SlideShare uma empresa Scribd logo
Especialização em SAÚDE MENTAL E ATENÇÃO BÁSICA
Entrevista Breve Motivacional – Prof.ª Flora Couto
Professora: Psicóloga clínica e social Flora Couto Contato: (071)99148-6876 flora.couto@gmail.com 2016_1
Escola baiana de medicina e saúde pública - http://pos.bahiana.edu.br/
ESTRUTURA DA ABERTURA DA ENTREVISTA (MILLER, 2001)
ORIENTAÇÃO CARACTERIZAÇÃO DA INTERVENÇÃO
Enquadre Apresentação
Delimitação do enquadre: tempo, papéis, objetivos, foco preliminar,
detalhes específicos do enquadre dependendo da área,uma pergunta
aberta.
Fazer Perguntas Abertas 1.Eu suponho por você estar aqui que você tem algo para falar. Sobre
o o que gostaria de conversar?
2.Eu gostaria de entender como você vê o que acontece com você.
3.O que lhe preocupa em relação ao seu comportamento quanto a...?
4. O que mais é importante(relevante) que eu saiba sobre sua relação
com ...(dro, doença, comportamento)...para que eu possa
compreendê-la e melhor ajudá-la?
5.Qual sua rotina de um dia quando...?
6. O que você percebe sobre a condição de seu filho...(ou sua
condição?)
7. Quais são os seu pensamentos, sensações e sentimentos quando...?
8. Descrever através de metáforas...analogias...(terapeuta ou
paciente)
Escutar Reflexivamente PENSAR REFLEXIVAMENTE: aquilo que você acredita que supões
saber sobre o que a pessoa queiram comunicar não é
necessariamente o que elas dizem.
Dar voz...Afirmar o que entendeu na metacomunicação do que o
paciente disse: código, escuta e decodificar o sentido.
Pode ser uma pergunta enfática...pode ser acompanhado de uma
posição de aliança de trabalho: deixa eu ver se entendi...você me
disse que...me corrija se eu estiver errado.
Mostrar que está acompanhando os sentidos da fala do paciente...que
está ali com ele.
Postura Ativa na escuta e devolutiva: mostrar que se importa e
transcreve o jogo empático.
INFLEXÃO: o tom da voz desce ao final...menos resistência.
Maneira de verificar e não pressupor o que o paciente diz
Encorajar Entendo como deve ter sido difícil para você...
Agora compreendo o papel disso na sua vida...
Vejo que você busca realizar o seu melhor...mesmo quando...
Percebo como você tem recursos de...quando....
Somente você pode realmente saber como é isso nas relaçnoes com
as pessoas....no trabalho...na vida
Resumir Terapeuta organiza os dados da fala do paciente entorno do foco
buscando reforçar o que foi dito, mostrar empatia e mostrar escuta;
mostrar ambivalência; elucidar e checando associações e examinado
os pontos positivos e negativos simultaneamente em uma
interlocução sistêmica: para clarificar, para discrepância
(dissonância) cognitiva; para a palhaça decisional; para montar o
planejamento.
Por um lado...por outro lado...ao mesmo tempo...como também...junto
aos resultados de diagnósticos...
Tom colaborativo...perguntando se está certo...pedindo complemento
ou correções
Eliciar Informações
Automotivacionais
1. Reconhecimento do problema
Que coisas fazem pensar que isso é um problema?
Que dificuldades você teve em relação ao seu uso de …(ex.drogas)?
De que maneira você acha que você mesmo ou outras pessoas foram
prejudicadas pelo seu hábito de …(ex.beber)?
De que maneira isso tem sido um problema para você?
Especialização em SAÚDE MENTAL E ATENÇÃO BÁSICA
Entrevista Breve Motivacional – Prof.ª Flora Couto
Professora: Psicóloga clínica e social Flora Couto Contato: (071)99148-6876 flora.couto@gmail.com 2016_1
Escola baiana de medicina e saúde pública - http://pos.bahiana.edu.br/
Como o uso de ….(ex.tranqüilizantes) lhe impede de fazer aquilo que
você quer?
2. Preocupação
Que no seu hábito de beber pode ser visto como um motivo de
preocupação para você ou outras pessoas?
Que lhe preocupa no seu uso de …(ex.drogas)?
Que você imagina que lhe possa acontecer?
Como você sente quanto ao seu hábito de …(ex.jogar)?
Quanto isso lhe preocupa?
Que você acha que vai acontecer se você não fizer uma mudança?
3. Intenção de mudar
Fato de estar aqui indica que pelo menos uma parte de você acha que
está na hora de fazer alguma coisa. Que motivos você vê para fazer
uma mudança?
Que lhe faz pensar que você pode precisar fazer uma mudança?
Se você fosse 100% bem-sucedido, e as coisas fossem exatamente
como você gostaria, o que seria diferente?
Que coisas lhe fazem pensar que você deve continuar ….(ex:
bebendo) como …(bebe) agora?... E o outro lado?
Que lhe faz pensar que é hora de mudar?
Que você está achando de seu hábito de …(ex:jogar) neste momento?
Quais seriam as vantagens de fazer uma mudança?
Posso ver que você está se sentindo confuso neste momento. O que
vai ter que mudar?
4. Otimismo
Que lhe faz pensar que, se você decidir fazer uma mudança, será
capaz de fazê-la.
Que lhe dá a certeza de que pode mudar, se quiser?
Que você acha que funcionaria para você, se decidisse mudar?
Perguntas Evocativas O que mais você notou ou imaginou?
Que outras preocupações você tem?
Quais são os outros motivos de você precisar fazer isso...?
Por quais motivos você conseguiria mudar?
Aprofundar Fale-me sobre o que gosta e não gosta...
Pode descrever um dia de dor e outro de não...
Exemplos específicos: para que?Quanto?Com quem? De que
forma?Por exemplo...?
Descrição de rotinas e identificação de ações.
Usar Extremos O que mais(menos) lhe preocupa?
O que de pior pode acontecer se...o que de melhor pode acontecer
se...fizer a (mudança)?
Qual foi o pior(melhor) momento aonde...?
O que você faz s
Olhar para trás – frente Como era antes de...? O que você acredita que pode acontecer no
futuro se...?
Quando foi que isso foi diferente...?
O que foi feito que impediu ...o trouxe a esse ponto?
Se fizer as mudanças...o quais as expectativas de futuro?
O que de melhor pode fazer agora? E para frente?
O que você gostaria de ser se não fosse...?
Quais seriam os melhores resultados se você conseguisse a mudança?
Explorar Metas Quais as coisas mais importantes na sua vida? Como se vê em relação
a isso se continuar com o comportamento...
Mapa de hierarquia de valores pessoais..
Especialização em SAÚDE MENTAL E ATENÇÃO BÁSICA
Entrevista Breve Motivacional – Prof.ª Flora Couto
Professora: Psicóloga clínica e social Flora Couto Contato: (071)99148-6876 flora.couto@gmail.com 2016_1
Escola baiana de medicina e saúde pública - http://pos.bahiana.edu.br/
EVOCAR perguntas: Discrepânica entre metas importantes e
comportamento-problemas...
O Paradoxo Você veio ate aqui para conversar comigo sobe isso, mas você ainda
não me convenceu de que está realmente preocupado. Isso é tudo?
Quando lhe escuto não me convenço de que você esteja realmente
motivado.
Confronto da parte do cliente que realmente queira ou não mudar
aonde o terapeuta assume o lado que acredita que ele não quer
mudar fazendo uma frustação habilidosa para provocar respostas
automotivacionais.
O contato pós-consulta Monitoramento, matriciamento, sustentação vincular

