dezenas de palestinos que estavam saindo da mesquita de Al Aqsa, um dos locais mais sagrados do islamismo, frustrando os palestinos diante de um processo de paz que se arrasta desde os Acordos de Oslo em 1993.
Ações de Sharon Separação do território de Israel das áreas habitadas pelos palestinos  2002 - Muro de proteção (MURO DA VERGONHA)
Invasão de cidades palestinas => repressão ao terrorismo – “Guerra Contra o Terror”
[object Object],[object Object]
2006 - AFASTAMENTO DE SHARON Em janeiro, o então premiê israelense Ariel Sharon sofre um derrame cerebral e entra em coma. Ele é substituído interinamente pelo atual premiê, EhudOlmert. Em março, eleições israelenses dão a vitória ao partido Kadima (centro), de Olmert, e após formar uma coalizão o líder é confirmado no posto de premiê israelense
2007 - GOVERNO DE COALIZÃO PALESTINO  Após meses de negociações, os partidos palestinos rivais Fatah (do presidente da ANP, MahmoudAbbas) e Hamas (do premiê palestino, IsmailHaniyeh) concordam com a criação de um novo gabinete com poder compartilhado  O Hamas continua a não aceitar de forma direta ou indireta o reconhecimento de Israel, os acordos firmados e a renúncia à violência, informou um comunicado do Ministério de Relações Exteriores de Israel.
2008 - Intermediação dos EUA Em janeiro, representantes de Israel e da ANP reúnem-se para recomeçar as negociações sobre o futuro de Jerusalém, os assentamentos, os refugiados palestinos, as fronteiras, a segurança e os recursos hídricos. É a primeira vez que os assuntos são tratados desde Cúpula de Taba, em janeiro de 2001.  As conversas de paz, como muitas tentativas anteriores, não amenizam o clima de guerra entre palestinos e israelenses e os jornais noticiam freqüentemente ataques violentos das duas partes.
ENTRAVES AO PROCESSO DE PAZ Grupos radicais (árabes e judeus); ,[object Object]
Israel – Kach, Yesha e EyalRefugiados Palestinos => Israel se recusa a aceitar o retorno de 3 milhões de palestinos refugiados;  Água => Palestinos querem uma divisão eqüitativa dos lençóis freáticos; Israel quer manter controle sobre 80% dos lençóis freáticos.
ENTRAVES AO PROCESSO DE PAZJERUSALEM PALESTINOS – presença das mesquitas do Domo da Rocha e de Al-Aqsa (sagradas) na porção oriental, onde o profeta Maomé subiu aos céus, conforme a crença muçulmana ISRAELENSES – única capital e centro da vida judaica quando esse povo habitava a Palestina, onde vivia o rei Davi, onde supostamente está sepultado Moisés e onde está o Muro das Lamentações
A CRUEL FACE DA VIOLÊNCIA
CONCLUSÃO O conflito entre Israel e Palestina é muito mais complexo do que maniqueísmos reducionistas e manipulações grosseiras, suscita comentários passionais, pautados em conhecimentos rasos sobre um tema tão complexo.    Certamente podemos fazer algumas ressalvas de imediato... a matança de inocentes é condenável sob qualquer aspecto, alguns irão dizer que é o preço da guerra o que é verdade. Neste caso, o melhor seria evitar a guerra e qualquer outro tipo de ataque contra inocentes. A convivência pacífica é possível mesmo entre inimigos.
Oriente proximo evolucao_historica e geopolitica

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

O continente asiático
O continente asiáticoO continente asiático
O continente asiático
Colégio Nova Geração COC
 
Conflitos mundiais
Conflitos mundiaisConflitos mundiais
Conflitos mundiais
karolpoa
 
As Guerras do Golfo (Guerra do Golfo e do Iraque)
As Guerras do Golfo (Guerra do Golfo e do Iraque)As Guerras do Golfo (Guerra do Golfo e do Iraque)
As Guerras do Golfo (Guerra do Golfo e do Iraque)
Jennifer Helen
 
Nova Ordem Mundial
Nova Ordem MundialNova Ordem Mundial
Nova Ordem Mundial
Carminha
 
Aula oriente médio2
Aula oriente médio2Aula oriente médio2
Aula oriente médio2
Bruna Tiago
 
Conflitos Árabes-Israelenses
Conflitos Árabes-IsraelensesConflitos Árabes-Israelenses
Conflitos Árabes-Israelenses
Isaquel Silva
 
Geopolítica dos conflitos AFRICA
Geopolítica dos conflitos AFRICAGeopolítica dos conflitos AFRICA
Geopolítica dos conflitos AFRICA
Professora Verônica Santos
 
A Criação do Estado de Israel e a Questão Palestina
A Criação do Estado de Israel e a Questão PalestinaA Criação do Estado de Israel e a Questão Palestina
A Criação do Estado de Israel e a Questão Palestina
eiprofessor
 
Geopolítica dos conflitos EUROPA
Geopolítica dos conflitos EUROPAGeopolítica dos conflitos EUROPA
Geopolítica dos conflitos EUROPA
Professora Verônica Santos
 
Oceania
OceaniaOceania
Modulo 05 - Aspectos naturais da Ásia
Modulo 05 - Aspectos naturais da ÁsiaModulo 05 - Aspectos naturais da Ásia
Modulo 05 - Aspectos naturais da Ásia
Claudio Henrique Ramos Sales
 
Aula - Oriente Médio
Aula - Oriente MédioAula - Oriente Médio
Aula - Oriente Médio
Bruna Tiago
 
Conflitos no Oriente Médio
Conflitos no Oriente MédioConflitos no Oriente Médio
Conflitos no Oriente Médio
Arquimedes Moreira
 
America do sul.revisão.
America do sul.revisão.America do sul.revisão.
America do sul.revisão.
Camila Brito
 
26. conflitos no oriente médio
26. conflitos no oriente médio26. conflitos no oriente médio
26. conflitos no oriente médio
José Augusto Fiorin
 
Primavera árabe
Primavera árabePrimavera árabe
Primavera árabe
João José Ferreira Tojal
 
áSia Quadro Economico E Humano Aula
áSia   Quadro Economico E Humano   AulaáSia   Quadro Economico E Humano   Aula
áSia Quadro Economico E Humano Aula
Luciano Pessanha
 
ÁFRICA
ÁFRICAÁFRICA
A nova china
A nova chinaA nova china
A nova china
Professor
 
Conflitos no oriente médio
Conflitos no oriente médioConflitos no oriente médio
Conflitos no oriente médio
Rodrigo Luiz
 

Mais procurados (20)

O continente asiático
O continente asiáticoO continente asiático
O continente asiático
 
Conflitos mundiais
Conflitos mundiaisConflitos mundiais
Conflitos mundiais
 
As Guerras do Golfo (Guerra do Golfo e do Iraque)
As Guerras do Golfo (Guerra do Golfo e do Iraque)As Guerras do Golfo (Guerra do Golfo e do Iraque)
As Guerras do Golfo (Guerra do Golfo e do Iraque)
 
Nova Ordem Mundial
Nova Ordem MundialNova Ordem Mundial
Nova Ordem Mundial
 
Aula oriente médio2
Aula oriente médio2Aula oriente médio2
Aula oriente médio2
 
Conflitos Árabes-Israelenses
Conflitos Árabes-IsraelensesConflitos Árabes-Israelenses
Conflitos Árabes-Israelenses
 
Geopolítica dos conflitos AFRICA
Geopolítica dos conflitos AFRICAGeopolítica dos conflitos AFRICA
Geopolítica dos conflitos AFRICA
 
A Criação do Estado de Israel e a Questão Palestina
A Criação do Estado de Israel e a Questão PalestinaA Criação do Estado de Israel e a Questão Palestina
A Criação do Estado de Israel e a Questão Palestina
 
Geopolítica dos conflitos EUROPA
Geopolítica dos conflitos EUROPAGeopolítica dos conflitos EUROPA
Geopolítica dos conflitos EUROPA
 
Oceania
OceaniaOceania
Oceania
 
Modulo 05 - Aspectos naturais da Ásia
Modulo 05 - Aspectos naturais da ÁsiaModulo 05 - Aspectos naturais da Ásia
Modulo 05 - Aspectos naturais da Ásia
 
Aula - Oriente Médio
Aula - Oriente MédioAula - Oriente Médio
Aula - Oriente Médio
 
Conflitos no Oriente Médio
Conflitos no Oriente MédioConflitos no Oriente Médio
Conflitos no Oriente Médio
 
America do sul.revisão.
America do sul.revisão.America do sul.revisão.
America do sul.revisão.
 
