SlideShare uma empresa Scribd logo
LBA Lição 11 - A tolerância cristã
LBA Lição 11 - A tolerância cristã
COMPRE NAS LIVRARIAS CPAD OU PARCEIRAS MAIS PRÓXIMA DE
VOCÊ OU POR INTERNET ESTE LIVRO PARA SUBSIDIAR SUAS LIÇÕES
DESTE TRIMESTRE: “JUSTIÇA E GRAÇA: um estudo da doutrina da
salvação na Carta aos ROMANOS”.
Pare!
Antes de iniciar a lição, favor se inscrever no meu
blog “www.natalinodasneves.blogspot.com.br” e
nos canais do Youtube e Slideshare, que podem ser
acessados pelo próprio blog.
Ao acessar o blog aproveite para assistir o vídeo com
comentários referente a este arquivo de slides.
TEXTO ÁUREO
"Porque o Reino de
Deus não é comida nem
bebida, mas justiça, e
paz, e alegria no Espírito
Santo."
(Rm 14.17)
VERDADE PRÁTICA
Os crentes mais maduros não
devem agir egoisticamente,
mas precisam atuar como
modelo para os mais fracos.
OBJETIVOS
Após esta aula, o aluno deverá estar
apto a:
1. Saber que a igreja em Roma era uma igreja
heterogênea;
2. Explicar que a igreja em Roma era
tolerante com os mais fracos;
3. Compreender que assim como a igreja em
Roma, a igreja atual precisa ser acolhedora;
4. APLICAR o conteúdo aprendido à sua vida
pessoal.
LEITURA
BÍBLICA
Romanos 14.1-6
1 - Ora, quanto ao que está enfermo na fé, recebei-o, não em
contendas sobre dúvidas.
2 - Porque um crê que de tudo se pode comer, e outro, que é fraco,
come legumes.
3 - O que come não despreze o que não come; e o que não come não
julgue o que come; porque Deus o recebeu por seu.
4 - Quem és tu que julgas o servo alheio? Para seu próprio senhor ele
está em pé ou cai; mas estará firme, porque poderoso é Deus para o
firmar.
5 - Um faz diferença entre dia e dia, mas outro julga iguais todos os
dias. Cada um esteja inteiramente seguro em seu próprio ânimo.
6 - Aquele que faz caso do dia, para o Senhor o faz. O que come para
o Senhor come, porque dá graças a Deus; e o que não come para o
Senhor não come e dá graças a Deus.
INTRODUÇÃO
INTRODUÇÃO
• O apóstolo Paulo foi informado de que havia
alguns conflitos na igreja de Roma.
• Provavelmente, judeus cristãos que se
escandalizavam com determinadas atitudes de
outros membros gentios da comunidade.
• Cristãos que se acham superiores aos demais
pela seu legalismo e ritualismo (religiosidade
aparente)
• Paulo busca um ponto de equilíbrio a fim de que
a obra de Cristo não sofresse nenhum dano.
PONTO CENTRAL
O crente precisa tolerar e
amar os mais fracos na fé.
I - UMA IGREJA
HETEROGÊNEA
(Rm 14.1-12)
1. A natureza da Igreja
• Paulo apela para a natureza da Igreja a fim de
corrigir o problema que nela surgiu.
• A Igreja é una, isto é, embora formada por
pessoas de grupos diferentes, ela forma o corpo
de Cristo.
• A natureza heterogênea da Igreja.
• Os problemas de natureza local não poderiam
sobrepor-se à universalidade da Igreja.
• A liberdade deveria ser respeitada, isto é,
regulada pela lei do amor.
2.Os fracos na fé
• Quem seriam os fracos na fé?
– Principalmente cristãos judeus que se abstinham de
certos tipos de alimentos, e observavam determinados
dias em “lealdade” à Lei de Moisés (Rm 14.6,14).
– Além de observar determinados rituais relacionados ao
culto, eles queriam que os gentios fizessem o mesmo.
• Problemas semelhantes aos da igreja de Corinto
(1 Co 8.1-13), Gálacia e Colossos.
• Cristãos imaturos que não conseguiram separa o
que era secundário do principal, que é Cristo.
• Convertidos ao cristianismo, mas não haviam
conseguido se libertar do legalismo.
3. Os fortes na fé
• Os fortes eram formados tanto por judeus como
por gentios que haviam alcançado um
entendimento correto das implicações da Nova
Aliança.
• Esse fato é confirmado pela afirmação do
apóstolo Paulo que se enfileira com os fortes na
fé (Rm 15.1).
• Portanto, os fortes sabiam que não estavam
mais debaixo da Lei, mas da graça.
• Os fortes deveriam suportar os fracos.
SÍNTESE DO TÓPICO
A Igreja é una, porém é
formada por pessoas
diferentes.
SUBSÍDIO
Forte e fraco (14.2). Para surpresa de
muitos, é o fraco na fé (aetheneia: fraco,
incapacitado) que tem problemas com a
liberdade de outros, que desfrutam de
uma fé mais forte! O forte na fé leva em
conta que a espiritualidade não é uma
questão de fazer ou não fazer, mas de
amar e servir a Deus enquanto usufrui
suas boas dádivas.
(Guia do Leitor da Bíblia, 2012, p.750)
II - UMA IGREJA
TOLERANTE
(Rm 14.13-23)
1. A lei da liberdade
• Tema enfatizado em Rm: liberdade em Cristo.
• Rm 7.24 e 25 = incapacidade humana de se
autolibertar.
• Tema preponderante também em Gl 5.1, em que
Paulo escreveu que foi para a liberdade que Cristo
nos chamou (Gl 5.1).
• A liberdade cristã lhe dava certeza do que era
imundo (koinos) e o que não era (Rm 14.14).
• A lei da liberdade mostrava aos crentes maduros
que eles estavam livres dos rudimentos da Lei de
Moisés.
2. A lei do amor
• Rm 14.15: "Mas, se por causa da comida se
contrista teu irmão, já não andas conforme o
amor. Não destruas por causa da tua comida
aquele por quem Cristo morreu".
• A lei do amor = o amor ágape de Deus.
• Se algo, mesmo que não condenável, causasse
algum escândalo nos crentes imaturos, então
essa liberdade deveria ser restringida.
• Até que ponto essa recomendação deve ser
levada na integra?
3. A lei da espiritualidade
• Paulo passa a mostrar então o modelo de
espiritualidade que deve conduzir tanto os
crentes fortes como os fracos (Rm 14.22,23).
• O crente deve possuir convicção bem definida no
exercício da sua fé.
• Ele deve ter critérios para que não se torne um
antinomista ou legalista.
• A lei que deve regê-lo é a "lei de Cristo"
SÍNTESE DO TÓPICO
O crente, alcançado pela
graça, precisa ser tolerante
com os fracos na fé.
III - UMA IGREJA
ACOLHEDORA
(Rm 15.1-13)
1. O exemplo dos cristãos maduros
• Como então deveriam agir os crentes fortes em
relação aos fracos?
Suportar suas fraquezas e promover sua edificação
(Rm 15.1,2).
"[...] o Reino de Deus não é comida nem bebida, mas
justiça, e paz, e alegria no Espírito Santo" (Rm 14.17).
• Os cristãos maduros deveriam servir de modelo
para aqueles que ainda não haviam alcançado
esse nível de maturidade.
• Isso, não quer dizer que o crente forte ficará
prisioneiro da consciência do crente fraco.
2. O exemplo de Cristo
• O exemplo para essa limitação da liberdade foi
dada por Cristo, nosso Senhor (Rm 15.3).
• Em Cristo, Deus mostrou tolerância para com os
pecadores (Rm 5.8)
• Cristo não agradou a si mesmo, mas procurou
edificar as demais pessoas. No entanto, com os
judeus legalistas ele agiu com firmeza.
• Use o bom senso!
3. O exemplo das Escrituras
• Paulo apela então às Escrituras como
instrumento aferidor da espiritualidade (Rm
15.4).
• Paulo chama atenção de todos os critãos, fortes
e fracos, exortando que o ensino das Escrituras
deve ter um efeito prático na vida cristã.
• A Bíblia como norma para a vida do cristão e
fonte de alimento e esperança
SÍNTESE DO TÓPICO
A igreja precisa ser um
lugar de acolhimento e não
um tribunal.
CONSIDERAÇÕES
FINAIS
Nesta lição nos aprendemos que:
1) O apóstolo Paulo procurou pacificar a tensão
entre os crentes forte e fracos na igreja de
Roma.
2) Esse conflito estava gerando um ponto de
tensão que poderia, a curto prazo, pôr em risco
a obra de Cristo ali.
3) Cristo é um exemplo de como se deve tratar as
pessoas.
REFERÊNCIAS
CABRAL, Elienai. Romanos: O Evangelho da Justiça de Deus. 8ª
Ed. Rio de Janeiro: CPAD, 2005
GONÇALVES, José. Maravilhosa Graça: O EVANGELHO DE Jesus
Cristo revelado na Carta aos Romanos. Rio de Janeiro: CPAD, 2016.
LIÇÕES BÍBLICAS ADULTO. Maravilhosa Graça: O EVANGELHO
DE Jesus Cristo revelado na Carta aos Romanos. 2 TRI 2016. Rio de
Janeiro: CPAD, 2016.
LIÇÕES BÍBLICAS JOVENS. Justiça e Graça: um estudo da
doutrina da salvação na Carta aos Romanos. 1 TRI 2016. Rio de
Janeiro: CPAD, 2015.
NEVES, Natalino das. Justiça e Graça: um estudo da doutrina da
salvação na Carta aos Romanos. Rio de Janeiro: CPAD, 2015.
RICHARDS, Lawrence O. Comentário Histórico-Cultural do Novo
Testamento. Rio de Janeiro: CPAD, 2014.
RICHARDS, Lawrence O. Guia do leitor da Bíblia: uma análise de
Gênesis a Apocalipse capítulo por capítulo. Rio de Janeiro: CPAD,
2012.
Pr. Natalino das Neves
www.natalinodasneves.blogspot.com.br
Contatos:
natalino6612@gmail.com
(41) 8409 8094