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Motivação no tratamento da dependência química
Motivação no tratamento da dependência químicaMotivação no tratamento da dependência química
Motivação no tratamento da dependência química
Vida Mental Consultoria de Saúde Mental e Nutricional
 
A comunicação na interação com indivíduos com alterações de comportamento: ag...
A comunicação na interação com indivíduos com alterações de comportamento: ag...A comunicação na interação com indivíduos com alterações de comportamento: ag...
A comunicação na interação com indivíduos com alterações de comportamento: ag...
Lurdes Martins
 
A comunicacao na interacao com o utente com alteracoes sensoriais
A comunicacao na interacao com o utente com alteracoes sensoriaisA comunicacao na interacao com o utente com alteracoes sensoriais
A comunicacao na interacao com o utente com alteracoes sensoriais
Lurdesmartins17
 
A comunicacao na interacao com individuos com alteracoes ou perturbacoes mentais
A comunicacao na interacao com individuos com alteracoes ou perturbacoes mentaisA comunicacao na interacao com individuos com alteracoes ou perturbacoes mentais
A comunicacao na interacao com individuos com alteracoes ou perturbacoes mentais
Lurdesmartins17
 
Colheita de dados
Colheita de dadosColheita de dados
Colheita de dados
dlj-imua
 
Recaida
RecaidaRecaida
Se for toc ajuda
Se for toc ajudaSe for toc ajuda
Psicóloga em Moema
Psicóloga em MoemaPsicóloga em Moema
Psicóloga em Moema
aaliyababyaaliyababy
 
Nossa recaídas
Nossa recaídasNossa recaídas
Nossa recaídas
Evilazio Rodrigues Abreu
 
PPR - Plano de Prevenção a Recaída
PPR - Plano de Prevenção a Recaída PPR - Plano de Prevenção a Recaída
PPR - Plano de Prevenção a Recaída
Nucleo Nacional
 
Aula 2 comunicação terapêutica na emerg. psiquiátrica
Aula 2 comunicação terapêutica na emerg. psiquiátricaAula 2 comunicação terapêutica na emerg. psiquiátrica
Aula 2 comunicação terapêutica na emerg. psiquiátrica
Claudio Viegas
 
Como Aplicar Técnicas de Dinâmicas de Grupo para Dependentes Químicos?
Como Aplicar Técnicas de Dinâmicas de Grupo para Dependentes Químicos?Como Aplicar Técnicas de Dinâmicas de Grupo para Dependentes Químicos?
Como Aplicar Técnicas de Dinâmicas de Grupo para Dependentes Químicos?
Vida Mental Consultoria de Saúde Mental e Nutricional
 