26. conflitos no oriente médio
26. conflitos no oriente médio26. conflitos no oriente médio
26. conflitos no oriente médio
 
Primavera árabe
Primavera árabePrimavera árabe
Primavera árabe
 
áSia Quadro Economico E Humano Aula
áSia   Quadro Economico E Humano   AulaáSia   Quadro Economico E Humano   Aula
áSia Quadro Economico E Humano Aula
 
ÁFRICA
ÁFRICAÁFRICA
ÁFRICA
 
A nova china
A nova chinaA nova china
A nova china
 
Conflitos no oriente médio
Conflitos no oriente médioConflitos no oriente médio
Conflitos no oriente médio
 

Destaque

Sit 4 vol 1 o oriente proximo e o surgimento das primeiras cidades
Sit 4 vol 1   o oriente proximo e o surgimento das primeiras cidadesSit 4 vol 1   o oriente proximo e o surgimento das primeiras cidades
Sit 4 vol 1 o oriente proximo e o surgimento das primeiras cidades
AprendendoHistoriacomNemeis
 
Geografia atmosfera
Geografia atmosferaGeografia atmosfera
Geografia atmosfera
Lilian Larroca
 
Sit 2 vol 1 as fontes do conhecimento sobre a pré-historia
Sit 2 vol 1   as fontes do conhecimento sobre a pré-historiaSit 2 vol 1   as fontes do conhecimento sobre a pré-historia
Sit 2 vol 1 as fontes do conhecimento sobre a pré-historia
AprendendoHistoriacomNemeis
 
Nicaraguan revolution
Nicaraguan revolutionNicaraguan revolution
Nicaraguan revolution
Gisele Finatti Baraglio
 
Governos Populistas
Governos PopulistasGovernos Populistas
Governos Populistas
eiprofessor
 
As Guerras de Independência da África e Sudeste Asiático
As Guerras de Independência da África e Sudeste AsiáticoAs Guerras de Independência da África e Sudeste Asiático
As Guerras de Independência da África e Sudeste Asiáticoeiprofessor
 
II Reinado - Decadência (parte final)
II Reinado - Decadência (parte final)II Reinado - Decadência (parte final)
II Reinado - Decadência (parte final)
eiprofessor
 
Sociedades na História da Humanidade
Sociedades na História da HumanidadeSociedades na História da Humanidade
Sociedades na História da Humanidade
José Augusto Fiorin
 
Revolução Chinesa
Revolução ChinesaRevolução Chinesa
Revolução Chinesa
eiprofessor
 
História Social Inglesa (do trabalho)
História Social Inglesa (do trabalho)História Social Inglesa (do trabalho)
História Social Inglesa (do trabalho)
eiprofessor
 
Revolucão Francesa
Revolucão FrancesaRevolucão Francesa
Revolucão Francesa
eiprofessor
 
Da Igreja a Moenda - Sociedade Colonial no Brasil
Da Igreja a Moenda - Sociedade Colonial no BrasilDa Igreja a Moenda - Sociedade Colonial no Brasil
Da Igreja a Moenda - Sociedade Colonial no Brasil
eiprofessor
 
II Reinado - Política Externa (parte 3)
II Reinado - Política Externa (parte 3)II Reinado - Política Externa (parte 3)
II Reinado - Política Externa (parte 3)
eiprofessor
 
Movimento Operário e Doutrinas Sociais
Movimento Operário e Doutrinas SociaisMovimento Operário e Doutrinas Sociais
Movimento Operário e Doutrinas Sociais
eiprofessor
 
1 aula 9 alexandre o grande
1   aula 9 alexandre o grande1   aula 9 alexandre o grande
1 aula 9 alexandre o grande
profdu
 
Período Regencial
Período RegencialPeríodo Regencial
Período Regencial
eiprofessor
 
História da TV no mundo
História da TV no mundoHistória da TV no mundo
História da TV no mundo
Daniel Hora
 
República Velha (Espadas)
República Velha (Espadas)República Velha (Espadas)
República Velha (Espadas)
eiprofessor
 
O Renascimento e Tartarugas Ninjas
O Renascimento e Tartarugas NinjasO Renascimento e Tartarugas Ninjas
O Renascimento e Tartarugas Ninjas
eiprofessor
 
Independência da América Espanhola
Independência da América EspanholaIndependência da América Espanhola
Independência da América Espanhola
eiprofessor
 

Destaque (20)

Sit 4 vol 1 o oriente proximo e o surgimento das primeiras cidades
Sit 4 vol 1   o oriente proximo e o surgimento das primeiras cidadesSit 4 vol 1   o oriente proximo e o surgimento das primeiras cidades
Sit 4 vol 1 o oriente proximo e o surgimento das primeiras cidades
 
Geografia atmosfera
Geografia atmosferaGeografia atmosfera
Geografia atmosfera
 
Sit 2 vol 1 as fontes do conhecimento sobre a pré-historia
Sit 2 vol 1   as fontes do conhecimento sobre a pré-historiaSit 2 vol 1   as fontes do conhecimento sobre a pré-historia
Sit 2 vol 1 as fontes do conhecimento sobre a pré-historia
 
Nicaraguan revolution
Nicaraguan revolutionNicaraguan revolution
Nicaraguan revolution
 
Governos Populistas
Governos PopulistasGovernos Populistas
Governos Populistas
 
As Guerras de Independência da África e Sudeste Asiático
As Guerras de Independência da África e Sudeste AsiáticoAs Guerras de Independência da África e Sudeste Asiático
As Guerras de Independência da África e Sudeste Asiático
 
II Reinado - Decadência (parte final)
II Reinado - Decadência (parte final)II Reinado - Decadência (parte final)
II Reinado - Decadência (parte final)
 
Sociedades na História da Humanidade
Sociedades na História da HumanidadeSociedades na História da Humanidade
Sociedades na História da Humanidade
 
Revolução Chinesa
Revolução ChinesaRevolução Chinesa
Revolução Chinesa
 
História Social Inglesa (do trabalho)
História Social Inglesa (do trabalho)História Social Inglesa (do trabalho)
História Social Inglesa (do trabalho)
 
Revolucão Francesa
Revolucão FrancesaRevolucão Francesa
Revolucão Francesa
 
Da Igreja a Moenda - Sociedade Colonial no Brasil
Da Igreja a Moenda - Sociedade Colonial no BrasilDa Igreja a Moenda - Sociedade Colonial no Brasil
Da Igreja a Moenda - Sociedade Colonial no Brasil
 
II Reinado - Política Externa (parte 3)
II Reinado - Política Externa (parte 3)II Reinado - Política Externa (parte 3)
II Reinado - Política Externa (parte 3)
 
