SlideShare uma empresa Scribd logo
09-22-18-aula1-plantasmedicinais.pdf
HISTÓRICO
• O consumo de ervas pela população para tratamento e cura de
doenças tão antigo quanto a humanidade;
• Relatos na China de 3000 a.C;
• Brasil: Indígenas utilizavam em rituais,
• A utilização de plantas pela população brasileira nasce da incorporação da
cultura européia e africana;
PLANTAS MEDICINAIS
 Saúde Humana;
 Conservação da Biodiversidade;
 Mais de 25% de todos os medicamentos são de origem
vegetal;
 O Brasil possui a maior biodiversidade de plantas do
planeta;
O cultivo de plantas medicinais é de importância fundamental,
visando suprir a necessidade de demanda no mercado interno
(AZEVEDO, 2004; CORRÊA JÚNIOR et al., 1991; HERTWIG, 1986);
• Hábito incorporado a diversas culturas;
• Atualmente o consumo tem aumentado
 alto custo de medicamentos
 difícil acesso à assistência básica
 preferência por produtos naturais
• OMS: 65 a 80% da população em países em desenvolvimento
utilizam-se de plantas medicinais e muitas vezes este recurso é o
único para cuidados básicos á saúde
• Utilização:
 Chás;
 Óleos essenciais;
 Garrafadas;
 Culinária;
 Banhos.
NO MUNDO
80%
20%
Dados OMS:
População Mundial
Já usaram
ervas
medicinais
Nunca
usaram
ervas
medicinais
O uso de plantas medicinais pela
população mundial tem sido
muito significativo nos últimos
tempos.
É bem provável que cerca de 200.000 espécies vegetais que possam existir no
Brasil, na opinião de alguns autores, pelo menos a metade pode ter alguma
propriedade terapêutica útil à população.
Somente na Alemanha, os fitofármacos
movimentam US$ 3 bilhões/ano
(NOGUEIRA; WOLFF, 2001, citado por
SOUZA, 2006).
NO BRASIL
 50 a 70, indústria química marginalizou as plantas
medicinais;
 Em 80, volta a valorizar pelo fato do baixo custo;
 Amazônia abriga 50% da biodiversidade do Planeta;
 Propriedades de plantas medicinais é uma das;
 maiores riquezas da cultura indígena;
 Sabedoria tradicional;
 Extrativismo – maior comercialização;
 Importador;
 Industria farmacêutica e cosméticos.
QUALIDADE DE VIDA
 Reavaliação dos valores de vida;
 Desenvolvimento Sustentável;
 Preservação da biodiversidade;
 Nutrição natural.
 Medicina alternativa;
 Menores efeitos colaterais;
 Resgate cultural;
De onde vem estas propriedades?
• Estudos desenvolvidos ao longo de séculos em diferentes localidades
Metabolismo da planta
Gera compostos benéficos para sua
sobrevivência
O grupo de compostos ou compostos específicos tem
propriedades terapêuticas que podem ser utilizada pelo
homem
Exemplo:
Gera um composto
responsável pela defesa da
planta contra microrganismos
Este mesmo composto pode
ser utilizado pelo homem por
ter o mesmo efeito- antibiótico
Metabolismo da planta
Produção de substâncias
Metabolismo da planta
Metabolismo
Primário
Metabolismo
secundário
Substâncias
medicinais
Sob forma de
complexos
PRINCÍPIOS ATIVOS
Grupos de mais importantes:
1. Ácidos orgânicos
2. Alcalóides
3. Antraquinonas
4. Compostos inorgânicos
5. Cumarinas
6. Flavonóides
7. Glicosídeos cardiotônicos
8. Mucilagens
9. Óleos essenciais
10. Saponinas
11. Substâncias amargas
12. Taninos
Se funcionar, como podemos utilizar as plantas medicinais em
benefício a saúde?
• Plantas in natura
• Fabricação de medicamentos
-chás
- culinária
- óleos essenciais
- extrato da planta
- compostos específicos pela ação
terapêutica
Exemplos:
• Chá de camomila: calmante
• Medicamentos:
 Calmantes naturais: extratos de Passiflora e Valeriana;
 Remédios para o fígado: extrato de boldo;
 Tônicos orgânicos: ginseng
 Casca do salgueiro (Alba salix) Aívio de dores e febre
Isolamento do Ácido salicílico/salicina
Aspirina
Posso usar as plantas medicinais sem risco?
• O fato de ser natural não significa que não tenha risco;
• Assim como existem compostos benéficos nas plantas também existem
os que podem fazer mal ou são tóxicos;
• Plantas medicinais X Remédios Perigo!
