SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 33
CORPOREIDADE
Flora Couto
psicóloga – CRP 03/02441
GESTALT-TERAPIA
LEITURA CORPORAL
Anatomia emocional
Experiment-ação
Experimentação x experienciação
O TERAPEUTA E O EXPERIMENTO
Terapeuta artesão: técnica x techné
O terapeuta é o experimento espacializado e temporalizado
O FUNDO ativador
A atenção flutuante e plena
O Auto cuidado e preparo para a sessão.
O TERAPEUTA E O EXPERIMENTO
Segundo Buber, o contato Autêntico é um encontro dialógico;
para o contato dialógico autêntico ocorrer é necessária
algumas condições:
 Abertura: uma visão ingênua para o outro, na qual o conhecimento
não ponha barreiras ao encontro.
 Reciprocidade: uma entrega descompromissada e confiante na
realidade do outro.
 Presença: uma entrega à experiência imediata na aceitação da
totalidade do outro, coisa ou pessoa, deixando-se acontecer.
 Responsabilidade: uma visão do outro como vejo a mim; uma
entrega e uma resposta espontânea na certeza de quem eu sou e
na crença de quem o outro é.
EXPERIMENTO
“O experimento, em GT, é uma tentativa de fazer frente a
paralisação perifásica atráves da mobilização do sistema de
ação do indivíduo. Através do experimento, ele é levado a
confrontar as emergências de sua vida ao representar seus
sentimentos e ações abortados, numa situação de relativa
segurança, e onde a exploração ousada pode ser
apoiada[…]
Como diz Joel Latner, "A importância dos experimentos está
em como eles nos permitem examinar o que fazemos e
descobrir o que não faremos".
EXPERIMENTO
O experimento não deve se transformar num paliativo ou
substituto para um compromisso válido; […]
O experimento não é nem um ensaio para alguma coisa
futura, nem uma repetição de uma coisa passada;
O experimento visa ao coração da resistência,
transformando a rigidez em um sistema elástico de apoio.
Experimentação: ancoragem e corporificação do fluxo de
consciência - awareness - contato
EXPERIMENTO - Enquadramento
O paciente, enquanto parceiro ativo no experimento, concentra-se
no que está realmente sentindo, pensando, fazendo, dizendo;
procura entrar em contato com isso mais profundamente em
termos de imagem, sensação corporal, resposta motora, descrição
verbal, etc...
Trata-se de algo de interesse vital para ele, de modo que não
precisa forçar a situação; sua atenção é captada naturalmente. O
contexto pode ser escolhido pelo terapeuta a partir do que ele
conhece sobre o paciente e em conformidade com sua concepção
científica de onde se situa a resistência.
Trata-se de algo de que o paciente está vagamente consciente
('aware) e de que se vai tornando mais consciente ('aware) graças
ao exercício
EXPERIMENTO - Enquadramento
O paciente, enquanto parceiro ativo no experimento, concentra-se
no que está realmente sentindo, pensando, fazendo, dizendo;
procura entrar em contato com isso mais profundamente em
termos de imagem, sensação corporal, resposta motora, descrição
verbal, etc...
Fazendo o exercício, o paciente é encorajado a seguir suas
inclinações, a imaginar e exagerar livremente, pois é um jogo
seguro. Justapõe a atitude e a atitude exagerada a sua situação
presente: sua postura em relação a si próprio, em relação ao
terapeuta, seu comportamento cotidiano (na família, no trabalho,
em relação a sexo).
Alternadamente ele inibe com exagero a atitude e justapõe a
inibição nos mesmos contextos.
EXPERIMENTO - Enquadramento
À medida que o contato se torna mais íntimo e o conteúdo se torna
mais completo, sua ansiedade é despertada. Isto constitui uma
emergência vivencial, porém a emergência é segura, controlável, e
ambos os parceiros sabem disto.
O objetivo é o de que, na emergência segura, a intenção
subjacente (reprimida) - ação, atitude, objeto do dia presente,
memória torne-se dominante e re-forme a figura.
O paciente aceita a figura como sendo sua, e sente que "sou eu
quem sente, pensa e faz determinada coisa" (p. 335-336)
EXPERIMENTO - OBJETIVOS
Expandir o repertório de comportamentos da pessoa;
Criar condições sob as quais a pessoa possa ver sua vida como
sendo 'de sua própria criação e autoria' (tomar posse da terapia);
Estimular a aprendizagem experiencial da pessoa, bem como a
evolução de novos auto-conceitos a partir de criações
