SlideShare uma empresa Scribd logo
Henri Matisse
Contexto Histórico
O modernismo é uma corrente artística que
surgiu na última década do século XIX, como
resposta às consequências da industrialização,
revalorizando a arte e a sua forma de realização
manual. O nome deste movimento deve-se à loja
que o alemão Samuel Bing abriu em Paris no ano
de 1895: Art Nouveau.
Com características próprias em cada um
dos países onde se difundiu , foram as primeiras
exposições internacionais organizadas nas capitais
europeias que contribuíram para construir uma
certa homogeneidade estilística.
A arquitetura foi a disciplina integral à qual se subordinaram as outras artes gráficas e
figurativas. Reafirmou-se o aspecto decorativo dos objetos de uso quotidiano, mediante
uma linguagem artística repleta de curvas e arabescos, de acentuada influência oriental.
Castel Béranger, França Casa Batlló,Espanha
Contrariamente à sua intenção inicial, o modernismo conseguiu a adesão da alta
burguesia, que apoiava entusiasticamente essa nova estética de materiais
exóticos e formas delicadas. O modernismo não teria sido possível sem a
subvenção de seus ricos mecenas.
Tempos Modernos de Charles Chaplin
A fotografia surgiu por volta de 1840 e era a forma mais fiel de retratar o
mundo envolvente.
A cor era um elemento que a fotografia ainda não conseguia solucionar (as
imagens eram monocromáticas), então os pintores tiveram que colocar de lado a
ideia de imitar a realidade, que até então era o ideal a alcançar.
Começaram a recorrer a várias técnicas que previlegiavam a cor e o movimento.
Surgiram as primeiras vanguardas: O Impressionismo, o Simbolismo e o
Expressionismo.
Impressão, Claude Monet Arearea, Paul Gauguin A Noite Estrelada, Vicent Van Gogh
Inserido na Arte Expressionista, o Fauvismo é uma corrente artística que
surgiu em França no século XX. Baseia-se essencialmente na utilização de
cores intensas e no uso de fortes contrastes. Há três elementos
fundamentais no Fauvismo como: o arabesco, o ritmo e a cor.
La Blouse Roumaine, 1940 Green Stripe, 1905
O Fauvismo tem como características marcantes:
• A simplificação das formas e a ausência das sombras é substituída por
cores puras;
• Cores complementares/contrastantes: azul/laranja, vermelho/verde,
amarelo/violeta;
• A pouca, ou nenhuma, gradação entre as tonalidades de cor;
• Gestualidade: pinceladas largas e definitivas;
• Contorno: a utilização da cor na delimitação dos planos e na sensação de
profundidade;
• Cores irreais: a escolha das tonalidades não se adequam à realidade;
• O movimento rítmico sugerido pelas linhas, texturas e pela continuidade
dos elementos desenhados;
• Impulsividade e experimentação;
• Temas quotidianos que retratavam emoções e a alegria de viver.
Matisse, um dos expoentes máximos do Fauvismo no
mundo, aparece como percursor de um ideal de pintura que
engloba em si todas as carcterísticas atrás enunciadas.
Henri Matisse, francês de nascença e de sensibilidade
segue , dentro do Fauvismo, um registo diferente de Die
Brucke, que pode ser considerado o pai do expressionismo
alemão.
Fauvistas e expressionistas colocam em comum a forma de
“pintar” e têm como diferença a intencionalidade da Arte.
Os fauvistas, herdeiros de uma cultura palaciana, onde o
belo e o decorativo é utilizado como objetivo artistíco e os
expressionistas alemães que utilizam a pintura como forma
de protesto social e de intervenção na sociedade e na
cultura.
Retrato de Henri Matisse, André
Derain
Ernst Ludwig Kirchner, pintordo movimento
Die Brucke, Expressionismo Alemão
Alexis Mérodack-Jeanneau,
pintordo Fauvismo francês
Biografia:
Henri Matisse nasceu em 1869 em
Cateau Cambrésis, França. Estudou Direito e
quando terminou o curso, em 1891, decidiu
mudar-se para Paris para estudar Pintura.
Matriculou-se na Academia Julian, onde foi
aluno de William-Adolphe Bouguereau e
entrou para o Atelier de Gustave Moreau.
Em 1895, entrou para a Escola de Belas
Artes de Paris e no ano seguinte expôs quatro
obras na Exposição da Sociedade Nacional.
Em 1894, ocorreu a sua primeira
exposição individual na Galeria Vollard.
Inicialmente pintou naturezas-mortas e paisagens no tradicional estilo
flamengo: Chardin foi um dos pintores mais admirados por Matisse. Em 1896, exibiu
cinco pinturas no salão da Sociedade Nacional de Belas Artes o que permitiu o contato
com Auguste Rodin e Camille Pissarro.
Foi o pintor John Peter Russell que o introduziu no impressionismo e mostrou-
lhe o trabalho de Van Gogh.
Chardin John Peter RussellCamillePissarro
Na percepção de Cézanne da estrutura geométrica e cor pictóricas Matisse encontrou
a sua principal inspiração. Muitas das suas pinturas entre 1899 e 1905 fazem uso de
uma técnica pontilhista adotada de Signac. Em 1898, foi para Londres para estudar a
pintura romântica de William Turner.
Luxúria, serenidade e prazer (1904)Baigneuses, Cézanne
Teve uma filha, que nasceu em 1894 chamada Marguerite, com a modelo Caroline Joblau.
Matisse gostava muito de pintar Marguerite. Em 1898 casou-se com Amélie Noellie
Parayre e teve mais dois filhos.
Marguerite lisant, 1906 Margot, 1907
No inicio do novo século, Matisse
ainda tinha um estilo de pintura muito
confuso, mas a partir de 1905 os seus
quadros iam sendo cada vez mais
construídos em torno do motivo da
força autónoma da cor.
Também em 1905, com o seu quadro A
mulher de Chapéu, que esteve exposto
no Salão de Outono, Matisse foi
considerado o chefe de fila dos
fauvistas.
Matisse, «A mulher de Chapéu», 1905
Em 1908, ocorreu a sua primeira exposição
individual em Nova Iorque. Entre 1913 e 1917 a sua
pintura era um pouco austera, com linhas retas e formas
geométricas. O seu estilo foi ficando mais solto e
decorativo, com temas como as figuras femininas e
interiores de casas.
Matisse conseguiu uma reputação internacional
com exibições em Moscovo, Berlim, Munique e Londres.
A Dança (1910)
Madame Yvonne Landsberg
(1914)
Em 1913, expôs em Nova Iorque ao lado de Marcel Duchamp e Francis
Picabia, como representantes de uma precursora arte moderna.
Em 1919, recebeu atribuições de Ígor Stravinski e Serguei Diaguilev
para desenhar o vesturário e cenários de um expetáculo de ballet apresentado em
Londres.
Vestuário de Ballet desenhado por MatisseO urinol, Marcel Duchamp
A Janela (1916) O meu quarto em Beau-Rivage
(1918)
Odalisca (1923)
Em 1927, organizou uma retrospectiva em Nova Iorque. De volta a Paris, trabalhou na
ilustração de um romance de James Joyce, Ulisses, aos quais deu as cores do vestuário
dos bailarinos russos de Monte Carlo.
Em 1941, adoentado com cancro, foi hospitalizado em Lyon. Sem poder viajar, utilizou
experiências recolhidas nas suas viagens para aperfeiçoar a sua originalidade. Nesse
período, Matisse inventou a técnica de "desenho com tesoura”.
Esboço de Matisse para o romance de
James Joyce
Blue Nude II (1952)
Em 1945, fez uma grande retrospectiva no
Salão de Outono, quando realizou trabalhos
com tapeçaria inspirado pelo céu e mar da
Polinésia Francesa.
Em 1950, decorou a capela do Rosário e dois
anos depois inaugurou um museu na sua terra
natal.
Faleceu em 1954.
Mimosa (1951)
Ficha técnica:
Escola: Escola Básica Fialho de Almeida, Cuba
Nome: Matilde Túbal Carapuça
Ano: 9º
Turma: B
Disciplina: História
Docente responsável: Maria do Céu Faias
Bibliografia:
• BERNARD, Edina (1999) A Arte Moderna, Lisboa: Edições 70
• SPROCCATI, Sandro (2002) Guia de História da Arte, Lisboa:
Editorial Presença
• PIJOAN, J. (1979) História da Arte, Lisboa: Publicações Alfa