NÃO
Exemplos
• Boldo: tóxico em altas concentrações;
• Chá-mate e canela: abortivo
• Capim-limão: pode provocar azia
• Carqueja: pode comprometer a imunidade
• Chá de losna: pode destruir os glóbulos vermelhos e é neurotóxico
• Camomila: náuseas e insônia
Exemplos:
Camomila e passiflora calmante
Boldo problemas no fígado
Chá verde emagrecimento
Guaco problemas respiratórios
Arruda antinflamatória
O uso das plantas medicinais deriva do
conhecimento popular de suas propriedades que são
passadas ao longo das gerações.
Plantas medicinais - Comerciais
 BiodiversidadeVegetal;
 Indústria Farmacêutica;
 ReproduçãoVegetal;
 Exigências edafoclimáticas;
 Pós Colheita;
 Subprodutos
09-22-18-aula1-plantasmedicinais.pdf
BIODIVERSIDADE VEGETAL
 Exóticas
 Trazidas para o Brasil
 Diversos imigrantes;
 Épocas Distintas.
 Nativas
 Requer diferentes estratégias para manejo e cultivo;
 Problemas
 Falta de padronização;
 Extrativismo;
 Esgotamento das reservas naturais.
FATORES CLIMÁTICOS
 Temperatura – Cada planta possui uma temperatura ótima de
crescimento (em torno de 25ºC para as plantas tropicais).
 Luz - Influenciando na fotossíntese, como crescimento. Em muitas
variedades, o fotoperíodo é responsável pela germinação das
sementes, pelo desenvolvimento das espécies e pela formação de
flores e bulbos.
 Umidade -A deficiência de água no solo (“stress” hídrico) pode
aumentar ou diminuir os princípios ativos de acordo com a
cultivar estudada.
 Altitude - Plantas produtoras de alcalóides, quando em baixas
altitudes, apresentam maior teor de princípios ativos.
 Latitude - Floração e teor de princípios ativos.
PRODUÇÃO
 Etapas:
 Produção de mudas;
 Adubação;
 Tratos culturais;
 Colheita;
 Beneficiamento.
PRODUÇÃO DE MUDAS
 Escolha do substrato
 Solo;
 Vermiculita;
 Palha de arroz
 Técnica (praticidade)
 Semeadura direta ou indireta
 Sementeiras;
 Sacos Plásticos;
 Bandejas, isopor.
 Economia
 Tipos de Propagação
TIPOS DE PROPAGAÇÃO
 Assexuada (Propagação vegetativa)
 Descendência geneticamente idêntica (clones);
 Estaquia, miniestaquia, microestaquia.
 Sexuada
 Sementes;
 Mistura dos genomas de duas espécies.
PROPAGAÇÃO VEGETATIVA
 Estruturas Utilizadas
 Rizoma;
 Tubérculo;
 Raízes;
 Bulbos;
 Filhotes ou rebentos;
 Outros tipos de caule (estacas).
PROPAGAÇÃO VEGETATIVA
 Estaquia
 Porções do caule com no mínimo 2 nós, ou folhas, ou raízes,
colocadas sob condições favoráveis ao enraizamento;
 Substrato;
 Irrigação intermitente;
 Sombreamento.
 Coleta das estacas em horários de baixas temperaturas;
 Bom aspecto;
 Sem injúrias ou doenças.
09-22-18-aula1-plantasmedicinais.pdf
PROPAGAÇÃO VEGETATIVA
 Estaquia – orientações:
 Deixar folhas em estacas lenhosas ou semi lenhosas;
o Cortar ao meio
 Estacas devem ter de 7 a 15 cm;
 Enterrar metade ou 2/3 da estaca no substrato e mantê-lo úmido;
09-22-18-aula1-plantasmedicinais.pdf
PROPAGAÇÃO VEGETATIVA
 Estaquia folha - Algumas plantas
se encaixam muito bem neste
tipo de propagação, pois
guardam muitas substâncias
nutritivas na raiz e tem grande
poder de regeneração
 Estaquia raiz - Algumas plantas se
encaixam muito bem neste tipo
de propagação, pois guardam
muitas substâncias nutritivas na
raiz e tem grande poder de
regeneração.
 Faça um corte reto junto à base
da raiz mãe e um corte oblíquo
na outra ponta.
PROPAGAÇÃO VEGETATIVA
 Vantagens
 Baixo custo;
 Genótipos selecionados;
 Obtenção de mudas em curto período;
 Precocidade.
 Desvantagens
 Ausência de variabilidade genética;
 Menor longevidade;
 Raízes pouco profundas;
 Tamanho reduzido.
PROPAGAÇÃO SEXUADA
 Sementes
 Desvantagens:
 Plantas diferentes da matriz;
 Plantas com diferentes graus de resistência a pragas e doenças;
 Superar a dormência de sementes;
 Taxa de germinação
Propagação por Sementes
Propagação por Sementes
Propagação por Sementes
Propagação por Sementes
Propagação por Sementes
Obrigada!