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Lição 5 - A justificação pela fé
Lição 5 - A justificação pela féLição 5 - A justificação pela fé
Lição 5 - A justificação pela fé
Natalino das Neves Neves
 
08/05/2016 - Estudo de Gálatas - parte 01 - A autoridade de Paulo
08/05/2016 - Estudo de Gálatas - parte 01 - A autoridade de Paulo08/05/2016 - Estudo de Gálatas - parte 01 - A autoridade de Paulo
08/05/2016 - Estudo de Gálatas - parte 01 - A autoridade de Paulo
Camila Guimarães
 
Estudos de Romanos - Parte 2
Estudos de Romanos - Parte 2Estudos de Romanos - Parte 2
Estudos de Romanos - Parte 2
Camila Guimarães
 
Lição 9 - Mortos para o pecado
Lição 9 - Mortos para o pecadoLição 9 - Mortos para o pecado
Lição 9 - Mortos para o pecado
Natalino das Neves Neves
 
A tolerância cristã - Lição 11 - 2º Trimestre de 2016
A tolerância cristã - Lição 11 - 2º Trimestre de 2016A tolerância cristã - Lição 11 - 2º Trimestre de 2016
A tolerância cristã - Lição 11 - 2º Trimestre de 2016
Pr. Andre Luiz
 
LBJ Lição 11 - A igreja e a política
LBJ Lição 11 - A igreja e a políticaLBJ Lição 11 - A igreja e a política
LBJ Lição 11 - A igreja e a política
Natalino das Neves Neves
 
Os Tudo De Paulo De Tarso
Os Tudo De Paulo De TarsoOs Tudo De Paulo De Tarso
Os Tudo De Paulo De Tarso
Grupo Espírita Cristão
 
Lição 10 - O jovem e a consagração
Lição 10 - O jovem e a consagraçãoLição 10 - O jovem e a consagração
Lição 10 - O jovem e a consagração
Natalino das Neves Neves
 
Ninguem é de Ninguén
Ninguem é de NinguénNinguem é de Ninguén
Ninguem é de Ninguén
Ricardo Gondim
 
LBA Lição 10 - Mansidão, torna o crente apto para evitar pelejas
LBA Lição 10 - Mansidão, torna o crente apto para evitar pelejasLBA Lição 10 - Mansidão, torna o crente apto para evitar pelejas
LBA Lição 10 - Mansidão, torna o crente apto para evitar pelejas
Natalino das Neves Neves
 
Espírito X Carne _ Como está o Placar
Espírito X Carne _ Como está o PlacarEspírito X Carne _ Como está o Placar
Espírito X Carne _ Como está o Placar
fgondim
 
E.b.d adultos 1ºtrimestre 2017 lição 02
E.b.d   adultos 1ºtrimestre 2017 lição 02E.b.d   adultos 1ºtrimestre 2017 lição 02
E.b.d adultos 1ºtrimestre 2017 lição 02
Joel Silva
 
Lição 01- A Origem e Desenvolvimento da Igreja
Lição 01- A Origem e Desenvolvimento da IgrejaLição 01- A Origem e Desenvolvimento da Igreja
Lição 01- A Origem e Desenvolvimento da Igreja
Maxsuel Aquino
 
03 Pérgamo
03 Pérgamo03 Pérgamo
03 Pérgamo
Junior Miranda
 
Lição 6 - A verdadeira igreja - 2º quadrimestre 2012 - EBD - Religiões e Reli...
Lição 6 - A verdadeira igreja - 2º quadrimestre 2012 - EBD - Religiões e Reli...Lição 6 - A verdadeira igreja - 2º quadrimestre 2012 - EBD - Religiões e Reli...
Lição 6 - A verdadeira igreja - 2º quadrimestre 2012 - EBD - Religiões e Reli...
Sergio Silva
 
LIÇÃO 13_A santa Ceia, o amor e a ressurreição (I Co 11-15)
LIÇÃO 13_A santa Ceia, o amor e a ressurreição (I Co 11-15)LIÇÃO 13_A santa Ceia, o amor e a ressurreição (I Co 11-15)
LIÇÃO 13_A santa Ceia, o amor e a ressurreição (I Co 11-15)
Pastor Natalino Das Neves
 
Lição 4 - A necessidade universal de salvação
Lição 4 - A necessidade universal de salvaçãoLição 4 - A necessidade universal de salvação
Lição 4 - A necessidade universal de salvação
Natalino das Neves Neves
 
Colossenses - Cap. 01 parte 02
Colossenses - Cap. 01 parte 02Colossenses - Cap. 01 parte 02
Colossenses - Cap. 01 parte 02
Daniel M Junior
 
Aula 4 gálatas e efésios
Aula 4   gálatas e efésiosAula 4   gálatas e efésios
Aula 4 gálatas e efésios
Pastor W. Costa
 
Doutrina multiformidade cristã
Doutrina  multiformidade cristãDoutrina  multiformidade cristã
Doutrina multiformidade cristã
Joel Silva
 

Mais procurados (20)

Lição 5 - A justificação pela fé
Lição 5 - A justificação pela féLição 5 - A justificação pela fé
Lição 5 - A justificação pela fé
 
08/05/2016 - Estudo de Gálatas - parte 01 - A autoridade de Paulo
08/05/2016 - Estudo de Gálatas - parte 01 - A autoridade de Paulo08/05/2016 - Estudo de Gálatas - parte 01 - A autoridade de Paulo
08/05/2016 - Estudo de Gálatas - parte 01 - A autoridade de Paulo
 
Estudos de Romanos - Parte 2
Estudos de Romanos - Parte 2Estudos de Romanos - Parte 2
Estudos de Romanos - Parte 2
 
Lição 9 - Mortos para o pecado
Lição 9 - Mortos para o pecadoLição 9 - Mortos para o pecado
Lição 9 - Mortos para o pecado
 
A tolerância cristã - Lição 11 - 2º Trimestre de 2016
A tolerância cristã - Lição 11 - 2º Trimestre de 2016A tolerância cristã - Lição 11 - 2º Trimestre de 2016
A tolerância cristã - Lição 11 - 2º Trimestre de 2016
 
LBJ Lição 11 - A igreja e a política
LBJ Lição 11 - A igreja e a políticaLBJ Lição 11 - A igreja e a política
LBJ Lição 11 - A igreja e a política
 
Os Tudo De Paulo De Tarso
Os Tudo De Paulo De TarsoOs Tudo De Paulo De Tarso
Os Tudo De Paulo De Tarso
 
Lição 10 - O jovem e a consagração
Lição 10 - O jovem e a consagraçãoLição 10 - O jovem e a consagração
Lição 10 - O jovem e a consagração
 
Ninguem é de Ninguén
Ninguem é de NinguénNinguem é de Ninguén
Ninguem é de Ninguén
 
