SlideShare uma empresa Scribd logo
PROFETAS MENORES
AULA 1 – OSÉIAS, JOÉL E AMÓS
INTRODUÇÃO AOS PROFETAS MENORES
Iniciamos agora o estudo dos profetas que deixaram as suas mensagens
registradas em livros. Tomando o cativeiro babilônico como ponto de
referência, eles podem ser divididos em:
Profetas Antes do
Cativeiro:
1. Oséias
2. Joel
3. Amós
4. Obadias
5. Jonas
6. Isaías
7. Miquéias
8. Naum
9. Habacuque
10. Sofonias
11. Jeremias
Profetas Durante o
Cativeiro:
1. Jeremias
2. Ezequiel
3. Daniel
Profetas Pós Cativeiro:
1. Ageu
2. Zacarias
3. Malaquias.
Estudaremos nestas lições os livros dos Profetas Menores. São chamados
“Menores” não por causa da sua importância, mas em relação ao seu
tamanho, e a esse respeito estão em contraste com os escritos dos Profetas
Maiores.
PROFETAS DE
ISRAEL
PROFETAS DE JUDÁ
PROFETAS PÓS
CATIVEIRO
 Oséias
 Amós
 Jonas
 Obadias
 Joel
 Miquéias
 Naum
 Habacuque
 Sofonias.
 Ageu
 Zacarias
 Malaquias.
Grande parte da revelação bíblica
do Antigo Testamento foi entregue
ao povo de Deus em forma de
profecia (Hb. 1.1) e sem o dom
profético, o povo se corrompia
(Pv. 29.18)
Os profetas possuíam um papel
vital na comunicação do plano
divino para Israel
Em sua natureza, a profecia era
vivaz e alarmante
Às vezes, era exemplificada por
meio de atos simbólicos e a
finalidade era despertar o povo
PROFECIA
Exemplo de Oséias
Em uma época em que o cânon bíblico não estava completo e a
revelação de Deus estava em pleno desenvolvimento histórico, os
profetas representavam a voz de Deus na Terra (Mt. 5.17,18)
Justiça social
Foram os pregadores da justiça que profetizaram a
respeito dos seguintes temas
O verdadeiro
culto ao Senhor
A retribuição
divina
A importância
da família e
muitos outros
temas atuais e
fundamentais
para nossa
edificação
Os profetas menores apresentaram
grandes mensagens em pequenos
textos
PROFETA OSÉIAS
OS PROFÉTICOS
12 MENORES
1. OSÉIAS
2. JOÉL
3. AMÓS
4. OBADIAS
5. JONAS
6. MIQUÉIAS
7. NAUM
8. HABACUQUE
9. SOFONIAS
10. AGEU
11. ZACARIAS
12. MALAQUIAS
DIVISÃO HISTÓRICA
DABÍBLIA
OS PROFÉTICOS
12 MENORES
1. OSÉIAS
2. JOÉL
3. AMÓS
4. OBADIAS
5. JONAS
6. MIQUÉIAS
7. NAUM
8. HABACUQUE
9. SOFONIAS
10. AGEU
11. ZACARIAS
12. MALAQUIAS
INFORMAÇÕES BÁSICAS
O
S
É
I
A
S
Autor: Oséias.
Tema: O Julgamento Divino e o Amor Redentor de Deus
Palavras-Chave: Pecado, Julgamento, Amor.
Versículo-chave: Os. 3.1
Data: 715-710 a.C.
PROPÓSITO
 Oseias escreveu este livro para lembrar aos
israelitas e a nós, de que o nosso Deus é um
Deus amoroso, cuja lealdade ao povo de Sua
aliança é constante.
 Embora Israel tenha continuado a recorrer
a falsos deuses, o amor inabalável de Deus é
retratado no marido sofredor e da esposa
infiel.
 A mensagem de Oseias é também de
advertência àqueles que dariam as costas
ao amor de Deus.
 Através da representação simbólica do
casamento de Oseias e Gomer, o amor de
Deus pela nação idólatra de Israel é exibido
em uma rica metáfora com temas de
pecado, juízo e amor perdoador.
●
Oseias em uma sentença:
Usando sua família e a traição da esposa, o profeta mostra a
infidelidade do povo de Israel e o amor leal do Senhor
ESBOÇO
Pessoas Mensagem
Os. 1-3 Família de Oseias Infidelidade, castigo e restauração da
esposa de Oseias
Os. 4-10 Povo de Israel O juízo do povo de Israel
Os. 11-14 Povo de Israel A restauração do povo
PRINCIPAIS PERSONAGENS
Oseias: profeta para
Israel (Reino do Norte);
seu casamento refletiu
o relacionamento de
Deus com Israel
(1.1 – 14.9).
Seus filhos: Jezreel, Lo-
Ruama, Lo-Ami; o
nome de cada filho
ilustra o relacionamento
de Deus com Israel
(1.3 – 2.1).
Gômer: prostituta que
se tornou esposa de
Oseias, que o traiu e
representava a nação de
Israel
(1.3-9).
Jesus
Josué
Hoshea
Oseias ficou conhecido como o
primeiro “profeta da graça" ou o
“evangelista de Israel”
Seu nome vem da forma
hebraica “Hoshea”, que no
original procede da mesma
raiz da palavra “Jesus” ou
“Josué”
“Nosso rei”
(Os. 7.5).
É provável que Oseias fosse
natural de Bete-Semes e
pertencesse à tribo de Issacar
Ele citou diversas referências geográficas envolvendo as cidades do
norte: Efraim, Mizpa, Tabor, Gilgal, Betei, Jezreel, Gibeá, Ramá e
Gileade, indicando o conhecimento de alguém natural daquela área
Ao referir-se ao rei de Israel
utilizou o pronome da primeira
pessoa do plural
Possivelmente foi um padeiro,
visto que descreveu o ato de
sovar a massa apresentando
um conhecimento prático na
área (Os. 7.4)
Acreditamos que ele era um
simples mercador, que ao
vender seu produto aproveitava
para exortar sua geração nas
cidades próximas, como Jezreel
e Samaria
PROFECIA
O livro de Oseias pode ser dividido em duas partes
Os capítulos 1 ao 3 descrevem
sua vida pessoal ao comparar
sua crise conjugal com a
infidelidade de Israel
Dos capítulos 4 ao 14
apresentam profecias poéticas
entregues em um longo
intervalo de tempo
Seu ministério foi longevo
Jeroboão II
reinou no Norte
de 793-753 a.C.
Ezequias reinou
no Sul de 715-
686 a.C.
No mínimo podemos afirmar que
ele profetizou entre 753 a.C. à
715 a.C.
Os judeus calculavam que ele
tinha profetizado por
aproximadamente 90 anos, tendo
como base o meado dos reinados
de Jeroboão e Ezequias
Ele foi contemporâneo de Amós,
Isaías e Miqueias e viveu no tempo
áureo da profecia, tanto em Israel
como em Judá
Oseias foi testemunha da
destruição do Reino do
Norte em 722 a.C., e com
muita tristeza, presenciou
o cumprimento de
suas profecias
A PROFECIA DE OSÉIAS
Oseias por meio de sua própria
experiência exortou Israel sobre o
perigo da infidelidade (traição) a
Deus (Jr. 3.1,2; Tg. 4.4)
A metáfora do casamento foi
utilizada para demonstrar
o fascinante amor de Deus, mesmo
em um contexto de decadência
moral (Os. 2.14-16; 6.1-4; 11.1-4)
Oseias também usou a figura
do divórcio para mostrar a
tristeza do Senhor em executar
o juízo (Os. 2.2-7)
As jovens se
prostituíam e as
mulheres casadas
adulteravam
(Os. 4.13)
Os homens não
poderiam reivindicar
juízo sobre elas
porque também se
desviavam com as
meretrizes (Os. 4.14)
O pecado estava generalizado
em Israel (Os. 4.1,2)
O culto ao Senhor tinha sido
descaracterizado
“Betei” (Casa de Deus) foi
ironicamente apelidada por Oseias
de “Bete-Áven” (casa
dos ídolos), pois o lugar que antes
era conhecido como um centro de
adoração tornou-se um local
marcado pela idolatria (Os. 4.15)
O Senhor estava cansado de uma
adoração superficial e falsa
(Os. 6.6)
O juízo se aproximava (Os. 8.1)
A nação que antes era esposa foi
comparada a figura de uma
meretriz (Os. 9.1)
O juízo de Deus seria iminente
(Os. 10.10,13-15)
Da relação de Oseias com Gomer nasceram três filhos: dois
meninos e uma menina
Não foi somente o
matrimônio de
Oseias que ilustrou
sua mensagem , mas
também seus filhos,
pois todos receberam
nomes proféticos
JESREEL
LO-RUAMA
LO-AMI
Seu primeiro filho chamou Jezreel,
que significa
Deus semeia ou espalha”
Anunciando que em breve Deus
provocaria uma grande
dispersão em Israel (Os. 1.4,5)
Seu segundo filho, uma menina,
recebeu o nome de Lo-Ruama,
que significa
“desfavorecida”
Deus não teria mais compaixão
do seu povo (Os. 1.6), pois Deus
não tolera para sempre um povo
que odeia ser corrigido
Seu terceiro filho recebeu o nome de Lo-Ami,
que significa
“não meu povo” (Os. 1.9)
“Lo-Ami” fazia referência ao afastamento temporário
de Deus sobre Israel que de acordo com a linguagem
do casamento foi tipificado pelo divórcio
“Toda a sua malícia se acha
em Gilgal, porque ali os odiei;
por causa da maldade das suas
obras lançá-los-ei para fora de
minha casa. Não os amarei
mais; todos os seus príncipes
são rebeldes” (Os 9.15).
Deus nunca deixa alguém que
antes não o tenha deixado
primeiro (Os. 9.15)
Essa rejeição não seria
permanente, mas resultaria no
exílio e na destruição do Reino
do Norte como entidade política,
entretanto, esse período
terminaria diante da conversão
de Israel e de sua reunião com
Judá (Os. 3.4,5)
Assim como Oseias resgatou
Gomer do mercado da
escravidão/prostituição
(Os. 3.1-3)
Deus resgataria o seu povo
(Os. 3.4,5)
O amor de Deus é a tese central
do livro de Oseias
Deus decidiu amar Israel, e para
restaurá-los, imporia sobre eles
algumas restrições (Os. 3 4 .5)
A disciplina é resultado de um
julgamento fundamentado no
amor
No deserto, Deus falou ao
coração do seu povo
A expressão
“e lhe falarei ao coração”
(Os. 2.14).
Reflete um diálogo íntimo e
romântico, tal como um esposo
se dirige a sua mulher
Há poucas passagens nas
Escrituras que se aproximam
das expressões emocionais do
amor de Deus por Israel tal como
vemos em Oseias
(Os. 11.1-11)
Apesar da ira justificada, Deus
sentia compaixão de Israel
(Os. 11.8-11)
O profeta anunciou que o
Senhor dos Exércitos livrá-los-
ia da perversidade e de modo
voluntário os amaria (Os. 14.4)
Efraim dirá: Que mais tenho eu
com os ídolos? Eu o tenho ouvido
e isso considerarei; eu sou como a
faia verde; de mim é achado o teu
fruto.
Oséias 14:8
Deus faria mais do que perdoar o
seu povo, iria transformá-lo
(Os. 14.8)
O amor seria o instrumento
empregado nesta restauração
CONCLUSÃO
Oseias tem muito a nos ensinar, sobretudo, com a sua vida.
Sua pregação apresenta um Deus que ama
incondicionalmente. Deus abençoou Israel com liberdade e
terra, transformando escravos em um a grande nação.
Porém, Israel mostrou-se infiel.
Oseias denunciou com veemência a infidelidade de Israel
um pouco antes de sua destruição pela Assíria em 722 a.C.
Ele nos ensinou que a relação de Deus com seu povo é
fundamentada no amor e na fidelidade, ou à semelhança de
um casamento.
PROFETA JOÉL
OS PROFÉTICOS
12 MENORES
1. OSÉIAS
2. JOÉL
3. AMÓS
4. OBADIAS
5. JONAS
6. MIQUÉIAS
7. NAUM
8. HABACUQUE
9. SOFONIAS
10. AGEU
11. ZACARIAS
12. MALAQUIAS
DIVISÃO HISTÓRICA
DABÍBLIA
OS PROFÉTICOS
12 MENORES
1. OSÉIAS
2. JOÉL
3. AMÓS
4. OBADIAS
5. JONAS
6. MIQUÉIAS
7. NAUM
8. HABACUQUE
9. SOFONIAS
10. AGEU
11. ZACARIAS
12. MALAQUIAS
INFORMAÇÕES BÁSICAS
J
O
É
L
Autor: Joél
Tema: O Grande e Terrível Dia do Senhor.
Palavras-Chave: Visitação.
Versículo-chave: Jl. 2.28-29.
Data: 835-830 a.C.
Joel iniciou sua pregação a partir
de um desastre natural
A praga dos gafanhotos
Enquanto Oseias
se apropriou de um
a tragédia pessoal
para compor a sua
mensagem
Joel se utilizou de
uma calamidade
nacional para
escrever as linhas
do seu sermão
profético
O livro de Joel pode ser dividido em duas partes
Na primeira, há uma descrição
histórica da devastação de Judá
imposta por uma praga de
gafanhotos
Na segunda, o profeta anunciou
o juízo divino que
viria sobre o povo de Deus,
seguido por uma restauração
futura sem precedentes
O profeta não ficou limitado às
dificuldades do presente, à tragédia
natural ou ao indiferentismo
religioso
Mas transportou sua visão para
uma época vindoura e enxergou o
derramar do Espírito
sobre toda a carne
Significa “Yahweh é Deus”
ou “O Senhor é Deus”
Joel, no hebraico “Yôél”
Na cultura hebraica o nome do
indivíduo apresentava uma
conexão muito forte com sua
vida
“Palavra do SENHOR,
que foi dirigida a Joel,
filho de Petuel”
(Jl. 1.1).
“Mas isto é o que foi dito
pelo profeta Joel”
(Jl. 2.16).
Em toda a Bíblia, o profeta Joel é citado apenas em duas ocasiões,
sendo uma única vez em ambos os Testamentos
A primeira na apresentação
do seu livro (Jl. 1.1)
E a segunda, em lembrança
ao cumprimento de sua
profecia (At. 2.16)
O texto bíblico não fornece
informações pessoais sobre ele,
devido à sua familiaridade com
o Templo, tem sido identificado
como um profeta do Templo ou
até mesmo um sacerdote,
(Jl. 1.13,14; 2.17), uma vez que
suas profecias demonstram
muita familiaridade com as
cerimônias do templo
(Jl. 2.1,15, 32; 3.17, 20, 21)
Joel profetizou para Jerusalém,
os “filhos de Sião”
Em princípio, Joel fala para o seu
povo (Reino do Sul), no entanto,
sua profecia abrangeu a Igreja,
conforme o próprio apóstolo Pedro
reconheceu (A.t 2.16,17)
Não podemos negar que também
existe um caráter abrangente e
escatológico em sua mensagem
(Jl. 3.1-21)
Acreditamos que Joel representou
a ponte entre os profetas antigos
com os demais profetas escritores
do Antigo Testamento
De acordo com as evidências
internas do livro, ele profetizou
no tempo do rei Joás, de Judá,
por volta de 835 a.C. a 830 a.C.,
quando o sacerdote Joiada
respondia pela liderança da nação
(2 Rs. 12.2)
“Fazei sobre isto uma narração a
vossos filhos, e vossos filhos a seus
filhos, e os filhos destes à outra
geração”
(Jl. 1.3).
Joel apresentou a devastação, a seca
e a fome que atingiu a nação de
Judá ao ser atacada por uma praga
de gafanhotos
A ideia do profeta é registrar para
as gerações posteriores o relato da
catástrofe que atingiu a nação
(Jl. 1.3)
A devastação foi total
O que ficou da lagarta, comeu o
gafanhoto, e o que ficou do
gafanhoto, comeu a locusta,
e o que ficou da locusta, o comeu
o pulgão” (Jl. 1.4).
No original hebraico, “largata,
gafanhoto, locusta e pulgão” não
indicam insetos de diferentes
espécies, mas o mesmo inseto, o
gafanhoto, em quatro fases de
seu desenvolvimento
Lagarta
A representa o
gafanhoto em seu
estágio inicial, ao
nascer, sem asas,
quando apenas
consegue roer
Gafanhoto
Representa o
estágio que
começa a procriar
e se multiplicar
Locusta
Desenvolve asas,
mas ainda não
voa, apenas salta
e já começa a
devorar
Pulgão
Já estão
plenamente
desenvolvido,
com asas
completas
Judá foi desolada por causa deste
ataque de gafanhotos em seus vários
estágios de desenvolvimento
O descaso para com Deus precipitou
o povo à assolação
O fruto de quem vira as costas para
Deus sempre será amargo
Os compatriotas de Joel agiram
com indiferença diante da tragédia,
acreditavam que essas situações
simplesmente “aconteciam”
O profeta começou sua mensagem
fazendo uma invocação solene para
chamar a atenção do seu povo, suas
palavras iniciais foram
“ouvi isto”
(Jl. 1.2).
“Despertai-vos, bêbados, e
chorai; gemei, todos os que bebeis
vinho, por causa do mosto,
porque tirado é da vossa boca”
(Jl. 1.5).
Os ébrios deveriam se despertar
(Jl. 1.5); a virgem deveria lamentar
(Jl. 1.8) e os sacerdotes deveriam
gemer e clamar (Jl. 1.13)
A devastação foi tão grande que
não havia material para oferecer a
oferta de manjar (Jl. 1.9)
O mesmo ocorria com as libações e
com o vinho
A seca se alastrou pela terra
(Jl. 1.12)
Não havia materiais para o culto
A interrupção da adoração ao
Senhor deveria ser considerada uma
grande calamidade (Jl. 1.13)
Joel se incomodou com a
indiferença de sua geração, por
isto, chamou a atenção deles
dizendo que mais calamidades
estavam por vir
Enquanto o primeiro capítulo
narrava um acontecimento histórico,
o segundo previa uma
calamidade que assombraria a nação
A derrota para uma nação
