SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 25
Baixar para ler offline
Variação Linguística
A língua é viva!
1. Sotaque/ Dialeto/ Variação Linguística
Assaltante Nordestino :
" Ei, bixim... Isso é um assalto... Arriba os braços e num se bula
nem faça munganga... Passa vexado o dinheiro senão eu planto a
peixeira no teu bucho e boto teu fato pra fora...
Perdão meu Padim Ciço, mas é que eu tô com uma fome da
moléstia..."
Assaltante Mineiro :
"Ô sô, prestenção... Isso é um assartin, uai... Levanto os braço e
fica quetin quesse trem na minha mão tá cheio de bala... Ói, passa
logo os trocado que eu num tô bão hoje... Vai andando, uai, tá
esperando o que, meu fi."
Assaltante Gaúcho :
" O gurí, ficas atento... Báh, isso é um assalto... Levantas os
braços e te aquieta, tchê! Não tente nada e tome cuidado que esse
facão corta que é uma barbaridade! Passa os pilas prá cá! E te
manda a la cria, senão o quarenta e quatro fala!!"
Assaltante Carioca :
" Seguiiiinnte, bicho... Tu se f... isso é um assalto...
Aí, passa a grana e levanta os braços rapá... Não fica de bobeira que eu
atiro bem pa c... Vai andando e se olhar pra trás vira presunto..."
Assaltante Baiano :
" Ô meu rei...(longa pausa)... isso é um assalto... Levanta os braços,
mas não se avexe não...(outra pausa) Se num quiser nem precisa
levantar, pra num ficar cansado... Vai passando a grana (pausa), bem
devagarinho... Num repara se o berro está sem bala, mas é pra não ficar
muito pesado... Não esquento, meu irmãozinho, vou deixar teus
documentos na próxima encruzilhada...
Assaltante Paulista :
" Ôrra, meu... Isso é um assalto, meu... Alevanta os braços, meu... Passa
a grana logo, meu... Mais rápido, meu, que eu ainda preciso pegar a
bilheteria aberta pa comprar o ingresso do jogo do Curintia, meu... Pô,
se manda, mano..."
2. Linguagem culta ou padrão
• Ensinada nas escolas;
• Obediência às normas gramaticais
3. Linguagem informal ou popular
Pronominais
Dê-me um cigarro
Diz a gramática
Do professor e do aluno
E do mulato sabido
Mas o bom negro e o bom branco
Da Nação Brasileira
Dizem todos os dias
Deixa disso camarada
Me dá um cigarro.
Oswald de Andrade ANDRADE, O. Obras completas, Volumes 6-7. Rio
de Janeiro: Civilização Brasileira, 1972
• É a língua do cotidiano;
• Situações familiares ou entre amigos;
4. Variação Histórica
“De ponta a ponta, é tudo praia... Muito chã e
muito formosa. Nela, até agora, não pudemos
saber que haja ouro nem prata... Porém a terra
em si é de muitos bons ares, assim frios e
temperados... Águas são muitas; infindas. E em
tal maneira é graciosa, que querendo-a
aproveitar, dar-se-á nela tudo por bem das
águas que tem (...)
(A Carta de Pero Vaz de Caminha)
• Ocorre em um determinado período de
tempo;
• Mudanças de grafia ou de significado
5. Variação Regional
Vício na fala
Para dizerem milho dizem mio
Para melhor dizem mió
Para pior pió
Para telha dizem teia
Para telhado dizem teiado
E vão fazendo telhados
(Oswald de Andrade - Literatura comentada. São
Paulo, Nova Cultural, 1988
6. Variação Social ou cultural: Jargões
• Ligada aos grupos sociais e ao grau de
instrução de uma determinada pessoa;
• Jargão: expressão ou palavra comum a
um grupo de profissionais.
7. Variação Social ou cultural: Gírias
• Linguagem de caráter popular, criada e
usada por determinados grupos
8. Adequação Linguística
Gerente: — Boa tarde. Em que eu posso ajudá-lo?
Cliente: — Estou interessado em financiamento para compra
de veículo.
Gerente: — Nós dispomos de várias modalidades de crédito.
O senhor é nosso cliente?
Cliente: — Sou Júlio César Fontoura, também sou
funcionário do banco.
Gerente: — Julinho, é você, cara? Aqui é a Helena! Cê tá em
Brasília? Pensei que você inda tivesse na agência de
Uberlândia! Passa aqui pra gente conversar com calma.
BORTONI-RICARDO, S. M. Educação em língua materna.
São Paulo: Parábola, 2004 (adaptado).
• habilidade que os falantes possuem de
adaptar a linguagem de acordo com a
necessidade do momento
• variedade padrão ou a variedade popular,
também conhecida como linguagem coloquial.
Vamos praticar?
1. Marque a alternativa correta:
a) variação regional é aquela que sofre mudanças ao
longo do tempo.
b) variação regional ocorre de acordo com a cultura de
determinada região.
c) variação regional é a linguagem utilizada por pessoas
de maior prestigio social.
d) variação regional é a linguagem utilizada pelos
cantores de rap.
2. “Antigamente, as moças chamavam-se mademoiselles
e eram todas mimosas e muito prendadas. Não faziam
anos: completavam primaveras, em geral dezoito. Os
janotas, mesmo sendo rapagões, faziam-lhes pé-de-
alferes, arrastando a asa, mas ficavam longos meses
debaixo do balaio." (Carlos Drummond de Andrade)
Após a leitura do trecho acima, marque as palavras que
estão em dususo.
a) Antigamente, geral, moças
b) arrastando, longos, anos
c) mademoiselles, prendadas, janotas
d) dezoito, completavam, debaixo
3. Evanildo Bechara (professor e gramático)
defende que o aluno deva ser poliglota em sua
própria língua. “Ninguém vai a praia de fraque ou
de chinelo ao municipal”. A afirmativa que melhor
define o que Bechara quis dizer é:
a) Devemos usar sempre a variedade formal.
b) Precisamos conheceras variantes linguísticas,
mas não usar gírias.
c) Precisamos entender as variações existentes no
Português para poder fazer uso adequado.
d) Precisamos falar várias línguas.
4. Leia a letra da música “Saudosa maloca” e responda:
“Si o senhor não “tá” lembrado
Dá licença de “conta”
Que aqui onde agora está
Esse adifício arto
Era uma casa véia
Um palacete assobradado
Foi aqui seu moço
Que eu, Mato Grosso e o Joca
Construímos nossa maloca
Mas um dia, nóis nem pode se alembrá
Veio os homis c'as ferramentas
O dono mandô derrubá (...)”
A letra dessa música é um exemplo de linguagem:
a) culta ou padrão
b) popular ou coloquial
c) jargão
d) formal
5.“Iscute o que tô dizendo.
Seu dotô, seu coroné:
De fome tão padecendo.
Meus fio e minha muié”
(Patativa do Assaré)
A partir da análise da linguagem utilizada no poema, infere-se
que o eu lírico revela-se como falante de uma variedade
linguística específica. Esse falante em seu grupo social, é
identificado como um falante:
a) escolarizada proveniente de uma metrópole
b) estrangeiro que imigrou para uma comunidade do sul do país
c) idoso que habita numa comunidade urbana
d) escolarizado que habita uma comunidade do interior do país
e) sertanejo morador de uma área rural

