SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 8
Introdução
Neste trabalho aprenderemos mais sobre: o conceito, classificação,
propriedades dos plásticos, exemplos com aplicações no cotidiano, problemas
ambientais ocasionados pelos plásticos e sobre a reciclagem de cada tipo de
plástico.
Os plásticos têm centenas de aplicações. Impermeáveis, maleáveis, duráveis e
com uma excelente relação custo/benefício, contribuem para o
desenvolvimento social, econômico e científico. E protegem o meio ambiente.
Proteções de plástico auxiliam na produção, estocagem e distribuição de
milhares de toneladas de alimentos. Evitam desperdícios e perdas por
transporte ou por alterações do clima.
Embalagens de plástico garantem que hortifrútis, carnes, laticínios e bebidas
cheguem à mesa em perfeitas condições para seu consumo.
Bolsas de sangue e de soro, cateteres, máquinas de circulação extracorpórea e
embalagens para resíduos hospitalares são alguns exemplos de materiais
plásticos que ajudam na cura e na prevenção de doenças. São os plásticos
salvando vidas.
Impedir a contaminação dos solos, evitar erosões, canalizar esgotos, preservar
a água e gerar energia são importantes contribuições dos plásticos à
preservação do meio ambiente.
Com plástico reciclado fabrica-se uma infinidade de produtos como vestuário,
componentes automotivos, conduítes, carpetes, bolsas, artigos de
comunicação visual, solados, páletes e móveis, entre vários outros.
A cadeia produtiva dos plásticos contribui decisivamente para o
Desenvolvimento Sustentável, ajudando na conservação dos recursos naturais,
melhorando a qualidade de vida das pessoas e contribuindo para o
crescimento econômico.
Custos competitivos, facilidade de instalação e baixa manutenção tornam os
plásticos perfeitamente adequados para o atendimento das necessidades
básicas: habitação, saneamento, suprimento de água e saúde.
Plástico: Conceito e Tipos
A origem da palavra plástico vem do grego plastikós, que significa adequado à
moldagem.
Plásticos são materiais formados pela união de grandes cadeias moleculares
chamadas polímeros que, por sua vez, são formadas por moléculas menores
denominadas monômeros.
Os plásticos são produzidos através de um processo químico conhecido como
polimerização, a união química de monômeros que forma polímeros.
Os polímeros podem ser naturais ou sintéticos.
São polímeros naturais, entre outros, algodão, madeira, cabelos, chifre de boi,
látex. Estes polímeros são comuns em plantas e animais.
São polímeros sintéticos os plásticos, obtidos através de reações químicas.
O tamanho e estrutura da molécula do polímero determinam as propriedades
do material plástico. Os polímeros dividem-se em:
Termoplásticos
São plásticos que não sofrem alterações na sua estrutura química durante o
aquecimento e que podem ser novamente fundidos após o resfriamento.
Exemplos: prolipropileno (PP), polietileno de alta densidade (PEAD), polietileno
de baixa densidade (PEBD), polietileno tereftalato (PET), poliestireno (PS),
policloreto de vinila (PVC) etc.
Termofixos
São aqueles que não fundem com o reaquecimento. Exemplos: resinas
fenólicas, epóxi, poliuretanos etc.
Tipos de plásticos
Utilizados em quase todos os setores da economia, tais como: construção civil,
agrícola, de calçados, móveis, alimentos, têxtil, lazer, telecomunicações,
eletroeletrônicos, automobilísticos, médico-hospitalar e distribuição de energia.
Nestes setores, os plásticos estão presentes nos mais diferentes produtos, a
exemplo dos geossintéticos, que assumem cada vez maior importância na
drenagem, controle de erosão e reforço do solo de aterros sanitários, tanques
industriais, entre outras utilidades.
O setor de embalagens para alimentos e bebidas vem se destacando pela
utilização crescente dos plásticos, em função de suas excelentes
características, entre elas: transparência, resistência, leveza e atoxidade.
Os plásticos são reunidos em sete grupos ou categorias:
 PET
 PEAD
 PVC
 PEBD/PELBD
 PP
 PS
 Outros (ABS/SAN, EVA, PA, PC).
O símbolo da reciclagem com um número ou uma sigla no centro, muitas vezes
encontrado no fundo dos produtos, identifica o plástico utilizado.
TERMOPLÁSTICOS
PET – Polietileno Tereftalato Frascos de refrigerantes, produtos
farmacêuticos, produtos de limpeza, mantas de impermeabilização e fibras
têxteis;
PEAD – Polietileno de Alta Densidade Embalagens para cosméticos, produtos
químicos e de limpeza, tubos para líquidos e gás, tanques de combustível para
veículos automotivos;
PVC – Policloreto de Vinila Frascos de água mineral, tubos e conexões,
calçados, encapamentos de cabos elétricos, equipamentos médico-cirúrgicos,