Mais conteúdo relacionado

Semelhante a 09-22-18-aula1-plantasmedicinais.pdf

Farmacia verde
Farmacia verdeFarmacia verde
Farmacia verde
Wagner Buck
 
Medicamentos Fitoterápicos
Medicamentos FitoterápicosMedicamentos Fitoterápicos
Medicamentos Fitoterápicos
Lucash Martins
 
Oficina de fitoterapia
Oficina de fitoterapiaOficina de fitoterapia
Oficina de fitoterapia
arquisasousa
 
Oficina de fitoterapia
Oficina de fitoterapiaOficina de fitoterapia
Oficina de fitoterapia
arquisasousa
 
Bancos de germoplasma
Bancos de germoplasma Bancos de germoplasma
Bancos de germoplasma
Diogo Provete
 
Aula rec.gen.melhoramento de plantas2
Aula rec.gen.melhoramento de plantas2Aula rec.gen.melhoramento de plantas2
Aula rec.gen.melhoramento de plantas2
Renato Ferraz de Arruda Veiga
 
AULA 1 INTRODUÇÃO A OLERICULTURA.pptx
AULA 1 INTRODUÇÃO A OLERICULTURA.pptxAULA 1 INTRODUÇÃO A OLERICULTURA.pptx
AULA 1 INTRODUÇÃO A OLERICULTURA.pptx
MateusGonalves85
 
Sistematização
SistematizaçãoSistematização
Sistematização
Cecília Castro
 
Plantas daninhas no feijão
Plantas daninhas no feijãoPlantas daninhas no feijão
Plantas daninhas no feijão
Paulo Rogerio Guimaraes
 
Capitulo202
Capitulo202Capitulo202
Capitulo202
Ana Paula Ribeiro
 
Bio12-Controlo de pragas
Bio12-Controlo de pragasBio12-Controlo de pragas
Bio12-Controlo de pragas
Rita Rainho
 
