SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 33
O ALUNO COM DEFICIÊNCIA FÍSICA E
O COTIDIANO ESCOLAR
Professoras Responsáveis:
Janaina Larrate
Maristela Siqueira
Vera Lucia Val de Casas
E-mail: ofvivencialiha@rioeduca.net
Este material foi organizado pelas professoras que integram a
equipe da Oficina Vivencial de Ajudas Técnicas, serviço do Instituto
Municipal Helena Antipoff – SME/RJ .
Por questões didáticas, ele se refere aos alunos com Deficiência
Física, no entanto, o trabalho educacional não deve estar focado na
deficiência, mas nas necessidades e habilidades específicas de
cada aluno.
“O Atendimento Educacional especializado identifica, elabora e
organiza recursos pedagógicos e de acessibilidade, que eliminem
as barreiras para plena participação dos alunos, considerando suas
necessidades específicas.” (SEESP/MEC, 2008).
Acreditamos que as experiências aqui relacionadas podem
beneficiar qualquer aluno, desde que respeitadas suas habilidades
motoras, visuais, intelectuais e comunicativas.
Todos os materiais aqui apresentados fazem parte do acervo da
Oficina Vivencial.
Setembro, 2013
Compreendendo a Deficiência
Física
Deficiência Física - Alteração completa ou parcial
de um ou mais segmentos do corpo humano,
acarretando o comprometimento da função física,
apresentando-se sob forma de paraplegia,
paraparesia, monoplegia, monoparesia, tetraplegia,
tetraparesia, hemiplegia, hemiparesia, ostomia
amputação ou ausência de membros, paralisia
cerebral, nanismo, membros com deformidade
congênita, ou adquirida, exceto as deformidades
estéticas e as que não produzem dificuldades para
desempenho das funções. (BRASIL, decreto 5296/2006).
A deficiência física se refere ao comprometimento do
aparelho locomotor que compreende o Sistema
Osteoarticular, o Sistema Muscular e o Sistema
Nervoso. As doenças ou lesões que afetam
quaisquer desses sistemas, isoladamente ou em
conjunto, podem produzir grande limitações físicas
de grau e gravidades variáveis, segundo os
segmentos corporais afetados e o tipo de lesão
ocorrida. (BRASIL, 2006, p.28)
Dentre as causas da deficiência física,
destacamos:
 Paralisia cerebral
 Espinha bífida ( meningoceles)
 Lesão medular
 Amputação
 Malformações (ou má-formações)
 Síndromes / doenças osteomusculares /
musculares
 Nanismo
Deficiência Física e Educação
Os alunos com deficiência física podem apresentar
necessidades específicas relacionadas a locomoção,
ao posicionamento, à comunicação – oral e escrita –
e ao manuseio dos objetos de uso cotidiano,
principalmente dos recursos pedagógicos
convencionais.
O professor deverá lançar mão de recursos e
estratégias que favoreçam a participação e a
autonomia do aluno, possibilitando que ele vivencie
o currículo proposto para seu grupo de referência,
ainda que esse currículo sofra alterações para
atender as suas necessidades específicas.
Ao utilizar os recursos e serviços da Tecnologia
Assistiva o professor estará contribuindo para
independência e inclusão do aluno com deficiência,
uma vez que a TA contribui para ampliação de
habilidades funcionais, potencializando aquelas que
ele possui.
“Fazer TA na escola é buscar, com criatividade, uma
alternativa para que o aluno realize o que deseja ou
precisa. É encontrar uma estratégia para que ele
possa fazer de outro jeito. É valorizar seu jeito de
fazer e aumentar suas capacidades de ação e
interação a partir de suas habilidades.”
(BERSH, 2007)
Para cada necessidade específica do aluno há uma
área da TA que pode contribuir com recursos e
serviços, minimizando as barreiras e possibilitando o
acesso e a realização das atividades escolares
cotidianas. São elas:
Na escola os alunos interagem, se locomovem,
brincam, registram sua produção textual, comem,
bebem, utilizam o sanitário... Alunos com deficiência
física podem apresentar dificuldades para realizar o
que seu colegas realizam, por isso devemos buscar
caminhos alternativos que ampliem suas
possibilidades de autonomia e vida independente.
Locomoção – O Terapeuta Ocupacional é o
profissional responsável pela avaliação, prescrição e
dispensação de recursos para locomoção.
Os alunos da Rede Municipal de Ensino da Cidade do Rio de
Janeiro contam com o Instituto Oscar Clark para aquisição de
cadeira de rodas, andadores e muletas. Os agendamentos para
avaliação devem ser feitos pelo telefone: 21 2215 6045
Posicionamento – A avaliação do posicionamento e
a confecção de adaptações para essa finalidade são
de competência do TO.
O Centro de Vida Independente (CVI/RJ) possui um serviço de
adequação do posicionamento. Tel.: 21 2239-6547
