SlideShare uma empresa Scribd logo
O que torna uma acção moralmente correcta?
TEXTO
Primeiro, imaginamos a possibilidade de um determinado
   estado de coisas que gostaríamos de ver concretizado –
   um estado de coisas no qual todas as pessoas sejam
   tão felizes e abastadas quanto possível.
De acordo com o princípio da maior felicidade (...), o fim
   último, relativamente ao qual e em função do qual todas
   as outras coisas são desejáveis (quer consideremos o
   nosso próprio bem como o bem de outras pessoas) é
   uma existência tanto quanto possível isenta de dor, e
   tão rica quanto possível de prazeres» J.S.Mill, O
   Utilitarismo.
STUART MILL
(1806-1873)


    A regra moral que orienta as nossas
     acções afirma que a busca do prazer e a
     recusa do sofrimento são apenas
     elementos que servem de guia para a
     realização da felicidade.
Em que consiste a felicidade?

 Na possibilidade de alcançar o bem-estar
  para o maior número de pessoas.
 O bem-estar consiste no maior número de
  prazeres e no menor número de dores.
 O critério utilitário não consiste na maior
  felicidade do agente, mas na maior soma
  de felicidade geral.
OBJECTIVOS

•   Propiciar o máximo de felicidade possível
    para o maior número de pessoas e o
    mínimo de dor para o menor número de
    pessoas. Desse modo a felicidade estava
    ligada ao prazer e a infelicidade à dor.
CRITÉRIO DA UTILIDADE

•   A decisão de agir deve considerar a utilidade
    das consequências que dela resultam.

•   Só assim será possível garantir que estas
    acções produzam o maior grau de felicidade
    possível.
•   Nas situações concretas da vida, quando somos
    chamados a decidir se devemos praticar esta ou
    aquela acção, o que devemos ter em conta é
    qual delas produzirá resultados mais úteis.
CRITÉRIOS VALORATIVOS PARA OS
PRAZERES
           Tipos de prazeres

        Superiores (espirituais)
  durabilidade, fecundidade, dignidade,
                 preferência

         Inferiores (sensoriais)
       efémeros, vitais, individuais
SUPERIORES

Intelectuais - ler uma obra literária
Sociais- acções de solidariedade
Estéticos - contemplar uma obra de arte
Morais – participar numa acção de
  solidariedade
                      INFERIORES
Necessidades físicas/fisiológicas – comer,
  beber, dormir, sexo
«Aqueles homens que
     buscam os prazeres
   superiores podem não
alcançar tanta satisfação na
    vida como os que se
contentam com os prazeres
    do corpo. Todavia, é
   inegável que, por mais
insatisfeito que um homem
 sábio e justo se encontre,
ele será, sempre, superior a
   um porco satisfeito por
    chafurdar na lama. »
RESUMINDO

•   Uma acção será correcta do ponto de vista
    moral, se das suas consequências resultar o
    maior grau de felicidade e bem-estar para o
    maior número possível de pessoas.Um
    médico que, pelo exercício da sua profissão,
    salvasse um grande número de pessoas,
    praticaria uma acção moralmente louvável,
    quer a sua intenção fosse ajudar o próximo,
    quer fosse alcançar a fama e a fortuna.
O UTILITARISMO É UMA
MORAL CONSEQUENCIALISTA
•   O valor moral das acções não se mede , nem
    pela «pura intenção do agente», nem pela
    sua submissão a um princípio estabelecido
    «a priori», mede-se pelas consequências que
    produz.
imparcialidade
   A ética utilitarista exige que o agente se
    coloque de um ponto de vista imparcial e
    desinteressado. Determinar o valor moral
    das acções praticadas. O progresso moral
    dos indivíduos deve ser acompanhado
    pelo aumento do bem estar da
    humanidade.
CRÍTICAS AO UTILITARISMO

   Ao reduzir o princípio da moralidade à
    mera satisfação das nossas
    necessidades sensíveis, o ser humano
    fica reduzido ao mais baixo grau de
    animalidade.
           «Não se pode
       comparar a felicidade
         que os indivíduos
        pretendem alcançar
       com aquilo que torna
          um porco feliz»
«Os prazeres
  «É pela qualidade            deixam-se analisar
     que é possível                segundo a
distinguir duas ordens         qualidade e não só
    de prazeres: os             pela quantidade»
    primeiros dizem
respeito ao corpo, os
   segundos são de
     ordem moral e
      intelectual»
        «É a satisfação dos
     prazeres superiores, de
          natureza moral e
         intelectual, que os
       homens buscam e é
       neles que encontram
          maior felicidade»
OBJECÇÕES AO UTILITARISMO




   A utilidade não é o único critério para
    determinar o que é ou não é moralmente
    correcto.
   As consequências não são a única coisa
    que importa.
Argumentos anti-utilitarismo

