SlideShare uma empresa Scribd logo
CONFLITO ÁRABE ISRAELENSE
tensões entre judeus e árabes começaram a emergir a partir da
década de 1880 do século XIX, quando judeus provenientes da Europa
começaram a emigrar, formando e aumentando comunidades
judaicas na Palestina.
os antigos judeus desde os tempos bíblicos chamaram sua terra de
Israel, Canaã, Judeia, Samaria, Galileia e outros nomes há muito
tempo.
o Império Romano dominou esta área, e, ao suprimir várias rebeliões
judaicas, destruiu o templo judaico na cidade de Jerusalém, matou
um grande número de judeus, e forçou muitos outros a deixar sua
terra natal em um êxodo chamado diáspora. Nesta ocasião, o Império
Romano mudou o nome da Terra de Israel para Palestina.
Após a diáspora, os muçulmanos de língua árabe, que invadiram a
Palestina no século VII, durante a expansão do Islão, tornaram-se o
grupo étnico dominante. De acordo com registros do Império
Otomano, que governou a Palestina durante vários séculos, no ano de
1900, a população da Palestina era 600.000, dos quais 94% eram
árabes.
Mandato Britânico na Palestina, o Reino Unido estabelece
uma administração semicolonial, que apesar da Declaração
de Balfour é reticente quanto à emigração judaica, tentando
apaziguar a reação da população árabe - receosa de que os
judeus voltassem a sua terra de origem e formassem um
estado que acabaria com a profecia de estabelecimento do
califado árabe
Em 1917, o governo britânico, através da Declaração Balfour
(uma carta de Arthur Balfour, secretário britânico dos
Assuntos Estrangeiros, ao Barão Rothschild, líder da
comunidade judaica do Reino Unido), manifestou seu apoio
ao plano sionista de colonizar a Palestina e lá estabelecer o
"lar nacional judeu". Poucos anos depois, em 1922, a Liga
das Nações aprovou o Mandato Britânico da Palestina. O
mandato previa que a mandatária se responsabilizaria por
colocar em prática a Declaração Balfour, isto é, favorecer o
estabelecimento, na Palestina, de um lar nacional para povo
judeu.
Após a Segunda Guerra Mundial, a criação do lar nacional
judeu passou a ser vista pela opinião pública como uma
forma de reparação pelo Holocausto.
Pouco depois do fim da Segunda Guerra Mundial, em maio de 1947, a
ONU, a pedido do Reino Unido, criou o UNSCOP (United Nations Special
Committee on Palestine), para elaborar o plano de partição da área do
Mandato Britânico da Palestina. O plano consistia na partição da
banda ocidental do território em dois Estados - um judeu e outro árabe
-, ficando as áreas de Jerusalém e Belém sob controlo internacional.
53% do território seriam atribuídos aos 700 mil judeus, e 47% aos 1
milhão e 400 mil árabes sendo desses 900 mil que imigraram durante o
inicio do século XX e 500 mil viviam no local (antes desse
acontecimento, judeus provenientes da Europa Ocidental e do norte da
África também já haviam imigrado a Palestina se juntando a outros
poucos milhares de judeus que viviam historicamente ali,
anteriormente à publicação dos Livros Brancos, e comprado 65% das
terras daquela região, do antigo mandato turco-otomano, por isso essa
proporção de terras).
Situação em 1947: Mandato da
Palestina, mostrando em azul as
áreas controladas por judeus na
Palestina em 1947, que
constituíam 6% da área
territorial do mandato, das
quais mais da metade eram
controladas pelo Fundo
Nacional Judaico (FNJ) e pela
Associação da Colonização
Judaica da Palestina. A
população de judeus cresceu de
83 790 pessoas em 1922 para
608 000 em 1946.
Proposta de 1947: Proposta do
plano da ONU para a partilha da
Palestina de 1947 (Assembleia
Geral das Nações Unidas -
Resolução 181 (II), 1947), antes da
Guerra árabe-israelense de 1948.
A proposta incluía o corpus
separatum de Jerusalém, estradas
extraterritoriais entre as áreas
não contíguas e a consolidação de
Jaffa como uma exclave árabe.
Em 14 de maio de 1948, à meia-noite, termina oficialmente o mandato britânico da Palestina.
Já numa fase adiantada da guerra civil na Palestina, David Ben-Gurion declara a
Independência do Estado de Israel, reconhecida imediatamente pela União Soviética e pelos
Estados Unidos.
Ao longo do dia, o Estado de Israel é proclamado em várias partes do território. Os Estados
árabes vizinhos, que contestam a criação de Israel, decidem intervir. Os exércitos do Egito,
Iraque, Líbano, Síria e Transjordânia - aos quais se incorporam as forças árabes palestinas
remanescentes-, com apoio político de outros países, entram na Palestina. Começa a primeira
de uma série de guerras que iriam constituir o longo conflito árabe-israelense.
A guerra de 1948-1949 foi vencida pelos israelenses, que ampliaram o seu domínio por uma
área de 20 mil km² (75% da superfície da Palestina). O território restante foi ocupado pela
Jordânia, que anexou a Cisjordânia, e pelo Egito, que ocupou a Faixa de Gaza.
A guerra civil palestina e a guerra árabe-israelense provocaram o deslocamento de
aproximadamente 900 mil palestinos, que deixaram as áreas incorporadas por Israel. Esse
imenso contingente de refugiados permaneceu disperso pelos campos do Oriente Médio e,
nos anos seguintes, será frequentemente referido como "a questão palestina" - que
permanece sem solução até os dias atuais. Atualmente, segundo a UNRWA, o número de
refugiados palestinos que vivem nos territórios ocupados, Líbano, Síria e Jordânia está
próximo de cinco milhões.
Situação entre 1948-67: Ocupação da
Cisjordânia pela Jordânia e ocupação da
Faixa de Gaza pelo Egito (observe a linha
pontilhada entre os territórios palestinos e
Jordânia/Egito) após a Guerra árabe-
israelense de 1948, mostrando a linhas de
armistício criadas em 1949 com Israel
(linha azul).
Crise de Suez, também conhecida
como Guerra de Suez, foi uma crise
política que teve início em 29 de
outubro de 1956, quando Israel, com o
apoio da França e Reino Unido, que
utilizavam o canal para ter acesso ao
comércio oriental, declarou guerra ao
Egito
A Guerra dos Seis Dias decorreu
entre 5 e 10 de Junho de 1967. Foi