estrangeira
Parecia que Joel estava descrevendo
um futuro ataque de gafanhotos,
pois falava de um dilúvio escuro
com milhares de gafanhotos
cobrindo os céus (Jl. 2.2)
Ele comparou os insetos ao fogo
(Jl. 2.3) e descreveu-os com a
aparência de um cavalo (em
miniatura) (Jl. 2.4)
Em suas palavras o exército
invasor seria obstinado, como
valentes correriam cada um pelo
seu carreio (Jl. 2.7,8)
Joel se valeu do simbolismo do
ataque dos gafanhotos para prever
um ataque militar como resultado
de um juízo divino sobre o povo
Provavelmente o profeta estava se
referindo ao futuro ataque da
Babilônia
Para Joel, a praga dos gafanhotos
prefigurava uma desolação muito
maior
A PROFECIA DO BATISMO NO ESPÍRITO
“Ainda assim, agora mesmo
diz o Senhor: Convertei-vos a
mim de todo o vosso coração; e
isso com jejuns, e com choro, e
com pranto” (Jl. 2.12).
Joel conclamou seus compatriotas
ao verdadeiro arrependimento
A expressão “agora mesmo”
revelou a urgência do apelo
(Jl. 2.12)
Na Bíblia, o arrependimento é
sempre para hoje (Mt. 3.2: 4.17:
At. 2.38: 3.19)
O profeta afirma que Deus não se
deixa enganar com “falsos
arrependimentos” ou com “rituais
aparentes”
A conversão deve ser de todo o
coração (Jr. 29.13)
Ele comparou os insetos ao fogo (Jl. 2.3) e descreveu-os com a
aparência de um cavalo (em miniatura) (Jl. 2.4)
A nação inteira precisava se voltar
para Deus (Jl. 2.16)
Os sacerdotes deveriam chorar e
clamar pelo povo (Jl. 2.17)
Eles estavam tão envolvidos com a
política (na frente do governo
durante o período de menoridade
do rei Joás) que deixaram suas
atividades sacerdotais de lado
Era preciso voltar a interceder pelo povo
A promessa do derramar do
Espírito Santo
Requer de nós uma conversão
sincera e uma entrega total
Trigo Vinho Óleo
Deus prometeu agir não apenas
como o provedor de recursos, mas
também como o protetor do seu
povo (Jl. 2.20,21)
“Mas removerei para longe de vós o
exército do norte, e lançá-lo-ei em
uma terra seca e deserta; a sua frente
para o mar oriental, e a sua
retaguarda para o mar ocidental; e
subirá o seu mau cheiro, e subirá a
sua podridão; porque fez grandes
coisas.
Não temas, ó terra: regozija-te e
alegra-te, porque o Senhor fez
grandes coisas” (Joel 2.20,21).
O arrependimento muda destinos
Mediante a conversão sincera,
Deus prometeu derramar fartura
A resposta viria com a providência
dos mantimentos que antes estavam
Escassos (Jl. 2.19)
Deus prometeu ordenar aos
recursos naturais, a chuva
(temporã e serôdia) e ao próprio
desenvolvimento da colheita e do
fruto, que fossem derramados na
medida correta para trazerem
prosperidade sobre Israel
Deus prometeu restituir os anos de
sofrimento (Jl. 2.23-25)
Toda restauração tem o propósito
de revelar a presença de Deus e
fornecer motivos para uma
adoração verdadeira e
ininterrupta (Jl. 2.26,27)
“E nos últimos dias acontecerá,
diz Deus, Que do meu Espírito
derramarei sobre toda a carne;
E os vossos filhos e as vossas
filhas profetizarão, Os vossos
jovens terão visões, E os vossos
velhos sonharão sonhos”
(At. 2.17).
Pedro interpretou esse
“depois” como sendo os
“últimos dias” (At. 2.17)
“Os últimos dias” representam
um período bem abrangente,
que começa com a primeira
vinda de Cristo na Terra e se
encerra em sua Segunda Vinda
Homens e mulheres, jovens e
velhos, servos e livres
(Jl. 2.28, 29)
Atualmente, vivemos o
cumprimento da profecia de Joel
No Antigo Testamento somente
sacerdotes e profetas recebiam
a unção, todavia, a bênção do
Espírito Santo é universal, não
só para Israel, mas para todos
os povos
“Assim também vós, como
desejais dons espirituais, procurai
abundar neles, para edificação da
igreja”
(1 Co. 14.12).
Os efeitos da efusão do Espírito são as profecias, sonhos
e visões, cujo principal propósito é gerar a nossa edificação
(1 Co. 14.12)
CONCLUSÃO
Joel fez o registro histórico da praga dos gafanhotos e
exortou sua geração sobre a iminência do juízo divino.
No entanto, a promessa da descida do Espírito Santo
foi o tema-chave de sua profecia. O Livro de Joel nos
ensina principalmente a respeito da atualidade das
ações do Espírito Santo, pois mediante uma conversão
verdadeira, o Consolador será derramado de forma
efusiva e sobrenatural sobre todos aqueles que se
aproximam de Deus em busca de salvação.
PROFETAAMÓS
OS PROFÉTICOS
12 MENORES
1. OSÉIAS
2. JOÉL
3. AMÓS
4. OBADIAS
5. JONAS
6. MIQUÉIAS
7. NAUM
8. HABACUQUE
9. SOFONIAS
10. AGEU
11. ZACARIAS
12. MALAQUIAS
DIVISÃO HISTÓRICA
DABÍBLIA
OS PROFÉTICOS
12 MENORES
1. OSÉIAS
2. JOÉL
3. AMÓS
4. OBADIAS
5. JONAS
6. MIQUÉIAS
7. NAUM
8. HABACUQUE
9. SOFONIAS
10. AGEU
11. ZACARIAS
12. MALAQUIAS
INFORMAÇÕES BÁSICAS
A
M
Ó
S
Autor: Amós
Tema: Justiça, Retidão e Retribuição Divina pelo Pecado.
Palavras-Chave: Julgamento e Justiça.
Versículo-chave: Am. 4.11 e 12.
Data: 760-755 a.C.
Sua profecia condena a idolatria e
denuncia as injustiças sociais que
às vezes são normatizadas pelo
“status quo” de um determinado
grupo social
O Livro de Amós é
surpreendentemente atual
Amós não pensou duas vezes em
tocar o dedo na ferida de Israel e
desafiá -los ao arrependimento,
caso contrário, a nação receberia o
juízo de Deus
Ele profetizou aproximadamente
três décadas antes da destruição de
Israel pelas tropas da Assíria
Ainda hoje, a voz do profeta
continua a ecoar alteando a
bandeira da justiça no estandarte
da adoração cristã
O livro de Amós é conhecido como
o livro da justiça de Deus e nos
ensina que a adoração não pode
desassociar-se da retidão e dos
“princípios bíblicos e justos”
revelados na Palavra de Deus
“Carregador de fardos"
O nome Amós significa
Em alusão ao seu nome, podemos
dizer que sua fala era pesada e a
sua palavra, uma carga do
Senhor
Por causa de sua origem humilde
o profeta não apresenta seu
sobrenome, indicando que sua
família não era conhecida
(Am 1.1)
“As palavras de Amós, que
estava entre os pastores de
Tecoa, as quais viu a respeito de
Israel, nos dias de Uzias, rei de
Judá, e nos dias de Jeroboão,
filho de Joás, rei de Israel, dois
anos antes do terremoto”
(Am. 1.1).
Ele provinha de uma classe
trabalhadora, portanto, estava
acostumado a “carregar fardos“
Deus chamou um homem
calejado para uma dura tarefa
Amós permaneceu resoluto em
cumprir sua missão
Foi duro nas denúncias e
exortações porque sabia que se o
povo não ouvisse suas palavras
o peso do juízo divino derramado
sobre Israel seria ainda maior
Ele era natural de Tecoa (Am. 1.1)
Essa cidade ficava a uns 20 km ao sul
de Jerusalém, junto ao deserto
da Judeia
Essa região ficava próxima à estrada
que ligava Jerusalém a Hebrom e
Berseba
Foi nessa região que João
Batista se levantou como profeta
Amós foi um profeta sulista que atuou como missionário no Reino do
Norte (Israel). A certeza do chamado divino revestiu o profeta de coragem
para denunciar
Amós fala a partir de sua realidade, por isto, se apresenta como um
legítimo representante de uma classe explorada, que não tinha voz nem
vez. Ele era pastor, boieiro e cultivador de sicômoros (Am. 1,1; 7.14)
Era um homem
trabalhador que fez
questão de
identificar sua
origem humilde
(Am. 7.14,15)
Durante os meses de verão, os
pastores mudavam o rebanho para
lugares mais baixos e pegavam
serviços paralelos como “boieiro”
ou “cultivador de sicômoros” para
terem o direito de pastar com seus
gados naquelas regiões
Sicômoros era a fruta consumida
pelos mais pobres
Os ricos se deliciavam com o figo
comum
O pecado do orgulho combatido por ele, não fazia parte de sua
vida, ele era um homem simples
Como pastor, ele passava muito tempo sozinho, meditando e observando a
natureza, As ilustrações utilizadas em suas profecias foram extraídas da vida
diária , indicando a originalidade dos seus pensamentos
Era leigo no sentido que não
havia recebido formação em
um estabelecimento oficial,
visto que não tinha estudado
nas escolas de profetas,
embora não tivesse passado
por uma educação profética
formal, ele demonstrou muito
conhecimento.
Assim como Moisés e Davi, o
tempo com o gado lhe
proporcionou uma cultura
mental destinada à reflexão,
Amós demonstrou um grande
conhecimento da lei de Moisés
Amós desenvolveu o seu
ministério na época em que
Jeroboão II reinava em
Israel, e Uzias, em Judá Foi
um período de grande
prosperidade para ambos os
reinos
O clima do governo entre
Jeroboão II e Uzias era
amistoso As nações que
poderiam perturbar Israel
tinham sido dominadas. A
luta contra a Síria terminou
com a vitória de Israel, O rei
tinha restabelecido os termos
de Israel (2 Rs. 14.25)
De acordo com o Antigo Testamento, ele
foi contemporâneo de Oseias, Jonas,
Isaías e Miqueias
Os reinos do Norte e Sul
expandiram seus territórios de
tal modo que conseguiram
recuperar quase todo o território
do império davídico-salomônico.
Esse período ficou conhecido
como a idade de ouro para
ambos os reinos. A ideia de um
juízo divino parecia não se
adequar as circunstâncias
daquela época As ameaças
assírias de Tiglate-Pileser III
(745-727 a.C.) se manifestariam
apenas algum tempo depois
 A paz experimentada pelos israelitas
lhes trouxe uma sensação enganosa
de segurança, por isto rejeitaram a
mensagem de Amós
 A paz política e a expansão
territorial conduziram Israel para
um período de prosperidade
material.
 As nações vizinhas eram tributárias
do Norte.
 As riquezas afluíam para Israel
 Os novos ricos perdiam a paciência
com as restrições de trabalho
impostas pela lei do sábado
 A vontade de acumular riquezas se
tornou maior do que o anseio
de obedecer a Lei do Senhor
 A ganância tem sido uma fonte de
tropeço para muitos (1 Tm. 6.9,10)
 Os pobres não eram tratados
de forma justa (Dt. 15.11; 24.15)
 A luxúria dos ricos era conseguida à
custa da opressão e exploração
(Am. 2.6-8)
 Os ricos controlavam tudo, inclusive o
judiciário
 As decisões dos tribunais eram todas
favoráveis aos ricos e extremamente
opressivas aos pobres
Amós se levantou contra as injustiças sociais e combateu os sistemas
desonestos que pervertiam o direito dos necessitados
 Os homens de sua época estavam
tão contumazes em acumular
riquezas que se esqueciam de
atentar para a necessidade de seus
irmãos
 A força material de Israel
contrastava com sua fraqueza
moral
 O sumo sacerdote Amazias, por
exemplo, era de classe leiga e não
provinha da descendência
sacerdotal;
 Tal questão era um grande ultraje
a fé verdadeira em Israel
 Quando Amós profetizou que Israel se
achava fora do prumo por causa dos
pecados de idolatria
 e materialismo introduzidos pela casa de
Jeroboão (Am. 7.7-9)
 Amazias demonstrou que era um
“sacerdote comprado” defendendo os
interesses do rei ao tentar proibi-lo de
continuar profetizando (Am. 7.12,13)
 As leis divinas estavam sendo burladas
 A religião tinha se corrompido
(Am. 7.10-14)
 Jeroboão II incentivou a prática dos
cultos à fertilidade por meio
 de um sistema de adoração ao bezerro de
ouro (2 Rs. 14.24,25)
A adoração a Jeová permanecia
concomitantemente ao paganismo
(Os. 2.13,16,17)
Centros pagãos foram construídos
nas principais cidades do Norte:
Gilgal, Betei, Dã e Samaria
(Am. 4.4; 8.14)
Alguém precisava combater estes
pecados, e por este motivo, Deus
levantou o corajoso Amós
O livro de Amós pode ser dividido em duas partes principais
 Na primeira seção situam-se os oráculos que vieram pela
palavra (Am. 1 - 6), aqui encontramos juízos entregues para
oito nações: Damasco, Gaza, Tiro, Edom, Amom, Moabe, Judá
e Israel (Am. 1-2)
 Na segunda seção do seu livro estão as visões (Am. 7 - 9)
 O profeta apresentou uma série
de discursos de julgamento contra
Israel (Am. 3-6)
 As denúncias de Amós partem do
geral para o específico: Primeiro
falou às nações, depois foi
específico em detalhar os pecados
de Israel
 Para fortalecer sua intimação,
Amós apresentou uma série de
símbolos do juízo vindouro
(Am. 7,8 e 9)
 Por fim, terminou sua mensagem
apresentando a restauração
futura de Israel (Am. 9.11-15)
 Sua profecia confrontou, principalmente,
as instituições de Israel, ao denunciar os
pecados que destruíam os fundamentos
sociais, morais e espirituais da nação
 Amós encontrou um mau governo em
Israel
 Oseias, seu contemporâneo, fez
denúncias semelhantes (Os. 5.1; 7.5-7)
 As instituições de Israel transformaram a
justiça em alosna, uma erva daninha
(Am. 5.7)
 Eles perverteram o direito do próximo
 Não aceitavam a repreensão e
aborreciam na porta aqueles que os
repreendiam (Am. 5.10)
O portão de qualquer cidade era
o lugar onde a justiça era
administrada (Dt. 22.15)
Se um profeta ou juiz os
repreendessem , sofreria represálias;
e por uma questão de conveniência,
muitos se silenciaram (Am. 5.13)
Os pobres eram pisados, extorquidos
e explorados (Am. 5,11), também
eram rejeitados nos tribunais de
justiça (Am. 5.12)
Seus direitos eram violados
(Am. 2.7; 4.1; 5.11)
Amós denunciou a prática do
suborno (Am. 8,4,6) e cumpriu o
seu papel de responsabilidade
social ao denunciar a injustiça
A ira de Deus, na pregação de
Amós era a justiça divina reagindo
contra as injustiças humanas
 Conforme vimos, apesar dos
múltiplos pecados e das
injustiças sociais, a adoração nos
espaços supostamente
“sagrados” continuava de forma
natural
 O sacrifício desprovido de
justiça representava uma
transgressão ao Senhor
 Os “ricos injustos“ gostavam de
frequentar os santuários e
exibirem seus sacrifícios
sonegando a Deus a verdadeira
adoração (Os. 8.13; Am. 5.22)
 Os cultos foram embelezados com a
contratação de levitas
 Muitos músicos profissionais que não
descendiam da linhagem de Levi
foram contratados para tocar nestes
templos
 A música oferecida para as pessoas era
excelente, enquanto
 a adoração sincera a Deus era
precária (Am. 5.23)
 O espetáculo em volta do culto
maquiava a superficialidade da
adoração
 Amós declarou que a adoração era
como “estrépito”, um “barulho
ensurdecedor” diante dos ouvidos do
Senhor (Am. 5.23)
“Mas os cânticos do templo
naquele dia serão gemidos, diz o
Senhor DEUS; multiplicar-se-ão os
cadáveres; em todos os lugares
serão lançados fora em silêncio”
(Am. 8.3).
Deus não estava aceitando aquela
adoração sincrética, espetaculosa,
teatral e desprovida de justiça
Os cânticos cultuais perdem o
valor quando não há
arrependimento sincero (Am. 8.3)
A justiça social pregada por Amós aponta para a obediência
aos princípios da Palavra de Deus. Devemos lembrar
religião são constituídos pela forma como tratamos o
próximo. Adoração sem justiça é uma ofensa a Deus
Uma religião que diz honrar a Deus, mas despreza, explora
ou oprime o semelhante é um a fraude. Amós nos
ensina que a verdadeira adoração exige comunhão vertical,
com Deus, e horizontal, com 0 próximo.
CONCLUSÃO