esquadrias e revestimentos;
PEDB – Polietileno de Baixa Densidade Embalagens de alimentos, sacos
industriais, sacos para lixo, lonas agrícolas, filmes flexíveis para embalagens e
rótulos de brinquedos;
PP – Polipropileno Embalagens de massas e biscoitos, potes de margarina,
seringas descartáveis, equipamentos médico-cirúrgicos, fibras e fios têxteis,
utilidades domésticas, autopeças (pára-choques de carro);
PS – Poliestireno Copos descartáveis, placas isolantes, aparelhos de som e
tv, embalagens de alimentos, revestimento de geladeiras, material escolar;
Outros Plásticos especiais e de engenharia, CDs, eletrodomésticos,
corpos de computadores,
TERMORRÍGIDOS
PU – Poliuretanos, EVA – Poliacetato de Etileno Vinil etc Solados de
calçados, interruptores, peças industriais elétricas, peças para banheiro, pratos,
travessas, cinzeiros, telefones e etc.
Polietilenos de baixa e alta densidade
• baixa densidade (flutua na água);
• amolecem a baixa temperatura (PEBD = 85ºC; PEAD = 120ºC);
• queimam como vela liberando cheiro de parafina;
• superfície lisa e “cerosa”.
Polipropileno
• baixa densidade (flutuam na água);
• amolece à baixa temperatura (150ºC);
• queima como vela liberando cheiro de parafina;
• filmes quando apertados nas mãos fazem barulho semelhante ao celofane.
Poli (cloreto de vinila)
• alta densidade (afunda na água);
• amolece a baixa temperatura (80ºC);
• queima com grande dificuldade liberando um cheiro acre;
• é soldável através de solventes (cetonas).
Poliestireno
• alta densidade (afunda na água);
• quebradiço;
• amolece a baixas temperaturas (80 a 100ºC);
• queima relativamente fácil liberando cheiro de “estireno”;
• é afetado por muitos solventes.
Poli (tereftalato de etileno)
• alta densidade (afunda na água);
• muito resistente;
• amolece a baixa temperatura (80ºC);
• utilizado no Brasil em embalagens de refrigerentes gasosos e começando a
ser utilizado em embalagens de óleos vegetais, água mineral e etc.
Moldagem de Produtos Plásticos
Os produtos plásticos podem ser moldados em vários processos fabris, sendo:
Processos mecânicos de moldagem, onde as diversas resinas poliméricas em
formato de grânulos, matéria-prima, depois de aquecidas podem ser
processadas pelos métodos de :
Extrusão
A matéria-prima amolecida é expulsa através de uma matriz instalada no
equipamento denominada extrusora, produzindo um produto que conserva a
sua forma ao longo de sua extensão. Os produtos flexíveis, como embalagens,
sacolas, sacos e bobinas também conhecidos como filme, após o processo de
extrusão, podem ser gravados sendo modelados o produto final com soldas e
cortes. Os produtos rígidos ou semirrígidos, como tubos, perfis, mangueiras e
chapas, tem o mesmo processo, havendo mudança da matéria-prima e matriz.
Injeção
A matéria-prima amolecida pelo calor e sob pressão é injetada através de
pequenos orifícios do molde, modelo do produto a ser fabricado, instalado num
equipamento denominado injetora. O produto, depois de resfriado suficiente
para manter a forma e medidas necessárias, é extraído do molde.
Sopro
A matéria-prima amolecida pelo calor é expulsa através de uma matriz e ou
fieira, formando uma mangueira quando o molde fecha sobre esta mangueira é
introduzido uma agulha onde o ar é soprado, que força o material a ocupar as
paredes ocas do molde, sendo moldada então a peça e após resfriamento
extraída.
A RECICLAGEM
O plástico pode ser reaproveitado de três maneiras:
RECICLAGEM ENERGÉTICA
- ele é queimado liberando um calor muito forte (superior ao do carvão e
próximo ao produzido pelo óleo combustível) que é aproveitado na forma de
energia.
RECICLAGEM QUÍMICA
– ele é "desmontado" por aquecimento e a matéria-prima pode então ser
utilizada novamente na indústria petroquímica.
RECICLAGEM MECÂNICA
- no Brasil, é a mais utilizada; é mais barata e mantém uma boa qualidade do
produto: Para facilitar a separação dos materiais plásticos para a reciclagem,
foram estabelecidos códigos para diferenciar cada tipo.
Classificação
 Termoendurecíveis: ganham forma de produtos rígidos por ação do calor
e de reações químicas e não são susceptíveis de serem moldados novamente
por ação do calor;
 Elastómeros: vulgarmente conhecidos como borrachas, podem ser
classificados em dois grandes grupos, as naturais (por exemplo, Látex) e as
sintéticas (por exemplo, SBR);
 Termoplásticos: amolecem quando aquecidos e endurecem de novo
quando arrefecem, o que permite moldá-los sucessivas vezes. Mais de 80%
dos plásticos vulgarmente utilizados são deste tipo.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Mais procurados (20)