   Justiça - A justiça exige que tratemos a
    pessoa com equidade, segundo as suas
    necessidades e méritos individuais.
    Assim, uma teoria ética segundo a qual a
    utilidade é tudo o que conta não pode
    estar correcta.
   Direitos - O utilitarismo está em conflito
    com a ideia de que as pessoas têm
    direitos que não podem ser espezinhados
    apenas porque alguém antecipa bons
    resultados. O indivíduo não pode ser
    tratado como meio para atingir um fim,
    mesmo que esse fim traga felicidade para
    a maioria.
O utilitarismo pode justificar muitas acções
 que habitualmente são consideradas
 imorais numa perspectiva tradicional
Aspectos positivos do utilitarismo
      Contribui para alterações de vida social e
       económica

      Alerta para o empenhamento social dos
       indivíduos
      Instituições
      Sociedade

      Para a responsabilidade na construção do
                     bem geral.
Moral utilitarista versão final

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Maria de Noronha-Frei Luis de Sousa
Maria de Noronha-Frei Luis de SousaMaria de Noronha-Frei Luis de Sousa
Maria de Noronha-Frei Luis de Sousa
nanasimao
 
A filosofia moral de kant
A filosofia moral de kantA filosofia moral de kant
A filosofia moral de kant
Filazambuja
 
Síntese as questões filosóficas
Síntese as questões filosóficasSíntese as questões filosóficas
Síntese as questões filosóficas
mluisavalente
 
Conhecimento, Ética e Justiça em Rousseau
Conhecimento, Ética e Justiça em RousseauConhecimento, Ética e Justiça em Rousseau
Conhecimento, Ética e Justiça em Rousseau
Felipe de Luca
 
Dimensões da Ação Humana e dos Valores (Kant e Mill)
Dimensões da Ação Humana e dos Valores (Kant e Mill)Dimensões da Ação Humana e dos Valores (Kant e Mill)
Dimensões da Ação Humana e dos Valores (Kant e Mill)
InesTeixeiraDuarte
 
Relativismo e Subjetivismo Moral
Relativismo e Subjetivismo MoralRelativismo e Subjetivismo Moral
Relativismo e Subjetivismo Moral
Jorge Lopes
 
Relativismo e direitos humanos 1
Relativismo  e direitos humanos 1Relativismo  e direitos humanos 1
Relativismo e direitos humanos 1
Luis De Sousa Rodrigues
 
Teoria Deontológica de Kant
Teoria Deontológica de KantTeoria Deontológica de Kant
Teoria Deontológica de Kant
Jorge Lopes
 
Empirismo de David Hume (Doc2)
Empirismo de David Hume (Doc2)Empirismo de David Hume (Doc2)
Empirismo de David Hume (Doc2)
guest9578d1
 
ÉTICA E AÇÃO MORAL - 3 ANO
ÉTICA  E AÇÃO MORAL - 3 ANOÉTICA  E AÇÃO MORAL - 3 ANO
ÉTICA E AÇÃO MORAL - 3 ANO
Diego Bian Filo Moreira
 
Kant
KantKant
A teoria ética de kant
A teoria ética de kantA teoria ética de kant
A teoria ética de kant
Luis De Sousa Rodrigues
 
Ceticismo slides
Ceticismo slidesCeticismo slides
Ceticismo slides
Alexandre Misturini
 
Comparação entre as éticas de kant e de mill
Comparação entre as éticas de kant e de millComparação entre as éticas de kant e de mill
Comparação entre as éticas de kant e de mill
Luis De Sousa Rodrigues
 
Igualdade de género
Igualdade de géneroIgualdade de género
Igualdade de género
200166754
 
John Rawls e a teoria da justiça como equidade - Retirado de autor desconhecido
John Rawls e a teoria da justiça como equidade - Retirado de autor desconhecidoJohn Rawls e a teoria da justiça como equidade - Retirado de autor desconhecido
John Rawls e a teoria da justiça como equidade - Retirado de autor desconhecido
Helena Serrão
 
John rawls
John rawlsJohn rawls
John rawls
Helena Serrão
 
Teorias do conhecimento
Teorias do conhecimentoTeorias do conhecimento
Teorias do conhecimento
Felipe Saraiva Nunes de Pinho
 
Capítulo 8 Filosofando - Aprender a morrer
Capítulo 8 Filosofando - Aprender a morrerCapítulo 8 Filosofando - Aprender a morrer
Capítulo 8 Filosofando - Aprender a morrer
Athirson Downloadz
 
Determinismo_moderado
Determinismo_moderadoDeterminismo_moderado
Determinismo_moderado
Isabel Moura
 

Mais procurados (20)

Maria de Noronha-Frei Luis de Sousa
Maria de Noronha-Frei Luis de SousaMaria de Noronha-Frei Luis de Sousa
Maria de Noronha-Frei Luis de Sousa
 