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

35. O Profeta Joel
35. O Profeta Joel35. O Profeta Joel
44. O Profeta Zacarias
44. O Profeta Zacarias44. O Profeta Zacarias
44. O Profeta Zacarias
Igreja Presbiteriana de Dourados
 
Livros Históricos
Livros  HistóricosLivros  Históricos
Livros Históricos
Moisés Sampaio
 
43. O Profeta Ageu
43. O Profeta Ageu43. O Profeta Ageu
41. O Profeta Habacuque
41. O Profeta Habacuque41. O Profeta Habacuque
41. O Profeta Habacuque
Igreja Presbiteriana de Dourados
 
42. O Profeta Sofonias
42. O Profeta Sofonias42. O Profeta Sofonias
42. O Profeta Sofonias
Igreja Presbiteriana de Dourados
 
Ezequiel
EzequielEzequiel
Ezequiel
Ricardo Gondim
 
Panorama do AT - Cântico dos Cânticos
Panorama do AT - Cântico dos CânticosPanorama do AT - Cântico dos Cânticos
Panorama do AT - Cântico dos Cânticos
Respirando Deus
 
IBADEP BÁSICO PROFETAS MENORES - AULA 4 – HABACUQUE, SOFONIAS E AGEU.pptx
IBADEP BÁSICO PROFETAS MENORES - AULA 4 – HABACUQUE, SOFONIAS E AGEU.pptxIBADEP BÁSICO PROFETAS MENORES - AULA 4 – HABACUQUE, SOFONIAS E AGEU.pptx
IBADEP BÁSICO PROFETAS MENORES - AULA 4 – HABACUQUE, SOFONIAS E AGEU.pptx
Rubens Sohn
 
45. o profeta malaquias
45. o profeta malaquias45. o profeta malaquias
45. o profeta malaquias
Igreja Presbiteriana de Dourados
 
26. Os poéticos: Eclesiastes
26. Os poéticos: Eclesiastes26. Os poéticos: Eclesiastes
26. Os poéticos: Eclesiastes
Igreja Presbiteriana de Dourados
 
5. O Êxodo: do Egito ao Sinai
5. O Êxodo: do Egito ao Sinai5. O Êxodo: do Egito ao Sinai
5. O Êxodo: do Egito ao Sinai
Igreja Presbiteriana de Dourados
 
29. O profeta Isaías
29. O profeta Isaías29. O profeta Isaías
29. O profeta Isaías
Igreja Presbiteriana de Dourados
 
O Arrebatamento da Igreja
O Arrebatamento da IgrejaO Arrebatamento da Igreja
O Arrebatamento da Igreja
Márcio Martins
 
34. O profeta Oséias
34. O profeta Oséias34. O profeta Oséias
34. O profeta Oséias
Igreja Presbiteriana de Dourados
 
Lição 1 – O Livro de Jó - ppt
Lição 1 – O Livro de Jó - pptLição 1 – O Livro de Jó - ppt
Lição 1 – O Livro de Jó - ppt
Marina de Morais
 
37. O profeta Obadias
37. O profeta Obadias37. O profeta Obadias
37. O profeta Obadias
Igreja Presbiteriana de Dourados
 
16. O Livro de II Reis
16. O Livro de II Reis16. O Livro de II Reis
16. O Livro de II Reis
Igreja Presbiteriana de Dourados
 
GEOGRAFIA BÍBLICA (AULA 01 - BÁSICO - IBADEP)
GEOGRAFIA BÍBLICA (AULA 01 - BÁSICO - IBADEP)GEOGRAFIA BÍBLICA (AULA 01 - BÁSICO - IBADEP)
GEOGRAFIA BÍBLICA (AULA 01 - BÁSICO - IBADEP)
Pr Davi Passos - Estudos Bíblicos
 
Pentateuco (lições 1 e 2) - EETAD - Pr Gesiel de Souza Oliveira
Pentateuco (lições 1 e 2) - EETAD - Pr Gesiel de Souza OliveiraPentateuco (lições 1 e 2) - EETAD - Pr Gesiel de Souza Oliveira
Pentateuco (lições 1 e 2) - EETAD - Pr Gesiel de Souza Oliveira
Gesiel Oliveira
 

Mais procurados (20)

35. O Profeta Joel
35. O Profeta Joel35. O Profeta Joel
35. O Profeta Joel
 
44. O Profeta Zacarias
44. O Profeta Zacarias44. O Profeta Zacarias
44. O Profeta Zacarias
 
Livros Históricos
Livros  HistóricosLivros  Históricos
Livros Históricos
 
43. O Profeta Ageu
43. O Profeta Ageu43. O Profeta Ageu
43. O Profeta Ageu
 
41. O Profeta Habacuque
41. O Profeta Habacuque41. O Profeta Habacuque
41. O Profeta Habacuque
 
42. O Profeta Sofonias
42. O Profeta Sofonias42. O Profeta Sofonias
42. O Profeta Sofonias
 
Ezequiel
EzequielEzequiel
Ezequiel
 
Panorama do AT - Cântico dos Cânticos
Panorama do AT - Cântico dos CânticosPanorama do AT - Cântico dos Cânticos
Panorama do AT - Cântico dos Cânticos
 
IBADEP BÁSICO PROFETAS MENORES - AULA 4 – HABACUQUE, SOFONIAS E AGEU.pptx
IBADEP BÁSICO PROFETAS MENORES - AULA 4 – HABACUQUE, SOFONIAS E AGEU.pptxIBADEP BÁSICO PROFETAS MENORES - AULA 4 – HABACUQUE, SOFONIAS E AGEU.pptx
IBADEP BÁSICO PROFETAS MENORES - AULA 4 – HABACUQUE, SOFONIAS E AGEU.pptx
 
45. o profeta malaquias
45. o profeta malaquias45. o profeta malaquias
45. o profeta malaquias
 
26. Os poéticos: Eclesiastes
26. Os poéticos: Eclesiastes26. Os poéticos: Eclesiastes
26. Os poéticos: Eclesiastes
 
5. O Êxodo: do Egito ao Sinai
5. O Êxodo: do Egito ao Sinai5. O Êxodo: do Egito ao Sinai
5. O Êxodo: do Egito ao Sinai
 
29. O profeta Isaías
29. O profeta Isaías29. O profeta Isaías
29. O profeta Isaías
 
O Arrebatamento da Igreja
O Arrebatamento da IgrejaO Arrebatamento da Igreja
O Arrebatamento da Igreja
 
34. O profeta Oséias
34. O profeta Oséias34. O profeta Oséias
34. O profeta Oséias
 
Lição 1 – O Livro de Jó - ppt
Lição 1 – O Livro de Jó - pptLição 1 – O Livro de Jó - ppt
Lição 1 – O Livro de Jó - ppt
 
37. O profeta Obadias
37. O profeta Obadias37. O profeta Obadias
37. O profeta Obadias
 
16. O Livro de II Reis
16. O Livro de II Reis16. O Livro de II Reis
16. O Livro de II Reis
 
GEOGRAFIA BÍBLICA (AULA 01 - BÁSICO - IBADEP)
GEOGRAFIA BÍBLICA (AULA 01 - BÁSICO - IBADEP)GEOGRAFIA BÍBLICA (AULA 01 - BÁSICO - IBADEP)
GEOGRAFIA BÍBLICA (AULA 01 - BÁSICO - IBADEP)
 
