SlideShare uma empresa Scribd logo
LINGUAGENS,
CÓDIGOS E SUAS
TECNOLOGIAS
PROF. FRANCISCO RUFINO
FUNÇÕES DA LINGUAGEM
Ao produzir um texto você
também realiza a comunicação.
Nesse ato, além de querer ser
compreendido, deseja que suas
idéias sejam depreendidas e
aceitas pelo receptor.
E, para a eficácia desse
processo, são precisos seis
elementos:
ELEMENTOS ESSENCIAIS DA COMUNICAÇÃO
o que emite a
mensagem.
o que recebe a
mensagem.
o conjunto de
informações
transmitidas.
a situação a que a
mensagem se
refere, também
chamado de
referente
por onde a mensagem
é transmitida: TV,
rádio, jornal, revista,
cordas vocais, ar…
a combinação de signos utilizados na
transmissão de uma mensagem. A
comunicação só se concretizará, se o receptor
souber decodificar a mensagem.
CUIDADO COM O RUÍDO!!!!
RUÍDO é qualquer
perturbação na
comunicação.
Ao dar prioridade a
determinado elemento
da comunicação, a
linguagem atinge
diferentes funções,
que são as
FUNÇÕES DA
LINGUAGEM
Igarapé do Meio, 22.4.16
Meu amor,
Recebi hoje pela manhã teu whatsapp, vou tentar ir
embora amanhã, sábado. Neste exato momento estou em
uma reunião de Planejamento, mas morto de saudade de
ti, da Paulinha e do Pedro Henrique.
Nunca dei tanta aula e assisti reunião em toda a minha
vida. Entro em sala das 8 da manhã e saio sempre depois
da 22 horas. Estou fatigadíssimo.
Neste momento que te escrevo Dona Vanice, a diretora,
está olhando pra mim. Oh! Meu Deus! Que reunião chata!
Já estou farto!
Fiquei contente em saber que todos estão bem. Beija os
meninos por mim e receba um beijo meu com toda a
saudade e o carinho do teu
Rufino”.Também chamada de EXPRESSIVA
passa para o texto marcas de
atitudes pessoais como emoções,
opiniões, avaliações. Na função
expressiva, o emissor ou destinador
é o produtor da mensagem. O
produtor mostra que está presente
no texto mostrando aos olhos de
todos seus pensamentos.
FUNÇÃO EMOTIVA NÃO VERBAL
FUNÇÃO REFERENCIAL
Também chamada de
DENOTATIVA ou INFORMATIVA, é
quando o objetivo é passar uma
informação objetivas e impessoal
no texto. É valorizado o objeto ou
a situação de que se trata a
mensagem sem manifestações
pessoais ou persuasivas.
Polícia prende 155 cabras e leva todas de camburão para a
delegacia
Devastaram plantação de tomate e milho de um argentino.
Verdadeiro dono não apareceu para pagar fiança.
MENDOZA, Argentina – O agricultor Antonio Vergel decidiu
colher alguns dos tomates e milhos que cultiva em seu sítio em
Mendoza, na Argentina e, quando pôs os olhos na plantação,
seu coração gelou: uma quantidade inacreditável de cabras
devorava tudo o que via pela frente.
Depois de tentar sem sucesso espantar a horda de invasores,
Vergel ligou para a delegacia, segundo foi publicado no site
argentino Infobae.
“Eram dez e pouco da manhã e o homem, alucinado, nos
contava sua tragédia. Fomos ao local com um caminhão
preparado para o transporte de animais, mas chegando lá
vimos que eram realmente muitas”, declarou um dos policiais
ao Los Andes online.
Uma a uma, elas eram colocadas no caminhão na condição de
presas. Foram encaminhadas a um centro de detenção de
animais da polícia em Los Corralitos.
Na mesma tarde, pelo menos três pessoas apareceram dizendo
ser as proprietárias do rebanho. A polícia afirmou que não vai
ser assim tão fácil tirar a bicharada da cadeia.
Elas foram enquadradas no código 114 do Código Penal
argentino, e o verdadeiro dono das cabras vai ter que pagar
uma nota para libertá-las. Sem falar nos tomates e milhos do
agricultor inconformado.
(Disponível em: g1.globo.com/planeta-bizarro
FUNÇÃO REFERENCIAL NA LINGUAGEM NÃO VERBAL
FUNÇÃO POÉTICA
E usada para despertar as
emoções a partir da surpresa e
do prazer estético. É elaborada
de forma imprevista e inovadora,
com uso de uma linguagem
predominantemente conotativa.
A Rosa de Hiroshima
FUNÇÃO POÉTICA NA LINGUAGEM NÃO VERBAL
FUNÇÃO CONATIVA
É quando a mensagem do texto
busca seduzir, envolver o leitor
levando-o a adotar um determinado
comportamento. Na função conativa
a presença do receptor está marcada
sempre por pronomes de tratamento
ou da segunda pessoa e pelo uso do
imperativo e do vocativo.
E se a gente levasse a vida com mais
humor?
Talvez, a gente descobrisse
Um jeito mais leve de
Se relacionar com quem está à nossa
volta.
Reparando menos em chatices
E mais nos pequenos prazeres.
Abrindo um pouco o sorriso
– Nem que seja pra rir de si mesmo.
Espalhe seu humor por aí,
Divida uma risada com alguém.
FUNÇÃO CONATIVA EM LINGUAGEM NÃO VERBAL
CAMPANHAS PUBLICITÁRIAS DE CONSUMO E EDUCATIVAS
FUNÇÃO FÁTICA
Leia o diálogo a seguir.
– Não. Tem certeza de que nós fomos
colegas?
– Tenho.
– Que engraçado. Eu não… Olha: desculpe,
viu?
– O que é isso? Acontece.
– Esse café. Será que a gente pode…
– Claro. Fica pra outra vez.
– Desculpe, hein? Cabeça, a minha.
– Tudo bem.
– Então… Tchau.
– Ana Beatriz…
– Ahn?
– E se eu dissesse que meu nome é
Martins?
– Mas não é.
(VERISSIMO, Luis Fernando. O melhor das
comédias da vida privada. Rio de Janeiro:
Objetiva: 2004.p.84.)
É o canal por onde a mensagem caminha de
quem a escreve para quem a recebe.
Também designa algumas formas que se usa
para chamar atenção.
Linguagens Rufino
FUNÇÃO FÁTICA NA LINGUAGEM VERBAL E NÃO VERBAL
FUNÇÃO METALINGUÍSTICA
É quando a linguagem fala de si
própria. Predominam em análises
literárias, interpretações e críticas
diversas.
Verbete: Pneumoultramicroscopicossilicovulcanoconiótico
Substantivo Feminino
Rubrica: pneumologia.
Doença pulmonar (pneumoconiose) aguda causada pela
aspiração de cinzas vulcânicas.
Dicionário, o mestre da Metalinguagem
O Auto-retrato
No retrato que me faço
– traço a traço –
às vezes me pinto nuvem,
às vezes me pinto árvore…
às vezes me pinto coisas
de que nem há mais
lembrança…
ou coisas que não existem
mas que um dia existirão…
e, desta lida, em que busco
– pouco a pouco –
minha eterna semelhança,
no final, que restará?
Um desenho de criança…
Terminado por um louco!
(Mário Quintana)
AUTORRETRATO DE VELASQUÉZ
METALINGUÍSTICA NA LINGUAGEM VERBAL E NÃO VERBAL
FILME SOBRE O CINEMA
NAS TIRINHAS
QUESTÕES DE ENEM
Questão 1
Funções da linguagem são recursos de ênfase que atuam segundo a intenção do produtor da mensagem,
cada qual abordando um diferente elemento da comunicação. Um texto pode apresentar mais de uma
função, contudo há sempre uma que predomina. O texto a seguir consiste em um gênero textual, o qual é
bastante comum em nossos dias: anúncio publicitário. Com base nesse gênero e no assunto sobre as
funções de linguagem, analise as afirmativas.
I – A função apresentada é a poética, pois se centra
na mensagem e em como ela é transmitida, e em
razão disso, o anúncio possui algumas figuras de
linguagem.
II – A função conativa é bem própria do gênero
textual que foi apresentado.
III – Os verbos no imperativo são frequentes nos
anúncios e conferem mais brevidade e impacto à
mensagem que se deseja transmitir.
IV – O anúncio publicitário apresentado
proporciona uma reflexão sobre o papel do
cidadão em práticas de maus tratos aos animais.
V – Os verbos no imperativo, característicos da
função referencial, não interferem na leitura do
anúncio, uma vez que o uso deles se trata de uma
questão meramente estilística.
Está(ão) correta(s) a(s) afirmativa(s):
A) I.
