SlideShare uma empresa Scribd logo
Adubação Orgânica para
Recuperação do Solo
Valdecir Queiroz Filho
keiroz33@gmail.com
(87) 9638 0012
Adubação orgânica para recuperação do
solo
No manejo do solo, a primeira e talvez a mais
importante operação a ser realizada é o seu
preparo. O preparo do solo compreende um
conjunto de práticas que, quando usado
racionalmente, pode permitir uma alta
produtividade das culturas a baixos custos, mas
pode também, quando usado de maneira
incorreta, levar rapidamente um solo à
degradação física, química e biológica e
paulatinamente, diminuir o seu potencial
produtivo.
Sistema atual de produção
• O atual sistema de exploração agrícola
tem induzido o solo a um processo
acelerado
de
degradação,
com
desequilíbrio de suas características
físicas, químicas e biológicas, afetando,
progressivamente, o seu potencial
produtivo.
AGRICULTURA
AGRICULTURA NATURAL
NATUREZA
Fatores que causam degradação do solo
• Os fatores que causam a degradação do solo agem e
forma conjunta e a importância relativa de cada um varia
com as circunstâncias de clima, do próprio solo e de
culturas. Entre os principais fatores, destacam e: a
compactação, a ausência da cobertura vegetal do solo,
a ação das chuvas de alta intensidade, o uso de áreas
inaptas para culturas anuais, o preparo do solo com
excessivas gradagem superficiais e o uso de práticas
conservacionistas isoladas. Em substituição a esse
modelo, existem varias práticas indispensáveis para
reverter o processo de degradação dos solo e melhorar o
desempenho das culturas.
SOLO
• O solo, também chamado terra, tem grande
importância na vida de todos os seres vivos do
nosso planeta. É formado a partir da rocha
pela ação do clima. A chuva, gelo, vento e
temperatura com a ajuda dos organismos
vivos transformam as rochas, diminuindo o
seu tamanho, até transformá-la em um
material mais ou menos solto e macio,
também chamado de parte mineral.
Os solos não são todos iguais
• Os solos são constituídos pelos mesmos componentes. A
quantidade dos componentes presentes é que diferencia um solo
do outro.
• Dificilmente encontraremos um solo constituído só de areia ou só
de argila ou só de húmus.

Solo arenoso

Solo argiloso

Solo húmico
Camadas do solo
0 - É o horizonte superficial. Contém mais de
20% de matéria orgânica (animal e vegetal) em
diferentes graus de decomposição.
A - Apresenta maior quantidade de matéria
orgânica decomposta e misturada com
elementos minerais (ferro, alumínio) através da
lixiviação (ação das águas). Nas áreas
cultivadas, está em contato direto com a
atmosfera. Contém as raízes dos vegetais.
B - Bastante intemperizado. Pouco afetado
pela erosão natural e pela ação do homem.
Pouca matéria orgânica, muita matéria mineral
e cor geralmente vermelha ou amarela.
Recebe materiais lixiviados do A.
C - Formado pelo material original do solo,
proveniente da rocha matriz.

R - Rocha matriz.
Constituição do solo
Constituição dos solos Arenosos
0%
Limo
5%

Argila
5%

Areia
90%
Constituição dos Solos Argilosos

0%
Limo
25%

Areia
15%

Argila
60%
Constituição dos Solos Francos
0%
Limo
25%
Areia
45%

Argila
30%
Microbiologia do Solo
• A importância da vida microbiana do solo:
• A saúde e a produtividade de nossas plantas
dependerão da biomassa microbiana, compreendida
por bactérias, fungos, protozoários e microfauna. São
estes
micróbios
que
degradam
a
matéria
orgânica, reciclam os nutrientes essenciais às plantas
e elaboram substâncias vivas. Podemos dizer que a
nutrição das plantas depende do trabalho desta vida
do solo. É essa biomassa microbiana do solo que
solubiliza fósforo mineral, mineraliza o potássio a
partir de restos vegetais e animais, fixa
nitrogênio, favorece a estrutura do solo e elabora as
substâncias de crescimento para as plantas.
Comunidade Biótica do solo
Ciclo natural da fertilidade do solo
Adubação orgânica para recuperação
do solo
•
•
•
•
•
•
•
•

Fosfatagem
Calagem
Adubação verde
Compostagem
Rotação de culturas
Plantio direto
Consórcios
Quebra ventos
Insumos Usados na recuperação e
adubação de Solos
• Composto orgânico
• Sementes de leguminosas, gramíneas e
compostas.
• Calcário de Rochas
• Lithothamnium ( Algas marinhas calcificadas)
• Farinhas de rochas
• Fosfatos naturais
• Micro nutrientes (Oligoelementos)
Benefícios de Uma adubação
equilibrada.
• Aumento IMEDIATO do pH e da CTC efetiva na
rizosfera
• Otimização da absorção do NPK
• Redução de perdas por Lixiviação
• Liberação de ácidos orgânicos que
disponibiliza o Fósforo para a planta
• Formação de um complexo argilo-húmico de
qualidade....
Praticas naturais para
adubação e recuperação do
solo
PREPARO DO SOLO
CALCÁREO
TERMO FOSFATO DE GAFSA
ou FOSFATO NATURAL REATIVO (Tunísia)
sedimentar e orgânico
P2O5 (Tot) = 28,0 – 29%
P2O5 (solúvel em ácido cítrico 2% 1/1000) = 10%

SO3 = 3,2%
SiO2 = 3,6%

K2O= 0,11%
Zn = 370ppm

Ca = 32%

Cu = 19ppm

MgO = 0,8%

Mn= 27ppm
CURVA DE NÍVEL
• A CURVA DE NÍVEL É MUITO IMPORTANTE
PARA EVITAR EROSÃO E PERDA DA CAMADA
FÉRTIL DO SOLO NAS ENXURRADAS
Plantio em curvas de nível
COBERTURA MORTA
Protege a camada fértil do solo
Segura a umidade
Reduz plantas espontâneas e
necessidade de limpas
Proteção da Camada Fértil
A incidência direta do sol queima a matéria orgânica do solo

A matéria orgânica contém
nutrientes, microorganismos
e retém a umidade no solo

A Camada fértil tem 10 a 20 cm de espessura

Quando aramos a terra trazemos a parte
pobre do solo para a superfície e
aumentamos a decomposição da matéria
orgânica e destruição dos microorganismos
Cobertura morta
Cobertura morta com bagana de Carnauba
PLASTICULTURA
SPD
SISTEMA PLANTIO DIRETO
“ É um dos maiores desafios da
agricultura orgânica brasileira ”
Aração: Espelhamento e compactação sub-superficial
PC

SPD
BENEFÍCIOS DO PLANTIO DIRETO NA PALHA

1 - Reduz o arraste de terra em até 90 % (SP)
2- Melhoria na estrutura física do solo ( aumenta o nº de poros e o
tamanho dos poros; bichos perfuram a terra em profundidade
3- Aumento da matéria orgânica do solo = terra mais rica, mais fértil
com o passar do tempo (aumento do estoque de carbono)
4 - Aumento da vida biológica do solo –
insetos, vermes, bactérias, fungos que afofam a terra e combatem as
pragas e doenças da terra. foto: coró da palha em área de plantio
Minhoca coletada em lavoura sob plantio direto. Tuparendi, RS. COOPLANTIO.
5 - Redução dos gastos com irrigação e com o uso de máquinas
6 - Redução da ocorrência de mato
Abertura de sulcos e adubação em área com cobertura vegetal recém
cortada

7 - Redução do consumo de combustível e energia elétrica – por
conseqüência reduz a emissão de CO2 e o efeito estufa
Abóbora em SPD
FERRAMENTA DESENVOLVIDA PARA COVEAR AS ÁREAS DE PLANTIO DE TOMATE
EM PLANTIO DIRETO - Santa Catarina
Taxa de cobertura do solo
Adubação a lanço – Aproveitamento deficiente de N
Leguminosa

Gramínea

Competição por N – planta vs microrganismos
Leguminosa

Gramínea

Competição por N – planta vs microrganismos
Consórcio GRAMÍNEA x LEGUMINOSA
Cultivo mínimo do solo
CONSORCIO DE CULTURAS

