SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 2
Especialização em SAÚDE MENTAL E ATENÇÃO BÁSICA
Entrevista Breve Motivacional – Prof.ª Flora Couto
Professora: Psicóloga clínica e social Flora Couto Contato: (071)99148-6876 flora.couto@gmail.com 2016_1
Escola baiana de medicina e saúde pública - http://pos.bahiana.edu.br/
Exercícios de desconstrução Semântica
1. Abaixo está descrito um trecho de entrevista que demonstra armadilhas técnicas do
entrevistador e dificuldades de escuta no processo de acolhimento de uma paciente.
No diálogo terapeuta pode ser um médico, enfermeira, educador físico, psicólogo ou
qualquer outro profissional de saúde.
a. Identifique as armadilhas e o tipo de respostas de não escuta.
b. Proponha uma modificação semântica para modificar a comunicação e facilitar a
Entrevista Motivacional.
Terapeuta: Então, você está sugerindo que eu sou dependente?
Cliente: Sim. Eu não estou sugerindo...os seus exames mostram isso... e você me
disse que usa cocaína, isso é um problema de doença que causa dependência
química. Você teve um desmaio, se sente desconfortável quando não pode
beber e relata dificuldades com a família quando se comporta bebendo. Mas
parece que você não aceita seu problema.
P: O que você quer dizer?Muitas pessoas que conheço bebem como eu. Bem, eu não
gosto de ser chamado de dependente…
T: Se vocâ não aceitar que é dependente, você não irá resolver seu problema.
P: Eu não estou dizendo que não tenho problemas..uso cocaína mas controlo; e isso
não é um problema grande para mim e não sou dependente. Eu não acho que seja
tão sério.
T: Todos que usam cocaína são dependentes…seus exames mostram isso….essa é
uma questão química, a ciência diz isso.
P: Eu não gosto de ser rotulado como doente, eu uso cocaína porque gosto e ela me
ajuda a criar.
T: Isso é muito comum, como você pode imaginar, muitas pessoas com quem eu falo
não gostam de ser rotuladas, mas aceitar que vc tem um problema é o primeiro
passo para mudar seu comportamento. A minha função é lhe dizer isso. Eu acho
que você usa cocaina para evitar lidar com as dificuldades de sua vida; e fugir da
realidade não vai ajudar. Você tem que enfrentar sem drogas os seus problemas.
P: Eu sinto como se estivessem me colocando em uma caixa.
T: Certo. Deixe-me explicar como eu vejo essa situação e, então, podemos prosseguir.
Você veio até aqui e fez seus exames e eu estou dizendo que você está causando
um problema para seu corpo quando usa cocaína…e você tem que parar de usar
cocaína ou você pode piorar nas doenças que seu comportamento de dependência
está criando… e depois vai ser mais dificil resolver, colocando sua vida em risco.
Especialização em SAÚDE MENTAL E ATENÇÃO BÁSICA
Entrevista Breve Motivacional – Prof.ª Flora Couto
Professora: Psicóloga clínica e social Flora Couto Contato: (071)99148-6876 flora.couto@gmail.com 2016_1
Escola baiana de medicina e saúde pública - http://pos.bahiana.edu.br/
GABARITO Exercício 1
Terapeuta:Então, você está sugerindo que eu sou dependente?
Cliente: Não, eu realmente não ligo para rótulos. Mas parece que você
sim; e que essa é uma preocupação para você.
P: Bem, eu não gosto de ser chamado de dependente.
T: Quando isso aocntece, você tem vontade de dizer que sua situação
não é tão séria assim.
P: Isso!Eu não estou dizendo que não tenho prpoblemas..
T: Mas você não gosta de ser rotulado como “tendo um problema”. Isso
lhe soa muito mal.
P: É verdade…
T: Isso é muito comum, como você pode imaginar,muitas pessoas com
quem eu falo não gostam de ser rotuladas. Não há nada de estranho
nisso. Eu também não gosto que as pessoas me rotulem.
P: Eu sinto cmo se estivessem me colocando em uma caixa.
T: Certo. Deixe-me explicaar como eu vehjo essa situaçnao e, então,
podemos prosseguir. Para mim nõa importa o nome que damos ao
problema. Não me importa se o chamamos de “dependencia”,
“problema”, “doença”, ou até mesmo “João”. Não temos que lhe dar um
nome. O que realmente importa é determinarmos como seu uso de
cocaína está ou não lhe prejudicando e o que você quer fazer com isso.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Colheita de dados
Colheita de dadosColheita de dados
Colheita de dados
dlj-imua
 

