SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 4
EXERCÍCIOS ROMANTISMO
1. (Ufpe 2012) Considere as afirmações abaixo
a respeito da produção literária brasileira que
prosperou na
primeira metade do século XIX.
( ) No Brasil, o Romantismo desenvolveu-se
após a Independência. Na Europa, com o
ressuscitar do passado, o nativismo explorou
figuras e cenas medievais; em nosso país, com
o indianismo romanceando as origens
nacionais, o mundo indígena foi enfocado com
heróis baseados em personagens e ações reais.
( ) José de Alencar, na prosa, criou uma galeria
de heróis indígenas que se submetiam
voluntariamente ao colonizador. Por exemplo,
em O Guarani, Peri é escravo de Ceci e
converte-se ao cristianismo, sendo batizado.
Em Iracema, a personagem título se submete
ao branco Martim, entrega que implica
sacrifício e abandono de sua tribo de origem.
( ) Em Ubirajara, narrativa que enfoca uma fase
anterior à colonização, Alencar despertou para
a falsidade da idílica submissão dos colonizados
aos colonizadores, escrevendo: “Foi depois da
colonização que os portugueses, assaltando os
índios como a feras e caçando-os a dente de
cão, ensinaram-lhe a traição que eles não
conheciam”.
( ) Gonçalves Dias, que representa o Indianismo
na poesia, já nos Primeiros Cantos, tem a
consciência do destino atroz que aguardava os
tupis com a conquista portuguesa. Na fala do
xamã, as predições são assustadoras: “Manitós
já fugiram da Taba/ ó desgraça! ó ruína! ó
Tupã!”
( ) Gonçalves Dias lamentou a sorte do Novo
Mundo, com sua gente vencida e suas terras
profanadas. Além do mais, o escritor
maranhense, diferentemente de Alencar, dá
voz ao nativo: “Chame-lhe progresso, quem do
extermínio secular se ufana/ Eu, modesto
cantor do povo extinto, /Chorarei os
vastíssimos sepulcros”.
TEXTO PARA A PRÓXIMA QUESTÃO:
TEXTO VI
ADORMECIDA
Uma noite, eu me lembro... Ela dormia
Numa rede encostada molemente...
Quase aberto o roupão... solto o cabelo
E o pé descalço do tapete rente.
‘Stava aberta a janela. Um cheiro agreste
Exalavam as silvas da campina...
E ao longe, num pedaço do horizonte,
Via-se a noite plácida e divina.
De um jasmineiro os galhos encurvados,
Indiscretos entravam pela sala,
E de leve oscilando ao tom das auras,
Iam na face trêmulos — beijá-la.
Era um quadro celeste!... A cada afago
Mesmo em sonhos a moça estremecia...
Quando ela serenava... a flor beijava-a...
Quando ela ia beijar-lhe... a flor fugia...
Dir-se-ia que naquele doce instante
Brincavam duas cândidas crianças...
A brisa, que agitava as folhas verdes.
Fazia-lhe ondear as negras tranças!
E o ramo ora chegava ora afastava-se...
Mas quando a via despeitada a meio.
P’ra não zangá-la... sacudia alegre
Uma chuva de pétalas no seio...
Eu, fitando a cena, repetia
Naquela noite lânguida e sentida:
“Ó flor! – tu és a virgem das campinas!
“Virgem! — tu és a flor da minha vida!...”
CASTRO ALVES. Espumas flutuantes. In Obra
compIeta Rio de Janeiro: Nova Aguar, 1986. p. 124-
125.
2. (Uff 2012) Assinale a alternativa
INCORRETA em relação à análise do poema de
Castro Alves (Texto VI).
a) A valorização de elementos da natureza confere
sentidos particulares ao poema e indicia sua
identificação com propostas estéticas do
Romantismo.
b) O poema se organiza a partir de um episódio
registrado pela memória do sujeito lírico, o que
amplia a subjetividade romântica presente em seu
discurso.
c) O poema se constitui, principalmente, como
descrição de uma cena, repleta de elementos
românticos, configurando-se de forma plástica e
visual.
d) O poema é percorrido por um tom melancólico,
próprio do Romantismo, empregado pelo poeta
para expressar a frustração amorosa do eu lírico.
e) O ambiente noturno, privilegiado pelos poetas
românticos, contribui, no poema, para o
estabelecimento de uma atmosfera de sonho, de
calma e de desejo.
TEXTO PARA AS PRÓXIMAS QUESTÕES:
A última romântica
Cigarros, isqueiros, copos com drinques
coloridos, garrafas vazias - de vodca, do licor de coco
Malibu... Às flores, velas, retratos e mensagens de
praxe os fãs acrescentaram em frente à casa de Amy
Winehouse esses objetos que dão prazer, podem
viciar e fazem mal à saúde. Para além da
homenagem, era uma forma de participar do
universo de excessos da cantora.
É curioso o apelo de Amy num mundo
conservador, cada vez mais antitabagista e alerta
para os riscos das drogas - um mundo onde vamos
sendo ensinados a comprar produtos sem gordura
trans e onde até as garotas de esquerda consomem
horas dentro da academia.
Numa época em que as pessoas são
estimuladas a abdicar de certos prazeres na
expectativa de durar bastante, simplesmente para
durar, Winehouse fez o roteiro oposto - intenso,
autodestrutivo, suicida.
Sob o aspecto clínico, era uma viciada grave,
necessitando desesperadamente da ajuda que
insistia em recusar. Uma de suas canções mais
famosas trata exatamente disso.
Amy foi presa fácil do jornalismo de
celebridades, voltado à escandalização da intimidade
dos famosos (quanto pior, melhor). Foi também,
num tempo improvável, a herdeira de Janis Joplin,
morta aos 27 em 1970, e de Billie Holiday, morta aos
44, em 1959, ambas por overdose.
Como suas antecessoras, Amy leva ao
extremo o éthos romântico - do artista que vive em
conflito permanente e se rebela contra o curso
prosaico e besta do mundo. Na sua figura
atormentada e em constante desajuste, o autoflagelo
quase sempre se confunde com o ódio às coisas que
funcionam. Numa cultura inteiramente colonizada
pelo dinheiro e que convida à idolatria, fazer sucesso
parecia uma espécie de vexame e de vileza, o
supremo fiasco existencial, contra o qual era preciso
se resguardar.
Nisso Amy evoca os gênios do romantismo
tardio - Lautréamont, Rimbaud e outros poetas do
inferno humano, que tinham plena consciência da
vergonha de dar certo.
(SILVA, Fernando de Barros e. Folha de São Paulo,
26/07/2011)
3. (Insper 2012) A relação entre o título e as
ideias expostas nesse artigo evidenciam que o
autor
a) pretende mobilizar os jovens de maneira que eles
passem a incorporar hábitos saudáveis em seu
cotidiano.
b) considera que a cantora Amy Winehouse
encarnava uma personagem exótica apenas para
conquistar a fama.
c) propõe que a morte de Amy Winehouse deva
servir de alerta às celebridades que adotam estilo
de vida destrutivo.
d) tenciona estimular a criação de campanhas que
combatam o tabagismo, o alcoolismo e o uso de
entorpecentes.
e) constata que as atitudes autodestrutivas não são
exclusivas de artistas do mundo contemporâneo.
4. (Insper 2012) Considere esta definição:
Pressupostos são conteúdos implícitos que decorrem
de uma palavra ou expressão presente no ato de fala
produzido. O pressuposto é indiscutível tanto para o
falante quanto para o ouvinte, pois decorre,
necessariamente, de um marcador linguístico,
diferentemente de outros implícitos (os
subentendidos), que dependem do contexto, da
situação de comunicação.
(Adaptado de FIORIN, J. L. O dito pelo não dito. In:
Língua Portuguesa, ano I, n. 6, 2006. p. 36-37.)
A passagem do texto "A última romântica" em
que a palavra sublinhada instaura um
pressuposto é
a) “... esses objetos que dão prazer, podem viciar e
fazem mal à saúde.”
b) “... era uma forma de participar do universo de
excessos da cantora.”
c) “... onde até as garotas de esquerda consomem
horas dentro da academia.”
d) “Sob o aspecto clínico, era uma viciada grave...”
e) “Como suas antecessoras, Amy leva ao extremo o
éthos romântico...”
5. (Ufsc 2011) O cristão repeliu do seio a virgem
indiana. Ele não deixará o rasto da desgraça na
cabana hospedeira. Cerra os olhos para não ver, e
enche sua alma com o nome e a veneração de seu
Deus: – Cristo!... Cristo!... Volta a serenidade ao seio
do guerreiro branco, mas todas as vezes que seu
olhar pousa sobre a virgem tabajara, ele sente
correr-lhe pelas veias uma onda de ardente chama.
Assim quando a criança imprudente revolve o brasido
de intenso fogo, saltam as faúlhas inflamadas que
lhe queimam as faces. [...] Abriram-se os braços do
guerreiro adormecido e seus lábios; o nome da
virgem ressoou docemente. A juruti, que divaga pela
floresta, ouve o terno
arrulho do companheiro; bate as asas, e voa a
conchegar-se ao tépido ninho. Assim a virgem do
sertão aninhou-se nos braços do guerreiro. Quando
veio a manhã, ainda achou Iracema ali
debruçada qual borboleta que dormiu no seio do
formoso cacto. Em seu lindo semblante acendia o
pejo vivos rubores; e como entre os arrebóis da
manhã cintila o primeiro raio do sol, em suas faces
incendidas rutilava o primeiro sorriso da esposa,
aurora de fruído amor. [...] As águas do rio
banharam o corpo casto da recente esposa. Tupã já
não tinha sua virgem na terra dos tabajaras.
ALENCAR, J. de. Iracema. São Paulo: Núcleo, 1993.
p. 39-41.
A partir da leitura do texto acima e do romance
Iracema, e considerando o contexto do
Romantismo brasileiro, assinale a(s)
proposição(ões) correta(s).
01) Ao seduzir e possuir Iracema, Martim está
consciente dos seus atos, e isso constitui traição
tanto aos seus valores cristãos quanto à
hospitalidade de Araquém. Quebra-se aqui,
portanto, uma importante característica do