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Fauvismo
FauvismoFauvismo
Fauvismo
Carlos Vieira
 
Releitura de uma obra de arte (2)
Releitura de uma obra de arte (2)Releitura de uma obra de arte (2)
Releitura de uma obra de arte (2)
cleberton10
 
História da Cultura e das Artes - 12.º ano - Módulo 9
História da Cultura e das Artes - 12.º ano - Módulo 9História da Cultura e das Artes - 12.º ano - Módulo 9
História da Cultura e das Artes - 12.º ano - Módulo 9
Carlos Pinheiro
 
O Impressionismo
O ImpressionismoO Impressionismo
O Impressionismo
Jorge Almeida
 
Cubismo
CubismoCubismo
Cubismo
Carlos Vieira
 
A Geração de Orpheu
A Geração de OrpheuA Geração de Orpheu
A Geração de Orpheu
complementoindirecto
 
Evolução conceito arte
Evolução conceito arteEvolução conceito arte
Evolução conceito arte
Gi Loureiro
 
FAUVISMO
FAUVISMOFAUVISMO
FAUVISMO
Cristiane Seibt
 
Florbela Espanca
Florbela EspancaFlorbela Espanca
Florbela Espanca
José Alves
 
Mozart
MozartMozart
Mozart
Beatriz Dias
 
Paula rego
Paula regoPaula rego
Paula rego
Ana Barreiros
 
Futurismo
FuturismoFuturismo
Futurismo
Michele Pó
 
Pop Art
Pop ArtPop Art
Pop Art
Bruna M
 
resumo Movimentos Artísticos séc. XIX
resumo Movimentos Artísticos séc. XIXresumo Movimentos Artísticos séc. XIX
resumo Movimentos Artísticos séc. XIX
Gliciane S. Aragão
 
Berthe Morisot
Berthe MorisotBerthe Morisot
Berthe Morisot
Carlos Vieira
 
Vick muniz artista plástico
Vick muniz   artista plásticoVick muniz   artista plástico
Vick muniz artista plástico
Nancihorta
 
Anos 20
Anos 20Anos 20
Anos 20
Helena
 
Anos 80
Anos 80Anos 80
Anos 80
Marcela Costa
 
Neoclassicismo
NeoclassicismoNeoclassicismo
Neoclassicismo
Arte Educadora
 
A arquitetura da 1ª metade século xx
A arquitetura da 1ª metade século xxA arquitetura da 1ª metade século xx
A arquitetura da 1ª metade século xx
Ana Barreiros
 

Mais procurados (20)

Fauvismo
FauvismoFauvismo
Fauvismo
 
Releitura de uma obra de arte (2)
Releitura de uma obra de arte (2)Releitura de uma obra de arte (2)
Releitura de uma obra de arte (2)
 
História da Cultura e das Artes - 12.º ano - Módulo 9
História da Cultura e das Artes - 12.º ano - Módulo 9História da Cultura e das Artes - 12.º ano - Módulo 9
História da Cultura e das Artes - 12.º ano - Módulo 9
 
O Impressionismo
O ImpressionismoO Impressionismo
O Impressionismo
 
Cubismo
CubismoCubismo
Cubismo
 
A Geração de Orpheu
A Geração de OrpheuA Geração de Orpheu
A Geração de Orpheu
 
Evolução conceito arte
Evolução conceito arteEvolução conceito arte
Evolução conceito arte
 