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Gêneros Textuais
Gêneros TextuaisGêneros Textuais
Gêneros TextuaisEdna Brito
 
Tudo sobre POEMAS
Tudo sobre POEMASTudo sobre POEMAS
Tudo sobre POEMASJaicinha
 
Jogo Pedagógico sobre "Advérbios".
Jogo Pedagógico sobre "Advérbios". Jogo Pedagógico sobre "Advérbios".
Jogo Pedagógico sobre "Advérbios". Paula Meyer Piagentini
 
VariaçãO LinguíStica
VariaçãO LinguíSticaVariaçãO LinguíStica
VariaçãO LinguíSticaElza Silveira
 
Atividades de Língua Portuguesa- Descritores
Atividades de Língua Portuguesa- DescritoresAtividades de Língua Portuguesa- Descritores
Atividades de Língua Portuguesa- DescritoresMarina Alessandra
 
Oficina de Gêneros Textuais em sala de aula
Oficina de Gêneros Textuais em sala de aulaOficina de Gêneros Textuais em sala de aula
Oficina de Gêneros Textuais em sala de aulaJosilene Borges
 
Formação das palavras
Formação das palavrasFormação das palavras
Formação das palavrascolveromachado
 
Aula sinais de pontuação
Aula sinais de pontuaçãoAula sinais de pontuação
Aula sinais de pontuaçãoPéricles Penuel
 
LÍNGUA PORTUGUESA | 1ª SÉRIE | HABILIDADE BNCC (EM13LGG101)
LÍNGUA PORTUGUESA | 1ª SÉRIE | HABILIDADE BNCC  (EM13LGG101) LÍNGUA PORTUGUESA | 1ª SÉRIE | HABILIDADE BNCC  (EM13LGG101)
LÍNGUA PORTUGUESA | 1ª SÉRIE | HABILIDADE BNCC (EM13LGG101) GoisBemnoEnem
 
Aula Divertida: Jogo dos Advérbios
Aula Divertida: Jogo dos AdvérbiosAula Divertida: Jogo dos Advérbios
Aula Divertida: Jogo dos AdvérbiosAndrea Alves
 
. LÍNGUA PORTUGUESA – 1ª SÉRIE – HABILIDADE DA BNCC | (EM13LP02) D15
. LÍNGUA PORTUGUESA – 1ª SÉRIE – HABILIDADE DA BNCC | (EM13LP02) D15. LÍNGUA PORTUGUESA – 1ª SÉRIE – HABILIDADE DA BNCC | (EM13LP02) D15
. LÍNGUA PORTUGUESA – 1ª SÉRIE – HABILIDADE DA BNCC | (EM13LP02) D15GernciadeProduodeMat
 
AULA 03 - Introdução - Diversas formas de iniciar uma redação - PRONTO
AULA 03 - Introdução - Diversas formas de iniciar uma redação  - PRONTOAULA 03 - Introdução - Diversas formas de iniciar uma redação  - PRONTO
AULA 03 - Introdução - Diversas formas de iniciar uma redação - PRONTOMarcelo Cordeiro Souza
 
Figuras de linguagem slide
Figuras de linguagem   slideFiguras de linguagem   slide
Figuras de linguagem slideJaciara Mota
 

Mais procurados (20)

Gêneros Textuais
Gêneros TextuaisGêneros Textuais
Gêneros Textuais
 
Tudo sobre POEMAS
Tudo sobre POEMASTudo sobre POEMAS
Tudo sobre POEMAS
 
Jogo Pedagógico sobre "Advérbios".
Jogo Pedagógico sobre "Advérbios". Jogo Pedagógico sobre "Advérbios".
Jogo Pedagógico sobre "Advérbios".
 