O consorciamento de culturas facilita o
desenvolvimento de inimigos naturais
Traz beneficios ao solo e ao produtor
Ajuda a quebrar o ciclo de alguns
patógenos (causadores de doenças)
Reduz necessidade de limpas
Aumenta a produtividade total da área
CONSORCIO DE CULTURAS
CONSORCIO DE CULTURAS
ADUBAÇÃO VERDE/
COQUETEL DE PLANTAS
ADUBAÇÃO VERDE
LEGUMINOSAS (Feijão de Porco)
FIXAÇÃO DO NITROGENIO DO AR

RIZOBIOS
O COQUETEL DE PLANTAS É UMA MISTURA DE
LEGUMINOSAS, GRAMINEAS E COMPOSTAS
Cobertura verde/Consorcio
Cobertura verde/Consorcio
Cobertura verde/Consorcio
QUEBRA -VENTO
COQUETEL SUGERIDO
•
•
•
•
•
•

FEIJAO DE PORCO –(Canavalia ensiformes) 16 KG/HÁ
CALOPOGONIO – (Calopogonium mucunoides) 3 KG/HÁ
CROTALARIA (Juncea) 3KG/HÁ
AMENDOIN RASTEIRO (Arachis Pintoi )4/KG/HÁ
MILHETO (Pennisetum typhoideum) 1 Kg/ha
MUCUNA ANÃ (Stizolobium cinereum) 13 kg
COMPOSIÇÃO DO COQUETEL
Kg./ha sementes
• Obrigatórias
•
•
•
•
•
•
•
•
•
•
•
•

Milho – Zea mays
Mucuna– Stizolobium aterrum

24

Feijão-de-porco – Canavalia brasiliensis
Labe-labe – Dolichus lablab
Feijão guandú – Cajanus cajan
Girassol – Helianthus annus
Mamona – Ricinus communis
Feijão macassar – Vigna unguiculata
Leucena - leucena leucocephala
Tefrósia - Tephrosia candida
Manjerioba
Mata pasto – Cassia tora

16
16
12
10
8
5
4
2
1
1
1

• Opcionais
•
•
•
•
•
•
•
•

Feijão- de- papagaio – Canavalia obtusifolia 8
Crotalária – Crotalária ochoroleuca
5
Calopogônio – Calopogonio mucunoides
4
Sorgo – Sorghum vulgaris
4
Crotalária – Crotalaria anageroides
3
Milheto – Pennisetum typhoideum
2
Abóbora – Cucurbita moshata
0,5
Outras
Amendoim Forrageiro
Perene (Arachis Pintoi)

CROTALÁRIA (Juncea)
Calopogônio (Calopogonium mucunoides)

Feijão de porco (Canavalia ensiformes)
Rizóbios – fixação de nitrogênio
RESULTADO DAS DISCUSSÕES
• Diversidade e complexidade
• Estratificação : otimização do uso de nutrientes e luz
• Sinergias, alelopatias: controle de ervas infestantes e
nematoides
• Matéria orgânica: 50-70 toneladas de massa verde/hectare
• Cobertura de proteção do solo
COMPOSTAGEM
BOKASHI – NITROGENADO - FOSFORADO
– POTÁSSICO
CHORUME E CALDAS FERMENTADAS (COMPOST – TEA)
CHORUME E CALDAS FERMENTADAS
(COMPOST – TEA)
Biocalda
•
•
•
•
•
•
•
•
•
•
•

Composição da Biocalda para 200 litros de água
Composto – 40 kg ou 30kg de esterco fresco de vaca
Bokashi – 15 kg
Farinha de rocha Ipirá - 10 kg
Algen ( Lithothamnium) – 2 kg
Ponteiro de Plantas – 20 kg bem triturado
Leite – 2 lt ou Soro de leite 4 lt
Melaço- 5 lt
Fermento de pão - 500g
Microrganismos capturados no arroz – 500 g com fungos.
Deixar fermentar por 30 dias, mexer duas vezes por semana, quando ficar
pronto coar e pulverizar 2,5% a 5% a cada 15 dias na Acerola, Banana
,Goiaba e no coco a cada 20, 30 dias, pulverizar.

• Queiroz
SUL – PO - MAG
K2O = 22%
Mg = 22%

S = 22%
Solubilidade = 99,7%
Composição Algen (Lithothamnium)
• Cálcio e Magnésio de alta solubilidade

• Micronutrientes de alta solubilidade
(oligoelementos)
• Silício de alta solubilidade

• Carbono 11%
• Presença de Fitormônios
•

Estimulantes

•

Aminoácidos
Composição Algen (Lithothamnium)
•

Macronutrientes

•

CaO ......... 42,2 a 45,5%

Fe2O3......0,27 a 0,67 %

Vitamina B1.........0,05mg/100g

•

MgO.......... 3,8 a 5,3%

Mn ............35 a 200 ppm

Vitamina C...........7,04mg/100g

•

K2O.......... 0,02 a 0,04%

Zn ..............11 a 22 ppm

Vitamina PP.........1,46mg/100g

•

P2O5.........0,04 a 0,16%

Co.............. 11 a 16 ppm

Aspargina...............56mg/100g

•

S................0,25 a 0,52%

Mo...................1 a 5 ppm

Serina........................4mg/100g

•

SiO2.......... 2,1 a 2,5%

B....................8 a 20 ppm

Glycina....................10mg/100g

•

Na.............. 0,4 a 0,5%

Cu...............18 a 26 ppm

Alanina.....................8mg/100g

•

V.........................14 ppm

Arginina..................14mg/100g

•

Ni........................15 ppm

Tyrosina.................10mg/100g

Micronutrientes

Vitaminas(aminoácidos)

•

Fenilalanina............6mg/100g

•

Lysina......................9mg/100g

•

Valina.......................2mg/100g
TORTA DE MAMONA
c/N= 6 – 10/1
N = 4 – 6%
P2O5= 0,7 – 2,0%

K2O = 1 - 2%
CaO = 0,5 – 1,8%
M. O. = 92%
B = 80 – 100ppm

MgO = 0,5 – 0,9%
Cu = 70 – 80ppm
Fe = 70 – 80ppm
Mn = 55 – 400ppm
Zn = 100 – 140ppm
YOORIN
P2O5 total = 18%
P2O5 (solúvel em ácido cítrico 2%
1/1000) = 16,5%

Mg = 7%
Ca = 18%

Si = 10%
CINZA DE MADEIRA
M. O. = 1,94%
Mg = 2,73%

Ca = 26,47%

N = 0,52%
P = 3,37%

K = 4,85%
NATURALPLUS
Granulometria inferior a 4mm
 Presença de:
P, K, Ca, Mg, Na, Fe, Mn, S
Traços significativos de:
Zn, Co, V e Ni.
MB 4
O MB-4 é um produto natural derivado
de rochas previamente selecionadas e
que dispõe dos nutrientes necessários
para atender as exigências das plantas e
da vida microbiana, produzindo lavouras
bem nutridas, saudáveis e apropriadas
ao consumo, sem pragas e doenças.

Mangueira: 5 kg
Maracujá: 2 kg
Videira: 2 kg
Goiabeira: 4 kg
Coentro: 0,2 kg/m2
FILLER AGRÍCOLA MIBASA
Possui uma granulometria menor que a
do calcário dolomítico, para que seja
mais rapidamente absorvido pelo solo.

Calagem 30 dias antes do plantio.
ESTERCOS
Umidade e composição de estercos de animais domésticos (valores médios/base
seca).