LBA Lição 10 - Mansidão, torna o crente apto para evitar pelejas
LBA Lição 10 - Mansidão, torna o crente apto para evitar pelejasLBA Lição 10 - Mansidão, torna o crente apto para evitar pelejas
LBA Lição 10 - Mansidão, torna o crente apto para evitar pelejas
 
Espírito X Carne _ Como está o Placar
Espírito X Carne _ Como está o PlacarEspírito X Carne _ Como está o Placar
Espírito X Carne _ Como está o Placar
 
E.b.d adultos 1ºtrimestre 2017 lição 02
E.b.d   adultos 1ºtrimestre 2017 lição 02E.b.d   adultos 1ºtrimestre 2017 lição 02
E.b.d adultos 1ºtrimestre 2017 lição 02
 
Lição 01- A Origem e Desenvolvimento da Igreja
Lição 01- A Origem e Desenvolvimento da IgrejaLição 01- A Origem e Desenvolvimento da Igreja
Lição 01- A Origem e Desenvolvimento da Igreja
 
03 Pérgamo
03 Pérgamo03 Pérgamo
03 Pérgamo
 
Lição 6 - A verdadeira igreja - 2º quadrimestre 2012 - EBD - Religiões e Reli...
Lição 6 - A verdadeira igreja - 2º quadrimestre 2012 - EBD - Religiões e Reli...Lição 6 - A verdadeira igreja - 2º quadrimestre 2012 - EBD - Religiões e Reli...
Lição 6 - A verdadeira igreja - 2º quadrimestre 2012 - EBD - Religiões e Reli...
 
LIÇÃO 13_A santa Ceia, o amor e a ressurreição (I Co 11-15)
LIÇÃO 13_A santa Ceia, o amor e a ressurreição (I Co 11-15)LIÇÃO 13_A santa Ceia, o amor e a ressurreição (I Co 11-15)
LIÇÃO 13_A santa Ceia, o amor e a ressurreição (I Co 11-15)
 
Lição 4 - A necessidade universal de salvação
Lição 4 - A necessidade universal de salvaçãoLição 4 - A necessidade universal de salvação
Lição 4 - A necessidade universal de salvação
 
Colossenses - Cap. 01 parte 02
Colossenses - Cap. 01 parte 02Colossenses - Cap. 01 parte 02
Colossenses - Cap. 01 parte 02
 
Aula 4 gálatas e efésios
Aula 4   gálatas e efésiosAula 4   gálatas e efésios
Aula 4 gálatas e efésios
 
Doutrina multiformidade cristã
Doutrina  multiformidade cristãDoutrina  multiformidade cristã
Doutrina multiformidade cristã
 

Destaque

Interpretação teológica de israel a partir do exílio_Completo
Interpretação teológica de israel a partir do exílio_CompletoInterpretação teológica de israel a partir do exílio_Completo
Interpretação teológica de israel a partir do exílio_Completo
Natalino das Neves Neves
 
LBJ - LIÇÃO 1 - A INSTITUIÇÃO DA FAMÍLIA_2016 2 TRI
LBJ - LIÇÃO 1 - A INSTITUIÇÃO DA FAMÍLIA_2016 2 TRILBJ - LIÇÃO 1 - A INSTITUIÇÃO DA FAMÍLIA_2016 2 TRI
LBJ - LIÇÃO 1 - A INSTITUIÇÃO DA FAMÍLIA_2016 2 TRI
Natalino das Neves Neves
 
LBJ Lição 5 - Ordenanças da igreja
LBJ Lição 5 - Ordenanças da igrejaLBJ Lição 5 - Ordenanças da igreja
LBJ Lição 5 - Ordenanças da igreja
Natalino das Neves Neves
 
LBA Lição 6 - Paciência, evitando as dissenções
LBA Lição 6 - Paciência, evitando as dissençõesLBA Lição 6 - Paciência, evitando as dissenções
LBA Lição 6 - Paciência, evitando as dissenções
Natalino das Neves Neves
 
Lbj lição 11 a igreja e a política
Lbj lição 11    a igreja e a políticaLbj lição 11    a igreja e a política
Lbj lição 11 a igreja e a política
boasnovassena
 
LBA Lição 5 - Paz de deus, antídoto contra as inimizades
LBA Lição 5 - Paz de deus, antídoto contra as inimizadesLBA Lição 5 - Paz de deus, antídoto contra as inimizades
LBA Lição 5 - Paz de deus, antídoto contra as inimizades
Natalino das Neves Neves
 
LBJ Lição 13 - O que posso fazer por minha igreja
LBJ Lição 13 - O que posso fazer por minha igrejaLBJ Lição 13 - O que posso fazer por minha igreja
LBJ Lição 13 - O que posso fazer por minha igreja
Natalino das Neves Neves
 
LIÇÃO 12 - QUEM AMA CUMPRE PLENAMENTE A LEI DIVINA
LIÇÃO 12 - QUEM AMA CUMPRE PLENAMENTE A LEI DIVINALIÇÃO 12 - QUEM AMA CUMPRE PLENAMENTE A LEI DIVINA
LIÇÃO 12 - QUEM AMA CUMPRE PLENAMENTE A LEI DIVINA
Polícia Militar do Estado do Tocantins
 
LIÇÃO 11 - VIVENDO DE FORMA MODERADA
LIÇÃO 11 - VIVENDO DE FORMA MODERADALIÇÃO 11 - VIVENDO DE FORMA MODERADA
LIÇÃO 11 - VIVENDO DE FORMA MODERADA
Polícia Militar do Estado do Tocantins
 
LBA Lição 13 - Uma vida de frutificação
LBA Lição 13 - Uma vida de frutificaçãoLBA Lição 13 - Uma vida de frutificação
LBA Lição 13 - Uma vida de frutificação
Natalino das Neves Neves
 

Destaque (10)

Interpretação teológica de israel a partir do exílio_Completo
Interpretação teológica de israel a partir do exílio_CompletoInterpretação teológica de israel a partir do exílio_Completo
Interpretação teológica de israel a partir do exílio_Completo
 
LBJ - LIÇÃO 1 - A INSTITUIÇÃO DA FAMÍLIA_2016 2 TRI
LBJ - LIÇÃO 1 - A INSTITUIÇÃO DA FAMÍLIA_2016 2 TRILBJ - LIÇÃO 1 - A INSTITUIÇÃO DA FAMÍLIA_2016 2 TRI
LBJ - LIÇÃO 1 - A INSTITUIÇÃO DA FAMÍLIA_2016 2 TRI
 
LBJ Lição 5 - Ordenanças da igreja
LBJ Lição 5 - Ordenanças da igrejaLBJ Lição 5 - Ordenanças da igreja
LBJ Lição 5 - Ordenanças da igreja
 
LBA Lição 6 - Paciência, evitando as dissenções
LBA Lição 6 - Paciência, evitando as dissençõesLBA Lição 6 - Paciência, evitando as dissenções
LBA Lição 6 - Paciência, evitando as dissenções
 
Lbj lição 11 a igreja e a política
Lbj lição 11    a igreja e a políticaLbj lição 11    a igreja e a política
Lbj lição 11 a igreja e a política
 
LBA Lição 5 - Paz de deus, antídoto contra as inimizades
LBA Lição 5 - Paz de deus, antídoto contra as inimizadesLBA Lição 5 - Paz de deus, antídoto contra as inimizades
LBA Lição 5 - Paz de deus, antídoto contra as inimizades
 
LBJ Lição 13 - O que posso fazer por minha igreja
LBJ Lição 13 - O que posso fazer por minha igrejaLBJ Lição 13 - O que posso fazer por minha igreja
LBJ Lição 13 - O que posso fazer por minha igreja
 
LIÇÃO 12 - QUEM AMA CUMPRE PLENAMENTE A LEI DIVINA
LIÇÃO 12 - QUEM AMA CUMPRE PLENAMENTE A LEI DIVINALIÇÃO 12 - QUEM AMA CUMPRE PLENAMENTE A LEI DIVINA
LIÇÃO 12 - QUEM AMA CUMPRE PLENAMENTE A LEI DIVINA
 
LIÇÃO 11 - VIVENDO DE FORMA MODERADA
LIÇÃO 11 - VIVENDO DE FORMA MODERADALIÇÃO 11 - VIVENDO DE FORMA MODERADA
LIÇÃO 11 - VIVENDO DE FORMA MODERADA
 
LBA Lição 13 - Uma vida de frutificação
LBA Lição 13 - Uma vida de frutificaçãoLBA Lição 13 - Uma vida de frutificação
LBA Lição 13 - Uma vida de frutificação
 