Percevejo marrom (euschistus heros) na cultura da soja
Percevejo marrom (euschistus heros) na  cultura da sojaPercevejo marrom (euschistus heros) na  cultura da soja
Percevejo marrom (euschistus heros) na cultura da soja
Adrielly Freitas da Silva
 
Apresentacao de plantas medicinais
Apresentacao de plantas medicinaisApresentacao de plantas medicinais
Apresentacao de plantas medicinais
Douglas Miranda
 
Percevejo marrom (euschistus heros) na cultura da soja
Percevejo marrom (euschistus heros) na  cultura da sojaPercevejo marrom (euschistus heros) na  cultura da soja
Percevejo marrom (euschistus heros) na cultura da soja
Adrielly Freitas da Silva
 
Fitoterapia racional
Fitoterapia racionalFitoterapia racional
Fitoterapia racional
Márcio Ravazoli
 
Manua Cultivo de Plantas Medicinais
Manua Cultivo de Plantas MedicinaisManua Cultivo de Plantas Medicinais
Manua Cultivo de Plantas Medicinais
mnmaill
 
Fitoterapia
FitoterapiaFitoterapia
Fitoterapia
Cíntia Costa
 
Rotação de Culturas
Rotação de CulturasRotação de Culturas
Rotação de Culturas
GETA - UFG
 
Diálogos Sustentabilidade - Poços de Caldas - MG 2017
Diálogos Sustentabilidade - Poços de Caldas - MG 2017Diálogos Sustentabilidade - Poços de Caldas - MG 2017
Diálogos Sustentabilidade - Poços de Caldas - MG 2017
Renato Ferraz de Arruda Veiga
 
Cultivo 1
Cultivo 1Cultivo 1
Cultivo 1
rigottims
 

Semelhante a 09-22-18-aula1-plantasmedicinais.pdf (20)

Farmacia verde
Farmacia verdeFarmacia verde
Farmacia verde
 
Medicamentos Fitoterápicos
Medicamentos FitoterápicosMedicamentos Fitoterápicos
Medicamentos Fitoterápicos
 
Oficina de fitoterapia
Oficina de fitoterapiaOficina de fitoterapia
Oficina de fitoterapia
 
Oficina de fitoterapia
Oficina de fitoterapiaOficina de fitoterapia
Oficina de fitoterapia
 
Bancos de germoplasma
Bancos de germoplasma Bancos de germoplasma
Bancos de germoplasma
 
Aula rec.gen.melhoramento de plantas2
Aula rec.gen.melhoramento de plantas2Aula rec.gen.melhoramento de plantas2
Aula rec.gen.melhoramento de plantas2
 
AULA 1 INTRODUÇÃO A OLERICULTURA.pptx
AULA 1 INTRODUÇÃO A OLERICULTURA.pptxAULA 1 INTRODUÇÃO A OLERICULTURA.pptx
AULA 1 INTRODUÇÃO A OLERICULTURA.pptx
 
Sistematização
SistematizaçãoSistematização
Sistematização
 
Plantas daninhas no feijão
Plantas daninhas no feijãoPlantas daninhas no feijão
Plantas daninhas no feijão
 
Capitulo202
Capitulo202Capitulo202
Capitulo202
 
Bio12-Controlo de pragas
Bio12-Controlo de pragasBio12-Controlo de pragas
Bio12-Controlo de pragas
 
Percevejo marrom (euschistus heros) na cultura da soja
Percevejo marrom (euschistus heros) na  cultura da sojaPercevejo marrom (euschistus heros) na  cultura da soja
Percevejo marrom (euschistus heros) na cultura da soja
 
Apresentacao de plantas medicinais
Apresentacao de plantas medicinaisApresentacao de plantas medicinais
Apresentacao de plantas medicinais
 
Percevejo marrom (euschistus heros) na cultura da soja
Percevejo marrom (euschistus heros) na  cultura da sojaPercevejo marrom (euschistus heros) na  cultura da soja
Percevejo marrom (euschistus heros) na cultura da soja
 