Animal

(%)

(%)

ppm

Umidade

N

P

K

Ca

Mg

Fe

Mn

Zn

Galinha

35

3,63

1,54

2,64

1,99

0,52

80

378

298

Bovino de Corte

73

2,04

0,56

1,70

0,67

0,44

179

34

24

Bovino de Leite

75

2,11

0,70

2,39

0,87

0,44

0,83

763

132

Suíno

62

2,32

2,06

1,62

3,25

0,77

0,96

8800

422

Fonte: http://www.illea.org/n2.html
Bokashi sólido-2
Ingredientes

Quantidade

Terra virgem (barranco)

100kg

Terra de mata

25kg

Composto pronto ou esterco de gado

25kg

Farelo de arroz ou algodão

20kg

Farelo de mamona

5kg

Farinha de ossos

10kg

Resíduos de sementes

25kg

Cinzas (munha de carvão)

5kg

Rapadura, açúcar mascavo

1kg

Amido de mandioca

0,5kg

Fubá de milho

0,5kg

Água

45 %
Matérias para fazer 01 tonelada Bokashi (orientado acerola)
1- Barro de subsolo 500 kg
2- Composto peneirado 200 kg – o composto deve ser pronto dentro
das normas orgânicas.( NOP,JAS)
3- Farinha de osso 50 kg
4- Farinha de sangue ou sangue fresco 50 kg
5- Resto de peixe triturado ou farinha de peixe 30 kg
6- Farelo de trigo 50 kg
7- Torta de Mamona ou babaçu – 200kg ( se babaçu 250kg)
8- Melaço – 15 a 20 lt
9- Microrganismos capturados no arroz 5lt ( como orientado) ou 1 kg
de fermento de pão.
»Umidade 55% , do mesmo jeito da umidade da massa de fazer
cuscuz.
»Deixar fermentar por 10 dias,revirar a pilha diariamente, medir a
temperatura todos os dias e anotar.
»Dosagens : plantas adultas 1,5Kg a cada 60 dias, plantas novas 300gr
a cada 60 dias.
Plantas com 1 a 2 anos, 1kg a cada 60 dias.
CONSULTORIA EM AGRICULTURA
ORGÂNICA E BIODINÂMICA
Contato
Valdecir Queiroz Filho
Consultor
87 3861 1278 - 87 - 9638 0012
keiroz33@gmail.com

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Sistema agroflorestal andré rocha
Sistema agroflorestal andré rochaSistema agroflorestal andré rocha
Sistema agroflorestal andré rocha
MESTRADOAMBIENTAL
 
Integração Lavoura Pecuaria Floresta ILPF
Integração Lavoura Pecuaria Floresta ILPFIntegração Lavoura Pecuaria Floresta ILPF
Integração Lavoura Pecuaria Floresta ILPF
Gabriela De Paula Marciano
 
Integração Lavoura-Pecuária-Floresta(ILPF)
Integração Lavoura-Pecuária-Floresta(ILPF)Integração Lavoura-Pecuária-Floresta(ILPF)
Integração Lavoura-Pecuária-Floresta(ILPF)
Ibá – Indústria Brasileira de Árvores
 
Horta Orgânica
Horta Orgânica Horta Orgânica
Horta Orgânica
Rosilene Alca
 
Evolução da agricultura aula 3
Evolução da agricultura aula 3Evolução da agricultura aula 3
Evolução da agricultura aula 3
UERGS
 
Práticas conservacionistas do solo e de água - Demetrius David da Silva
Práticas conservacionistas do solo e de água - Demetrius David da Silva Práticas conservacionistas do solo e de água - Demetrius David da Silva
Práticas conservacionistas do solo e de água - Demetrius David da Silva
CBH Rio das Velhas
 
Aula 03 ecologia do solo
Aula 03   ecologia do soloAula 03   ecologia do solo
Aula 03 ecologia do solo
Jadson Belem de Moura
 
Agroecologia e Agricultura Orgânica
Agroecologia e Agricultura OrgânicaAgroecologia e Agricultura Orgânica
Agroecologia e Agricultura Orgânica
Milena Loures
 
11 propriedades químicas do solo
11 propriedades químicas do solo11 propriedades químicas do solo
11 propriedades químicas do solo
Romulo Vinicius Tio Rominho
 
Agricultura geral aula 1 de_adubacao
Agricultura geral aula 1 de_adubacaoAgricultura geral aula 1 de_adubacao
Agricultura geral aula 1 de_adubacao
Emanuel Malai
 
Aula 04 processos de formação do solo
Aula 04   processos de formação do soloAula 04   processos de formação do solo
Aula 04 processos de formação do solo
Jadson Belem de Moura
 
Manejo de plantas daninhas
Manejo de plantas daninhasManejo de plantas daninhas
Manejo de plantas daninhas
CETEP, FTC, FASA..
 
Panorama da fruticultura brasileira
Panorama da fruticultura brasileiraPanorama da fruticultura brasileira
Panorama da fruticultura brasileira
Barreiras Comerciais
 
Pós colheita em Frutas: pesquisa, armazenagem e transporte
Pós colheita em Frutas: pesquisa, armazenagem e transportePós colheita em Frutas: pesquisa, armazenagem e transporte
Pós colheita em Frutas: pesquisa, armazenagem e transporte
Agricultura Sao Paulo
 
Aula 6 compostagem
Aula 6 compostagemAula 6 compostagem
Aula 6 compostagem
Giovanna Ortiz
 
Coleta e amostragem de solo.
Coleta e amostragem de solo.Coleta e amostragem de solo.
Coleta e amostragem de solo.
Leandro Araujo
 
Fertilidade do solo
Fertilidade do soloFertilidade do solo
Fertilidade do solo
Alfredo Cossa
 
Sistemas agroflorestal ( safs )
Sistemas agroflorestal ( safs )Sistemas agroflorestal ( safs )
Sistemas agroflorestal ( safs )
Murphy Cooper
 
Olericultura e hortaliças
Olericultura e hortaliçasOlericultura e hortaliças
Olericultura e hortaliças
Rafael Soares Dias
 
Apostila de hortaliças orgânicas
Apostila de hortaliças orgânicasApostila de hortaliças orgânicas
Apostila de hortaliças orgânicas
VALDECIR QUEIROZ
 

Mais procurados (20)

Sistema agroflorestal andré rocha
Sistema agroflorestal andré rochaSistema agroflorestal andré rocha
Sistema agroflorestal andré rocha
 
Integração Lavoura Pecuaria Floresta ILPF
Integração Lavoura Pecuaria Floresta ILPFIntegração Lavoura Pecuaria Floresta ILPF
Integração Lavoura Pecuaria Floresta ILPF
 
Integração Lavoura-Pecuária-Floresta(ILPF)
Integração Lavoura-Pecuária-Floresta(ILPF)Integração Lavoura-Pecuária-Floresta(ILPF)
Integração Lavoura-Pecuária-Floresta(ILPF)
 
Horta Orgânica
Horta Orgânica Horta Orgânica
Horta Orgânica
 
Evolução da agricultura aula 3
Evolução da agricultura aula 3Evolução da agricultura aula 3
Evolução da agricultura aula 3
 
Práticas conservacionistas do solo e de água - Demetrius David da Silva
Práticas conservacionistas do solo e de água - Demetrius David da Silva Práticas conservacionistas do solo e de água - Demetrius David da Silva
Práticas conservacionistas do solo e de água - Demetrius David da Silva
 
Aula 03 ecologia do solo
Aula 03   ecologia do soloAula 03   ecologia do solo
Aula 03 ecologia do solo
 
Agroecologia e Agricultura Orgânica
Agroecologia e Agricultura OrgânicaAgroecologia e Agricultura Orgânica
Agroecologia e Agricultura Orgânica
 
11 propriedades químicas do solo
11 propriedades químicas do solo11 propriedades químicas do solo
11 propriedades químicas do solo
 
Agricultura geral aula 1 de_adubacao
Agricultura geral aula 1 de_adubacaoAgricultura geral aula 1 de_adubacao
Agricultura geral aula 1 de_adubacao
 
Aula 04 processos de formação do solo
Aula 04   processos de formação do soloAula 04   processos de formação do solo
Aula 04 processos de formação do solo
 
Manejo de plantas daninhas
Manejo de plantas daninhasManejo de plantas daninhas
Manejo de plantas daninhas
 
Panorama da fruticultura brasileira
Panorama da fruticultura brasileiraPanorama da fruticultura brasileira
Panorama da fruticultura brasileira
 
Pós colheita em Frutas: pesquisa, armazenagem e transporte
Pós colheita em Frutas: pesquisa, armazenagem e transportePós colheita em Frutas: pesquisa, armazenagem e transporte
Pós colheita em Frutas: pesquisa, armazenagem e transporte
 
Aula 6 compostagem
Aula 6 compostagemAula 6 compostagem
Aula 6 compostagem
 
Coleta e amostragem de solo.
Coleta e amostragem de solo.Coleta e amostragem de solo.
Coleta e amostragem de solo.
 