VariaçãO LinguíStica
VariaçãO LinguíSticaVariaçãO LinguíStica
VariaçãO LinguíStica
 
Atividades de Língua Portuguesa- Descritores
Atividades de Língua Portuguesa- DescritoresAtividades de Língua Portuguesa- Descritores
Atividades de Língua Portuguesa- Descritores
 
Oficina de Gêneros Textuais em sala de aula
Oficina de Gêneros Textuais em sala de aulaOficina de Gêneros Textuais em sala de aula
Oficina de Gêneros Textuais em sala de aula
 
Formação das palavras
Formação das palavrasFormação das palavras
Formação das palavras
 
Aula sinais de pontuação
Aula sinais de pontuaçãoAula sinais de pontuação
Aula sinais de pontuação
 
Pronomes
PronomesPronomes
Pronomes
 
LINGUAGEM CULTA X COLOQUIAL
LINGUAGEM CULTA X COLOQUIALLINGUAGEM CULTA X COLOQUIAL
LINGUAGEM CULTA X COLOQUIAL
 
FATO E OPINIAO.pptx
FATO E OPINIAO.pptxFATO E OPINIAO.pptx
FATO E OPINIAO.pptx
 
LÍNGUA PORTUGUESA | 1ª SÉRIE | HABILIDADE BNCC (EM13LGG101)
LÍNGUA PORTUGUESA | 1ª SÉRIE | HABILIDADE BNCC  (EM13LGG101) LÍNGUA PORTUGUESA | 1ª SÉRIE | HABILIDADE BNCC  (EM13LGG101)
LÍNGUA PORTUGUESA | 1ª SÉRIE | HABILIDADE BNCC (EM13LGG101)
 
Diferença entre fato e opinião
Diferença entre fato e opiniãoDiferença entre fato e opinião
Diferença entre fato e opinião
 
Aula Divertida: Jogo dos Advérbios
Aula Divertida: Jogo dos AdvérbiosAula Divertida: Jogo dos Advérbios
Aula Divertida: Jogo dos Advérbios
 
Plano de Aula
Plano de AulaPlano de Aula
Plano de Aula
 
RELAÇÃO TESE - ARGUMENTO
RELAÇÃO TESE - ARGUMENTORELAÇÃO TESE - ARGUMENTO
RELAÇÃO TESE - ARGUMENTO
 
. LÍNGUA PORTUGUESA – 1ª SÉRIE – HABILIDADE DA BNCC | (EM13LP02) D15
. LÍNGUA PORTUGUESA – 1ª SÉRIE – HABILIDADE DA BNCC | (EM13LP02) D15. LÍNGUA PORTUGUESA – 1ª SÉRIE – HABILIDADE DA BNCC | (EM13LP02) D15
. LÍNGUA PORTUGUESA – 1ª SÉRIE – HABILIDADE DA BNCC | (EM13LP02) D15
 
AULA 03 - Introdução - Diversas formas de iniciar uma redação - PRONTO
AULA 03 - Introdução - Diversas formas de iniciar uma redação  - PRONTOAULA 03 - Introdução - Diversas formas de iniciar uma redação  - PRONTO
AULA 03 - Introdução - Diversas formas de iniciar uma redação - PRONTO
 
Figuras de linguagem slide
Figuras de linguagem   slideFiguras de linguagem   slide
Figuras de linguagem slide
 
Sinais de pontuação
Sinais de pontuaçãoSinais de pontuação
Sinais de pontuação
 

Destaque

Realismo e naturalismo
Realismo e naturalismoRealismo e naturalismo
Realismo e naturalismoPaula Rubato
 
Variação linguistica textos
Variação linguistica textosVariação linguistica textos
Variação linguistica textosVanusia Santana
 
Realismo-naturalismo brasileiros
Realismo-naturalismo brasileirosRealismo-naturalismo brasileiros
Realismo-naturalismo brasileirosWalace Cestari
 
Revisão realismo e naturalismo
Revisão realismo e naturalismoRevisão realismo e naturalismo
Revisão realismo e naturalismoIvana Mayrink
 
Variação linguística
Variação linguísticaVariação linguística
Variação linguísticaDenise
 
História da literatura brasileira realismo
História da literatura brasileira realismoHistória da literatura brasileira realismo
História da literatura brasileira realismoJúnior Souza
 
Realismo e naturalismo no brasil completo
Realismo e naturalismo no brasil completoRealismo e naturalismo no brasil completo
Realismo e naturalismo no brasil completolucasmota251
 
Realismo naturalismo
Realismo   naturalismoRealismo   naturalismo
Realismo naturalismonagelaviana
 
Oficina de Poemas
Oficina de PoemasOficina de Poemas
Oficina de Poemaselzsd
 

Destaque (20)

Variação Linguística
Variação LinguísticaVariação Linguística
Variação Linguística
 
Realismo e naturalismo
Realismo e naturalismoRealismo e naturalismo
Realismo e naturalismo
 
Realismo e Naturalismo
Realismo e NaturalismoRealismo e Naturalismo
Realismo e Naturalismo
 
