SlideShare uma empresa Scribd logo
ALLENCAR RODRIGUEZ




    MAPA MONOGRÁFICO




          1ª. Edição




           São Paulo
Ecel Editora Educação e Letras
             2006
Ficha Catalográfica

Rodriguez, Allencar

Guia prático para a elaboração da estrutura do trabalho
monográfico nas áreas da: Educação, para sua
apresentação ao processo de seleção para o programa de
pós-graduação Stricto Sensu (mestrado).
Alencar Rodriguez: São Paulo, ECEL, 1ª. Edição, 2006.

94p.

ISBN 85-906554-2-3
ISBN 978-85-906554-2-8

I – Didático II – Educação

2ª reimpressão, 2010.
ALLENCAR RODRIGUEZ




   MAPA MONOGRÁFICO




  2ª. Edição Revisada

       São Paulo
         2010




www.eceleditora.com.br
Copyright © 2004 Allencar
Rodriguez

FUNDAÇÃO BIBLIOTECA
NACIONAL
MINISTÉRIO DA CULTURA
REGISTRO NÚMERO: 334.896


Coordenação editorial: Maria de
Fátima Barufaldi
Capa: foto: Allencar Rodríguez
      arte: Leopoldo Pavan
Revisão: Sueli Sanchez

Todos os direitos reservados
ECEL – Editora Ceacamp
Educação e Letras


ISBN 85-906554-2-3
ISBN 978-85-906554-2-8

www.eceleditora.com.br

2010
Impresso no Brasil
SUMÁRIO


                                                Páginas


Apresentação                                     07
Introdução                                       08
O que é pesquisar                                12
Uma grande idéia (perguntas de pesquisa)         14
Lacuna                                           15
Recursos metodológicos                           16
Cronograma                                       16
Bibliografia                                     17
Transcrição dos elementos                        18
Uso de citações                                  20
Citação de citação                               22
Anexos                                           23
O título da monografia                           24
Estrutura do trabalho                            27
Características físicas                          28
Capa                                             30
Folha de rosto                                   32
Sumário                                          34
Resumo                                           36
Introdução                                       38
Referencial teórico                              40
Justificativa/objetivos/perguntas de pesquisa    42
Metodologia                                      44
Implicações                                      46
Cronograma de execução do projeto                48
Referências bibliográficas                       50
Metodologia de investigação                      52
Pesquisa quantitativa                            52
Pesquisa qualitativa                             52
Pesquisa do tipo etnográfico                     56
Bibliografia                                     58
Referências                                      60
ESTRUTURA DO TRABALHO

                                                                          8
                          6. BIBLIOGRAFIA
                                                                      7
                        5. CRONOGRAMA

                                                                  6
                       4. IMPLICAÇÕES

                                                              5
                   3. METODOLOGIA

                                                          4
                  2. JUST – OBJ – PERG PESQ

                                                      3
                1. REFERENCIAL TEÓRICO

                                                  2
               INTRODUÇÃO

                                              1
              RESUMO

            RESUMO
          SUMÁRIO


        FOLHA DE ROSTO

       CAPA
CAPA




                - IMPORTANTE -

                  Neste início de
                  trabalho faça a
              Delimitação do Tema
               de sua Proposta de
               Pesquisa. Enfatize o
              problema ou a dúvida
                cuja resposta será
                  alcançada pela
                 realização de sua
                    PESQUISA.
☼
        APRESENTAÇÃO

A     Unicamp/Usp          e     Unesp     –
Internacionalmente      reconhecidas   como
excelentes centros de pesquisas requerem
dos candidatos a um título de mestre um
conhecimento amplo, diferenciado e de
acordo com suas tendências e interesses do
conteúdo     investigativo   proposto   pelo
estudante.

No estudo desenvolvido para a realização
desse trabalho procuramos facilitar os
anseios    dos    estudantes  “pré   pós-
graduação” em Stricto Sensu na área de
Ciências    Humanas     em:  Educação    –
mostrando sucintamente e de uma maneira
simples um mapa de como direcionar e
montar um roteiro de elaboração de um
projeto de pesquisa fazendo sua estrutura
definitiva seguindo os parâmetros exigidos
por essas universidades.

Salientamos que a apresentação da estrutura
da monografia – de acordo com estudos
realizados – é a mais plausível de aceitação
nos Programas de Pós – Graduação na área
proposta não sendo a mesma Norma Oficial
do Programa.
08        allencar Rodriguez




      ☼

       introdução


     Ao terminar a graduação muitos estudantes
     querem continuar suas carreiras acadêmicas por
     interesses   diversos,    ou      seja,   procuram    uma
     especialização em Lato Sensu ou um título de
     mestre em Stricto Sensu, e a principal diferença
     entre os dois é: O PROJETO DE PESQUISA
     exigido em Stricto Sensu como parte do primeiro
     processo a ser requerido pelas universidades para
     que o estudante seja inscrito do processo de
     seleção. Mas, para ter um conceituado título de
     mestre     (reconhecido     nas      entidades   social    e
     acadêmica)        uma       universidade         altamente
     conceituada deve fazer parte desse processo.
     Então, aí começa a primeira dificuldade: Em geral
     as universidades não preparam os alunos em seu
     período de graduação para a formação de um
     bom projeto de pesquisa a ser apresentado a um
     processo     de   seleção      nas    universidades       de
     reconhecimento nacional e internacional.
MAPA MONOGRÁFICO                          09




            Conexão – primeiro passo

  Para que você administre melhor suas idéias
com relação ao que fazer e estruturar sua
monografia        de    acordo    com    as     normas
estabelecidas para o critério de avaliação é
importante que você siga os seguintes passos:


      ▻   entrar no site da Universidade:
      ▻   clicar em pós-graduação
      ▻   clicar em cursos de pós-graduação
      ▻   clicar stricto-sensu
      ▻   clicar em cursos:



  Feito isso procure à Área de Concentração de
seu       interesse.   Após,   clique   na    Linha   de
Pesquisa coerente com a idéia que você tem
para seu projeto em o campo “corpo docente”,
investigue a vida acadêmica dos orientadores
de sua linha de pesquisa através do curriculum
lattes. Isso irá facilitar a delimitação de seu
tema em comum acordo daquilo que seu
possível orientador está trabalhando.
10        allencar Rodriguez



         Neste primeiro momento faça a escolha do
     TEMA DA PESQUISA [o tema indica o assunto
     abordado – onde se insere aquilo que você
     quer INVESTIGAR – que é o ASSUNTO DA
     PESQUISA]. E o que você quer INVESTIGAR é
     à procura de RESPOSTAS frente ao “problema”
     evidenciado no desenvolvimento de seu trabalho
     como educador relacionado ao tema. São as
     questões “sem respostas” que te atormenta ou te
     incomoda em SUA prática no âmbito etiológico,
     epistemológico, filosófico, ético, etc., dentro de
     sua área de atuação.




           O QUE É PESQUISAR?

     Antes    da    Elaboração    dos    Tópicos    da
     Monografia (Estrutura), vamos entender o
     que é um projeto de pesquisa e como
     direcionar dentro de sua área de interesse,
     seus conhecimentos na formação de um
     projeto que seja de interesse na área de
     pesquisa de seu campo de estudo.
MAPA MONOGRÁFICO                              11


   PROJETO DE PESQUISA

      Para estruturar seu projeto de pesquisa você
deve pensar a PESQUISA em FORMA SIMPLES.

  Pensar 1º. , como 1 (uma) PERGUNTA

 Nesta fase de ênfase na PERGUNTA é a proposta de
              seu projeto de pesquisa.

  Pensar depois como 1 (uma) RESPOSTA

Nesta fase de ênfase na RESPOSTA é o relatório final
       da prática de seu projeto de pesquisa:
          é a sua DISSERTAÇÃO ou TESE.

         UM BOM PROJETO PARTE DE
            UMA BOA PERGUNTA
  PESQUISA CIENTÍFICA

  É dito que pesquisar é o buscar de soluções
(RESPOSTAS) para “problemas” (PERGUNTAS) – o que
tenho visto pela análise de dissertações, teses, teorias e
pela própria experiência no campo da investigação, não
existe uma solução definitiva para um problema (estou
aqui “dentro de uma análise pessoal” refletindo e referindo
na área de ciências humanas), mas um “complemento
de estudos” (isto é, a busca de uma resposta
“suficientemente      boa”     para    um      “problema
concreto”). Entenda-se, de acordo com D.W.Winnicott,
suficientemente boa é o resultado que o Problema
Concreto se satisfaz. É a geração de conhecimentos como
RESPOSTA a PERGUNTA que trazem implicações
teóricas, metodológicas e práticas que podem induzir os
investigadores a uma nova pesquisa servindo estes
elementos citados e difundidos no meio acadêmico como
parâmetro para um novo estudo.
12         allencar Rodriguez


      SE NÃO HOUVER PERGUNTA NÃO HAVERÁ
         CONSTRUÇÃO DE CONHECIMENTO

                  A PRÁTICA DA PESQUISA
                        SIGNIFICA
              A COMPREENSÃO DOS PROBLEMAS.


       A pesquisa na vida acadêmica possui variado
     dinamismo de atividades, ou seja, serve como coletora de
     dados: de campo (em sala de aula – numa etnia – numa
     tribo – numa sociedade, etc.), de jornais, revistas, de
     documentos diversos, de autores que refletem um tema
     ou bibliográficas dentre outras sempre focando uma
     necessidade concreta – um trabalho escolar, uma
     dissertação, uma tese, um artigo – que muitas vezes
     leva a um enriquecimento científico teórico, metodológico
     e/ou prático ou ainda pode ser que não tenha serventia
     no processo de aquisição de conhecimentos.

      Para nós e para muitos, o que importa na pesquisa
     acadêmica é a sua capacidade de expressão crítica,
     inovadora, transformadora e complementar – já que
     em nosso caso não existem soluções e nem problemas –
     para um determinado tema focado em uma área de
     estudo   o   que     deve   ser    investigado  é   a
     problematização relacionada a esse tema. E o
     trabalho monográfico é à apresentação do estudante de
     querer expor sua criatividade num projeto de pesquisa
     que possa ter implicações que atinjam ou alcancem ou
     complementem as necessidades que o “campo”
     estudado requer no âmbito acadêmico, científico e
     social.
MAPA MONOGRÁFICO                             13


   SE A RESPOSTA A SUA PERGUNTA
  ESTIVER PRONTA EM OUTRAS ÁREAS
  DAS CIÊNCIAS OU FIXADA EM ALGUM
 SISTEMA DE INFORMAÇÃO ENTÃO NÃO
  HÁ NECESSIDADE DE REALIZAR SUA
    PESQUISA – CASO CONTRÁRIO:



   Então, pesquisar é preciso – mas como
     elaborar uma monografia de um
            projeto de pesquisa.

              Escrever é difícil?

Não! Pois, para a realização de uma pesquisa e a
elaboração de uma monografia certas normas e
procedimentos metodológicos específicos devem ser
seguidos.

Sim! Se você não tiver uma boa base de conhecimentos
sobre o assunto o qual propõe realizar a pesquisa, o seu
trabalho tende ao descrédito e ao fiasco.

 ATENÇÃO: NA ELABORAÇÃO DE SEU PROJETO DE
 PESQUISA USE O TEMPO VERBAL: FUTURO E DÊ
 PREFERÊNCIA AO USO DA TERCEIRA PESSOA DO
       SINGULAR DO TEMPO PRESENTE
14        allencar Rodriguez




                       O QUE FAZER?


                SIGA AS TENDÊNCIAS

     Procure verificar se a sua “boa Idéia” é compatível
      com o foco que o corpo docente de sua área está
                         trabalhando.

         É evidente que você tem em mente “uma boa
     idéia” – que não é a cachaça, naturalmente, para o
     seu projeto de pesquisa. Então o primeiro passo é
     fazer um projeto provisório que constitua o
     planejamento para um projeto definitivo para a
     elaboração de sua monografia.



     DELIMITE O PROBLEMA ELABORANDO UMA
     PERGUNTA    COMPLEXA     CUJA    RESPOSTA
     (CONSTRUÇÃO DO CONHECIMENTO) PARA O
     PROBLEMA CONCRETO NÃO SE ENCONTRA NO
     DOMÍNIO DOS SABERES. SUA RESPOSTA SÓ É
     POSSÍVEL SER ENCONTRADA NA PRÁTICA. NA
     REALIZAÇÃO DE SEU PROJETO DE PESQUISA.


          ATENÇÃO : Cuidado com o aspecto da
      problematização que se dirige a construção da
                      PERGUNTA.
MAPA MONOGRÁFICO                             15


EXEMPLO:
  Um aluno que apresenta em sala de aula distúrbios de
aprendizagem – ELE É A PARTE EXTERNA DE PROBLEMA
MAIOR. Esse problema É A SUA FORMAÇÃO e/ou A
PRÓPRIA ESCOLA (cujas práticas pedagógicas são
desinteressantes e desestimulantes). Então, o problema é
o seu meio vivente (O CAMPO ONDE EXISTE O
PROBLEMA – QUE NESSE CASO PODE SER A
PRÓPRIA ESCOLA) e é nesse campo que está a
Pergunta e a Resposta que você precisa buscar e não no
aluno. Ele é um Diagnóstico que pode ser controlado ou
curado. Seu Meio Ambiente é que deve passar por
mudanças para que outros não apresentem a mesma
dificuldade.

   Portanto, na localização do Problema Concreto se
encontra a Pergunta Concreta induzido pela necessidade
de se buscar novos conhecimentos os quais formarão um
    arcabouço para responder essa pergunta. Junto à
 problemática deverá ser buscado elementos pertinentes
que já fazem parte do contexto literário daquele assunto
 junto ao campo que pretende investigar dando suporte
  científico a necessidade dos resultados de seu estudo
       para o mundo acadêmico, científico e social.

  NESSE CONTEXTO DA BUSCA DE CONHECIMENTOS
(RESPOSTAS) É QUE VOCÊ ELABORA O SEU PROJETO DE
                   PESQUISA:

▲ Para que, qual a finalidade em querer construir novos
conhecimentos (respostas)
▲ Por quê?
▲ Como se pretende encontrar esses conhecimentos?
Qual metodologia irá usar?
▲ Onde?
▲ Qual referencial teórico você deve seguir?
▲ Quais são suas fontes de informação?
▲ Em quanto tempo é possível realizar seu trabalho?
16       allencar Rodriguez




                   UMA GRANDE IDÉIA


    Agora, toda idéia investigativa deve começar com um
 elemento questionador (UM BOM PROJETO PARTE DE UMA
 BOA PERGUNTA) o qual delimita o problema dentro do tema
 escolhido. Esse elemento questionador, essa dúvida, essa
 “alguma coisa” que você não sabe (não tem às respostas)
 formará uma parte muito importante de seu projeto o qual se
 amarra de forma coesa com o objetivo, a justificativa e ao
 tema de seu projeto, as: Perguntas de Pesquisa.
 Perguntas de Pesquisa. Perguntas de Pesquisa, cujas
 respostas só são possíveis pela realização de uma pesquisa.
 ISTO É, AS RESPOSTAS CONCRETAS PARA O SUPOSTO
 PROBLEMA NÃO SE ENCONTRAM NAS BIBLIOTECAS, NA
 INTERNET, NOS ARQUIVOS, ETC.

    Portanto, as PERGUNTAS DE PESQUISA fazem
 referência à “QUESTÃO”, à “DÚVIDA” dentro da delimitação
 do problema que você, COMO PESQUISADOR, não sabe e
 seu desafio frente a esse problema é buscar e descobrir as
 respostas que só poderá ser concretizado pela PROPOSTA
 DE SUA PESQUISA. Identifique nesse contexto o tempo e o
 espaço da problematização (veja página 65).

    Procure dimensionar que implicações positivas e
 complementares a sua “idéia” (agora chamada proposta de
 pesquisa) pode proporcionar no contexto acadêmico e social.
 Após essa análise siga os seguintes parâmetros:

     PARÂMETROS

 ▻ Parta do princípio que existem questões “sem respostas”

                   SEU CONTEXTO
                        ÉO
              CONHECIMENTO CIENTÍFICO
MAPA MONOGRÁFICO                     17


   Portanto: Se não houver PERGUNTA não
  haverá PESQUISA. Não haverá a busca das
   RESPOSTAS (busca de CONHECIMENTOS
                CIENTÍFICOS)
    A PERGUNTA É O CAMINHO DO ANDAR
               CIENTÍFICO

  A RESPOSTA É UM TRECHO DESSE CAMINHO


             TEMA DE PESQUISA

OS CONHECIMENTOS MÚLTIPLOS QUE O TEXTO
OFERECE E AS COMPETÊNCIAS E HABILIDADES
               DE LEITURA

◇ QUAL é a causa de que nossos estudantes do
ensino médio interpretam o mesmo texto de
forma diferente?

◇ COMO dimensionar o quanto seu conhecimento
prévio, seu conhecimento de mundo, a sua
formação social e a formação do professor
interferem em sua leitura, interpretação e
reflexão textual?

◇ O QUE compreender no estudante/leitor os
conhecimentos múltiplos que um texto oferece?

  RESPOSTAS ÀS QUESTÕES ACIMA: NÃO SEI!
   PARA DESCOBRIR TENHO QUE SEGUIR OS
 CAMINHOS QUE ESSAS QUESTÕES PROVOCAM
      ATÉ O CAMPO DE INVESTIGAÇÃO.
        ENTÃO, TEREI ÀS RESPOSTAS.
     (OS CONHECIMENTOS CIENTÍFICOS)
18         allencar Rodriguez



                ◊ Baseado nessas questões:
           IMPORTANTE: que são chamadas de
          Perguntas de Pesquisa serão à base da
          elaboração de seu projeto de pesquisa –
                    É o que direciona
                um trabalho de pesquisa.


         CUIDADO: A PERGUNTA DE PESQUISA
        só é pertinente à realização do projeto se a
          BUSCA DE RESPOSTA for POSSÍVEL.

      CONSELHO: Dê preferência às questões que seu
     Possível Orientador também esteja à procura. Como
     saber isso? Pesquise em seu Curriculum Lattes o campo
     de pesquisa em que atua. Faça cursos de extensão,
     fóruns, simpósios em que ele ou ela participa e se
     possível participe como aluno ouvinte ou especial em
     alguma disciplina que ele(a) ministra.


                          REDAÇÃO
       Pelas perguntas de pesquisa elabore uma redação
     explicitando os teóricos/investigadores que direcionam
     seu estudo mostrando como a sua investigação será
     desenvolvida e que se somam ou contradizem as idéias
     existentes. Descreva o estudo bibliográfico dos autores
     de sua área de pesquisa mostrando a formação de seus
     conceitos baseados nesses estudos e a necessidade da
     efetivação de seu projeto mostrando seus OBJETIVOS.
     Isto    é   [AQUILO     QUE      PRETENDE    COM      A
     INVESTIGAÇÃO]. Manifeste „PARA QUE” você tem a
     intenção de fazer a pesquisa. PARA QUE SERVE sua
     pesquisa? Evidenciar com clareza o que é PRETENDIDO
     Com o PROPÓSITO DA INVESTIGAÇÃO. Desta forma
     você estará deixando explícito qual a sua INTENÇÃO
     como PESQUISADOR.
MAPA MONOGRÁFICO                             19


  Explicite também a necessidade de RESPOSTAS para
as suas perguntas de pesquisa e mostre a contribuição
que o mesmo pode ocasionar. É importante ressaltar a
importância de seu projeto para a comunidade científica
e social. O contexto dessa redação é a sua
JUSTIFICATIVA.

  A JUSTIFICATIVA refere-se a RAZÃO, o MOTIVO, o
PORQUÊ da pesquisa que se propõe realizar. É justificar
a necessidade de seu projeto.




            RECURSOS METODOLÓGICOS

  É muito importante definir os recursos metodológicos
que serão utilizados na pesquisa. Isto é, COMO (ONDE)
se pretende encontrar as respostas ao problema
delimitado. A metodologia adotada é o caminho que
você vai percorrer para responder a PERGUNTA
elaborada no “PROBLEMA” por meio de (FONTES)
INSTRUMENTOS         DE    COLETA      DE    REGISTROS
[COLETA      DE     DADOS]       e    PROCEDIMENTOS
ADOTADOS PARA A ANÁLISE (EM VÁRIAS FONTES –
bibliográficas, documentos, campo (observando
e/ou    participando)).     Isso   tem    referência  na
„MANEIRA” no “MODO” em “COMO” se conseguem as
informações que possam responder “AS PERGUNTAS DE
PESQUISA” correspondente ao “problema” a partir do
 TEMA da pesquisa. Por exemplo, em Lingüística
Aplicada, de acordo com Cavacalti, M. em “a pesquisa na
sala de aula: metodologia de investigação científica e a
formação do professor”, estes parâmetros devem ser
seguidos:
20         allencar Rodriguez


     ▲Observação em sala de aula:
     Fixando detalhes e identificando os possíveis “problemas”
     – visíveis ou não, significativos ou que aparentemente
     não o sejam - que induzam a alienação e desinteresse
     dos agentes envolvidos (alunos e professor). Os registros
     dessas observações serão feitos no instante do ocorrido
     em notas escritas em forma de diário os quais se somam
     à recursos adjacentes como a gravação em áudio e vídeo.

     ▲Notas Mentais:
     Este recurso reflexivo é adotado no momento da
     observação que os participantes possam se sentir
     constrangidos no momento dos registros de detalhes.

     ▲Diários:
     1. diário de campo: será baseado nos registros em sala
     de aula sob as observações anotadas no instante do
     ocorrido e as notas mentais;
     2. diário dialogado: serão os registros gravados em áudio
     e vídeo;
     3. diário do aluno: serão explicitadas suas necessidades e
     dificuldades;




     NO CAMPO METODOLÓGICO EXISTE AINDA O
          SUBJETIVISMO DAS HIPÓTESES.
       NOTA: ALGUMAS UNIVERSIDADES NÃO
     EXIGEM A APRESENTAÇÃO DE HIPÓTES EM
            SEU PROJETO DE PESQUISA
MAPA MONOGRÁFICO                              21


4. diário retrospectivo: serão anotadas as reflexões
diárias realizadas em campo.

▲Vinheta:
Serão feitas algumas narrativas - inerentes ao projeto -
especificando pelas falas e diálogos dos agentes
envolvidos mostrando a coesão e coerência do mesmo.

▲Entrevista:
Serão feitas coletas de registros em pesquisas de base
etnográfica como a estruturada, semi estruturada e não
estruturada.

▲Gravação das aulas:
Áudio/vídeo/transcrição de excertos

▲Visionamento:
Serão feitos com os agentes participantes da pesquisa -
em grupos pequenos - uma análise da gravação em vídeo
e áudio dos registros feitos em sala de aula. Esta
atividade será registrada para futuras reflexões no
sentido de enriquecer os dados coletados para análise.

▲Memo:
De forma reflexiva será elaborado um “memo” contendo
dados experimentais ocorridos em momentos específicos
em sala de aula ou num “visionamento” que sejam
inerentes as questões do projeto de pesquisa.

▲Documentos:
Análise de registros pré-existentes ou durante o período
de coleta de registros: o material didático utilizado, o
plano de aula do professor, os materiais construídos pelos
alunos, determinações da escola, enfim todo material
utilizado em sala de aula.

Todo programa de pesquisa segue uma metodologia
de pesquisa. Nas áreas de investigação na Educação
    e Lingüística Aplicada as mais comuns são:
22         allencar Rodriguez




                              Ǫ   veja no CD
        Ǫ pesquisas         tipos de pesquisas



     ▻ Metodologia Qualitativa de Pesquisa:
     Tipos: Etnografia – estudo de caso – pesquisa-ação
       pesquisa introspectiva – pesquisa participante.

          André (1995) – Magalhães (1994, 1996) –
                    Moita Lopes (1994)


     ▻ Pesquisa Experimental / Quantitativa
                                  Veja a abordagem das
                                  pesquisas na página 58
                                    em metodologia de
                                       investigação
     RESULTADO

     Faça um breve relato das implicações que o estudo
     trará. Neste caso você trabalhará com suposições
     de resultados esperados.

     As implicações podem ser teórica, metodológica ou
     prática ou ainda ambas.

     CRONOGRAMA

     É a organização do tempo disponível para a realização do
     projeto. Deve ser muito bem elaborado caso contrário seu
     projeto estará totalmente comprometido. E a idealização
     de seu título de mestre irá literalmente projeto abaixo.
     Cada etapa deve ser subdividida de acordo com a
     necessidade de tempo para que a mesma seja
     desenvolvida e completada.
MAPA MONOGRÁFICO                                             23



     Exemplo de cronograma:
                               2010                     2011
                                o      o     o     o      o     o     o     o
     Trimestre                 1.     2.    3.    4.     1.    2.    3.    4.
                   atividade   Tri    Tri   Tri   Tri    Tri   Tri   Tri   Tri
     Atividade
     Disciplina Obrigatória

     Levantamento e
     Estudo de
     Bibliografia

     Coleta de dados


     Análise do Material
     Coletado

     Redação da
     Dissertação
     Defesa da
     Dissertação




  BIBLIOGRAFIA

 É uma lista abrangente de todo material
consultado, estruturado e inerente ao tema da
pesquisa. Essa lista deve ser feita em ordem
alfabética considerando-se o último sobrenome do
autor apresentado em preferencialmente em letras
maiúsculas seguindo os critérios da Associação
Brasileira de Normas Técnicas (ABNT), (1989),
estabelecido pela NBR - 6023. Se houver várias
obras de um mesmo autor, substitui-se o nome do
autor por um traço equivalente a cinco espaços. As
fontes (as quais o autor buscou informações),
indicadas no trabalho científico dentro das normas
da ABNT, são os “elementos que permitem a
identificação no todo ou em parte, de documentos
impressos ou registrados em diversos tipos de
materiais, (“ABNT, apud Costa, 1993:94).
24         allencar Rodriguez



            TRANSCRIÇÃO DOS ELEMENTOS


      Livros consideradas no todo




      a) um só autor:
     ▲ Autor ► último sobrenome (letras maiúsculas), nome
     e outro sobrenome (letras minúsculas) que podem ser
     abreviados.
     ▲ Título ► grafado em negrito, e/ou itálico – usando-se
     CA (caixa alta) para a primeira letra da primeira palavra e
     CB (caixa baixa) para as demais palavras. Após colocar
     ponto final e dois espaços.
     ▲ Edição ► (se houver a menção da edição, ela deve ser
     indicada entre dois espaços, á direita e à esquerda, em
     algarismos arábico, seguido de ponto e abreviatura da
     palavra edição. Ex. 5. ed.).
     ▲ Local de publicação (cidade) ► (indique como está
     no livro, seguido de dois pontos (:). Ex.: São Paulo:
     ▲ Editora ► (vem em seguida aos dois pontos do local
     da publicação. Ex. São Paulo: Ecel editora).
     ▲ Ano de publicação ► (indicada em algarismo arábico,
     sem ponto ou espaço entre eles. Ex.: 2005).