A filosofia moral de kant
A filosofia moral de kantA filosofia moral de kant
A filosofia moral de kant
 
Síntese as questões filosóficas
Síntese as questões filosóficasSíntese as questões filosóficas
Síntese as questões filosóficas
 
Conhecimento, Ética e Justiça em Rousseau
Conhecimento, Ética e Justiça em RousseauConhecimento, Ética e Justiça em Rousseau
Conhecimento, Ética e Justiça em Rousseau
 
Dimensões da Ação Humana e dos Valores (Kant e Mill)
Dimensões da Ação Humana e dos Valores (Kant e Mill)Dimensões da Ação Humana e dos Valores (Kant e Mill)
Dimensões da Ação Humana e dos Valores (Kant e Mill)
 
Relativismo e Subjetivismo Moral
Relativismo e Subjetivismo MoralRelativismo e Subjetivismo Moral
Relativismo e Subjetivismo Moral
 
Relativismo e direitos humanos 1
Relativismo  e direitos humanos 1Relativismo  e direitos humanos 1
Relativismo e direitos humanos 1
 
Teoria Deontológica de Kant
Teoria Deontológica de KantTeoria Deontológica de Kant
Teoria Deontológica de Kant
 
Empirismo de David Hume (Doc2)
Empirismo de David Hume (Doc2)Empirismo de David Hume (Doc2)
Empirismo de David Hume (Doc2)
 
ÉTICA E AÇÃO MORAL - 3 ANO
ÉTICA  E AÇÃO MORAL - 3 ANOÉTICA  E AÇÃO MORAL - 3 ANO
ÉTICA E AÇÃO MORAL - 3 ANO
 
Kant
KantKant
Kant
 
A teoria ética de kant
A teoria ética de kantA teoria ética de kant
A teoria ética de kant
 
Ceticismo slides
Ceticismo slidesCeticismo slides
Ceticismo slides
 
Comparação entre as éticas de kant e de mill
Comparação entre as éticas de kant e de millComparação entre as éticas de kant e de mill
Comparação entre as éticas de kant e de mill
 
Igualdade de género
Igualdade de géneroIgualdade de género
Igualdade de género
 
John Rawls e a teoria da justiça como equidade - Retirado de autor desconhecido
John Rawls e a teoria da justiça como equidade - Retirado de autor desconhecidoJohn Rawls e a teoria da justiça como equidade - Retirado de autor desconhecido
John Rawls e a teoria da justiça como equidade - Retirado de autor desconhecido
 
John rawls
John rawlsJohn rawls
John rawls
 
Teorias do conhecimento
Teorias do conhecimentoTeorias do conhecimento
Teorias do conhecimento
 
Capítulo 8 Filosofando - Aprender a morrer
Capítulo 8 Filosofando - Aprender a morrerCapítulo 8 Filosofando - Aprender a morrer
Capítulo 8 Filosofando - Aprender a morrer
 
Determinismo_moderado
Determinismo_moderadoDeterminismo_moderado
Determinismo_moderado
 

Destaque

O utilitarismo
O utilitarismoO utilitarismo
O utilitarismo
Helena Serrão
 
David hume
David humeDavid hume
David hume
Helena Serrão
 
éTica DeontolóGica
éTica DeontolóGicaéTica DeontolóGica
éTica DeontolóGica
Helena Serrão
 
Filosofia sara e mafalda
Filosofia  sara e mafaldaFilosofia  sara e mafalda
Filosofia sara e mafalda
Helena Serrão
 
Moral e direito
Moral e direitoMoral e direito
Moral e direito
Helena Serrão
 
A experiência e a atitude estética2
A experiência e a atitude estética2A experiência e a atitude estética2
A experiência e a atitude estética2
Helena Serrão
 
Como se legitima a autoridade do estado
Como se legitima a autoridade do estadoComo se legitima a autoridade do estado
Como se legitima a autoridade do estado
Helena Serrão
 
Como descartes ultrapassa o cepticismo
Como descartes ultrapassa o cepticismoComo descartes ultrapassa o cepticismo
Como descartes ultrapassa o cepticismo
Helena Serrão
 
Como descartes
Como descartesComo descartes
Como descartes
Helena Serrão
 
A racionalidade científica e os Paradigmas - Kuhn
A racionalidade científica e os Paradigmas - KuhnA racionalidade científica e os Paradigmas - Kuhn
A racionalidade científica e os Paradigmas - Kuhn
Helena Serrão
 
Egoismo 110319054800-phpapp02
Egoismo 110319054800-phpapp02Egoismo 110319054800-phpapp02
Egoismo 110319054800-phpapp02
Helena Serrão
 
Senso comum e conhecimento científico
Senso comum e conhecimento científicoSenso comum e conhecimento científico
Senso comum e conhecimento científico
Helena Serrão
 