Fitoterapia racional
Fitoterapia racionalFitoterapia racional
Fitoterapia racional
 
Manua Cultivo de Plantas Medicinais
Manua Cultivo de Plantas MedicinaisManua Cultivo de Plantas Medicinais
Manua Cultivo de Plantas Medicinais
 
Fitoterapia
FitoterapiaFitoterapia
Fitoterapia
 
Rotação de Culturas
Rotação de CulturasRotação de Culturas
Rotação de Culturas
 
Diálogos Sustentabilidade - Poços de Caldas - MG 2017
Diálogos Sustentabilidade - Poços de Caldas - MG 2017Diálogos Sustentabilidade - Poços de Caldas - MG 2017
Diálogos Sustentabilidade - Poços de Caldas - MG 2017
 
Cultivo 1
Cultivo 1Cultivo 1
Cultivo 1
 

Último

Escola Preparatória de Cadetes do Ar (EPCAR).pdf
Escola Preparatória de Cadetes do Ar (EPCAR).pdfEscola Preparatória de Cadetes do Ar (EPCAR).pdf
Escola Preparatória de Cadetes do Ar (EPCAR).pdf
Falcão Brasil
 
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdfHistória das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
LeideLauraCenturionL
 
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdfUFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
Manuais Formação
 
UFCD_7224_Prevenção de acidentes em contexto domiciliário e institucional_índ...
UFCD_7224_Prevenção de acidentes em contexto domiciliário e institucional_índ...UFCD_7224_Prevenção de acidentes em contexto domiciliário e institucional_índ...
UFCD_7224_Prevenção de acidentes em contexto domiciliário e institucional_índ...
Manuais Formação
 
O Ministério da Defesa e a Sociedade no Tema de Defesa Nacional.pdf
O Ministério da Defesa e a Sociedade no Tema de Defesa Nacional.pdfO Ministério da Defesa e a Sociedade no Tema de Defesa Nacional.pdf
O Ministério da Defesa e a Sociedade no Tema de Defesa Nacional.pdf
Falcão Brasil
 
Caça-palavras - multiplicação
Caça-palavras  -  multiplicaçãoCaça-palavras  -  multiplicação
Caça-palavras - multiplicação
Mary Alvarenga
 
Boletim informativo - Contacto - julho de 2024
Boletim informativo - Contacto - julho de 2024Boletim informativo - Contacto - julho de 2024
Boletim informativo - Contacto - julho de 2024
Bibliotecas Escolares AEIDH
 
Portfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdf
Portfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdfPortfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdf
Portfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdf
Falcão Brasil
 
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdfMarinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Falcão Brasil
 
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdfA Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
Falcão Brasil
 
Endereços — Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia - ...
Endereços — Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia - ...Endereços — Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia - ...
Endereços — Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia - ...
Falcão Brasil
 
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
principeandregalli
 
Aula 3 CURSO LETRANDO (classes gramaticais).pdf
Aula 3 CURSO LETRANDO (classes gramaticais).pdfAula 3 CURSO LETRANDO (classes gramaticais).pdf
Aula 3 CURSO LETRANDO (classes gramaticais).pdf
ProfessoraSilmaraArg
 
A Guerra do Presente - Ministério da Defesa.pdf
A Guerra do Presente - Ministério da Defesa.pdfA Guerra do Presente - Ministério da Defesa.pdf
A Guerra do Presente - Ministério da Defesa.pdf
Falcão Brasil
 
Slides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptx
Slides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptxSlides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptx
Slides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Plano Estratégico Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de ...
Plano Estratégico Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de ...Plano Estratégico Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de ...
Plano Estratégico Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de ...
Falcão Brasil
 
Fotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosas
Fotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosasFotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosas
Fotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosas
MariaJooSilva58
 
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdfGeotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Falcão Brasil
 
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da TerraUma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Luiz C. da Silva
 

Último (20)

