SlideShare uma empresa Scribd logo
DOUTRINA DA IGREJA


Escrevo-te estas coisas, esperando ir
ver-te bem depressa, 15mas, se
tardar, para que saibas como convém
andar na casa de Deus, que é a igreja
do Deus vivo, a coluna e firmeza da
verdade (1 Tm 3.14,15)
DOUTRINA DA IGREJA

A IGREJA
Figuras usadas para Igreja no sentido universal.
LEMBRETE IMPORTANTE: Cristo é o Cabeça (Dirigente,
Comandante, Chefe Absoluto) da Igreja. Foi o Senhor
quem deu sua vida por ela. É ele que está purificando-a e
santificando-a, como Igreja Gloriosa, sem ruga nem
mácula. Ef. 1.22; 5.23,25.
DOUTRINA DA IGREJA
Igreja no sentido universal, “consiste de todos
aqueles que, nesta dispensação, nasceram
do Espírito de Deus, e foram, por esse
mesmo Espírito, batizados no corpo de
Cristo (1 Pe 1.3,22-25; 1 Co 12.13).
DOUTRINA DA IGREJA
A Igreja é “à universal assembleia e igreja dos
primogênitos, que estão inscritos nos céus”
(Hb 12.23).
DOUTRINA DA IGREJA
1. A Igreja é conhecida por edifício de Deus.
A Igreja é um Templo sólido.
O Senhor Jesus Cristo é a pedra fundamental
desse poderoso edifício. Ele está habitando
nele pelo Espírito Santo (Mt 16.18; 1 Co
3.11; 1 Pe 1.20,22). Nesse edifício o crente
recebe o grande privilégio de exercer
trabalho sacerdotal. 1 Pe 2.9; Ap 1.6. Leia:
Cl 2.6.
DOUTRINA DA IGREJA
2. A Igreja é conhecida como o Corpo de
Cristo.
A figura da Igreja do Senhor como Corpo de
Cristo é para mostrar que ela é um
organismo vivo. Ela tem vínculo de vida com
Cristo. Ela está unida a Ele (1 Co 12.12-27;
Ef 1.22,23; 3.6; 4.4,12 16; 5.23,30; Cl
1.18,24; 2.19; 3.15).
DOUTRINA DA IGREJA


a Igreja de Corpo de Cristo é “para mostrar
que a Igreja é um organismo, tem ligação
vital com Cristo, está sob a superintendência
de Cristo, é uma unidade, embora composta
de judeus e gentios, apresenta diversidade
de dons entre seus membros, e idealmente
coopera no desempenho de uma tarefa
comum”.
DOUTRINA DA IGREJA
3. A Igreja é conhecida como a Noiva de
Cristo.
 A Igreja está de contrato firmado com Cristo.
 Ela também deve estar preparada para a
cerimônia do casamento, sabendo que vai
reinar com Ele para sempre. 2 Co 11.2,3; Ef
5.24,25; Ap 19.7,8,16.
DOUTRINA DA IGREJA
4. Templo do Espírito Santo.
 Em 1 Co 3.16, a Igreja é chamada com
ênfase de “santuário de Deus”.
 O Espírito Santo diz que os crentes crescem
“para santuário dedicado ao Senhor”, e que
estão “sendo edificados para habitação de
Deus no Espírito (Ef 2.21,22).
DOUTRINA DA IGREJA
A Igreja é uma “casa espiritual” (1 Pe 2.5).
 A Igreja como Templo do Espírito Santo e
Casa Espiritual é para dizer que ela é santa
e que está legalmente protegida de tudo que
a possa contaminar.

DOUTRINA DA IGREJA


A Igreja templo do Espírito Santo – “Esta
figura acentua o fato de que a igreja é santa
e inviolável. A permanência do Espírito Santo
nela dá-lhe um caráter exaltado”.
DOUTRINA DA IGREJA
5. Coluna e Baluarte da Verdade.
Sabemos que uma coluna é o pilar de
sustentação de um edifício. Pode vir exposta
ou não, mas tem uma importância sem
precedente. A Igreja como coluna sustenta
poderosamente as verdades reveladas de
Deus em sua Palavra.
DOUTRINA DA IGREJA


Como baluarte, a Igreja é uma fortaleza
Invencível, indestrutível, inabalável. Como
diz o teólogo Louis Berkhof (ibid., p.562): “A
figura expressa o fato de que a Igreja é
guardiã da verdade, cidadela da verdade e
defensora da verdade contra todo os
inimigos do reino de Deus”. Baluarte- lugar
seguro.
DOUTRINA DA IGREJA
O texto sagrado diz: “mas, se tardar, para que
saibas como convém andar na casa de
Deus, que é a igreja do Deus vivo, a coluna
e firmeza da verdade (1Tm 3.15).
DOUTRINA DA IGREJA
Figuras usadas para a Igreja no sentido
local
A Igreja é composta de pessoas de todas as
épocas que já aceitaram a Cristo como seu
Senhor e Salvador, em todas as partes do
globo.
DOUTRINA DA IGREJA
2.1. A Igreja em Jerusalém. At 8.1; 11.22;
2.2. A Igreja em Antioquia. At 13.1;
2.3. A Igreja em Éfeso. At 20.17;
2.4. A Igreja em Cencréia. Rm 16.1;
2.5. A Igreja em Corinto, etc. 1 Co 1.2.
DOUTRINA DA IGREJA
1.




A ORGANIZAÇÃO DA IGREJA - Ef 4.9-13.
Apóstolos.
Este nome só é aplicado aos doze
apóstolos escolhidos pelo Senhor Jesus
Cristo e a Paulo.
Aplica a certos homens apostólicos que
assessoraram a Paulo em seu trabalho e
que foram dotados de dons e graças
apostólicos.
DOUTRINA DA IGREJA
A função dos apóstolos era “de lançar os
alicerces da igreja de todos os séculos”.
 At 14.4, 14; 1 Co 9.5,6; 2 Co 8.23; Gl 1.19.

DOUTRINA DA IGREJA
Qualificações especiais dos apóstolos:
1. Comissionados diretamente por Deus ou
por Jesus Cristo, Mc 3.14,15; Lc 6.13; Gl
1.1.
2. 2. Testemunhas da vida de Cristo e,
principalmente, de Sua da sua ressurreição,
Jo 15.27; At 1.21,22; 1 Co 9.1.
DOUTRINA DA IGREJA
1.3. Tinham consciência de que eram
inspirados pelo Espírito de Deus em todo o
seu ensino, oral e escritos. At 15.28; 1 Co
2.13; 1 Ts 4.8; 1 Jo 5.9-12.
1.4. Tinham o poder de realizar milagres e o
usaram em diversas ocasiões para ratificar a
sua mensagem, 2 Co 12.12; Hb 2.4.
DOUTRINA DA IGREJA
2. Profetas.
Era o dom de Deus para falar a Igreja para sua
edificação. Leituras importantes: At 11.28;
13.1,2; 15.32; 1 Co 12.10; 13.2; 14.3; Ef
2.20; 3.5; 4.11; 1 Tm 1.18; 4.14; Ap 11.6.
DOUTRINA DA IGREJA
Profeta – Ocasionalmente eles serviam de
instrumentos para a revelação de mistérios e
para a predição de eventos futuros.
DOUTRINA DA IGREJA
3. Pastores
O Dicionário Teológico (CPAD, 1996:201)
conceitua a palavra pastor da seguinte
maneira: “Em termos eclesiásticos, é o
supervisor do rebanho. Sua principal função
é administrar a Igreja de Cristo”.
DOUTRINA DA IGREJA
O

termo „pastor‟ é usado hoje mais
amplamente
para
quem
tem
a
responsabilidade e supervisão espirituais da
igreja local. É interessante que o termo
grego poimên („pastor‟) é usado uma única
vez no Novo Testamento com referência
direta ao ministério do pastor (Ef 4.11).
DOUTRINA DA IGREJA
Atuação de um pastor:
1) “Administração (cf. 1 Pe 5.1-4)”,
2) “Cuidados pastorais (cf. 1 Tm 3.5; Hb
13.17)”, e
3) “instrução (cf. 1 Tm 3.2; 5.17; Tt 1.9)”.
DOUTRINA DA IGREJA
4. Evangelistas
Aurélio - “pessoa que evangeliza, que
preconiza uma doutrina”.
Dicionário Teológico - “Em Efésios 4.11, é
apresentado como o segundo dom
ministerial em importância. Trata-se de um
carisma específico, que capacita o crente a
disseminar, de forma extraordinária, as Boas
Novas.
DOUTRINA DA IGREJA
George Eldon Ladd (Teologia do Novo
Testamento, 1985:494, JUERP) diz que “os
evangelistas são pregadores que se
incumbem da tarefa missionária de pregar o
evangelho, mas sem a autoridade dos
apóstolos. O termo denota uma função, e
não um ofício”.
DOUTRINA DA IGREJA
Louis Berkhof – Mencionado na Bíblia. At 21.8;
Ef 4.11; 2 Tm 4.5.
 Exemplos: Felipe, Marcos, Timóteo e Tito.
 Eles
acompanhavam e assistiam os
apóstolos, e às vezes eram enviados por
estes em missões especiais.
DOUTRINA DA IGREJA


Acompanhavam e assistiam os apóstolos, e
às vezes eram enviados por estes em
missões especiais. Seu trabalho era pregar e
batizar, mas incluía também a ordenação de
presbíteros, Tt 1.5; 1 Tm 5.22, e o exercício
da disciplina, Tt 3.10.
DOUTRINA DA IGREJA
5. Presbíteros
O Dicionário Teológico [presbítero (do grego
presbytero, mais velho)]: “No Antigo
Testamento, era o ancião responsável pelos
conselhos e pela observância da justiça. Era
uma espécie de juiz da Suprema Corte de
Israel...
DOUTRINA DA IGREJA
... No Novo Testamento, é às vezes tido como
o pastor; outras, como o responsável pela
administração da palavra; e, ainda, pela
gerência
dos
bens
materiais
da
congregação”.
DOUTRINA DA IGREJA
O termo presbítero “significa simplesmente
„anciãos‟, ou „mais velhos‟”.
 “O termo presbyteroi é empregado na
Escritura para denotar homens idosos, e
para designar uma classe de oficiais um
tanto parecida com a que exercia certas
funções na sinagoga” (1 Tm 3.1; 4.14;
5.17,19; Tt 1.5,7; 1 Pe 5.1,2.