Mais procurados (18)

Mudanças palestra para o CRAS
Mudanças palestra para o CRASMudanças palestra para o CRAS
Mudanças palestra para o CRAS
 
A comunicação na interação com indivíduos com alterações de comportamento: ag...
A comunicação na interação com indivíduos com alterações de comportamento: ag...A comunicação na interação com indivíduos com alterações de comportamento: ag...
A comunicação na interação com indivíduos com alterações de comportamento: ag...
 
A comunicacao na interacao com o utente com alteracoes sensoriais
A comunicacao na interacao com o utente com alteracoes sensoriaisA comunicacao na interacao com o utente com alteracoes sensoriais
A comunicacao na interacao com o utente com alteracoes sensoriais
 
Colheita de dados
Colheita de dadosColheita de dados
Colheita de dados
 
A comunicacao na interacao com individuos com alteracoes ou perturbacoes mentais
A comunicacao na interacao com individuos com alteracoes ou perturbacoes mentaisA comunicacao na interacao com individuos com alteracoes ou perturbacoes mentais
A comunicacao na interacao com individuos com alteracoes ou perturbacoes mentais
 
Motivação no tratamento da dependência química
Motivação no tratamento da dependência químicaMotivação no tratamento da dependência química
Motivação no tratamento da dependência química
 
Recaida
RecaidaRecaida
Recaida
 
Aula 2 comunicação terapêutica na emerg. psiquiátrica
Aula 2 comunicação terapêutica na emerg. psiquiátricaAula 2 comunicação terapêutica na emerg. psiquiátrica
Aula 2 comunicação terapêutica na emerg. psiquiátrica
 
Psicóloga em Moema
Psicóloga em MoemaPsicóloga em Moema
Psicóloga em Moema
 
Nossa recaídas
Nossa recaídasNossa recaídas
Nossa recaídas
 
Como diferenciar pensamento e sentimento em TCC?
Como diferenciar pensamento e sentimento em TCC?Como diferenciar pensamento e sentimento em TCC?
Como diferenciar pensamento e sentimento em TCC?
 
PPR - Plano de Prevenção a Recaída
PPR - Plano de Prevenção a Recaída PPR - Plano de Prevenção a Recaída
PPR - Plano de Prevenção a Recaída
 
GUIA DO PACIENTE MODERNO - DR JOÃO VITOR NASSARALLA
GUIA DO PACIENTE MODERNO - DR JOÃO VITOR NASSARALLAGUIA DO PACIENTE MODERNO - DR JOÃO VITOR NASSARALLA
GUIA DO PACIENTE MODERNO - DR JOÃO VITOR NASSARALLA
 
Como Aplicar Técnicas de Dinâmicas de Grupo para Dependentes Químicos?
Como Aplicar Técnicas de Dinâmicas de Grupo para Dependentes Químicos?Como Aplicar Técnicas de Dinâmicas de Grupo para Dependentes Químicos?
Como Aplicar Técnicas de Dinâmicas de Grupo para Dependentes Químicos?
 
Conflito a comunicacao na interacao com individuos com alteracoes de comporta...
Conflito a comunicacao na interacao com individuos com alteracoes de comporta...Conflito a comunicacao na interacao com individuos com alteracoes de comporta...
Conflito a comunicacao na interacao com individuos com alteracoes de comporta...
 
Guia de Tratamento para Dependentes Químicos
Guia de Tratamento para Dependentes QuímicosGuia de Tratamento para Dependentes Químicos
Guia de Tratamento para Dependentes Químicos
 
Comunicação com o paciente
Comunicação com o pacienteComunicação com o paciente
Comunicação com o paciente
 
Habilidades de comunicação de más notícias
Habilidades de comunicação de más notíciasHabilidades de comunicação de más notícias
Habilidades de comunicação de más notícias
 