FAUVISMO
FAUVISMOFAUVISMO
FAUVISMO
 
Florbela Espanca
Florbela EspancaFlorbela Espanca
Florbela Espanca
 
Mozart
MozartMozart
Mozart
 
Paula rego
Paula regoPaula rego
Paula rego
 
Futurismo
FuturismoFuturismo
Futurismo
 
Pop Art
Pop ArtPop Art
Pop Art
 
resumo Movimentos Artísticos séc. XIX
resumo Movimentos Artísticos séc. XIXresumo Movimentos Artísticos séc. XIX
resumo Movimentos Artísticos séc. XIX
 
Berthe Morisot
Berthe MorisotBerthe Morisot
Berthe Morisot
 
Vick muniz artista plástico
Vick muniz   artista plásticoVick muniz   artista plástico
Vick muniz artista plástico
 
Anos 20
Anos 20Anos 20
Anos 20
 
Anos 80
Anos 80Anos 80
Anos 80
 
Neoclassicismo
NeoclassicismoNeoclassicismo
Neoclassicismo
 
A arquitetura da 1ª metade século xx
A arquitetura da 1ª metade século xxA arquitetura da 1ª metade século xx
A arquitetura da 1ª metade século xx
 

Destaque

Henri matisse colagem
Henri matisse colagemHenri matisse colagem
Henri matisse colagem
CEF16
 
Matisse.Ppt
Matisse.PptMatisse.Ppt
Matisse.Ppt
Duniway
 
Henri Matisse
Henri MatisseHenri Matisse
Henri Matisse
Eduardo Iberico
 
A PINTURA DE HENRI MATISSE
A PINTURA DE HENRI MATISSEA PINTURA DE HENRI MATISSE
A PINTURA DE HENRI MATISSE
Washington Ferreira
 
O mundo saído da guerra
O mundo saído da guerraO mundo saído da guerra
O mundo saído da guerra
ceufaias
 
O mundo após a guerra
O mundo após a guerraO mundo após a guerra
O mundo após a guerra
ceufaias
 
Alunos finalistas
Alunos finalistasAlunos finalistas
Alunos finalistas
ceufaias
 
Powerpoint Santa Rita Pintor
Powerpoint Santa Rita PintorPowerpoint Santa Rita Pintor
Powerpoint Santa Rita Pintor
ceufaias
 
A revolução francesa
A revolução francesaA revolução francesa
A revolução francesa
ceufaias
 
Trabalho revolução francesa
Trabalho  revolução francesaTrabalho  revolução francesa
Trabalho revolução francesa
ceufaias
 
Mário de sá carneiro trabalho de hist
Mário de sá carneiro trabalho de histMário de sá carneiro trabalho de hist
Mário de sá carneiro trabalho de hist
ceufaias
 
1 médio 2ªetapa
1 médio   2ªetapa1 médio   2ªetapa
1 médio 2ªetapa
Eponina Alencar
 
2ª guerra mundial
2ª guerra mundial2ª guerra mundial
2ª guerra mundial
ceufaias
 
António Gaudí
António Gaudí  António Gaudí
António Gaudí
ceufaias
 
Notas curso-ensino-hibrido (1)
Notas curso-ensino-hibrido (1)Notas curso-ensino-hibrido (1)
Notas curso-ensino-hibrido (1)
André Mascarenhas
 
Bio vol único - Sônia lopes
Bio vol único - Sônia lopes Bio vol único - Sônia lopes
Bio vol único - Sônia lopes
Victorlobo Restos de Aborto
 
Marie curie
Marie curieMarie curie
Marie curie
ceufaias
 
Cores - colagens matisse
Cores -  colagens matisseCores -  colagens matisse
Cores - colagens matisse
Colégio Pedro II - Campus Centro
 
Exercicio cores colagem
Exercicio cores colagemExercicio cores colagem
Exercicio cores colagem
Colégio Pedro II - Campus Centro
 
Matisse and organic and geometric shapes
Matisse and organic and geometric shapesMatisse and organic and geometric shapes
Matisse and organic and geometric shapes
ArtfulArtsyAmy
 

Destaque (20)

Henri matisse colagem
Henri matisse colagemHenri matisse colagem
Henri matisse colagem
 
Matisse.Ppt
Matisse.PptMatisse.Ppt
Matisse.Ppt
 
Henri Matisse
Henri MatisseHenri Matisse
Henri Matisse
 
A PINTURA DE HENRI MATISSE
A PINTURA DE HENRI MATISSEA PINTURA DE HENRI MATISSE
A PINTURA DE HENRI MATISSE
 
O mundo saído da guerra
O mundo saído da guerraO mundo saído da guerra
O mundo saído da guerra
 
O mundo após a guerra
O mundo após a guerraO mundo após a guerra
O mundo após a guerra
 
Alunos finalistas
Alunos finalistasAlunos finalistas
Alunos finalistas
 
Powerpoint Santa Rita Pintor
Powerpoint Santa Rita PintorPowerpoint Santa Rita Pintor
Powerpoint Santa Rita Pintor
 
A revolução francesa
A revolução francesaA revolução francesa
A revolução francesa
 
Trabalho revolução francesa
Trabalho  revolução francesaTrabalho  revolução francesa
Trabalho revolução francesa
 
Mário de sá carneiro trabalho de hist
Mário de sá carneiro trabalho de histMário de sá carneiro trabalho de hist
Mário de sá carneiro trabalho de hist
 
1 médio 2ªetapa
1 médio   2ªetapa1 médio   2ªetapa
1 médio 2ªetapa
 
2ª guerra mundial
2ª guerra mundial2ª guerra mundial
2ª guerra mundial
 
António Gaudí
António Gaudí  António Gaudí
António Gaudí
 
Notas curso-ensino-hibrido (1)
Notas curso-ensino-hibrido (1)Notas curso-ensino-hibrido (1)
Notas curso-ensino-hibrido (1)
 
Bio vol único - Sônia lopes
Bio vol único - Sônia lopes Bio vol único - Sônia lopes
Bio vol único - Sônia lopes
 
Marie curie
Marie curieMarie curie
Marie curie
 
Cores - colagens matisse
Cores -  colagens matisseCores -  colagens matisse
Cores - colagens matisse
 
Exercicio cores colagem
Exercicio cores colagemExercicio cores colagem
Exercicio cores colagem
 