DOUTRINA DA IGREJA
6. Mestres.
 O Dicionário Teológico (ibid., p.201) conceitua o
termo “pastores e mestres”. Não existe o termo
mestre, unicamente.
 “Este dom significa que o pastor, tendo em vista
sua responsabilidade como administrador do
rebanho, tem de se destacar também como
expositor da Palavra de Deus”. Ef 4.11.
DOUTRINA DA IGREJA


Pastor e Mestre - “Este dom significa que o
pastor, tendo em vista sua responsabilidade
como administrador do rebanho, tem de se
destacar também como expositor da Palavra
de Deus”. Ef 4.11.
DOUTRINA DA IGREJA


George Eldon Ladd (ibid., p.494) explica que
“os mestres são também unidos aos profetas
em Atos 13.1. A linguagem de Efésios 4.11
sugere que ser pastor e mestre é exercer um
único ofício, que contém uma função dupla:
a de pastorear e a de ensinar”.
DOUTRINA DA IGREJA


H. Horton Wiley (Introdução à Teologia
Cristã, Casa Nazarena de Publicações no
Brasil, 2009, p.388) diz que “o ofício do
pastorado tem dupla função – administrativa
e instrutiva. Daí os escolhidos para esta
posição terem sido conhecidos como
„pastores e mestres‟”.
DOUTRINA DA IGREJA
7. Diáconos
Dicionário Teológico - Oficial da igreja,
instituído pelos apóstolos para:
a) Socorrer aos necessitados;
b) Servir as mesas; e:
c) Manter a boa ordem na casa de Deus (At
6.1-6).
DOUTRINA DA IGREJA


Função dos diáconos: atuam também como
administradores da igreja, proporcionando
ao pastor o tempo necessário à oração,
preparação de sermões, visitação etc.
DOUTRINA DA IGREJA


Noutras denominações, todavia, o diácono já
não passa de porteiro e recepcionista. Até
mesmo as funções básicas do ofício são
exercidas pelas componentes do serviço de
assistência social. Na prática, o diaconato,
em não poucas igrejas, é exercido por
mulheres”.
DOUTRINA DA IGREJA
As mulheres podem ser diaconisas?
“Quantos aos versículos de Romanos 16 e 1
Tm 3, os estudiosos ficam divididos entre si
a respeito da tradução correta. Seja como
for, a história da Igreja fornece evidências no
sentido de mulheres servirem na função de
diaconisas já a partir do século II...
DOUTRINA DA IGREJA
... Conforme observa certo estudioso: „O
evangelho de Cristo deu às mulheres dos
tempos antigos uma nova dignidade, e não
somente lhes concedeu igualdade pessoal
diante de Deus como também lhes ofereceu
uma participação no ministério‟”.
DOUTRINA DA IGREJA
AS ORDENANÇAS DA IGREJA - BATISMO E
SANTA CEIA
O Batismo nas águas e a Ceia do Senhor são
sacramentos ou ordenanças?
Sacramento - “O termo „sacramento (que
provém de sacramentum, em latim) é mais
antigo e aparentemente de uso mais
generalizado que o termo „ordenança‟...
DOUTRINA DA IGREJA


No mundo antigo, um sacramentum referiase originalmente a uma soma em dinheiro
depositada num lugar sagrado por duas
partes envolvidas num litígio civil...
DOUTRINA DA IGREJA
Pronunciada a sentença do tribunal, devolviase o dinheiro da parte vencedora, enquanto
a perdedora tinha de entregar o seu para
„sacramento‟
obrigatório,
considerado
sagrado porque passava a ser oferecido aos
deuses pagãos.
DOUTRINA DA IGREJA


No decurso do tempo, o termo „sacramento‟
passou a ser aplicado também ao juramento
de lealdade prestado pelos novos recrutas
do exército romano. Já no século II, os
cristãos tinham adotado o termo, e
começaram a associá-lo ao seu voto de
obediência e consagração ao Senhor”.
DOUTRINA DA IGREJA
O teólogo Louis Berkhof tem a seguinte
definição para sacramento: “Sacramento é
uma santa ordenança instituída por Cristo,
na qual, mediante sinais perceptíveis, a
graça de Deus em Cristo e os benefícios da
aliança da garça são representados, selados
e aplicados aos crentes, e estes, por sua
vez, expressam sua fé e sua fidelidade a
Deus”.
DOUTRINA DA IGREJA
H. Horton Wiley diz que o termo „sacramento
como usado na teologia, significa um sinal
externo e visível de uma graça interna e
espiritual que nos é ordenado pelo próprio
Cristo como meio para se receber essa graça e
como um penhor que nos torna seguros dela.
No conceito dos cristãos primitivos os
sacramentos eram ritos religiosos que
implicavam na mais sagrada obrigação de
lealdade à Igreja e a Cristo”.
DOUTRINA DA IGREJA
... no conceito dos cristãos primitivos os
sacramentos eram ritos religiosos que
implicavam na mais sagrada obrigação de
lealdade à Igreja e a Cristo”.
DOUTRINA DA IGREJA
O que é ordenanças.
Michael During diz que “o termo „ordenança‟
também se deriva do latim (ordo – „uma fileira‟,
„uma ordem‟). Relacionada ao batismo nas
águas e à Santa Ceia, a palavra „ordenança‟
sugere que essas cerimônias sagradas foram
instituídas por mandamento, ou „ordem‟ de
Cristo”.
DOUTRINA DA IGREJA
Henry
C.
“Para
evitar
encorajar
o
sacramentarismo, preferimos a palavra
ordenanças. Podemos definir ordenança
como um rito externo ordenado por Cristo
para ser administrado na Igreja, como sinal
viável da verdade salvadora da fé cristã. É
um sacramento apenas no sentido de ser um
voto de fidelidade a Cristo”.
DOUTRINA DA IGREJA
“Ordenança é um rito simbólico que põe em
destaque as verdades centrais da fé cristã, e
que é obrigação universal e pessoal. O
Batismo e a Ceia do Senhor são ritos que se
tornaram ordenanças por ordem específica
de Cristo”.
DOUTRINA DA IGREJA
O Estatuto da Igreja Assembleia de Deus no
Rio Grande do Norte (IEADERN, p.6),
Capítulo
II,
DOS
MEMBROS
E
CONGREGADOS, Seção II, Da Admissão,
Art. 5º, diz o seguinte: O modo de batismo
admitido pela Igreja é por imersão...
DOUTRINA DA IGREJA
... o Credo (Cremos) da IEADERN (Estatuto,
p.47, item 7) afirma: “CREMOS „no batismo
bíblico efetuado por imersão do corpo inteiro
uma só vez em águas, em nome do Pai, do
Filho e do Espírito Santo, conforme
determinou o Senhor Jesus Cristo (Mt 28.19;
Rm 6.1-6; e Cl 2.12)‟”.
DOUTRINA DA IGREJA
Batismo nas Águas
O batismo nas águas “é uma ordenação de
obrigação perpétua na igreja é provado
pelos seguintes fatos: (1) Cristo pediu para
ser batizado (Mt 3.13-15) e aprovou a
prática dessa ordenança por parte dos
discípulos (Jo 4.1,2);
1.
DOUTRINA DA IGREJA
2) Ele ordenou Seus discípulos na Grande
Comissão a ensinar e batizar todos os
discípulos (Mt 28.19,20; cf. Mc 16.16);
(3) os apóstolos e os primeiros discípulos
ensinavam e praticavam o batismo (At 2.38,
41; 8.12, 13, 36, 38; 9.18; 10.47, 48; 16.15.
33; 18.8; 19.5)”.
DOUTRINA DA IGREJA


“Em Romanos (6.3,4), Gálatas (3.27) e
Colossenses (2.12), ele ensina a batizar com
água. Certamente, sua própria submissão ao
batismo indica que aprovava esse rito (At
9.18; 22.16). Da mesma forma, o apóstolo
Pedro dá a entender que o batismo era uma
prática regular da igreja (1 Pe 3.21)”.
DOUTRINA DA IGREJA
O batismo nas águas é identificação com
Cristo.
 “O propósito importante do batismo nas águas,
para os crentes, é que ele simboliza a
identificação
com
Cristo.
Os
crentes
neotestamentários eram batizados „para dentro‟
(gr. eis) do nome do Senhor Jesus (At 8.16), o
que indica que estavam sob o senhorio e
autoridade soberanos de Cristo.

DOUTRINA DA IGREJA
“A ordenança do batismo é símbolo da
identificação do crente com Cristo no
sepultamento e ressurreição (Rm 6.3,4; Cl
2.12; I Pe 3.2)”.
DOUTRINA DA IGREJA


George Eldon Ladd (1985:507) diz que “o
batismo é rito de admissão na Igreja, mas
representa a identificação do crente com
Cristo. Os homens são batizados „em Cristo
Jesus‟ (Romanos 6.3). Batismo „em Cristo‟
significa revestir-se de Cristo (Gál. 3.27). O
batismo significa união com Cristo em sua
morte e ressurreição (Rom. 6-14; Col. 2.12)”.
DOUTRINA DA IGREJA
Michael Dusing (ibid., p.570) diz que “o
batismo nas águas também significa que os
crentes se identificaram com o corpo de
Cristo, a Igreja. Os crentes batizados são
admitidos na comunidade da fé e, com sua
atitude, testificam publicamente diante do
mundo sua lealdade a Cristo, juntamente
com o povo de Deus”.
DOUTRINA DA IGREJA
2. A Ceia do Senhor
“Assim como o batismo, esta ordenança tem
feito parte do culto cristão desde o ministério
terreno de Cristo, quando Ele próprio
instituiu o rito na refeição da Páscoa, na
noite em que foi traído...
DOUTRINA DA IGREJA
... a Ceia do Senhor tem alguns paralelos em
outras tradições religiosas (tais como a
Páscoa judaica; outras religiões também se
avaliam de refeições sacramentais para se
identificar com suas deidades), mas ela vai
muito além quanto ao seu significado e
importância”.
DOUTRINA DA IGREJA


O comentarista da Bíblia de Genebra
(1999:1360) diz que “a Ceia do Senhor é um
ato de culto que tem a forma de uma
refeição cerimonial, na qual os servos de
Cristo participam do pão e do vinho, para
comemorar a morte de Cristo e celebrar o
novo relacionamento segundo a aliança que
eles desfrutam com Deus”.
DOUTRINA DA IGREJA
A Ceia do Senhor apresentada no passado,
presente e futuro:
1. No passado - (a) É um memorial; (b) É
um ato de ação de graças (gr. eucharistia)
pelas bênçãos e salvação da parte de
Deus, provenientes do sacrifício de Jesus
Cristo na cruz por nós.
DOUTRINA DA IGREJA
2. No presente - a) A Ceia do Senhor é um ato
de comunhão (gr. Koinonia) com Cristo e de
participação nos benefícios da sua morte
sacrificial e, ao mesmo tempo, comunhão
com os demais membros do corpo de Cristo
(10.16,17).
DOUTRINA DA IGREJA
(b) É o reconhecimento e a proclamação da
Nova Aliança (gr. Kaine diatheke) mediante a
qual os crentes reafirmam o senhorio de
Cristo e nosso compromisso de fazer a sua
vontade, de permanecer leais, de resistir o
pecado e de identificar-nos com a missão de
Cristo (v. 25; Mt 26.28; Mc 14.24; Lc 22.20)”.
DOUTRINA DA IGREJA
3. No futuro - (a) A Ceia do Senhor é um
antegozo do reino futuro de Deus e do
banquete messiânico futuro, quando então,
todos os crentes estarão presentes com o
Senhor (Mt 8.11; 22.1-14; Mc 14.25; Lc
13.29; 22.17, 18, 30. (b) Antevê a volta
iminente de Cristo para buscar o seu povo (v.
26) e encena a oração: „Venha o teu Reino‟
(Mt 6.10; cf. Ap 22.20)”.
DOUTRINA DA IGREJA


João Wesley (fundador da Igreja Metodista),
o homem que dizia: “Meu fundamento é a
Bíblia. Sim, sou intransigentemente a favor
da Bíblia. Sigo-a em todas as coisas,
grandes ou pequenas.”
DOUTRINA DA IGREJA