desencadeada por Israel contra o
Egito e a Jordânia nos termos de uma
guerra preventiva, já que o estado
israelita sentia-se ameaçado pela
política pan árabe do presidente
egípcio Nasser (que se traduziu em
alianças militares com a Síria e a
Jordânia) e pela partida de forças das
Nações Unidas presentes no Sinai
desde 1956. Alegando iminente um
ataque do Egito e da Jordânia, Israel
antecipou-se, atacando
preventivamente. Reconhece-se
atualmente, entretanto, que não
havia quaisquer intenções agressivas
dos países árabes atacados antes da
guerra.
A 6 de Outubro de 1973 os exércitos do Egipto e da Síria atacaram de
surpresa Israel durante a celebração do Yom Kippur, com o objectivo de
reconquistarem os territórios que tinham perdido.
A Guerra do Yom Kippur (1973) começou quando Egito e Síria lançaram
um ataque surpresa em conjunto, no dia do jejum judeu, no Sinai e nas
Colinas de Golã. Os egípcios e sírios avançaram durante as primeiras 48
horas, após o que o conflito começou a balançar em favor de Israel. Na
segunda semana da guerra, os sírios foram completamente expulsos
das Colinas de Golã. No Sinai ao sul, os israelitas atacaram o ponto de
encontro de dois exércitos egípcios invasores, cruzaram o Canal de Suez
(antiga linha de cessar-fogo), e cortaram todo o exército egípcio assim
que um cessar-fogo das Nações Unidas entrou em vigor. As tropas
israelitas finalmente retiraram-se da região oeste do canal e os egípcios
mantiveram as suas posições sobre uma estreita faixa no leste
permitindo-lhes a reabrir o Canal de Suez e clamar a vitória.
A Organização para a Libertação da Palestina (OLP; em árabe: ‫منظمة‬
‫التحرير‬‫الفلسطينية‬) é uma organização política e paramilitar tida pela Liga
Árabe desde outubro de 1974 como a "única representante legítima do
povo palestino."
Fundada durante um encontro de 422 figuras nacionais palestinas em
Jerusalém, em maio de 1964, depois de uma decisão anterior da Liga
Árabe, sua meta era a liberação da Palestina através da luta armada. O
estatuto original da OLP, promulgado em 28 de maio do mesmo ano,
declarou que a "Palestina, com as fronteiras que existiam no tempo do
Mandato Britânico, é uma unidade regional integral" e procurava
"proibir a existência e a atividade" do sionismo. Também advoga o
direito de retorno e a autodeterminação dos palestinos. O Estado
palestino não é mencionado, embora em 1974 a organização tenha
passado a reclamar um Estado independente no território do Mandato
Britânico.[5] O grupo utilizou-se de táticas de guerrilha para atacar
Israel a partir de suas bases na Jordânia, Líbano e Síria, assim como de
dentro da Faixa de Gaza e da Cisjordânia.[6] A OLP foi considerada
tanto pelos Estados Unidos quanto por diversos outros países
ocidentais como uma organização terrorista, até a Conferência de
Madri, em 1991, e por Israel até 1993, pouco antes dos acordos de
Oslo.
Situação atual: Em verde, a
região restante que ainda é
administrada pela
Autoridade Nacional
Palestina (sob Oslo 2). A
linha azul demarca as
fronteiras dos territórios
controlados pelo governo
israelense.
A Guerra do Líbano de 1982,
também conhecida como
Primeira Guerra do começou em
6 de junho de 1982, quando as
Forças de Defesa de Israel
invadiram o sul do Líbano -
oficialmente, com o objetivo de
fazer cessar os ataques dos
palestinos da Organização para a
Libertação da Palestina (OLP),
baseada no Líbano. Nesse dia,
com o apoio de milícias libanesas,
Israel invadiu o Líbano, chegando
até a capital do país, Beirute.
Após dois meses de intensos
bombardeios israelenses, foi
negociada a retirada da OLP da
capital libanesa. No ano seguinte,
a organização palestina deixou o
país.
Fatah ou Al-Fatah, literalmente: "Movimento de Libertação Nacional da Palestina", é uma organização política e militar, fundada em 1959
pelo engenheiro Yasser Arafat e Khalil al-Wazir (Abu Jihad), e outros membros da diáspora palestina, como Salah Khalaf e Khaled Yashruti.
É a maior facção da Organização para a Libertação da Palestina (OLP), uma confederação multipartidária. Pode ser definido como um
partido de centro-esquerda no contexto da política palestina. É essencialmente nacionalista e Laico. O partido é menos radical que o
Hamas e atualmente prega a reconciliação entre palestinos e israelenses. Esta é uma das principais razões de sua aceitação internacional
O Hamas, "Movimento de Resistência Islâmica" é uma organização palestina, de orientação sunita, que inclui uma entidade filantrópica,
um partido político e um braço armado, as Brigadas Izz ad-Din al-Qassam. É o mais importante movimento fundamentalista islâmico da
Palestina.
Hezbollah ou Hizbollah, "partido de Deus" é uma organização com atuação política e paramilitar fundamentalista islâmica xiita sediada
no Líbano. É uma força significativa na política libanesa, responsável por diversos serviços sociais, além de operar escolas, hospitais e
serviços agrícolas para milhares de xiitas libaneses na divisa com a Síria. É considerado um movimento de resistência legítimo por
grande parte do mundo islâmico e árabe.
Irgun "Organização Militar Nacional na Terra de Israel", foi uma organização paramilitar sionista que operou durante o Mandato
Britânico da Palestina (1931 - 1948). Em Israel, é comumente referida pelo acrônimo lexicalizado Etzel.
Lehi , Lutadores para a Liberdade de Israel, foi um grupo armado sionista que operava clandestinamente no Mandato Britânico da
Palestina entre 1940 e 1948. Seu principal objetivo era expulsar os britânicos da Palestina para permitir a livre imigração de judeus para a
região e criar um Estado judaico (Israel)
GRUPOS PARAMILITARES OU TERRORISTAS (?)
O Exército do Sul do Líbano é uma milícia constituída majoritariamente de libaneses cristãos, armada, treinada e financiada por Israel.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Conflitos árabe israelenses
Conflitos árabe israelensesConflitos árabe israelenses
Conflitos árabe israelenses
KarinyLobato
 