Matisse and organic and geometric shapes
Matisse and organic and geometric shapesMatisse and organic and geometric shapes
Matisse and organic and geometric shapes
 

Semelhante a Henri matisse, matilde 2

Ensino médio 1o. bimestre- a arte da primeira metade do século xx-expression...
Ensino médio  1o. bimestre- a arte da primeira metade do século xx-expression...Ensino médio  1o. bimestre- a arte da primeira metade do século xx-expression...
Ensino médio 1o. bimestre- a arte da primeira metade do século xx-expression...
ArtesElisa
 
Fovismo aula 7 ano - 2013
Fovismo   aula 7 ano - 2013Fovismo   aula 7 ano - 2013
Fovismo aula 7 ano - 2013
Michele Wilbert
 
Impressionismo
Impressionismo Impressionismo
Impressionismo
Ellen_Assad
 
Impressionismo
Impressionismo Impressionismo
Impressionismo
Ellen_Assad
 
Seminários história da arte 04
Seminários história da arte   04Seminários história da arte   04
Seminários história da arte 04
Gabriela Lemos
 
O Impressionismo
O ImpressionismoO Impressionismo
O Impressionismo
Meire Falco
 
Fauvismo aula do Layo
Fauvismo aula do LayoFauvismo aula do Layo
Fauvismo aula do Layo
Layo Bulhão
 
Apresentação sobre Impressionismo
Apresentação sobre ImpressionismoApresentação sobre Impressionismo
Apresentação sobre Impressionismo
C111atiusca
 
HISTÓRIA DA ARTE - REVISÃO 02
HISTÓRIA DA ARTE - REVISÃO 02HISTÓRIA DA ARTE - REVISÃO 02
HISTÓRIA DA ARTE - REVISÃO 02
Carlos Benjoino Bidu
 
O desenvolvimento da tecnologia
O desenvolvimento da tecnologiaO desenvolvimento da tecnologia
O desenvolvimento da tecnologia
Sofia Oliveira
 
Arte moderna
Arte modernaArte moderna
Arte moderna
Lú Carvalho
 
Movimentos Artísticos
Movimentos ArtísticosMovimentos Artísticos
Movimentos Artísticos
713773
 
Fauvismo
FauvismoFauvismo
Fauvismo
Michele Pó
 
RESUMÃO.pdf
RESUMÃO.pdfRESUMÃO.pdf
RESUMÃO.pdf
RenataKiffer5
 
Artes - Trabalho de história e EV
Artes - Trabalho de história e EVArtes - Trabalho de história e EV
Artes - Trabalho de história e EV
ammarahmonteiro
 
Trabalho De Historia
Trabalho De HistoriaTrabalho De Historia
Trabalho De Historia
guest2932aa
 
Trabalho De Historia
Trabalho De HistoriaTrabalho De Historia
Trabalho De Historia
rita margarida
 
impressionismo.pdf
impressionismo.pdfimpressionismo.pdf
impressionismo.pdf
LucimeireMellodosRei
 
Impressionismo
ImpressionismoImpressionismo
Impressionismo
Letícia Esther
 
2c15 Impressionismo e Museu D'Orsay, Paris, França 2012
2c15 Impressionismo e Museu D'Orsay, Paris, França 20122c15 Impressionismo e Museu D'Orsay, Paris, França 2012
2c15 Impressionismo e Museu D'Orsay, Paris, França 2012
www.historiadasartes.com
 

Semelhante a Henri matisse, matilde 2 (20)

Ensino médio 1o. bimestre- a arte da primeira metade do século xx-expression...
Ensino médio  1o. bimestre- a arte da primeira metade do século xx-expression...Ensino médio  1o. bimestre- a arte da primeira metade do século xx-expression...
Ensino médio 1o. bimestre- a arte da primeira metade do século xx-expression...
 
Fovismo aula 7 ano - 2013
Fovismo   aula 7 ano - 2013Fovismo   aula 7 ano - 2013
Fovismo aula 7 ano - 2013
 
Impressionismo
Impressionismo Impressionismo
Impressionismo
 
Impressionismo
Impressionismo Impressionismo
Impressionismo
 
Seminários história da arte 04
Seminários história da arte   04Seminários história da arte   04
Seminários história da arte 04
 
O Impressionismo
O ImpressionismoO Impressionismo
O Impressionismo
 
Fauvismo aula do Layo
Fauvismo aula do LayoFauvismo aula do Layo
Fauvismo aula do Layo
 
Apresentação sobre Impressionismo
Apresentação sobre ImpressionismoApresentação sobre Impressionismo
Apresentação sobre Impressionismo
 
HISTÓRIA DA ARTE - REVISÃO 02
HISTÓRIA DA ARTE - REVISÃO 02HISTÓRIA DA ARTE - REVISÃO 02
HISTÓRIA DA ARTE - REVISÃO 02
 
O desenvolvimento da tecnologia
O desenvolvimento da tecnologiaO desenvolvimento da tecnologia
O desenvolvimento da tecnologia
 
Arte moderna
Arte modernaArte moderna
Arte moderna
 
Movimentos Artísticos
Movimentos ArtísticosMovimentos Artísticos
Movimentos Artísticos
 
Fauvismo
FauvismoFauvismo
Fauvismo
 
RESUMÃO.pdf
RESUMÃO.pdfRESUMÃO.pdf
RESUMÃO.pdf
 
Artes - Trabalho de história e EV
Artes - Trabalho de história e EVArtes - Trabalho de história e EV
Artes - Trabalho de história e EV
 
Trabalho De Historia
Trabalho De HistoriaTrabalho De Historia
Trabalho De Historia
 
Trabalho De Historia
Trabalho De HistoriaTrabalho De Historia
Trabalho De Historia
 
impressionismo.pdf
impressionismo.pdfimpressionismo.pdf
impressionismo.pdf
 
Impressionismo
ImpressionismoImpressionismo
Impressionismo
 
2c15 Impressionismo e Museu D'Orsay, Paris, França 2012
2c15 Impressionismo e Museu D'Orsay, Paris, França 20122c15 Impressionismo e Museu D'Orsay, Paris, França 2012
2c15 Impressionismo e Museu D'Orsay, Paris, França 2012
 