Romantismo, a idealização do herói, que jamais
comete ações vis.
02) Em Iracema, os elementos humanos e naturais
não se mesclam. Nas descrições que faz de
Iracema, por exemplo, Alencar evita compará-la
a seres da natureza, pois isso seria contrário ao
princípio romântico de valorização de uma
natureza pura, não contaminada pela presença
humana.
04) A adjetivação abundante (“ardente chama”;
“intenso fogo”; “tépido ninho”; “vivos rubores”) é
uma importante característica da prosa
romântica, que será mais tarde evitada por
escritores realistas.
08) Ao entregar-se a Martim, Iracema deixa de ser
virgem e, portanto, não poderia mais ser a
guardiã do segredo da jurema; ainda assim
continua a sê-lo, só deixando de preparar e servir
a bebida quando Caubi descobre sua gravidez e a
expulsa da tribo.
16) Entre as várias manifestações do nacionalismo
romântico presentes em Iracema, está o desejo
de mostrar o povo brasileiro como híbrido,
constituído pela fusão das raças negra, indígena
e branca.
32) Além de indianista, Iracema é também um
romance histórico; serve assim duplamente ao
projeto nacionalista da literatura romântica
brasileira.
6. (Ifsp 2011) Leia o poema de Francisco
Otaviano.
Ilusões da Vida
Quem passou pela vida em branca nuvem,
E em plácido repouso adormeceu;
Quem não sentiu o frio da desgraça,
Quem passou pela vida e não sofreu;
Foi espectro de homem, não foi homem,
Só passou pela vida, não viveu.
(SECCHIN, Antonio Carlos. Roteiro da poesia
brasileira – Romantismo. São Paulo: Global,
2007.)
Este poema pertence à estética romântica
porque
a) sugere que o leitor, para ser feliz, viva alienado e
distante da realidade.
b) são explícitas as referências a alguns cânones do
Catolicismo.
c) expõe os problemas sociais que afetavam a
sociedade da época.
d) nele se percebe a vassalagem amorosa, isto é, a
submissão do homem em relação à mulher.
e) sugere que é importante viver, de forma intensa e
profunda, as experiências da existência humana.
7. (Unb 2011) I-Juca Pirama
Gonçalves Dias
Meu canto de morte,
Guerreiros, ouvi:
Sou filho das selvas,
Nas selvas cresci;
Guerreiros, descendo
Da tribo Tupi.
Da tribo pujante,
Que agora anda errante
Por fado inconstante,
Guerreiros, nasci;
Sou bravo, sou forte,
Sou filho do Norte;
Meu canto de morte,
Guerreiros, ouvi.
Aos golpes do imigo,
Meu último amigo,
Sem lar, sem abrigo
Caiu junto a mi!
Com plácido rosto,
Sereno e composto,
O acerbo desgosto
Comigo sofri.
Meu pai a meu lado
Já cego e quebrado,
De penas ralado,
Firmava-se em mi:
Nós ambos, mesquinhos,
Por ínvios caminhos,
Cobertos d’espinhos
Chegamos aqui!
Eu era o seu guia
Na noite sombria,
A só alegria
Que Deus lhe deixou:
Em mim se apoiava,
Em mim se firmava,
Em mim descansava,
Que filho lhe sou.
Ao velho coitado
De penas ralado,
Já cego e quebrado,
Que resta? — Morrer.
Enquanto descreve
O giro tão breve
Da vida que teve,
Deixai-me viver!
Não vil, não ignavo,
Mas forte, mas bravo,
Serei vosso escravo:
Aqui virei ter.
Guerreiros, não coro
Do pranto que choro:
Se a vida deploro,
Também sei morrer.
A partir do trecho apresentado, extraído do
clássico poema do indianismo brasileiro I-
Juca Pirama, julgue os itens a seguir.
a) No contexto da literatura brasileira do século XIX,
era incomum o recurso a protagonistas ameríndios
em poemas épicos e romances. Especialmente os
autores que se filiavam ao romantismo tenderam a
dar destaque, nos seus textos a heróis de
proveniência europeia, como forma de rejeitar o
projeto de uma identidade brasileira, bem como de
restaurar os laços com a cultura europeia, que
haviam sido cortados desde a independência.
b) O refrão do poema — “Meu canto de morte,/
Guerreiros, ouvi” — remete ao passado do
personagem épico I-Juca Pirama, como indica o
emprego da forma verbal “ouvi”, flexionada no
pretérito do indicativo.
c) Ao utilizar como recurso de composição a
narrativa em primeira pessoa do singular, o autor
potencializa o apelo romântico do texto, fazendo
que o drama do personagem Tupi seja sublinhado
pela perspectiva íntima, a partir da qual os fatos
são apresentados.
d) Para conferir dramaticidade ao momento de
tensão em que o índio Tupi se apresenta à tribo
que o aprisionou, o poeta utiliza esquema métrico
e rítmico ágil, destacando-se a redondilha maior e
as rimas cruzadas.
e) O índio, nesse poema de Gonçalves Dias e nas
demais obras do indianismo romântico brasileiro, é
representado segundo técnica literária realista, por
meio da qual se pretende revelar o índio como
legítimo dono das terras e da identidade cultural
do país.
f) Verifica-se, nas últimas estrofes apresentadas, que
o grande temor do personagem narrador é a
morte, apesar de a desdita que a vida reservou a
ele e a seu pai ser apresentada em forma de
lamento.
g) O movimento romântico brasileiro, do qual o
poema I-Juca Pirama é produção exemplar,
procurou estabelecer as bases literárias da
identidade cultural brasileira, objetivando a
superação do cosmopolitismo expresso pela
estética neoclássica, característica do Arcadismo.
h) Autores do modernismo brasileiro retomaram o
tema do índio moralmente forte como símbolo da
nação, como se pode verificar na obra Macunaíma,
de Mário de Andrade.
“Onde estás”
1 É meia-noite... e rugindo
2 Passa triste a ventania,
3 Como um verbo de desgraça,
4 Como um grito de agonia.
5 E eu digo ao vento, que passa
6 Por meus cabelos fugaz:
7 “Vento frio do deserto,
8 Onde ela está? Longe ou perto?”
9 Mas, como um hálito incerto,
10 Responde-me o eco ao longe:
11 “Oh! minh’amante, onde estás?...”
12 Vem! É tarde! Por que tardas?
13 São horas de brando sono,
14 Vem reclinar-te em meu peito
15 Com teu lânguido abandono!...
16 ’Stá vazio nosso leito...
17 ’Stá vazio o mundo inteiro;
18 E tu não queres qu’eu fique
19 Solitário nesta vida...
20 Mas por que tardas, querida?...
21 Já tenho esperado assaz...
22 Vem depressa, que eu deliro
23 Oh! minh’amante, onde estás?...
24 Estrela – na tempestade,
25 Rosa – nos ermos da vida,
26 Íris – do náufrago errante,
27 Ilusão – d’alma descrida!
28 Tu foste, mulher formosa!
29 Tu foste, ó filha do céu!...
30 ... E hoje que o meu passado
31 Para sempre morto jaz...
32 Vendo finda a minha sorte,
33 Pergunto aos ventos do Norte...
34 “Oh! minh’amante, onde estás?”
(CASTRO ALVES, A. F. Espumas flutuantes. São
Paulo: Companhia Editora Nacional, 2005. p. 84-
85.)
8. (Uel 2011) Sobre a relação entre o poema e
a obra Espumas flutuantes, considere as
afirmativas a seguir.
I. Idealização da mulher amada e demonstração
emotiva são modos de expressão típicos do poeta,
inscrito no Romantismo brasileiro.
II. É um poema à parte de Espumas flutuantes, pois
a idealização da mulher é tema fortuito na obra de
Castro Alves.
III. O uso abundante de interrogações, exclamações
e reticências fortalece seu teor sentimental,
marca típica do Romantismo.
IV. Nos versos 16 e 17, o eu-lírico estende seu olhar
sentimental, indo do espaço mínimo ao espaço
máximo, a fim de expor sua imensa saudade.
Assinale a alternativa correta.
a) Somente as afirmativas I e II são corretas.
b) Somente as afirmativas II e IV são corretas.
c) Somente as afirmativas III e IV são corretas.
d) Somente as afirmativas I, II e III são corretas.
e) Somente as afirmativas I, III e IV são corretas.
TEXTO PARA A PRÓXIMA QUESTÃO:
Texto
O “Adeus” de Teresa
A vez primeira que eu fitei Teresa,
Como as plantas que arrasta a correnteza,
A valsa nos levou nos giros seus...
E amamos juntos... E depois na sala
“Adeus” eu disse-lhe a tremer co’a fala...
E ela, corando, murmurou-me: “adeus.”
Uma noite... entreabriu-se um reposteiro...
E da alcova saía um cavaleiro
Inda beijando uma mulher sem véus...
Era eu... Era a pálida Teresa!
“Adeus” lhe disse conservando-a presa...
E ela entre beijos murmurou-me: “adeus!”
Passaram tempos... séc’los de delírio
Prazeres divinais... gozos do Empíreo...
... Mas um dia volvi aos lares meus.
Partindo eu disse – “Voltarei!... descansa!...”
Ela, chorando mais que uma criança,
Ela em soluços murmurou-me: “adeus!”
Quando voltei... era o palácio em festa!...
E a voz d’Ela e de um homem lá na orquestra
Preenchiam de amor o azul dos céus.
Entrei!... Ela me olhou branca... surpresa!
Foi a última vez que eu vi Teresa!...
E ela arquejando murmurou-me: “adeus!”
(CASTRO ALVES, Antonio Frederico. Espumas
flutuantes. São Paulo: Companhia Editora
Nacional, 2005. p. 51.)
9. (Uel 2011) Sobre características do estilo de
Castro Alves presentes no poema, considere
as afirmativas a seguir.
I. Presença de uma visão erotizada do amor e da
mulher.
II. Abandono do tom aclamatório presente nos
poemas sobre os escravos.
III. Confirma sua inserção na segunda geração do
Romantismo.
IV. Revela influência do sentimentalismo amoroso
adulto.
Assinale a alternativa correta.
a) Somente as afirmativas I e IV são corretas.
b) Somente as afirmativas II e III são corretas.
c) Somente as afirmativas III e IV são corretas.
d) Somente as afirmativas I, II e III são corretas.
e) Somente as afirmativas I, II e IV são corretas.
http://euqueropassarnovestibular.blogspot.com.br/
2012/07/exercicios-de-romantismo-para-o-
enem_29.html