               Autor: Ingedor Grusfeld Villaça Koch
               Título: Desvendando os segredos do texto
               Edição:
               Local: São Paulo
               Ano: 2002

     KOCH, I.G.V. “Desvendando os Segredos do Texto”. São
     Paulo: Cortez, 2002

     Havendo outra(s) obra(s) do mesmo autor:
     _____. A Coesão Textual. 6a. ed. São Paulo: Contexto,
     1993.
MAPA MONOGRÁFICO                              25


               b) autoria composta:
   A entrada é feita pelo nome do primeiro autor
apresentando em seguida o nome do segundo autor
            seguido de ponto e vírgula.

        CAVALCANTI, M. C.; MOITA LOPES, L. P.
        “Implementação de Pesquisa na Sala de Aula de
        Línguas no Contexto Brasileiro” – Trab. Ling.
        Aplic., Campinas (17): 133-144 Jan/Jun – 1991



            c) capítulos de livros:
     Quando o autor do capítulo é diferente do autor
              responsável pelo livro todo:

Apresenta-se da seguinte forma:

Autor do capítulo, título do capítulo, In: Autor do
livro (se existir – pode ser um trabalho com vários
autores), título, edição, local de publicação (cidade):
editora, data.

        CAVALCANTI, M. C. “A Propósito de Lingüística
        Aplicada.” In: Trabalhos em Lingüística Aplicada,
        vol. 07, 1986

HÉBRARD, Jean. “Três figuras de jovens leitores:
alfabetização e esclarização do ponto de vista da história
cultural”. In: ABREU,

Márcia (org.). Leitura, história e história da leitura.
Campinas: Mercado de Letras, Associação de Leitura do
Brasil; São Paulo: FAPESP, 2000, pp. 33-78.

 A palavra (org.) relacionado acima, significa que a obra
    possui um organizador, assim como coordenador
 (Coord.), compilador (comp.), tradutor (Trad.), etc..
26          allencar Rodriguez



            Dissertações e Teses
      O formato a seguir deve ser: Autor, título, Categoria
           (grau e área de concentração), cidade, ano.


              CONSOLO, D. A. “O Livro Didático como
              Insumo para o Ensino de Língua Estrangeira
              (Inglês) na escola pública.” Dissertação de
              Mestrado, Campinas, Unicamp, 1990.

                   Internet
              Autor. Título. Obtida via Internet
              http://pepsic.bvs-psi.org.br/scielo


         USO DE CITAÇÕES
      “São elementos tirados dos documentos consultados
     durante a pesquisa e que se revelaram úteis para
     comprovar e esclarecer melhor as idéias desenvolvidas
     pelo autor” (David, 1996:51).

     Pode ser em forma de fragmentos de texto:
     “A palavra é um signo ideológico por natureza”,
     afirma Bakhtin (1992:16).

     Pode ser feita por meio de uma paráfrase:

        Baseado nos pressupostos teóricos defendidos por
     pesquisadores como Kleiman (2002), de que na interação,
     proposta de uma leitura através do quadro referencial
     selecionado, enquanto o leitor aceita, refuta, critica, e também
     apoiado num processo seletivo que determina a depreensão da
     linha temática, a integração das informações num significado
     único e abrangente é uma reação intersubjetiva: então sem o
     engajamento do conhecimento prévio do leitor não haverá
     compreensão e que seus diversos níveis de conhecimentos se
     integram entre si num processo interativo.
MAPA MONOGRÁFICO                              27



  Ao fazer uso de transcrições literais das palavras dos
autores reproduzindo todo o seu formato textual e de
redação, isto é, forma, ortografia e acentuação, não usa-
se aspas ao iniciar a citação e ao finalizar coloque entre
parênteses, sobrenome do autor, ano da publicação e
número da página. Essas citações são feitas com
destaque na página – recuo nas margens direita e
esquerda centrando o texto. O espaço entre as linhas é
simples e o tamanho da fonte é um número menor o que
está sendo usado. Exemplo, se a fonte que está sendo
usada é de tamanho 12, então a citação será do tamanho
11.


         A última sesta na paz de Crenaque, Ipavu
       jamais havia de esquecer: o pé, com o band-
       aid no dedão por causa da topada, ao voltar do
       porre, no batente da porta, dando o último
       impulso da rede na parece, o embalo da rede
       diminuindo, o corpo se fechando, tatu-bola, a
       qualquer recado do mundo lá fora. Não ouvia
       mais nem o zumbido de puns ou muriçocas,
       vespas ou varejeiras porque começavam a
       ruflar as asas poderosas de Uiruçu, o gavião-
       real, a bicar em pleno vôo, sob o dossel das
       árvores, o macaco que acabava de arrancar
       com as garras do jatobá, caça dos dois, menino
       e gavião ligados pelo sangue que derramavam,
       pelas entranhas quentes em que se nutriam,
       pela vida predatória e a rapinagem comum
       (Callado, 1994:67).




 Atenção

 Citações acima de cinco linhas são apresentadas,
 via de regra, em itálico seguindo o modelo acima.
28         allencar Rodriguez


         Ao fazer uso de uma citação usam-se reticências para
     omitir algum pressuposto/segmento que não seja
     inerente á proposta daquilo que se deseja mostrar no
     seguimento de sua contextualização focando seus
     pareceres.


                  Relacionada a essa mesma visão de texto
            como conjunto de elementos diversificados (seja
            estrutura gramatical ou palavras) é a crença de
            que o texto é apenas um conjunto de palavras
            cujos significados devem ser extraídos um por
            um, para assim, cumulativamente, chegar à
            mensagem do texto. Baseia-se essa hipótese, por
            um lado, na crença de que o papel do leitor
            consiste em apenas extrair essas informações,
            através do domínio das palavras que, nessa
            visão, são veículos das informações. (...) Uma
            conseqüência dessa atitude é a formação de um
            leitor passivo, que quando não consegue construir
            o sentido do texto acomoda-se facilmente a essa
            situação. (KLEIMAN, 2000, pp 18-19).


            CITAÇÃO DE CITAÇÃO – (apud)

          Esse é um caso particular de citação, é o caso de
       citar um texto citado por outro. Essa indicação é
       feita por uma proposição latina apud, que significa
       “junto de”, após o nome do autor citado.

        “Communicative goals are best achieved by giving due
     attention to language use and not just usage, to fluency
     and not just accuracy, to authentic language and
     contexts, and to students’ eventual need to apply
     classroom learning to heretofore unrehearsed contexts in
     the real world.” (Brown apud Tardin Cardoso, 2000).

     Tardin Cardoso pesquisou Brown e fez uma citação do
     autor em sua obra. Eu não pesquisei Brown e sim
     Tardin eu reproduzi sua citação.
MAPA MONOGRÁFICO                             29



                            Atenção:

  Para a formatação de sua monografia para a Unicamp,
não faça uso sistemático do (apud), seu uso não é bem
visto. No caso da citação anterior, se é algo que importa,
é melhor você pesquisar a obra do autor citado. Em nosso
caso:

BROWN, D.H. Principles of language learning and
teaching, New Jersey: Prentice-Hall, 2000. Ao invés de
fazer uso do (apud).


                             ANEXOS

  Não é aconselhável fazer o uso de anexos nos projetos
de ingresso em programas de pós-graduação na área de
nosso estudo na Unicamp.

  O mesmo toma espaço dentro do número de páginas
(são numerados) e seu projeto não pode ultrapassar um
número limite de páginas de texto entre 10 e 15
geralmente. Por outro lado à elaboração de anexo é
complexo e pode atrapalhar a sua proposta de pesquisa

  Mas, se não houver alternativa e a presença de
anexo(s) for ou forem necessário(s), faça sua
identificação por letras maiúsculas consecutivas e por
seus respectivos títulos. E não esqueça os anexos são
elementos complementares para corroborar dados,
informações e afirmações:


     ANEXO 1 – Modelo de apresentação de
     questionário para entrevista de professores:
         ESCOLA:
         PROFESSOR:
         GRADUAÇÃO: (opcional)
         CIDADE:                   DATA:
30         allencar Rodriguez



              O TÍTULO DA MONOGRAFIA

       Redija um título claro o qual o leitor possa
     compreender o seu significado. Seja breve, conciso e
     criativo contextualizando o assunto de sua pesquisa
     usando poucas palavras eliminando os supérfluos –
     (não encher lingüiça).

       Seja o menos abstrato possível na titulação de seu
     texto. Sua mensagem deve ser concreta.

       O título de sua obra deverá estar relacionado em seu
     contexto a sua área de atuação.


       O título de sua monografia é o seu primeiro contato
     com o examinador e causando um impacto positivo e
     induzindo o examinador à curiosidade que seu título
     explicitar, então ele será a “porta de entrada” para sua
     obra, para seus anseios e expectativas.

       O título de sua obra é o jardim de seu mapa
     construído. Se for bem apresentável e chamar a atenção,
     aquele que adentrar nesse jardim irá querer conhecer os
     outros departamentos de seu mapa os quais você
     deverá apresentá-lo bem estruturados e funcionais.

       Quando você passa pela rua e vê um belo jardim
     defronte uma residência a sua curiosidade será induzida
     espontaneamente imaginando como será o interior da
     mesma.
MAPA MONOGRÁFICO                              31



                   REFERÊNCIAS
  Muito mais do que saber escrever é necessário saber ler
e a Unicamp no seu contexto de Universidade de
Pesquisa prioriza e muito essa habilidade no estudante.
Seja de graduação, (veja o contexto da redação de seu
vestibular), vale 50% da prova na sua primeira fase.
“Redação da Unicamp uma prova de Leitura e Escrita”,
Rodriguez, A, “Estudo aplicado – redação”, 2004:67) e
também nos cursos de prós-graduação em Stricto Sensu
formalizado em sua monografia.

  Então ao usar a linguagem como propriedade de
escrita, atente com muita concentração naquilo que lê
trabalhando com a reflexão. Faça um esboço de trabalho
ou rascunho escrevendo de maneira impessoal: 3a.
Pessoa do singular, 3a. Pessoa do plural ou 1a. Pessoa do
plural. Não faça uso de frases rebuscadas ou palavras de
significação dúbia ou duvidosa. Quando mais simples e
direto escrever, melhor. Escreva de forma sintetizada,
espontânea e não faça uso de frases longas e procure
contextualizar suas idéias em parágrafos curtos. Tome
cuidado com as incorreções gramaticais como:
concordâncias, o uso de pronomes oblíquos,
regência verbal e nominal e o uso dos verbos
impessoais. Leia e releia seu texto. Ler e escrever, “É
exercício de reelaboração – escrever – reler –
reescrever”, Rodriguez, A. “Estudo aplicado – redação”,
(2004:106).

                        ÉTICA
  O trabalho de pesquisa é sempre direcionado em
decorrência de uma pesquisa anterior, pois, a ciência
não possui uma formatação única, acabada e é claro
seu trabalho também não o será e por ser uma
construção contínua, paulatina e evolutiva não faça
uso do famoso índice de citação oculto o (pld.) –
plagiado. É crime. Seja ético na produção de sua
monografia.
32           allencar Rodriguez


               Detalhamento do Mapa Monográfico
                                                                          8
                          6. BIBLIOGRAFIA
                                                                      7
                        5. CRONOGRAMA

                                                                  6
                       4. IMPLICAÇÕES

                                                              5
                   3. METODOLOGIA

                                                          4
                  2. JUST – OBJ – PERG PESQ

                                                      3
                1. REFERENCIAL TEÓRICO

                                                  2
               INTRODUÇÃO

                                              1
              RESUMO

            RESUMO
          SUMÁRIO


        FOLHA DE ROSTO

       CAPA
CAPA




          O objetivo deste mapa
             é para orientar à
              elaboração de
           monografias para a
            área da educação e
           lingüística aplicada.
MAPA MONOGRÁFICO                                           33

        ATENÇÃO:
         Os excertos de cada página servem apenas como exemplo do assunto em
                       questão e não possuem coerência entre eles.


                                                                                 8
                          6. BIBLIOGRAFIA
                                                                             7
                        5. CRONOGRAMA

                                                                         6
                       4. IMPLICAÇÕES

                                                                     5
                   3. METODOLOGIA

                                                                 4
                  2. JUST – OBJ – PERG PESQ

                                                             3
                1. REFERENCIAL TEÓRICO

                                                         2
               INTRODUÇÃO

                                                     1
              RESUMO

            RESUMO
          SUMÁRIO


        FOLHA DE ROSTO

       CAPA
CAPA




          - IMPORTANTE -

                  Neste início de
                  trabalho faça a
              Delimitação do Tema
               de sua Proposta de
               Pesquisa. Enfatize o
              problema ou a dúvida
                cuja resposta será
                  alcançada pela
                 realização de sua
                    PESQUISA.
34         allencar Rodriguez



      CARACTERÍSTICAS FÍSICAS

          APRESENTAÇÃO DA PÁGINA:


             FORMATO DA FOLHA


     Deve ser feito em páginas de formato
     internacional A4 (210 x 297 mm) com
     espaçamento 2 entre as linhas ou siga os
     critérios do edital de sua área.


            DIMENSÕES DAS MARGENS

     a)    margem   superior   :   3,0   cm
     b)    margem   inferior   :   2,0   cm
     c)    margem   direita    :   2,0   cm
     d)    margem   esquerda   :   3,0   cm




           APRESENTAÇÃO DO VOLUME


     Varia para cada área entre 10 e 15
     páginas. Siga as instruções das Normas
     Específicas para Inscrição e Seleção de
     Candidatos encontrados no site da
     instituição.
MAPA MONOGRÁFICO                     35




. margem superior - 3,0 cm




.3,0 cm – esquerda           direita - 2,0 cm




. margem inferior - 2,0 cm
36    allencar Rodriguez




     CAPA
                  É a identificação de seu
                  trabalho e deve conter:




                     A) nome do autor –
                    alto da página – fonte 18

      (Para a Lingüística Aplicada da Unicamp –
      as cópias enviadas devem ser ANÔNIMAS)

             B) título do trabalho –

            centro da página – fonte 18

      B) centralizado no rodapé da página –
                                  fonte 14




              *    nome da universidade

              *    nome da faculdade

              *    departamento do curso

              *    local e data
MAPA MONOGRÁFICO                      37


CAPA
                 JULIA ROBERTS

Fonte 18

             (2 ESPAÇOS DUPLOS)

           LEMBRETE:

              Para a Lingüística Aplicada
           (Unicamp) seu trabalho deve ser
                      ANÔNIMO

Fonte 18

       “BEIJOS”: LINGUAGEM UNIVERSAL




Fonte 14


       Universidade Estadual de Campinas
       Faculdade de Educação
       Filosofia, História, Educação e Sociedade
       Campinas/SP, 27 de fevereiro de 2005
38        allencar Rodriguez




        FOLHA DE ROSTO


             Atenção:

                        . A folha de rosto não é
                        numerada, mas já é a página
                        número 1 de seu trabalho.




           Semelhante à capa, deve conter:

     * o nome do autor
       (exceção para a L. A. Unicamp) – fonte 18
     * o título do trabalho – fonte 18
     * centralizado no rodapé da página: - fonte 14
     * nome da universidade
     * nome da faculdade
     * departamento do curso
     * local e data


     A diferença em relação à disposição gráfica da
     capa é a inclusão, logo abaixo do título, à
     direita da página, a referência à natureza do
     trabalho e seu objeto acadêmico – fonte
MAPA MONOGRÁFICO                              39


FOLHA DE ROSTO:
                       JULIA ROBERTS

Fonte 18
    . LEMBRETE:
                  LEMBRETE:
    . Para a Lingüística Aplicada
    (Unicamp) seu trabalho deve
    ser ANÔNIMO        Para a Lingüística
                                     Aplicada
                   (Unicamp) seu trabalho deve
                          ser ANÔNIMO


Fonte 18

   “BEIJOS”: LINGUAGEM UNIVERSAL

           Projeto a ser apresentado ao Departamento de
           Filosofia, História, Educação e Sociedade da
           Universidade Estadual de Campinas como parte do
           Processo de Seleção para o Programa de Pós-
           Graduação Stricto Sensu (mestrado) em Educação.
Fonte 12


Nome do orientador: 12


Fonte 14


       Universidade Estadual de Campinas
       Faculdade de Educação
       Filosofia, História, Educação e Sociedade
       Campinas/SP, 27 de fevereiro de 2005
40       allencar Rodriguez



      SUMÁRIO

     . É a amostragem da estruturação do seu trabalho, é
     a enumeração dos principais elementos elaborados
     graficamente da mesma forma indicando a página.



                Atenção

                 O sumário – não é
                 numerada e é a 2a.
                 página de seu mapa.




               O sumário deve conter:
             resumo
             introdução
             1. referencial teórico
             2. justificativa/objetivos/
                 perguntas de pesquisa
             3. metodologia
             4. implicações (Ling. Aplic.)
             5. cronograma
             6. referências bibliográficas
MAPA MONOGRÁFICO               41

SUMÁRIO




            SUMÁRIO: FONTE 16

            (2 ESPAÇOS DUPLOS)

                                 Páginas

FONTE: 12

RESUMO                           01


INTRODUÇÃO                       02

1. REFERENCIAL TEÓRICO            04

2. JUSTIFICATIVA                 05

3. METODOLOGIA                   09

4. IMPLICAÇÕES                   12

5. CRONOGRAMA                    12

6. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS 13
42        allencar Rodriguez


                                     O que o autor
       RESUMO                         pretende?
                                    Qual a proposta
                                       do texto?
     Estrutura:

     Com aproximadamente 120 palavras (20 linhas) e
     fonte 11 o resumo deve conter ressaltadas as partes
     fundamentais de seu trabalho, coerente, coeso,
     concreto detalhando os passos que você se propõe a
     fazer para a formatação da promessa de cumprir o
     que foi proposto.
                                         1ª. Página
                                       Numerada (1)
                         Atenção:       Veja página
                                        41 ao lado.

     0 resumo – é numerada e é a 3a.
     página de seu mapa.

     Conteúdo:

      Parecido com uma carta de intenção redija uma boa
     redação mostrando de forma inteligível (com muita
     clareza) o assunto (tema do texto), os aspectos
     inerentes de seus objetivos, o porquê da necessidade
     de realização da mesma. Mostre o que pretende
     realizar em sua pesquisa, quem serão os elementos
     pesquisados e onde ocorrerá o evento mantendo a
     postura da ética, isto é, não denominando
     diretamente o lugar central da pesquisa e nem seus
     elementos. Indique a metodologia e o tipo de
     pesquisa o qual você fará uso em sua investigação.
     Relate as perguntas de pesquisa. Descreva o
     referencial teórico citando os autores inerentes de
     sua pesquisa bibliográfica em ordem cronológica. Não
     se apegue há frases longas e use a forma impessoal
     em seu relato.
MAPA MONOGRÁFICO                           43


RESUMO

excerto 1                                          1

  Resumo
  A analise de obras de pesquisadores/autores que
atuam na área da lingüística textual como: Baktin,
1994; Kock, 2000; Costa Val, 2000, Kleiman, 2000
entre outros, forneceu um arcabouço teórico para a
formação desse projeto de pesquisa e as mesmas
teorias mostram que a efetivação deste trabalho
preencherá uma lacuna existente no processo
interativo de leitura (leitor/texto): a aquisição de
conhecimentos múltiplos que o texto oferece
baseando na pergunta de pesquisa: O que acontece
com nossos estudantes e leitores que cada um
interpreta o mesmo texto de maneiras diferentes? E
o projeto evidenciará um procedimento metodológico
de cunho qualitativo (Nunan, 1989); (Bodgan &
Biklen, 1994); (Lopes, 1996) e de caráter
etnográfico (Erickson, 1986), justificando a natureza
interativa da pesquisa que tem como objetivo quanto
o sujeito leitor, a) Verificar e compreender como seu
conhecimento prévio – de leitura – de mundo – em
função de sua formação social, interfere na
compreensão integral do texto.
b) Compreender as inferências que a leitura sofre
em função de sua formação social.
c) Dimensionar os elementos básicos do leitor que
não prejudique a compreensão contextual integral do
texto. O desenvolvimento deste projeto será em
escolas da rede pública estadual com alunos do
ensino fundamental em uma cidade da região de
Campinas.
44        allencar Rodriguez


      INTRODUÇÃO

              ATENÇÃO: VEJA NA PÁGINA 66 A
               PROBLEMATIZAÇÃO DO TEMA

   Contendo no máximo uma página e meia (1½) a introdução é
 o relato geral do trabalho proposto o qual você define ao leitor
 de sua monografia e também as razões que o levaram a elaborar o
 seu projeto fazendo uma relação com os autores reconhecidos
 pela comunidade acadêmica no âmbito de sua pesquisa e suas
 teorias (como se fosse uma breve revisão bibliográfica) que o
 induziram e fundamentaram os parâmetros e a necessidade da
 produção do seu projeto de pesquisa. Faça um resumo do assunto
 (TEMA) a ser pesquisado assim como a problematização do tema.
 Qual sua situação atual e principalmente mostre que existe uma
 lacuna que precisa ser preenchida em detrimento de uma melhora
 ou um complemento ou uma “solução” para o “problema” que foi
 detectado por você relacionado ao tema. Lembre-se: não se
 investigam TEMAS, o que são investigados são os
 PROBLEMAS, relacionados ao TEMA. Situe o tema no perímetro
 geométrico (em que lugar acontece) onde se concentrará a busca
 de RESPOSTAS como também, o tempo da ocorrência do problema.
     A introdução possui um caráter, a maneira de dizer, “informal”,
 como se você estivesse dizendo a alguém o que seria o seu projeto
 de pesquisa e baseado segundo concepções de alguns autores
 relacionados ao tema em questão dizendo O QUE você pretende
 fazer e qual a RAZÃO, o MOTIVO, o PORQUÊ.

 NOTA: Um projeto de pesquisa NUNCA orienta, desenvolve,
 contribui, intervém, promove, propõe, capacita, etc..

      A proposta deste projeto é: desenvolver, contribuir,
                      propor... (errado)

                   Pesquisa é DIAGNÓSTICO:
                      conhecer o problema
                    descobrir – diagnosticar
                analisar, descrever, dimensionar

 A proposta deste projeto é: descobrir fatores que intervém...
                          (correto)
MAPA MONOGRÁFICO                                        45


INTRODUÇÃO
excerto 2                                                            2
INTRODUÇÃO
  A proposta deste projeto no âmbito dos conhecimentos múltiplos
que o texto oferece e as competências e habilidades de leitura é de
descobrir qual é a causa de que nossos estudantes do ensino médio
interpretam o mesmo texto de forma diferente? Como dimensionar
o quanto seu conhecimento prévio, seu conhecimento de mundo, a
sua formação social e a formação do professor interferem em sua
leitura, interpretação e reflexão textual? O que compreender no
estudante/leitor os conhecimentos múltiplos que um texto oferece?
   Baseado nos pressupostos teóricos defendidos por pesquisadores
como Ingedore Villaça Kock (2002) de que o dom natural de formar
idéias a partir das palavras reflete a concepção de sujeito, de língua,
de texto e de construção de sentido, Ângela Kleiman (2002), na
interação, proposta de uma leitura através do quadro referencial
selecionado, enquanto o leitor aceita, refuta e crítica, também
apoiado num processo seletivo que determina a depreensão da linha
temática, a integração das informações num significado único e
abrangente é uma reação intersubjetiva, então sem o engajamento
do conhecimento prévio do leitor não haverá compreensão e que
seus diversos níveis de conhecimentos se integram entre si num
processo interativo.
   A construção de sentidos, seja pela fala, escrita, leitura, está
diretamente relacionado às atividades discursivas e às práticas
sócias às quais os sujeitos têm acesso ao longo de seu processo de
socialização, então o objetivo deste estudo é, compreender como
seu conhecimento prévio, em função de sua formação social,
interfere na compreensão global textual.
    O método a ser utilizado para a operacionalização do projeto será
o hipotético-dedutivo. A pesquisa será do tipo qualitativa de
observação direta como também, pesquisa de campo exploratório.
Ocorrerá em salas de aula de 5ª à 8ª série do ensino fundamental
de uma instituição da rede municipal de ensino em uma cidade da
região de Campinas. As técnicas empregadas serão: documentação
indireta, documentação direta intensiva e documentação direta
extensiva.
46         allencar Rodriguez



         1. REFERENCIAL TEÓRICO


       No referencial teórico você faz citações dos autores
     pesquisados os quais provocaram os seus interesses
     pelas respostas das questões de sua proposta e a
     necessidade de um complemento sobre o assunto que a
     efetivação de sua pesquisa pode proporcionar. Mostre o
     levantamento de estudos já realizado sobre o assunto.
     Destaque os principais trabalhos existentes sobre o tema
     e faça uma ligação entre a bibliografia pesquisada desses
     autores com a situação do problema que está sendo
     estudado. Esses autores devem ser reconhecidos pela
     comunidade acadêmica como excelência no âmbito do
     TEMA “assunto” de sua pesquisa. Nesse caso você estará
     buscando a cientificidade de sua pesquisa e fugindo de
     um embasamento subjetivo.