Escola Preparatória de Cadetes do Ar (EPCAR).pdf
Escola Preparatória de Cadetes do Ar (EPCAR).pdfEscola Preparatória de Cadetes do Ar (EPCAR).pdf
Escola Preparatória de Cadetes do Ar (EPCAR).pdf
 
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdfHistória das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
 
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdfUFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
 
UFCD_7224_Prevenção de acidentes em contexto domiciliário e institucional_índ...
UFCD_7224_Prevenção de acidentes em contexto domiciliário e institucional_índ...UFCD_7224_Prevenção de acidentes em contexto domiciliário e institucional_índ...
UFCD_7224_Prevenção de acidentes em contexto domiciliário e institucional_índ...
 
O Ministério da Defesa e a Sociedade no Tema de Defesa Nacional.pdf
O Ministério da Defesa e a Sociedade no Tema de Defesa Nacional.pdfO Ministério da Defesa e a Sociedade no Tema de Defesa Nacional.pdf
O Ministério da Defesa e a Sociedade no Tema de Defesa Nacional.pdf
 
Caça-palavras - multiplicação
Caça-palavras  -  multiplicaçãoCaça-palavras  -  multiplicação
Caça-palavras - multiplicação
 
Boletim informativo - Contacto - julho de 2024
Boletim informativo - Contacto - julho de 2024Boletim informativo - Contacto - julho de 2024
Boletim informativo - Contacto - julho de 2024
 
Portfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdf
Portfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdfPortfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdf
Portfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdf
 
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdfMarinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
 
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdfA Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
 
Endereços — Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia - ...
Endereços — Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia - ...Endereços — Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia - ...
Endereços — Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia - ...
 
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
 
Aula 3 CURSO LETRANDO (classes gramaticais).pdf
Aula 3 CURSO LETRANDO (classes gramaticais).pdfAula 3 CURSO LETRANDO (classes gramaticais).pdf
Aula 3 CURSO LETRANDO (classes gramaticais).pdf
 
FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO .
FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO                .FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO                .
FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO .
 
A Guerra do Presente - Ministério da Defesa.pdf
A Guerra do Presente - Ministério da Defesa.pdfA Guerra do Presente - Ministério da Defesa.pdf
A Guerra do Presente - Ministério da Defesa.pdf
 
Slides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptx
Slides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptxSlides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptx
Slides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptx
 
Plano Estratégico Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de ...
Plano Estratégico Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de ...Plano Estratégico Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de ...
Plano Estratégico Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de ...
 
Fotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosas
Fotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosasFotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosas
Fotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosas
 
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdfGeotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
 
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da TerraUma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
 