B) II e III.
C) II, III e IV.
D) III, IV e V.
E) I e II.
Questão 2
Leia os textos 1 e 2 para resolver a questão.
Texto 1
O poder do e-mail
Um homem deixou as ruas cheias de São Paulo para tirar férias em Salvador. Sua esposa estava
viajando a negócios e planejava encontrá-lo no dia seguinte. Quando chegou ao hotel, resolveu
mandar um e-mail para sua mulher. Como não achou o papelzinho em que tinha anotado o endereço
eletrônico dela, tirou da memória o que lembrava e torceu para que estivesse certo. Infelizmente, ele
errou uma letra, e a mensagem foi para uma senhora, cujo marido havia morrido no dia anterior.
Quando ela foi checar os seus e-mails, desmaiou. Ao ouvir o grito, sua família correu para o quarto e
leu o seguinte, na tela do monitor.
“Querida, acabei de chegar. Foi uma longa viagem. Apesar de só estar aqui há poucas horas, já estou
gostando muito. Falei aqui com o pessoal e está tudo preparado para sua chegada amanhã. Tenho
certeza que você também vai gostar…
Beijos do seu eterno e amoroso marido.
P.S.: Está fazendo um calor infernal aqui”.
(Revista Língua Portuguesa, Ano 3, no 42, Abril de 2009,Editora Segmento, São Paulo, p.10)
GABARITO : C
Texto 2
Após comparar os dois textos, é correto dizer que:
A) o texto 1 apresenta a linguagem padrão, com se observa nas expressões “encontrá-lo”, “uma
senhora, cujo marido”; e os quadrinhos linguagem coloquial de teor metalingüístico.
B) o referente usado na carta “e-mail” e na conversa do sobrinho com o tio é igual.
C) nos textos percebemos símbolos linguísticos utilizados na comunicação escrita, como P.S no texto 1
e :.), no 2.
D) a função fática, que tem por finalidade abrir, manter e fechar o canal de comunicação, permeia-se
por ambos os textos.
E) a comunicação processou-se pelo mesmo meio de comunicação e pela mesma maneira.
Disponível em: <http://www.digestivocultural.com/blog/imagens/2238-1.jpg> Acesso em: 08 mar.2012.)
GABARITO: A
Questão 3
O estudo dos gêneros não é novo, mas está na moda.
O estudo dos gêneros textuais não é novo e, no Ocidente, já tem pelo menos vinte e cinco séculos, se considerarmos que sua
observação sistemática iniciou-se com Platão. O que hoje se tem é uma nova visão do mesmo tema. Seria gritante ingenuidade
histórica imaginar que foi nos últimos decênios do século XX que se descobriu e iniciou o estudo dos gêneros textuais.
Portanto, uma dificuldade natural no tratamento desse tema acha-se na abundância e diversidade das fontes e perspectivas de
análise. Não é possível realizar aqui um levantamento sequer das perspectivas teóricas atuais.
O termo “gênero” esteve, na tradição ocidental, especialmente ligada aos gêneros literários, cuja análise se inicia com Platão
para se firmar com Aristóteles, passando por Horácio e Quintiliano, pela Idade Média, o Renascimento e a Modernidade, até
os primórdios do século XX. Atualmente, a noção de gênero textual já não mais se vincula apenas à literatura, mas é usada em
etnografia, sociologia, antropologia, retórica e na linguística.
(MARCUSCHI, Luiz Antônio. Produção textual, análise de gêneros e compreensão. São Paulo: Parábola, 2008, p.147.)
A análise das características gerais do Texto revela que:
1) ele tem uma função predominantemente fática; nele prevalecem a descrição e a utilização de uma linguagem formal, que
está adequada ao gênero em que o texto se realiza.
2) sua função é prioritariamente referencial, embora no início do segundo parágrafo se evidencie um trecho metalingüístico;
do ponto de vista tipológico, é caracteristicamente expositivo.
3) nele, podem-se encontrar algumas marcas da oralidade informal; por outro lado, sua linguagem é eminentemente
conotativa e, embora seja descritivo, apresenta vários trechos injuntivos.
4) ele é um texto típico da linguagem escrita formal, que apresenta um vocabulário específico, embora numa formulação
simples; cumpre uma função informativa e está elaborado conforme a norma padrão da nossa língua.
Estão corretas apenas:
A) 1 e 2
B) 2 e 3
C) 3 e 4
D) 1 e 3
E) 2 e 4
GABARITO: E
Questão 4
Leia os textos que se seguem e, em seguida, indique as funções de linguagem possíveis para cada texto, respectivamente.
TEXTO 01
A Assembleia Legislativa de Goiás continua mantendo sigilo sobre gastos de viagens feitas pelos deputados estaduais em
2007 e 2008. O presidente Helder Valin (PSDB) diz que os dados devem ser revelados pelo ex-presidente Jardel Sebba (PSDB),
que alega não ter mais acesso às informações. Dos 41 deputados, 17 confirmaram ao POPULAR ter feito viagens.
(O Popular, 23/04/2009)
TEXTO 02
Li, com extrema indignação, a reportagem do POPULAR de terça feira, sobre o mapa da prostituição em Goiás. Os 582 pontos
em todo Estado são uma verdadeira declaração de miséria, levando-se em conta a baixa idade das garotas. O pior é que já
banalizou-se diante dos nossos olhos, muita gente graúda vê e nada é feito.
No âmbito federal levantamentos foram feitos pelas autoridades e o resultado também é alarmante. [...] Até quando tanta
miséria e pobreza condenarão nossas crianças e adolescentes a extremos atos de desespero e imoralidade? (O Popular, carta
do leitor, 23/04/2009)
TEXTO 03
– Pois é!
– Não é?
– Então!
– É!
– Falou!
– Falou e disse!
A) Fática, emotiva e referencial
B) Poética, emotiva e conativa
C) Metalingüística, emotiva e apelativa
D) Referencial, emotiva e fática
E) Informativa, metalingüística e fática
GABARITO: D
Questão 5
Considerando-se o contexto apresentado na
imagem, verifica-se que as tecnologias da
informação e a função de linguagem exposta
A) Servem para promover a imagem de artistas e
personalidades, dando-lhes maior visibilidade e
apelação ao receptor.
B) São utilizadas por empresas para captar clientes,
ampliando a venda de produtos e serviços,
portanto são propagandísticos
C) Aumentam a exposição de crianças e
adolescentes a situações de risco, devendo ser
evitadas até mesmo em cartazes
D) Causam a falsa impressão de que a violência
sexual contra a criança e o adolescente só acontece
em casa e por isso é um gênero textual sem função
E) Ampliam o alcance e a disseminação da
informação, funcionando como importante
ferramenta contra a violência pelo teor persuasivo
existente
GABARITO: E
Questão 6
Anjo no nome. Angélica na cara,
Isso é ser flor e anjo juntamente,
Ser Angélica flor e anjo florente,
Em quem, senão em vós se uniformara?
Quem veria uma flor, que a não cortara
De verde pé, de rama florescente?
E quem um Anjo vira tão luzente,
Que por seu Deus, o não idolatrara?
Se como Anjo sois dos meus altares,
Fôreis o meu custódio, e minha guarda,
Livrara eu de diabólicos azares.
Mas vejo, que tão bela, e tão galharda,
Posto que Anjos nunca dão pesares,
Sois Anjo, que me tenta, e não me guarda.
MATOS, Gregório de. Antologia poética. Rio de Janeiro: José Aguilar
No poema exposto de Gregório de Matos, predomina a função da linguagem
A) Fática, pois o autor procura testar o canal da comunicação.
B) Apelativa, porque há um forte caráter persuasivo na mensagem.
C) Poética, pois chama a atenção para a elaboração estética do texto.
D) Referencial, pois há ênfase nas informações apresentadas acerca da realidade.
E) Metalinguística, já que a mensagem está centrada no próprio código linguístico do poeta.
GABARITO: C

