SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 7
bbmmm


        2008




           METODOLOGIA DO ENSINO
           DAS ARTES VISUAIS
           AVALIAÇÃO FINAL DA DISCIPLINA JUNTO
           AO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM
           METODOLOGIA DO ENSINO DE ARTE
           Trabalho mostrando uma pesquisa preliminar sobre uma das
           fundamentações que orienta o trabalho com a Arte nos ambientes
           educativos: a Metodologia Triangular.




                                                           Henrique
                                                      Gomes de Lima
                                                       Outubro/2008
HENRIQUE GOMES DE LIMA




             UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CEARÁ
                   CENTRO DE EDUCAÇÃO
CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM METODOLOGIA DO ENSINO DE ARTE
   DISCIPLINA: METODOLOGIA DO ENSINO DAS ARTES VISUAIS
         PROFESSOR: JORGE LUIZ SILVEIRA DE ARAÚJO
              ALUNO: HENRIQUE GOMES DE LIMA




        METODOLOGIA TRIANGULAR




                           7
HENRIQUE GOMES DE LIMA


            Historicizando e conceituando a Metodologia Triangular


        Desde as primeiras décadas do século XX no Brasil, o ensino das artes
esteve voltado para a valorização do desenvolvimento da auto-expressão e da
auto-descoberta. Muitas experiências positivas foram realizadas nesse sentido, e
muitos equívocos foram cometidos. Nos anos 70, aflora entre os profissionais
ligados ao ensino da arte, uma preocupação e um questionamento sobre a
proposta educativa em arte centrada, apenas, no fazer. Sem negar a produção das
manifestações artísticas nas diversas linguagens, teatro, dança, música e artes
plásticas, os educadores iniciaram um processo de discussão e pesquisa que
direcionasse o ensino também para o conhecimento da arte e sua apreciação.
        Sobre essa questão, ou seja, esse absorver, sobre esse captar, é muito
interessante analisar o que nos fala Da Vinci: "Não vês que o olho abraça a
beleza do mundo inteiro? (...) É janela do corpo humano, por onde a alma
especula e frui a beleza do mundo, aceitando a prisão do corpo que, sem
esse poder, seria um tormento (...) Ó admirável necessidade! Quem
acreditaria que um espaço tão reduzido seria capaz de absorver as imagens
do universo? (...) O espírito do pintor deve fazer-se semelhante a um espelho
que adota a cor do que olha e se enche de tantas imagens quantas coisas
tiver diante de si." Nessa perspectiva, No final da década de 1980, Ana Mae
Barbosa (1988) adaptou a proposta do Projeto Discipline Based Art Education
(DBAE) para o que denominou de Metodologia Triangular, por envolver três
vertentes: o fazer artístico, a leitura da imagem e a contextualização histórica da
arte, consiste no intercruzamento desses três focos de aprendizagens advindos do
ensino da história da arte, da apreciação de obras de arte e da produção artística.
        Para Ana Mae Barbosa, "A produção de arte faz a criança pensar
inteligentemente acerca da criação de imagens visuais, mas somente a
produção não é suficiente para a leitura e o julgamento de qualidade das
imagens produzidas por artistas ou do mundo cotidiano que nos cerca. (...)
Temos que alfabetizar para a leitura da imagem. Através da leitura das obras
de artes plásticas estaremos preparando a criança para a decodificação da
gramática visual, da imagem fixa e, através da leitura do cinema e da
televisão, a preparemos para aprender a gramática da imagem em




                                         7
HENRIQUE GOMES DE LIMA



movimento. Essa decodificação precisa ser associada ao julgamento da
qualidade do que está sendo visto aqui e agora e em relação ao passado’’.
        Essa preocupação em torno do conhecer, do apreciar e do fazer arte
resultou no Brasil na metodologia triangular proposta por Ana Mae Barbosa, tendo
como referência trabalhos desenvolvidos por ingleses e americanos, preocupados
com um currículo que privilegiasse o fazer artístico, a história da arte e a análise da
obra de arte, visando não só o desenvolvimento dos educandos, mas a suas
necessidades e seus interesses. Dessa forma as atividades de arte na escola
passariam a ter um significado para o educando, deixando de ser uma atividade
incompreendida ou mero passa-tempo.


                                O Ensino e a Aprendizagem


        É importante citar nessa abordagem de trabalho que as discussões que
permeiam as questões sobre os referenciais devem sempre atentar para o caráter
histórico-social da Arte-educação e também para o papel da arte na modernidade.
Pedagogicamente podemos concluir que o primeiro dos tripés da metodologia, o
fazer artístico, tem estreitamente se identificado, na prática dos arte-educadores
que professam a Metodologia Triangular, com aquilo que se convencionou chamar
releitura: o aprendiz criança toma como estímulo para a sua criação artística não
um qualquer objeto natural ou imaginário, mas sim uma obra de arte por direito
próprio (uma pintura, um desenho, uma escultura, ...), que não é encarada como
um modelo a ser fielmente copiado mas, essencialmente, como um “suporte
interpretativo” para a produção de trabalhos autônomos (Barbosa, 1991, p.107).
        A interseção da história da arte, leitura da obra de arte (crítica e estética) e
fazer artístico num mundo cada vez mais ocupado pela imagem e seus ícones é
fator essencial para o desenvolvimento cultural e para a formação de pessoas mais
capazes de pensar inteligentemente acerca dos contextos. Relacionar arte ao seu
meio ambiente, investigar e explorar situações e relações, formular hipóteses e
realizar julgamentos se justificam no processo de experimentação e reflexão que a
arte proporciona. A metodologia triangular, mais tarde designada por "abordagem",
relaciona as quatro mais importantes coisas que as pessoas fazem com a arte: elas
a produzem, elas a vêem, elas procuram entender seu lugar na cultura através do
tempo, elas fazem julgamento acerca de sua qualidade."



                                           7
HENRIQUE GOMES DE LIMA



       A função da arte na escola é formar o conhecedor, fruidor e decodificador
da imagem, seja arte ou não.
A produção artística traz muitas interrogações, que somente são respondidas
através do olhar crítico, preparado e amadurecido no contexto que a História nos
conferiu e argumentados nos julgamentos de valor.
       Até o surgimento da Metodologia Triangular, com raras exceções, o ensino
da arte resumia-se a um certo fazer artístico encarado como entretenimento,
muitas vezes confundido com artesanato, com a produção de decorações e objetos
para festas, principalmente em datas comemorativas. Era esse o tipo de fazer
artístico que dominava as aulas de artes nos anos 70. Quem nunca viu crianças
saindo das escolas na época da Páscoa com os rostos pintados e as cabeças
enfeitadas por orelhas de coelho feitas com cartolina branca e recheadas de
algodão? Este é apenas um exemplo, mas existem muitos outros.