Como diferenciar pensamento e sentimento em TCC?
Como diferenciar pensamento e sentimento em TCC?Como diferenciar pensamento e sentimento em TCC?
Como diferenciar pensamento e sentimento em TCC?
Vida Mental Consultoria de Saúde Mental e Nutricional
 
Comunicação com o paciente
Comunicação com o pacienteComunicação com o paciente
Comunicação com o paciente
Luís Fernando Tófoli
 
Guia de Tratamento para Dependentes Químicos
Guia de Tratamento para Dependentes QuímicosGuia de Tratamento para Dependentes Químicos
Guia de Tratamento para Dependentes Químicos
Nucleo Nacional
 
Conflito a comunicacao na interacao com individuos com alteracoes de comporta...
Conflito a comunicacao na interacao com individuos com alteracoes de comporta...Conflito a comunicacao na interacao com individuos com alteracoes de comporta...
Conflito a comunicacao na interacao com individuos com alteracoes de comporta...
Lurdesmartins17
 
GUIA DO PACIENTE MODERNO - DR JOÃO VITOR NASSARALLA
GUIA DO PACIENTE MODERNO - DR JOÃO VITOR NASSARALLAGUIA DO PACIENTE MODERNO - DR JOÃO VITOR NASSARALLA
GUIA DO PACIENTE MODERNO - DR JOÃO VITOR NASSARALLA
João Vitor Romeiro
 
Palestra Sou um Adicto
Palestra Sou um AdictoPalestra Sou um Adicto
Palestra Sou um Adicto
Luciano Callegari
 

Mais procurados (18)

Motivação no tratamento da dependência química
Motivação no tratamento da dependência químicaMotivação no tratamento da dependência química
Motivação no tratamento da dependência química
 
A comunicação na interação com indivíduos com alterações de comportamento: ag...
A comunicação na interação com indivíduos com alterações de comportamento: ag...A comunicação na interação com indivíduos com alterações de comportamento: ag...
A comunicação na interação com indivíduos com alterações de comportamento: ag...
 
A comunicacao na interacao com o utente com alteracoes sensoriais
A comunicacao na interacao com o utente com alteracoes sensoriaisA comunicacao na interacao com o utente com alteracoes sensoriais
A comunicacao na interacao com o utente com alteracoes sensoriais
 
A comunicacao na interacao com individuos com alteracoes ou perturbacoes mentais
A comunicacao na interacao com individuos com alteracoes ou perturbacoes mentaisA comunicacao na interacao com individuos com alteracoes ou perturbacoes mentais
A comunicacao na interacao com individuos com alteracoes ou perturbacoes mentais
 
Colheita de dados
Colheita de dadosColheita de dados
Colheita de dados
 
Recaida
RecaidaRecaida
Recaida
 
Se for toc ajuda
Se for toc ajudaSe for toc ajuda
Se for toc ajuda
 
Psicóloga em Moema
Psicóloga em MoemaPsicóloga em Moema
Psicóloga em Moema
 
Nossa recaídas
Nossa recaídasNossa recaídas
Nossa recaídas
 
PPR - Plano de Prevenção a Recaída
PPR - Plano de Prevenção a Recaída PPR - Plano de Prevenção a Recaída
PPR - Plano de Prevenção a Recaída
 
Aula 2 comunicação terapêutica na emerg. psiquiátrica
Aula 2 comunicação terapêutica na emerg. psiquiátricaAula 2 comunicação terapêutica na emerg. psiquiátrica
Aula 2 comunicação terapêutica na emerg. psiquiátrica
 
Como Aplicar Técnicas de Dinâmicas de Grupo para Dependentes Químicos?
Como Aplicar Técnicas de Dinâmicas de Grupo para Dependentes Químicos?Como Aplicar Técnicas de Dinâmicas de Grupo para Dependentes Químicos?
Como Aplicar Técnicas de Dinâmicas de Grupo para Dependentes Químicos?
 
Como diferenciar pensamento e sentimento em TCC?
Como diferenciar pensamento e sentimento em TCC?Como diferenciar pensamento e sentimento em TCC?
Como diferenciar pensamento e sentimento em TCC?
 
Comunicação com o paciente
Comunicação com o pacienteComunicação com o paciente
Comunicação com o paciente
 
Guia de Tratamento para Dependentes Químicos
Guia de Tratamento para Dependentes QuímicosGuia de Tratamento para Dependentes Químicos
Guia de Tratamento para Dependentes Químicos
 
Conflito a comunicacao na interacao com individuos com alteracoes de comporta...
Conflito a comunicacao na interacao com individuos com alteracoes de comporta...Conflito a comunicacao na interacao com individuos com alteracoes de comporta...
Conflito a comunicacao na interacao com individuos com alteracoes de comporta...
 