Pentateuco (lições 1 e 2) - EETAD - Pr Gesiel de Souza Oliveira
Pentateuco (lições 1 e 2) - EETAD - Pr Gesiel de Souza OliveiraPentateuco (lições 1 e 2) - EETAD - Pr Gesiel de Souza Oliveira
Pentateuco (lições 1 e 2) - EETAD - Pr Gesiel de Souza Oliveira
 

Semelhante a IBADEP BÁSICO PROFETAS MENORES AULA 1 - OSÉIAS, JOÉL E AMÓS

Lição 02 oséias - a fidelidade no relacionamento com deus
Lição 02   oséias - a fidelidade no relacionamento com deusLição 02   oséias - a fidelidade no relacionamento com deus
Lição 02 oséias - a fidelidade no relacionamento com deus
cledsondrumms
 
Profetas menores lição 2 - Oséias
Profetas menores   lição 2 - OséiasProfetas menores   lição 2 - Oséias
Profetas menores lição 2 - Oséias
Escola Bíblica Sem Fronteiras
 
A Terra Se Prostituiu, Apartando-se do Senhor
A Terra Se Prostituiu, Apartando-se do SenhorA Terra Se Prostituiu, Apartando-se do Senhor
A Terra Se Prostituiu, Apartando-se do Senhor
JUERP
 
Panorama do AT - Oseias
Panorama do AT - OseiasPanorama do AT - Oseias
Panorama do AT - Oseias
Respirando Deus
 
Adultério espiritual_Lição original com textos_122013
Adultério espiritual_Lição original com textos_122013Adultério espiritual_Lição original com textos_122013
Adultério espiritual_Lição original com textos_122013
Gerson G. Ramos
 
Aula34 OSEIAS.pptx
Aula34 OSEIAS.pptxAula34 OSEIAS.pptx
Aula34 OSEIAS.pptx
Élida Rolim
 
21 oséias, joel e amós
21 oséias, joel e amós21 oséias, joel e amós
21 oséias, joel e amós
PIB Penha
 
Oséias
OséiasOséias
Oséias
s5cardoso
 
Oseias - Profeta Menor
Oseias  - Profeta MenorOseias  - Profeta Menor
Oseias - Profeta Menor
Célia Regina Carvalho
 
6 oseias
6   oseias6   oseias
6 oseias
PIB Penha
 
Série profetas menores oséias
Série profetas menores   oséiasSérie profetas menores   oséias
Série profetas menores oséias
Luiz Guilherme Guimarães Coelho
 
Panorama do AT. Poéticos e Proféticos (Aula 3).pdf
Panorama do AT. Poéticos e Proféticos (Aula 3).pdfPanorama do AT. Poéticos e Proféticos (Aula 3).pdf
Panorama do AT. Poéticos e Proféticos (Aula 3).pdf
JeffersonMonteiro46
 
OSÉIAS.pptx
OSÉIAS.pptxOSÉIAS.pptx
OSÉIAS.pptx
JoaoLucasDeCastroBra
 
Israel no plano da redenção - Lição 08 - 2º Trimestre de 2016
Israel no plano da redenção - Lição 08 - 2º Trimestre de 2016Israel no plano da redenção - Lição 08 - 2º Trimestre de 2016
Israel no plano da redenção - Lição 08 - 2º Trimestre de 2016
Pr. Andre Luiz
 
Ebd Lições bíblicas 2016 aula 7 Israel no plano da redenção.
Ebd Lições bíblicas 2016 aula 7 Israel no plano da redenção.Ebd Lições bíblicas 2016 aula 7 Israel no plano da redenção.
Ebd Lições bíblicas 2016 aula 7 Israel no plano da redenção.
GIDEONE Moura Santos Ferreira
 
Oséias estudo 03
Oséias   estudo 03Oséias   estudo 03
Oséias estudo 03
Joao Franca
 
Panorama do NT - Hebreus
Panorama do NT - HebreusPanorama do NT - Hebreus
Panorama do NT - Hebreus
Respirando Deus
 
Oséias
OséiasOséias
34. O Profeta Oséias
34. O Profeta Oséias34. O Profeta Oséias
34. O Profeta Oséias
Igreja Presbiteriana de Dourados
 
Amor e julgamento: o dilema de Deus_Lição original com textos_222013
Amor e julgamento: o dilema de Deus_Lição original com textos_222013Amor e julgamento: o dilema de Deus_Lição original com textos_222013
Amor e julgamento: o dilema de Deus_Lição original com textos_222013
Gerson G. Ramos
 

Semelhante a IBADEP BÁSICO PROFETAS MENORES AULA 1 - OSÉIAS, JOÉL E AMÓS (20)

Lição 02 oséias - a fidelidade no relacionamento com deus
Lição 02   oséias - a fidelidade no relacionamento com deusLição 02   oséias - a fidelidade no relacionamento com deus
Lição 02 oséias - a fidelidade no relacionamento com deus
 
Profetas menores lição 2 - Oséias
Profetas menores   lição 2 - OséiasProfetas menores   lição 2 - Oséias
Profetas menores lição 2 - Oséias
 
A Terra Se Prostituiu, Apartando-se do Senhor
A Terra Se Prostituiu, Apartando-se do SenhorA Terra Se Prostituiu, Apartando-se do Senhor
A Terra Se Prostituiu, Apartando-se do Senhor
 
Panorama do AT - Oseias
Panorama do AT - OseiasPanorama do AT - Oseias
Panorama do AT - Oseias
 
Adultério espiritual_Lição original com textos_122013
Adultério espiritual_Lição original com textos_122013Adultério espiritual_Lição original com textos_122013
Adultério espiritual_Lição original com textos_122013
 
Aula34 OSEIAS.pptx
Aula34 OSEIAS.pptxAula34 OSEIAS.pptx
Aula34 OSEIAS.pptx
 
21 oséias, joel e amós
21 oséias, joel e amós21 oséias, joel e amós
21 oséias, joel e amós
 
Oséias
OséiasOséias
Oséias
 
Oseias - Profeta Menor
Oseias  - Profeta MenorOseias  - Profeta Menor
Oseias - Profeta Menor
 
6 oseias
6   oseias6   oseias
6 oseias
 
Série profetas menores oséias
Série profetas menores   oséiasSérie profetas menores   oséias
Série profetas menores oséias
 
Panorama do AT. Poéticos e Proféticos (Aula 3).pdf
Panorama do AT. Poéticos e Proféticos (Aula 3).pdfPanorama do AT. Poéticos e Proféticos (Aula 3).pdf
Panorama do AT. Poéticos e Proféticos (Aula 3).pdf
 
OSÉIAS.pptx
OSÉIAS.pptxOSÉIAS.pptx
OSÉIAS.pptx
 
Israel no plano da redenção - Lição 08 - 2º Trimestre de 2016
Israel no plano da redenção - Lição 08 - 2º Trimestre de 2016Israel no plano da redenção - Lição 08 - 2º Trimestre de 2016
Israel no plano da redenção - Lição 08 - 2º Trimestre de 2016
 
Ebd Lições bíblicas 2016 aula 7 Israel no plano da redenção.
Ebd Lições bíblicas 2016 aula 7 Israel no plano da redenção.Ebd Lições bíblicas 2016 aula 7 Israel no plano da redenção.
Ebd Lições bíblicas 2016 aula 7 Israel no plano da redenção.
 
Oséias estudo 03
Oséias   estudo 03Oséias   estudo 03
Oséias estudo 03
 
Panorama do NT - Hebreus
Panorama do NT - HebreusPanorama do NT - Hebreus
Panorama do NT - Hebreus
 
Oséias
OséiasOséias
Oséias
 
34. O Profeta Oséias
34. O Profeta Oséias34. O Profeta Oséias
34. O Profeta Oséias
 
Amor e julgamento: o dilema de Deus_Lição original com textos_222013
Amor e julgamento: o dilema de Deus_Lição original com textos_222013Amor e julgamento: o dilema de Deus_Lição original com textos_222013
Amor e julgamento: o dilema de Deus_Lição original com textos_222013
 

Mais de Rubens Sohn

IBADEP BÁSICO - AULA 4 – HEBREUS E TIAGO.pptx
IBADEP BÁSICO - AULA 4 – HEBREUS E TIAGO.pptxIBADEP BÁSICO - AULA 4 – HEBREUS E TIAGO.pptx
IBADEP BÁSICO - AULA 4 – HEBREUS E TIAGO.pptx
Rubens Sohn
 
IBADEP BÁSICO AULA 3 - FILIPENSES, COLOSSENSES 1 E 2 TESSALONICENSES, 1 E TIM...
IBADEP BÁSICO AULA 3 - FILIPENSES, COLOSSENSES 1 E 2 TESSALONICENSES, 1 E TIM...IBADEP BÁSICO AULA 3 - FILIPENSES, COLOSSENSES 1 E 2 TESSALONICENSES, 1 E TIM...
IBADEP BÁSICO AULA 3 - FILIPENSES, COLOSSENSES 1 E 2 TESSALONICENSES, 1 E TIM...
Rubens Sohn
 
IBADEP BASICO - EPISTOLAS PAULINAS E GERAIS AULA2 - 1 e 2 CORINTIOS
IBADEP BASICO -  EPISTOLAS PAULINAS E GERAIS  AULA2 - 1 e 2 CORINTIOSIBADEP BASICO -  EPISTOLAS PAULINAS E GERAIS  AULA2 - 1 e 2 CORINTIOS
IBADEP BASICO - EPISTOLAS PAULINAS E GERAIS AULA2 - 1 e 2 CORINTIOS
Rubens Sohn
 
IBADEP BASICO - EPISTOLAS PAULINAS E GERAIS AULA1 - ROMANOS, GALATAS E EFÉS...
IBADEP BASICO -  EPISTOLAS PAULINAS E GERAIS  AULA1 - ROMANOS, GALATAS E EFÉS...IBADEP BASICO -  EPISTOLAS PAULINAS E GERAIS  AULA1 - ROMANOS, GALATAS E EFÉS...
IBADEP BASICO - EPISTOLAS PAULINAS E GERAIS AULA1 - ROMANOS, GALATAS E EFÉS...
Rubens Sohn
 
IBADEP BÁSICO PROFETAS MAIORES AULA 5 - PROFETA DANIEL.pptx
IBADEP BÁSICO PROFETAS MAIORES AULA 5 - PROFETA DANIEL.pptxIBADEP BÁSICO PROFETAS MAIORES AULA 5 - PROFETA DANIEL.pptx
IBADEP BÁSICO PROFETAS MAIORES AULA 5 - PROFETA DANIEL.pptx
Rubens Sohn
 
IBADEP BÁSICO PROFETAS MAIORES AULA 4 - PROFETA EZEQUIEL.pptx
IBADEP BÁSICO PROFETAS MAIORES AULA 4 - PROFETA EZEQUIEL.pptxIBADEP BÁSICO PROFETAS MAIORES AULA 4 - PROFETA EZEQUIEL.pptx
IBADEP BÁSICO PROFETAS MAIORES AULA 4 - PROFETA EZEQUIEL.pptx
Rubens Sohn
 
IBADEP BÁSICO PROFETAS MAIORES AULA 3 - LAMENTAÇÕES DE JEREMIAS.pptx
IBADEP BÁSICO PROFETAS MAIORES AULA 3 - LAMENTAÇÕES DE  JEREMIAS.pptxIBADEP BÁSICO PROFETAS MAIORES AULA 3 - LAMENTAÇÕES DE  JEREMIAS.pptx
IBADEP BÁSICO PROFETAS MAIORES AULA 3 - LAMENTAÇÕES DE JEREMIAS.pptx
Rubens Sohn
 
IBADEP BÁSICO PROFETAS MAIORES AULA 2 - PROFETA JEREMIAS.pptx
IBADEP BÁSICO PROFETAS MAIORES AULA 2 - PROFETA JEREMIAS.pptxIBADEP BÁSICO PROFETAS MAIORES AULA 2 - PROFETA JEREMIAS.pptx
IBADEP BÁSICO PROFETAS MAIORES AULA 2 - PROFETA JEREMIAS.pptx
Rubens Sohn
 
IBADEP BÁSICO PROFETAS MAIORES AULA 1 - PROFETA ISAÍAS.pptx
IBADEP BÁSICO PROFETAS MAIORES AULA 1 - PROFETA ISAÍAS.pptxIBADEP BÁSICO PROFETAS MAIORES AULA 1 - PROFETA ISAÍAS.pptx
IBADEP BÁSICO PROFETAS MAIORES AULA 1 - PROFETA ISAÍAS.pptx
Rubens Sohn
 
IBADEP MÉDIO - TEOLOGIA BIBLICA DO ANTIGO TESTAMENTO - AULA 4.pptx
IBADEP MÉDIO - TEOLOGIA BIBLICA DO ANTIGO TESTAMENTO - AULA 4.pptxIBADEP MÉDIO - TEOLOGIA BIBLICA DO ANTIGO TESTAMENTO - AULA 4.pptx
IBADEP MÉDIO - TEOLOGIA BIBLICA DO ANTIGO TESTAMENTO - AULA 4.pptx
Rubens Sohn
 
IBADEP MÉDIO - TEOLOGIA BIBLICA DO ANTIGO TESTAMENTO - AULA 3.pptx
IBADEP MÉDIO - TEOLOGIA BIBLICA DO ANTIGO TESTAMENTO - AULA 3.pptxIBADEP MÉDIO - TEOLOGIA BIBLICA DO ANTIGO TESTAMENTO - AULA 3.pptx
IBADEP MÉDIO - TEOLOGIA BIBLICA DO ANTIGO TESTAMENTO - AULA 3.pptx
Rubens Sohn
 
IBADEP MÉDIO - TEOLOGIA BIBLICA DO ANTIGO TESTAMENTO - AULA 2.pptx
IBADEP MÉDIO - TEOLOGIA BIBLICA DO ANTIGO TESTAMENTO - AULA 2.pptxIBADEP MÉDIO - TEOLOGIA BIBLICA DO ANTIGO TESTAMENTO - AULA 2.pptx
IBADEP MÉDIO - TEOLOGIA BIBLICA DO ANTIGO TESTAMENTO - AULA 2.pptx
Rubens Sohn
 