Comunicação Oral – Alunos com paralisia cerebral
podem apresentar dificuldade ou impossibilidade de
se comunicarem através da fala.
A Comunicação Alternativa e Ampliada é a área
da TA que por objetivo tornar o sujeito com
distúrbio de comunicação o mais independente
possível em suas situações comunicativas,
podendo assim ampliar suas possiblidades de
interação com os outros, na escola e na
comunidade de uma maneira geral. (SCHIRMER,
2004).
A Comunicação Alternativa e Ampliada (CAA) é
toda forma de comunicação que complementa ou
substitui a linguagem oral e/ou escrita.
O aluno pode se comunicar através de expressão
corporal, expressão facial, choro, vocalizações,
balbucio, gestos, sinais, entre outros.
Pode, ainda, fazer uso de comunicadores,
pranchas de CAA, cartões, dispositivos móveis,
computador, etc.
Prancha Temática: O Circo
Pranchas Genéricas
Prancha Temática com Índice
Pranchas Alfabéticas
Comunicador em forma
de relógio
Tablet com Aplicativo TICO
Atividades Escolares – As atividades escolares
cotidianas bem como os materiais pedadagógicos
podem ser adaptados para favorecer a participação
do aluno.
Podemos introduzir um recurso que favoreça o
desempenho da atividade pretendida ou podemos
modificar a atividade, para que ela possa ser
concluída de outra forma. (BERSH e MACHADO,
2004).
A Tecnologia Assistiva, na perspectiva de inclusão
escolar, não deve se voltar unicamente a
promover uma habilidade no aluno, fazendo com
que ele realize tarefas como as de seus colegas. A
TA na educação será o meio pelo qual esse aluno
possa fazer do seu jeito e assim ele se tornará
protagonista de sua história, ativo no seu processo
de desenvolvimento e aquisição de
conhecimentos. (MEC 2006)
O que o aluno consegue realizar com autonomia;
A produção e utilização do recurso pedagógico
adaptado devem levar em conta:
O que o aluno consegue realizar com ajuda;
A ajuda necessária;
A atividade proposta para o grupo de referência
(turma comum);
As Necessidades Específicas do aluno;
Podemos dividi-los em:
1. Recursos de acesso à escrita e atividades
manuais;
Órteses
Adaptações Artesanais
Letras Móveis
Letras com tampas
de garrafa PET
Letras imantadas
2. Jogos e Brinquedos Adaptados;
3. Atividades Pedagógicas Adaptadas;
3.1 Leitura
3.1 Escrita
3.2 Conceitos Matemáticos
3.4. Demais áreas do conhecimento;
DENGUE
Algumas Estratégias de Ensino para a Sala de
Aula
 priorizar as atividades de maior relevância ou
diminuir a quantidade de exercícios em cada
atividade;
 organizar atividades que possam ser realizadas em
duplas ou grupos;
 inserir o uso de pranchas de Comunicação
Alternativa e Ampliada na rotina da sala: pranchas
pedagógicas ( escolha de atividades e conteúdos
trabalhados) e pranchas sociais (conversação).
Ações que Facilitam a Escrita:
 prender a folha com fita adesiva nos cantos;
 ampliar o tamanho da letra e o espaço para
resposta,
 aumentar o espaçamento entre frases e palavras
nos textos e exercícios;
 avaliar o uso de engrossadores de lápis ou
canetas com pontas mais grossas e/ou cor mais
forte, como Pilot e lápis 6b;
 oferecer um escriba: colega de turma, estagiário
ou professor,
 aceitar respostas orais;
 disponibilizar letras móveis, de tamanhos e
espessuras variadas, com velcro ou imantadas
 fazer uso de atividades de múltipla escolha;
 fazer uso da cópia carbonada;
 lançar mão do computador com os recursos de
acessibilidade adequados;
Referências Bibliográficas
RAPOLI, Edilene Aparecida...[et al.]. A Educação Escolar na
Perspectiva da Educação Inclusiva: a escola comum inclusiva. Brasilia:
Ministério da Educação, SEESP; [Fortaleza]: Universidade federal do
Ceará, 2010.
SCHIRMER, Carolina R...[et al.]. Atendimento Educa~cional
Especializado: Deficiência Física. São Paulo: MEC/SEESP, 2007.
MANZINE, Eduardo José; DELIBERATO, Débora. Portal de Ajudas
Técnicas para Educação: equipamento e material pedagógico para
educação, capacitação e recreação da pessoa com deficiência física:
recursos pedagógicos II. SEESP. Brasilia, 2007. Fascículo II.
Para saber mais, consulte:
 http:/ihainforma.wordpress.com
 http://portal.mec.gov.br/
 www.apcb.org.br
 www.paralisiacerebral.net
 www.nacpc.org.br
 www.hidrocefalia.com.br
 www.abradecar.org.br
 www.saci.org.br
 www.clik.com.br
 www.comunicacaoalternativa.com.br
 www.defnet.org.br
 www.distrofiamuscular.net
 www.defnet.org.br
 www.sarah.br
 www.aacd.org.br
 http://portalmec.gov.br/seesp/arq
uivos/pdf/aee_df.pdf
 http://portalmec.gov.br/seesp/arq
uivos/pdf/dffisica.pdf
 http://portalmec.gov.br/seesp/arq
uivos/pdf/deficienciafisica.pdf