Israel vs palestina
Israel vs palestinaIsrael vs palestina
Israel vs palestina
turmac12
 
Entendendo o conflito israel x palestina
Entendendo o conflito israel x palestinaEntendendo o conflito israel x palestina
Entendendo o conflito israel x palestina
Eduardo Mendes
 
A Criação do Estado de Israel e a Questão Palestina
A Criação do Estado de Israel e a Questão PalestinaA Criação do Estado de Israel e a Questão Palestina
A Criação do Estado de Israel e a Questão Palestina
eiprofessor
 
Israel e Palestina
Israel e PalestinaIsrael e Palestina
Israel e Palestina
Silvia Cintra
 
Conflito Árabe-Israelense e a Questão Palestina
Conflito Árabe-Israelense e a Questão PalestinaConflito Árabe-Israelense e a Questão Palestina
Conflito Árabe-Israelense e a Questão Palestina
Elton Zanoni
 
Israel e a questão palestina
Israel e a questão palestinaIsrael e a questão palestina
Israel e a questão palestina
Fernanda Lopes
 
Conflito árabe israelense
Conflito árabe israelenseConflito árabe israelense
Conflito árabe israelense
ElvisJohnR
 
Conflitos Árabes Israelenses.
Conflitos Árabes Israelenses.Conflitos Árabes Israelenses.
Conflitos Árabes Israelenses.
marise brandao
 
Conflitos Árabes-Israelenses
Conflitos Árabes-IsraelensesConflitos Árabes-Israelenses
Conflitos Árabes-Israelenses
Isaquel Silva
 
Conflito Israel x Palestina
Conflito Israel x PalestinaConflito Israel x Palestina
Conflito Israel x Palestina
VanChamma
 
Questão palestina
Questão palestinaQuestão palestina
Questão palestina
harlissoncarvalho
 
Questão judaico palestina
Questão judaico palestinaQuestão judaico palestina
Questão judaico palestina
Pérysson Nogueira
 
CONFLITOS ENTRE JUDEUS E ÁRABES
CONFLITOS ENTRE JUDEUS E ÁRABESCONFLITOS ENTRE JUDEUS E ÁRABES
CONFLITOS ENTRE JUDEUS E ÁRABES
Antonio Marcos Nunes dos Reis Marcos
 
Israel e os conflitos árabes
Israel e os conflitos árabesIsrael e os conflitos árabes
Israel e os conflitos árabes
ana1935
 
Conflito Entre Israel e a Palestina
Conflito Entre Israel e a PalestinaConflito Entre Israel e a Palestina
Conflito Entre Israel e a Palestina
Henrique Abrantes
 
Conflito israel-palestinos - Breve histórico
Conflito israel-palestinos - Breve históricoConflito israel-palestinos - Breve histórico
Conflito israel-palestinos - Breve histórico
Raniere Menezes
 
Conflito entre Israel e Palestina
Conflito entre Israel e PalestinaConflito entre Israel e Palestina
Conflito entre Israel e Palestina
João Oliveira
 
O conflito entre árabes e judeus na palestina
O conflito entre árabes e judeus na palestinaO conflito entre árabes e judeus na palestina
O conflito entre árabes e judeus na palestina
Google
 
Ásia - Oriente Médio - Israel e Palestina
Ásia - Oriente Médio - Israel e PalestinaÁsia - Oriente Médio - Israel e Palestina
Ásia - Oriente Médio - Israel e Palestina
Gerson Francisco de Moraes
 

Mais procurados (20)

Conflitos árabe israelenses
Conflitos árabe israelensesConflitos árabe israelenses
Conflitos árabe israelenses
 
Israel vs palestina
Israel vs palestinaIsrael vs palestina
Israel vs palestina
 
Entendendo o conflito israel x palestina
Entendendo o conflito israel x palestinaEntendendo o conflito israel x palestina
Entendendo o conflito israel x palestina
 
A Criação do Estado de Israel e a Questão Palestina
A Criação do Estado de Israel e a Questão PalestinaA Criação do Estado de Israel e a Questão Palestina
A Criação do Estado de Israel e a Questão Palestina
 
Israel e Palestina
Israel e PalestinaIsrael e Palestina
Israel e Palestina
 
Conflito Árabe-Israelense e a Questão Palestina
Conflito Árabe-Israelense e a Questão PalestinaConflito Árabe-Israelense e a Questão Palestina
Conflito Árabe-Israelense e a Questão Palestina
 
Israel e a questão palestina
Israel e a questão palestinaIsrael e a questão palestina
Israel e a questão palestina
 
Conflito árabe israelense
Conflito árabe israelenseConflito árabe israelense
Conflito árabe israelense
 
Conflitos Árabes Israelenses.
Conflitos Árabes Israelenses.Conflitos Árabes Israelenses.
Conflitos Árabes Israelenses.
 