Movimento Operário e Doutrinas Sociais
Movimento Operário e Doutrinas SociaisMovimento Operário e Doutrinas Sociais
Movimento Operário e Doutrinas Sociais
 
1 aula 9 alexandre o grande
1   aula 9 alexandre o grande1   aula 9 alexandre o grande
1 aula 9 alexandre o grande
 
Período Regencial
Período RegencialPeríodo Regencial
Período Regencial
 
História da TV no mundo
História da TV no mundoHistória da TV no mundo
História da TV no mundo
 
República Velha (Espadas)
República Velha (Espadas)República Velha (Espadas)
República Velha (Espadas)
 
O Renascimento e Tartarugas Ninjas
O Renascimento e Tartarugas NinjasO Renascimento e Tartarugas Ninjas
O Renascimento e Tartarugas Ninjas
 
Independência da América Espanhola
Independência da América EspanholaIndependência da América Espanhola
Independência da América Espanhola
 

Semelhante a Oriente proximo evolucao_historica e geopolitica

Oriente Médio Evolução Histórica
Oriente Médio  Evolução HistóricaOriente Médio  Evolução Histórica
Oriente Médio Evolução Histórica
ceama
 
Conflito israelo-árabe: subsídios para a sua compreensão
Conflito israelo-árabe: subsídios para a sua compreensãoConflito israelo-árabe: subsídios para a sua compreensão
Conflito israelo-árabe: subsídios para a sua compreensão
Maria Gomes
 
A HistóRia De Israel
A HistóRia De IsraelA HistóRia De Israel
A HistóRia De Israel
Alexandre Santos
 
O conflito entre árabes e judeus na palestina
O conflito entre árabes e judeus na palestinaO conflito entre árabes e judeus na palestina
O conflito entre árabes e judeus na palestina
Google
 
Oriente medio israel palestina prevupe
Oriente medio israel palestina prevupeOriente medio israel palestina prevupe
Oriente medio israel palestina prevupe
Italo Alan
 
O conflito entre árabes e judeus na palestina
O conflito entre árabes e judeus na palestinaO conflito entre árabes e judeus na palestina
O conflito entre árabes e judeus na palestina
Google
 
A CiêNcia GeográFica
A CiêNcia GeográFicaA CiêNcia GeográFica
A CiêNcia GeográFica
guest36d66b7
 
Israel e Palestina
Israel e PalestinaIsrael e Palestina
Israel e Palestina
Silvia Cintra
 
Conflitos árabe israelenses
Conflitos árabe israelensesConflitos árabe israelenses
Conflitos árabe israelenses
KarinyLobato
 
Israel e palestina
Israel e palestinaIsrael e palestina
Israel e palestina
Artur Lara
 
Questão palestina
Questão palestinaQuestão palestina
Questão palestina
Fernanda Lopes
 
Aula os hebreus
Aula os hebreusAula os hebreus
Aula os hebreus
tyromello
 
Entendendo o conflito israel x palestina
Entendendo o conflito israel x palestinaEntendendo o conflito israel x palestina
Entendendo o conflito israel x palestina
Eduardo Mendes
 
Resumo hebreus
Resumo hebreusResumo hebreus
Resumo hebreus
Péricles Penuel
 
A civilização hebraica simone
A civilização hebraica simoneA civilização hebraica simone
A civilização hebraica simone
Janete Garcia de Freitas
 
1ano hebreuspersasefencios-120430134443-phpapp02(1)
1ano hebreuspersasefencios-120430134443-phpapp02(1)1ano hebreuspersasefencios-120430134443-phpapp02(1)
1ano hebreuspersasefencios-120430134443-phpapp02(1)
Mariana Labes
 
1° ano EM - Hebreus, fenícios e Persas
1° ano EM - Hebreus, fenícios e Persas1° ano EM - Hebreus, fenícios e Persas
1° ano EM - Hebreus, fenícios e Persas
Daniel Alves Bronstrup
 
Conflito árabe israelense
Conflito árabe israelenseConflito árabe israelense
Conflito árabe israelense
Vinícius Moisés
 
O CONFLITO ENTRE JUDEUS E PALESTINOS E SEUS CENÁRIOS FUTUROS.pdf
O CONFLITO ENTRE JUDEUS E PALESTINOS E SEUS CENÁRIOS FUTUROS.pdfO CONFLITO ENTRE JUDEUS E PALESTINOS E SEUS CENÁRIOS FUTUROS.pdf
O CONFLITO ENTRE JUDEUS E PALESTINOS E SEUS CENÁRIOS FUTUROS.pdf
Faga1939
 
Orientemedio parte1 170520101843 (2)
Orientemedio parte1 170520101843 (2)Orientemedio parte1 170520101843 (2)
Orientemedio parte1 170520101843 (2)
Norma Almeida
 

Semelhante a Oriente proximo evolucao_historica e geopolitica (20)

Oriente Médio Evolução Histórica
Oriente Médio  Evolução HistóricaOriente Médio  Evolução Histórica
Oriente Médio Evolução Histórica
 
Conflito israelo-árabe: subsídios para a sua compreensão
Conflito israelo-árabe: subsídios para a sua compreensãoConflito israelo-árabe: subsídios para a sua compreensão
Conflito israelo-árabe: subsídios para a sua compreensão
 
A HistóRia De Israel
A HistóRia De IsraelA HistóRia De Israel
A HistóRia De Israel
 
O conflito entre árabes e judeus na palestina
O conflito entre árabes e judeus na palestinaO conflito entre árabes e judeus na palestina
O conflito entre árabes e judeus na palestina
 
Oriente medio israel palestina prevupe
Oriente medio israel palestina prevupeOriente medio israel palestina prevupe
Oriente medio israel palestina prevupe
 
O conflito entre árabes e judeus na palestina
O conflito entre árabes e judeus na palestinaO conflito entre árabes e judeus na palestina
O conflito entre árabes e judeus na palestina
 
A CiêNcia GeográFica
A CiêNcia GeográFicaA CiêNcia GeográFica
A CiêNcia GeográFica
 
Israel e Palestina
Israel e PalestinaIsrael e Palestina
Israel e Palestina
 
Conflitos árabe israelenses
Conflitos árabe israelensesConflitos árabe israelenses
Conflitos árabe israelenses
 
Israel e palestina
Israel e palestinaIsrael e palestina
Israel e palestina
 
Questão palestina
Questão palestinaQuestão palestina
Questão palestina
 
Aula os hebreus
Aula os hebreusAula os hebreus
Aula os hebreus
 
Entendendo o conflito israel x palestina
Entendendo o conflito israel x palestinaEntendendo o conflito israel x palestina
Entendendo o conflito israel x palestina
 
Resumo hebreus
Resumo hebreusResumo hebreus
Resumo hebreus
 
A civilização hebraica simone
A civilização hebraica simoneA civilização hebraica simone
A civilização hebraica simone
 
1ano hebreuspersasefencios-120430134443-phpapp02(1)
1ano hebreuspersasefencios-120430134443-phpapp02(1)1ano hebreuspersasefencios-120430134443-phpapp02(1)
1ano hebreuspersasefencios-120430134443-phpapp02(1)
 
1° ano EM - Hebreus, fenícios e Persas
1° ano EM - Hebreus, fenícios e Persas1° ano EM - Hebreus, fenícios e Persas
1° ano EM - Hebreus, fenícios e Persas
 
Conflito árabe israelense
Conflito árabe israelenseConflito árabe israelense
Conflito árabe israelense
 