Plástico
PlásticoPlástico
Plástico
 
Os plásticos e a reciclagem
Os plásticos e a reciclagemOs plásticos e a reciclagem
Os plásticos e a reciclagem
 
Apresentação plastico
Apresentação plasticoApresentação plastico
Apresentação plastico
 
Material auxiliar plástico ii
Material auxiliar plástico iiMaterial auxiliar plástico ii
Material auxiliar plástico ii
 
PET - Saiba mais
PET - Saiba maisPET - Saiba mais
PET - Saiba mais
 
Material revisar aulas
Material revisar aulasMaterial revisar aulas
Material revisar aulas
 
Industrias+de+plasticos
Industrias+de+plasticosIndustrias+de+plasticos
Industrias+de+plasticos
 
Termoplásticos
TermoplásticosTermoplásticos
Termoplásticos
 
Polimeros
PolimerosPolimeros
Polimeros
 
Química 12º - "Polimeros e reciclagem dos plásticos"
Química 12º - "Polimeros e reciclagem dos plásticos"Química 12º - "Polimeros e reciclagem dos plásticos"
Química 12º - "Polimeros e reciclagem dos plásticos"
 
Curso de Acrílicos
Curso de AcrílicosCurso de Acrílicos
Curso de Acrílicos
 
Polietileno
PolietilenoPolietileno
Polietileno
 
Trabalho Poliacetal
Trabalho PoliacetalTrabalho Poliacetal
Trabalho Poliacetal
 
Termorrígidos
TermorrígidosTermorrígidos
Termorrígidos
 
Polimeros slide pdf
Polimeros slide pdfPolimeros slide pdf
Polimeros slide pdf
 
Identificação de plásticos grupo 5 12 CT2 ESFH
Identificação de plásticos grupo 5 12 CT2 ESFHIdentificação de plásticos grupo 5 12 CT2 ESFH
Identificação de plásticos grupo 5 12 CT2 ESFH
 
Do petróleo ao PET
Do petróleo ao PETDo petróleo ao PET
Do petróleo ao PET
 
polióxido de metileno
polióxido de metilenopolióxido de metileno
polióxido de metileno
 
Sustentabilidade
SustentabilidadeSustentabilidade
Sustentabilidade
 
Apostila:Fibra de polipropileno
Apostila:Fibra de polipropilenoApostila:Fibra de polipropileno
Apostila:Fibra de polipropileno
 

Destaque

Aula 03 normas iso 14000 sobre sga (parte 1)
Aula 03   normas iso 14000 sobre sga (parte 1)Aula 03   normas iso 14000 sobre sga (parte 1)
Aula 03 normas iso 14000 sobre sga (parte 1)Luiz Anselmo Tourinho
 
MANUAL DE GESTÃO AMBIENTAL DO PORTO DE AVEIRO – VERSÃO 2
MANUAL DE GESTÃO AMBIENTAL DO PORTO DE AVEIRO – VERSÃO 2MANUAL DE GESTÃO AMBIENTAL DO PORTO DE AVEIRO – VERSÃO 2
MANUAL DE GESTÃO AMBIENTAL DO PORTO DE AVEIRO – VERSÃO 2portodeaveiro
 
Cadeia produtiva do gás natural
Cadeia produtiva do gás naturalCadeia produtiva do gás natural
Cadeia produtiva do gás naturalHaroldo Fogo
 
Plasticos e Meio Ambiente
Plasticos e  Meio AmbientePlasticos e  Meio Ambiente
Plasticos e Meio AmbienteClaudia Costa
 

Destaque (6)

Polietileno
PolietilenoPolietileno
Polietileno
 
Aula 03 normas iso 14000 sobre sga (parte 1)
Aula 03   normas iso 14000 sobre sga (parte 1)Aula 03   normas iso 14000 sobre sga (parte 1)
Aula 03 normas iso 14000 sobre sga (parte 1)
 
MANUAL DE GESTÃO AMBIENTAL DO PORTO DE AVEIRO – VERSÃO 2
MANUAL DE GESTÃO AMBIENTAL DO PORTO DE AVEIRO – VERSÃO 2MANUAL DE GESTÃO AMBIENTAL DO PORTO DE AVEIRO – VERSÃO 2
MANUAL DE GESTÃO AMBIENTAL DO PORTO DE AVEIRO – VERSÃO 2
 
Plasticos
PlasticosPlasticos
Plasticos
 
Cadeia produtiva do gás natural
Cadeia produtiva do gás naturalCadeia produtiva do gás natural
Cadeia produtiva do gás natural
 
