SlideShare uma empresa Scribd logo
O LIBERALISMO TEOLOGICO
                Professor: Pr. Josias Moura de Menezes.

                  Site: www.josiasmoura.wordpress.com

                      Email: josiasmoura@gmail.com



I. NOMES PRINCIPAIS

Vejamos agora alguns nomes implicados no liberalismo teológico,
responsáveis pelos novos ru mos tomados pelo protestantismo:

A. Friedrich Schleiermacher (1768-1834)

1. Teólogo e filósofo alemão, embora anti-racionalista, ensinou que não
há religiões falsas e verdadeiras. Todas elas, com maior ou menor grau de
eficiência, têm por objetivo ligar o homem finito com o Deus infinito,
sendo o cristianismo a melhor delas.

2. Ao harmonizar as concepções protestantes com as convicções de
burguesia culta e liberal, Schleiermacher foi considerado radical pelos
ortodoxos, e visionário pelos racionalistas. Na verdade, o seu pensamento
filosófico-teológico, embora considerado liberal, está mais perto do
transcendentalismo de Karl Barth.



B.Johann David Michalis (1717-1791)

1. Teólogo protestante alemão, foi o primeiro a abandonar o conceito da
inspiração literal das Escrituras Sagradas.

C. Adoff Von Harnack (1851-1930)

1. Teólogo protestante alemão, defende em sua obra principal História
dos Dogmas, a evolu ção dos dogmas do cristianismno pela heleniza ção
progressiva da fé cristã primitiva. Em outra obra, A essência do
Pr Josias Moura de Menezes – Site: www.josiasmoura.wordpress.com   Página 1
cristianismo, reduziu a re ligião cristã a uma espécie de confiança em
Deus, sem dogma algum e sem cristologia.

D. Albrecht Ritschl (1822-1889)

1. Teólogo alemão, ensinou que a teologia não pode seguir Georg Hegel,
filósofo alemão tribu tário da filosofia grega, do racionalismo carte siano e
do idealismo alemão. Ritschl ressaltou o conteúdo ético da teologia cristã
e afirmou que esta deve basear-se principalmente na apreciação da vida
interior de Cristo.

E. David Friedrich Strauss (1808-1874)

1. Foi o teólogo alemão que maior influência exerceu no século XIX sobre
os não-teólogos e não-eclesiásticos. Tornou-se professor da Universidade
de Tubingen com apenas 24 anos. Quatro anos mais tarde, em 1836, foi
furiosa mente afastado do cargo em virtude de sua Vida de Jesus,
criticamente estudada.

2. No ano de 1841 lançou, em dois volumes, sua Fé Crista - Seu
Desenvolvimento Histórico e seu. Conflito com a Ciência Moderna,
negando completamente a Bíblia, a Igreja e a Dogmáti ca. Em 1864
publicou uma segunda Vida de Je sus, quando procurou então distinguir o
Jesus histórico do Cristo ideal segundo a maneira típica dos liberais do
século XIX. Em sua A Antiga e a Nova Fé, publicada em 1872, adota a evolu
ção darwiniana em contraste com a fé bíblica.

3. Para Strauss, Jesus é mero homem. Insiste em que é necessário
escolher entre uma observação imparcial e o Cristo da fé. Ensinou que é
preciso julgar o que os Evangelhos dizem de Jesus pela lei lógica, histórica
e filosófica, que governa todos os eventos em todos os tempos. Não
achou e não procurou um âmago histórico, mas interessou-se apenas em
mostrar a presença e a origem do mito nos evangelhos.

4. Segundo seu conceito, não somos mais cristãos, mas simplesmente
religiosos. Seu conceito do mundo é o de matérias subindo para formas


Pr Josias Moura de Menezes – Site: www.josiasmoura.wordpress.com    Página 2
cada vez mais altas. À pergunta: "Como ordenamos nossas vidas?" -
responde: autodeterminação, seguindo a espécie.

5. Nas obras de Strauss não há lugar para o sobrenatural. Os milagres são
mitos, contados para confirmar o papel necessário de Jesus, daí as
referências ao Velho Testamento. Em resumo, Jesus é uma figura
histórica. Da vida de Jesus nada sabemos, sendo tudo mito e lenda.

6. Considerado o mais erudito entre os biógrafos infiéis de Jesus, Strauss
encerra o último capítulo da sua segunda Vida de Jesus com estas
palavras: "...aparentemente aniquilaram a maior e mais importante parte
daquilo que o cristão se acostumou a crer concernente a Jesus;
desarraigaram todos os encorajamentos que ele tem tirado de sua fé e
privaram-no de todas as suas consolações. Parece que se acham
irremediavelmente solapados         os inesgotáveis depósitos de verdade e
vida que por dezoito séculos têm sido o alimento da humanidade; o mais
sublime atirado ao pó, Deus despido de sua graça, o homem despojado de
sua dignidade, e o laço entre o céu e a terra rompido. Recua a piedade em
horror diante de um ato tão temeroso de profanação, e, forte como é na
impregnável evidência própria de sua fé, ousadamente conclui que - não
importa se um criticismo audaz tentar o que lhe aprouver tudo o que as
Escrituras declaram e a Igreja crê acerca de Cristo subsistirá como verdade
eterna; nem sequer um jota ou um til será removido."

7. Philip Schaff comenta que Strauss professa admitir a verdade abstrata
da cristologia ortodoxa, "a união do divino e humano , mas perverte-a,
emprestando-lhe um sentido puramente intelectual, ou panteísta. Ele
nega atributos e honras divinas à gloriosa Cabeça da raça, mas aplica os
mesmos atributos a uma humanidade acéfala. Destarte, ele substitui,
partindo de preconceitos panteístas, uma viva realidade por uma
abstração metafísica; um fato histórico por uma mera noção; a vitória
moral sobre o pecado e a morte por um mero passo na filosofia e em artes
mecânicas; o culto do único vivo e verdadeiro Deus por um culto panteísta
de heróis, ou própria adoração de uma raça de caída; o pão nutriente por


Pr Josias Moura de Menezes – Site: www.josiasmoura.wordpress.com   Página 3
uma pedra; o Evangelho de esperança e vida eterna por um evangelho de
desespero e de final aniquilamento."

F. Sorem Kierkegaard (1813-1855)

1. Teólogo e filósofo dinamarquês. Filho de um homem rico torturado por
dúvidas religiosas e sentimentos de culpa, Kierkegaard adquiriu complexos
de natureza psicopatológica e possíveis deficiências somáticas. Estudou
teologia na universidade de Copenhague, licenciando-se em 1841.

2. Atacou a filosofia de Hegel e afastou-se mais e mais da Igreja Luterana,
por julgá-la muito pouco cristã. Para o teólogo dinarmaquês, entre as
atitudes (fases) estética, ética e religiosa da vida, não há mediação, como
na dialética de Hegel, e não há entre elas transição, no sentido de
evolução. Para chegar da fase estética à fase ética ou desta à religiosa é
preciso dar um salto (ser iluminado, converter-se instantaneamente) que
transforme inteiramente a vida da pessoa.

3. Para Kierkegaard', só o cristianismo é capaz de vencer heroicamente o
mundo, sendo o panteísmo cultural de Hegel impotente contra a
consciência do pecado e contra o medo e temor. Criticou o hegelianismo
em sua acomodação ao mundo profano, por não ser capaz de eliminar a
angústia e admitir a existência de contradições irresolúveis entre o
cristianismo e o mundo, cabendo ao homem escolher existencialmente
entre esta e aquela alternativa: ser cristão ou ser não-cristão.

4. São profundos os conceitos de Kierkegaard sobre os estágios da vida, a
diferença entre ser e existir, o subjetivo e o objetivo, o desespero, os
critérios positivos para a verdadeira existência etc.

Eis alguns deles:

      a. no estágio estético, o homem leva uma existência imediata e não
      refletiva, faltando a diferenciação entre ele e o seu mundo; no
      estágio ético, o homem assume a responsabilidade pelo seu próprio
      ser, procura alcançar-se a si - o que não pode fazer; no estágio
      religioso, reconhece a impossibilidade de vi ver conforme gostaria e

Pr Josias Moura de Menezes – Site: www.josiasmoura.wordpress.com   Página 4
descobre que o peca do é não ser o que Deus deseja que seja, e que
      só se alcança este estado proposto por Deus através de algo que
      vem de fora - o próprio Deus;

      b. o tempo (e espaço) trata do que o homem é, da sua existência; a
      eternidade significa que, embora o homem viva no tempo e no
      espaço, ele não está totalmente determinado por estes elementos;
      a existência fala de liberdade, possibilidade, do ideal, da obrigação;
      o momento de decisão é quando a eternidade intercepta o tempo;

      c. o objetivo cultural é aquilo que é, enquanto o homem fica entre o
      que é e o que ele pode e deve ser. A ciência limita-se ao estudo do
      que é, ao que ela chama "a verdade"; mas os fatos claramente
      aceitos jamais encerram a verdade;

      d. a essência do ser humano aparece quando traz a eternidade para
      dentro do tempo. Cada homem há de sofrer porque vive numa
      realidade muito física: liberdade versus tempo;

      e. o único que realmente resolveu o paradoxo do tempo e da
      eternidade foi Jesus Cristo. Ele mesmo foi um paradoxo: Deus e
      homem; limitado e ilimitado; ignorante e conhecedor de tudo.