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

O Atendimento Educacional Especializado- AEE nas Escolas
O Atendimento Educacional Especializado- AEE nas EscolasO Atendimento Educacional Especializado- AEE nas Escolas
O Atendimento Educacional Especializado- AEE nas Escolas
guest3d615bd
 
Política nacional de educação especial na perspectiva da educação inclusiva
Política nacional  de educação especial  na perspectiva da educação inclusivaPolítica nacional  de educação especial  na perspectiva da educação inclusiva
Política nacional de educação especial na perspectiva da educação inclusiva
ceciliaconserva
 
Características das pessoas com deficiências
Características das pessoas com deficiênciasCaracterísticas das pessoas com deficiências
Características das pessoas com deficiências
Cristiana Chaves
 
Aee apresentacao
Aee apresentacaoAee apresentacao
Aee apresentacao
luiscmf
 
Dificuldades De Aprendizagem
Dificuldades De AprendizagemDificuldades De Aprendizagem
Dificuldades De Aprendizagem
Maristela Couto
 

Mais procurados (20)

O Atendimento Educacional Especializado- AEE nas Escolas
O Atendimento Educacional Especializado- AEE nas EscolasO Atendimento Educacional Especializado- AEE nas Escolas
O Atendimento Educacional Especializado- AEE nas Escolas
 
Ensino Especial
Ensino EspecialEnsino Especial
Ensino Especial
 
Política nacional de educação especial na perspectiva da educação inclusiva
Política nacional  de educação especial  na perspectiva da educação inclusivaPolítica nacional  de educação especial  na perspectiva da educação inclusiva
Política nacional de educação especial na perspectiva da educação inclusiva
 
Slide educação especial
Slide educação especialSlide educação especial
Slide educação especial
 
Conheça a Aee
Conheça a AeeConheça a Aee
Conheça a Aee
 
Características das pessoas com deficiências
Características das pessoas com deficiênciasCaracterísticas das pessoas com deficiências
Características das pessoas com deficiências
 
Aee apresentacao
Aee apresentacaoAee apresentacao
Aee apresentacao
 
Educação infantil
Educação infantilEducação infantil
Educação infantil
 
O PAPEL DO CUIDADOR.MEDIADOR.pptx
O PAPEL DO CUIDADOR.MEDIADOR.pptxO PAPEL DO CUIDADOR.MEDIADOR.pptx
O PAPEL DO CUIDADOR.MEDIADOR.pptx
 
Professor de aee
Professor de aeeProfessor de aee
Professor de aee
 
Deficiência Intelectual
Deficiência IntelectualDeficiência Intelectual
Deficiência Intelectual
 
A EDUCAÇÃO EM UMA PRÁTICA INCLUSIVA, ACOLHENDO AS DIFERENÇAS
A EDUCAÇÃO EM UMA PRÁTICA INCLUSIVA, ACOLHENDO AS DIFERENÇASA EDUCAÇÃO EM UMA PRÁTICA INCLUSIVA, ACOLHENDO AS DIFERENÇAS
A EDUCAÇÃO EM UMA PRÁTICA INCLUSIVA, ACOLHENDO AS DIFERENÇAS
 
Dificuldades De Aprendizagem
Dificuldades De AprendizagemDificuldades De Aprendizagem
Dificuldades De Aprendizagem
 
Atendimento Educacional Especializado
Atendimento Educacional EspecializadoAtendimento Educacional Especializado
Atendimento Educacional Especializado
 
EJA e Educação Inclusiva
EJA e Educação InclusivaEJA e Educação Inclusiva
EJA e Educação Inclusiva
 
Tipos de avaliacao
Tipos de avaliacaoTipos de avaliacao
Tipos de avaliacao
 
Capacitação de educadores e cuidadores Educação Inclusiva
Capacitação de educadores e cuidadores Educação InclusivaCapacitação de educadores e cuidadores Educação Inclusiva
Capacitação de educadores e cuidadores Educação Inclusiva
 