Conflitos Árabes-Israelenses
Conflitos Árabes-IsraelensesConflitos Árabes-Israelenses
Conflitos Árabes-Israelenses
 
Conflito Israel x Palestina
Conflito Israel x PalestinaConflito Israel x Palestina
Conflito Israel x Palestina
 
Questão palestina
Questão palestinaQuestão palestina
Questão palestina
 
Questão judaico palestina
Questão judaico palestinaQuestão judaico palestina
Questão judaico palestina
 
CONFLITOS ENTRE JUDEUS E ÁRABES
CONFLITOS ENTRE JUDEUS E ÁRABESCONFLITOS ENTRE JUDEUS E ÁRABES
CONFLITOS ENTRE JUDEUS E ÁRABES
 
Israel e os conflitos árabes
Israel e os conflitos árabesIsrael e os conflitos árabes
Israel e os conflitos árabes
 
Conflito Entre Israel e a Palestina
Conflito Entre Israel e a PalestinaConflito Entre Israel e a Palestina
Conflito Entre Israel e a Palestina
 
Conflito israel-palestinos - Breve histórico
Conflito israel-palestinos - Breve históricoConflito israel-palestinos - Breve histórico
Conflito israel-palestinos - Breve histórico
 
Conflito entre Israel e Palestina
Conflito entre Israel e PalestinaConflito entre Israel e Palestina
Conflito entre Israel e Palestina
 
O conflito entre árabes e judeus na palestina
O conflito entre árabes e judeus na palestinaO conflito entre árabes e judeus na palestina
O conflito entre árabes e judeus na palestina
 
Ásia - Oriente Médio - Israel e Palestina
Ásia - Oriente Médio - Israel e PalestinaÁsia - Oriente Médio - Israel e Palestina
Ásia - Oriente Médio - Israel e Palestina
 

Semelhante a Conflito árabe israelense

O conflito entre árabes e judeus na palestina
O conflito entre árabes e judeus na palestinaO conflito entre árabes e judeus na palestina
O conflito entre árabes e judeus na palestina
Google
 
Oriente médio
Oriente médioOriente médio
Oriente médio
Luiza Meneses
 
Oriente médio
Oriente médioOriente médio
Israel e palestina
Israel e palestinaIsrael e palestina
Israel e palestina
AntniaRibeiroRibeiro
 
PALESTINA
PALESTINAPALESTINA
PALESTINA
beaguiar
 
O CONFLITO ENTRE JUDEUS E PALESTINOS E SEUS CENÁRIOS FUTUROS.pdf
O CONFLITO ENTRE JUDEUS E PALESTINOS E SEUS CENÁRIOS FUTUROS.pdfO CONFLITO ENTRE JUDEUS E PALESTINOS E SEUS CENÁRIOS FUTUROS.pdf
O CONFLITO ENTRE JUDEUS E PALESTINOS E SEUS CENÁRIOS FUTUROS.pdf
Faga1939
 
Resumo do conflito israel x palestina 2
Resumo do conflito israel x palestina 2Resumo do conflito israel x palestina 2
Resumo do conflito israel x palestina 2
Google
 
Conflitos contemporâneos no oriente médio
Conflitos contemporâneos no oriente médioConflitos contemporâneos no oriente médio
Conflitos contemporâneos no oriente médio
Guilherme Lúo
 
Sociologia
SociologiaSociologia
Sociologia
Carol Silva
 
Conflito israelo-árabe: subsídios para a sua compreensão
Conflito israelo-árabe: subsídios para a sua compreensãoConflito israelo-árabe: subsídios para a sua compreensão
Conflito israelo-árabe: subsídios para a sua compreensão
Maria Gomes
 
Oriente medio israel palestina prevupe
Oriente medio israel palestina prevupeOriente medio israel palestina prevupe
Oriente medio israel palestina prevupe
Italo Alan
 
URGE CELEBRAR A PAZ ENTRE O ESTADO DE ISRAEL E O POVO DA PALESTINA.pdf
URGE CELEBRAR A PAZ ENTRE O ESTADO DE ISRAEL E O POVO DA PALESTINA.pdfURGE CELEBRAR A PAZ ENTRE O ESTADO DE ISRAEL E O POVO DA PALESTINA.pdf
URGE CELEBRAR A PAZ ENTRE O ESTADO DE ISRAEL E O POVO DA PALESTINA.pdf
Faga1939
 
Israelpalestina1
Israelpalestina1Israelpalestina1
Israelpalestina1
Bruno Celidonio
 
URGE CELEBRAR A PAZ ENTRE ISRAEL E PALESTINA
URGE CELEBRAR A PAZ ENTRE ISRAEL E PALESTINAURGE CELEBRAR A PAZ ENTRE ISRAEL E PALESTINA
URGE CELEBRAR A PAZ ENTRE ISRAEL E PALESTINA
Fernando Alcoforado
 
URGE CELEBRAR A PAZ ENTRE ISRAEL E PALESTINA
URGE CELEBRAR A PAZ ENTRE ISRAEL E PALESTINAURGE CELEBRAR A PAZ ENTRE ISRAEL E PALESTINA
URGE CELEBRAR A PAZ ENTRE ISRAEL E PALESTINA
Fernando Alcoforado
 
URGE CELEBRAR A PAZ ENTRE ISRAEL E PALESTINA
URGE CELEBRAR A PAZ ENTRE ISRAEL E PALESTINAURGE CELEBRAR A PAZ ENTRE ISRAEL E PALESTINA
URGE CELEBRAR A PAZ ENTRE ISRAEL E PALESTINA
Fernando Alcoforado
 
URGE CELEBRAR A PAZ ENTRE ISRAEL E PALESTINA
URGE CELEBRAR A PAZ ENTRE ISRAEL E PALESTINAURGE CELEBRAR A PAZ ENTRE ISRAEL E PALESTINA
URGE CELEBRAR A PAZ ENTRE ISRAEL E PALESTINA
Fernando Alcoforado
 
URGE CELEBRAR A PAZ ENTRE ISRAEL E PALESTINA
URGE CELEBRAR A PAZ ENTRE ISRAEL E PALESTINAURGE CELEBRAR A PAZ ENTRE ISRAEL E PALESTINA
URGE CELEBRAR A PAZ ENTRE ISRAEL E PALESTINA
Fernando Alcoforado
 
Israel e a questão palestina
Israel e a questão palestinaIsrael e a questão palestina
Israel e a questão palestina
karolgandra01
 
Palestinos judeus revisado
Palestinos judeus revisadoPalestinos judeus revisado
Palestinos judeus revisado
Moacir E Nalin
 