5. S. Kierkegaard, redescoberto na Alemanha por volta de 1910, é
considerado o precursor da teologia transcendental, de que Karl Barth, no
século XX, é o principal representante.

II. EXAME CRÍTICO

A. Principais Doutrinas Liberais

1. Foi a partir de meados do século XIX, como conseqüência da grande
vitalidade intelectual e reorientação do pensamento, que nasceu a
teologia liberal. Foi esta uma época de renascimento religioso em geral e,
em particular, de expansão do protestantismo, institucional e geográfica
mente, caracterizada pelas missões e surgimento das sociedades bíblicas.



Pr Josias Moura de Menezes – Site: www.josiasmoura.wordpress.com    Página 5
2. O liberalismo teológico, em sua essência, pro cura libertar as
consciências cristãs das suas amarras escolásticas, apontando-lhes as
exigências da razão. Realça a pessoa de Deus como a fonte de toda a
verdade e enfatiza a necessidade de uma certeza sincera na busca da
verdade, embora reconheça a impossibilidade do ser humano alcançar um
conhecimento pleno da verdade absoluta.

3. A maioria dos teólogos da atualidade considera hoje insustentável essa
premissa liberalista de que o espírito humano não possa mover-se em
regiões para além do alcance dos sentidos, além do raciocínio mais
brilhante. Para Platão, o intelecto tem idéias supersensíveis, inexplicáveis
à luz da razão, sendo que é neste reino que residem os característicos
principais e distintivos da alma humana. Modernamente, é cada vez maior
o número dos que conhecem uma área essencialmente metafísica,
portanto fora do alcance dos meios físicos, na qual o espírito obedece às
leis de sua própria natureza.

4. Segundo os teólogos liberais, o protestantismo precisa "incorporar à sua
teologia os valores básicos, as aspirações e as atitudes características da
cultura moderna, ressaltando, dentre outros, o imperativo ético do
Evangelho." (Mirador). Dessa pregação nasceu o evangelho social, onde a
mensagem de Cristo deixa de ser o poder de Deus para a salvação e
regeneração do homem, para tornar-se apenas uma fórmula social,
impotente. "A Igreja transcende os métodos e as fórmulas humanas. Ela
produz aquela vida plena de riqueza, que é o espírito livre e nobre em
ação; pensa os melhores pensamentos; aceita os mais elevados ideais e os
reveste de uma linguagem irresistível. Assim ela infunde um poder criador
na sociedade de espíritos humanos... Não há fórmula suficiente boa para
tornar boa uma sociedade, se não for executada por homens bons. O
cristianismo não elabora fórmulas, mas cria os homens capazes de insuflar
força moral em qualquer fórmula" (Lynn Harold Hough).

5. O movimento liberalista não reivindicou apenas amplas liberdades para
o exercício da razão, mas pregou a tolerância entre as denominações


Pr Josias Moura de Menezes – Site: www.josiasmoura.wordpress.com    Página 6
protestantes, aproximando-as, através da minimização das diferenças
doutrinárias.

6. O ressurgimento da intolerância religiosa no seio do catolicismo
romano, nas primeiras décadas do século passado, o que resultou na
prisão e morte de protestantes em diversos países, especialmente na
Estônia, Lituânia, Letônia, Turquia, Pérsia, Portugual e Espanha, contribuiu
também para aproximar entre si as denominações evangélicas. A
organização, em 1846, da Aliança Mundial Evangélica, em Londres, foi
uma resposta ao estado de insegurança em que se achavam várias
correntes do protestantismo. Essa Aliança muito fez pela liberdade de
culto em todo o mundo.

7. Mas o espírito liberal reclama ainda respeito pela ciência e pelos
métodos científicos de pesquisas, o que implica na aceitação franca do
estudo, tanto do mundo material como da crítica bíblica e da história da
Igreja. Foi, valendo-se desse estado de espírito favorável, que Darwin
publicou a sua célebre obra As Origens das Espécies através de meios de
seleção natural,em 24 de novembro de 1859, que provocou violentas e
intermináveis polêmicas.

8. O liberalismo teológico aceita também o princípio da continuidade, ou
seja, considera mais importantes as semelhanças do que os contrastes,
admitindo-se a idéia da evolução para superar os abismos existentes entre
o natural e espiritual, entre o homem e seu Criador, enfatizando mais a
imanência do que a transcendência de Deus; o liberalismo prega ainda a
confiança do homem no futuro, gerada pelas grandes conquistas em todos
os campos da ciência.

9. Não há dúvida de que o sonho liberalista do século passado mostra a
cada dia mais impossibilidade de materializar-se. A teoria da evolução está
hoje negada pelos principais cientistas, e as conquistas da ciência
moderna têm trazido, ao lado do seu inegável progresso, resultados
catastróficos. A confiança do homem no futuro desvanece-se hoje à luz
dos fatos atuais e a exemplo de amargas experiências recentes. Quanto à
imanência de Deus, sugere esta ênfase que a Divindade está identificada
Pr Josias Moura de Menezes – Site: www.josiasmoura.wordpress.com    Página 7
com a totalidade das existências, afirmando, panteisticamente, que tudo é
Deus e Deus é o tudo. Elimina-se, destarte, toda a concepção da
personalidade divina e, em conseqüência, considera-se o homem um
irresponsável. Quando se nega o conceito de Deus, como o Criador
onipotente que está acima de todas as coisas que criou, corre-se o risco de
cair no fatalismo, característico dos cultos orientais e, infelizmente, em
expansão no Ocidente. Sinais da presença do fatalismo em nossos dias são
os horóscopos, o fetichismo e até mesmo os biorrítmos, rejeitados como
anticientíficos por grande número de médicos renomados.

10. Ainda em relação à ênfase dada pelo liberalismo à imanência de Deus
em tudo, há uma implicação séria, quando se trata do problema do
pecado. Despersonalizando a divindade, é o homem colocado no centro
de tudo, como a medida de tudo. Isso significa que o fim do homem é
estar satisfeito consigo mesmo, com seus horizontes etc. O Dr. John A.
Mackay afirma que o pecado, como fator na existência humana, é
terrivelmente real, e é coisa que os filósofos balconizados sempre
trataram de fazer desaparecer por meio de argumentos arrazoados. Com
a expressão balconizados fazia ele referência a Aristóteles e Renan, como
símbolos daqueles para quem "a vida e o universo são objetos
permanentes de estudo e contemplação". (')

B. Outras Doutrinas Liberais

1. Os credos primitivos são arcaicos e sem realidade para o mundo
moderno.

2. A mente do homem é capaz de raciocinar segundo os pensamentos de
Deus.

3. A mente deve estar aberta à verdade independentemente da fonte.

4. As doutrinas cristãs são símbolos de verdades racionais conhecidas pela
razão humana.

5. A divindade de Jesus era uma declaração simbólica do fato de que
todos os homens possuem um aspecto divino.

Pr Josias Moura de Menezes – Site: www.josiasmoura.wordpress.com   Página 8
6. 0 conceito bíblico da revelação de Deus na história era ingênuo e pré-
filosófico.

7. Os itens "4', "5" e "6" do parágrafo anterior sofreram influência do
idealismo absoluto de Hegel e Letze. Os demais itens justificam
plenamente alguns dos títulos do liberalismo: modernismo e racionalismo.

8. Como vimos, para o liberalismo Deus está presente em todas as fases
da vida e não apenas em alguns eventos espetaculares. Assim, o método
de Deus é o caminho da mudança progressiva e da lei natural, e o
nascimento virginal de Cristo não condiz com a realidade, pois Deus está
presente em todos os nascimentos.

9. Defendendo assim a imanência de Deus, o liberalismo podia aceitar a
teoria da evolução, não negando a Deus, todavia, um ato criador, ou seja:
Ele teria criado a primeira célula viva, da qual vieram todos os seres
viventes, inclusive o homem.

10. O liberalismo reage contra um evangelho individualista, capaz de
salvar o homem do inferno e não da sociedade corrompida, e insiste em
que o reino de Deus não é além-túmulo e nem milênio, mas sim a
sociedade ideal edificada pelo homem com o auxílio de Deus.

11. Na busca duma "sociedade ideal" muitos teólogos se têm inclinado
para uma espécie de socialismo cristão, envolvendo-se em movimentos
subversivos por acreditarem que as doutrinas de Marx e Engels, se
destituídas de seu ateísmo, estariam em melhores condições de atender
aos reclamos dos povos pela justiça social de que a própria mensagem
evangélica.

