SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 13
A distinção validade-verdade
UM ARGUMENTO VÁLIDO É UM

ARGUMENTO CORRECTO.

ESSA CORRECÇÃO NÃO DEPENDE

DE AS SUAS PREMISSAS SEREM DE

FACTO VERDADEIRAS OU FALSAS
A validade de um argumento depende da sua forma lógica
  e não do que nele se afirma ou nega. Não depende do
                        Conteúdo.


   Para sabermos se um argumento é válido basta ver
   que relação se estabelece entre as premissas e a
   conclusão.



        Isso permite que raciocínios cujas proposições
   sejam disparatadas ou muito pouco plausíveis possam
   ser válidos.
A validade é uma propriedade que só os argumentos
podem ter

As proposições dos argumentos não podem ser válidas
ou inválidas. Só podem ser verdadeiras ou falsas.

Os argumentos não podem ser verdadeiros nem
falsos. Só podem ser válidos ou inválidos.
Argumento dedutivamente válido
 Um argumento é válido quando: se as premissas forem todas verdadeiras, a
 conclusão é verdadeira. Isto quer dizer que se admitirmos que as premissas são
 verdadeiras, a conclusão não pode ser falsa.
 As premissas não precisam de ser verdadeiras de facto. A definição diz somente
 isto: se assumirmos a verdade das premissas a conclusão não pode ser falsa.
Um argumento válido é aquele em que as premissas garantem a verdade
da conclusão.
A conclusão é uma consequência lógica das premissas: se as premissas
forem verdadeiras, seria incoerente não aceitar a conclusão
Argumentos válidos - 1




• Quem nasceu em Portugal é europeu.
• O autor deste power point nasceu em Portugal.
• Logo, o autor deste power point é europeu.

Aceite a verdade das premissas e pergunte se a
  conclusão poderia ser outra.
Não? Então o argumento é válido. O autor pode até ser
  dinamarquês mas aceitando as premissas como
  verdadeiras temos de aceitar a conclusão.
Argumentos válidos - 2




• Os italianos são alemães.
• Os alemães são asiáticos.
• Logo, os italianos são asiáticos
Aceite a verdade das premissas e pergunte se a
  conclusão poderia ser outra.
Não? Então o argumento é válido. Apesar de nenhuma
  das proposições ser de facto verdadeira, se
  assumirmos que as premissas são verdadeiras a forma
  como está estruturado implica aceitar a conclusão.
Argumentos válidos - 3




• Os italianos são europeus.
• Os italianos são da Comunidade Europeia.
• Logo, alguns europeus são da Comunidade Europeia.
Aceite a verdade das premissas e pergunte se a
   conclusão poderia ser outra.
Não? Então o argumento é válido. Neste caso se os
   italianos são europeus e são da CE então mesmo sem
   consultar os factos temos de concluir que alguns
   europeus – os italianos –
 são da CE.
Argumentos inválidos 1




• Todos os governantes são pessoas que pagam IRS
• Muitos portugueses pagam IRS.
• Logo, muitos portugueses são governantes.
Aceite a verdade das premissas e pergunte se a
  conclusão poderia ser outra. Pode? Então o argumento
  é inválido.
A conclusão não tem que ser esta porque não pode ser
  esta. Se ser governante implica pagar IRS, pagar IRS
  não implica ser governante.
Argumentos inválidos 2

• Todos os futebolistas são atletas.
• Usain Bolt é atleta.
• Logo, Usain Bolt é futebolista.
Aceite a verdade das premissas e pergunte se a
  conclusão poderia ser outra. Pode? Então o argumento
  é inválido. Mais uma vez a conclusão não tem que ser
  esta porque não pode, dadas as premissas, ser esta.
Que os futebolistas sejam atletas não implica que qualquer atleta
  seja futebolista. Nem precisa de dizer que a conclusão é de facto
  falsa. Isso não interessa para o caso. O que interessa é que as
  premissas não apoiam devidamente a conclusão.
Validade dos argumentos.




Um argumento pode ter as proposições todas falsas e
ser válido.
•EX:
• Um mês tem 365 dias.
• Um ano tem 31 dias
• Logo, um mês é maior do que um ano.
Validade dos argumentos.