Semelhante a LBA Lição 11 - A tolerância cristã

2016 2º trimestre adultos lição 11.pptx
2016 2º trimestre adultos lição 11.pptx2016 2º trimestre adultos lição 11.pptx
2016 2º trimestre adultos lição 11.pptx
Joel Silva
 
LIÇÃO 11 - A TOLERÂNCIA CRISTÃ
 LIÇÃO 11 - A TOLERÂNCIA CRISTÃ  LIÇÃO 11 - A TOLERÂNCIA CRISTÃ
LIÇÃO 11 - A TOLERÂNCIA CRISTÃ
Lourinaldo Serafim
 
Lição 11 - A tolerância cristã
Lição 11 - A tolerância cristãLição 11 - A tolerância cristã
Lição 11 - A tolerância cristã
Ailton da Silva
 
Lição 11 a tolerância cristã
Lição 11   a tolerância cristãLição 11   a tolerância cristã
Lição 11 a tolerância cristã
edmundo mendes silva
 
Lbj lição 7 A igreja na reforma protestante
Lbj lição 7   A igreja na reforma protestanteLbj lição 7   A igreja na reforma protestante
Lbj lição 7 A igreja na reforma protestante
boasnovassena
 
LBJ LIÇÃO 7 - Quando o legalismo substitui a adoração
LBJ LIÇÃO 7 - Quando o legalismo substitui a adoraçãoLBJ LIÇÃO 7 - Quando o legalismo substitui a adoração
LBJ LIÇÃO 7 - Quando o legalismo substitui a adoração
Natalino das Neves Neves
 
3º trimestre 2015 adolescentes lição 13
3º trimestre 2015 adolescentes lição 133º trimestre 2015 adolescentes lição 13
3º trimestre 2015 adolescentes lição 13
Joel Silva
 
3º trimestre 2015 adolescentes lição 13
3º trimestre 2015 adolescentes lição 133º trimestre 2015 adolescentes lição 13
3º trimestre 2015 adolescentes lição 13
Joel de Oliveira
 
LBJ Lição 7 - A igreja na reforma protestante
LBJ Lição 7 - A igreja na reforma protestanteLBJ Lição 7 - A igreja na reforma protestante
LBJ Lição 7 - A igreja na reforma protestante
Natalino das Neves Neves
 
Romanos 15
Romanos   15Romanos   15
Romanos 15
Joel Silva
 
Lição 12 - O jovem e o estado
Lição 12 - O jovem e o estadoLição 12 - O jovem e o estado
Lição 12 - O jovem e o estado
Natalino das Neves Neves
 
LUTERO, A FÉ QUE OPERA PELO AMOR - SPURGEON
LUTERO, A FÉ QUE OPERA PELO AMOR - SPURGEONLUTERO, A FÉ QUE OPERA PELO AMOR - SPURGEON
LUTERO, A FÉ QUE OPERA PELO AMOR - SPURGEON
Teol. Sandra Ferreira
 
PRELEÇÃO_LIÇÃO 3 - DIVISÕES NA IGREJA
PRELEÇÃO_LIÇÃO 3 - DIVISÕES NA IGREJAPRELEÇÃO_LIÇÃO 3 - DIVISÕES NA IGREJA
PRELEÇÃO_LIÇÃO 3 - DIVISÕES NA IGREJA
Natalino das Neves Neves
 
LBJ 1 TRI 2016 - Resumo do trimestre
LBJ 1 TRI 2016 - Resumo do trimestreLBJ 1 TRI 2016 - Resumo do trimestre
LBJ 1 TRI 2016 - Resumo do trimestre
Natalino das Neves Neves
 
PRELEÇÃO_JOVENS_Lição 3 - Divisões na Igreja
PRELEÇÃO_JOVENS_Lição 3 - Divisões na IgrejaPRELEÇÃO_JOVENS_Lição 3 - Divisões na Igreja
PRELEÇÃO_JOVENS_Lição 3 - Divisões na Igreja
Pastor Natalino Das Neves
 
20151119.Estudo PGs 29
20151119.Estudo PGs 2920151119.Estudo PGs 29
20151119.Estudo PGs 29
Andre Nascimento
 
O evangelho de Paulo
O evangelho de PauloO evangelho de Paulo
O evangelho de Paulo
Ricardo Gondim
 
Estudo 01 santos e servos
Estudo 01   santos e servosEstudo 01   santos e servos
Estudo 01 santos e servos
André Luiz Bento Arêa
 
E.b.d jovens 1ºtrimestre 2017 lição 02
E.b.d   jovens 1ºtrimestre 2017 lição 02E.b.d   jovens 1ºtrimestre 2017 lição 02
E.b.d jovens 1ºtrimestre 2017 lição 02
Joel Silva
 
9. epístola de paulo 1' coríntios
9. epístola de paulo 1' coríntios9. epístola de paulo 1' coríntios
9. epístola de paulo 1' coríntios
Igreja Presbiteriana de Dourados
 

Semelhante a LBA Lição 11 - A tolerância cristã (20)

2016 2º trimestre adultos lição 11.pptx
2016 2º trimestre adultos lição 11.pptx2016 2º trimestre adultos lição 11.pptx
2016 2º trimestre adultos lição 11.pptx
 
LIÇÃO 11 - A TOLERÂNCIA CRISTÃ
 LIÇÃO 11 - A TOLERÂNCIA CRISTÃ  LIÇÃO 11 - A TOLERÂNCIA CRISTÃ
LIÇÃO 11 - A TOLERÂNCIA CRISTÃ
 
Lição 11 - A tolerância cristã
Lição 11 - A tolerância cristãLição 11 - A tolerância cristã
Lição 11 - A tolerância cristã
 
Lição 11 a tolerância cristã
Lição 11   a tolerância cristãLição 11   a tolerância cristã
Lição 11 a tolerância cristã
 
Lbj lição 7 A igreja na reforma protestante
Lbj lição 7   A igreja na reforma protestanteLbj lição 7   A igreja na reforma protestante
Lbj lição 7 A igreja na reforma protestante
 
LBJ LIÇÃO 7 - Quando o legalismo substitui a adoração
LBJ LIÇÃO 7 - Quando o legalismo substitui a adoraçãoLBJ LIÇÃO 7 - Quando o legalismo substitui a adoração
LBJ LIÇÃO 7 - Quando o legalismo substitui a adoração
 
3º trimestre 2015 adolescentes lição 13
3º trimestre 2015 adolescentes lição 133º trimestre 2015 adolescentes lição 13
3º trimestre 2015 adolescentes lição 13
 
3º trimestre 2015 adolescentes lição 13
3º trimestre 2015 adolescentes lição 133º trimestre 2015 adolescentes lição 13
3º trimestre 2015 adolescentes lição 13
 
LBJ Lição 7 - A igreja na reforma protestante
LBJ Lição 7 - A igreja na reforma protestanteLBJ Lição 7 - A igreja na reforma protestante
LBJ Lição 7 - A igreja na reforma protestante
 
Romanos 15
Romanos   15Romanos   15
Romanos 15
 
Lição 12 - O jovem e o estado
Lição 12 - O jovem e o estadoLição 12 - O jovem e o estado
Lição 12 - O jovem e o estado
 
LUTERO, A FÉ QUE OPERA PELO AMOR - SPURGEON
LUTERO, A FÉ QUE OPERA PELO AMOR - SPURGEONLUTERO, A FÉ QUE OPERA PELO AMOR - SPURGEON
LUTERO, A FÉ QUE OPERA PELO AMOR - SPURGEON
 
PRELEÇÃO_LIÇÃO 3 - DIVISÕES NA IGREJA
PRELEÇÃO_LIÇÃO 3 - DIVISÕES NA IGREJAPRELEÇÃO_LIÇÃO 3 - DIVISÕES NA IGREJA
PRELEÇÃO_LIÇÃO 3 - DIVISÕES NA IGREJA
 
LBJ 1 TRI 2016 - Resumo do trimestre
LBJ 1 TRI 2016 - Resumo do trimestreLBJ 1 TRI 2016 - Resumo do trimestre
LBJ 1 TRI 2016 - Resumo do trimestre
 
PRELEÇÃO_JOVENS_Lição 3 - Divisões na Igreja
PRELEÇÃO_JOVENS_Lição 3 - Divisões na IgrejaPRELEÇÃO_JOVENS_Lição 3 - Divisões na Igreja
PRELEÇÃO_JOVENS_Lição 3 - Divisões na Igreja
 
