SlideShare uma empresa Scribd logo
Contexto histórico
Características
Principais autores e obras

 Modernismo brasileiro se estendeu de 1930 a
1945. como marco inicial
 Carlos Drummond de Andrade ( 1902 -1987)
publicou Alguma Poesia, e como marco final
 O Engenheiro, de Haroldo de Campos (1929
– 2003)
 O mundo ainda sofria a depressão econômica
causada pela quebra da bolsa de Nova York,
em 1929
Contexto Histórico
 Durante esse colapso no sistema financeiro mundial,
paralisações de fábricas, falências bancárias,
desemprego em massa, fome e miséria eram
constantes.
 No Brasil, a República do café-com-leite ou República
Velha estava em crise.
 Ocorreu a Revolução de 1930 no Brasil, que levou
Getúlio Vargas ao governo provisório.
Contexto Histórico

 Na década de 1930 houve uma significativa
irrupção de novos e brilhantes romancistas
 Surgiram importantes editoras, como a de José
Olympio (1902 – 1990), que publicou os romancistas
inovadores do Nordeste.
 A população brasileira chegou a 41,1 milhões de
habitantes em 1940, dos quais 56,2% eram
analfabetos
Contexto Histórico
 Modernistas da primeira fase, como Mário de
Andrade (1893 - 1945) e Oswald de Andrade (1890
- 1954), continuavam ativos e conviviam na
imprensa com os autores da nova geração, como
Rachel de Queiroz.
 Vargas iniciou a ditadura militar no Brasil, em
1937
 E durou até 29 de outubro de 1945, quando
debaixo de pressões, Getúlio renunciou ao cargo.
Contexto Histórico
 O modernismo foi caracterizado, no campo da
poesia, pelo amadurecimento e pela ampliação das
conquistas dos primeiros modernistas.
 Nos anos de 1930 a 1945 a poesia modernista se
consolida e alarga seus horizontes temáticos.
 Houve ainda a retomada de elementos simbolistas,
principalmente pelo grupo de poetas que se
agrupou em torno da revista carioca Festa.
Características

O alargamento do campo temático ocorreu pela
abrangência de novos enfoques como se verá a
seguir:
 Amadurecimento e solidificação da poesia
modernista.
 Mistura do verso livre com formas tradicionais de
compor poemas.
 Mistura da temática cotidiana com temática
histórico-social.
 Revalorização da poesia simbolista
 Vocabulário
 Sintaxe
 Escolha dos termos
 A própria maneira de ver o mundo
 Pregaram a rejeição dos padrões portugueses,
 Valorização diferente do léxico(por meio de pronomes de
terceira pessoa, de certos adverbios, conectivos, numerais ou
por meio de substantivos).
Os modernistas afirmam
libertação em setores
como
 Desejo de ser atuais.
 Exprimir a vida diária.
 Dar estado de literatura aos fatos da civilização moderna.
 Retratava coisas cotidianas descrevendo com palavras de
todo o dia.
 Estilo retórico e sonoro.
Os modernistas afirmam
libertação em setores
como
 A nossa prosa de ficção com renovada força,
criadora, nos punha em contato com um Brasil
pouco conhecido, herdeiros dos diretos
modernista de 1922, os modernistas da segunda
geração também se voltam para a realidade
brasileira, mas agora com a intenção de
denúncia social e engajamento político.
 Autores dos romances de 30: Rachel de
Queiroz, Jose Lins do Rego, Graciliano Ramos,
Jorge Amado, Érico Veríssimo.
Principais Autores &
Prosa

Erico Lopes Veríssimo

 Nasceu em 17 de dezembro de 1905 e faleceu em 28
de novembro de 1975;
 Pai de Luís Fernando Veríssimo;
 Foi um escritor da fase modernista, onde a literatura
traz a reflexão dos problemas sociais;
 Sua obra caracteriza-se em três fases.
Erico Lopes Veríssimo
 Abrange 200 anos de história do Rio Grande do Sul;
 Principal obra: “O Tempo e o Vento”.
 Romance histórico: O tempo e o vento. A trilogia de Érico
Veríssimo procura abranger duzentos anos da história do
Rio Grande do Sul, de 1745 a 1945. O primeiro volume (O
continente), narra a conquista de São Pedro pelos
primeiros colonos e é considerado o ponto mais alto de
sua obra.
Romance Histórico

 Foi escrito durante a ditadura militar;
 Principal obra: “Incidentes em Antares”.
 Denuncia os males do autoritarismo e as
violações dos direitos humanos.
Romance Político
 Caracteriza-se pela linguagem acessível;
 Usa a técnica da contraponta;
 Principal obra: “Caminhos Cruzados”.
As obras desta fase registram a vida da pequena burguesia
porto-alegrense, com uma visão otimista, às vezes lírica, às vezes
crítica, e com uma linguagem tradicional, sem maiores inovações
estilísticas. Desta fase destaca-se Caminhos cruzados, considerado
um marco na evolução do romance brasileiro. Nele, Érico
Veríssimo usa a técnica do contraponto que consiste mesclar
pontos de vista diferentes (do escritor e das personagens) com a
representação fragmentária das situações vividas pelas
personagens, sem que haja no texto um centro catalisador.
Romance Urbano

 “Clarissa” (1933)
 "Música ao longe" (1936)
 "Olhai os lírios do campo" (1938)
 "O tempo e o vento" (1949-1962)
 "Incidente em Antares" (1971)
 Além dessas obras, Érico Veríssimo publicou contos,
livros de literatura infantil, como “Fantoche” (1932),
ensaios e críticas de literatura.
Principais Obras

Obras

O Tempo e o Vento é uma série literária do
escritor brasileiro Érico Veríssimo. E narra a formação
do Estado do Rio Grande do Sul através das famílias
Terra, Cambará, Carré e Amaral. Dividido em:
 O Continente (1949) volumes 1 & 2,
 O Retrato (1951) volumes 1 & 2,
 O Arquipélago (1961) volumes 1, 2 & 3.
 Os sete capítulos de O continente podem ser lidos de
diversas formas.
Tempo e o Vento
 Símbolo da literatura regionalista gaúcha.
 Obras que aliam a descrição denunciante do Realismo às
investigações psicológicas das personagens e liberdades
linguísticas do narrador, frutos do Modernismo.
 Os dois volumes de O continente são os mais lidos e
conhecidos da trilogia.
 Parte de seu conteúdo teve adaptações para o cinema e a
televisão: em 1985, a TV Globo adaptou "O Continente" para a
tela cuja produção recebeu o título da trilogia, "O Tempo e o
Vento" - o sucesso do personagem Capitão Rodrigo levou a
Editora Globo a publicar em separado o capítulo da obra a ele
dedicado, Um certo Capitão Rodrigo.
Tempo e o Vento

Graciliano Ramos

 Graciliano Ramos É o principal dos romancistas da
geração de 1930,
 Considerado o maior representante da geração
neorrealista nordestina.
 Sua obra é considerada como "clássica" pela qualidade
literária.
Graciliano Ramos

Seus romances tratam tanto do:
 Social (miséria, fome, seca, latifúndio).
 Como do psicológico (opressão, medo, angústia etc.).
 Linguagem condensada, sem retórica,
 Romance crítico, de tensão entre a personagem e o
meio (natureza e sociedade), romance de esquerda.
Graciliano Ramos

Acusado de ter participado da ANL (Aliança
Nacional Libertadora), passou por várias prisões, foi
levado para a ilha Grande, no estado do Rio de Janeiro,
onde permaneceu dez meses encarcerado.
Dessa experiência, nasceria Memórias do
cárceres, obra que ultrapassava os limites do pessoal
para se tornar um importante depoimento da realidade
brasileira da época e uma denúncia do atraso cultural e
do autoritarismo da era Vargas.
Graciliano Ramos
Obras de Graciliano Ramos:
 Caetés (1933)
 São Bernardo (1934)
 Angústia (1936)
 Vidas Secas (1938)
Além de Romancista ele também escreveu ainda Contos,
Crônicas e impressões de viagens.
Graciliano Ramos

Obras

Obras

 História de uma família de retirantes que vive em
pleno agreste os sofrimentos da estiagem. Universo
pobre de um homem (Fabiano), uma mulher (Sinhá
Vitória), os filhos e uma cachorra (Baleia).
 Fabiano, Sinhá Vitória e os filhos são exemplos de
seres convertidos em criaturas, animalizados,
brutalizados por causa da precariedade de suas
condições de vida, enquanto abandonam a terra
onde nasceram e procuravam na cidade uma forma
de sobrevivência.
Vidas Secas

 A Perda de humanidade por parte dos personagens - "Os
seus pés duros quebravam espinhos e não sentiam a
quentura da terra. Montado, confundia-se com o cavalo
(...)." – animalizando Fabiano.
 Discurso indireto livre - um dos mais importantes
recursos narrativos de Graciliano Ramos, cuja retórica, e
de muitos verbalismos, parece se alojar no interior das
personagens, fundindo homem e paisagem, ação e
processos mentais. (Ao longo deste romance, é muito
comum as vozes do narrador e das personagens se
confundirem.).
 O livro apresenta treze capítulos, dentre os quais alguns
podem até ser lidos em outra ordem (romance
desmontável) Somente o primeiro capítulo, "mudança", e
o último, "fuga", devem ser lidos nesta ordem.
Vidas Secas