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

LÍNGUA PORTUGUESA | 2ª SÉRIE | HABILIDADE DA BNCC - (EM13LP06)
LÍNGUA PORTUGUESA | 2ª SÉRIE | HABILIDADE DA BNCC - (EM13LP06)LÍNGUA PORTUGUESA | 2ª SÉRIE | HABILIDADE DA BNCC - (EM13LP06)
LÍNGUA PORTUGUESA | 2ª SÉRIE | HABILIDADE DA BNCC - (EM13LP06)GernciadeProduodeMat
 
Slide introdução à literatura
Slide introdução à literaturaSlide introdução à literatura
Slide introdução à literaturafabrinnem
 
6º ano E. F. II - O Gênero Entrevista
6º ano E. F. II - O Gênero Entrevista6º ano E. F. II - O Gênero Entrevista
6º ano E. F. II - O Gênero EntrevistaAngélica Manenti
 
Romantismo Brasileiro - poesia e prosa
Romantismo Brasileiro - poesia e prosaRomantismo Brasileiro - poesia e prosa
Romantismo Brasileiro - poesia e prosaTim Bagatelas
 
Tipos de argumentos
Tipos de argumentosTipos de argumentos
Tipos de argumentosAna Castro
 
Descritores de língua portuguesa 8° ano
Descritores de língua portuguesa 8° anoDescritores de língua portuguesa 8° ano
Descritores de língua portuguesa 8° anoMarcia Oliveira
 
Língua Portuguesa 6º ano: como se faz uma redação?
Língua Portuguesa 6º ano: como se faz uma redação?Língua Portuguesa 6º ano: como se faz uma redação?
Língua Portuguesa 6º ano: como se faz uma redação?Tânia Regina
 
Informações Implícitas
Informações ImplícitasInformações Implícitas
Informações ImplícitasTaïs Bressane
 
Romantismo brasileiro
Romantismo brasileiroRomantismo brasileiro
Romantismo brasileiroSeduc/AM
 
O romantismo da segunda geração
O romantismo da segunda geraçãoO romantismo da segunda geração
O romantismo da segunda geraçãoAntonio Minharro
 
Texto de Campanha Comunitária
Texto de Campanha ComunitáriaTexto de Campanha Comunitária
Texto de Campanha Comunitária7 de Setembro
 
Artigo De OpiniãO E Editorial
Artigo De OpiniãO E EditorialArtigo De OpiniãO E Editorial
Artigo De OpiniãO E EditorialKleber Brito
 

Mais procurados (20)

Jose de Alencar e suas fases românticas
Jose de Alencar e suas fases românticasJose de Alencar e suas fases românticas
Jose de Alencar e suas fases românticas
 
LÍNGUA PORTUGUESA | 2ª SÉRIE | HABILIDADE DA BNCC - (EM13LP06)
LÍNGUA PORTUGUESA | 2ª SÉRIE | HABILIDADE DA BNCC - (EM13LP06)LÍNGUA PORTUGUESA | 2ª SÉRIE | HABILIDADE DA BNCC - (EM13LP06)
LÍNGUA PORTUGUESA | 2ª SÉRIE | HABILIDADE DA BNCC - (EM13LP06)
 
Modalizadores
ModalizadoresModalizadores
Modalizadores
 
Slide introdução à literatura
Slide introdução à literaturaSlide introdução à literatura
Slide introdução à literatura
 
Gênero poesia
Gênero poesiaGênero poesia
Gênero poesia
 
6º ano E. F. II - O Gênero Entrevista
6º ano E. F. II - O Gênero Entrevista6º ano E. F. II - O Gênero Entrevista
6º ano E. F. II - O Gênero Entrevista
 
Humanismo
HumanismoHumanismo
Humanismo
 
Resenha crítica
Resenha crítica Resenha crítica
Resenha crítica
 
Romantismo Brasileiro - poesia e prosa
Romantismo Brasileiro - poesia e prosaRomantismo Brasileiro - poesia e prosa
Romantismo Brasileiro - poesia e prosa
 
Tipos de argumentos
Tipos de argumentosTipos de argumentos
Tipos de argumentos
 
Descritores de língua portuguesa 8° ano
Descritores de língua portuguesa 8° anoDescritores de língua portuguesa 8° ano
Descritores de língua portuguesa 8° ano
 
Língua Portuguesa 6º ano: como se faz uma redação?
Língua Portuguesa 6º ano: como se faz uma redação?Língua Portuguesa 6º ano: como se faz uma redação?
Língua Portuguesa 6º ano: como se faz uma redação?
 
Classicismo
ClassicismoClassicismo
Classicismo
 
Informações Implícitas
Informações ImplícitasInformações Implícitas
Informações Implícitas
 
Romantismo brasileiro
Romantismo brasileiroRomantismo brasileiro
Romantismo brasileiro
 
O romantismo da segunda geração
O romantismo da segunda geraçãoO romantismo da segunda geração
O romantismo da segunda geração
 
Ppt realismo (1)
Ppt realismo (1)Ppt realismo (1)
Ppt realismo (1)
 
Texto de Campanha Comunitária
Texto de Campanha ComunitáriaTexto de Campanha Comunitária
Texto de Campanha Comunitária
 
Artigo De OpiniãO E Editorial
Artigo De OpiniãO E EditorialArtigo De OpiniãO E Editorial
Artigo De OpiniãO E Editorial
 
Arcadismo[1]..
Arcadismo[1]..Arcadismo[1]..
Arcadismo[1]..
 