Destaque

MSM Mar 2012.PDF
MSM Mar 2012.PDFMSM Mar 2012.PDF
MSM Mar 2012.PDF
Brad Miller
 
Project Deimos
Project DeimosProject Deimos
Project Deimos
Simon Suo
 
ΠΛΗ10 ΚΑΡΤΕΣ ΜΑΘΗΜΑΤΟΣ 2.2 (ΕΚΤΥΠΩΣΗ)
ΠΛΗ10 ΚΑΡΤΕΣ ΜΑΘΗΜΑΤΟΣ 2.2 (ΕΚΤΥΠΩΣΗ)ΠΛΗ10 ΚΑΡΤΕΣ ΜΑΘΗΜΑΤΟΣ 2.2 (ΕΚΤΥΠΩΣΗ)
ΠΛΗ10 ΚΑΡΤΕΣ ΜΑΘΗΜΑΤΟΣ 2.2 (ΕΚΤΥΠΩΣΗ)
Dimitris Psounis
 

Destaque (13)

BOSS_LS
BOSS_LSBOSS_LS
BOSS_LS
 
Momentum Express
Momentum ExpressMomentum Express
Momentum Express
 
MSM Mar 2012.PDF
MSM Mar 2012.PDFMSM Mar 2012.PDF
MSM Mar 2012.PDF
 
C.o. les français des râleurs
C.o. les français des râleursC.o. les français des râleurs
C.o. les français des râleurs
 
Módulo III
Módulo IIIMódulo III
Módulo III
 
Practicas 18 19_20_jenny
Practicas 18 19_20_jennyPracticas 18 19_20_jenny
Practicas 18 19_20_jenny
 
Project Deimos
Project DeimosProject Deimos
Project Deimos
 
Mapa conceptual
Mapa conceptualMapa conceptual
Mapa conceptual
 
ΠΛΗ10 ΚΑΡΤΕΣ ΜΑΘΗΜΑΤΟΣ 2.2 (ΕΚΤΥΠΩΣΗ)
ΠΛΗ10 ΚΑΡΤΕΣ ΜΑΘΗΜΑΤΟΣ 2.2 (ΕΚΤΥΠΩΣΗ)ΠΛΗ10 ΚΑΡΤΕΣ ΜΑΘΗΜΑΤΟΣ 2.2 (ΕΚΤΥΠΩΣΗ)
ΠΛΗ10 ΚΑΡΤΕΣ ΜΑΘΗΜΑΤΟΣ 2.2 (ΕΚΤΥΠΩΣΗ)
 
Direct Current QA 9
Direct Current QA 9Direct Current QA 9
Direct Current QA 9
 
ΠΛΗ20 ΚΑΡΤΕΣ ΜΑΘΗΜΑΤΟΣ 2.3
ΠΛΗ20 ΚΑΡΤΕΣ ΜΑΘΗΜΑΤΟΣ 2.3ΠΛΗ20 ΚΑΡΤΕΣ ΜΑΘΗΜΑΤΟΣ 2.3
ΠΛΗ20 ΚΑΡΤΕΣ ΜΑΘΗΜΑΤΟΣ 2.3
 
ΠΛΗ20 ΚΑΡΤΑ ΜΑΘΗΜΑ 1.3
ΠΛΗ20 ΚΑΡΤΑ ΜΑΘΗΜΑ 1.3ΠΛΗ20 ΚΑΡΤΑ ΜΑΘΗΜΑ 1.3
ΠΛΗ20 ΚΑΡΤΑ ΜΑΘΗΜΑ 1.3
 
Faites vous partie de ces français qui dorment debout
Faites vous partie de ces français qui dorment deboutFaites vous partie de ces français qui dorment debout
Faites vous partie de ces français qui dorment debout
 

Semelhante a 2016 1 ebm_exercício 5_análise de casos

Cartilha mudando comportamentos_web
Cartilha mudando comportamentos_webCartilha mudando comportamentos_web
Cartilha mudando comportamentos_web
Robson Peixoto
 
Estrategia de intervencao breve para usuarios de drogas especificas alcool ...
Estrategia de intervencao breve para usuarios de drogas especificas   alcool ...Estrategia de intervencao breve para usuarios de drogas especificas   alcool ...
Estrategia de intervencao breve para usuarios de drogas especificas alcool ...
Flora Couto
 
Um processo de terapia para a gagueira
Um processo de terapia para a gagueiraUm processo de terapia para a gagueira
Um processo de terapia para a gagueira
adrianomedico
 