C. Sua atuação no Brasil

1. A entrada do liberalismo no Brasil remonta ao segundo decênio deste
século, quando a Imprensa Metodista editou Pontos Principais da Fé
Cristã, livro que nega a doutrina da expiação. Depois surgiram inúmeras
obras modernistas, inclusive Religião Cristã, traduzida do italiano pelos
reverendos, Dr. Alexandre Orechia e Matatias Gomes dos Santos.

Pr Josias Moura de Menezes – Site: www.josiasmoura.wordpress.com   Página 9
2. As primeiras vítimas da teologia liberal em nossa pátria, segundo o
falecido reverendo Raphael Camacho, apareceram por volta de 1930, na
Faculdade Evangélica de Teologia, no Rio de Janeiro. Muitos livros
adotados nesse estabelecimento de ensino religioso eram modernistas,
como também o eram quase todos os seus professores.

3. Segundo Raphael Camacho, o rev. Othoniel Motta, professor de
Geografia Bíblica, costumava dizer em classe: "Eu sou o pai dos hereges...
Eu oro pelos mortos." O rev. Epaminondas do Amaral, professor de
exegese do Velho Testa mento, negava tudo o que há de sobrenatural na
Bíblia. O rev. Bertolaze Stela escreveu no "Es tandarte", em 11/9/41, que
todos os manuscritos da Bíblia foram contaminados por grandes mo
dificações, e que não há esperança de se encon trar entre eles um texto
que esteja próximo dos originais. Em "O Estandarte" de 15/9/53, este
mesmo ministro escreveu: "Somente as palavras de Jesus constituem os
ensinos e a religião de Cristo... a Bíblia contém a palavra de Deus." e fez
suas as palavras do rev. Miguel Rizzo Jr., em A Nossa Mística: "Para uns a
suprema autoridade está na Igreja (Católica Romana); para outros, nos
espíritos do além (espíritas); para outros nas Escrituras (evangélicos), mas
para nós está em Cristo." Eis aqui a heresia chamada cristicismo, que
desassocia Cristo da Bíblia e afirma que somente as palavras ditas por
Cristo é que são inspiradas.

4. Em 1938 os modernistas se manifestaram mais publicamente, de modo
especial no seio da Igreja Presbiteriana Independente, sendo então
resistidos pelos fundamentalistas, liderados pelo rev. Camacho. Travou-se
acirrada luta doutrinária, luta que levou o rev. Camacho a desligar-se
dessa Igreja e a organizar, em 11 de fevereiro de 1940, a Igreja
Presbiteriana Conservadora.

5. Também o ex-padre Humberto Rohden, escritor, conferencista e autor
de uma tradução do Novo Testamento em português, no seu livro Pelo
Prestígio da Bíblia na Era Atômica, faz uma dura arremetida contra o
evangelismo bíblico do Brasil e uma exposição das teorias modernistas do
pastor batista norte-americano, Harry E. Fosdick.

Pr Josias Moura de Menezes – Site: www.josiasmoura.wordpress.com   Página 10

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

BARRETOS: Bases bíblicas para o exercício do discipulado
BARRETOS: Bases bíblicas para o exercício do discipuladoBARRETOS: Bases bíblicas para o exercício do discipulado
BARRETOS: Bases bíblicas para o exercício do discipulado
Joary Jossué Carlesso
 
A secularizacao da igreja
A secularizacao da igrejaA secularizacao da igreja
A secularizacao da igreja
IPB706Sul
 
Reforma protestante e protestantismo brasileiro
Reforma protestante e protestantismo brasileiro   Reforma protestante e protestantismo brasileiro
Reforma protestante e protestantismo brasileiro
Paulo Dias Nogueira
 
Concílio Vaticano II - 50 Anos
Concílio Vaticano II - 50 AnosConcílio Vaticano II - 50 Anos
Concílio Vaticano II - 50 Anos
Rubens Júnior
 
História da Igreja #6
História da Igreja #6História da Igreja #6
História da Igreja #6
Respirando Deus
 
Aula 1 A Igreja Apostólica
Aula 1 A Igreja ApostólicaAula 1 A Igreja Apostólica
Aula 1 A Igreja Apostólica
Marcia oliveira
 
Aula 1 - Primeiro Período - A Igreja Apostólica
Aula 1 - Primeiro Período - A Igreja ApostólicaAula 1 - Primeiro Período - A Igreja Apostólica
Aula 1 - Primeiro Período - A Igreja Apostólica
Adriano Pascoa
 
Liberalismo Teológico - Seitas e Heresias
Liberalismo Teológico - Seitas e HeresiasLiberalismo Teológico - Seitas e Heresias
Liberalismo Teológico - Seitas e Heresias
Luan Almeida
 
Seitas e heresias
Seitas e heresiasSeitas e heresias
Seitas e heresias
Taciano Cassimiro Cassimiro
 
História da Igreja #16
História da Igreja #16História da Igreja #16
História da Igreja #16
Respirando Deus
 
História da Igreja II: Aula 8: Movimentos Racionalistas
História da Igreja II: Aula 8: Movimentos RacionalistasHistória da Igreja II: Aula 8: Movimentos Racionalistas
História da Igreja II: Aula 8: Movimentos Racionalistas
Andre Nascimento
 
Uma introdução ao estudo da Teologia: sua importância e aplicação para a vida
Uma introdução ao estudo da Teologia:  sua importância e aplicação para a vidaUma introdução ao estudo da Teologia:  sua importância e aplicação para a vida
Uma introdução ao estudo da Teologia: sua importância e aplicação para a vida
Robson Tavares Fernandes
 
Estudo sobre as testemunhas de jeová
Estudo sobre as testemunhas de jeováEstudo sobre as testemunhas de jeová
Estudo sobre as testemunhas de jeová
Magayver Silva Galvão
 
Eclesiologia ana
Eclesiologia anaEclesiologia ana
Eclesiologia ana
Eraldo Luciano
 
Introdução a teologia aula 1
Introdução a teologia  aula 1Introdução a teologia  aula 1
Introdução a teologia aula 1
Aniel Wagner Cruz
 
História dos Protestantes e Evangélicos até o Brasil
História dos Protestantes e Evangélicos até o BrasilHistória dos Protestantes e Evangélicos até o Brasil
História dos Protestantes e Evangélicos até o Brasil
Djalma C. Filho
 
5 solas da Reforma Protestante
5 solas da Reforma Protestante5 solas da Reforma Protestante
5 solas da Reforma Protestante
Luan Almeida
 
Estudo sobre os evangelhos
Estudo sobre os evangelhosEstudo sobre os evangelhos
Estudo sobre os evangelhos
marquione ban
 
10º Aula de História da Igreja
10º Aula de História da Igreja10º Aula de História da Igreja
10º Aula de História da Igreja
Jefferson Evangelista
 
Panorama Bíblico Novo Testamento
Panorama Bíblico Novo TestamentoPanorama Bíblico Novo Testamento
Panorama Bíblico Novo Testamento
Dagmar Wendt
 

Mais procurados (20)

BARRETOS: Bases bíblicas para o exercício do discipulado
BARRETOS: Bases bíblicas para o exercício do discipuladoBARRETOS: Bases bíblicas para o exercício do discipulado
BARRETOS: Bases bíblicas para o exercício do discipulado
 
A secularizacao da igreja
A secularizacao da igrejaA secularizacao da igreja
A secularizacao da igreja
 
Reforma protestante e protestantismo brasileiro
Reforma protestante e protestantismo brasileiro   Reforma protestante e protestantismo brasileiro
Reforma protestante e protestantismo brasileiro
 
Concílio Vaticano II - 50 Anos
Concílio Vaticano II - 50 AnosConcílio Vaticano II - 50 Anos
Concílio Vaticano II - 50 Anos
 
História da Igreja #6
História da Igreja #6História da Igreja #6
História da Igreja #6
 
Aula 1 A Igreja Apostólica
Aula 1 A Igreja ApostólicaAula 1 A Igreja Apostólica
Aula 1 A Igreja Apostólica
 
Aula 1 - Primeiro Período - A Igreja Apostólica
Aula 1 - Primeiro Período - A Igreja ApostólicaAula 1 - Primeiro Período - A Igreja Apostólica
Aula 1 - Primeiro Período - A Igreja Apostólica
 
Liberalismo Teológico - Seitas e Heresias
Liberalismo Teológico - Seitas e HeresiasLiberalismo Teológico - Seitas e Heresias
Liberalismo Teológico - Seitas e Heresias
 
Seitas e heresias
Seitas e heresiasSeitas e heresias
Seitas e heresias
 
História da Igreja #16
História da Igreja #16História da Igreja #16
História da Igreja #16
 
História da Igreja II: Aula 8: Movimentos Racionalistas
História da Igreja II: Aula 8: Movimentos RacionalistasHistória da Igreja II: Aula 8: Movimentos Racionalistas
História da Igreja II: Aula 8: Movimentos Racionalistas
 