IBADEP MÉDIO - TEOLOGIA BIBLICA DO ANTIGO TESTAMENTO - AULA 1.pptx
IBADEP MÉDIO - TEOLOGIA BIBLICA DO ANTIGO TESTAMENTO - AULA 1.pptxIBADEP MÉDIO - TEOLOGIA BIBLICA DO ANTIGO TESTAMENTO - AULA 1.pptx
IBADEP MÉDIO - TEOLOGIA BIBLICA DO ANTIGO TESTAMENTO - AULA 1.pptx
Rubens Sohn
 
IBADEP BÁSICO PROFETAS MENORES - AULA 5 – ZACARIAS E MALAQUIAS.pptx
IBADEP BÁSICO PROFETAS MENORES - AULA 5 – ZACARIAS E MALAQUIAS.pptxIBADEP BÁSICO PROFETAS MENORES - AULA 5 – ZACARIAS E MALAQUIAS.pptx
IBADEP BÁSICO PROFETAS MENORES - AULA 5 – ZACARIAS E MALAQUIAS.pptx
Rubens Sohn
 
IBADEP BÁSICO PROFETAS MENORES - AULA 3 - MIQUÉIAS E NAUM
IBADEP BÁSICO PROFETAS MENORES - AULA 3 - MIQUÉIAS E NAUMIBADEP BÁSICO PROFETAS MENORES - AULA 3 - MIQUÉIAS E NAUM
IBADEP BÁSICO PROFETAS MENORES - AULA 3 - MIQUÉIAS E NAUM
Rubens Sohn
 
IBADEP MÉDIO - HISTÓRIA DE ISRAEL AULA 4
IBADEP MÉDIO - HISTÓRIA DE ISRAEL AULA 4IBADEP MÉDIO - HISTÓRIA DE ISRAEL AULA 4
IBADEP MÉDIO - HISTÓRIA DE ISRAEL AULA 4
Rubens Sohn
 
IBADEP MÉDIO - HISTÓRIA DE ISRAEL AULA 3
IBADEP MÉDIO - HISTÓRIA DE ISRAEL AULA 3IBADEP MÉDIO - HISTÓRIA DE ISRAEL AULA 3
IBADEP MÉDIO - HISTÓRIA DE ISRAEL AULA 3
Rubens Sohn
 
IBADEP MÉDIO - HIESTÓRIA DE ISRAEL AULA 2
IBADEP MÉDIO - HIESTÓRIA DE ISRAEL  AULA 2IBADEP MÉDIO - HIESTÓRIA DE ISRAEL  AULA 2
IBADEP MÉDIO - HIESTÓRIA DE ISRAEL AULA 2
Rubens Sohn
 
IBADEP MÉDIO - HISTÓRIA DE ISRAEL AULA 1
IBADEP MÉDIO - HISTÓRIA DE ISRAEL AULA 1 IBADEP MÉDIO - HISTÓRIA DE ISRAEL AULA 1
IBADEP MÉDIO - HISTÓRIA DE ISRAEL AULA 1
Rubens Sohn
 
PENTATEUCO AULA 5 IBADEP BÁSICO
PENTATEUCO AULA 5 IBADEP BÁSICOPENTATEUCO AULA 5 IBADEP BÁSICO
PENTATEUCO AULA 5 IBADEP BÁSICO
Rubens Sohn
 

Mais de Rubens Sohn (20)

IBADEP BÁSICO - AULA 4 – HEBREUS E TIAGO.pptx
IBADEP BÁSICO - AULA 4 – HEBREUS E TIAGO.pptxIBADEP BÁSICO - AULA 4 – HEBREUS E TIAGO.pptx
IBADEP BÁSICO - AULA 4 – HEBREUS E TIAGO.pptx
 
IBADEP BÁSICO AULA 3 - FILIPENSES, COLOSSENSES 1 E 2 TESSALONICENSES, 1 E TIM...
IBADEP BÁSICO AULA 3 - FILIPENSES, COLOSSENSES 1 E 2 TESSALONICENSES, 1 E TIM...IBADEP BÁSICO AULA 3 - FILIPENSES, COLOSSENSES 1 E 2 TESSALONICENSES, 1 E TIM...
IBADEP BÁSICO AULA 3 - FILIPENSES, COLOSSENSES 1 E 2 TESSALONICENSES, 1 E TIM...
 
IBADEP BASICO - EPISTOLAS PAULINAS E GERAIS AULA2 - 1 e 2 CORINTIOS
IBADEP BASICO -  EPISTOLAS PAULINAS E GERAIS  AULA2 - 1 e 2 CORINTIOSIBADEP BASICO -  EPISTOLAS PAULINAS E GERAIS  AULA2 - 1 e 2 CORINTIOS
IBADEP BASICO - EPISTOLAS PAULINAS E GERAIS AULA2 - 1 e 2 CORINTIOS
 
IBADEP BASICO - EPISTOLAS PAULINAS E GERAIS AULA1 - ROMANOS, GALATAS E EFÉS...
IBADEP BASICO -  EPISTOLAS PAULINAS E GERAIS  AULA1 - ROMANOS, GALATAS E EFÉS...IBADEP BASICO -  EPISTOLAS PAULINAS E GERAIS  AULA1 - ROMANOS, GALATAS E EFÉS...
IBADEP BASICO - EPISTOLAS PAULINAS E GERAIS AULA1 - ROMANOS, GALATAS E EFÉS...
 
IBADEP BÁSICO PROFETAS MAIORES AULA 5 - PROFETA DANIEL.pptx
IBADEP BÁSICO PROFETAS MAIORES AULA 5 - PROFETA DANIEL.pptxIBADEP BÁSICO PROFETAS MAIORES AULA 5 - PROFETA DANIEL.pptx
IBADEP BÁSICO PROFETAS MAIORES AULA 5 - PROFETA DANIEL.pptx
 
IBADEP BÁSICO PROFETAS MAIORES AULA 4 - PROFETA EZEQUIEL.pptx
IBADEP BÁSICO PROFETAS MAIORES AULA 4 - PROFETA EZEQUIEL.pptxIBADEP BÁSICO PROFETAS MAIORES AULA 4 - PROFETA EZEQUIEL.pptx
IBADEP BÁSICO PROFETAS MAIORES AULA 4 - PROFETA EZEQUIEL.pptx
 
IBADEP BÁSICO PROFETAS MAIORES AULA 3 - LAMENTAÇÕES DE JEREMIAS.pptx
IBADEP BÁSICO PROFETAS MAIORES AULA 3 - LAMENTAÇÕES DE  JEREMIAS.pptxIBADEP BÁSICO PROFETAS MAIORES AULA 3 - LAMENTAÇÕES DE  JEREMIAS.pptx
IBADEP BÁSICO PROFETAS MAIORES AULA 3 - LAMENTAÇÕES DE JEREMIAS.pptx
 
IBADEP BÁSICO PROFETAS MAIORES AULA 2 - PROFETA JEREMIAS.pptx
IBADEP BÁSICO PROFETAS MAIORES AULA 2 - PROFETA JEREMIAS.pptxIBADEP BÁSICO PROFETAS MAIORES AULA 2 - PROFETA JEREMIAS.pptx
IBADEP BÁSICO PROFETAS MAIORES AULA 2 - PROFETA JEREMIAS.pptx
 
IBADEP BÁSICO PROFETAS MAIORES AULA 1 - PROFETA ISAÍAS.pptx
IBADEP BÁSICO PROFETAS MAIORES AULA 1 - PROFETA ISAÍAS.pptxIBADEP BÁSICO PROFETAS MAIORES AULA 1 - PROFETA ISAÍAS.pptx
IBADEP BÁSICO PROFETAS MAIORES AULA 1 - PROFETA ISAÍAS.pptx
 
IBADEP MÉDIO - TEOLOGIA BIBLICA DO ANTIGO TESTAMENTO - AULA 4.pptx
IBADEP MÉDIO - TEOLOGIA BIBLICA DO ANTIGO TESTAMENTO - AULA 4.pptxIBADEP MÉDIO - TEOLOGIA BIBLICA DO ANTIGO TESTAMENTO - AULA 4.pptx
IBADEP MÉDIO - TEOLOGIA BIBLICA DO ANTIGO TESTAMENTO - AULA 4.pptx
 
IBADEP MÉDIO - TEOLOGIA BIBLICA DO ANTIGO TESTAMENTO - AULA 3.pptx
IBADEP MÉDIO - TEOLOGIA BIBLICA DO ANTIGO TESTAMENTO - AULA 3.pptxIBADEP MÉDIO - TEOLOGIA BIBLICA DO ANTIGO TESTAMENTO - AULA 3.pptx
IBADEP MÉDIO - TEOLOGIA BIBLICA DO ANTIGO TESTAMENTO - AULA 3.pptx
 
IBADEP MÉDIO - TEOLOGIA BIBLICA DO ANTIGO TESTAMENTO - AULA 2.pptx
IBADEP MÉDIO - TEOLOGIA BIBLICA DO ANTIGO TESTAMENTO - AULA 2.pptxIBADEP MÉDIO - TEOLOGIA BIBLICA DO ANTIGO TESTAMENTO - AULA 2.pptx
IBADEP MÉDIO - TEOLOGIA BIBLICA DO ANTIGO TESTAMENTO - AULA 2.pptx
 
IBADEP MÉDIO - TEOLOGIA BIBLICA DO ANTIGO TESTAMENTO - AULA 1.pptx
IBADEP MÉDIO - TEOLOGIA BIBLICA DO ANTIGO TESTAMENTO - AULA 1.pptxIBADEP MÉDIO - TEOLOGIA BIBLICA DO ANTIGO TESTAMENTO - AULA 1.pptx
IBADEP MÉDIO - TEOLOGIA BIBLICA DO ANTIGO TESTAMENTO - AULA 1.pptx
 
IBADEP BÁSICO PROFETAS MENORES - AULA 5 – ZACARIAS E MALAQUIAS.pptx
IBADEP BÁSICO PROFETAS MENORES - AULA 5 – ZACARIAS E MALAQUIAS.pptxIBADEP BÁSICO PROFETAS MENORES - AULA 5 – ZACARIAS E MALAQUIAS.pptx
IBADEP BÁSICO PROFETAS MENORES - AULA 5 – ZACARIAS E MALAQUIAS.pptx
 
IBADEP BÁSICO PROFETAS MENORES - AULA 3 - MIQUÉIAS E NAUM
IBADEP BÁSICO PROFETAS MENORES - AULA 3 - MIQUÉIAS E NAUMIBADEP BÁSICO PROFETAS MENORES - AULA 3 - MIQUÉIAS E NAUM
IBADEP BÁSICO PROFETAS MENORES - AULA 3 - MIQUÉIAS E NAUM
 
IBADEP MÉDIO - HISTÓRIA DE ISRAEL AULA 4
IBADEP MÉDIO - HISTÓRIA DE ISRAEL AULA 4IBADEP MÉDIO - HISTÓRIA DE ISRAEL AULA 4
IBADEP MÉDIO - HISTÓRIA DE ISRAEL AULA 4
 
IBADEP MÉDIO - HISTÓRIA DE ISRAEL AULA 3
IBADEP MÉDIO - HISTÓRIA DE ISRAEL AULA 3IBADEP MÉDIO - HISTÓRIA DE ISRAEL AULA 3
IBADEP MÉDIO - HISTÓRIA DE ISRAEL AULA 3
 
IBADEP MÉDIO - HIESTÓRIA DE ISRAEL AULA 2
IBADEP MÉDIO - HIESTÓRIA DE ISRAEL  AULA 2IBADEP MÉDIO - HIESTÓRIA DE ISRAEL  AULA 2
IBADEP MÉDIO - HIESTÓRIA DE ISRAEL AULA 2
 
IBADEP MÉDIO - HISTÓRIA DE ISRAEL AULA 1
IBADEP MÉDIO - HISTÓRIA DE ISRAEL AULA 1 IBADEP MÉDIO - HISTÓRIA DE ISRAEL AULA 1
IBADEP MÉDIO - HISTÓRIA DE ISRAEL AULA 1
 
PENTATEUCO AULA 5 IBADEP BÁSICO
PENTATEUCO AULA 5 IBADEP BÁSICOPENTATEUCO AULA 5 IBADEP BÁSICO
PENTATEUCO AULA 5 IBADEP BÁSICO
 

Último

JERÔNIMO DE BELÉM DA JUDÉIA [TERRA SANTA]
JERÔNIMO DE BELÉM DA JUDÉIA [TERRA SANTA]JERÔNIMO DE BELÉM DA JUDÉIA [TERRA SANTA]
JERÔNIMO DE BELÉM DA JUDÉIA [TERRA SANTA]
ESCRIBA DE CRISTO
 
Malleus Maleficarum: o martelo das bruxas
Malleus Maleficarum: o martelo das bruxasMalleus Maleficarum: o martelo das bruxas
Malleus Maleficarum: o martelo das bruxas
Lourhana
 
A CRUZ DE CRISTO- ELE MORREU PARA NOS SALVAE.pptx
A CRUZ DE CRISTO-  ELE MORREU PARA NOS SALVAE.pptxA CRUZ DE CRISTO-  ELE MORREU PARA NOS SALVAE.pptx
A CRUZ DE CRISTO- ELE MORREU PARA NOS SALVAE.pptx
JonasRibeiro61
 
CARTAS DE INÁCIO DE ANTIOQUIA ILUSTRADAS E COMENTADAS
CARTAS DE INÁCIO DE ANTIOQUIA ILUSTRADAS E COMENTADASCARTAS DE INÁCIO DE ANTIOQUIA ILUSTRADAS E COMENTADAS
CARTAS DE INÁCIO DE ANTIOQUIA ILUSTRADAS E COMENTADAS
ESCRIBA DE CRISTO
 
CRISTO E EU [MENSAGEM DE CHARLES SPURGEON]
CRISTO E EU [MENSAGEM DE CHARLES SPURGEON]CRISTO E EU [MENSAGEM DE CHARLES SPURGEON]
CRISTO E EU [MENSAGEM DE CHARLES SPURGEON]
ESCRIBA DE CRISTO
 