O CONFLITO ENTRE JUDEUS E PALESTINOS E SEUS CENÁRIOS FUTUROS.pdf
O CONFLITO ENTRE JUDEUS E PALESTINOS E SEUS CENÁRIOS FUTUROS.pdfO CONFLITO ENTRE JUDEUS E PALESTINOS E SEUS CENÁRIOS FUTUROS.pdf
O CONFLITO ENTRE JUDEUS E PALESTINOS E SEUS CENÁRIOS FUTUROS.pdf
 
Orientemedio parte1 170520101843 (2)
Orientemedio parte1 170520101843 (2)Orientemedio parte1 170520101843 (2)
Orientemedio parte1 170520101843 (2)
 

Mais de Gisele Finatti Baraglio

Revolução-Haitiana
Revolução-HaitianaRevolução-Haitiana
Revolução-Haitiana
Gisele Finatti Baraglio
 
His-8o-semana1-O Iluminismo e a ilustração.ppt
His-8o-semana1-O Iluminismo e a ilustração.pptHis-8o-semana1-O Iluminismo e a ilustração.ppt
His-8o-semana1-O Iluminismo e a ilustração.ppt
Gisele Finatti Baraglio
 
Historia-9os-semana1-Brasil A República das Oligarquias.ppt
Historia-9os-semana1-Brasil A República das Oligarquias.pptHistoria-9os-semana1-Brasil A República das Oligarquias.ppt
Historia-9os-semana1-Brasil A República das Oligarquias.ppt
Gisele Finatti Baraglio
 
8os-Geo-semana1-Os principais aspectos físicos do Continente Americano.ppt
8os-Geo-semana1-Os principais aspectos físicos do Continente Americano.ppt8os-Geo-semana1-Os principais aspectos físicos do Continente Americano.ppt
8os-Geo-semana1-Os principais aspectos físicos do Continente Americano.ppt
Gisele Finatti Baraglio
 
BRASIL 1945 a 64 - Republica populista - democratica
BRASIL 1945 a 64 - Republica populista - democraticaBRASIL 1945 a 64 - Republica populista - democratica
BRASIL 1945 a 64 - Republica populista - democratica
Gisele Finatti Baraglio
 
Dutra e Vargas - de 1946 a 1954
Dutra e Vargas - de 1946 a 1954Dutra e Vargas - de 1946 a 1954
Dutra e Vargas - de 1946 a 1954
Gisele Finatti Baraglio
 
BRASIL REPÚBLICA - de Dutra ao Brother Sam
BRASIL REPÚBLICA - de Dutra ao Brother SamBRASIL REPÚBLICA - de Dutra ao Brother Sam
BRASIL REPÚBLICA - de Dutra ao Brother Sam
Gisele Finatti Baraglio
 
Século xix e xx liberalismo, nacionalismo e socialismo
Século xix e xx liberalismo, nacionalismo e socialismoSéculo xix e xx liberalismo, nacionalismo e socialismo
Século xix e xx liberalismo, nacionalismo e socialismo
Gisele Finatti Baraglio
 
Os Maias
Os MaiasOs Maias
Civilização Maia America pré colombiana
Civilização Maia America pré colombianaCivilização Maia America pré colombiana
Civilização Maia America pré colombiana
Gisele Finatti Baraglio
 
Influências Indígenas na Cultura Brasileira
Influências Indígenas na Cultura BrasileiraInfluências Indígenas na Cultura Brasileira
Influências Indígenas na Cultura Brasileira
Gisele Finatti Baraglio
 
A educação inclusiva sob prisma da deficiência visual Resultados de pesquisa
A educação inclusiva sob prisma da deficiência visual Resultados de pesquisaA educação inclusiva sob prisma da deficiência visual Resultados de pesquisa
A educação inclusiva sob prisma da deficiência visual Resultados de pesquisa
Gisele Finatti Baraglio
 
Estrutura Político Legislativa na República Velha
Estrutura Político Legislativa na República VelhaEstrutura Político Legislativa na República Velha
Estrutura Político Legislativa na República Velha
Gisele Finatti Baraglio
 
A carta de Caminha e o Sentido da colonização
A carta de Caminha e o Sentido da colonizaçãoA carta de Caminha e o Sentido da colonização
A carta de Caminha e o Sentido da colonização
Gisele Finatti Baraglio
 
Brasil Colonial documentário de Boris Fausto e resenha 1492
Brasil Colonial documentário de Boris Fausto e resenha 1492Brasil Colonial documentário de Boris Fausto e resenha 1492
Brasil Colonial documentário de Boris Fausto e resenha 1492
Gisele Finatti Baraglio
 
Conjuração Mineira
Conjuração MineiraConjuração Mineira
Conjuração Mineira
Gisele Finatti Baraglio
 
Descolonização afro asiática
Descolonização afro asiáticaDescolonização afro asiática
Descolonização afro asiática
Gisele Finatti Baraglio
 
Bárbaros e Feudalismo
Bárbaros e FeudalismoBárbaros e Feudalismo
Bárbaros e Feudalismo
Gisele Finatti Baraglio
 
A arábia pré islâmica - uma breve história
A arábia pré islâmica - uma breve históriaA arábia pré islâmica - uma breve história
A arábia pré islâmica - uma breve história
Gisele Finatti Baraglio
 
Israel and Palestina
Israel and PalestinaIsrael and Palestina
Israel and Palestina
Gisele Finatti Baraglio
 

Mais de Gisele Finatti Baraglio (20)

Revolução-Haitiana
Revolução-HaitianaRevolução-Haitiana
Revolução-Haitiana
 
His-8o-semana1-O Iluminismo e a ilustração.ppt
His-8o-semana1-O Iluminismo e a ilustração.pptHis-8o-semana1-O Iluminismo e a ilustração.ppt
His-8o-semana1-O Iluminismo e a ilustração.ppt
 
Historia-9os-semana1-Brasil A República das Oligarquias.ppt
Historia-9os-semana1-Brasil A República das Oligarquias.pptHistoria-9os-semana1-Brasil A República das Oligarquias.ppt
Historia-9os-semana1-Brasil A República das Oligarquias.ppt
 
8os-Geo-semana1-Os principais aspectos físicos do Continente Americano.ppt
8os-Geo-semana1-Os principais aspectos físicos do Continente Americano.ppt8os-Geo-semana1-Os principais aspectos físicos do Continente Americano.ppt
8os-Geo-semana1-Os principais aspectos físicos do Continente Americano.ppt
 
BRASIL 1945 a 64 - Republica populista - democratica
BRASIL 1945 a 64 - Republica populista - democraticaBRASIL 1945 a 64 - Republica populista - democratica
BRASIL 1945 a 64 - Republica populista - democratica
 
Dutra e Vargas - de 1946 a 1954
Dutra e Vargas - de 1946 a 1954Dutra e Vargas - de 1946 a 1954
Dutra e Vargas - de 1946 a 1954
 
BRASIL REPÚBLICA - de Dutra ao Brother Sam
BRASIL REPÚBLICA - de Dutra ao Brother SamBRASIL REPÚBLICA - de Dutra ao Brother Sam
BRASIL REPÚBLICA - de Dutra ao Brother Sam
 
Século xix e xx liberalismo, nacionalismo e socialismo
Século xix e xx liberalismo, nacionalismo e socialismoSéculo xix e xx liberalismo, nacionalismo e socialismo
Século xix e xx liberalismo, nacionalismo e socialismo
 
Os Maias
Os MaiasOs Maias
Os Maias
 
Civilização Maia America pré colombiana
Civilização Maia America pré colombianaCivilização Maia America pré colombiana
Civilização Maia America pré colombiana
 