GUIA DO PACIENTE MODERNO - DR JOÃO VITOR NASSARALLA
GUIA DO PACIENTE MODERNO - DR JOÃO VITOR NASSARALLAGUIA DO PACIENTE MODERNO - DR JOÃO VITOR NASSARALLA
GUIA DO PACIENTE MODERNO - DR JOÃO VITOR NASSARALLA
 
Palestra Sou um Adicto
Palestra Sou um AdictoPalestra Sou um Adicto
Palestra Sou um Adicto
 

Destaque

Hisham D El Shazli Updated
Hisham D El Shazli UpdatedHisham D El Shazli Updated
Bosch Klima Servisi Adana 24 Mart 2016
Bosch Klima Servisi Adana 24 Mart 2016Bosch Klima Servisi Adana 24 Mart 2016
Logos with different colors
Logos with different colorsLogos with different colors
Logos with different colorsYusra Mohammed
 
Taller Auto-diagnostico.
Taller Auto-diagnostico.Taller Auto-diagnostico.
Taller Auto-diagnostico.
Herladydico
 
3D Geometry Theory 7
3D Geometry Theory 73D Geometry Theory 7
3D Geometry Theory 7
Lakshmikanta Satapathy
 
Laws of Motion QA 2
Laws of Motion QA 2Laws of Motion QA 2
Laws of Motion QA 2
Lakshmikanta Satapathy
 

Destaque (9)

Hisham D El Shazli Updated
Hisham D El Shazli UpdatedHisham D El Shazli Updated
Hisham D El Shazli Updated
 
My Personal BC
My Personal BCMy Personal BC
My Personal BC
 
Bosch Klima Servisi Adana 24 Mart 2016
Bosch Klima Servisi Adana 24 Mart 2016Bosch Klima Servisi Adana 24 Mart 2016
Bosch Klima Servisi Adana 24 Mart 2016
 
Logos with different colors
Logos with different colorsLogos with different colors
Logos with different colors
 
Practica 8 a_m
Practica 8 a_mPractica 8 a_m
Practica 8 a_m
 
Taller Auto-diagnostico.
Taller Auto-diagnostico.Taller Auto-diagnostico.
Taller Auto-diagnostico.
 
ELS1_LS
ELS1_LSELS1_LS
ELS1_LS
 
3D Geometry Theory 7
3D Geometry Theory 73D Geometry Theory 7
3D Geometry Theory 7
 
Laws of Motion QA 2
Laws of Motion QA 2Laws of Motion QA 2
Laws of Motion QA 2
 

Semelhante a 2016 1 ebm_ exemplos de estrutura da em

2016 1 ebm_exemplos de perguntas evocativas
2016 1 ebm_exemplos de perguntas evocativas2016 1 ebm_exemplos de perguntas evocativas
2016 1 ebm_exemplos de perguntas evocativas
Flora Couto
 
Alcançando os seus desejos
Alcançando os seus desejos Alcançando os seus desejos
Alcançando os seus desejos
Rolén Bacião
 
Minha consciência ii -QUESTOES PARA JOVENS
Minha consciência ii -QUESTOES PARA JOVENSMinha consciência ii -QUESTOES PARA JOVENS
Minha consciência ii -QUESTOES PARA JOVENS
Ana Valeria Silva
 
Caderno de Exercícios Autoestima e Emoções.pdf
Caderno de Exercícios Autoestima e Emoções.pdfCaderno de Exercícios Autoestima e Emoções.pdf
Caderno de Exercícios Autoestima e Emoções.pdf
pamelapsiborges
 
Transformar e progredir
Transformar e progredirTransformar e progredir
Transformar e progredir
ilidia elisa queiros
 
Transformar e progredir
Transformar e progredirTransformar e progredir
Transformar e progredir
ilidia elisa queiros
 
PNL 02
PNL 02PNL 02
PNL 01
PNL 01PNL 01
4o Aula Crenças Disfuncionais.pdf
4o Aula Crenças Disfuncionais.pdf4o Aula Crenças Disfuncionais.pdf
4o Aula Crenças Disfuncionais.pdf
WelmaSaldanha1
 
Comunicação efetiva para Times Ágeis
Comunicação efetiva para Times ÁgeisComunicação efetiva para Times Ágeis
Comunicação efetiva para Times Ágeis
Karina Kohl
 
Comunicação efetiva para Times Ágeis
Comunicação efetiva para Times ÁgeisComunicação efetiva para Times Ágeis
Comunicação efetiva para Times Ágeis
Karina Kohl
 
Ir ao psicólogo é coisa de doidos?
Ir ao psicólogo é coisa de doidos?Ir ao psicólogo é coisa de doidos?
Ir ao psicólogo é coisa de doidos?
Mentes Suspensas - Associação
 
Guia intervenção morder
Guia intervenção morderGuia intervenção morder
Guia intervenção morder
SA Asperger
 
Motivação e inteligência emocional
Motivação e inteligência emocionalMotivação e inteligência emocional
Motivação e inteligência emocional
Cintia Meneghini
 
Liderança & motivação
Liderança & motivaçãoLiderança & motivação
Liderança & motivação
Gislene Isquierdo
 