                        Competências necessárias ao educador

       Como chegar mais e melhor aos alunos fazendo com que as artes possam
ocupar um papel mais central no ensino? Como fazer com que as artes toquem a
sensibilidade deste aluno, freqüentemente resgatando-o do desinteresse por um
ensino de má qualidade que o joga para fora da escola? Como fazer com que o
papel humanizador da arte possa fazer uma ponte com suas inquietações humanas
e cidadãs, devolvendo o sentido à escola? É nesse contexto que a formação do
professor de arte é outro ponto a ser citado, para entender como a prática docente
desta disciplina assumiu essa forma: empobrecida, esvaziada de significado e
distante da realidade dos alunos, conseqüentemente fraca e desestimulante até
mesmo para os próprios professores. O professor não deve prescindir de sua
própria condição de criador pois há de refletir sobre interesses, vivências,
linguagens e modos de conhecimento em arte e práticas de seus alunos. É
fundamental conhecer a quem seu conteúdo se dirige e também as teorias do
desenvolvimento humano. O domínio do conteúdo específico de sua disciplina é
fundamental para a realização de uma prática tranqüila e viabilizadora de uma
sociedade inclusiva. É preciso ainda reconhecer procedimentos pedagógicos que
auxiliam as manifestações estéticas e reflexivas. Faz-se necessário utilizar
recursos avaliativos interessados na qualidade e na excelência no ensino da arte.



                                        7
HENRIQUE GOMES DE LIMA




        É ainda papel do professor, ajudar seu aluno a encontrar e construir
sentido para as informações que recebe, cada vez menos através da escola, cada
vez mais por meio do acesso às mídias digitais, visto que mesmo o aluno da rede
pública já tem acesso à internet e a outras fontes midiáticas de informação. Educar,
num contexto complexo, não significa apenas pensar-analisar-interpretar forma e
conteúdo, meio e mensagem, mas significa igualmente sentir-agir-transformar,
desse modo exercendo um papel recriador na realidade cotidiana. Isso implica
entender a comunicação midiática como um processo não apenas válido, mas
também poderoso de construção de conhecimento e de mediação social, nos
espaços de produção e transformação da cultura. Antes de ser preparado para
explicar a importância da Arte na Educação, o professor deverá estar preparado
para entender e explicar a função da arte para o indivíduo e para a sociedade.

                               A importância para o aluno

        A arte é inerente ao ser humano, que se educa no contexto das
manifestações culturais e se humaniza e se emociona à cada experiência ou
vivência estética. Proporcionar tal condição aos estudantes, não apenas é
importante, mas vital para sua formação enquanto ser. A linguagem não é apenas
meio de expressão, ela é condição indispensável à organização da vida mental do
ser humano. Portanto, aprender a lidar com o material artístico e transformá-lo em
instrumento de linguagem é sem dúvida dar acesso a capacidade de expressão
que todos nós possuímos. A arte é capaz de fazer flexibilizar pensamentos e
relações onde o criador é sempre capaz de conectar e mudar as interações
produzidas no mundo da imagem pré-concebida. Percebe as transformações e se
percebe transformador. Ele se faz um solucionador de problemas e é essa
capacidade que o torna apto a criar e a superar os seus próprios limites em seu
processo de tensão.
        Ao encontrar-se com o conhecimento formal de um curso de arte, o aluno
traz todo o conhecimento adquirido ao longo de seus anos através de experiências
e informações que recebe na rua, em casa, na instituição e na escola. No entanto,
a dialética entre arte e educação segue rumos diferentes: a primeira, suscita o
pensamento divergente, de natureza mutativa; a segunda, remete ao pensamento
convergente, de natureza conservativa. Num contexto onde todas as informações



                                         7
HENRIQUE GOMES DE LIMA



parecem estar em direções opostas e contrastantes, a arte é um elemento
unificador e pacificador da aprendizagem.
Para Pimentel (1989),
Arte e liberdade devem andar de mãos dadas.
Arte não gosta de amarras, de lições de boas Maneiras.
De ficar calado.
De ficar inerte nos
Quadriláteros do mundo.
Arte é vôo sem limites. Rio sem margens.
Mar sem ilhas. Arte é liberdade. Arte é voar.


A atividade artística bem conduzida pelo professor aguça a criatividade, incentiva a
coragem, fragmenta os bloqueios, possibilita a segurança e a desenvoltura,
mobiliza e conduz ao aprendizado.




                                          7

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

PLANEJAMENTO DE ARTE 2023.docx
PLANEJAMENTO DE ARTE 2023.docxPLANEJAMENTO DE ARTE 2023.docx
PLANEJAMENTO DE ARTE 2023.docxWeslleyDias8
 
Planejamento anual de artes ensino fundamental
Planejamento anual de artes ensino fundamentalPlanejamento anual de artes ensino fundamental
Planejamento anual de artes ensino fundamentalMarcia Alves de Oliveira
 
Planejamento ensino médio 1º 2º
Planejamento ensino médio 1º 2ºPlanejamento ensino médio 1º 2º
Planejamento ensino médio 1º 2ºRednei Pinto
 
Artes e interdisciplinaridade
Artes e interdisciplinaridadeArtes e interdisciplinaridade
Artes e interdisciplinaridadecrisoliv
 
Caderno de Orientações Pedagógicas - ARTE - RCRO
Caderno de Orientações Pedagógicas - ARTE - RCROCaderno de Orientações Pedagógicas - ARTE - RCRO
Caderno de Orientações Pedagógicas - ARTE - RCROLOCIMAR MASSALAI
 
Arte o elo de interação na interdisciplinaridade - plácido suares
Arte   o elo de interação na interdisciplinaridade - plácido suaresArte   o elo de interação na interdisciplinaridade - plácido suares
Arte o elo de interação na interdisciplinaridade - plácido suaresPlácido Suares
 
Metodologia do-ensino-de-arte
Metodologia do-ensino-de-arteMetodologia do-ensino-de-arte
Metodologia do-ensino-de-arteAugusto Pinto
 
Plano de aula artes - 3ª avaliação
Plano de aula   artes - 3ª avaliaçãoPlano de aula   artes - 3ª avaliação
Plano de aula artes - 3ª avaliaçãoRenato Lima
 
23416525 arte-planos-de-aula
23416525 arte-planos-de-aula23416525 arte-planos-de-aula
23416525 arte-planos-de-aulaEduardo Lopes
 
ATIVIDADES PRÁTICAS NA DISCIPLINA DE ARTES VISUAIS NO ENSINO MÉDIO Um modo de...
ATIVIDADES PRÁTICAS NA DISCIPLINA DE ARTES VISUAIS NO ENSINO MÉDIO Um modo de...ATIVIDADES PRÁTICAS NA DISCIPLINA DE ARTES VISUAIS NO ENSINO MÉDIO Um modo de...
ATIVIDADES PRÁTICAS NA DISCIPLINA DE ARTES VISUAIS NO ENSINO MÉDIO Um modo de...Vis-UAB
 