 Implícita ou explicita a crítica social a toda pobreza no
sertão nordestino - Que acaba por prejudicar todo o país,
impedindo maiores desenvolvimentos.
 Há a tentativa, portanto, de se mostrar a desarticulação
dessa região com o resto do país (um Brasil pobre dentro
de todo o Brasil).
 O próprio título da obra nos dá a mensagem que "Vidas"
se opõe a "Secas" pois a primeira tem sentido de
abundância, enquanto, a segunda, de vazio, de falta,
configurando um paradoxo.
 Personagens são focalizados um por vez - o que mostra
que cada uma tem sua vida particular, acentuando-se a
solidão em que vivem.
Vidas Secas

Jorge Amado

 Nasceu na Bahia.
 Ficou conhecido com o romance o País do Carnaval.
 Publicou a Biografia de Prestes.
 Seus livros estão traduzidos para mais de trinta línguas.
 As obras eram regionalistas e de denúncia social.
 Passou por varias fases e voltou-se para as crônicas.
Jorge Amado
 Aos 19 anos Jorge Amado tornou-se um dos principais
representantes do romance nordestino e o autor brasileiro
com o maior número de livros vendidos no país e no
exterior.
 Suas obras foram publicadas em 62 países e traduzidas
para 48 idiomas e dialetos.
 No exterior escreveu o Subterrâneo da Liberdade, romance
em três volumes, no qual dissecava o Estado Novo e
denunciava a perseguição política, a tortura as prisões.
 Em 1952 seus livros foram proibidos nos Estados Unidos.
 Seus romances percorrem duas faces delimitadas por
Gabriela Cravo e Canela, publicado em 1958.
Jorge Amado

 O País do Carnaval, romance (1930).
 Cacau, romance (1933).
 Suor, romance (1934).
 Jubiabá, romance (1935).
 Mar morto, romance (1936).
 Capitães da areia, romance (1937).
 A estrada do mar, poesia (1938).
 ABC de Castro Alves, biografia (1941).
 O cavaleiro da esperança, biografia (1942).
 Terras do Sem-Fim, romance (1943).
 São Jorge dos Ilhéus, romance (1944).
 Bahia de Todos os Santos, guia (1945).
Obras

Obras

Obras

Gabriela Cravo &
Canela
 Gabriela cravo e canela é dividido em duas partes, que
são em si, dividas em outras duas. A história começa em
1925,na cidade de Ilhéus. A primeira parte é Um Brasileiro
das Arábias e sua primeira divisão é O langor de Ofenísia.
 No final da primeira parte aparece Gabriela, uma
retirante que planeja estabelecer-se em Ilhéus como
cozinheira ou doméstica, apesar dos pedidos do amante
que planeja ganhar dinheiro plantando cacau.
 A segunda parte chama-se propriamente Gabriela Cravo
e Canela e sua primeira parte, o capítulo terceiro, chama-
se O segredo de Malvina, terceiro capítulo, passa-se: o
caso Malvina -Josué-Glória-Rômulo, as complicações
políticas e o ciúme de Nacib.
 O capítulo acaba durante a festa de casamento de
Nacib e Gabriela (no civil, já que Nacib é muçulmano
não-praticante),quando chegam as dragas no porto de
Ilhéus. A quarta e última parte chama-se O luar de
Gabriela. Nesta resolvem-se todos os casos.
 Cheio de uma crítica à sociedade ilheense, a própria
linguagem do autor muda quando foca-se a atenção
em Gabriela. Torna-se mais cantada, mais típica da
região(como é a fala de todos),deixando a leitura cada
vez mais saborosa.
Gabriela Cravo &
Canela

Este romance aborda a época da fixação e
expansão das fazendas de cacau em São Jorge dos
Ilhéus.
Com a cobiça e o desejo de enriquecimento,
surgem as lutas entre dois fazendeiros: o coronel
Horácio da Silveira e Juca Badaró, da família dos
Badarós, a mais rica da região.
Ambas disputam as terras incultas de modo
violento, principalmente Horácio, para quem as armas
eram as únicas leis.
Terras do Sem-Fim
Ao lado dessa linha principal do enredo, há o drama de
Ester, esposa de Horácio, educada em outro meio e com outros
sonhos, e que não se acostuma com a vida fechada e cercada de
perigos que leva na fazenda, sempre sobressaltada pelos ruídos
da mata e pelos crimes. Quando conhece Virgílio, um novo
advogado que passa a frequentar sua casa, vê nele a figura de
seus sonhos de adolescente, perdidos com o casamento com
Horácio. Acaba por tornar-se sua amante.
A estrutura do livro mantém um suspense na sequencia
dos fatos que envolvem as lutas entre fazendeiros e capangas e
o drama íntimo de Ester. No final, ela morre de tifo enquanto
Virgílio, mais tarde, é assassinado por Horácio que ficara
sabendo de tudo. Com a posse do Sequeiro Grande, Horácio
torna-se o principal chefe de São Jorge do Ilhéus.
Terras do Sem-Fim
 Nesta história, Jorge Amado narra a vida de um grupo de
meninos pobres que moram num trapiche abandonado em
Salvador. Os Capitães da Areia têm entre nove e dezesseis anos
e vivem de golpes e pequenos furtos, aterrorizando a capital
baiana.
 Do valente líder Pedro Bala, com seu rosto atravessado por uma
cicatriz de navalha, ao carola Pirulito, que reza todas as noites
para purgar seus pecados; do sensato Professor, o único
inteiramente letrado do grupo, ao sedutor Gato, aprendiz de
cafetão, cada um desses meninos tem sua personalidade
própria, sua concepção de mundo, seus sonhos modestos.
 Os meninos crescem e encontram caminhos variados:
marinheiro, artista, frade, gigolô, cangaceiro. O líder Pedro Bala
decide lutar e assumir a tarefa de mudar o destino dos mais
pobres.
Capitães da Areia
 Influenciada pela militância comunista do autor na época
em que foi escrita, a narrativa de Capitães da Areia
transcende a orientação política mais imediata. Divididas
entre a inocência da infância e a crueza do universo
adulto, as crianças têm de lidar com um cotidiano ao
mesmo tempo livre e vulnerável, revelando um
desamparo e uma fragilidade que, em muitos aspectos,
permanecem atuais.
 A má fama do grupo, no entanto, se espalha pela cidade.
Contra eles se levantam os jornais, a polícia, o juizado de
menores e as “famílias distintas”. Mas há também quem
os ajude: o padre José Pedro, a mãe de santo Don’Aninha,
o estivador João de Adão e o capoeirista Querido-de-
Deus.
Capitães da Areia
Modernismo Segunda Fase Brasil
 Romancista brasileiro nascido no engenho Corredor, no
município de Pilar, Paraíba. Em 3 de julho de 1901.
 Traçou um panorama da terra e da sociedade do nordeste
durante o ciclo da cana-de-açúcar iniciou sua primeira
fase de romancista (1930-1936).
 Um dos mais notáveis escritores brasileiros. De família
ligada á economia açucareira,
 Fez parte do movimento Literário Modernismo, segunda
geração.
Jose Lins do Rego

Os ciclos em torno
do engenho

 Romancista brasileiro nascido no engenho Corredor, no
município de Pilar, Paraíba. Em 3 de julho de 1901.
 Traçou um panorama da terra e da sociedade do nordeste
durante o ciclo da cana-de-açúcar iniciou sua primeira
fase de romancista (1930-1936).
 Um dos mais notáveis escritores brasileiros. De família
ligada á economia açucareira,
 Fez parte do movimento Literário Modernismo, segunda
geração.
Os ciclos em torno
do engenho

 3º Ciclo: Obras independentes
 Apresentam temas diferentes e diversificados, com
lutas proletárias, lirismo erótico e memorialismo.
 Obras: O moleque Ricardo, Pureza, Água Mãe,
Riacho Doce, Eurídice e Meus verdes anos.
Os ciclos em torno
do engenho
 Riacho doce(1939),
 Água-mãe(1941), Primeiro romance ambientado fora
do Nordeste, ambientado em Cabo Frio, Rj,
 Fogo morto(1943), seu melhor romance,
 Eurídice (1947), que tem como cenário o Rio de
Janeiro e lhe deu o prêmio Fábio Prado,
 cangaceiros(1953)que marcou um retorno do
romancista á literatura regional.
Obras

 Menino de engenho(1932),
 Doidinho(1933),
 Bangüê(1934),
 Moleque Ricardo(1935)
 Usina(1936),
 Pureza(1937),
 Pedra bonita(1938),
Obras

Obras

Obras

Coitado do Santa Fé! Já o conheci de fogo morto.
E nada é mais triste do engenho de fogo morto. Uma
desolação de fim de vida, ruína, que dá á paisagem
rural uma melancolia de cemitério abandonado. Na
bagaceira, crescendo, o mata-pasto de cobrir gente,
melão entrando pelas fornalhas, os moradores fugindo
para outros engenhos, tudo deixado para um canto, e
até os bois de carros vendidos para dar de comer aos
seus donos.
Resumo de “Menino
do Engenho”