Uma introdução ao estudo da Teologia: sua importância e aplicação para a vida
Uma introdução ao estudo da Teologia:  sua importância e aplicação para a vidaUma introdução ao estudo da Teologia:  sua importância e aplicação para a vida
Uma introdução ao estudo da Teologia: sua importância e aplicação para a vida
 
Estudo sobre as testemunhas de jeová
Estudo sobre as testemunhas de jeováEstudo sobre as testemunhas de jeová
Estudo sobre as testemunhas de jeová
 
Eclesiologia ana
Eclesiologia anaEclesiologia ana
Eclesiologia ana
 
Introdução a teologia aula 1
Introdução a teologia  aula 1Introdução a teologia  aula 1
Introdução a teologia aula 1
 
História dos Protestantes e Evangélicos até o Brasil
História dos Protestantes e Evangélicos até o BrasilHistória dos Protestantes e Evangélicos até o Brasil
História dos Protestantes e Evangélicos até o Brasil
 
5 solas da Reforma Protestante
5 solas da Reforma Protestante5 solas da Reforma Protestante
5 solas da Reforma Protestante
 
Estudo sobre os evangelhos
Estudo sobre os evangelhosEstudo sobre os evangelhos
Estudo sobre os evangelhos
 
10º Aula de História da Igreja
10º Aula de História da Igreja10º Aula de História da Igreja
10º Aula de História da Igreja
 
Panorama Bíblico Novo Testamento
Panorama Bíblico Novo TestamentoPanorama Bíblico Novo Testamento
Panorama Bíblico Novo Testamento
 

Destaque

Teología liberal
Teología liberalTeología liberal
Teología liberal
Andres Vasquez Castillo
 
Teologia Contemporânea
Teologia ContemporâneaTeologia Contemporânea
Teologia Contemporânea
Gcom digital factory
 
Introdução a teologia aula 3
Introdução a teologia aula 3Introdução a teologia aula 3
Introdução a teologia aula 3
Carlos Alexandre Ribeiro Dorte
 
Teología Contemporanea
Teología ContemporaneaTeología Contemporanea
Teología Contemporanea
gbgupresentations
 
A salvacao
A salvacaoA salvacao
A salvacao
João Paulo Radd
 
Bna dom comum a 28 o banquete
Bna dom comum a 28 o banqueteBna dom comum a 28 o banquete
Bna dom comum a 28 o banquete
daniela-bertoncello
 
O grande banquete
O grande banqueteO grande banquete
O grande banquete
Alice Lirio
 
Teologia e sabedoria
Teologia e  sabedoriaTeologia e  sabedoria
Teologia e sabedoria
9987123
 
Com voz coaching para pais de adolescentes
Com voz coaching para pais de adolescentesCom voz coaching para pais de adolescentes
Com voz coaching para pais de adolescentes
9987123
 
EBD Fé com Libras - Salvação e Novo Nascimento
EBD Fé com Libras - Salvação e Novo NascimentoEBD Fé com Libras - Salvação e Novo Nascimento
EBD Fé com Libras - Salvação e Novo Nascimento
Nara Dias
 
A MISSÃO DE JESUS CRISTO NA TERRA: PARTE 1 A SALVAÇÃO
A MISSÃO DE JESUS CRISTO NA TERRA: PARTE 1 A SALVAÇÃOA MISSÃO DE JESUS CRISTO NA TERRA: PARTE 1 A SALVAÇÃO
A MISSÃO DE JESUS CRISTO NA TERRA: PARTE 1 A SALVAÇÃO
Edmar Oliveira Andrade Filho
 
Curso de Formação em Coaching - à Distância
Curso de Formação em Coaching - à DistânciaCurso de Formação em Coaching - à Distância
Curso de Formação em Coaching - à Distância
IWR Coaching
 
Evangelismo aula 03
Evangelismo   aula 03Evangelismo   aula 03
Evangelismo aula 03
Alípio Vallim
 
Teologia Covalidação
Teologia CovalidaçãoTeologia Covalidação
Teologia Covalidação
israelfaifa
 
Introdução a teologia aula 2
Introdução a teologia aula 2Introdução a teologia aula 2
Introdução a teologia aula 2
Carlos Alexandre Ribeiro Dorte
 
Parabola da grande ceia
Parabola da grande ceiaParabola da grande ceia
Parabola da grande ceia
Victor Passos
 
Introdução a teologia aula 1
Introdução a teologia aula 1Introdução a teologia aula 1
Introdução a teologia aula 1
Carlos Alexandre Ribeiro Dorte
 
Introdução a teologia aula 4
Introdução a teologia aula 4Introdução a teologia aula 4
Introdução a teologia aula 4
Carlos Alexandre Ribeiro Dorte
 
52460585 tillich-paul-teologia-sistematica-volumen-i
52460585 tillich-paul-teologia-sistematica-volumen-i52460585 tillich-paul-teologia-sistematica-volumen-i
52460585 tillich-paul-teologia-sistematica-volumen-i
Hernán Roberto Hernández
 
Carta aos-romanos-karl-barth-pdf
Carta aos-romanos-karl-barth-pdfCarta aos-romanos-karl-barth-pdf
Carta aos-romanos-karl-barth-pdf
Claudinei Dias
 

Destaque (20)

Teología liberal
Teología liberalTeología liberal
Teología liberal
 
Teologia Contemporânea
Teologia ContemporâneaTeologia Contemporânea
Teologia Contemporânea
 
Introdução a teologia aula 3
Introdução a teologia aula 3Introdução a teologia aula 3
Introdução a teologia aula 3
 
Teología Contemporanea
Teología ContemporaneaTeología Contemporanea
Teología Contemporanea
 
A salvacao
A salvacaoA salvacao
A salvacao
 
Bna dom comum a 28 o banquete
Bna dom comum a 28 o banqueteBna dom comum a 28 o banquete
Bna dom comum a 28 o banquete
 
O grande banquete
O grande banqueteO grande banquete
O grande banquete
 
Teologia e sabedoria
Teologia e  sabedoriaTeologia e  sabedoria
Teologia e sabedoria
 
Com voz coaching para pais de adolescentes
Com voz coaching para pais de adolescentesCom voz coaching para pais de adolescentes
Com voz coaching para pais de adolescentes
 
EBD Fé com Libras - Salvação e Novo Nascimento
EBD Fé com Libras - Salvação e Novo NascimentoEBD Fé com Libras - Salvação e Novo Nascimento
EBD Fé com Libras - Salvação e Novo Nascimento
 
A MISSÃO DE JESUS CRISTO NA TERRA: PARTE 1 A SALVAÇÃO
A MISSÃO DE JESUS CRISTO NA TERRA: PARTE 1 A SALVAÇÃOA MISSÃO DE JESUS CRISTO NA TERRA: PARTE 1 A SALVAÇÃO
A MISSÃO DE JESUS CRISTO NA TERRA: PARTE 1 A SALVAÇÃO
 
Curso de Formação em Coaching - à Distância
Curso de Formação em Coaching - à DistânciaCurso de Formação em Coaching - à Distância
Curso de Formação em Coaching - à Distância
 
Evangelismo aula 03
Evangelismo   aula 03Evangelismo   aula 03
Evangelismo aula 03
 
Teologia Covalidação
Teologia CovalidaçãoTeologia Covalidação
Teologia Covalidação
 
Introdução a teologia aula 2
Introdução a teologia aula 2Introdução a teologia aula 2
Introdução a teologia aula 2
 
Parabola da grande ceia
Parabola da grande ceiaParabola da grande ceia
Parabola da grande ceia
 
Introdução a teologia aula 1
Introdução a teologia aula 1Introdução a teologia aula 1
Introdução a teologia aula 1
 
Introdução a teologia aula 4
Introdução a teologia aula 4Introdução a teologia aula 4
Introdução a teologia aula 4
 
52460585 tillich-paul-teologia-sistematica-volumen-i
52460585 tillich-paul-teologia-sistematica-volumen-i52460585 tillich-paul-teologia-sistematica-volumen-i
52460585 tillich-paul-teologia-sistematica-volumen-i
 
Carta aos-romanos-karl-barth-pdf
Carta aos-romanos-karl-barth-pdfCarta aos-romanos-karl-barth-pdf
Carta aos-romanos-karl-barth-pdf
 

Semelhante a Liberalismo Teológico

Homo religiosus
Homo religiosusHomo religiosus
Homo religiosus
Silas Bruno Mps
 
Teologia Contemporanea
Teologia ContemporaneaTeologia Contemporanea
Teologia Contemporanea
Carlos Alves
 
Filosofia medieval e cristianismo
Filosofia medieval e cristianismoFilosofia medieval e cristianismo
Filosofia medieval e cristianismo
Keiler Vasconcelos
 
Filosofia medieval
Filosofia medievalFilosofia medieval
Filosofia medieval
Alexandre Misturini
 
Filosofia medieval
Filosofia medievalFilosofia medieval
Filosofia medieval
Agostinhofilho
 