Dificuldades de aprendizagem slides nº 01
Dificuldades de aprendizagem  slides nº 01Dificuldades de aprendizagem  slides nº 01
Dificuldades de aprendizagem slides nº 01
 
A INCLUSÃO ESCOLAR
A  INCLUSÃO ESCOLAR A  INCLUSÃO ESCOLAR
A INCLUSÃO ESCOLAR
 
Transtorno global de desenvolvimento - Capacitação 2011
Transtorno global de desenvolvimento - Capacitação 2011Transtorno global de desenvolvimento - Capacitação 2011
Transtorno global de desenvolvimento - Capacitação 2011
 

Semelhante a o aluno com deficiência física e a escola

Profª Graça:PNAIC-4º ENCONTRO-EDUCAÇÃO INCLUSIVA
Profª Graça:PNAIC-4º ENCONTRO-EDUCAÇÃO INCLUSIVAProfª Graça:PNAIC-4º ENCONTRO-EDUCAÇÃO INCLUSIVA
Profª Graça:PNAIC-4º ENCONTRO-EDUCAÇÃO INCLUSIVA
Graça Sousa
 
Atendimento educacional especializado.ppt2 libera limes-4-7-11congresso 2011
Atendimento educacional especializado.ppt2   libera limes-4-7-11congresso 2011Atendimento educacional especializado.ppt2   libera limes-4-7-11congresso 2011
Atendimento educacional especializado.ppt2 libera limes-4-7-11congresso 2011
Wildete Silva
 
Terapia ocupacional na educação
Terapia ocupacional na educaçãoTerapia ocupacional na educação
Terapia ocupacional na educação
Abrato-SC
 
Educação especial
Educação especialEducação especial
Educação especial
Educação
 
Unidade3 ativ3 plano_de_aula_autoria_de_objeto_hipermidia
Unidade3 ativ3 plano_de_aula_autoria_de_objeto_hipermidiaUnidade3 ativ3 plano_de_aula_autoria_de_objeto_hipermidia
Unidade3 ativ3 plano_de_aula_autoria_de_objeto_hipermidia
Silene Lívia
 
Unidade3 ativ3 plano_de_aula_autoria_de_objeto_hipermidia
Unidade3 ativ3 plano_de_aula_autoria_de_objeto_hipermidiaUnidade3 ativ3 plano_de_aula_autoria_de_objeto_hipermidia
Unidade3 ativ3 plano_de_aula_autoria_de_objeto_hipermidia
Silene Lívia
 
Unidade3 ativ3 plano_de_aula_autoria_de_objeto_hipermidia
Unidade3 ativ3 plano_de_aula_autoria_de_objeto_hipermidiaUnidade3 ativ3 plano_de_aula_autoria_de_objeto_hipermidia
Unidade3 ativ3 plano_de_aula_autoria_de_objeto_hipermidia
Silene Lívia
 
Apostila adaptações em deficiencia física 2011 (1)
Apostila adaptações  em deficiencia  física 2011 (1)Apostila adaptações  em deficiencia  física 2011 (1)
Apostila adaptações em deficiencia física 2011 (1)
Solange Das Graças Seno
 

Semelhante a o aluno com deficiência física e a escola (20)

Profª Graça:PNAIC-4º ENCONTRO-EDUCAÇÃO INCLUSIVA
Profª Graça:PNAIC-4º ENCONTRO-EDUCAÇÃO INCLUSIVAProfª Graça:PNAIC-4º ENCONTRO-EDUCAÇÃO INCLUSIVA
Profª Graça:PNAIC-4º ENCONTRO-EDUCAÇÃO INCLUSIVA
 
Encontro Educação Especial
Encontro Educação EspecialEncontro Educação Especial
Encontro Educação Especial
 
Artigo ed esp prot.
Artigo ed esp prot.Artigo ed esp prot.
Artigo ed esp prot.
 
Artigo ed esp prot.
Artigo ed esp prot.Artigo ed esp prot.
Artigo ed esp prot.
 