Fundamentos teóricos e metodológicos do ensino da Artes
Fundamentos teóricos e metodológicos do ensino da ArtesFundamentos teóricos e metodológicos do ensino da Artes
Fundamentos teóricos e metodológicos do ensino da ArtesSusanne Messias
 
A VALORIZAÇÃO DA CULTURAL REGIONAL NO ENSINO DA ARTE NA ESCOLA TANCREDO NEVES...
A VALORIZAÇÃO DA CULTURAL REGIONAL NO ENSINO DA ARTE NA ESCOLA TANCREDO NEVES...A VALORIZAÇÃO DA CULTURAL REGIONAL NO ENSINO DA ARTE NA ESCOLA TANCREDO NEVES...
A VALORIZAÇÃO DA CULTURAL REGIONAL NO ENSINO DA ARTE NA ESCOLA TANCREDO NEVES...Vis-UAB
 
Plano de Aula - Arte e Literatura Romana
Plano de Aula - Arte e Literatura RomanaPlano de Aula - Arte e Literatura Romana
Plano de Aula - Arte e Literatura RomanaPIBID HISTÓRIA
 
ARTE CONTEMPORÂNEA:UMA POSSIBILIDADE PARA ALFABETIZAÇÃO VISUAL.
ARTE CONTEMPORÂNEA:UMA POSSIBILIDADE PARA ALFABETIZAÇÃO VISUAL.ARTE CONTEMPORÂNEA:UMA POSSIBILIDADE PARA ALFABETIZAÇÃO VISUAL.
ARTE CONTEMPORÂNEA:UMA POSSIBILIDADE PARA ALFABETIZAÇÃO VISUAL.Vis-UAB
 
O ensino de arte e educação
O ensino de arte e educaçãoO ensino de arte e educação
O ensino de arte e educaçãoFladia
 

Mais procurados (20)

Artes 1 ao 5 ano
Artes 1 ao 5 anoArtes 1 ao 5 ano
Artes 1 ao 5 ano
 
PLANEJAMENTO DE ARTE 2023.docx
PLANEJAMENTO DE ARTE 2023.docxPLANEJAMENTO DE ARTE 2023.docx
PLANEJAMENTO DE ARTE 2023.docx
 
Arte, Educação e Inclusão
Arte, Educação e InclusãoArte, Educação e Inclusão
Arte, Educação e Inclusão
 
Planejamento anual de artes ensino fundamental
Planejamento anual de artes ensino fundamentalPlanejamento anual de artes ensino fundamental
Planejamento anual de artes ensino fundamental
 
Projeto de arte
Projeto de arteProjeto de arte
Projeto de arte
 
Planejamento ArtesVisuais
Planejamento  ArtesVisuaisPlanejamento  ArtesVisuais
Planejamento ArtesVisuais
 
Planejamento ensino médio 1º 2º
Planejamento ensino médio 1º 2ºPlanejamento ensino médio 1º 2º
Planejamento ensino médio 1º 2º
 
Artes e interdisciplinaridade
Artes e interdisciplinaridadeArtes e interdisciplinaridade
Artes e interdisciplinaridade
 
Caderno de Orientações Pedagógicas - ARTE - RCRO
Caderno de Orientações Pedagógicas - ARTE - RCROCaderno de Orientações Pedagógicas - ARTE - RCRO
Caderno de Orientações Pedagógicas - ARTE - RCRO
 
Arte o elo de interação na interdisciplinaridade - plácido suares
Arte   o elo de interação na interdisciplinaridade - plácido suaresArte   o elo de interação na interdisciplinaridade - plácido suares
Arte o elo de interação na interdisciplinaridade - plácido suares
 
Metodologia do-ensino-de-arte
Metodologia do-ensino-de-arteMetodologia do-ensino-de-arte
Metodologia do-ensino-de-arte
 
Plano de aula artes - 3ª avaliação
Plano de aula   artes - 3ª avaliaçãoPlano de aula   artes - 3ª avaliação
Plano de aula artes - 3ª avaliação
 
Arte na escola
Arte na escolaArte na escola
Arte na escola
 
23416525 arte-planos-de-aula
23416525 arte-planos-de-aula23416525 arte-planos-de-aula
23416525 arte-planos-de-aula
 
ATIVIDADES PRÁTICAS NA DISCIPLINA DE ARTES VISUAIS NO ENSINO MÉDIO Um modo de...
ATIVIDADES PRÁTICAS NA DISCIPLINA DE ARTES VISUAIS NO ENSINO MÉDIO Um modo de...ATIVIDADES PRÁTICAS NA DISCIPLINA DE ARTES VISUAIS NO ENSINO MÉDIO Um modo de...
ATIVIDADES PRÁTICAS NA DISCIPLINA DE ARTES VISUAIS NO ENSINO MÉDIO Um modo de...
 
Fundamentos teóricos e metodológicos do ensino da Artes
Fundamentos teóricos e metodológicos do ensino da ArtesFundamentos teóricos e metodológicos do ensino da Artes
Fundamentos teóricos e metodológicos do ensino da Artes
 
A VALORIZAÇÃO DA CULTURAL REGIONAL NO ENSINO DA ARTE NA ESCOLA TANCREDO NEVES...
A VALORIZAÇÃO DA CULTURAL REGIONAL NO ENSINO DA ARTE NA ESCOLA TANCREDO NEVES...A VALORIZAÇÃO DA CULTURAL REGIONAL NO ENSINO DA ARTE NA ESCOLA TANCREDO NEVES...
A VALORIZAÇÃO DA CULTURAL REGIONAL NO ENSINO DA ARTE NA ESCOLA TANCREDO NEVES...
 
Plano de Aula - Arte e Literatura Romana
Plano de Aula - Arte e Literatura RomanaPlano de Aula - Arte e Literatura Romana
Plano de Aula - Arte e Literatura Romana
 
ARTE CONTEMPORÂNEA:UMA POSSIBILIDADE PARA ALFABETIZAÇÃO VISUAL.
ARTE CONTEMPORÂNEA:UMA POSSIBILIDADE PARA ALFABETIZAÇÃO VISUAL.ARTE CONTEMPORÂNEA:UMA POSSIBILIDADE PARA ALFABETIZAÇÃO VISUAL.
ARTE CONTEMPORÂNEA:UMA POSSIBILIDADE PARA ALFABETIZAÇÃO VISUAL.
 