Destaque

Exercicio romantismo corrigido
Exercicio romantismo corrigidoExercicio romantismo corrigido
Exercicio romantismo corrigidoCEF16
 
Exercícios literatura escolas literárias (3)
Exercícios literatura   escolas literárias (3)Exercícios literatura   escolas literárias (3)
Exercícios literatura escolas literárias (3)Edcléia Xavier
 
Lista de exercícios 2º ano em literatura
Lista de exercícios 2º ano em literaturaLista de exercícios 2º ano em literatura
Lista de exercícios 2º ano em literaturaDaniela Gimael
 
arte no século XVIII e XIX
arte no século XVIII e XIXarte no século XVIII e XIX
arte no século XVIII e XIXAlcir Costa
 
919 Questões de Física (resolvidas)
919 Questões de Física (resolvidas)919 Questões de Física (resolvidas)
919 Questões de Física (resolvidas)Adriano Capilupe
 
Questões fechadas sobre melhores poemas de gonçalves dias
Questões fechadas sobre melhores poemas de gonçalves diasQuestões fechadas sobre melhores poemas de gonçalves dias
Questões fechadas sobre melhores poemas de gonçalves diasma.no.el.ne.ves
 
Revisando o romantismo, 05
Revisando o romantismo, 05Revisando o romantismo, 05
Revisando o romantismo, 05ma.no.el.ne.ves
 
Atividade avaliativa romantismo
Atividade avaliativa   romantismoAtividade avaliativa   romantismo
Atividade avaliativa romantismoRenato Rodrigues
 
Trabalho da bia de artes
Trabalho da bia de artesTrabalho da bia de artes
Trabalho da bia de arteslobotutb
 
F2 aula 1 equilibrio e elasticidade
F2 aula 1 equilibrio e elasticidadeF2 aula 1 equilibrio e elasticidade
F2 aula 1 equilibrio e elasticidadeA'nderé Freire
 
VESTIBULAR UFPE 2014 - PROVA DE LITERATURA - TODOS OS TIPOS
VESTIBULAR UFPE 2014 - PROVA DE LITERATURA - TODOS OS TIPOSVESTIBULAR UFPE 2014 - PROVA DE LITERATURA - TODOS OS TIPOS
VESTIBULAR UFPE 2014 - PROVA DE LITERATURA - TODOS OS TIPOSIsaquel Silva
 

Destaque (20)

Gabarito - Romantismo
Gabarito -  RomantismoGabarito -  Romantismo
Gabarito - Romantismo
 
Exercicio romantismo corrigido
Exercicio romantismo corrigidoExercicio romantismo corrigido
Exercicio romantismo corrigido
 
São Valentim
São ValentimSão Valentim
São Valentim
 
Linguagens Rufino
Linguagens Rufino Linguagens Rufino
Linguagens Rufino
 
Exercícios literatura escolas literárias (3)
Exercícios literatura   escolas literárias (3)Exercícios literatura   escolas literárias (3)
Exercícios literatura escolas literárias (3)
 
Lista de exercícios 2º ano em literatura
Lista de exercícios 2º ano em literaturaLista de exercícios 2º ano em literatura
Lista de exercícios 2º ano em literatura
 
arte no século XVIII e XIX
arte no século XVIII e XIXarte no século XVIII e XIX
arte no século XVIII e XIX
 
919 Questões de Física (resolvidas)
919 Questões de Física (resolvidas)919 Questões de Física (resolvidas)
919 Questões de Física (resolvidas)
 
Questões fechadas sobre melhores poemas de gonçalves dias
Questões fechadas sobre melhores poemas de gonçalves diasQuestões fechadas sobre melhores poemas de gonçalves dias
Questões fechadas sobre melhores poemas de gonçalves dias
 
Revisando o romantismo, 05
Revisando o romantismo, 05Revisando o romantismo, 05
Revisando o romantismo, 05
 
Neoclassicismo
Neoclassicismo  Neoclassicismo
Neoclassicismo
 
Romantismo artes
Romantismo artesRomantismo artes
Romantismo artes
 
prova Uem i2010p3g1artes
prova Uem i2010p3g1artesprova Uem i2010p3g1artes
prova Uem i2010p3g1artes
 
Atividade avaliativa romantismo
Atividade avaliativa   romantismoAtividade avaliativa   romantismo
Atividade avaliativa romantismo
 
Webquest
WebquestWebquest
Webquest
 
Trabalho da bia de artes
Trabalho da bia de artesTrabalho da bia de artes
Trabalho da bia de artes
 
Personal Pronouns
Personal PronounsPersonal Pronouns
Personal Pronouns
 
F2 aula 1 equilibrio e elasticidade
F2 aula 1 equilibrio e elasticidadeF2 aula 1 equilibrio e elasticidade
F2 aula 1 equilibrio e elasticidade
 
VESTIBULAR UFPE 2014 - PROVA DE LITERATURA - TODOS OS TIPOS
VESTIBULAR UFPE 2014 - PROVA DE LITERATURA - TODOS OS TIPOSVESTIBULAR UFPE 2014 - PROVA DE LITERATURA - TODOS OS TIPOS
VESTIBULAR UFPE 2014 - PROVA DE LITERATURA - TODOS OS TIPOS
 
APOSTILA DE LITERATURA
APOSTILA DE LITERATURAAPOSTILA DE LITERATURA
APOSTILA DE LITERATURA
 

Semelhante a Romantismo e Indianismo em Iracema de José de Alencar

questoes-romantismo-enem.pdf
questoes-romantismo-enem.pdfquestoes-romantismo-enem.pdf
questoes-romantismo-enem.pdfBiancaBatista53
 
Aula 12 romantismo no brasil - prosa
Aula 12   romantismo no brasil - prosaAula 12   romantismo no brasil - prosa
Aula 12 romantismo no brasil - prosaJonatas Carlos
 
Simulado de literatura brasileira
Simulado de literatura brasileiraSimulado de literatura brasileira
Simulado de literatura brasileiraJesrayne Nascimento
 
O Romantismo no Brasil II
O Romantismo no Brasil IIO Romantismo no Brasil II
O Romantismo no Brasil IICicero Luciano
 
Noite na Taverna
Noite na TavernaNoite na Taverna
Noite na TavernaKauan_ts
 
Revisão poesia romântica brasileira
Revisão poesia romântica brasileiraRevisão poesia romântica brasileira
Revisão poesia romântica brasileiraSeduc/AM
 
Exercícios comentados de interpretação textual
Exercícios comentados de interpretação textualExercícios comentados de interpretação textual
Exercícios comentados de interpretação textualSeduc/AM
 
Literatura revisão paulo_monteiro (1)
Literatura revisão paulo_monteiro (1)Literatura revisão paulo_monteiro (1)
Literatura revisão paulo_monteiro (1)paulomonteiropimpao
 
Exercícios sobre o realismo e o naturalismo, 01
Exercícios sobre o realismo e o naturalismo, 01Exercícios sobre o realismo e o naturalismo, 01
Exercícios sobre o realismo e o naturalismo, 01ma.no.el.ne.ves
 
Aula 11 gerações românticas no brasil
Aula 11   gerações românticas no brasilAula 11   gerações românticas no brasil
Aula 11 gerações românticas no brasilJonatas Carlos
 
20 questões de literatura segundo trimestre
20 questões de literatura segundo trimestre20 questões de literatura segundo trimestre
20 questões de literatura segundo trimestrePaulo Klein
 
Apostila 2º ano questões com gabarito
Apostila 2º ano questões com gabaritoApostila 2º ano questões com gabarito
Apostila 2º ano questões com gabaritoClarice Escouto Santos
 
Revisando a literatura imperial 01: Romantismo, Realismo, Parnasianismo e Sim...
Revisando a literatura imperial 01: Romantismo, Realismo, Parnasianismo e Sim...Revisando a literatura imperial 01: Romantismo, Realismo, Parnasianismo e Sim...
Revisando a literatura imperial 01: Romantismo, Realismo, Parnasianismo e Sim...ma.no.el.ne.ves
 
Romantismo 2014
Romantismo 2014Romantismo 2014
Romantismo 2014CrisBiagio
 
Romantismo - poesia - brasil
Romantismo - poesia - brasilRomantismo - poesia - brasil
Romantismo - poesia - brasilJosi Motta
 

Semelhante a Romantismo e Indianismo em Iracema de José de Alencar (20)

Romantismo
RomantismoRomantismo
Romantismo
 
questoes-romantismo-enem.pdf
questoes-romantismo-enem.pdfquestoes-romantismo-enem.pdf
questoes-romantismo-enem.pdf
 
Simulado lit-prise 3 ok
Simulado lit-prise 3 okSimulado lit-prise 3 ok
Simulado lit-prise 3 ok
 
Aula 12 romantismo no brasil - prosa
Aula 12   romantismo no brasil - prosaAula 12   romantismo no brasil - prosa
Aula 12 romantismo no brasil - prosa
 