09-22-18-aula1-plantasmedicinais.pdf

  • 2. HISTÓRICO • O consumo de ervas pela população para tratamento e cura de doenças tão antigo quanto a humanidade; • Relatos na China de 3000 a.C; • Brasil: Indígenas utilizavam em rituais, • A utilização de plantas pela população brasileira nasce da incorporação da cultura européia e africana;
  • 3. PLANTAS MEDICINAIS  Saúde Humana;  Conservação da Biodiversidade;  Mais de 25% de todos os medicamentos são de origem vegetal;  O Brasil possui a maior biodiversidade de plantas do planeta; O cultivo de plantas medicinais é de importância fundamental, visando suprir a necessidade de demanda no mercado interno (AZEVEDO, 2004; CORRÊA JÚNIOR et al., 1991; HERTWIG, 1986);
  • 4. • Hábito incorporado a diversas culturas; • Atualmente o consumo tem aumentado  alto custo de medicamentos  difícil acesso à assistência básica  preferência por produtos naturais • OMS: 65 a 80% da população em países em desenvolvimento utilizam-se de plantas medicinais e muitas vezes este recurso é o único para cuidados básicos á saúde
  • 5. • Utilização:  Chás;  Óleos essenciais;  Garrafadas;  Culinária;  Banhos.
  • 6. NO MUNDO 80% 20% Dados OMS: População Mundial Já usaram ervas medicinais Nunca usaram ervas medicinais O uso de plantas medicinais pela população mundial tem sido muito significativo nos últimos tempos. É bem provável que cerca de 200.000 espécies vegetais que possam existir no Brasil, na opinião de alguns autores, pelo menos a metade pode ter alguma propriedade terapêutica útil à população. Somente na Alemanha, os fitofármacos movimentam US$ 3 bilhões/ano (NOGUEIRA; WOLFF, 2001, citado por SOUZA, 2006).
  • 7. NO BRASIL  50 a 70, indústria química marginalizou as plantas medicinais;  Em 80, volta a valorizar pelo fato do baixo custo;  Amazônia abriga 50% da biodiversidade do Planeta;  Propriedades de plantas medicinais é uma das;  maiores riquezas da cultura indígena;  Sabedoria tradicional;  Extrativismo – maior comercialização;  Importador;  Industria farmacêutica e cosméticos.
  • 8. QUALIDADE DE VIDA  Reavaliação dos valores de vida;  Desenvolvimento Sustentável;  Preservação da biodiversidade;  Nutrição natural.  Medicina alternativa;  Menores efeitos colaterais;  Resgate cultural;
  • 9. De onde vem estas propriedades? • Estudos desenvolvidos ao longo de séculos em diferentes localidades Metabolismo da planta Gera compostos benéficos para sua sobrevivência O grupo de compostos ou compostos específicos tem propriedades terapêuticas que podem ser utilizada pelo homem
  • 10. Exemplo: Gera um composto responsável pela defesa da planta contra microrganismos Este mesmo composto pode ser utilizado pelo homem por ter o mesmo efeito- antibiótico Metabolismo da planta
  • 11. Produção de substâncias Metabolismo da planta Metabolismo Primário Metabolismo secundário Substâncias medicinais Sob forma de complexos
  • 12. PRINCÍPIOS ATIVOS Grupos de mais importantes: 1. Ácidos orgânicos 2. Alcalóides 3. Antraquinonas 4. Compostos inorgânicos 5. Cumarinas 6. Flavonóides 7. Glicosídeos cardiotônicos 8. Mucilagens 9. Óleos essenciais 10. Saponinas 11. Substâncias amargas 12. Taninos
  • 13. Se funcionar, como podemos utilizar as plantas medicinais em benefício a saúde? • Plantas in natura • Fabricação de medicamentos -chás - culinária - óleos essenciais - extrato da planta - compostos específicos pela ação terapêutica
  • 14. Exemplos: • Chá de camomila: calmante • Medicamentos:  Calmantes naturais: extratos de Passiflora e Valeriana;  Remédios para o fígado: extrato de boldo;  Tônicos orgânicos: ginseng  Casca do salgueiro (Alba salix) Aívio de dores e febre Isolamento do Ácido salicílico/salicina Aspirina
  • 15. Posso usar as plantas medicinais sem risco? • O fato de ser natural não significa que não tenha risco; • Assim como existem compostos benéficos nas plantas também existem os que podem fazer mal ou são tóxicos; • Plantas medicinais X Remédios Perigo! NÃO