Semelhante a Conflito árabe israelense (20)

O conflito entre árabes e judeus na palestina
O conflito entre árabes e judeus na palestinaO conflito entre árabes e judeus na palestina
O conflito entre árabes e judeus na palestina
 
Oriente médio
Oriente médioOriente médio
Oriente médio
 
Oriente médio
Oriente médioOriente médio
Oriente médio
 
Israel e palestina
Israel e palestinaIsrael e palestina
Israel e palestina
 
PALESTINA
PALESTINAPALESTINA
PALESTINA
 
O CONFLITO ENTRE JUDEUS E PALESTINOS E SEUS CENÁRIOS FUTUROS.pdf
O CONFLITO ENTRE JUDEUS E PALESTINOS E SEUS CENÁRIOS FUTUROS.pdfO CONFLITO ENTRE JUDEUS E PALESTINOS E SEUS CENÁRIOS FUTUROS.pdf
O CONFLITO ENTRE JUDEUS E PALESTINOS E SEUS CENÁRIOS FUTUROS.pdf
 
Resumo do conflito israel x palestina 2
Resumo do conflito israel x palestina 2Resumo do conflito israel x palestina 2
Resumo do conflito israel x palestina 2
 
Conflitos contemporâneos no oriente médio
Conflitos contemporâneos no oriente médioConflitos contemporâneos no oriente médio
Conflitos contemporâneos no oriente médio
 
Sociologia
SociologiaSociologia
Sociologia
 
Conflito israelo-árabe: subsídios para a sua compreensão
Conflito israelo-árabe: subsídios para a sua compreensãoConflito israelo-árabe: subsídios para a sua compreensão
Conflito israelo-árabe: subsídios para a sua compreensão
 
Oriente medio israel palestina prevupe
Oriente medio israel palestina prevupeOriente medio israel palestina prevupe
Oriente medio israel palestina prevupe
 
URGE CELEBRAR A PAZ ENTRE O ESTADO DE ISRAEL E O POVO DA PALESTINA.pdf
URGE CELEBRAR A PAZ ENTRE O ESTADO DE ISRAEL E O POVO DA PALESTINA.pdfURGE CELEBRAR A PAZ ENTRE O ESTADO DE ISRAEL E O POVO DA PALESTINA.pdf
URGE CELEBRAR A PAZ ENTRE O ESTADO DE ISRAEL E O POVO DA PALESTINA.pdf
 
Israelpalestina1
Israelpalestina1Israelpalestina1
Israelpalestina1
 
URGE CELEBRAR A PAZ ENTRE ISRAEL E PALESTINA
URGE CELEBRAR A PAZ ENTRE ISRAEL E PALESTINAURGE CELEBRAR A PAZ ENTRE ISRAEL E PALESTINA
URGE CELEBRAR A PAZ ENTRE ISRAEL E PALESTINA
 
URGE CELEBRAR A PAZ ENTRE ISRAEL E PALESTINA
URGE CELEBRAR A PAZ ENTRE ISRAEL E PALESTINAURGE CELEBRAR A PAZ ENTRE ISRAEL E PALESTINA
URGE CELEBRAR A PAZ ENTRE ISRAEL E PALESTINA
 
URGE CELEBRAR A PAZ ENTRE ISRAEL E PALESTINA
URGE CELEBRAR A PAZ ENTRE ISRAEL E PALESTINAURGE CELEBRAR A PAZ ENTRE ISRAEL E PALESTINA
URGE CELEBRAR A PAZ ENTRE ISRAEL E PALESTINA
 
URGE CELEBRAR A PAZ ENTRE ISRAEL E PALESTINA
URGE CELEBRAR A PAZ ENTRE ISRAEL E PALESTINAURGE CELEBRAR A PAZ ENTRE ISRAEL E PALESTINA
URGE CELEBRAR A PAZ ENTRE ISRAEL E PALESTINA
 
URGE CELEBRAR A PAZ ENTRE ISRAEL E PALESTINA
URGE CELEBRAR A PAZ ENTRE ISRAEL E PALESTINAURGE CELEBRAR A PAZ ENTRE ISRAEL E PALESTINA
URGE CELEBRAR A PAZ ENTRE ISRAEL E PALESTINA
 
Israel e a questão palestina
Israel e a questão palestinaIsrael e a questão palestina
Israel e a questão palestina
 
Palestinos judeus revisado
Palestinos judeus revisadoPalestinos judeus revisado
Palestinos judeus revisado
 

Último

DNA e RNA - Estrutura dos Ácidos nucleicos
DNA e RNA - Estrutura dos Ácidos nucleicosDNA e RNA - Estrutura dos Ácidos nucleicos
DNA e RNA - Estrutura dos Ácidos nucleicos
jonny615148
 
said edward w - orientalismo. livro de história pdf
said edward w - orientalismo. livro de história pdfsaid edward w - orientalismo. livro de história pdf
said edward w - orientalismo. livro de história pdf
ThiagoRORISDASILVA1
 
Aula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdf
Aula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdfAula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdf
Aula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdf
AntonioAngeloNeves
 
Tabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasn
Tabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasnTabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasn
Tabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasn
CarlosJean21
 
Pedagogia universitária em ciência e tecnologia
Pedagogia universitária em ciência e tecnologiaPedagogia universitária em ciência e tecnologia
Pedagogia universitária em ciência e tecnologia
Nertan Dias
 
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionaisResumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
beatrizsilva525654
 
Primeira fase do modernismo Mapa Mental.pdf
Primeira fase do modernismo Mapa Mental.pdfPrimeira fase do modernismo Mapa Mental.pdf
Primeira fase do modernismo Mapa Mental.pdf
Maurício Bratz
 
Aula 1 - Ordem Mundial Aula de Geografia
Aula 1 - Ordem Mundial Aula de GeografiaAula 1 - Ordem Mundial Aula de Geografia
Aula 1 - Ordem Mundial Aula de Geografia
WELTONROBERTOFREITAS
 
cidadas 5° ano - ensino fundamental 2 ..
cidadas 5° ano - ensino fundamental 2 ..cidadas 5° ano - ensino fundamental 2 ..
cidadas 5° ano - ensino fundamental 2 ..
MatheusSousa716350
 
