SlideShare uma empresa Scribd logo
Seu temor de
falar em público
diminuirá com uma
boa introdução!
D i c a s d o a l u n o e t e r n o
8 s u g e s t õ e s p a r a u m a b o a i n t r o d u ç ã o
Não se apresente
O presidente da seção é quem o fará
Ele é quem abre o evento, dá boas-vindas e apresenta o orador a
seguir.
Caso sinta que alguma informação importante sobre sua carreira
não tenha sido mencionada, encaixe essa informação com tato,
durante sua preleção.
Exemplo: “Durante meus quatro anos como professor de segundo
grau, na escola (...) notei algo interessante...
Se não houver presidente, e você estive só, um breve resumo de seu
currículo deve servir aos ouvintes. Cite apenas funções, cargos e
experiências que toquem o assunto a ser comentado nessa ocasião, para
evitar impressão de se vangloriar.
Ensaie sua primeira frase
Não precisa decorar, mas deve ensaiar
É normal sentir-se nervoso, então esteja bem seguro do que dirá
em sua abertura.
Isto não impede ser coloquial e falar de modo conversante.
Evite frase longa - tanto no início como no corpo da apresentação.
Principalmente: não arrisque, nem deixe para última hora.
Ao ensaiar você também acertará o tom, o modo, de iniciar sua
fala.
‘Piadinha inicial’ não é obrigação
Pode ser útil – mas não é obrigatório
É apropriado
Manter bom humor, na maioria das vezes
Citar algo engraçado envolvendo a si mesmo
Brincar com sua insegurança diante da plateia
É impróprio
Brincar com alguém na plateia, tornando-a alvo de risos
Tentar arrancar gargalhadas no início
Anedotas zombando de raças, cor, fé ou obesidade.
Não se desculpe
Seus ouvintes não querem detalhes do que deu errado
Evite algo como:
“Tentei conseguir mais imagens, porém não tive tempo...”
“Desculpem essa cor – sei que não ficou boa”.
“Eu saí cedo, mas vou contar o que me atrasou...”
“Sei que a imagem está explodida...”
Lembre-se:
A plateia aguarda para compreender suas ideias, seus argumentos
e suas informações. Não esperam um show-man.
Erga a cabeça, sem empáfia. Fale perto do microfone. Não leia sua
primeira frase: fale olhando a assistência.
Declare seu objetivo sem rodeios
Isso ajuda a captar atenção
Chocar a assistência pode criar impacto favorável
Naturalmente tais introduções devem ser bem preparadas.
Exemplo:
“A escola tradicional morreu – e esquecemos de enterrá-
la!”
“Nossa matriz energética está atrasada. 120 anos, para
sermos exatos!”
Naturalmente, seus argumentos deverão comprovar a validade de sua
afirmação inicial.
Reconheça o contraditório
Não tente parecer o dono da verdade
Exemplo:
“Muitos enxergam com suspeita o ensino à distância: hoje
analisaremos cinco pontos normalmente desconsiderados
por tais educadores tradicionais.
“O petróleo é uma importante fonte de energia – mas a que
custo?”
Não desqualifique seus adversários como:
“Apenas alguém obtuso discorda do que estamos dizendo.”
“Toda pessoa inteligente concorda que...”
Surpreenda!
Use, dentro do bom senso, alguma provocação inteligente
Iniciar pela conclusão – pode ser interessante.
Citar alguma frase forte, citando o autor apenas no final. Isto cria
um suspense: os ouvintes entenderão, no primeiro momento, ser
você o autor.
“Professores são, hoje, completamente desnecessários!” –
Assim pensa Fulano de Tal em seu livro...
“Todos os advogados deveriam ser executados!” – Disse
Shakespeare, na abertura de uma de suas peças.
Direto ao ponto!
Há um problema – e todos devem entender isso logo!
Uma introdução excessivamente genérica diminui a força do seu
recado.
Reduza o número de perguntas.
Evite perguntas muito longas.
Evite algo como:
“Se considerarmos o pensamento de Paulo Freire e a prática
educativa de Darcy Ribeiro, aliando a isso novas técnicas
pedagógicas, qual será a estrutura da nova escola brasileira?”
Prefira:
“O atraso na educação: como vencê-lo?”
C a r l o s E l s o n C u n h a
PA R A
C O N T R ATA R E S TA PA L E S T R A
( 11 ) 9 – 6 6 4 8 – 1 4 8 1
a l u n o e t e r n o . b l o g s p o t . c o m
c r i a r e f a z e r @ h o t m a i l . c o m