20151119.Estudo PGs 29
20151119.Estudo PGs 2920151119.Estudo PGs 29
20151119.Estudo PGs 29
 
O evangelho de Paulo
O evangelho de PauloO evangelho de Paulo
O evangelho de Paulo
 
Estudo 01 santos e servos
Estudo 01   santos e servosEstudo 01   santos e servos
Estudo 01 santos e servos
 
E.b.d jovens 1ºtrimestre 2017 lição 02
E.b.d   jovens 1ºtrimestre 2017 lição 02E.b.d   jovens 1ºtrimestre 2017 lição 02
E.b.d jovens 1ºtrimestre 2017 lição 02
 
9. epístola de paulo 1' coríntios
9. epístola de paulo 1' coríntios9. epístola de paulo 1' coríntios
9. epístola de paulo 1' coríntios
 

Mais de Natalino das Neves Neves

LIÇÃO 13_A santa Ceia, o amor e a ressurreição (I Co 11-15)
LIÇÃO 13_A santa Ceia, o amor e a ressurreição (I Co 11-15)LIÇÃO 13_A santa Ceia, o amor e a ressurreição (I Co 11-15)
LIÇÃO 13_A santa Ceia, o amor e a ressurreição (I Co 11-15)
Natalino das Neves Neves
 
LIÇÃO 12 - Da circuncisão e dos alimentos sacrificados aos ídolos (1 Co 7-8)
LIÇÃO 12 - Da circuncisão e dos alimentos sacrificados aos ídolos (1 Co 7-8)LIÇÃO 12 - Da circuncisão e dos alimentos sacrificados aos ídolos (1 Co 7-8)
LIÇÃO 12 - Da circuncisão e dos alimentos sacrificados aos ídolos (1 Co 7-8)
Natalino das Neves Neves
 
LIÇÃO 11 - Paulo responde questões a respeito do casamento (1 Co 7)
LIÇÃO 11 - Paulo responde questões a respeito do casamento (1 Co 7)LIÇÃO 11 - Paulo responde questões a respeito do casamento (1 Co 7)
LIÇÃO 11 - Paulo responde questões a respeito do casamento (1 Co 7)
Natalino das Neves Neves
 
LIÇÃO 10 - SEU CORPO É MEMBRO DE CRISTO
LIÇÃO 10 -  SEU CORPO É MEMBRO DE CRISTOLIÇÃO 10 -  SEU CORPO É MEMBRO DE CRISTO
LIÇÃO 10 - SEU CORPO É MEMBRO DE CRISTO
Natalino das Neves Neves
 
LIÇÃO 9 - PAULO CENSURA A CONTENDA ENTRE IRMÃOS
LIÇÃO 9 - PAULO CENSURA A CONTENDA ENTRE IRMÃOSLIÇÃO 9 - PAULO CENSURA A CONTENDA ENTRE IRMÃOS
LIÇÃO 9 - PAULO CENSURA A CONTENDA ENTRE IRMÃOS
Natalino das Neves Neves
 
PRELEÇÃO_LIÇÃO 8 - A IMPUREZA DA IGREJA DE CORINTO
PRELEÇÃO_LIÇÃO 8 -  A IMPUREZA DA IGREJA DE CORINTOPRELEÇÃO_LIÇÃO 8 -  A IMPUREZA DA IGREJA DE CORINTO
PRELEÇÃO_LIÇÃO 8 - A IMPUREZA DA IGREJA DE CORINTO
Natalino das Neves Neves
 
PROJEÇÃO_LIÇÃO 8 - A IMPUREZA DA IGREJA DE CORINTO
PROJEÇÃO_LIÇÃO 8 -  A IMPUREZA DA IGREJA DE CORINTOPROJEÇÃO_LIÇÃO 8 -  A IMPUREZA DA IGREJA DE CORINTO
PROJEÇÃO_LIÇÃO 8 - A IMPUREZA DA IGREJA DE CORINTO
Natalino das Neves Neves
 
PROJEÇÃO_LIÇÃO 7 – É DEUS QUE DÁ O CRESCIMENTO
PROJEÇÃO_LIÇÃO 7 – É DEUS QUE DÁ O CRESCIMENTOPROJEÇÃO_LIÇÃO 7 – É DEUS QUE DÁ O CRESCIMENTO
PROJEÇÃO_LIÇÃO 7 – É DEUS QUE DÁ O CRESCIMENTO
Natalino das Neves Neves
 
PRELEÇÃO_LIÇÃO 7 – É DEUS QUE DÁ O CRESCIMENTO
PRELEÇÃO_LIÇÃO 7 – É DEUS QUE DÁ O CRESCIMENTOPRELEÇÃO_LIÇÃO 7 – É DEUS QUE DÁ O CRESCIMENTO
PRELEÇÃO_LIÇÃO 7 – É DEUS QUE DÁ O CRESCIMENTO
Natalino das Neves Neves
 
PRELEÇÃO_LIÇÃO 6 - A IMATURIDADE ESPIRITUAL DOS CORÍNTIOS
PRELEÇÃO_LIÇÃO 6 - A IMATURIDADE ESPIRITUAL DOS CORÍNTIOSPRELEÇÃO_LIÇÃO 6 - A IMATURIDADE ESPIRITUAL DOS CORÍNTIOS
PRELEÇÃO_LIÇÃO 6 - A IMATURIDADE ESPIRITUAL DOS CORÍNTIOS
Natalino das Neves Neves
 
PROJEÇÃO_LIÇÃO 6 - A IMATURIDADE ESPIRITUAL DOS CORÍNTIOS
PROJEÇÃO_LIÇÃO 6 - A IMATURIDADE ESPIRITUAL DOS CORÍNTIOSPROJEÇÃO_LIÇÃO 6 - A IMATURIDADE ESPIRITUAL DOS CORÍNTIOS
PROJEÇÃO_LIÇÃO 6 - A IMATURIDADE ESPIRITUAL DOS CORÍNTIOS
Natalino das Neves Neves
 
PROJEÇÃO_JOVENS_LIÇÃO 5 - O CARÁTER DA PREGAÇÃO DE PAULO
PROJEÇÃO_JOVENS_LIÇÃO 5 - O CARÁTER DA PREGAÇÃO DE PAULOPROJEÇÃO_JOVENS_LIÇÃO 5 - O CARÁTER DA PREGAÇÃO DE PAULO
PROJEÇÃO_JOVENS_LIÇÃO 5 - O CARÁTER DA PREGAÇÃO DE PAULO
Natalino das Neves Neves
 
PRELEÇÃO_JOVENS_LIÇÃO 5 - O CARÁTER DA PREGAÇÃO DE PAULO
PRELEÇÃO_JOVENS_LIÇÃO 5 - O CARÁTER DA PREGAÇÃO DE PAULOPRELEÇÃO_JOVENS_LIÇÃO 5 - O CARÁTER DA PREGAÇÃO DE PAULO
PRELEÇÃO_JOVENS_LIÇÃO 5 - O CARÁTER DA PREGAÇÃO DE PAULO
Natalino das Neves Neves
 
PROJEÇÃO_JOVENS_LIÇÃO 4 - A SABEDORIA DIVINA
PROJEÇÃO_JOVENS_LIÇÃO 4 - A SABEDORIA DIVINAPROJEÇÃO_JOVENS_LIÇÃO 4 - A SABEDORIA DIVINA
PROJEÇÃO_JOVENS_LIÇÃO 4 - A SABEDORIA DIVINA
Natalino das Neves Neves
 
PRELEÇÃO_JOVENS_LIÇÃO 4 - A SABEDORIA DIVINA
PRELEÇÃO_JOVENS_LIÇÃO 4 - A SABEDORIA DIVINAPRELEÇÃO_JOVENS_LIÇÃO 4 - A SABEDORIA DIVINA
PRELEÇÃO_JOVENS_LIÇÃO 4 - A SABEDORIA DIVINA
Natalino das Neves Neves
 
PROJEÇÃO_JOVENS_LIção 3 - Divisões na Igreja
PROJEÇÃO_JOVENS_LIção 3 - Divisões na IgrejaPROJEÇÃO_JOVENS_LIção 3 - Divisões na Igreja
PROJEÇÃO_JOVENS_LIção 3 - Divisões na Igreja
Natalino das Neves Neves
 
PRELEÇÃO_JOVENS_Lição 3 - Divisões na Igreja
PRELEÇÃO_JOVENS_Lição 3 - Divisões na IgrejaPRELEÇÃO_JOVENS_Lição 3 - Divisões na Igreja
PRELEÇÃO_JOVENS_Lição 3 - Divisões na Igreja
Natalino das Neves Neves
 