Simulado de literatura brasileira
Simulado de literatura brasileiraSimulado de literatura brasileira
Simulado de literatura brasileira
 
O Romantismo no Brasil II
O Romantismo no Brasil IIO Romantismo no Brasil II
O Romantismo no Brasil II
 
Noite na Taverna
Noite na TavernaNoite na Taverna
Noite na Taverna
 
Revisão poesia romântica brasileira
Revisão poesia romântica brasileiraRevisão poesia romântica brasileira
Revisão poesia romântica brasileira
 
Exercícios comentados de interpretação textual
Exercícios comentados de interpretação textualExercícios comentados de interpretação textual
Exercícios comentados de interpretação textual
 
Literatura revisão paulo_monteiro (1)
Literatura revisão paulo_monteiro (1)Literatura revisão paulo_monteiro (1)
Literatura revisão paulo_monteiro (1)
 
Arcadismo
ArcadismoArcadismo
Arcadismo
 
Exercícios sobre o realismo e o naturalismo, 01
Exercícios sobre o realismo e o naturalismo, 01Exercícios sobre o realismo e o naturalismo, 01
Exercícios sobre o realismo e o naturalismo, 01
 
Aula 11 gerações românticas no brasil
Aula 11   gerações românticas no brasilAula 11   gerações românticas no brasil
Aula 11 gerações românticas no brasil
 
20 questões de literatura segundo trimestre
20 questões de literatura segundo trimestre20 questões de literatura segundo trimestre
20 questões de literatura segundo trimestre
 
Apostila 2º ano questões com gabarito
Apostila 2º ano questões com gabaritoApostila 2º ano questões com gabarito
Apostila 2º ano questões com gabarito
 
Revisando a literatura imperial 01: Romantismo, Realismo, Parnasianismo e Sim...
Revisando a literatura imperial 01: Romantismo, Realismo, Parnasianismo e Sim...Revisando a literatura imperial 01: Romantismo, Realismo, Parnasianismo e Sim...
Revisando a literatura imperial 01: Romantismo, Realismo, Parnasianismo e Sim...
 
Romantismo
Romantismo Romantismo
Romantismo
 
Romantismo 2014
Romantismo 2014Romantismo 2014
Romantismo 2014
 
O Romantismo
O RomantismoO Romantismo
O Romantismo
 
Romantismo - poesia - brasil
Romantismo - poesia - brasilRomantismo - poesia - brasil
Romantismo - poesia - brasil
 

Mais de Andriane Cursino

Resumos obras - Romantismo
Resumos obras - RomantismoResumos obras - Romantismo
Resumos obras - RomantismoAndriane Cursino
 
Simple present tense - Answers
Simple present tense - AnswersSimple present tense - Answers
Simple present tense - AnswersAndriane Cursino
 
2ª e 3ª geração romântica
2ª e 3ª geração romântica2ª e 3ª geração romântica
2ª e 3ª geração românticaAndriane Cursino
 
Romantismo - introdução e 1ª geração
Romantismo - introdução e 1ª geraçãoRomantismo - introdução e 1ª geração
Romantismo - introdução e 1ª geraçãoAndriane Cursino
 
Exercises simple past - Answers
Exercises simple past - AnswersExercises simple past - Answers
Exercises simple past - AnswersAndriane Cursino
 
Gabarito Barroco/ Arcadismo
Gabarito Barroco/ ArcadismoGabarito Barroco/ Arcadismo
Gabarito Barroco/ ArcadismoAndriane Cursino
 
Classicismo / Renascimento
Classicismo / RenascimentoClassicismo / Renascimento
Classicismo / RenascimentoAndriane Cursino
 
O velho da horta - Gil Vicente
O velho da horta - Gil VicenteO velho da horta - Gil Vicente
O velho da horta - Gil VicenteAndriane Cursino
 
Farsa de Inês Pereira - Gil Vicente
Farsa de Inês Pereira - Gil VicenteFarsa de Inês Pereira - Gil Vicente
Farsa de Inês Pereira - Gil VicenteAndriane Cursino
 
Função do paralelismo nas cantigas (trovadorismo)
Função do paralelismo nas cantigas (trovadorismo)Função do paralelismo nas cantigas (trovadorismo)
Função do paralelismo nas cantigas (trovadorismo)Andriane Cursino
 
O PARALELISMO COMO RECURSO ESTILÍSTICO DAS CANTIGAS DE MARTIM CODAX
O PARALELISMO COMO RECURSO ESTILÍSTICO DAS CANTIGAS DE MARTIM CODAXO PARALELISMO COMO RECURSO ESTILÍSTICO DAS CANTIGAS DE MARTIM CODAX
O PARALELISMO COMO RECURSO ESTILÍSTICO DAS CANTIGAS DE MARTIM CODAXAndriane Cursino
 
Exercícios sobre gêneros literários
Exercícios sobre gêneros literáriosExercícios sobre gêneros literários
Exercícios sobre gêneros literáriosAndriane Cursino
 
Modernismo (1945 - atuais) 3ª fase / Concretismo
Modernismo (1945 - atuais) 3ª fase / ConcretismoModernismo (1945 - atuais) 3ª fase / Concretismo
Modernismo (1945 - atuais) 3ª fase / ConcretismoAndriane Cursino
 
2ª fase Modernismo (1930-1945)
2ª fase Modernismo (1930-1945) 2ª fase Modernismo (1930-1945)
2ª fase Modernismo (1930-1945) Andriane Cursino
 
Análise Libertinagem (Manuel Bandeira)
Análise Libertinagem (Manuel Bandeira)Análise Libertinagem (Manuel Bandeira)
Análise Libertinagem (Manuel Bandeira)Andriane Cursino
 

Mais de Andriane Cursino (20)

Resumos obras - Romantismo
Resumos obras - RomantismoResumos obras - Romantismo
Resumos obras - Romantismo
 
Simple present tense - Answers
Simple present tense - AnswersSimple present tense - Answers
Simple present tense - Answers
 
Romantismo - Prosa
Romantismo - ProsaRomantismo - Prosa
Romantismo - Prosa
 
2ª e 3ª geração romântica
2ª e 3ª geração romântica2ª e 3ª geração romântica
2ª e 3ª geração romântica
 
Romantismo - introdução e 1ª geração
Romantismo - introdução e 1ª geraçãoRomantismo - introdução e 1ª geração
Romantismo - introdução e 1ª geração
 
Exercises simple past - Answers
Exercises simple past - AnswersExercises simple past - Answers
Exercises simple past - Answers
 
Gabarito Barroco/ Arcadismo
Gabarito Barroco/ ArcadismoGabarito Barroco/ Arcadismo
Gabarito Barroco/ Arcadismo
 
Quinhentismo
QuinhentismoQuinhentismo
Quinhentismo
 
Camões / Os Lusíadas
Camões / Os LusíadasCamões / Os Lusíadas
Camões / Os Lusíadas
 
Classicismo / Renascimento
Classicismo / RenascimentoClassicismo / Renascimento
Classicismo / Renascimento
 
O velho da horta - Gil Vicente
O velho da horta - Gil VicenteO velho da horta - Gil Vicente
O velho da horta - Gil Vicente
 
Farsa de Inês Pereira - Gil Vicente
Farsa de Inês Pereira - Gil VicenteFarsa de Inês Pereira - Gil Vicente
Farsa de Inês Pereira - Gil Vicente
 
Humanismo - Literatura
Humanismo - LiteraturaHumanismo - Literatura
Humanismo - Literatura
 
Função do paralelismo nas cantigas (trovadorismo)
Função do paralelismo nas cantigas (trovadorismo)Função do paralelismo nas cantigas (trovadorismo)
Função do paralelismo nas cantigas (trovadorismo)
 
O PARALELISMO COMO RECURSO ESTILÍSTICO DAS CANTIGAS DE MARTIM CODAX
O PARALELISMO COMO RECURSO ESTILÍSTICO DAS CANTIGAS DE MARTIM CODAXO PARALELISMO COMO RECURSO ESTILÍSTICO DAS CANTIGAS DE MARTIM CODAX
O PARALELISMO COMO RECURSO ESTILÍSTICO DAS CANTIGAS DE MARTIM CODAX
 
Trovadorismo
TrovadorismoTrovadorismo
Trovadorismo
 
Exercícios sobre gêneros literários
Exercícios sobre gêneros literáriosExercícios sobre gêneros literários
Exercícios sobre gêneros literários
 
Modernismo (1945 - atuais) 3ª fase / Concretismo
Modernismo (1945 - atuais) 3ª fase / ConcretismoModernismo (1945 - atuais) 3ª fase / Concretismo
Modernismo (1945 - atuais) 3ª fase / Concretismo
 
2ª fase Modernismo (1930-1945)
2ª fase Modernismo (1930-1945) 2ª fase Modernismo (1930-1945)
2ª fase Modernismo (1930-1945)
 