“Portanto, se tivermos respeito à ordem de
Cristo, se desejarmos o perdão dos nossos
pecado, força para cremos, para amarmos e
obedecermos a Deus, não devemos perder
nenhuma oportunidade de participação da
Ceia do Senhor; não devemos virar as
costas para a festa que o Senhor nos
preparou...
DOUTRINA DA IGREJA
... não devemos perder nenhuma ocasião que
a providência de Deus nos prepare neste
sentido. Esta é a regra verdadeira: devemos
praticá-la todas as vezes que Deus nos der
oportunidade...
DOUTRINA DA IGREJA
... todos aqueles que a não praticam, mas
fogem da mesa santa, quando tudo está
preparado, não compreendem o seu dever
ou não dão importância à ordem do seu
Salvador, ao perdão dos seus pecados, ao
fortalecimento da sua alma e sua
tranquilização pela esperança da glória”.
DOUTRINA DA IGREJA
Obs. Importantes:
Vamos conhecer os conceitos da Igreja
Católica, da Igreja Luterana e da Igreja
Reformada sobre a Ceia do Senhor. Para
efeito didático, vamos enumerar:
DOUTRINA DA IGREJA
Igreja Católica Romana - O conceito
católico
romano
é
chamado
de
transubstanciação.
“O pão se torna carne o vinho se torna sangue,
mediante a consagração do sacerdote. E
continuam tais permanentemente”.
1)
DOUTRINA DA IGREJA
“a doutrina da transubstanciação como a
sustentam os Católicos Romanos, envolve a
interpretação das palavras „isto é o meu
corpo‟ e „isto é o meu sangue‟ no sentido
mais literal possível. Acreditam que quando
nosso Senhor pronunciou estas palavras,
transformou pão e o vinho no Seu próprio
corpo e no Seu próprio sangue, passando-os
assim às mãos dos apóstolos”.
DOUTRINA DA IGREJA
“No ministrar tradicional do sacramento, o
cálice foi afastado dos leigos, sendo tomado
apenas pelo clero. A razão principal era o
perigo de o sangue ser derramado. Pois
caso o sangue de Jesus fosse pisado, isso
seria um sacrilégio”.
DOUTRINA DA IGREJA
2. Igreja Luterana - O conceito católico
luterano é chamado de consubstanciação.
Aurélio diz que consubstanciação é a “união
de dois ou mais corpos na mesma
substância”.
DOUTRINA DA IGREJA
“A concepção luterana difere da concepção
católica romana em muitos pontos, mas não
em todos. Lutero manteve a concepção
católica de que o corpo e o sangue de Cristo
estão fisicamente presentes nos elementos.
O que Lutero negou foi à doutrina católica da
transubstanciação...
DOUTRINA DA IGREJA
... as moléculas não são transformadas em
carne e sangue. Mas o corpo e o sangue de
Cristo estão presentes „em, com e sob‟ o pão
e o vinho. Não que o pão e o vinho tornemse corpo e sangue de Cristo, mas que agora
temos o corpo e o sangue, além do pão e do
vinho”.
DOUTRINA DA IGREJA
3. A concepção Zwingliana - “a posição
zuingliana é mais conhecida hoje como
teoria memorial. Enfatiza que a Comunhão é
um rito que comemora a morte do Senhor e
a sua eficácia para o crente.
DOUTRINA DA IGREJA
Zuínglio rejeitava qualquer noção da presença
física de Cristo à mesa (quer transformação
nos elementos, quer junto com os
elementos. Ensinava, pelo contrário, que
Cristo estava espiritualmente presente para
os da fé”.
DOUTRINA DA IGREJA
4. A concepção Calvinista (ou reformada).
Millard Erickson (ibid., p.470) diz que “a
concepção reformada sustenta que Cristo
está presente na ceia do Senhor, mas não
em forma física ou corpórea. Antes, sua
presença no sacramento é espiritual ou
dinâmica”.
DOUTRINA DA IGREJA


“A Ceia do Senhor é um memorial; é também
um emblema ou sinal da profissão; e é
também uma apresentação simbólica dos
grandes fatos da expiação na morte de
Cristo. O corpo e o sangue de Cristo não são
recebidos corporalmente, mas o que Jesus
fez mediante o seu corpo e o seu sangue é
recebido por aqueles que participam com fé”.
DOUTRINA DA IGREJA
“É provável que a maioria dos pentecostais se
sinta teologicamente mais à vontade com as
posições expressas por zuinglianos ou
reformados”.
DOUTRINA DA IGREJA
O PODER DA IGREJA - Mt 16.13-19
1. Cristo, a fonte de poder da Igreja.
O Senhor diz: “É-me dado todo o poder no céu
e na terra” (Mt 28.18).
DOUTRINA DA IGREJA
Ele a governa como Rei, no sentido
administrativo. Ele é a Cabeça da Igreja, ou
seja, o Chefe Supremo. O Espírito Santo
deixou escrito: “E sujeitou todas as coisas a
seus pés e, sobre todas as coisas, o
constituiu como cabeça da igreja, 23que é o
seu corpo, a plenitude daquele que cumpre
tudo em todos” (Ef 1.22,23). Ap 2.1,8,12,18;
3.1,7,14.
DOUTRINA DA IGREJA
Cristo revestiu a Igreja de poder ou
autoridade.
Mt 16.19 diz: “E eu te darei as chaves do
Reino dos céus, e tudo o que ligares na terra
será ligado nos céus, e tudo o que
desligares na terra será desligado nos céus”.


DOUTRINA DA IGREJA


Louis Berkhof (ibid., p.589) diz que “Cristo
deu este poder, antes de tudo e no grau
supremo, aos apóstolos, mas também o
estende, embora em menor grau, à igreja em
geral”.
DOUTRINA DA IGREJA
Cristo deu poder a Igreja em geral.
 A autoridade é extensiva, ou seja, ela vai de
Cristo para os apóstolos, e a Igreja de todas
as épocas. É recomendável que leiamos At
15.23-29; 16.4; 1 Co 5.1-13; 6.2-4; 12.28; Ef
4.11-16.
DOUTRINA DA IGREJA
2. A Natureza do Poder da Igreja.
Roger Mucchielli diz que “a delegação de
autoridade” “supõe confiança de quem
delega e o senso de responsabilidade por
parte de quem recebe a delegação”.
DOUTRINA DA IGREJA
O Poder exercido pela Igreja é espiritual.
“É um poder espiritual porque é dado pelo
Espírito de Deus, At 20.28, só pode ser
exercido em nome de Cristo e pelo poder do
Espírito Santo, Jo 20.23; 1 Co 5.4, pertence
exclusivamente aos crentes, 1 Co 5.12, e só
pode ser exercido de maneira moral e
espiritual, 2 Co 10.4”.
DOUTRINA DA IGREJA
O poder espiritual exercido pela Igreja tem
“o propósito de livrar os homens da
escravidão espiritual infundindo-lhes o
conhecimento da verdade, cultivando
neles graças espirituais, e levando-os a
uma vida de obediência aos preceitos
divinos. Não é um poder exercido pela
força. Visto que o poder da igreja é
exclusivamente espiritual, não recorre à
força”
DOUTRINA DA IGREJA
Leituras importantes: Zc 4.6; Mt 12.22, 28; Jo
8.32, 36.
2. O Poder Ministerial.
O poder exercido pela “igreja não é um poder
independente soberano” (ibid., p.599), mas é
um poder “derivado de Cristo e subordinado
a Sua autoridade soberana sobre a Igreja
Mt 28.18...
DOUTRINA DA IGREJA
... Deve ser exercido em harmonia com a
Palavra de Deus e sob a direção do Espírito
Santo, por meio de ambos os quais Cristo
governa a Sua igreja, e em nome do próprio
Cristo como Rei da igreja, Rm10.14; Ef
5.23; 1 Co 5.4...
DOUTRINA DA IGREJA
Todavia, é um poder muito real e abrangente,
que consiste na administração da Palavra e
dos sacramentos, Mt 2.819, na determinação
do que é e do que não é permitido no reino
de Deus, Mt 16.19, no perdão e na retenção
do pecado, Jo 20.23, e no exercício da
disciplina na Igreja, Mt 1.18; 18.17; 1 Co 5.4;
Tt 3.10; Hb 12.15-17”
DOUTRINA DA IGREJA
A DISCIPLINA NA IGREJA - 1 CO 5.1-5,13; 1
CO 14.33
1. A disciplina
é ensino das Escrituras
Sagradas. (Mt 18.15-18).
DOUTRINA DA IGREJA
Jesus “instituiu a disciplina na igreja quando
deu aos apóstolos e, em conexão com a
palavra destes, também à igreja em geral o
poder de ligar e desligar, de declarar o que
proibido e o que é permitido, e de perdoar e
reter pecados declarativamente, Mt 16.19;
18.18; Jo 20.23. E é somente porque Cristo
deu este poder à igreja que ela pode exercêlo”.
DOUTRINA DA IGREJA
Leituras indispensáveis: 1 Co 5.2, 5, 7, 13; 2
Co 2.5-7; 2 Ts 3.14, 15; 1 Tm 1.20; Tt 3.10.
 O exercício da disciplina é feito pelos oficiais
da Igreja.
 O exercício da disciplina é competência dos
oficiais da Igreja (1 Co 5.5; 2 Ts 3.14,15; 1
Tm 1.20).
DOUTRINA DA IGREJA
A Aplicação correta da disciplina.
 A disciplina exercida de modo correto edifica
espiritualmente os membros da Igreja. É a
forma de manter a santidade nela.

DOUTRINA DA IGREJA


“Com referência a membros enfermos da
igreja, a disciplina é antes de tudo medicinal,
no sentido de que procura a cura, mas pode
tornar-se cirúrgica, quando o bem-estar da
igreja exige a amputação do membro
enfermo”.
DOUTRINA DA IGREJA


“As igrejas que relaxarem na disciplina,
descobrirão mais cedo ou mais tarde em sua
esfera de influência um eclipse de luz da
verdade e abusos nas coisas santas. Daí, a
igreja que quiser permanecer fiel ao seu
ideal, na medida em que isto é possível na
terra, deverá ser diligente e conscienciosa
no exercício da disciplina cristã”.
DOUTRINA DA IGREJA
A finalidade da disciplina é a salvação
daquela pessoa (1 Co 5.5).
 A disciplina deve ser exercida com a
finalidade de perdão, consolo e amor. 2 Co
2.7,8, 1 Co 5.9-13.

DOUTRINA DA IGREJA


O Estatuto da Igreja Evangélica Assembleia
de Deus no Rio Grande do Norte, Seção V,
Das Penalidades, a partir do Art. 10 até o Art.
13, retrata sobre a disciplina na Igreja. É
recomendável que seja do conhecimento de
todos.
DOUTRINA DA IGREJA
A MISSÃO DA IGREJA
Aurélio diz que missão é: “Função especial da
qual um governo encarrega diplomata(s) ou
agente(s) junto a outro país; comissão
diplomática”.
DOUTRINA DA IGREJA


O Dicionário Teológico (CPAD, 1997:182)
conceitua missão, assim: “[Do lat. Missio]
Transmissão consciente e planejada das
Boas Novas de Cristo além das fronteiras
nacionais e culturas”.
DOUTRINA DA IGREJA


David J. Hesselgrave diz que “a missão
primária da Igreja e, portanto, das igrejas, é
proclamar o evangelho de Cristo e reunir os
crentes em igrejas locais onde podem ser
edificados na fé e tornados eficazes no
serviço,
e
assim
implantar
novas
congregações no mundo inteiro”.
DOUTRINA DA IGREJA
A missão da Igreja é “Glorificar a Deus”.
Fomos criados por Deus para louvor de sua
glória. Rm 15.5, 6, 9; Ef 1.5, 6, 12, 14, 18;
3.20, 21; 2 Ts 1.12; 1 Pe 4.11.
2. A missão da Igreja é “Edificar a si
Própria”. Ef 4.8-16
1.
DOUTRINA DA IGREJA
3. A Missão da Igreja é “Evangelizar o Mundo”.
Leituras adicionais: Mc 16.15; Lc 24.46-48; At
1.8.
DOUTRINA DA IGREJA


“As Escrituras não nos mandam „converter‟
mas sim „evangelizar‟ o mundo. Com isso
quer dizer que a Igreja é devedora ao mundo
todo, isto é, que a Igreja está sob a
obrigação de dar ao mundo toda uma
oportunidade de ouvir o Evangelho e de
aceitar a Cristo...
DOUTRINA DA IGREJA
... sabemos que não o mundo que vai aceitar a
Cristo; mas a Igreja está comissionada a dar
a todo o mundo uma oportunidade de ficar
sabendo a respeito Dele e aceitar Sua
salvação. Deus está hoje conclamando
dentre os gentios um povo para Seu nome
(At 15.14 e seguintes), e fá-Lo através da
Igreja e por Seu Espírito”.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Lição 9 - A Igreja e sua Organização
Lição 9 - A Igreja e sua OrganizaçãoLição 9 - A Igreja e sua Organização
Lição 9 - A Igreja e sua Organização
Éder Tomé
 