Sobre o IHA
Sobre o IHASobre o IHA
Sobre o IHA
 
Educação Inclusiva Janaína Maynard
Educação Inclusiva Janaína Maynard Educação Inclusiva Janaína Maynard
Educação Inclusiva Janaína Maynard
 
Atendimento educacional especializado.ppt2 libera limes-4-7-11congresso 2011
Atendimento educacional especializado.ppt2   libera limes-4-7-11congresso 2011Atendimento educacional especializado.ppt2   libera limes-4-7-11congresso 2011
Atendimento educacional especializado.ppt2 libera limes-4-7-11congresso 2011
 
Terapia ocupacional na educação
Terapia ocupacional na educaçãoTerapia ocupacional na educação
Terapia ocupacional na educação
 
ESPECTRO DO AUTISMO; FALARMOS DE ALUNBOS E DE APRENDIZAGENS
ESPECTRO DO AUTISMO; FALARMOS DE ALUNBOS E DE APRENDIZAGENSESPECTRO DO AUTISMO; FALARMOS DE ALUNBOS E DE APRENDIZAGENS
ESPECTRO DO AUTISMO; FALARMOS DE ALUNBOS E DE APRENDIZAGENS
 
Educação especial
Educação especialEducação especial
Educação especial
 
Marisange: Apresentação de estudo de caso
Marisange: Apresentação de estudo de casoMarisange: Apresentação de estudo de caso
Marisange: Apresentação de estudo de caso
 
Unidade3 ativ3 plano_de_aula_autoria_de_objeto_hipermidia
Unidade3 ativ3 plano_de_aula_autoria_de_objeto_hipermidiaUnidade3 ativ3 plano_de_aula_autoria_de_objeto_hipermidia
Unidade3 ativ3 plano_de_aula_autoria_de_objeto_hipermidia
 
Unidade3 ativ3 plano_de_aula_autoria_de_objeto_hipermidia
Unidade3 ativ3 plano_de_aula_autoria_de_objeto_hipermidiaUnidade3 ativ3 plano_de_aula_autoria_de_objeto_hipermidia
Unidade3 ativ3 plano_de_aula_autoria_de_objeto_hipermidia
 
Unidade3 ativ3 plano_de_aula_autoria_de_objeto_hipermidia
Unidade3 ativ3 plano_de_aula_autoria_de_objeto_hipermidiaUnidade3 ativ3 plano_de_aula_autoria_de_objeto_hipermidia
Unidade3 ativ3 plano_de_aula_autoria_de_objeto_hipermidia
 
Palestrante Tatiana Rolim -Contribuicoes para alunos Pedagogia Universidade ...
Palestrante Tatiana Rolim -Contribuicoes para  alunos Pedagogia Universidade ...Palestrante Tatiana Rolim -Contribuicoes para  alunos Pedagogia Universidade ...
Palestrante Tatiana Rolim -Contribuicoes para alunos Pedagogia Universidade ...
 
Educação Inclusiva
Educação InclusivaEducação Inclusiva
Educação Inclusiva
 
Jornadas Pedagógicas - Educação Especial - Agrupamento de Escolas Vasco Santana
Jornadas Pedagógicas - Educação Especial - Agrupamento de Escolas Vasco SantanaJornadas Pedagógicas - Educação Especial - Agrupamento de Escolas Vasco Santana
Jornadas Pedagógicas - Educação Especial - Agrupamento de Escolas Vasco Santana
 
Apresentação educação especial nas Jornadas Pedagógicas
Apresentação educação especial nas Jornadas PedagógicasApresentação educação especial nas Jornadas Pedagógicas
Apresentação educação especial nas Jornadas Pedagógicas
 
Adaptações em deficiencia física
Adaptações  em deficiencia  física Adaptações  em deficiencia  física
Adaptações em deficiencia física
 
Apostila adaptações em deficiencia física 2011 (1)
Apostila adaptações  em deficiencia  física 2011 (1)Apostila adaptações  em deficiencia  física 2011 (1)
Apostila adaptações em deficiencia física 2011 (1)
 

Último

AS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdf
AS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdfAS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdf
AS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdf
ssuserbb4ac2
 
GRAMÁTICA NORMATIVA DA LÍNGUA PORTUGUESA UM GUIA COMPLETO DO IDIOMA.pdf
GRAMÁTICA NORMATIVA DA LÍNGUA PORTUGUESA UM GUIA COMPLETO DO IDIOMA.pdfGRAMÁTICA NORMATIVA DA LÍNGUA PORTUGUESA UM GUIA COMPLETO DO IDIOMA.pdf
GRAMÁTICA NORMATIVA DA LÍNGUA PORTUGUESA UM GUIA COMPLETO DO IDIOMA.pdf
rarakey779
 
Hans Kelsen - Teoria Pura do Direito - Obra completa.pdf
Hans Kelsen - Teoria Pura do Direito - Obra completa.pdfHans Kelsen - Teoria Pura do Direito - Obra completa.pdf
Hans Kelsen - Teoria Pura do Direito - Obra completa.pdf
rarakey779
 

Último (20)

Atividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdf
Atividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdfAtividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdf
Atividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdf
 
Hans Kelsen - Teoria Pura do Direito - Obra completa.pdf
Hans Kelsen - Teoria Pura do Direito - Obra completa.pdfHans Kelsen - Teoria Pura do Direito - Obra completa.pdf
Hans Kelsen - Teoria Pura do Direito - Obra completa.pdf
 
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptxSlides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
 
Respostas prova do exame nacional Port. 2008 - 1ª fase - Criterios.pdf
Respostas prova do exame nacional Port. 2008 - 1ª fase - Criterios.pdfRespostas prova do exame nacional Port. 2008 - 1ª fase - Criterios.pdf
Respostas prova do exame nacional Port. 2008 - 1ª fase - Criterios.pdf
 
Unidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docx
Unidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docxUnidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docx
Unidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docx
 
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamente
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamenteDescrever e planear atividades imersivas estruturadamente
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamente
 
Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....
Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....
Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....
 