Análise Libertinagem (Manuel Bandeira)
Análise Libertinagem (Manuel Bandeira)Análise Libertinagem (Manuel Bandeira)
Análise Libertinagem (Manuel Bandeira)
 

Último

Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autores
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autoresSociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autores
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autoresaulasgege
 
HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024Sandra Pratas
 
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdf
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdfDIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdf
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdfIedaGoethe
 
Slide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptx
Slide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptxSlide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptx
Slide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptxconcelhovdragons
 
QUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNAS
QUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNASQUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNAS
QUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNASEdinardo Aguiar
 
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptxBaladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptxacaciocarmo1
 
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...LuizHenriquedeAlmeid6
 
Mesoamérica.Astecas,inca,maias , olmecas
Mesoamérica.Astecas,inca,maias , olmecasMesoamérica.Astecas,inca,maias , olmecas
Mesoamérica.Astecas,inca,maias , olmecasRicardo Diniz campos
 
Geometria 5to Educacion Primaria EDU Ccesa007.pdf
Geometria  5to Educacion Primaria EDU  Ccesa007.pdfGeometria  5to Educacion Primaria EDU  Ccesa007.pdf
Geometria 5to Educacion Primaria EDU Ccesa007.pdfDemetrio Ccesa Rayme
 
PPT _ Módulo 3_Direito Comercial_2023_2024.pdf
PPT _ Módulo 3_Direito Comercial_2023_2024.pdfPPT _ Módulo 3_Direito Comercial_2023_2024.pdf
PPT _ Módulo 3_Direito Comercial_2023_2024.pdfAnaGonalves804156
 
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptx
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptxÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptx
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptxDeyvidBriel
 
HABILIDADES ESSENCIAIS - MATEMÁTICA 4º ANO.pdf
HABILIDADES ESSENCIAIS  - MATEMÁTICA 4º ANO.pdfHABILIDADES ESSENCIAIS  - MATEMÁTICA 4º ANO.pdf
HABILIDADES ESSENCIAIS - MATEMÁTICA 4º ANO.pdfdio7ff
 
Recurso Casa das Ciências: Sistemas de Partículas
Recurso Casa das Ciências: Sistemas de PartículasRecurso Casa das Ciências: Sistemas de Partículas
Recurso Casa das Ciências: Sistemas de PartículasCasa Ciências
 
Dança Contemporânea na arte da dança primeira parte
Dança Contemporânea na arte da dança primeira parteDança Contemporânea na arte da dança primeira parte
Dança Contemporânea na arte da dança primeira partecoletivoddois
 
VALORES HUMANOS NA DISCIPLINA DE ENSINO RELIGIOSO
VALORES HUMANOS NA DISCIPLINA DE ENSINO RELIGIOSOVALORES HUMANOS NA DISCIPLINA DE ENSINO RELIGIOSO
VALORES HUMANOS NA DISCIPLINA DE ENSINO RELIGIOSOBiatrizGomes1
 
HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024Sandra Pratas
 
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptxSlides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
Prática de interpretação de imagens de satélite no QGIS
Prática de interpretação de imagens de satélite no QGISPrática de interpretação de imagens de satélite no QGIS
Prática de interpretação de imagens de satélite no QGISVitor Vieira Vasconcelos
 
Currículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdf
Currículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdfCurrículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdf
Currículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdfIedaGoethe
 
Slides criatividade 01042024 finalpdf Portugues.pdf
Slides criatividade 01042024 finalpdf Portugues.pdfSlides criatividade 01042024 finalpdf Portugues.pdf
Slides criatividade 01042024 finalpdf Portugues.pdfpaulafernandes540558
 

Último (20)

Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autores
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autoresSociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autores
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autores
 
HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
 
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdf
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdfDIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdf
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdf
 
Slide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptx
Slide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptxSlide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptx
Slide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptx
 
QUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNAS
QUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNASQUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNAS
QUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNAS
 
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptxBaladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
 
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...
 
Mesoamérica.Astecas,inca,maias , olmecas
Mesoamérica.Astecas,inca,maias , olmecasMesoamérica.Astecas,inca,maias , olmecas
Mesoamérica.Astecas,inca,maias , olmecas
 
Geometria 5to Educacion Primaria EDU Ccesa007.pdf
Geometria  5to Educacion Primaria EDU  Ccesa007.pdfGeometria  5to Educacion Primaria EDU  Ccesa007.pdf
Geometria 5to Educacion Primaria EDU Ccesa007.pdf
 
PPT _ Módulo 3_Direito Comercial_2023_2024.pdf
PPT _ Módulo 3_Direito Comercial_2023_2024.pdfPPT _ Módulo 3_Direito Comercial_2023_2024.pdf
PPT _ Módulo 3_Direito Comercial_2023_2024.pdf
 
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptx
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptxÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptx
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptx
 
HABILIDADES ESSENCIAIS - MATEMÁTICA 4º ANO.pdf
HABILIDADES ESSENCIAIS  - MATEMÁTICA 4º ANO.pdfHABILIDADES ESSENCIAIS  - MATEMÁTICA 4º ANO.pdf
HABILIDADES ESSENCIAIS - MATEMÁTICA 4º ANO.pdf
 
Recurso Casa das Ciências: Sistemas de Partículas
Recurso Casa das Ciências: Sistemas de PartículasRecurso Casa das Ciências: Sistemas de Partículas
Recurso Casa das Ciências: Sistemas de Partículas
 
Dança Contemporânea na arte da dança primeira parte
Dança Contemporânea na arte da dança primeira parteDança Contemporânea na arte da dança primeira parte
Dança Contemporânea na arte da dança primeira parte
 
VALORES HUMANOS NA DISCIPLINA DE ENSINO RELIGIOSO
VALORES HUMANOS NA DISCIPLINA DE ENSINO RELIGIOSOVALORES HUMANOS NA DISCIPLINA DE ENSINO RELIGIOSO
VALORES HUMANOS NA DISCIPLINA DE ENSINO RELIGIOSO
 
HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
 
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptxSlides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
 
Prática de interpretação de imagens de satélite no QGIS
Prática de interpretação de imagens de satélite no QGISPrática de interpretação de imagens de satélite no QGIS
Prática de interpretação de imagens de satélite no QGIS
 
Currículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdf
Currículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdfCurrículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdf
Currículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdf
 
Slides criatividade 01042024 finalpdf Portugues.pdf
Slides criatividade 01042024 finalpdf Portugues.pdfSlides criatividade 01042024 finalpdf Portugues.pdf
Slides criatividade 01042024 finalpdf Portugues.pdf
 