O ensino de arte e educação
O ensino de arte e educaçãoO ensino de arte e educação
O ensino de arte e educação
 

Destaque

Metodologia do ensino das artes visuais
Metodologia do ensino das artes visuaisMetodologia do ensino das artes visuais
Metodologia do ensino das artes visuaisRenata_Vasconcelos
 
Projeto Fazendo Arte
Projeto Fazendo ArteProjeto Fazendo Arte
Projeto Fazendo ArteLene Reis
 
Planejamento 4º ano
Planejamento 4º anoPlanejamento 4º ano
Planejamento 4º anosilvinha331
 
A IMPORTANCIA DO ENSINO DA ARTE PARA OS ALUNOS DA PRIMEIRA SÉRIE DO ENSINO MÉ...
A IMPORTANCIA DO ENSINO DA ARTE PARA OS ALUNOS DA PRIMEIRA SÉRIE DO ENSINO MÉ...A IMPORTANCIA DO ENSINO DA ARTE PARA OS ALUNOS DA PRIMEIRA SÉRIE DO ENSINO MÉ...
A IMPORTANCIA DO ENSINO DA ARTE PARA OS ALUNOS DA PRIMEIRA SÉRIE DO ENSINO MÉ...Vis-UAB
 
Plano de aula
 Plano de aula Plano de aula
Plano de aulamabrigato
 
A função da arte slide
A função da arte   slideA função da arte   slide
A função da arte slide2011saletekm
 
Atividade 3 projeto de artes simone helen drumond
Atividade 3 projeto de artes simone helen drumondAtividade 3 projeto de artes simone helen drumond
Atividade 3 projeto de artes simone helen drumondSimoneHelenDrumond
 
Plano de curso arte 5º ano
Plano de curso arte   5º anoPlano de curso arte   5º ano
Plano de curso arte 5º anoMary Alvarenga
 
Tecno gravura[1][1]
Tecno gravura[1][1]Tecno gravura[1][1]
Tecno gravura[1][1]CEF16
 
Projeto interdisciplinar artes
Projeto interdisciplinar artesProjeto interdisciplinar artes
Projeto interdisciplinar artesJúlia Gama
 
A presença da arte na educação infantil
A presença da arte na educação infantilA presença da arte na educação infantil
A presença da arte na educação infantilLuziete Leite
 
Plano anual de arte 1º ano
Plano anual de arte 1º anoPlano anual de arte 1º ano
Plano anual de arte 1º anoNildemar Lago
 

Destaque (20)

Metodologia do ensino das artes visuais
Metodologia do ensino das artes visuaisMetodologia do ensino das artes visuais
Metodologia do ensino das artes visuais
 
DEFINIÇÕES DE ARTE
DEFINIÇÕES DE ARTEDEFINIÇÕES DE ARTE
DEFINIÇÕES DE ARTE
 
O que é arte?
O que é arte?O que é arte?
O que é arte?
 
OT O Ensino de Arte nas Series Iniciais
OT O Ensino de Arte nas Series IniciaisOT O Ensino de Arte nas Series Iniciais
OT O Ensino de Arte nas Series Iniciais
 
Projeto Fazendo Arte
Projeto Fazendo ArteProjeto Fazendo Arte
Projeto Fazendo Arte
 
O que é a arte
O que é a arteO que é a arte
O que é a arte
 
Planejamento 4º ano
Planejamento 4º anoPlanejamento 4º ano
Planejamento 4º ano
 
Met. do ens. de arte
Met. do ens. de arteMet. do ens. de arte
Met. do ens. de arte
 
A IMPORTANCIA DO ENSINO DA ARTE PARA OS ALUNOS DA PRIMEIRA SÉRIE DO ENSINO MÉ...
A IMPORTANCIA DO ENSINO DA ARTE PARA OS ALUNOS DA PRIMEIRA SÉRIE DO ENSINO MÉ...A IMPORTANCIA DO ENSINO DA ARTE PARA OS ALUNOS DA PRIMEIRA SÉRIE DO ENSINO MÉ...
A IMPORTANCIA DO ENSINO DA ARTE PARA OS ALUNOS DA PRIMEIRA SÉRIE DO ENSINO MÉ...
 
Plano de aula
 Plano de aula Plano de aula
Plano de aula
 
A função da arte slide
A função da arte   slideA função da arte   slide
A função da arte slide
 
Atividade 3 projeto de artes simone helen drumond
Atividade 3 projeto de artes simone helen drumondAtividade 3 projeto de artes simone helen drumond
Atividade 3 projeto de artes simone helen drumond
 
Plano de curso arte 5º ano
Plano de curso arte   5º anoPlano de curso arte   5º ano
Plano de curso arte 5º ano
 
Metodologia do ensino de artes visuais e linguagem do corpo
Metodologia do ensino de artes visuais e linguagem do corpoMetodologia do ensino de artes visuais e linguagem do corpo
Metodologia do ensino de artes visuais e linguagem do corpo
 
Tecno gravura[1][1]
Tecno gravura[1][1]Tecno gravura[1][1]
Tecno gravura[1][1]
 
Projeto interdisciplinar artes
Projeto interdisciplinar artesProjeto interdisciplinar artes
Projeto interdisciplinar artes
 
A presença da arte na educação infantil
A presença da arte na educação infantilA presença da arte na educação infantil
A presença da arte na educação infantil
 
Projeto de artes
Projeto de artesProjeto de artes
Projeto de artes
 
Plano anual de arte 1º ano
Plano anual de arte 1º anoPlano anual de arte 1º ano
Plano anual de arte 1º ano
 
Introdução a Arte
Introdução a ArteIntrodução a Arte
Introdução a Arte
 

Semelhante a Metodologia do ensino das artes visuais

PCN Ensino Fundamental - 3 e 4 ciclos
PCN Ensino Fundamental - 3 e 4 ciclosPCN Ensino Fundamental - 3 e 4 ciclos
PCN Ensino Fundamental - 3 e 4 cicloscorescolar
 
O TRABALHO DOS ARTISTAS ACRIANOS NO ENSINO DA ARTE EM CRUZEIRO DO SUL
O TRABALHO DOS ARTISTAS ACRIANOS NO ENSINO DA ARTE EM CRUZEIRO DO SULO TRABALHO DOS ARTISTAS ACRIANOS NO ENSINO DA ARTE EM CRUZEIRO DO SUL
O TRABALHO DOS ARTISTAS ACRIANOS NO ENSINO DA ARTE EM CRUZEIRO DO SULVis-UAB
 
3347791 apostila-ensino-fundamental-vol3-artes
3347791 apostila-ensino-fundamental-vol3-artes3347791 apostila-ensino-fundamental-vol3-artes
3347791 apostila-ensino-fundamental-vol3-artesJORGE ISSAO ZENSQUE
 
3347791 apostila-ensino-fundamental-vol3-artes
3347791 apostila-ensino-fundamental-vol3-artes3347791 apostila-ensino-fundamental-vol3-artes
3347791 apostila-ensino-fundamental-vol3-artesEduardo Lopes
 