Influências Indígenas na Cultura Brasileira
Influências Indígenas na Cultura BrasileiraInfluências Indígenas na Cultura Brasileira
Influências Indígenas na Cultura Brasileira
 
A educação inclusiva sob prisma da deficiência visual Resultados de pesquisa
A educação inclusiva sob prisma da deficiência visual Resultados de pesquisaA educação inclusiva sob prisma da deficiência visual Resultados de pesquisa
A educação inclusiva sob prisma da deficiência visual Resultados de pesquisa
 
Estrutura Político Legislativa na República Velha
Estrutura Político Legislativa na República VelhaEstrutura Político Legislativa na República Velha
Estrutura Político Legislativa na República Velha
 
A carta de Caminha e o Sentido da colonização
A carta de Caminha e o Sentido da colonizaçãoA carta de Caminha e o Sentido da colonização
A carta de Caminha e o Sentido da colonização
 
Brasil Colonial documentário de Boris Fausto e resenha 1492
Brasil Colonial documentário de Boris Fausto e resenha 1492Brasil Colonial documentário de Boris Fausto e resenha 1492
Brasil Colonial documentário de Boris Fausto e resenha 1492
 
Conjuração Mineira
Conjuração MineiraConjuração Mineira
Conjuração Mineira
 
Descolonização afro asiática
Descolonização afro asiáticaDescolonização afro asiática
Descolonização afro asiática
 
Bárbaros e Feudalismo
Bárbaros e FeudalismoBárbaros e Feudalismo
Bárbaros e Feudalismo
 
A arábia pré islâmica - uma breve história
A arábia pré islâmica - uma breve históriaA arábia pré islâmica - uma breve história
A arábia pré islâmica - uma breve história
 
Israel and Palestina
Israel and PalestinaIsrael and Palestina
Israel and Palestina
 

Último

Vivendo a Arquitetura Salesforce - 01.pptx
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 01.pptxVivendo a Arquitetura Salesforce - 01.pptx
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 01.pptx
Mauricio Alexandre Silva
 
Norma de Gênero - Mulheres Heterossexuais, Homossexuais e Bissexuais.pdf
Norma de Gênero - Mulheres Heterossexuais, Homossexuais e Bissexuais.pdfNorma de Gênero - Mulheres Heterossexuais, Homossexuais e Bissexuais.pdf
Norma de Gênero - Mulheres Heterossexuais, Homossexuais e Bissexuais.pdf
Pastor Robson Colaço
 
Roteiro para análise do Livro Didático.pptx
Roteiro para análise do Livro Didático.pptxRoteiro para análise do Livro Didático.pptx
Roteiro para análise do Livro Didático.pptx
pamellaaraujo10
 
planejamento maternal 2 atualizado.pdf e
planejamento maternal 2 atualizado.pdf eplanejamento maternal 2 atualizado.pdf e
planejamento maternal 2 atualizado.pdf e
HelenStefany
 
Caça-palavaras e cruzadinha - Dígrafos.
Caça-palavaras  e cruzadinha  - Dígrafos.Caça-palavaras  e cruzadinha  - Dígrafos.
Caça-palavaras e cruzadinha - Dígrafos.
Mary Alvarenga
 
Aula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdf
Aula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdfAula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdf
Aula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdf
AntonioAngeloNeves
 
UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...
UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...
UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...
Manuais Formação
 
UFCD_10789_Metodologias de desenvolvimento de software_índice.pdf
UFCD_10789_Metodologias de desenvolvimento de software_índice.pdfUFCD_10789_Metodologias de desenvolvimento de software_índice.pdf
UFCD_10789_Metodologias de desenvolvimento de software_índice.pdf
Manuais Formação
 
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptxSlides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
LITERATURA INDÍGENA BRASILEIRA: elementos constitutivos.ppt
LITERATURA INDÍGENA BRASILEIRA: elementos constitutivos.pptLITERATURA INDÍGENA BRASILEIRA: elementos constitutivos.ppt
LITERATURA INDÍGENA BRASILEIRA: elementos constitutivos.ppt
EdimaresSilvestre
 
MAPAS MENTAIS Conhecimentos Pedagógicos - ATUALIZADO 2024 PROF. Fernanda.pdf
MAPAS MENTAIS Conhecimentos Pedagógicos - ATUALIZADO 2024 PROF. Fernanda.pdfMAPAS MENTAIS Conhecimentos Pedagógicos - ATUALIZADO 2024 PROF. Fernanda.pdf
MAPAS MENTAIS Conhecimentos Pedagógicos - ATUALIZADO 2024 PROF. Fernanda.pdf
GracinhaSantos6
 
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdfUFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
Manuais Formação
 
Atividade Bio evolução e especiação .docx
Atividade Bio evolução e especiação .docxAtividade Bio evolução e especiação .docx
Atividade Bio evolução e especiação .docx
MARCELARUBIAGAVA
 
(44-ESTUDO - LUCAS) A ESPIRITUALIDADE EM CRISE NO VALE
(44-ESTUDO - LUCAS) A ESPIRITUALIDADE EM CRISE NO VALE(44-ESTUDO - LUCAS) A ESPIRITUALIDADE EM CRISE NO VALE
(44-ESTUDO - LUCAS) A ESPIRITUALIDADE EM CRISE NO VALE
Pr Davi Passos - Estudos Bíblicos
 
formação - 2º ano São José da Tapera ...
formação - 2º ano São José da Tapera ...formação - 2º ano São José da Tapera ...
formação - 2º ano São José da Tapera ...
JakiraCosta
 
2009_Apresentação-ufscar- TCC - AILTON.ppt
2009_Apresentação-ufscar- TCC - AILTON.ppt2009_Apresentação-ufscar- TCC - AILTON.ppt
2009_Apresentação-ufscar- TCC - AILTON.ppt
Ailton Barcelos
 
CD_B2_C_Criar e Editar Conteúdos Digitais_índice.pdf
CD_B2_C_Criar e Editar Conteúdos Digitais_índice.pdfCD_B2_C_Criar e Editar Conteúdos Digitais_índice.pdf
CD_B2_C_Criar e Editar Conteúdos Digitais_índice.pdf
Manuais Formação
 
3ª série HIS - PROVA PAULISTA DIA 1 - 1º BIM-24.pdf
3ª série HIS - PROVA PAULISTA DIA 1 - 1º BIM-24.pdf3ª série HIS - PROVA PAULISTA DIA 1 - 1º BIM-24.pdf
3ª série HIS - PROVA PAULISTA DIA 1 - 1º BIM-24.pdf
AdrianoMontagna1
 
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 02.pptx
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 02.pptxVivendo a Arquitetura Salesforce - 02.pptx
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 02.pptx
Mauricio Alexandre Silva
 
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionaisResumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
beatrizsilva525654
 

Último (20)

Vivendo a Arquitetura Salesforce - 01.pptx
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 01.pptxVivendo a Arquitetura Salesforce - 01.pptx
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 01.pptx
 
Norma de Gênero - Mulheres Heterossexuais, Homossexuais e Bissexuais.pdf
Norma de Gênero - Mulheres Heterossexuais, Homossexuais e Bissexuais.pdfNorma de Gênero - Mulheres Heterossexuais, Homossexuais e Bissexuais.pdf
Norma de Gênero - Mulheres Heterossexuais, Homossexuais e Bissexuais.pdf
 
Roteiro para análise do Livro Didático.pptx
Roteiro para análise do Livro Didático.pptxRoteiro para análise do Livro Didático.pptx
Roteiro para análise do Livro Didático.pptx
 
planejamento maternal 2 atualizado.pdf e
planejamento maternal 2 atualizado.pdf eplanejamento maternal 2 atualizado.pdf e
planejamento maternal 2 atualizado.pdf e
 
Caça-palavaras e cruzadinha - Dígrafos.
Caça-palavaras  e cruzadinha  - Dígrafos.Caça-palavaras  e cruzadinha  - Dígrafos.
Caça-palavaras e cruzadinha - Dígrafos.
 