Variação linguistica textos
Variação linguistica textosVariação linguistica textos
Variação linguistica textos
 
Realismo-naturalismo brasileiros
Realismo-naturalismo brasileirosRealismo-naturalismo brasileiros
Realismo-naturalismo brasileiros
 
Variação linguística
Variação linguísticaVariação linguística
Variação linguística
 
Revisão realismo e naturalismo
Revisão realismo e naturalismoRevisão realismo e naturalismo
Revisão realismo e naturalismo
 
Autores del Realismo
Autores del RealismoAutores del Realismo
Autores del Realismo
 
Variação linguística
Variação linguísticaVariação linguística
Variação linguística
 
O Realismo no Brasil
O Realismo no BrasilO Realismo no Brasil
O Realismo no Brasil
 
Registos LíNgua
Registos LíNguaRegistos LíNgua
Registos LíNgua
 
Realismo naturalismo
Realismo   naturalismoRealismo   naturalismo
Realismo naturalismo
 
Autores realistas
Autores realistasAutores realistas
Autores realistas
 
Linguagens Rufino
Linguagens Rufino Linguagens Rufino
Linguagens Rufino
 
Aula 8 texto e discurso
Aula 8 texto e discursoAula 8 texto e discurso
Aula 8 texto e discurso
 
História da literatura brasileira realismo
História da literatura brasileira realismoHistória da literatura brasileira realismo
História da literatura brasileira realismo
 
Realismo e naturalismo no brasil completo
Realismo e naturalismo no brasil completoRealismo e naturalismo no brasil completo
Realismo e naturalismo no brasil completo
 
Realismo e naturalismo no brasil
Realismo e naturalismo no brasilRealismo e naturalismo no brasil
Realismo e naturalismo no brasil
 
Realismo naturalismo
Realismo   naturalismoRealismo   naturalismo
Realismo naturalismo
 
Oficina de Poemas
Oficina de PoemasOficina de Poemas
Oficina de Poemas
 

Semelhante a Variação Ling Língua Viva

aula_2_variedadeslinguisticascompleto.pdf
aula_2_variedadeslinguisticascompleto.pdfaula_2_variedadeslinguisticascompleto.pdf
aula_2_variedadeslinguisticascompleto.pdfJacquelineAssis3
 
Slides língua portuguesa apresentação
Slides língua portuguesa apresentaçãoSlides língua portuguesa apresentação
Slides língua portuguesa apresentaçãoblogdoalunocefa
 
Modulo 2015.2 revisado
Modulo 2015.2 revisadoModulo 2015.2 revisado
Modulo 2015.2 revisadopibidbar
 
Variações linguísticas 2014
Variações linguísticas  2014Variações linguísticas  2014
Variações linguísticas 2014nixsonmachado
 
variao-lingustica-1234443479839338-3 (1).pdf
variao-lingustica-1234443479839338-3 (1).pdfvariao-lingustica-1234443479839338-3 (1).pdf
variao-lingustica-1234443479839338-3 (1).pdfEdilmaBrando1
 
Introdução a lingua portuguesa
Introdução a lingua portuguesaIntrodução a lingua portuguesa
Introdução a lingua portuguesaVinicius Fernandes
 
Introdução a lingua portuguesa
Introdução a lingua portuguesaIntrodução a lingua portuguesa
Introdução a lingua portuguesaVinicius Fernandes
 
Variação linguistica aulão
Variação linguistica   aulãoVariação linguistica   aulão
Variação linguistica aulãoeeepadrianonobre
 
Linguagens - Tema 5 - Lista de questões.pdf
Linguagens - Tema 5 - Lista de questões.pdfLinguagens - Tema 5 - Lista de questões.pdf
Linguagens - Tema 5 - Lista de questões.pdfBrunoCosta364836
 
Trabalhando noções de variação linguística
Trabalhando noções de variação linguísticaTrabalhando noções de variação linguística
Trabalhando noções de variação linguísticaCristianoGaio1
 
Enem 2014, aspectos gramaticais
Enem 2014, aspectos gramaticaisEnem 2014, aspectos gramaticais
Enem 2014, aspectos gramaticaisma.no.el.ne.ves
 
Variao lingustica-1234443479839338-3
Variao lingustica-1234443479839338-3Variao lingustica-1234443479839338-3
Variao lingustica-1234443479839338-3Orniane Pinheiro
 
Variao lingustica-1234443479839338-3
Variao lingustica-1234443479839338-3Variao lingustica-1234443479839338-3
Variao lingustica-1234443479839338-3Tuh Caldas
 
Aula prática de análise musical como gênero textual
Aula prática de análise musical  como gênero textualAula prática de análise musical  como gênero textual
Aula prática de análise musical como gênero textualSeduc MT
 

Semelhante a Variação Ling Língua Viva (20)

aula_2_variedadeslinguisticascompleto.pdf
aula_2_variedadeslinguisticascompleto.pdfaula_2_variedadeslinguisticascompleto.pdf
aula_2_variedadeslinguisticascompleto.pdf
 
Slides língua portuguesa apresentação
Slides língua portuguesa apresentaçãoSlides língua portuguesa apresentação
Slides língua portuguesa apresentação
 
Modulo 2015.2 revisado
Modulo 2015.2 revisadoModulo 2015.2 revisado
Modulo 2015.2 revisado
 