Conteudos programaticos artes_ef_01_a_09_ano_curvas
Conteudos programaticos artes_ef_01_a_09_ano_curvasConteudos programaticos artes_ef_01_a_09_ano_curvas
Conteudos programaticos artes_ef_01_a_09_ano_curvasFlávia Maria
 
Otm. conteudos programaticos artes_ef_01_a_09_ano_curvas
Otm. conteudos programaticos artes_ef_01_a_09_ano_curvasOtm. conteudos programaticos artes_ef_01_a_09_ano_curvas
Otm. conteudos programaticos artes_ef_01_a_09_ano_curvaselannialins
 
A leitura de imagem na sala de aula
A leitura de imagem na sala de aulaA leitura de imagem na sala de aula
A leitura de imagem na sala de aulaBeth Kozikoski
 
O ensino-da arte na educacao infantil
O ensino-da arte na educacao infantilO ensino-da arte na educacao infantil
O ensino-da arte na educacao infantilerlonmoreira
 
Educacao das artes_visuais_na_perspectiva_da_cultura_visual_conceituacoes_pro...
Educacao das artes_visuais_na_perspectiva_da_cultura_visual_conceituacoes_pro...Educacao das artes_visuais_na_perspectiva_da_cultura_visual_conceituacoes_pro...
Educacao das artes_visuais_na_perspectiva_da_cultura_visual_conceituacoes_pro...Priscila Macedo
 
Arte e Ensino.
 Arte e Ensino. Arte e Ensino.
Arte e Ensino.Vis-UAB
 
AULO 1 - METODOLOGIA DO ENSINO DE ARTE (1).pptx
AULO 1 - METODOLOGIA DO ENSINO  DE ARTE (1).pptxAULO 1 - METODOLOGIA DO ENSINO  DE ARTE (1).pptx
AULO 1 - METODOLOGIA DO ENSINO DE ARTE (1).pptxRaquel Vasconcelos
 
05_tendências pedagógicas_versão final
  05_tendências pedagógicas_versão final  05_tendências pedagógicas_versão final
05_tendências pedagógicas_versão finalsoniamarys
 
CONTRIBUIÇÕES DO ARTISTA HÉLIO MELO PARA PENSAR A EDUCAÇÃO EM ARTE POR PROJET...
CONTRIBUIÇÕES DO ARTISTA HÉLIO MELO PARA PENSAR A EDUCAÇÃO EM ARTE POR PROJET...CONTRIBUIÇÕES DO ARTISTA HÉLIO MELO PARA PENSAR A EDUCAÇÃO EM ARTE POR PROJET...
CONTRIBUIÇÕES DO ARTISTA HÉLIO MELO PARA PENSAR A EDUCAÇÃO EM ARTE POR PROJET...Vis-UAB
 
Ensinodearte outubro2013-131004091610-phpapp02
Ensinodearte outubro2013-131004091610-phpapp02Ensinodearte outubro2013-131004091610-phpapp02
Ensinodearte outubro2013-131004091610-phpapp02Fundação Casa
 

Semelhante a Metodologia do ensino das artes visuais (20)

PCN Ensino Fundamental - 3 e 4 ciclos
PCN Ensino Fundamental - 3 e 4 ciclosPCN Ensino Fundamental - 3 e 4 ciclos
PCN Ensino Fundamental - 3 e 4 ciclos
 
O TRABALHO DOS ARTISTAS ACRIANOS NO ENSINO DA ARTE EM CRUZEIRO DO SUL
O TRABALHO DOS ARTISTAS ACRIANOS NO ENSINO DA ARTE EM CRUZEIRO DO SULO TRABALHO DOS ARTISTAS ACRIANOS NO ENSINO DA ARTE EM CRUZEIRO DO SUL
O TRABALHO DOS ARTISTAS ACRIANOS NO ENSINO DA ARTE EM CRUZEIRO DO SUL
 
3347791 apostila-ensino-fundamental-vol3-artes
3347791 apostila-ensino-fundamental-vol3-artes3347791 apostila-ensino-fundamental-vol3-artes
3347791 apostila-ensino-fundamental-vol3-artes
 
3347791 apostila-ensino-fundamental-vol3-artes
3347791 apostila-ensino-fundamental-vol3-artes3347791 apostila-ensino-fundamental-vol3-artes
3347791 apostila-ensino-fundamental-vol3-artes
 
Conteudos programaticos artes_ef_01_a_09_ano_curvas
Conteudos programaticos artes_ef_01_a_09_ano_curvasConteudos programaticos artes_ef_01_a_09_ano_curvas
Conteudos programaticos artes_ef_01_a_09_ano_curvas
 
Otm. conteudos programaticos artes_ef_01_a_09_ano_curvas
Otm. conteudos programaticos artes_ef_01_a_09_ano_curvasOtm. conteudos programaticos artes_ef_01_a_09_ano_curvas
Otm. conteudos programaticos artes_ef_01_a_09_ano_curvas
 
A leitura de imagem na sala de aula
A leitura de imagem na sala de aulaA leitura de imagem na sala de aula
A leitura de imagem na sala de aula
 
Arte
ArteArte
Arte
 
O ensino-da arte na educacao infantil
O ensino-da arte na educacao infantilO ensino-da arte na educacao infantil
O ensino-da arte na educacao infantil
 
Monografia Eneadra Pedagogia 2008
Monografia Eneadra Pedagogia 2008Monografia Eneadra Pedagogia 2008
Monografia Eneadra Pedagogia 2008
 
Educacao das artes_visuais_na_perspectiva_da_cultura_visual_conceituacoes_pro...
Educacao das artes_visuais_na_perspectiva_da_cultura_visual_conceituacoes_pro...Educacao das artes_visuais_na_perspectiva_da_cultura_visual_conceituacoes_pro...
Educacao das artes_visuais_na_perspectiva_da_cultura_visual_conceituacoes_pro...
 
Arte ierg prova
Arte ierg provaArte ierg prova
Arte ierg prova
 
Arte e Ensino.
 Arte e Ensino. Arte e Ensino.
Arte e Ensino.
 
AULO 1 - METODOLOGIA DO ENSINO DE ARTE (1).pptx
AULO 1 - METODOLOGIA DO ENSINO  DE ARTE (1).pptxAULO 1 - METODOLOGIA DO ENSINO  DE ARTE (1).pptx
AULO 1 - METODOLOGIA DO ENSINO DE ARTE (1).pptx
 
05_tendências pedagógicas_versão final
  05_tendências pedagógicas_versão final  05_tendências pedagógicas_versão final
05_tendências pedagógicas_versão final
 
CONTRIBUIÇÕES DO ARTISTA HÉLIO MELO PARA PENSAR A EDUCAÇÃO EM ARTE POR PROJET...
CONTRIBUIÇÕES DO ARTISTA HÉLIO MELO PARA PENSAR A EDUCAÇÃO EM ARTE POR PROJET...CONTRIBUIÇÕES DO ARTISTA HÉLIO MELO PARA PENSAR A EDUCAÇÃO EM ARTE POR PROJET...
CONTRIBUIÇÕES DO ARTISTA HÉLIO MELO PARA PENSAR A EDUCAÇÃO EM ARTE POR PROJET...
 