Teologos barth, paul tilich, etc
Teologos barth, paul tilich, etcTeologos barth, paul tilich, etc
Teologos barth, paul tilich, etc
BispoAlberto
 
Filosofia medieval slide
Filosofia medieval slideFilosofia medieval slide
Filosofia medieval slide
Alexandre Misturini
 
Huberto rohden catecismo da filosofia
Huberto rohden   catecismo da filosofiaHuberto rohden   catecismo da filosofia
Huberto rohden catecismo da filosofia
Universalismo Cultura
 
Huberto Rohden - Catecismo da Filosofia
Huberto Rohden - Catecismo da FilosofiaHuberto Rohden - Catecismo da Filosofia
Huberto Rohden - Catecismo da Filosofia
universalismo-7
 
Introdução à Filosofia Moderna
Introdução à Filosofia ModernaIntrodução à Filosofia Moderna
Introdução à Filosofia Moderna
CursoDeFerias
 
Huberto rohden que vos parece do cristo
Huberto rohden   que vos parece do cristoHuberto rohden   que vos parece do cristo
Huberto rohden que vos parece do cristo
Universalismo Cultura
 
Huberto Rohden - Que vos Parece do Cristo
Huberto Rohden - Que vos Parece do CristoHuberto Rohden - Que vos Parece do Cristo
Huberto Rohden - Que vos Parece do Cristo
universalismo-7
 
Cosmovisão cristã bentes
Cosmovisão cristã bentesCosmovisão cristã bentes
Cosmovisão cristã bentes
ANTÔNIO CARLOS G. BENTES
 
Complemento 2 - 3º ano - Sociologia
Complemento 2 - 3º ano - SociologiaComplemento 2 - 3º ano - Sociologia
Complemento 2 - 3º ano - Sociologia
Isadora Salvari
 
A tendência humana para religiosidade
A tendência humana para religiosidadeA tendência humana para religiosidade
A tendência humana para religiosidade
Dókimos Aprovado
 
Dualismo ocidental e seus desafios (Nancy Pearcey)
Dualismo ocidental e seus desafios (Nancy Pearcey)Dualismo ocidental e seus desafios (Nancy Pearcey)
Dualismo ocidental e seus desafios (Nancy Pearcey)
Jean Francesco
 
Guerra dos 30 anos
Guerra dos 30 anosGuerra dos 30 anos
Guerra dos 30 anos
Emilio Reverendo
 
Capítulo 1
Capítulo 1Capítulo 1
Capítulo 1
Leonardo Marques
 
Aula 2 - Teologia Sistemática IV
Aula 2 - Teologia Sistemática IVAula 2 - Teologia Sistemática IV
Aula 2 - Teologia Sistemática IV
ssuser54efaa
 
Filosofiamedieval 130322112129-phpapp02
Filosofiamedieval 130322112129-phpapp02Filosofiamedieval 130322112129-phpapp02
Filosofiamedieval 130322112129-phpapp02
Thais Madureira
 

Semelhante a Liberalismo Teológico (20)

Homo religiosus
Homo religiosusHomo religiosus
Homo religiosus
 
Teologia Contemporanea
Teologia ContemporaneaTeologia Contemporanea
Teologia Contemporanea
 
Filosofia medieval e cristianismo
Filosofia medieval e cristianismoFilosofia medieval e cristianismo
Filosofia medieval e cristianismo
 
Filosofia medieval
Filosofia medievalFilosofia medieval
Filosofia medieval
 
Filosofia medieval
Filosofia medievalFilosofia medieval
Filosofia medieval
 
Teologos barth, paul tilich, etc
Teologos barth, paul tilich, etcTeologos barth, paul tilich, etc
Teologos barth, paul tilich, etc
 
Filosofia medieval slide
Filosofia medieval slideFilosofia medieval slide
Filosofia medieval slide
 
Huberto rohden catecismo da filosofia
Huberto rohden   catecismo da filosofiaHuberto rohden   catecismo da filosofia
Huberto rohden catecismo da filosofia
 
Huberto Rohden - Catecismo da Filosofia
Huberto Rohden - Catecismo da FilosofiaHuberto Rohden - Catecismo da Filosofia
Huberto Rohden - Catecismo da Filosofia
 
Introdução à Filosofia Moderna
Introdução à Filosofia ModernaIntrodução à Filosofia Moderna
Introdução à Filosofia Moderna
 
Huberto rohden que vos parece do cristo
Huberto rohden   que vos parece do cristoHuberto rohden   que vos parece do cristo
Huberto rohden que vos parece do cristo
 
Huberto Rohden - Que vos Parece do Cristo
Huberto Rohden - Que vos Parece do CristoHuberto Rohden - Que vos Parece do Cristo
Huberto Rohden - Que vos Parece do Cristo
 
Cosmovisão cristã bentes
Cosmovisão cristã bentesCosmovisão cristã bentes
Cosmovisão cristã bentes
 
Complemento 2 - 3º ano - Sociologia
Complemento 2 - 3º ano - SociologiaComplemento 2 - 3º ano - Sociologia
Complemento 2 - 3º ano - Sociologia
 
A tendência humana para religiosidade
A tendência humana para religiosidadeA tendência humana para religiosidade
A tendência humana para religiosidade
 
Dualismo ocidental e seus desafios (Nancy Pearcey)
Dualismo ocidental e seus desafios (Nancy Pearcey)Dualismo ocidental e seus desafios (Nancy Pearcey)
Dualismo ocidental e seus desafios (Nancy Pearcey)
 
Guerra dos 30 anos
Guerra dos 30 anosGuerra dos 30 anos
Guerra dos 30 anos
 
Capítulo 1
Capítulo 1Capítulo 1
Capítulo 1
 
Aula 2 - Teologia Sistemática IV
Aula 2 - Teologia Sistemática IVAula 2 - Teologia Sistemática IV
Aula 2 - Teologia Sistemática IV
 
Filosofiamedieval 130322112129-phpapp02
Filosofiamedieval 130322112129-phpapp02Filosofiamedieval 130322112129-phpapp02
Filosofiamedieval 130322112129-phpapp02
 

Mais de Gcom digital factory

Bacharel em teologia
Bacharel em teologiaBacharel em teologia
Bacharel em teologia
Gcom digital factory
 
Eleição - João Calvino
Eleição - João CalvinoEleição - João Calvino
Eleição - João Calvino
Gcom digital factory
 
Novo Mapa das Religiões no Brasil
Novo Mapa das Religiões no BrasilNovo Mapa das Religiões no Brasil
Novo Mapa das Religiões no Brasil
Gcom digital factory
 
Doutrina da palavra
Doutrina da palavraDoutrina da palavra
Doutrina da palavra
Gcom digital factory
 
Doutrina do homem
Doutrina do homemDoutrina do homem
Doutrina do homem
Gcom digital factory
 
Doutrina de deus
Doutrina de deusDoutrina de deus
Doutrina de deus
Gcom digital factory
 
Teologia sistematica - Cristologia
Teologia sistematica - CristologiaTeologia sistematica - Cristologia
Teologia sistematica - Cristologia
Gcom digital factory
 
Teologia sistemática, introdução
Teologia sistemática, introduçãoTeologia sistemática, introdução
Teologia sistemática, introdução
Gcom digital factory
 
Teodicéia e teologia do AT
Teodicéia e teologia do ATTeodicéia e teologia do AT
Teodicéia e teologia do AT
Gcom digital factory
 
Teologia do AT tipologia
Teologia do AT tipologiaTeologia do AT tipologia
Teologia do AT tipologia
Gcom digital factory
 
Como ler o antigo testamento
Como ler o antigo testamentoComo ler o antigo testamento
Como ler o antigo testamento
Gcom digital factory
 
Teo at 3 credo historico
Teo at 3   credo historicoTeo at 3   credo historico
Teo at 3 credo historico
Gcom digital factory
 
Deus no antigo testamento
Deus no antigo testamentoDeus no antigo testamento
Deus no antigo testamento
Gcom digital factory
 
Teologia do antigo testamento p1
Teologia do antigo testamento p1Teologia do antigo testamento p1
Teologia do antigo testamento p1
Gcom digital factory
 
Introdução
IntroduçãoIntrodução
Introdução
Gcom digital factory
 
O problema do mal
O problema do malO problema do mal
O problema do mal
Gcom digital factory
 
Revista contemporanea
Revista contemporaneaRevista contemporanea
Revista contemporanea
Gcom digital factory
 
Teologia gay
Teologia gayTeologia gay
Teologia gay
Gcom digital factory
 
Teologia da prosperidade
Teologia da prosperidadeTeologia da prosperidade
Teologia da prosperidade
Gcom digital factory
 

Mais de Gcom digital factory (20)

Bacharel em teologia
Bacharel em teologiaBacharel em teologia
Bacharel em teologia
 
Eleição - João Calvino
Eleição - João CalvinoEleição - João Calvino
Eleição - João Calvino
 
face to face
face to faceface to face
face to face
 
Novo Mapa das Religiões no Brasil
Novo Mapa das Religiões no BrasilNovo Mapa das Religiões no Brasil
Novo Mapa das Religiões no Brasil
 