Variações linguísticas 2014
Variações linguísticas  2014Variações linguísticas  2014
Variações linguísticas 2014
 
Variação linguística
Variação linguística Variação linguística
Variação linguística
 
Níveis de linguagem
Níveis de linguagemNíveis de linguagem
Níveis de linguagem
 
variao-lingustica-1234443479839338-3 (1).pdf
variao-lingustica-1234443479839338-3 (1).pdfvariao-lingustica-1234443479839338-3 (1).pdf
variao-lingustica-1234443479839338-3 (1).pdf
 
Introdução a lingua portuguesa
Introdução a lingua portuguesaIntrodução a lingua portuguesa
Introdução a lingua portuguesa
 
Introdução a lingua portuguesa
Introdução a lingua portuguesaIntrodução a lingua portuguesa
Introdução a lingua portuguesa
 
Variação linguistica aulão
Variação linguistica   aulãoVariação linguistica   aulão
Variação linguistica aulão
 
Linguagens - Tema 5 - Lista de questões.pdf
Linguagens - Tema 5 - Lista de questões.pdfLinguagens - Tema 5 - Lista de questões.pdf
Linguagens - Tema 5 - Lista de questões.pdf
 
Módulo 1
Módulo 1Módulo 1
Módulo 1
 
Trabalhando noções de variação linguística
Trabalhando noções de variação linguísticaTrabalhando noções de variação linguística
Trabalhando noções de variação linguística
 
Enem 2014, aspectos gramaticais
Enem 2014, aspectos gramaticaisEnem 2014, aspectos gramaticais
Enem 2014, aspectos gramaticais
 
AVAL_7º_LP_CRUZ_CE
AVAL_7º_LP_CRUZ_CEAVAL_7º_LP_CRUZ_CE
AVAL_7º_LP_CRUZ_CE
 
ROTEIROS
ROTEIROS ROTEIROS
ROTEIROS
 
5
55
5
 
Variao lingustica-1234443479839338-3
Variao lingustica-1234443479839338-3Variao lingustica-1234443479839338-3
Variao lingustica-1234443479839338-3
 
Variao lingustica-1234443479839338-3
Variao lingustica-1234443479839338-3Variao lingustica-1234443479839338-3
Variao lingustica-1234443479839338-3
 
Aula prática de análise musical como gênero textual
Aula prática de análise musical  como gênero textualAula prática de análise musical  como gênero textual
Aula prática de análise musical como gênero textual
 

Mais de Nastrilhas da lingua portuguesa

Resenhas produtos produzidos pelos alunos do projeto - sd 2017.2
Resenhas   produtos produzidos pelos alunos do projeto - sd 2017.2Resenhas   produtos produzidos pelos alunos do projeto - sd 2017.2
Resenhas produtos produzidos pelos alunos do projeto - sd 2017.2Nastrilhas da lingua portuguesa
 
Nas trilhas da língua portuguesa sequência didática 2017.2
Nas trilhas da língua portuguesa sequência didática 2017.2Nas trilhas da língua portuguesa sequência didática 2017.2
Nas trilhas da língua portuguesa sequência didática 2017.2Nastrilhas da lingua portuguesa
 
Elementos da narrativa-conto-de-enigma-e-relato-pessoal-revisão
Elementos da narrativa-conto-de-enigma-e-relato-pessoal-revisãoElementos da narrativa-conto-de-enigma-e-relato-pessoal-revisão
Elementos da narrativa-conto-de-enigma-e-relato-pessoal-revisãoNastrilhas da lingua portuguesa
 

Mais de Nastrilhas da lingua portuguesa (20)

Roteiro discussão sd 2
Roteiro discussão sd 2Roteiro discussão sd 2
Roteiro discussão sd 2
 
Roteiros de-discussão- sd - 2017.1 (1)
Roteiros de-discussão- sd - 2017.1 (1)Roteiros de-discussão- sd - 2017.1 (1)
Roteiros de-discussão- sd - 2017.1 (1)
 
Roteiro encenação-de-encerramento-do-pibid-2017.1
Roteiro encenação-de-encerramento-do-pibid-2017.1Roteiro encenação-de-encerramento-do-pibid-2017.1
Roteiro encenação-de-encerramento-do-pibid-2017.1
 
Roteiro divulgação-da-sequência-2017.1
Roteiro divulgação-da-sequência-2017.1Roteiro divulgação-da-sequência-2017.1
Roteiro divulgação-da-sequência-2017.1
 
Resenhas produtos produzidos pelos alunos do projeto - sd 2017.2
Resenhas   produtos produzidos pelos alunos do projeto - sd 2017.2Resenhas   produtos produzidos pelos alunos do projeto - sd 2017.2
Resenhas produtos produzidos pelos alunos do projeto - sd 2017.2
 
Roteiros de-discussão- sd - 2017.1
Roteiros de-discussão- sd - 2017.1Roteiros de-discussão- sd - 2017.1
Roteiros de-discussão- sd - 2017.1
 
Nas trilhas da lingua port - cadernodeatividades2107.2
Nas trilhas da lingua port - cadernodeatividades2107.2Nas trilhas da lingua port - cadernodeatividades2107.2
Nas trilhas da lingua port - cadernodeatividades2107.2
 
Nas trilhas da lingua portuguesa módulo 2017.2
Nas trilhas da lingua portuguesa   módulo 2017.2Nas trilhas da lingua portuguesa   módulo 2017.2
Nas trilhas da lingua portuguesa módulo 2017.2
 