Silvia generali, micheline bastianello, roberto decourt, cleber dutra, alvaro...
Silvia generali, micheline bastianello, roberto decourt, cleber dutra, alvaro...Silvia generali, micheline bastianello, roberto decourt, cleber dutra, alvaro...
Silvia generali, micheline bastianello, roberto decourt, cleber dutra, alvaro...
Joao Paulo Abreu
 
Os 7 passos do Autoconhecimento
Os 7 passos do AutoconhecimentoOs 7 passos do Autoconhecimento
Os 7 passos do Autoconhecimento
Daniel Santos
 
Palestra Crença de Heroi
Palestra Crença de Heroi Palestra Crença de Heroi
Palestra Crença de Heroi
Edhyr Motta
 
Psicóloga em Moema
Psicóloga em MoemaPsicóloga em Moema
Psicóloga em Moema
aaliyababyaaliyababy
 
Dicas para a saúde emocional
Dicas para a saúde emocionalDicas para a saúde emocional
Dicas para a saúde emocional
Bruno Carrasco
 

Semelhante a 2016 1 ebm_ exemplos de estrutura da em (20)

2016 1 ebm_exemplos de perguntas evocativas
2016 1 ebm_exemplos de perguntas evocativas2016 1 ebm_exemplos de perguntas evocativas
2016 1 ebm_exemplos de perguntas evocativas
 
Alcançando os seus desejos
Alcançando os seus desejos Alcançando os seus desejos
Alcançando os seus desejos
 
Minha consciência ii -QUESTOES PARA JOVENS
Minha consciência ii -QUESTOES PARA JOVENSMinha consciência ii -QUESTOES PARA JOVENS
Minha consciência ii -QUESTOES PARA JOVENS
 
Caderno de Exercícios Autoestima e Emoções.pdf
Caderno de Exercícios Autoestima e Emoções.pdfCaderno de Exercícios Autoestima e Emoções.pdf
Caderno de Exercícios Autoestima e Emoções.pdf
 
Transformar e progredir
Transformar e progredirTransformar e progredir
Transformar e progredir
 
Transformar e progredir
Transformar e progredirTransformar e progredir
Transformar e progredir
 
PNL 02
PNL 02PNL 02
PNL 02
 
PNL 01
PNL 01PNL 01
PNL 01
 
4o Aula Crenças Disfuncionais.pdf
4o Aula Crenças Disfuncionais.pdf4o Aula Crenças Disfuncionais.pdf
4o Aula Crenças Disfuncionais.pdf
 
Comunicação efetiva para Times Ágeis
Comunicação efetiva para Times ÁgeisComunicação efetiva para Times Ágeis
Comunicação efetiva para Times Ágeis
 
Comunicação efetiva para Times Ágeis
Comunicação efetiva para Times ÁgeisComunicação efetiva para Times Ágeis
Comunicação efetiva para Times Ágeis
 
Ir ao psicólogo é coisa de doidos?
Ir ao psicólogo é coisa de doidos?Ir ao psicólogo é coisa de doidos?
Ir ao psicólogo é coisa de doidos?
 
Guia intervenção morder
Guia intervenção morderGuia intervenção morder
Guia intervenção morder
 
Motivação e inteligência emocional
Motivação e inteligência emocionalMotivação e inteligência emocional
Motivação e inteligência emocional
 
Liderança & motivação
Liderança & motivaçãoLiderança & motivação
Liderança & motivação
 
Silvia generali, micheline bastianello, roberto decourt, cleber dutra, alvaro...
Silvia generali, micheline bastianello, roberto decourt, cleber dutra, alvaro...Silvia generali, micheline bastianello, roberto decourt, cleber dutra, alvaro...
Silvia generali, micheline bastianello, roberto decourt, cleber dutra, alvaro...
 
Os 7 passos do Autoconhecimento
Os 7 passos do AutoconhecimentoOs 7 passos do Autoconhecimento
Os 7 passos do Autoconhecimento
 
Palestra Crença de Heroi
Palestra Crença de Heroi Palestra Crença de Heroi
Palestra Crença de Heroi
 
Psicóloga em Moema
Psicóloga em MoemaPsicóloga em Moema
Psicóloga em Moema
 
Dicas para a saúde emocional
Dicas para a saúde emocionalDicas para a saúde emocional
Dicas para a saúde emocional
 

Mais de Flora Couto

Who msd msb_01.6b_por
Who msd msb_01.6b_porWho msd msb_01.6b_por
Who msd msb_01.6b_por
Flora Couto
 
4622 19506-2-pb
4622 19506-2-pb4622 19506-2-pb
4622 19506-2-pb
Flora Couto
 
Cap.escuta entrevista motivacional
Cap.escuta entrevista motivacionalCap.escuta entrevista motivacional
Cap.escuta entrevista motivacional
Flora Couto
 
Corporeidade corporeidade, fenomenologia, gestalt
Corporeidade corporeidade, fenomenologia, gestaltCorporeidade corporeidade, fenomenologia, gestalt
Corporeidade corporeidade, fenomenologia, gestalt
Flora Couto
 