Manual-do-PGM-Protótipo.docxManual-do-PGM-Protótipo.docx
Manual-do-PGM-Protótipo.docxManual-do-PGM-Protótipo.docxManual-do-PGM-Protótipo.docxManual-do-PGM-Protótipo.docx
Manual-do-PGM-Protótipo.docxManual-do-PGM-Protótipo.docx
Janilson Noca
 
1984 DE GEORGE ORWELL ILUSTRADO E COMENTADO
1984 DE GEORGE ORWELL ILUSTRADO E COMENTADO1984 DE GEORGE ORWELL ILUSTRADO E COMENTADO
1984 DE GEORGE ORWELL ILUSTRADO E COMENTADO
ESCRIBA DE CRISTO
 
DIDASCALIA APOSTOLORUM [ HISTÓRIA DO CRISTIANISMO]
DIDASCALIA APOSTOLORUM [ HISTÓRIA DO CRISTIANISMO]DIDASCALIA APOSTOLORUM [ HISTÓRIA DO CRISTIANISMO]
DIDASCALIA APOSTOLORUM [ HISTÓRIA DO CRISTIANISMO]
ESCRIBA DE CRISTO
 
O-livro-de-Jasher-O-Justo, the book of jasher.pdf
O-livro-de-Jasher-O-Justo, the book of jasher.pdfO-livro-de-Jasher-O-Justo, the book of jasher.pdf
O-livro-de-Jasher-O-Justo, the book of jasher.pdf
WELITONNOGUEIRA3
 
Bíblia Sagrada - Odabias - slides powerpoint.pptx
Bíblia Sagrada - Odabias - slides powerpoint.pptxBíblia Sagrada - Odabias - slides powerpoint.pptx
Bíblia Sagrada - Odabias - slides powerpoint.pptx
Igreja Jesus é o Verbo
 
Escola sabatina juvenis.pdf. Revista da escola sabatina - ADVENTISTAS
Escola sabatina juvenis.pdf. Revista da escola sabatina - ADVENTISTASEscola sabatina juvenis.pdf. Revista da escola sabatina - ADVENTISTAS
Escola sabatina juvenis.pdf. Revista da escola sabatina - ADVENTISTAS
ceciliafonseca16
 
Lição 11 - A Realidade Bíblica do Inferno.pptx
Lição 11 - A Realidade Bíblica do Inferno.pptxLição 11 - A Realidade Bíblica do Inferno.pptx
Lição 11 - A Realidade Bíblica do Inferno.pptx
Celso Napoleon
 
Habacuque.docx estudo bíblico, conhecimento
Habacuque.docx estudo bíblico, conhecimentoHabacuque.docx estudo bíblico, conhecimento
Habacuque.docx estudo bíblico, conhecimento
ayronleonardo
 
Lição 10 - Desenvolvendo Uma Consciência de Santidade.pptx
Lição 10 - Desenvolvendo Uma Consciência de Santidade.pptxLição 10 - Desenvolvendo Uma Consciência de Santidade.pptx
Lição 10 - Desenvolvendo Uma Consciência de Santidade.pptx
Celso Napoleon
 
DIDÁTICA MAGNA DE COMENIUS COM COMENTÁRIOS
DIDÁTICA MAGNA DE COMENIUS COM COMENTÁRIOSDIDÁTICA MAGNA DE COMENIUS COM COMENTÁRIOS
DIDÁTICA MAGNA DE COMENIUS COM COMENTÁRIOS
ESCRIBA DE CRISTO
 
Oração Para Pedir Bênçãos Aos Agricultores
Oração Para Pedir Bênçãos Aos AgricultoresOração Para Pedir Bênçãos Aos Agricultores
Oração Para Pedir Bênçãos Aos Agricultores
Nilson Almeida
 

Último (16)

JERÔNIMO DE BELÉM DA JUDÉIA [TERRA SANTA]
JERÔNIMO DE BELÉM DA JUDÉIA [TERRA SANTA]JERÔNIMO DE BELÉM DA JUDÉIA [TERRA SANTA]
JERÔNIMO DE BELÉM DA JUDÉIA [TERRA SANTA]
 
Malleus Maleficarum: o martelo das bruxas
Malleus Maleficarum: o martelo das bruxasMalleus Maleficarum: o martelo das bruxas
Malleus Maleficarum: o martelo das bruxas
 
A CRUZ DE CRISTO- ELE MORREU PARA NOS SALVAE.pptx
A CRUZ DE CRISTO-  ELE MORREU PARA NOS SALVAE.pptxA CRUZ DE CRISTO-  ELE MORREU PARA NOS SALVAE.pptx
A CRUZ DE CRISTO- ELE MORREU PARA NOS SALVAE.pptx
 
CARTAS DE INÁCIO DE ANTIOQUIA ILUSTRADAS E COMENTADAS
CARTAS DE INÁCIO DE ANTIOQUIA ILUSTRADAS E COMENTADASCARTAS DE INÁCIO DE ANTIOQUIA ILUSTRADAS E COMENTADAS
CARTAS DE INÁCIO DE ANTIOQUIA ILUSTRADAS E COMENTADAS
 
CRISTO E EU [MENSAGEM DE CHARLES SPURGEON]
CRISTO E EU [MENSAGEM DE CHARLES SPURGEON]CRISTO E EU [MENSAGEM DE CHARLES SPURGEON]
CRISTO E EU [MENSAGEM DE CHARLES SPURGEON]
 
Manual-do-PGM-Protótipo.docxManual-do-PGM-Protótipo.docx
Manual-do-PGM-Protótipo.docxManual-do-PGM-Protótipo.docxManual-do-PGM-Protótipo.docxManual-do-PGM-Protótipo.docx
Manual-do-PGM-Protótipo.docxManual-do-PGM-Protótipo.docx
 
1984 DE GEORGE ORWELL ILUSTRADO E COMENTADO
1984 DE GEORGE ORWELL ILUSTRADO E COMENTADO1984 DE GEORGE ORWELL ILUSTRADO E COMENTADO
1984 DE GEORGE ORWELL ILUSTRADO E COMENTADO
 
DIDASCALIA APOSTOLORUM [ HISTÓRIA DO CRISTIANISMO]
DIDASCALIA APOSTOLORUM [ HISTÓRIA DO CRISTIANISMO]DIDASCALIA APOSTOLORUM [ HISTÓRIA DO CRISTIANISMO]
DIDASCALIA APOSTOLORUM [ HISTÓRIA DO CRISTIANISMO]
 
O-livro-de-Jasher-O-Justo, the book of jasher.pdf
O-livro-de-Jasher-O-Justo, the book of jasher.pdfO-livro-de-Jasher-O-Justo, the book of jasher.pdf
O-livro-de-Jasher-O-Justo, the book of jasher.pdf
 
Bíblia Sagrada - Odabias - slides powerpoint.pptx
Bíblia Sagrada - Odabias - slides powerpoint.pptxBíblia Sagrada - Odabias - slides powerpoint.pptx
Bíblia Sagrada - Odabias - slides powerpoint.pptx
 
Escola sabatina juvenis.pdf. Revista da escola sabatina - ADVENTISTAS
Escola sabatina juvenis.pdf. Revista da escola sabatina - ADVENTISTASEscola sabatina juvenis.pdf. Revista da escola sabatina - ADVENTISTAS
Escola sabatina juvenis.pdf. Revista da escola sabatina - ADVENTISTAS
 
Lição 11 - A Realidade Bíblica do Inferno.pptx
Lição 11 - A Realidade Bíblica do Inferno.pptxLição 11 - A Realidade Bíblica do Inferno.pptx
Lição 11 - A Realidade Bíblica do Inferno.pptx
 
Habacuque.docx estudo bíblico, conhecimento
Habacuque.docx estudo bíblico, conhecimentoHabacuque.docx estudo bíblico, conhecimento
Habacuque.docx estudo bíblico, conhecimento
 
Lição 10 - Desenvolvendo Uma Consciência de Santidade.pptx
Lição 10 - Desenvolvendo Uma Consciência de Santidade.pptxLição 10 - Desenvolvendo Uma Consciência de Santidade.pptx
Lição 10 - Desenvolvendo Uma Consciência de Santidade.pptx
 
DIDÁTICA MAGNA DE COMENIUS COM COMENTÁRIOS
DIDÁTICA MAGNA DE COMENIUS COM COMENTÁRIOSDIDÁTICA MAGNA DE COMENIUS COM COMENTÁRIOS
DIDÁTICA MAGNA DE COMENIUS COM COMENTÁRIOS
 
Oração Para Pedir Bênçãos Aos Agricultores
Oração Para Pedir Bênçãos Aos AgricultoresOração Para Pedir Bênçãos Aos Agricultores
Oração Para Pedir Bênçãos Aos Agricultores
 