Um argumento pode ter as proposições todas
verdadeiras e não ser válido.
•EX:
• Pavarotti era um cantor
• Todos os tenores são cantores
• Logo, Pavarotti era italiano
Validade dos argumentos: Distinção validade - verdade



 Um argumento não deixa de ser válido por ter
 premissas falsas nem tem a sua validade garantida por
 ter premissas verdadeiras.


 A validade de um argumento dedutivo depende unicamente da
 forma lógica do argumento, ou seja, da relação correcta que se dá
 entre as premissas e a conclusão (sejam estas de facto
 verdadeiras ou não).

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Contributo de Descartes
Contributo de DescartesContributo de Descartes
Contributo de DescartesJorge Barbosa
 
Hume_problemas_existência_eu_mundo_Deus
Hume_problemas_existência_eu_mundo_DeusHume_problemas_existência_eu_mundo_Deus
Hume_problemas_existência_eu_mundo_DeusIsabel Moura
 
3_contraexemplos_cvj
3_contraexemplos_cvj3_contraexemplos_cvj
3_contraexemplos_cvjIsabel Moura
 
Relativismo e Subjetivismo Moral
Relativismo e Subjetivismo MoralRelativismo e Subjetivismo Moral
Relativismo e Subjetivismo MoralJorge Lopes
 
Argumentos não dedutivos
Argumentos não dedutivosArgumentos não dedutivos
Argumentos não dedutivosIsabel Moura
 
Conhecimento Científico - Popper
Conhecimento Científico - PopperConhecimento Científico - Popper
Conhecimento Científico - PopperJorge Barbosa
 
A crença na ideia de conexão necessária
A crença na ideia de conexão necessáriaA crença na ideia de conexão necessária
A crença na ideia de conexão necessáriaLuis De Sousa Rodrigues
 
Filosofia 11 - Descrição e Interpretação da Atividade Cognoscitiva
Filosofia 11 - Descrição e Interpretação da Atividade CognoscitivaFilosofia 11 - Descrição e Interpretação da Atividade Cognoscitiva
Filosofia 11 - Descrição e Interpretação da Atividade CognoscitivaRafael Cristino
 
Ética, Direito e Política (Teoria da Justiça de Rawls)
Ética, Direito e Política (Teoria da Justiça de Rawls)Ética, Direito e Política (Teoria da Justiça de Rawls)
Ética, Direito e Política (Teoria da Justiça de Rawls)InesTeixeiraDuarte
 
Determinismo Radical
Determinismo RadicalDeterminismo Radical
Determinismo Radicalpauloricardom
 
Teoria racionalista de Descartes
Teoria racionalista de DescartesTeoria racionalista de Descartes
Teoria racionalista de DescartesElisabete Silva
 
Provas da existência de Deus segundo Descartes
Provas da existência de Deus segundo DescartesProvas da existência de Deus segundo Descartes
Provas da existência de Deus segundo DescartesJoana Filipa Rodrigues
 
falácias informais
falácias informaisfalácias informais
falácias informaisIsabel Moura
 
A falácia da petição de princípio
A falácia da petição de princípioA falácia da petição de princípio
A falácia da petição de princípioLuis De Sousa Rodrigues
 

Mais procurados (20)

Contributo de Descartes
Contributo de DescartesContributo de Descartes
Contributo de Descartes
 
Logica informal
Logica informalLogica informal
Logica informal
 
Hume_problemas_existência_eu_mundo_Deus
Hume_problemas_existência_eu_mundo_DeusHume_problemas_existência_eu_mundo_Deus
Hume_problemas_existência_eu_mundo_Deus
 
3_contraexemplos_cvj
3_contraexemplos_cvj3_contraexemplos_cvj
3_contraexemplos_cvj
 
Relativismo e Subjetivismo Moral
Relativismo e Subjetivismo MoralRelativismo e Subjetivismo Moral
Relativismo e Subjetivismo Moral
 
O empirismo de david hume
O empirismo de david humeO empirismo de david hume
O empirismo de david hume
 
Cepticismo
CepticismoCepticismo
Cepticismo
 
Argumentos não dedutivos
Argumentos não dedutivosArgumentos não dedutivos
Argumentos não dedutivos
 