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Dicas para apresentação
Dicas para apresentaçãoDicas para apresentação
Dicas para apresentaçãoMelissa Costa
 
Tecnicas para-falar-em-publico 2
Tecnicas para-falar-em-publico 2Tecnicas para-falar-em-publico 2
Tecnicas para-falar-em-publico 2Luciano Cavalcante
 
Apresentações em público
Apresentações em públicoApresentações em público
Apresentações em públicogoncalopes
 
Comunicação escrita
Comunicação escrita Comunicação escrita
Comunicação escrita Sumã Pedrosa
 
O que não usar na redação publicitária
O que não usar na redação publicitáriaO que não usar na redação publicitária
O que não usar na redação publicitáriaSamira Avelar
 
Como fazer um artigo de opinião
Como fazer um artigo de opiniãoComo fazer um artigo de opinião
Como fazer um artigo de opiniãoStephane Rodrigues
 
Preciso Apresentar, e Agora?
Preciso Apresentar, e Agora?Preciso Apresentar, e Agora?
Preciso Apresentar, e Agora?Alexandro Adário
 
Mandamentos para se fazer um texto discursivo perfeito
Mandamentos para se fazer um texto discursivo perfeitoMandamentos para se fazer um texto discursivo perfeito
Mandamentos para se fazer um texto discursivo perfeitoPlantão da Redação
 
Técnicas de apresentação
Técnicas de apresentaçãoTécnicas de apresentação
Técnicas de apresentaçãoCNA
 
Aula 13 Comuncação Escrita
Aula 13  Comuncação EscritaAula 13  Comuncação Escrita
Aula 13 Comuncação EscritaLuiz Siles
 

Mais procurados (20)

Dicas para apresentação
Dicas para apresentaçãoDicas para apresentação
Dicas para apresentação
 
Tecnicas para-falar-em-publico 2
Tecnicas para-falar-em-publico 2Tecnicas para-falar-em-publico 2
Tecnicas para-falar-em-publico 2
 
Apresentações em público
Apresentações em públicoApresentações em público
Apresentações em público
 
Comunicação escrita
Comunicação escrita Comunicação escrita
Comunicação escrita
 
O que não usar na redação publicitária
O que não usar na redação publicitáriaO que não usar na redação publicitária
O que não usar na redação publicitária
 
Como fazer um artigo de opinião
Como fazer um artigo de opiniãoComo fazer um artigo de opinião
Como fazer um artigo de opinião
 
Título e Slogan - Gabriel Cunha
Título e Slogan - Gabriel CunhaTítulo e Slogan - Gabriel Cunha
Título e Slogan - Gabriel Cunha
 
A arte de falar em público
A arte de falar em públicoA arte de falar em público
A arte de falar em público
 
Preciso Apresentar, e Agora?
Preciso Apresentar, e Agora?Preciso Apresentar, e Agora?
Preciso Apresentar, e Agora?
 
Arte de falar em público
Arte de falar em públicoArte de falar em público
Arte de falar em público
 
Mandamentos para se fazer um texto discursivo perfeito
Mandamentos para se fazer um texto discursivo perfeitoMandamentos para se fazer um texto discursivo perfeito
Mandamentos para se fazer um texto discursivo perfeito
 
Técnicas de apresentação
Técnicas de apresentaçãoTécnicas de apresentação
Técnicas de apresentação
 
Tecnicas entrevista
Tecnicas entrevistaTecnicas entrevista
Tecnicas entrevista
 
Redação.DOCX
Redação.DOCXRedação.DOCX
Redação.DOCX
 
Redação.PDF
Redação.PDFRedação.PDF
Redação.PDF
 
Aula 13 Comuncação Escrita
Aula 13  Comuncação EscritaAula 13  Comuncação Escrita
Aula 13 Comuncação Escrita
 
Curso de Oratória
Curso de OratóriaCurso de Oratória
Curso de Oratória
 
Como produzir um artigo jornalístico
Como produzir um artigo jornalísticoComo produzir um artigo jornalístico
Como produzir um artigo jornalístico
 
Curso a arte de falar em público!
Curso a arte de falar em público!Curso a arte de falar em público!
Curso a arte de falar em público!
 