     Ex.: o meu interesse pela questão que proponho é
     baseado em pressupostos teóricos de Etges (1993),
     Frigotto (1993), Figueiredo (1997), dentre outros,
     que fornecem respaldos teóricos para que o projeto
     em questão caracterize com segurança as respostas
     pertinentes da pesquisa em campo. Junto a esses
     será seguida a concepção de Bittencourt (1998), o
     qual mostra que as raízes biológicas e as
     condicionantes sócio-culturais são determinantes
     para o processo ensino-aprendizagem.
MAPA MONOGRÁFICO                                 47


1.    REFERENCIAL TEÓRICO

 excerto 3                                                 3

 1.    REFERENCIAL TEÓRICO

    Eni Orlandi (2001) relata: o sujeito, que interpreta, lê
 a partir de sua posição sujeito, o sujeito leitor crítico lê
 refletindo sobre sua posição sujeito, sobre as condições
 de produção de sua leitura, por isso ele não interpreta
 apenas, ele compreende, sem no entanto trabalhar sua
 determinação através da teoria.
    Isso fortalece a minha hipótese de como são
 importantes a formação do leitor, a sua experiência
 prévia de leitura e seu conhecimento de mundo.
    Outro argumento que vem justificar o meu estudo é o
 uso do texto para o ensino de conceitos estruturais da
 gramática normativa na sala de aula que induz o leitor
 dificuldades na compreensão do texto escrito em função
 desta abordagem inadequada de leitura.
    “Pode-se definir texto ou discurso como ocorrência
 lingüística falada ou escrita, de qualquer extensão,
 dotada de unidade sociocomunicativa, semântica e
 formal. Antes de mais nada, um texto é uma unidade de
 linguagem em uso, cumprindo uma função identificável
 num dado jogo de atuação sociocomunicativa” (Costa
 Val, 1991;3-4).
    Portanto, se o texto cumpre uma função identificável,
 a pluralidade de conhecimentos múltiplos inseridos no
 texto devem ser adquiridos além da mensagem
 propriamente dita sem inferências culturais pré -
 estabelecidas.
    .................................
48         allencar Rodriguez



       2. JUSTIFICATIVA/OBJETIVOS E
          PERGUNTAS DE PESQUISA

     2.1. – JUSTIFICATIVA:
                                                POR QUE FAZER
           DAR RESPOSTA À(AO)                  ESSA PESQUISA?

       Faça um relato teórico das pesquisas bibliográficas
     feitas por você explicitando o arcabouço teórico de cada
     autor e citando-os, indique a contribuição dada pelos
     mesmos no campo de seu estudo e a posição deles face
     ao que foi estudado. A contextualização da obra pesquisa
     é o referencial teórico para a construção do seu projeto
     de pesquisa.
       Num outro parágrafo faça uma conexão entre o que
     fundamentou o seu projeto de pesquisa e o pressuposto
     teórico das obras citadas que tornaram o referencial da
     sua pesquisa. É a descrição do “problema” (faça a
     contextualização minuciosa do problema), é a lacuna
     que precisa ser preenchida. Mostre o que foi e está sendo
     feito e o que pretende fazer.
       Feito isso, entre os dois parâmetros acima – o
     arcabouço teórico dos autores da literatura científica da
     área e o fundamento de seu projeto – mostre a relevância
     de seu trabalho na sociedade acadêmica, na sociedade
     científica e na sociedade civil. Demonstre os benefícios
     (impactos positivos) e o valor que o desenvolvimento
     de seu trabalho trará no âmbito das ciências humanas.
     Demonstre a pertinência do estudo. Demonstre por que
     vale a pena sustentar uma pesquisa com o TEMA
     “assunto” escolhido. Demonstre que aspectos podem ser
     compreendidos a partir dos resultados de sua pesquisa.
       Reforce a necessidade da realização e a viabilidade de
     seu projeto fazendo uma identificação entre as teorias
     estudas e a sua proposta que convergem para um mesmo
     ponto comum entre os objetivos dos autores e o seu.
     Principalmente, mostre as implicações, as contribuições
     que o seu projeto poderá trazer. E, também, as razões de
     ordem pessoal que o levaram ao tópico de conhecimento
     descrito.
MAPA MONOGRÁFICO                            49


2.2. – OBJETIVOS E PERGUNTAS DE PESQUISA

                                            O QUE SE
                                           QUER COM
2.2.1. – OBJETIVOS                            ESSA
                          À QUESTÃO        PESQUISA?

  Evidenciar com clareza o propósito de sua pesquisa.
Qual é a META de sua investigação, qual é a
FINALIDADE de sua investigação. Isto é, PARA QUE
serve fazer sua pesquisa?
  Lembre-se que todos os objetivos, seja Objetivo
Geral ou Objetivo Específico, devem iniciar com o
verbo no infinitivo: Estudar, delinear, verificar,
demonstrar, identificar, distinguir, investigar, etc.



2.2.1. 1 – OBJETIVO GERAL       AO RESULTADO FINAL
                                   DO TRABALHO

 Sua sustentação se dá pelos objetivos específicos.


                                              AOS
2.2.1. 2 – OBJETIVOS ESPECÍFICOS           RESULTADOS
                                            PARCIAIS

  O objetivo específico tem como finalidade à realização
do objetivo geral. Isso significa que por meio dos
objetivos específicos se chega ao objetivo geral. Devem
apresentar um equilíbrio de forma que não sejam muito
amplos e nem muito restritos e que mostrem os caminhos
necessários para alcançar o objetivo geral.

2.2.2 – PERGUNTAS DE PESQUISA
      Explicitar as questões de pesquisa

  As perguntas de pesquisa estão relacionadas à
PROBLEMATIZAÇÃO do TEMA. A partir disso se dá à
 busca das RESPOSTAS (conhecimento científico)
            fundamento da pesquisa.
50       allencar Rodriguez




                    PESQUISA

      Tomada num sentido amplo, pesquisa é

      toda atividade voltada para a solução de

       problemas; como atividade de BUSCA,

     INDAGAÇÃO, INVESTIGAÇÃO, é a atividade

         que vai no permitir ELABORAR UM

        CONHECIMENTO, que nos auxilie na

     COMPREENSÃO dessa realidade e ORIENTE

                   nossas ações.




            “Pesquisa científica é um conjunto
            de   procedimentos     sistemáticos,
            baseados no raciocínio lógico, que
            tem    por    objetivo     encontrar
            soluções para os problemas de
            métodos científicos”.
                              (ANDRADE, 2001)
MAPA MONOGRÁFICO                                            51


2.    JUSTIFICATIVA, OBJETIVOS E PERGUNTAS
      DE PESQUISA
 excerto 4                                                                4
 2.1. – JUSTIFICATIVA

    A pesquisadora e autora do livro Desvendando os Segredos do Texto
 Ingedore Villaça Kock (2002) afirma que quando falamos dos níveis de
 compreensão nós estamos falando sob dois aspectos lingüísticos sócio-
 cultural e conhecimento de mundo. Por outro lado, a também pesquisadora
 e autora de várias obras em lingüística textual, Ângela Kleiman (2002),
 argumenta que na compreensão de um texto – que depende de um
 conhecimento prévio – o conhecimento de mundo (interação de um nível de
 conhecimento) é o enriquecimento cultural adquiridos com o tempo, formal
 e informalmente. Assim o leitor consegue construir o sentido do texto.

    É sob esta perspectiva teórica – formação do indivíduo (seu
 conhecimento de mundo) – influi na compreensão contextual global
 fundamentando este projeto no objetivo de descobrir como ocorre neste
 indivíduo a sua formação para aquisição de conhecimentos múltiplos
 fornecidos pelos textos.

   É nesse sentido que estudos sobre como adquirir os conhecimentos
 múltiplos que os textos oferecem tornam-se cada vez mais importantes e o
 meu projeto vai ao encontro daqueles que querem procurar as respostas
 para a problemática da compreensão textual.

 2.2. – OBJETIVOS E PERGUNTAS DE PESQUISA

 2.2.1 – OBJETIVOS
 2.2.1.1. – OBJETIVO GERAL
         Compreender como o leitor usa suas habilidades de leitura num
 contexto para compreensão integral dos conhecimentos múltiplos que o
 texto oferece justificando a idéia de que num texto não há limites para ler.
 2.2.1.2. – OBJETIVOS ESPECÍFICOS
 2.2.1.2.1.: Verificar e compreender como seu conhecimento prévio – de
 leitura – de mundo – em função de sua formação social, interfere na
 compreensão integral do texto.
 2.2.1.2.2.: Compreender as inferências que a leitura sofre em função de
 sua formação social.
 2.2.1.2.3.: Dimensionar os elementos básicos do leitor que não prejudique
 a compreensão contextual integral do texto.

 2.2.2. – PERGUNTAS DE PESQUISA
        ◇ O que acontece com nossos estudantes e leitores que cada um
 interpreta o mesmo texto de formas diferentes?
52        allencar Rodriguez




       3. METODOLOGIA

      QUE PROCEDIMENTOS SERÃO EXECUTADOS PARA
              RESPONDER ÀS INDAGAÇÕES

     ATENÇÃO:
     PARA ESSE ESTUDO SUGERIMOS A LEITURA DE:


      A PESQUISA NA SALA DE AULA; METODOLOGIA DE
     INVESTIGAÇÃO CIENTÍFICA E A FORMAÇÃO DO
     PROFESSOR.
                               Marilda C. Cavalcanti
                                        (UNICAMP)

        Esta é uma parte muito importante para a
     aceitação de seu projeto. Neste tópico deve ser
     relatado de forma clara à descrição de como ou de
     que forma será conduzido o seu projeto no campo
     proposto: (em sala de aula), (fora da sala de aula),
     os sujeitos participantes, etc. O tipo de pesquisa
     que será feito: bibliográfica, documental, pesquisa
     de campo, estudo de caso. Será pesquisa do tipo
     (qualitativa ou quantitativa), ou ainda, as duas. Em
     alguns casos, por exemplo, a pesquisa etnográfica e
     a pesquisa-ação são usadas concomitantemente.
     Dizer o porquê do uso dos sujeitos da pesquisa: Ex.:
     A investigação será feita com alunos da rede
     pública    do   ensino    fundamental     devido   à
     necessidade de se verificar quais são as suas
     necessidades num arcabouço teórico no ensino de
     línguas. Justifique o uso dos procedimentos
     metodológicos o qual fará uso em sua pesquisa e
     cite os autores pesquisados para o desenvolvimento
     da aplicação de sua metodologia.
MAPA MONOGRÁFICO                                 53


3.    METODOLOGIA
 excerto 5                                                  5

 3. METODOLOGIA

 3.1 – A NATUREZA DA PESQUISA

  Baseado em pressupostos teóricos de Bogdan e Biklen
 (1994) o projeto será operacionalizado por meio de um estudo
 de natureza qualitativa, de base quantitativa se respaldando
 nos paradigmas da pesquisa etnográfica (Erickson, 1986).

 3.2 – O CONTEXTO E OS SUJEITOS

    O desenvolvimento do projeto será com alunos da rede
 pública – em uma escola rural - do ensino fundamental de
 uma cidade de porte pequeno na região de Campinas/SP,
 devido à necessidade de complementar (com a elaboração
 desse projeto) suas necessidades de um melhor arcabouço
 teórico para o processo ensino/aprendizagem de línguas. Com
 isso objetivando construir um mapa acessível e simples de
 recursos didáticos para esses alunos materializados dentro de
 um contexto histórico, social de agentes do campo.

 3.3 – INSTRUMENTOS DE COLETA DE REGISTROS E
 PROCEDIMENTOS ADOTADOS PARA A ANÁLISE

        Para a coleta de registros serão:
     a) Observação em sala de aula ou de sala de aula.
        Seguirá um processo de identificação dos “problemas”
        que se prende a proposta desse projeto e seus registros
        serão feitos no momento do acontecimento em forma
        de diário.
     b) Diário de campo
        Registros em sala de aula...
     c) Entrevista
        Serão feitas as formas estruturada, semi e não
        estruturada.
     d) Gravação das aulas: ............
     e) Documentos: ......................
54        allencar Rodriguez



       4. IMPLICAÇÕES


         Atenção: ESSA PARTE É OPCIONAL – DE
     PREFERÊNCIA FAÇA SEU USO PARA MONOGRAFIAS
          NA ÁREA DA LINGÜÍSTICA APLICADA

     DE CERTA FORMA NO PROJETO PARA A EDUCAÇÃO
          ESTE CONTEXTO JÁ ESTÁ INSERIDO NA
     JUSTIFIVATIVA AO ARGUMENTAR A RELEVÂNCIA
     DO TRABALHO PARA A SOCIEDADE CIENTÍFICA E
                       CIVIL.

     Descreva o que de útil a realização de seu projeto
     poderá trazer.

     Veja a seqüência:

     4.1 – Implicações Teóricas:

     4.2 – Implicações Metodológicas:

     4.3 – Implicações Práticas (ou Sociais):

       Este tópico é o contexto dos resultados esperados
     onde antecipando possíveis resultados que o seu
     estudo proporcionará alguns tópicos poderão ter a
     formatação de um conteúdo teórico que servirá
     como base para novos estudos investigativos ou
     como recurso de segmento para a execução de um
     novo programa ou ainda poderá produzir insumos
     que servirão de recursos didáticos ou pedagógicos
     no processo ensino/aprendizagem e também o seu
     projeto poderá proporcionar a união de tudo o que
     foi citado.
MAPA MONOGRÁFICO                                  55


4.   IMPLICAÇÕES
 excerto 6                                                   6

 4. IMPLICAÇÕES

 4.1 – Implicações Teóricas:
   O desenvolvimento desse projeto contribuirá para o
 enriquecimento de fundamentos teóricos anteriormente feitos
 por pesquisadores/autores acrescidos de novos fatores antes
 ausentes na bibliografia estudada e que são inerentes para o
 processo de estudo investigativo de novas soluções, ou
 complementos ou inovações para o desenvolvimento da
 aquisição da linguagem em L.E. para o ensino fundamental.

 4.2 – Implicações Metodológicas:
   Sabendo que um trabalho científico é fruto de uma pesquisa
 anterior, portanto não é um algo acabado, pois a ciência não é
 um todo acabado, então somado a proposta anterior, o
 processo de operacionalização desse projeto poderá servir
 como base de seguimento de pesquisa para futuros
 requerentes a um título de mestre na área em questão.


 4.3 – Implicações Práticas:
    Por outro lado, o complemento desse estudo investigativo
 irá produzir substanciais conceitos práticos que nortearão
 futuros estudantes de línguas a uma aquisição continua,
 paulatina e definitiva de insumo que priorize no estudante a
 capacidade de expressão e criatividade em sua formação
 definitiva para o desenvolvimento de suas competências e
 habilidades com real significado e aplicabilidade da língua
 inglesa.
56       allencar Rodriguez


     5. CRONOGRAMA DE EXECUÇÃO DO PROJETO


        Nesse item, deverão ser indicadas as seqüências
     cronológicas da pesquisa (lista ou quadro) onde se fará
         menção das etapas de seu início e conclusão.



      Na lista ou quadro de seu cronograma deverá conter:



               1.   disciplina obrigatória
               2.   estudo bibliográfico
               3.   elaboração dos instrumentos
                    de coleta de registros
               4.   análise do material coletado
               5.   redação da dissertação
               6.   defesa da dissertação
MAPA MONOGRÁFICO                           57


5.   CRONOGRAMA DE EXECUÇÃO DO PROJETO
 excerto 7                                            7

 5. CRONOGRAMA DE EXECUÇÃO DO PROJETO


 . Exemplo de cronograma:



                           2010           2011

 Período / Atividade        1o.S   2o.S   1o.S.   2o.S.

 Disciplinas Obrigatória

 Levantamento e Estudo
 da Bibliografia

 Coleta de Dados

 Análise do Material
 Coletado

 Redação da Dissertação


 Defesa da Dissertação


 VEJA EXEMPLO COMPLETO NA PÁGINA 21
58            allencar Rodriguez



       6. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

       É uma lista abrangente de todo material consultado,
     estruturado e inerente ao tema da pesquisa. Essa lista
     deve ser feita em ordem alfabética considerando-se o
     último     sobrenome       do    autor    apresentado      em
     preferencialmente em letras maiúsculas seguindo os
     critérios da Associação Brasileira de Normas Técnicas
     (ABNT), (1989), estabelecido pela NBR - 6023. Se houver
     várias obras de um mesmo autor, substitui-se o nome
     do autor por um traço equivalente a cinco espaços. As
     fontes (nas quais o autor buscou informações), indicadas
     no trabalho científico dentro das normas da ABNT, são os
     “elementos que permitem a identificação no todo ou em
     parte, de documentos impressos ou registrados em
     diversos    tipos   de   materiais,   (“ABNT,   apud    Costa,
     1993:94).
MAPA MONOGRÁFICO                              59


6.   REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS
 excerto 8                                               8

 6. REFERÊNCIA BIBLIOGRÁFICAS


  ALMEIDA FILHO, J.C.P “Maneiras de Compreender
 Lingüística Aplicada” – Revista Letra, nº. 2 – Santa Maria
 (RS): Universidade Federal de Santa Maria - 1991
 ________________ . “Escolha e Produção de Material
 Didático para um Ensino Comunicativo.”
 Contexturas – Ensino Crítico de Língua Inglesa no.1 –
 1992
 BROWN, D. “Principles of Language Learning and
 Teaching.” New Jersey: Prentice Hall, 2000
 CAVALCANTI, M. C. “A Propósito de Lingüística
 Aplicada.” In: Trabalhos em Lingüística Aplicada, vol. 07,
 1986
 MOITA LOPES, L. P.. Oficina de Lingüística Aplicada: “A
 Natureza Social e Educacional de Lingüística dos
 Processos de Ensino Aprendizagem de Línguas.”
 Campinas – SP: Mercado de Letras, 1996
 NUNAN, D. “Designing Tasks for the Communicative
 Classroom.” Cambridge. CUP, 1989
 SCHÖN, D. A. “Educando o Profissional Reflexivo: Um
 Novo Design para o Ensino e a Aprendizagem.”
 WIDDOWSON, H.G.O. “O Ensino de Línguas para a
 Comunicação.” Campinas, Pontes Editores, 1991.
 Tradução de José Carlos P. Almeida Filho
60       allencar Rodriguez



  ATENÇÃO            METODOLOGIA DE INVESTIGAÇÃO

 Esta é uma parte muito delicada do programa de investigação
 na área da educação.
 Não deixe de entrar em contato conosco.
 Daremos as diretrizes corretas que você deverá seguir quanto
 à metodologia de investigação.

 Ǫ METODOLOGIA DE INVESTIGAÇÃO

 ◊ PESQUISA EXPERIMENTAL (QUANTITATIVA)
  É baseada na análise da mensuração dos dados coletados ou
                          parte deles.
 ◊ PESQUISA QUALITATIVA (INTERPRETATIVA)
   A abordagem qualitativa surgiu da necessidade de buscar
 uma metodologia de investigação que leve em consideração
 a natureza dinâmica dos conceitos relacionados às ciências
 sociais já que os fenômenos humanos e sociais são
 diferentes dos fenômenos físicos, químicos ou biológicos
 que podem ser regidos por leis gerais, matematicamente ou
 teoricamente às quais podem ter às análises de seus
 registros   experimentais    seguindo   uma    abordagem
 quantitativa. A abordagem qualitativa é a busca da
 interpretação dos fatos ocorridos no campo de pesquisa em
 lugar da mensuração.

 ◊ PESQUISA QUALITATIVA (fonte: Profa. Dulce M. P.
 Camargo)

OBJETIVOS
 Produzir um conhecimento transformador;
 Apontar possíveis rumos de mediação, ação e/ou intervenção.

 CARACTERÍSTICAS
  Possibilita repensar a concepção de ciência como verdade
 única;
  Entende a investigação como:
   * relação teoria/prática; * relação sujeito/objeto;
  Incentiva o envolvimento da população interessada;
  Realiza uma reflexão contínua acerca da prática cotidiana;
  Permite a construção do conhecimento através do diálogo da
 ciência com o senso comum.
MAPA MONOGRÁFICO                        61



LIMITES
 Abordagem      fundamentalmente     conjuntural:
acontecimentos; cenários; sujeitos; relações de
poder; articulações; contradições.
 Dificuldades em relação ao resgate das falas dos
pesquisados.

OPERACIONALIZAÇÃO

1a. Etapa – FASE EXPLORATÓRIA
 Determinar o campo de investigação e sua
definição;
 Esboço preliminar do problema;
 Organização da equipe (quando a pesquisa for
coletiva);
 Formulação da proposta preliminar: viabilidade;
fontes     humanas;      recursos     humanos   e
representações;
 Delimitação conjunta da área abrangida;
 Seleção e preparação dos participantes.

2a. Etapa –        FASE     DO    DIAGNÓSTICO
PRELIMINAR
 Procedimentos, objetivos, referencial teórico,
cronograma;
 Estudo da estruturação dos sujeitos envolvidos;
 Estudo sócio-econômico-político e cultural do
local: seus problemas, lutas e reivindicações;
 Levantamento e sistematização de propostas de
solução pelos sujeitos envolvidos;
 Elaboração coletiva de diagnóstico preliminar;
 Divulgação do diagnóstico: seminários, recursos
áudio-visuais, gráficos, boletins...
62        allencar Rodriguez



     3a. Etapa – FASE DA ANÁLISE CRÍTICA
     AMPLIADA
      Realização de fóruns mais amplos para percepção
     dos     diferentes  entendimento   e   explicações
     referentes ao diagnóstico;
      Aplicação de questionário, ou outro instrumento
     para     captação   de   opiniões,   sugestões   e
     representações

     4a. Etapa – FASE DE ELABORAÇÃO DE UM
     PLANO DE AÇÃO
      Sistematização geral;
      Análise crítica;
      Elaboração de um plano de ação.

     5a. Etapa – DIVULGAÇÃO DO PLANO E SEUS
     RESULTADOS

      Retomada do seminário geral;
      Criação de comissões para divulgação fora da área;
      Retirada da equipe de profissionais;
      Ação dos sujeitos construtores – participantes;

     INSTRUMENTOS OPERACIONAIS
      Entrevistas: diretiva e não-diretiva;
      Questionários (instrumento de apoio);
      História de vida;
      História oral;
      Análise documental;
MAPA MONOGRÁFICO                            63



             NOVE QUESTÕES FREQÜENTES SOBRE A
                INVESTIGAÇÃO QUALITATIVA
                 FONTE: Bogdan e Biklen (1994)


                 Há possibilidade de utilização conjunta das
                 abordagens qualitativa e quantitativa?

                 A abordagem qualitativa é verdadeiramente
                              científica?

     Em que a investigação qualitativa difere daquilo
que pessoas como os professores, jornalistas e artistas
                      fazem?

                Os resultados qualitativos são generalizáveis?

            Há interferência da subjetividade do pesquisador
                  no processo de coleta de dados?

                    Presença do pesquisador modifica o
                 comportamento das pessoas estudadas?

                Dois pesquisadores que estudem
     independentemente o mesmo local ou os mesmos
         sujeitos chegarão às mesmas conclusões?

                   Qual o objetivo da pesquisa qualitativa?

                Em que é que diferem a pesquisa qualitativa e
                             quantitativa?

  ATUALIZAÇÃO DE QUESTÕES QUE DOMINAM O
ÂMBITO DA ÉTICA NAS PESQUISAS QUALITATIVAS

                      Consentimento informado;
            Proteção dos sujeitos contra qualquer espécie de
                               danos.
64         allencar Rodriguez



     Existem diferentes tipos de pesquisa           qualitativa,
     focaremos aquela que mais nos interessa:


             PESQUISA DO TIPO ETNOGRÁFICO

     Etnográfico – relativo à etnografia: Disciplina que tem por
     fim o estudo e a descrição dos povos, sua língua, raça,
     religião, etc., e manifestações materiais de sua atividade.

        Pesquisa do tipo etnográfica é um conjunto de técnicas
     para coletar, analisar e descrever registros relacionados
     aos hábitos, as crenças e atitudes de um grupo social e
     seus valores fazendo um trabalho investigativo retratando
     uma comunidade, uma sala de aula, etc. Interiorizados
     nesses campos de investigação, os etnógrafos (aqueles
     que usam a abordagem da pesquisa etnográfica) estão
     diretamente vinculados a cultura e educação, refletindo,
     observando, participando ou seja se interando com a
     situação estudada, pois nesse instante estão sendo
     justapostos    às   características   pessoais    de cada
     participante tais como: seu conhecimento de mundo, seu
     conhecimento prévio, sua identidade, sua linguagem,
     enfim, sua formação histórico, político e social.

       O processo da pesquisa etnográfica é de se inteirar dos
     eventos que estão ocorrendo considerando todos os
     aspectos a eles inerentes e não se apegando naquilo que
     possa ser os resultados finais.

       De acordo com Erickson (1986), a pesquisa etnográfica
     baseia-se a três perguntas: O que está acontecendo
     dentro deste campo de investigação? Quais as inferências
     que    traz    aos    agentes   envolvidos?    Qual    a
     reflexão/interpretação pode ser formalizada? A partir
     dessas perguntas é que se fundamenta o equacionamento
     das possíveis soluções para um determinado problema
     que induziu a criação e a natureza de seu projeto de
     pesquisa.
MAPA MONOGRÁFICO          65




      CONTEXTUALIZAÇÃO
       EXEMPLIFICADA
            DOS
         PRINCIPAIS
         ELEMENTOS
          TEXTUAIS


TEMA – OBEJTIVO - METODOLOGIA
66        allencar Rodriguez



                   A PROBLEMATIZAÇÃO

      TEMA: O REGIME DE PROGRESSÃO CONTINUADA

         NOTA: Não se investigam TEMAS, o que são
             investigados são os PROBLEMAS.

     O PROBLEMA deve ser formulado como PERGUNTA
                    sobre o tema.
       Deve-se explicitar o problema em forma de uma ou
     mais perguntas onde suas respostas não se encontram
     nos saberes. As respostas (a procura do conhecimento)
     devem ser buscadas pela pesquisa.

              PERGUNTA: PROBLEMATIZAÇÃO

                        À QUESTÃO - À DÚVIDA
       PRETENDO
                         À RAZÃO - O MOTIVO
      INVESTIGAR

     1) QUAIS benefícios o regime de progressão continuada
        trouxe no contexto da redução da evasão escolar?
     2) QUAIS inovações didáticas e/ou pedagógicas o regime de
        progressão continuada promoveu aos alunos que passaram
        por esse sistema?
     3) QUE mudança trouxe no comportamento do aluno o
        regime de progressão continuada?
     4) PORQUE, estatisticamente, o índice de repetência
        caracterizado pelo baixo rendimento está no patamar de
        10% sabendo que esse índice não é real?

      ATENÇÃO: ESSAS PERGUNTAS GERAM UMA PERGUNTA
                         SÍNTESE

         O REGIME DE PROGRESSÃO CONTINUADA ESTÁ
                ATINGINDO SEUS OBJETIVOS?

     Isto é, 1) trouxe benefícios no contexto da evasão?
     2) ocorreram inovações? 3) provocou mudanças na
     práxis do aluno? 4) diminuiu realmente à repetência ou
     ela é mascarada pela progressão continuada?
MAPA MONOGRÁFICO                               67

ATENÇÃO:
    Ao elaborar a pergunta situe o problema
            no TEMPO e no ESPAÇO.