Mais de ceufaias

D. Duarte
D. DuarteD. Duarte
D. Duarte
ceufaias
 
82095 transformacoes do_apos_guerra
82095 transformacoes do_apos_guerra82095 transformacoes do_apos_guerra
82095 transformacoes do_apos_guerra
ceufaias
 
Os loucos anos 20
Os loucos anos 20Os loucos anos 20
Os loucos anos 20
ceufaias
 
2° guerra mundial
2° guerra mundial2° guerra mundial
2° guerra mundial
ceufaias
 
Festa do futebol artur e rachel
Festa do futebol   artur e rachelFesta do futebol   artur e rachel
Festa do futebol artur e rachel
ceufaias
 
Trabalho sobre as Civilizações Rodrigo Coelho
Trabalho sobre as Civilizações  Rodrigo CoelhoTrabalho sobre as Civilizações  Rodrigo Coelho
Trabalho sobre as Civilizações Rodrigo Coelho
ceufaias
 
Renascimento e a nova mentalidade
Renascimento e a nova mentalidadeRenascimento e a nova mentalidade
Renascimento e a nova mentalidade
ceufaias
 
Descoberta do Brasil
Descoberta do BrasilDescoberta do Brasil
Descoberta do Brasil
ceufaias
 
As civilizações
As civilizaçõesAs civilizações
As civilizações
ceufaias
 
Marquês de pombal corrigido
Marquês de pombal  corrigidoMarquês de pombal  corrigido
Marquês de pombal corrigido
ceufaias
 
O antes e o após 25 de abril
O antes e o após 25 de abrilO antes e o após 25 de abril
O antes e o após 25 de abril
ceufaias
 
O antigo regime na europa
O antigo regime na europaO antigo regime na europa
O antigo regime na europa
ceufaias
 
A revolução liberal portuguesa. raquel
A revolução liberal portuguesa. raquelA revolução liberal portuguesa. raquel
A revolução liberal portuguesa. raquel
ceufaias
 
Do autoritarismo à democracia mónica, elisabete e david
Do autoritarismo à democracia   mónica, elisabete e davidDo autoritarismo à democracia   mónica, elisabete e david
Do autoritarismo à democracia mónica, elisabete e david
ceufaias
 
Portugal democrático
Portugal democráticoPortugal democrático
Portugal democrático
ceufaias
 
Arte renascentista joana severo
Arte renascentista  joana severoArte renascentista  joana severo
Arte renascentista joana severo
ceufaias
 
Renascimento raquel manhita
Renascimento raquel manhitaRenascimento raquel manhita
Renascimento raquel manhita
ceufaias
 
Deuses egípcios Rita Rosado
Deuses egípcios  Rita RosadoDeuses egípcios  Rita Rosado
Deuses egípcios Rita Rosado
ceufaias
 
A vida no neolítico
A vida no neolíticoA vida no neolítico
A vida no neolítico
ceufaias
 

Mais de ceufaias (19)

D. Duarte
D. DuarteD. Duarte
D. Duarte
 
82095 transformacoes do_apos_guerra
82095 transformacoes do_apos_guerra82095 transformacoes do_apos_guerra
82095 transformacoes do_apos_guerra
 
Os loucos anos 20
Os loucos anos 20Os loucos anos 20
Os loucos anos 20
 
2° guerra mundial
2° guerra mundial2° guerra mundial
2° guerra mundial
 
Festa do futebol artur e rachel
Festa do futebol   artur e rachelFesta do futebol   artur e rachel
Festa do futebol artur e rachel
 
Trabalho sobre as Civilizações Rodrigo Coelho
Trabalho sobre as Civilizações  Rodrigo CoelhoTrabalho sobre as Civilizações  Rodrigo Coelho
Trabalho sobre as Civilizações Rodrigo Coelho
 
Renascimento e a nova mentalidade
Renascimento e a nova mentalidadeRenascimento e a nova mentalidade
Renascimento e a nova mentalidade
 
Descoberta do Brasil
Descoberta do BrasilDescoberta do Brasil
Descoberta do Brasil
 
As civilizações
As civilizaçõesAs civilizações
As civilizações
 
Marquês de pombal corrigido
Marquês de pombal  corrigidoMarquês de pombal  corrigido
Marquês de pombal corrigido
 
O antes e o após 25 de abril
O antes e o após 25 de abrilO antes e o após 25 de abril
O antes e o após 25 de abril
 
O antigo regime na europa
O antigo regime na europaO antigo regime na europa
O antigo regime na europa
 
A revolução liberal portuguesa. raquel
A revolução liberal portuguesa. raquelA revolução liberal portuguesa. raquel
A revolução liberal portuguesa. raquel
 
Do autoritarismo à democracia mónica, elisabete e david
Do autoritarismo à democracia   mónica, elisabete e davidDo autoritarismo à democracia   mónica, elisabete e david
Do autoritarismo à democracia mónica, elisabete e david
 
Portugal democrático
Portugal democráticoPortugal democrático
Portugal democrático
 
Arte renascentista joana severo
Arte renascentista  joana severoArte renascentista  joana severo
Arte renascentista joana severo
 
Renascimento raquel manhita
Renascimento raquel manhitaRenascimento raquel manhita
Renascimento raquel manhita
 
Deuses egípcios Rita Rosado
Deuses egípcios  Rita RosadoDeuses egípcios  Rita Rosado
Deuses egípcios Rita Rosado
 
A vida no neolítico
A vida no neolíticoA vida no neolítico
A vida no neolítico
 

Último

Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptxSlides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
DNA e RNA - Estrutura dos Ácidos nucleicos
DNA e RNA - Estrutura dos Ácidos nucleicosDNA e RNA - Estrutura dos Ácidos nucleicos
DNA e RNA - Estrutura dos Ácidos nucleicos
jonny615148
 