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Lingua e-linguagem2
Lingua e-linguagem2Lingua e-linguagem2
Lingua e-linguagem2
Flávio Ferreira
 
AULA 03 - Introdução - Diversas formas de iniciar uma redação - PRONTO
AULA 03 - Introdução - Diversas formas de iniciar uma redação  - PRONTOAULA 03 - Introdução - Diversas formas de iniciar uma redação  - PRONTO
AULA 03 - Introdução - Diversas formas de iniciar uma redação - PRONTO
Marcelo Cordeiro Souza
 
Enem competências para a redação
Enem   competências para a redaçãoEnem   competências para a redação
Enem competências para a redação
Elaine Maia
 
Gênero Textual: Conto
Gênero Textual: ContoGênero Textual: Conto
Gênero Textual: Conto
Myllenne Abreu
 
Compreensão e Interpretação de Textos
Compreensão e Interpretação de Textos Compreensão e Interpretação de Textos
Compreensão e Interpretação de Textos
Professor Rômulo Viana
 
Conotacao e denotacao
Conotacao e denotacaoConotacao e denotacao
Conotacao e denotacao
bubble13
 
O gênero textual entrevista
O gênero textual   entrevistaO gênero textual   entrevista
O gênero textual entrevista
Renally Arruda
 
Romantismo - aula
Romantismo - aulaRomantismo - aula
Linguagem verbal e não verbal
Linguagem verbal e não verbalLinguagem verbal e não verbal
Linguagem verbal e não verbal
Andreia Jaqueline Bach
 
Artigo de opinião slides
Artigo de opinião slidesArtigo de opinião slides
Artigo de opinião slides
Isis Barros
 
Tipologia textual
Tipologia textualTipologia textual
Tipologia textual
Ana Claudia André
 
Estrutura do-artigo-de-opinião
Estrutura do-artigo-de-opiniãoEstrutura do-artigo-de-opinião
Estrutura do-artigo-de-opinião
Nastrilhas da lingua portuguesa
 
Como escrever artigos de opinião
Como escrever artigos de opiniãoComo escrever artigos de opinião
Como escrever artigos de opinião
Cícero Nogueira
 
Elementos da narrativa
Elementos da narrativaElementos da narrativa
Elementos da narrativa
Ana Castro
 
Aula de redacao texto dissert.-argumentativo
Aula de redacao   texto dissert.-argumentativoAula de redacao   texto dissert.-argumentativo
Aula de redacao texto dissert.-argumentativo
doryoliveira
 
Gêneros e tipos textuais
Gêneros e tipos textuaisGêneros e tipos textuais
Gêneros e tipos textuais
marlospg
 
Características do anúncio publicitário
Características do anúncio publicitárioCaracterísticas do anúncio publicitário
Características do anúncio publicitário
IFMS - Instituto Federal de Mato Grosso do Sul
 
Slides sobre reportagem
Slides sobre reportagemSlides sobre reportagem
Slides sobre reportagem
Nastrilhas da lingua portuguesa
 
Anúncio publicitário e propaganda.
Anúncio publicitário e propaganda.Anúncio publicitário e propaganda.
Anúncio publicitário e propaganda.
Mariany Dutra
 
Elementos da comunicação
Elementos da comunicaçãoElementos da comunicação
Elementos da comunicação
Elizabeth Vicente da Silva
 

Mais procurados (20)

Lingua e-linguagem2
Lingua e-linguagem2Lingua e-linguagem2
Lingua e-linguagem2
 
AULA 03 - Introdução - Diversas formas de iniciar uma redação - PRONTO
AULA 03 - Introdução - Diversas formas de iniciar uma redação  - PRONTOAULA 03 - Introdução - Diversas formas de iniciar uma redação  - PRONTO
AULA 03 - Introdução - Diversas formas de iniciar uma redação - PRONTO
 
Enem competências para a redação
Enem   competências para a redaçãoEnem   competências para a redação
Enem competências para a redação
 
Gênero Textual: Conto
Gênero Textual: ContoGênero Textual: Conto
Gênero Textual: Conto
 
Compreensão e Interpretação de Textos
Compreensão e Interpretação de Textos Compreensão e Interpretação de Textos
Compreensão e Interpretação de Textos
 
Conotacao e denotacao
Conotacao e denotacaoConotacao e denotacao
Conotacao e denotacao
 
O gênero textual entrevista
O gênero textual   entrevistaO gênero textual   entrevista
O gênero textual entrevista
 
Romantismo - aula
Romantismo - aulaRomantismo - aula
Romantismo - aula
 
Linguagem verbal e não verbal
Linguagem verbal e não verbalLinguagem verbal e não verbal
Linguagem verbal e não verbal
 
Artigo de opinião slides
Artigo de opinião slidesArtigo de opinião slides
Artigo de opinião slides
 
Tipologia textual
Tipologia textualTipologia textual
Tipologia textual
 
Estrutura do-artigo-de-opinião
Estrutura do-artigo-de-opiniãoEstrutura do-artigo-de-opinião
Estrutura do-artigo-de-opinião
 
Como escrever artigos de opinião
Como escrever artigos de opiniãoComo escrever artigos de opinião
Como escrever artigos de opinião
 
Elementos da narrativa
Elementos da narrativaElementos da narrativa
Elementos da narrativa
 
Aula de redacao texto dissert.-argumentativo
Aula de redacao   texto dissert.-argumentativoAula de redacao   texto dissert.-argumentativo
Aula de redacao texto dissert.-argumentativo
 
Gêneros e tipos textuais
Gêneros e tipos textuaisGêneros e tipos textuais
Gêneros e tipos textuais
 
Características do anúncio publicitário
Características do anúncio publicitárioCaracterísticas do anúncio publicitário
Características do anúncio publicitário
 
Slides sobre reportagem
Slides sobre reportagemSlides sobre reportagem
Slides sobre reportagem
 
Anúncio publicitário e propaganda.
Anúncio publicitário e propaganda.Anúncio publicitário e propaganda.
Anúncio publicitário e propaganda.
 
Elementos da comunicação
Elementos da comunicaçãoElementos da comunicação
Elementos da comunicação
 

Destaque

Língua portuguesa conhecimentos gramaticais (1)
Língua portuguesa   conhecimentos gramaticais (1)Língua portuguesa   conhecimentos gramaticais (1)
Língua portuguesa conhecimentos gramaticais (1)
Wertevan Rodrigues
 
Exercícios Literatura (Romantismo)
Exercícios Literatura (Romantismo)Exercícios Literatura (Romantismo)
Exercícios Literatura (Romantismo)
Andriane Cursino
 
Aula 04 variacao linguistica
Aula 04   variacao linguisticaAula 04   variacao linguistica
Aula 04 variacao linguistica
Marcia Simone
 
VariaçãO LinguíStica
VariaçãO LinguíSticaVariaçãO LinguíStica
VariaçãO LinguíStica
Elza Silveira
 
Variedades Linguísticas
Variedades LinguísticasVariedades Linguísticas
Variedades Linguísticas
7 de Setembro
 
Provas 1º trim 2016 lp variações ling
Provas 1º trim 2016 lp variações lingProvas 1º trim 2016 lp variações ling
Provas 1º trim 2016 lp variações ling
Paulinha Iacks
 
Elementos da comunicação pronto
Elementos da comunicação prontoElementos da comunicação pronto
Elementos da comunicação pronto
Dali Sá
 
Lição 2 - 1EM
Lição 2 - 1EMLição 2 - 1EM
Lição 2 - 1EM
Brenda Tacchelli
 
Elementos_comunicação
Elementos_comunicaçãoElementos_comunicação
Elementos_comunicação
Isabel Moura
 
Linguagem,comunicação e interação
Linguagem,comunicação e interaçãoLinguagem,comunicação e interação
Linguagem,comunicação e interação
Laura Verri
 