Livre arbítrio
Livre arbítrioLivre arbítrio
Livre arbítrio
Helena Serrão
 
Popper
PopperPopper
Moral e direito
Moral e direitoMoral e direito
Moral e direito
Helena Serrão
 
A religião. Trabalho realizado pelos alunos António Fernandes, Diogo Mendonça...
A religião. Trabalho realizado pelos alunos António Fernandes, Diogo Mendonça...A religião. Trabalho realizado pelos alunos António Fernandes, Diogo Mendonça...
A religião. Trabalho realizado pelos alunos António Fernandes, Diogo Mendonça...
Helena Serrão
 
Davidhume 120409163812-phpapp01
Davidhume 120409163812-phpapp01Davidhume 120409163812-phpapp01
Davidhume 120409163812-phpapp01
Helena Serrão
 
História da arte
História da arteHistória da arte
História da arte
Helena Serrão
 
Sera que deus existe pp bruno josé fernando
Sera que deus existe pp bruno josé fernandoSera que deus existe pp bruno josé fernando
Sera que deus existe pp bruno josé fernando
Helena Serrão
 
Senso comum e conhecimento científico
Senso comum e conhecimento científicoSenso comum e conhecimento científico
Senso comum e conhecimento científico
Helena Serrão
 

Destaque (20)

O utilitarismo
O utilitarismoO utilitarismo
O utilitarismo
 
David hume
David humeDavid hume
David hume
 
éTica DeontolóGica
éTica DeontolóGicaéTica DeontolóGica
éTica DeontolóGica
 
Filosofia sara e mafalda
Filosofia  sara e mafaldaFilosofia  sara e mafalda
Filosofia sara e mafalda
 
Moral e direito
Moral e direitoMoral e direito
Moral e direito
 
A experiência e a atitude estética2
A experiência e a atitude estética2A experiência e a atitude estética2
A experiência e a atitude estética2
 
Como se legitima a autoridade do estado
Como se legitima a autoridade do estadoComo se legitima a autoridade do estado
Como se legitima a autoridade do estado
 
Como descartes ultrapassa o cepticismo
Como descartes ultrapassa o cepticismoComo descartes ultrapassa o cepticismo
Como descartes ultrapassa o cepticismo
 
Como descartes
Como descartesComo descartes
Como descartes
 
A racionalidade científica e os Paradigmas - Kuhn
A racionalidade científica e os Paradigmas - KuhnA racionalidade científica e os Paradigmas - Kuhn
A racionalidade científica e os Paradigmas - Kuhn
 
Egoismo 110319054800-phpapp02
Egoismo 110319054800-phpapp02Egoismo 110319054800-phpapp02
Egoismo 110319054800-phpapp02
 
Senso comum e conhecimento científico
Senso comum e conhecimento científicoSenso comum e conhecimento científico
Senso comum e conhecimento científico
 
Livre arbítrio
Livre arbítrioLivre arbítrio
Livre arbítrio
 
Popper
PopperPopper
Popper
 
Moral e direito
Moral e direitoMoral e direito
Moral e direito
 
A religião. Trabalho realizado pelos alunos António Fernandes, Diogo Mendonça...
A religião. Trabalho realizado pelos alunos António Fernandes, Diogo Mendonça...A religião. Trabalho realizado pelos alunos António Fernandes, Diogo Mendonça...
A religião. Trabalho realizado pelos alunos António Fernandes, Diogo Mendonça...
 
Davidhume 120409163812-phpapp01
Davidhume 120409163812-phpapp01Davidhume 120409163812-phpapp01
Davidhume 120409163812-phpapp01
 
História da arte
História da arteHistória da arte
História da arte
 
Sera que deus existe pp bruno josé fernando
Sera que deus existe pp bruno josé fernandoSera que deus existe pp bruno josé fernando
Sera que deus existe pp bruno josé fernando
 
Senso comum e conhecimento científico
Senso comum e conhecimento científicoSenso comum e conhecimento científico
Senso comum e conhecimento científico
 

Semelhante a Moral utilitarista versão final

Moral Utilitarista VersãO Final
Moral Utilitarista VersãO FinalMoral Utilitarista VersãO Final
Moral Utilitarista VersãO Final
Helena Serrão
 
Os fundamentos da moral segundo a doutrina utilitarista de Stuart Mill
Os fundamentos da moral segundo a doutrina utilitarista de Stuart MillOs fundamentos da moral segundo a doutrina utilitarista de Stuart Mill
Os fundamentos da moral segundo a doutrina utilitarista de Stuart Mill
Helena Serrão
 
Stuart mill
Stuart millStuart mill
Stuart mill
Helena Serrão
 
A teoria ética utilitarista de mill
A teoria ética utilitarista de millA teoria ética utilitarista de mill
A teoria ética utilitarista de mill
Luis De Sousa Rodrigues
 