Jornal psicologia 1ª edição - alterada2
Jornal psicologia  1ª edição - alterada2Jornal psicologia  1ª edição - alterada2
Jornal psicologia 1ª edição - alterada2
becresforte
 
Jornal psicologia 1ª edição - 2010-11
Jornal psicologia  1ª edição - 2010-11Jornal psicologia  1ª edição - 2010-11
Jornal psicologia 1ª edição - 2010-11
becresforte
 
Jornal psicologia 1ª edição - 2010-11
Jornal psicologia  1ª edição - 2010-11Jornal psicologia  1ª edição - 2010-11
Jornal psicologia 1ª edição - 2010-11
becresforte
 
Cartliha drogas - mudando comportamentos
Cartliha   drogas - mudando comportamentosCartliha   drogas - mudando comportamentos
Cartliha drogas - mudando comportamentos
karol_ribeiro
 
Cartliha drogas - mudando comportamentos
Cartliha   drogas - mudando comportamentosCartliha   drogas - mudando comportamentos
Cartliha drogas - mudando comportamentos
karol_ribeiro
 
Drogas cartilha para educadores
Drogas cartilha para educadoresDrogas cartilha para educadores
Drogas cartilha para educadores
Ana Abrahão
 
Cartilha para educadores
Cartilha para educadoresCartilha para educadores
Cartilha para educadores
Robson Peixoto
 
Cartilha drogaseducadores
Cartilha drogaseducadoresCartilha drogaseducadores
Cartilha drogaseducadores
tecampinasoeste
 

Semelhante a 2016 1 ebm_exercício 5_análise de casos (20)

Vicio em pornografia, como parar 2ª edição (2).pdf
Vicio em pornografia, como parar 2ª edição (2).pdfVicio em pornografia, como parar 2ª edição (2).pdf
Vicio em pornografia, como parar 2ª edição (2).pdf
 
Intervencao breve na ubs
Intervencao breve na ubsIntervencao breve na ubs
Intervencao breve na ubs
 
macho man desconto
macho man descontomacho man desconto
macho man desconto
 
Clínica OHR Psiquiatria
Clínica OHR PsiquiatriaClínica OHR Psiquiatria
Clínica OHR Psiquiatria
 
Livro completo-tapping-the-bodys-energy´s-pathways
Livro completo-tapping-the-bodys-energy´s-pathwaysLivro completo-tapping-the-bodys-energy´s-pathways
Livro completo-tapping-the-bodys-energy´s-pathways
 
Cartilha mudando comportamentos_web
Cartilha mudando comportamentos_webCartilha mudando comportamentos_web
Cartilha mudando comportamentos_web
 
Recuperação
RecuperaçãoRecuperação
Recuperação
 
Ir ao psicólogo é coisa de doidos?
Ir ao psicólogo é coisa de doidos?Ir ao psicólogo é coisa de doidos?
Ir ao psicólogo é coisa de doidos?
 
Estrategia de intervencao breve para usuarios de drogas especificas alcool ...
Estrategia de intervencao breve para usuarios de drogas especificas   alcool ...Estrategia de intervencao breve para usuarios de drogas especificas   alcool ...
Estrategia de intervencao breve para usuarios de drogas especificas alcool ...
 
Um processo de terapia para a gagueira
Um processo de terapia para a gagueiraUm processo de terapia para a gagueira
Um processo de terapia para a gagueira
 
Programa_DBT®_Para_o_Comer_Emocional_e_Compulsivo_Debra_L_Safer.pdf
Programa_DBT®_Para_o_Comer_Emocional_e_Compulsivo_Debra_L_Safer.pdfPrograma_DBT®_Para_o_Comer_Emocional_e_Compulsivo_Debra_L_Safer.pdf
Programa_DBT®_Para_o_Comer_Emocional_e_Compulsivo_Debra_L_Safer.pdf
 
Jornal psicologia 1ª edição - alterada2
Jornal psicologia  1ª edição - alterada2Jornal psicologia  1ª edição - alterada2
Jornal psicologia 1ª edição - alterada2
 
Jornal psicologia 1ª edição - 2010-11
Jornal psicologia  1ª edição - 2010-11Jornal psicologia  1ª edição - 2010-11
Jornal psicologia 1ª edição - 2010-11
 