Fertilidade do solo
Fertilidade do soloFertilidade do solo
Fertilidade do solo
 
Sistemas agroflorestal ( safs )
Sistemas agroflorestal ( safs )Sistemas agroflorestal ( safs )
Sistemas agroflorestal ( safs )
 
Olericultura e hortaliças
Olericultura e hortaliçasOlericultura e hortaliças
Olericultura e hortaliças
 
Apostila de hortaliças orgânicas
Apostila de hortaliças orgânicasApostila de hortaliças orgânicas
Apostila de hortaliças orgânicas
 

Destaque

Uma abordagem sobre a produção agroecológica de suínos
Uma abordagem sobre a produção agroecológica de suínosUma abordagem sobre a produção agroecológica de suínos
Uma abordagem sobre a produção agroecológica de suínos
João Felix
 
Mas
MasMas
Solo - manejo do solo
Solo -  manejo do soloSolo -  manejo do solo
Solo - manejo do solo
Jakson Raphael Pereira Barbosa
 
Apresentação Irene Cardoso cba agroecologia 2013
Apresentação Irene Cardoso   cba agroecologia 2013Apresentação Irene Cardoso   cba agroecologia 2013
Apresentação Irene Cardoso cba agroecologia 2013
Agroecologia
 
Praticas de conservação do solo e recuperação de áreas degradadas
Praticas de conservação  do solo e recuperação de áreas degradadasPraticas de conservação  do solo e recuperação de áreas degradadas
Praticas de conservação do solo e recuperação de áreas degradadas
Fernando Assis
 
Manejo e conservação do solo - Terraceamento
Manejo e conservação do solo - Terraceamento Manejo e conservação do solo - Terraceamento
Manejo e conservação do solo - Terraceamento
Ediney Dias
 
Manejo da Materia Orgânica
Manejo da Materia OrgânicaManejo da Materia Orgânica
Manejo da Materia Orgânica
Bruno Anacleto
 
Adubação Verde
Adubação VerdeAdubação Verde
Adubação Verde
Marynara Barros
 
Manejo e conservação do solo e da água modulo iii
Manejo e conservação do solo e da água modulo iiiManejo e conservação do solo e da água modulo iii
Manejo e conservação do solo e da água modulo iii
Rita de Cássia Freitas
 
Manual de Conservação do Solo e da Água
Manual de Conservação do Solo e da ÁguaManual de Conservação do Solo e da Água
Manual de Conservação do Solo e da Água
Sérgio Amaral
 
Indicadores de qualidade ambiental e produtividade
Indicadores de qualidade ambiental e produtividadeIndicadores de qualidade ambiental e produtividade
Indicadores de qualidade ambiental e produtividade
Marcelo Venturi
 
2016 leguminosas no ambiente: solo, horta, agrofloresta, diversidade e educaç...
2016 leguminosas no ambiente: solo, horta, agrofloresta, diversidade e educaç...2016 leguminosas no ambiente: solo, horta, agrofloresta, diversidade e educaç...
2016 leguminosas no ambiente: solo, horta, agrofloresta, diversidade e educaç...
Marcelo Venturi
 
Indicadores
IndicadoresIndicadores
Indicadores
Marcelo Venturi
 
Seminario Agroecossistemas Pesquisa Participativa
Seminario Agroecossistemas Pesquisa ParticipativaSeminario Agroecossistemas Pesquisa Participativa
Seminario Agroecossistemas Pesquisa Participativa
Marcelo Venturi
 
Manejo Ecologico Do Solo
Manejo Ecologico Do SoloManejo Ecologico Do Solo
Manejo Ecologico Do Solo
Marcelo Venturi
 

Destaque (15)

Uma abordagem sobre a produção agroecológica de suínos
Uma abordagem sobre a produção agroecológica de suínosUma abordagem sobre a produção agroecológica de suínos
Uma abordagem sobre a produção agroecológica de suínos
 
Mas
MasMas
Mas
 
Solo - manejo do solo
Solo -  manejo do soloSolo -  manejo do solo
Solo - manejo do solo
 
Apresentação Irene Cardoso cba agroecologia 2013
Apresentação Irene Cardoso   cba agroecologia 2013Apresentação Irene Cardoso   cba agroecologia 2013
Apresentação Irene Cardoso cba agroecologia 2013
 
Praticas de conservação do solo e recuperação de áreas degradadas
Praticas de conservação  do solo e recuperação de áreas degradadasPraticas de conservação  do solo e recuperação de áreas degradadas
Praticas de conservação do solo e recuperação de áreas degradadas
 
Manejo e conservação do solo - Terraceamento
Manejo e conservação do solo - Terraceamento Manejo e conservação do solo - Terraceamento
Manejo e conservação do solo - Terraceamento
 
Manejo da Materia Orgânica
Manejo da Materia OrgânicaManejo da Materia Orgânica
Manejo da Materia Orgânica
 
Adubação Verde
Adubação VerdeAdubação Verde
Adubação Verde
 
Manejo e conservação do solo e da água modulo iii
Manejo e conservação do solo e da água modulo iiiManejo e conservação do solo e da água modulo iii
Manejo e conservação do solo e da água modulo iii
 
Manual de Conservação do Solo e da Água
Manual de Conservação do Solo e da ÁguaManual de Conservação do Solo e da Água
Manual de Conservação do Solo e da Água
 
Indicadores de qualidade ambiental e produtividade
Indicadores de qualidade ambiental e produtividadeIndicadores de qualidade ambiental e produtividade
Indicadores de qualidade ambiental e produtividade
 
2016 leguminosas no ambiente: solo, horta, agrofloresta, diversidade e educaç...
2016 leguminosas no ambiente: solo, horta, agrofloresta, diversidade e educaç...2016 leguminosas no ambiente: solo, horta, agrofloresta, diversidade e educaç...
2016 leguminosas no ambiente: solo, horta, agrofloresta, diversidade e educaç...
 
Indicadores
IndicadoresIndicadores
Indicadores
 
Seminario Agroecossistemas Pesquisa Participativa
Seminario Agroecossistemas Pesquisa ParticipativaSeminario Agroecossistemas Pesquisa Participativa
Seminario Agroecossistemas Pesquisa Participativa
 
Manejo Ecologico Do Solo
Manejo Ecologico Do SoloManejo Ecologico Do Solo
Manejo Ecologico Do Solo
 

Semelhante a Adubação orgânica para recuperação do solo

microrganismos do solo formacao do solo, microrganismos e funcoes
 microrganismos do solo   formacao do solo, microrganismos e funcoes microrganismos do solo   formacao do solo, microrganismos e funcoes
microrganismos do solo formacao do solo, microrganismos e funcoes
Editecminas
 
Resumo de métodos de produção
Resumo de métodos de produçãoResumo de métodos de produção
Resumo de métodos de produção
Michele Varela Greggio
 
22102013101046_soloproblema.pdf
22102013101046_soloproblema.pdf22102013101046_soloproblema.pdf
22102013101046_soloproblema.pdf
CarlosMelo486412
 
Conservação do solo e plantio direto
Conservação do solo e plantio diretoConservação do solo e plantio direto
Conservação do solo e plantio direto
Josimar Oliveira
 
1 3 ii
1 3 ii1 3 ii
7ª apresentação do 5º horti serra gaúcha 22 5-2013
7ª apresentação do 5º horti serra gaúcha 22 5-20137ª apresentação do 5º horti serra gaúcha 22 5-2013
7ª apresentação do 5º horti serra gaúcha 22 5-2013
Fattore
 
Manejo de jardins
Manejo de jardinsManejo de jardins
Manejo de jardins
Sheila E Joe Tome
 
-Adubacao-de-Pastagem.ppt
-Adubacao-de-Pastagem.ppt-Adubacao-de-Pastagem.ppt
-Adubacao-de-Pastagem.ppt
MarcelAugustoChormia
 
Palestra - análise de solo ÊNFASE EM MORANGO E BANANEIRA
Palestra - análise de solo ÊNFASE EM MORANGO E BANANEIRAPalestra - análise de solo ÊNFASE EM MORANGO E BANANEIRA
Palestra - análise de solo ÊNFASE EM MORANGO E BANANEIRA
CETEP, FTC, FASA..
 
HORTIFRUTICULTURA - discipl olericultura
HORTIFRUTICULTURA - discipl olericulturaHORTIFRUTICULTURA - discipl olericultura
HORTIFRUTICULTURA - discipl olericultura
MariaRibeiro194699
 
Capítulo 05: uso sustentável do solo
Capítulo 05: uso sustentável do soloCapítulo 05: uso sustentável do solo
Capítulo 05: uso sustentável do solo
Igor Brant
 
Apostila da disciplina de fertilidade e adubação
Apostila da disciplina de fertilidade e adubaçãoApostila da disciplina de fertilidade e adubação
Apostila da disciplina de fertilidade e adubação
Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Tocantins
 
002 solos - apostila técnica corrigida
002   solos - apostila técnica corrigida002   solos - apostila técnica corrigida
002 solos - apostila técnica corrigida
Fernando Rodrigo.
 