3ª série HIS - PROVA PAULISTA DIA 1 - 1º BIM-24.pdf
3ª série HIS - PROVA PAULISTA DIA 1 - 1º BIM-24.pdf3ª série HIS - PROVA PAULISTA DIA 1 - 1º BIM-24.pdf
3ª série HIS - PROVA PAULISTA DIA 1 - 1º BIM-24.pdf
AdrianoMontagna1
 
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
DouglasMoraes54
 
DEUS CURA TODAS AS FERIDAS ESCONDIDAS DA NOSSA.pptx
DEUS CURA TODAS AS FERIDAS ESCONDIDAS DA NOSSA.pptxDEUS CURA TODAS AS FERIDAS ESCONDIDAS DA NOSSA.pptx
DEUS CURA TODAS AS FERIDAS ESCONDIDAS DA NOSSA.pptx
ConservoConstrues
 
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
fran0410
 
CD_B2_C_Criar e Editar Conteúdos Digitais_índice.pdf
CD_B2_C_Criar e Editar Conteúdos Digitais_índice.pdfCD_B2_C_Criar e Editar Conteúdos Digitais_índice.pdf
CD_B2_C_Criar e Editar Conteúdos Digitais_índice.pdf
Manuais Formação
 
Caça-palavaras e cruzadinha - Dígrafos.
Caça-palavaras  e cruzadinha  - Dígrafos.Caça-palavaras  e cruzadinha  - Dígrafos.
Caça-palavaras e cruzadinha - Dígrafos.
Mary Alvarenga
 
Eurodeputados Portugueses 2024-2029 | Parlamento Europeu
Eurodeputados Portugueses 2024-2029 | Parlamento EuropeuEurodeputados Portugueses 2024-2029 | Parlamento Europeu
Eurodeputados Portugueses 2024-2029 | Parlamento Europeu
Centro Jacques Delors
 
Psicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptx
Psicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptxPsicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptx
Psicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptx
TiagoLouro8
 
Infografia | Resultados das Eleições Europeias 2024-2029
Infografia | Resultados das Eleições Europeias 2024-2029Infografia | Resultados das Eleições Europeias 2024-2029
Infografia | Resultados das Eleições Europeias 2024-2029
Centro Jacques Delors
 
Pedagogia universitária em ciência e tecnologia
Pedagogia universitária em ciência e tecnologiaPedagogia universitária em ciência e tecnologia
Pedagogia universitária em ciência e tecnologia
Nertan Dias
 
Como montar o mapa conceitual editado.pdf
Como montar o mapa conceitual editado.pdfComo montar o mapa conceitual editado.pdf
Como montar o mapa conceitual editado.pdf
AlineOliveira625820
 
Slides Lição 12, Betel, Ordenança para amar o próximo, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, Betel, Ordenança para amar o próximo, 2Tr24.pptxSlides Lição 12, Betel, Ordenança para amar o próximo, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, Betel, Ordenança para amar o próximo, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
A Formação da Moral Cristã na Infância - CESB - DIJ - DIEF - G. de PAIS - 16....
A Formação da Moral Cristã na Infância - CESB - DIJ - DIEF - G. de PAIS - 16....A Formação da Moral Cristã na Infância - CESB - DIJ - DIEF - G. de PAIS - 16....
A Formação da Moral Cristã na Infância - CESB - DIJ - DIEF - G. de PAIS - 16....
MarcoAurlioResende
 
LITERATURA INDÍGENA BRASILEIRA: elementos constitutivos.ppt
LITERATURA INDÍGENA BRASILEIRA: elementos constitutivos.pptLITERATURA INDÍGENA BRASILEIRA: elementos constitutivos.ppt
LITERATURA INDÍGENA BRASILEIRA: elementos constitutivos.ppt
EdimaresSilvestre
 
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 01.pptx
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 01.pptxVivendo a Arquitetura Salesforce - 01.pptx
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 01.pptx
Mauricio Alexandre Silva
 
SLIDE LIÇÃO 10 - DESENVOLVENDO UMA CONSCIÊNCIA DE SANTIDADE - TEXTO ÁUREO...
SLIDE LIÇÃO 10 - DESENVOLVENDO UMA CONSCIÊNCIA DE SANTIDADE - TEXTO ÁUREO...SLIDE LIÇÃO 10 - DESENVOLVENDO UMA CONSCIÊNCIA DE SANTIDADE - TEXTO ÁUREO...
SLIDE LIÇÃO 10 - DESENVOLVENDO UMA CONSCIÊNCIA DE SANTIDADE - TEXTO ÁUREO...
y6zh7bvphf
 
Tabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasn
Tabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasnTabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasn
Tabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasn
CarlosJean21
 
Razonamiento Matematico 6to Primaria MA6 Ccesa007.pdf
Razonamiento Matematico 6to Primaria MA6 Ccesa007.pdfRazonamiento Matematico 6to Primaria MA6 Ccesa007.pdf
Razonamiento Matematico 6to Primaria MA6 Ccesa007.pdf
Demetrio Ccesa Rayme
 

Último (20)

Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptxSlides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
 
DNA e RNA - Estrutura dos Ácidos nucleicos
DNA e RNA - Estrutura dos Ácidos nucleicosDNA e RNA - Estrutura dos Ácidos nucleicos
DNA e RNA - Estrutura dos Ácidos nucleicos
 
3ª série HIS - PROVA PAULISTA DIA 1 - 1º BIM-24.pdf
3ª série HIS - PROVA PAULISTA DIA 1 - 1º BIM-24.pdf3ª série HIS - PROVA PAULISTA DIA 1 - 1º BIM-24.pdf
3ª série HIS - PROVA PAULISTA DIA 1 - 1º BIM-24.pdf
 
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
 
DEUS CURA TODAS AS FERIDAS ESCONDIDAS DA NOSSA.pptx
DEUS CURA TODAS AS FERIDAS ESCONDIDAS DA NOSSA.pptxDEUS CURA TODAS AS FERIDAS ESCONDIDAS DA NOSSA.pptx
DEUS CURA TODAS AS FERIDAS ESCONDIDAS DA NOSSA.pptx
 
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
 
CD_B2_C_Criar e Editar Conteúdos Digitais_índice.pdf
CD_B2_C_Criar e Editar Conteúdos Digitais_índice.pdfCD_B2_C_Criar e Editar Conteúdos Digitais_índice.pdf
CD_B2_C_Criar e Editar Conteúdos Digitais_índice.pdf
 
Caça-palavaras e cruzadinha - Dígrafos.
Caça-palavaras  e cruzadinha  - Dígrafos.Caça-palavaras  e cruzadinha  - Dígrafos.
Caça-palavaras e cruzadinha - Dígrafos.
 