Expressão oral e escrita
Expressão oral e escritaExpressão oral e escrita
Expressão oral e escrita
 

Destaque (15)

D. pedro i biografia
D. pedro i   biografiaD. pedro i   biografia
D. pedro i biografia
 
D.Pedro IV
D.Pedro IVD.Pedro IV
D.Pedro IV
 
O temor de falar em público
O temor de falar em públicoO temor de falar em público
O temor de falar em público
 
Napoleão
NapoleãoNapoleão
Napoleão
 
Biografia d. pedro
Biografia d. pedroBiografia d. pedro
Biografia d. pedro
 
Shopping das artes
Shopping das artesShopping das artes
Shopping das artes
 
Cdhu principais programas e tipologias
Cdhu principais programas e tipologiasCdhu principais programas e tipologias
Cdhu principais programas e tipologias
 
Xadrez é fácil com o aluno eterno
Xadrez é fácil   com o aluno eternoXadrez é fácil   com o aluno eterno
Xadrez é fácil com o aluno eterno
 
Analise de fachadas
Analise de fachadasAnalise de fachadas
Analise de fachadas
 
Mec solo ms
Mec solo msMec solo ms
Mec solo ms
 
Napoleão Bonaparte
Napoleão BonaparteNapoleão Bonaparte
Napoleão Bonaparte
 
Calculo reservatorios
Calculo reservatoriosCalculo reservatorios
Calculo reservatorios
 
Napoleão Bonaparte
Napoleão BonaparteNapoleão Bonaparte
Napoleão Bonaparte
 
CAMILLO BOITO ESSENCIAL
CAMILLO BOITO ESSENCIALCAMILLO BOITO ESSENCIAL
CAMILLO BOITO ESSENCIAL
 
Alexandria sem muros monografia 2016
Alexandria sem muros   monografia 2016Alexandria sem muros   monografia 2016
Alexandria sem muros monografia 2016
 

Semelhante a Introduções para falar em público

Semelhante a Introduções para falar em público (20)

Dicas para apresentar seminarios
Dicas para apresentar seminariosDicas para apresentar seminarios
Dicas para apresentar seminarios
 
Boa aula
Boa aulaBoa aula
Boa aula
 
Comunicacao em-publico
Comunicacao em-publicoComunicacao em-publico
Comunicacao em-publico
 
7 dicas para dar aulas melhores
7 dicas para dar aulas melhores7 dicas para dar aulas melhores
7 dicas para dar aulas melhores
 
Material das TIC-IV Módulo
Material das TIC-IV MóduloMaterial das TIC-IV Módulo
Material das TIC-IV Módulo
 
Palestra técnicas de apresentação
Palestra técnicas de apresentaçãoPalestra técnicas de apresentação
Palestra técnicas de apresentação
 
7 tecnicas para ensinar
7 tecnicas para ensinar7 tecnicas para ensinar
7 tecnicas para ensinar
 
Dicas Apresentar TCC
Dicas Apresentar TCCDicas Apresentar TCC
Dicas Apresentar TCC
 
Sugestões para sua apresentação de seminário
Sugestões para sua apresentação de seminárioSugestões para sua apresentação de seminário
Sugestões para sua apresentação de seminário
 
Texto
TextoTexto
Texto
 
Apresentação Oral de Trabalhos Científicos - Profa. Rilva Muñoz
Apresentação Oral de Trabalhos Científicos - Profa. Rilva MuñozApresentação Oral de Trabalhos Científicos - Profa. Rilva Muñoz
Apresentação Oral de Trabalhos Científicos - Profa. Rilva Muñoz
 
Workshop para a Criação de Apresentações
Workshop para a Criação de Apresentações Workshop para a Criação de Apresentações
Workshop para a Criação de Apresentações
 
Digital 1 Dicas de Apresentação
Digital 1  Dicas de ApresentaçãoDigital 1  Dicas de Apresentação
Digital 1 Dicas de Apresentação
 
A fala de_improviso
A fala de_improvisoA fala de_improviso
A fala de_improviso
 
Powerpoint
PowerpointPowerpoint
Powerpoint
 
Aula autoconhecimento .pptx
Aula autoconhecimento .pptxAula autoconhecimento .pptx
Aula autoconhecimento .pptx
 
Curso de Oratória-SENAC
Curso de Oratória-SENACCurso de Oratória-SENAC
Curso de Oratória-SENAC
 