DESCARTES 11ANO
DESCARTES 11ANODESCARTES 11ANO
DESCARTES 11ANO
 
Conhecimento Científico - Popper
Conhecimento Científico - PopperConhecimento Científico - Popper
Conhecimento Científico - Popper
 
A crença na ideia de conexão necessária
A crença na ideia de conexão necessáriaA crença na ideia de conexão necessária
A crença na ideia de conexão necessária
 
Filosofia 11 - Descrição e Interpretação da Atividade Cognoscitiva
Filosofia 11 - Descrição e Interpretação da Atividade CognoscitivaFilosofia 11 - Descrição e Interpretação da Atividade Cognoscitiva
Filosofia 11 - Descrição e Interpretação da Atividade Cognoscitiva
 
Ética, Direito e Política (Teoria da Justiça de Rawls)
Ética, Direito e Política (Teoria da Justiça de Rawls)Ética, Direito e Política (Teoria da Justiça de Rawls)
Ética, Direito e Política (Teoria da Justiça de Rawls)
 
Determinismo Radical
Determinismo RadicalDeterminismo Radical
Determinismo Radical
 
Teoria racionalista de Descartes
Teoria racionalista de DescartesTeoria racionalista de Descartes
Teoria racionalista de Descartes
 
Provas da existência de Deus segundo Descartes
Provas da existência de Deus segundo DescartesProvas da existência de Deus segundo Descartes
Provas da existência de Deus segundo Descartes
 
Descartes
DescartesDescartes
Descartes
 
falácias informais
falácias informaisfalácias informais
falácias informais
 
Falácias
FaláciasFalácias
Falácias
 
A falácia da petição de princípio
A falácia da petição de princípioA falácia da petição de princípio
A falácia da petição de princípio
 

Semelhante a A distinção validade verdade

Argumentos informais
Argumentos informaisArgumentos informais
Argumentos informaisIsabel Moura
 
Apostila básica de Lógica
Apostila básica de LógicaApostila básica de Lógica
Apostila básica de LógicaCleber Oliveira
 
Argumentação e Lógica Formal (introdução)
Argumentação e Lógica Formal (introdução)Argumentação e Lógica Formal (introdução)
Argumentação e Lógica Formal (introdução)Jorge Barbosa
 
Correção ficha de revisões 1 teste 11
Correção ficha de revisões 1 teste 11Correção ficha de revisões 1 teste 11
Correção ficha de revisões 1 teste 11Isabel Moura
 
Verdade e validade parte2
Verdade e validade parte2Verdade e validade parte2
Verdade e validade parte2Diogo Santos
 
Lógia Powerpoint 10ºA ano.pptx
Lógia Powerpoint 10ºA ano.pptxLógia Powerpoint 10ºA ano.pptx
Lógia Powerpoint 10ºA ano.pptxFreiheit Ribeiro
 
Fundamentos de argumentação
Fundamentos de argumentaçãoFundamentos de argumentação
Fundamentos de argumentaçãoRenato Vicente
 
Raciocínio Lógico-Matemático para Concurso PC-ES (Investigador)
Raciocínio Lógico-Matemático para Concurso PC-ES (Investigador) Raciocínio Lógico-Matemático para Concurso PC-ES (Investigador)
Raciocínio Lógico-Matemático para Concurso PC-ES (Investigador) Estratégia Concursos
 
Correção da ficha de revisões 2 teste 11
Correção da ficha de revisões 2 teste 11Correção da ficha de revisões 2 teste 11
Correção da ficha de revisões 2 teste 11Isabel Moura
 
PACOTE DE TEORIA E EXERCÍCIOS PARA INSS
PACOTE DE TEORIA E EXERCÍCIOS PARA INSSPACOTE DE TEORIA E EXERCÍCIOS PARA INSS
PACOTE DE TEORIA E EXERCÍCIOS PARA INSSCris Marini
 

Semelhante a A distinção validade verdade (14)

A noção de validade dedutiva
A noção de validade dedutivaA noção de validade dedutiva
A noção de validade dedutiva
 
A noção de validade dedutiva
A noção de validade dedutivaA noção de validade dedutiva
A noção de validade dedutiva
 
O que é avaliar argumentos
O que é avaliar argumentosO que é avaliar argumentos
O que é avaliar argumentos
 