[Livro] plantas noções básicas de jardinagem
[Livro] plantas   noções básicas de jardinagem[Livro] plantas   noções básicas de jardinagem
[Livro] plantas noções básicas de jardinagem
maria isabel
 
Enfoque agronômico da erosão hídrica
Enfoque agronômico da erosão hídricaEnfoque agronômico da erosão hídrica
Enfoque agronômico da erosão hídrica
jecassol
 
praticas base novo
praticas base novopraticas base novo
CANETEADO – Tecnologia PLANT DEFENDER para Correção e Fertilização do Solo
CANETEADO – Tecnologia PLANT DEFENDER para Correção e Fertilização do SoloCANETEADO – Tecnologia PLANT DEFENDER para Correção e Fertilização do Solo
CANETEADO – Tecnologia PLANT DEFENDER para Correção e Fertilização do Solo
Mudas Nobres
 
Adubação
AdubaçãoAdubação
1. agroecologia e manejo do solo
1. agroecologia e manejo do solo1. agroecologia e manejo do solo
1. agroecologia e manejo do solo
Emlur
 
Solos
SolosSolos
Solos
Ione Rocha
 

Semelhante a Adubação orgânica para recuperação do solo (20)

microrganismos do solo formacao do solo, microrganismos e funcoes
 microrganismos do solo   formacao do solo, microrganismos e funcoes microrganismos do solo   formacao do solo, microrganismos e funcoes
microrganismos do solo formacao do solo, microrganismos e funcoes
 
Resumo de métodos de produção
Resumo de métodos de produçãoResumo de métodos de produção
Resumo de métodos de produção
 
22102013101046_soloproblema.pdf
22102013101046_soloproblema.pdf22102013101046_soloproblema.pdf
22102013101046_soloproblema.pdf
 
Conservação do solo e plantio direto
Conservação do solo e plantio diretoConservação do solo e plantio direto
Conservação do solo e plantio direto
 
1 3 ii
1 3 ii1 3 ii
1 3 ii
 
7ª apresentação do 5º horti serra gaúcha 22 5-2013
7ª apresentação do 5º horti serra gaúcha 22 5-20137ª apresentação do 5º horti serra gaúcha 22 5-2013
7ª apresentação do 5º horti serra gaúcha 22 5-2013
 
Manejo de jardins
Manejo de jardinsManejo de jardins
Manejo de jardins
 
-Adubacao-de-Pastagem.ppt
-Adubacao-de-Pastagem.ppt-Adubacao-de-Pastagem.ppt
-Adubacao-de-Pastagem.ppt
 
Palestra - análise de solo ÊNFASE EM MORANGO E BANANEIRA
Palestra - análise de solo ÊNFASE EM MORANGO E BANANEIRAPalestra - análise de solo ÊNFASE EM MORANGO E BANANEIRA
Palestra - análise de solo ÊNFASE EM MORANGO E BANANEIRA
 
HORTIFRUTICULTURA - discipl olericultura
HORTIFRUTICULTURA - discipl olericulturaHORTIFRUTICULTURA - discipl olericultura
HORTIFRUTICULTURA - discipl olericultura
 
Capítulo 05: uso sustentável do solo
Capítulo 05: uso sustentável do soloCapítulo 05: uso sustentável do solo
Capítulo 05: uso sustentável do solo
 
Apostila da disciplina de fertilidade e adubação
Apostila da disciplina de fertilidade e adubaçãoApostila da disciplina de fertilidade e adubação
Apostila da disciplina de fertilidade e adubação
 
002 solos - apostila técnica corrigida
002   solos - apostila técnica corrigida002   solos - apostila técnica corrigida
002 solos - apostila técnica corrigida
 
[Livro] plantas noções básicas de jardinagem
[Livro] plantas   noções básicas de jardinagem[Livro] plantas   noções básicas de jardinagem
[Livro] plantas noções básicas de jardinagem
 
Enfoque agronômico da erosão hídrica
Enfoque agronômico da erosão hídricaEnfoque agronômico da erosão hídrica
Enfoque agronômico da erosão hídrica
 
praticas base novo
praticas base novopraticas base novo
praticas base novo
 
CANETEADO – Tecnologia PLANT DEFENDER para Correção e Fertilização do Solo
CANETEADO – Tecnologia PLANT DEFENDER para Correção e Fertilização do SoloCANETEADO – Tecnologia PLANT DEFENDER para Correção e Fertilização do Solo
CANETEADO – Tecnologia PLANT DEFENDER para Correção e Fertilização do Solo
 
Adubação
AdubaçãoAdubação
Adubação
 
1. agroecologia e manejo do solo
1. agroecologia e manejo do solo1. agroecologia e manejo do solo
1. agroecologia e manejo do solo
 
Solos
SolosSolos
Solos
 

Último

Aula04A-Potencia em CA eletricidade USP.pdf
Aula04A-Potencia em CA eletricidade USP.pdfAula04A-Potencia em CA eletricidade USP.pdf
Aula04A-Potencia em CA eletricidade USP.pdf
vitorreissouzasilva
 
MAPAS MENTAIS Conhecimentos Pedagógicos - ATUALIZADO 2024 PROF. Fernanda.pdf
MAPAS MENTAIS Conhecimentos Pedagógicos - ATUALIZADO 2024 PROF. Fernanda.pdfMAPAS MENTAIS Conhecimentos Pedagógicos - ATUALIZADO 2024 PROF. Fernanda.pdf
MAPAS MENTAIS Conhecimentos Pedagógicos - ATUALIZADO 2024 PROF. Fernanda.pdf
GracinhaSantos6
 
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 02.pptx
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 02.pptxVivendo a Arquitetura Salesforce - 02.pptx
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 02.pptx
Mauricio Alexandre Silva
 
Norma de Gênero - Mulheres Heterossexuais, Homossexuais e Bissexuais.pdf
Norma de Gênero - Mulheres Heterossexuais, Homossexuais e Bissexuais.pdfNorma de Gênero - Mulheres Heterossexuais, Homossexuais e Bissexuais.pdf
Norma de Gênero - Mulheres Heterossexuais, Homossexuais e Bissexuais.pdf
Pastor Robson Colaço
 
Aula 1 - Ordem Mundial Aula de Geografia
Aula 1 - Ordem Mundial Aula de GeografiaAula 1 - Ordem Mundial Aula de Geografia
Aula 1 - Ordem Mundial Aula de Geografia
WELTONROBERTOFREITAS
 
LITERATURA INDÍGENA BRASILEIRA: elementos constitutivos.ppt
LITERATURA INDÍGENA BRASILEIRA: elementos constitutivos.pptLITERATURA INDÍGENA BRASILEIRA: elementos constitutivos.ppt
LITERATURA INDÍGENA BRASILEIRA: elementos constitutivos.ppt
EdimaresSilvestre
 
Infografia | Resultados das Eleições Europeias 2024-2029
Infografia | Resultados das Eleições Europeias 2024-2029Infografia | Resultados das Eleições Europeias 2024-2029
Infografia | Resultados das Eleições Europeias 2024-2029
Centro Jacques Delors
 
3ª série HIS - PROVA PAULISTA DIA 1 - 1º BIM-24.pdf
3ª série HIS - PROVA PAULISTA DIA 1 - 1º BIM-24.pdf3ª série HIS - PROVA PAULISTA DIA 1 - 1º BIM-24.pdf
3ª série HIS - PROVA PAULISTA DIA 1 - 1º BIM-24.pdf
AdrianoMontagna1
 
CLASSIFICAÇÃO DAS ORAÇÕES SUBORDINADAS SUBSTANTIVAS 9º ANO.pptx
CLASSIFICAÇÃO DAS ORAÇÕES SUBORDINADAS SUBSTANTIVAS 9º ANO.pptxCLASSIFICAÇÃO DAS ORAÇÕES SUBORDINADAS SUBSTANTIVAS 9º ANO.pptx
CLASSIFICAÇÃO DAS ORAÇÕES SUBORDINADAS SUBSTANTIVAS 9º ANO.pptx
Deiciane Chaves
 
Podcast: como preparar e produzir um programa radiofônico e distribuir na int...
Podcast: como preparar e produzir um programa radiofônico e distribuir na int...Podcast: como preparar e produzir um programa radiofônico e distribuir na int...
Podcast: como preparar e produzir um programa radiofônico e distribuir na int...
Militao Ricardo
 