Aula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdf
Aula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdfAula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdf
Aula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdf
 
UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...
UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...
UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...
 
UFCD_10789_Metodologias de desenvolvimento de software_índice.pdf
UFCD_10789_Metodologias de desenvolvimento de software_índice.pdfUFCD_10789_Metodologias de desenvolvimento de software_índice.pdf
UFCD_10789_Metodologias de desenvolvimento de software_índice.pdf
 
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptxSlides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
 
LITERATURA INDÍGENA BRASILEIRA: elementos constitutivos.ppt
LITERATURA INDÍGENA BRASILEIRA: elementos constitutivos.pptLITERATURA INDÍGENA BRASILEIRA: elementos constitutivos.ppt
LITERATURA INDÍGENA BRASILEIRA: elementos constitutivos.ppt
 
MAPAS MENTAIS Conhecimentos Pedagógicos - ATUALIZADO 2024 PROF. Fernanda.pdf
MAPAS MENTAIS Conhecimentos Pedagógicos - ATUALIZADO 2024 PROF. Fernanda.pdfMAPAS MENTAIS Conhecimentos Pedagógicos - ATUALIZADO 2024 PROF. Fernanda.pdf
MAPAS MENTAIS Conhecimentos Pedagógicos - ATUALIZADO 2024 PROF. Fernanda.pdf
 
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdfUFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
 
Atividade Bio evolução e especiação .docx
Atividade Bio evolução e especiação .docxAtividade Bio evolução e especiação .docx
Atividade Bio evolução e especiação .docx
 
(44-ESTUDO - LUCAS) A ESPIRITUALIDADE EM CRISE NO VALE
(44-ESTUDO - LUCAS) A ESPIRITUALIDADE EM CRISE NO VALE(44-ESTUDO - LUCAS) A ESPIRITUALIDADE EM CRISE NO VALE
(44-ESTUDO - LUCAS) A ESPIRITUALIDADE EM CRISE NO VALE
 
formação - 2º ano São José da Tapera ...
formação - 2º ano São José da Tapera ...formação - 2º ano São José da Tapera ...
formação - 2º ano São José da Tapera ...
 
2009_Apresentação-ufscar- TCC - AILTON.ppt
2009_Apresentação-ufscar- TCC - AILTON.ppt2009_Apresentação-ufscar- TCC - AILTON.ppt
2009_Apresentação-ufscar- TCC - AILTON.ppt
 
CD_B2_C_Criar e Editar Conteúdos Digitais_índice.pdf
CD_B2_C_Criar e Editar Conteúdos Digitais_índice.pdfCD_B2_C_Criar e Editar Conteúdos Digitais_índice.pdf
CD_B2_C_Criar e Editar Conteúdos Digitais_índice.pdf
 
3ª série HIS - PROVA PAULISTA DIA 1 - 1º BIM-24.pdf
3ª série HIS - PROVA PAULISTA DIA 1 - 1º BIM-24.pdf3ª série HIS - PROVA PAULISTA DIA 1 - 1º BIM-24.pdf
3ª série HIS - PROVA PAULISTA DIA 1 - 1º BIM-24.pdf
 
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 02.pptx
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 02.pptxVivendo a Arquitetura Salesforce - 02.pptx
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 02.pptx
 
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionaisResumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
 