comportamentais;
Completar situações inacabadas e superar bloqueios no ciclo
'awareness'/excitação/contato;
Integrar compreensões corticais e expressões motoras;
EXPERIMENTO - OBJETIVOS
Descobrir polarizações não conhecidas ('not in awareness’);
Estimular a integração de forças conflitivas na personalidade
Desalojar e reintegrar introjetos e rearranjar sentimentos, idéias e
ações mal colocadas na personalidade;
Estimular circunstâncias sob as quais a pessoa possa agir e
sentirse mais forte, mais competente, com um melhor auto-suporte,
podendo explorar mais e estando mais ativamente responsável
para consigo mesma (p. 126)
AS CÉLULAS EXPERIMENTAIS
Identificação/preparo do terreno/aquecimento/base
Convite/consenso
Gradação
Awareness
Localizar a Energia/Intensidade
Foco
AS CÉLULAS EXPERIMENTAIS
Construção de auto-suporte
Tema
Escolha do experimento
Insight e conclusão
Assimilação, acomodação, reverberação e resignificação no/do
campo existencial
Redes interacionais no Processo Experimental
Ego-sintonia - experimentos pensados no sentido da
organização egóica:
1. Aproximação lenta e gradual ao tema central da angústia;
2. Fortalecimento do auto-suporte;
3. Profilaxia e intervenção em/das crises depressiva maior e/ou surto
psicótico-psicose;
4. Diminuição da ansiedade/conflito de enfrentamento da cena temida;
5. Estimulo experiencial com menor intensidade, duração, frequência...
Ego-distonia -experimentos pensados no sentido da
desorganização egóica:
1.Aproximação lenta, mas direta ao tema central da angústia;
2. Menor grau de auto-suporte;
3.Aumento da ansiedade/conflito de enfrentamento da cena temida;
4. Estimulo experiencial com maior intensidade, duração, frequência...
Somagramas
Cartografia do corpo
Metáforas corporais
Os 5 Passos
MRPS
Técnicas de relaxamento
Mindfulness, focalização…
Arterapia corporal
Técnicas de awareness corporal: respiração, gradação,
expressão, descompressão…
Bioenergética
Psicoterapia corporal….
TÉCNICAS
SOMAGRAMAS
5 Passos do COMO - KELEMAN
O QUE ESTOU FAZENDO?
COMO ESTOU FAZENDO?
COMO PARO DE FAZÊ-LO?
O QUE ACONTECE QUANDO
PARO DE FAZÊ-LO?
COMO USO O QUE APRENDI A
RESPEITO?
MATERIAL DE SUPORTE
EXTRAS
OBRIGADA
Referência Bibliográfica
 RIBEIRO, Jorge Ponciano. Gestalt Terapia: refazendo um
caminho. São Paulo: Summus. Cap. I, 2.1, 2.2 e 2.3. ____ O Ciclo
do Contato. São Paulo: Summus.________.Gestalt Terapia: o
processo grupal – uma abordagem fenome-nológica da teoria de
campo e holística. São Paulo: Summus, 1994. ____. Psicoterapia
de Curta Duração. São Paulo: Summus, 1999
 RODRIGUES, Hugo Elídio. Introdução a Gestalt-Terapia:
conversando sobre os fundamentos da abordagem. Petrópolis, R.J.:
Vozes, 2000.
 ZINKER, J.; O processo criativo na terapia gestáltica. [1,2]
 DÁCRI, Gladys; LIMA, Patrícia; ORGLER, Scheila. Dicionário de Gestalt-
terapia. São Paulo: Summus, 2007.
 KELEMAM, Stanley. Anatomia Emocional. São Paulo: Summus, 1992.
 BOLOGNESI, Mário Fernando. O corpo como princípio. Trans/Form/Ação
, Marília, v. 24, n. 1, 2001 . Disponível em:
<http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0101-
31732001000100007&lng=&nrm=iso>. Acesso em: 02 2008;
 CSA van der Broocke, MG de Macedo. O corpo como agente saudável e
mensageiro dos conflitos psíquicos em uma perspectiva gestáltica.IGT na
Rede, 2006. Disponível em: http://www.igt.psc.br/ojs/viewarticle.php?id=28.
Acesso em: 19 de novembro de 2008;
• DEL PRIORI, Mary Lucy. A história do corpo e a Nova História: uma autópsia.
In: Revista da USP, nº 23, São Paulo, 1994.
• PORTER, Roy. História do corpo. In: BURKE, Peter (org.). A escrita da história:
novas perspectivas. São Paulo: UNESP. 1992.
• SANT´ANNA, Denise. Corpo e história. In: Núcleo de estudos e Pesquisa da
Subjetividade do programa de estudos de Pós-Graduados em Psicologia
Clínica. Cadernos de Subjetividade. v. 1, nº 1, São Paulo, 1993.
• SENNET, Richard. Carne e pedra: o corpo e a cidade na civilização ocidental.
Rio de Janeiro: Record, 1997.
• SCARPATO, A (2005). Introdução à Psicologia Formativa de Stanley Keleman,
Revista Psicologia Brasil, ano 3 n 27, p 30-31. Disponível em:
http://www.psicoterapia.psc.br/scarpato/t_intro.html
Referência Bibliográfica