CETADEB - Lição 4 e 5 - O Preparo do Obreiro
CETADEB - Lição 4 e 5 - O Preparo do ObreiroCETADEB - Lição 4 e 5 - O Preparo do Obreiro
CETADEB - Lição 4 e 5 - O Preparo do Obreiro
Ednilson do Valle
 
hamartiologia - Doutrina do pecado.
hamartiologia - Doutrina do pecado.hamartiologia - Doutrina do pecado.
hamartiologia - Doutrina do pecado.
RODRIGO FERREIRA
 
Lição 02 - Pecado: uma realidade humana
Lição 02 - Pecado: uma realidade humanaLição 02 - Pecado: uma realidade humana
Lição 02 - Pecado: uma realidade humana
Éder Tomé
 
A Epistola de Tiago
A Epistola de TiagoA Epistola de Tiago
A Epistola de Tiago
UEPB
 
Eclesiologia ana
Eclesiologia anaEclesiologia ana
Eclesiologia ana
Eraldo Luciano
 
Lição 10 - Santificação: vontade e chamado de Deus para nós
Lição 10 - Santificação: vontade e chamado de Deus para nósLição 10 - Santificação: vontade e chamado de Deus para nós
Lição 10 - Santificação: vontade e chamado de Deus para nós
Éder Tomé
 
02 doutrinas bíblicas
02 doutrinas bíblicas02 doutrinas bíblicas
02 doutrinas bíblicas
faculdadeteologica
 
10. 2a. epístola de paulo aos corintios
10. 2a. epístola de paulo aos corintios10. 2a. epístola de paulo aos corintios
10. 2a. epístola de paulo aos corintios
Igreja Presbiteriana de Dourados
 
Atos
AtosAtos
6. sinais da volta de jesus
6. sinais da volta de jesus6. sinais da volta de jesus
6. sinais da volta de jesus
Moisés Sampaio
 
Lição 3 - A Santíssima Trindade: Um só Deus em três Pessoas
Lição 3 - A Santíssima Trindade: Um só Deus em três PessoasLição 3 - A Santíssima Trindade: Um só Deus em três Pessoas
Lição 3 - A Santíssima Trindade: Um só Deus em três Pessoas
I.A.D.F.J - SAMAMABAIA SUL
 
Apostila obreiros
Apostila obreirosApostila obreiros
Apostila obreiros
Mara Rúbia Alfarth
 
APOSTILA DO OBREIRO NO SERVIR A DEUS
APOSTILA DO OBREIRO NO SERVIR A DEUSAPOSTILA DO OBREIRO NO SERVIR A DEUS
APOSTILA DO OBREIRO NO SERVIR A DEUS
PASTOR CARLOS SILVA
 
Conhecendo a salvação
Conhecendo a salvaçãoConhecendo a salvação
Conhecendo a salvação
Josue Lima
 
Apostila evangelismo
Apostila evangelismoApostila evangelismo
Apostila evangelismo
Vandeir Monteiro Mendes
 
Aula 6 eclesiologia
Aula 6   eclesiologiaAula 6   eclesiologia
Aula 6 eclesiologia
magnao2
 
Lição 1 - A Igreja e o Plano Divino
Lição 1 - A Igreja e o Plano DivinoLição 1 - A Igreja e o Plano Divino
Lição 1 - A Igreja e o Plano Divino
Éder Tomé
 
A realidade do inferno.
A realidade do inferno.A realidade do inferno.
A realidade do inferno.
Antonio Filho
 
Curso para obreiros
Curso para obreirosCurso para obreiros
Curso para obreiros
CELSO SOARES
 

Mais procurados (20)

Lição 9 - A Igreja e sua Organização
Lição 9 - A Igreja e sua OrganizaçãoLição 9 - A Igreja e sua Organização
Lição 9 - A Igreja e sua Organização
 
CETADEB - Lição 4 e 5 - O Preparo do Obreiro
CETADEB - Lição 4 e 5 - O Preparo do ObreiroCETADEB - Lição 4 e 5 - O Preparo do Obreiro
CETADEB - Lição 4 e 5 - O Preparo do Obreiro
 
hamartiologia - Doutrina do pecado.
hamartiologia - Doutrina do pecado.hamartiologia - Doutrina do pecado.
hamartiologia - Doutrina do pecado.
 
Lição 02 - Pecado: uma realidade humana
Lição 02 - Pecado: uma realidade humanaLição 02 - Pecado: uma realidade humana
Lição 02 - Pecado: uma realidade humana
 
A Epistola de Tiago
A Epistola de TiagoA Epistola de Tiago
A Epistola de Tiago
 
Eclesiologia ana
Eclesiologia anaEclesiologia ana
Eclesiologia ana
 
Lição 10 - Santificação: vontade e chamado de Deus para nós
Lição 10 - Santificação: vontade e chamado de Deus para nósLição 10 - Santificação: vontade e chamado de Deus para nós
Lição 10 - Santificação: vontade e chamado de Deus para nós
 
02 doutrinas bíblicas
02 doutrinas bíblicas02 doutrinas bíblicas
02 doutrinas bíblicas
 
10. 2a. epístola de paulo aos corintios
10. 2a. epístola de paulo aos corintios10. 2a. epístola de paulo aos corintios
10. 2a. epístola de paulo aos corintios
 
Atos
AtosAtos
Atos
 
6. sinais da volta de jesus
6. sinais da volta de jesus6. sinais da volta de jesus
6. sinais da volta de jesus
 
Lição 3 - A Santíssima Trindade: Um só Deus em três Pessoas
Lição 3 - A Santíssima Trindade: Um só Deus em três PessoasLição 3 - A Santíssima Trindade: Um só Deus em três Pessoas
Lição 3 - A Santíssima Trindade: Um só Deus em três Pessoas
 
Apostila obreiros
Apostila obreirosApostila obreiros
Apostila obreiros
 
APOSTILA DO OBREIRO NO SERVIR A DEUS
APOSTILA DO OBREIRO NO SERVIR A DEUSAPOSTILA DO OBREIRO NO SERVIR A DEUS
APOSTILA DO OBREIRO NO SERVIR A DEUS
 
Conhecendo a salvação
Conhecendo a salvaçãoConhecendo a salvação
Conhecendo a salvação
 
Apostila evangelismo
Apostila evangelismoApostila evangelismo
Apostila evangelismo
 
Aula 6 eclesiologia
Aula 6   eclesiologiaAula 6   eclesiologia
Aula 6 eclesiologia
 
Lição 1 - A Igreja e o Plano Divino
Lição 1 - A Igreja e o Plano DivinoLição 1 - A Igreja e o Plano Divino
Lição 1 - A Igreja e o Plano Divino
 
A realidade do inferno.
A realidade do inferno.A realidade do inferno.
A realidade do inferno.
 
Curso para obreiros
Curso para obreirosCurso para obreiros
Curso para obreiros
 

Destaque

A Doutrina da Salvação
A Doutrina da SalvaçãoA Doutrina da Salvação
Assembleia De Deus
Assembleia De DeusAssembleia De Deus
Assembleia De Deus
Rodrigo Muniz
 
Inferno ApresentaçãO1
Inferno   ApresentaçãO1Inferno   ApresentaçãO1
Inferno ApresentaçãO1
Sergio Menezes
 
Santidade
SantidadeSantidade
Santidade
Márcio Melânia
 
Santificação
SantificaçãoSantificação
Santificação
Luan Almeida
 
Lição 18 Apostasia da Fé
Lição 18   Apostasia da FéLição 18   Apostasia da Fé
Lição 18 Apostasia da Fé
Wander Sousa
 
Aula 1 e 2 A mensagem de Hebreus
Aula 1 e 2   A mensagem de HebreusAula 1 e 2   A mensagem de Hebreus
Aula 1 e 2 A mensagem de Hebreus
Ricardo Gondim
 
Aula - SUS Princípios Doutrinários e Organizacionais
Aula - SUS Princípios Doutrinários e OrganizacionaisAula - SUS Princípios Doutrinários e Organizacionais
Aula - SUS Princípios Doutrinários e Organizacionais
Rogério de Mesquita Spínola
 
estudo biblico
estudo biblicoestudo biblico
estudo biblico
valmarques
 
Fora da caridade não há salvação
Fora da caridade não há salvaçãoFora da caridade não há salvação
Fora da caridade não há salvação
Graça Maciel
 
Os quatro gigantes da alma
Os quatro gigantes da alma Os quatro gigantes da alma
Os quatro gigantes da alma
Daniel de Carvalho Luz
 
Lição 04 - Conhecendo o arrependimento bíblico e frutífero
Lição 04 - Conhecendo o arrependimento bíblico e frutíferoLição 04 - Conhecendo o arrependimento bíblico e frutífero
Lição 04 - Conhecendo o arrependimento bíblico e frutífero
Éder Tomé
 
Lição 5 - É necessário nascer de novo
Lição 5 - É necessário nascer de novoLição 5 - É necessário nascer de novo
Lição 5 - É necessário nascer de novo
Éder Tomé
 
Slide Lição 03 - A maravilhosa e inefável graça de Deus
Slide Lição 03 - A maravilhosa e inefável graça de DeusSlide Lição 03 - A maravilhosa e inefável graça de Deus
Slide Lição 03 - A maravilhosa e inefável graça de Deus
Éder Tomé
 
Lição 6 - A grande e perfeita salvação de Cristo Jesus
Lição 6 - A grande e perfeita salvação de Cristo JesusLição 6 - A grande e perfeita salvação de Cristo Jesus
Lição 6 - A grande e perfeita salvação de Cristo Jesus
Éder Tomé
 
Lição 01 - O Deus Todo-Poderoso se revelou
Lição 01 - O Deus Todo-Poderoso se revelouLição 01 - O Deus Todo-Poderoso se revelou
Lição 01 - O Deus Todo-Poderoso se revelou
Éder Tomé
 
Lição 8 - A ordenança da Ceia do Senhor
Lição 8 - A ordenança da Ceia do SenhorLição 8 - A ordenança da Ceia do Senhor
Lição 8 - A ordenança da Ceia do Senhor
Éder Tomé
 
Lição 07 - A ordenança do batismo em águas
Lição 07 - A ordenança do batismo em águasLição 07 - A ordenança do batismo em águas
Lição 07 - A ordenança do batismo em águas
Éder Tomé
 

Destaque (18)

A Doutrina da Salvação
A Doutrina da SalvaçãoA Doutrina da Salvação
A Doutrina da Salvação
 
Assembleia De Deus
Assembleia De DeusAssembleia De Deus
Assembleia De Deus
 
Inferno ApresentaçãO1
Inferno   ApresentaçãO1Inferno   ApresentaçãO1
Inferno ApresentaçãO1
 
Santidade
SantidadeSantidade
Santidade
 
Santificação
SantificaçãoSantificação
Santificação
 
Lição 18 Apostasia da Fé
Lição 18   Apostasia da FéLição 18   Apostasia da Fé
Lição 18 Apostasia da Fé
 
Aula 1 e 2 A mensagem de Hebreus
Aula 1 e 2   A mensagem de HebreusAula 1 e 2   A mensagem de Hebreus
Aula 1 e 2 A mensagem de Hebreus
 
Aula - SUS Princípios Doutrinários e Organizacionais
Aula - SUS Princípios Doutrinários e OrganizacionaisAula - SUS Princípios Doutrinários e Organizacionais
Aula - SUS Princípios Doutrinários e Organizacionais
 
estudo biblico
estudo biblicoestudo biblico
estudo biblico
 
Fora da caridade não há salvação
Fora da caridade não há salvaçãoFora da caridade não há salvação
Fora da caridade não há salvação
 
Os quatro gigantes da alma
Os quatro gigantes da alma Os quatro gigantes da alma
Os quatro gigantes da alma
 
Lição 04 - Conhecendo o arrependimento bíblico e frutífero
Lição 04 - Conhecendo o arrependimento bíblico e frutíferoLição 04 - Conhecendo o arrependimento bíblico e frutífero
Lição 04 - Conhecendo o arrependimento bíblico e frutífero
 