5) QUAIS benefícios o regime de progressão continuada
   NO ENSINO FUNDAMENTAL DAS ESCOLAS PÚBLICAS
   ESTADUAIS DE CAMPINAS trouxe no contexto da
   redução da evasão escolar NO ANO DE 2008?
6) QUAIS inovações didáticas e/ou pedagógicas o regime
   de progressão continuada promoveu aos alunos DAS
   8ª. SÉRIES DO ENSINO FUNDAMENTAL DA ESCOLA
   PÚBLICA ESTADUAL DE CAMPNAS EM 2008?
7) QUE mudança trouxe no comportamento do aluno DO
   ENSINO FUNDAMENTAL DAS 5ª. às 7ª. SÉRIES DAS
   ESCOLAS PÚBLICAS ESTADUAIS DE CAMPINAS, o
   regime de progressão continuada EM 2008?
8) PORQUE, estatisticamente, o índice de repetência
   caracterizado pelo baixo rendimento está no patamar
   de 10% NAS ESCOLAS PÚBLICAS DE ENSINO
   FUNDAMENTAL DE CAMPINAS NESTE ANO DE 2008
   sabendo que esse índice não é real?

RESUMINDO: ESSAS SÃO DÚVIDAS INTERESSANTES
                     E
   ESSAS PERGUNTAS CONTÉM UM PROBLEMA
                 POR QUE:

1) As respostas não estão no saberes: biblioteca, internet,
   etc.
2) As respostas serão alcançadas pela realização da
   pesquisa proposta.
3) O problema está situado no tempo (2008) e no espaço
   (escolas públicas estaduais do ensino fundamental de
   Campinas)
4) Lembre-se: A pergunta só é pertinente à realização do
   projeto se a BUSCA DE RESPOSTA for POSSÍVEL. E,
   nesse caso, é possível, pois a resposta se encontra nos
   dados estatísticos das escolas e na DE a qual a escola
   pertence. Além disso, facilmente é possível encontrar
   os alunos que freqüentaram a escola no período citado.
5) A pergunta é original uma vez que atende aos
   interesses acadêmicos e sociais.
68        allencar Rodriguez


           Veja, então, que não pesquisamos o TEMA:
          O REGIME DE PROGRESSÃO CONTINUADA.


       A pesquisa tem como FINALIDADE: Explicar os
     fenômenos de sua aplicação, verificar como esses
     fenômenos ocorrem e/ou ocorreram, as mudanças
     provocadas pelo seu processo e quais as inferências e
     interferências que podem ocorrer e/ou sofrer.

      O projeto de pesquisa não é simplesmente um PLANO
     DE ATIVIDADES, por exemplo, PEDAGÓGICOS.

     “Meu projeto propõe uma nova estratégia de leitura em
     sala de aula.”


               Isso não é projeto de pesquisa.
                Isso é um projeto pedagógico,


     Uma vez que as RESPOSTAS (conhecimentos
     científicos) têm a finalidade de DESCOBRIR,
     COMPREENDER e EXPLICAR o contexto de uma
     realidade concreta problematizada no tema de
     pesquisa.


     PORTANTO: A preocupação do projeto de pesquisa
     não  é    PROPOR,   CONTRIBUIR,    MODIFICAR,
     ALTERAR, POSSIBILITAR, INTERFERIR, ETC.
MAPA MONOGRÁFICO                            69


          A QUESTÃO DOS OBJETIVOS

                      A META
                   A FINALIDADE

  Nesta fase do projeto o pesquisador não deverá fazer
uma contestação ou oferecer uma alternativa ao
problema que irá analisar, pois sua ocorrência só será
possível com o resultado da pesquisa.

  TEMA: O REGIME DE PROGRESSÃO CONTINUADA

OBJETIVO GERAL:
ANALISAR se o regime de progressão continuada
cumpre com o intuito explícito em seu próprio nome
“Progressão Continuada”.

NOTA: VEJA, Se cumpre está atingindo seus objetivos,
caso contrário, não. Essas hipóteses estão relacionadas
aos OBJETIVOS ESPECÍFICOS.

OBJETIVOS ESPECÍFICOS:

1) REVELAR se o regime de progressão continuada é um
   regime progressivo ou regressivo.
2) COMPARAR se à redução do índice de reprovados é
   real ou mascarada pelos índices de aprovação daqueles
   que são promovidos mesmo sem aprender.
3) RELACIONAR se o índice da evasão escolar no regime
   de progressão continuada é permeada pela cultura da
   exclusão.
4) DESCREVER o que os alunos retidos não aprenderam
   em detrimento daqueles que foram promovidos sem
   aprender.

NOTE: a freqüência dos verbos ativos (revelar,
comparar,     relacionar,    descrever,      etc.)    em
detrimentos dos verbos que INDUZA INTERVENÇÃO:
Contribuir, modificar, interferir, possibilitar, etc.
70          allencar Rodriguez




     Então, nesse parâmetro o seu pretenso orientador e/ou a
     banca examinadora terá condição de avaliar qual é a sua
      intenção na qualidade de pesquisador e o propósito de
                            sua pesquisa.




      As respostas dos objetivos específicos dão suporte
     ao objetivo geral para ANALISAR se o regime de
     progressão continuada cumpre com o intuito explícito em
     seu   próprio   nome   “Progressão     Continuada”.   O   que
     significa promover ao aluno um ensino de qualidade,
     inclusão e igualdade de oportunidades, produção de
     conhecimento que vai ao encontro da idealização da
     Progressão Continuada feito por Paulo Freire no
     contexto da educação como meio para a libertação.
MAPA MONOGRÁFICO                               71


                   METODOLOGIA


  A NATUREZA DA PESQUISA

   Para responder às questões expostas no âmbito de uma
análise    crítica,   qualitativa    e    quantitativa   da
problematização temática é necessário considerar
elementos que situa o sujeito – objeto nas concepções
políticas, econômicas, pedagógicas e sóciais. Dessa
forma, a investigação deve seguir o caminho do
conhecimento epistemológico, filosófico e fenomenológico
do homem, da sociedade, da cultura e da escola.
    Conhecido os elementos que situam o sujeito-objeto
no contexto da problemática temática e a literatura de
contextualização do tema através do referencial teórico
somado ao estudo da literatura oficial relativa ao objeto
incluindo os decretos, resoluções, deliberações da
Secretaria Estadual da Educação e a Lei das Diretrizes
Básicas (LDB) de âmbito nacional será adotado para esta
pesquisa os pressupostos teóricos de Bogdan e Biklen
(1994) e será operacionalizado por meio de um estudo
de natureza qualitativa, de base quantitativa se
respaldando nos paradigmas do modelo de pesquisa
estudo de caso.
    “O estudo de caso é o estudo de um caso, seja ele
simples e específico ou complexo e abstrato.” Lüdke e
André (1896). Segundo Goode e Hatt (1968), o caso se
destaca por se constituir numa unidade dentro de um
sistema mais amplo. Nesse caso, o projeto se destaca por
ter um interesse único, distinto mesmo que venha ser
semelhante com outros estudos e situações. Então, pela
sua característica única foi escolhido o estudo de caso que
entre suas principais características fundamentais
destacamos:      os estudos de         caso   enfatizam   a
“interpretação em contexto”, buscam retratar a realidade
de forma completa e profunda, usam uma variedade de
fontes de informações e procuram representar os
diferentes e às vezes conflitantes pontos de vista
presentes numa situação social. Lüdke e André (1986).
72         allencar Rodriguez




     O CONTEXTO DOS SUJEITOS

         O desenvolvimento do projeto será com alunos da
     rede estadual de Campinas, do ensino fundamental
     delimitando como sujeitos de investigação os alunos das
     6ª., 7ª. e 8ª. séries.


     INTRUMENTOS DE COLETA DE REGISTRO                      E
     PROCEDIMETNOS ADOTADOS PARA A ANÁLISE

                SIGA O PADRÃO DA PÁGINA 18

        Para a coleta de dados serão utilizados como técnicas:

 a) observação em sala de aula. Nesse caso haverá um
    processo de identificação dos problemas que se prende
    à proposta desse projeto e seus registros serão feitos
    no momento do acontecimento em forma de diário.
 b) gravação de aulas...
 c) entrevistas com alunos nas formas estruturadas, semi e
    não estruturadas.
 d) Investigação do diário dos professores.
 e) Investigação dos documentos escolares dos alunos.

     Para o estudo dos dados será feito a análise de conteúdo
     para a análise da problemática articulada ao tema tendo
     em vista as perguntas e objetivos da pesquisa.
MAPA MONOGRÁFICO                     73


 CANAL INTERATIVO


   Você chegou ao final de um estudo de
 orientação para a formação de sua
 monografia. O processo é difícil – veja o
 grande número de inscritos para o
 processo seletivo da Unicamp e o pequeno
 número     de   aprovados.   O    trabalho
 desenvolvido neste livro irá ajudar muito
 para a construção da estrutura do
 trabalho – seus conceitos e contextos. É
 evidente que muitas dúvidas irão aparecer
 no decorrer de sua elaboração. Isso
 ocorrendo, envie um e-mail para nós.
 Imediatamente lhe daremos o retorno
 para facilitar seu trabalho tirando suas
 duvidas    e/ou    fornecendo    subsídios
 teóricos para a elaboração contextual das
 etapas da estrutura do trabalho como
 também      dicas    de    materiais    de
 pesquisadores/autores os quais você
 deve tomar conhecimento dentro da área
 de seu interesse.

acquireskills@ig.com.br assunto: dúvidas
Aos interessados em enviar sua monografia
para a área da educação, envie seu e-mail para
complementos na metodologia de pesquisa,
pois a Unicamp, nessa área, trabalha em seis
variáveis possíveis de proposta investigativa:
1 - Políticas, Administração e Sistemas
Educacionais; 2 – Filosofia e História da
Educação; 3 – Psicologia Educacional; 4 –
Ensino e Práticas Culturais; 5 – Educação,
Conhecimento, Linguagem e Arte; 6 – Ciências
Sociais na Educação.
74         allencar Rodriguez



     BIBLIOGRAFIA:

     ANDRÉ, M.E.D.A.Etnografia da prática escolar. Campinas:
     Papirus, 1996

     ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS. NBR-
     6023: informação – documentação – referências –
     elaboração, Rio de Janeiro, ago. 1989

     ALMEIDA FILHO, J.C.P. A produção de projetos iniciais
     sobre o processo de ensino/aprendizagem de línguas. In
     ALMEIDA FILHO, J.C.P., CUNHA, M.J. Projetos Iniciais de
     Pesquisa na área de Português para Falantes de Outras
     Línguas. Brasília/Campinas, 2003.

     __________, “Introdução à elaboração de projetos de
     pesquisa.”   Universidade Estadual   de   Campinas
     (Unicamp), 2005, oficina.

     BOGDAN, R. e BIKLEN, S. Investigação qualitativa em
     educação: uma introdução à teoria e aos métodos.
     Portugal: Porto Editora, 1994.

     BRANDÃO, C.R. (org.). Pesquisa Participante. São Paulo:
     Brasiliense, 1980.

     CAVALCANTI, M.C. & MOITA LOPES, L.P. Implementação
     da pesquisa em sala de aula de línguas. In Trabalhos em
     Lingüística Aplicada. Campinas (17): 133-144 jan/jun,
     1991.

     CYRANKA, L.F.M. e SOUZA, V.P. Orientações para
     normalização de trabalhos acadêmicos. Editora da UFJF,
     2004.

     DYNIEWIEZ A.M. e MARTINS, M.L. Pesquisar é preciso,
     escrever é difícil? In Cogitare Enfermagem. Curitiba (3):
     n.1, p. 113-117 jan/jun, 1998.

     ECO, U. Como se faz uma tese. São Paulo: Perspectiva,
     1983.
MAPA MONOGRÁFICO                               75

ERICKSON, F. Qualitative methods in research on
teaching. In WITTROCK, H. (org.) Handbook of research
on teaching. Nova York: MacMillan, 1986.

FAZENDA, I. (org.) A pesquisa em educação e as
transformações do conhecimento. Campinas: Papirus,
1995.

GAMBOA, S.S. “Pesquisa em educação:            métodos    e
epistemologias.” Chapecó: Argos, 2007

__________,     “Projetos  de      pesquisa   científica:
fundamentos    lógicos”.  Universidade    Estadual     de
Campinas (Unicamp), 2008, oficina.

GONÇALVES, E.P. “Fazendo uma monografia                  em
educação”. Campinas: Editora Alínea, 2005

GROPPO, L.A. e MARTINS, M.F. “Introdução á pesquisa
em educação.” 2ª. ed. Piracicaba: Biscalchin Editor, 2007

LAKATOS, E.M. e MARCONI, M.A. Metodologia científica.
São Paulo: Atlas, 1982.

MATOS, F.G. O título de um trabalho científico: claro,
conciso, concreto e criativo. In Ciência e Cultura, 40 (8):
778-779.

MOITA LOPES, L.P. “Oficina de lingüística aplicada: a
natureza social e educacional de lingüística dos processos
de ensino aprendizagem de línguas”. Campinas: Mercado
de Letras, 1996.

_____________. Pesquisa interpretativista em lingüística
aplicada: a linguagem como condição e solução. In
D.E.L.T.A., 2, 1994.

MÜLLER, M.S. “Normas e             padrões para teses,
dissertações e monografias”.      6ª. ed. Ver e atual.
Londrina: Eduel, 2007
76         allencar Rodriguez

     MYNAYO, M.C.S. Ciência, técnica e arte: o desafio da
     pesquisa social. In MYNAYO, M.C.S. (org.) Pesquisa Social
     – teoria, método e criatividade. Petrópolis: Vozes, 1993.

     PÁDUA, E.M.M. O trabalho monográfico como iniciação à
     pesquisa cientifica. In

     RUDIO, F.V. Introdução ao projeto de pesquisa científica.
     6a. ed. Petrópolis: Vozes, 1982.

     SAVIANI, D. “Educação: do senso comum à consciência
     filosófica”. São Paulo: Cortez, 1982

     SALVADOR, A. Métodos e técnicas de pesquisa
     bibliográfica; elaboração e relatório de estudos científicos.
     2a. ed. Porto Alegre: Sulina, 1971.

     SCHÖN, D.A. Educando o profissional reflexivo: um novo
     design para o ensino e a aprendizagem. Tradução de
     Roberto Cataldo Costa. Porto Alegre: Artes Médicas Sul,
     2000.

     SEVERINO, A.J. Metodologia do trabalho científico. 13a.
     ed. São Paulo: Cortez, 1986.

     THIOLLENT, M. metodologia da pesquisa-ação. 13a. ed.
     São Paulo: Cortez Editora, 2004.

     VIEIRA, S. Como escrever uma tese. São Paulo: Pioneira,
     1991.

     VIEGAS, W. Orientação aos alunos na redação e
     apresentação gráfica de monografia, teses e dissertação.
     Brasília: Universidade de Brasília, 1995.
MAPA MONOGRÁFICO                              77



Sítios da Internet

ABNT – Associação Brasileira de Normas          Técnicas.
www.abnt.gob.br, consultado em 07/05/2008

Pós-Graduação   da    Faculdade    de   Educação    da
Universidade  Estadual    de   Campinas     (Unicamp).
http://www.posgrad.fae.unicamp.br, consultado em 30 de
dezembro de 2008.

Pós-Graduação da Faculdade de São Paulo (Usp).
http://www3.fe.usp.br/pgrad, consultado em 30 de
dezembro de 2008.

Pós-Graduação    da Universidade     Estadual  Paulista
(Unesp). http://www.fclar.unesp.br/pos, consultado em
30 de dezembro de 2008.

REFERÊNCIAS

Pesquisa Qualitativa:
Profa. Dulce Maria Pompeo de Camargo

Roteiro de Elaboração de um Projeto de Pesquisa:
Prof. Dr. João Bosco Cabral dos Santos

Elaboração de Projetos de Pesquisa em Lingüística
Aplicada:
Prof. Dr. José Carlos de Almeida Filho e Kleber Aparecido
da Silva.
78         allencar Rodriguez




     EXCERTOS

     KLEIMAN, A Oficina de Leitura teoria & prática. 9a. ed.
     Campinas, SP: Pontes, 2002

     KOCH, I.G.V. Desvendando os Segredos do Texto.
     São Paulo: Cortez, 2002

     ___________. A Coesão Textual. 6a. ed. São Paulo:
     Contexto, 1993

     MATENCIO, M.L.M. Leitura Produção de Textos e a
     Escola. Campinas, SP: Mercado de Letras, 1994.

     ORLANDI, E. P. Discurso e Texto Formulação e
     Circulação dos Sentidos. Campinas, SP: Pontes,
     2001.
A
 L
 L
 E
 N
 C
 A
 R
 RODRIGUEZ




  The author holds a BA in Letter (English and English Literature) from the Catholic
University of Campinas and posting graduating on MA in Applied Linguistic And
Psicopedagogy in Education by UNESP

  He has a large experience about cram schools (vestibulares) and he is engaged
on studies of didactic books (English for secondary students; writing and reading in
Portuguese – in the area of Applied Linguistic / Foreign Language Teaching and
Learning and Linguistic / Acquisition Competence of Writing and Reading.




                   Moreover, he is engaged on gothic literature.
Mapa monográfico booklet 2011
Mapa monográfico booklet 2011
Mapa monográfico booklet 2011
Mapa monográfico booklet 2011
Mapa monográfico booklet 2011
Mapa monográfico booklet 2011
Mapa monográfico booklet 2011
Mapa monográfico booklet 2011
Mapa monográfico booklet 2011
Mapa monográfico booklet 2011
Mapa monográfico booklet 2011
Mapa monográfico booklet 2011
Mapa monográfico booklet 2011
Mapa monográfico booklet 2011
Mapa monográfico booklet 2011

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Como elaborar-um-projeto-de-pesquisa-de-iniciação-científica
Como elaborar-um-projeto-de-pesquisa-de-iniciação-científicaComo elaborar-um-projeto-de-pesquisa-de-iniciação-científica
Como elaborar-um-projeto-de-pesquisa-de-iniciação-científica
roupanova
 
Roteiro para elaboracao tcc
Roteiro para elaboracao tccRoteiro para elaboracao tcc
Roteiro para elaboracao tcc
Leonardo Dias Coutinho
 
O projeto de pesquisa e a monografia
O projeto de pesquisa e a monografiaO projeto de pesquisa e a monografia
O projeto de pesquisa e a monografia
WaleskaSampaio
 
Elaboração do Projeto de Pesquisa
Elaboração do Projeto de PesquisaElaboração do Projeto de Pesquisa
Elaboração do Projeto de Pesquisa
Anna Trina
 
Modelo de Trabalho Acadêmico
Modelo de Trabalho AcadêmicoModelo de Trabalho Acadêmico
Modelo de Trabalho Acadêmico
Everton Zanini
 
Como fazer projeto de pesquisa e relatório
Como fazer projeto de pesquisa e relatórioComo fazer projeto de pesquisa e relatório
Como fazer projeto de pesquisa e relatório
Lucila Pesce
 
Manual monografia uninove
Manual monografia uninoveManual monografia uninove
Manual monografia uninove
Eduardo Facchini
 
Estrutura e formatação de um projeto de pesquisa - parte 2 de 4
Estrutura e formatação de um projeto de pesquisa -  parte 2 de 4Estrutura e formatação de um projeto de pesquisa -  parte 2 de 4
Estrutura e formatação de um projeto de pesquisa - parte 2 de 4
Geisi Rojas Barreto
 
Modelo estruturação de projeto de pesquisa 2014
Modelo estruturação de projeto de pesquisa   2014Modelo estruturação de projeto de pesquisa   2014
Modelo estruturação de projeto de pesquisa 2014
Júnior Santos
 
Aula sobre elaboração de projeto de pesquisa
Aula sobre elaboração de projeto de pesquisaAula sobre elaboração de projeto de pesquisa
Aula sobre elaboração de projeto de pesquisa
Priscila Valverde
 
Como elaborar um projeto de monografia
Como elaborar um projeto de monografiaComo elaborar um projeto de monografia
Como elaborar um projeto de monografia
Hotoniones da Silva
 
Como elaborar um projeto de pesquisa: elementos componentes
Como elaborar um projeto de pesquisa: elementos componentesComo elaborar um projeto de pesquisa: elementos componentes
Como elaborar um projeto de pesquisa: elementos componentes
Helena Degreas
 
Oficina estruturação de projeto de pesquisa
Oficina estruturação de projeto de pesquisaOficina estruturação de projeto de pesquisa
Oficina estruturação de projeto de pesquisa
Graziele Oliveira
 
Estrutura de Projeto de Pesquisa
Estrutura de Projeto de PesquisaEstrutura de Projeto de Pesquisa
Estrutura de Projeto de Pesquisa
Humberto Serra
 
Procedimentos elaboracao artigos_pp2_alunos
Procedimentos elaboracao artigos_pp2_alunosProcedimentos elaboracao artigos_pp2_alunos
Procedimentos elaboracao artigos_pp2_alunos
ampla engenharia
 
Pre projeto 2010
Pre projeto 2010Pre projeto 2010
Pre projeto 2010
alemartins10
 
Metodologia
MetodologiaMetodologia
Metodologia
Robson Roni
 
Modelo projeto pesquisa
Modelo projeto pesquisaModelo projeto pesquisa
Modelo projeto pesquisa
José Antonio Ferreira da Silva
 
Projeto de pesquisa_-_orientacoes_ifrn
Projeto de pesquisa_-_orientacoes_ifrnProjeto de pesquisa_-_orientacoes_ifrn
Projeto de pesquisa_-_orientacoes_ifrn
Sérgio Ferreira DA Silva
 
Projeto
ProjetoProjeto

Mais procurados (20)

Como elaborar-um-projeto-de-pesquisa-de-iniciação-científica
Como elaborar-um-projeto-de-pesquisa-de-iniciação-científicaComo elaborar-um-projeto-de-pesquisa-de-iniciação-científica
Como elaborar-um-projeto-de-pesquisa-de-iniciação-científica
 
Roteiro para elaboracao tcc
Roteiro para elaboracao tccRoteiro para elaboracao tcc
Roteiro para elaboracao tcc
 
O projeto de pesquisa e a monografia
O projeto de pesquisa e a monografiaO projeto de pesquisa e a monografia
O projeto de pesquisa e a monografia
 
Elaboração do Projeto de Pesquisa
Elaboração do Projeto de PesquisaElaboração do Projeto de Pesquisa
Elaboração do Projeto de Pesquisa
 
Modelo de Trabalho Acadêmico
Modelo de Trabalho AcadêmicoModelo de Trabalho Acadêmico
Modelo de Trabalho Acadêmico
 
Como fazer projeto de pesquisa e relatório
Como fazer projeto de pesquisa e relatórioComo fazer projeto de pesquisa e relatório
Como fazer projeto de pesquisa e relatório
 
Manual monografia uninove
Manual monografia uninoveManual monografia uninove
Manual monografia uninove
 
Estrutura e formatação de um projeto de pesquisa - parte 2 de 4
Estrutura e formatação de um projeto de pesquisa -  parte 2 de 4Estrutura e formatação de um projeto de pesquisa -  parte 2 de 4
Estrutura e formatação de um projeto de pesquisa - parte 2 de 4
 
Modelo estruturação de projeto de pesquisa 2014
Modelo estruturação de projeto de pesquisa   2014Modelo estruturação de projeto de pesquisa   2014
Modelo estruturação de projeto de pesquisa 2014
 
Aula sobre elaboração de projeto de pesquisa
Aula sobre elaboração de projeto de pesquisaAula sobre elaboração de projeto de pesquisa
Aula sobre elaboração de projeto de pesquisa
 
Como elaborar um projeto de monografia
Como elaborar um projeto de monografiaComo elaborar um projeto de monografia
Como elaborar um projeto de monografia
 
Como elaborar um projeto de pesquisa: elementos componentes
Como elaborar um projeto de pesquisa: elementos componentesComo elaborar um projeto de pesquisa: elementos componentes
Como elaborar um projeto de pesquisa: elementos componentes
 
Oficina estruturação de projeto de pesquisa
Oficina estruturação de projeto de pesquisaOficina estruturação de projeto de pesquisa
Oficina estruturação de projeto de pesquisa
 
Estrutura de Projeto de Pesquisa
Estrutura de Projeto de PesquisaEstrutura de Projeto de Pesquisa
Estrutura de Projeto de Pesquisa
 
Procedimentos elaboracao artigos_pp2_alunos
Procedimentos elaboracao artigos_pp2_alunosProcedimentos elaboracao artigos_pp2_alunos
Procedimentos elaboracao artigos_pp2_alunos
 
Pre projeto 2010
Pre projeto 2010Pre projeto 2010
Pre projeto 2010
 
Metodologia
MetodologiaMetodologia
Metodologia
 
Modelo projeto pesquisa
Modelo projeto pesquisaModelo projeto pesquisa
Modelo projeto pesquisa
 
Projeto de pesquisa_-_orientacoes_ifrn
Projeto de pesquisa_-_orientacoes_ifrnProjeto de pesquisa_-_orientacoes_ifrn
Projeto de pesquisa_-_orientacoes_ifrn
 
Projeto
ProjetoProjeto
Projeto
 

Destaque

Vigotsky
VigotskyVigotsky
Vigotsky
Charis GC
 
LLEÓ
LLEÓLLEÓ
CGS Web Services
CGS Web ServicesCGS Web Services
CGS Web ServicesConstient
 
Mts to imovie
Mts to imovieMts to imovie
Mts to imoviescott213
 
V for vendetta (vol 01 of 10)
V for vendetta (vol 01 of 10)V for vendetta (vol 01 of 10)
V for vendetta (vol 01 of 10)
LUIS NARBONA
 
Track2 -刘继伟--openstack in gamewave
Track2 -刘继伟--openstack in gamewaveTrack2 -刘继伟--openstack in gamewave
Track2 -刘继伟--openstack in gamewaveOpenCity Community
 
Aula sobre email _virus_e_inter_
Aula sobre email _virus_e_inter_Aula sobre email _virus_e_inter_
Aula sobre email _virus_e_inter_
amimh
 
Diego ramirez
Diego ramirezDiego ramirez
Diego ramirez
diegorami
 
Club sport emelec
Club sport emelecClub sport emelec
Club sport emelec
borja2000
 
Lo demás es cuento1
Lo demás es cuento1Lo demás es cuento1
Lo demás es cuento1
José Manuel Gómez Fernández
 
Folha do Café Nº 285
Folha do Café Nº 285Folha do Café Nº 285
Folha do Café Nº 285
Rádio Sempre
 
Trabajo colaborativo en ambientes virtuales de aprendizaje
Trabajo colaborativo en ambientes virtuales de aprendizajeTrabajo colaborativo en ambientes virtuales de aprendizaje
Trabajo colaborativo en ambientes virtuales de aprendizaje
Felipe Hernández
 