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Aula 4 - teoria psicanalítica e psicodinâmica do trabalho
Aula 4 -   teoria psicanalítica e psicodinâmica do trabalhoAula 4 -   teoria psicanalítica e psicodinâmica do trabalho
Aula 4 - teoria psicanalítica e psicodinâmica do trabalho
Felipe Saraiva Nunes de Pinho
 
Psicologia hospitalar
Psicologia hospitalarPsicologia hospitalar
Psicologia hospitalar
Luiz Vicente
 
Psicopatologia I - Aula 1: Introdução aos Conceitos da Psicopatologia.
Psicopatologia I - Aula 1: Introdução aos Conceitos da Psicopatologia.Psicopatologia I - Aula 1: Introdução aos Conceitos da Psicopatologia.
Psicopatologia I - Aula 1: Introdução aos Conceitos da Psicopatologia.
Alexandre Simoes
 
Gestalt Terapia - Psicologia
Gestalt Terapia - PsicologiaGestalt Terapia - Psicologia
Gestalt Terapia - Psicologia
Adriane Fernandes
 
Aula 05 curso de psicopatologia - síndromes psiquiátricas
Aula 05   curso de psicopatologia - síndromes psiquiátricasAula 05   curso de psicopatologia - síndromes psiquiátricas
Aula 05 curso de psicopatologia - síndromes psiquiátricas
Lampsi
 
Aula 03 - Funções psíquicas
Aula 03 - Funções psíquicasAula 03 - Funções psíquicas
Aula 03 - Funções psíquicas
Lampsi
 
Aula 02
Aula 02Aula 02
Aula 02
Lampsi
 

Mais procurados (20)

Manual de psicologia hospitalar
Manual de psicologia hospitalarManual de psicologia hospitalar
Manual de psicologia hospitalar
 
Emoções
EmoçõesEmoções
Emoções
 
Psicologia na Saúde
Psicologia na SaúdePsicologia na Saúde
Psicologia na Saúde
 
Kurt lewin
Kurt lewinKurt lewin
Kurt lewin
 
Aula 4 - teoria psicanalítica e psicodinâmica do trabalho
Aula 4 -   teoria psicanalítica e psicodinâmica do trabalhoAula 4 -   teoria psicanalítica e psicodinâmica do trabalho
Aula 4 - teoria psicanalítica e psicodinâmica do trabalho
 
Toque terapêutico
Toque terapêuticoToque terapêutico
Toque terapêutico
 
Psicologia institucional e procesos grupais
Psicologia institucional e procesos grupaisPsicologia institucional e procesos grupais
Psicologia institucional e procesos grupais
 
Psicologia hospitalar
Psicologia hospitalarPsicologia hospitalar
Psicologia hospitalar
 
5093 palestra saude_mental_(3)
5093 palestra saude_mental_(3)5093 palestra saude_mental_(3)
5093 palestra saude_mental_(3)
 
04 psciologia hospitalar
04 psciologia  hospitalar04 psciologia  hospitalar
04 psciologia hospitalar
 
ESTUDO DIRIGIDO - PSICOSSOMÁTICA
ESTUDO DIRIGIDO - PSICOSSOMÁTICAESTUDO DIRIGIDO - PSICOSSOMÁTICA
ESTUDO DIRIGIDO - PSICOSSOMÁTICA
 
Psicopatologia I - Aula 1: Introdução aos Conceitos da Psicopatologia.
Psicopatologia I - Aula 1: Introdução aos Conceitos da Psicopatologia.Psicopatologia I - Aula 1: Introdução aos Conceitos da Psicopatologia.
Psicopatologia I - Aula 1: Introdução aos Conceitos da Psicopatologia.
 