Fun. da ling.
Fun. da ling.Fun. da ling.
Fun. da ling.
Roberta Savana
 
RecuperaçãO Final 2 Em
RecuperaçãO Final 2 EmRecuperaçãO Final 2 Em
RecuperaçãO Final 2 Em
Brenda Tacchelli
 
UFT 2010 objetiva
 UFT 2010 objetiva UFT 2010 objetiva
UFT 2010 objetiva
cursohistoria
 
Linguagem
LinguagemLinguagem
Linguagem
Simone Everton
 
Variação linguística
Variação linguísticaVariação linguística
Variação linguística
Nastrilhas da lingua portuguesa
 
Realismo e naturalismo
Realismo e naturalismoRealismo e naturalismo
Realismo e naturalismo
Paula Rubato
 
Realismo e Naturalismo
Realismo e NaturalismoRealismo e Naturalismo
Realismo e Naturalismo
Priscila Hilária
 
Variação linguistica textos
Variação linguistica textosVariação linguistica textos
Variação linguistica textos
Vanusia Santana
 
Variação Linguística
Variação LinguísticaVariação Linguística
Variação Linguística
Lara Montovanelli
 
Realismo-naturalismo brasileiros
Realismo-naturalismo brasileirosRealismo-naturalismo brasileiros
Realismo-naturalismo brasileiros
Walace Cestari
 

Destaque (20)

Língua portuguesa conhecimentos gramaticais (1)
Língua portuguesa   conhecimentos gramaticais (1)Língua portuguesa   conhecimentos gramaticais (1)
Língua portuguesa conhecimentos gramaticais (1)
 
Exercícios Literatura (Romantismo)
Exercícios Literatura (Romantismo)Exercícios Literatura (Romantismo)
Exercícios Literatura (Romantismo)
 
Aula 04 variacao linguistica
Aula 04   variacao linguisticaAula 04   variacao linguistica
Aula 04 variacao linguistica
 
VariaçãO LinguíStica
VariaçãO LinguíSticaVariaçãO LinguíStica
VariaçãO LinguíStica
 
Variedades Linguísticas
Variedades LinguísticasVariedades Linguísticas
Variedades Linguísticas
 
Provas 1º trim 2016 lp variações ling
Provas 1º trim 2016 lp variações lingProvas 1º trim 2016 lp variações ling
Provas 1º trim 2016 lp variações ling
 
Elementos da comunicação pronto
Elementos da comunicação prontoElementos da comunicação pronto
Elementos da comunicação pronto
 
Lição 2 - 1EM
Lição 2 - 1EMLição 2 - 1EM
Lição 2 - 1EM
 
Elementos_comunicação
Elementos_comunicaçãoElementos_comunicação
Elementos_comunicação
 
Linguagem,comunicação e interação
Linguagem,comunicação e interaçãoLinguagem,comunicação e interação
Linguagem,comunicação e interação
 
Fun. da ling.
Fun. da ling.Fun. da ling.
Fun. da ling.
 
RecuperaçãO Final 2 Em
RecuperaçãO Final 2 EmRecuperaçãO Final 2 Em
RecuperaçãO Final 2 Em
 
UFT 2010 objetiva
 UFT 2010 objetiva UFT 2010 objetiva
UFT 2010 objetiva
 
Linguagem
LinguagemLinguagem
Linguagem
 
Variação linguística
Variação linguísticaVariação linguística
Variação linguística
 
Realismo e naturalismo
Realismo e naturalismoRealismo e naturalismo
Realismo e naturalismo
 
Realismo e Naturalismo
Realismo e NaturalismoRealismo e Naturalismo
Realismo e Naturalismo
 
Variação linguistica textos
Variação linguistica textosVariação linguistica textos
Variação linguistica textos
 
Variação Linguística
Variação LinguísticaVariação Linguística
Variação Linguística
 
Realismo-naturalismo brasileiros
Realismo-naturalismo brasileirosRealismo-naturalismo brasileiros
Realismo-naturalismo brasileiros
 

Semelhante a Linguagens Rufino

Slides sobre as Funções da Linguagem.pptx
Slides sobre as Funções da Linguagem.pptxSlides sobre as Funções da Linguagem.pptx
Slides sobre as Funções da Linguagem.pptx
MauricioOliveira258223
 
Apostila português i
Apostila português iApostila português i
Apostila português i
Erick Naldimar Santos
 
Funções da Linguagem para alunos de ensino médio
Funções da Linguagem para alunos de ensino médioFunções da Linguagem para alunos de ensino médio
Funções da Linguagem para alunos de ensino médio
dasmargensaocentro
 
Lit. introd.pp prof mônic
Lit. introd.pp prof mônicLit. introd.pp prof mônic
Lit. introd.pp prof mônic
Mônica Almeida Neves
 
Funções da linguagem
Funções da linguagemFunções da linguagem
Funções da linguagem
Maria De Lourdes Ramos
 
Figuras de-linguagem
Figuras de-linguagemFiguras de-linguagem
Figuras de-linguagem
Pedro Barros
 
Funções da linguagem para o vestibular
Funções da linguagem para o vestibularFunções da linguagem para o vestibular
Funções da linguagem para o vestibular
Silene Faro
 
Funções da linguagem
Funções da linguagemFunções da linguagem
Funções da linguagem
Saide Hassan
 
A plurissignificação da linguagem literária
A plurissignificação da linguagem literáriaA plurissignificação da linguagem literária
A plurissignificação da linguagem literária
Evilane Alves
 
intertextualidade.pdf
intertextualidade.pdfintertextualidade.pdf
intertextualidade.pdf
KarlianaArruda1
 
Pet português instrumental e e geraldino r cunha
Pet português instrumental e e geraldino r cunhaPet português instrumental e e geraldino r cunha
Pet português instrumental e e geraldino r cunha
MariaLusadeJesusRodo1
 
Portugues1em
Portugues1emPortugues1em
Portugues1em
Greice Gomes
 
Português - Crônica - Verbo - Advérbio
Português - Crônica - Verbo - Advérbio Português - Crônica - Verbo - Advérbio
Português - Crônica - Verbo - Advérbio
kiimchayene
 
4. funções da linguagem
4. funções da linguagem4. funções da linguagem
4. funções da linguagem
Jackelini Muzy Vaz
 
Propaganda
PropagandaPropaganda
Propaganda
Renato Oliveira
 
funesdalinguagem-profbauru-140122181935-phpapp01.pdf
funesdalinguagem-profbauru-140122181935-phpapp01.pdffunesdalinguagem-profbauru-140122181935-phpapp01.pdf
funesdalinguagem-profbauru-140122181935-phpapp01.pdf
tatianesouza923757
 
Linguagem, Adequação da linguagem, língua e código
Linguagem, Adequação da linguagem, língua e códigoLinguagem, Adequação da linguagem, língua e código
Linguagem, Adequação da linguagem, língua e código
efcamargo1968
 
Português
PortuguêsPortuguês
Português
Bruno Jeremias
 
ComunicaçãO E ExpressãO 1
ComunicaçãO E ExpressãO 1ComunicaçãO E ExpressãO 1
ComunicaçãO E ExpressãO 1
guestf1c478
 
Textos portugues g
Textos portugues gTextos portugues g
Textos portugues g
Atividades Diversas Cláudia
 

Semelhante a Linguagens Rufino (20)

Slides sobre as Funções da Linguagem.pptx
Slides sobre as Funções da Linguagem.pptxSlides sobre as Funções da Linguagem.pptx
Slides sobre as Funções da Linguagem.pptx
 
Apostila português i
Apostila português iApostila português i
Apostila português i
 
Funções da Linguagem para alunos de ensino médio
Funções da Linguagem para alunos de ensino médioFunções da Linguagem para alunos de ensino médio
Funções da Linguagem para alunos de ensino médio
 
Lit. introd.pp prof mônic
Lit. introd.pp prof mônicLit. introd.pp prof mônic
Lit. introd.pp prof mônic
 
Funções da linguagem
Funções da linguagemFunções da linguagem
Funções da linguagem
 
Figuras de-linguagem
Figuras de-linguagemFiguras de-linguagem
Figuras de-linguagem
 