Ao lado da prosperidade e da riqueza do meu
avô, eu vira ruir, até no prestígio de sua autoridade,
aquele simpático velhinho que era o coronel Lula de
Holanda, com seu santa fé caindo aos pedaços. Todos
barbados, como aqueles velhos dos álbuns de retratos
antigos, sempre que saíam de casa era de cabriolé e de
casimira preta. A sua vida parecia um mistério. Não
plantava um pé de cana e não pedia um tostão
emprestado a ninguém.
Resumo de “Menino
do Engenho”

Raquel Queiroz

 Nasceu em Fortaleza, Ceara em 17 de novembro de
1910,
 Foi professora, jornalista, romancista, cronista e
teatróloga,
 Primeira mulher a entrar para a academia de letras.
 Descendente pelo lado materno de José de Alencar.
Raquel Queiroz

 Em 1993, foi a primeira mulher a receber o Prêmio
Camões
 Em 1927 lançou seu primeiro romance: “Historia de
um nome”.
 Em 1930, aos 20 anos, ficou nacionalmente conhecida
ao publicar sua obra “O quinze”.
Raquel Queiroz
 Romances: O quinze (1930), João Miguel (1932);
Caminho de pedras (1937) As três Marias (1939);
Dôra, Doralina (1975); O galo de ouro (1985) -
folhetim na revista “O Cruzeiro", (1950); Obra
reunida (1989); Memorial de Maria Moura (1992).
 Literatura Infanto-Juvenil: O menino mágico (1969);
Cafute & Pena-de-Prata (1986); Andira (1992); Cenas
brasileiras - Para gostar de ler 17.
 Teatro: Lampião (1953); A beata Maria do Egito
(1958); Teatro (1995); O padrezinho santo (inédita); A
sereia voadora (inédita).
Obras

 Crônica: A donzela e a moura torta (1948); 100 Crônicas
escolhidas (1958) O brasileiro perplexo (1964); O caçador
de tatu (1967); As menininhas e outras crônicas (1976); O
jogador de sinuca e mais historinhas (1980); Mapinguari
(1964); As terras ásperas (1993); O homem e o tempo (74
crônicas escolhidas); A longa vida que já vivemos; Um
alpendre, uma rede, um açude: 100 crônicas escolhidas;
Cenas brasileiras; Xerimbabo (ilustrações de Graça Lima);
Falso mar, falso mundo - 89 crônicas escolhidas (2002).
 Antologias: Três romances (1948); Quatro romances
(1960) (O Quinze, João Miguel, Caminho de Pedras, As
três Marias); Seleta (1973) - organização de Paulo Rónai.
Obras

Obras

Obras Infantis

 Publicado em 1930, o romance de Raquel Queiroz
renovou a ficção regionalista
 A obra apresenta a seca do nordeste e a fome como
consequência
 O titulo evoca a terrível seca do ceara em 1915.
 A obra compõe-se de 26 capítulos, sem títulos,
enumerados.
 É um romance regionalista de temática social.
O Quinze

 A linguagem é natural, direta, coloquial, simples e
sóbria.
 O quinze e narrado em terceira pessoa.
 Composta pelo pelos personagens: Conceição,
Vicente, Chico, Bento, Cordulina, Josias, Pedro,
Manuel(Duquinha), Paulo, Mocinha, Lourdinha,
Alice, Dona Inácia, Major, Dona Idalina, Dona
Maroca, Marinha Garcia, Luís Bezerra, Doninha,
Zefinha e Chiquinha Boa.
O Quinze
O romance O Quinze projetou nacionalmente o nome de
Rachel de Queiroz. Retomando o tema da seca, que já fora tratado
em outros romances, Rachel deu-lhe maior dimensão social, sem
deixar de lado a análise psicológica de algumas personagens.
A marcha penosa e trágica da família de Chico Bento, que
representa o retirante, constitui o núcleo dramático da obra. A par
disso, desenvolve-se o drama da impossibilidade de comunicação
afetiva entre Vicente e Conceição; ele, um dono de fazenda
sensível à miséria que o rodeia, mas impotente para eliminá-la;
ela, uma moça da cidade atraída pela figura livre e franca de
Vicente, mas que não consegue penetrar em seu mundo rude,
quase selvagem.
O Quinze

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Trovadorismo
TrovadorismoTrovadorismo
Trovadorismo
Adrielle Itaparica
 
Modernismo em Portugal
Modernismo em PortugalModernismo em Portugal
Modernismo em Portugal
Colégio Santa Luzia
 
Modernismo
Modernismo Modernismo
Modernismo
Cláudia Heloísa
 
Modernismo 2 fase (geração de 30)
Modernismo 2 fase (geração de 30)Modernismo 2 fase (geração de 30)
Modernismo 2 fase (geração de 30)
Josie Ubiali
 
Blog segunda fase modernista - prosa
Blog    segunda fase modernista - prosaBlog    segunda fase modernista - prosa
Blog segunda fase modernista - prosa
Luciene Gomes
 
Primeira fase do modernismo
Primeira fase do modernismoPrimeira fase do modernismo
Primeira fase do modernismo
Victor Said
 
Modernismo iii fase(7)
Modernismo iii fase(7)Modernismo iii fase(7)
Modernismo iii fase(7)
claudia murta
 
Romantismo - aula
Romantismo - aulaRomantismo - aula
Machado de Assis
Machado de AssisMachado de Assis
Machado de Assis
Robert Harris
 
Terceira geração modernista
Terceira geração modernista Terceira geração modernista
Terceira geração modernista
Claudio Soares
 
Naturalismo brasileiro e português
Naturalismo brasileiro e portuguêsNaturalismo brasileiro e português
Naturalismo brasileiro e português
Colégio Santa Luzia
 
Classicismo
ClassicismoClassicismo
Classicismo
Ana Paula Brisolar
 
Parnasianismo
 Parnasianismo Parnasianismo
O negro na literatura brasileira
O negro na literatura brasileiraO negro na literatura brasileira
O negro na literatura brasileira
ma.no.el.ne.ves
 
Modernismo 1ª fase apresentação
Modernismo 1ª fase apresentaçãoModernismo 1ª fase apresentação
Modernismo 1ª fase apresentação
Zenia Ferreira
 
O romantismo da segunda geração
O romantismo da segunda geraçãoO romantismo da segunda geração
O romantismo da segunda geração
Antonio Minharro
 
Pre modernismo
Pre modernismoPre modernismo
Pre modernismo
Jaqueline Soares
 
Movimentos verde amarelo e anta
Movimentos verde amarelo e antaMovimentos verde amarelo e anta
Movimentos verde amarelo e anta
ma.no.el.ne.ves
 
Carlos Drummond de Andrade - 2ª fase do Modernismo
Carlos Drummond de Andrade - 2ª fase do Modernismo Carlos Drummond de Andrade - 2ª fase do Modernismo
Carlos Drummond de Andrade - 2ª fase do Modernismo
Colégio Santa Luzia
 
Pré-modernismo
Pré-modernismoPré-modernismo

Mais procurados (20)

Trovadorismo
TrovadorismoTrovadorismo
Trovadorismo
 
Modernismo em Portugal
Modernismo em PortugalModernismo em Portugal
Modernismo em Portugal
 
Modernismo
Modernismo Modernismo
Modernismo
 
Modernismo 2 fase (geração de 30)
Modernismo 2 fase (geração de 30)Modernismo 2 fase (geração de 30)
Modernismo 2 fase (geração de 30)
 
Blog segunda fase modernista - prosa
Blog    segunda fase modernista - prosaBlog    segunda fase modernista - prosa
Blog segunda fase modernista - prosa
 
Primeira fase do modernismo
Primeira fase do modernismoPrimeira fase do modernismo
Primeira fase do modernismo
 
Modernismo iii fase(7)
Modernismo iii fase(7)Modernismo iii fase(7)
Modernismo iii fase(7)
 
Romantismo - aula
Romantismo - aulaRomantismo - aula
Romantismo - aula
 
Machado de Assis
Machado de AssisMachado de Assis
Machado de Assis
 
Terceira geração modernista
Terceira geração modernista Terceira geração modernista
Terceira geração modernista
 
Naturalismo brasileiro e português
Naturalismo brasileiro e portuguêsNaturalismo brasileiro e português
Naturalismo brasileiro e português
 
Classicismo
ClassicismoClassicismo
Classicismo
 
Parnasianismo
 Parnasianismo Parnasianismo
Parnasianismo
 
O negro na literatura brasileira
O negro na literatura brasileiraO negro na literatura brasileira
O negro na literatura brasileira
 
Modernismo 1ª fase apresentação
Modernismo 1ª fase apresentaçãoModernismo 1ª fase apresentação
Modernismo 1ª fase apresentação
 
O romantismo da segunda geração
O romantismo da segunda geraçãoO romantismo da segunda geração
O romantismo da segunda geração
 