Jornal psicologia 1ª edição - 2010-11
Jornal psicologia  1ª edição - 2010-11Jornal psicologia  1ª edição - 2010-11
Jornal psicologia 1ª edição - 2010-11
 
Cartliha drogas - mudando comportamentos
Cartliha   drogas - mudando comportamentosCartliha   drogas - mudando comportamentos
Cartliha drogas - mudando comportamentos
 
Cartliha drogas - mudando comportamentos
Cartliha   drogas - mudando comportamentosCartliha   drogas - mudando comportamentos
Cartliha drogas - mudando comportamentos
 
Drogas cartilha para educadores
Drogas cartilha para educadoresDrogas cartilha para educadores
Drogas cartilha para educadores
 
Cartilha para educadores
Cartilha para educadoresCartilha para educadores
Cartilha para educadores
 
Cartilha drogaseducadores
Cartilha drogaseducadoresCartilha drogaseducadores
Cartilha drogaseducadores
 
00335 a força dos sentimentos
00335   a força dos sentimentos00335   a força dos sentimentos
00335 a força dos sentimentos
 

Mais de Flora Couto

2016 1 ebm_fundamentação teórica_1
2016 1 ebm_fundamentação teórica_12016 1 ebm_fundamentação teórica_1
2016 1 ebm_fundamentação teórica_1
Flora Couto
 

Mais de Flora Couto (20)

Who msd msb_01.6b_por
Who msd msb_01.6b_porWho msd msb_01.6b_por
Who msd msb_01.6b_por
 
4622 19506-2-pb
4622 19506-2-pb4622 19506-2-pb
4622 19506-2-pb
 
Cap.escuta entrevista motivacional
Cap.escuta entrevista motivacionalCap.escuta entrevista motivacional
Cap.escuta entrevista motivacional
 
Corporeidade corporeidade, fenomenologia, gestalt
Corporeidade corporeidade, fenomenologia, gestaltCorporeidade corporeidade, fenomenologia, gestalt
Corporeidade corporeidade, fenomenologia, gestalt
 
Igt corporeidade referências bibliográficas_
Igt corporeidade referências bibliográficas_Igt corporeidade referências bibliográficas_
Igt corporeidade referências bibliográficas_
 
IGT_Corporeidade corporificando a experiência
IGT_Corporeidade corporificando a experiência IGT_Corporeidade corporificando a experiência
IGT_Corporeidade corporificando a experiência
 
IGT_Corporeidade_experimento corporal
IGT_Corporeidade_experimento corporalIGT_Corporeidade_experimento corporal
IGT_Corporeidade_experimento corporal
 
2016 1 ebm_orientação de avaliação
2016 1 ebm_orientação de avaliação2016 1 ebm_orientação de avaliação
2016 1 ebm_orientação de avaliação
 
2016 1 ebm_fundamentação teórica_1
2016 1 ebm_fundamentação teórica_12016 1 ebm_fundamentação teórica_1
2016 1 ebm_fundamentação teórica_1
 
1228 monica bessa_oliveira_-_entrevista_motivacional_dependencia_quimica
1228 monica bessa_oliveira_-_entrevista_motivacional_dependencia_quimica1228 monica bessa_oliveira_-_entrevista_motivacional_dependencia_quimica
1228 monica bessa_oliveira_-_entrevista_motivacional_dependencia_quimica
 
MILLER(2016)-Bookshelf nbk64967
MILLER(2016)-Bookshelf nbk64967MILLER(2016)-Bookshelf nbk64967
MILLER(2016)-Bookshelf nbk64967
 
2016 1_ebm_base histórica e científica_3
2016 1_ebm_base histórica e científica_32016 1_ebm_base histórica e científica_3
2016 1_ebm_base histórica e científica_3
 
2016 1 ebm_mrps
2016 1 ebm_mrps2016 1 ebm_mrps
2016 1 ebm_mrps
 
2016 1 ebm_refêrencia bibliográfica
2016 1 ebm_refêrencia bibliográfica2016 1 ebm_refêrencia bibliográfica
2016 1 ebm_refêrencia bibliográfica
 
2016 1 ebm_exemplos de perguntas evocativas
2016 1 ebm_exemplos de perguntas evocativas2016 1 ebm_exemplos de perguntas evocativas
2016 1 ebm_exemplos de perguntas evocativas
 