Oriente proximo evolucao_historica e geopolitica

  • 1. ORIENTE PRÓXIMOISRAEL E PALESTINA EVOLUÇÃO HISTÓRICA E GEOPOLÍTICA ATUAL Gisele F Baraglio Estácio Uniradial Licenciatura em História
  • 2. A região onde situam-se Israel e Palestina, chamado de Oriente Próximo está localizado na Ásia, o maior continente e o mais populoso. Grande diversidade em suas populações: povos de origem árabe, judeus, turcos, curdos, gregos e palestinos.
  • 3. FATORES QUE CARACTERIZAM A REGIÃO COMO ESTRATÉGICA PARA O MUNDO. IMPORTÂNCIA GEOGRÁFICA – localizado no sudoeste asiático, estrategicamente entre três continentes: Europa, Ásia e África Canal de Suez – ligação artificial entre o mar Mediterrâneo e o mar Vermelho Estreito de Ormuz – liga o Golfo Pérsico ao oceano Índico (rota obrigatória dos petroleiros dos países árabes) Estreito de Bósforo – liga o mar Mediterrâneo e o mar Negro (passagem da Europa para países asiáticos)
  • 4. FATORES QUE CARACTERIZAM A REGIÃO COMO ESTRATÉGICA PARA O MUNDO. presença do petróleo na região presença de armamento bélico Influência Cultural e religiosa Localização estratégica no globo terrestre
  • 5. O CONFLITO ANTES DO CONFLITO Os curdos são um grupo étnico que se considera como sendo nativo de uma região freqüentemente referida como Curdistão, que inclui partes adjacentes de IRÃ, IRAQUE, SÍRIA e TURQUIA. Comunidades curdas também podem ser encontradas no LÍBANO, ARMÊNIA, AZERBAIJÃO (Kalbajar e Lachin, a oeste de Nagorno-Karabakh) e, em décadas recentes, em alguns países europeus e nos Estados Unidos. CAUSAS DOS CONFLITOS Religioso posse da terra - palestinos e curdos político/econômico- interesses internacionais
  • 6.
  • 7. A palavra Palestina deriva do grego Philistia, nome dado pelos autores da Grécia Antiga a esta região, devido ao fato de em parte dela (entre a atual cidade de TelAviv e Gaza) se terem fixado no século XII a.C. os Filisteus. Os Filisteus não eram semitas e sua provável origem é creto-micenica, uma das mais conhecidas nações dos chamados “Povos do Mar” que se estabeleceram em várias partes do litoral sul do mar Mediterrâneo, incluindo a área hoje conhecida como Faixa de Gaza é o nome dado desde a Antigüidade à região do Oriente Próximo (impropriamente chamado de “Oriente Médio”), localizada ao sul do Líbano e a nordeste da Península do Sinai, entre o Mar Mediterrâneo e o vale do Rio Jordão. Trata-se da Canaã bíblica, que os judeus tradicionalistas preferem chamar de Sion. A Palestina foi conquistada pelos hebreus ou israelitas (mais tarde também conhecidos como judeus) por volta de 1200 a.C.
  • 8. OS HEBREUS Eram inicialmente, um pequeno grupo de pastores nômades, organizados em clãs ou tribos, chefiadas por um patriarca. Conduzidos por Abraão, deixaram a cidade de Ur, na Mesopotâmia, e se fixaram na Palestina (Canaã, a Terra Prometida), por volta de 2000 a.C. Os principais patriarcas hebreus, foram Abraão (o primeiro patriarca), Isaac, Jacó (também chamado Israel, daí o nome israelita), Moisés e Josué
  • 9. OS HEBREUS Por volta de 1750 a.C. uma terrível seca atingiu a Palestina. Os hebreus deixam a região e buscam melhores condições de sobrevivência no Egito. Permaneceram no Egito, cerca de 400 anos, até serem perseguidos e escravizados pelos faraós. Liderados e “libertados” então, pelo patriarca Moisés. Abandonaram o Egito em 1250 a.C., retornando à Palestina. Essa saída em massa dos hebreus do Egito é conhecida como Êxodo.
  • 10. DIÁSPORA PALESTINA As sucessivas dominações estrangeiras, começadas com a tomada de Jerusalém (587 a.C.) por Nabucodonosor, rei da Babilônia, deram início a um progressivo processo de diáspora (dispersão) da população judaica, embora sua grande maioria ainda permanecesse na Palestina.
  • 11. CONFLITO COM OS ROMANOS As duas rebeliões dos judeus contra o domínio romano (em 66-70 e 133-135 d.C.) tiveram resultados desastrosos. Ao debelar a primeira revolta, o general (mais tarde imperador) Tito arrasou o Templo de Jerusalém, do qual restou apenas o Muro das Lamentações. E o imperador Adriano, ao sufocar a segunda, intensificou a diáspora e proibiu os judeus de viver em Jerusalém.
  • 12.
  • 13. A partir de então, os israelitas espalharam-se pelo Império Romano; alguns grupos emigraram para a Mesopotâmia e outros pontos do Oriente Médio, fora do poder de Roma.
  • 14. OS ÁRABES Ocuparam a região durante sua expansão (entre os séc. VII e XV). Permaneceram na região durante o domínio do Império Otomano e do protetorado britânico. Também denominados de palestinos.
  • 15. OS ÁRABES Em 638, a região foi conquistada pelos árabes, no contexto da expansão do islamismo, e passou a fazer parte do mundo árabe, embora sua situação política oscilasse ao sabor das constantes lutas entre governos muçulmanos rivais.
  • 16. DE QUEM É O DIREITO DE OCUPAR A TERRA? JUDEUS? PALESTINOS? Em 1896, o escritor austríaco de origem judaica Theodor Herzl fundou o Movimento Sionista, que pregava a criação de um Estado judeu na antiga pátria dos hebreus.
  • 17. PÓS – 1ª GUERRA MUNDIAL PALESTINA SOB DOMÍNIO BRITÂNICO Movimento sionista – surgiu na Europa no final do séc. XIX, quando os judeus elegeram a Palestina como a terra prometida para a construção de seu respectivo Estado A Inglaterra, falida no pós-guerra e responsável pela região na época permitiu a entrada de colonos judeus na Palestina O choque com os habitantes locais (árabes) foram inevitáveis e cada vez mais intensos
  • 18. DECLARAÇÃO BALFOUR (1918) Documento do governo britânico sobre o estabelecimento de uma nação judaica na Palestina. O secretário de assuntos estrangeiros britânico Arthur James Balfour divulgou-o em 1917. Neste documento, temos a declaração de simpatia por parte do governo britânico em estabelecer um "lar nacional na Palestina para o povo judeu". O território da Palestina, até a 1ª Grande Guerra, pertencia ao Império Otomano. Tanto a maioria muçulmana, quanto os judeus e cristãos que lá residiam eram oprimidos pelo império. Outros territórios eram parte do império, como a Síria, por exemplo. A promessa dada pelo governo britânico aos árabes (representados pelo Xeique Hussein na época), garantia a eles um território  que englobava a Palestina, caso vencessem a guerra. Balfour criou uma declaração em que cabia à Inglaterra o controle da região palestina
  • 19.
  • 20. O FIM DA PALESTINA ÁRABE Durante a II Guerra Mundial, o fluxo migratório dos judeus para o Oriente Próximo aumentou, devido a perseguição a qual estes foram submetidos pelos nazistas Com o final da II Guerra e a independência dos protetorados ingleses, a situação entre árabes e judeus ficou insustentável.
  • 21. 1947 – ONU APROVA A PARTILHA DA PALESTINA Estado Judeu (Israel)  56,7% da áreas Estado Palestino  42,6% da área Jerusalém  Área Internacional sob administração da ONU
  • 22. O FIM DA PALESTINA ÁRABE Palestinos, que somavam 1.300.00 habitantes, ficaram com 11.500 km2 Judeus, que eram 700.000, ficaram com um território maior (14.500 km2), apesar de serem em número menor. Os judeus transformam suas terras áridas em produtivas. 1948 criação do Estado de Israel. Palestinos reagem atacando Jerusalém que, segundo a ONU, deveria ser uma área livre.
  • 23. A RIVALIDADE Apesar de perder o território, os árabes preservaram a vontade de manter a soberania em suas terras, agora ocupadas por Israel. Com a derrota, cerca de 750 mil palestinos foram expulsos de sua pátria (estes passaram a viver em países vizinhos, onde eram tratados como cidadãos de segunda classe). O mesmo aconteceu com os palestinos que permaneceram no Estado de Israel.
  • 24. 1º CONFLITOGUERRA DE INDEPENDÊNCIA DE ISRAEL (1948-1949) Países Árabes (Egito, Síria, Jordânia, Líbano e Iraque) e povo palestino atacam Israel. Objetivos  Forçar a criação nas duas outras áreas territoriais (a Faixa de Gaza e a Cisjordânia), de maioria árabe-palestina, de um estado palestiniano-árabe , como proposto no acordo que criou o Estado de Israel. Impedir a formação do Estado de Israel e expulsar os judeus da Palestina.
  • 25. RESULTADO DO 1º CONFLITO Israel vence e ocupa parte do território dos Palestinos Egito ocupa a Faixa de Gaza Jordânia ocupa a Cisjordânia Jerusalém é dividida: Parte Ocidental (domínio dos Judeus) e Parte Oriental (ocupação da Jordânia) Palestinos ficam SEM Território (sem seu próprio Estado)
  • 26.