Preleção_2021 2 tri_lbj_licao_2_Ação de Graças pela Igreja de Corinto
Preleção_2021 2 tri_lbj_licao_2_Ação de Graças pela Igreja de CorintoPreleção_2021 2 tri_lbj_licao_2_Ação de Graças pela Igreja de Corinto
Preleção_2021 2 tri_lbj_licao_2_Ação de Graças pela Igreja de Corinto
Natalino das Neves Neves
 
Projeção_2021 2 tri_lbj_licao_2_Ação de Graças pela Igreja de Corinto
Projeção_2021 2 tri_lbj_licao_2_Ação de Graças pela Igreja de CorintoProjeção_2021 2 tri_lbj_licao_2_Ação de Graças pela Igreja de Corinto
Projeção_2021 2 tri_lbj_licao_2_Ação de Graças pela Igreja de Corinto
Natalino das Neves Neves
 
2021 2 tri_lbj_licao_1_prelecao
2021 2 tri_lbj_licao_1_prelecao2021 2 tri_lbj_licao_1_prelecao
2021 2 tri_lbj_licao_1_prelecao
Natalino das Neves Neves
 

Mais de Natalino das Neves Neves (20)

LIÇÃO 13_A santa Ceia, o amor e a ressurreição (I Co 11-15)
LIÇÃO 13_A santa Ceia, o amor e a ressurreição (I Co 11-15)LIÇÃO 13_A santa Ceia, o amor e a ressurreição (I Co 11-15)
LIÇÃO 13_A santa Ceia, o amor e a ressurreição (I Co 11-15)
 
LIÇÃO 12 - Da circuncisão e dos alimentos sacrificados aos ídolos (1 Co 7-8)
LIÇÃO 12 - Da circuncisão e dos alimentos sacrificados aos ídolos (1 Co 7-8)LIÇÃO 12 - Da circuncisão e dos alimentos sacrificados aos ídolos (1 Co 7-8)
LIÇÃO 12 - Da circuncisão e dos alimentos sacrificados aos ídolos (1 Co 7-8)
 
LIÇÃO 11 - Paulo responde questões a respeito do casamento (1 Co 7)
LIÇÃO 11 - Paulo responde questões a respeito do casamento (1 Co 7)LIÇÃO 11 - Paulo responde questões a respeito do casamento (1 Co 7)
LIÇÃO 11 - Paulo responde questões a respeito do casamento (1 Co 7)
 
LIÇÃO 10 - SEU CORPO É MEMBRO DE CRISTO
LIÇÃO 10 -  SEU CORPO É MEMBRO DE CRISTOLIÇÃO 10 -  SEU CORPO É MEMBRO DE CRISTO
LIÇÃO 10 - SEU CORPO É MEMBRO DE CRISTO
 
LIÇÃO 9 - PAULO CENSURA A CONTENDA ENTRE IRMÃOS
LIÇÃO 9 - PAULO CENSURA A CONTENDA ENTRE IRMÃOSLIÇÃO 9 - PAULO CENSURA A CONTENDA ENTRE IRMÃOS
LIÇÃO 9 - PAULO CENSURA A CONTENDA ENTRE IRMÃOS
 
PRELEÇÃO_LIÇÃO 8 - A IMPUREZA DA IGREJA DE CORINTO
PRELEÇÃO_LIÇÃO 8 -  A IMPUREZA DA IGREJA DE CORINTOPRELEÇÃO_LIÇÃO 8 -  A IMPUREZA DA IGREJA DE CORINTO
PRELEÇÃO_LIÇÃO 8 - A IMPUREZA DA IGREJA DE CORINTO
 
PROJEÇÃO_LIÇÃO 8 - A IMPUREZA DA IGREJA DE CORINTO
PROJEÇÃO_LIÇÃO 8 -  A IMPUREZA DA IGREJA DE CORINTOPROJEÇÃO_LIÇÃO 8 -  A IMPUREZA DA IGREJA DE CORINTO
PROJEÇÃO_LIÇÃO 8 - A IMPUREZA DA IGREJA DE CORINTO
 
PROJEÇÃO_LIÇÃO 7 – É DEUS QUE DÁ O CRESCIMENTO
PROJEÇÃO_LIÇÃO 7 – É DEUS QUE DÁ O CRESCIMENTOPROJEÇÃO_LIÇÃO 7 – É DEUS QUE DÁ O CRESCIMENTO
PROJEÇÃO_LIÇÃO 7 – É DEUS QUE DÁ O CRESCIMENTO
 
PRELEÇÃO_LIÇÃO 7 – É DEUS QUE DÁ O CRESCIMENTO
PRELEÇÃO_LIÇÃO 7 – É DEUS QUE DÁ O CRESCIMENTOPRELEÇÃO_LIÇÃO 7 – É DEUS QUE DÁ O CRESCIMENTO
PRELEÇÃO_LIÇÃO 7 – É DEUS QUE DÁ O CRESCIMENTO
 
PRELEÇÃO_LIÇÃO 6 - A IMATURIDADE ESPIRITUAL DOS CORÍNTIOS
PRELEÇÃO_LIÇÃO 6 - A IMATURIDADE ESPIRITUAL DOS CORÍNTIOSPRELEÇÃO_LIÇÃO 6 - A IMATURIDADE ESPIRITUAL DOS CORÍNTIOS
PRELEÇÃO_LIÇÃO 6 - A IMATURIDADE ESPIRITUAL DOS CORÍNTIOS
 
PROJEÇÃO_LIÇÃO 6 - A IMATURIDADE ESPIRITUAL DOS CORÍNTIOS
PROJEÇÃO_LIÇÃO 6 - A IMATURIDADE ESPIRITUAL DOS CORÍNTIOSPROJEÇÃO_LIÇÃO 6 - A IMATURIDADE ESPIRITUAL DOS CORÍNTIOS
PROJEÇÃO_LIÇÃO 6 - A IMATURIDADE ESPIRITUAL DOS CORÍNTIOS
 
PROJEÇÃO_JOVENS_LIÇÃO 5 - O CARÁTER DA PREGAÇÃO DE PAULO
PROJEÇÃO_JOVENS_LIÇÃO 5 - O CARÁTER DA PREGAÇÃO DE PAULOPROJEÇÃO_JOVENS_LIÇÃO 5 - O CARÁTER DA PREGAÇÃO DE PAULO
PROJEÇÃO_JOVENS_LIÇÃO 5 - O CARÁTER DA PREGAÇÃO DE PAULO
 
PRELEÇÃO_JOVENS_LIÇÃO 5 - O CARÁTER DA PREGAÇÃO DE PAULO
PRELEÇÃO_JOVENS_LIÇÃO 5 - O CARÁTER DA PREGAÇÃO DE PAULOPRELEÇÃO_JOVENS_LIÇÃO 5 - O CARÁTER DA PREGAÇÃO DE PAULO
PRELEÇÃO_JOVENS_LIÇÃO 5 - O CARÁTER DA PREGAÇÃO DE PAULO
 
PROJEÇÃO_JOVENS_LIÇÃO 4 - A SABEDORIA DIVINA
PROJEÇÃO_JOVENS_LIÇÃO 4 - A SABEDORIA DIVINAPROJEÇÃO_JOVENS_LIÇÃO 4 - A SABEDORIA DIVINA
PROJEÇÃO_JOVENS_LIÇÃO 4 - A SABEDORIA DIVINA
 
PRELEÇÃO_JOVENS_LIÇÃO 4 - A SABEDORIA DIVINA
PRELEÇÃO_JOVENS_LIÇÃO 4 - A SABEDORIA DIVINAPRELEÇÃO_JOVENS_LIÇÃO 4 - A SABEDORIA DIVINA
PRELEÇÃO_JOVENS_LIÇÃO 4 - A SABEDORIA DIVINA
 
PROJEÇÃO_JOVENS_LIção 3 - Divisões na Igreja
PROJEÇÃO_JOVENS_LIção 3 - Divisões na IgrejaPROJEÇÃO_JOVENS_LIção 3 - Divisões na Igreja
PROJEÇÃO_JOVENS_LIção 3 - Divisões na Igreja
 
PRELEÇÃO_JOVENS_Lição 3 - Divisões na Igreja
PRELEÇÃO_JOVENS_Lição 3 - Divisões na IgrejaPRELEÇÃO_JOVENS_Lição 3 - Divisões na Igreja
PRELEÇÃO_JOVENS_Lição 3 - Divisões na Igreja
 