A teoria ética utilitarista de mill
A teoria ética utilitarista de millA teoria ética utilitarista de mill
A teoria ética utilitarista de mill
Luis De Sousa Rodrigues
 
As éticas de stuart mill e de kant
As éticas de stuart mill e de kantAs éticas de stuart mill e de kant
As éticas de stuart mill e de kant
Filipe Prado
 
ÉTica - fund. moral quando nos referimos à acção humana, aprendemos
ÉTica - fund. moral quando nos referimos à acção humana, aprendemosÉTica - fund. moral quando nos referimos à acção humana, aprendemos
ÉTica - fund. moral quando nos referimos à acção humana, aprendemos
isacamel
 
A filosofia moral utilitarista de stuart mill
A filosofia moral utilitarista de stuart millA filosofia moral utilitarista de stuart mill
A filosofia moral utilitarista de stuart mill
MABETA_
 
A teoria ética utilitarista de Stuart Mill
A teoria ética utilitarista de Stuart MillA teoria ética utilitarista de Stuart Mill
A teoria ética utilitarista de Stuart Mill
Otávio Augusto Padilha
 
Filosofia 10 2015-16_-_a_dimensao_etico-politica_i_diapositivos_
Filosofia 10 2015-16_-_a_dimensao_etico-politica_i_diapositivos_Filosofia 10 2015-16_-_a_dimensao_etico-politica_i_diapositivos_
Filosofia 10 2015-16_-_a_dimensao_etico-politica_i_diapositivos_
1245669
 
O que torna uma ação moralmente correta.pptx
O que torna uma ação moralmente correta.pptxO que torna uma ação moralmente correta.pptx
O que torna uma ação moralmente correta.pptx
Freiheit Ribeiro
 
6 as ã©ticas de kant e de s.mill
6  as ã©ticas de kant e de s.mill6  as ã©ticas de kant e de s.mill
6 as ã©ticas de kant e de s.mill
Patricia .
 
Principio de utilidade - Filosofia
Principio de utilidade - FilosofiaPrincipio de utilidade - Filosofia
Principio de utilidade - Filosofia
ArthurEstudante
 
Filosofia Dimensões da ação humana e dos valores
Filosofia Dimensões da ação humana e dos valores Filosofia Dimensões da ação humana e dos valores
Filosofia Dimensões da ação humana e dos valores
Sara Cacais
 
Objetivos Filosofia
Objetivos FilosofiaObjetivos Filosofia
Objetivos Filosofia
Maria Freitas
 
Filosofia, comunicação e ética unip
Filosofia, comunicação e ética unipFilosofia, comunicação e ética unip
Filosofia, comunicação e ética unip
Arte de Lorena
 
Apostila o que é ética-1
Apostila   o que é ética-1Apostila   o que é ética-1
Apostila o que é ética-1
Milena Rodrigues
 
Democracia, Cidadania e Ética
Democracia, Cidadania e ÉticaDemocracia, Cidadania e Ética
Democracia, Cidadania e Ética
Fábio Nogueira, PhD
 
éTica 15 mateus
éTica 15 mateuséTica 15 mateus
éTica 15 mateus
Alexandre Misturini
 
ética da felicidade em Aristoteles.pdf
ética da felicidade em Aristoteles.pdfética da felicidade em Aristoteles.pdf
ética da felicidade em Aristoteles.pdf
Leila Domingues
 

Semelhante a Moral utilitarista versão final (20)

Moral Utilitarista VersãO Final
Moral Utilitarista VersãO FinalMoral Utilitarista VersãO Final
Moral Utilitarista VersãO Final
 
Os fundamentos da moral segundo a doutrina utilitarista de Stuart Mill
Os fundamentos da moral segundo a doutrina utilitarista de Stuart MillOs fundamentos da moral segundo a doutrina utilitarista de Stuart Mill
Os fundamentos da moral segundo a doutrina utilitarista de Stuart Mill
 
Stuart mill
Stuart millStuart mill
Stuart mill
 
A teoria ética utilitarista de mill
A teoria ética utilitarista de millA teoria ética utilitarista de mill
A teoria ética utilitarista de mill
 
A teoria ética utilitarista de mill
A teoria ética utilitarista de millA teoria ética utilitarista de mill
A teoria ética utilitarista de mill
 
As éticas de stuart mill e de kant
As éticas de stuart mill e de kantAs éticas de stuart mill e de kant
As éticas de stuart mill e de kant
 
ÉTica - fund. moral quando nos referimos à acção humana, aprendemos
ÉTica - fund. moral quando nos referimos à acção humana, aprendemosÉTica - fund. moral quando nos referimos à acção humana, aprendemos
ÉTica - fund. moral quando nos referimos à acção humana, aprendemos
 