Doutrina da palavra
Doutrina da palavraDoutrina da palavra
Doutrina da palavra
 
Doutrina do homem
Doutrina do homemDoutrina do homem
Doutrina do homem
 
Doutrina de deus
Doutrina de deusDoutrina de deus
Doutrina de deus
 
Teologia sistematica - Cristologia
Teologia sistematica - CristologiaTeologia sistematica - Cristologia
Teologia sistematica - Cristologia
 
Teologia sistemática, introdução
Teologia sistemática, introduçãoTeologia sistemática, introdução
Teologia sistemática, introdução
 
Teodicéia e teologia do AT
Teodicéia e teologia do ATTeodicéia e teologia do AT
Teodicéia e teologia do AT
 
Teologia do AT tipologia
Teologia do AT tipologiaTeologia do AT tipologia
Teologia do AT tipologia
 
Como ler o antigo testamento
Como ler o antigo testamentoComo ler o antigo testamento
Como ler o antigo testamento
 
Teo at 3 credo historico
Teo at 3   credo historicoTeo at 3   credo historico
Teo at 3 credo historico
 
Deus no antigo testamento
Deus no antigo testamentoDeus no antigo testamento
Deus no antigo testamento
 
Teologia do antigo testamento p1
Teologia do antigo testamento p1Teologia do antigo testamento p1
Teologia do antigo testamento p1
 
Introdução
IntroduçãoIntrodução
Introdução
 
O problema do mal
O problema do malO problema do mal
O problema do mal
 
Revista contemporanea
Revista contemporaneaRevista contemporanea
Revista contemporanea
 
Teologia gay
Teologia gayTeologia gay
Teologia gay
 
Teologia da prosperidade
Teologia da prosperidadeTeologia da prosperidade
Teologia da prosperidade
 

Último

PROFECIAS DE NOSTRADAMUS SÃO BÍBLICAS_.pdf
PROFECIAS DE NOSTRADAMUS SÃO BÍBLICAS_.pdfPROFECIAS DE NOSTRADAMUS SÃO BÍBLICAS_.pdf
PROFECIAS DE NOSTRADAMUS SÃO BÍBLICAS_.pdf
Nelson Pereira
 
Lição 13 Estudo Biblico para alimento da alma.pptx
Lição 13 Estudo Biblico para alimento da alma.pptxLição 13 Estudo Biblico para alimento da alma.pptx
Lição 13 Estudo Biblico para alimento da alma.pptx
JaquelineSantosBasto
 
Lição 12 - A Bendita Esperança: A Marca do Cristão.pptx
Lição 12 - A Bendita Esperança: A Marca do Cristão.pptxLição 12 - A Bendita Esperança: A Marca do Cristão.pptx
Lição 12 - A Bendita Esperança: A Marca do Cristão.pptx
Celso Napoleon
 
Malleus Maleficarum: o martelo das bruxas
Malleus Maleficarum: o martelo das bruxasMalleus Maleficarum: o martelo das bruxas
Malleus Maleficarum: o martelo das bruxas
Lourhana
 
Bíblia Sagrada - Jonas - slides testamento3 (1).pptx
Bíblia Sagrada - Jonas - slides testamento3 (1).pptxBíblia Sagrada - Jonas - slides testamento3 (1).pptx
Bíblia Sagrada - Jonas - slides testamento3 (1).pptx
Igreja Jesus é o Verbo
 
de volta as estrelas - Erich von Däniken.pdf
de volta as estrelas - Erich von Däniken.pdfde volta as estrelas - Erich von Däniken.pdf
de volta as estrelas - Erich von Däniken.pdf
marcobueno2024
 
Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (2)
Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (2)Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (2)
Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (2)
Nilson Almeida
 
Lição 13 – A Cidade Celestial - CPAD.pptx
Lição 13 – A Cidade Celestial - CPAD.pptxLição 13 – A Cidade Celestial - CPAD.pptx
Lição 13 – A Cidade Celestial - CPAD.pptx
Celso Napoleon
 
Enfermos - Unção para consagração dosa enfermos
Enfermos - Unção para consagração dosa enfermosEnfermos - Unção para consagração dosa enfermos
Enfermos - Unção para consagração dosa enfermos
FernandoCavalcante48
 
Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (3)
Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (3)Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (3)
Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (3)
Nilson Almeida
 

Último (10)

PROFECIAS DE NOSTRADAMUS SÃO BÍBLICAS_.pdf
PROFECIAS DE NOSTRADAMUS SÃO BÍBLICAS_.pdfPROFECIAS DE NOSTRADAMUS SÃO BÍBLICAS_.pdf
PROFECIAS DE NOSTRADAMUS SÃO BÍBLICAS_.pdf
 
Lição 13 Estudo Biblico para alimento da alma.pptx
Lição 13 Estudo Biblico para alimento da alma.pptxLição 13 Estudo Biblico para alimento da alma.pptx
Lição 13 Estudo Biblico para alimento da alma.pptx
 
Lição 12 - A Bendita Esperança: A Marca do Cristão.pptx
Lição 12 - A Bendita Esperança: A Marca do Cristão.pptxLição 12 - A Bendita Esperança: A Marca do Cristão.pptx
Lição 12 - A Bendita Esperança: A Marca do Cristão.pptx
 
Malleus Maleficarum: o martelo das bruxas
Malleus Maleficarum: o martelo das bruxasMalleus Maleficarum: o martelo das bruxas
Malleus Maleficarum: o martelo das bruxas
 
Bíblia Sagrada - Jonas - slides testamento3 (1).pptx
Bíblia Sagrada - Jonas - slides testamento3 (1).pptxBíblia Sagrada - Jonas - slides testamento3 (1).pptx
Bíblia Sagrada - Jonas - slides testamento3 (1).pptx
 
de volta as estrelas - Erich von Däniken.pdf
de volta as estrelas - Erich von Däniken.pdfde volta as estrelas - Erich von Däniken.pdf
de volta as estrelas - Erich von Däniken.pdf
 
Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (2)
Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (2)Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (2)
Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (2)
 
Lição 13 – A Cidade Celestial - CPAD.pptx
Lição 13 – A Cidade Celestial - CPAD.pptxLição 13 – A Cidade Celestial - CPAD.pptx
Lição 13 – A Cidade Celestial - CPAD.pptx
 
Enfermos - Unção para consagração dosa enfermos
Enfermos - Unção para consagração dosa enfermosEnfermos - Unção para consagração dosa enfermos
Enfermos - Unção para consagração dosa enfermos
 
Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (3)
Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (3)Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (3)
Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (3)
 