Preleção_2021 2 tri_lbj_licao_2_Ação de Graças pela Igreja de Corinto
Preleção_2021 2 tri_lbj_licao_2_Ação de Graças pela Igreja de CorintoPreleção_2021 2 tri_lbj_licao_2_Ação de Graças pela Igreja de Corinto
Preleção_2021 2 tri_lbj_licao_2_Ação de Graças pela Igreja de Corinto
 
Projeção_2021 2 tri_lbj_licao_2_Ação de Graças pela Igreja de Corinto
Projeção_2021 2 tri_lbj_licao_2_Ação de Graças pela Igreja de CorintoProjeção_2021 2 tri_lbj_licao_2_Ação de Graças pela Igreja de Corinto
Projeção_2021 2 tri_lbj_licao_2_Ação de Graças pela Igreja de Corinto
 
2021 2 tri_lbj_licao_1_prelecao
2021 2 tri_lbj_licao_1_prelecao2021 2 tri_lbj_licao_1_prelecao
2021 2 tri_lbj_licao_1_prelecao
 

Último

quadro de rotina semanal da coord.docx.pdf
quadro de rotina semanal da coord.docx.pdfquadro de rotina semanal da coord.docx.pdf
quadro de rotina semanal da coord.docx.pdf
marcos oliveira
 
Trabalho Colaborativo na educação especial.pdf
Trabalho Colaborativo na educação especial.pdfTrabalho Colaborativo na educação especial.pdf
Trabalho Colaborativo na educação especial.pdf
marcos oliveira
 
Caça-palavras e cruzadinha - Encontros consonantais.
Caça-palavras e cruzadinha -  Encontros consonantais.Caça-palavras e cruzadinha -  Encontros consonantais.
Caça-palavras e cruzadinha - Encontros consonantais.
Mary Alvarenga
 
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdfCaderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
shirleisousa9166
 
Temática – Projeto para Empreendedores Locais
Temática – Projeto para Empreendedores LocaisTemática – Projeto para Empreendedores Locais
Temática – Projeto para Empreendedores Locais
Colaborar Educacional
 
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsxNoite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Luzia Gabriele
 
Guerra e Paz Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Guerra e Paz Maria Inês Aroeira Braga.ppsxGuerra e Paz Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Guerra e Paz Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Luzia Gabriele
 
Relatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdf
Falcão Brasil
 
Relatório de Atividades 2020 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2020 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2020 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2020 CENSIPAM.pdf
Falcão Brasil
 
O processo da farinhada no Assentamento lagoa de Dentro, Zona Rural de Várzea...
O processo da farinhada no Assentamento lagoa de Dentro, Zona Rural de Várzea...O processo da farinhada no Assentamento lagoa de Dentro, Zona Rural de Várzea...
O processo da farinhada no Assentamento lagoa de Dentro, Zona Rural de Várzea...
AntHropológicas Visual PPGA-UFPE
 
APA fonoaudiologia Pratica Trabalho Prontos.pptx
APA fonoaudiologia Pratica Trabalho Prontos.pptxAPA fonoaudiologia Pratica Trabalho Prontos.pptx
APA fonoaudiologia Pratica Trabalho Prontos.pptx
orquestrasinfonicaam
 
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdfoficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
marcos oliveira
 
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsxOceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Luzia Gabriele
 
Caça-palavras - multiplicação
Caça-palavras  -  multiplicaçãoCaça-palavras  -  multiplicação
Caça-palavras - multiplicação
Mary Alvarenga
 
Alfabetização de adultos.pdf
Alfabetização de             adultos.pdfAlfabetização de             adultos.pdf
Alfabetização de adultos.pdf
arodatos81
 
Slide para aplicação da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
Slide para aplicação  da AVAL. FLUÊNCIA.pptxSlide para aplicação  da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
Slide para aplicação da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
LeilaVilasboas
 
Mini livro sanfona - Minha Escola Tem História.
Mini livro  sanfona - Minha Escola Tem História. Mini livro  sanfona - Minha Escola Tem História.
Mini livro sanfona - Minha Escola Tem História.
Mary Alvarenga
 
Desafio matemático - multiplicação e divisão.
Desafio matemático -  multiplicação e divisão.Desafio matemático -  multiplicação e divisão.
Desafio matemático - multiplicação e divisão.
Mary Alvarenga
 
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdfA Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
Falcão Brasil
 

Último (20)

quadro de rotina semanal da coord.docx.pdf
quadro de rotina semanal da coord.docx.pdfquadro de rotina semanal da coord.docx.pdf
quadro de rotina semanal da coord.docx.pdf
 
Trabalho Colaborativo na educação especial.pdf
Trabalho Colaborativo na educação especial.pdfTrabalho Colaborativo na educação especial.pdf
Trabalho Colaborativo na educação especial.pdf
 
Caça-palavras e cruzadinha - Encontros consonantais.
Caça-palavras e cruzadinha -  Encontros consonantais.Caça-palavras e cruzadinha -  Encontros consonantais.
Caça-palavras e cruzadinha - Encontros consonantais.
 
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdfCaderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
 
Temática – Projeto para Empreendedores Locais
Temática – Projeto para Empreendedores LocaisTemática – Projeto para Empreendedores Locais
Temática – Projeto para Empreendedores Locais
 
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsxNoite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
 
FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO .
FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO                .FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO                .
FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO .
 
Guerra e Paz Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Guerra e Paz Maria Inês Aroeira Braga.ppsxGuerra e Paz Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Guerra e Paz Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
 
Relatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdf
 
Relatório de Atividades 2020 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2020 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2020 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2020 CENSIPAM.pdf
 
O processo da farinhada no Assentamento lagoa de Dentro, Zona Rural de Várzea...
O processo da farinhada no Assentamento lagoa de Dentro, Zona Rural de Várzea...O processo da farinhada no Assentamento lagoa de Dentro, Zona Rural de Várzea...
O processo da farinhada no Assentamento lagoa de Dentro, Zona Rural de Várzea...
 
APA fonoaudiologia Pratica Trabalho Prontos.pptx
APA fonoaudiologia Pratica Trabalho Prontos.pptxAPA fonoaudiologia Pratica Trabalho Prontos.pptx
APA fonoaudiologia Pratica Trabalho Prontos.pptx
 
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdfoficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
 
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsxOceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
 
Caça-palavras - multiplicação
Caça-palavras  -  multiplicaçãoCaça-palavras  -  multiplicação
Caça-palavras - multiplicação
 
Alfabetização de adultos.pdf
Alfabetização de             adultos.pdfAlfabetização de             adultos.pdf
Alfabetização de adultos.pdf
 
Slide para aplicação da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
Slide para aplicação  da AVAL. FLUÊNCIA.pptxSlide para aplicação  da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
Slide para aplicação da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
 
Mini livro sanfona - Minha Escola Tem História.
Mini livro  sanfona - Minha Escola Tem História. Mini livro  sanfona - Minha Escola Tem História.
Mini livro sanfona - Minha Escola Tem História.
 
Desafio matemático - multiplicação e divisão.
Desafio matemático -  multiplicação e divisão.Desafio matemático -  multiplicação e divisão.
Desafio matemático - multiplicação e divisão.
 
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdfA Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
 