  • 16. Exemplos • Boldo: tóxico em altas concentrações; • Chá-mate e canela: abortivo • Capim-limão: pode provocar azia • Carqueja: pode comprometer a imunidade • Chá de losna: pode destruir os glóbulos vermelhos e é neurotóxico • Camomila: náuseas e insônia
  • 17. Exemplos: Camomila e passiflora calmante Boldo problemas no fígado Chá verde emagrecimento Guaco problemas respiratórios Arruda antinflamatória O uso das plantas medicinais deriva do conhecimento popular de suas propriedades que são passadas ao longo das gerações.
  • 18. Plantas medicinais - Comerciais  BiodiversidadeVegetal;  Indústria Farmacêutica;  ReproduçãoVegetal;  Exigências edafoclimáticas;  Pós Colheita;  Subprodutos
  • 20. BIODIVERSIDADE VEGETAL  Exóticas  Trazidas para o Brasil  Diversos imigrantes;  Épocas Distintas.  Nativas  Requer diferentes estratégias para manejo e cultivo;  Problemas  Falta de padronização;  Extrativismo;  Esgotamento das reservas naturais.
  • 21. FATORES CLIMÁTICOS  Temperatura – Cada planta possui uma temperatura ótima de crescimento (em torno de 25ºC para as plantas tropicais).  Luz - Influenciando na fotossíntese, como crescimento. Em muitas variedades, o fotoperíodo é responsável pela germinação das sementes, pelo desenvolvimento das espécies e pela formação de flores e bulbos.  Umidade -A deficiência de água no solo (“stress” hídrico) pode aumentar ou diminuir os princípios ativos de acordo com a cultivar estudada.  Altitude - Plantas produtoras de alcalóides, quando em baixas altitudes, apresentam maior teor de princípios ativos.  Latitude - Floração e teor de princípios ativos.
  • 22. PRODUÇÃO  Etapas:  Produção de mudas;  Adubação;  Tratos culturais;  Colheita;  Beneficiamento.
  • 23. PRODUÇÃO DE MUDAS  Escolha do substrato  Solo;  Vermiculita;  Palha de arroz  Técnica (praticidade)  Semeadura direta ou indireta  Sementeiras;  Sacos Plásticos;  Bandejas, isopor.  Economia  Tipos de Propagação
  • 24. TIPOS DE PROPAGAÇÃO  Assexuada (Propagação vegetativa)  Descendência geneticamente idêntica (clones);  Estaquia, miniestaquia, microestaquia.  Sexuada  Sementes;  Mistura dos genomas de duas espécies.
  • 25. PROPAGAÇÃO VEGETATIVA  Estruturas Utilizadas  Rizoma;  Tubérculo;  Raízes;  Bulbos;  Filhotes ou rebentos;  Outros tipos de caule (estacas).
  • 26. PROPAGAÇÃO VEGETATIVA  Estaquia  Porções do caule com no mínimo 2 nós, ou folhas, ou raízes, colocadas sob condições favoráveis ao enraizamento;  Substrato;  Irrigação intermitente;  Sombreamento.  Coleta das estacas em horários de baixas temperaturas;  Bom aspecto;  Sem injúrias ou doenças.
  • 28. PROPAGAÇÃO VEGETATIVA  Estaquia – orientações:  Deixar folhas em estacas lenhosas ou semi lenhosas; o Cortar ao meio  Estacas devem ter de 7 a 15 cm;  Enterrar metade ou 2/3 da estaca no substrato e mantê-lo úmido;
  • 30. PROPAGAÇÃO VEGETATIVA  Estaquia folha - Algumas plantas se encaixam muito bem neste tipo de propagação, pois guardam muitas substâncias nutritivas na raiz e tem grande poder de regeneração  Estaquia raiz - Algumas plantas se encaixam muito bem neste tipo de propagação, pois guardam muitas substâncias nutritivas na raiz e tem grande poder de regeneração.  Faça um corte reto junto à base da raiz mãe e um corte oblíquo na outra ponta.
  • 31. PROPAGAÇÃO VEGETATIVA  Vantagens  Baixo custo;  Genótipos selecionados;  Obtenção de mudas em curto período;  Precocidade.  Desvantagens  Ausência de variabilidade genética;  Menor longevidade;  Raízes pouco profundas;  Tamanho reduzido.
  • 32. PROPAGAÇÃO SEXUADA  Sementes  Desvantagens:  Plantas diferentes da matriz;  Plantas com diferentes graus de resistência a pragas e doenças;  Superar a dormência de sementes;  Taxa de germinação