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 02.pptx
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 02.pptxVivendo a Arquitetura Salesforce - 02.pptx
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 02.pptx
Mauricio Alexandre Silva
 
O século XVII e o nascimento da pedagogia.pptx
O século XVII e o nascimento da pedagogia.pptxO século XVII e o nascimento da pedagogia.pptx
O século XVII e o nascimento da pedagogia.pptx
geiseortiz1
 
Slides Lição 12, Betel, Ordenança para amar o próximo, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, Betel, Ordenança para amar o próximo, 2Tr24.pptxSlides Lição 12, Betel, Ordenança para amar o próximo, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, Betel, Ordenança para amar o próximo, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
MAPAS MENTAIS Conhecimentos Pedagógicos - ATUALIZADO 2024 PROF. Fernanda.pdf
MAPAS MENTAIS Conhecimentos Pedagógicos - ATUALIZADO 2024 PROF. Fernanda.pdfMAPAS MENTAIS Conhecimentos Pedagógicos - ATUALIZADO 2024 PROF. Fernanda.pdf
MAPAS MENTAIS Conhecimentos Pedagógicos - ATUALIZADO 2024 PROF. Fernanda.pdf
GracinhaSantos6
 
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
fran0410
 
PALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇO
PALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇOPALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇO
PALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇO
ARIADNEMARTINSDACRUZ
 
ATIVIDADES de alfabetização do mês de junho
ATIVIDADES de alfabetização do mês de junhoATIVIDADES de alfabetização do mês de junho
ATIVIDADES de alfabetização do mês de junho
Crisnaiara
 
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdfUFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
Manuais Formação
 
Psicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptx
Psicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptxPsicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptx
Psicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptx
TiagoLouro8
 
Atividade Bio evolução e especiação .docx
Atividade Bio evolução e especiação .docxAtividade Bio evolução e especiação .docx
Atividade Bio evolução e especiação .docx
MARCELARUBIAGAVA
 
Aula de filosofia sobre Sexo, Gênero e sexualidade
Aula de filosofia sobre Sexo, Gênero e sexualidadeAula de filosofia sobre Sexo, Gênero e sexualidade
Aula de filosofia sobre Sexo, Gênero e sexualidade
AlessandraRibas7
 

Último (20)

DNA e RNA - Estrutura dos Ácidos nucleicos
DNA e RNA - Estrutura dos Ácidos nucleicosDNA e RNA - Estrutura dos Ácidos nucleicos
DNA e RNA - Estrutura dos Ácidos nucleicos
 
said edward w - orientalismo. livro de história pdf
said edward w - orientalismo. livro de história pdfsaid edward w - orientalismo. livro de história pdf
said edward w - orientalismo. livro de história pdf
 
Aula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdf
Aula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdfAula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdf
Aula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdf
 
Tabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasn
Tabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasnTabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasn
Tabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasn
 
Pedagogia universitária em ciência e tecnologia
Pedagogia universitária em ciência e tecnologiaPedagogia universitária em ciência e tecnologia
Pedagogia universitária em ciência e tecnologia
 
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionaisResumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
 
Primeira fase do modernismo Mapa Mental.pdf
Primeira fase do modernismo Mapa Mental.pdfPrimeira fase do modernismo Mapa Mental.pdf
Primeira fase do modernismo Mapa Mental.pdf
 
Aula 1 - Ordem Mundial Aula de Geografia
Aula 1 - Ordem Mundial Aula de GeografiaAula 1 - Ordem Mundial Aula de Geografia
Aula 1 - Ordem Mundial Aula de Geografia
 
cidadas 5° ano - ensino fundamental 2 ..
cidadas 5° ano - ensino fundamental 2 ..cidadas 5° ano - ensino fundamental 2 ..
cidadas 5° ano - ensino fundamental 2 ..
 
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 02.pptx
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 02.pptxVivendo a Arquitetura Salesforce - 02.pptx
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 02.pptx
 
O século XVII e o nascimento da pedagogia.pptx
O século XVII e o nascimento da pedagogia.pptxO século XVII e o nascimento da pedagogia.pptx
O século XVII e o nascimento da pedagogia.pptx
 
Slides Lição 12, Betel, Ordenança para amar o próximo, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, Betel, Ordenança para amar o próximo, 2Tr24.pptxSlides Lição 12, Betel, Ordenança para amar o próximo, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, Betel, Ordenança para amar o próximo, 2Tr24.pptx
 
MAPAS MENTAIS Conhecimentos Pedagógicos - ATUALIZADO 2024 PROF. Fernanda.pdf
MAPAS MENTAIS Conhecimentos Pedagógicos - ATUALIZADO 2024 PROF. Fernanda.pdfMAPAS MENTAIS Conhecimentos Pedagógicos - ATUALIZADO 2024 PROF. Fernanda.pdf
MAPAS MENTAIS Conhecimentos Pedagógicos - ATUALIZADO 2024 PROF. Fernanda.pdf
 
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
 
PALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇO
PALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇOPALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇO
PALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇO
 
ATIVIDADES de alfabetização do mês de junho
ATIVIDADES de alfabetização do mês de junhoATIVIDADES de alfabetização do mês de junho
ATIVIDADES de alfabetização do mês de junho
 
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdfUFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
 
Psicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptx
Psicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptxPsicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptx
Psicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptx
 
Atividade Bio evolução e especiação .docx
Atividade Bio evolução e especiação .docxAtividade Bio evolução e especiação .docx
Atividade Bio evolução e especiação .docx
 
Aula de filosofia sobre Sexo, Gênero e sexualidade
Aula de filosofia sobre Sexo, Gênero e sexualidadeAula de filosofia sobre Sexo, Gênero e sexualidade
Aula de filosofia sobre Sexo, Gênero e sexualidade
 