LEITURA
LEITURALEITURA
LEITURA
 
Texto Publicitário
Texto PublicitárioTexto Publicitário
Texto Publicitário
 
Como fazer apresentações.pdf
Como fazer apresentações.pdfComo fazer apresentações.pdf
Como fazer apresentações.pdf
 

Mais de Carlos Elson Cunha

Wittgenstein, ludwig. tractatus logico philosophicus (1968)
Wittgenstein, ludwig. tractatus logico philosophicus (1968)Wittgenstein, ludwig. tractatus logico philosophicus (1968)
Wittgenstein, ludwig. tractatus logico philosophicus (1968)Carlos Elson Cunha
 
Westlund, olle. s(t)imulating a social psychology mead and the reality of t...
Westlund, olle. s(t)imulating a social psychology   mead and the reality of t...Westlund, olle. s(t)imulating a social psychology   mead and the reality of t...
Westlund, olle. s(t)imulating a social psychology mead and the reality of t...Carlos Elson Cunha
 
Canvas do Carlão - Exemplo do modelo Canvas
Canvas do Carlão - Exemplo do modelo Canvas Canvas do Carlão - Exemplo do modelo Canvas
Canvas do Carlão - Exemplo do modelo Canvas Carlos Elson Cunha
 
Guindaste de palitos de picolé
Guindaste de palitos de picoléGuindaste de palitos de picolé
Guindaste de palitos de picoléCarlos Elson Cunha
 
Todas as árvores do largo da concórdia
Todas as árvores do largo da concórdiaTodas as árvores do largo da concórdia
Todas as árvores do largo da concórdiaCarlos Elson Cunha
 
Levantamento fotográfico v oprr bras
Levantamento fotográfico v oprr brasLevantamento fotográfico v oprr bras
Levantamento fotográfico v oprr brasCarlos Elson Cunha
 
Lançamento de livros enanparq
Lançamento de livros enanparqLançamento de livros enanparq
Lançamento de livros enanparqCarlos Elson Cunha
 
Largo da Concórida - Visão seriada
Largo da Concórida - Visão seriadaLargo da Concórida - Visão seriada
Largo da Concórida - Visão seriadaCarlos Elson Cunha
 
Espaços livres urbanos paisagismo iii fau-mack
Espaços livres urbanos   paisagismo iii fau-mackEspaços livres urbanos   paisagismo iii fau-mack
Espaços livres urbanos paisagismo iii fau-mackCarlos Elson Cunha
 
Desenho ambiental tiquatira - 2014
Desenho ambiental   tiquatira - 2014Desenho ambiental   tiquatira - 2014
Desenho ambiental tiquatira - 2014Carlos Elson Cunha
 
Catavento - Palácio das Indústrias
Catavento - Palácio das IndústriasCatavento - Palácio das Indústrias
Catavento - Palácio das IndústriasCarlos Elson Cunha
 
Da estação cptm brás ao largo da concórdia
Da estação cptm brás ao largo da concórdiaDa estação cptm brás ao largo da concórdia
Da estação cptm brás ao largo da concórdiaCarlos Elson Cunha
 

Mais de Carlos Elson Cunha (20)

Wittgenstein, ludwig. tractatus logico philosophicus (1968)
Wittgenstein, ludwig. tractatus logico philosophicus (1968)Wittgenstein, ludwig. tractatus logico philosophicus (1968)
Wittgenstein, ludwig. tractatus logico philosophicus (1968)
 
Westlund, olle. s(t)imulating a social psychology mead and the reality of t...
Westlund, olle. s(t)imulating a social psychology   mead and the reality of t...Westlund, olle. s(t)imulating a social psychology   mead and the reality of t...
Westlund, olle. s(t)imulating a social psychology mead and the reality of t...
 