Eurodeputados Portugueses 2024-2029 | Parlamento Europeu
Eurodeputados Portugueses 2024-2029 | Parlamento EuropeuEurodeputados Portugueses 2024-2029 | Parlamento Europeu
Eurodeputados Portugueses 2024-2029 | Parlamento Europeu
 
Psicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptx
Psicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptxPsicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptx
Psicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptx
 
Infografia | Resultados das Eleições Europeias 2024-2029
Infografia | Resultados das Eleições Europeias 2024-2029Infografia | Resultados das Eleições Europeias 2024-2029
Infografia | Resultados das Eleições Europeias 2024-2029
 
Pedagogia universitária em ciência e tecnologia
Pedagogia universitária em ciência e tecnologiaPedagogia universitária em ciência e tecnologia
Pedagogia universitária em ciência e tecnologia
 
Como montar o mapa conceitual editado.pdf
Como montar o mapa conceitual editado.pdfComo montar o mapa conceitual editado.pdf
Como montar o mapa conceitual editado.pdf
 
Slides Lição 12, Betel, Ordenança para amar o próximo, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, Betel, Ordenança para amar o próximo, 2Tr24.pptxSlides Lição 12, Betel, Ordenança para amar o próximo, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, Betel, Ordenança para amar o próximo, 2Tr24.pptx
 
A Formação da Moral Cristã na Infância - CESB - DIJ - DIEF - G. de PAIS - 16....
A Formação da Moral Cristã na Infância - CESB - DIJ - DIEF - G. de PAIS - 16....A Formação da Moral Cristã na Infância - CESB - DIJ - DIEF - G. de PAIS - 16....
A Formação da Moral Cristã na Infância - CESB - DIJ - DIEF - G. de PAIS - 16....
 
LITERATURA INDÍGENA BRASILEIRA: elementos constitutivos.ppt
LITERATURA INDÍGENA BRASILEIRA: elementos constitutivos.pptLITERATURA INDÍGENA BRASILEIRA: elementos constitutivos.ppt
LITERATURA INDÍGENA BRASILEIRA: elementos constitutivos.ppt
 
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 01.pptx
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 01.pptxVivendo a Arquitetura Salesforce - 01.pptx
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 01.pptx
 
SLIDE LIÇÃO 10 - DESENVOLVENDO UMA CONSCIÊNCIA DE SANTIDADE - TEXTO ÁUREO...
SLIDE LIÇÃO 10 - DESENVOLVENDO UMA CONSCIÊNCIA DE SANTIDADE - TEXTO ÁUREO...SLIDE LIÇÃO 10 - DESENVOLVENDO UMA CONSCIÊNCIA DE SANTIDADE - TEXTO ÁUREO...
SLIDE LIÇÃO 10 - DESENVOLVENDO UMA CONSCIÊNCIA DE SANTIDADE - TEXTO ÁUREO...
 
Tabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasn
Tabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasnTabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasn
Tabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasn
 
Razonamiento Matematico 6to Primaria MA6 Ccesa007.pdf
Razonamiento Matematico 6to Primaria MA6 Ccesa007.pdfRazonamiento Matematico 6to Primaria MA6 Ccesa007.pdf
Razonamiento Matematico 6to Primaria MA6 Ccesa007.pdf
 