Funções da linguagem para o vestibular
Funções da linguagem para o vestibularFunções da linguagem para o vestibular
Funções da linguagem para o vestibular
 
Funções da linguagem
Funções da linguagemFunções da linguagem
Funções da linguagem
 
A plurissignificação da linguagem literária
A plurissignificação da linguagem literáriaA plurissignificação da linguagem literária
A plurissignificação da linguagem literária
 
intertextualidade.pdf
intertextualidade.pdfintertextualidade.pdf
intertextualidade.pdf
 
Pet português instrumental e e geraldino r cunha
Pet português instrumental e e geraldino r cunhaPet português instrumental e e geraldino r cunha
Pet português instrumental e e geraldino r cunha
 
Portugues1em
Portugues1emPortugues1em
Portugues1em
 
Português - Crônica - Verbo - Advérbio
Português - Crônica - Verbo - Advérbio Português - Crônica - Verbo - Advérbio
Português - Crônica - Verbo - Advérbio
 
4. funções da linguagem
4. funções da linguagem4. funções da linguagem
4. funções da linguagem
 
Propaganda
PropagandaPropaganda
Propaganda
 
funesdalinguagem-profbauru-140122181935-phpapp01.pdf
funesdalinguagem-profbauru-140122181935-phpapp01.pdffunesdalinguagem-profbauru-140122181935-phpapp01.pdf
funesdalinguagem-profbauru-140122181935-phpapp01.pdf
 
Linguagem, Adequação da linguagem, língua e código
Linguagem, Adequação da linguagem, língua e códigoLinguagem, Adequação da linguagem, língua e código
Linguagem, Adequação da linguagem, língua e código
 
Português
PortuguêsPortuguês
Português
 
ComunicaçãO E ExpressãO 1
ComunicaçãO E ExpressãO 1ComunicaçãO E ExpressãO 1
ComunicaçãO E ExpressãO 1
 
Textos portugues g
Textos portugues gTextos portugues g
Textos portugues g
 

Mais de Pré-Enem Seduc

Fisica Profº Franklin
Fisica Profº FranklinFisica Profº Franklin
Fisica Profº Franklin
Pré-Enem Seduc
 
Matematica Profº Alexsandro Kesller
Matematica Profº Alexsandro KesllerMatematica Profº Alexsandro Kesller
Matematica Profº Alexsandro Kesller
Pré-Enem Seduc
 
Geografia Profº Adriano Ramalho
Geografia Profº Adriano RamalhoGeografia Profº Adriano Ramalho
Geografia Profº Adriano Ramalho
Pré-Enem Seduc
 
Matematica Profº Wagner Filho
Matematica Profº Wagner FilhoMatematica Profº Wagner Filho
Matematica Profº Wagner Filho
Pré-Enem Seduc
 
Quimica Profº Jurandir
Quimica Profº JurandirQuimica Profº Jurandir
Quimica Profº Jurandir
Pré-Enem Seduc
 
Linguagens Profª Hildalene Pinheiro
Linguagens Profª Hildalene PinheiroLinguagens Profª Hildalene Pinheiro
Linguagens Profª Hildalene Pinheiro
Pré-Enem Seduc
 
Matematica Prof Alan Jefferson
Matematica  Prof Alan JeffersonMatematica  Prof Alan Jefferson
Matematica Prof Alan Jefferson
Pré-Enem Seduc
 
Linguagens Prof. Fernando Santos
Linguagens  Prof. Fernando SantosLinguagens  Prof. Fernando Santos
Linguagens Prof. Fernando Santos
Pré-Enem Seduc
 
Biologia ThárcioAdriano
Biologia ThárcioAdrianoBiologia ThárcioAdriano
Biologia ThárcioAdriano
Pré-Enem Seduc
 
REDAÇÃO PROFª DANNY BARRADAS
REDAÇÃO PROFª DANNY BARRADASREDAÇÃO PROFª DANNY BARRADAS
REDAÇÃO PROFª DANNY BARRADAS
Pré-Enem Seduc
 
QUÍMICA PROF. JURANDIR SOARES
QUÍMICA PROF. JURANDIR SOARESQUÍMICA PROF. JURANDIR SOARES
QUÍMICA PROF. JURANDIR SOARES
Pré-Enem Seduc
 
MATEMÁTICA PROF. ABRAÃO FLORÊNCIO
MATEMÁTICA PROF. ABRAÃO FLORÊNCIOMATEMÁTICA PROF. ABRAÃO FLORÊNCIO
MATEMÁTICA PROF. ABRAÃO FLORÊNCIO
Pré-Enem Seduc
 
LINGUAGENS - PROF. TATIANA DANTAS
LINGUAGENS - PROF. TATIANA DANTASLINGUAGENS - PROF. TATIANA DANTAS
LINGUAGENS - PROF. TATIANA DANTAS
Pré-Enem Seduc
 
GEOGRAFIA PROF. MARCELO LIMA
GEOGRAFIA PROF. MARCELO LIMAGEOGRAFIA PROF. MARCELO LIMA
GEOGRAFIA PROF. MARCELO LIMA
Pré-Enem Seduc
 
LINGUAGENS - PROF. GILSON FIGUEIREDO
LINGUAGENS - PROF. GILSON FIGUEIREDOLINGUAGENS - PROF. GILSON FIGUEIREDO
LINGUAGENS - PROF. GILSON FIGUEIREDO
Pré-Enem Seduc
 
Redação Prof. RÓGI
Redação Prof. RÓGIRedação Prof. RÓGI
Redação Prof. RÓGI
Pré-Enem Seduc
 
História PROF. DAMIÃO
História  PROF. DAMIÃOHistória  PROF. DAMIÃO
História PROF. DAMIÃO
Pré-Enem Seduc
 
Física PROF. FRANSUÉRIO QUEIROZ
Física   PROF. FRANSUÉRIO QUEIROZFísica   PROF. FRANSUÉRIO QUEIROZ
Física PROF. FRANSUÉRIO QUEIROZ
Pré-Enem Seduc
 
Matemática PROF. NETO CEARÁ
Matemática PROF. NETO CEARÁMatemática PROF. NETO CEARÁ
Matemática PROF. NETO CEARÁ
Pré-Enem Seduc
 
Redação Profª Patrícia Lima
Redação   Profª Patrícia LimaRedação   Profª Patrícia Lima
Redação Profª Patrícia Lima
Pré-Enem Seduc
 

Mais de Pré-Enem Seduc (20)

Fisica Profº Franklin
Fisica Profº FranklinFisica Profº Franklin
Fisica Profº Franklin
 
Matematica Profº Alexsandro Kesller
Matematica Profº Alexsandro KesllerMatematica Profº Alexsandro Kesller
Matematica Profº Alexsandro Kesller
 
Geografia Profº Adriano Ramalho
Geografia Profº Adriano RamalhoGeografia Profº Adriano Ramalho
Geografia Profº Adriano Ramalho
 
Matematica Profº Wagner Filho
Matematica Profº Wagner FilhoMatematica Profº Wagner Filho
Matematica Profº Wagner Filho
 
Quimica Profº Jurandir
Quimica Profº JurandirQuimica Profº Jurandir
Quimica Profº Jurandir
 
Linguagens Profª Hildalene Pinheiro
Linguagens Profª Hildalene PinheiroLinguagens Profª Hildalene Pinheiro
Linguagens Profª Hildalene Pinheiro
 
Matematica Prof Alan Jefferson
Matematica  Prof Alan JeffersonMatematica  Prof Alan Jefferson
Matematica Prof Alan Jefferson
 
Linguagens Prof. Fernando Santos
Linguagens  Prof. Fernando SantosLinguagens  Prof. Fernando Santos
Linguagens Prof. Fernando Santos
 
Biologia ThárcioAdriano
Biologia ThárcioAdrianoBiologia ThárcioAdriano
Biologia ThárcioAdriano
 