IBADEP BÁSICO PROFETAS MENORES AULA 1 - OSÉIAS, JOÉL E AMÓS

  • 1. PROFETAS MENORES AULA 1 – OSÉIAS, JOÉL E AMÓS
  • 3. Iniciamos agora o estudo dos profetas que deixaram as suas mensagens registradas em livros. Tomando o cativeiro babilônico como ponto de referência, eles podem ser divididos em: Profetas Antes do Cativeiro: 1. Oséias 2. Joel 3. Amós 4. Obadias 5. Jonas 6. Isaías 7. Miquéias 8. Naum 9. Habacuque 10. Sofonias 11. Jeremias Profetas Durante o Cativeiro: 1. Jeremias 2. Ezequiel 3. Daniel Profetas Pós Cativeiro: 1. Ageu 2. Zacarias 3. Malaquias.
  • 4. Estudaremos nestas lições os livros dos Profetas Menores. São chamados “Menores” não por causa da sua importância, mas em relação ao seu tamanho, e a esse respeito estão em contraste com os escritos dos Profetas Maiores. PROFETAS DE ISRAEL PROFETAS DE JUDÁ PROFETAS PÓS CATIVEIRO  Oséias  Amós  Jonas  Obadias  Joel  Miquéias  Naum  Habacuque  Sofonias.  Ageu  Zacarias  Malaquias.
  • 5. Grande parte da revelação bíblica do Antigo Testamento foi entregue ao povo de Deus em forma de profecia (Hb. 1.1) e sem o dom profético, o povo se corrompia (Pv. 29.18) Os profetas possuíam um papel vital na comunicação do plano divino para Israel
  • 6. Em sua natureza, a profecia era vivaz e alarmante Às vezes, era exemplificada por meio de atos simbólicos e a finalidade era despertar o povo PROFECIA Exemplo de Oséias
  • 7. Em uma época em que o cânon bíblico não estava completo e a revelação de Deus estava em pleno desenvolvimento histórico, os profetas representavam a voz de Deus na Terra (Mt. 5.17,18)
  • 8. Justiça social Foram os pregadores da justiça que profetizaram a respeito dos seguintes temas O verdadeiro culto ao Senhor A retribuição divina A importância da família e muitos outros temas atuais e fundamentais para nossa edificação Os profetas menores apresentaram grandes mensagens em pequenos textos
  • 10. OS PROFÉTICOS 12 MENORES 1. OSÉIAS 2. JOÉL 3. AMÓS 4. OBADIAS 5. JONAS 6. MIQUÉIAS 7. NAUM 8. HABACUQUE 9. SOFONIAS 10. AGEU 11. ZACARIAS 12. MALAQUIAS DIVISÃO HISTÓRICA DABÍBLIA OS PROFÉTICOS 12 MENORES 1. OSÉIAS 2. JOÉL 3. AMÓS 4. OBADIAS 5. JONAS 6. MIQUÉIAS 7. NAUM 8. HABACUQUE 9. SOFONIAS 10. AGEU 11. ZACARIAS 12. MALAQUIAS
  • 11. INFORMAÇÕES BÁSICAS O S É I A S Autor: Oséias. Tema: O Julgamento Divino e o Amor Redentor de Deus Palavras-Chave: Pecado, Julgamento, Amor. Versículo-chave: Os. 3.1 Data: 715-710 a.C.
  • 12. PROPÓSITO  Oseias escreveu este livro para lembrar aos israelitas e a nós, de que o nosso Deus é um Deus amoroso, cuja lealdade ao povo de Sua aliança é constante.  Embora Israel tenha continuado a recorrer a falsos deuses, o amor inabalável de Deus é retratado no marido sofredor e da esposa infiel.  A mensagem de Oseias é também de advertência àqueles que dariam as costas ao amor de Deus.  Através da representação simbólica do casamento de Oseias e Gomer, o amor de Deus pela nação idólatra de Israel é exibido em uma rica metáfora com temas de pecado, juízo e amor perdoador.
  • 13. ● Oseias em uma sentença: Usando sua família e a traição da esposa, o profeta mostra a infidelidade do povo de Israel e o amor leal do Senhor ESBOÇO Pessoas Mensagem Os. 1-3 Família de Oseias Infidelidade, castigo e restauração da esposa de Oseias Os. 4-10 Povo de Israel O juízo do povo de Israel Os. 11-14 Povo de Israel A restauração do povo
  • 14. PRINCIPAIS PERSONAGENS Oseias: profeta para Israel (Reino do Norte); seu casamento refletiu o relacionamento de Deus com Israel (1.1 – 14.9). Seus filhos: Jezreel, Lo- Ruama, Lo-Ami; o nome de cada filho ilustra o relacionamento de Deus com Israel (1.3 – 2.1). Gômer: prostituta que se tornou esposa de Oseias, que o traiu e representava a nação de Israel (1.3-9).
  • 15. Jesus Josué Hoshea Oseias ficou conhecido como o primeiro “profeta da graça" ou o “evangelista de Israel” Seu nome vem da forma hebraica “Hoshea”, que no original procede da mesma raiz da palavra “Jesus” ou “Josué”
  • 16. “Nosso rei” (Os. 7.5). É provável que Oseias fosse natural de Bete-Semes e pertencesse à tribo de Issacar Ele citou diversas referências geográficas envolvendo as cidades do norte: Efraim, Mizpa, Tabor, Gilgal, Betei, Jezreel, Gibeá, Ramá e Gileade, indicando o conhecimento de alguém natural daquela área Ao referir-se ao rei de Israel utilizou o pronome da primeira pessoa do plural
  • 17. Possivelmente foi um padeiro, visto que descreveu o ato de sovar a massa apresentando um conhecimento prático na área (Os. 7.4) Acreditamos que ele era um simples mercador, que ao vender seu produto aproveitava para exortar sua geração nas cidades próximas, como Jezreel e Samaria
  • 18. PROFECIA O livro de Oseias pode ser dividido em duas partes Os capítulos 1 ao 3 descrevem sua vida pessoal ao comparar sua crise conjugal com a infidelidade de Israel Dos capítulos 4 ao 14 apresentam profecias poéticas entregues em um longo intervalo de tempo
  • 19. Seu ministério foi longevo Jeroboão II reinou no Norte de 793-753 a.C. Ezequias reinou no Sul de 715- 686 a.C. No mínimo podemos afirmar que ele profetizou entre 753 a.C. à 715 a.C. Os judeus calculavam que ele tinha profetizado por aproximadamente 90 anos, tendo como base o meado dos reinados de Jeroboão e Ezequias
  • 20. Ele foi contemporâneo de Amós, Isaías e Miqueias e viveu no tempo áureo da profecia, tanto em Israel como em Judá Oseias foi testemunha da destruição do Reino do Norte em 722 a.C., e com muita tristeza, presenciou o cumprimento de suas profecias
  • 21. A PROFECIA DE OSÉIAS
  • 22. Oseias por meio de sua própria experiência exortou Israel sobre o perigo da infidelidade (traição) a Deus (Jr. 3.1,2; Tg. 4.4) A metáfora do casamento foi utilizada para demonstrar o fascinante amor de Deus, mesmo em um contexto de decadência moral (Os. 2.14-16; 6.1-4; 11.1-4)
  • 23. Oseias também usou a figura do divórcio para mostrar a tristeza do Senhor em executar o juízo (Os. 2.2-7) As jovens se prostituíam e as mulheres casadas adulteravam (Os. 4.13) Os homens não poderiam reivindicar juízo sobre elas porque também se desviavam com as meretrizes (Os. 4.14) O pecado estava generalizado em Israel (Os. 4.1,2) O culto ao Senhor tinha sido descaracterizado
  • 24. “Betei” (Casa de Deus) foi ironicamente apelidada por Oseias de “Bete-Áven” (casa dos ídolos), pois o lugar que antes era conhecido como um centro de adoração tornou-se um local marcado pela idolatria (Os. 4.15) O Senhor estava cansado de uma adoração superficial e falsa (Os. 6.6) O juízo se aproximava (Os. 8.1)
  • 25. A nação que antes era esposa foi comparada a figura de uma meretriz (Os. 9.1) O juízo de Deus seria iminente (Os. 10.10,13-15)
  • 26. Da relação de Oseias com Gomer nasceram três filhos: dois meninos e uma menina Não foi somente o matrimônio de Oseias que ilustrou sua mensagem , mas também seus filhos, pois todos receberam nomes proféticos JESREEL LO-RUAMA LO-AMI
  • 27. Seu primeiro filho chamou Jezreel, que significa Deus semeia ou espalha” Anunciando que em breve Deus provocaria uma grande dispersão em Israel (Os. 1.4,5) Seu segundo filho, uma menina, recebeu o nome de Lo-Ruama, que significa “desfavorecida” Deus não teria mais compaixão do seu povo (Os. 1.6), pois Deus não tolera para sempre um povo que odeia ser corrigido
  • 28. Seu terceiro filho recebeu o nome de Lo-Ami, que significa “não meu povo” (Os. 1.9) “Lo-Ami” fazia referência ao afastamento temporário de Deus sobre Israel que de acordo com a linguagem do casamento foi tipificado pelo divórcio
  • 29. “Toda a sua malícia se acha em Gilgal, porque ali os odiei; por causa da maldade das suas obras lançá-los-ei para fora de minha casa. Não os amarei mais; todos os seus príncipes são rebeldes” (Os 9.15). Deus nunca deixa alguém que antes não o tenha deixado primeiro (Os. 9.15) Essa rejeição não seria permanente, mas resultaria no exílio e na destruição do Reino do Norte como entidade política, entretanto, esse período terminaria diante da conversão de Israel e de sua reunião com Judá (Os. 3.4,5)
  • 30. Assim como Oseias resgatou Gomer do mercado da escravidão/prostituição (Os. 3.1-3) Deus resgataria o seu povo (Os. 3.4,5) O amor de Deus é a tese central do livro de Oseias Deus decidiu amar Israel, e para restaurá-los, imporia sobre eles algumas restrições (Os. 3 4 .5)
  • 31. A disciplina é resultado de um julgamento fundamentado no amor No deserto, Deus falou ao coração do seu povo A expressão “e lhe falarei ao coração” (Os. 2.14). Reflete um diálogo íntimo e romântico, tal como um esposo se dirige a sua mulher
  • 32. Há poucas passagens nas Escrituras que se aproximam das expressões emocionais do amor de Deus por Israel tal como vemos em Oseias (Os. 11.1-11) Apesar da ira justificada, Deus sentia compaixão de Israel (Os. 11.8-11) O profeta anunciou que o Senhor dos Exércitos livrá-los- ia da perversidade e de modo voluntário os amaria (Os. 14.4)
  • 33. Efraim dirá: Que mais tenho eu com os ídolos? Eu o tenho ouvido e isso considerarei; eu sou como a faia verde; de mim é achado o teu fruto. Oséias 14:8 Deus faria mais do que perdoar o seu povo, iria transformá-lo (Os. 14.8) O amor seria o instrumento empregado nesta restauração
  • 34. CONCLUSÃO Oseias tem muito a nos ensinar, sobretudo, com a sua vida. Sua pregação apresenta um Deus que ama incondicionalmente. Deus abençoou Israel com liberdade e terra, transformando escravos em um a grande nação. Porém, Israel mostrou-se infiel. Oseias denunciou com veemência a infidelidade de Israel um pouco antes de sua destruição pela Assíria em 722 a.C. Ele nos ensinou que a relação de Deus com seu povo é fundamentada no amor e na fidelidade, ou à semelhança de um casamento.
  • 36. OS PROFÉTICOS 12 MENORES 1. OSÉIAS 2. JOÉL 3. AMÓS 4. OBADIAS 5. JONAS 6. MIQUÉIAS 7. NAUM 8. HABACUQUE 9. SOFONIAS 10. AGEU 11. ZACARIAS 12. MALAQUIAS DIVISÃO HISTÓRICA DABÍBLIA OS PROFÉTICOS 12 MENORES 1. OSÉIAS 2. JOÉL 3. AMÓS 4. OBADIAS 5. JONAS 6. MIQUÉIAS 7. NAUM 8. HABACUQUE 9. SOFONIAS 10. AGEU 11. ZACARIAS 12. MALAQUIAS
  • 37. INFORMAÇÕES BÁSICAS J O É L Autor: Joél Tema: O Grande e Terrível Dia do Senhor. Palavras-Chave: Visitação. Versículo-chave: Jl. 2.28-29. Data: 835-830 a.C.
  • 38. Joel iniciou sua pregação a partir de um desastre natural A praga dos gafanhotos Enquanto Oseias se apropriou de um a tragédia pessoal para compor a sua mensagem Joel se utilizou de uma calamidade nacional para escrever as linhas do seu sermão profético
  • 39. O livro de Joel pode ser dividido em duas partes Na primeira, há uma descrição histórica da devastação de Judá imposta por uma praga de gafanhotos Na segunda, o profeta anunciou o juízo divino que viria sobre o povo de Deus, seguido por uma restauração futura sem precedentes
  • 40. O profeta não ficou limitado às dificuldades do presente, à tragédia natural ou ao indiferentismo religioso Mas transportou sua visão para uma época vindoura e enxergou o derramar do Espírito sobre toda a carne
  • 41. Significa “Yahweh é Deus” ou “O Senhor é Deus” Joel, no hebraico “Yôél” Na cultura hebraica o nome do indivíduo apresentava uma conexão muito forte com sua vida
  • 42. “Palavra do SENHOR, que foi dirigida a Joel, filho de Petuel” (Jl. 1.1). “Mas isto é o que foi dito pelo profeta Joel” (Jl. 2.16). Em toda a Bíblia, o profeta Joel é citado apenas em duas ocasiões, sendo uma única vez em ambos os Testamentos A primeira na apresentação do seu livro (Jl. 1.1) E a segunda, em lembrança ao cumprimento de sua profecia (At. 2.16)
  • 43. O texto bíblico não fornece informações pessoais sobre ele, devido à sua familiaridade com o Templo, tem sido identificado como um profeta do Templo ou até mesmo um sacerdote, (Jl. 1.13,14; 2.17), uma vez que suas profecias demonstram muita familiaridade com as cerimônias do templo (Jl. 2.1,15, 32; 3.17, 20, 21)
  • 44. Joel profetizou para Jerusalém, os “filhos de Sião” Em princípio, Joel fala para o seu povo (Reino do Sul), no entanto, sua profecia abrangeu a Igreja, conforme o próprio apóstolo Pedro reconheceu (A.t 2.16,17) Não podemos negar que também existe um caráter abrangente e escatológico em sua mensagem (Jl. 3.1-21)
  • 45. Acreditamos que Joel representou a ponte entre os profetas antigos com os demais profetas escritores do Antigo Testamento De acordo com as evidências internas do livro, ele profetizou no tempo do rei Joás, de Judá, por volta de 835 a.C. a 830 a.C., quando o sacerdote Joiada respondia pela liderança da nação (2 Rs. 12.2)
  • 46. “Fazei sobre isto uma narração a vossos filhos, e vossos filhos a seus filhos, e os filhos destes à outra geração” (Jl. 1.3). Joel apresentou a devastação, a seca e a fome que atingiu a nação de Judá ao ser atacada por uma praga de gafanhotos A ideia do profeta é registrar para as gerações posteriores o relato da catástrofe que atingiu a nação (Jl. 1.3)
  • 47. A devastação foi total O que ficou da lagarta, comeu o gafanhoto, e o que ficou do gafanhoto, comeu a locusta, e o que ficou da locusta, o comeu o pulgão” (Jl. 1.4). No original hebraico, “largata, gafanhoto, locusta e pulgão” não indicam insetos de diferentes espécies, mas o mesmo inseto, o gafanhoto, em quatro fases de seu desenvolvimento
  • 48. Lagarta A representa o gafanhoto em seu estágio inicial, ao nascer, sem asas, quando apenas consegue roer Gafanhoto Representa o estágio que começa a procriar e se multiplicar Locusta Desenvolve asas, mas ainda não voa, apenas salta e já começa a devorar Pulgão Já estão plenamente desenvolvido, com asas completas
  • 49. Judá foi desolada por causa deste ataque de gafanhotos em seus vários estágios de desenvolvimento O descaso para com Deus precipitou o povo à assolação O fruto de quem vira as costas para Deus sempre será amargo
  • 50. Os compatriotas de Joel agiram com indiferença diante da tragédia, acreditavam que essas situações simplesmente “aconteciam” O profeta começou sua mensagem fazendo uma invocação solene para chamar a atenção do seu povo, suas palavras iniciais foram “ouvi isto” (Jl. 1.2).
  • 51. “Despertai-vos, bêbados, e chorai; gemei, todos os que bebeis vinho, por causa do mosto, porque tirado é da vossa boca” (Jl. 1.5). Os ébrios deveriam se despertar (Jl. 1.5); a virgem deveria lamentar (Jl. 1.8) e os sacerdotes deveriam gemer e clamar (Jl. 1.13) A devastação foi tão grande que não havia material para oferecer a oferta de manjar (Jl. 1.9)
  • 52. O mesmo ocorria com as libações e com o vinho A seca se alastrou pela terra (Jl. 1.12) Não havia materiais para o culto A interrupção da adoração ao Senhor deveria ser considerada uma grande calamidade (Jl. 1.13) Joel se incomodou com a indiferença de sua geração, por isto, chamou a atenção deles dizendo que mais calamidades estavam por vir