Gestalt Terapia - Psicologia
Gestalt Terapia - PsicologiaGestalt Terapia - Psicologia
Gestalt Terapia - Psicologia
 
Anatomia macroscópica e funcional da cognição
Anatomia macroscópica e funcional da cogniçãoAnatomia macroscópica e funcional da cognição
Anatomia macroscópica e funcional da cognição
 
Aula 05 curso de psicopatologia - síndromes psiquiátricas
Aula 05   curso de psicopatologia - síndromes psiquiátricasAula 05   curso de psicopatologia - síndromes psiquiátricas
Aula 05 curso de psicopatologia - síndromes psiquiátricas
 
Estudo Sobre Reich
Estudo Sobre ReichEstudo Sobre Reich
Estudo Sobre Reich
 
Introdução psicopatologia
Introdução psicopatologiaIntrodução psicopatologia
Introdução psicopatologia
 
Aula 03 - Funções psíquicas
Aula 03 - Funções psíquicasAula 03 - Funções psíquicas
Aula 03 - Funções psíquicas
 
psicologia social
psicologia socialpsicologia social
psicologia social
 
Aula 02
Aula 02Aula 02
Aula 02
 

Semelhante a IGT_Corporeidade_experimento corporal

A resenha que realizo sobre o livro conversa sobre terapia fala a respeito do...
A resenha que realizo sobre o livro conversa sobre terapia fala a respeito do...A resenha que realizo sobre o livro conversa sobre terapia fala a respeito do...
A resenha que realizo sobre o livro conversa sobre terapia fala a respeito do...
Rosione Rodrigues
 
Estudo de caso psicologia clínica
Estudo de caso psicologia clínicaEstudo de caso psicologia clínica
Estudo de caso psicologia clínica
Endriely Teodoro
 
Diferenças de abordagens
Diferenças de abordagensDiferenças de abordagens
Diferenças de abordagens
Luciana Freitas
 
Palestra a terapia cognitivo comportamental
Palestra   a terapia cognitivo comportamentalPalestra   a terapia cognitivo comportamental
Palestra a terapia cognitivo comportamental
Erika Barreto
 

Semelhante a IGT_Corporeidade_experimento corporal (20)

Psic doc5 m1
Psic doc5 m1Psic doc5 m1
Psic doc5 m1
 
A resenha que realizo sobre o livro conversa sobre terapia fala a respeito do...
A resenha que realizo sobre o livro conversa sobre terapia fala a respeito do...A resenha que realizo sobre o livro conversa sobre terapia fala a respeito do...
A resenha que realizo sobre o livro conversa sobre terapia fala a respeito do...
 
Apresentação Terapia de Aceitação e Compromisso
Apresentação Terapia de Aceitação e CompromissoApresentação Terapia de Aceitação e Compromisso
Apresentação Terapia de Aceitação e Compromisso
 
isto é gestalt (1).pdf
isto é gestalt (1).pdfisto é gestalt (1).pdf
isto é gestalt (1).pdf
 
Princípios para a prática terapêutica
Princípios para a prática terapêuticaPrincípios para a prática terapêutica
Princípios para a prática terapêutica
 
Psicologia Humanista - Apresentação.pdf
Psicologia Humanista - Apresentação.pdfPsicologia Humanista - Apresentação.pdf
Psicologia Humanista - Apresentação.pdf
 
A CONTRIBUIÇÃO DA GESTALT NA LIDERANÇA ORGANIZACIONAL
A CONTRIBUIÇÃO DA GESTALT NA LIDERANÇA ORGANIZACIONALA CONTRIBUIÇÃO DA GESTALT NA LIDERANÇA ORGANIZACIONAL
A CONTRIBUIÇÃO DA GESTALT NA LIDERANÇA ORGANIZACIONAL
 
Psicologia Jurídica (Aula II)
Psicologia Jurídica (Aula II)Psicologia Jurídica (Aula II)
Psicologia Jurídica (Aula II)
 
Estudo de caso psicologia clínica
Estudo de caso psicologia clínicaEstudo de caso psicologia clínica
Estudo de caso psicologia clínica
 
Organograma slid1
Organograma slid1Organograma slid1
Organograma slid1
 
Organograma slid1
Organograma slid1Organograma slid1
Organograma slid1
 
Organograma slid1
Organograma slid1Organograma slid1
Organograma slid1
 
Introdução à psicologia
Introdução à psicologiaIntrodução à psicologia
Introdução à psicologia
 
Diferenças de abordagens
Diferenças de abordagensDiferenças de abordagens
Diferenças de abordagens
 
Palestra inicial do Projeto The Healing Mix: terapias integradas para sua saú...
Palestra inicial do Projeto The Healing Mix: terapias integradas para sua saú...Palestra inicial do Projeto The Healing Mix: terapias integradas para sua saú...
Palestra inicial do Projeto The Healing Mix: terapias integradas para sua saú...
 