REDAÇÃO PROFª DANNY BARRADAS
REDAÇÃO PROFª DANNY BARRADASREDAÇÃO PROFª DANNY BARRADAS
REDAÇÃO PROFª DANNY BARRADAS
 
QUÍMICA PROF. JURANDIR SOARES
QUÍMICA PROF. JURANDIR SOARESQUÍMICA PROF. JURANDIR SOARES
QUÍMICA PROF. JURANDIR SOARES
 
MATEMÁTICA PROF. ABRAÃO FLORÊNCIO
MATEMÁTICA PROF. ABRAÃO FLORÊNCIOMATEMÁTICA PROF. ABRAÃO FLORÊNCIO
MATEMÁTICA PROF. ABRAÃO FLORÊNCIO
 
LINGUAGENS - PROF. TATIANA DANTAS
LINGUAGENS - PROF. TATIANA DANTASLINGUAGENS - PROF. TATIANA DANTAS
LINGUAGENS - PROF. TATIANA DANTAS
 
GEOGRAFIA PROF. MARCELO LIMA
GEOGRAFIA PROF. MARCELO LIMAGEOGRAFIA PROF. MARCELO LIMA
GEOGRAFIA PROF. MARCELO LIMA
 
LINGUAGENS - PROF. GILSON FIGUEIREDO
LINGUAGENS - PROF. GILSON FIGUEIREDOLINGUAGENS - PROF. GILSON FIGUEIREDO
LINGUAGENS - PROF. GILSON FIGUEIREDO
 
Redação Prof. RÓGI
Redação Prof. RÓGIRedação Prof. RÓGI
Redação Prof. RÓGI
 
História PROF. DAMIÃO
História  PROF. DAMIÃOHistória  PROF. DAMIÃO
História PROF. DAMIÃO
 
Física PROF. FRANSUÉRIO QUEIROZ
Física   PROF. FRANSUÉRIO QUEIROZFísica   PROF. FRANSUÉRIO QUEIROZ
Física PROF. FRANSUÉRIO QUEIROZ
 
Matemática PROF. NETO CEARÁ
Matemática PROF. NETO CEARÁMatemática PROF. NETO CEARÁ
Matemática PROF. NETO CEARÁ
 
Redação Profª Patrícia Lima
Redação   Profª Patrícia LimaRedação   Profª Patrícia Lima
Redação Profª Patrícia Lima
 

Último

Guerra de reconquista da Península ibérica
Guerra de reconquista da Península ibéricaGuerra de reconquista da Península ibérica
Guerra de reconquista da Península ibérica
felipescherner
 
Desafio matemático - multiplicação e divisão.
Desafio matemático -  multiplicação e divisão.Desafio matemático -  multiplicação e divisão.
Desafio matemático - multiplicação e divisão.
Mary Alvarenga
 
Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...
Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...
Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...
Falcão Brasil
 
Mini livro sanfona - Minha Escola Tem História.
Mini livro  sanfona - Minha Escola Tem História. Mini livro  sanfona - Minha Escola Tem História.
Mini livro sanfona - Minha Escola Tem História.
Mary Alvarenga
 
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsxOceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Luzia Gabriele
 
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
Sandra Pratas
 
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Falcão Brasil
 
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptxSlides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Introdução ao filme Divertida Mente 2 em pdf
Introdução ao filme Divertida Mente 2 em pdfIntrodução ao filme Divertida Mente 2 em pdf
Introdução ao filme Divertida Mente 2 em pdf
valdeci17
 
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdfMarinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Falcão Brasil
 
Caça-palavras - multiplicação
Caça-palavras  -  multiplicaçãoCaça-palavras  -  multiplicação
Caça-palavras - multiplicação
Mary Alvarenga
 
Estudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTA
Estudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTAEstudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTA
Estudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTA
deboracorrea21
 
Slide para aplicação da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
Slide para aplicação  da AVAL. FLUÊNCIA.pptxSlide para aplicação  da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
Slide para aplicação da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
LeilaVilasboas
 
EMOCIONES PARA TRABAJAR EN LA AREA SOCIOEMOCIONAL
EMOCIONES PARA TRABAJAR EN LA AREA SOCIOEMOCIONALEMOCIONES PARA TRABAJAR EN LA AREA SOCIOEMOCIONAL
EMOCIONES PARA TRABAJAR EN LA AREA SOCIOEMOCIONAL
JocelynNavarroBonta
 
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdfCaderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
shirleisousa9166
 
Fotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosas
Fotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosasFotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosas
Fotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosas
MariaJooSilva58
 
APA fonoaudiologia Pratica Trabalho Prontos.pptx
APA fonoaudiologia Pratica Trabalho Prontos.pptxAPA fonoaudiologia Pratica Trabalho Prontos.pptx
APA fonoaudiologia Pratica Trabalho Prontos.pptx
orquestrasinfonicaam
 
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdfUFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
Manuais Formação
 
Atividade Dias dos Pais - Meu Pai, Razão da Minha História.
Atividade Dias dos Pais -  Meu Pai, Razão da Minha História.Atividade Dias dos Pais -  Meu Pai, Razão da Minha História.
Atividade Dias dos Pais - Meu Pai, Razão da Minha História.
Mary Alvarenga
 

Último (20)

Guerra de reconquista da Península ibérica
Guerra de reconquista da Península ibéricaGuerra de reconquista da Península ibérica
Guerra de reconquista da Península ibérica
 
Desafio matemático - multiplicação e divisão.
Desafio matemático -  multiplicação e divisão.Desafio matemático -  multiplicação e divisão.
Desafio matemático - multiplicação e divisão.
 
Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...
Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...
Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...
 
Mini livro sanfona - Minha Escola Tem História.
Mini livro  sanfona - Minha Escola Tem História. Mini livro  sanfona - Minha Escola Tem História.
Mini livro sanfona - Minha Escola Tem História.
 
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsxOceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
 
RECORDANDO BONS MOMENTOS! _
RECORDANDO BONS MOMENTOS!               _RECORDANDO BONS MOMENTOS!               _
RECORDANDO BONS MOMENTOS! _
 
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
 
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
 
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptxSlides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
 
Introdução ao filme Divertida Mente 2 em pdf
Introdução ao filme Divertida Mente 2 em pdfIntrodução ao filme Divertida Mente 2 em pdf
Introdução ao filme Divertida Mente 2 em pdf
 
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdfMarinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
 
Caça-palavras - multiplicação
Caça-palavras  -  multiplicaçãoCaça-palavras  -  multiplicação
Caça-palavras - multiplicação
 
Estudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTA
Estudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTAEstudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTA
Estudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTA
 
Slide para aplicação da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
Slide para aplicação  da AVAL. FLUÊNCIA.pptxSlide para aplicação  da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
Slide para aplicação da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
 
EMOCIONES PARA TRABAJAR EN LA AREA SOCIOEMOCIONAL
EMOCIONES PARA TRABAJAR EN LA AREA SOCIOEMOCIONALEMOCIONES PARA TRABAJAR EN LA AREA SOCIOEMOCIONAL
EMOCIONES PARA TRABAJAR EN LA AREA SOCIOEMOCIONAL
 
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdfCaderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
 
Fotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosas
Fotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosasFotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosas
Fotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosas
 
APA fonoaudiologia Pratica Trabalho Prontos.pptx
APA fonoaudiologia Pratica Trabalho Prontos.pptxAPA fonoaudiologia Pratica Trabalho Prontos.pptx
APA fonoaudiologia Pratica Trabalho Prontos.pptx
 
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdfUFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
 
Atividade Dias dos Pais - Meu Pai, Razão da Minha História.
Atividade Dias dos Pais -  Meu Pai, Razão da Minha História.Atividade Dias dos Pais -  Meu Pai, Razão da Minha História.
Atividade Dias dos Pais - Meu Pai, Razão da Minha História.
 