Lição 5 - É necessário nascer de novo
Lição 5 - É necessário nascer de novoLição 5 - É necessário nascer de novo
Lição 5 - É necessário nascer de novo
 
Slide Lição 03 - A maravilhosa e inefável graça de Deus
Slide Lição 03 - A maravilhosa e inefável graça de DeusSlide Lição 03 - A maravilhosa e inefável graça de Deus
Slide Lição 03 - A maravilhosa e inefável graça de Deus
 
Lição 6 - A grande e perfeita salvação de Cristo Jesus
Lição 6 - A grande e perfeita salvação de Cristo JesusLição 6 - A grande e perfeita salvação de Cristo Jesus
Lição 6 - A grande e perfeita salvação de Cristo Jesus
 
Lição 01 - O Deus Todo-Poderoso se revelou
Lição 01 - O Deus Todo-Poderoso se revelouLição 01 - O Deus Todo-Poderoso se revelou
Lição 01 - O Deus Todo-Poderoso se revelou
 
Lição 8 - A ordenança da Ceia do Senhor
Lição 8 - A ordenança da Ceia do SenhorLição 8 - A ordenança da Ceia do Senhor
Lição 8 - A ordenança da Ceia do Senhor
 
Lição 07 - A ordenança do batismo em águas
Lição 07 - A ordenança do batismo em águasLição 07 - A ordenança do batismo em águas
Lição 07 - A ordenança do batismo em águas
 

Semelhante a Doutrina da igreja

teologia eclesiologia e missiologia
teologia   eclesiologia e missiologiateologia   eclesiologia e missiologia
teologia eclesiologia e missiologia
alexandrepsantos
 
IBADEP - ECLESIOLOGIA E MISSIOLOGIA
IBADEP - ECLESIOLOGIA E MISSIOLOGIAIBADEP - ECLESIOLOGIA E MISSIOLOGIA
IBADEP - ECLESIOLOGIA E MISSIOLOGIA
Coop. Fabio Silva
 
2º módulo 4ª aula
2º módulo   4ª aula2º módulo   4ª aula
2º módulo 4ª aula
Joel Silva
 
2º módulo 4ª aula
2º módulo   4ª aula2º módulo   4ª aula
2º módulo 4ª aula
Joel Silva
 
2º módulo 4ª aula
2º módulo   4ª aula2º módulo   4ª aula
2º módulo 4ª aula
Monergista Post
 
LBA 2017 3 TRI LIÇÃO 8 - A igreja de cristo
LBA 2017 3 TRI LIÇÃO 8 - A igreja de cristoLBA 2017 3 TRI LIÇÃO 8 - A igreja de cristo
LBA 2017 3 TRI LIÇÃO 8 - A igreja de cristo
Natalino das Neves Neves
 
O ministério de profeta 7 lição 2º 2014
O ministério de profeta 7 lição 2º 2014O ministério de profeta 7 lição 2º 2014
O ministério de profeta 7 lição 2º 2014
Pr. Andre Luiz
 
Lição 7 - O Ministério da Igreja - 18fev2024.pptx
Lição 7 - O Ministério da Igreja - 18fev2024.pptxLição 7 - O Ministério da Igreja - 18fev2024.pptx
Lição 7 - O Ministério da Igreja - 18fev2024.pptx
Celso Napoleon
 
Lição 13 - O Poder de Deus na Missão da Igreja.pptx
Lição 13 - O Poder de Deus na Missão da Igreja.pptxLição 13 - O Poder de Deus na Missão da Igreja.pptx
Lição 13 - O Poder de Deus na Missão da Igreja.pptx
Celso Napoleon
 
A origem da Igreja-01.pptx
A origem da Igreja-01.pptxA origem da Igreja-01.pptx
A origem da Igreja-01.pptx
AMGAMES
 
Lição 8 - A Igreja de Cristo
Lição 8 - A Igreja de CristoLição 8 - A Igreja de Cristo
Lição 8 - A Igreja de Cristo
I.A.D.F.J - SAMAMABAIA SUL
 
Dei verbum
Dei verbumDei verbum
Dei verbum
Ian Farias
 
Dons do espírito santo 2
Dons do espírito santo 2Dons do espírito santo 2
Dons do espírito santo 2
UEPB
 
Lição 11 - O Culto da Igreja Cristã.pptx
Lição 11 - O Culto da Igreja Cristã.pptxLição 11 - O Culto da Igreja Cristã.pptx
Lição 11 - O Culto da Igreja Cristã.pptx
Celso Napoleon
 
E.b.d adultos 3ºtrimestre 2017 lição 08
E.b.d   adultos 3ºtrimestre 2017 lição 08E.b.d   adultos 3ºtrimestre 2017 lição 08
E.b.d adultos 3ºtrimestre 2017 lição 08
Joel Silva
 
Governo na igreja local
Governo na igreja localGoverno na igreja local
Governo na igreja local
DeuzenirACarneiro
 
Lição 08 - A Igreja de Cristo
Lição 08 - A Igreja de CristoLição 08 - A Igreja de Cristo
Lição 08 - A Igreja de Cristo
Éder Tomé
 
Lição 08- A IGREJA DE CRISTO
Lição 08-  A IGREJA DE CRISTOLição 08-  A IGREJA DE CRISTO
Lição 08- A IGREJA DE CRISTO
Marcio de Medeiros
 
[EBD Maranata] Revista Profecias | Lição 11 - O dom ministerial de profeta e...
 [EBD Maranata] Revista Profecias | Lição 11 - O dom ministerial de profeta e... [EBD Maranata] Revista Profecias | Lição 11 - O dom ministerial de profeta e...
[EBD Maranata] Revista Profecias | Lição 11 - O dom ministerial de profeta e...
José Carlos Polozi
 
Tese 10 eclesiologia
Tese 10 eclesiologiaTese 10 eclesiologia
Tese 10 eclesiologia
Zé Vitor Rabelo
 

Semelhante a Doutrina da igreja (20)

teologia eclesiologia e missiologia
teologia   eclesiologia e missiologiateologia   eclesiologia e missiologia
teologia eclesiologia e missiologia
 
IBADEP - ECLESIOLOGIA E MISSIOLOGIA
IBADEP - ECLESIOLOGIA E MISSIOLOGIAIBADEP - ECLESIOLOGIA E MISSIOLOGIA
IBADEP - ECLESIOLOGIA E MISSIOLOGIA
 
2º módulo 4ª aula
2º módulo   4ª aula2º módulo   4ª aula
2º módulo 4ª aula
 
2º módulo 4ª aula
2º módulo   4ª aula2º módulo   4ª aula
2º módulo 4ª aula
 
2º módulo 4ª aula
2º módulo   4ª aula2º módulo   4ª aula
2º módulo 4ª aula
 
LBA 2017 3 TRI LIÇÃO 8 - A igreja de cristo
LBA 2017 3 TRI LIÇÃO 8 - A igreja de cristoLBA 2017 3 TRI LIÇÃO 8 - A igreja de cristo
LBA 2017 3 TRI LIÇÃO 8 - A igreja de cristo
 
O ministério de profeta 7 lição 2º 2014
O ministério de profeta 7 lição 2º 2014O ministério de profeta 7 lição 2º 2014
O ministério de profeta 7 lição 2º 2014
 
Lição 7 - O Ministério da Igreja - 18fev2024.pptx
Lição 7 - O Ministério da Igreja - 18fev2024.pptxLição 7 - O Ministério da Igreja - 18fev2024.pptx
Lição 7 - O Ministério da Igreja - 18fev2024.pptx
 
Lição 13 - O Poder de Deus na Missão da Igreja.pptx
Lição 13 - O Poder de Deus na Missão da Igreja.pptxLição 13 - O Poder de Deus na Missão da Igreja.pptx
Lição 13 - O Poder de Deus na Missão da Igreja.pptx
 
A origem da Igreja-01.pptx
A origem da Igreja-01.pptxA origem da Igreja-01.pptx
A origem da Igreja-01.pptx
 
Lição 8 - A Igreja de Cristo
Lição 8 - A Igreja de CristoLição 8 - A Igreja de Cristo
Lição 8 - A Igreja de Cristo
 
Dei verbum
Dei verbumDei verbum
Dei verbum
 
Dons do espírito santo 2
Dons do espírito santo 2Dons do espírito santo 2
Dons do espírito santo 2
 
Lição 11 - O Culto da Igreja Cristã.pptx
Lição 11 - O Culto da Igreja Cristã.pptxLição 11 - O Culto da Igreja Cristã.pptx
Lição 11 - O Culto da Igreja Cristã.pptx
 
E.b.d adultos 3ºtrimestre 2017 lição 08
E.b.d   adultos 3ºtrimestre 2017 lição 08E.b.d   adultos 3ºtrimestre 2017 lição 08
E.b.d adultos 3ºtrimestre 2017 lição 08
 
Governo na igreja local
Governo na igreja localGoverno na igreja local
Governo na igreja local
 
Lição 08 - A Igreja de Cristo
Lição 08 - A Igreja de CristoLição 08 - A Igreja de Cristo
Lição 08 - A Igreja de Cristo
 
Lição 08- A IGREJA DE CRISTO
Lição 08-  A IGREJA DE CRISTOLição 08-  A IGREJA DE CRISTO
Lição 08- A IGREJA DE CRISTO
 
[EBD Maranata] Revista Profecias | Lição 11 - O dom ministerial de profeta e...
 [EBD Maranata] Revista Profecias | Lição 11 - O dom ministerial de profeta e... [EBD Maranata] Revista Profecias | Lição 11 - O dom ministerial de profeta e...
[EBD Maranata] Revista Profecias | Lição 11 - O dom ministerial de profeta e...
 
Tese 10 eclesiologia
Tese 10 eclesiologiaTese 10 eclesiologia
Tese 10 eclesiologia
 

Mais de ugleybson

PENTECOSTALISMO E PÓS-MODERNIDADE.ppt
PENTECOSTALISMO E PÓS-MODERNIDADE.pptPENTECOSTALISMO E PÓS-MODERNIDADE.ppt
PENTECOSTALISMO E PÓS-MODERNIDADE.ppt
ugleybson
 
1 ebd 2017 lição 7 - begnidade um escudo protetor contra as porfias
1 ebd 2017   lição 7 - begnidade um escudo protetor contra as porfias1 ebd 2017   lição 7 - begnidade um escudo protetor contra as porfias
1 ebd 2017 lição 7 - begnidade um escudo protetor contra as porfias
ugleybson
 
As 5 linguagens do amor
As 5 linguagens do amorAs 5 linguagens do amor
As 5 linguagens do amor
ugleybson
 
Calendario elim evangelismo
Calendario elim   evangelismoCalendario elim   evangelismo
Calendario elim evangelismo
ugleybson
 
Atributos de deus
Atributos de deusAtributos de deus
Atributos de deus
ugleybson
 
História da teologia
História da teologiaHistória da teologia
História da teologia
ugleybson
 
Ebd central aula portas de jerusalem
Ebd central   aula portas de jerusalemEbd central   aula portas de jerusalem
Ebd central aula portas de jerusalem
ugleybson
 

Mais de ugleybson (7)

PENTECOSTALISMO E PÓS-MODERNIDADE.ppt
PENTECOSTALISMO E PÓS-MODERNIDADE.pptPENTECOSTALISMO E PÓS-MODERNIDADE.ppt
PENTECOSTALISMO E PÓS-MODERNIDADE.ppt
 
1 ebd 2017 lição 7 - begnidade um escudo protetor contra as porfias
1 ebd 2017   lição 7 - begnidade um escudo protetor contra as porfias1 ebd 2017   lição 7 - begnidade um escudo protetor contra as porfias
1 ebd 2017 lição 7 - begnidade um escudo protetor contra as porfias
 
As 5 linguagens do amor
As 5 linguagens do amorAs 5 linguagens do amor
As 5 linguagens do amor
 