Pre modernismo
Pre modernismoPre modernismo
Pre modernismo
 
Movimentos verde amarelo e anta
Movimentos verde amarelo e antaMovimentos verde amarelo e anta
Movimentos verde amarelo e anta
 
Carlos Drummond de Andrade - 2ª fase do Modernismo
Carlos Drummond de Andrade - 2ª fase do Modernismo Carlos Drummond de Andrade - 2ª fase do Modernismo
Carlos Drummond de Andrade - 2ª fase do Modernismo
 
Pré-modernismo
Pré-modernismoPré-modernismo
Pré-modernismo
 

Destaque

Segunda fase do Modernismo no Brasil
Segunda fase do Modernismo no BrasilSegunda fase do Modernismo no Brasil
Segunda fase do Modernismo no Brasil
eeadolpho
 
A Segunda Geração modernista brasileira: Poesia
A Segunda Geração modernista brasileira: PoesiaA Segunda Geração modernista brasileira: Poesia
A Segunda Geração modernista brasileira: Poesia
Ademir Miranda
 
Modernismo – 2ª fase – Romance de 30
Modernismo – 2ª fase – Romance de 30Modernismo – 2ª fase – Romance de 30
Modernismo – 2ª fase – Romance de 30
CrisBiagio
 
2ª Fase do Modernismo (Poesia)
2ª Fase do Modernismo (Poesia)2ª Fase do Modernismo (Poesia)
2ª Fase do Modernismo (Poesia)
rkhelena
 
Modernismo brasil 1ª fase
Modernismo brasil 1ª faseModernismo brasil 1ª fase
Modernismo brasil 1ª fase
rillaryalvesj
 
Autores e obras da 2ª fase do modernismo brasileiro (prosa)
Autores e obras da 2ª fase do modernismo brasileiro (prosa)Autores e obras da 2ª fase do modernismo brasileiro (prosa)
Autores e obras da 2ª fase do modernismo brasileiro (prosa)
Luiz1123
 
2ª fase modernista (prosa)
2ª fase modernista (prosa)2ª fase modernista (prosa)
2ª fase modernista (prosa)
rillaryalvesj
 
Modernismo (2ª fase) - Romance de 30
Modernismo (2ª fase) -  Romance de 30Modernismo (2ª fase) -  Romance de 30
Modernismo (2ª fase) - Romance de 30
Bruna M
 
A segunda geração modernista brasileira ; 05.10.12
A segunda geração modernista brasileira ; 05.10.12A segunda geração modernista brasileira ; 05.10.12
A segunda geração modernista brasileira ; 05.10.12
Carina Abreu
 
Modernismo brasil
Modernismo brasilModernismo brasil
Modernismo brasil
Dante Napoli
 
Modernismo segunda fase
Modernismo segunda faseModernismo segunda fase
Modernismo segunda fase
Eliete Sampaio Farneda
 
A Geração De 30 (Prosa) - Prof. Kelly Mendes - Literatura
A Geração De 30 (Prosa) - Prof. Kelly Mendes - LiteraturaA Geração De 30 (Prosa) - Prof. Kelly Mendes - Literatura
A Geração De 30 (Prosa) - Prof. Kelly Mendes - Literatura
Hadassa Castro
 
Modernismo Brasileiro (PORT 2201- Intermediate Portuguese 2)
Modernismo Brasileiro (PORT 2201- Intermediate Portuguese 2)Modernismo Brasileiro (PORT 2201- Intermediate Portuguese 2)
Modernismo Brasileiro (PORT 2201- Intermediate Portuguese 2)
Xanda Lemos
 
Orações subordinadas substantivas
Orações subordinadas substantivasOrações subordinadas substantivas
Orações subordinadas substantivas
Colégio Santa Luzia
 
Poesia e modernismo
Poesia e modernismoPoesia e modernismo
Poesia e modernismo
Universidade das Quebradas
 
2ª fase do modernismo brasileiro
2ª fase do modernismo brasileiro2ª fase do modernismo brasileiro
2ª fase do modernismo brasileiro
Colégio Santa Luzia
 
Análise - Soneto do maior amor, Vinicius de Moraes
Análise - Soneto do maior amor, Vinicius de MoraesAnálise - Soneto do maior amor, Vinicius de Moraes
Análise - Soneto do maior amor, Vinicius de Moraes
Angelo Otto
 
Como produzir um artigo jornalístico
Como produzir um artigo jornalísticoComo produzir um artigo jornalístico
Como produzir um artigo jornalístico
Graded - The American School of São Paulo
 
Raquel de Queiroz
Raquel de Queiroz Raquel de Queiroz
Raquel de Queiroz
Larissa Silva
 
Modernismo 2 fase
Modernismo 2 faseModernismo 2 fase
Modernismo 2 fase
Giovany Henrique
 

Destaque (20)

Segunda fase do Modernismo no Brasil
Segunda fase do Modernismo no BrasilSegunda fase do Modernismo no Brasil
Segunda fase do Modernismo no Brasil
 
A Segunda Geração modernista brasileira: Poesia
A Segunda Geração modernista brasileira: PoesiaA Segunda Geração modernista brasileira: Poesia
A Segunda Geração modernista brasileira: Poesia
 
Modernismo – 2ª fase – Romance de 30
Modernismo – 2ª fase – Romance de 30Modernismo – 2ª fase – Romance de 30
Modernismo – 2ª fase – Romance de 30
 
2ª Fase do Modernismo (Poesia)
2ª Fase do Modernismo (Poesia)2ª Fase do Modernismo (Poesia)
2ª Fase do Modernismo (Poesia)
 
Modernismo brasil 1ª fase
Modernismo brasil 1ª faseModernismo brasil 1ª fase
Modernismo brasil 1ª fase
 
Autores e obras da 2ª fase do modernismo brasileiro (prosa)
Autores e obras da 2ª fase do modernismo brasileiro (prosa)Autores e obras da 2ª fase do modernismo brasileiro (prosa)
Autores e obras da 2ª fase do modernismo brasileiro (prosa)
 
2ª fase modernista (prosa)
2ª fase modernista (prosa)2ª fase modernista (prosa)
2ª fase modernista (prosa)
 
Modernismo (2ª fase) - Romance de 30
Modernismo (2ª fase) -  Romance de 30Modernismo (2ª fase) -  Romance de 30
Modernismo (2ª fase) - Romance de 30
 
A segunda geração modernista brasileira ; 05.10.12
A segunda geração modernista brasileira ; 05.10.12A segunda geração modernista brasileira ; 05.10.12
A segunda geração modernista brasileira ; 05.10.12
 
Modernismo brasil
Modernismo brasilModernismo brasil
Modernismo brasil
 
Modernismo segunda fase
Modernismo segunda faseModernismo segunda fase
Modernismo segunda fase
 
A Geração De 30 (Prosa) - Prof. Kelly Mendes - Literatura
A Geração De 30 (Prosa) - Prof. Kelly Mendes - LiteraturaA Geração De 30 (Prosa) - Prof. Kelly Mendes - Literatura
A Geração De 30 (Prosa) - Prof. Kelly Mendes - Literatura
 
Modernismo Brasileiro (PORT 2201- Intermediate Portuguese 2)
Modernismo Brasileiro (PORT 2201- Intermediate Portuguese 2)Modernismo Brasileiro (PORT 2201- Intermediate Portuguese 2)
Modernismo Brasileiro (PORT 2201- Intermediate Portuguese 2)
 
Orações subordinadas substantivas
Orações subordinadas substantivasOrações subordinadas substantivas
Orações subordinadas substantivas
 
Poesia e modernismo
Poesia e modernismoPoesia e modernismo
Poesia e modernismo
 
2ª fase do modernismo brasileiro
2ª fase do modernismo brasileiro2ª fase do modernismo brasileiro
2ª fase do modernismo brasileiro
 
Análise - Soneto do maior amor, Vinicius de Moraes
Análise - Soneto do maior amor, Vinicius de MoraesAnálise - Soneto do maior amor, Vinicius de Moraes
Análise - Soneto do maior amor, Vinicius de Moraes
 
Como produzir um artigo jornalístico
Como produzir um artigo jornalísticoComo produzir um artigo jornalístico
Como produzir um artigo jornalístico
 
Raquel de Queiroz
Raquel de Queiroz Raquel de Queiroz
Raquel de Queiroz
 
Modernismo 2 fase
Modernismo 2 faseModernismo 2 fase
Modernismo 2 fase
 

Semelhante a Modernismo Segunda Fase Brasil

Segunda fase-modernismo
Segunda fase-modernismoSegunda fase-modernismo
Segunda fase-modernismo
Nádia França
 
modernismo-2a-fase-30-a-45.pptx
modernismo-2a-fase-30-a-45.pptxmodernismo-2a-fase-30-a-45.pptx
modernismo-2a-fase-30-a-45.pptx
VivianeSilva230677
 
modernismo-2a-fase-30-a-45.pptx
modernismo-2a-fase-30-a-45.pptxmodernismo-2a-fase-30-a-45.pptx
modernismo-2a-fase-30-a-45.pptx
VivianeSilva230677
 
modernismo_2geracao.pdf
modernismo_2geracao.pdfmodernismo_2geracao.pdf
modernismo_2geracao.pdf
josue261257
 