Actividad 3
Actividad  3 Actividad  3
Actividad 3
michi28
 
Teoria de cola
Teoria de cola Teoria de cola
Teoria de cola
Jeniffer Diemecke
 
Pecha kucha
Pecha kuchaPecha kucha
Pecha kucha
Miguel Guhlin
 
Reporte de lectura
Reporte de lecturaReporte de lectura
Reporte de lectura
yessiciriaco1995
 
Celulares flexibles1
Celulares flexibles1Celulares flexibles1
Celulares flexibles1
Vero Gonzalez
 
Evolución web 1
Evolución web 1Evolución web 1
Evolución web 1
Vtr Sanchez
 

Destaque (20)

Vigotsky
VigotskyVigotsky
Vigotsky
 
LLEÓ
LLEÓLLEÓ
LLEÓ
 
CGS Web Services
CGS Web ServicesCGS Web Services
CGS Web Services
 
Merkatua
MerkatuaMerkatua
Merkatua
 
Mts to imovie
Mts to imovieMts to imovie
Mts to imovie
 
Wordvolcano
WordvolcanoWordvolcano
Wordvolcano
 
V for vendetta (vol 01 of 10)
V for vendetta (vol 01 of 10)V for vendetta (vol 01 of 10)
V for vendetta (vol 01 of 10)
 
Track2 -刘继伟--openstack in gamewave
Track2 -刘继伟--openstack in gamewaveTrack2 -刘继伟--openstack in gamewave
Track2 -刘继伟--openstack in gamewave
 
Aula sobre email _virus_e_inter_
Aula sobre email _virus_e_inter_Aula sobre email _virus_e_inter_
Aula sobre email _virus_e_inter_
 
Diego ramirez
Diego ramirezDiego ramirez
Diego ramirez
 
Club sport emelec
Club sport emelecClub sport emelec
Club sport emelec
 
Lo demás es cuento1
Lo demás es cuento1Lo demás es cuento1
Lo demás es cuento1
 
Folha do Café Nº 285
Folha do Café Nº 285Folha do Café Nº 285
Folha do Café Nº 285
 
Trabajo colaborativo en ambientes virtuales de aprendizaje
Trabajo colaborativo en ambientes virtuales de aprendizajeTrabajo colaborativo en ambientes virtuales de aprendizaje
Trabajo colaborativo en ambientes virtuales de aprendizaje
 
Actividad 3
Actividad  3 Actividad  3
Actividad 3
 
Teoria de cola
Teoria de cola Teoria de cola
Teoria de cola
 
Pecha kucha
Pecha kuchaPecha kucha
Pecha kucha
 
Reporte de lectura
Reporte de lecturaReporte de lectura
Reporte de lectura
 
Celulares flexibles1
Celulares flexibles1Celulares flexibles1
Celulares flexibles1
 
Evolución web 1
Evolución web 1Evolución web 1
Evolución web 1
 

Semelhante a Mapa monográfico booklet 2011

FAEME METODOLOGIA CIENTÍFICA
FAEME METODOLOGIA CIENTÍFICAFAEME METODOLOGIA CIENTÍFICA
FAEME METODOLOGIA CIENTÍFICA
UFMA e UEMA
 
Como Elaborar Um Projeto De Pesquisa
Como Elaborar Um Projeto De PesquisaComo Elaborar Um Projeto De Pesquisa
Como Elaborar Um Projeto De Pesquisa
mauricio aquino
 
Projeto de Pré-Pesquisa
Projeto de Pré-PesquisaProjeto de Pré-Pesquisa
Projeto de Pré-Pesquisa
Jesrayne Nascimento
 
Projeto de pesquisa 2013
Projeto de pesquisa 2013Projeto de pesquisa 2013
Projeto de pesquisa 2013
Jesrayne Nascimento
 
Oficina de redação de textos científicos VII Jornada Cientifica 2015
Oficina de redação de textos científicos VII Jornada Cientifica 2015Oficina de redação de textos científicos VII Jornada Cientifica 2015
Oficina de redação de textos científicos VII Jornada Cientifica 2015
Beta Campos
 
SLIDE METODOLOGIA DE PESQUISA USP (1).pptx
SLIDE METODOLOGIA DE PESQUISA USP (1).pptxSLIDE METODOLOGIA DE PESQUISA USP (1).pptx
SLIDE METODOLOGIA DE PESQUISA USP (1).pptx
FABOLASOARESDOSREIS
 
Pesquisa cientifica i projeto de atuação
Pesquisa cientifica i projeto de atuaçãoPesquisa cientifica i projeto de atuação
Pesquisa cientifica i projeto de atuação
Mara Salvucci
 
Metodologia da pesquisa em educação
Metodologia da pesquisa em educaçãoMetodologia da pesquisa em educação
Metodologia da pesquisa em educação
Magno Oliveira
 
Manual tcc
Manual tccManual tcc
Manual tcc
Genilson Silva
 
Projnetjajsjsjssjsjsjsjsjsjsjsjsjo de pesquisa.pptx
Projnetjajsjsjssjsjsjsjsjsjsjsjsjo de pesquisa.pptxProjnetjajsjsjssjsjsjsjsjsjsjsjsjo de pesquisa.pptx
Projnetjajsjsjssjsjsjsjsjsjsjsjsjo de pesquisa.pptx
FbioMeireles6
 
Manual de projeto_2011
Manual de projeto_2011Manual de projeto_2011
Manual de projeto_2011
Daniele Moura
 
Apostila ufsc metodologia da pesquisa
Apostila ufsc metodologia da pesquisaApostila ufsc metodologia da pesquisa
Apostila ufsc metodologia da pesquisa
Cassiano Scott Puhl
 
Metodologia da pesquisa 3a edicao
Metodologia da pesquisa 3a edicaoMetodologia da pesquisa 3a edicao
Metodologia da pesquisa 3a edicao
Thaís .
 
Metodologia da-pesquisa-3a-edicao
Metodologia da-pesquisa-3a-edicaoMetodologia da-pesquisa-3a-edicao
Metodologia da-pesquisa-3a-edicao
Ferreira José
 
MetodologiadaPesquisa3aedicaoPPGEP.UFSC
MetodologiadaPesquisa3aedicaoPPGEP.UFSCMetodologiadaPesquisa3aedicaoPPGEP.UFSC
MetodologiadaPesquisa3aedicaoPPGEP.UFSC
IFRR
 

Semelhante a Mapa monográfico booklet 2011 (15)

FAEME METODOLOGIA CIENTÍFICA
FAEME METODOLOGIA CIENTÍFICAFAEME METODOLOGIA CIENTÍFICA
FAEME METODOLOGIA CIENTÍFICA
 
Como Elaborar Um Projeto De Pesquisa
Como Elaborar Um Projeto De PesquisaComo Elaborar Um Projeto De Pesquisa
Como Elaborar Um Projeto De Pesquisa
 
Projeto de Pré-Pesquisa
Projeto de Pré-PesquisaProjeto de Pré-Pesquisa
Projeto de Pré-Pesquisa
 
Projeto de pesquisa 2013
Projeto de pesquisa 2013Projeto de pesquisa 2013
Projeto de pesquisa 2013
 
Oficina de redação de textos científicos VII Jornada Cientifica 2015
Oficina de redação de textos científicos VII Jornada Cientifica 2015Oficina de redação de textos científicos VII Jornada Cientifica 2015
Oficina de redação de textos científicos VII Jornada Cientifica 2015
 
SLIDE METODOLOGIA DE PESQUISA USP (1).pptx
SLIDE METODOLOGIA DE PESQUISA USP (1).pptxSLIDE METODOLOGIA DE PESQUISA USP (1).pptx
SLIDE METODOLOGIA DE PESQUISA USP (1).pptx
 
Pesquisa cientifica i projeto de atuação
Pesquisa cientifica i projeto de atuaçãoPesquisa cientifica i projeto de atuação
Pesquisa cientifica i projeto de atuação
 
Metodologia da pesquisa em educação
Metodologia da pesquisa em educaçãoMetodologia da pesquisa em educação
Metodologia da pesquisa em educação
 
Manual tcc
Manual tccManual tcc
Manual tcc
 
Projnetjajsjsjssjsjsjsjsjsjsjsjsjo de pesquisa.pptx
Projnetjajsjsjssjsjsjsjsjsjsjsjsjo de pesquisa.pptxProjnetjajsjsjssjsjsjsjsjsjsjsjsjo de pesquisa.pptx
Projnetjajsjsjssjsjsjsjsjsjsjsjsjo de pesquisa.pptx
 
Manual de projeto_2011
Manual de projeto_2011Manual de projeto_2011
Manual de projeto_2011
 
Apostila ufsc metodologia da pesquisa
Apostila ufsc metodologia da pesquisaApostila ufsc metodologia da pesquisa
Apostila ufsc metodologia da pesquisa
 
Metodologia da pesquisa 3a edicao
Metodologia da pesquisa 3a edicaoMetodologia da pesquisa 3a edicao
Metodologia da pesquisa 3a edicao
 
Metodologia da-pesquisa-3a-edicao
Metodologia da-pesquisa-3a-edicaoMetodologia da-pesquisa-3a-edicao
Metodologia da-pesquisa-3a-edicao
 
MetodologiadaPesquisa3aedicaoPPGEP.UFSC
MetodologiadaPesquisa3aedicaoPPGEP.UFSCMetodologiadaPesquisa3aedicaoPPGEP.UFSC
MetodologiadaPesquisa3aedicaoPPGEP.UFSC
 

Mais de Katcavenum

01 apostila passo a passo refugiados
01   apostila passo a passo refugiados01   apostila passo a passo refugiados
01 apostila passo a passo refugiados
Katcavenum
 
Apostila 07 redação completa tema publicidade
Apostila 07 redação completa tema publicidadeApostila 07 redação completa tema publicidade
Apostila 07 redação completa tema publicidade
Katcavenum
 
Cartilha da hipocrisia ii
Cartilha da hipocrisia iiCartilha da hipocrisia ii
Cartilha da hipocrisia ii
Katcavenum
 
A essência da literatura na vida cultural e acadêmica
A essência da literatura na vida cultural e acadêmicaA essência da literatura na vida cultural e acadêmica
A essência da literatura na vida cultural e acadêmica
Katcavenum
 
Compilação redação enem temas 2013
Compilação redação enem temas 2013Compilação redação enem temas 2013
Compilação redação enem temas 2013
Katcavenum
 
Apostila editorial slideshare
Apostila  editorial slideshareApostila  editorial slideshare
Apostila editorial slideshare
Katcavenum
 
Nightfall wishes natasha
Nightfall wishes natashaNightfall wishes natasha
Nightfall wishes natasha
Katcavenum
 
Vest 2012 unicamp 5 os finalmentes vários gêneros textuais
Vest 2012 unicamp 5 os finalmentes vários gêneros textuaisVest 2012 unicamp 5 os finalmentes vários gêneros textuais
Vest 2012 unicamp 5 os finalmentes vários gêneros textuais
Katcavenum
 
Vest 2012 unicamp 4 estudo aplicado redação final imagens esquemas
Vest 2012 unicamp 4 estudo aplicado redação final imagens esquemasVest 2012 unicamp 4 estudo aplicado redação final imagens esquemas
Vest 2012 unicamp 4 estudo aplicado redação final imagens esquemas
Katcavenum
 
Unicamp 3 vestibular 2012 gênero editorial - prática de redação - tema pré-sal
Unicamp 3 vestibular 2012   gênero editorial - prática de redação - tema pré-salUnicamp 3 vestibular 2012   gênero editorial - prática de redação - tema pré-sal
Unicamp 3 vestibular 2012 gênero editorial - prática de redação - tema pré-sal
Katcavenum
 
Vestibular 2012 a redação do enem
Vestibular 2012   a redação do enemVestibular 2012   a redação do enem
Vestibular 2012 a redação do enem
Katcavenum
 
Unicamp probabilidade
Unicamp probabilidadeUnicamp probabilidade
Unicamp probabilidade
Katcavenum
 
Unicamp 3 vestibular 2012 redação unicamp follow the pig
Unicamp 3 vestibular 2012 redação unicamp follow the pigUnicamp 3 vestibular 2012 redação unicamp follow the pig
Unicamp 3 vestibular 2012 redação unicamp follow the pig
Katcavenum
 
Unicamp 2 vestibular 2012 - prática de redação - gênero artigo de opinião -...
Unicamp 2   vestibular 2012 - prática de redação - gênero artigo de opinião -...Unicamp 2   vestibular 2012 - prática de redação - gênero artigo de opinião -...
Unicamp 2 vestibular 2012 - prática de redação - gênero artigo de opinião -...
Katcavenum
 
Unicamp 1 vestibular 2012 gênero artigo de opinião
Unicamp 1 vestibular 2012 gênero   artigo de opiniãoUnicamp 1 vestibular 2012 gênero   artigo de opinião
Unicamp 1 vestibular 2012 gênero artigo de opinião
Katcavenum
 
Freud além da alma
Freud além da almaFreud além da alma
Freud além da alma
Katcavenum
 
Cria cuervos
Cria cuervosCria cuervos
Cria cuervos
Katcavenum
 
Vest 2012 redação padrão fuvest resumida
Vest 2012 redação padrão fuvest resumidaVest 2012 redação padrão fuvest resumida
Vest 2012 redação padrão fuvest resumida
Katcavenum
 
Vest 2012 redação padrão fuvest
Vest 2012   redação padrão fuvestVest 2012   redação padrão fuvest
Vest 2012 redação padrão fuvest
Katcavenum
 
VEST 2012 Redação padrão fuvest + DICAS DE PORTUGUÊS
VEST 2012 Redação padrão fuvest + DICAS DE PORTUGUÊSVEST 2012 Redação padrão fuvest + DICAS DE PORTUGUÊS
VEST 2012 Redação padrão fuvest + DICAS DE PORTUGUÊS
Katcavenum
 

Mais de Katcavenum (20)

01 apostila passo a passo refugiados
01   apostila passo a passo refugiados01   apostila passo a passo refugiados
01 apostila passo a passo refugiados
 
Apostila 07 redação completa tema publicidade
Apostila 07 redação completa tema publicidadeApostila 07 redação completa tema publicidade
Apostila 07 redação completa tema publicidade
 
Cartilha da hipocrisia ii
Cartilha da hipocrisia iiCartilha da hipocrisia ii
Cartilha da hipocrisia ii
 
A essência da literatura na vida cultural e acadêmica
A essência da literatura na vida cultural e acadêmicaA essência da literatura na vida cultural e acadêmica
A essência da literatura na vida cultural e acadêmica
 
Compilação redação enem temas 2013
Compilação redação enem temas 2013Compilação redação enem temas 2013
Compilação redação enem temas 2013
 
Apostila editorial slideshare
Apostila  editorial slideshareApostila  editorial slideshare
Apostila editorial slideshare
 
Nightfall wishes natasha
Nightfall wishes natashaNightfall wishes natasha
Nightfall wishes natasha
 
Vest 2012 unicamp 5 os finalmentes vários gêneros textuais
Vest 2012 unicamp 5 os finalmentes vários gêneros textuaisVest 2012 unicamp 5 os finalmentes vários gêneros textuais
Vest 2012 unicamp 5 os finalmentes vários gêneros textuais
 
Vest 2012 unicamp 4 estudo aplicado redação final imagens esquemas
Vest 2012 unicamp 4 estudo aplicado redação final imagens esquemasVest 2012 unicamp 4 estudo aplicado redação final imagens esquemas
Vest 2012 unicamp 4 estudo aplicado redação final imagens esquemas
 
Unicamp 3 vestibular 2012 gênero editorial - prática de redação - tema pré-sal
Unicamp 3 vestibular 2012   gênero editorial - prática de redação - tema pré-salUnicamp 3 vestibular 2012   gênero editorial - prática de redação - tema pré-sal
Unicamp 3 vestibular 2012 gênero editorial - prática de redação - tema pré-sal
 
Vestibular 2012 a redação do enem
Vestibular 2012   a redação do enemVestibular 2012   a redação do enem
Vestibular 2012 a redação do enem
 
Unicamp probabilidade
Unicamp probabilidadeUnicamp probabilidade
Unicamp probabilidade
 
Unicamp 3 vestibular 2012 redação unicamp follow the pig
Unicamp 3 vestibular 2012 redação unicamp follow the pigUnicamp 3 vestibular 2012 redação unicamp follow the pig
Unicamp 3 vestibular 2012 redação unicamp follow the pig
 
Unicamp 2 vestibular 2012 - prática de redação - gênero artigo de opinião -...
Unicamp 2   vestibular 2012 - prática de redação - gênero artigo de opinião -...Unicamp 2   vestibular 2012 - prática de redação - gênero artigo de opinião -...
Unicamp 2 vestibular 2012 - prática de redação - gênero artigo de opinião -...
 
Unicamp 1 vestibular 2012 gênero artigo de opinião
Unicamp 1 vestibular 2012 gênero   artigo de opiniãoUnicamp 1 vestibular 2012 gênero   artigo de opinião
Unicamp 1 vestibular 2012 gênero artigo de opinião
 
Freud além da alma
Freud além da almaFreud além da alma
Freud além da alma
 
Cria cuervos
Cria cuervosCria cuervos
Cria cuervos
 
Vest 2012 redação padrão fuvest resumida
Vest 2012 redação padrão fuvest resumidaVest 2012 redação padrão fuvest resumida
Vest 2012 redação padrão fuvest resumida
 
Vest 2012 redação padrão fuvest
Vest 2012   redação padrão fuvestVest 2012   redação padrão fuvest
Vest 2012 redação padrão fuvest
 
VEST 2012 Redação padrão fuvest + DICAS DE PORTUGUÊS
VEST 2012 Redação padrão fuvest + DICAS DE PORTUGUÊSVEST 2012 Redação padrão fuvest + DICAS DE PORTUGUÊS
VEST 2012 Redação padrão fuvest + DICAS DE PORTUGUÊS
 