Calendario elim evangelismo
Calendario elim   evangelismoCalendario elim   evangelismo
Calendario elim evangelismo
 
Atributos de deus
Atributos de deusAtributos de deus
Atributos de deus
 
História da teologia
História da teologiaHistória da teologia
História da teologia
 
Ebd central aula portas de jerusalem
Ebd central   aula portas de jerusalemEbd central   aula portas de jerusalem
Ebd central aula portas de jerusalem
 

Doutrina da igreja

  • 1. DOUTRINA DA IGREJA  Escrevo-te estas coisas, esperando ir ver-te bem depressa, 15mas, se tardar, para que saibas como convém andar na casa de Deus, que é a igreja do Deus vivo, a coluna e firmeza da verdade (1 Tm 3.14,15)
  • 2. DOUTRINA DA IGREJA A IGREJA Figuras usadas para Igreja no sentido universal. LEMBRETE IMPORTANTE: Cristo é o Cabeça (Dirigente, Comandante, Chefe Absoluto) da Igreja. Foi o Senhor quem deu sua vida por ela. É ele que está purificando-a e santificando-a, como Igreja Gloriosa, sem ruga nem mácula. Ef. 1.22; 5.23,25.
  • 3. DOUTRINA DA IGREJA Igreja no sentido universal, “consiste de todos aqueles que, nesta dispensação, nasceram do Espírito de Deus, e foram, por esse mesmo Espírito, batizados no corpo de Cristo (1 Pe 1.3,22-25; 1 Co 12.13).
  • 4. DOUTRINA DA IGREJA A Igreja é “à universal assembleia e igreja dos primogênitos, que estão inscritos nos céus” (Hb 12.23).
  • 5. DOUTRINA DA IGREJA 1. A Igreja é conhecida por edifício de Deus. A Igreja é um Templo sólido. O Senhor Jesus Cristo é a pedra fundamental desse poderoso edifício. Ele está habitando nele pelo Espírito Santo (Mt 16.18; 1 Co 3.11; 1 Pe 1.20,22). Nesse edifício o crente recebe o grande privilégio de exercer trabalho sacerdotal. 1 Pe 2.9; Ap 1.6. Leia: Cl 2.6.
  • 6. DOUTRINA DA IGREJA 2. A Igreja é conhecida como o Corpo de Cristo. A figura da Igreja do Senhor como Corpo de Cristo é para mostrar que ela é um organismo vivo. Ela tem vínculo de vida com Cristo. Ela está unida a Ele (1 Co 12.12-27; Ef 1.22,23; 3.6; 4.4,12 16; 5.23,30; Cl 1.18,24; 2.19; 3.15).
  • 7. DOUTRINA DA IGREJA  a Igreja de Corpo de Cristo é “para mostrar que a Igreja é um organismo, tem ligação vital com Cristo, está sob a superintendência de Cristo, é uma unidade, embora composta de judeus e gentios, apresenta diversidade de dons entre seus membros, e idealmente coopera no desempenho de uma tarefa comum”.
  • 8. DOUTRINA DA IGREJA 3. A Igreja é conhecida como a Noiva de Cristo.  A Igreja está de contrato firmado com Cristo.  Ela também deve estar preparada para a cerimônia do casamento, sabendo que vai reinar com Ele para sempre. 2 Co 11.2,3; Ef 5.24,25; Ap 19.7,8,16.
  • 9. DOUTRINA DA IGREJA 4. Templo do Espírito Santo.  Em 1 Co 3.16, a Igreja é chamada com ênfase de “santuário de Deus”.  O Espírito Santo diz que os crentes crescem “para santuário dedicado ao Senhor”, e que estão “sendo edificados para habitação de Deus no Espírito (Ef 2.21,22).
  • 10. DOUTRINA DA IGREJA A Igreja é uma “casa espiritual” (1 Pe 2.5).  A Igreja como Templo do Espírito Santo e Casa Espiritual é para dizer que ela é santa e que está legalmente protegida de tudo que a possa contaminar. 
  • 11. DOUTRINA DA IGREJA  A Igreja templo do Espírito Santo – “Esta figura acentua o fato de que a igreja é santa e inviolável. A permanência do Espírito Santo nela dá-lhe um caráter exaltado”.
  • 12. DOUTRINA DA IGREJA 5. Coluna e Baluarte da Verdade. Sabemos que uma coluna é o pilar de sustentação de um edifício. Pode vir exposta ou não, mas tem uma importância sem precedente. A Igreja como coluna sustenta poderosamente as verdades reveladas de Deus em sua Palavra.
  • 13. DOUTRINA DA IGREJA  Como baluarte, a Igreja é uma fortaleza Invencível, indestrutível, inabalável. Como diz o teólogo Louis Berkhof (ibid., p.562): “A figura expressa o fato de que a Igreja é guardiã da verdade, cidadela da verdade e defensora da verdade contra todo os inimigos do reino de Deus”. Baluarte- lugar seguro.
  • 14. DOUTRINA DA IGREJA O texto sagrado diz: “mas, se tardar, para que saibas como convém andar na casa de Deus, que é a igreja do Deus vivo, a coluna e firmeza da verdade (1Tm 3.15).
  • 15. DOUTRINA DA IGREJA Figuras usadas para a Igreja no sentido local A Igreja é composta de pessoas de todas as épocas que já aceitaram a Cristo como seu Senhor e Salvador, em todas as partes do globo.
  • 16. DOUTRINA DA IGREJA 2.1. A Igreja em Jerusalém. At 8.1; 11.22; 2.2. A Igreja em Antioquia. At 13.1; 2.3. A Igreja em Éfeso. At 20.17; 2.4. A Igreja em Cencréia. Rm 16.1; 2.5. A Igreja em Corinto, etc. 1 Co 1.2.
  • 17. DOUTRINA DA IGREJA 1.   A ORGANIZAÇÃO DA IGREJA - Ef 4.9-13. Apóstolos. Este nome só é aplicado aos doze apóstolos escolhidos pelo Senhor Jesus Cristo e a Paulo. Aplica a certos homens apostólicos que assessoraram a Paulo em seu trabalho e que foram dotados de dons e graças apostólicos.
  • 18. DOUTRINA DA IGREJA A função dos apóstolos era “de lançar os alicerces da igreja de todos os séculos”.  At 14.4, 14; 1 Co 9.5,6; 2 Co 8.23; Gl 1.19. 
  • 19. DOUTRINA DA IGREJA Qualificações especiais dos apóstolos: 1. Comissionados diretamente por Deus ou por Jesus Cristo, Mc 3.14,15; Lc 6.13; Gl 1.1. 2. 2. Testemunhas da vida de Cristo e, principalmente, de Sua da sua ressurreição, Jo 15.27; At 1.21,22; 1 Co 9.1.
  • 20. DOUTRINA DA IGREJA 1.3. Tinham consciência de que eram inspirados pelo Espírito de Deus em todo o seu ensino, oral e escritos. At 15.28; 1 Co 2.13; 1 Ts 4.8; 1 Jo 5.9-12. 1.4. Tinham o poder de realizar milagres e o usaram em diversas ocasiões para ratificar a sua mensagem, 2 Co 12.12; Hb 2.4.
  • 21. DOUTRINA DA IGREJA 2. Profetas. Era o dom de Deus para falar a Igreja para sua edificação. Leituras importantes: At 11.28; 13.1,2; 15.32; 1 Co 12.10; 13.2; 14.3; Ef 2.20; 3.5; 4.11; 1 Tm 1.18; 4.14; Ap 11.6.
  • 22. DOUTRINA DA IGREJA Profeta – Ocasionalmente eles serviam de instrumentos para a revelação de mistérios e para a predição de eventos futuros.
  • 23. DOUTRINA DA IGREJA 3. Pastores O Dicionário Teológico (CPAD, 1996:201) conceitua a palavra pastor da seguinte maneira: “Em termos eclesiásticos, é o supervisor do rebanho. Sua principal função é administrar a Igreja de Cristo”.
  • 24. DOUTRINA DA IGREJA O termo „pastor‟ é usado hoje mais amplamente para quem tem a responsabilidade e supervisão espirituais da igreja local. É interessante que o termo grego poimên („pastor‟) é usado uma única vez no Novo Testamento com referência direta ao ministério do pastor (Ef 4.11).
  • 25. DOUTRINA DA IGREJA Atuação de um pastor: 1) “Administração (cf. 1 Pe 5.1-4)”, 2) “Cuidados pastorais (cf. 1 Tm 3.5; Hb 13.17)”, e 3) “instrução (cf. 1 Tm 3.2; 5.17; Tt 1.9)”.
  • 26. DOUTRINA DA IGREJA 4. Evangelistas Aurélio - “pessoa que evangeliza, que preconiza uma doutrina”. Dicionário Teológico - “Em Efésios 4.11, é apresentado como o segundo dom ministerial em importância. Trata-se de um carisma específico, que capacita o crente a disseminar, de forma extraordinária, as Boas Novas.
  • 27. DOUTRINA DA IGREJA George Eldon Ladd (Teologia do Novo Testamento, 1985:494, JUERP) diz que “os evangelistas são pregadores que se incumbem da tarefa missionária de pregar o evangelho, mas sem a autoridade dos apóstolos. O termo denota uma função, e não um ofício”.
  • 28. DOUTRINA DA IGREJA Louis Berkhof – Mencionado na Bíblia. At 21.8; Ef 4.11; 2 Tm 4.5.  Exemplos: Felipe, Marcos, Timóteo e Tito.  Eles acompanhavam e assistiam os apóstolos, e às vezes eram enviados por estes em missões especiais.
  • 29. DOUTRINA DA IGREJA  Acompanhavam e assistiam os apóstolos, e às vezes eram enviados por estes em missões especiais. Seu trabalho era pregar e batizar, mas incluía também a ordenação de presbíteros, Tt 1.5; 1 Tm 5.22, e o exercício da disciplina, Tt 3.10.
  • 30. DOUTRINA DA IGREJA 5. Presbíteros O Dicionário Teológico [presbítero (do grego presbytero, mais velho)]: “No Antigo Testamento, era o ancião responsável pelos conselhos e pela observância da justiça. Era uma espécie de juiz da Suprema Corte de Israel...
  • 31. DOUTRINA DA IGREJA ... No Novo Testamento, é às vezes tido como o pastor; outras, como o responsável pela administração da palavra; e, ainda, pela gerência dos bens materiais da congregação”.
  • 32. DOUTRINA DA IGREJA O termo presbítero “significa simplesmente „anciãos‟, ou „mais velhos‟”.  “O termo presbyteroi é empregado na Escritura para denotar homens idosos, e para designar uma classe de oficiais um tanto parecida com a que exercia certas funções na sinagoga” (1 Tm 3.1; 4.14; 5.17,19; Tt 1.5,7; 1 Pe 5.1,2. 
  • 33. DOUTRINA DA IGREJA 6. Mestres.  O Dicionário Teológico (ibid., p.201) conceitua o termo “pastores e mestres”. Não existe o termo mestre, unicamente.  “Este dom significa que o pastor, tendo em vista sua responsabilidade como administrador do rebanho, tem de se destacar também como expositor da Palavra de Deus”. Ef 4.11.
  • 34. DOUTRINA DA IGREJA  Pastor e Mestre - “Este dom significa que o pastor, tendo em vista sua responsabilidade como administrador do rebanho, tem de se destacar também como expositor da Palavra de Deus”. Ef 4.11.
  • 35. DOUTRINA DA IGREJA  George Eldon Ladd (ibid., p.494) explica que “os mestres são também unidos aos profetas em Atos 13.1. A linguagem de Efésios 4.11 sugere que ser pastor e mestre é exercer um único ofício, que contém uma função dupla: a de pastorear e a de ensinar”.
  • 36. DOUTRINA DA IGREJA  H. Horton Wiley (Introdução à Teologia Cristã, Casa Nazarena de Publicações no Brasil, 2009, p.388) diz que “o ofício do pastorado tem dupla função – administrativa e instrutiva. Daí os escolhidos para esta posição terem sido conhecidos como „pastores e mestres‟”.
  • 37. DOUTRINA DA IGREJA 7. Diáconos Dicionário Teológico - Oficial da igreja, instituído pelos apóstolos para: a) Socorrer aos necessitados; b) Servir as mesas; e: c) Manter a boa ordem na casa de Deus (At 6.1-6).