2 Fase Modernista- ROMANCE DE 30
2 Fase Modernista- ROMANCE DE 302 Fase Modernista- ROMANCE DE 30
2 Fase Modernista- ROMANCE DE 30
Jaqueline Soares
 
Pré modernismo
Pré modernismoPré modernismo
Pré modernismo
terceirob
 
3373962 literatura-aula-19-pre modernismo-brasil
3373962 literatura-aula-19-pre modernismo-brasil3373962 literatura-aula-19-pre modernismo-brasil
3373962 literatura-aula-19-pre modernismo-brasil
William Marques
 
Pre modernismo-no-brasil
Pre modernismo-no-brasilPre modernismo-no-brasil
Pre modernismo-no-brasil
Jose Arnaldo Silva
 
Érico Veríssimo
Érico VeríssimoÉrico Veríssimo
Érico Veríssimo
Milanda Gonçalo
 
Pré-modernismo
Pré-modernismoPré-modernismo
Pré-modernismo
Ingrid Coelho
 
Pré modernismo
Pré modernismoPré modernismo
Pré modernismo
ricardocarvalho992180
 
Prosa Neorrealista Regionalista
Prosa Neorrealista Regionalista Prosa Neorrealista Regionalista
Prosa Neorrealista Regionalista
Wanderson Farias
 
Segundafasedomodernismonobrasil 120509063705-phpapp02
Segundafasedomodernismonobrasil 120509063705-phpapp02Segundafasedomodernismonobrasil 120509063705-phpapp02
Segundafasedomodernismonobrasil 120509063705-phpapp02
Brigitte Lispector
 
Pré modernismo (1902- 1922) profª karin
Pré modernismo (1902- 1922) profª karinPré modernismo (1902- 1922) profª karin
Pré modernismo (1902- 1922) profª karin
professorakarin2013
 
Quinhentismo (século xvi)2
Quinhentismo (século xvi)2Quinhentismo (século xvi)2
Quinhentismo (século xvi)2
Eliete Sampaio Farneda
 
Apostila pré modernismo
Apostila pré modernismoApostila pré modernismo
Apostila pré modernismo
Mônica D'Almenery
 
Pré
PréPré
Pré modernismo
Pré modernismoPré modernismo
Pré modernismo
Alef Santana
 
Aula 19 pré - modernismo - brasil
Aula 19   pré - modernismo - brasilAula 19   pré - modernismo - brasil
Aula 19 pré - modernismo - brasil
Jonatas Carlos
 
Segunda Tarefa
Segunda TarefaSegunda Tarefa
Segunda Tarefa
Danilo Souza
 

Semelhante a Modernismo Segunda Fase Brasil (20)

Segunda fase-modernismo
Segunda fase-modernismoSegunda fase-modernismo
Segunda fase-modernismo
 
modernismo-2a-fase-30-a-45.pptx
modernismo-2a-fase-30-a-45.pptxmodernismo-2a-fase-30-a-45.pptx
modernismo-2a-fase-30-a-45.pptx
 
modernismo-2a-fase-30-a-45.pptx
modernismo-2a-fase-30-a-45.pptxmodernismo-2a-fase-30-a-45.pptx
modernismo-2a-fase-30-a-45.pptx
 
modernismo_2geracao.pdf
modernismo_2geracao.pdfmodernismo_2geracao.pdf
modernismo_2geracao.pdf
 
2 Fase Modernista- ROMANCE DE 30
2 Fase Modernista- ROMANCE DE 302 Fase Modernista- ROMANCE DE 30
2 Fase Modernista- ROMANCE DE 30
 
Pré modernismo
Pré modernismoPré modernismo
Pré modernismo
 
3373962 literatura-aula-19-pre modernismo-brasil
3373962 literatura-aula-19-pre modernismo-brasil3373962 literatura-aula-19-pre modernismo-brasil
3373962 literatura-aula-19-pre modernismo-brasil
 
Pre modernismo-no-brasil
Pre modernismo-no-brasilPre modernismo-no-brasil
Pre modernismo-no-brasil
 
Érico Veríssimo
Érico VeríssimoÉrico Veríssimo
Érico Veríssimo
 
Pré-modernismo
Pré-modernismoPré-modernismo
Pré-modernismo
 
Pré modernismo
Pré modernismoPré modernismo
Pré modernismo
 
Prosa Neorrealista Regionalista
Prosa Neorrealista Regionalista Prosa Neorrealista Regionalista
Prosa Neorrealista Regionalista
 
Segundafasedomodernismonobrasil 120509063705-phpapp02
Segundafasedomodernismonobrasil 120509063705-phpapp02Segundafasedomodernismonobrasil 120509063705-phpapp02
Segundafasedomodernismonobrasil 120509063705-phpapp02
 
Pré modernismo (1902- 1922) profª karin
Pré modernismo (1902- 1922) profª karinPré modernismo (1902- 1922) profª karin
Pré modernismo (1902- 1922) profª karin
 
Quinhentismo (século xvi)2
Quinhentismo (século xvi)2Quinhentismo (século xvi)2
Quinhentismo (século xvi)2
 
Apostila pré modernismo
Apostila pré modernismoApostila pré modernismo
Apostila pré modernismo
 
Pré
PréPré
Pré
 
Pré modernismo
Pré modernismoPré modernismo
Pré modernismo
 
Aula 19 pré - modernismo - brasil
Aula 19   pré - modernismo - brasilAula 19   pré - modernismo - brasil
Aula 19 pré - modernismo - brasil
 
Segunda Tarefa
Segunda TarefaSegunda Tarefa
Segunda Tarefa
 

Mais de ggmota93

Plastico (5)
Plastico (5)Plastico (5)
Plastico (5)
ggmota93
 
Plasticos
PlasticosPlasticos
Plasticos
ggmota93
 
Plastico (3)
Plastico (3)Plastico (3)
Plastico (3)
ggmota93
 
Plastico (2)
Plastico (2)Plastico (2)
Plastico (2)
ggmota93
 
Plastico (1)
Plastico (1)Plastico (1)
Plastico (1)
ggmota93
 
Parnasianismo
ParnasianismoParnasianismo
Parnasianismo
ggmota93
 
Os combustíveis alternativos no brasil
Os combustíveis alternativos no brasilOs combustíveis alternativos no brasil
Os combustíveis alternativos no brasil
ggmota93
 
Densidade
DensidadeDensidade
Densidade
ggmota93
 
Cubismo
CubismoCubismo
Cubismo
ggmota93
 
Cubismo
CubismoCubismo
Cubismo
ggmota93
 
A Arte Barroca
A Arte BarrocaA Arte Barroca
A Arte Barroca
ggmota93
 
A Arte Barroca
A Arte BarrocaA Arte Barroca
A Arte Barroca
ggmota93
 
A Arte Barroca
A Arte BarrocaA Arte Barroca
A Arte Barroca
ggmota93
 
Tabela periodica
Tabela periodicaTabela periodica
Tabela periodica
ggmota93
 

Mais de ggmota93 (14)

Plastico (5)
Plastico (5)Plastico (5)
Plastico (5)
 
Plasticos
PlasticosPlasticos
Plasticos
 
Plastico (3)
Plastico (3)Plastico (3)
Plastico (3)
 
Plastico (2)
Plastico (2)Plastico (2)
Plastico (2)
 
Plastico (1)
Plastico (1)Plastico (1)
Plastico (1)
 
Parnasianismo
ParnasianismoParnasianismo
Parnasianismo
 
Os combustíveis alternativos no brasil
Os combustíveis alternativos no brasilOs combustíveis alternativos no brasil
Os combustíveis alternativos no brasil
 
Densidade
DensidadeDensidade
Densidade
 
Cubismo
CubismoCubismo
Cubismo
 
Cubismo
CubismoCubismo
Cubismo
 
A Arte Barroca
A Arte BarrocaA Arte Barroca
A Arte Barroca
 
A Arte Barroca
A Arte BarrocaA Arte Barroca
A Arte Barroca
 
A Arte Barroca
A Arte BarrocaA Arte Barroca
A Arte Barroca
 
Tabela periodica
Tabela periodicaTabela periodica
Tabela periodica
 

Último

Relatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdf
Falcão Brasil
 
Trabalho Colaborativo na educação especial.pdf
Trabalho Colaborativo na educação especial.pdfTrabalho Colaborativo na educação especial.pdf
Trabalho Colaborativo na educação especial.pdf
marcos oliveira
 
Relatório de Atividades 2011 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2011 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2011 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2011 CENSIPAM.pdf
Falcão Brasil
 
Licao de adultos Topico 1 CPAD edit.pptx
Licao de adultos Topico 1 CPAD edit.pptxLicao de adultos Topico 1 CPAD edit.pptx
Licao de adultos Topico 1 CPAD edit.pptx
jetroescola
 
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
LuizHenriquedeAlmeid6
 
A perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptx
A perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptxA perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptx
A perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptx
marcos oliveira
 