Romantismo e Indianismo em Iracema de José de Alencar

  • 1. EXERCÍCIOS ROMANTISMO 1. (Ufpe 2012) Considere as afirmações abaixo a respeito da produção literária brasileira que prosperou na primeira metade do século XIX. ( ) No Brasil, o Romantismo desenvolveu-se após a Independência. Na Europa, com o ressuscitar do passado, o nativismo explorou figuras e cenas medievais; em nosso país, com o indianismo romanceando as origens nacionais, o mundo indígena foi enfocado com heróis baseados em personagens e ações reais. ( ) José de Alencar, na prosa, criou uma galeria de heróis indígenas que se submetiam voluntariamente ao colonizador. Por exemplo, em O Guarani, Peri é escravo de Ceci e converte-se ao cristianismo, sendo batizado. Em Iracema, a personagem título se submete ao branco Martim, entrega que implica sacrifício e abandono de sua tribo de origem. ( ) Em Ubirajara, narrativa que enfoca uma fase anterior à colonização, Alencar despertou para a falsidade da idílica submissão dos colonizados aos colonizadores, escrevendo: “Foi depois da colonização que os portugueses, assaltando os índios como a feras e caçando-os a dente de cão, ensinaram-lhe a traição que eles não conheciam”. ( ) Gonçalves Dias, que representa o Indianismo na poesia, já nos Primeiros Cantos, tem a consciência do destino atroz que aguardava os tupis com a conquista portuguesa. Na fala do xamã, as predições são assustadoras: “Manitós já fugiram da Taba/ ó desgraça! ó ruína! ó Tupã!” ( ) Gonçalves Dias lamentou a sorte do Novo Mundo, com sua gente vencida e suas terras profanadas. Além do mais, o escritor maranhense, diferentemente de Alencar, dá voz ao nativo: “Chame-lhe progresso, quem do extermínio secular se ufana/ Eu, modesto cantor do povo extinto, /Chorarei os vastíssimos sepulcros”. TEXTO PARA A PRÓXIMA QUESTÃO: TEXTO VI ADORMECIDA Uma noite, eu me lembro... Ela dormia Numa rede encostada molemente... Quase aberto o roupão... solto o cabelo E o pé descalço do tapete rente. ‘Stava aberta a janela. Um cheiro agreste Exalavam as silvas da campina... E ao longe, num pedaço do horizonte, Via-se a noite plácida e divina. De um jasmineiro os galhos encurvados, Indiscretos entravam pela sala, E de leve oscilando ao tom das auras, Iam na face trêmulos — beijá-la. Era um quadro celeste!... A cada afago Mesmo em sonhos a moça estremecia... Quando ela serenava... a flor beijava-a... Quando ela ia beijar-lhe... a flor fugia... Dir-se-ia que naquele doce instante Brincavam duas cândidas crianças... A brisa, que agitava as folhas verdes. Fazia-lhe ondear as negras tranças! E o ramo ora chegava ora afastava-se... Mas quando a via despeitada a meio. P’ra não zangá-la... sacudia alegre Uma chuva de pétalas no seio... Eu, fitando a cena, repetia Naquela noite lânguida e sentida: “Ó flor! – tu és a virgem das campinas! “Virgem! — tu és a flor da minha vida!...” CASTRO ALVES. Espumas flutuantes. In Obra compIeta Rio de Janeiro: Nova Aguar, 1986. p. 124- 125. 2. (Uff 2012) Assinale a alternativa INCORRETA em relação à análise do poema de Castro Alves (Texto VI). a) A valorização de elementos da natureza confere sentidos particulares ao poema e indicia sua identificação com propostas estéticas do Romantismo. b) O poema se organiza a partir de um episódio registrado pela memória do sujeito lírico, o que amplia a subjetividade romântica presente em seu discurso. c) O poema se constitui, principalmente, como descrição de uma cena, repleta de elementos românticos, configurando-se de forma plástica e visual. d) O poema é percorrido por um tom melancólico, próprio do Romantismo, empregado pelo poeta para expressar a frustração amorosa do eu lírico. e) O ambiente noturno, privilegiado pelos poetas românticos, contribui, no poema, para o estabelecimento de uma atmosfera de sonho, de calma e de desejo. TEXTO PARA AS PRÓXIMAS QUESTÕES: A última romântica Cigarros, isqueiros, copos com drinques coloridos, garrafas vazias - de vodca, do licor de coco Malibu... Às flores, velas, retratos e mensagens de praxe os fãs acrescentaram em frente à casa de Amy Winehouse esses objetos que dão prazer, podem viciar e fazem mal à saúde. Para além da homenagem, era uma forma de participar do universo de excessos da cantora. É curioso o apelo de Amy num mundo conservador, cada vez mais antitabagista e alerta para os riscos das drogas - um mundo onde vamos sendo ensinados a comprar produtos sem gordura trans e onde até as garotas de esquerda consomem horas dentro da academia.
  • 2. Numa época em que as pessoas são estimuladas a abdicar de certos prazeres na expectativa de durar bastante, simplesmente para durar, Winehouse fez o roteiro oposto - intenso, autodestrutivo, suicida. Sob o aspecto clínico, era uma viciada grave, necessitando desesperadamente da ajuda que insistia em recusar. Uma de suas canções mais famosas trata exatamente disso. Amy foi presa fácil do jornalismo de celebridades, voltado à escandalização da intimidade dos famosos (quanto pior, melhor). Foi também, num tempo improvável, a herdeira de Janis Joplin, morta aos 27 em 1970, e de Billie Holiday, morta aos 44, em 1959, ambas por overdose. Como suas antecessoras, Amy leva ao extremo o éthos romântico - do artista que vive em conflito permanente e se rebela contra o curso prosaico e besta do mundo. Na sua figura atormentada e em constante desajuste, o autoflagelo quase sempre se confunde com o ódio às coisas que funcionam. Numa cultura inteiramente colonizada pelo dinheiro e que convida à idolatria, fazer sucesso parecia uma espécie de vexame e de vileza, o supremo fiasco existencial, contra o qual era preciso se resguardar. Nisso Amy evoca os gênios do romantismo tardio - Lautréamont, Rimbaud e outros poetas do inferno humano, que tinham plena consciência da vergonha de dar certo. (SILVA, Fernando de Barros e. Folha de São Paulo, 26/07/2011) 3. (Insper 2012) A relação entre o título e as ideias expostas nesse artigo evidenciam que o autor a) pretende mobilizar os jovens de maneira que eles passem a incorporar hábitos saudáveis em seu cotidiano. b) considera que a cantora Amy Winehouse encarnava uma personagem exótica apenas para conquistar a fama. c) propõe que a morte de Amy Winehouse deva servir de alerta às celebridades que adotam estilo de vida destrutivo. d) tenciona estimular a criação de campanhas que combatam o tabagismo, o alcoolismo e o uso de entorpecentes. e) constata que as atitudes autodestrutivas não são exclusivas de artistas do mundo contemporâneo. 4. (Insper 2012) Considere esta definição: Pressupostos são conteúdos implícitos que decorrem de uma palavra ou expressão presente no ato de fala produzido. O pressuposto é indiscutível tanto para o falante quanto para o ouvinte, pois decorre, necessariamente, de um marcador linguístico, diferentemente de outros implícitos (os subentendidos), que dependem do contexto, da situação de comunicação. (Adaptado de FIORIN, J. L. O dito pelo não dito. In: Língua Portuguesa, ano I, n. 6, 2006. p. 36-37.) A passagem do texto "A última romântica" em que a palavra sublinhada instaura um pressuposto é a) “... esses objetos que dão prazer, podem viciar e fazem mal à saúde.” b) “... era uma forma de participar do universo de excessos da cantora.” c) “... onde até as garotas de esquerda consomem horas dentro da academia.” d) “Sob o aspecto clínico, era uma viciada grave...” e) “Como suas antecessoras, Amy leva ao extremo o éthos romântico...” 5. (Ufsc 2011) O cristão repeliu do seio a virgem indiana. Ele não deixará o rasto da desgraça na cabana hospedeira. Cerra os olhos para não ver, e enche sua alma com o nome e a veneração de seu Deus: – Cristo!... Cristo!... Volta a serenidade ao seio do guerreiro branco, mas todas as vezes que seu olhar pousa sobre a virgem tabajara, ele sente correr-lhe pelas veias uma onda de ardente chama. Assim quando a criança imprudente revolve o brasido de intenso fogo, saltam as faúlhas inflamadas que lhe queimam as faces. [...] Abriram-se os braços do guerreiro adormecido e seus lábios; o nome da virgem ressoou docemente. A juruti, que divaga pela floresta, ouve o terno arrulho do companheiro; bate as asas, e voa a conchegar-se ao tépido ninho. Assim a virgem do sertão aninhou-se nos braços do guerreiro. Quando veio a manhã, ainda achou Iracema ali debruçada qual borboleta que dormiu no seio do formoso cacto. Em seu lindo semblante acendia o pejo vivos rubores; e como entre os arrebóis da manhã cintila o primeiro raio do sol, em suas faces incendidas rutilava o primeiro sorriso da esposa, aurora de fruído amor. [...] As águas do rio banharam o corpo casto da recente esposa. Tupã já não tinha sua virgem na terra dos tabajaras. ALENCAR, J. de. Iracema. São Paulo: Núcleo, 1993. p. 39-41. A partir da leitura do texto acima e do romance Iracema, e considerando o contexto do Romantismo brasileiro, assinale a(s) proposição(ões) correta(s). 01) Ao seduzir e possuir Iracema, Martim está consciente dos seus atos, e isso constitui traição tanto aos seus valores cristãos quanto à hospitalidade de Araquém. Quebra-se aqui, portanto, uma importante característica do Romantismo, a idealização do herói, que jamais comete ações vis. 02) Em Iracema, os elementos humanos e naturais não se mesclam. Nas descrições que faz de Iracema, por exemplo, Alencar evita compará-la a seres da natureza, pois isso seria contrário ao princípio romântico de valorização de uma natureza pura, não contaminada pela presença humana. 04) A adjetivação abundante (“ardente chama”; “intenso fogo”; “tépido ninho”; “vivos rubores”) é uma importante característica da prosa romântica, que será mais tarde evitada por escritores realistas. 08) Ao entregar-se a Martim, Iracema deixa de ser virgem e, portanto, não poderia mais ser a guardiã do segredo da jurema; ainda assim continua a sê-lo, só deixando de preparar e servir a bebida quando Caubi descobre sua gravidez e a expulsa da tribo. 16) Entre as várias manifestações do nacionalismo romântico presentes em Iracema, está o desejo de mostrar o povo brasileiro como híbrido, constituído pela fusão das raças negra, indígena e branca. 32) Além de indianista, Iracema é também um romance histórico; serve assim duplamente ao