Primeira fase do modernismo Mapa Mental.pdf
Primeira fase do modernismo Mapa Mental.pdfPrimeira fase do modernismo Mapa Mental.pdf
Primeira fase do modernismo Mapa Mental.pdf
Maurício Bratz
 
UFCD_10789_Metodologias de desenvolvimento de software_índice.pdf
UFCD_10789_Metodologias de desenvolvimento de software_índice.pdfUFCD_10789_Metodologias de desenvolvimento de software_índice.pdf
UFCD_10789_Metodologias de desenvolvimento de software_índice.pdf
Manuais Formação
 
AVALIAÇÃO PRESENCIAL 8º período pedagogia
AVALIAÇÃO PRESENCIAL 8º período  pedagogiaAVALIAÇÃO PRESENCIAL 8º período  pedagogia
AVALIAÇÃO PRESENCIAL 8º período pedagogia
KarollayneRodriguesV1
 
FICHA DE APOIO DE ESCOLA SECUNDÁRIA 2024
FICHA DE APOIO DE ESCOLA SECUNDÁRIA 2024FICHA DE APOIO DE ESCOLA SECUNDÁRIA 2024
FICHA DE APOIO DE ESCOLA SECUNDÁRIA 2024
FredFringeFringeDola
 
PALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇO
PALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇOPALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇO
PALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇO
ARIADNEMARTINSDACRUZ
 
DNA e RNA - Estrutura dos Ácidos nucleicos
DNA e RNA - Estrutura dos Ácidos nucleicosDNA e RNA - Estrutura dos Ácidos nucleicos
DNA e RNA - Estrutura dos Ácidos nucleicos
jonny615148
 
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
fran0410
 
A Formação da Moral Cristã na Infância - CESB - DIJ - DIEF - G. de PAIS - 16....
A Formação da Moral Cristã na Infância - CESB - DIJ - DIEF - G. de PAIS - 16....A Formação da Moral Cristã na Infância - CESB - DIJ - DIEF - G. de PAIS - 16....
A Formação da Moral Cristã na Infância - CESB - DIJ - DIEF - G. de PAIS - 16....
MarcoAurlioResende
 
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
DouglasMoraes54
 
formação - 2º ano São José da Tapera ...
formação - 2º ano São José da Tapera ...formação - 2º ano São José da Tapera ...
formação - 2º ano São José da Tapera ...
JakiraCosta
 

Último (20)

Aula04A-Potencia em CA eletricidade USP.pdf
Aula04A-Potencia em CA eletricidade USP.pdfAula04A-Potencia em CA eletricidade USP.pdf
Aula04A-Potencia em CA eletricidade USP.pdf
 
MAPAS MENTAIS Conhecimentos Pedagógicos - ATUALIZADO 2024 PROF. Fernanda.pdf
MAPAS MENTAIS Conhecimentos Pedagógicos - ATUALIZADO 2024 PROF. Fernanda.pdfMAPAS MENTAIS Conhecimentos Pedagógicos - ATUALIZADO 2024 PROF. Fernanda.pdf
MAPAS MENTAIS Conhecimentos Pedagógicos - ATUALIZADO 2024 PROF. Fernanda.pdf
 
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 02.pptx
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 02.pptxVivendo a Arquitetura Salesforce - 02.pptx
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 02.pptx
 
Norma de Gênero - Mulheres Heterossexuais, Homossexuais e Bissexuais.pdf
Norma de Gênero - Mulheres Heterossexuais, Homossexuais e Bissexuais.pdfNorma de Gênero - Mulheres Heterossexuais, Homossexuais e Bissexuais.pdf
Norma de Gênero - Mulheres Heterossexuais, Homossexuais e Bissexuais.pdf
 
Aula 1 - Ordem Mundial Aula de Geografia
Aula 1 - Ordem Mundial Aula de GeografiaAula 1 - Ordem Mundial Aula de Geografia
Aula 1 - Ordem Mundial Aula de Geografia
 
LITERATURA INDÍGENA BRASILEIRA: elementos constitutivos.ppt
LITERATURA INDÍGENA BRASILEIRA: elementos constitutivos.pptLITERATURA INDÍGENA BRASILEIRA: elementos constitutivos.ppt
LITERATURA INDÍGENA BRASILEIRA: elementos constitutivos.ppt
 
Infografia | Resultados das Eleições Europeias 2024-2029
Infografia | Resultados das Eleições Europeias 2024-2029Infografia | Resultados das Eleições Europeias 2024-2029
Infografia | Resultados das Eleições Europeias 2024-2029
 
3ª série HIS - PROVA PAULISTA DIA 1 - 1º BIM-24.pdf
3ª série HIS - PROVA PAULISTA DIA 1 - 1º BIM-24.pdf3ª série HIS - PROVA PAULISTA DIA 1 - 1º BIM-24.pdf
3ª série HIS - PROVA PAULISTA DIA 1 - 1º BIM-24.pdf
 
CLASSIFICAÇÃO DAS ORAÇÕES SUBORDINADAS SUBSTANTIVAS 9º ANO.pptx
CLASSIFICAÇÃO DAS ORAÇÕES SUBORDINADAS SUBSTANTIVAS 9º ANO.pptxCLASSIFICAÇÃO DAS ORAÇÕES SUBORDINADAS SUBSTANTIVAS 9º ANO.pptx
CLASSIFICAÇÃO DAS ORAÇÕES SUBORDINADAS SUBSTANTIVAS 9º ANO.pptx
 
Podcast: como preparar e produzir um programa radiofônico e distribuir na int...
Podcast: como preparar e produzir um programa radiofônico e distribuir na int...Podcast: como preparar e produzir um programa radiofônico e distribuir na int...
Podcast: como preparar e produzir um programa radiofônico e distribuir na int...
 
Primeira fase do modernismo Mapa Mental.pdf
Primeira fase do modernismo Mapa Mental.pdfPrimeira fase do modernismo Mapa Mental.pdf
Primeira fase do modernismo Mapa Mental.pdf
 
UFCD_10789_Metodologias de desenvolvimento de software_índice.pdf
UFCD_10789_Metodologias de desenvolvimento de software_índice.pdfUFCD_10789_Metodologias de desenvolvimento de software_índice.pdf
UFCD_10789_Metodologias de desenvolvimento de software_índice.pdf
 
AVALIAÇÃO PRESENCIAL 8º período pedagogia
AVALIAÇÃO PRESENCIAL 8º período  pedagogiaAVALIAÇÃO PRESENCIAL 8º período  pedagogia
AVALIAÇÃO PRESENCIAL 8º período pedagogia
 
FICHA DE APOIO DE ESCOLA SECUNDÁRIA 2024
FICHA DE APOIO DE ESCOLA SECUNDÁRIA 2024FICHA DE APOIO DE ESCOLA SECUNDÁRIA 2024
FICHA DE APOIO DE ESCOLA SECUNDÁRIA 2024
 
PALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇO
PALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇOPALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇO
PALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇO
 
DNA e RNA - Estrutura dos Ácidos nucleicos
DNA e RNA - Estrutura dos Ácidos nucleicosDNA e RNA - Estrutura dos Ácidos nucleicos
DNA e RNA - Estrutura dos Ácidos nucleicos
 
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
 
A Formação da Moral Cristã na Infância - CESB - DIJ - DIEF - G. de PAIS - 16....
A Formação da Moral Cristã na Infância - CESB - DIJ - DIEF - G. de PAIS - 16....A Formação da Moral Cristã na Infância - CESB - DIJ - DIEF - G. de PAIS - 16....
A Formação da Moral Cristã na Infância - CESB - DIJ - DIEF - G. de PAIS - 16....
 
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
 
formação - 2º ano São José da Tapera ...
formação - 2º ano São José da Tapera ...formação - 2º ano São José da Tapera ...
formação - 2º ano São José da Tapera ...
 