Caça-palavras e cruzadinha - Encontros consonantais.
Caça-palavras e cruzadinha -  Encontros consonantais.Caça-palavras e cruzadinha -  Encontros consonantais.
Caça-palavras e cruzadinha - Encontros consonantais.
Mary Alvarenga
 
Relatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdf
Falcão Brasil
 
Slide para aplicação da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
Slide para aplicação  da AVAL. FLUÊNCIA.pptxSlide para aplicação  da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
Slide para aplicação da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
LeilaVilasboas
 
Relatório de Atividades 2016 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2016 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2016 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2016 CENSIPAM.pdf
Falcão Brasil
 
Mini livro sanfona - Minha Escola Tem História.
Mini livro  sanfona - Minha Escola Tem História. Mini livro  sanfona - Minha Escola Tem História.
Mini livro sanfona - Minha Escola Tem História.
Mary Alvarenga
 
Texto e atividade - O que fazemos com a água que usamos.
Texto e atividade -  O que fazemos com a água que usamos.Texto e atividade -  O que fazemos com a água que usamos.
Texto e atividade - O que fazemos com a água que usamos.
Mary Alvarenga
 
Apostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdf
Apostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdfApostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdf
Apostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdf
pattyhsilva271204
 
escrita criativa utilizada na arteterapia
escrita criativa   utilizada na arteterapiaescrita criativa   utilizada na arteterapia
escrita criativa utilizada na arteterapia
shirleisousa9166
 
Caderno 1 - Módulo Água JMS 2024 (1).pdf
Caderno 1 -  Módulo Água JMS 2024 (1).pdfCaderno 1 -  Módulo Água JMS 2024 (1).pdf
Caderno 1 - Módulo Água JMS 2024 (1).pdf
SupervisoEMAC
 
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsxOceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Luzia Gabriele
 
Ideais do Ministério jovem Adventista pdf
Ideais do Ministério jovem Adventista pdfIdeais do Ministério jovem Adventista pdf
Ideais do Ministério jovem Adventista pdf
Anesio2
 
reconquista sobre a guerra de ibérica.docx
reconquista sobre a guerra de ibérica.docxreconquista sobre a guerra de ibérica.docx
reconquista sobre a guerra de ibérica.docx
felipescherner
 
Alfabetização de adultos.pdf
Alfabetização de             adultos.pdfAlfabetização de             adultos.pdf
Alfabetização de adultos.pdf
arodatos81
 

Último (20)

Relatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdf
 
Trabalho Colaborativo na educação especial.pdf
Trabalho Colaborativo na educação especial.pdfTrabalho Colaborativo na educação especial.pdf
Trabalho Colaborativo na educação especial.pdf
 
Relatório de Atividades 2011 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2011 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2011 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2011 CENSIPAM.pdf
 
Licao de adultos Topico 1 CPAD edit.pptx
Licao de adultos Topico 1 CPAD edit.pptxLicao de adultos Topico 1 CPAD edit.pptx
Licao de adultos Topico 1 CPAD edit.pptx
 
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
 
A perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptx
A perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptxA perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptx
A perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptx
 
Caça-palavras e cruzadinha - Encontros consonantais.
Caça-palavras e cruzadinha -  Encontros consonantais.Caça-palavras e cruzadinha -  Encontros consonantais.
Caça-palavras e cruzadinha - Encontros consonantais.
 
Relatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdf
 
Slide para aplicação da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
Slide para aplicação  da AVAL. FLUÊNCIA.pptxSlide para aplicação  da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
Slide para aplicação da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
 
TALENTOS DA NOSSA ESCOLA .
TALENTOS DA NOSSA ESCOLA                .TALENTOS DA NOSSA ESCOLA                .
TALENTOS DA NOSSA ESCOLA .
 
Relatório de Atividades 2016 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2016 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2016 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2016 CENSIPAM.pdf
 
Mini livro sanfona - Minha Escola Tem História.
Mini livro  sanfona - Minha Escola Tem História. Mini livro  sanfona - Minha Escola Tem História.
Mini livro sanfona - Minha Escola Tem História.
 
Texto e atividade - O que fazemos com a água que usamos.
Texto e atividade -  O que fazemos com a água que usamos.Texto e atividade -  O que fazemos com a água que usamos.
Texto e atividade - O que fazemos com a água que usamos.
 
Apostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdf
Apostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdfApostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdf
Apostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdf
 
escrita criativa utilizada na arteterapia
escrita criativa   utilizada na arteterapiaescrita criativa   utilizada na arteterapia
escrita criativa utilizada na arteterapia
 
Caderno 1 - Módulo Água JMS 2024 (1).pdf
Caderno 1 -  Módulo Água JMS 2024 (1).pdfCaderno 1 -  Módulo Água JMS 2024 (1).pdf
Caderno 1 - Módulo Água JMS 2024 (1).pdf
 
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsxOceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
 
Ideais do Ministério jovem Adventista pdf
Ideais do Ministério jovem Adventista pdfIdeais do Ministério jovem Adventista pdf
Ideais do Ministério jovem Adventista pdf
 
reconquista sobre a guerra de ibérica.docx
reconquista sobre a guerra de ibérica.docxreconquista sobre a guerra de ibérica.docx
reconquista sobre a guerra de ibérica.docx
 
Alfabetização de adultos.pdf
Alfabetização de             adultos.pdfAlfabetização de             adultos.pdf
Alfabetização de adultos.pdf
 