  • 38. DOUTRINA DA IGREJA  Função dos diáconos: atuam também como administradores da igreja, proporcionando ao pastor o tempo necessário à oração, preparação de sermões, visitação etc.
  • 39. DOUTRINA DA IGREJA  Noutras denominações, todavia, o diácono já não passa de porteiro e recepcionista. Até mesmo as funções básicas do ofício são exercidas pelas componentes do serviço de assistência social. Na prática, o diaconato, em não poucas igrejas, é exercido por mulheres”.
  • 40. DOUTRINA DA IGREJA As mulheres podem ser diaconisas? “Quantos aos versículos de Romanos 16 e 1 Tm 3, os estudiosos ficam divididos entre si a respeito da tradução correta. Seja como for, a história da Igreja fornece evidências no sentido de mulheres servirem na função de diaconisas já a partir do século II...
  • 41. DOUTRINA DA IGREJA ... Conforme observa certo estudioso: „O evangelho de Cristo deu às mulheres dos tempos antigos uma nova dignidade, e não somente lhes concedeu igualdade pessoal diante de Deus como também lhes ofereceu uma participação no ministério‟”.
  • 42. DOUTRINA DA IGREJA AS ORDENANÇAS DA IGREJA - BATISMO E SANTA CEIA O Batismo nas águas e a Ceia do Senhor são sacramentos ou ordenanças? Sacramento - “O termo „sacramento (que provém de sacramentum, em latim) é mais antigo e aparentemente de uso mais generalizado que o termo „ordenança‟...
  • 43. DOUTRINA DA IGREJA  No mundo antigo, um sacramentum referiase originalmente a uma soma em dinheiro depositada num lugar sagrado por duas partes envolvidas num litígio civil...
  • 44. DOUTRINA DA IGREJA Pronunciada a sentença do tribunal, devolviase o dinheiro da parte vencedora, enquanto a perdedora tinha de entregar o seu para „sacramento‟ obrigatório, considerado sagrado porque passava a ser oferecido aos deuses pagãos.
  • 45. DOUTRINA DA IGREJA  No decurso do tempo, o termo „sacramento‟ passou a ser aplicado também ao juramento de lealdade prestado pelos novos recrutas do exército romano. Já no século II, os cristãos tinham adotado o termo, e começaram a associá-lo ao seu voto de obediência e consagração ao Senhor”.
  • 46. DOUTRINA DA IGREJA O teólogo Louis Berkhof tem a seguinte definição para sacramento: “Sacramento é uma santa ordenança instituída por Cristo, na qual, mediante sinais perceptíveis, a graça de Deus em Cristo e os benefícios da aliança da garça são representados, selados e aplicados aos crentes, e estes, por sua vez, expressam sua fé e sua fidelidade a Deus”.
  • 47. DOUTRINA DA IGREJA H. Horton Wiley diz que o termo „sacramento como usado na teologia, significa um sinal externo e visível de uma graça interna e espiritual que nos é ordenado pelo próprio Cristo como meio para se receber essa graça e como um penhor que nos torna seguros dela. No conceito dos cristãos primitivos os sacramentos eram ritos religiosos que implicavam na mais sagrada obrigação de lealdade à Igreja e a Cristo”.
  • 48. DOUTRINA DA IGREJA ... no conceito dos cristãos primitivos os sacramentos eram ritos religiosos que implicavam na mais sagrada obrigação de lealdade à Igreja e a Cristo”.
  • 49. DOUTRINA DA IGREJA O que é ordenanças. Michael During diz que “o termo „ordenança‟ também se deriva do latim (ordo – „uma fileira‟, „uma ordem‟). Relacionada ao batismo nas águas e à Santa Ceia, a palavra „ordenança‟ sugere que essas cerimônias sagradas foram instituídas por mandamento, ou „ordem‟ de Cristo”.
  • 50. DOUTRINA DA IGREJA Henry C. “Para evitar encorajar o sacramentarismo, preferimos a palavra ordenanças. Podemos definir ordenança como um rito externo ordenado por Cristo para ser administrado na Igreja, como sinal viável da verdade salvadora da fé cristã. É um sacramento apenas no sentido de ser um voto de fidelidade a Cristo”.
  • 51. DOUTRINA DA IGREJA “Ordenança é um rito simbólico que põe em destaque as verdades centrais da fé cristã, e que é obrigação universal e pessoal. O Batismo e a Ceia do Senhor são ritos que se tornaram ordenanças por ordem específica de Cristo”.
  • 52. DOUTRINA DA IGREJA O Estatuto da Igreja Assembleia de Deus no Rio Grande do Norte (IEADERN, p.6), Capítulo II, DOS MEMBROS E CONGREGADOS, Seção II, Da Admissão, Art. 5º, diz o seguinte: O modo de batismo admitido pela Igreja é por imersão...
  • 53. DOUTRINA DA IGREJA ... o Credo (Cremos) da IEADERN (Estatuto, p.47, item 7) afirma: “CREMOS „no batismo bíblico efetuado por imersão do corpo inteiro uma só vez em águas, em nome do Pai, do Filho e do Espírito Santo, conforme determinou o Senhor Jesus Cristo (Mt 28.19; Rm 6.1-6; e Cl 2.12)‟”.
  • 54. DOUTRINA DA IGREJA Batismo nas Águas O batismo nas águas “é uma ordenação de obrigação perpétua na igreja é provado pelos seguintes fatos: (1) Cristo pediu para ser batizado (Mt 3.13-15) e aprovou a prática dessa ordenança por parte dos discípulos (Jo 4.1,2); 1.
  • 55. DOUTRINA DA IGREJA 2) Ele ordenou Seus discípulos na Grande Comissão a ensinar e batizar todos os discípulos (Mt 28.19,20; cf. Mc 16.16); (3) os apóstolos e os primeiros discípulos ensinavam e praticavam o batismo (At 2.38, 41; 8.12, 13, 36, 38; 9.18; 10.47, 48; 16.15. 33; 18.8; 19.5)”.
  • 56. DOUTRINA DA IGREJA  “Em Romanos (6.3,4), Gálatas (3.27) e Colossenses (2.12), ele ensina a batizar com água. Certamente, sua própria submissão ao batismo indica que aprovava esse rito (At 9.18; 22.16). Da mesma forma, o apóstolo Pedro dá a entender que o batismo era uma prática regular da igreja (1 Pe 3.21)”.
  • 57. DOUTRINA DA IGREJA O batismo nas águas é identificação com Cristo.  “O propósito importante do batismo nas águas, para os crentes, é que ele simboliza a identificação com Cristo. Os crentes neotestamentários eram batizados „para dentro‟ (gr. eis) do nome do Senhor Jesus (At 8.16), o que indica que estavam sob o senhorio e autoridade soberanos de Cristo. 
  • 58. DOUTRINA DA IGREJA “A ordenança do batismo é símbolo da identificação do crente com Cristo no sepultamento e ressurreição (Rm 6.3,4; Cl 2.12; I Pe 3.2)”.
  • 59. DOUTRINA DA IGREJA  George Eldon Ladd (1985:507) diz que “o batismo é rito de admissão na Igreja, mas representa a identificação do crente com Cristo. Os homens são batizados „em Cristo Jesus‟ (Romanos 6.3). Batismo „em Cristo‟ significa revestir-se de Cristo (Gál. 3.27). O batismo significa união com Cristo em sua morte e ressurreição (Rom. 6-14; Col. 2.12)”.
  • 60. DOUTRINA DA IGREJA Michael Dusing (ibid., p.570) diz que “o batismo nas águas também significa que os crentes se identificaram com o corpo de Cristo, a Igreja. Os crentes batizados são admitidos na comunidade da fé e, com sua atitude, testificam publicamente diante do mundo sua lealdade a Cristo, juntamente com o povo de Deus”.
  • 61. DOUTRINA DA IGREJA 2. A Ceia do Senhor “Assim como o batismo, esta ordenança tem feito parte do culto cristão desde o ministério terreno de Cristo, quando Ele próprio instituiu o rito na refeição da Páscoa, na noite em que foi traído...
  • 62. DOUTRINA DA IGREJA ... a Ceia do Senhor tem alguns paralelos em outras tradições religiosas (tais como a Páscoa judaica; outras religiões também se avaliam de refeições sacramentais para se identificar com suas deidades), mas ela vai muito além quanto ao seu significado e importância”.
  • 63. DOUTRINA DA IGREJA  O comentarista da Bíblia de Genebra (1999:1360) diz que “a Ceia do Senhor é um ato de culto que tem a forma de uma refeição cerimonial, na qual os servos de Cristo participam do pão e do vinho, para comemorar a morte de Cristo e celebrar o novo relacionamento segundo a aliança que eles desfrutam com Deus”.
  • 64. DOUTRINA DA IGREJA A Ceia do Senhor apresentada no passado, presente e futuro: 1. No passado - (a) É um memorial; (b) É um ato de ação de graças (gr. eucharistia) pelas bênçãos e salvação da parte de Deus, provenientes do sacrifício de Jesus Cristo na cruz por nós.
  • 65. DOUTRINA DA IGREJA 2. No presente - a) A Ceia do Senhor é um ato de comunhão (gr. Koinonia) com Cristo e de participação nos benefícios da sua morte sacrificial e, ao mesmo tempo, comunhão com os demais membros do corpo de Cristo (10.16,17).
  • 66. DOUTRINA DA IGREJA (b) É o reconhecimento e a proclamação da Nova Aliança (gr. Kaine diatheke) mediante a qual os crentes reafirmam o senhorio de Cristo e nosso compromisso de fazer a sua vontade, de permanecer leais, de resistir o pecado e de identificar-nos com a missão de Cristo (v. 25; Mt 26.28; Mc 14.24; Lc 22.20)”.
  • 67. DOUTRINA DA IGREJA 3. No futuro - (a) A Ceia do Senhor é um antegozo do reino futuro de Deus e do banquete messiânico futuro, quando então, todos os crentes estarão presentes com o Senhor (Mt 8.11; 22.1-14; Mc 14.25; Lc 13.29; 22.17, 18, 30. (b) Antevê a volta iminente de Cristo para buscar o seu povo (v. 26) e encena a oração: „Venha o teu Reino‟ (Mt 6.10; cf. Ap 22.20)”.
  • 68. DOUTRINA DA IGREJA  João Wesley (fundador da Igreja Metodista), o homem que dizia: “Meu fundamento é a Bíblia. Sim, sou intransigentemente a favor da Bíblia. Sigo-a em todas as coisas, grandes ou pequenas.”
  • 69. DOUTRINA DA IGREJA  “Portanto, se tivermos respeito à ordem de Cristo, se desejarmos o perdão dos nossos pecado, força para cremos, para amarmos e obedecermos a Deus, não devemos perder nenhuma oportunidade de participação da Ceia do Senhor; não devemos virar as costas para a festa que o Senhor nos preparou...
  • 70. DOUTRINA DA IGREJA ... não devemos perder nenhuma ocasião que a providência de Deus nos prepare neste sentido. Esta é a regra verdadeira: devemos praticá-la todas as vezes que Deus nos der oportunidade...
  • 71. DOUTRINA DA IGREJA ... todos aqueles que a não praticam, mas fogem da mesa santa, quando tudo está preparado, não compreendem o seu dever ou não dão importância à ordem do seu Salvador, ao perdão dos seus pecados, ao fortalecimento da sua alma e sua tranquilização pela esperança da glória”.