Henri matisse, matilde 2

  • 2. Contexto Histórico O modernismo é uma corrente artística que surgiu na última década do século XIX, como resposta às consequências da industrialização, revalorizando a arte e a sua forma de realização manual. O nome deste movimento deve-se à loja que o alemão Samuel Bing abriu em Paris no ano de 1895: Art Nouveau. Com características próprias em cada um dos países onde se difundiu , foram as primeiras exposições internacionais organizadas nas capitais europeias que contribuíram para construir uma certa homogeneidade estilística.
  • 3. A arquitetura foi a disciplina integral à qual se subordinaram as outras artes gráficas e figurativas. Reafirmou-se o aspecto decorativo dos objetos de uso quotidiano, mediante uma linguagem artística repleta de curvas e arabescos, de acentuada influência oriental. Castel Béranger, França Casa Batlló,Espanha
  • 4. Contrariamente à sua intenção inicial, o modernismo conseguiu a adesão da alta burguesia, que apoiava entusiasticamente essa nova estética de materiais exóticos e formas delicadas. O modernismo não teria sido possível sem a subvenção de seus ricos mecenas. Tempos Modernos de Charles Chaplin
  • 5. A fotografia surgiu por volta de 1840 e era a forma mais fiel de retratar o mundo envolvente. A cor era um elemento que a fotografia ainda não conseguia solucionar (as imagens eram monocromáticas), então os pintores tiveram que colocar de lado a ideia de imitar a realidade, que até então era o ideal a alcançar. Começaram a recorrer a várias técnicas que previlegiavam a cor e o movimento. Surgiram as primeiras vanguardas: O Impressionismo, o Simbolismo e o Expressionismo. Impressão, Claude Monet Arearea, Paul Gauguin A Noite Estrelada, Vicent Van Gogh
  • 6. Inserido na Arte Expressionista, o Fauvismo é uma corrente artística que surgiu em França no século XX. Baseia-se essencialmente na utilização de cores intensas e no uso de fortes contrastes. Há três elementos fundamentais no Fauvismo como: o arabesco, o ritmo e a cor. La Blouse Roumaine, 1940 Green Stripe, 1905
  • 7. O Fauvismo tem como características marcantes: • A simplificação das formas e a ausência das sombras é substituída por cores puras; • Cores complementares/contrastantes: azul/laranja, vermelho/verde, amarelo/violeta; • A pouca, ou nenhuma, gradação entre as tonalidades de cor; • Gestualidade: pinceladas largas e definitivas; • Contorno: a utilização da cor na delimitação dos planos e na sensação de profundidade; • Cores irreais: a escolha das tonalidades não se adequam à realidade; • O movimento rítmico sugerido pelas linhas, texturas e pela continuidade dos elementos desenhados; • Impulsividade e experimentação; • Temas quotidianos que retratavam emoções e a alegria de viver.
  • 8. Matisse, um dos expoentes máximos do Fauvismo no mundo, aparece como percursor de um ideal de pintura que engloba em si todas as carcterísticas atrás enunciadas. Henri Matisse, francês de nascença e de sensibilidade segue , dentro do Fauvismo, um registo diferente de Die Brucke, que pode ser considerado o pai do expressionismo alemão. Fauvistas e expressionistas colocam em comum a forma de “pintar” e têm como diferença a intencionalidade da Arte. Os fauvistas, herdeiros de uma cultura palaciana, onde o belo e o decorativo é utilizado como objetivo artistíco e os expressionistas alemães que utilizam a pintura como forma de protesto social e de intervenção na sociedade e na cultura. Retrato de Henri Matisse, André Derain
  • 9. Ernst Ludwig Kirchner, pintordo movimento Die Brucke, Expressionismo Alemão Alexis Mérodack-Jeanneau, pintordo Fauvismo francês
  • 10. Biografia: Henri Matisse nasceu em 1869 em Cateau Cambrésis, França. Estudou Direito e quando terminou o curso, em 1891, decidiu mudar-se para Paris para estudar Pintura. Matriculou-se na Academia Julian, onde foi aluno de William-Adolphe Bouguereau e entrou para o Atelier de Gustave Moreau. Em 1895, entrou para a Escola de Belas Artes de Paris e no ano seguinte expôs quatro obras na Exposição da Sociedade Nacional. Em 1894, ocorreu a sua primeira exposição individual na Galeria Vollard.
  • 11. Inicialmente pintou naturezas-mortas e paisagens no tradicional estilo flamengo: Chardin foi um dos pintores mais admirados por Matisse. Em 1896, exibiu cinco pinturas no salão da Sociedade Nacional de Belas Artes o que permitiu o contato com Auguste Rodin e Camille Pissarro. Foi o pintor John Peter Russell que o introduziu no impressionismo e mostrou- lhe o trabalho de Van Gogh. Chardin John Peter RussellCamillePissarro
  • 12. Na percepção de Cézanne da estrutura geométrica e cor pictóricas Matisse encontrou a sua principal inspiração. Muitas das suas pinturas entre 1899 e 1905 fazem uso de uma técnica pontilhista adotada de Signac. Em 1898, foi para Londres para estudar a pintura romântica de William Turner. Luxúria, serenidade e prazer (1904)Baigneuses, Cézanne
  • 13. Teve uma filha, que nasceu em 1894 chamada Marguerite, com a modelo Caroline Joblau. Matisse gostava muito de pintar Marguerite. Em 1898 casou-se com Amélie Noellie Parayre e teve mais dois filhos. Marguerite lisant, 1906 Margot, 1907
  • 14. No inicio do novo século, Matisse ainda tinha um estilo de pintura muito confuso, mas a partir de 1905 os seus quadros iam sendo cada vez mais construídos em torno do motivo da força autónoma da cor. Também em 1905, com o seu quadro A mulher de Chapéu, que esteve exposto no Salão de Outono, Matisse foi considerado o chefe de fila dos fauvistas. Matisse, «A mulher de Chapéu», 1905
  • 15. Em 1908, ocorreu a sua primeira exposição individual em Nova Iorque. Entre 1913 e 1917 a sua pintura era um pouco austera, com linhas retas e formas geométricas. O seu estilo foi ficando mais solto e decorativo, com temas como as figuras femininas e interiores de casas. Matisse conseguiu uma reputação internacional com exibições em Moscovo, Berlim, Munique e Londres. A Dança (1910) Madame Yvonne Landsberg (1914)
  • 16. Em 1913, expôs em Nova Iorque ao lado de Marcel Duchamp e Francis Picabia, como representantes de uma precursora arte moderna. Em 1919, recebeu atribuições de Ígor Stravinski e Serguei Diaguilev para desenhar o vesturário e cenários de um expetáculo de ballet apresentado em Londres. Vestuário de Ballet desenhado por MatisseO urinol, Marcel Duchamp
  • 17. A Janela (1916) O meu quarto em Beau-Rivage (1918) Odalisca (1923)
  • 18. Em 1927, organizou uma retrospectiva em Nova Iorque. De volta a Paris, trabalhou na ilustração de um romance de James Joyce, Ulisses, aos quais deu as cores do vestuário dos bailarinos russos de Monte Carlo. Em 1941, adoentado com cancro, foi hospitalizado em Lyon. Sem poder viajar, utilizou experiências recolhidas nas suas viagens para aperfeiçoar a sua originalidade. Nesse período, Matisse inventou a técnica de "desenho com tesoura”. Esboço de Matisse para o romance de James Joyce Blue Nude II (1952)
  • 19. Em 1945, fez uma grande retrospectiva no Salão de Outono, quando realizou trabalhos com tapeçaria inspirado pelo céu e mar da Polinésia Francesa. Em 1950, decorou a capela do Rosário e dois anos depois inaugurou um museu na sua terra natal. Faleceu em 1954. Mimosa (1951)
  • 20. Ficha técnica: Escola: Escola Básica Fialho de Almeida, Cuba Nome: Matilde Túbal Carapuça Ano: 9º Turma: B Disciplina: História Docente responsável: Maria do Céu Faias
  • 21. Bibliografia: • BERNARD, Edina (1999) A Arte Moderna, Lisboa: Edições 70 • SPROCCATI, Sandro (2002) Guia de História da Arte, Lisboa: Editorial Presença • PIJOAN, J. (1979) História da Arte, Lisboa: Publicações Alfa