Argumentos informais
Argumentos informaisArgumentos informais
Argumentos informais
 
Apostila básica de Lógica
Apostila básica de LógicaApostila básica de Lógica
Apostila básica de Lógica
 
Argumentação e Lógica Formal (introdução)
Argumentação e Lógica Formal (introdução)Argumentação e Lógica Formal (introdução)
Argumentação e Lógica Formal (introdução)
 
Correção ficha de revisões 1 teste 11
Correção ficha de revisões 1 teste 11Correção ficha de revisões 1 teste 11
Correção ficha de revisões 1 teste 11
 
Lógica
LógicaLógica
Lógica
 
Verdade e validade parte2
Verdade e validade parte2Verdade e validade parte2
Verdade e validade parte2
 
Lógia Powerpoint 10ºA ano.pptx
Lógia Powerpoint 10ºA ano.pptxLógia Powerpoint 10ºA ano.pptx
Lógia Powerpoint 10ºA ano.pptx
 
Fundamentos de argumentação
Fundamentos de argumentaçãoFundamentos de argumentação
Fundamentos de argumentação
 
Raciocínio Lógico-Matemático para Concurso PC-ES (Investigador)
Raciocínio Lógico-Matemático para Concurso PC-ES (Investigador) Raciocínio Lógico-Matemático para Concurso PC-ES (Investigador)
Raciocínio Lógico-Matemático para Concurso PC-ES (Investigador)
 
Correção da ficha de revisões 2 teste 11
Correção da ficha de revisões 2 teste 11Correção da ficha de revisões 2 teste 11
Correção da ficha de revisões 2 teste 11
 
PACOTE DE TEORIA E EXERCÍCIOS PARA INSS
PACOTE DE TEORIA E EXERCÍCIOS PARA INSSPACOTE DE TEORIA E EXERCÍCIOS PARA INSS
PACOTE DE TEORIA E EXERCÍCIOS PARA INSS
 

Mais de Luis De Sousa Rodrigues (20)

O essencial para os exames de filosofia
O essencial para os exames de filosofiaO essencial para os exames de filosofia
O essencial para os exames de filosofia
 
Unidade funcional do cérebro
Unidade funcional do cérebroUnidade funcional do cérebro
Unidade funcional do cérebro
 
Tipos de vinculação
Tipos de vinculaçãoTipos de vinculação
Tipos de vinculação
 
Tipos de aprendizagem
Tipos de aprendizagemTipos de aprendizagem
Tipos de aprendizagem
 
Teorias sobre as emoções
Teorias sobre as emoçõesTeorias sobre as emoções
Teorias sobre as emoções
 
Relações precoces
Relações precocesRelações precoces
Relações precoces
 
Raízes da vinculação
Raízes da vinculaçãoRaízes da vinculação
Raízes da vinculação
 
Processos conativos
Processos conativosProcessos conativos
Processos conativos
 
Perturbações da vinculação
Perturbações da vinculaçãoPerturbações da vinculação
Perturbações da vinculação
 
Perceção e gestalt
Perceção e gestaltPerceção e gestalt
Perceção e gestalt
 
Os processos emocionais
Os processos emocionaisOs processos emocionais
Os processos emocionais
 
Os grupos
Os gruposOs grupos
Os grupos
 
O sistema nervoso
O sistema nervosoO sistema nervoso
O sistema nervoso
 
O que nos torna humanos
O que nos torna humanosO que nos torna humanos
O que nos torna humanos
 
Maslow e a motivação
Maslow e a motivaçãoMaslow e a motivação
Maslow e a motivação
 
Lateralidade cerebral
Lateralidade cerebralLateralidade cerebral
Lateralidade cerebral
 