  • 27. 2º CONFLITO: GUERRA DOS SEIS DIAS1967 Egito, Jordânia e Síria preparam um novo ataque a Israel Em 1967 incidentes entre Israel e Síria agravaram a tensão, sempre presente na região. O presidente Nasser, do Egito, pediu e obteve a retirada das forças da ONU do Sinai, para onde mandou muitos militares ao mesmo tempo que fazia alianças militares com a Jordânia, Síria e Iraque. Até que Nasser bloqueou o estreito de Tiran à navegação israelense e a guerra começou. Israel , alertada pelos EUA antecipa o ataque dos árabes e ataca primeiro
  • 28.
  • 29. RESULTADO DO 2º CONFLITO Israel em apenas seis dias conquista: Toda Faixa de Gaza (antes sob domínio egípcio) Toda Península do Sinai (Território do Egito) Toda a Cisjordânia (antes sob domínio da Jordânia) Colinas de Golan (Território da Síria) Toda cidade de Jerusalém
  • 30. IMPORTÂNCIA DE CADA ÁREA CONQUISTADA NA GUERRA DOS SEIS DIAS Faixa de Gaza e Cisjordânia  Controle total sob a Palestina (sionismo) Península do Sinai  Segurança Nacional (Proteção de suas fronteiras com o Egito) Colinas de Golan  Área de Nascentes (Recursos Hídricos)
  • 31.
  • 32. 3º CONFLITO: GUERRA DO YOM KIPPUR1973 Guerra do YomKippur (“Dia do Perdão”). Aproveitando o feriado religioso judaico, Egito e Síria atacam Israel; são porém derrotados e os israelenses conservam em seu poder os territórios ocupados em 1967. Para pressionar os países ocidentais, no sentido de diminuir seu apoio a Israel, a OPEP (Organização dos Países Exportadores de Petróleo) provoca uma forte elevação nos preços do petróleo.
  • 34. HAMAS“RESISTÊNCIA ISLÂMICA” Hamas é a abreviatura de HarakatAl-MuqawamaAl-Islamia  (Movimento de Resistência Islâmica), uma organização política palestina que luta contra a existência do Estado de Israel. O movimento ficou conhecido somente em 1987, quando este grupo islâmico conservador surgiu atuante na Faixa de Gaza e na Cisjordânia, tornando questionável a atuação da Organização para a Libertação da Palestina (OLP).
  • 35.
  • 36. JIHAD Organização criada por por estudantes palestinos no Egito. Em 1981, o Jihah assassinou o presidente egpcio Anwar Sadat O grupo tem uma pequena base de apoio. Ao contrário do Hamas, que é bem maior e administra escolas e hospitais, a Jihad Islâmica não tem nenhum verdadeiro papel social ou político.A facção é baseada na capital da Síria, Damasco, e acredita-se que seus recursos financeiros venham do Irã.A Jihad Islâmica tem como objetivo a criação de um Estado palestino islâmico e a destruição de Israel por meio de uma guerra santa. O grupo também se opõe aos governos árabes alinhados com o Ocidente.
  • 37. Apesar de pequeno, o Jihad é conhecido pela repercussão, em geral, dos seus atentados organizados, por vezes, em cooperação com o Hamas O Jihad foi autor de vários atentados à bomba
  • 38. Nasceu como uma milícia islâmica após a invasão israelense no Líbano em 1982. É considerado um grupo terrorista pelos Estados Unidos. No Líbano, não é visto como uma entidade terrorista, mas como um grupo de resistência contra a invasão israelense ao país, em 1982. O grupo também é um dos principais partidos libaneses, realiza ações humanitárias e possui uma rede de escolas e hospitais. Os serviços sociais do Hizbollah concentram-se em cinco áreas: ajuda a familiares de mártires, saúde, educação HEZBOLLAH – Partido de Deus(Organização xiita apoiada pelo governo do Irã)
  • 39.
  • 40. I INTIFIDADA - 1987 Revolta popular palestina contra a ocupação israelense na Faixa de Gaza e na Cisjordânia (Organizada pelo Hamas)
  • 41. 1993 - ACORDOS DE OSLO (OSLO I) Em 1993, na Noruega, Israel se compromete a devolver os territórios ocupados em 1967 em troca de um acordo de paz definitivo. Israel deixa boa parte dos centros urbanos palestinos em Gaza e Cisjordânia, dando autonomia aos palestinos, mas mantém entraves. O prazo é adiado devido a impasses sobre Jerusalém, o retorno de refugiados palestinos, os assentamentos judaicos e atentados terroristas palestinos. Tal situação mantém-se até hoje. Na pratica: Arafat passou a chefiar um governo autônomo em 1994, mas o terrorismo palestino aumentou.
  • 42. ACORDO DE OSLO II - (1995) Partes  ANP (Yasser Arafat) e Israel (Ytizak Rabin) Acordo  Aumenta as áreas sob controle dos Palestinos: Seis cidades (Jenin, Naplouse, Tulkaren, Kalkiya, Rammallah e Belém; Nablus controle parcial 1995 – Assassinato de Rabin  Radical Judeu RESULTADO  Abriu um precedente favorável ao projeto israelense de perenizar o controle de larga porção desse território, em nome de motivações de seguranças. Com isso, adicionalmente, Israel assegurou seu controle sobre as fontes de água do Jordão.
  • 43. Em julho de 2000, em Camp David (EUA), Israel ofereceu soberania aos palestinos em certas áreas de Jerusalém Oriental e a retirada de quase todas as áreas ocupadas, mas Iasser Arafat [morto 11 de novembro de 2004, após ficar internado durante 14 dias em um hospital militar na França] exigiu soberania plena nos locais sagrados de Jerusalém e a volta dos refugiados. Israel recusou. Resultado: não houve acordo e, um mês depois, começou a Intifada, a revolta palestina nos territórios ocupados que dura até hoje. 2000 - CAMP DAVID Participantes: Yasser Arafat e EhudBarak
  • 44. II INTIFADA - 2000 A Intifada de Al Aqsa, iniciada em 29 de setembro de 2000, após uma visita provocativa do primeiro-ministro de Israel, Ariel Sharon, à Esplanada das Mesquitas, quando dois dias depois, o exército israelense matou dezenas de palestinos que estavam saindo da mesquita de Al Aqsa, um dos locais mais sagrados do islamismo, frustrando os palestinos diante de um processo de paz que se arrasta desde os Acordos de Oslo em 1993.
  • 45. Ações de Sharon Separação do território de Israel das áreas habitadas pelos palestinos  2002 - Muro de proteção (MURO DA VERGONHA)
  • 46. Invasão de cidades palestinas => repressão ao terrorismo – “Guerra Contra o Terror”
  • 47.
  • 48.
  • 49. 2006 - AFASTAMENTO DE SHARON Em janeiro, o então premiê israelense Ariel Sharon sofre um derrame cerebral e entra em coma. Ele é substituído interinamente pelo atual premiê, EhudOlmert. Em março, eleições israelenses dão a vitória ao partido Kadima (centro), de Olmert, e após formar uma coalizão o líder é confirmado no posto de premiê israelense
  • 50. 2007 - GOVERNO DE COALIZÃO PALESTINO Após meses de negociações, os partidos palestinos rivais Fatah (do presidente da ANP, MahmoudAbbas) e Hamas (do premiê palestino, IsmailHaniyeh) concordam com a criação de um novo gabinete com poder compartilhado O Hamas continua a não aceitar de forma direta ou indireta o reconhecimento de Israel, os acordos firmados e a renúncia à violência, informou um comunicado do Ministério de Relações Exteriores de Israel.
  • 51. 2008 - Intermediação dos EUA Em janeiro, representantes de Israel e da ANP reúnem-se para recomeçar as negociações sobre o futuro de Jerusalém, os assentamentos, os refugiados palestinos, as fronteiras, a segurança e os recursos hídricos. É a primeira vez que os assuntos são tratados desde Cúpula de Taba, em janeiro de 2001. As conversas de paz, como muitas tentativas anteriores, não amenizam o clima de guerra entre palestinos e israelenses e os jornais noticiam freqüentemente ataques violentos das duas partes.
  • 52.
  • 53. Israel – Kach, Yesha e EyalRefugiados Palestinos => Israel se recusa a aceitar o retorno de 3 milhões de palestinos refugiados; Água => Palestinos querem uma divisão eqüitativa dos lençóis freáticos; Israel quer manter controle sobre 80% dos lençóis freáticos.
  • 54. ENTRAVES AO PROCESSO DE PAZJERUSALEM PALESTINOS – presença das mesquitas do Domo da Rocha e de Al-Aqsa (sagradas) na porção oriental, onde o profeta Maomé subiu aos céus, conforme a crença muçulmana ISRAELENSES – única capital e centro da vida judaica quando esse povo habitava a Palestina, onde vivia o rei Davi, onde supostamente está sepultado Moisés e onde está o Muro das Lamentações
  • 55.
  • 56. A CRUEL FACE DA VIOLÊNCIA
  • 57.
  • 58. CONCLUSÃO O conflito entre Israel e Palestina é muito mais complexo do que maniqueísmos reducionistas e manipulações grosseiras, suscita comentários passionais, pautados em conhecimentos rasos sobre um tema tão complexo.    Certamente podemos fazer algumas ressalvas de imediato... a matança de inocentes é condenável sob qualquer aspecto, alguns irão dizer que é o preço da guerra o que é verdade. Neste caso, o melhor seria evitar a guerra e qualquer outro tipo de ataque contra inocentes. A convivência pacífica é possível mesmo entre inimigos.