Plasticos e Meio Ambiente
Plasticos e  Meio AmbientePlasticos e  Meio Ambiente
Plasticos e Meio Ambiente
 

Semelhante a Plastico (2)

Plastico (1)
Plastico (1)Plastico (1)
Plastico (1)ggmota93
 
Plastico (5)
Plastico (5)Plastico (5)
Plastico (5)ggmota93
 
A reciclagem de embalagens longa vida é o processo pelo qual são reintegrados...
A reciclagem de embalagens longa vida é o processo pelo qual são reintegrados...A reciclagem de embalagens longa vida é o processo pelo qual são reintegrados...
A reciclagem de embalagens longa vida é o processo pelo qual são reintegrados...sr adil
 
Polímeros, Polissacarídeos e Proteínas
Polímeros, Polissacarídeos e Proteínas Polímeros, Polissacarídeos e Proteínas
Polímeros, Polissacarídeos e Proteínas Mari Rodrigues
 
Manoel lúcio da silva
Manoel lúcio da silvaManoel lúcio da silva
Manoel lúcio da silvaMarttha Reys
 
Resumo dos principais temas de química para o ENEM
Resumo dos principais temas de química para o ENEMResumo dos principais temas de química para o ENEM
Resumo dos principais temas de química para o ENEMVinny Silva
 
Trabalho matrizes termoplásticas
Trabalho matrizes termoplásticasTrabalho matrizes termoplásticas
Trabalho matrizes termoplásticasAndre Quendera
 
Aula Materiais não Metálicos.pptx
Aula Materiais não Metálicos.pptxAula Materiais não Metálicos.pptx
Aula Materiais não Metálicos.pptxMiguel Jose
 
PALESTRA MICROPLÁTICOS - Copia.pdf
PALESTRA MICROPLÁTICOS - Copia.pdfPALESTRA MICROPLÁTICOS - Copia.pdf
PALESTRA MICROPLÁTICOS - Copia.pdfJurandirMarkante
 
Química dos polímeros - Ezequiel
Química dos polímeros - EzequielQuímica dos polímeros - Ezequiel
Química dos polímeros - EzequielEzequiel G
 
Reciclagem de plásticos
Reciclagem de plásticosReciclagem de plásticos
Reciclagem de plásticossoradinda_59
 

Semelhante a Plastico (2) (20)

Plastico (1)
Plastico (1)Plastico (1)
Plastico (1)
 
Plastico (5)
Plastico (5)Plastico (5)
Plastico (5)
 
A reciclagem de embalagens longa vida é o processo pelo qual são reintegrados...
A reciclagem de embalagens longa vida é o processo pelo qual são reintegrados...A reciclagem de embalagens longa vida é o processo pelo qual são reintegrados...
A reciclagem de embalagens longa vida é o processo pelo qual são reintegrados...
 
Polímeros, Polissacarídeos e Proteínas
Polímeros, Polissacarídeos e Proteínas Polímeros, Polissacarídeos e Proteínas
Polímeros, Polissacarídeos e Proteínas
 
Polímeros Sintéticos
Polímeros SintéticosPolímeros Sintéticos
Polímeros Sintéticos
 
Polímeros
PolímerosPolímeros
Polímeros
 
PolíMeros - Prof Thaiza
PolíMeros - Prof ThaizaPolíMeros - Prof Thaiza
PolíMeros - Prof Thaiza
 
Manoel lúcio da silva
Manoel lúcio da silvaManoel lúcio da silva
Manoel lúcio da silva
 
Aula7
Aula7Aula7
Aula7
 
Resumo dos principais temas de química para o ENEM
Resumo dos principais temas de química para o ENEMResumo dos principais temas de química para o ENEM
Resumo dos principais temas de química para o ENEM
 
Polímeros
PolímerosPolímeros
Polímeros
 
Trabalho matrizes termoplásticas
Trabalho matrizes termoplásticasTrabalho matrizes termoplásticas
Trabalho matrizes termoplásticas
 
Polímeros
PolímerosPolímeros
Polímeros
 
Aula Materiais não Metálicos.pptx
Aula Materiais não Metálicos.pptxAula Materiais não Metálicos.pptx
Aula Materiais não Metálicos.pptx
 
PALESTRA MICROPLÁTICOS - Copia.pdf
PALESTRA MICROPLÁTICOS - Copia.pdfPALESTRA MICROPLÁTICOS - Copia.pdf
PALESTRA MICROPLÁTICOS - Copia.pdf
 
Publicação2.pdf
Publicação2.pdfPublicação2.pdf
Publicação2.pdf
 
Questões dayvid
Questões dayvidQuestões dayvid
Questões dayvid
 
Plasticos
PlasticosPlasticos
Plasticos
 
Química dos polímeros - Ezequiel
Química dos polímeros - EzequielQuímica dos polímeros - Ezequiel
Química dos polímeros - Ezequiel
 