Canvas do Carlão - Exemplo do modelo Canvas
Canvas do Carlão - Exemplo do modelo Canvas Canvas do Carlão - Exemplo do modelo Canvas
Canvas do Carlão - Exemplo do modelo Canvas
 
B n
B nB n
B n
 
Guindaste de palitos de picolé
Guindaste de palitos de picoléGuindaste de palitos de picolé
Guindaste de palitos de picolé
 
Atribuições arquiteto
Atribuições arquitetoAtribuições arquiteto
Atribuições arquiteto
 
Todas as árvores do largo da concórdia
Todas as árvores do largo da concórdiaTodas as árvores do largo da concórdia
Todas as árvores do largo da concórdia
 
R caetano pinto
R caetano pintoR caetano pinto
R caetano pinto
 
Levantamento fotográfico v oprr bras
Levantamento fotográfico v oprr brasLevantamento fotográfico v oprr bras
Levantamento fotográfico v oprr bras
 
Lançamento de livros enanparq
Lançamento de livros enanparqLançamento de livros enanparq
Lançamento de livros enanparq
 
Drenagem urbana.2007
Drenagem urbana.2007Drenagem urbana.2007
Drenagem urbana.2007
 
Domótica em bibliotecas
Domótica em bibliotecasDomótica em bibliotecas
Domótica em bibliotecas
 
Largo da Concórida - Visão seriada
Largo da Concórida - Visão seriadaLargo da Concórida - Visão seriada
Largo da Concórida - Visão seriada
 
Espaços livres urbanos paisagismo iii fau-mack
Espaços livres urbanos   paisagismo iii fau-mackEspaços livres urbanos   paisagismo iii fau-mack
Espaços livres urbanos paisagismo iii fau-mack
 
Desenho ambiental tiquatira - 2014
Desenho ambiental   tiquatira - 2014Desenho ambiental   tiquatira - 2014
Desenho ambiental tiquatira - 2014
 
Catavento - Palácio das Indústrias
Catavento - Palácio das IndústriasCatavento - Palácio das Indústrias
Catavento - Palácio das Indústrias
 
Domingo no tiquatira
Domingo no tiquatiraDomingo no tiquatira
Domingo no tiquatira
 
viaduto rangel pestana
viaduto rangel pestanaviaduto rangel pestana
viaduto rangel pestana
 
Caminho do gasômetro
Caminho do gasômetroCaminho do gasômetro
Caminho do gasômetro
 
Da estação cptm brás ao largo da concórdia
Da estação cptm brás ao largo da concórdiaDa estação cptm brás ao largo da concórdia
Da estação cptm brás ao largo da concórdia
 

Último

Hans Kelsen - Teoria Pura do Direito - Obra completa.pdf
Hans Kelsen - Teoria Pura do Direito - Obra completa.pdfHans Kelsen - Teoria Pura do Direito - Obra completa.pdf
Hans Kelsen - Teoria Pura do Direito - Obra completa.pdfLeandroTelesRocha2
 
hereditariedade é variabilidade genetic
hereditariedade é variabilidade  genetichereditariedade é variabilidade  genetic
hereditariedade é variabilidade geneticMrMartnoficial
 
Campanha 18 de. Maio laranja dds.pptx
Campanha 18 de.    Maio laranja dds.pptxCampanha 18 de.    Maio laranja dds.pptx
Campanha 18 de. Maio laranja dds.pptxlucioalmeida2702
 
INTRODUÇÃO A ARQUEOLOGIA BÍBLICA [BIBLIOLOGIA]]
INTRODUÇÃO A ARQUEOLOGIA BÍBLICA [BIBLIOLOGIA]]INTRODUÇÃO A ARQUEOLOGIA BÍBLICA [BIBLIOLOGIA]]
INTRODUÇÃO A ARQUEOLOGIA BÍBLICA [BIBLIOLOGIA]]ESCRIBA DE CRISTO
 
Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024
Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024
Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024Rosana Andrea Miranda
 
Memórias_póstumas_de_Brás_Cubas_ Machado_de_Assis
Memórias_póstumas_de_Brás_Cubas_ Machado_de_AssisMemórias_póstumas_de_Brás_Cubas_ Machado_de_Assis
Memórias_póstumas_de_Brás_Cubas_ Machado_de_Assisbrunocali007
 
Junho Violeta - Sugestão de Ações na Igreja
Junho Violeta - Sugestão de Ações na IgrejaJunho Violeta - Sugestão de Ações na Igreja
Junho Violeta - Sugestão de Ações na IgrejaComando Resgatai
 
GRAMÁTICA NORMATIVA DA LÍNGUA PORTUGUESA UM GUIA COMPLETO DO IDIOMA.pdf
GRAMÁTICA NORMATIVA DA LÍNGUA PORTUGUESA UM GUIA COMPLETO DO IDIOMA.pdfGRAMÁTICA NORMATIVA DA LÍNGUA PORTUGUESA UM GUIA COMPLETO DO IDIOMA.pdf
GRAMÁTICA NORMATIVA DA LÍNGUA PORTUGUESA UM GUIA COMPLETO DO IDIOMA.pdfrarakey779
 