LBA Lição 11 - A tolerância cristã

  • 3. COMPRE NAS LIVRARIAS CPAD OU PARCEIRAS MAIS PRÓXIMA DE VOCÊ OU POR INTERNET ESTE LIVRO PARA SUBSIDIAR SUAS LIÇÕES DESTE TRIMESTRE: “JUSTIÇA E GRAÇA: um estudo da doutrina da salvação na Carta aos ROMANOS”.
  • 4. Pare! Antes de iniciar a lição, favor se inscrever no meu blog “www.natalinodasneves.blogspot.com.br” e nos canais do Youtube e Slideshare, que podem ser acessados pelo próprio blog. Ao acessar o blog aproveite para assistir o vídeo com comentários referente a este arquivo de slides.
  • 5. TEXTO ÁUREO "Porque o Reino de Deus não é comida nem bebida, mas justiça, e paz, e alegria no Espírito Santo." (Rm 14.17)
  • 6. VERDADE PRÁTICA Os crentes mais maduros não devem agir egoisticamente, mas precisam atuar como modelo para os mais fracos.
  • 8. Após esta aula, o aluno deverá estar apto a: 1. Saber que a igreja em Roma era uma igreja heterogênea; 2. Explicar que a igreja em Roma era tolerante com os mais fracos; 3. Compreender que assim como a igreja em Roma, a igreja atual precisa ser acolhedora; 4. APLICAR o conteúdo aprendido à sua vida pessoal.
  • 10. Romanos 14.1-6 1 - Ora, quanto ao que está enfermo na fé, recebei-o, não em contendas sobre dúvidas. 2 - Porque um crê que de tudo se pode comer, e outro, que é fraco, come legumes. 3 - O que come não despreze o que não come; e o que não come não julgue o que come; porque Deus o recebeu por seu. 4 - Quem és tu que julgas o servo alheio? Para seu próprio senhor ele está em pé ou cai; mas estará firme, porque poderoso é Deus para o firmar. 5 - Um faz diferença entre dia e dia, mas outro julga iguais todos os dias. Cada um esteja inteiramente seguro em seu próprio ânimo. 6 - Aquele que faz caso do dia, para o Senhor o faz. O que come para o Senhor come, porque dá graças a Deus; e o que não come para o Senhor não come e dá graças a Deus.
  • 12. INTRODUÇÃO • O apóstolo Paulo foi informado de que havia alguns conflitos na igreja de Roma. • Provavelmente, judeus cristãos que se escandalizavam com determinadas atitudes de outros membros gentios da comunidade. • Cristãos que se acham superiores aos demais pela seu legalismo e ritualismo (religiosidade aparente) • Paulo busca um ponto de equilíbrio a fim de que a obra de Cristo não sofresse nenhum dano.
  • 13. PONTO CENTRAL O crente precisa tolerar e amar os mais fracos na fé.
  • 14. I - UMA IGREJA HETEROGÊNEA (Rm 14.1-12)
  • 15. 1. A natureza da Igreja • Paulo apela para a natureza da Igreja a fim de corrigir o problema que nela surgiu. • A Igreja é una, isto é, embora formada por pessoas de grupos diferentes, ela forma o corpo de Cristo. • A natureza heterogênea da Igreja. • Os problemas de natureza local não poderiam sobrepor-se à universalidade da Igreja. • A liberdade deveria ser respeitada, isto é, regulada pela lei do amor.
  • 16. 2.Os fracos na fé • Quem seriam os fracos na fé? – Principalmente cristãos judeus que se abstinham de certos tipos de alimentos, e observavam determinados dias em “lealdade” à Lei de Moisés (Rm 14.6,14). – Além de observar determinados rituais relacionados ao culto, eles queriam que os gentios fizessem o mesmo. • Problemas semelhantes aos da igreja de Corinto (1 Co 8.1-13), Gálacia e Colossos. • Cristãos imaturos que não conseguiram separa o que era secundário do principal, que é Cristo. • Convertidos ao cristianismo, mas não haviam conseguido se libertar do legalismo.
  • 17. 3. Os fortes na fé • Os fortes eram formados tanto por judeus como por gentios que haviam alcançado um entendimento correto das implicações da Nova Aliança. • Esse fato é confirmado pela afirmação do apóstolo Paulo que se enfileira com os fortes na fé (Rm 15.1). • Portanto, os fortes sabiam que não estavam mais debaixo da Lei, mas da graça. • Os fortes deveriam suportar os fracos.
  • 18. SÍNTESE DO TÓPICO A Igreja é una, porém é formada por pessoas diferentes.
  • 19. SUBSÍDIO Forte e fraco (14.2). Para surpresa de muitos, é o fraco na fé (aetheneia: fraco, incapacitado) que tem problemas com a liberdade de outros, que desfrutam de uma fé mais forte! O forte na fé leva em conta que a espiritualidade não é uma questão de fazer ou não fazer, mas de amar e servir a Deus enquanto usufrui suas boas dádivas. (Guia do Leitor da Bíblia, 2012, p.750)
  • 20. II - UMA IGREJA TOLERANTE (Rm 14.13-23)
  • 21. 1. A lei da liberdade • Tema enfatizado em Rm: liberdade em Cristo. • Rm 7.24 e 25 = incapacidade humana de se autolibertar. • Tema preponderante também em Gl 5.1, em que Paulo escreveu que foi para a liberdade que Cristo nos chamou (Gl 5.1). • A liberdade cristã lhe dava certeza do que era imundo (koinos) e o que não era (Rm 14.14). • A lei da liberdade mostrava aos crentes maduros que eles estavam livres dos rudimentos da Lei de Moisés.
  • 22. 2. A lei do amor • Rm 14.15: "Mas, se por causa da comida se contrista teu irmão, já não andas conforme o amor. Não destruas por causa da tua comida aquele por quem Cristo morreu". • A lei do amor = o amor ágape de Deus. • Se algo, mesmo que não condenável, causasse algum escândalo nos crentes imaturos, então essa liberdade deveria ser restringida. • Até que ponto essa recomendação deve ser levada na integra?
  • 23. 3. A lei da espiritualidade • Paulo passa a mostrar então o modelo de espiritualidade que deve conduzir tanto os crentes fortes como os fracos (Rm 14.22,23). • O crente deve possuir convicção bem definida no exercício da sua fé. • Ele deve ter critérios para que não se torne um antinomista ou legalista. • A lei que deve regê-lo é a "lei de Cristo"
  • 24. SÍNTESE DO TÓPICO O crente, alcançado pela graça, precisa ser tolerante com os fracos na fé.
  • 25. III - UMA IGREJA ACOLHEDORA (Rm 15.1-13)
  • 26. 1. O exemplo dos cristãos maduros • Como então deveriam agir os crentes fortes em relação aos fracos? Suportar suas fraquezas e promover sua edificação (Rm 15.1,2). "[...] o Reino de Deus não é comida nem bebida, mas justiça, e paz, e alegria no Espírito Santo" (Rm 14.17). • Os cristãos maduros deveriam servir de modelo para aqueles que ainda não haviam alcançado esse nível de maturidade. • Isso, não quer dizer que o crente forte ficará prisioneiro da consciência do crente fraco.
  • 27. 2. O exemplo de Cristo • O exemplo para essa limitação da liberdade foi dada por Cristo, nosso Senhor (Rm 15.3). • Em Cristo, Deus mostrou tolerância para com os pecadores (Rm 5.8) • Cristo não agradou a si mesmo, mas procurou edificar as demais pessoas. No entanto, com os judeus legalistas ele agiu com firmeza. • Use o bom senso!
  • 28. 3. O exemplo das Escrituras • Paulo apela então às Escrituras como instrumento aferidor da espiritualidade (Rm 15.4). • Paulo chama atenção de todos os critãos, fortes e fracos, exortando que o ensino das Escrituras deve ter um efeito prático na vida cristã. • A Bíblia como norma para a vida do cristão e fonte de alimento e esperança
  • 29. SÍNTESE DO TÓPICO A igreja precisa ser um lugar de acolhimento e não um tribunal.
  • 31. Nesta lição nos aprendemos que: 1) O apóstolo Paulo procurou pacificar a tensão entre os crentes forte e fracos na igreja de Roma. 2) Esse conflito estava gerando um ponto de tensão que poderia, a curto prazo, pôr em risco a obra de Cristo ali. 3) Cristo é um exemplo de como se deve tratar as pessoas.
  • 33. CABRAL, Elienai. Romanos: O Evangelho da Justiça de Deus. 8ª Ed. Rio de Janeiro: CPAD, 2005 GONÇALVES, José. Maravilhosa Graça: O EVANGELHO DE Jesus Cristo revelado na Carta aos Romanos. Rio de Janeiro: CPAD, 2016. LIÇÕES BÍBLICAS ADULTO. Maravilhosa Graça: O EVANGELHO DE Jesus Cristo revelado na Carta aos Romanos. 2 TRI 2016. Rio de Janeiro: CPAD, 2016. LIÇÕES BÍBLICAS JOVENS. Justiça e Graça: um estudo da doutrina da salvação na Carta aos Romanos. 1 TRI 2016. Rio de Janeiro: CPAD, 2015. NEVES, Natalino das. Justiça e Graça: um estudo da doutrina da salvação na Carta aos Romanos. Rio de Janeiro: CPAD, 2015. RICHARDS, Lawrence O. Comentário Histórico-Cultural do Novo Testamento. Rio de Janeiro: CPAD, 2014. RICHARDS, Lawrence O. Guia do leitor da Bíblia: uma análise de Gênesis a Apocalipse capítulo por capítulo. Rio de Janeiro: CPAD, 2012.
  • 34. Pr. Natalino das Neves www.natalinodasneves.blogspot.com.br Contatos: natalino6612@gmail.com (41) 8409 8094