Nas trilhas da língua portuguesa sequência didática 2017.2
Nas trilhas da língua portuguesa sequência didática 2017.2Nas trilhas da língua portuguesa sequência didática 2017.2
Nas trilhas da língua portuguesa sequência didática 2017.2
 
Roteiros de-discussão - 2017.2 (contos)
Roteiros de-discussão - 2017.2 (contos)Roteiros de-discussão - 2017.2 (contos)
Roteiros de-discussão - 2017.2 (contos)
 
Fatores da textualidade pibid 2017.2
Fatores da textualidade   pibid 2017.2Fatores da textualidade   pibid 2017.2
Fatores da textualidade pibid 2017.2
 
Quiz – nas trilhas os meninos( mais velho, mais novo)
Quiz – nas trilhas   os meninos( mais velho, mais novo)Quiz – nas trilhas   os meninos( mais velho, mais novo)
Quiz – nas trilhas os meninos( mais velho, mais novo)
 
Quiz – nas trilhas narraçao
Quiz – nas trilhas   narraçaoQuiz – nas trilhas   narraçao
Quiz – nas trilhas narraçao
 
Momento diversão narrativa de imagem
Momento diversão   narrativa de imagemMomento diversão   narrativa de imagem
Momento diversão narrativa de imagem
 
Tempo e espço (1)
Tempo e espço (1)Tempo e espço (1)
Tempo e espço (1)
 
Tipologias textuais
Tipologias textuais Tipologias textuais
Tipologias textuais
 
Estudo do-gênero-resumo
Estudo do-gênero-resumoEstudo do-gênero-resumo
Estudo do-gênero-resumo
 
Elementos da narrativa-conto-de-enigma-e-relato-pessoal-revisão
Elementos da narrativa-conto-de-enigma-e-relato-pessoal-revisãoElementos da narrativa-conto-de-enigma-e-relato-pessoal-revisão
Elementos da narrativa-conto-de-enigma-e-relato-pessoal-revisão
 
Cultura e-regionalismo-pibid
Cultura e-regionalismo-pibidCultura e-regionalismo-pibid
Cultura e-regionalismo-pibid
 
Que é uma narrativa
Que é uma narrativa Que é uma narrativa
Que é uma narrativa
 

Último

QUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNAS
QUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNASQUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNAS
QUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNASEdinardo Aguiar
 
organizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdf
organizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdforganizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdf
organizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdfCarlosRodrigues832670
 
Mini livro sanfona - Povos Indigenas Brasileiros
Mini livro sanfona  - Povos Indigenas BrasileirosMini livro sanfona  - Povos Indigenas Brasileiros
Mini livro sanfona - Povos Indigenas BrasileirosMary Alvarenga
 
Cultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdf
Cultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdfCultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdf
Cultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdfaulasgege
 
Empreendedorismo: O que é ser empreendedor?
Empreendedorismo: O que é ser empreendedor?Empreendedorismo: O que é ser empreendedor?
Empreendedorismo: O que é ser empreendedor?MrciaRocha48
 
Currículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdf
Currículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdfCurrículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdf
Currículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdfIedaGoethe
 
Dança Contemporânea na arte da dança primeira parte
Dança Contemporânea na arte da dança primeira parteDança Contemporânea na arte da dança primeira parte
Dança Contemporânea na arte da dança primeira partecoletivoddois
 
AULA 7 - REFORMA PROTESTANTE SIMPLES E BASICA.pptx
AULA 7 - REFORMA PROTESTANTE SIMPLES E BASICA.pptxAULA 7 - REFORMA PROTESTANTE SIMPLES E BASICA.pptx
AULA 7 - REFORMA PROTESTANTE SIMPLES E BASICA.pptxrenatacolbeich1
 
6°ano Uso de pontuação e acentuação.pptx
6°ano Uso de pontuação e acentuação.pptx6°ano Uso de pontuação e acentuação.pptx
6°ano Uso de pontuação e acentuação.pptxErivaldoLima15
 
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdf
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdfDIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdf
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdfIedaGoethe
 
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chave
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chaveAula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chave
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chaveaulasgege
 
TREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.ppt
TREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.pptTREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.ppt
TREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.pptAlineSilvaPotuk
 
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptxSlides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão Linguística
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão LinguísticaA Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão Linguística
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão LinguísticaFernanda Ledesma
 
Geometria 5to Educacion Primaria EDU Ccesa007.pdf
Geometria  5to Educacion Primaria EDU  Ccesa007.pdfGeometria  5to Educacion Primaria EDU  Ccesa007.pdf
Geometria 5to Educacion Primaria EDU Ccesa007.pdfDemetrio Ccesa Rayme
 
AULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptx
AULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptxAULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptx
AULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptxGislaineDuresCruz
 
Bingo da potenciação e radiciação de números inteiros
Bingo da potenciação e radiciação de números inteirosBingo da potenciação e radiciação de números inteiros
Bingo da potenciação e radiciação de números inteirosAntnyoAllysson
 
Combinatória.pptxCombinatória.pptxCombinatória.pptxCombinatória.pptx
Combinatória.pptxCombinatória.pptxCombinatória.pptxCombinatória.pptxCombinatória.pptxCombinatória.pptxCombinatória.pptxCombinatória.pptx
Combinatória.pptxCombinatória.pptxCombinatória.pptxCombinatória.pptxalessandraoliveira324
 