Conflito árabe israelense

  • 2. tensões entre judeus e árabes começaram a emergir a partir da década de 1880 do século XIX, quando judeus provenientes da Europa começaram a emigrar, formando e aumentando comunidades judaicas na Palestina. os antigos judeus desde os tempos bíblicos chamaram sua terra de Israel, Canaã, Judeia, Samaria, Galileia e outros nomes há muito tempo. o Império Romano dominou esta área, e, ao suprimir várias rebeliões judaicas, destruiu o templo judaico na cidade de Jerusalém, matou um grande número de judeus, e forçou muitos outros a deixar sua terra natal em um êxodo chamado diáspora. Nesta ocasião, o Império Romano mudou o nome da Terra de Israel para Palestina. Após a diáspora, os muçulmanos de língua árabe, que invadiram a Palestina no século VII, durante a expansão do Islão, tornaram-se o grupo étnico dominante. De acordo com registros do Império Otomano, que governou a Palestina durante vários séculos, no ano de 1900, a população da Palestina era 600.000, dos quais 94% eram árabes.
  • 3. Mandato Britânico na Palestina, o Reino Unido estabelece uma administração semicolonial, que apesar da Declaração de Balfour é reticente quanto à emigração judaica, tentando apaziguar a reação da população árabe - receosa de que os judeus voltassem a sua terra de origem e formassem um estado que acabaria com a profecia de estabelecimento do califado árabe Em 1917, o governo britânico, através da Declaração Balfour (uma carta de Arthur Balfour, secretário britânico dos Assuntos Estrangeiros, ao Barão Rothschild, líder da comunidade judaica do Reino Unido), manifestou seu apoio ao plano sionista de colonizar a Palestina e lá estabelecer o "lar nacional judeu". Poucos anos depois, em 1922, a Liga das Nações aprovou o Mandato Britânico da Palestina. O mandato previa que a mandatária se responsabilizaria por colocar em prática a Declaração Balfour, isto é, favorecer o estabelecimento, na Palestina, de um lar nacional para povo judeu. Após a Segunda Guerra Mundial, a criação do lar nacional judeu passou a ser vista pela opinião pública como uma forma de reparação pelo Holocausto.
  • 4. Pouco depois do fim da Segunda Guerra Mundial, em maio de 1947, a ONU, a pedido do Reino Unido, criou o UNSCOP (United Nations Special Committee on Palestine), para elaborar o plano de partição da área do Mandato Britânico da Palestina. O plano consistia na partição da banda ocidental do território em dois Estados - um judeu e outro árabe -, ficando as áreas de Jerusalém e Belém sob controlo internacional. 53% do território seriam atribuídos aos 700 mil judeus, e 47% aos 1 milhão e 400 mil árabes sendo desses 900 mil que imigraram durante o inicio do século XX e 500 mil viviam no local (antes desse acontecimento, judeus provenientes da Europa Ocidental e do norte da África também já haviam imigrado a Palestina se juntando a outros poucos milhares de judeus que viviam historicamente ali, anteriormente à publicação dos Livros Brancos, e comprado 65% das terras daquela região, do antigo mandato turco-otomano, por isso essa proporção de terras).
  • 5. Situação em 1947: Mandato da Palestina, mostrando em azul as áreas controladas por judeus na Palestina em 1947, que constituíam 6% da área territorial do mandato, das quais mais da metade eram controladas pelo Fundo Nacional Judaico (FNJ) e pela Associação da Colonização Judaica da Palestina. A população de judeus cresceu de 83 790 pessoas em 1922 para 608 000 em 1946. Proposta de 1947: Proposta do plano da ONU para a partilha da Palestina de 1947 (Assembleia Geral das Nações Unidas - Resolução 181 (II), 1947), antes da Guerra árabe-israelense de 1948. A proposta incluía o corpus separatum de Jerusalém, estradas extraterritoriais entre as áreas não contíguas e a consolidação de Jaffa como uma exclave árabe.
  • 6. Em 14 de maio de 1948, à meia-noite, termina oficialmente o mandato britânico da Palestina. Já numa fase adiantada da guerra civil na Palestina, David Ben-Gurion declara a Independência do Estado de Israel, reconhecida imediatamente pela União Soviética e pelos Estados Unidos. Ao longo do dia, o Estado de Israel é proclamado em várias partes do território. Os Estados árabes vizinhos, que contestam a criação de Israel, decidem intervir. Os exércitos do Egito, Iraque, Líbano, Síria e Transjordânia - aos quais se incorporam as forças árabes palestinas remanescentes-, com apoio político de outros países, entram na Palestina. Começa a primeira de uma série de guerras que iriam constituir o longo conflito árabe-israelense. A guerra de 1948-1949 foi vencida pelos israelenses, que ampliaram o seu domínio por uma área de 20 mil km² (75% da superfície da Palestina). O território restante foi ocupado pela Jordânia, que anexou a Cisjordânia, e pelo Egito, que ocupou a Faixa de Gaza. A guerra civil palestina e a guerra árabe-israelense provocaram o deslocamento de aproximadamente 900 mil palestinos, que deixaram as áreas incorporadas por Israel. Esse imenso contingente de refugiados permaneceu disperso pelos campos do Oriente Médio e, nos anos seguintes, será frequentemente referido como "a questão palestina" - que permanece sem solução até os dias atuais. Atualmente, segundo a UNRWA, o número de refugiados palestinos que vivem nos territórios ocupados, Líbano, Síria e Jordânia está próximo de cinco milhões. Situação entre 1948-67: Ocupação da Cisjordânia pela Jordânia e ocupação da Faixa de Gaza pelo Egito (observe a linha pontilhada entre os territórios palestinos e Jordânia/Egito) após a Guerra árabe- israelense de 1948, mostrando a linhas de armistício criadas em 1949 com Israel (linha azul).
  • 7.