Ensinodearte outubro2013-131004091610-phpapp02
Ensinodearte outubro2013-131004091610-phpapp02Ensinodearte outubro2013-131004091610-phpapp02
Ensinodearte outubro2013-131004091610-phpapp02
 
Pedagogia 03
Pedagogia 03Pedagogia 03
Pedagogia 03
 
Artes na EJA
Artes na EJAArtes na EJA
Artes na EJA
 
Vol3 arte
Vol3 arteVol3 arte
Vol3 arte
 

Mais de HENRIQUE GOMES DE LIMA

Mais de HENRIQUE GOMES DE LIMA (13)

Desafio National Geographic 2009 1ª fase
Desafio National Geographic  2009   1ª faseDesafio National Geographic  2009   1ª fase
Desafio National Geographic 2009 1ª fase
 
Desafio national geographic 2010 prova 1ª fase
Desafio national geographic 2010 prova 1ª faseDesafio national geographic 2010 prova 1ª fase
Desafio national geographic 2010 prova 1ª fase
 
Projeto gema
Projeto gema Projeto gema
Projeto gema
 
Fund. antropológicos da arte nota 9,5
Fund. antropológicos da arte   nota 9,5Fund. antropológicos da arte   nota 9,5
Fund. antropológicos da arte nota 9,5
 
Geografia cultural
Geografia culturalGeografia cultural
Geografia cultural
 
Resumos sobre urbanização
Resumos sobre urbanizaçãoResumos sobre urbanização
Resumos sobre urbanização
 
Metodologia de aula de campo
Metodologia de aula de campoMetodologia de aula de campo
Metodologia de aula de campo
 
Análise ambiental
Análise ambientalAnálise ambiental
Análise ambiental
 
Seminários história da arte nota 10,0
Seminários história da arte   nota 10,0Seminários história da arte   nota 10,0
Seminários história da arte nota 10,0
 
Cultura popular uma reflexão necessária
Cultura popular uma reflexão necessáriaCultura popular uma reflexão necessária
Cultura popular uma reflexão necessária
 
Teorias da criatividade
Teorias da criatividade Teorias da criatividade
Teorias da criatividade
 
Fund. filosóficos e sociológicos da arte nota 10,0
Fund. filosóficos e sociológicos da arte   nota 10,0Fund. filosóficos e sociológicos da arte   nota 10,0
Fund. filosóficos e sociológicos da arte nota 10,0
 
Curriculo Breve HistóRico Na Prefeitura De Fortaleza
Curriculo  Breve HistóRico Na Prefeitura De FortalezaCurriculo  Breve HistóRico Na Prefeitura De Fortaleza
Curriculo Breve HistóRico Na Prefeitura De Fortaleza
 

Último

Abuso Sexual da Criança e do adolescente
Abuso Sexual da Criança e do adolescenteAbuso Sexual da Criança e do adolescente
Abuso Sexual da Criança e do adolescenteIpdaWellington
 
"Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande"
"Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande""Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande"
"Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande"Ilda Bicacro
 
Nós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º ano
Nós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º anoNós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º ano
Nós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º anoIlda Bicacro
 
Geometria para 6 ano retas angulos .docx
Geometria para 6 ano retas angulos .docxGeometria para 6 ano retas angulos .docx
Geometria para 6 ano retas angulos .docxlucivaniaholanda
 
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdf
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdfManual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdf
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdfPastor Robson Colaço
 
Slides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptx
Slides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptxSlides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptx
Slides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
HISTORIA DA XILOGRAVURA A SUA IMPORTANCIA
HISTORIA DA XILOGRAVURA A SUA IMPORTANCIAHISTORIA DA XILOGRAVURA A SUA IMPORTANCIA
HISTORIA DA XILOGRAVURA A SUA IMPORTANCIAElianeAlves383563
 
Apresentação sobre Robots e processos educativos
Apresentação sobre Robots e processos educativosApresentação sobre Robots e processos educativos
Apresentação sobre Robots e processos educativosFernanda Ledesma
 
bem estar animal em proteção integrada componente animal
bem estar animal em proteção integrada componente animalbem estar animal em proteção integrada componente animal
bem estar animal em proteção integrada componente animalcarlamgalves5
 
Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...
Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...
Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...LuizHenriquedeAlmeid6
 
prova do exame nacional Port. 2008 - 2ª fase - Criterios.pdf
prova do exame nacional Port. 2008 - 2ª fase - Criterios.pdfprova do exame nacional Port. 2008 - 2ª fase - Criterios.pdf
prova do exame nacional Port. 2008 - 2ª fase - Criterios.pdfssuser06ee57
 
Alemanha vs União Soviética - Livro de Adolf Hitler
Alemanha vs União Soviética - Livro de Adolf HitlerAlemanha vs União Soviética - Livro de Adolf Hitler
Alemanha vs União Soviética - Livro de Adolf Hitlerhabiwo1978
 
O que é, de facto, a Educação de Infância
O que é, de facto, a Educação de InfânciaO que é, de facto, a Educação de Infância
O que é, de facto, a Educação de InfânciaHenrique Santos
 
Produção de poemas - Reciclar é preciso
Produção  de  poemas  -  Reciclar é precisoProdução  de  poemas  -  Reciclar é preciso
Produção de poemas - Reciclar é precisoMary Alvarenga
 
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptxSlides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
EBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptx
EBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptxEBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptx
EBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptxIlda Bicacro
 
análise obra Nós matamos o cão Tinhoso.pdf
análise obra Nós matamos o cão Tinhoso.pdfanálise obra Nós matamos o cão Tinhoso.pdf
análise obra Nós matamos o cão Tinhoso.pdfMaiteFerreira4
 
Campanha 18 de. Maio laranja dds.pptx
Campanha 18 de.    Maio laranja dds.pptxCampanha 18 de.    Maio laranja dds.pptx
Campanha 18 de. Maio laranja dds.pptxlucioalmeida2702
 
"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"
"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã""Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"
"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"Ilda Bicacro
 

Último (20)

Abuso Sexual da Criança e do adolescente
Abuso Sexual da Criança e do adolescenteAbuso Sexual da Criança e do adolescente
Abuso Sexual da Criança e do adolescente
 
"Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande"
"Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande""Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande"
"Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande"
 
Nós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º ano
Nós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º anoNós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º ano
Nós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º ano
 