Psicologia aplicada à saúde u4
Psicologia aplicada à saúde u4Psicologia aplicada à saúde u4
Psicologia aplicada à saúde u4
 
Como diferenciar o insight do rapport
Como diferenciar o insight do rapportComo diferenciar o insight do rapport
Como diferenciar o insight do rapport
 
Palestra a terapia cognitivo comportamental
Palestra   a terapia cognitivo comportamentalPalestra   a terapia cognitivo comportamental
Palestra a terapia cognitivo comportamental
 
Psicologia do desenvolvimento
Psicologia do desenvolvimentoPsicologia do desenvolvimento
Psicologia do desenvolvimento
 
Sofrologia corpo
Sofrologia corpoSofrologia corpo
Sofrologia corpo
 

Mais de Flora Couto

Cenários de simulação equipe de saúde psicologia e medicina_roteiro
Cenários de simulação equipe de saúde psicologia e medicina_roteiroCenários de simulação equipe de saúde psicologia e medicina_roteiro
Cenários de simulação equipe de saúde psicologia e medicina_roteiro
Flora Couto
 
Cenários de simulação equipe de saúde psicologia e enfermagem_roteiro
Cenários de simulação equipe de saúde psicologia e enfermagem_roteiroCenários de simulação equipe de saúde psicologia e enfermagem_roteiro
Cenários de simulação equipe de saúde psicologia e enfermagem_roteiro
Flora Couto
 
2016 1 ebm_fundamentação teórica_1
2016 1 ebm_fundamentação teórica_12016 1 ebm_fundamentação teórica_1
2016 1 ebm_fundamentação teórica_1
Flora Couto
 

Mais de Flora Couto (20)

Who msd msb_01.6b_por
Who msd msb_01.6b_porWho msd msb_01.6b_por
Who msd msb_01.6b_por
 
4622 19506-2-pb
4622 19506-2-pb4622 19506-2-pb
4622 19506-2-pb
 
Cap.escuta entrevista motivacional
Cap.escuta entrevista motivacionalCap.escuta entrevista motivacional
Cap.escuta entrevista motivacional
 
Corporeidade corporeidade, fenomenologia, gestalt
Corporeidade corporeidade, fenomenologia, gestaltCorporeidade corporeidade, fenomenologia, gestalt
Corporeidade corporeidade, fenomenologia, gestalt
 
Igt corporeidade referências bibliográficas_
Igt corporeidade referências bibliográficas_Igt corporeidade referências bibliográficas_
Igt corporeidade referências bibliográficas_
 
IGT_Corporeidade corporificando a experiência
IGT_Corporeidade corporificando a experiência IGT_Corporeidade corporificando a experiência
IGT_Corporeidade corporificando a experiência
 
2016 1 ebm_orientação de avaliação
2016 1 ebm_orientação de avaliação2016 1 ebm_orientação de avaliação
2016 1 ebm_orientação de avaliação
 
Cenários de simulação equipe de saúde psicologia e medicina_roteiro
Cenários de simulação equipe de saúde psicologia e medicina_roteiroCenários de simulação equipe de saúde psicologia e medicina_roteiro
Cenários de simulação equipe de saúde psicologia e medicina_roteiro
 
Cenários de simulação equipe de saúde psicologia e enfermagem_roteiro
Cenários de simulação equipe de saúde psicologia e enfermagem_roteiroCenários de simulação equipe de saúde psicologia e enfermagem_roteiro
Cenários de simulação equipe de saúde psicologia e enfermagem_roteiro
 
2016 1 ebm_exercício 6_análise de casos_gabarito
2016 1 ebm_exercício 6_análise de casos_gabarito2016 1 ebm_exercício 6_análise de casos_gabarito
2016 1 ebm_exercício 6_análise de casos_gabarito
 
2016 1 ebm_exercício 5_análise de casos_gabarito
2016 1 ebm_exercício 5_análise de casos_gabarito2016 1 ebm_exercício 5_análise de casos_gabarito
2016 1 ebm_exercício 5_análise de casos_gabarito
 
2016 1 ebm_exercício 6_análise de casos
2016 1 ebm_exercício 6_análise de casos2016 1 ebm_exercício 6_análise de casos
2016 1 ebm_exercício 6_análise de casos
 
2016 1 ebm_exercício 5_análise de casos
2016 1 ebm_exercício 5_análise de casos2016 1 ebm_exercício 5_análise de casos
2016 1 ebm_exercício 5_análise de casos
 
2016 1 ebm_ exemplos de estrutura da em
2016 1 ebm_ exemplos de estrutura da em2016 1 ebm_ exemplos de estrutura da em
2016 1 ebm_ exemplos de estrutura da em
 
2016 1 ebm_fundamentação teórica_1
2016 1 ebm_fundamentação teórica_12016 1 ebm_fundamentação teórica_1
2016 1 ebm_fundamentação teórica_1
 