  • 8. Crise de Suez, também conhecida como Guerra de Suez, foi uma crise política que teve início em 29 de outubro de 1956, quando Israel, com o apoio da França e Reino Unido, que utilizavam o canal para ter acesso ao comércio oriental, declarou guerra ao Egito A Guerra dos Seis Dias decorreu entre 5 e 10 de Junho de 1967. Foi desencadeada por Israel contra o Egito e a Jordânia nos termos de uma guerra preventiva, já que o estado israelita sentia-se ameaçado pela política pan árabe do presidente egípcio Nasser (que se traduziu em alianças militares com a Síria e a Jordânia) e pela partida de forças das Nações Unidas presentes no Sinai desde 1956. Alegando iminente um ataque do Egito e da Jordânia, Israel antecipou-se, atacando preventivamente. Reconhece-se atualmente, entretanto, que não havia quaisquer intenções agressivas dos países árabes atacados antes da guerra.
  • 9. A 6 de Outubro de 1973 os exércitos do Egipto e da Síria atacaram de surpresa Israel durante a celebração do Yom Kippur, com o objectivo de reconquistarem os territórios que tinham perdido. A Guerra do Yom Kippur (1973) começou quando Egito e Síria lançaram um ataque surpresa em conjunto, no dia do jejum judeu, no Sinai e nas Colinas de Golã. Os egípcios e sírios avançaram durante as primeiras 48 horas, após o que o conflito começou a balançar em favor de Israel. Na segunda semana da guerra, os sírios foram completamente expulsos das Colinas de Golã. No Sinai ao sul, os israelitas atacaram o ponto de encontro de dois exércitos egípcios invasores, cruzaram o Canal de Suez (antiga linha de cessar-fogo), e cortaram todo o exército egípcio assim que um cessar-fogo das Nações Unidas entrou em vigor. As tropas israelitas finalmente retiraram-se da região oeste do canal e os egípcios mantiveram as suas posições sobre uma estreita faixa no leste permitindo-lhes a reabrir o Canal de Suez e clamar a vitória.
  • 10. A Organização para a Libertação da Palestina (OLP; em árabe: ‫منظمة‬ ‫التحرير‬‫الفلسطينية‬) é uma organização política e paramilitar tida pela Liga Árabe desde outubro de 1974 como a "única representante legítima do povo palestino." Fundada durante um encontro de 422 figuras nacionais palestinas em Jerusalém, em maio de 1964, depois de uma decisão anterior da Liga Árabe, sua meta era a liberação da Palestina através da luta armada. O estatuto original da OLP, promulgado em 28 de maio do mesmo ano, declarou que a "Palestina, com as fronteiras que existiam no tempo do Mandato Britânico, é uma unidade regional integral" e procurava "proibir a existência e a atividade" do sionismo. Também advoga o direito de retorno e a autodeterminação dos palestinos. O Estado palestino não é mencionado, embora em 1974 a organização tenha passado a reclamar um Estado independente no território do Mandato Britânico.[5] O grupo utilizou-se de táticas de guerrilha para atacar Israel a partir de suas bases na Jordânia, Líbano e Síria, assim como de dentro da Faixa de Gaza e da Cisjordânia.[6] A OLP foi considerada tanto pelos Estados Unidos quanto por diversos outros países ocidentais como uma organização terrorista, até a Conferência de Madri, em 1991, e por Israel até 1993, pouco antes dos acordos de Oslo. Situação atual: Em verde, a região restante que ainda é administrada pela Autoridade Nacional Palestina (sob Oslo 2). A linha azul demarca as fronteiras dos territórios controlados pelo governo israelense.
  • 11. A Guerra do Líbano de 1982, também conhecida como Primeira Guerra do começou em 6 de junho de 1982, quando as Forças de Defesa de Israel invadiram o sul do Líbano - oficialmente, com o objetivo de fazer cessar os ataques dos palestinos da Organização para a Libertação da Palestina (OLP), baseada no Líbano. Nesse dia, com o apoio de milícias libanesas, Israel invadiu o Líbano, chegando até a capital do país, Beirute. Após dois meses de intensos bombardeios israelenses, foi negociada a retirada da OLP da capital libanesa. No ano seguinte, a organização palestina deixou o país.
  • 12. Fatah ou Al-Fatah, literalmente: "Movimento de Libertação Nacional da Palestina", é uma organização política e militar, fundada em 1959 pelo engenheiro Yasser Arafat e Khalil al-Wazir (Abu Jihad), e outros membros da diáspora palestina, como Salah Khalaf e Khaled Yashruti. É a maior facção da Organização para a Libertação da Palestina (OLP), uma confederação multipartidária. Pode ser definido como um partido de centro-esquerda no contexto da política palestina. É essencialmente nacionalista e Laico. O partido é menos radical que o Hamas e atualmente prega a reconciliação entre palestinos e israelenses. Esta é uma das principais razões de sua aceitação internacional O Hamas, "Movimento de Resistência Islâmica" é uma organização palestina, de orientação sunita, que inclui uma entidade filantrópica, um partido político e um braço armado, as Brigadas Izz ad-Din al-Qassam. É o mais importante movimento fundamentalista islâmico da Palestina. Hezbollah ou Hizbollah, "partido de Deus" é uma organização com atuação política e paramilitar fundamentalista islâmica xiita sediada no Líbano. É uma força significativa na política libanesa, responsável por diversos serviços sociais, além de operar escolas, hospitais e serviços agrícolas para milhares de xiitas libaneses na divisa com a Síria. É considerado um movimento de resistência legítimo por grande parte do mundo islâmico e árabe. Irgun "Organização Militar Nacional na Terra de Israel", foi uma organização paramilitar sionista que operou durante o Mandato Britânico da Palestina (1931 - 1948). Em Israel, é comumente referida pelo acrônimo lexicalizado Etzel. Lehi , Lutadores para a Liberdade de Israel, foi um grupo armado sionista que operava clandestinamente no Mandato Britânico da Palestina entre 1940 e 1948. Seu principal objetivo era expulsar os britânicos da Palestina para permitir a livre imigração de judeus para a região e criar um Estado judaico (Israel) GRUPOS PARAMILITARES OU TERRORISTAS (?) O Exército do Sul do Líbano é uma milícia constituída majoritariamente de libaneses cristãos, armada, treinada e financiada por Israel.