Apresentação Formação em Prevenção ao Assédio
Apresentação Formação em Prevenção ao AssédioApresentação Formação em Prevenção ao Assédio
Apresentação Formação em Prevenção ao Assédioifbauab
 
Atividades-Sobre-o-Conto-Venha-Ver-o-Por-Do-Sol.docx
Atividades-Sobre-o-Conto-Venha-Ver-o-Por-Do-Sol.docxAtividades-Sobre-o-Conto-Venha-Ver-o-Por-Do-Sol.docx
Atividades-Sobre-o-Conto-Venha-Ver-o-Por-Do-Sol.docxSolangeWaltre
 
Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...
Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...
Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...LuizHenriquedeAlmeid6
 
Hans Kelsen - Teoria Pura do Direito - Obra completa.pdf
Hans Kelsen - Teoria Pura do Direito - Obra completa.pdfHans Kelsen - Teoria Pura do Direito - Obra completa.pdf
Hans Kelsen - Teoria Pura do Direito - Obra completa.pdfrarakey779
 
bem estar animal em proteção integrada componente animal
bem estar animal em proteção integrada componente animalbem estar animal em proteção integrada componente animal
bem estar animal em proteção integrada componente animalcarlamgalves5
 
22-modernismo-5-prosa-de-45.pptxrpnsaaaa
22-modernismo-5-prosa-de-45.pptxrpnsaaaa22-modernismo-5-prosa-de-45.pptxrpnsaaaa
22-modernismo-5-prosa-de-45.pptxrpnsaaaaCarolineFrancielle
 
Fotossíntese para o Ensino médio primeiros anos
Fotossíntese para o Ensino médio primeiros anosFotossíntese para o Ensino médio primeiros anos
Fotossíntese para o Ensino médio primeiros anosbiancaborges0906
 
São Filipe Neri, fundador da a Congregação do Oratório 1515-1595.pptx
São Filipe Neri, fundador da a Congregação do Oratório 1515-1595.pptxSão Filipe Neri, fundador da a Congregação do Oratório 1515-1595.pptx
São Filipe Neri, fundador da a Congregação do Oratório 1515-1595.pptxMartin M Flynn
 
Multiplicação - Caça-número
Multiplicação - Caça-número Multiplicação - Caça-número
Multiplicação - Caça-número Mary Alvarenga
 
Os Padres de Assaré - CE. Prof. Francisco Leite
Os Padres de Assaré - CE. Prof. Francisco LeiteOs Padres de Assaré - CE. Prof. Francisco Leite
Os Padres de Assaré - CE. Prof. Francisco Leiteprofesfrancleite
 
Exercícios de Clima no brasil e no mundo.pdf
Exercícios de Clima no brasil e no mundo.pdfExercícios de Clima no brasil e no mundo.pdf
Exercícios de Clima no brasil e no mundo.pdfRILTONNOGUEIRADOSSAN
 
O QUINZE.pdf livro lidokkkkkkkkkkkkkkkkkkkk
O QUINZE.pdf livro lidokkkkkkkkkkkkkkkkkkkkO QUINZE.pdf livro lidokkkkkkkkkkkkkkkkkkkk
O QUINZE.pdf livro lidokkkkkkkkkkkkkkkkkkkkLisaneWerlang
 

Último (20)

Hans Kelsen - Teoria Pura do Direito - Obra completa.pdf
Hans Kelsen - Teoria Pura do Direito - Obra completa.pdfHans Kelsen - Teoria Pura do Direito - Obra completa.pdf
Hans Kelsen - Teoria Pura do Direito - Obra completa.pdf
 
hereditariedade é variabilidade genetic
hereditariedade é variabilidade  genetichereditariedade é variabilidade  genetic
hereditariedade é variabilidade genetic
 
Campanha 18 de. Maio laranja dds.pptx
Campanha 18 de.    Maio laranja dds.pptxCampanha 18 de.    Maio laranja dds.pptx
Campanha 18 de. Maio laranja dds.pptx
 
INTRODUÇÃO A ARQUEOLOGIA BÍBLICA [BIBLIOLOGIA]]
INTRODUÇÃO A ARQUEOLOGIA BÍBLICA [BIBLIOLOGIA]]INTRODUÇÃO A ARQUEOLOGIA BÍBLICA [BIBLIOLOGIA]]
INTRODUÇÃO A ARQUEOLOGIA BÍBLICA [BIBLIOLOGIA]]
 
Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024
Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024
Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024
 
Memórias_póstumas_de_Brás_Cubas_ Machado_de_Assis
Memórias_póstumas_de_Brás_Cubas_ Machado_de_AssisMemórias_póstumas_de_Brás_Cubas_ Machado_de_Assis
Memórias_póstumas_de_Brás_Cubas_ Machado_de_Assis
 
Junho Violeta - Sugestão de Ações na Igreja
Junho Violeta - Sugestão de Ações na IgrejaJunho Violeta - Sugestão de Ações na Igreja
Junho Violeta - Sugestão de Ações na Igreja
 
GRAMÁTICA NORMATIVA DA LÍNGUA PORTUGUESA UM GUIA COMPLETO DO IDIOMA.pdf
GRAMÁTICA NORMATIVA DA LÍNGUA PORTUGUESA UM GUIA COMPLETO DO IDIOMA.pdfGRAMÁTICA NORMATIVA DA LÍNGUA PORTUGUESA UM GUIA COMPLETO DO IDIOMA.pdf
GRAMÁTICA NORMATIVA DA LÍNGUA PORTUGUESA UM GUIA COMPLETO DO IDIOMA.pdf
 
Apresentação Formação em Prevenção ao Assédio
Apresentação Formação em Prevenção ao AssédioApresentação Formação em Prevenção ao Assédio
Apresentação Formação em Prevenção ao Assédio
 
Atividades-Sobre-o-Conto-Venha-Ver-o-Por-Do-Sol.docx
Atividades-Sobre-o-Conto-Venha-Ver-o-Por-Do-Sol.docxAtividades-Sobre-o-Conto-Venha-Ver-o-Por-Do-Sol.docx
Atividades-Sobre-o-Conto-Venha-Ver-o-Por-Do-Sol.docx
 
Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...
Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...
Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...
 
Hans Kelsen - Teoria Pura do Direito - Obra completa.pdf
Hans Kelsen - Teoria Pura do Direito - Obra completa.pdfHans Kelsen - Teoria Pura do Direito - Obra completa.pdf
Hans Kelsen - Teoria Pura do Direito - Obra completa.pdf
 
bem estar animal em proteção integrada componente animal
bem estar animal em proteção integrada componente animalbem estar animal em proteção integrada componente animal
bem estar animal em proteção integrada componente animal
 
22-modernismo-5-prosa-de-45.pptxrpnsaaaa
22-modernismo-5-prosa-de-45.pptxrpnsaaaa22-modernismo-5-prosa-de-45.pptxrpnsaaaa
22-modernismo-5-prosa-de-45.pptxrpnsaaaa
 
Fotossíntese para o Ensino médio primeiros anos
Fotossíntese para o Ensino médio primeiros anosFotossíntese para o Ensino médio primeiros anos
Fotossíntese para o Ensino médio primeiros anos
 
São Filipe Neri, fundador da a Congregação do Oratório 1515-1595.pptx
São Filipe Neri, fundador da a Congregação do Oratório 1515-1595.pptxSão Filipe Neri, fundador da a Congregação do Oratório 1515-1595.pptx
São Filipe Neri, fundador da a Congregação do Oratório 1515-1595.pptx
 
Multiplicação - Caça-número
Multiplicação - Caça-número Multiplicação - Caça-número
Multiplicação - Caça-número
 
Os Padres de Assaré - CE. Prof. Francisco Leite
Os Padres de Assaré - CE. Prof. Francisco LeiteOs Padres de Assaré - CE. Prof. Francisco Leite
Os Padres de Assaré - CE. Prof. Francisco Leite
 
Exercícios de Clima no brasil e no mundo.pdf
Exercícios de Clima no brasil e no mundo.pdfExercícios de Clima no brasil e no mundo.pdf
Exercícios de Clima no brasil e no mundo.pdf
 
O QUINZE.pdf livro lidokkkkkkkkkkkkkkkkkkkk
O QUINZE.pdf livro lidokkkkkkkkkkkkkkkkkkkkO QUINZE.pdf livro lidokkkkkkkkkkkkkkkkkkkk
O QUINZE.pdf livro lidokkkkkkkkkkkkkkkkkkkk
 