Mapa monográfico booklet 2011

  • 1. ALLENCAR RODRIGUEZ MAPA MONOGRÁFICO 1ª. Edição São Paulo Ecel Editora Educação e Letras 2006
  • 2. Ficha Catalográfica Rodriguez, Allencar Guia prático para a elaboração da estrutura do trabalho monográfico nas áreas da: Educação, para sua apresentação ao processo de seleção para o programa de pós-graduação Stricto Sensu (mestrado). Alencar Rodriguez: São Paulo, ECEL, 1ª. Edição, 2006. 94p. ISBN 85-906554-2-3 ISBN 978-85-906554-2-8 I – Didático II – Educação 2ª reimpressão, 2010.
  • 3. ALLENCAR RODRIGUEZ MAPA MONOGRÁFICO 2ª. Edição Revisada São Paulo 2010 www.eceleditora.com.br
  • 4. Copyright © 2004 Allencar Rodriguez FUNDAÇÃO BIBLIOTECA NACIONAL MINISTÉRIO DA CULTURA REGISTRO NÚMERO: 334.896 Coordenação editorial: Maria de Fátima Barufaldi Capa: foto: Allencar Rodríguez arte: Leopoldo Pavan Revisão: Sueli Sanchez Todos os direitos reservados ECEL – Editora Ceacamp Educação e Letras ISBN 85-906554-2-3 ISBN 978-85-906554-2-8 www.eceleditora.com.br 2010 Impresso no Brasil
  • 5. SUMÁRIO Páginas Apresentação 07 Introdução 08 O que é pesquisar 12 Uma grande idéia (perguntas de pesquisa) 14 Lacuna 15 Recursos metodológicos 16 Cronograma 16 Bibliografia 17 Transcrição dos elementos 18 Uso de citações 20 Citação de citação 22 Anexos 23 O título da monografia 24 Estrutura do trabalho 27 Características físicas 28 Capa 30 Folha de rosto 32 Sumário 34 Resumo 36 Introdução 38 Referencial teórico 40 Justificativa/objetivos/perguntas de pesquisa 42 Metodologia 44 Implicações 46 Cronograma de execução do projeto 48 Referências bibliográficas 50 Metodologia de investigação 52 Pesquisa quantitativa 52 Pesquisa qualitativa 52 Pesquisa do tipo etnográfico 56 Bibliografia 58 Referências 60
  • 6. ESTRUTURA DO TRABALHO 8 6. BIBLIOGRAFIA 7 5. CRONOGRAMA 6 4. IMPLICAÇÕES 5 3. METODOLOGIA 4 2. JUST – OBJ – PERG PESQ 3 1. REFERENCIAL TEÓRICO 2 INTRODUÇÃO 1 RESUMO RESUMO SUMÁRIO FOLHA DE ROSTO CAPA CAPA - IMPORTANTE - Neste início de trabalho faça a Delimitação do Tema de sua Proposta de Pesquisa. Enfatize o problema ou a dúvida cuja resposta será alcançada pela realização de sua PESQUISA.
  • 7. APRESENTAÇÃO A Unicamp/Usp e Unesp – Internacionalmente reconhecidas como excelentes centros de pesquisas requerem dos candidatos a um título de mestre um conhecimento amplo, diferenciado e de acordo com suas tendências e interesses do conteúdo investigativo proposto pelo estudante. No estudo desenvolvido para a realização desse trabalho procuramos facilitar os anseios dos estudantes “pré pós- graduação” em Stricto Sensu na área de Ciências Humanas em: Educação – mostrando sucintamente e de uma maneira simples um mapa de como direcionar e montar um roteiro de elaboração de um projeto de pesquisa fazendo sua estrutura definitiva seguindo os parâmetros exigidos por essas universidades. Salientamos que a apresentação da estrutura da monografia – de acordo com estudos realizados – é a mais plausível de aceitação nos Programas de Pós – Graduação na área proposta não sendo a mesma Norma Oficial do Programa.
  • 8. 08 allencar Rodriguez ☼ introdução Ao terminar a graduação muitos estudantes querem continuar suas carreiras acadêmicas por interesses diversos, ou seja, procuram uma especialização em Lato Sensu ou um título de mestre em Stricto Sensu, e a principal diferença entre os dois é: O PROJETO DE PESQUISA exigido em Stricto Sensu como parte do primeiro processo a ser requerido pelas universidades para que o estudante seja inscrito do processo de seleção. Mas, para ter um conceituado título de mestre (reconhecido nas entidades social e acadêmica) uma universidade altamente conceituada deve fazer parte desse processo. Então, aí começa a primeira dificuldade: Em geral as universidades não preparam os alunos em seu período de graduação para a formação de um bom projeto de pesquisa a ser apresentado a um processo de seleção nas universidades de reconhecimento nacional e internacional.
  • 9. MAPA MONOGRÁFICO 09 Conexão – primeiro passo Para que você administre melhor suas idéias com relação ao que fazer e estruturar sua monografia de acordo com as normas estabelecidas para o critério de avaliação é importante que você siga os seguintes passos: ▻ entrar no site da Universidade: ▻ clicar em pós-graduação ▻ clicar em cursos de pós-graduação ▻ clicar stricto-sensu ▻ clicar em cursos: Feito isso procure à Área de Concentração de seu interesse. Após, clique na Linha de Pesquisa coerente com a idéia que você tem para seu projeto em o campo “corpo docente”, investigue a vida acadêmica dos orientadores de sua linha de pesquisa através do curriculum lattes. Isso irá facilitar a delimitação de seu tema em comum acordo daquilo que seu possível orientador está trabalhando.
  • 10. 10 allencar Rodriguez Neste primeiro momento faça a escolha do TEMA DA PESQUISA [o tema indica o assunto abordado – onde se insere aquilo que você quer INVESTIGAR – que é o ASSUNTO DA PESQUISA]. E o que você quer INVESTIGAR é à procura de RESPOSTAS frente ao “problema” evidenciado no desenvolvimento de seu trabalho como educador relacionado ao tema. São as questões “sem respostas” que te atormenta ou te incomoda em SUA prática no âmbito etiológico, epistemológico, filosófico, ético, etc., dentro de sua área de atuação. O QUE É PESQUISAR? Antes da Elaboração dos Tópicos da Monografia (Estrutura), vamos entender o que é um projeto de pesquisa e como direcionar dentro de sua área de interesse, seus conhecimentos na formação de um projeto que seja de interesse na área de pesquisa de seu campo de estudo.
  • 11. MAPA MONOGRÁFICO 11 PROJETO DE PESQUISA Para estruturar seu projeto de pesquisa você deve pensar a PESQUISA em FORMA SIMPLES. Pensar 1º. , como 1 (uma) PERGUNTA Nesta fase de ênfase na PERGUNTA é a proposta de seu projeto de pesquisa. Pensar depois como 1 (uma) RESPOSTA Nesta fase de ênfase na RESPOSTA é o relatório final da prática de seu projeto de pesquisa: é a sua DISSERTAÇÃO ou TESE. UM BOM PROJETO PARTE DE UMA BOA PERGUNTA PESQUISA CIENTÍFICA É dito que pesquisar é o buscar de soluções (RESPOSTAS) para “problemas” (PERGUNTAS) – o que tenho visto pela análise de dissertações, teses, teorias e pela própria experiência no campo da investigação, não existe uma solução definitiva para um problema (estou aqui “dentro de uma análise pessoal” refletindo e referindo na área de ciências humanas), mas um “complemento de estudos” (isto é, a busca de uma resposta “suficientemente boa” para um “problema concreto”). Entenda-se, de acordo com D.W.Winnicott, suficientemente boa é o resultado que o Problema Concreto se satisfaz. É a geração de conhecimentos como RESPOSTA a PERGUNTA que trazem implicações teóricas, metodológicas e práticas que podem induzir os investigadores a uma nova pesquisa servindo estes elementos citados e difundidos no meio acadêmico como parâmetro para um novo estudo.
  • 12. 12 allencar Rodriguez SE NÃO HOUVER PERGUNTA NÃO HAVERÁ CONSTRUÇÃO DE CONHECIMENTO A PRÁTICA DA PESQUISA SIGNIFICA A COMPREENSÃO DOS PROBLEMAS. A pesquisa na vida acadêmica possui variado dinamismo de atividades, ou seja, serve como coletora de dados: de campo (em sala de aula – numa etnia – numa tribo – numa sociedade, etc.), de jornais, revistas, de documentos diversos, de autores que refletem um tema ou bibliográficas dentre outras sempre focando uma necessidade concreta – um trabalho escolar, uma dissertação, uma tese, um artigo – que muitas vezes leva a um enriquecimento científico teórico, metodológico e/ou prático ou ainda pode ser que não tenha serventia no processo de aquisição de conhecimentos. Para nós e para muitos, o que importa na pesquisa acadêmica é a sua capacidade de expressão crítica, inovadora, transformadora e complementar – já que em nosso caso não existem soluções e nem problemas – para um determinado tema focado em uma área de estudo o que deve ser investigado é a problematização relacionada a esse tema. E o trabalho monográfico é à apresentação do estudante de querer expor sua criatividade num projeto de pesquisa que possa ter implicações que atinjam ou alcancem ou complementem as necessidades que o “campo” estudado requer no âmbito acadêmico, científico e social.
  • 13. MAPA MONOGRÁFICO 13 SE A RESPOSTA A SUA PERGUNTA ESTIVER PRONTA EM OUTRAS ÁREAS DAS CIÊNCIAS OU FIXADA EM ALGUM SISTEMA DE INFORMAÇÃO ENTÃO NÃO HÁ NECESSIDADE DE REALIZAR SUA PESQUISA – CASO CONTRÁRIO: Então, pesquisar é preciso – mas como elaborar uma monografia de um projeto de pesquisa. Escrever é difícil? Não! Pois, para a realização de uma pesquisa e a elaboração de uma monografia certas normas e procedimentos metodológicos específicos devem ser seguidos. Sim! Se você não tiver uma boa base de conhecimentos sobre o assunto o qual propõe realizar a pesquisa, o seu trabalho tende ao descrédito e ao fiasco. ATENÇÃO: NA ELABORAÇÃO DE SEU PROJETO DE PESQUISA USE O TEMPO VERBAL: FUTURO E DÊ PREFERÊNCIA AO USO DA TERCEIRA PESSOA DO SINGULAR DO TEMPO PRESENTE
  • 14. 14 allencar Rodriguez O QUE FAZER? SIGA AS TENDÊNCIAS Procure verificar se a sua “boa Idéia” é compatível com o foco que o corpo docente de sua área está trabalhando. É evidente que você tem em mente “uma boa idéia” – que não é a cachaça, naturalmente, para o seu projeto de pesquisa. Então o primeiro passo é fazer um projeto provisório que constitua o planejamento para um projeto definitivo para a elaboração de sua monografia. DELIMITE O PROBLEMA ELABORANDO UMA PERGUNTA COMPLEXA CUJA RESPOSTA (CONSTRUÇÃO DO CONHECIMENTO) PARA O PROBLEMA CONCRETO NÃO SE ENCONTRA NO DOMÍNIO DOS SABERES. SUA RESPOSTA SÓ É POSSÍVEL SER ENCONTRADA NA PRÁTICA. NA REALIZAÇÃO DE SEU PROJETO DE PESQUISA. ATENÇÃO : Cuidado com o aspecto da problematização que se dirige a construção da PERGUNTA.
  • 15. MAPA MONOGRÁFICO 15 EXEMPLO: Um aluno que apresenta em sala de aula distúrbios de aprendizagem – ELE É A PARTE EXTERNA DE PROBLEMA MAIOR. Esse problema É A SUA FORMAÇÃO e/ou A PRÓPRIA ESCOLA (cujas práticas pedagógicas são desinteressantes e desestimulantes). Então, o problema é o seu meio vivente (O CAMPO ONDE EXISTE O PROBLEMA – QUE NESSE CASO PODE SER A PRÓPRIA ESCOLA) e é nesse campo que está a Pergunta e a Resposta que você precisa buscar e não no aluno. Ele é um Diagnóstico que pode ser controlado ou curado. Seu Meio Ambiente é que deve passar por mudanças para que outros não apresentem a mesma dificuldade. Portanto, na localização do Problema Concreto se encontra a Pergunta Concreta induzido pela necessidade de se buscar novos conhecimentos os quais formarão um arcabouço para responder essa pergunta. Junto à problemática deverá ser buscado elementos pertinentes que já fazem parte do contexto literário daquele assunto junto ao campo que pretende investigar dando suporte científico a necessidade dos resultados de seu estudo para o mundo acadêmico, científico e social. NESSE CONTEXTO DA BUSCA DE CONHECIMENTOS (RESPOSTAS) É QUE VOCÊ ELABORA O SEU PROJETO DE PESQUISA: ▲ Para que, qual a finalidade em querer construir novos conhecimentos (respostas) ▲ Por quê? ▲ Como se pretende encontrar esses conhecimentos? Qual metodologia irá usar? ▲ Onde? ▲ Qual referencial teórico você deve seguir? ▲ Quais são suas fontes de informação? ▲ Em quanto tempo é possível realizar seu trabalho?
  • 16. 16 allencar Rodriguez UMA GRANDE IDÉIA Agora, toda idéia investigativa deve começar com um elemento questionador (UM BOM PROJETO PARTE DE UMA BOA PERGUNTA) o qual delimita o problema dentro do tema escolhido. Esse elemento questionador, essa dúvida, essa “alguma coisa” que você não sabe (não tem às respostas) formará uma parte muito importante de seu projeto o qual se amarra de forma coesa com o objetivo, a justificativa e ao tema de seu projeto, as: Perguntas de Pesquisa. Perguntas de Pesquisa. Perguntas de Pesquisa, cujas respostas só são possíveis pela realização de uma pesquisa. ISTO É, AS RESPOSTAS CONCRETAS PARA O SUPOSTO PROBLEMA NÃO SE ENCONTRAM NAS BIBLIOTECAS, NA INTERNET, NOS ARQUIVOS, ETC. Portanto, as PERGUNTAS DE PESQUISA fazem referência à “QUESTÃO”, à “DÚVIDA” dentro da delimitação do problema que você, COMO PESQUISADOR, não sabe e seu desafio frente a esse problema é buscar e descobrir as respostas que só poderá ser concretizado pela PROPOSTA DE SUA PESQUISA. Identifique nesse contexto o tempo e o espaço da problematização (veja página 65). Procure dimensionar que implicações positivas e complementares a sua “idéia” (agora chamada proposta de pesquisa) pode proporcionar no contexto acadêmico e social. Após essa análise siga os seguintes parâmetros: PARÂMETROS ▻ Parta do princípio que existem questões “sem respostas” SEU CONTEXTO ÉO CONHECIMENTO CIENTÍFICO
  • 17. MAPA MONOGRÁFICO 17 Portanto: Se não houver PERGUNTA não haverá PESQUISA. Não haverá a busca das RESPOSTAS (busca de CONHECIMENTOS CIENTÍFICOS) A PERGUNTA É O CAMINHO DO ANDAR CIENTÍFICO A RESPOSTA É UM TRECHO DESSE CAMINHO TEMA DE PESQUISA OS CONHECIMENTOS MÚLTIPLOS QUE O TEXTO OFERECE E AS COMPETÊNCIAS E HABILIDADES DE LEITURA ◇ QUAL é a causa de que nossos estudantes do ensino médio interpretam o mesmo texto de forma diferente? ◇ COMO dimensionar o quanto seu conhecimento prévio, seu conhecimento de mundo, a sua formação social e a formação do professor interferem em sua leitura, interpretação e reflexão textual? ◇ O QUE compreender no estudante/leitor os conhecimentos múltiplos que um texto oferece? RESPOSTAS ÀS QUESTÕES ACIMA: NÃO SEI! PARA DESCOBRIR TENHO QUE SEGUIR OS CAMINHOS QUE ESSAS QUESTÕES PROVOCAM ATÉ O CAMPO DE INVESTIGAÇÃO. ENTÃO, TEREI ÀS RESPOSTAS. (OS CONHECIMENTOS CIENTÍFICOS)
  • 18. 18 allencar Rodriguez ◊ Baseado nessas questões: IMPORTANTE: que são chamadas de Perguntas de Pesquisa serão à base da elaboração de seu projeto de pesquisa – É o que direciona um trabalho de pesquisa.  CUIDADO: A PERGUNTA DE PESQUISA só é pertinente à realização do projeto se a BUSCA DE RESPOSTA for POSSÍVEL.  CONSELHO: Dê preferência às questões que seu Possível Orientador também esteja à procura. Como saber isso? Pesquise em seu Curriculum Lattes o campo de pesquisa em que atua. Faça cursos de extensão, fóruns, simpósios em que ele ou ela participa e se possível participe como aluno ouvinte ou especial em alguma disciplina que ele(a) ministra. REDAÇÃO Pelas perguntas de pesquisa elabore uma redação explicitando os teóricos/investigadores que direcionam seu estudo mostrando como a sua investigação será desenvolvida e que se somam ou contradizem as idéias existentes. Descreva o estudo bibliográfico dos autores de sua área de pesquisa mostrando a formação de seus conceitos baseados nesses estudos e a necessidade da efetivação de seu projeto mostrando seus OBJETIVOS. Isto é [AQUILO QUE PRETENDE COM A INVESTIGAÇÃO]. Manifeste „PARA QUE” você tem a intenção de fazer a pesquisa. PARA QUE SERVE sua pesquisa? Evidenciar com clareza o que é PRETENDIDO Com o PROPÓSITO DA INVESTIGAÇÃO. Desta forma você estará deixando explícito qual a sua INTENÇÃO como PESQUISADOR.
  • 19. MAPA MONOGRÁFICO 19 Explicite também a necessidade de RESPOSTAS para as suas perguntas de pesquisa e mostre a contribuição que o mesmo pode ocasionar. É importante ressaltar a importância de seu projeto para a comunidade científica e social. O contexto dessa redação é a sua JUSTIFICATIVA. A JUSTIFICATIVA refere-se a RAZÃO, o MOTIVO, o PORQUÊ da pesquisa que se propõe realizar. É justificar a necessidade de seu projeto. RECURSOS METODOLÓGICOS É muito importante definir os recursos metodológicos que serão utilizados na pesquisa. Isto é, COMO (ONDE) se pretende encontrar as respostas ao problema delimitado. A metodologia adotada é o caminho que você vai percorrer para responder a PERGUNTA elaborada no “PROBLEMA” por meio de (FONTES) INSTRUMENTOS DE COLETA DE REGISTROS [COLETA DE DADOS] e PROCEDIMENTOS ADOTADOS PARA A ANÁLISE (EM VÁRIAS FONTES – bibliográficas, documentos, campo (observando e/ou participando)). Isso tem referência na „MANEIRA” no “MODO” em “COMO” se conseguem as informações que possam responder “AS PERGUNTAS DE PESQUISA” correspondente ao “problema” a partir do TEMA da pesquisa. Por exemplo, em Lingüística Aplicada, de acordo com Cavacalti, M. em “a pesquisa na sala de aula: metodologia de investigação científica e a formação do professor”, estes parâmetros devem ser seguidos:
  • 20. 20 allencar Rodriguez ▲Observação em sala de aula: Fixando detalhes e identificando os possíveis “problemas” – visíveis ou não, significativos ou que aparentemente não o sejam - que induzam a alienação e desinteresse dos agentes envolvidos (alunos e professor). Os registros dessas observações serão feitos no instante do ocorrido em notas escritas em forma de diário os quais se somam à recursos adjacentes como a gravação em áudio e vídeo. ▲Notas Mentais: Este recurso reflexivo é adotado no momento da observação que os participantes possam se sentir constrangidos no momento dos registros de detalhes. ▲Diários: 1. diário de campo: será baseado nos registros em sala de aula sob as observações anotadas no instante do ocorrido e as notas mentais; 2. diário dialogado: serão os registros gravados em áudio e vídeo; 3. diário do aluno: serão explicitadas suas necessidades e dificuldades; NO CAMPO METODOLÓGICO EXISTE AINDA O SUBJETIVISMO DAS HIPÓTESES. NOTA: ALGUMAS UNIVERSIDADES NÃO EXIGEM A APRESENTAÇÃO DE HIPÓTES EM SEU PROJETO DE PESQUISA
  • 21. MAPA MONOGRÁFICO 21 4. diário retrospectivo: serão anotadas as reflexões diárias realizadas em campo. ▲Vinheta: Serão feitas algumas narrativas - inerentes ao projeto - especificando pelas falas e diálogos dos agentes envolvidos mostrando a coesão e coerência do mesmo. ▲Entrevista: Serão feitas coletas de registros em pesquisas de base etnográfica como a estruturada, semi estruturada e não estruturada. ▲Gravação das aulas: Áudio/vídeo/transcrição de excertos ▲Visionamento: Serão feitos com os agentes participantes da pesquisa - em grupos pequenos - uma análise da gravação em vídeo e áudio dos registros feitos em sala de aula. Esta atividade será registrada para futuras reflexões no sentido de enriquecer os dados coletados para análise. ▲Memo: De forma reflexiva será elaborado um “memo” contendo dados experimentais ocorridos em momentos específicos em sala de aula ou num “visionamento” que sejam inerentes as questões do projeto de pesquisa. ▲Documentos: Análise de registros pré-existentes ou durante o período de coleta de registros: o material didático utilizado, o plano de aula do professor, os materiais construídos pelos alunos, determinações da escola, enfim todo material utilizado em sala de aula. Todo programa de pesquisa segue uma metodologia de pesquisa. Nas áreas de investigação na Educação e Lingüística Aplicada as mais comuns são:
  • 22. 22 allencar Rodriguez Ǫ veja no CD Ǫ pesquisas tipos de pesquisas ▻ Metodologia Qualitativa de Pesquisa: Tipos: Etnografia – estudo de caso – pesquisa-ação pesquisa introspectiva – pesquisa participante. André (1995) – Magalhães (1994, 1996) – Moita Lopes (1994) ▻ Pesquisa Experimental / Quantitativa Veja a abordagem das pesquisas na página 58 em metodologia de investigação RESULTADO Faça um breve relato das implicações que o estudo trará. Neste caso você trabalhará com suposições de resultados esperados. As implicações podem ser teórica, metodológica ou prática ou ainda ambas. CRONOGRAMA É a organização do tempo disponível para a realização do projeto. Deve ser muito bem elaborado caso contrário seu projeto estará totalmente comprometido. E a idealização de seu título de mestre irá literalmente projeto abaixo. Cada etapa deve ser subdividida de acordo com a necessidade de tempo para que a mesma seja desenvolvida e completada.
  • 23. MAPA MONOGRÁFICO 23 Exemplo de cronograma: 2010 2011 o o o o o o o o Trimestre 1. 2. 3. 4. 1. 2. 3. 4. atividade Tri Tri Tri Tri Tri Tri Tri Tri Atividade Disciplina Obrigatória Levantamento e Estudo de Bibliografia Coleta de dados Análise do Material Coletado Redação da Dissertação Defesa da Dissertação BIBLIOGRAFIA É uma lista abrangente de todo material consultado, estruturado e inerente ao tema da pesquisa. Essa lista deve ser feita em ordem alfabética considerando-se o último sobrenome do autor apresentado em preferencialmente em letras maiúsculas seguindo os critérios da Associação Brasileira de Normas Técnicas (ABNT), (1989), estabelecido pela NBR - 6023. Se houver várias obras de um mesmo autor, substitui-se o nome do autor por um traço equivalente a cinco espaços. As fontes (as quais o autor buscou informações), indicadas no trabalho científico dentro das normas da ABNT, são os “elementos que permitem a identificação no todo ou em parte, de documentos impressos ou registrados em diversos tipos de materiais, (“ABNT, apud Costa, 1993:94).
  • 24. 24 allencar Rodriguez TRANSCRIÇÃO DOS ELEMENTOS Livros consideradas no todo a) um só autor: ▲ Autor ► último sobrenome (letras maiúsculas), nome e outro sobrenome (letras minúsculas) que podem ser abreviados. ▲ Título ► grafado em negrito, e/ou itálico – usando-se CA (caixa alta) para a primeira letra da primeira palavra e CB (caixa baixa) para as demais palavras. Após colocar ponto final e dois espaços. ▲ Edição ► (se houver a menção da edição, ela deve ser indicada entre dois espaços, á direita e à esquerda, em algarismos arábico, seguido de ponto e abreviatura da palavra edição. Ex. 5. ed.). ▲ Local de publicação (cidade) ► (indique como está no livro, seguido de dois pontos (:). Ex.: São Paulo: ▲ Editora ► (vem em seguida aos dois pontos do local da publicação. Ex. São Paulo: Ecel editora). ▲ Ano de publicação ► (indicada em algarismo arábico, sem ponto ou espaço entre eles. Ex.: 2005). Autor: Ingedor Grusfeld Villaça Koch Título: Desvendando os segredos do texto Edição: Local: São Paulo Ano: 2002 KOCH, I.G.V. “Desvendando os Segredos do Texto”. São Paulo: Cortez, 2002 Havendo outra(s) obra(s) do mesmo autor: _____. A Coesão Textual. 6a. ed. São Paulo: Contexto, 1993.
  • 25. MAPA MONOGRÁFICO 25 b) autoria composta: A entrada é feita pelo nome do primeiro autor apresentando em seguida o nome do segundo autor seguido de ponto e vírgula. CAVALCANTI, M. C.; MOITA LOPES, L. P. “Implementação de Pesquisa na Sala de Aula de Línguas no Contexto Brasileiro” – Trab. Ling. Aplic., Campinas (17): 133-144 Jan/Jun – 1991 c) capítulos de livros: Quando o autor do capítulo é diferente do autor responsável pelo livro todo: Apresenta-se da seguinte forma: Autor do capítulo, título do capítulo, In: Autor do livro (se existir – pode ser um trabalho com vários autores), título, edição, local de publicação (cidade): editora, data. CAVALCANTI, M. C. “A Propósito de Lingüística Aplicada.” In: Trabalhos em Lingüística Aplicada, vol. 07, 1986 HÉBRARD, Jean. “Três figuras de jovens leitores: alfabetização e esclarização do ponto de vista da história cultural”. In: ABREU, Márcia (org.). Leitura, história e história da leitura. Campinas: Mercado de Letras, Associação de Leitura do Brasil; São Paulo: FAPESP, 2000, pp. 33-78. A palavra (org.) relacionado acima, significa que a obra possui um organizador, assim como coordenador (Coord.), compilador (comp.), tradutor (Trad.), etc..
  • 26. 26 allencar Rodriguez Dissertações e Teses O formato a seguir deve ser: Autor, título, Categoria (grau e área de concentração), cidade, ano. CONSOLO, D. A. “O Livro Didático como Insumo para o Ensino de Língua Estrangeira (Inglês) na escola pública.” Dissertação de Mestrado, Campinas, Unicamp, 1990. Internet Autor. Título. Obtida via Internet http://pepsic.bvs-psi.org.br/scielo USO DE CITAÇÕES “São elementos tirados dos documentos consultados durante a pesquisa e que se revelaram úteis para comprovar e esclarecer melhor as idéias desenvolvidas pelo autor” (David, 1996:51). Pode ser em forma de fragmentos de texto: “A palavra é um signo ideológico por natureza”, afirma Bakhtin (1992:16). Pode ser feita por meio de uma paráfrase: Baseado nos pressupostos teóricos defendidos por pesquisadores como Kleiman (2002), de que na interação, proposta de uma leitura através do quadro referencial selecionado, enquanto o leitor aceita, refuta, critica, e também apoiado num processo seletivo que determina a depreensão da linha temática, a integração das informações num significado único e abrangente é uma reação intersubjetiva: então sem o engajamento do conhecimento prévio do leitor não haverá compreensão e que seus diversos níveis de conhecimentos se integram entre si num processo interativo.
  • 27. MAPA MONOGRÁFICO 27 Ao fazer uso de transcrições literais das palavras dos autores reproduzindo todo o seu formato textual e de redação, isto é, forma, ortografia e acentuação, não usa- se aspas ao iniciar a citação e ao finalizar coloque entre parênteses, sobrenome do autor, ano da publicação e número da página. Essas citações são feitas com destaque na página – recuo nas margens direita e esquerda centrando o texto. O espaço entre as linhas é simples e o tamanho da fonte é um número menor o que está sendo usado. Exemplo, se a fonte que está sendo usada é de tamanho 12, então a citação será do tamanho 11. A última sesta na paz de Crenaque, Ipavu jamais havia de esquecer: o pé, com o band- aid no dedão por causa da topada, ao voltar do porre, no batente da porta, dando o último impulso da rede na parece, o embalo da rede diminuindo, o corpo se fechando, tatu-bola, a qualquer recado do mundo lá fora. Não ouvia mais nem o zumbido de puns ou muriçocas, vespas ou varejeiras porque começavam a ruflar as asas poderosas de Uiruçu, o gavião- real, a bicar em pleno vôo, sob o dossel das árvores, o macaco que acabava de arrancar com as garras do jatobá, caça dos dois, menino e gavião ligados pelo sangue que derramavam, pelas entranhas quentes em que se nutriam, pela vida predatória e a rapinagem comum (Callado, 1994:67). Atenção Citações acima de cinco linhas são apresentadas, via de regra, em itálico seguindo o modelo acima.