Linguagens Rufino

  • 2. FUNÇÕES DA LINGUAGEM Ao produzir um texto você também realiza a comunicação. Nesse ato, além de querer ser compreendido, deseja que suas idéias sejam depreendidas e aceitas pelo receptor. E, para a eficácia desse processo, são precisos seis elementos:
  • 3. ELEMENTOS ESSENCIAIS DA COMUNICAÇÃO o que emite a mensagem. o que recebe a mensagem. o conjunto de informações transmitidas. a situação a que a mensagem se refere, também chamado de referente por onde a mensagem é transmitida: TV, rádio, jornal, revista, cordas vocais, ar… a combinação de signos utilizados na transmissão de uma mensagem. A comunicação só se concretizará, se o receptor souber decodificar a mensagem.
  • 4. CUIDADO COM O RUÍDO!!!! RUÍDO é qualquer perturbação na comunicação.
  • 5. Ao dar prioridade a determinado elemento da comunicação, a linguagem atinge diferentes funções, que são as FUNÇÕES DA LINGUAGEM
  • 6. Igarapé do Meio, 22.4.16 Meu amor, Recebi hoje pela manhã teu whatsapp, vou tentar ir embora amanhã, sábado. Neste exato momento estou em uma reunião de Planejamento, mas morto de saudade de ti, da Paulinha e do Pedro Henrique. Nunca dei tanta aula e assisti reunião em toda a minha vida. Entro em sala das 8 da manhã e saio sempre depois da 22 horas. Estou fatigadíssimo. Neste momento que te escrevo Dona Vanice, a diretora, está olhando pra mim. Oh! Meu Deus! Que reunião chata! Já estou farto! Fiquei contente em saber que todos estão bem. Beija os meninos por mim e receba um beijo meu com toda a saudade e o carinho do teu Rufino”.Também chamada de EXPRESSIVA passa para o texto marcas de atitudes pessoais como emoções, opiniões, avaliações. Na função expressiva, o emissor ou destinador é o produtor da mensagem. O produtor mostra que está presente no texto mostrando aos olhos de todos seus pensamentos.
  • 8. FUNÇÃO REFERENCIAL Também chamada de DENOTATIVA ou INFORMATIVA, é quando o objetivo é passar uma informação objetivas e impessoal no texto. É valorizado o objeto ou a situação de que se trata a mensagem sem manifestações pessoais ou persuasivas. Polícia prende 155 cabras e leva todas de camburão para a delegacia Devastaram plantação de tomate e milho de um argentino. Verdadeiro dono não apareceu para pagar fiança. MENDOZA, Argentina – O agricultor Antonio Vergel decidiu colher alguns dos tomates e milhos que cultiva em seu sítio em Mendoza, na Argentina e, quando pôs os olhos na plantação, seu coração gelou: uma quantidade inacreditável de cabras devorava tudo o que via pela frente. Depois de tentar sem sucesso espantar a horda de invasores, Vergel ligou para a delegacia, segundo foi publicado no site argentino Infobae. “Eram dez e pouco da manhã e o homem, alucinado, nos contava sua tragédia. Fomos ao local com um caminhão preparado para o transporte de animais, mas chegando lá vimos que eram realmente muitas”, declarou um dos policiais ao Los Andes online. Uma a uma, elas eram colocadas no caminhão na condição de presas. Foram encaminhadas a um centro de detenção de animais da polícia em Los Corralitos. Na mesma tarde, pelo menos três pessoas apareceram dizendo ser as proprietárias do rebanho. A polícia afirmou que não vai ser assim tão fácil tirar a bicharada da cadeia. Elas foram enquadradas no código 114 do Código Penal argentino, e o verdadeiro dono das cabras vai ter que pagar uma nota para libertá-las. Sem falar nos tomates e milhos do agricultor inconformado. (Disponível em: g1.globo.com/planeta-bizarro
  • 9. FUNÇÃO REFERENCIAL NA LINGUAGEM NÃO VERBAL
  • 10. FUNÇÃO POÉTICA E usada para despertar as emoções a partir da surpresa e do prazer estético. É elaborada de forma imprevista e inovadora, com uso de uma linguagem predominantemente conotativa. A Rosa de Hiroshima
  • 11. FUNÇÃO POÉTICA NA LINGUAGEM NÃO VERBAL
  • 12. FUNÇÃO CONATIVA É quando a mensagem do texto busca seduzir, envolver o leitor levando-o a adotar um determinado comportamento. Na função conativa a presença do receptor está marcada sempre por pronomes de tratamento ou da segunda pessoa e pelo uso do imperativo e do vocativo. E se a gente levasse a vida com mais humor? Talvez, a gente descobrisse Um jeito mais leve de Se relacionar com quem está à nossa volta. Reparando menos em chatices E mais nos pequenos prazeres. Abrindo um pouco o sorriso – Nem que seja pra rir de si mesmo. Espalhe seu humor por aí, Divida uma risada com alguém.
  • 13. FUNÇÃO CONATIVA EM LINGUAGEM NÃO VERBAL CAMPANHAS PUBLICITÁRIAS DE CONSUMO E EDUCATIVAS
  • 14. FUNÇÃO FÁTICA Leia o diálogo a seguir. – Não. Tem certeza de que nós fomos colegas? – Tenho. – Que engraçado. Eu não… Olha: desculpe, viu? – O que é isso? Acontece. – Esse café. Será que a gente pode… – Claro. Fica pra outra vez. – Desculpe, hein? Cabeça, a minha. – Tudo bem. – Então… Tchau. – Ana Beatriz… – Ahn? – E se eu dissesse que meu nome é Martins? – Mas não é. (VERISSIMO, Luis Fernando. O melhor das comédias da vida privada. Rio de Janeiro: Objetiva: 2004.p.84.) É o canal por onde a mensagem caminha de quem a escreve para quem a recebe. Também designa algumas formas que se usa para chamar atenção.
  • 16. FUNÇÃO FÁTICA NA LINGUAGEM VERBAL E NÃO VERBAL
  • 17. FUNÇÃO METALINGUÍSTICA É quando a linguagem fala de si própria. Predominam em análises literárias, interpretações e críticas diversas. Verbete: Pneumoultramicroscopicossilicovulcanoconiótico Substantivo Feminino Rubrica: pneumologia. Doença pulmonar (pneumoconiose) aguda causada pela aspiração de cinzas vulcânicas. Dicionário, o mestre da Metalinguagem
  • 18. O Auto-retrato No retrato que me faço – traço a traço – às vezes me pinto nuvem, às vezes me pinto árvore… às vezes me pinto coisas de que nem há mais lembrança… ou coisas que não existem mas que um dia existirão… e, desta lida, em que busco – pouco a pouco – minha eterna semelhança, no final, que restará? Um desenho de criança… Terminado por um louco! (Mário Quintana) AUTORRETRATO DE VELASQUÉZ
  • 19. METALINGUÍSTICA NA LINGUAGEM VERBAL E NÃO VERBAL FILME SOBRE O CINEMA NAS TIRINHAS
  • 20. QUESTÕES DE ENEM Questão 1 Funções da linguagem são recursos de ênfase que atuam segundo a intenção do produtor da mensagem, cada qual abordando um diferente elemento da comunicação. Um texto pode apresentar mais de uma função, contudo há sempre uma que predomina. O texto a seguir consiste em um gênero textual, o qual é bastante comum em nossos dias: anúncio publicitário. Com base nesse gênero e no assunto sobre as funções de linguagem, analise as afirmativas. I – A função apresentada é a poética, pois se centra na mensagem e em como ela é transmitida, e em razão disso, o anúncio possui algumas figuras de linguagem. II – A função conativa é bem própria do gênero textual que foi apresentado. III – Os verbos no imperativo são frequentes nos anúncios e conferem mais brevidade e impacto à mensagem que se deseja transmitir. IV – O anúncio publicitário apresentado proporciona uma reflexão sobre o papel do cidadão em práticas de maus tratos aos animais. V – Os verbos no imperativo, característicos da função referencial, não interferem na leitura do anúncio, uma vez que o uso deles se trata de uma questão meramente estilística.