A filosofia moral utilitarista de stuart mill
A filosofia moral utilitarista de stuart millA filosofia moral utilitarista de stuart mill
A filosofia moral utilitarista de stuart mill
 
A teoria ética utilitarista de Stuart Mill
A teoria ética utilitarista de Stuart MillA teoria ética utilitarista de Stuart Mill
A teoria ética utilitarista de Stuart Mill
 
Filosofia 10 2015-16_-_a_dimensao_etico-politica_i_diapositivos_
Filosofia 10 2015-16_-_a_dimensao_etico-politica_i_diapositivos_Filosofia 10 2015-16_-_a_dimensao_etico-politica_i_diapositivos_
Filosofia 10 2015-16_-_a_dimensao_etico-politica_i_diapositivos_
 
O que torna uma ação moralmente correta.pptx
O que torna uma ação moralmente correta.pptxO que torna uma ação moralmente correta.pptx
O que torna uma ação moralmente correta.pptx
 
6 as ã©ticas de kant e de s.mill
6  as ã©ticas de kant e de s.mill6  as ã©ticas de kant e de s.mill
6 as ã©ticas de kant e de s.mill
 
Principio de utilidade - Filosofia
Principio de utilidade - FilosofiaPrincipio de utilidade - Filosofia
Principio de utilidade - Filosofia
 
Filosofia Dimensões da ação humana e dos valores
Filosofia Dimensões da ação humana e dos valores Filosofia Dimensões da ação humana e dos valores
Filosofia Dimensões da ação humana e dos valores
 
Objetivos Filosofia
Objetivos FilosofiaObjetivos Filosofia
Objetivos Filosofia
 
Filosofia, comunicação e ética unip
Filosofia, comunicação e ética unipFilosofia, comunicação e ética unip
Filosofia, comunicação e ética unip
 
Apostila o que é ética-1
Apostila   o que é ética-1Apostila   o que é ética-1
Apostila o que é ética-1
 
Democracia, Cidadania e Ética
Democracia, Cidadania e ÉticaDemocracia, Cidadania e Ética
Democracia, Cidadania e Ética
 
éTica 15 mateus
éTica 15 mateuséTica 15 mateus
éTica 15 mateus
 
ética da felicidade em Aristoteles.pdf
ética da felicidade em Aristoteles.pdfética da felicidade em Aristoteles.pdf
ética da felicidade em Aristoteles.pdf
 

Mais de Helena Serrão

Descartes provas da existência de Deus.pptx
Descartes provas da existência de Deus.pptxDescartes provas da existência de Deus.pptx
Descartes provas da existência de Deus.pptx
Helena Serrão
 
Ceticismo.pptx
Ceticismo.pptxCeticismo.pptx
Ceticismo.pptx
Helena Serrão
 
O discurso filosófico.pptx
O discurso filosófico.pptxO discurso filosófico.pptx
O discurso filosófico.pptx
Helena Serrão
 
A estrutura lógica do discurso.pptx
A estrutura lógica do discurso.pptxA estrutura lógica do discurso.pptx
A estrutura lógica do discurso.pptx
Helena Serrão
 
Críticas à Ética deontológica de Kant.pptx
Críticas à Ética deontológica de Kant.pptxCríticas à Ética deontológica de Kant.pptx
Críticas à Ética deontológica de Kant.pptx
Helena Serrão
 
Representações da pieta
Representações da pietaRepresentações da pieta
Representações da pieta
Helena Serrão
 
Oqueaarte 100529034553-phpapp01-150514210944-lva1-app6892
Oqueaarte 100529034553-phpapp01-150514210944-lva1-app6892Oqueaarte 100529034553-phpapp01-150514210944-lva1-app6892
Oqueaarte 100529034553-phpapp01-150514210944-lva1-app6892
Helena Serrão
 
Descartes críticas
Descartes críticasDescartes críticas
Descartes críticas
Helena Serrão
 
Sensocomumeconhecimentocientfico 130405110837-phpapp02(1)
Sensocomumeconhecimentocientfico 130405110837-phpapp02(1)Sensocomumeconhecimentocientfico 130405110837-phpapp02(1)
Sensocomumeconhecimentocientfico 130405110837-phpapp02(1)
Helena Serrão
 
David hume2
David hume2David hume2
David hume2
Helena Serrão
 
Revisoes hume e_descartes
Revisoes hume e_descartesRevisoes hume e_descartes
Revisoes hume e_descartes
Helena Serrão
 
Determinismo e liberdade_na_acao_humana
Determinismo e liberdade_na_acao_humanaDeterminismo e liberdade_na_acao_humana
Determinismo e liberdade_na_acao_humana
Helena Serrão
 
David hume2
David hume2David hume2
David hume2
Helena Serrão
 
Pp4
Pp4Pp4
Inteligencia artificial
Inteligencia artificialInteligencia artificial
Inteligencia artificial
Helena Serrão
 