Modernismo Segunda Fase Brasil

  • 2.   Modernismo brasileiro se estendeu de 1930 a 1945. como marco inicial  Carlos Drummond de Andrade ( 1902 -1987) publicou Alguma Poesia, e como marco final  O Engenheiro, de Haroldo de Campos (1929 – 2003)  O mundo ainda sofria a depressão econômica causada pela quebra da bolsa de Nova York, em 1929 Contexto Histórico
  • 3.  Durante esse colapso no sistema financeiro mundial, paralisações de fábricas, falências bancárias, desemprego em massa, fome e miséria eram constantes.  No Brasil, a República do café-com-leite ou República Velha estava em crise.  Ocorreu a Revolução de 1930 no Brasil, que levou Getúlio Vargas ao governo provisório. Contexto Histórico
  • 4.   Na década de 1930 houve uma significativa irrupção de novos e brilhantes romancistas  Surgiram importantes editoras, como a de José Olympio (1902 – 1990), que publicou os romancistas inovadores do Nordeste.  A população brasileira chegou a 41,1 milhões de habitantes em 1940, dos quais 56,2% eram analfabetos Contexto Histórico
  • 5.  Modernistas da primeira fase, como Mário de Andrade (1893 - 1945) e Oswald de Andrade (1890 - 1954), continuavam ativos e conviviam na imprensa com os autores da nova geração, como Rachel de Queiroz.  Vargas iniciou a ditadura militar no Brasil, em 1937  E durou até 29 de outubro de 1945, quando debaixo de pressões, Getúlio renunciou ao cargo. Contexto Histórico
  • 6.  O modernismo foi caracterizado, no campo da poesia, pelo amadurecimento e pela ampliação das conquistas dos primeiros modernistas.  Nos anos de 1930 a 1945 a poesia modernista se consolida e alarga seus horizontes temáticos.  Houve ainda a retomada de elementos simbolistas, principalmente pelo grupo de poetas que se agrupou em torno da revista carioca Festa. Características
  • 7.  O alargamento do campo temático ocorreu pela abrangência de novos enfoques como se verá a seguir:  Amadurecimento e solidificação da poesia modernista.  Mistura do verso livre com formas tradicionais de compor poemas.  Mistura da temática cotidiana com temática histórico-social.  Revalorização da poesia simbolista
  • 8.  Vocabulário  Sintaxe  Escolha dos termos  A própria maneira de ver o mundo  Pregaram a rejeição dos padrões portugueses,  Valorização diferente do léxico(por meio de pronomes de terceira pessoa, de certos adverbios, conectivos, numerais ou por meio de substantivos). Os modernistas afirmam libertação em setores como
  • 9.  Desejo de ser atuais.  Exprimir a vida diária.  Dar estado de literatura aos fatos da civilização moderna.  Retratava coisas cotidianas descrevendo com palavras de todo o dia.  Estilo retórico e sonoro. Os modernistas afirmam libertação em setores como
  • 10.  A nossa prosa de ficção com renovada força, criadora, nos punha em contato com um Brasil pouco conhecido, herdeiros dos diretos modernista de 1922, os modernistas da segunda geração também se voltam para a realidade brasileira, mas agora com a intenção de denúncia social e engajamento político.  Autores dos romances de 30: Rachel de Queiroz, Jose Lins do Rego, Graciliano Ramos, Jorge Amado, Érico Veríssimo. Principais Autores & Prosa
  • 12.   Nasceu em 17 de dezembro de 1905 e faleceu em 28 de novembro de 1975;  Pai de Luís Fernando Veríssimo;  Foi um escritor da fase modernista, onde a literatura traz a reflexão dos problemas sociais;  Sua obra caracteriza-se em três fases. Erico Lopes Veríssimo
  • 13.  Abrange 200 anos de história do Rio Grande do Sul;  Principal obra: “O Tempo e o Vento”.  Romance histórico: O tempo e o vento. A trilogia de Érico Veríssimo procura abranger duzentos anos da história do Rio Grande do Sul, de 1745 a 1945. O primeiro volume (O continente), narra a conquista de São Pedro pelos primeiros colonos e é considerado o ponto mais alto de sua obra. Romance Histórico
  • 14.   Foi escrito durante a ditadura militar;  Principal obra: “Incidentes em Antares”.  Denuncia os males do autoritarismo e as violações dos direitos humanos. Romance Político
  • 15.  Caracteriza-se pela linguagem acessível;  Usa a técnica da contraponta;  Principal obra: “Caminhos Cruzados”. As obras desta fase registram a vida da pequena burguesia porto-alegrense, com uma visão otimista, às vezes lírica, às vezes crítica, e com uma linguagem tradicional, sem maiores inovações estilísticas. Desta fase destaca-se Caminhos cruzados, considerado um marco na evolução do romance brasileiro. Nele, Érico Veríssimo usa a técnica do contraponto que consiste mesclar pontos de vista diferentes (do escritor e das personagens) com a representação fragmentária das situações vividas pelas personagens, sem que haja no texto um centro catalisador. Romance Urbano
  • 16.   “Clarissa” (1933)  "Música ao longe" (1936)  "Olhai os lírios do campo" (1938)  "O tempo e o vento" (1949-1962)  "Incidente em Antares" (1971)  Além dessas obras, Érico Veríssimo publicou contos, livros de literatura infantil, como “Fantoche” (1932), ensaios e críticas de literatura. Principais Obras
  • 18.  O Tempo e o Vento é uma série literária do escritor brasileiro Érico Veríssimo. E narra a formação do Estado do Rio Grande do Sul através das famílias Terra, Cambará, Carré e Amaral. Dividido em:  O Continente (1949) volumes 1 & 2,  O Retrato (1951) volumes 1 & 2,  O Arquipélago (1961) volumes 1, 2 & 3.  Os sete capítulos de O continente podem ser lidos de diversas formas. Tempo e o Vento
  • 19.  Símbolo da literatura regionalista gaúcha.  Obras que aliam a descrição denunciante do Realismo às investigações psicológicas das personagens e liberdades linguísticas do narrador, frutos do Modernismo.  Os dois volumes de O continente são os mais lidos e conhecidos da trilogia.  Parte de seu conteúdo teve adaptações para o cinema e a televisão: em 1985, a TV Globo adaptou "O Continente" para a tela cuja produção recebeu o título da trilogia, "O Tempo e o Vento" - o sucesso do personagem Capitão Rodrigo levou a Editora Globo a publicar em separado o capítulo da obra a ele dedicado, Um certo Capitão Rodrigo. Tempo e o Vento
  • 21.   Graciliano Ramos É o principal dos romancistas da geração de 1930,  Considerado o maior representante da geração neorrealista nordestina.  Sua obra é considerada como "clássica" pela qualidade literária. Graciliano Ramos
  • 22.  Seus romances tratam tanto do:  Social (miséria, fome, seca, latifúndio).  Como do psicológico (opressão, medo, angústia etc.).  Linguagem condensada, sem retórica,  Romance crítico, de tensão entre a personagem e o meio (natureza e sociedade), romance de esquerda. Graciliano Ramos
  • 23.  Acusado de ter participado da ANL (Aliança Nacional Libertadora), passou por várias prisões, foi levado para a ilha Grande, no estado do Rio de Janeiro, onde permaneceu dez meses encarcerado. Dessa experiência, nasceria Memórias do cárceres, obra que ultrapassava os limites do pessoal para se tornar um importante depoimento da realidade brasileira da época e uma denúncia do atraso cultural e do autoritarismo da era Vargas. Graciliano Ramos
  • 24. Obras de Graciliano Ramos:  Caetés (1933)  São Bernardo (1934)  Angústia (1936)  Vidas Secas (1938) Além de Romancista ele também escreveu ainda Contos, Crônicas e impressões de viagens. Graciliano Ramos
  • 27.   História de uma família de retirantes que vive em pleno agreste os sofrimentos da estiagem. Universo pobre de um homem (Fabiano), uma mulher (Sinhá Vitória), os filhos e uma cachorra (Baleia).  Fabiano, Sinhá Vitória e os filhos são exemplos de seres convertidos em criaturas, animalizados, brutalizados por causa da precariedade de suas condições de vida, enquanto abandonam a terra onde nasceram e procuravam na cidade uma forma de sobrevivência. Vidas Secas
  • 28.   A Perda de humanidade por parte dos personagens - "Os seus pés duros quebravam espinhos e não sentiam a quentura da terra. Montado, confundia-se com o cavalo (...)." – animalizando Fabiano.  Discurso indireto livre - um dos mais importantes recursos narrativos de Graciliano Ramos, cuja retórica, e de muitos verbalismos, parece se alojar no interior das personagens, fundindo homem e paisagem, ação e processos mentais. (Ao longo deste romance, é muito comum as vozes do narrador e das personagens se confundirem.).  O livro apresenta treze capítulos, dentre os quais alguns podem até ser lidos em outra ordem (romance desmontável) Somente o primeiro capítulo, "mudança", e o último, "fuga", devem ser lidos nesta ordem. Vidas Secas
  • 29.   Implícita ou explicita a crítica social a toda pobreza no sertão nordestino - Que acaba por prejudicar todo o país, impedindo maiores desenvolvimentos.  Há a tentativa, portanto, de se mostrar a desarticulação dessa região com o resto do país (um Brasil pobre dentro de todo o Brasil).  O próprio título da obra nos dá a mensagem que "Vidas" se opõe a "Secas" pois a primeira tem sentido de abundância, enquanto, a segunda, de vazio, de falta, configurando um paradoxo.  Personagens são focalizados um por vez - o que mostra que cada uma tem sua vida particular, acentuando-se a solidão em que vivem. Vidas Secas
  • 31.   Nasceu na Bahia.  Ficou conhecido com o romance o País do Carnaval.  Publicou a Biografia de Prestes.  Seus livros estão traduzidos para mais de trinta línguas.  As obras eram regionalistas e de denúncia social.  Passou por varias fases e voltou-se para as crônicas. Jorge Amado
  • 32.  Aos 19 anos Jorge Amado tornou-se um dos principais representantes do romance nordestino e o autor brasileiro com o maior número de livros vendidos no país e no exterior.  Suas obras foram publicadas em 62 países e traduzidas para 48 idiomas e dialetos.  No exterior escreveu o Subterrâneo da Liberdade, romance em três volumes, no qual dissecava o Estado Novo e denunciava a perseguição política, a tortura as prisões.  Em 1952 seus livros foram proibidos nos Estados Unidos.  Seus romances percorrem duas faces delimitadas por Gabriela Cravo e Canela, publicado em 1958. Jorge Amado