  • 53. Enquanto o primeiro capítulo narrava um acontecimento histórico, o segundo previa uma calamidade que assombraria a nação A derrota para uma nação estrangeira Parecia que Joel estava descrevendo um futuro ataque de gafanhotos, pois falava de um dilúvio escuro com milhares de gafanhotos cobrindo os céus (Jl. 2.2)
  • 54. Ele comparou os insetos ao fogo (Jl. 2.3) e descreveu-os com a aparência de um cavalo (em miniatura) (Jl. 2.4) Em suas palavras o exército invasor seria obstinado, como valentes correriam cada um pelo seu carreio (Jl. 2.7,8)
  • 55. Joel se valeu do simbolismo do ataque dos gafanhotos para prever um ataque militar como resultado de um juízo divino sobre o povo Provavelmente o profeta estava se referindo ao futuro ataque da Babilônia Para Joel, a praga dos gafanhotos prefigurava uma desolação muito maior
  • 56. A PROFECIA DO BATISMO NO ESPÍRITO
  • 57. “Ainda assim, agora mesmo diz o Senhor: Convertei-vos a mim de todo o vosso coração; e isso com jejuns, e com choro, e com pranto” (Jl. 2.12). Joel conclamou seus compatriotas ao verdadeiro arrependimento A expressão “agora mesmo” revelou a urgência do apelo (Jl. 2.12)
  • 58. Na Bíblia, o arrependimento é sempre para hoje (Mt. 3.2: 4.17: At. 2.38: 3.19) O profeta afirma que Deus não se deixa enganar com “falsos arrependimentos” ou com “rituais aparentes” A conversão deve ser de todo o coração (Jr. 29.13) Ele comparou os insetos ao fogo (Jl. 2.3) e descreveu-os com a aparência de um cavalo (em miniatura) (Jl. 2.4)
  • 59. A nação inteira precisava se voltar para Deus (Jl. 2.16) Os sacerdotes deveriam chorar e clamar pelo povo (Jl. 2.17) Eles estavam tão envolvidos com a política (na frente do governo durante o período de menoridade do rei Joás) que deixaram suas atividades sacerdotais de lado Era preciso voltar a interceder pelo povo
  • 60. A promessa do derramar do Espírito Santo Requer de nós uma conversão sincera e uma entrega total
  • 61. Trigo Vinho Óleo Deus prometeu agir não apenas como o provedor de recursos, mas também como o protetor do seu povo (Jl. 2.20,21) “Mas removerei para longe de vós o exército do norte, e lançá-lo-ei em uma terra seca e deserta; a sua frente para o mar oriental, e a sua retaguarda para o mar ocidental; e subirá o seu mau cheiro, e subirá a sua podridão; porque fez grandes coisas. Não temas, ó terra: regozija-te e alegra-te, porque o Senhor fez grandes coisas” (Joel 2.20,21). O arrependimento muda destinos Mediante a conversão sincera, Deus prometeu derramar fartura A resposta viria com a providência dos mantimentos que antes estavam Escassos (Jl. 2.19)
  • 62. Deus prometeu ordenar aos recursos naturais, a chuva (temporã e serôdia) e ao próprio desenvolvimento da colheita e do fruto, que fossem derramados na medida correta para trazerem prosperidade sobre Israel Deus prometeu restituir os anos de sofrimento (Jl. 2.23-25) Toda restauração tem o propósito de revelar a presença de Deus e fornecer motivos para uma adoração verdadeira e ininterrupta (Jl. 2.26,27)
  • 63. “E nos últimos dias acontecerá, diz Deus, Que do meu Espírito derramarei sobre toda a carne; E os vossos filhos e as vossas filhas profetizarão, Os vossos jovens terão visões, E os vossos velhos sonharão sonhos” (At. 2.17). Pedro interpretou esse “depois” como sendo os “últimos dias” (At. 2.17) “Os últimos dias” representam um período bem abrangente, que começa com a primeira vinda de Cristo na Terra e se encerra em sua Segunda Vinda
  • 64. Homens e mulheres, jovens e velhos, servos e livres (Jl. 2.28, 29) Atualmente, vivemos o cumprimento da profecia de Joel No Antigo Testamento somente sacerdotes e profetas recebiam a unção, todavia, a bênção do Espírito Santo é universal, não só para Israel, mas para todos os povos
  • 65. “Assim também vós, como desejais dons espirituais, procurai abundar neles, para edificação da igreja” (1 Co. 14.12). Os efeitos da efusão do Espírito são as profecias, sonhos e visões, cujo principal propósito é gerar a nossa edificação (1 Co. 14.12)
  • 66. CONCLUSÃO Joel fez o registro histórico da praga dos gafanhotos e exortou sua geração sobre a iminência do juízo divino. No entanto, a promessa da descida do Espírito Santo foi o tema-chave de sua profecia. O Livro de Joel nos ensina principalmente a respeito da atualidade das ações do Espírito Santo, pois mediante uma conversão verdadeira, o Consolador será derramado de forma efusiva e sobrenatural sobre todos aqueles que se aproximam de Deus em busca de salvação.
  • 68. OS PROFÉTICOS 12 MENORES 1. OSÉIAS 2. JOÉL 3. AMÓS 4. OBADIAS 5. JONAS 6. MIQUÉIAS 7. NAUM 8. HABACUQUE 9. SOFONIAS 10. AGEU 11. ZACARIAS 12. MALAQUIAS DIVISÃO HISTÓRICA DABÍBLIA OS PROFÉTICOS 12 MENORES 1. OSÉIAS 2. JOÉL 3. AMÓS 4. OBADIAS 5. JONAS 6. MIQUÉIAS 7. NAUM 8. HABACUQUE 9. SOFONIAS 10. AGEU 11. ZACARIAS 12. MALAQUIAS
  • 69. INFORMAÇÕES BÁSICAS A M Ó S Autor: Amós Tema: Justiça, Retidão e Retribuição Divina pelo Pecado. Palavras-Chave: Julgamento e Justiça. Versículo-chave: Am. 4.11 e 12. Data: 760-755 a.C.
  • 70. Sua profecia condena a idolatria e denuncia as injustiças sociais que às vezes são normatizadas pelo “status quo” de um determinado grupo social O Livro de Amós é surpreendentemente atual Amós não pensou duas vezes em tocar o dedo na ferida de Israel e desafiá -los ao arrependimento, caso contrário, a nação receberia o juízo de Deus Ele profetizou aproximadamente três décadas antes da destruição de Israel pelas tropas da Assíria
  • 71. Ainda hoje, a voz do profeta continua a ecoar alteando a bandeira da justiça no estandarte da adoração cristã O livro de Amós é conhecido como o livro da justiça de Deus e nos ensina que a adoração não pode desassociar-se da retidão e dos “princípios bíblicos e justos” revelados na Palavra de Deus
  • 72. “Carregador de fardos" O nome Amós significa Em alusão ao seu nome, podemos dizer que sua fala era pesada e a sua palavra, uma carga do Senhor Por causa de sua origem humilde o profeta não apresenta seu sobrenome, indicando que sua família não era conhecida (Am 1.1) “As palavras de Amós, que estava entre os pastores de Tecoa, as quais viu a respeito de Israel, nos dias de Uzias, rei de Judá, e nos dias de Jeroboão, filho de Joás, rei de Israel, dois anos antes do terremoto” (Am. 1.1).
  • 73. Ele provinha de uma classe trabalhadora, portanto, estava acostumado a “carregar fardos“ Deus chamou um homem calejado para uma dura tarefa Amós permaneceu resoluto em cumprir sua missão Foi duro nas denúncias e exortações porque sabia que se o povo não ouvisse suas palavras o peso do juízo divino derramado sobre Israel seria ainda maior
  • 74. Ele era natural de Tecoa (Am. 1.1) Essa cidade ficava a uns 20 km ao sul de Jerusalém, junto ao deserto da Judeia Essa região ficava próxima à estrada que ligava Jerusalém a Hebrom e Berseba Foi nessa região que João Batista se levantou como profeta
  • 75. Amós foi um profeta sulista que atuou como missionário no Reino do Norte (Israel). A certeza do chamado divino revestiu o profeta de coragem para denunciar Amós fala a partir de sua realidade, por isto, se apresenta como um legítimo representante de uma classe explorada, que não tinha voz nem vez. Ele era pastor, boieiro e cultivador de sicômoros (Am. 1,1; 7.14) Era um homem trabalhador que fez questão de identificar sua origem humilde (Am. 7.14,15)
  • 76. Durante os meses de verão, os pastores mudavam o rebanho para lugares mais baixos e pegavam serviços paralelos como “boieiro” ou “cultivador de sicômoros” para terem o direito de pastar com seus gados naquelas regiões Sicômoros era a fruta consumida pelos mais pobres Os ricos se deliciavam com o figo comum
  • 77. O pecado do orgulho combatido por ele, não fazia parte de sua vida, ele era um homem simples Como pastor, ele passava muito tempo sozinho, meditando e observando a natureza, As ilustrações utilizadas em suas profecias foram extraídas da vida diária , indicando a originalidade dos seus pensamentos
  • 78. Era leigo no sentido que não havia recebido formação em um estabelecimento oficial, visto que não tinha estudado nas escolas de profetas, embora não tivesse passado por uma educação profética formal, ele demonstrou muito conhecimento. Assim como Moisés e Davi, o tempo com o gado lhe proporcionou uma cultura mental destinada à reflexão, Amós demonstrou um grande conhecimento da lei de Moisés
  • 79. Amós desenvolveu o seu ministério na época em que Jeroboão II reinava em Israel, e Uzias, em Judá Foi um período de grande prosperidade para ambos os reinos O clima do governo entre Jeroboão II e Uzias era amistoso As nações que poderiam perturbar Israel tinham sido dominadas. A luta contra a Síria terminou com a vitória de Israel, O rei tinha restabelecido os termos de Israel (2 Rs. 14.25) De acordo com o Antigo Testamento, ele foi contemporâneo de Oseias, Jonas, Isaías e Miqueias
  • 80. Os reinos do Norte e Sul expandiram seus territórios de tal modo que conseguiram recuperar quase todo o território do império davídico-salomônico. Esse período ficou conhecido como a idade de ouro para ambos os reinos. A ideia de um juízo divino parecia não se adequar as circunstâncias daquela época As ameaças assírias de Tiglate-Pileser III (745-727 a.C.) se manifestariam apenas algum tempo depois
  • 81.  A paz experimentada pelos israelitas lhes trouxe uma sensação enganosa de segurança, por isto rejeitaram a mensagem de Amós  A paz política e a expansão territorial conduziram Israel para um período de prosperidade material.  As nações vizinhas eram tributárias do Norte.  As riquezas afluíam para Israel  Os novos ricos perdiam a paciência com as restrições de trabalho impostas pela lei do sábado  A vontade de acumular riquezas se tornou maior do que o anseio de obedecer a Lei do Senhor
  • 82.  A ganância tem sido uma fonte de tropeço para muitos (1 Tm. 6.9,10)  Os pobres não eram tratados de forma justa (Dt. 15.11; 24.15)  A luxúria dos ricos era conseguida à custa da opressão e exploração (Am. 2.6-8)  Os ricos controlavam tudo, inclusive o judiciário  As decisões dos tribunais eram todas favoráveis aos ricos e extremamente opressivas aos pobres Amós se levantou contra as injustiças sociais e combateu os sistemas desonestos que pervertiam o direito dos necessitados
  • 83.  Os homens de sua época estavam tão contumazes em acumular riquezas que se esqueciam de atentar para a necessidade de seus irmãos  A força material de Israel contrastava com sua fraqueza moral  O sumo sacerdote Amazias, por exemplo, era de classe leiga e não provinha da descendência sacerdotal;  Tal questão era um grande ultraje a fé verdadeira em Israel
  • 84.  Quando Amós profetizou que Israel se achava fora do prumo por causa dos pecados de idolatria  e materialismo introduzidos pela casa de Jeroboão (Am. 7.7-9)  Amazias demonstrou que era um “sacerdote comprado” defendendo os interesses do rei ao tentar proibi-lo de continuar profetizando (Am. 7.12,13)  As leis divinas estavam sendo burladas  A religião tinha se corrompido (Am. 7.10-14)  Jeroboão II incentivou a prática dos cultos à fertilidade por meio  de um sistema de adoração ao bezerro de ouro (2 Rs. 14.24,25)
  • 85. A adoração a Jeová permanecia concomitantemente ao paganismo (Os. 2.13,16,17) Centros pagãos foram construídos nas principais cidades do Norte: Gilgal, Betei, Dã e Samaria (Am. 4.4; 8.14) Alguém precisava combater estes pecados, e por este motivo, Deus levantou o corajoso Amós
  • 86. O livro de Amós pode ser dividido em duas partes principais  Na primeira seção situam-se os oráculos que vieram pela palavra (Am. 1 - 6), aqui encontramos juízos entregues para oito nações: Damasco, Gaza, Tiro, Edom, Amom, Moabe, Judá e Israel (Am. 1-2)  Na segunda seção do seu livro estão as visões (Am. 7 - 9)
  • 87.  O profeta apresentou uma série de discursos de julgamento contra Israel (Am. 3-6)  As denúncias de Amós partem do geral para o específico: Primeiro falou às nações, depois foi específico em detalhar os pecados de Israel  Para fortalecer sua intimação, Amós apresentou uma série de símbolos do juízo vindouro (Am. 7,8 e 9)  Por fim, terminou sua mensagem apresentando a restauração futura de Israel (Am. 9.11-15)
  • 88.  Sua profecia confrontou, principalmente, as instituições de Israel, ao denunciar os pecados que destruíam os fundamentos sociais, morais e espirituais da nação  Amós encontrou um mau governo em Israel  Oseias, seu contemporâneo, fez denúncias semelhantes (Os. 5.1; 7.5-7)  As instituições de Israel transformaram a justiça em alosna, uma erva daninha (Am. 5.7)  Eles perverteram o direito do próximo  Não aceitavam a repreensão e aborreciam na porta aqueles que os repreendiam (Am. 5.10)
  • 89. O portão de qualquer cidade era o lugar onde a justiça era administrada (Dt. 22.15) Se um profeta ou juiz os repreendessem , sofreria represálias; e por uma questão de conveniência, muitos se silenciaram (Am. 5.13) Os pobres eram pisados, extorquidos e explorados (Am. 5,11), também eram rejeitados nos tribunais de justiça (Am. 5.12) Seus direitos eram violados (Am. 2.7; 4.1; 5.11)
  • 90. Amós denunciou a prática do suborno (Am. 8,4,6) e cumpriu o seu papel de responsabilidade social ao denunciar a injustiça A ira de Deus, na pregação de Amós era a justiça divina reagindo contra as injustiças humanas
  • 91.  Conforme vimos, apesar dos múltiplos pecados e das injustiças sociais, a adoração nos espaços supostamente “sagrados” continuava de forma natural  O sacrifício desprovido de justiça representava uma transgressão ao Senhor  Os “ricos injustos“ gostavam de frequentar os santuários e exibirem seus sacrifícios sonegando a Deus a verdadeira adoração (Os. 8.13; Am. 5.22)
  • 92.  Os cultos foram embelezados com a contratação de levitas  Muitos músicos profissionais que não descendiam da linhagem de Levi foram contratados para tocar nestes templos  A música oferecida para as pessoas era excelente, enquanto  a adoração sincera a Deus era precária (Am. 5.23)  O espetáculo em volta do culto maquiava a superficialidade da adoração  Amós declarou que a adoração era como “estrépito”, um “barulho ensurdecedor” diante dos ouvidos do Senhor (Am. 5.23)
  • 93. “Mas os cânticos do templo naquele dia serão gemidos, diz o Senhor DEUS; multiplicar-se-ão os cadáveres; em todos os lugares serão lançados fora em silêncio” (Am. 8.3). Deus não estava aceitando aquela adoração sincrética, espetaculosa, teatral e desprovida de justiça Os cânticos cultuais perdem o valor quando não há arrependimento sincero (Am. 8.3)
  • 94. A justiça social pregada por Amós aponta para a obediência aos princípios da Palavra de Deus. Devemos lembrar religião são constituídos pela forma como tratamos o próximo. Adoração sem justiça é uma ofensa a Deus Uma religião que diz honrar a Deus, mas despreza, explora ou oprime o semelhante é um a fraude. Amós nos ensina que a verdadeira adoração exige comunhão vertical, com Deus, e horizontal, com 0 próximo. CONCLUSÃO