Reciclagem de plásticos
Reciclagem de plásticosReciclagem de plásticos
Reciclagem de plásticos
 

Mais de ggmota93

Parnasianismo
ParnasianismoParnasianismo
Parnasianismoggmota93
 
Os combustíveis alternativos no brasil
Os combustíveis alternativos no brasilOs combustíveis alternativos no brasil
Os combustíveis alternativos no brasilggmota93
 
Modernismo Segunda Fase Brasil
Modernismo Segunda Fase BrasilModernismo Segunda Fase Brasil
Modernismo Segunda Fase Brasilggmota93
 
A Arte Barroca
A Arte BarrocaA Arte Barroca
A Arte Barrocaggmota93
 
A Arte Barroca
A Arte BarrocaA Arte Barroca
A Arte Barrocaggmota93
 
A Arte Barroca
A Arte BarrocaA Arte Barroca
A Arte Barrocaggmota93
 
Tabela periodica
Tabela periodicaTabela periodica
Tabela periodicaggmota93
 

Mais de ggmota93 (10)

Parnasianismo
ParnasianismoParnasianismo
Parnasianismo
 
Os combustíveis alternativos no brasil
Os combustíveis alternativos no brasilOs combustíveis alternativos no brasil
Os combustíveis alternativos no brasil
 
Modernismo Segunda Fase Brasil
Modernismo Segunda Fase BrasilModernismo Segunda Fase Brasil
Modernismo Segunda Fase Brasil
 
Densidade
DensidadeDensidade
Densidade
 
Cubismo
CubismoCubismo
Cubismo
 
Cubismo
CubismoCubismo
Cubismo
 
A Arte Barroca
A Arte BarrocaA Arte Barroca
A Arte Barroca
 
A Arte Barroca
A Arte BarrocaA Arte Barroca
A Arte Barroca
 
A Arte Barroca
A Arte BarrocaA Arte Barroca
A Arte Barroca
 
Tabela periodica
Tabela periodicaTabela periodica
Tabela periodica
 

Último

Prática de interpretação de imagens de satélite no QGIS
Prática de interpretação de imagens de satélite no QGISPrática de interpretação de imagens de satélite no QGIS
Prática de interpretação de imagens de satélite no QGISVitor Vieira Vasconcelos
 
UFCD_10392_Intervenção em populações de risco_índice .pdf
UFCD_10392_Intervenção em populações de risco_índice .pdfUFCD_10392_Intervenção em populações de risco_índice .pdf
UFCD_10392_Intervenção em populações de risco_índice .pdfManuais Formação
 
VALORES HUMANOS NA DISCIPLINA DE ENSINO RELIGIOSO
VALORES HUMANOS NA DISCIPLINA DE ENSINO RELIGIOSOVALORES HUMANOS NA DISCIPLINA DE ENSINO RELIGIOSO
VALORES HUMANOS NA DISCIPLINA DE ENSINO RELIGIOSOBiatrizGomes1
 
trabalho wanda rocha ditadura
trabalho wanda rocha ditaduratrabalho wanda rocha ditadura
trabalho wanda rocha ditaduraAdryan Luiz
 
Apostila da CONQUISTA_ para o 6ANO_LP_UNI1.pptx
Apostila da CONQUISTA_ para o 6ANO_LP_UNI1.pptxApostila da CONQUISTA_ para o 6ANO_LP_UNI1.pptx
Apostila da CONQUISTA_ para o 6ANO_LP_UNI1.pptxIsabelaRafael2
 
Investimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANO
Investimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANOInvestimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANO
Investimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANOMarcosViniciusLemesL
 
HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024Sandra Pratas
 
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autores
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autoresSociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autores
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autoresaulasgege
 
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptxSlides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
geografia 7 ano - relevo, altitude, topos do mundo
geografia 7 ano - relevo, altitude, topos do mundogeografia 7 ano - relevo, altitude, topos do mundo
geografia 7 ano - relevo, altitude, topos do mundonialb
 
ABRIL VERDE.pptx Slide sobre abril ver 2024
ABRIL VERDE.pptx Slide sobre abril ver 2024ABRIL VERDE.pptx Slide sobre abril ver 2024
ABRIL VERDE.pptx Slide sobre abril ver 2024Jeanoliveira597523
 
Simulado 1 Etapa - 2024 Proximo Passo.pdf
Simulado 1 Etapa - 2024 Proximo Passo.pdfSimulado 1 Etapa - 2024 Proximo Passo.pdf
Simulado 1 Etapa - 2024 Proximo Passo.pdfEditoraEnovus
 
O guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdf
O guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdfO guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdf
O guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdfErasmo Portavoz
 
QUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptx
QUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptxQUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptx
QUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptxIsabellaGomes58
 
HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024Sandra Pratas
 
Aula 13 8º Ano Cap.04 Revolução Francesa.pptx
Aula 13 8º Ano Cap.04 Revolução Francesa.pptxAula 13 8º Ano Cap.04 Revolução Francesa.pptx
Aula 13 8º Ano Cap.04 Revolução Francesa.pptxBiancaNogueira42
 
FCEE - Diretrizes - Autismo.pdf para imprimir
FCEE - Diretrizes - Autismo.pdf para imprimirFCEE - Diretrizes - Autismo.pdf para imprimir
FCEE - Diretrizes - Autismo.pdf para imprimirIedaGoethe
 
Intolerância religiosa. Trata-se de uma apresentação sobre o respeito a diver...
Intolerância religiosa. Trata-se de uma apresentação sobre o respeito a diver...Intolerância religiosa. Trata-se de uma apresentação sobre o respeito a diver...
Intolerância religiosa. Trata-se de uma apresentação sobre o respeito a diver...LizanSantos1
 

Último (20)

Prática de interpretação de imagens de satélite no QGIS
Prática de interpretação de imagens de satélite no QGISPrática de interpretação de imagens de satélite no QGIS
Prática de interpretação de imagens de satélite no QGIS
 
UFCD_10392_Intervenção em populações de risco_índice .pdf
UFCD_10392_Intervenção em populações de risco_índice .pdfUFCD_10392_Intervenção em populações de risco_índice .pdf
UFCD_10392_Intervenção em populações de risco_índice .pdf
 
VALORES HUMANOS NA DISCIPLINA DE ENSINO RELIGIOSO
VALORES HUMANOS NA DISCIPLINA DE ENSINO RELIGIOSOVALORES HUMANOS NA DISCIPLINA DE ENSINO RELIGIOSO
VALORES HUMANOS NA DISCIPLINA DE ENSINO RELIGIOSO
 
treinamento brigada incendio 2024 no.ppt
treinamento brigada incendio 2024 no.ppttreinamento brigada incendio 2024 no.ppt
treinamento brigada incendio 2024 no.ppt
 
trabalho wanda rocha ditadura
trabalho wanda rocha ditaduratrabalho wanda rocha ditadura
trabalho wanda rocha ditadura
 
Apostila da CONQUISTA_ para o 6ANO_LP_UNI1.pptx
Apostila da CONQUISTA_ para o 6ANO_LP_UNI1.pptxApostila da CONQUISTA_ para o 6ANO_LP_UNI1.pptx
Apostila da CONQUISTA_ para o 6ANO_LP_UNI1.pptx
 
Investimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANO
Investimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANOInvestimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANO
Investimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANO
 
HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
 
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autores
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autoresSociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autores
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autores
 
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptxSlides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
 
geografia 7 ano - relevo, altitude, topos do mundo
geografia 7 ano - relevo, altitude, topos do mundogeografia 7 ano - relevo, altitude, topos do mundo
geografia 7 ano - relevo, altitude, topos do mundo
 
ABRIL VERDE.pptx Slide sobre abril ver 2024
ABRIL VERDE.pptx Slide sobre abril ver 2024ABRIL VERDE.pptx Slide sobre abril ver 2024
ABRIL VERDE.pptx Slide sobre abril ver 2024
 
Simulado 1 Etapa - 2024 Proximo Passo.pdf
Simulado 1 Etapa - 2024 Proximo Passo.pdfSimulado 1 Etapa - 2024 Proximo Passo.pdf
Simulado 1 Etapa - 2024 Proximo Passo.pdf
 
O guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdf
O guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdfO guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdf
O guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdf
 
QUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptx
QUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptxQUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptx
QUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptx
 
HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
 
Aula 13 8º Ano Cap.04 Revolução Francesa.pptx
Aula 13 8º Ano Cap.04 Revolução Francesa.pptxAula 13 8º Ano Cap.04 Revolução Francesa.pptx
Aula 13 8º Ano Cap.04 Revolução Francesa.pptx
 
Orientação Técnico-Pedagógica EMBcae Nº 001, de 16 de abril de 2024
Orientação Técnico-Pedagógica EMBcae Nº 001, de 16 de abril de 2024Orientação Técnico-Pedagógica EMBcae Nº 001, de 16 de abril de 2024
Orientação Técnico-Pedagógica EMBcae Nº 001, de 16 de abril de 2024
 
FCEE - Diretrizes - Autismo.pdf para imprimir
FCEE - Diretrizes - Autismo.pdf para imprimirFCEE - Diretrizes - Autismo.pdf para imprimir
FCEE - Diretrizes - Autismo.pdf para imprimir
 
Intolerância religiosa. Trata-se de uma apresentação sobre o respeito a diver...
Intolerância religiosa. Trata-se de uma apresentação sobre o respeito a diver...Intolerância religiosa. Trata-se de uma apresentação sobre o respeito a diver...
Intolerância religiosa. Trata-se de uma apresentação sobre o respeito a diver...
 