Liberalismo Teológico

  • 1. O LIBERALISMO TEOLOGICO Professor: Pr. Josias Moura de Menezes. Site: www.josiasmoura.wordpress.com Email: josiasmoura@gmail.com I. NOMES PRINCIPAIS Vejamos agora alguns nomes implicados no liberalismo teológico, responsáveis pelos novos ru mos tomados pelo protestantismo: A. Friedrich Schleiermacher (1768-1834) 1. Teólogo e filósofo alemão, embora anti-racionalista, ensinou que não há religiões falsas e verdadeiras. Todas elas, com maior ou menor grau de eficiência, têm por objetivo ligar o homem finito com o Deus infinito, sendo o cristianismo a melhor delas. 2. Ao harmonizar as concepções protestantes com as convicções de burguesia culta e liberal, Schleiermacher foi considerado radical pelos ortodoxos, e visionário pelos racionalistas. Na verdade, o seu pensamento filosófico-teológico, embora considerado liberal, está mais perto do transcendentalismo de Karl Barth. B.Johann David Michalis (1717-1791) 1. Teólogo protestante alemão, foi o primeiro a abandonar o conceito da inspiração literal das Escrituras Sagradas. C. Adoff Von Harnack (1851-1930) 1. Teólogo protestante alemão, defende em sua obra principal História dos Dogmas, a evolu ção dos dogmas do cristianismno pela heleniza ção progressiva da fé cristã primitiva. Em outra obra, A essência do Pr Josias Moura de Menezes – Site: www.josiasmoura.wordpress.com Página 1
  • 2. cristianismo, reduziu a re ligião cristã a uma espécie de confiança em Deus, sem dogma algum e sem cristologia. D. Albrecht Ritschl (1822-1889) 1. Teólogo alemão, ensinou que a teologia não pode seguir Georg Hegel, filósofo alemão tribu tário da filosofia grega, do racionalismo carte siano e do idealismo alemão. Ritschl ressaltou o conteúdo ético da teologia cristã e afirmou que esta deve basear-se principalmente na apreciação da vida interior de Cristo. E. David Friedrich Strauss (1808-1874) 1. Foi o teólogo alemão que maior influência exerceu no século XIX sobre os não-teólogos e não-eclesiásticos. Tornou-se professor da Universidade de Tubingen com apenas 24 anos. Quatro anos mais tarde, em 1836, foi furiosa mente afastado do cargo em virtude de sua Vida de Jesus, criticamente estudada. 2. No ano de 1841 lançou, em dois volumes, sua Fé Crista - Seu Desenvolvimento Histórico e seu. Conflito com a Ciência Moderna, negando completamente a Bíblia, a Igreja e a Dogmáti ca. Em 1864 publicou uma segunda Vida de Je sus, quando procurou então distinguir o Jesus histórico do Cristo ideal segundo a maneira típica dos liberais do século XIX. Em sua A Antiga e a Nova Fé, publicada em 1872, adota a evolu ção darwiniana em contraste com a fé bíblica. 3. Para Strauss, Jesus é mero homem. Insiste em que é necessário escolher entre uma observação imparcial e o Cristo da fé. Ensinou que é preciso julgar o que os Evangelhos dizem de Jesus pela lei lógica, histórica e filosófica, que governa todos os eventos em todos os tempos. Não achou e não procurou um âmago histórico, mas interessou-se apenas em mostrar a presença e a origem do mito nos evangelhos. 4. Segundo seu conceito, não somos mais cristãos, mas simplesmente religiosos. Seu conceito do mundo é o de matérias subindo para formas Pr Josias Moura de Menezes – Site: www.josiasmoura.wordpress.com Página 2
  • 3. cada vez mais altas. À pergunta: "Como ordenamos nossas vidas?" - responde: autodeterminação, seguindo a espécie. 5. Nas obras de Strauss não há lugar para o sobrenatural. Os milagres são mitos, contados para confirmar o papel necessário de Jesus, daí as referências ao Velho Testamento. Em resumo, Jesus é uma figura histórica. Da vida de Jesus nada sabemos, sendo tudo mito e lenda. 6. Considerado o mais erudito entre os biógrafos infiéis de Jesus, Strauss encerra o último capítulo da sua segunda Vida de Jesus com estas palavras: "...aparentemente aniquilaram a maior e mais importante parte daquilo que o cristão se acostumou a crer concernente a Jesus; desarraigaram todos os encorajamentos que ele tem tirado de sua fé e privaram-no de todas as suas consolações. Parece que se acham irremediavelmente solapados os inesgotáveis depósitos de verdade e vida que por dezoito séculos têm sido o alimento da humanidade; o mais sublime atirado ao pó, Deus despido de sua graça, o homem despojado de sua dignidade, e o laço entre o céu e a terra rompido. Recua a piedade em horror diante de um ato tão temeroso de profanação, e, forte como é na impregnável evidência própria de sua fé, ousadamente conclui que - não importa se um criticismo audaz tentar o que lhe aprouver tudo o que as Escrituras declaram e a Igreja crê acerca de Cristo subsistirá como verdade eterna; nem sequer um jota ou um til será removido." 7. Philip Schaff comenta que Strauss professa admitir a verdade abstrata da cristologia ortodoxa, "a união do divino e humano , mas perverte-a, emprestando-lhe um sentido puramente intelectual, ou panteísta. Ele nega atributos e honras divinas à gloriosa Cabeça da raça, mas aplica os mesmos atributos a uma humanidade acéfala. Destarte, ele substitui, partindo de preconceitos panteístas, uma viva realidade por uma abstração metafísica; um fato histórico por uma mera noção; a vitória moral sobre o pecado e a morte por um mero passo na filosofia e em artes mecânicas; o culto do único vivo e verdadeiro Deus por um culto panteísta de heróis, ou própria adoração de uma raça de caída; o pão nutriente por Pr Josias Moura de Menezes – Site: www.josiasmoura.wordpress.com Página 3
  • 4. uma pedra; o Evangelho de esperança e vida eterna por um evangelho de desespero e de final aniquilamento." F. Sorem Kierkegaard (1813-1855) 1. Teólogo e filósofo dinamarquês. Filho de um homem rico torturado por dúvidas religiosas e sentimentos de culpa, Kierkegaard adquiriu complexos de natureza psicopatológica e possíveis deficiências somáticas. Estudou teologia na universidade de Copenhague, licenciando-se em 1841. 2. Atacou a filosofia de Hegel e afastou-se mais e mais da Igreja Luterana, por julgá-la muito pouco cristã. Para o teólogo dinarmaquês, entre as atitudes (fases) estética, ética e religiosa da vida, não há mediação, como na dialética de Hegel, e não há entre elas transição, no sentido de evolução. Para chegar da fase estética à fase ética ou desta à religiosa é preciso dar um salto (ser iluminado, converter-se instantaneamente) que transforme inteiramente a vida da pessoa. 3. Para Kierkegaard', só o cristianismo é capaz de vencer heroicamente o mundo, sendo o panteísmo cultural de Hegel impotente contra a consciência do pecado e contra o medo e temor. Criticou o hegelianismo em sua acomodação ao mundo profano, por não ser capaz de eliminar a angústia e admitir a existência de contradições irresolúveis entre o cristianismo e o mundo, cabendo ao homem escolher existencialmente entre esta e aquela alternativa: ser cristão ou ser não-cristão. 4. São profundos os conceitos de Kierkegaard sobre os estágios da vida, a diferença entre ser e existir, o subjetivo e o objetivo, o desespero, os critérios positivos para a verdadeira existência etc. Eis alguns deles: a. no estágio estético, o homem leva uma existência imediata e não refletiva, faltando a diferenciação entre ele e o seu mundo; no estágio ético, o homem assume a responsabilidade pelo seu próprio ser, procura alcançar-se a si - o que não pode fazer; no estágio religioso, reconhece a impossibilidade de vi ver conforme gostaria e Pr Josias Moura de Menezes – Site: www.josiasmoura.wordpress.com Página 4
  • 5. descobre que o peca do é não ser o que Deus deseja que seja, e que só se alcança este estado proposto por Deus através de algo que vem de fora - o próprio Deus; b. o tempo (e espaço) trata do que o homem é, da sua existência; a eternidade significa que, embora o homem viva no tempo e no espaço, ele não está totalmente determinado por estes elementos; a existência fala de liberdade, possibilidade, do ideal, da obrigação; o momento de decisão é quando a eternidade intercepta o tempo; c. o objetivo cultural é aquilo que é, enquanto o homem fica entre o que é e o que ele pode e deve ser. A ciência limita-se ao estudo do que é, ao que ela chama "a verdade"; mas os fatos claramente aceitos jamais encerram a verdade; d. a essência do ser humano aparece quando traz a eternidade para dentro do tempo. Cada homem há de sofrer porque vive numa realidade muito física: liberdade versus tempo; e. o único que realmente resolveu o paradoxo do tempo e da eternidade foi Jesus Cristo. Ele mesmo foi um paradoxo: Deus e homem; limitado e ilimitado; ignorante e conhecedor de tudo. 5. S. Kierkegaard, redescoberto na Alemanha por volta de 1910, é considerado o precursor da teologia transcendental, de que Karl Barth, no século XX, é o principal representante. II. EXAME CRÍTICO A. Principais Doutrinas Liberais 1. Foi a partir de meados do século XIX, como conseqüência da grande vitalidade intelectual e reorientação do pensamento, que nasceu a teologia liberal. Foi esta uma época de renascimento religioso em geral e, em particular, de expansão do protestantismo, institucional e geográfica mente, caracterizada pelas missões e surgimento das sociedades bíblicas. Pr Josias Moura de Menezes – Site: www.josiasmoura.wordpress.com Página 5