  • 72. DOUTRINA DA IGREJA Obs. Importantes: Vamos conhecer os conceitos da Igreja Católica, da Igreja Luterana e da Igreja Reformada sobre a Ceia do Senhor. Para efeito didático, vamos enumerar:
  • 73. DOUTRINA DA IGREJA Igreja Católica Romana - O conceito católico romano é chamado de transubstanciação. “O pão se torna carne o vinho se torna sangue, mediante a consagração do sacerdote. E continuam tais permanentemente”. 1)
  • 74. DOUTRINA DA IGREJA “a doutrina da transubstanciação como a sustentam os Católicos Romanos, envolve a interpretação das palavras „isto é o meu corpo‟ e „isto é o meu sangue‟ no sentido mais literal possível. Acreditam que quando nosso Senhor pronunciou estas palavras, transformou pão e o vinho no Seu próprio corpo e no Seu próprio sangue, passando-os assim às mãos dos apóstolos”.
  • 75. DOUTRINA DA IGREJA “No ministrar tradicional do sacramento, o cálice foi afastado dos leigos, sendo tomado apenas pelo clero. A razão principal era o perigo de o sangue ser derramado. Pois caso o sangue de Jesus fosse pisado, isso seria um sacrilégio”.
  • 76. DOUTRINA DA IGREJA 2. Igreja Luterana - O conceito católico luterano é chamado de consubstanciação. Aurélio diz que consubstanciação é a “união de dois ou mais corpos na mesma substância”.
  • 77. DOUTRINA DA IGREJA “A concepção luterana difere da concepção católica romana em muitos pontos, mas não em todos. Lutero manteve a concepção católica de que o corpo e o sangue de Cristo estão fisicamente presentes nos elementos. O que Lutero negou foi à doutrina católica da transubstanciação...
  • 78. DOUTRINA DA IGREJA ... as moléculas não são transformadas em carne e sangue. Mas o corpo e o sangue de Cristo estão presentes „em, com e sob‟ o pão e o vinho. Não que o pão e o vinho tornemse corpo e sangue de Cristo, mas que agora temos o corpo e o sangue, além do pão e do vinho”.
  • 79. DOUTRINA DA IGREJA 3. A concepção Zwingliana - “a posição zuingliana é mais conhecida hoje como teoria memorial. Enfatiza que a Comunhão é um rito que comemora a morte do Senhor e a sua eficácia para o crente.
  • 80. DOUTRINA DA IGREJA Zuínglio rejeitava qualquer noção da presença física de Cristo à mesa (quer transformação nos elementos, quer junto com os elementos. Ensinava, pelo contrário, que Cristo estava espiritualmente presente para os da fé”.
  • 81. DOUTRINA DA IGREJA 4. A concepção Calvinista (ou reformada). Millard Erickson (ibid., p.470) diz que “a concepção reformada sustenta que Cristo está presente na ceia do Senhor, mas não em forma física ou corpórea. Antes, sua presença no sacramento é espiritual ou dinâmica”.
  • 82. DOUTRINA DA IGREJA  “A Ceia do Senhor é um memorial; é também um emblema ou sinal da profissão; e é também uma apresentação simbólica dos grandes fatos da expiação na morte de Cristo. O corpo e o sangue de Cristo não são recebidos corporalmente, mas o que Jesus fez mediante o seu corpo e o seu sangue é recebido por aqueles que participam com fé”.
  • 83. DOUTRINA DA IGREJA “É provável que a maioria dos pentecostais se sinta teologicamente mais à vontade com as posições expressas por zuinglianos ou reformados”.
  • 84. DOUTRINA DA IGREJA O PODER DA IGREJA - Mt 16.13-19 1. Cristo, a fonte de poder da Igreja. O Senhor diz: “É-me dado todo o poder no céu e na terra” (Mt 28.18).
  • 85. DOUTRINA DA IGREJA Ele a governa como Rei, no sentido administrativo. Ele é a Cabeça da Igreja, ou seja, o Chefe Supremo. O Espírito Santo deixou escrito: “E sujeitou todas as coisas a seus pés e, sobre todas as coisas, o constituiu como cabeça da igreja, 23que é o seu corpo, a plenitude daquele que cumpre tudo em todos” (Ef 1.22,23). Ap 2.1,8,12,18; 3.1,7,14.
  • 86. DOUTRINA DA IGREJA Cristo revestiu a Igreja de poder ou autoridade. Mt 16.19 diz: “E eu te darei as chaves do Reino dos céus, e tudo o que ligares na terra será ligado nos céus, e tudo o que desligares na terra será desligado nos céus”. 
  • 87. DOUTRINA DA IGREJA  Louis Berkhof (ibid., p.589) diz que “Cristo deu este poder, antes de tudo e no grau supremo, aos apóstolos, mas também o estende, embora em menor grau, à igreja em geral”.
  • 88. DOUTRINA DA IGREJA Cristo deu poder a Igreja em geral.  A autoridade é extensiva, ou seja, ela vai de Cristo para os apóstolos, e a Igreja de todas as épocas. É recomendável que leiamos At 15.23-29; 16.4; 1 Co 5.1-13; 6.2-4; 12.28; Ef 4.11-16.
  • 89. DOUTRINA DA IGREJA 2. A Natureza do Poder da Igreja. Roger Mucchielli diz que “a delegação de autoridade” “supõe confiança de quem delega e o senso de responsabilidade por parte de quem recebe a delegação”.
  • 90. DOUTRINA DA IGREJA O Poder exercido pela Igreja é espiritual. “É um poder espiritual porque é dado pelo Espírito de Deus, At 20.28, só pode ser exercido em nome de Cristo e pelo poder do Espírito Santo, Jo 20.23; 1 Co 5.4, pertence exclusivamente aos crentes, 1 Co 5.12, e só pode ser exercido de maneira moral e espiritual, 2 Co 10.4”.
  • 91. DOUTRINA DA IGREJA O poder espiritual exercido pela Igreja tem “o propósito de livrar os homens da escravidão espiritual infundindo-lhes o conhecimento da verdade, cultivando neles graças espirituais, e levando-os a uma vida de obediência aos preceitos divinos. Não é um poder exercido pela força. Visto que o poder da igreja é exclusivamente espiritual, não recorre à força”
  • 92. DOUTRINA DA IGREJA Leituras importantes: Zc 4.6; Mt 12.22, 28; Jo 8.32, 36. 2. O Poder Ministerial. O poder exercido pela “igreja não é um poder independente soberano” (ibid., p.599), mas é um poder “derivado de Cristo e subordinado a Sua autoridade soberana sobre a Igreja Mt 28.18...
  • 93. DOUTRINA DA IGREJA ... Deve ser exercido em harmonia com a Palavra de Deus e sob a direção do Espírito Santo, por meio de ambos os quais Cristo governa a Sua igreja, e em nome do próprio Cristo como Rei da igreja, Rm10.14; Ef 5.23; 1 Co 5.4...
  • 94. DOUTRINA DA IGREJA Todavia, é um poder muito real e abrangente, que consiste na administração da Palavra e dos sacramentos, Mt 2.819, na determinação do que é e do que não é permitido no reino de Deus, Mt 16.19, no perdão e na retenção do pecado, Jo 20.23, e no exercício da disciplina na Igreja, Mt 1.18; 18.17; 1 Co 5.4; Tt 3.10; Hb 12.15-17”
  • 95. DOUTRINA DA IGREJA A DISCIPLINA NA IGREJA - 1 CO 5.1-5,13; 1 CO 14.33 1. A disciplina é ensino das Escrituras Sagradas. (Mt 18.15-18).
  • 96. DOUTRINA DA IGREJA Jesus “instituiu a disciplina na igreja quando deu aos apóstolos e, em conexão com a palavra destes, também à igreja em geral o poder de ligar e desligar, de declarar o que proibido e o que é permitido, e de perdoar e reter pecados declarativamente, Mt 16.19; 18.18; Jo 20.23. E é somente porque Cristo deu este poder à igreja que ela pode exercêlo”.
  • 97. DOUTRINA DA IGREJA Leituras indispensáveis: 1 Co 5.2, 5, 7, 13; 2 Co 2.5-7; 2 Ts 3.14, 15; 1 Tm 1.20; Tt 3.10.  O exercício da disciplina é feito pelos oficiais da Igreja.  O exercício da disciplina é competência dos oficiais da Igreja (1 Co 5.5; 2 Ts 3.14,15; 1 Tm 1.20).
  • 98. DOUTRINA DA IGREJA A Aplicação correta da disciplina.  A disciplina exercida de modo correto edifica espiritualmente os membros da Igreja. É a forma de manter a santidade nela. 
  • 99. DOUTRINA DA IGREJA  “Com referência a membros enfermos da igreja, a disciplina é antes de tudo medicinal, no sentido de que procura a cura, mas pode tornar-se cirúrgica, quando o bem-estar da igreja exige a amputação do membro enfermo”.
  • 100. DOUTRINA DA IGREJA  “As igrejas que relaxarem na disciplina, descobrirão mais cedo ou mais tarde em sua esfera de influência um eclipse de luz da verdade e abusos nas coisas santas. Daí, a igreja que quiser permanecer fiel ao seu ideal, na medida em que isto é possível na terra, deverá ser diligente e conscienciosa no exercício da disciplina cristã”.
  • 101. DOUTRINA DA IGREJA A finalidade da disciplina é a salvação daquela pessoa (1 Co 5.5).  A disciplina deve ser exercida com a finalidade de perdão, consolo e amor. 2 Co 2.7,8, 1 Co 5.9-13. 
  • 102. DOUTRINA DA IGREJA  O Estatuto da Igreja Evangélica Assembleia de Deus no Rio Grande do Norte, Seção V, Das Penalidades, a partir do Art. 10 até o Art. 13, retrata sobre a disciplina na Igreja. É recomendável que seja do conhecimento de todos.
  • 103. DOUTRINA DA IGREJA A MISSÃO DA IGREJA Aurélio diz que missão é: “Função especial da qual um governo encarrega diplomata(s) ou agente(s) junto a outro país; comissão diplomática”.
  • 104. DOUTRINA DA IGREJA  O Dicionário Teológico (CPAD, 1997:182) conceitua missão, assim: “[Do lat. Missio] Transmissão consciente e planejada das Boas Novas de Cristo além das fronteiras nacionais e culturas”.
  • 105. DOUTRINA DA IGREJA  David J. Hesselgrave diz que “a missão primária da Igreja e, portanto, das igrejas, é proclamar o evangelho de Cristo e reunir os crentes em igrejas locais onde podem ser edificados na fé e tornados eficazes no serviço, e assim implantar novas congregações no mundo inteiro”.
  • 106. DOUTRINA DA IGREJA A missão da Igreja é “Glorificar a Deus”. Fomos criados por Deus para louvor de sua glória. Rm 15.5, 6, 9; Ef 1.5, 6, 12, 14, 18; 3.20, 21; 2 Ts 1.12; 1 Pe 4.11. 2. A missão da Igreja é “Edificar a si Própria”. Ef 4.8-16 1.
  • 107. DOUTRINA DA IGREJA 3. A Missão da Igreja é “Evangelizar o Mundo”. Leituras adicionais: Mc 16.15; Lc 24.46-48; At 1.8.
  • 108. DOUTRINA DA IGREJA  “As Escrituras não nos mandam „converter‟ mas sim „evangelizar‟ o mundo. Com isso quer dizer que a Igreja é devedora ao mundo todo, isto é, que a Igreja está sob a obrigação de dar ao mundo toda uma oportunidade de ouvir o Evangelho e de aceitar a Cristo...
  • 109. DOUTRINA DA IGREJA ... sabemos que não o mundo que vai aceitar a Cristo; mas a Igreja está comissionada a dar a todo o mundo uma oportunidade de ficar sabendo a respeito Dele e aceitar Sua salvação. Deus está hoje conclamando dentre os gentios um povo para Seu nome (At 15.14 e seguintes), e fá-Lo através da Igreja e por Seu Espírito”.