Labor e Trabalho em A Condição Humana de Hannah Arendt .pdf
Labor e Trabalho em A Condição Humana de Hannah Arendt .pdfLabor e Trabalho em A Condição Humana de Hannah Arendt .pdf
Labor e Trabalho em A Condição Humana de Hannah Arendt .pdf
 
Nós Propomos! Infraestruturas em Proença-a-Nova
Nós Propomos! Infraestruturas em Proença-a-NovaNós Propomos! Infraestruturas em Proença-a-Nova
Nós Propomos! Infraestruturas em Proença-a-Nova
 
Apresentação de vocabulário fundamental em contexto de atendimento
Apresentação de vocabulário fundamental em contexto de atendimentoApresentação de vocabulário fundamental em contexto de atendimento
Apresentação de vocabulário fundamental em contexto de atendimento
 
AS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdf
AS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdfAS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdf
AS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdf
 
Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024
Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024
Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024
 
Atividade com a música Xote da Alegria - Falamansa
Atividade com a música Xote  da  Alegria    -   FalamansaAtividade com a música Xote  da  Alegria    -   Falamansa
Atividade com a música Xote da Alegria - Falamansa
 
Recurso da Casa das Ciências: Bateria/Acumulador
Recurso da Casa das Ciências: Bateria/AcumuladorRecurso da Casa das Ciências: Bateria/Acumulador
Recurso da Casa das Ciências: Bateria/Acumulador
 
GRAMÁTICA NORMATIVA DA LÍNGUA PORTUGUESA UM GUIA COMPLETO DO IDIOMA.pdf
GRAMÁTICA NORMATIVA DA LÍNGUA PORTUGUESA UM GUIA COMPLETO DO IDIOMA.pdfGRAMÁTICA NORMATIVA DA LÍNGUA PORTUGUESA UM GUIA COMPLETO DO IDIOMA.pdf
GRAMÁTICA NORMATIVA DA LÍNGUA PORTUGUESA UM GUIA COMPLETO DO IDIOMA.pdf
 
O carteiro chegou - Janet & Allan Ahlberg
O carteiro chegou - Janet & Allan AhlbergO carteiro chegou - Janet & Allan Ahlberg
O carteiro chegou - Janet & Allan Ahlberg
 
Hans Kelsen - Teoria Pura do Direito - Obra completa.pdf
Hans Kelsen - Teoria Pura do Direito - Obra completa.pdfHans Kelsen - Teoria Pura do Direito - Obra completa.pdf
Hans Kelsen - Teoria Pura do Direito - Obra completa.pdf
 
22-modernismo-5-prosa-de-45.pptxrpnsaaaa
22-modernismo-5-prosa-de-45.pptxrpnsaaaa22-modernismo-5-prosa-de-45.pptxrpnsaaaa
22-modernismo-5-prosa-de-45.pptxrpnsaaaa
 
AULA Saúde e tradição-3º Bimestre tscqv.pptx
AULA Saúde e tradição-3º Bimestre tscqv.pptxAULA Saúde e tradição-3º Bimestre tscqv.pptx
AULA Saúde e tradição-3º Bimestre tscqv.pptx
 
Atividades-Sobre-o-Conto-Venha-Ver-o-Por-Do-Sol.docx
Atividades-Sobre-o-Conto-Venha-Ver-o-Por-Do-Sol.docxAtividades-Sobre-o-Conto-Venha-Ver-o-Por-Do-Sol.docx
Atividades-Sobre-o-Conto-Venha-Ver-o-Por-Do-Sol.docx
 