Falcias 121204140007-phpapp01
Falcias 121204140007-phpapp01Falcias 121204140007-phpapp01
Falcias 121204140007-phpapp01
Helena Serrão
 
O que é a arte
O que é a arteO que é a arte
O que é a arte
Helena Serrão
 
Como vai o teu discernimento intelectual acerca da
Como vai o teu discernimento intelectual acerca daComo vai o teu discernimento intelectual acerca da
Como vai o teu discernimento intelectual acerca da
Helena Serrão
 
Falácias2
Falácias2Falácias2
Falácias2
Helena Serrão
 
Logica informal
Logica informalLogica informal
Logica informal
Helena Serrão
 

Mais de Helena Serrão (20)

Descartes provas da existência de Deus.pptx
Descartes provas da existência de Deus.pptxDescartes provas da existência de Deus.pptx
Descartes provas da existência de Deus.pptx
 
Ceticismo.pptx
Ceticismo.pptxCeticismo.pptx
Ceticismo.pptx
 
O discurso filosófico.pptx
O discurso filosófico.pptxO discurso filosófico.pptx
O discurso filosófico.pptx
 
A estrutura lógica do discurso.pptx
A estrutura lógica do discurso.pptxA estrutura lógica do discurso.pptx
A estrutura lógica do discurso.pptx
 
Críticas à Ética deontológica de Kant.pptx
Críticas à Ética deontológica de Kant.pptxCríticas à Ética deontológica de Kant.pptx
Críticas à Ética deontológica de Kant.pptx
 
Representações da pieta
Representações da pietaRepresentações da pieta
Representações da pieta
 
Oqueaarte 100529034553-phpapp01-150514210944-lva1-app6892
Oqueaarte 100529034553-phpapp01-150514210944-lva1-app6892Oqueaarte 100529034553-phpapp01-150514210944-lva1-app6892
Oqueaarte 100529034553-phpapp01-150514210944-lva1-app6892
 
Descartes críticas
Descartes críticasDescartes críticas
Descartes críticas
 
Sensocomumeconhecimentocientfico 130405110837-phpapp02(1)
Sensocomumeconhecimentocientfico 130405110837-phpapp02(1)Sensocomumeconhecimentocientfico 130405110837-phpapp02(1)
Sensocomumeconhecimentocientfico 130405110837-phpapp02(1)
 
David hume2
David hume2David hume2
David hume2
 
Revisoes hume e_descartes
Revisoes hume e_descartesRevisoes hume e_descartes
Revisoes hume e_descartes
 
Determinismo e liberdade_na_acao_humana
Determinismo e liberdade_na_acao_humanaDeterminismo e liberdade_na_acao_humana
Determinismo e liberdade_na_acao_humana
 
David hume2
David hume2David hume2
David hume2
 
Pp4
Pp4Pp4
Pp4
 
Inteligencia artificial
Inteligencia artificialInteligencia artificial
Inteligencia artificial
 
Falcias 121204140007-phpapp01
Falcias 121204140007-phpapp01Falcias 121204140007-phpapp01
Falcias 121204140007-phpapp01
 
O que é a arte
O que é a arteO que é a arte
O que é a arte
 
Como vai o teu discernimento intelectual acerca da
Como vai o teu discernimento intelectual acerca daComo vai o teu discernimento intelectual acerca da
Como vai o teu discernimento intelectual acerca da
 