  • 28. 28 allencar Rodriguez Ao fazer uso de uma citação usam-se reticências para omitir algum pressuposto/segmento que não seja inerente á proposta daquilo que se deseja mostrar no seguimento de sua contextualização focando seus pareceres. Relacionada a essa mesma visão de texto como conjunto de elementos diversificados (seja estrutura gramatical ou palavras) é a crença de que o texto é apenas um conjunto de palavras cujos significados devem ser extraídos um por um, para assim, cumulativamente, chegar à mensagem do texto. Baseia-se essa hipótese, por um lado, na crença de que o papel do leitor consiste em apenas extrair essas informações, através do domínio das palavras que, nessa visão, são veículos das informações. (...) Uma conseqüência dessa atitude é a formação de um leitor passivo, que quando não consegue construir o sentido do texto acomoda-se facilmente a essa situação. (KLEIMAN, 2000, pp 18-19). CITAÇÃO DE CITAÇÃO – (apud) Esse é um caso particular de citação, é o caso de citar um texto citado por outro. Essa indicação é feita por uma proposição latina apud, que significa “junto de”, após o nome do autor citado. “Communicative goals are best achieved by giving due attention to language use and not just usage, to fluency and not just accuracy, to authentic language and contexts, and to students’ eventual need to apply classroom learning to heretofore unrehearsed contexts in the real world.” (Brown apud Tardin Cardoso, 2000). Tardin Cardoso pesquisou Brown e fez uma citação do autor em sua obra. Eu não pesquisei Brown e sim Tardin eu reproduzi sua citação.
  • 29. MAPA MONOGRÁFICO 29 Atenção: Para a formatação de sua monografia para a Unicamp, não faça uso sistemático do (apud), seu uso não é bem visto. No caso da citação anterior, se é algo que importa, é melhor você pesquisar a obra do autor citado. Em nosso caso: BROWN, D.H. Principles of language learning and teaching, New Jersey: Prentice-Hall, 2000. Ao invés de fazer uso do (apud). ANEXOS Não é aconselhável fazer o uso de anexos nos projetos de ingresso em programas de pós-graduação na área de nosso estudo na Unicamp. O mesmo toma espaço dentro do número de páginas (são numerados) e seu projeto não pode ultrapassar um número limite de páginas de texto entre 10 e 15 geralmente. Por outro lado à elaboração de anexo é complexo e pode atrapalhar a sua proposta de pesquisa Mas, se não houver alternativa e a presença de anexo(s) for ou forem necessário(s), faça sua identificação por letras maiúsculas consecutivas e por seus respectivos títulos. E não esqueça os anexos são elementos complementares para corroborar dados, informações e afirmações: ANEXO 1 – Modelo de apresentação de questionário para entrevista de professores: ESCOLA: PROFESSOR: GRADUAÇÃO: (opcional) CIDADE: DATA:
  • 30. 30 allencar Rodriguez O TÍTULO DA MONOGRAFIA Redija um título claro o qual o leitor possa compreender o seu significado. Seja breve, conciso e criativo contextualizando o assunto de sua pesquisa usando poucas palavras eliminando os supérfluos – (não encher lingüiça). Seja o menos abstrato possível na titulação de seu texto. Sua mensagem deve ser concreta. O título de sua obra deverá estar relacionado em seu contexto a sua área de atuação. O título de sua monografia é o seu primeiro contato com o examinador e causando um impacto positivo e induzindo o examinador à curiosidade que seu título explicitar, então ele será a “porta de entrada” para sua obra, para seus anseios e expectativas. O título de sua obra é o jardim de seu mapa construído. Se for bem apresentável e chamar a atenção, aquele que adentrar nesse jardim irá querer conhecer os outros departamentos de seu mapa os quais você deverá apresentá-lo bem estruturados e funcionais. Quando você passa pela rua e vê um belo jardim defronte uma residência a sua curiosidade será induzida espontaneamente imaginando como será o interior da mesma.
  • 31. MAPA MONOGRÁFICO 31 REFERÊNCIAS Muito mais do que saber escrever é necessário saber ler e a Unicamp no seu contexto de Universidade de Pesquisa prioriza e muito essa habilidade no estudante. Seja de graduação, (veja o contexto da redação de seu vestibular), vale 50% da prova na sua primeira fase. “Redação da Unicamp uma prova de Leitura e Escrita”, Rodriguez, A, “Estudo aplicado – redação”, 2004:67) e também nos cursos de prós-graduação em Stricto Sensu formalizado em sua monografia. Então ao usar a linguagem como propriedade de escrita, atente com muita concentração naquilo que lê trabalhando com a reflexão. Faça um esboço de trabalho ou rascunho escrevendo de maneira impessoal: 3a. Pessoa do singular, 3a. Pessoa do plural ou 1a. Pessoa do plural. Não faça uso de frases rebuscadas ou palavras de significação dúbia ou duvidosa. Quando mais simples e direto escrever, melhor. Escreva de forma sintetizada, espontânea e não faça uso de frases longas e procure contextualizar suas idéias em parágrafos curtos. Tome cuidado com as incorreções gramaticais como: concordâncias, o uso de pronomes oblíquos, regência verbal e nominal e o uso dos verbos impessoais. Leia e releia seu texto. Ler e escrever, “É exercício de reelaboração – escrever – reler – reescrever”, Rodriguez, A. “Estudo aplicado – redação”, (2004:106). ÉTICA O trabalho de pesquisa é sempre direcionado em decorrência de uma pesquisa anterior, pois, a ciência não possui uma formatação única, acabada e é claro seu trabalho também não o será e por ser uma construção contínua, paulatina e evolutiva não faça uso do famoso índice de citação oculto o (pld.) – plagiado. É crime. Seja ético na produção de sua monografia.
  • 32. 32 allencar Rodriguez Detalhamento do Mapa Monográfico 8 6. BIBLIOGRAFIA 7 5. CRONOGRAMA 6 4. IMPLICAÇÕES 5 3. METODOLOGIA 4 2. JUST – OBJ – PERG PESQ 3 1. REFERENCIAL TEÓRICO 2 INTRODUÇÃO 1 RESUMO RESUMO SUMÁRIO FOLHA DE ROSTO CAPA CAPA O objetivo deste mapa é para orientar à elaboração de monografias para a área da educação e lingüística aplicada.
  • 33. MAPA MONOGRÁFICO 33 ATENÇÃO: Os excertos de cada página servem apenas como exemplo do assunto em questão e não possuem coerência entre eles. 8 6. BIBLIOGRAFIA 7 5. CRONOGRAMA 6 4. IMPLICAÇÕES 5 3. METODOLOGIA 4 2. JUST – OBJ – PERG PESQ 3 1. REFERENCIAL TEÓRICO 2 INTRODUÇÃO 1 RESUMO RESUMO SUMÁRIO FOLHA DE ROSTO CAPA CAPA - IMPORTANTE - Neste início de trabalho faça a Delimitação do Tema de sua Proposta de Pesquisa. Enfatize o problema ou a dúvida cuja resposta será alcançada pela realização de sua PESQUISA.
  • 34. 34 allencar Rodriguez CARACTERÍSTICAS FÍSICAS APRESENTAÇÃO DA PÁGINA: FORMATO DA FOLHA Deve ser feito em páginas de formato internacional A4 (210 x 297 mm) com espaçamento 2 entre as linhas ou siga os critérios do edital de sua área. DIMENSÕES DAS MARGENS a) margem superior : 3,0 cm b) margem inferior : 2,0 cm c) margem direita : 2,0 cm d) margem esquerda : 3,0 cm APRESENTAÇÃO DO VOLUME Varia para cada área entre 10 e 15 páginas. Siga as instruções das Normas Específicas para Inscrição e Seleção de Candidatos encontrados no site da instituição.
  • 35. MAPA MONOGRÁFICO 35 . margem superior - 3,0 cm .3,0 cm – esquerda direita - 2,0 cm . margem inferior - 2,0 cm
  • 36. 36 allencar Rodriguez CAPA É a identificação de seu trabalho e deve conter: A) nome do autor – alto da página – fonte 18 (Para a Lingüística Aplicada da Unicamp – as cópias enviadas devem ser ANÔNIMAS) B) título do trabalho – centro da página – fonte 18 B) centralizado no rodapé da página – fonte 14 * nome da universidade * nome da faculdade * departamento do curso * local e data
  • 37. MAPA MONOGRÁFICO 37 CAPA JULIA ROBERTS Fonte 18 (2 ESPAÇOS DUPLOS) LEMBRETE: Para a Lingüística Aplicada (Unicamp) seu trabalho deve ser ANÔNIMO Fonte 18 “BEIJOS”: LINGUAGEM UNIVERSAL Fonte 14 Universidade Estadual de Campinas Faculdade de Educação Filosofia, História, Educação e Sociedade Campinas/SP, 27 de fevereiro de 2005
  • 38. 38 allencar Rodriguez FOLHA DE ROSTO Atenção: . A folha de rosto não é numerada, mas já é a página número 1 de seu trabalho. Semelhante à capa, deve conter: * o nome do autor (exceção para a L. A. Unicamp) – fonte 18 * o título do trabalho – fonte 18 * centralizado no rodapé da página: - fonte 14 * nome da universidade * nome da faculdade * departamento do curso * local e data A diferença em relação à disposição gráfica da capa é a inclusão, logo abaixo do título, à direita da página, a referência à natureza do trabalho e seu objeto acadêmico – fonte
  • 39. MAPA MONOGRÁFICO 39 FOLHA DE ROSTO: JULIA ROBERTS Fonte 18 . LEMBRETE: LEMBRETE: . Para a Lingüística Aplicada (Unicamp) seu trabalho deve ser ANÔNIMO Para a Lingüística Aplicada (Unicamp) seu trabalho deve ser ANÔNIMO Fonte 18 “BEIJOS”: LINGUAGEM UNIVERSAL Projeto a ser apresentado ao Departamento de Filosofia, História, Educação e Sociedade da Universidade Estadual de Campinas como parte do Processo de Seleção para o Programa de Pós- Graduação Stricto Sensu (mestrado) em Educação. Fonte 12 Nome do orientador: 12 Fonte 14 Universidade Estadual de Campinas Faculdade de Educação Filosofia, História, Educação e Sociedade Campinas/SP, 27 de fevereiro de 2005
  • 40. 40 allencar Rodriguez SUMÁRIO . É a amostragem da estruturação do seu trabalho, é a enumeração dos principais elementos elaborados graficamente da mesma forma indicando a página. Atenção O sumário – não é numerada e é a 2a. página de seu mapa. O sumário deve conter:  resumo  introdução  1. referencial teórico  2. justificativa/objetivos/ perguntas de pesquisa  3. metodologia  4. implicações (Ling. Aplic.)  5. cronograma  6. referências bibliográficas
  • 41. MAPA MONOGRÁFICO 41 SUMÁRIO SUMÁRIO: FONTE 16 (2 ESPAÇOS DUPLOS) Páginas FONTE: 12 RESUMO 01 INTRODUÇÃO 02 1. REFERENCIAL TEÓRICO 04 2. JUSTIFICATIVA 05 3. METODOLOGIA 09 4. IMPLICAÇÕES 12 5. CRONOGRAMA 12 6. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS 13
  • 42. 42 allencar Rodriguez O que o autor RESUMO pretende? Qual a proposta do texto? Estrutura: Com aproximadamente 120 palavras (20 linhas) e fonte 11 o resumo deve conter ressaltadas as partes fundamentais de seu trabalho, coerente, coeso, concreto detalhando os passos que você se propõe a fazer para a formatação da promessa de cumprir o que foi proposto. 1ª. Página Numerada (1) Atenção: Veja página 41 ao lado. 0 resumo – é numerada e é a 3a. página de seu mapa. Conteúdo: Parecido com uma carta de intenção redija uma boa redação mostrando de forma inteligível (com muita clareza) o assunto (tema do texto), os aspectos inerentes de seus objetivos, o porquê da necessidade de realização da mesma. Mostre o que pretende realizar em sua pesquisa, quem serão os elementos pesquisados e onde ocorrerá o evento mantendo a postura da ética, isto é, não denominando diretamente o lugar central da pesquisa e nem seus elementos. Indique a metodologia e o tipo de pesquisa o qual você fará uso em sua investigação. Relate as perguntas de pesquisa. Descreva o referencial teórico citando os autores inerentes de sua pesquisa bibliográfica em ordem cronológica. Não se apegue há frases longas e use a forma impessoal em seu relato.
  • 43. MAPA MONOGRÁFICO 43 RESUMO excerto 1 1 Resumo A analise de obras de pesquisadores/autores que atuam na área da lingüística textual como: Baktin, 1994; Kock, 2000; Costa Val, 2000, Kleiman, 2000 entre outros, forneceu um arcabouço teórico para a formação desse projeto de pesquisa e as mesmas teorias mostram que a efetivação deste trabalho preencherá uma lacuna existente no processo interativo de leitura (leitor/texto): a aquisição de conhecimentos múltiplos que o texto oferece baseando na pergunta de pesquisa: O que acontece com nossos estudantes e leitores que cada um interpreta o mesmo texto de maneiras diferentes? E o projeto evidenciará um procedimento metodológico de cunho qualitativo (Nunan, 1989); (Bodgan & Biklen, 1994); (Lopes, 1996) e de caráter etnográfico (Erickson, 1986), justificando a natureza interativa da pesquisa que tem como objetivo quanto o sujeito leitor, a) Verificar e compreender como seu conhecimento prévio – de leitura – de mundo – em função de sua formação social, interfere na compreensão integral do texto. b) Compreender as inferências que a leitura sofre em função de sua formação social. c) Dimensionar os elementos básicos do leitor que não prejudique a compreensão contextual integral do texto. O desenvolvimento deste projeto será em escolas da rede pública estadual com alunos do ensino fundamental em uma cidade da região de Campinas.
  • 44. 44 allencar Rodriguez INTRODUÇÃO ATENÇÃO: VEJA NA PÁGINA 66 A PROBLEMATIZAÇÃO DO TEMA Contendo no máximo uma página e meia (1½) a introdução é o relato geral do trabalho proposto o qual você define ao leitor de sua monografia e também as razões que o levaram a elaborar o seu projeto fazendo uma relação com os autores reconhecidos pela comunidade acadêmica no âmbito de sua pesquisa e suas teorias (como se fosse uma breve revisão bibliográfica) que o induziram e fundamentaram os parâmetros e a necessidade da produção do seu projeto de pesquisa. Faça um resumo do assunto (TEMA) a ser pesquisado assim como a problematização do tema. Qual sua situação atual e principalmente mostre que existe uma lacuna que precisa ser preenchida em detrimento de uma melhora ou um complemento ou uma “solução” para o “problema” que foi detectado por você relacionado ao tema. Lembre-se: não se investigam TEMAS, o que são investigados são os PROBLEMAS, relacionados ao TEMA. Situe o tema no perímetro geométrico (em que lugar acontece) onde se concentrará a busca de RESPOSTAS como também, o tempo da ocorrência do problema. A introdução possui um caráter, a maneira de dizer, “informal”, como se você estivesse dizendo a alguém o que seria o seu projeto de pesquisa e baseado segundo concepções de alguns autores relacionados ao tema em questão dizendo O QUE você pretende fazer e qual a RAZÃO, o MOTIVO, o PORQUÊ. NOTA: Um projeto de pesquisa NUNCA orienta, desenvolve, contribui, intervém, promove, propõe, capacita, etc.. A proposta deste projeto é: desenvolver, contribuir, propor... (errado) Pesquisa é DIAGNÓSTICO: conhecer o problema descobrir – diagnosticar analisar, descrever, dimensionar A proposta deste projeto é: descobrir fatores que intervém... (correto)
  • 45. MAPA MONOGRÁFICO 45 INTRODUÇÃO excerto 2 2 INTRODUÇÃO A proposta deste projeto no âmbito dos conhecimentos múltiplos que o texto oferece e as competências e habilidades de leitura é de descobrir qual é a causa de que nossos estudantes do ensino médio interpretam o mesmo texto de forma diferente? Como dimensionar o quanto seu conhecimento prévio, seu conhecimento de mundo, a sua formação social e a formação do professor interferem em sua leitura, interpretação e reflexão textual? O que compreender no estudante/leitor os conhecimentos múltiplos que um texto oferece? Baseado nos pressupostos teóricos defendidos por pesquisadores como Ingedore Villaça Kock (2002) de que o dom natural de formar idéias a partir das palavras reflete a concepção de sujeito, de língua, de texto e de construção de sentido, Ângela Kleiman (2002), na interação, proposta de uma leitura através do quadro referencial selecionado, enquanto o leitor aceita, refuta e crítica, também apoiado num processo seletivo que determina a depreensão da linha temática, a integração das informações num significado único e abrangente é uma reação intersubjetiva, então sem o engajamento do conhecimento prévio do leitor não haverá compreensão e que seus diversos níveis de conhecimentos se integram entre si num processo interativo. A construção de sentidos, seja pela fala, escrita, leitura, está diretamente relacionado às atividades discursivas e às práticas sócias às quais os sujeitos têm acesso ao longo de seu processo de socialização, então o objetivo deste estudo é, compreender como seu conhecimento prévio, em função de sua formação social, interfere na compreensão global textual. O método a ser utilizado para a operacionalização do projeto será o hipotético-dedutivo. A pesquisa será do tipo qualitativa de observação direta como também, pesquisa de campo exploratório. Ocorrerá em salas de aula de 5ª à 8ª série do ensino fundamental de uma instituição da rede municipal de ensino em uma cidade da região de Campinas. As técnicas empregadas serão: documentação indireta, documentação direta intensiva e documentação direta extensiva.
  • 46. 46 allencar Rodriguez 1. REFERENCIAL TEÓRICO No referencial teórico você faz citações dos autores pesquisados os quais provocaram os seus interesses pelas respostas das questões de sua proposta e a necessidade de um complemento sobre o assunto que a efetivação de sua pesquisa pode proporcionar. Mostre o levantamento de estudos já realizado sobre o assunto. Destaque os principais trabalhos existentes sobre o tema e faça uma ligação entre a bibliografia pesquisada desses autores com a situação do problema que está sendo estudado. Esses autores devem ser reconhecidos pela comunidade acadêmica como excelência no âmbito do TEMA “assunto” de sua pesquisa. Nesse caso você estará buscando a cientificidade de sua pesquisa e fugindo de um embasamento subjetivo. Ex.: o meu interesse pela questão que proponho é baseado em pressupostos teóricos de Etges (1993), Frigotto (1993), Figueiredo (1997), dentre outros, que fornecem respaldos teóricos para que o projeto em questão caracterize com segurança as respostas pertinentes da pesquisa em campo. Junto a esses será seguida a concepção de Bittencourt (1998), o qual mostra que as raízes biológicas e as condicionantes sócio-culturais são determinantes para o processo ensino-aprendizagem.
  • 47. MAPA MONOGRÁFICO 47 1. REFERENCIAL TEÓRICO excerto 3 3 1. REFERENCIAL TEÓRICO Eni Orlandi (2001) relata: o sujeito, que interpreta, lê a partir de sua posição sujeito, o sujeito leitor crítico lê refletindo sobre sua posição sujeito, sobre as condições de produção de sua leitura, por isso ele não interpreta apenas, ele compreende, sem no entanto trabalhar sua determinação através da teoria. Isso fortalece a minha hipótese de como são importantes a formação do leitor, a sua experiência prévia de leitura e seu conhecimento de mundo. Outro argumento que vem justificar o meu estudo é o uso do texto para o ensino de conceitos estruturais da gramática normativa na sala de aula que induz o leitor dificuldades na compreensão do texto escrito em função desta abordagem inadequada de leitura. “Pode-se definir texto ou discurso como ocorrência lingüística falada ou escrita, de qualquer extensão, dotada de unidade sociocomunicativa, semântica e formal. Antes de mais nada, um texto é uma unidade de linguagem em uso, cumprindo uma função identificável num dado jogo de atuação sociocomunicativa” (Costa Val, 1991;3-4). Portanto, se o texto cumpre uma função identificável, a pluralidade de conhecimentos múltiplos inseridos no texto devem ser adquiridos além da mensagem propriamente dita sem inferências culturais pré - estabelecidas. .................................
  • 48. 48 allencar Rodriguez 2. JUSTIFICATIVA/OBJETIVOS E PERGUNTAS DE PESQUISA 2.1. – JUSTIFICATIVA: POR QUE FAZER DAR RESPOSTA À(AO) ESSA PESQUISA? Faça um relato teórico das pesquisas bibliográficas feitas por você explicitando o arcabouço teórico de cada autor e citando-os, indique a contribuição dada pelos mesmos no campo de seu estudo e a posição deles face ao que foi estudado. A contextualização da obra pesquisa é o referencial teórico para a construção do seu projeto de pesquisa. Num outro parágrafo faça uma conexão entre o que fundamentou o seu projeto de pesquisa e o pressuposto teórico das obras citadas que tornaram o referencial da sua pesquisa. É a descrição do “problema” (faça a contextualização minuciosa do problema), é a lacuna que precisa ser preenchida. Mostre o que foi e está sendo feito e o que pretende fazer. Feito isso, entre os dois parâmetros acima – o arcabouço teórico dos autores da literatura científica da área e o fundamento de seu projeto – mostre a relevância de seu trabalho na sociedade acadêmica, na sociedade científica e na sociedade civil. Demonstre os benefícios (impactos positivos) e o valor que o desenvolvimento de seu trabalho trará no âmbito das ciências humanas. Demonstre a pertinência do estudo. Demonstre por que vale a pena sustentar uma pesquisa com o TEMA “assunto” escolhido. Demonstre que aspectos podem ser compreendidos a partir dos resultados de sua pesquisa. Reforce a necessidade da realização e a viabilidade de seu projeto fazendo uma identificação entre as teorias estudas e a sua proposta que convergem para um mesmo ponto comum entre os objetivos dos autores e o seu. Principalmente, mostre as implicações, as contribuições que o seu projeto poderá trazer. E, também, as razões de ordem pessoal que o levaram ao tópico de conhecimento descrito.
  • 49. MAPA MONOGRÁFICO 49 2.2. – OBJETIVOS E PERGUNTAS DE PESQUISA O QUE SE QUER COM 2.2.1. – OBJETIVOS ESSA À QUESTÃO PESQUISA? Evidenciar com clareza o propósito de sua pesquisa. Qual é a META de sua investigação, qual é a FINALIDADE de sua investigação. Isto é, PARA QUE serve fazer sua pesquisa? Lembre-se que todos os objetivos, seja Objetivo Geral ou Objetivo Específico, devem iniciar com o verbo no infinitivo: Estudar, delinear, verificar, demonstrar, identificar, distinguir, investigar, etc. 2.2.1. 1 – OBJETIVO GERAL AO RESULTADO FINAL DO TRABALHO Sua sustentação se dá pelos objetivos específicos. AOS 2.2.1. 2 – OBJETIVOS ESPECÍFICOS RESULTADOS PARCIAIS O objetivo específico tem como finalidade à realização do objetivo geral. Isso significa que por meio dos objetivos específicos se chega ao objetivo geral. Devem apresentar um equilíbrio de forma que não sejam muito amplos e nem muito restritos e que mostrem os caminhos necessários para alcançar o objetivo geral. 2.2.2 – PERGUNTAS DE PESQUISA Explicitar as questões de pesquisa As perguntas de pesquisa estão relacionadas à PROBLEMATIZAÇÃO do TEMA. A partir disso se dá à busca das RESPOSTAS (conhecimento científico) fundamento da pesquisa.
  • 50. 50 allencar Rodriguez PESQUISA Tomada num sentido amplo, pesquisa é toda atividade voltada para a solução de problemas; como atividade de BUSCA, INDAGAÇÃO, INVESTIGAÇÃO, é a atividade que vai no permitir ELABORAR UM CONHECIMENTO, que nos auxilie na COMPREENSÃO dessa realidade e ORIENTE nossas ações. “Pesquisa científica é um conjunto de procedimentos sistemáticos, baseados no raciocínio lógico, que tem por objetivo encontrar soluções para os problemas de métodos científicos”. (ANDRADE, 2001)
  • 51. MAPA MONOGRÁFICO 51 2. JUSTIFICATIVA, OBJETIVOS E PERGUNTAS DE PESQUISA excerto 4 4 2.1. – JUSTIFICATIVA A pesquisadora e autora do livro Desvendando os Segredos do Texto Ingedore Villaça Kock (2002) afirma que quando falamos dos níveis de compreensão nós estamos falando sob dois aspectos lingüísticos sócio- cultural e conhecimento de mundo. Por outro lado, a também pesquisadora e autora de várias obras em lingüística textual, Ângela Kleiman (2002), argumenta que na compreensão de um texto – que depende de um conhecimento prévio – o conhecimento de mundo (interação de um nível de conhecimento) é o enriquecimento cultural adquiridos com o tempo, formal e informalmente. Assim o leitor consegue construir o sentido do texto. É sob esta perspectiva teórica – formação do indivíduo (seu conhecimento de mundo) – influi na compreensão contextual global fundamentando este projeto no objetivo de descobrir como ocorre neste indivíduo a sua formação para aquisição de conhecimentos múltiplos fornecidos pelos textos. É nesse sentido que estudos sobre como adquirir os conhecimentos múltiplos que os textos oferecem tornam-se cada vez mais importantes e o meu projeto vai ao encontro daqueles que querem procurar as respostas para a problemática da compreensão textual. 2.2. – OBJETIVOS E PERGUNTAS DE PESQUISA 2.2.1 – OBJETIVOS 2.2.1.1. – OBJETIVO GERAL Compreender como o leitor usa suas habilidades de leitura num contexto para compreensão integral dos conhecimentos múltiplos que o texto oferece justificando a idéia de que num texto não há limites para ler. 2.2.1.2. – OBJETIVOS ESPECÍFICOS 2.2.1.2.1.: Verificar e compreender como seu conhecimento prévio – de leitura – de mundo – em função de sua formação social, interfere na compreensão integral do texto. 2.2.1.2.2.: Compreender as inferências que a leitura sofre em função de sua formação social. 2.2.1.2.3.: Dimensionar os elementos básicos do leitor que não prejudique a compreensão contextual integral do texto. 2.2.2. – PERGUNTAS DE PESQUISA ◇ O que acontece com nossos estudantes e leitores que cada um interpreta o mesmo texto de formas diferentes?
  • 52. 52 allencar Rodriguez 3. METODOLOGIA QUE PROCEDIMENTOS SERÃO EXECUTADOS PARA RESPONDER ÀS INDAGAÇÕES ATENÇÃO: PARA ESSE ESTUDO SUGERIMOS A LEITURA DE: A PESQUISA NA SALA DE AULA; METODOLOGIA DE INVESTIGAÇÃO CIENTÍFICA E A FORMAÇÃO DO PROFESSOR. Marilda C. Cavalcanti (UNICAMP) Esta é uma parte muito importante para a aceitação de seu projeto. Neste tópico deve ser relatado de forma clara à descrição de como ou de que forma será conduzido o seu projeto no campo proposto: (em sala de aula), (fora da sala de aula), os sujeitos participantes, etc. O tipo de pesquisa que será feito: bibliográfica, documental, pesquisa de campo, estudo de caso. Será pesquisa do tipo (qualitativa ou quantitativa), ou ainda, as duas. Em alguns casos, por exemplo, a pesquisa etnográfica e a pesquisa-ação são usadas concomitantemente. Dizer o porquê do uso dos sujeitos da pesquisa: Ex.: A investigação será feita com alunos da rede pública do ensino fundamental devido à necessidade de se verificar quais são as suas necessidades num arcabouço teórico no ensino de línguas. Justifique o uso dos procedimentos metodológicos o qual fará uso em sua pesquisa e cite os autores pesquisados para o desenvolvimento da aplicação de sua metodologia.
  • 53. MAPA MONOGRÁFICO 53 3. METODOLOGIA excerto 5 5 3. METODOLOGIA 3.1 – A NATUREZA DA PESQUISA Baseado em pressupostos teóricos de Bogdan e Biklen (1994) o projeto será operacionalizado por meio de um estudo de natureza qualitativa, de base quantitativa se respaldando nos paradigmas da pesquisa etnográfica (Erickson, 1986). 3.2 – O CONTEXTO E OS SUJEITOS O desenvolvimento do projeto será com alunos da rede pública – em uma escola rural - do ensino fundamental de uma cidade de porte pequeno na região de Campinas/SP, devido à necessidade de complementar (com a elaboração desse projeto) suas necessidades de um melhor arcabouço teórico para o processo ensino/aprendizagem de línguas. Com isso objetivando construir um mapa acessível e simples de recursos didáticos para esses alunos materializados dentro de um contexto histórico, social de agentes do campo. 3.3 – INSTRUMENTOS DE COLETA DE REGISTROS E PROCEDIMENTOS ADOTADOS PARA A ANÁLISE Para a coleta de registros serão: a) Observação em sala de aula ou de sala de aula. Seguirá um processo de identificação dos “problemas” que se prende a proposta desse projeto e seus registros serão feitos no momento do acontecimento em forma de diário. b) Diário de campo Registros em sala de aula... c) Entrevista Serão feitas as formas estruturada, semi e não estruturada. d) Gravação das aulas: ............ e) Documentos: ......................