o aluno com deficiência física e a escola

  • 1. O ALUNO COM DEFICIÊNCIA FÍSICA E O COTIDIANO ESCOLAR Professoras Responsáveis: Janaina Larrate Maristela Siqueira Vera Lucia Val de Casas E-mail: ofvivencialiha@rioeduca.net
  • 2. Este material foi organizado pelas professoras que integram a equipe da Oficina Vivencial de Ajudas Técnicas, serviço do Instituto Municipal Helena Antipoff – SME/RJ . Por questões didáticas, ele se refere aos alunos com Deficiência Física, no entanto, o trabalho educacional não deve estar focado na deficiência, mas nas necessidades e habilidades específicas de cada aluno. “O Atendimento Educacional especializado identifica, elabora e organiza recursos pedagógicos e de acessibilidade, que eliminem as barreiras para plena participação dos alunos, considerando suas necessidades específicas.” (SEESP/MEC, 2008). Acreditamos que as experiências aqui relacionadas podem beneficiar qualquer aluno, desde que respeitadas suas habilidades motoras, visuais, intelectuais e comunicativas. Todos os materiais aqui apresentados fazem parte do acervo da Oficina Vivencial. Setembro, 2013
  • 3. Compreendendo a Deficiência Física Deficiência Física - Alteração completa ou parcial de um ou mais segmentos do corpo humano, acarretando o comprometimento da função física, apresentando-se sob forma de paraplegia, paraparesia, monoplegia, monoparesia, tetraplegia, tetraparesia, hemiplegia, hemiparesia, ostomia amputação ou ausência de membros, paralisia cerebral, nanismo, membros com deformidade congênita, ou adquirida, exceto as deformidades estéticas e as que não produzem dificuldades para desempenho das funções. (BRASIL, decreto 5296/2006).
  • 4. A deficiência física se refere ao comprometimento do aparelho locomotor que compreende o Sistema Osteoarticular, o Sistema Muscular e o Sistema Nervoso. As doenças ou lesões que afetam quaisquer desses sistemas, isoladamente ou em conjunto, podem produzir grande limitações físicas de grau e gravidades variáveis, segundo os segmentos corporais afetados e o tipo de lesão ocorrida. (BRASIL, 2006, p.28)
  • 5. Dentre as causas da deficiência física, destacamos:  Paralisia cerebral  Espinha bífida ( meningoceles)  Lesão medular  Amputação  Malformações (ou má-formações)  Síndromes / doenças osteomusculares / musculares  Nanismo
  • 6. Deficiência Física e Educação Os alunos com deficiência física podem apresentar necessidades específicas relacionadas a locomoção, ao posicionamento, à comunicação – oral e escrita – e ao manuseio dos objetos de uso cotidiano, principalmente dos recursos pedagógicos convencionais.
  • 7. O professor deverá lançar mão de recursos e estratégias que favoreçam a participação e a autonomia do aluno, possibilitando que ele vivencie o currículo proposto para seu grupo de referência, ainda que esse currículo sofra alterações para atender as suas necessidades específicas. Ao utilizar os recursos e serviços da Tecnologia Assistiva o professor estará contribuindo para independência e inclusão do aluno com deficiência, uma vez que a TA contribui para ampliação de habilidades funcionais, potencializando aquelas que ele possui.
  • 8. “Fazer TA na escola é buscar, com criatividade, uma alternativa para que o aluno realize o que deseja ou precisa. É encontrar uma estratégia para que ele possa fazer de outro jeito. É valorizar seu jeito de fazer e aumentar suas capacidades de ação e interação a partir de suas habilidades.” (BERSH, 2007)
  • 9. Para cada necessidade específica do aluno há uma área da TA que pode contribuir com recursos e serviços, minimizando as barreiras e possibilitando o acesso e a realização das atividades escolares cotidianas. São elas: Na escola os alunos interagem, se locomovem, brincam, registram sua produção textual, comem, bebem, utilizam o sanitário... Alunos com deficiência física podem apresentar dificuldades para realizar o que seu colegas realizam, por isso devemos buscar caminhos alternativos que ampliem suas possibilidades de autonomia e vida independente.
  • 10. Locomoção – O Terapeuta Ocupacional é o profissional responsável pela avaliação, prescrição e dispensação de recursos para locomoção. Os alunos da Rede Municipal de Ensino da Cidade do Rio de Janeiro contam com o Instituto Oscar Clark para aquisição de cadeira de rodas, andadores e muletas. Os agendamentos para avaliação devem ser feitos pelo telefone: 21 2215 6045
  • 11. Posicionamento – A avaliação do posicionamento e a confecção de adaptações para essa finalidade são de competência do TO. O Centro de Vida Independente (CVI/RJ) possui um serviço de adequação do posicionamento. Tel.: 21 2239-6547