1228 monica bessa_oliveira_-_entrevista_motivacional_dependencia_quimica
1228 monica bessa_oliveira_-_entrevista_motivacional_dependencia_quimica1228 monica bessa_oliveira_-_entrevista_motivacional_dependencia_quimica
1228 monica bessa_oliveira_-_entrevista_motivacional_dependencia_quimica
 
MILLER(2016)-Bookshelf nbk64967
MILLER(2016)-Bookshelf nbk64967MILLER(2016)-Bookshelf nbk64967
MILLER(2016)-Bookshelf nbk64967
 
2016 1_ebm_base histórica e científica_3
2016 1_ebm_base histórica e científica_32016 1_ebm_base histórica e científica_3
2016 1_ebm_base histórica e científica_3
 
2016 1 ebm_mrps
2016 1 ebm_mrps2016 1 ebm_mrps
2016 1 ebm_mrps
 
2016 1 ebm_refêrencia bibliográfica
2016 1 ebm_refêrencia bibliográfica2016 1 ebm_refêrencia bibliográfica
2016 1 ebm_refêrencia bibliográfica
 

Último

CARL ROGERS E A ACPNascido em 1902, em Oak Park, Illinois, subúrbio de Chicag...
CARL ROGERS E A ACPNascido em 1902, em Oak Park, Illinois, subúrbio de Chicag...CARL ROGERS E A ACPNascido em 1902, em Oak Park, Illinois, subúrbio de Chicag...
CARL ROGERS E A ACPNascido em 1902, em Oak Park, Illinois, subúrbio de Chicag...
wilkaccb
 

Último (10)

aula de Me enxergou na minha tormenta Me livrou em meus problemas Transformou...
aula de Me enxergou na minha tormenta Me livrou em meus problemas Transformou...aula de Me enxergou na minha tormenta Me livrou em meus problemas Transformou...
aula de Me enxergou na minha tormenta Me livrou em meus problemas Transformou...
 
anemia ferropriva e megaloblástica FINAL.pptx
anemia ferropriva e megaloblástica FINAL.pptxanemia ferropriva e megaloblástica FINAL.pptx
anemia ferropriva e megaloblástica FINAL.pptx
 
CARL ROGERS E A ACPNascido em 1902, em Oak Park, Illinois, subúrbio de Chicag...
CARL ROGERS E A ACPNascido em 1902, em Oak Park, Illinois, subúrbio de Chicag...CARL ROGERS E A ACPNascido em 1902, em Oak Park, Illinois, subúrbio de Chicag...
CARL ROGERS E A ACPNascido em 1902, em Oak Park, Illinois, subúrbio de Chicag...
 
Protocolo Zero Rugas - formato digital01
Protocolo Zero Rugas - formato digital01Protocolo Zero Rugas - formato digital01
Protocolo Zero Rugas - formato digital01
 
Farmacologia do Sistema Nervoso Autonomo
Farmacologia do Sistema Nervoso AutonomoFarmacologia do Sistema Nervoso Autonomo
Farmacologia do Sistema Nervoso Autonomo
 
Escala-CARS-1.pdf teste para crianças com autismo
Escala-CARS-1.pdf teste para crianças com autismoEscala-CARS-1.pdf teste para crianças com autismo
Escala-CARS-1.pdf teste para crianças com autismo
 
Rowe_etal_2024Evidence for planning and motor subtypes of stuttering based on...
Rowe_etal_2024Evidence for planning and motor subtypes of stuttering based on...Rowe_etal_2024Evidence for planning and motor subtypes of stuttering based on...
Rowe_etal_2024Evidence for planning and motor subtypes of stuttering based on...
 
aula sobre HELMINTOS E DOENÇAS CAUSADAS.pptx
aula sobre HELMINTOS E DOENÇAS CAUSADAS.pptxaula sobre HELMINTOS E DOENÇAS CAUSADAS.pptx
aula sobre HELMINTOS E DOENÇAS CAUSADAS.pptx
 
AULA 07 - PROTOZOARIO E PRINCIPAIS DOENÇAS.pptx
AULA 07 - PROTOZOARIO E PRINCIPAIS DOENÇAS.pptxAULA 07 - PROTOZOARIO E PRINCIPAIS DOENÇAS.pptx
AULA 07 - PROTOZOARIO E PRINCIPAIS DOENÇAS.pptx
 
Atenção Humanizada ao recém nascido - em pdf
Atenção Humanizada ao recém nascido - em pdfAtenção Humanizada ao recém nascido - em pdf
Atenção Humanizada ao recém nascido - em pdf
 