Adubação orgânica para recuperação do solo

  • 1. Adubação Orgânica para Recuperação do Solo Valdecir Queiroz Filho keiroz33@gmail.com (87) 9638 0012
  • 2. Adubação orgânica para recuperação do solo No manejo do solo, a primeira e talvez a mais importante operação a ser realizada é o seu preparo. O preparo do solo compreende um conjunto de práticas que, quando usado racionalmente, pode permitir uma alta produtividade das culturas a baixos custos, mas pode também, quando usado de maneira incorreta, levar rapidamente um solo à degradação física, química e biológica e paulatinamente, diminuir o seu potencial produtivo.
  • 3. Sistema atual de produção • O atual sistema de exploração agrícola tem induzido o solo a um processo acelerado de degradação, com desequilíbrio de suas características físicas, químicas e biológicas, afetando, progressivamente, o seu potencial produtivo.
  • 7. Fatores que causam degradação do solo • Os fatores que causam a degradação do solo agem e forma conjunta e a importância relativa de cada um varia com as circunstâncias de clima, do próprio solo e de culturas. Entre os principais fatores, destacam e: a compactação, a ausência da cobertura vegetal do solo, a ação das chuvas de alta intensidade, o uso de áreas inaptas para culturas anuais, o preparo do solo com excessivas gradagem superficiais e o uso de práticas conservacionistas isoladas. Em substituição a esse modelo, existem varias práticas indispensáveis para reverter o processo de degradação dos solo e melhorar o desempenho das culturas.
  • 8. SOLO • O solo, também chamado terra, tem grande importância na vida de todos os seres vivos do nosso planeta. É formado a partir da rocha pela ação do clima. A chuva, gelo, vento e temperatura com a ajuda dos organismos vivos transformam as rochas, diminuindo o seu tamanho, até transformá-la em um material mais ou menos solto e macio, também chamado de parte mineral.
  • 9. Os solos não são todos iguais • Os solos são constituídos pelos mesmos componentes. A quantidade dos componentes presentes é que diferencia um solo do outro. • Dificilmente encontraremos um solo constituído só de areia ou só de argila ou só de húmus. Solo arenoso Solo argiloso Solo húmico
  • 10. Camadas do solo 0 - É o horizonte superficial. Contém mais de 20% de matéria orgânica (animal e vegetal) em diferentes graus de decomposição. A - Apresenta maior quantidade de matéria orgânica decomposta e misturada com elementos minerais (ferro, alumínio) através da lixiviação (ação das águas). Nas áreas cultivadas, está em contato direto com a atmosfera. Contém as raízes dos vegetais. B - Bastante intemperizado. Pouco afetado pela erosão natural e pela ação do homem. Pouca matéria orgânica, muita matéria mineral e cor geralmente vermelha ou amarela. Recebe materiais lixiviados do A. C - Formado pelo material original do solo, proveniente da rocha matriz. R - Rocha matriz.
  • 12.
  • 13.
  • 14.
  • 15.
  • 16.
  • 17.
  • 18.
  • 19.
  • 20.
  • 21.
  • 22. Constituição dos solos Arenosos 0% Limo 5% Argila 5% Areia 90%
  • 23. Constituição dos Solos Argilosos 0% Limo 25% Areia 15% Argila 60%
  • 24. Constituição dos Solos Francos 0% Limo 25% Areia 45% Argila 30%
  • 25. Microbiologia do Solo • A importância da vida microbiana do solo: • A saúde e a produtividade de nossas plantas dependerão da biomassa microbiana, compreendida por bactérias, fungos, protozoários e microfauna. São estes micróbios que degradam a matéria orgânica, reciclam os nutrientes essenciais às plantas e elaboram substâncias vivas. Podemos dizer que a nutrição das plantas depende do trabalho desta vida do solo. É essa biomassa microbiana do solo que solubiliza fósforo mineral, mineraliza o potássio a partir de restos vegetais e animais, fixa nitrogênio, favorece a estrutura do solo e elabora as substâncias de crescimento para as plantas.
  • 27.
  • 28. Ciclo natural da fertilidade do solo
  • 29. Adubação orgânica para recuperação do solo • • • • • • • • Fosfatagem Calagem Adubação verde Compostagem Rotação de culturas Plantio direto Consórcios Quebra ventos
  • 30. Insumos Usados na recuperação e adubação de Solos • Composto orgânico • Sementes de leguminosas, gramíneas e compostas. • Calcário de Rochas • Lithothamnium ( Algas marinhas calcificadas) • Farinhas de rochas • Fosfatos naturais • Micro nutrientes (Oligoelementos)
  • 31. Benefícios de Uma adubação equilibrada. • Aumento IMEDIATO do pH e da CTC efetiva na rizosfera • Otimização da absorção do NPK • Redução de perdas por Lixiviação • Liberação de ácidos orgânicos que disponibiliza o Fósforo para a planta • Formação de um complexo argilo-húmico de qualidade....
  • 32. Praticas naturais para adubação e recuperação do solo
  • 35.
  • 36. TERMO FOSFATO DE GAFSA ou FOSFATO NATURAL REATIVO (Tunísia) sedimentar e orgânico P2O5 (Tot) = 28,0 – 29% P2O5 (solúvel em ácido cítrico 2% 1/1000) = 10% SO3 = 3,2% SiO2 = 3,6% K2O= 0,11% Zn = 370ppm Ca = 32% Cu = 19ppm MgO = 0,8% Mn= 27ppm
  • 37. CURVA DE NÍVEL • A CURVA DE NÍVEL É MUITO IMPORTANTE PARA EVITAR EROSÃO E PERDA DA CAMADA FÉRTIL DO SOLO NAS ENXURRADAS
  • 38.
  • 39. Plantio em curvas de nível
  • 40. COBERTURA MORTA Protege a camada fértil do solo Segura a umidade Reduz plantas espontâneas e necessidade de limpas
  • 41.
  • 42. Proteção da Camada Fértil A incidência direta do sol queima a matéria orgânica do solo A matéria orgânica contém nutrientes, microorganismos e retém a umidade no solo A Camada fértil tem 10 a 20 cm de espessura Quando aramos a terra trazemos a parte pobre do solo para a superfície e aumentamos a decomposição da matéria orgânica e destruição dos microorganismos
  • 44. Cobertura morta com bagana de Carnauba
  • 46. SPD SISTEMA PLANTIO DIRETO “ É um dos maiores desafios da agricultura orgânica brasileira ”
  • 47. Aração: Espelhamento e compactação sub-superficial
  • 49. BENEFÍCIOS DO PLANTIO DIRETO NA PALHA 1 - Reduz o arraste de terra em até 90 % (SP)
  • 50. 2- Melhoria na estrutura física do solo ( aumenta o nº de poros e o tamanho dos poros; bichos perfuram a terra em profundidade 3- Aumento da matéria orgânica do solo = terra mais rica, mais fértil com o passar do tempo (aumento do estoque de carbono)
  • 51. 4 - Aumento da vida biológica do solo – insetos, vermes, bactérias, fungos que afofam a terra e combatem as pragas e doenças da terra. foto: coró da palha em área de plantio
  • 52. Minhoca coletada em lavoura sob plantio direto. Tuparendi, RS. COOPLANTIO.
  • 53. 5 - Redução dos gastos com irrigação e com o uso de máquinas
  • 54. 6 - Redução da ocorrência de mato
  • 55. Abertura de sulcos e adubação em área com cobertura vegetal recém cortada 7 - Redução do consumo de combustível e energia elétrica – por conseqüência reduz a emissão de CO2 e o efeito estufa
  • 57. FERRAMENTA DESENVOLVIDA PARA COVEAR AS ÁREAS DE PLANTIO DE TOMATE EM PLANTIO DIRETO - Santa Catarina
  • 58. Taxa de cobertura do solo
  • 59. Adubação a lanço – Aproveitamento deficiente de N
  • 60. Leguminosa Gramínea Competição por N – planta vs microrganismos