Enunciado_da_Avaliacao_1__Sistemas_de_Informacoes_Gerenciais_(IL60106).pdf
Enunciado_da_Avaliacao_1__Sistemas_de_Informacoes_Gerenciais_(IL60106).pdfEnunciado_da_Avaliacao_1__Sistemas_de_Informacoes_Gerenciais_(IL60106).pdf
Enunciado_da_Avaliacao_1__Sistemas_de_Informacoes_Gerenciais_(IL60106).pdf
 
Geometria para 6 ano retas angulos .docx
Geometria para 6 ano retas angulos .docxGeometria para 6 ano retas angulos .docx
Geometria para 6 ano retas angulos .docx
 
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdf
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdfManual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdf
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdf
 
Slides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptx
Slides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptxSlides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptx
Slides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptx
 
HISTORIA DA XILOGRAVURA A SUA IMPORTANCIA
HISTORIA DA XILOGRAVURA A SUA IMPORTANCIAHISTORIA DA XILOGRAVURA A SUA IMPORTANCIA
HISTORIA DA XILOGRAVURA A SUA IMPORTANCIA
 
Apresentação sobre Robots e processos educativos
Apresentação sobre Robots e processos educativosApresentação sobre Robots e processos educativos
Apresentação sobre Robots e processos educativos
 
bem estar animal em proteção integrada componente animal
bem estar animal em proteção integrada componente animalbem estar animal em proteção integrada componente animal
bem estar animal em proteção integrada componente animal
 
Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...
Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...
Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...
 
prova do exame nacional Port. 2008 - 2ª fase - Criterios.pdf
prova do exame nacional Port. 2008 - 2ª fase - Criterios.pdfprova do exame nacional Port. 2008 - 2ª fase - Criterios.pdf
prova do exame nacional Port. 2008 - 2ª fase - Criterios.pdf
 
Alemanha vs União Soviética - Livro de Adolf Hitler
Alemanha vs União Soviética - Livro de Adolf HitlerAlemanha vs União Soviética - Livro de Adolf Hitler
Alemanha vs União Soviética - Livro de Adolf Hitler
 
O que é, de facto, a Educação de Infância
O que é, de facto, a Educação de InfânciaO que é, de facto, a Educação de Infância
O que é, de facto, a Educação de Infância
 
Produção de poemas - Reciclar é preciso
Produção  de  poemas  -  Reciclar é precisoProdução  de  poemas  -  Reciclar é preciso
Produção de poemas - Reciclar é preciso
 
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptxSlides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
 
EBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptx
EBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptxEBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptx
EBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptx
 
análise obra Nós matamos o cão Tinhoso.pdf
análise obra Nós matamos o cão Tinhoso.pdfanálise obra Nós matamos o cão Tinhoso.pdf
análise obra Nós matamos o cão Tinhoso.pdf
 
Campanha 18 de. Maio laranja dds.pptx
Campanha 18 de.    Maio laranja dds.pptxCampanha 18 de.    Maio laranja dds.pptx
Campanha 18 de. Maio laranja dds.pptx
 
"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"
"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã""Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"
"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"
 