IGT_Corporeidade_experimento corporal

  • 1. CORPOREIDADE Flora Couto psicóloga – CRP 03/02441 GESTALT-TERAPIA
  • 2.
  • 5. O TERAPEUTA E O EXPERIMENTO Terapeuta artesão: técnica x techné O terapeuta é o experimento espacializado e temporalizado O FUNDO ativador A atenção flutuante e plena O Auto cuidado e preparo para a sessão.
  • 6. O TERAPEUTA E O EXPERIMENTO Segundo Buber, o contato Autêntico é um encontro dialógico; para o contato dialógico autêntico ocorrer é necessária algumas condições:  Abertura: uma visão ingênua para o outro, na qual o conhecimento não ponha barreiras ao encontro.  Reciprocidade: uma entrega descompromissada e confiante na realidade do outro.  Presença: uma entrega à experiência imediata na aceitação da totalidade do outro, coisa ou pessoa, deixando-se acontecer.  Responsabilidade: uma visão do outro como vejo a mim; uma entrega e uma resposta espontânea na certeza de quem eu sou e na crença de quem o outro é.
  • 7. EXPERIMENTO “O experimento, em GT, é uma tentativa de fazer frente a paralisação perifásica atráves da mobilização do sistema de ação do indivíduo. Através do experimento, ele é levado a confrontar as emergências de sua vida ao representar seus sentimentos e ações abortados, numa situação de relativa segurança, e onde a exploração ousada pode ser apoiada[…] Como diz Joel Latner, "A importância dos experimentos está em como eles nos permitem examinar o que fazemos e descobrir o que não faremos".
  • 8. EXPERIMENTO O experimento não deve se transformar num paliativo ou substituto para um compromisso válido; […] O experimento não é nem um ensaio para alguma coisa futura, nem uma repetição de uma coisa passada; O experimento visa ao coração da resistência, transformando a rigidez em um sistema elástico de apoio. Experimentação: ancoragem e corporificação do fluxo de consciência - awareness - contato
  • 9. EXPERIMENTO - Enquadramento O paciente, enquanto parceiro ativo no experimento, concentra-se no que está realmente sentindo, pensando, fazendo, dizendo; procura entrar em contato com isso mais profundamente em termos de imagem, sensação corporal, resposta motora, descrição verbal, etc... Trata-se de algo de interesse vital para ele, de modo que não precisa forçar a situação; sua atenção é captada naturalmente. O contexto pode ser escolhido pelo terapeuta a partir do que ele conhece sobre o paciente e em conformidade com sua concepção científica de onde se situa a resistência. Trata-se de algo de que o paciente está vagamente consciente ('aware) e de que se vai tornando mais consciente ('aware) graças ao exercício
  • 10. EXPERIMENTO - Enquadramento O paciente, enquanto parceiro ativo no experimento, concentra-se no que está realmente sentindo, pensando, fazendo, dizendo; procura entrar em contato com isso mais profundamente em termos de imagem, sensação corporal, resposta motora, descrição verbal, etc... Fazendo o exercício, o paciente é encorajado a seguir suas inclinações, a imaginar e exagerar livremente, pois é um jogo seguro. Justapõe a atitude e a atitude exagerada a sua situação presente: sua postura em relação a si próprio, em relação ao terapeuta, seu comportamento cotidiano (na família, no trabalho, em relação a sexo). Alternadamente ele inibe com exagero a atitude e justapõe a inibição nos mesmos contextos.
  • 11. EXPERIMENTO - Enquadramento À medida que o contato se torna mais íntimo e o conteúdo se torna mais completo, sua ansiedade é despertada. Isto constitui uma emergência vivencial, porém a emergência é segura, controlável, e ambos os parceiros sabem disto. O objetivo é o de que, na emergência segura, a intenção subjacente (reprimida) - ação, atitude, objeto do dia presente, memória torne-se dominante e re-forme a figura. O paciente aceita a figura como sendo sua, e sente que "sou eu quem sente, pensa e faz determinada coisa" (p. 335-336)
  • 12. EXPERIMENTO - OBJETIVOS Expandir o repertório de comportamentos da pessoa; Criar condições sob as quais a pessoa possa ver sua vida como sendo 'de sua própria criação e autoria' (tomar posse da terapia); Estimular a aprendizagem experiencial da pessoa, bem como a evolução de novos auto-conceitos a partir de criações comportamentais; Completar situações inacabadas e superar bloqueios no ciclo 'awareness'/excitação/contato; Integrar compreensões corticais e expressões motoras;