  • 3. projeto nacionalista da literatura romântica brasileira. 6. (Ifsp 2011) Leia o poema de Francisco Otaviano. Ilusões da Vida Quem passou pela vida em branca nuvem, E em plácido repouso adormeceu; Quem não sentiu o frio da desgraça, Quem passou pela vida e não sofreu; Foi espectro de homem, não foi homem, Só passou pela vida, não viveu. (SECCHIN, Antonio Carlos. Roteiro da poesia brasileira – Romantismo. São Paulo: Global, 2007.) Este poema pertence à estética romântica porque a) sugere que o leitor, para ser feliz, viva alienado e distante da realidade. b) são explícitas as referências a alguns cânones do Catolicismo. c) expõe os problemas sociais que afetavam a sociedade da época. d) nele se percebe a vassalagem amorosa, isto é, a submissão do homem em relação à mulher. e) sugere que é importante viver, de forma intensa e profunda, as experiências da existência humana. 7. (Unb 2011) I-Juca Pirama Gonçalves Dias Meu canto de morte, Guerreiros, ouvi: Sou filho das selvas, Nas selvas cresci; Guerreiros, descendo Da tribo Tupi. Da tribo pujante, Que agora anda errante Por fado inconstante, Guerreiros, nasci; Sou bravo, sou forte, Sou filho do Norte; Meu canto de morte, Guerreiros, ouvi. Aos golpes do imigo, Meu último amigo, Sem lar, sem abrigo Caiu junto a mi! Com plácido rosto, Sereno e composto, O acerbo desgosto Comigo sofri. Meu pai a meu lado Já cego e quebrado, De penas ralado, Firmava-se em mi: Nós ambos, mesquinhos, Por ínvios caminhos, Cobertos d’espinhos Chegamos aqui! Eu era o seu guia Na noite sombria, A só alegria Que Deus lhe deixou: Em mim se apoiava, Em mim se firmava, Em mim descansava, Que filho lhe sou. Ao velho coitado De penas ralado, Já cego e quebrado, Que resta? — Morrer. Enquanto descreve O giro tão breve Da vida que teve, Deixai-me viver! Não vil, não ignavo, Mas forte, mas bravo, Serei vosso escravo: Aqui virei ter. Guerreiros, não coro Do pranto que choro: Se a vida deploro, Também sei morrer. A partir do trecho apresentado, extraído do clássico poema do indianismo brasileiro I- Juca Pirama, julgue os itens a seguir. a) No contexto da literatura brasileira do século XIX, era incomum o recurso a protagonistas ameríndios em poemas épicos e romances. Especialmente os autores que se filiavam ao romantismo tenderam a dar destaque, nos seus textos a heróis de proveniência europeia, como forma de rejeitar o projeto de uma identidade brasileira, bem como de restaurar os laços com a cultura europeia, que haviam sido cortados desde a independência. b) O refrão do poema — “Meu canto de morte,/ Guerreiros, ouvi” — remete ao passado do personagem épico I-Juca Pirama, como indica o emprego da forma verbal “ouvi”, flexionada no pretérito do indicativo. c) Ao utilizar como recurso de composição a narrativa em primeira pessoa do singular, o autor potencializa o apelo romântico do texto, fazendo que o drama do personagem Tupi seja sublinhado pela perspectiva íntima, a partir da qual os fatos são apresentados. d) Para conferir dramaticidade ao momento de tensão em que o índio Tupi se apresenta à tribo que o aprisionou, o poeta utiliza esquema métrico e rítmico ágil, destacando-se a redondilha maior e as rimas cruzadas. e) O índio, nesse poema de Gonçalves Dias e nas demais obras do indianismo romântico brasileiro, é representado segundo técnica literária realista, por meio da qual se pretende revelar o índio como legítimo dono das terras e da identidade cultural do país. f) Verifica-se, nas últimas estrofes apresentadas, que o grande temor do personagem narrador é a morte, apesar de a desdita que a vida reservou a ele e a seu pai ser apresentada em forma de lamento. g) O movimento romântico brasileiro, do qual o poema I-Juca Pirama é produção exemplar, procurou estabelecer as bases literárias da identidade cultural brasileira, objetivando a superação do cosmopolitismo expresso pela estética neoclássica, característica do Arcadismo. h) Autores do modernismo brasileiro retomaram o tema do índio moralmente forte como símbolo da
  • 4. nação, como se pode verificar na obra Macunaíma, de Mário de Andrade. “Onde estás” 1 É meia-noite... e rugindo 2 Passa triste a ventania, 3 Como um verbo de desgraça, 4 Como um grito de agonia. 5 E eu digo ao vento, que passa 6 Por meus cabelos fugaz: 7 “Vento frio do deserto, 8 Onde ela está? Longe ou perto?” 9 Mas, como um hálito incerto, 10 Responde-me o eco ao longe: 11 “Oh! minh’amante, onde estás?...” 12 Vem! É tarde! Por que tardas? 13 São horas de brando sono, 14 Vem reclinar-te em meu peito 15 Com teu lânguido abandono!... 16 ’Stá vazio nosso leito... 17 ’Stá vazio o mundo inteiro; 18 E tu não queres qu’eu fique 19 Solitário nesta vida... 20 Mas por que tardas, querida?... 21 Já tenho esperado assaz... 22 Vem depressa, que eu deliro 23 Oh! minh’amante, onde estás?... 24 Estrela – na tempestade, 25 Rosa – nos ermos da vida, 26 Íris – do náufrago errante, 27 Ilusão – d’alma descrida! 28 Tu foste, mulher formosa! 29 Tu foste, ó filha do céu!... 30 ... E hoje que o meu passado 31 Para sempre morto jaz... 32 Vendo finda a minha sorte, 33 Pergunto aos ventos do Norte... 34 “Oh! minh’amante, onde estás?” (CASTRO ALVES, A. F. Espumas flutuantes. São Paulo: Companhia Editora Nacional, 2005. p. 84- 85.) 8. (Uel 2011) Sobre a relação entre o poema e a obra Espumas flutuantes, considere as afirmativas a seguir. I. Idealização da mulher amada e demonstração emotiva são modos de expressão típicos do poeta, inscrito no Romantismo brasileiro. II. É um poema à parte de Espumas flutuantes, pois a idealização da mulher é tema fortuito na obra de Castro Alves. III. O uso abundante de interrogações, exclamações e reticências fortalece seu teor sentimental, marca típica do Romantismo. IV. Nos versos 16 e 17, o eu-lírico estende seu olhar sentimental, indo do espaço mínimo ao espaço máximo, a fim de expor sua imensa saudade. Assinale a alternativa correta. a) Somente as afirmativas I e II são corretas. b) Somente as afirmativas II e IV são corretas. c) Somente as afirmativas III e IV são corretas. d) Somente as afirmativas I, II e III são corretas. e) Somente as afirmativas I, III e IV são corretas. TEXTO PARA A PRÓXIMA QUESTÃO: Texto O “Adeus” de Teresa A vez primeira que eu fitei Teresa, Como as plantas que arrasta a correnteza, A valsa nos levou nos giros seus... E amamos juntos... E depois na sala “Adeus” eu disse-lhe a tremer co’a fala... E ela, corando, murmurou-me: “adeus.” Uma noite... entreabriu-se um reposteiro... E da alcova saía um cavaleiro Inda beijando uma mulher sem véus... Era eu... Era a pálida Teresa! “Adeus” lhe disse conservando-a presa... E ela entre beijos murmurou-me: “adeus!” Passaram tempos... séc’los de delírio Prazeres divinais... gozos do Empíreo... ... Mas um dia volvi aos lares meus. Partindo eu disse – “Voltarei!... descansa!...” Ela, chorando mais que uma criança, Ela em soluços murmurou-me: “adeus!” Quando voltei... era o palácio em festa!... E a voz d’Ela e de um homem lá na orquestra Preenchiam de amor o azul dos céus. Entrei!... Ela me olhou branca... surpresa! Foi a última vez que eu vi Teresa!... E ela arquejando murmurou-me: “adeus!” (CASTRO ALVES, Antonio Frederico. Espumas flutuantes. São Paulo: Companhia Editora Nacional, 2005. p. 51.) 9. (Uel 2011) Sobre características do estilo de Castro Alves presentes no poema, considere as afirmativas a seguir. I. Presença de uma visão erotizada do amor e da mulher. II. Abandono do tom aclamatório presente nos poemas sobre os escravos. III. Confirma sua inserção na segunda geração do Romantismo. IV. Revela influência do sentimentalismo amoroso adulto. Assinale a alternativa correta. a) Somente as afirmativas I e IV são corretas. b) Somente as afirmativas II e III são corretas. c) Somente as afirmativas III e IV são corretas. d) Somente as afirmativas I, II e III são corretas. e) Somente as afirmativas I, II e IV são corretas. http://euqueropassarnovestibular.blogspot.com.br/ 2012/07/exercicios-de-romantismo-para-o- enem_29.html