  • 61. Leguminosa Gramínea Competição por N – planta vs microrganismos
  • 64. CONSORCIO DE CULTURAS O consorciamento de culturas facilita o desenvolvimento de inimigos naturais Traz beneficios ao solo e ao produtor Ajuda a quebrar o ciclo de alguns patógenos (causadores de doenças) Reduz necessidade de limpas Aumenta a produtividade total da área
  • 68.
  • 69. ADUBAÇÃO VERDE LEGUMINOSAS (Feijão de Porco) FIXAÇÃO DO NITROGENIO DO AR RIZOBIOS
  • 70. O COQUETEL DE PLANTAS É UMA MISTURA DE LEGUMINOSAS, GRAMINEAS E COMPOSTAS
  • 75. COQUETEL SUGERIDO • • • • • • FEIJAO DE PORCO –(Canavalia ensiformes) 16 KG/HÁ CALOPOGONIO – (Calopogonium mucunoides) 3 KG/HÁ CROTALARIA (Juncea) 3KG/HÁ AMENDOIN RASTEIRO (Arachis Pintoi )4/KG/HÁ MILHETO (Pennisetum typhoideum) 1 Kg/ha MUCUNA ANÃ (Stizolobium cinereum) 13 kg
  • 76. COMPOSIÇÃO DO COQUETEL Kg./ha sementes • Obrigatórias • • • • • • • • • • • • Milho – Zea mays Mucuna– Stizolobium aterrum 24 Feijão-de-porco – Canavalia brasiliensis Labe-labe – Dolichus lablab Feijão guandú – Cajanus cajan Girassol – Helianthus annus Mamona – Ricinus communis Feijão macassar – Vigna unguiculata Leucena - leucena leucocephala Tefrósia - Tephrosia candida Manjerioba Mata pasto – Cassia tora 16 16 12 10 8 5 4 2 1 1 1 • Opcionais • • • • • • • • Feijão- de- papagaio – Canavalia obtusifolia 8 Crotalária – Crotalária ochoroleuca 5 Calopogônio – Calopogonio mucunoides 4 Sorgo – Sorghum vulgaris 4 Crotalária – Crotalaria anageroides 3 Milheto – Pennisetum typhoideum 2 Abóbora – Cucurbita moshata 0,5 Outras
  • 77.
  • 78.
  • 79.
  • 80. Amendoim Forrageiro Perene (Arachis Pintoi) CROTALÁRIA (Juncea)
  • 81. Calopogônio (Calopogonium mucunoides) Feijão de porco (Canavalia ensiformes)
  • 82.
  • 83.
  • 84. Rizóbios – fixação de nitrogênio
  • 85.
  • 86.
  • 87.
  • 88.
  • 89.
  • 90.
  • 91.
  • 92.
  • 93.
  • 94.
  • 95.
  • 96.
  • 97. RESULTADO DAS DISCUSSÕES • Diversidade e complexidade • Estratificação : otimização do uso de nutrientes e luz • Sinergias, alelopatias: controle de ervas infestantes e nematoides • Matéria orgânica: 50-70 toneladas de massa verde/hectare • Cobertura de proteção do solo
  • 99.
  • 100.
  • 101. BOKASHI – NITROGENADO - FOSFORADO – POTÁSSICO
  • 102. CHORUME E CALDAS FERMENTADAS (COMPOST – TEA)
  • 103. CHORUME E CALDAS FERMENTADAS (COMPOST – TEA)
  • 104. Biocalda • • • • • • • • • • • Composição da Biocalda para 200 litros de água Composto – 40 kg ou 30kg de esterco fresco de vaca Bokashi – 15 kg Farinha de rocha Ipirá - 10 kg Algen ( Lithothamnium) – 2 kg Ponteiro de Plantas – 20 kg bem triturado Leite – 2 lt ou Soro de leite 4 lt Melaço- 5 lt Fermento de pão - 500g Microrganismos capturados no arroz – 500 g com fungos. Deixar fermentar por 30 dias, mexer duas vezes por semana, quando ficar pronto coar e pulverizar 2,5% a 5% a cada 15 dias na Acerola, Banana ,Goiaba e no coco a cada 20, 30 dias, pulverizar. • Queiroz
  • 105. SUL – PO - MAG K2O = 22% Mg = 22% S = 22% Solubilidade = 99,7%
  • 106. Composição Algen (Lithothamnium) • Cálcio e Magnésio de alta solubilidade • Micronutrientes de alta solubilidade (oligoelementos) • Silício de alta solubilidade • Carbono 11% • Presença de Fitormônios • Estimulantes • Aminoácidos
  • 107. Composição Algen (Lithothamnium) • Macronutrientes • CaO ......... 42,2 a 45,5% Fe2O3......0,27 a 0,67 % Vitamina B1.........0,05mg/100g • MgO.......... 3,8 a 5,3% Mn ............35 a 200 ppm Vitamina C...........7,04mg/100g • K2O.......... 0,02 a 0,04% Zn ..............11 a 22 ppm Vitamina PP.........1,46mg/100g • P2O5.........0,04 a 0,16% Co.............. 11 a 16 ppm Aspargina...............56mg/100g • S................0,25 a 0,52% Mo...................1 a 5 ppm Serina........................4mg/100g • SiO2.......... 2,1 a 2,5% B....................8 a 20 ppm Glycina....................10mg/100g • Na.............. 0,4 a 0,5% Cu...............18 a 26 ppm Alanina.....................8mg/100g • V.........................14 ppm Arginina..................14mg/100g • Ni........................15 ppm Tyrosina.................10mg/100g Micronutrientes Vitaminas(aminoácidos) • Fenilalanina............6mg/100g • Lysina......................9mg/100g • Valina.......................2mg/100g
  • 108. TORTA DE MAMONA c/N= 6 – 10/1 N = 4 – 6% P2O5= 0,7 – 2,0% K2O = 1 - 2% CaO = 0,5 – 1,8% M. O. = 92% B = 80 – 100ppm MgO = 0,5 – 0,9% Cu = 70 – 80ppm Fe = 70 – 80ppm Mn = 55 – 400ppm Zn = 100 – 140ppm
  • 109. YOORIN P2O5 total = 18% P2O5 (solúvel em ácido cítrico 2% 1/1000) = 16,5% Mg = 7% Ca = 18% Si = 10%
  • 110. CINZA DE MADEIRA M. O. = 1,94% Mg = 2,73% Ca = 26,47% N = 0,52% P = 3,37% K = 4,85%
  • 111. NATURALPLUS Granulometria inferior a 4mm  Presença de: P, K, Ca, Mg, Na, Fe, Mn, S Traços significativos de: Zn, Co, V e Ni.
  • 112. MB 4 O MB-4 é um produto natural derivado de rochas previamente selecionadas e que dispõe dos nutrientes necessários para atender as exigências das plantas e da vida microbiana, produzindo lavouras bem nutridas, saudáveis e apropriadas ao consumo, sem pragas e doenças. Mangueira: 5 kg Maracujá: 2 kg Videira: 2 kg Goiabeira: 4 kg Coentro: 0,2 kg/m2
  • 113. FILLER AGRÍCOLA MIBASA Possui uma granulometria menor que a do calcário dolomítico, para que seja mais rapidamente absorvido pelo solo. Calagem 30 dias antes do plantio.
  • 114. ESTERCOS Umidade e composição de estercos de animais domésticos (valores médios/base seca). Animal (%) (%) ppm Umidade N P K Ca Mg Fe Mn Zn Galinha 35 3,63 1,54 2,64 1,99 0,52 80 378 298 Bovino de Corte 73 2,04 0,56 1,70 0,67 0,44 179 34 24 Bovino de Leite 75 2,11 0,70 2,39 0,87 0,44 0,83 763 132 Suíno 62 2,32 2,06 1,62 3,25 0,77 0,96 8800 422 Fonte: http://www.illea.org/n2.html
  • 115. Bokashi sólido-2 Ingredientes Quantidade Terra virgem (barranco) 100kg Terra de mata 25kg Composto pronto ou esterco de gado 25kg Farelo de arroz ou algodão 20kg Farelo de mamona 5kg Farinha de ossos 10kg Resíduos de sementes 25kg Cinzas (munha de carvão) 5kg Rapadura, açúcar mascavo 1kg Amido de mandioca 0,5kg Fubá de milho 0,5kg Água 45 %
  • 116. Matérias para fazer 01 tonelada Bokashi (orientado acerola) 1- Barro de subsolo 500 kg 2- Composto peneirado 200 kg – o composto deve ser pronto dentro das normas orgânicas.( NOP,JAS) 3- Farinha de osso 50 kg 4- Farinha de sangue ou sangue fresco 50 kg 5- Resto de peixe triturado ou farinha de peixe 30 kg 6- Farelo de trigo 50 kg 7- Torta de Mamona ou babaçu – 200kg ( se babaçu 250kg) 8- Melaço – 15 a 20 lt 9- Microrganismos capturados no arroz 5lt ( como orientado) ou 1 kg de fermento de pão. »Umidade 55% , do mesmo jeito da umidade da massa de fazer cuscuz. »Deixar fermentar por 10 dias,revirar a pilha diariamente, medir a temperatura todos os dias e anotar. »Dosagens : plantas adultas 1,5Kg a cada 60 dias, plantas novas 300gr a cada 60 dias. Plantas com 1 a 2 anos, 1kg a cada 60 dias.
  • 117.
  • 118. CONSULTORIA EM AGRICULTURA ORGÂNICA E BIODINÂMICA Contato Valdecir Queiroz Filho Consultor 87 3861 1278 - 87 - 9638 0012 keiroz33@gmail.com