2016 1 ebm_exercicío 4_ ressonâncias
2016 1 ebm_exercicío 4_ ressonâncias2016 1 ebm_exercicío 4_ ressonâncias
2016 1 ebm_exercicío 4_ ressonâncias
 
2016 1 ebm_exercicío 2_escutar
2016 1 ebm_exercicío 2_escutar2016 1 ebm_exercicío 2_escutar
2016 1 ebm_exercicío 2_escutar
 
2016 1 ebm_exercicío 3_ estrutura da em
2016 1 ebm_exercicío 3_ estrutura da em2016 1 ebm_exercicío 3_ estrutura da em
2016 1 ebm_exercicío 3_ estrutura da em
 
2016 1 ebm_exercicío 1_ armadilhas do self
2016 1 ebm_exercicío 1_ armadilhas do self2016 1 ebm_exercicío 1_ armadilhas do self
2016 1 ebm_exercicío 1_ armadilhas do self
 
859 1900-1-sm (1)
859 1900-1-sm (1)859 1900-1-sm (1)
859 1900-1-sm (1)
 

Último

Treinamento NR 18.pdf .......................................
Treinamento NR 18.pdf .......................................Treinamento NR 18.pdf .......................................
Treinamento NR 18.pdf .......................................
paulo222341
 
relatorio ciencias morfofuncion ais.pdf
relatorio ciencias morfofuncion  ais.pdfrelatorio ciencias morfofuncion  ais.pdf
relatorio ciencias morfofuncion ais.pdf
HELLEN CRISTINA
 
Homens Trans tem Caderneta de Pré-Natal especial / Programa Transgesta - SUS
Homens Trans tem Caderneta de Pré-Natal especial / Programa Transgesta - SUSHomens Trans tem Caderneta de Pré-Natal especial / Programa Transgesta - SUS
Homens Trans tem Caderneta de Pré-Natal especial / Programa Transgesta - SUS
Prof. Marcus Renato de Carvalho
 
relatorio de estagio de terapia ocupacional.pdf
relatorio de estagio de terapia ocupacional.pdfrelatorio de estagio de terapia ocupacional.pdf
relatorio de estagio de terapia ocupacional.pdf
HELLEN CRISTINA
 
RELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO I.pdf
RELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO I.pdfRELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO I.pdf
RELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO I.pdf
HELLEN CRISTINA
 

Último (7)

Treinamento NR 18.pdf .......................................
Treinamento NR 18.pdf .......................................Treinamento NR 18.pdf .......................................
Treinamento NR 18.pdf .......................................
 
relatorio ciencias morfofuncion ais.pdf
relatorio ciencias morfofuncion  ais.pdfrelatorio ciencias morfofuncion  ais.pdf
relatorio ciencias morfofuncion ais.pdf
 
Altas habilidades/superdotação. Adelino Felisberto
Altas habilidades/superdotação. Adelino FelisbertoAltas habilidades/superdotação. Adelino Felisberto
Altas habilidades/superdotação. Adelino Felisberto
 
Crianças e Adolescentes em Psicoterapia A abordagem psicanalítica-1 (2).pdf
Crianças e Adolescentes em Psicoterapia A abordagem psicanalítica-1 (2).pdfCrianças e Adolescentes em Psicoterapia A abordagem psicanalítica-1 (2).pdf
Crianças e Adolescentes em Psicoterapia A abordagem psicanalítica-1 (2).pdf
 
Homens Trans tem Caderneta de Pré-Natal especial / Programa Transgesta - SUS
Homens Trans tem Caderneta de Pré-Natal especial / Programa Transgesta - SUSHomens Trans tem Caderneta de Pré-Natal especial / Programa Transgesta - SUS
Homens Trans tem Caderneta de Pré-Natal especial / Programa Transgesta - SUS
 
relatorio de estagio de terapia ocupacional.pdf
relatorio de estagio de terapia ocupacional.pdfrelatorio de estagio de terapia ocupacional.pdf
relatorio de estagio de terapia ocupacional.pdf
 
RELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO I.pdf
RELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO I.pdfRELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO I.pdf
RELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO I.pdf
 