  • 54. 54 allencar Rodriguez 4. IMPLICAÇÕES Atenção: ESSA PARTE É OPCIONAL – DE PREFERÊNCIA FAÇA SEU USO PARA MONOGRAFIAS NA ÁREA DA LINGÜÍSTICA APLICADA DE CERTA FORMA NO PROJETO PARA A EDUCAÇÃO ESTE CONTEXTO JÁ ESTÁ INSERIDO NA JUSTIFIVATIVA AO ARGUMENTAR A RELEVÂNCIA DO TRABALHO PARA A SOCIEDADE CIENTÍFICA E CIVIL. Descreva o que de útil a realização de seu projeto poderá trazer. Veja a seqüência: 4.1 – Implicações Teóricas: 4.2 – Implicações Metodológicas: 4.3 – Implicações Práticas (ou Sociais): Este tópico é o contexto dos resultados esperados onde antecipando possíveis resultados que o seu estudo proporcionará alguns tópicos poderão ter a formatação de um conteúdo teórico que servirá como base para novos estudos investigativos ou como recurso de segmento para a execução de um novo programa ou ainda poderá produzir insumos que servirão de recursos didáticos ou pedagógicos no processo ensino/aprendizagem e também o seu projeto poderá proporcionar a união de tudo o que foi citado.
  • 55. MAPA MONOGRÁFICO 55 4. IMPLICAÇÕES excerto 6 6 4. IMPLICAÇÕES 4.1 – Implicações Teóricas: O desenvolvimento desse projeto contribuirá para o enriquecimento de fundamentos teóricos anteriormente feitos por pesquisadores/autores acrescidos de novos fatores antes ausentes na bibliografia estudada e que são inerentes para o processo de estudo investigativo de novas soluções, ou complementos ou inovações para o desenvolvimento da aquisição da linguagem em L.E. para o ensino fundamental. 4.2 – Implicações Metodológicas: Sabendo que um trabalho científico é fruto de uma pesquisa anterior, portanto não é um algo acabado, pois a ciência não é um todo acabado, então somado a proposta anterior, o processo de operacionalização desse projeto poderá servir como base de seguimento de pesquisa para futuros requerentes a um título de mestre na área em questão. 4.3 – Implicações Práticas: Por outro lado, o complemento desse estudo investigativo irá produzir substanciais conceitos práticos que nortearão futuros estudantes de línguas a uma aquisição continua, paulatina e definitiva de insumo que priorize no estudante a capacidade de expressão e criatividade em sua formação definitiva para o desenvolvimento de suas competências e habilidades com real significado e aplicabilidade da língua inglesa.
  • 56. 56 allencar Rodriguez 5. CRONOGRAMA DE EXECUÇÃO DO PROJETO Nesse item, deverão ser indicadas as seqüências cronológicas da pesquisa (lista ou quadro) onde se fará menção das etapas de seu início e conclusão. Na lista ou quadro de seu cronograma deverá conter: 1. disciplina obrigatória 2. estudo bibliográfico 3. elaboração dos instrumentos de coleta de registros 4. análise do material coletado 5. redação da dissertação 6. defesa da dissertação
  • 57. MAPA MONOGRÁFICO 57 5. CRONOGRAMA DE EXECUÇÃO DO PROJETO excerto 7 7 5. CRONOGRAMA DE EXECUÇÃO DO PROJETO . Exemplo de cronograma: 2010 2011 Período / Atividade 1o.S 2o.S 1o.S. 2o.S. Disciplinas Obrigatória Levantamento e Estudo da Bibliografia Coleta de Dados Análise do Material Coletado Redação da Dissertação Defesa da Dissertação VEJA EXEMPLO COMPLETO NA PÁGINA 21
  • 58. 58 allencar Rodriguez 6. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS É uma lista abrangente de todo material consultado, estruturado e inerente ao tema da pesquisa. Essa lista deve ser feita em ordem alfabética considerando-se o último sobrenome do autor apresentado em preferencialmente em letras maiúsculas seguindo os critérios da Associação Brasileira de Normas Técnicas (ABNT), (1989), estabelecido pela NBR - 6023. Se houver várias obras de um mesmo autor, substitui-se o nome do autor por um traço equivalente a cinco espaços. As fontes (nas quais o autor buscou informações), indicadas no trabalho científico dentro das normas da ABNT, são os “elementos que permitem a identificação no todo ou em parte, de documentos impressos ou registrados em diversos tipos de materiais, (“ABNT, apud Costa, 1993:94).
  • 59. MAPA MONOGRÁFICO 59 6. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS excerto 8 8 6. REFERÊNCIA BIBLIOGRÁFICAS ALMEIDA FILHO, J.C.P “Maneiras de Compreender Lingüística Aplicada” – Revista Letra, nº. 2 – Santa Maria (RS): Universidade Federal de Santa Maria - 1991 ________________ . “Escolha e Produção de Material Didático para um Ensino Comunicativo.” Contexturas – Ensino Crítico de Língua Inglesa no.1 – 1992 BROWN, D. “Principles of Language Learning and Teaching.” New Jersey: Prentice Hall, 2000 CAVALCANTI, M. C. “A Propósito de Lingüística Aplicada.” In: Trabalhos em Lingüística Aplicada, vol. 07, 1986 MOITA LOPES, L. P.. Oficina de Lingüística Aplicada: “A Natureza Social e Educacional de Lingüística dos Processos de Ensino Aprendizagem de Línguas.” Campinas – SP: Mercado de Letras, 1996 NUNAN, D. “Designing Tasks for the Communicative Classroom.” Cambridge. CUP, 1989 SCHÖN, D. A. “Educando o Profissional Reflexivo: Um Novo Design para o Ensino e a Aprendizagem.” WIDDOWSON, H.G.O. “O Ensino de Línguas para a Comunicação.” Campinas, Pontes Editores, 1991. Tradução de José Carlos P. Almeida Filho
  • 60. 60 allencar Rodriguez ATENÇÃO METODOLOGIA DE INVESTIGAÇÃO Esta é uma parte muito delicada do programa de investigação na área da educação. Não deixe de entrar em contato conosco. Daremos as diretrizes corretas que você deverá seguir quanto à metodologia de investigação. Ǫ METODOLOGIA DE INVESTIGAÇÃO ◊ PESQUISA EXPERIMENTAL (QUANTITATIVA) É baseada na análise da mensuração dos dados coletados ou parte deles. ◊ PESQUISA QUALITATIVA (INTERPRETATIVA) A abordagem qualitativa surgiu da necessidade de buscar uma metodologia de investigação que leve em consideração a natureza dinâmica dos conceitos relacionados às ciências sociais já que os fenômenos humanos e sociais são diferentes dos fenômenos físicos, químicos ou biológicos que podem ser regidos por leis gerais, matematicamente ou teoricamente às quais podem ter às análises de seus registros experimentais seguindo uma abordagem quantitativa. A abordagem qualitativa é a busca da interpretação dos fatos ocorridos no campo de pesquisa em lugar da mensuração. ◊ PESQUISA QUALITATIVA (fonte: Profa. Dulce M. P. Camargo) OBJETIVOS  Produzir um conhecimento transformador;  Apontar possíveis rumos de mediação, ação e/ou intervenção. CARACTERÍSTICAS  Possibilita repensar a concepção de ciência como verdade única;  Entende a investigação como: * relação teoria/prática; * relação sujeito/objeto;  Incentiva o envolvimento da população interessada;  Realiza uma reflexão contínua acerca da prática cotidiana;  Permite a construção do conhecimento através do diálogo da ciência com o senso comum.
  • 61. MAPA MONOGRÁFICO 61 LIMITES  Abordagem fundamentalmente conjuntural: acontecimentos; cenários; sujeitos; relações de poder; articulações; contradições.  Dificuldades em relação ao resgate das falas dos pesquisados. OPERACIONALIZAÇÃO 1a. Etapa – FASE EXPLORATÓRIA  Determinar o campo de investigação e sua definição;  Esboço preliminar do problema;  Organização da equipe (quando a pesquisa for coletiva);  Formulação da proposta preliminar: viabilidade; fontes humanas; recursos humanos e representações;  Delimitação conjunta da área abrangida;  Seleção e preparação dos participantes. 2a. Etapa – FASE DO DIAGNÓSTICO PRELIMINAR  Procedimentos, objetivos, referencial teórico, cronograma;  Estudo da estruturação dos sujeitos envolvidos;  Estudo sócio-econômico-político e cultural do local: seus problemas, lutas e reivindicações;  Levantamento e sistematização de propostas de solução pelos sujeitos envolvidos;  Elaboração coletiva de diagnóstico preliminar;  Divulgação do diagnóstico: seminários, recursos áudio-visuais, gráficos, boletins...
  • 62. 62 allencar Rodriguez 3a. Etapa – FASE DA ANÁLISE CRÍTICA AMPLIADA  Realização de fóruns mais amplos para percepção dos diferentes entendimento e explicações referentes ao diagnóstico;  Aplicação de questionário, ou outro instrumento para captação de opiniões, sugestões e representações 4a. Etapa – FASE DE ELABORAÇÃO DE UM PLANO DE AÇÃO  Sistematização geral;  Análise crítica;  Elaboração de um plano de ação. 5a. Etapa – DIVULGAÇÃO DO PLANO E SEUS RESULTADOS  Retomada do seminário geral;  Criação de comissões para divulgação fora da área;  Retirada da equipe de profissionais;  Ação dos sujeitos construtores – participantes; INSTRUMENTOS OPERACIONAIS  Entrevistas: diretiva e não-diretiva;  Questionários (instrumento de apoio);  História de vida;  História oral;  Análise documental;
  • 63. MAPA MONOGRÁFICO 63 NOVE QUESTÕES FREQÜENTES SOBRE A INVESTIGAÇÃO QUALITATIVA FONTE: Bogdan e Biklen (1994)  Há possibilidade de utilização conjunta das abordagens qualitativa e quantitativa?  A abordagem qualitativa é verdadeiramente científica?  Em que a investigação qualitativa difere daquilo que pessoas como os professores, jornalistas e artistas fazem?  Os resultados qualitativos são generalizáveis?  Há interferência da subjetividade do pesquisador no processo de coleta de dados?  Presença do pesquisador modifica o comportamento das pessoas estudadas?  Dois pesquisadores que estudem independentemente o mesmo local ou os mesmos sujeitos chegarão às mesmas conclusões?  Qual o objetivo da pesquisa qualitativa?  Em que é que diferem a pesquisa qualitativa e quantitativa? ATUALIZAÇÃO DE QUESTÕES QUE DOMINAM O ÂMBITO DA ÉTICA NAS PESQUISAS QUALITATIVAS  Consentimento informado;  Proteção dos sujeitos contra qualquer espécie de danos.
  • 64. 64 allencar Rodriguez Existem diferentes tipos de pesquisa qualitativa, focaremos aquela que mais nos interessa: PESQUISA DO TIPO ETNOGRÁFICO Etnográfico – relativo à etnografia: Disciplina que tem por fim o estudo e a descrição dos povos, sua língua, raça, religião, etc., e manifestações materiais de sua atividade. Pesquisa do tipo etnográfica é um conjunto de técnicas para coletar, analisar e descrever registros relacionados aos hábitos, as crenças e atitudes de um grupo social e seus valores fazendo um trabalho investigativo retratando uma comunidade, uma sala de aula, etc. Interiorizados nesses campos de investigação, os etnógrafos (aqueles que usam a abordagem da pesquisa etnográfica) estão diretamente vinculados a cultura e educação, refletindo, observando, participando ou seja se interando com a situação estudada, pois nesse instante estão sendo justapostos às características pessoais de cada participante tais como: seu conhecimento de mundo, seu conhecimento prévio, sua identidade, sua linguagem, enfim, sua formação histórico, político e social. O processo da pesquisa etnográfica é de se inteirar dos eventos que estão ocorrendo considerando todos os aspectos a eles inerentes e não se apegando naquilo que possa ser os resultados finais. De acordo com Erickson (1986), a pesquisa etnográfica baseia-se a três perguntas: O que está acontecendo dentro deste campo de investigação? Quais as inferências que traz aos agentes envolvidos? Qual a reflexão/interpretação pode ser formalizada? A partir dessas perguntas é que se fundamenta o equacionamento das possíveis soluções para um determinado problema que induziu a criação e a natureza de seu projeto de pesquisa.
  • 65. MAPA MONOGRÁFICO 65 CONTEXTUALIZAÇÃO EXEMPLIFICADA DOS PRINCIPAIS ELEMENTOS TEXTUAIS TEMA – OBEJTIVO - METODOLOGIA
  • 66. 66 allencar Rodriguez A PROBLEMATIZAÇÃO TEMA: O REGIME DE PROGRESSÃO CONTINUADA NOTA: Não se investigam TEMAS, o que são investigados são os PROBLEMAS. O PROBLEMA deve ser formulado como PERGUNTA sobre o tema. Deve-se explicitar o problema em forma de uma ou mais perguntas onde suas respostas não se encontram nos saberes. As respostas (a procura do conhecimento) devem ser buscadas pela pesquisa. PERGUNTA: PROBLEMATIZAÇÃO À QUESTÃO - À DÚVIDA PRETENDO À RAZÃO - O MOTIVO INVESTIGAR 1) QUAIS benefícios o regime de progressão continuada trouxe no contexto da redução da evasão escolar? 2) QUAIS inovações didáticas e/ou pedagógicas o regime de progressão continuada promoveu aos alunos que passaram por esse sistema? 3) QUE mudança trouxe no comportamento do aluno o regime de progressão continuada? 4) PORQUE, estatisticamente, o índice de repetência caracterizado pelo baixo rendimento está no patamar de 10% sabendo que esse índice não é real? ATENÇÃO: ESSAS PERGUNTAS GERAM UMA PERGUNTA SÍNTESE O REGIME DE PROGRESSÃO CONTINUADA ESTÁ ATINGINDO SEUS OBJETIVOS? Isto é, 1) trouxe benefícios no contexto da evasão? 2) ocorreram inovações? 3) provocou mudanças na práxis do aluno? 4) diminuiu realmente à repetência ou ela é mascarada pela progressão continuada?
  • 67. MAPA MONOGRÁFICO 67 ATENÇÃO: Ao elaborar a pergunta situe o problema no TEMPO e no ESPAÇO. 5) QUAIS benefícios o regime de progressão continuada NO ENSINO FUNDAMENTAL DAS ESCOLAS PÚBLICAS ESTADUAIS DE CAMPINAS trouxe no contexto da redução da evasão escolar NO ANO DE 2008? 6) QUAIS inovações didáticas e/ou pedagógicas o regime de progressão continuada promoveu aos alunos DAS 8ª. SÉRIES DO ENSINO FUNDAMENTAL DA ESCOLA PÚBLICA ESTADUAL DE CAMPNAS EM 2008? 7) QUE mudança trouxe no comportamento do aluno DO ENSINO FUNDAMENTAL DAS 5ª. às 7ª. SÉRIES DAS ESCOLAS PÚBLICAS ESTADUAIS DE CAMPINAS, o regime de progressão continuada EM 2008? 8) PORQUE, estatisticamente, o índice de repetência caracterizado pelo baixo rendimento está no patamar de 10% NAS ESCOLAS PÚBLICAS DE ENSINO FUNDAMENTAL DE CAMPINAS NESTE ANO DE 2008 sabendo que esse índice não é real? RESUMINDO: ESSAS SÃO DÚVIDAS INTERESSANTES E ESSAS PERGUNTAS CONTÉM UM PROBLEMA POR QUE: 1) As respostas não estão no saberes: biblioteca, internet, etc. 2) As respostas serão alcançadas pela realização da pesquisa proposta. 3) O problema está situado no tempo (2008) e no espaço (escolas públicas estaduais do ensino fundamental de Campinas) 4) Lembre-se: A pergunta só é pertinente à realização do projeto se a BUSCA DE RESPOSTA for POSSÍVEL. E, nesse caso, é possível, pois a resposta se encontra nos dados estatísticos das escolas e na DE a qual a escola pertence. Além disso, facilmente é possível encontrar os alunos que freqüentaram a escola no período citado. 5) A pergunta é original uma vez que atende aos interesses acadêmicos e sociais.
  • 68. 68 allencar Rodriguez Veja, então, que não pesquisamos o TEMA: O REGIME DE PROGRESSÃO CONTINUADA. A pesquisa tem como FINALIDADE: Explicar os fenômenos de sua aplicação, verificar como esses fenômenos ocorrem e/ou ocorreram, as mudanças provocadas pelo seu processo e quais as inferências e interferências que podem ocorrer e/ou sofrer. O projeto de pesquisa não é simplesmente um PLANO DE ATIVIDADES, por exemplo, PEDAGÓGICOS. “Meu projeto propõe uma nova estratégia de leitura em sala de aula.” Isso não é projeto de pesquisa. Isso é um projeto pedagógico, Uma vez que as RESPOSTAS (conhecimentos científicos) têm a finalidade de DESCOBRIR, COMPREENDER e EXPLICAR o contexto de uma realidade concreta problematizada no tema de pesquisa. PORTANTO: A preocupação do projeto de pesquisa não é PROPOR, CONTRIBUIR, MODIFICAR, ALTERAR, POSSIBILITAR, INTERFERIR, ETC.
  • 69. MAPA MONOGRÁFICO 69 A QUESTÃO DOS OBJETIVOS A META A FINALIDADE Nesta fase do projeto o pesquisador não deverá fazer uma contestação ou oferecer uma alternativa ao problema que irá analisar, pois sua ocorrência só será possível com o resultado da pesquisa. TEMA: O REGIME DE PROGRESSÃO CONTINUADA OBJETIVO GERAL: ANALISAR se o regime de progressão continuada cumpre com o intuito explícito em seu próprio nome “Progressão Continuada”. NOTA: VEJA, Se cumpre está atingindo seus objetivos, caso contrário, não. Essas hipóteses estão relacionadas aos OBJETIVOS ESPECÍFICOS. OBJETIVOS ESPECÍFICOS: 1) REVELAR se o regime de progressão continuada é um regime progressivo ou regressivo. 2) COMPARAR se à redução do índice de reprovados é real ou mascarada pelos índices de aprovação daqueles que são promovidos mesmo sem aprender. 3) RELACIONAR se o índice da evasão escolar no regime de progressão continuada é permeada pela cultura da exclusão. 4) DESCREVER o que os alunos retidos não aprenderam em detrimento daqueles que foram promovidos sem aprender. NOTE: a freqüência dos verbos ativos (revelar, comparar, relacionar, descrever, etc.) em detrimentos dos verbos que INDUZA INTERVENÇÃO: Contribuir, modificar, interferir, possibilitar, etc.
  • 70. 70 allencar Rodriguez Então, nesse parâmetro o seu pretenso orientador e/ou a banca examinadora terá condição de avaliar qual é a sua intenção na qualidade de pesquisador e o propósito de sua pesquisa. As respostas dos objetivos específicos dão suporte ao objetivo geral para ANALISAR se o regime de progressão continuada cumpre com o intuito explícito em seu próprio nome “Progressão Continuada”. O que significa promover ao aluno um ensino de qualidade, inclusão e igualdade de oportunidades, produção de conhecimento que vai ao encontro da idealização da Progressão Continuada feito por Paulo Freire no contexto da educação como meio para a libertação.
  • 71. MAPA MONOGRÁFICO 71 METODOLOGIA A NATUREZA DA PESQUISA Para responder às questões expostas no âmbito de uma análise crítica, qualitativa e quantitativa da problematização temática é necessário considerar elementos que situa o sujeito – objeto nas concepções políticas, econômicas, pedagógicas e sóciais. Dessa forma, a investigação deve seguir o caminho do conhecimento epistemológico, filosófico e fenomenológico do homem, da sociedade, da cultura e da escola. Conhecido os elementos que situam o sujeito-objeto no contexto da problemática temática e a literatura de contextualização do tema através do referencial teórico somado ao estudo da literatura oficial relativa ao objeto incluindo os decretos, resoluções, deliberações da Secretaria Estadual da Educação e a Lei das Diretrizes Básicas (LDB) de âmbito nacional será adotado para esta pesquisa os pressupostos teóricos de Bogdan e Biklen (1994) e será operacionalizado por meio de um estudo de natureza qualitativa, de base quantitativa se respaldando nos paradigmas do modelo de pesquisa estudo de caso. “O estudo de caso é o estudo de um caso, seja ele simples e específico ou complexo e abstrato.” Lüdke e André (1896). Segundo Goode e Hatt (1968), o caso se destaca por se constituir numa unidade dentro de um sistema mais amplo. Nesse caso, o projeto se destaca por ter um interesse único, distinto mesmo que venha ser semelhante com outros estudos e situações. Então, pela sua característica única foi escolhido o estudo de caso que entre suas principais características fundamentais destacamos: os estudos de caso enfatizam a “interpretação em contexto”, buscam retratar a realidade de forma completa e profunda, usam uma variedade de fontes de informações e procuram representar os diferentes e às vezes conflitantes pontos de vista presentes numa situação social. Lüdke e André (1986).
  • 72. 72 allencar Rodriguez O CONTEXTO DOS SUJEITOS O desenvolvimento do projeto será com alunos da rede estadual de Campinas, do ensino fundamental delimitando como sujeitos de investigação os alunos das 6ª., 7ª. e 8ª. séries. INTRUMENTOS DE COLETA DE REGISTRO E PROCEDIMETNOS ADOTADOS PARA A ANÁLISE SIGA O PADRÃO DA PÁGINA 18 Para a coleta de dados serão utilizados como técnicas: a) observação em sala de aula. Nesse caso haverá um processo de identificação dos problemas que se prende à proposta desse projeto e seus registros serão feitos no momento do acontecimento em forma de diário. b) gravação de aulas... c) entrevistas com alunos nas formas estruturadas, semi e não estruturadas. d) Investigação do diário dos professores. e) Investigação dos documentos escolares dos alunos. Para o estudo dos dados será feito a análise de conteúdo para a análise da problemática articulada ao tema tendo em vista as perguntas e objetivos da pesquisa.
  • 73. MAPA MONOGRÁFICO 73 CANAL INTERATIVO Você chegou ao final de um estudo de orientação para a formação de sua monografia. O processo é difícil – veja o grande número de inscritos para o processo seletivo da Unicamp e o pequeno número de aprovados. O trabalho desenvolvido neste livro irá ajudar muito para a construção da estrutura do trabalho – seus conceitos e contextos. É evidente que muitas dúvidas irão aparecer no decorrer de sua elaboração. Isso ocorrendo, envie um e-mail para nós. Imediatamente lhe daremos o retorno para facilitar seu trabalho tirando suas duvidas e/ou fornecendo subsídios teóricos para a elaboração contextual das etapas da estrutura do trabalho como também dicas de materiais de pesquisadores/autores os quais você deve tomar conhecimento dentro da área de seu interesse. acquireskills@ig.com.br assunto: dúvidas Aos interessados em enviar sua monografia para a área da educação, envie seu e-mail para complementos na metodologia de pesquisa, pois a Unicamp, nessa área, trabalha em seis variáveis possíveis de proposta investigativa: 1 - Políticas, Administração e Sistemas Educacionais; 2 – Filosofia e História da Educação; 3 – Psicologia Educacional; 4 – Ensino e Práticas Culturais; 5 – Educação, Conhecimento, Linguagem e Arte; 6 – Ciências Sociais na Educação.
  • 74. 74 allencar Rodriguez BIBLIOGRAFIA: ANDRÉ, M.E.D.A.Etnografia da prática escolar. Campinas: Papirus, 1996 ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS. NBR- 6023: informação – documentação – referências – elaboração, Rio de Janeiro, ago. 1989 ALMEIDA FILHO, J.C.P. A produção de projetos iniciais sobre o processo de ensino/aprendizagem de línguas. In ALMEIDA FILHO, J.C.P., CUNHA, M.J. Projetos Iniciais de Pesquisa na área de Português para Falantes de Outras Línguas. Brasília/Campinas, 2003. __________, “Introdução à elaboração de projetos de pesquisa.” Universidade Estadual de Campinas (Unicamp), 2005, oficina. BOGDAN, R. e BIKLEN, S. Investigação qualitativa em educação: uma introdução à teoria e aos métodos. Portugal: Porto Editora, 1994. BRANDÃO, C.R. (org.). Pesquisa Participante. São Paulo: Brasiliense, 1980. CAVALCANTI, M.C. & MOITA LOPES, L.P. Implementação da pesquisa em sala de aula de línguas. In Trabalhos em Lingüística Aplicada. Campinas (17): 133-144 jan/jun, 1991. CYRANKA, L.F.M. e SOUZA, V.P. Orientações para normalização de trabalhos acadêmicos. Editora da UFJF, 2004. DYNIEWIEZ A.M. e MARTINS, M.L. Pesquisar é preciso, escrever é difícil? In Cogitare Enfermagem. Curitiba (3): n.1, p. 113-117 jan/jun, 1998. ECO, U. Como se faz uma tese. São Paulo: Perspectiva, 1983.
  • 75. MAPA MONOGRÁFICO 75 ERICKSON, F. Qualitative methods in research on teaching. In WITTROCK, H. (org.) Handbook of research on teaching. Nova York: MacMillan, 1986. FAZENDA, I. (org.) A pesquisa em educação e as transformações do conhecimento. Campinas: Papirus, 1995. GAMBOA, S.S. “Pesquisa em educação: métodos e epistemologias.” Chapecó: Argos, 2007 __________, “Projetos de pesquisa científica: fundamentos lógicos”. Universidade Estadual de Campinas (Unicamp), 2008, oficina. GONÇALVES, E.P. “Fazendo uma monografia em educação”. Campinas: Editora Alínea, 2005 GROPPO, L.A. e MARTINS, M.F. “Introdução á pesquisa em educação.” 2ª. ed. Piracicaba: Biscalchin Editor, 2007 LAKATOS, E.M. e MARCONI, M.A. Metodologia científica. São Paulo: Atlas, 1982. MATOS, F.G. O título de um trabalho científico: claro, conciso, concreto e criativo. In Ciência e Cultura, 40 (8): 778-779. MOITA LOPES, L.P. “Oficina de lingüística aplicada: a natureza social e educacional de lingüística dos processos de ensino aprendizagem de línguas”. Campinas: Mercado de Letras, 1996. _____________. Pesquisa interpretativista em lingüística aplicada: a linguagem como condição e solução. In D.E.L.T.A., 2, 1994. MÜLLER, M.S. “Normas e padrões para teses, dissertações e monografias”. 6ª. ed. Ver e atual. Londrina: Eduel, 2007
  • 76. 76 allencar Rodriguez MYNAYO, M.C.S. Ciência, técnica e arte: o desafio da pesquisa social. In MYNAYO, M.C.S. (org.) Pesquisa Social – teoria, método e criatividade. Petrópolis: Vozes, 1993. PÁDUA, E.M.M. O trabalho monográfico como iniciação à pesquisa cientifica. In RUDIO, F.V. Introdução ao projeto de pesquisa científica. 6a. ed. Petrópolis: Vozes, 1982. SAVIANI, D. “Educação: do senso comum à consciência filosófica”. São Paulo: Cortez, 1982 SALVADOR, A. Métodos e técnicas de pesquisa bibliográfica; elaboração e relatório de estudos científicos. 2a. ed. Porto Alegre: Sulina, 1971. SCHÖN, D.A. Educando o profissional reflexivo: um novo design para o ensino e a aprendizagem. Tradução de Roberto Cataldo Costa. Porto Alegre: Artes Médicas Sul, 2000. SEVERINO, A.J. Metodologia do trabalho científico. 13a. ed. São Paulo: Cortez, 1986. THIOLLENT, M. metodologia da pesquisa-ação. 13a. ed. São Paulo: Cortez Editora, 2004. VIEIRA, S. Como escrever uma tese. São Paulo: Pioneira, 1991. VIEGAS, W. Orientação aos alunos na redação e apresentação gráfica de monografia, teses e dissertação. Brasília: Universidade de Brasília, 1995.
  • 77. MAPA MONOGRÁFICO 77 Sítios da Internet ABNT – Associação Brasileira de Normas Técnicas. www.abnt.gob.br, consultado em 07/05/2008 Pós-Graduação da Faculdade de Educação da Universidade Estadual de Campinas (Unicamp). http://www.posgrad.fae.unicamp.br, consultado em 30 de dezembro de 2008. Pós-Graduação da Faculdade de São Paulo (Usp). http://www3.fe.usp.br/pgrad, consultado em 30 de dezembro de 2008. Pós-Graduação da Universidade Estadual Paulista (Unesp). http://www.fclar.unesp.br/pos, consultado em 30 de dezembro de 2008. REFERÊNCIAS Pesquisa Qualitativa: Profa. Dulce Maria Pompeo de Camargo Roteiro de Elaboração de um Projeto de Pesquisa: Prof. Dr. João Bosco Cabral dos Santos Elaboração de Projetos de Pesquisa em Lingüística Aplicada: Prof. Dr. José Carlos de Almeida Filho e Kleber Aparecido da Silva.
  • 78. 78 allencar Rodriguez EXCERTOS KLEIMAN, A Oficina de Leitura teoria & prática. 9a. ed. Campinas, SP: Pontes, 2002 KOCH, I.G.V. Desvendando os Segredos do Texto. São Paulo: Cortez, 2002 ___________. A Coesão Textual. 6a. ed. São Paulo: Contexto, 1993 MATENCIO, M.L.M. Leitura Produção de Textos e a Escola. Campinas, SP: Mercado de Letras, 1994. ORLANDI, E. P. Discurso e Texto Formulação e Circulação dos Sentidos. Campinas, SP: Pontes, 2001.
  • 79. A L L E N C A R RODRIGUEZ The author holds a BA in Letter (English and English Literature) from the Catholic University of Campinas and posting graduating on MA in Applied Linguistic And Psicopedagogy in Education by UNESP He has a large experience about cram schools (vestibulares) and he is engaged on studies of didactic books (English for secondary students; writing and reading in Portuguese – in the area of Applied Linguistic / Foreign Language Teaching and Learning and Linguistic / Acquisition Competence of Writing and Reading. Moreover, he is engaged on gothic literature.