Como cuidar da criança com tuberculose

732 visualizações

Publicada em

Orientações para diagnóstico e tratamento da tuberculose na infância. Elaborado pelo Médico Infectologista Pediatra Dr. Francisco Robson da Costa Lima

Publicada em: Educação
0 comentários
1 gostou
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
732
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
11
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
11
Comentários
0
Gostaram
1
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Como cuidar da criança com tuberculose

  1. 1. COMO CUIDAR DA CRIANÇA COM SUSPEITA DE TUBERCULOSE – Professor Francisco Robson Recomendações para o tratamento: O tratamento deve ser desenvolvido sob regime ambulatorial, diretamente observado (TDO), conforme preconizado pela OMS e pelo Ministério da Saúde. A hospitalização é recomendada em casos especiais, pelo menor tempo possível, e de acordo com as seguintes prioridades: 1. Meningoencefalite tuberculosa. 2. Intolerância aos medicamentos anti-TB incontrolável em ambulatório. 3. Estado geral que não permita tratamento em ambulatório. 4. Intercorrências clínicas e/ou cirúrgicas relacionadas ou não à TB que necessitem de tratamento e/ou procedimento em unidade hospitalar. 5. Casos em situação de vulnerabilidade social, como ausência de residência fixa ou grupos com maior possibilidade de abandono, especialmente se for um caso de retratamento, falência ou multirresistência.
  2. 2. Recomendações para início do tratamento Rifampicina (R) 20 mg/ml Isoniazida (H) 100 mg 1 comprimido Pirazinamida (Z) 30 mg/ml Rifampicina (R) + Isoniazida (H) + Pirazinamida (Z) + Etambutol (4 tuberculostáticos em 1 comprimido → denominação 4 em 1)
  3. 3. PRINCIPAIS EFEITOS COLATERAIS DOS TUBERCULOSTÁTICOS EFEITOS MENORES DROGA CONDUTA Náuseas, vômitos, epigastralgia e dor abdominal R, H e Z Reformular o horário de administração, medicar após refeições e avaliar função hepática Artralgia ou artrite H, Z Medicar com AAS Neuropatia periférica (queimação de extremidades) H, Etambutol Medicar com piridoxina (vitamina B6) Cefaléia e mudança de comportamento (euforia, insônia, ansiedade e sonolência H Orientar Suor e urina cor de laranja R Orientar Prurido cutâneo H, R Medicar com antihistamínico Hiperuricemia (com ou sem sintomas) Z, Etambutol Orientação dietética Febre R, H Orientar EFEITOS MAIORES DROGA CONDUTA Exantemas R Suspender o tratamento; reintroduzir o tratamento droga a droga após resolução; substituir o esquema nos casos graves ou reincidentes Psicose, crise convulsiva, encefalopatia, coma H Substituir por estreptomicina + etambutol Neurite óptica H, Etambutol Substituir Hepatotoxicidade Todas Suspender o tratamento até resolução Encaminhar para unidade de referência Trombocitopenia, leucopenia, eosinofilia, anemia hemolítica, agranulocitose, vasculite R, H Suspender o tratamento até resolução Encaminhar para unidade de referência Nefrite intersticial R Suspender o tratamento até resolução Encaminhar para unidade de referência Rabdomiólise com mioglobinúria e insuficiência renal Z Suspender o tratamento até resolução Encaminhar para unidade de referência Hipoacusia, nistagmo, vertigem Estreptomicina Suspender o tratamento até resolução Encaminhar para unidade de referência R = rifampicina H = isoniazida Z = pirazinamida

×