2016 1 ebm_exercício 5_análise de casos

  • 1. Especialização em SAÚDE MENTAL E ATENÇÃO BÁSICA Entrevista Breve Motivacional – Prof.ª Flora Couto Professora: Psicóloga clínica e social Flora Couto Contato: (071)99148-6876 flora.couto@gmail.com 2016_1 Escola baiana de medicina e saúde pública - http://pos.bahiana.edu.br/ Exercícios de desconstrução Semântica 1. Abaixo está descrito um trecho de entrevista que demonstra armadilhas técnicas do entrevistador e dificuldades de escuta no processo de acolhimento de uma paciente. No diálogo terapeuta pode ser um médico, enfermeira, educador físico, psicólogo ou qualquer outro profissional de saúde. a. Identifique as armadilhas e o tipo de respostas de não escuta. b. Proponha uma modificação semântica para modificar a comunicação e facilitar a Entrevista Motivacional. Terapeuta: Então, você está sugerindo que eu sou dependente? Cliente: Sim. Eu não estou sugerindo...os seus exames mostram isso... e você me disse que usa cocaína, isso é um problema de doença que causa dependência química. Você teve um desmaio, se sente desconfortável quando não pode beber e relata dificuldades com a família quando se comporta bebendo. Mas parece que você não aceita seu problema. P: O que você quer dizer?Muitas pessoas que conheço bebem como eu. Bem, eu não gosto de ser chamado de dependente… T: Se vocâ não aceitar que é dependente, você não irá resolver seu problema. P: Eu não estou dizendo que não tenho problemas..uso cocaína mas controlo; e isso não é um problema grande para mim e não sou dependente. Eu não acho que seja tão sério. T: Todos que usam cocaína são dependentes…seus exames mostram isso….essa é uma questão química, a ciência diz isso. P: Eu não gosto de ser rotulado como doente, eu uso cocaína porque gosto e ela me ajuda a criar. T: Isso é muito comum, como você pode imaginar, muitas pessoas com quem eu falo não gostam de ser rotuladas, mas aceitar que vc tem um problema é o primeiro passo para mudar seu comportamento. A minha função é lhe dizer isso. Eu acho que você usa cocaina para evitar lidar com as dificuldades de sua vida; e fugir da realidade não vai ajudar. Você tem que enfrentar sem drogas os seus problemas. P: Eu sinto como se estivessem me colocando em uma caixa. T: Certo. Deixe-me explicar como eu vejo essa situação e, então, podemos prosseguir. Você veio até aqui e fez seus exames e eu estou dizendo que você está causando um problema para seu corpo quando usa cocaína…e você tem que parar de usar cocaína ou você pode piorar nas doenças que seu comportamento de dependência está criando… e depois vai ser mais dificil resolver, colocando sua vida em risco.
  • 2. Especialização em SAÚDE MENTAL E ATENÇÃO BÁSICA Entrevista Breve Motivacional – Prof.ª Flora Couto Professora: Psicóloga clínica e social Flora Couto Contato: (071)99148-6876 flora.couto@gmail.com 2016_1 Escola baiana de medicina e saúde pública - http://pos.bahiana.edu.br/ GABARITO Exercício 1 Terapeuta:Então, você está sugerindo que eu sou dependente? Cliente: Não, eu realmente não ligo para rótulos. Mas parece que você sim; e que essa é uma preocupação para você. P: Bem, eu não gosto de ser chamado de dependente. T: Quando isso aocntece, você tem vontade de dizer que sua situação não é tão séria assim. P: Isso!Eu não estou dizendo que não tenho prpoblemas.. T: Mas você não gosta de ser rotulado como “tendo um problema”. Isso lhe soa muito mal. P: É verdade… T: Isso é muito comum, como você pode imaginar,muitas pessoas com quem eu falo não gostam de ser rotuladas. Não há nada de estranho nisso. Eu também não gosto que as pessoas me rotulem. P: Eu sinto cmo se estivessem me colocando em uma caixa. T: Certo. Deixe-me explicaar como eu vehjo essa situaçnao e, então, podemos prosseguir. Para mim nõa importa o nome que damos ao problema. Não me importa se o chamamos de “dependencia”, “problema”, “doença”, ou até mesmo “João”. Não temos que lhe dar um nome. O que realmente importa é determinarmos como seu uso de cocaína está ou não lhe prejudicando e o que você quer fazer com isso.