Igt corporeidade referências bibliográficas_
Igt corporeidade referências bibliográficas_Igt corporeidade referências bibliográficas_
Igt corporeidade referências bibliográficas_
Flora Couto
 
IGT_Corporeidade corporificando a experiência
IGT_Corporeidade corporificando a experiência IGT_Corporeidade corporificando a experiência
IGT_Corporeidade corporificando a experiência
Flora Couto
 
IGT_Corporeidade_experimento corporal
IGT_Corporeidade_experimento corporalIGT_Corporeidade_experimento corporal
IGT_Corporeidade_experimento corporal
Flora Couto
 
2016 1 ebm_orientação de avaliação
2016 1 ebm_orientação de avaliação2016 1 ebm_orientação de avaliação
2016 1 ebm_orientação de avaliação
Flora Couto
 
Cenários de simulação equipe de saúde psicologia e enfermagem_roteiro
Cenários de simulação equipe de saúde psicologia e enfermagem_roteiroCenários de simulação equipe de saúde psicologia e enfermagem_roteiro
Cenários de simulação equipe de saúde psicologia e enfermagem_roteiro
Flora Couto
 
2016 1 ebm_fundamentação teórica_1
2016 1 ebm_fundamentação teórica_12016 1 ebm_fundamentação teórica_1
2016 1 ebm_fundamentação teórica_1
Flora Couto
 
1228 monica bessa_oliveira_-_entrevista_motivacional_dependencia_quimica
1228 monica bessa_oliveira_-_entrevista_motivacional_dependencia_quimica1228 monica bessa_oliveira_-_entrevista_motivacional_dependencia_quimica
1228 monica bessa_oliveira_-_entrevista_motivacional_dependencia_quimica
Flora Couto
 
MILLER(2016)-Bookshelf nbk64967
MILLER(2016)-Bookshelf nbk64967MILLER(2016)-Bookshelf nbk64967
MILLER(2016)-Bookshelf nbk64967
Flora Couto
 
2016 1_ebm_base histórica e científica_3
2016 1_ebm_base histórica e científica_32016 1_ebm_base histórica e científica_3
2016 1_ebm_base histórica e científica_3
Flora Couto
 
2016 1 ebm_mrps
2016 1 ebm_mrps2016 1 ebm_mrps
2016 1 ebm_mrps
Flora Couto
 
2016 1 ebm_refêrencia bibliográfica
2016 1 ebm_refêrencia bibliográfica2016 1 ebm_refêrencia bibliográfica
2016 1 ebm_refêrencia bibliográfica
Flora Couto
 
2016 1 ebm_exercicío 4_ ressonâncias
2016 1 ebm_exercicío 4_ ressonâncias2016 1 ebm_exercicío 4_ ressonâncias
2016 1 ebm_exercicío 4_ ressonâncias
Flora Couto
 
2016 1 ebm_exercicío 2_escutar
2016 1 ebm_exercicío 2_escutar2016 1 ebm_exercicío 2_escutar
2016 1 ebm_exercicío 2_escutar
Flora Couto
 
2016 1 ebm_exercicío 3_ estrutura da em
2016 1 ebm_exercicío 3_ estrutura da em2016 1 ebm_exercicío 3_ estrutura da em
2016 1 ebm_exercicío 3_ estrutura da em
Flora Couto
 
2016 1 ebm_exercicío 1_ armadilhas do self
2016 1 ebm_exercicío 1_ armadilhas do self2016 1 ebm_exercicío 1_ armadilhas do self
2016 1 ebm_exercicío 1_ armadilhas do self
Flora Couto
 
859 1900-1-sm (1)
859 1900-1-sm (1)859 1900-1-sm (1)
859 1900-1-sm (1)
Flora Couto
 

Mais de Flora Couto (20)

Who msd msb_01.6b_por
Who msd msb_01.6b_porWho msd msb_01.6b_por
Who msd msb_01.6b_por
 
4622 19506-2-pb
4622 19506-2-pb4622 19506-2-pb
4622 19506-2-pb
 
Cap.escuta entrevista motivacional
Cap.escuta entrevista motivacionalCap.escuta entrevista motivacional
Cap.escuta entrevista motivacional
 
Corporeidade corporeidade, fenomenologia, gestalt
Corporeidade corporeidade, fenomenologia, gestaltCorporeidade corporeidade, fenomenologia, gestalt
Corporeidade corporeidade, fenomenologia, gestalt
 
Igt corporeidade referências bibliográficas_
Igt corporeidade referências bibliográficas_Igt corporeidade referências bibliográficas_
Igt corporeidade referências bibliográficas_
 
IGT_Corporeidade corporificando a experiência
IGT_Corporeidade corporificando a experiência IGT_Corporeidade corporificando a experiência
IGT_Corporeidade corporificando a experiência
 
IGT_Corporeidade_experimento corporal
IGT_Corporeidade_experimento corporalIGT_Corporeidade_experimento corporal
IGT_Corporeidade_experimento corporal
 
2016 1 ebm_orientação de avaliação
2016 1 ebm_orientação de avaliação2016 1 ebm_orientação de avaliação
2016 1 ebm_orientação de avaliação
 