Introduções para falar em público

  • 1. Seu temor de falar em público diminuirá com uma boa introdução! D i c a s d o a l u n o e t e r n o 8 s u g e s t õ e s p a r a u m a b o a i n t r o d u ç ã o
  • 2. Não se apresente O presidente da seção é quem o fará Ele é quem abre o evento, dá boas-vindas e apresenta o orador a seguir. Caso sinta que alguma informação importante sobre sua carreira não tenha sido mencionada, encaixe essa informação com tato, durante sua preleção. Exemplo: “Durante meus quatro anos como professor de segundo grau, na escola (...) notei algo interessante... Se não houver presidente, e você estive só, um breve resumo de seu currículo deve servir aos ouvintes. Cite apenas funções, cargos e experiências que toquem o assunto a ser comentado nessa ocasião, para evitar impressão de se vangloriar.
  • 3. Ensaie sua primeira frase Não precisa decorar, mas deve ensaiar É normal sentir-se nervoso, então esteja bem seguro do que dirá em sua abertura. Isto não impede ser coloquial e falar de modo conversante. Evite frase longa - tanto no início como no corpo da apresentação. Principalmente: não arrisque, nem deixe para última hora. Ao ensaiar você também acertará o tom, o modo, de iniciar sua fala.
  • 4. ‘Piadinha inicial’ não é obrigação Pode ser útil – mas não é obrigatório É apropriado Manter bom humor, na maioria das vezes Citar algo engraçado envolvendo a si mesmo Brincar com sua insegurança diante da plateia É impróprio Brincar com alguém na plateia, tornando-a alvo de risos Tentar arrancar gargalhadas no início Anedotas zombando de raças, cor, fé ou obesidade.
  • 5. Não se desculpe Seus ouvintes não querem detalhes do que deu errado Evite algo como: “Tentei conseguir mais imagens, porém não tive tempo...” “Desculpem essa cor – sei que não ficou boa”. “Eu saí cedo, mas vou contar o que me atrasou...” “Sei que a imagem está explodida...” Lembre-se: A plateia aguarda para compreender suas ideias, seus argumentos e suas informações. Não esperam um show-man. Erga a cabeça, sem empáfia. Fale perto do microfone. Não leia sua primeira frase: fale olhando a assistência.
  • 6. Declare seu objetivo sem rodeios Isso ajuda a captar atenção Chocar a assistência pode criar impacto favorável Naturalmente tais introduções devem ser bem preparadas. Exemplo: “A escola tradicional morreu – e esquecemos de enterrá- la!” “Nossa matriz energética está atrasada. 120 anos, para sermos exatos!” Naturalmente, seus argumentos deverão comprovar a validade de sua afirmação inicial.
  • 7. Reconheça o contraditório Não tente parecer o dono da verdade Exemplo: “Muitos enxergam com suspeita o ensino à distância: hoje analisaremos cinco pontos normalmente desconsiderados por tais educadores tradicionais. “O petróleo é uma importante fonte de energia – mas a que custo?” Não desqualifique seus adversários como: “Apenas alguém obtuso discorda do que estamos dizendo.” “Toda pessoa inteligente concorda que...”
  • 8. Surpreenda! Use, dentro do bom senso, alguma provocação inteligente Iniciar pela conclusão – pode ser interessante. Citar alguma frase forte, citando o autor apenas no final. Isto cria um suspense: os ouvintes entenderão, no primeiro momento, ser você o autor. “Professores são, hoje, completamente desnecessários!” – Assim pensa Fulano de Tal em seu livro... “Todos os advogados deveriam ser executados!” – Disse Shakespeare, na abertura de uma de suas peças.
  • 9. Direto ao ponto! Há um problema – e todos devem entender isso logo! Uma introdução excessivamente genérica diminui a força do seu recado. Reduza o número de perguntas. Evite perguntas muito longas. Evite algo como: “Se considerarmos o pensamento de Paulo Freire e a prática educativa de Darcy Ribeiro, aliando a isso novas técnicas pedagógicas, qual será a estrutura da nova escola brasileira?” Prefira: “O atraso na educação: como vencê-lo?”
  • 10. C a r l o s E l s o n C u n h a PA R A C O N T R ATA R E S TA PA L E S T R A ( 11 ) 9 – 6 6 4 8 – 1 4 8 1 a l u n o e t e r n o . b l o g s p o t . c o m c r i a r e f a z e r @ h o t m a i l . c o m