Freud 9
Freud 9Freud 9
Freud 9
 
Freud 8
Freud 8Freud 8
Freud 8
 
Freud 7
Freud 7Freud 7
Freud 7
 
Freud 6
Freud 6Freud 6
Freud 6
 

A distinção validade verdade

  • 2. UM ARGUMENTO VÁLIDO É UM ARGUMENTO CORRECTO. ESSA CORRECÇÃO NÃO DEPENDE DE AS SUAS PREMISSAS SEREM DE FACTO VERDADEIRAS OU FALSAS
  • 3. A validade de um argumento depende da sua forma lógica e não do que nele se afirma ou nega. Não depende do Conteúdo. Para sabermos se um argumento é válido basta ver que relação se estabelece entre as premissas e a conclusão. Isso permite que raciocínios cujas proposições sejam disparatadas ou muito pouco plausíveis possam ser válidos.
  • 4. A validade é uma propriedade que só os argumentos podem ter As proposições dos argumentos não podem ser válidas ou inválidas. Só podem ser verdadeiras ou falsas. Os argumentos não podem ser verdadeiros nem falsos. Só podem ser válidos ou inválidos.
  • 5. Argumento dedutivamente válido Um argumento é válido quando: se as premissas forem todas verdadeiras, a conclusão é verdadeira. Isto quer dizer que se admitirmos que as premissas são verdadeiras, a conclusão não pode ser falsa. As premissas não precisam de ser verdadeiras de facto. A definição diz somente isto: se assumirmos a verdade das premissas a conclusão não pode ser falsa. Um argumento válido é aquele em que as premissas garantem a verdade da conclusão. A conclusão é uma consequência lógica das premissas: se as premissas forem verdadeiras, seria incoerente não aceitar a conclusão
  • 6. Argumentos válidos - 1 • Quem nasceu em Portugal é europeu. • O autor deste power point nasceu em Portugal. • Logo, o autor deste power point é europeu. Aceite a verdade das premissas e pergunte se a conclusão poderia ser outra. Não? Então o argumento é válido. O autor pode até ser dinamarquês mas aceitando as premissas como verdadeiras temos de aceitar a conclusão.
  • 7. Argumentos válidos - 2 • Os italianos são alemães. • Os alemães são asiáticos. • Logo, os italianos são asiáticos Aceite a verdade das premissas e pergunte se a conclusão poderia ser outra. Não? Então o argumento é válido. Apesar de nenhuma das proposições ser de facto verdadeira, se assumirmos que as premissas são verdadeiras a forma como está estruturado implica aceitar a conclusão.
  • 8. Argumentos válidos - 3 • Os italianos são europeus. • Os italianos são da Comunidade Europeia. • Logo, alguns europeus são da Comunidade Europeia. Aceite a verdade das premissas e pergunte se a conclusão poderia ser outra. Não? Então o argumento é válido. Neste caso se os italianos são europeus e são da CE então mesmo sem consultar os factos temos de concluir que alguns europeus – os italianos – são da CE.
  • 9. Argumentos inválidos 1 • Todos os governantes são pessoas que pagam IRS • Muitos portugueses pagam IRS. • Logo, muitos portugueses são governantes. Aceite a verdade das premissas e pergunte se a conclusão poderia ser outra. Pode? Então o argumento é inválido. A conclusão não tem que ser esta porque não pode ser esta. Se ser governante implica pagar IRS, pagar IRS não implica ser governante.
  • 10. Argumentos inválidos 2 • Todos os futebolistas são atletas. • Usain Bolt é atleta. • Logo, Usain Bolt é futebolista. Aceite a verdade das premissas e pergunte se a conclusão poderia ser outra. Pode? Então o argumento é inválido. Mais uma vez a conclusão não tem que ser esta porque não pode, dadas as premissas, ser esta. Que os futebolistas sejam atletas não implica que qualquer atleta seja futebolista. Nem precisa de dizer que a conclusão é de facto falsa. Isso não interessa para o caso. O que interessa é que as premissas não apoiam devidamente a conclusão.
  • 11. Validade dos argumentos. Um argumento pode ter as proposições todas falsas e ser válido. •EX: • Um mês tem 365 dias. • Um ano tem 31 dias • Logo, um mês é maior do que um ano.
  • 12. Validade dos argumentos. Um argumento pode ter as proposições todas verdadeiras e não ser válido. •EX: • Pavarotti era um cantor • Todos os tenores são cantores • Logo, Pavarotti era italiano
  • 13. Validade dos argumentos: Distinção validade - verdade Um argumento não deixa de ser válido por ter premissas falsas nem tem a sua validade garantida por ter premissas verdadeiras. A validade de um argumento dedutivo depende unicamente da forma lógica do argumento, ou seja, da relação correcta que se dá entre as premissas e a conclusão (sejam estas de facto verdadeiras ou não).