Plastico (2)

  • 1. Introdução Neste trabalho aprenderemos mais sobre: o conceito, classificação, propriedades dos plásticos, exemplos com aplicações no cotidiano, problemas ambientais ocasionados pelos plásticos e sobre a reciclagem de cada tipo de plástico. Os plásticos têm centenas de aplicações. Impermeáveis, maleáveis, duráveis e com uma excelente relação custo/benefício, contribuem para o desenvolvimento social, econômico e científico. E protegem o meio ambiente. Proteções de plástico auxiliam na produção, estocagem e distribuição de milhares de toneladas de alimentos. Evitam desperdícios e perdas por transporte ou por alterações do clima. Embalagens de plástico garantem que hortifrútis, carnes, laticínios e bebidas cheguem à mesa em perfeitas condições para seu consumo. Bolsas de sangue e de soro, cateteres, máquinas de circulação extracorpórea e embalagens para resíduos hospitalares são alguns exemplos de materiais plásticos que ajudam na cura e na prevenção de doenças. São os plásticos salvando vidas. Impedir a contaminação dos solos, evitar erosões, canalizar esgotos, preservar a água e gerar energia são importantes contribuições dos plásticos à preservação do meio ambiente. Com plástico reciclado fabrica-se uma infinidade de produtos como vestuário, componentes automotivos, conduítes, carpetes, bolsas, artigos de comunicação visual, solados, páletes e móveis, entre vários outros. A cadeia produtiva dos plásticos contribui decisivamente para o Desenvolvimento Sustentável, ajudando na conservação dos recursos naturais, melhorando a qualidade de vida das pessoas e contribuindo para o crescimento econômico. Custos competitivos, facilidade de instalação e baixa manutenção tornam os plásticos perfeitamente adequados para o atendimento das necessidades básicas: habitação, saneamento, suprimento de água e saúde.
  • 2. Plástico: Conceito e Tipos A origem da palavra plástico vem do grego plastikós, que significa adequado à moldagem. Plásticos são materiais formados pela união de grandes cadeias moleculares chamadas polímeros que, por sua vez, são formadas por moléculas menores denominadas monômeros. Os plásticos são produzidos através de um processo químico conhecido como polimerização, a união química de monômeros que forma polímeros. Os polímeros podem ser naturais ou sintéticos. São polímeros naturais, entre outros, algodão, madeira, cabelos, chifre de boi, látex. Estes polímeros são comuns em plantas e animais. São polímeros sintéticos os plásticos, obtidos através de reações químicas. O tamanho e estrutura da molécula do polímero determinam as propriedades do material plástico. Os polímeros dividem-se em: Termoplásticos São plásticos que não sofrem alterações na sua estrutura química durante o aquecimento e que podem ser novamente fundidos após o resfriamento. Exemplos: prolipropileno (PP), polietileno de alta densidade (PEAD), polietileno de baixa densidade (PEBD), polietileno tereftalato (PET), poliestireno (PS), policloreto de vinila (PVC) etc. Termofixos
  • 3. São aqueles que não fundem com o reaquecimento. Exemplos: resinas fenólicas, epóxi, poliuretanos etc. Tipos de plásticos
  • 4. Utilizados em quase todos os setores da economia, tais como: construção civil, agrícola, de calçados, móveis, alimentos, têxtil, lazer, telecomunicações, eletroeletrônicos, automobilísticos, médico-hospitalar e distribuição de energia. Nestes setores, os plásticos estão presentes nos mais diferentes produtos, a exemplo dos geossintéticos, que assumem cada vez maior importância na drenagem, controle de erosão e reforço do solo de aterros sanitários, tanques industriais, entre outras utilidades. O setor de embalagens para alimentos e bebidas vem se destacando pela utilização crescente dos plásticos, em função de suas excelentes características, entre elas: transparência, resistência, leveza e atoxidade. Os plásticos são reunidos em sete grupos ou categorias:  PET  PEAD  PVC  PEBD/PELBD  PP  PS  Outros (ABS/SAN, EVA, PA, PC). O símbolo da reciclagem com um número ou uma sigla no centro, muitas vezes encontrado no fundo dos produtos, identifica o plástico utilizado. TERMOPLÁSTICOS PET – Polietileno Tereftalato Frascos de refrigerantes, produtos farmacêuticos, produtos de limpeza, mantas de impermeabilização e fibras têxteis;