  • 6. 2. O liberalismo teológico, em sua essência, pro cura libertar as consciências cristãs das suas amarras escolásticas, apontando-lhes as exigências da razão. Realça a pessoa de Deus como a fonte de toda a verdade e enfatiza a necessidade de uma certeza sincera na busca da verdade, embora reconheça a impossibilidade do ser humano alcançar um conhecimento pleno da verdade absoluta. 3. A maioria dos teólogos da atualidade considera hoje insustentável essa premissa liberalista de que o espírito humano não possa mover-se em regiões para além do alcance dos sentidos, além do raciocínio mais brilhante. Para Platão, o intelecto tem idéias supersensíveis, inexplicáveis à luz da razão, sendo que é neste reino que residem os característicos principais e distintivos da alma humana. Modernamente, é cada vez maior o número dos que conhecem uma área essencialmente metafísica, portanto fora do alcance dos meios físicos, na qual o espírito obedece às leis de sua própria natureza. 4. Segundo os teólogos liberais, o protestantismo precisa "incorporar à sua teologia os valores básicos, as aspirações e as atitudes características da cultura moderna, ressaltando, dentre outros, o imperativo ético do Evangelho." (Mirador). Dessa pregação nasceu o evangelho social, onde a mensagem de Cristo deixa de ser o poder de Deus para a salvação e regeneração do homem, para tornar-se apenas uma fórmula social, impotente. "A Igreja transcende os métodos e as fórmulas humanas. Ela produz aquela vida plena de riqueza, que é o espírito livre e nobre em ação; pensa os melhores pensamentos; aceita os mais elevados ideais e os reveste de uma linguagem irresistível. Assim ela infunde um poder criador na sociedade de espíritos humanos... Não há fórmula suficiente boa para tornar boa uma sociedade, se não for executada por homens bons. O cristianismo não elabora fórmulas, mas cria os homens capazes de insuflar força moral em qualquer fórmula" (Lynn Harold Hough). 5. O movimento liberalista não reivindicou apenas amplas liberdades para o exercício da razão, mas pregou a tolerância entre as denominações Pr Josias Moura de Menezes – Site: www.josiasmoura.wordpress.com Página 6
  • 7. protestantes, aproximando-as, através da minimização das diferenças doutrinárias. 6. O ressurgimento da intolerância religiosa no seio do catolicismo romano, nas primeiras décadas do século passado, o que resultou na prisão e morte de protestantes em diversos países, especialmente na Estônia, Lituânia, Letônia, Turquia, Pérsia, Portugual e Espanha, contribuiu também para aproximar entre si as denominações evangélicas. A organização, em 1846, da Aliança Mundial Evangélica, em Londres, foi uma resposta ao estado de insegurança em que se achavam várias correntes do protestantismo. Essa Aliança muito fez pela liberdade de culto em todo o mundo. 7. Mas o espírito liberal reclama ainda respeito pela ciência e pelos métodos científicos de pesquisas, o que implica na aceitação franca do estudo, tanto do mundo material como da crítica bíblica e da história da Igreja. Foi, valendo-se desse estado de espírito favorável, que Darwin publicou a sua célebre obra As Origens das Espécies através de meios de seleção natural,em 24 de novembro de 1859, que provocou violentas e intermináveis polêmicas. 8. O liberalismo teológico aceita também o princípio da continuidade, ou seja, considera mais importantes as semelhanças do que os contrastes, admitindo-se a idéia da evolução para superar os abismos existentes entre o natural e espiritual, entre o homem e seu Criador, enfatizando mais a imanência do que a transcendência de Deus; o liberalismo prega ainda a confiança do homem no futuro, gerada pelas grandes conquistas em todos os campos da ciência. 9. Não há dúvida de que o sonho liberalista do século passado mostra a cada dia mais impossibilidade de materializar-se. A teoria da evolução está hoje negada pelos principais cientistas, e as conquistas da ciência moderna têm trazido, ao lado do seu inegável progresso, resultados catastróficos. A confiança do homem no futuro desvanece-se hoje à luz dos fatos atuais e a exemplo de amargas experiências recentes. Quanto à imanência de Deus, sugere esta ênfase que a Divindade está identificada Pr Josias Moura de Menezes – Site: www.josiasmoura.wordpress.com Página 7
  • 8. com a totalidade das existências, afirmando, panteisticamente, que tudo é Deus e Deus é o tudo. Elimina-se, destarte, toda a concepção da personalidade divina e, em conseqüência, considera-se o homem um irresponsável. Quando se nega o conceito de Deus, como o Criador onipotente que está acima de todas as coisas que criou, corre-se o risco de cair no fatalismo, característico dos cultos orientais e, infelizmente, em expansão no Ocidente. Sinais da presença do fatalismo em nossos dias são os horóscopos, o fetichismo e até mesmo os biorrítmos, rejeitados como anticientíficos por grande número de médicos renomados. 10. Ainda em relação à ênfase dada pelo liberalismo à imanência de Deus em tudo, há uma implicação séria, quando se trata do problema do pecado. Despersonalizando a divindade, é o homem colocado no centro de tudo, como a medida de tudo. Isso significa que o fim do homem é estar satisfeito consigo mesmo, com seus horizontes etc. O Dr. John A. Mackay afirma que o pecado, como fator na existência humana, é terrivelmente real, e é coisa que os filósofos balconizados sempre trataram de fazer desaparecer por meio de argumentos arrazoados. Com a expressão balconizados fazia ele referência a Aristóteles e Renan, como símbolos daqueles para quem "a vida e o universo são objetos permanentes de estudo e contemplação". (') B. Outras Doutrinas Liberais 1. Os credos primitivos são arcaicos e sem realidade para o mundo moderno. 2. A mente do homem é capaz de raciocinar segundo os pensamentos de Deus. 3. A mente deve estar aberta à verdade independentemente da fonte. 4. As doutrinas cristãs são símbolos de verdades racionais conhecidas pela razão humana. 5. A divindade de Jesus era uma declaração simbólica do fato de que todos os homens possuem um aspecto divino. Pr Josias Moura de Menezes – Site: www.josiasmoura.wordpress.com Página 8
  • 9. 6. 0 conceito bíblico da revelação de Deus na história era ingênuo e pré- filosófico. 7. Os itens "4', "5" e "6" do parágrafo anterior sofreram influência do idealismo absoluto de Hegel e Letze. Os demais itens justificam plenamente alguns dos títulos do liberalismo: modernismo e racionalismo. 8. Como vimos, para o liberalismo Deus está presente em todas as fases da vida e não apenas em alguns eventos espetaculares. Assim, o método de Deus é o caminho da mudança progressiva e da lei natural, e o nascimento virginal de Cristo não condiz com a realidade, pois Deus está presente em todos os nascimentos. 9. Defendendo assim a imanência de Deus, o liberalismo podia aceitar a teoria da evolução, não negando a Deus, todavia, um ato criador, ou seja: Ele teria criado a primeira célula viva, da qual vieram todos os seres viventes, inclusive o homem. 10. O liberalismo reage contra um evangelho individualista, capaz de salvar o homem do inferno e não da sociedade corrompida, e insiste em que o reino de Deus não é além-túmulo e nem milênio, mas sim a sociedade ideal edificada pelo homem com o auxílio de Deus. 11. Na busca duma "sociedade ideal" muitos teólogos se têm inclinado para uma espécie de socialismo cristão, envolvendo-se em movimentos subversivos por acreditarem que as doutrinas de Marx e Engels, se destituídas de seu ateísmo, estariam em melhores condições de atender aos reclamos dos povos pela justiça social de que a própria mensagem evangélica. C. Sua atuação no Brasil 1. A entrada do liberalismo no Brasil remonta ao segundo decênio deste século, quando a Imprensa Metodista editou Pontos Principais da Fé Cristã, livro que nega a doutrina da expiação. Depois surgiram inúmeras obras modernistas, inclusive Religião Cristã, traduzida do italiano pelos reverendos, Dr. Alexandre Orechia e Matatias Gomes dos Santos. Pr Josias Moura de Menezes – Site: www.josiasmoura.wordpress.com Página 9
  • 10. 2. As primeiras vítimas da teologia liberal em nossa pátria, segundo o falecido reverendo Raphael Camacho, apareceram por volta de 1930, na Faculdade Evangélica de Teologia, no Rio de Janeiro. Muitos livros adotados nesse estabelecimento de ensino religioso eram modernistas, como também o eram quase todos os seus professores. 3. Segundo Raphael Camacho, o rev. Othoniel Motta, professor de Geografia Bíblica, costumava dizer em classe: "Eu sou o pai dos hereges... Eu oro pelos mortos." O rev. Epaminondas do Amaral, professor de exegese do Velho Testa mento, negava tudo o que há de sobrenatural na Bíblia. O rev. Bertolaze Stela escreveu no "Es tandarte", em 11/9/41, que todos os manuscritos da Bíblia foram contaminados por grandes mo dificações, e que não há esperança de se encon trar entre eles um texto que esteja próximo dos originais. Em "O Estandarte" de 15/9/53, este mesmo ministro escreveu: "Somente as palavras de Jesus constituem os ensinos e a religião de Cristo... a Bíblia contém a palavra de Deus." e fez suas as palavras do rev. Miguel Rizzo Jr., em A Nossa Mística: "Para uns a suprema autoridade está na Igreja (Católica Romana); para outros, nos espíritos do além (espíritas); para outros nas Escrituras (evangélicos), mas para nós está em Cristo." Eis aqui a heresia chamada cristicismo, que desassocia Cristo da Bíblia e afirma que somente as palavras ditas por Cristo é que são inspiradas. 4. Em 1938 os modernistas se manifestaram mais publicamente, de modo especial no seio da Igreja Presbiteriana Independente, sendo então resistidos pelos fundamentalistas, liderados pelo rev. Camacho. Travou-se acirrada luta doutrinária, luta que levou o rev. Camacho a desligar-se dessa Igreja e a organizar, em 11 de fevereiro de 1940, a Igreja Presbiteriana Conservadora. 5. Também o ex-padre Humberto Rohden, escritor, conferencista e autor de uma tradução do Novo Testamento em português, no seu livro Pelo Prestígio da Bíblia na Era Atômica, faz uma dura arremetida contra o evangelismo bíblico do Brasil e uma exposição das teorias modernistas do pastor batista norte-americano, Harry E. Fosdick. Pr Josias Moura de Menezes – Site: www.josiasmoura.wordpress.com Página 10