Cenários de simulação equipe de saúde psicologia e enfermagem_roteiro
Cenários de simulação equipe de saúde psicologia e enfermagem_roteiroCenários de simulação equipe de saúde psicologia e enfermagem_roteiro
Cenários de simulação equipe de saúde psicologia e enfermagem_roteiro
 
2016 1 ebm_fundamentação teórica_1
2016 1 ebm_fundamentação teórica_12016 1 ebm_fundamentação teórica_1
2016 1 ebm_fundamentação teórica_1
 
1228 monica bessa_oliveira_-_entrevista_motivacional_dependencia_quimica
1228 monica bessa_oliveira_-_entrevista_motivacional_dependencia_quimica1228 monica bessa_oliveira_-_entrevista_motivacional_dependencia_quimica
1228 monica bessa_oliveira_-_entrevista_motivacional_dependencia_quimica
 
MILLER(2016)-Bookshelf nbk64967
MILLER(2016)-Bookshelf nbk64967MILLER(2016)-Bookshelf nbk64967
MILLER(2016)-Bookshelf nbk64967
 
2016 1_ebm_base histórica e científica_3
2016 1_ebm_base histórica e científica_32016 1_ebm_base histórica e científica_3
2016 1_ebm_base histórica e científica_3
 
2016 1 ebm_mrps
2016 1 ebm_mrps2016 1 ebm_mrps
2016 1 ebm_mrps
 
2016 1 ebm_refêrencia bibliográfica
2016 1 ebm_refêrencia bibliográfica2016 1 ebm_refêrencia bibliográfica
2016 1 ebm_refêrencia bibliográfica
 
2016 1 ebm_exercicío 4_ ressonâncias
2016 1 ebm_exercicío 4_ ressonâncias2016 1 ebm_exercicío 4_ ressonâncias
2016 1 ebm_exercicío 4_ ressonâncias
 
2016 1 ebm_exercicío 2_escutar
2016 1 ebm_exercicío 2_escutar2016 1 ebm_exercicío 2_escutar
2016 1 ebm_exercicío 2_escutar
 
2016 1 ebm_exercicío 3_ estrutura da em
2016 1 ebm_exercicío 3_ estrutura da em2016 1 ebm_exercicío 3_ estrutura da em
2016 1 ebm_exercicío 3_ estrutura da em
 
2016 1 ebm_exercicío 1_ armadilhas do self
2016 1 ebm_exercicío 1_ armadilhas do self2016 1 ebm_exercicío 1_ armadilhas do self
2016 1 ebm_exercicío 1_ armadilhas do self
 
859 1900-1-sm (1)
859 1900-1-sm (1)859 1900-1-sm (1)
859 1900-1-sm (1)
 