Linguagem verbal , não verbal e mista.pdf
Linguagem verbal , não verbal e mista.pdfLinguagem verbal , não verbal e mista.pdf
Linguagem verbal , não verbal e mista.pdfLaseVasconcelos1
 
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptxBaladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptxacaciocarmo1
 

Último (20)

QUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNAS
QUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNASQUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNAS
QUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNAS
 
organizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdf
organizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdforganizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdf
organizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdf
 
Mini livro sanfona - Povos Indigenas Brasileiros
Mini livro sanfona  - Povos Indigenas BrasileirosMini livro sanfona  - Povos Indigenas Brasileiros
Mini livro sanfona - Povos Indigenas Brasileiros
 
Cultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdf
Cultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdfCultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdf
Cultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdf
 
Empreendedorismo: O que é ser empreendedor?
Empreendedorismo: O que é ser empreendedor?Empreendedorismo: O que é ser empreendedor?
Empreendedorismo: O que é ser empreendedor?
 
Currículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdf
Currículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdfCurrículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdf
Currículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdf
 
Dança Contemporânea na arte da dança primeira parte
Dança Contemporânea na arte da dança primeira parteDança Contemporânea na arte da dança primeira parte
Dança Contemporânea na arte da dança primeira parte
 
AULA 7 - REFORMA PROTESTANTE SIMPLES E BASICA.pptx
AULA 7 - REFORMA PROTESTANTE SIMPLES E BASICA.pptxAULA 7 - REFORMA PROTESTANTE SIMPLES E BASICA.pptx
AULA 7 - REFORMA PROTESTANTE SIMPLES E BASICA.pptx
 
6°ano Uso de pontuação e acentuação.pptx
6°ano Uso de pontuação e acentuação.pptx6°ano Uso de pontuação e acentuação.pptx
6°ano Uso de pontuação e acentuação.pptx
 
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdf
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdfDIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdf
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdf
 
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chave
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chaveAula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chave
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chave
 
TREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.ppt
TREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.pptTREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.ppt
TREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.ppt
 
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptxSlides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
 
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão Linguística
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão LinguísticaA Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão Linguística
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão Linguística
 
Geometria 5to Educacion Primaria EDU Ccesa007.pdf
Geometria  5to Educacion Primaria EDU  Ccesa007.pdfGeometria  5to Educacion Primaria EDU  Ccesa007.pdf
Geometria 5to Educacion Primaria EDU Ccesa007.pdf
 
AULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptx
AULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptxAULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptx
AULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptx
 
Bingo da potenciação e radiciação de números inteiros
Bingo da potenciação e radiciação de números inteirosBingo da potenciação e radiciação de números inteiros
Bingo da potenciação e radiciação de números inteiros
 
Combinatória.pptxCombinatória.pptxCombinatória.pptxCombinatória.pptx
Combinatória.pptxCombinatória.pptxCombinatória.pptxCombinatória.pptxCombinatória.pptxCombinatória.pptxCombinatória.pptxCombinatória.pptx
Combinatória.pptxCombinatória.pptxCombinatória.pptxCombinatória.pptx
 
Linguagem verbal , não verbal e mista.pdf
Linguagem verbal , não verbal e mista.pdfLinguagem verbal , não verbal e mista.pdf
Linguagem verbal , não verbal e mista.pdf
 
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptxBaladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
 