  • 33.   O País do Carnaval, romance (1930).  Cacau, romance (1933).  Suor, romance (1934).  Jubiabá, romance (1935).  Mar morto, romance (1936).  Capitães da areia, romance (1937).  A estrada do mar, poesia (1938).  ABC de Castro Alves, biografia (1941).  O cavaleiro da esperança, biografia (1942).  Terras do Sem-Fim, romance (1943).  São Jorge dos Ilhéus, romance (1944).  Bahia de Todos os Santos, guia (1945). Obras
  • 36.  Gabriela Cravo & Canela  Gabriela cravo e canela é dividido em duas partes, que são em si, dividas em outras duas. A história começa em 1925,na cidade de Ilhéus. A primeira parte é Um Brasileiro das Arábias e sua primeira divisão é O langor de Ofenísia.  No final da primeira parte aparece Gabriela, uma retirante que planeja estabelecer-se em Ilhéus como cozinheira ou doméstica, apesar dos pedidos do amante que planeja ganhar dinheiro plantando cacau.  A segunda parte chama-se propriamente Gabriela Cravo e Canela e sua primeira parte, o capítulo terceiro, chama- se O segredo de Malvina, terceiro capítulo, passa-se: o caso Malvina -Josué-Glória-Rômulo, as complicações políticas e o ciúme de Nacib.
  • 37.  O capítulo acaba durante a festa de casamento de Nacib e Gabriela (no civil, já que Nacib é muçulmano não-praticante),quando chegam as dragas no porto de Ilhéus. A quarta e última parte chama-se O luar de Gabriela. Nesta resolvem-se todos os casos.  Cheio de uma crítica à sociedade ilheense, a própria linguagem do autor muda quando foca-se a atenção em Gabriela. Torna-se mais cantada, mais típica da região(como é a fala de todos),deixando a leitura cada vez mais saborosa. Gabriela Cravo & Canela
  • 38.  Este romance aborda a época da fixação e expansão das fazendas de cacau em São Jorge dos Ilhéus. Com a cobiça e o desejo de enriquecimento, surgem as lutas entre dois fazendeiros: o coronel Horácio da Silveira e Juca Badaró, da família dos Badarós, a mais rica da região. Ambas disputam as terras incultas de modo violento, principalmente Horácio, para quem as armas eram as únicas leis. Terras do Sem-Fim
  • 39. Ao lado dessa linha principal do enredo, há o drama de Ester, esposa de Horácio, educada em outro meio e com outros sonhos, e que não se acostuma com a vida fechada e cercada de perigos que leva na fazenda, sempre sobressaltada pelos ruídos da mata e pelos crimes. Quando conhece Virgílio, um novo advogado que passa a frequentar sua casa, vê nele a figura de seus sonhos de adolescente, perdidos com o casamento com Horácio. Acaba por tornar-se sua amante. A estrutura do livro mantém um suspense na sequencia dos fatos que envolvem as lutas entre fazendeiros e capangas e o drama íntimo de Ester. No final, ela morre de tifo enquanto Virgílio, mais tarde, é assassinado por Horácio que ficara sabendo de tudo. Com a posse do Sequeiro Grande, Horácio torna-se o principal chefe de São Jorge do Ilhéus. Terras do Sem-Fim
  • 40.  Nesta história, Jorge Amado narra a vida de um grupo de meninos pobres que moram num trapiche abandonado em Salvador. Os Capitães da Areia têm entre nove e dezesseis anos e vivem de golpes e pequenos furtos, aterrorizando a capital baiana.  Do valente líder Pedro Bala, com seu rosto atravessado por uma cicatriz de navalha, ao carola Pirulito, que reza todas as noites para purgar seus pecados; do sensato Professor, o único inteiramente letrado do grupo, ao sedutor Gato, aprendiz de cafetão, cada um desses meninos tem sua personalidade própria, sua concepção de mundo, seus sonhos modestos.  Os meninos crescem e encontram caminhos variados: marinheiro, artista, frade, gigolô, cangaceiro. O líder Pedro Bala decide lutar e assumir a tarefa de mudar o destino dos mais pobres. Capitães da Areia
  • 41.  Influenciada pela militância comunista do autor na época em que foi escrita, a narrativa de Capitães da Areia transcende a orientação política mais imediata. Divididas entre a inocência da infância e a crueza do universo adulto, as crianças têm de lidar com um cotidiano ao mesmo tempo livre e vulnerável, revelando um desamparo e uma fragilidade que, em muitos aspectos, permanecem atuais.  A má fama do grupo, no entanto, se espalha pela cidade. Contra eles se levantam os jornais, a polícia, o juizado de menores e as “famílias distintas”. Mas há também quem os ajude: o padre José Pedro, a mãe de santo Don’Aninha, o estivador João de Adão e o capoeirista Querido-de- Deus. Capitães da Areia
  • 43.  Romancista brasileiro nascido no engenho Corredor, no município de Pilar, Paraíba. Em 3 de julho de 1901.  Traçou um panorama da terra e da sociedade do nordeste durante o ciclo da cana-de-açúcar iniciou sua primeira fase de romancista (1930-1936).  Um dos mais notáveis escritores brasileiros. De família ligada á economia açucareira,  Fez parte do movimento Literário Modernismo, segunda geração. Jose Lins do Rego
  • 44.  Os ciclos em torno do engenho
  • 45.   Romancista brasileiro nascido no engenho Corredor, no município de Pilar, Paraíba. Em 3 de julho de 1901.  Traçou um panorama da terra e da sociedade do nordeste durante o ciclo da cana-de-açúcar iniciou sua primeira fase de romancista (1930-1936).  Um dos mais notáveis escritores brasileiros. De família ligada á economia açucareira,  Fez parte do movimento Literário Modernismo, segunda geração. Os ciclos em torno do engenho
  • 46.   3º Ciclo: Obras independentes  Apresentam temas diferentes e diversificados, com lutas proletárias, lirismo erótico e memorialismo.  Obras: O moleque Ricardo, Pureza, Água Mãe, Riacho Doce, Eurídice e Meus verdes anos. Os ciclos em torno do engenho
  • 47.  Riacho doce(1939),  Água-mãe(1941), Primeiro romance ambientado fora do Nordeste, ambientado em Cabo Frio, Rj,  Fogo morto(1943), seu melhor romance,  Eurídice (1947), que tem como cenário o Rio de Janeiro e lhe deu o prêmio Fábio Prado,  cangaceiros(1953)que marcou um retorno do romancista á literatura regional. Obras
  • 48.   Menino de engenho(1932),  Doidinho(1933),  Bangüê(1934),  Moleque Ricardo(1935)  Usina(1936),  Pureza(1937),  Pedra bonita(1938), Obras
  • 51.  Coitado do Santa Fé! Já o conheci de fogo morto. E nada é mais triste do engenho de fogo morto. Uma desolação de fim de vida, ruína, que dá á paisagem rural uma melancolia de cemitério abandonado. Na bagaceira, crescendo, o mata-pasto de cobrir gente, melão entrando pelas fornalhas, os moradores fugindo para outros engenhos, tudo deixado para um canto, e até os bois de carros vendidos para dar de comer aos seus donos. Resumo de “Menino do Engenho”
  • 52.  Ao lado da prosperidade e da riqueza do meu avô, eu vira ruir, até no prestígio de sua autoridade, aquele simpático velhinho que era o coronel Lula de Holanda, com seu santa fé caindo aos pedaços. Todos barbados, como aqueles velhos dos álbuns de retratos antigos, sempre que saíam de casa era de cabriolé e de casimira preta. A sua vida parecia um mistério. Não plantava um pé de cana e não pedia um tostão emprestado a ninguém. Resumo de “Menino do Engenho”
  • 54.   Nasceu em Fortaleza, Ceara em 17 de novembro de 1910,  Foi professora, jornalista, romancista, cronista e teatróloga,  Primeira mulher a entrar para a academia de letras.  Descendente pelo lado materno de José de Alencar. Raquel Queiroz
  • 55.   Em 1993, foi a primeira mulher a receber o Prêmio Camões  Em 1927 lançou seu primeiro romance: “Historia de um nome”.  Em 1930, aos 20 anos, ficou nacionalmente conhecida ao publicar sua obra “O quinze”. Raquel Queiroz
  • 56.  Romances: O quinze (1930), João Miguel (1932); Caminho de pedras (1937) As três Marias (1939); Dôra, Doralina (1975); O galo de ouro (1985) - folhetim na revista “O Cruzeiro", (1950); Obra reunida (1989); Memorial de Maria Moura (1992).  Literatura Infanto-Juvenil: O menino mágico (1969); Cafute & Pena-de-Prata (1986); Andira (1992); Cenas brasileiras - Para gostar de ler 17.  Teatro: Lampião (1953); A beata Maria do Egito (1958); Teatro (1995); O padrezinho santo (inédita); A sereia voadora (inédita). Obras
  • 57.   Crônica: A donzela e a moura torta (1948); 100 Crônicas escolhidas (1958) O brasileiro perplexo (1964); O caçador de tatu (1967); As menininhas e outras crônicas (1976); O jogador de sinuca e mais historinhas (1980); Mapinguari (1964); As terras ásperas (1993); O homem e o tempo (74 crônicas escolhidas); A longa vida que já vivemos; Um alpendre, uma rede, um açude: 100 crônicas escolhidas; Cenas brasileiras; Xerimbabo (ilustrações de Graça Lima); Falso mar, falso mundo - 89 crônicas escolhidas (2002).  Antologias: Três romances (1948); Quatro romances (1960) (O Quinze, João Miguel, Caminho de Pedras, As três Marias); Seleta (1973) - organização de Paulo Rónai. Obras
  • 60.   Publicado em 1930, o romance de Raquel Queiroz renovou a ficção regionalista  A obra apresenta a seca do nordeste e a fome como consequência  O titulo evoca a terrível seca do ceara em 1915.  A obra compõe-se de 26 capítulos, sem títulos, enumerados.  É um romance regionalista de temática social. O Quinze
  • 61.   A linguagem é natural, direta, coloquial, simples e sóbria.  O quinze e narrado em terceira pessoa.  Composta pelo pelos personagens: Conceição, Vicente, Chico, Bento, Cordulina, Josias, Pedro, Manuel(Duquinha), Paulo, Mocinha, Lourdinha, Alice, Dona Inácia, Major, Dona Idalina, Dona Maroca, Marinha Garcia, Luís Bezerra, Doninha, Zefinha e Chiquinha Boa. O Quinze
  • 62. O romance O Quinze projetou nacionalmente o nome de Rachel de Queiroz. Retomando o tema da seca, que já fora tratado em outros romances, Rachel deu-lhe maior dimensão social, sem deixar de lado a análise psicológica de algumas personagens. A marcha penosa e trágica da família de Chico Bento, que representa o retirante, constitui o núcleo dramático da obra. A par disso, desenvolve-se o drama da impossibilidade de comunicação afetiva entre Vicente e Conceição; ele, um dono de fazenda sensível à miséria que o rodeia, mas impotente para eliminá-la; ela, uma moça da cidade atraída pela figura livre e franca de Vicente, mas que não consegue penetrar em seu mundo rude, quase selvagem. O Quinze