  • 13. EXPERIMENTO - OBJETIVOS Descobrir polarizações não conhecidas ('not in awareness’); Estimular a integração de forças conflitivas na personalidade Desalojar e reintegrar introjetos e rearranjar sentimentos, idéias e ações mal colocadas na personalidade; Estimular circunstâncias sob as quais a pessoa possa agir e sentirse mais forte, mais competente, com um melhor auto-suporte, podendo explorar mais e estando mais ativamente responsável para consigo mesma (p. 126)
  • 14. AS CÉLULAS EXPERIMENTAIS Identificação/preparo do terreno/aquecimento/base Convite/consenso Gradação Awareness Localizar a Energia/Intensidade Foco
  • 15. AS CÉLULAS EXPERIMENTAIS Construção de auto-suporte Tema Escolha do experimento Insight e conclusão Assimilação, acomodação, reverberação e resignificação no/do campo existencial
  • 16. Redes interacionais no Processo Experimental Ego-sintonia - experimentos pensados no sentido da organização egóica: 1. Aproximação lenta e gradual ao tema central da angústia; 2. Fortalecimento do auto-suporte; 3. Profilaxia e intervenção em/das crises depressiva maior e/ou surto psicótico-psicose; 4. Diminuição da ansiedade/conflito de enfrentamento da cena temida; 5. Estimulo experiencial com menor intensidade, duração, frequência... Ego-distonia -experimentos pensados no sentido da desorganização egóica: 1.Aproximação lenta, mas direta ao tema central da angústia; 2. Menor grau de auto-suporte; 3.Aumento da ansiedade/conflito de enfrentamento da cena temida; 4. Estimulo experiencial com maior intensidade, duração, frequência...
  • 17. Somagramas Cartografia do corpo Metáforas corporais Os 5 Passos MRPS Técnicas de relaxamento Mindfulness, focalização… Arterapia corporal Técnicas de awareness corporal: respiração, gradação, expressão, descompressão… Bioenergética Psicoterapia corporal….
  • 20.
  • 21.
  • 22.
  • 23.
  • 24.
  • 25.
  • 26.
  • 27.
  • 28.
  • 29. 5 Passos do COMO - KELEMAN O QUE ESTOU FAZENDO? COMO ESTOU FAZENDO? COMO PARO DE FAZÊ-LO? O QUE ACONTECE QUANDO PARO DE FAZÊ-LO? COMO USO O QUE APRENDI A RESPEITO?
  • 32. Referência Bibliográfica  RIBEIRO, Jorge Ponciano. Gestalt Terapia: refazendo um caminho. São Paulo: Summus. Cap. I, 2.1, 2.2 e 2.3. ____ O Ciclo do Contato. São Paulo: Summus.________.Gestalt Terapia: o processo grupal – uma abordagem fenome-nológica da teoria de campo e holística. São Paulo: Summus, 1994. ____. Psicoterapia de Curta Duração. São Paulo: Summus, 1999  RODRIGUES, Hugo Elídio. Introdução a Gestalt-Terapia: conversando sobre os fundamentos da abordagem. Petrópolis, R.J.: Vozes, 2000.  ZINKER, J.; O processo criativo na terapia gestáltica. [1,2]  DÁCRI, Gladys; LIMA, Patrícia; ORGLER, Scheila. Dicionário de Gestalt- terapia. São Paulo: Summus, 2007.  KELEMAM, Stanley. Anatomia Emocional. São Paulo: Summus, 1992.  BOLOGNESI, Mário Fernando. O corpo como princípio. Trans/Form/Ação , Marília, v. 24, n. 1, 2001 . Disponível em: <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0101- 31732001000100007&lng=&nrm=iso>. Acesso em: 02 2008;  CSA van der Broocke, MG de Macedo. O corpo como agente saudável e mensageiro dos conflitos psíquicos em uma perspectiva gestáltica.IGT na Rede, 2006. Disponível em: http://www.igt.psc.br/ojs/viewarticle.php?id=28. Acesso em: 19 de novembro de 2008;
  • 33. • DEL PRIORI, Mary Lucy. A história do corpo e a Nova História: uma autópsia. In: Revista da USP, nº 23, São Paulo, 1994. • PORTER, Roy. História do corpo. In: BURKE, Peter (org.). A escrita da história: novas perspectivas. São Paulo: UNESP. 1992. • SANT´ANNA, Denise. Corpo e história. In: Núcleo de estudos e Pesquisa da Subjetividade do programa de estudos de Pós-Graduados em Psicologia Clínica. Cadernos de Subjetividade. v. 1, nº 1, São Paulo, 1993. • SENNET, Richard. Carne e pedra: o corpo e a cidade na civilização ocidental. Rio de Janeiro: Record, 1997. • SCARPATO, A (2005). Introdução à Psicologia Formativa de Stanley Keleman, Revista Psicologia Brasil, ano 3 n 27, p 30-31. Disponível em: http://www.psicoterapia.psc.br/scarpato/t_intro.html Referência Bibliográfica