  • 21. Está(ão) correta(s) a(s) afirmativa(s): A) I. B) II e III. C) II, III e IV. D) III, IV e V. E) I e II. Questão 2 Leia os textos 1 e 2 para resolver a questão. Texto 1 O poder do e-mail Um homem deixou as ruas cheias de São Paulo para tirar férias em Salvador. Sua esposa estava viajando a negócios e planejava encontrá-lo no dia seguinte. Quando chegou ao hotel, resolveu mandar um e-mail para sua mulher. Como não achou o papelzinho em que tinha anotado o endereço eletrônico dela, tirou da memória o que lembrava e torceu para que estivesse certo. Infelizmente, ele errou uma letra, e a mensagem foi para uma senhora, cujo marido havia morrido no dia anterior. Quando ela foi checar os seus e-mails, desmaiou. Ao ouvir o grito, sua família correu para o quarto e leu o seguinte, na tela do monitor. “Querida, acabei de chegar. Foi uma longa viagem. Apesar de só estar aqui há poucas horas, já estou gostando muito. Falei aqui com o pessoal e está tudo preparado para sua chegada amanhã. Tenho certeza que você também vai gostar… Beijos do seu eterno e amoroso marido. P.S.: Está fazendo um calor infernal aqui”. (Revista Língua Portuguesa, Ano 3, no 42, Abril de 2009,Editora Segmento, São Paulo, p.10) GABARITO : C
  • 22. Texto 2 Após comparar os dois textos, é correto dizer que: A) o texto 1 apresenta a linguagem padrão, com se observa nas expressões “encontrá-lo”, “uma senhora, cujo marido”; e os quadrinhos linguagem coloquial de teor metalingüístico. B) o referente usado na carta “e-mail” e na conversa do sobrinho com o tio é igual. C) nos textos percebemos símbolos linguísticos utilizados na comunicação escrita, como P.S no texto 1 e :.), no 2. D) a função fática, que tem por finalidade abrir, manter e fechar o canal de comunicação, permeia-se por ambos os textos. E) a comunicação processou-se pelo mesmo meio de comunicação e pela mesma maneira. Disponível em: <http://www.digestivocultural.com/blog/imagens/2238-1.jpg> Acesso em: 08 mar.2012.) GABARITO: A
  • 23. Questão 3 O estudo dos gêneros não é novo, mas está na moda. O estudo dos gêneros textuais não é novo e, no Ocidente, já tem pelo menos vinte e cinco séculos, se considerarmos que sua observação sistemática iniciou-se com Platão. O que hoje se tem é uma nova visão do mesmo tema. Seria gritante ingenuidade histórica imaginar que foi nos últimos decênios do século XX que se descobriu e iniciou o estudo dos gêneros textuais. Portanto, uma dificuldade natural no tratamento desse tema acha-se na abundância e diversidade das fontes e perspectivas de análise. Não é possível realizar aqui um levantamento sequer das perspectivas teóricas atuais. O termo “gênero” esteve, na tradição ocidental, especialmente ligada aos gêneros literários, cuja análise se inicia com Platão para se firmar com Aristóteles, passando por Horácio e Quintiliano, pela Idade Média, o Renascimento e a Modernidade, até os primórdios do século XX. Atualmente, a noção de gênero textual já não mais se vincula apenas à literatura, mas é usada em etnografia, sociologia, antropologia, retórica e na linguística. (MARCUSCHI, Luiz Antônio. Produção textual, análise de gêneros e compreensão. São Paulo: Parábola, 2008, p.147.) A análise das características gerais do Texto revela que: 1) ele tem uma função predominantemente fática; nele prevalecem a descrição e a utilização de uma linguagem formal, que está adequada ao gênero em que o texto se realiza. 2) sua função é prioritariamente referencial, embora no início do segundo parágrafo se evidencie um trecho metalingüístico; do ponto de vista tipológico, é caracteristicamente expositivo. 3) nele, podem-se encontrar algumas marcas da oralidade informal; por outro lado, sua linguagem é eminentemente conotativa e, embora seja descritivo, apresenta vários trechos injuntivos. 4) ele é um texto típico da linguagem escrita formal, que apresenta um vocabulário específico, embora numa formulação simples; cumpre uma função informativa e está elaborado conforme a norma padrão da nossa língua. Estão corretas apenas: A) 1 e 2 B) 2 e 3 C) 3 e 4 D) 1 e 3 E) 2 e 4 GABARITO: E
  • 24. Questão 4 Leia os textos que se seguem e, em seguida, indique as funções de linguagem possíveis para cada texto, respectivamente. TEXTO 01 A Assembleia Legislativa de Goiás continua mantendo sigilo sobre gastos de viagens feitas pelos deputados estaduais em 2007 e 2008. O presidente Helder Valin (PSDB) diz que os dados devem ser revelados pelo ex-presidente Jardel Sebba (PSDB), que alega não ter mais acesso às informações. Dos 41 deputados, 17 confirmaram ao POPULAR ter feito viagens. (O Popular, 23/04/2009) TEXTO 02 Li, com extrema indignação, a reportagem do POPULAR de terça feira, sobre o mapa da prostituição em Goiás. Os 582 pontos em todo Estado são uma verdadeira declaração de miséria, levando-se em conta a baixa idade das garotas. O pior é que já banalizou-se diante dos nossos olhos, muita gente graúda vê e nada é feito. No âmbito federal levantamentos foram feitos pelas autoridades e o resultado também é alarmante. [...] Até quando tanta miséria e pobreza condenarão nossas crianças e adolescentes a extremos atos de desespero e imoralidade? (O Popular, carta do leitor, 23/04/2009) TEXTO 03 – Pois é! – Não é? – Então! – É! – Falou! – Falou e disse! A) Fática, emotiva e referencial B) Poética, emotiva e conativa C) Metalingüística, emotiva e apelativa D) Referencial, emotiva e fática E) Informativa, metalingüística e fática GABARITO: D
  • 25. Questão 5 Considerando-se o contexto apresentado na imagem, verifica-se que as tecnologias da informação e a função de linguagem exposta A) Servem para promover a imagem de artistas e personalidades, dando-lhes maior visibilidade e apelação ao receptor. B) São utilizadas por empresas para captar clientes, ampliando a venda de produtos e serviços, portanto são propagandísticos C) Aumentam a exposição de crianças e adolescentes a situações de risco, devendo ser evitadas até mesmo em cartazes D) Causam a falsa impressão de que a violência sexual contra a criança e o adolescente só acontece em casa e por isso é um gênero textual sem função E) Ampliam o alcance e a disseminação da informação, funcionando como importante ferramenta contra a violência pelo teor persuasivo existente GABARITO: E
  • 26. Questão 6 Anjo no nome. Angélica na cara, Isso é ser flor e anjo juntamente, Ser Angélica flor e anjo florente, Em quem, senão em vós se uniformara? Quem veria uma flor, que a não cortara De verde pé, de rama florescente? E quem um Anjo vira tão luzente, Que por seu Deus, o não idolatrara? Se como Anjo sois dos meus altares, Fôreis o meu custódio, e minha guarda, Livrara eu de diabólicos azares. Mas vejo, que tão bela, e tão galharda, Posto que Anjos nunca dão pesares, Sois Anjo, que me tenta, e não me guarda. MATOS, Gregório de. Antologia poética. Rio de Janeiro: José Aguilar No poema exposto de Gregório de Matos, predomina a função da linguagem A) Fática, pois o autor procura testar o canal da comunicação. B) Apelativa, porque há um forte caráter persuasivo na mensagem. C) Poética, pois chama a atenção para a elaboração estética do texto. D) Referencial, pois há ênfase nas informações apresentadas acerca da realidade. E) Metalinguística, já que a mensagem está centrada no próprio código linguístico do poeta. GABARITO: C

Notas do Editor

  1. FUNÇÕES DA LINGUAGEM
  2. ELEMENTOSD DA COMUNICAÇÃO
  3. CUIDADO COM O RUÍDO!!!!
  4. FUNÇÃO EMOTIVA NÃO VERBAL
  5. FUNÇÃO REFERENCIAL
  6. FUNÇÃO REFERENCIAL NA LINGUAGEM NÃO VERBAL
  7. A Rosa de Hiroshima
  8. FUNÇÃO POÉTICA NA LINGUAGEM NÃO VERBAL
  9. FUNÇÃO CONATIVA
  10. CAMPANHAS PUBLICITÁRIAS DE CONSUMO E EDUCATIVAS
  11. FUNÇÃO FÁTICA
  12. FUNÇÃO FÁTICA NA LINGUAGEM VERBAL E NÃO VERBAL
  13. Dicionário, o mestre da Metalinguagem
  14. QUESTÕES DE ENEM
  15. Texto 2