  • 5. PEAD – Polietileno de Alta Densidade Embalagens para cosméticos, produtos químicos e de limpeza, tubos para líquidos e gás, tanques de combustível para veículos automotivos; PVC – Policloreto de Vinila Frascos de água mineral, tubos e conexões, calçados, encapamentos de cabos elétricos, equipamentos médico-cirúrgicos, esquadrias e revestimentos; PEDB – Polietileno de Baixa Densidade Embalagens de alimentos, sacos industriais, sacos para lixo, lonas agrícolas, filmes flexíveis para embalagens e rótulos de brinquedos; PP – Polipropileno Embalagens de massas e biscoitos, potes de margarina, seringas descartáveis, equipamentos médico-cirúrgicos, fibras e fios têxteis, utilidades domésticas, autopeças (pára-choques de carro); PS – Poliestireno Copos descartáveis, placas isolantes, aparelhos de som e tv, embalagens de alimentos, revestimento de geladeiras, material escolar; Outros Plásticos especiais e de engenharia, CDs, eletrodomésticos, corpos de computadores, TERMORRÍGIDOS PU – Poliuretanos, EVA – Poliacetato de Etileno Vinil etc Solados de calçados, interruptores, peças industriais elétricas, peças para banheiro, pratos, travessas, cinzeiros, telefones e etc. Polietilenos de baixa e alta densidade • baixa densidade (flutua na água); • amolecem a baixa temperatura (PEBD = 85ºC; PEAD = 120ºC); • queimam como vela liberando cheiro de parafina; • superfície lisa e “cerosa”. Polipropileno • baixa densidade (flutuam na água); • amolece à baixa temperatura (150ºC); • queima como vela liberando cheiro de parafina; • filmes quando apertados nas mãos fazem barulho semelhante ao celofane. Poli (cloreto de vinila)
  • 6. • alta densidade (afunda na água); • amolece a baixa temperatura (80ºC); • queima com grande dificuldade liberando um cheiro acre; • é soldável através de solventes (cetonas). Poliestireno • alta densidade (afunda na água); • quebradiço; • amolece a baixas temperaturas (80 a 100ºC); • queima relativamente fácil liberando cheiro de “estireno”; • é afetado por muitos solventes. Poli (tereftalato de etileno) • alta densidade (afunda na água); • muito resistente; • amolece a baixa temperatura (80ºC); • utilizado no Brasil em embalagens de refrigerentes gasosos e começando a ser utilizado em embalagens de óleos vegetais, água mineral e etc. Moldagem de Produtos Plásticos Os produtos plásticos podem ser moldados em vários processos fabris, sendo: Processos mecânicos de moldagem, onde as diversas resinas poliméricas em formato de grânulos, matéria-prima, depois de aquecidas podem ser processadas pelos métodos de : Extrusão A matéria-prima amolecida é expulsa através de uma matriz instalada no equipamento denominada extrusora, produzindo um produto que conserva a sua forma ao longo de sua extensão. Os produtos flexíveis, como embalagens, sacolas, sacos e bobinas também conhecidos como filme, após o processo de
  • 7. extrusão, podem ser gravados sendo modelados o produto final com soldas e cortes. Os produtos rígidos ou semirrígidos, como tubos, perfis, mangueiras e chapas, tem o mesmo processo, havendo mudança da matéria-prima e matriz. Injeção A matéria-prima amolecida pelo calor e sob pressão é injetada através de pequenos orifícios do molde, modelo do produto a ser fabricado, instalado num equipamento denominado injetora. O produto, depois de resfriado suficiente para manter a forma e medidas necessárias, é extraído do molde. Sopro A matéria-prima amolecida pelo calor é expulsa através de uma matriz e ou fieira, formando uma mangueira quando o molde fecha sobre esta mangueira é introduzido uma agulha onde o ar é soprado, que força o material a ocupar as paredes ocas do molde, sendo moldada então a peça e após resfriamento extraída. A RECICLAGEM O plástico pode ser reaproveitado de três maneiras: RECICLAGEM ENERGÉTICA - ele é queimado liberando um calor muito forte (superior ao do carvão e próximo ao produzido pelo óleo combustível) que é aproveitado na forma de energia. RECICLAGEM QUÍMICA – ele é "desmontado" por aquecimento e a matéria-prima pode então ser utilizada novamente na indústria petroquímica. RECICLAGEM MECÂNICA - no Brasil, é a mais utilizada; é mais barata e mantém uma boa qualidade do produto: Para facilitar a separação dos materiais plásticos para a reciclagem, foram estabelecidos códigos para diferenciar cada tipo.
  • 8. Classificação  Termoendurecíveis: ganham forma de produtos rígidos por ação do calor e de reações químicas e não são susceptíveis de serem moldados novamente por ação do calor;  Elastómeros: vulgarmente conhecidos como borrachas, podem ser classificados em dois grandes grupos, as naturais (por exemplo, Látex) e as sintéticas (por exemplo, SBR);  Termoplásticos: amolecem quando aquecidos e endurecem de novo quando arrefecem, o que permite moldá-los sucessivas vezes. Mais de 80% dos plásticos vulgarmente utilizados são deste tipo.