Variação Ling Língua Viva

  • 2. A língua é viva!
  • 3. 1. Sotaque/ Dialeto/ Variação Linguística
  • 4. Assaltante Nordestino : " Ei, bixim... Isso é um assalto... Arriba os braços e num se bula nem faça munganga... Passa vexado o dinheiro senão eu planto a peixeira no teu bucho e boto teu fato pra fora... Perdão meu Padim Ciço, mas é que eu tô com uma fome da moléstia..." Assaltante Mineiro : "Ô sô, prestenção... Isso é um assartin, uai... Levanto os braço e fica quetin quesse trem na minha mão tá cheio de bala... Ói, passa logo os trocado que eu num tô bão hoje... Vai andando, uai, tá esperando o que, meu fi." Assaltante Gaúcho : " O gurí, ficas atento... Báh, isso é um assalto... Levantas os braços e te aquieta, tchê! Não tente nada e tome cuidado que esse facão corta que é uma barbaridade! Passa os pilas prá cá! E te manda a la cria, senão o quarenta e quatro fala!!"
  • 5. Assaltante Carioca : " Seguiiiinnte, bicho... Tu se f... isso é um assalto... Aí, passa a grana e levanta os braços rapá... Não fica de bobeira que eu atiro bem pa c... Vai andando e se olhar pra trás vira presunto..." Assaltante Baiano : " Ô meu rei...(longa pausa)... isso é um assalto... Levanta os braços, mas não se avexe não...(outra pausa) Se num quiser nem precisa levantar, pra num ficar cansado... Vai passando a grana (pausa), bem devagarinho... Num repara se o berro está sem bala, mas é pra não ficar muito pesado... Não esquento, meu irmãozinho, vou deixar teus documentos na próxima encruzilhada... Assaltante Paulista : " Ôrra, meu... Isso é um assalto, meu... Alevanta os braços, meu... Passa a grana logo, meu... Mais rápido, meu, que eu ainda preciso pegar a bilheteria aberta pa comprar o ingresso do jogo do Curintia, meu... Pô, se manda, mano..."
  • 6. 2. Linguagem culta ou padrão
  • 7. • Ensinada nas escolas; • Obediência às normas gramaticais
  • 8. 3. Linguagem informal ou popular Pronominais Dê-me um cigarro Diz a gramática Do professor e do aluno E do mulato sabido Mas o bom negro e o bom branco Da Nação Brasileira Dizem todos os dias Deixa disso camarada Me dá um cigarro. Oswald de Andrade ANDRADE, O. Obras completas, Volumes 6-7. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1972
  • 9. • É a língua do cotidiano; • Situações familiares ou entre amigos;
  • 10. 4. Variação Histórica “De ponta a ponta, é tudo praia... Muito chã e muito formosa. Nela, até agora, não pudemos saber que haja ouro nem prata... Porém a terra em si é de muitos bons ares, assim frios e temperados... Águas são muitas; infindas. E em tal maneira é graciosa, que querendo-a aproveitar, dar-se-á nela tudo por bem das águas que tem (...) (A Carta de Pero Vaz de Caminha)
  • 11. • Ocorre em um determinado período de tempo; • Mudanças de grafia ou de significado
  • 12. 5. Variação Regional Vício na fala Para dizerem milho dizem mio Para melhor dizem mió Para pior pió Para telha dizem teia Para telhado dizem teiado E vão fazendo telhados (Oswald de Andrade - Literatura comentada. São Paulo, Nova Cultural, 1988
  • 13.
  • 14. 6. Variação Social ou cultural: Jargões
  • 15. • Ligada aos grupos sociais e ao grau de instrução de uma determinada pessoa; • Jargão: expressão ou palavra comum a um grupo de profissionais.
  • 16. 7. Variação Social ou cultural: Gírias
  • 17. • Linguagem de caráter popular, criada e usada por determinados grupos
  • 18. 8. Adequação Linguística Gerente: — Boa tarde. Em que eu posso ajudá-lo? Cliente: — Estou interessado em financiamento para compra de veículo. Gerente: — Nós dispomos de várias modalidades de crédito. O senhor é nosso cliente? Cliente: — Sou Júlio César Fontoura, também sou funcionário do banco. Gerente: — Julinho, é você, cara? Aqui é a Helena! Cê tá em Brasília? Pensei que você inda tivesse na agência de Uberlândia! Passa aqui pra gente conversar com calma. BORTONI-RICARDO, S. M. Educação em língua materna. São Paulo: Parábola, 2004 (adaptado).
  • 19. • habilidade que os falantes possuem de adaptar a linguagem de acordo com a necessidade do momento • variedade padrão ou a variedade popular, também conhecida como linguagem coloquial.
  • 21. 1. Marque a alternativa correta: a) variação regional é aquela que sofre mudanças ao longo do tempo. b) variação regional ocorre de acordo com a cultura de determinada região. c) variação regional é a linguagem utilizada por pessoas de maior prestigio social. d) variação regional é a linguagem utilizada pelos cantores de rap.
  • 22. 2. “Antigamente, as moças chamavam-se mademoiselles e eram todas mimosas e muito prendadas. Não faziam anos: completavam primaveras, em geral dezoito. Os janotas, mesmo sendo rapagões, faziam-lhes pé-de- alferes, arrastando a asa, mas ficavam longos meses debaixo do balaio." (Carlos Drummond de Andrade) Após a leitura do trecho acima, marque as palavras que estão em dususo. a) Antigamente, geral, moças b) arrastando, longos, anos c) mademoiselles, prendadas, janotas d) dezoito, completavam, debaixo
  • 23. 3. Evanildo Bechara (professor e gramático) defende que o aluno deva ser poliglota em sua própria língua. “Ninguém vai a praia de fraque ou de chinelo ao municipal”. A afirmativa que melhor define o que Bechara quis dizer é: a) Devemos usar sempre a variedade formal. b) Precisamos conheceras variantes linguísticas, mas não usar gírias. c) Precisamos entender as variações existentes no Português para poder fazer uso adequado. d) Precisamos falar várias línguas.
  • 24. 4. Leia a letra da música “Saudosa maloca” e responda: “Si o senhor não “tá” lembrado Dá licença de “conta” Que aqui onde agora está Esse adifício arto Era uma casa véia Um palacete assobradado Foi aqui seu moço Que eu, Mato Grosso e o Joca Construímos nossa maloca Mas um dia, nóis nem pode se alembrá Veio os homis c'as ferramentas O dono mandô derrubá (...)” A letra dessa música é um exemplo de linguagem: a) culta ou padrão b) popular ou coloquial c) jargão d) formal
  • 25. 5.“Iscute o que tô dizendo. Seu dotô, seu coroné: De fome tão padecendo. Meus fio e minha muié” (Patativa do Assaré) A partir da análise da linguagem utilizada no poema, infere-se que o eu lírico revela-se como falante de uma variedade linguística específica. Esse falante em seu grupo social, é identificado como um falante: a) escolarizada proveniente de uma metrópole b) estrangeiro que imigrou para uma comunidade do sul do país c) idoso que habita numa comunidade urbana d) escolarizado que habita uma comunidade do interior do país e) sertanejo morador de uma área rural