  • 12. Comunicação Oral – Alunos com paralisia cerebral podem apresentar dificuldade ou impossibilidade de se comunicarem através da fala. A Comunicação Alternativa e Ampliada é a área da TA que por objetivo tornar o sujeito com distúrbio de comunicação o mais independente possível em suas situações comunicativas, podendo assim ampliar suas possiblidades de interação com os outros, na escola e na comunidade de uma maneira geral. (SCHIRMER, 2004).
  • 13. A Comunicação Alternativa e Ampliada (CAA) é toda forma de comunicação que complementa ou substitui a linguagem oral e/ou escrita. O aluno pode se comunicar através de expressão corporal, expressão facial, choro, vocalizações, balbucio, gestos, sinais, entre outros. Pode, ainda, fazer uso de comunicadores, pranchas de CAA, cartões, dispositivos móveis, computador, etc.
  • 14. Prancha Temática: O Circo Pranchas Genéricas
  • 17. Comunicador em forma de relógio Tablet com Aplicativo TICO
  • 18. Atividades Escolares – As atividades escolares cotidianas bem como os materiais pedadagógicos podem ser adaptados para favorecer a participação do aluno. Podemos introduzir um recurso que favoreça o desempenho da atividade pretendida ou podemos modificar a atividade, para que ela possa ser concluída de outra forma. (BERSH e MACHADO, 2004).
  • 19. A Tecnologia Assistiva, na perspectiva de inclusão escolar, não deve se voltar unicamente a promover uma habilidade no aluno, fazendo com que ele realize tarefas como as de seus colegas. A TA na educação será o meio pelo qual esse aluno possa fazer do seu jeito e assim ele se tornará protagonista de sua história, ativo no seu processo de desenvolvimento e aquisição de conhecimentos. (MEC 2006)
  • 20. O que o aluno consegue realizar com autonomia; A produção e utilização do recurso pedagógico adaptado devem levar em conta: O que o aluno consegue realizar com ajuda; A ajuda necessária; A atividade proposta para o grupo de referência (turma comum); As Necessidades Específicas do aluno;
  • 21. Podemos dividi-los em: 1. Recursos de acesso à escrita e atividades manuais; Órteses
  • 23. Letras Móveis Letras com tampas de garrafa PET Letras imantadas
  • 24. 2. Jogos e Brinquedos Adaptados;
  • 25. 3. Atividades Pedagógicas Adaptadas; 3.1 Leitura
  • 28. 3.4. Demais áreas do conhecimento; DENGUE
  • 29. Algumas Estratégias de Ensino para a Sala de Aula  priorizar as atividades de maior relevância ou diminuir a quantidade de exercícios em cada atividade;  organizar atividades que possam ser realizadas em duplas ou grupos;  inserir o uso de pranchas de Comunicação Alternativa e Ampliada na rotina da sala: pranchas pedagógicas ( escolha de atividades e conteúdos trabalhados) e pranchas sociais (conversação).
  • 30. Ações que Facilitam a Escrita:  prender a folha com fita adesiva nos cantos;  ampliar o tamanho da letra e o espaço para resposta,  aumentar o espaçamento entre frases e palavras nos textos e exercícios;  avaliar o uso de engrossadores de lápis ou canetas com pontas mais grossas e/ou cor mais forte, como Pilot e lápis 6b;
  • 31.  oferecer um escriba: colega de turma, estagiário ou professor,  aceitar respostas orais;  disponibilizar letras móveis, de tamanhos e espessuras variadas, com velcro ou imantadas  fazer uso de atividades de múltipla escolha;  fazer uso da cópia carbonada;  lançar mão do computador com os recursos de acessibilidade adequados;
  • 32. Referências Bibliográficas RAPOLI, Edilene Aparecida...[et al.]. A Educação Escolar na Perspectiva da Educação Inclusiva: a escola comum inclusiva. Brasilia: Ministério da Educação, SEESP; [Fortaleza]: Universidade federal do Ceará, 2010. SCHIRMER, Carolina R...[et al.]. Atendimento Educa~cional Especializado: Deficiência Física. São Paulo: MEC/SEESP, 2007. MANZINE, Eduardo José; DELIBERATO, Débora. Portal de Ajudas Técnicas para Educação: equipamento e material pedagógico para educação, capacitação e recreação da pessoa com deficiência física: recursos pedagógicos II. SEESP. Brasilia, 2007. Fascículo II.
  • 33. Para saber mais, consulte:  http:/ihainforma.wordpress.com  http://portal.mec.gov.br/  www.apcb.org.br  www.paralisiacerebral.net  www.nacpc.org.br  www.hidrocefalia.com.br  www.abradecar.org.br  www.saci.org.br  www.clik.com.br  www.comunicacaoalternativa.com.br  www.defnet.org.br  www.distrofiamuscular.net  www.defnet.org.br  www.sarah.br  www.aacd.org.br  http://portalmec.gov.br/seesp/arq uivos/pdf/aee_df.pdf  http://portalmec.gov.br/seesp/arq uivos/pdf/dffisica.pdf  http://portalmec.gov.br/seesp/arq uivos/pdf/deficienciafisica.pdf