Falácias2
Falácias2Falácias2
Falácias2
 
Logica informal
Logica informalLogica informal
Logica informal
 

Moral utilitarista versão final

  • 1. O que torna uma acção moralmente correcta?
  • 2. TEXTO Primeiro, imaginamos a possibilidade de um determinado estado de coisas que gostaríamos de ver concretizado – um estado de coisas no qual todas as pessoas sejam tão felizes e abastadas quanto possível. De acordo com o princípio da maior felicidade (...), o fim último, relativamente ao qual e em função do qual todas as outras coisas são desejáveis (quer consideremos o nosso próprio bem como o bem de outras pessoas) é uma existência tanto quanto possível isenta de dor, e tão rica quanto possível de prazeres» J.S.Mill, O Utilitarismo.
  • 3. STUART MILL (1806-1873)  A regra moral que orienta as nossas acções afirma que a busca do prazer e a recusa do sofrimento são apenas elementos que servem de guia para a realização da felicidade.
  • 4. Em que consiste a felicidade?  Na possibilidade de alcançar o bem-estar para o maior número de pessoas.  O bem-estar consiste no maior número de prazeres e no menor número de dores.  O critério utilitário não consiste na maior felicidade do agente, mas na maior soma de felicidade geral.
  • 5. OBJECTIVOS • Propiciar o máximo de felicidade possível para o maior número de pessoas e o mínimo de dor para o menor número de pessoas. Desse modo a felicidade estava ligada ao prazer e a infelicidade à dor.
  • 6. CRITÉRIO DA UTILIDADE • A decisão de agir deve considerar a utilidade das consequências que dela resultam. • Só assim será possível garantir que estas acções produzam o maior grau de felicidade possível. • Nas situações concretas da vida, quando somos chamados a decidir se devemos praticar esta ou aquela acção, o que devemos ter em conta é qual delas produzirá resultados mais úteis.
  • 7. CRITÉRIOS VALORATIVOS PARA OS PRAZERES Tipos de prazeres Superiores (espirituais) durabilidade, fecundidade, dignidade, preferência Inferiores (sensoriais) efémeros, vitais, individuais
  • 8. SUPERIORES Intelectuais - ler uma obra literária Sociais- acções de solidariedade Estéticos - contemplar uma obra de arte Morais – participar numa acção de solidariedade INFERIORES Necessidades físicas/fisiológicas – comer, beber, dormir, sexo
  • 9. «Aqueles homens que buscam os prazeres superiores podem não alcançar tanta satisfação na vida como os que se contentam com os prazeres do corpo. Todavia, é inegável que, por mais insatisfeito que um homem sábio e justo se encontre, ele será, sempre, superior a um porco satisfeito por chafurdar na lama. »
  • 10. RESUMINDO • Uma acção será correcta do ponto de vista moral, se das suas consequências resultar o maior grau de felicidade e bem-estar para o maior número possível de pessoas.Um médico que, pelo exercício da sua profissão, salvasse um grande número de pessoas, praticaria uma acção moralmente louvável, quer a sua intenção fosse ajudar o próximo, quer fosse alcançar a fama e a fortuna.
  • 11. O UTILITARISMO É UMA MORAL CONSEQUENCIALISTA • O valor moral das acções não se mede , nem pela «pura intenção do agente», nem pela sua submissão a um princípio estabelecido «a priori», mede-se pelas consequências que produz.
  • 12. imparcialidade  A ética utilitarista exige que o agente se coloque de um ponto de vista imparcial e desinteressado. Determinar o valor moral das acções praticadas. O progresso moral dos indivíduos deve ser acompanhado pelo aumento do bem estar da humanidade.
  • 13. CRÍTICAS AO UTILITARISMO  Ao reduzir o princípio da moralidade à mera satisfação das nossas necessidades sensíveis, o ser humano fica reduzido ao mais baixo grau de animalidade. «Não se pode comparar a felicidade que os indivíduos pretendem alcançar com aquilo que torna um porco feliz»
  • 14. «Os prazeres «É pela qualidade deixam-se analisar que é possível segundo a distinguir duas ordens qualidade e não só de prazeres: os pela quantidade» primeiros dizem respeito ao corpo, os segundos são de ordem moral e intelectual» «É a satisfação dos prazeres superiores, de natureza moral e intelectual, que os homens buscam e é neles que encontram maior felicidade»
  • 15. OBJECÇÕES AO UTILITARISMO  A utilidade não é o único critério para determinar o que é ou não é moralmente correcto.  As consequências não são a única coisa que importa.
  • 16. Argumentos anti-utilitarismo  Justiça - A justiça exige que tratemos a pessoa com equidade, segundo as suas necessidades e méritos individuais. Assim, uma teoria ética segundo a qual a utilidade é tudo o que conta não pode estar correcta.
  • 17. Direitos - O utilitarismo está em conflito com a ideia de que as pessoas têm direitos que não podem ser espezinhados apenas porque alguém antecipa bons resultados. O indivíduo não pode ser tratado como meio para atingir um fim, mesmo que esse fim traga felicidade para a maioria.
  • 18. O utilitarismo pode justificar muitas acções que habitualmente são consideradas imorais numa perspectiva tradicional
  • 19. Aspectos positivos do utilitarismo  Contribui para alterações de vida social e económica  Alerta para o empenhamento social dos indivíduos  Instituições  Sociedade  Para a responsabilidade na construção do bem geral.

Notas do Editor

  1. A investigação do valor da utilidade como critério moral tem como ponto de partida as morais hedonistas, aquelas filosofias morais que têm como critério o prazer, para decidir entre o que é correcto e o que é errado. Porém, a filosofia moral de Stuart Mill ultrapassa o vulgar hedonismo, pois não se limita a considerar a busca do prazer e a recusa do sofrimento como as motivações que dominam todas as nossas decisões de agir.
  2. A acção que queremos levar a cabo deve ser avaliada de modo a indicar-nos qual o grau de felicidade que ela é capaz de proporcionar.
  3. Hedonismo – perspectiva de vida que privilegia o prazer na procura da felicidade.
  4. 1- o princípio primeiro de toda a acção moral deve ser compreendido pelo seguinte enunciado:......