Metodologia do ensino das artes visuais

  • 1. bbmmm 2008 METODOLOGIA DO ENSINO DAS ARTES VISUAIS AVALIAÇÃO FINAL DA DISCIPLINA JUNTO AO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM METODOLOGIA DO ENSINO DE ARTE Trabalho mostrando uma pesquisa preliminar sobre uma das fundamentações que orienta o trabalho com a Arte nos ambientes educativos: a Metodologia Triangular. Henrique Gomes de Lima Outubro/2008
  • 2. HENRIQUE GOMES DE LIMA UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CEARÁ CENTRO DE EDUCAÇÃO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM METODOLOGIA DO ENSINO DE ARTE DISCIPLINA: METODOLOGIA DO ENSINO DAS ARTES VISUAIS PROFESSOR: JORGE LUIZ SILVEIRA DE ARAÚJO ALUNO: HENRIQUE GOMES DE LIMA METODOLOGIA TRIANGULAR 7
  • 3. HENRIQUE GOMES DE LIMA Historicizando e conceituando a Metodologia Triangular Desde as primeiras décadas do século XX no Brasil, o ensino das artes esteve voltado para a valorização do desenvolvimento da auto-expressão e da auto-descoberta. Muitas experiências positivas foram realizadas nesse sentido, e muitos equívocos foram cometidos. Nos anos 70, aflora entre os profissionais ligados ao ensino da arte, uma preocupação e um questionamento sobre a proposta educativa em arte centrada, apenas, no fazer. Sem negar a produção das manifestações artísticas nas diversas linguagens, teatro, dança, música e artes plásticas, os educadores iniciaram um processo de discussão e pesquisa que direcionasse o ensino também para o conhecimento da arte e sua apreciação. Sobre essa questão, ou seja, esse absorver, sobre esse captar, é muito interessante analisar o que nos fala Da Vinci: "Não vês que o olho abraça a beleza do mundo inteiro? (...) É janela do corpo humano, por onde a alma especula e frui a beleza do mundo, aceitando a prisão do corpo que, sem esse poder, seria um tormento (...) Ó admirável necessidade! Quem acreditaria que um espaço tão reduzido seria capaz de absorver as imagens do universo? (...) O espírito do pintor deve fazer-se semelhante a um espelho que adota a cor do que olha e se enche de tantas imagens quantas coisas tiver diante de si." Nessa perspectiva, No final da década de 1980, Ana Mae Barbosa (1988) adaptou a proposta do Projeto Discipline Based Art Education (DBAE) para o que denominou de Metodologia Triangular, por envolver três vertentes: o fazer artístico, a leitura da imagem e a contextualização histórica da arte, consiste no intercruzamento desses três focos de aprendizagens advindos do ensino da história da arte, da apreciação de obras de arte e da produção artística. Para Ana Mae Barbosa, "A produção de arte faz a criança pensar inteligentemente acerca da criação de imagens visuais, mas somente a produção não é suficiente para a leitura e o julgamento de qualidade das imagens produzidas por artistas ou do mundo cotidiano que nos cerca. (...) Temos que alfabetizar para a leitura da imagem. Através da leitura das obras de artes plásticas estaremos preparando a criança para a decodificação da gramática visual, da imagem fixa e, através da leitura do cinema e da televisão, a preparemos para aprender a gramática da imagem em 7
  • 4. HENRIQUE GOMES DE LIMA movimento. Essa decodificação precisa ser associada ao julgamento da qualidade do que está sendo visto aqui e agora e em relação ao passado’’. Essa preocupação em torno do conhecer, do apreciar e do fazer arte resultou no Brasil na metodologia triangular proposta por Ana Mae Barbosa, tendo como referência trabalhos desenvolvidos por ingleses e americanos, preocupados com um currículo que privilegiasse o fazer artístico, a história da arte e a análise da obra de arte, visando não só o desenvolvimento dos educandos, mas a suas necessidades e seus interesses. Dessa forma as atividades de arte na escola passariam a ter um significado para o educando, deixando de ser uma atividade incompreendida ou mero passa-tempo. O Ensino e a Aprendizagem É importante citar nessa abordagem de trabalho que as discussões que permeiam as questões sobre os referenciais devem sempre atentar para o caráter histórico-social da Arte-educação e também para o papel da arte na modernidade. Pedagogicamente podemos concluir que o primeiro dos tripés da metodologia, o fazer artístico, tem estreitamente se identificado, na prática dos arte-educadores que professam a Metodologia Triangular, com aquilo que se convencionou chamar releitura: o aprendiz criança toma como estímulo para a sua criação artística não um qualquer objeto natural ou imaginário, mas sim uma obra de arte por direito próprio (uma pintura, um desenho, uma escultura, ...), que não é encarada como um modelo a ser fielmente copiado mas, essencialmente, como um “suporte interpretativo” para a produção de trabalhos autônomos (Barbosa, 1991, p.107). A interseção da história da arte, leitura da obra de arte (crítica e estética) e fazer artístico num mundo cada vez mais ocupado pela imagem e seus ícones é fator essencial para o desenvolvimento cultural e para a formação de pessoas mais capazes de pensar inteligentemente acerca dos contextos. Relacionar arte ao seu meio ambiente, investigar e explorar situações e relações, formular hipóteses e realizar julgamentos se justificam no processo de experimentação e reflexão que a arte proporciona. A metodologia triangular, mais tarde designada por "abordagem", relaciona as quatro mais importantes coisas que as pessoas fazem com a arte: elas a produzem, elas a vêem, elas procuram entender seu lugar na cultura através do tempo, elas fazem julgamento acerca de sua qualidade." 7
  • 5. HENRIQUE GOMES DE LIMA A função da arte na escola é formar o conhecedor, fruidor e decodificador da imagem, seja arte ou não. A produção artística traz muitas interrogações, que somente são respondidas através do olhar crítico, preparado e amadurecido no contexto que a História nos conferiu e argumentados nos julgamentos de valor. Até o surgimento da Metodologia Triangular, com raras exceções, o ensino da arte resumia-se a um certo fazer artístico encarado como entretenimento, muitas vezes confundido com artesanato, com a produção de decorações e objetos para festas, principalmente em datas comemorativas. Era esse o tipo de fazer artístico que dominava as aulas de artes nos anos 70. Quem nunca viu crianças saindo das escolas na época da Páscoa com os rostos pintados e as cabeças enfeitadas por orelhas de coelho feitas com cartolina branca e recheadas de algodão? Este é apenas um exemplo, mas existem muitos outros. Competências necessárias ao educador Como chegar mais e melhor aos alunos fazendo com que as artes possam ocupar um papel mais central no ensino? Como fazer com que as artes toquem a sensibilidade deste aluno, freqüentemente resgatando-o do desinteresse por um ensino de má qualidade que o joga para fora da escola? Como fazer com que o papel humanizador da arte possa fazer uma ponte com suas inquietações humanas e cidadãs, devolvendo o sentido à escola? É nesse contexto que a formação do professor de arte é outro ponto a ser citado, para entender como a prática docente desta disciplina assumiu essa forma: empobrecida, esvaziada de significado e distante da realidade dos alunos, conseqüentemente fraca e desestimulante até mesmo para os próprios professores. O professor não deve prescindir de sua própria condição de criador pois há de refletir sobre interesses, vivências, linguagens e modos de conhecimento em arte e práticas de seus alunos. É fundamental conhecer a quem seu conteúdo se dirige e também as teorias do desenvolvimento humano. O domínio do conteúdo específico de sua disciplina é fundamental para a realização de uma prática tranqüila e viabilizadora de uma sociedade inclusiva. É preciso ainda reconhecer procedimentos pedagógicos que auxiliam as manifestações estéticas e reflexivas. Faz-se necessário utilizar recursos avaliativos interessados na qualidade e na excelência no ensino da arte. 7
  • 6. HENRIQUE GOMES DE LIMA É ainda papel do professor, ajudar seu aluno a encontrar e construir sentido para as informações que recebe, cada vez menos através da escola, cada vez mais por meio do acesso às mídias digitais, visto que mesmo o aluno da rede pública já tem acesso à internet e a outras fontes midiáticas de informação. Educar, num contexto complexo, não significa apenas pensar-analisar-interpretar forma e conteúdo, meio e mensagem, mas significa igualmente sentir-agir-transformar, desse modo exercendo um papel recriador na realidade cotidiana. Isso implica entender a comunicação midiática como um processo não apenas válido, mas também poderoso de construção de conhecimento e de mediação social, nos espaços de produção e transformação da cultura. Antes de ser preparado para explicar a importância da Arte na Educação, o professor deverá estar preparado para entender e explicar a função da arte para o indivíduo e para a sociedade. A importância para o aluno A arte é inerente ao ser humano, que se educa no contexto das manifestações culturais e se humaniza e se emociona à cada experiência ou vivência estética. Proporcionar tal condição aos estudantes, não apenas é importante, mas vital para sua formação enquanto ser. A linguagem não é apenas meio de expressão, ela é condição indispensável à organização da vida mental do ser humano. Portanto, aprender a lidar com o material artístico e transformá-lo em instrumento de linguagem é sem dúvida dar acesso a capacidade de expressão que todos nós possuímos. A arte é capaz de fazer flexibilizar pensamentos e relações onde o criador é sempre capaz de conectar e mudar as interações produzidas no mundo da imagem pré-concebida. Percebe as transformações e se percebe transformador. Ele se faz um solucionador de problemas e é essa capacidade que o torna apto a criar e a superar os seus próprios limites em seu processo de tensão. Ao encontrar-se com o conhecimento formal de um curso de arte, o aluno traz todo o conhecimento adquirido ao longo de seus anos através de experiências e informações que recebe na rua, em casa, na instituição e na escola. No entanto, a dialética entre arte e educação segue rumos diferentes: a primeira, suscita o pensamento divergente, de natureza mutativa; a segunda, remete ao pensamento convergente, de natureza conservativa. Num contexto onde todas as informações 7
  • 7. HENRIQUE GOMES DE LIMA parecem estar em direções opostas e contrastantes, a arte é um elemento unificador e pacificador da aprendizagem. Para Pimentel (1989), Arte e liberdade devem andar de mãos dadas. Arte não gosta de amarras, de lições de boas Maneiras. De ficar calado. De ficar inerte nos Quadriláteros do mundo. Arte é vôo sem limites. Rio sem margens. Mar sem ilhas. Arte é liberdade. Arte é voar. A atividade artística bem conduzida pelo professor aguça a criatividade, incentiva a coragem, fragmenta os bloqueios, possibilita a segurança e a desenvoltura, mobiliza e conduz ao aprendizado. 7