2016 1 ebm_ exemplos de estrutura da em

  • 1. Especialização em SAÚDE MENTAL E ATENÇÃO BÁSICA Entrevista Breve Motivacional – Prof.ª Flora Couto Professora: Psicóloga clínica e social Flora Couto Contato: (071)99148-6876 flora.couto@gmail.com 2016_1 Escola baiana de medicina e saúde pública - http://pos.bahiana.edu.br/ ESTRUTURA DA ABERTURA DA ENTREVISTA (MILLER, 2001) ORIENTAÇÃO CARACTERIZAÇÃO DA INTERVENÇÃO Enquadre Apresentação Delimitação do enquadre: tempo, papéis, objetivos, foco preliminar, detalhes específicos do enquadre dependendo da área,uma pergunta aberta. Fazer Perguntas Abertas 1.Eu suponho por você estar aqui que você tem algo para falar. Sobre o o que gostaria de conversar? 2.Eu gostaria de entender como você vê o que acontece com você. 3.O que lhe preocupa em relação ao seu comportamento quanto a...? 4. O que mais é importante(relevante) que eu saiba sobre sua relação com ...(dro, doença, comportamento)...para que eu possa compreendê-la e melhor ajudá-la? 5.Qual sua rotina de um dia quando...? 6. O que você percebe sobre a condição de seu filho...(ou sua condição?) 7. Quais são os seu pensamentos, sensações e sentimentos quando...? 8. Descrever através de metáforas...analogias...(terapeuta ou paciente) Escutar Reflexivamente PENSAR REFLEXIVAMENTE: aquilo que você acredita que supões saber sobre o que a pessoa queiram comunicar não é necessariamente o que elas dizem. Dar voz...Afirmar o que entendeu na metacomunicação do que o paciente disse: código, escuta e decodificar o sentido. Pode ser uma pergunta enfática...pode ser acompanhado de uma posição de aliança de trabalho: deixa eu ver se entendi...você me disse que...me corrija se eu estiver errado. Mostrar que está acompanhando os sentidos da fala do paciente...que está ali com ele. Postura Ativa na escuta e devolutiva: mostrar que se importa e transcreve o jogo empático. INFLEXÃO: o tom da voz desce ao final...menos resistência. Maneira de verificar e não pressupor o que o paciente diz Encorajar Entendo como deve ter sido difícil para você... Agora compreendo o papel disso na sua vida... Vejo que você busca realizar o seu melhor...mesmo quando... Percebo como você tem recursos de...quando.... Somente você pode realmente saber como é isso nas relaçnoes com as pessoas....no trabalho...na vida Resumir Terapeuta organiza os dados da fala do paciente entorno do foco buscando reforçar o que foi dito, mostrar empatia e mostrar escuta; mostrar ambivalência; elucidar e checando associações e examinado os pontos positivos e negativos simultaneamente em uma interlocução sistêmica: para clarificar, para discrepância (dissonância) cognitiva; para a palhaça decisional; para montar o planejamento. Por um lado...por outro lado...ao mesmo tempo...como também...junto aos resultados de diagnósticos... Tom colaborativo...perguntando se está certo...pedindo complemento ou correções Eliciar Informações Automotivacionais 1. Reconhecimento do problema Que coisas fazem pensar que isso é um problema? Que dificuldades você teve em relação ao seu uso de …(ex.drogas)? De que maneira você acha que você mesmo ou outras pessoas foram prejudicadas pelo seu hábito de …(ex.beber)? De que maneira isso tem sido um problema para você?
  • 2. Especialização em SAÚDE MENTAL E ATENÇÃO BÁSICA Entrevista Breve Motivacional – Prof.ª Flora Couto Professora: Psicóloga clínica e social Flora Couto Contato: (071)99148-6876 flora.couto@gmail.com 2016_1 Escola baiana de medicina e saúde pública - http://pos.bahiana.edu.br/ Como o uso de ….(ex.tranqüilizantes) lhe impede de fazer aquilo que você quer? 2. Preocupação Que no seu hábito de beber pode ser visto como um motivo de preocupação para você ou outras pessoas? Que lhe preocupa no seu uso de …(ex.drogas)? Que você imagina que lhe possa acontecer? Como você sente quanto ao seu hábito de …(ex.jogar)? Quanto isso lhe preocupa? Que você acha que vai acontecer se você não fizer uma mudança? 3. Intenção de mudar Fato de estar aqui indica que pelo menos uma parte de você acha que está na hora de fazer alguma coisa. Que motivos você vê para fazer uma mudança? Que lhe faz pensar que você pode precisar fazer uma mudança? Se você fosse 100% bem-sucedido, e as coisas fossem exatamente como você gostaria, o que seria diferente? Que coisas lhe fazem pensar que você deve continuar ….(ex: bebendo) como …(bebe) agora?... E o outro lado? Que lhe faz pensar que é hora de mudar? Que você está achando de seu hábito de …(ex:jogar) neste momento? Quais seriam as vantagens de fazer uma mudança? Posso ver que você está se sentindo confuso neste momento. O que vai ter que mudar? 4. Otimismo Que lhe faz pensar que, se você decidir fazer uma mudança, será capaz de fazê-la. Que lhe dá a certeza de que pode mudar, se quiser? Que você acha que funcionaria para você, se decidisse mudar? Perguntas Evocativas O que mais você notou ou imaginou? Que outras preocupações você tem? Quais são os outros motivos de você precisar fazer isso...? Por quais motivos você conseguiria mudar? Aprofundar Fale-me sobre o que gosta e não gosta... Pode descrever um dia de dor e outro de não... Exemplos específicos: para que?Quanto?Com quem? De que forma?Por exemplo...? Descrição de rotinas e identificação de ações. Usar Extremos O que mais(menos) lhe preocupa? O que de pior pode acontecer se...o que de melhor pode acontecer se...fizer a (mudança)? Qual foi o pior(melhor) momento aonde...? O que você faz s Olhar para trás – frente Como era antes de...? O que você acredita que pode acontecer no futuro se...? Quando foi que isso foi diferente...? O que foi feito que impediu ...o trouxe a esse ponto? Se fizer as mudanças...o quais as expectativas de futuro? O que de melhor pode fazer agora? E para frente? O que você gostaria de ser se não fosse...? Quais seriam os melhores resultados se você conseguisse a mudança? Explorar Metas Quais as coisas mais importantes na sua vida? Como se vê em relação a isso se continuar com o comportamento... Mapa de hierarquia de valores pessoais..
  • 3. Especialização em SAÚDE MENTAL E ATENÇÃO BÁSICA Entrevista Breve Motivacional – Prof.ª Flora Couto Professora: Psicóloga clínica e social Flora Couto Contato: (071)99148-6876 flora.couto@gmail.com 2016_1 Escola baiana de medicina e saúde pública - http://pos.bahiana.edu.br/ EVOCAR perguntas: Discrepânica entre metas importantes e comportamento-problemas... O Paradoxo Você veio ate aqui para conversar comigo sobe isso, mas você ainda não me convenceu de que está realmente preocupado. Isso é tudo? Quando lhe escuto não me convenço de que você esteja realmente motivado. Confronto da parte do cliente que realmente queira ou não mudar aonde o terapeuta assume o lado que acredita que ele não quer mudar fazendo uma frustação habilidosa para provocar respostas automotivacionais. O contato pós-consulta Monitoramento, matriciamento, sustentação vincular