SlideShare uma empresa Scribd logo
Grupo Sala de Espera de um
      Ambulatório de Infectologia


                         SERVIÇO SOCIAL




   Nome do responsável e dos integrantes da equipe:


ANA DIAS DE MELO, CLAUDEMIR LEITE DE ALMEIDA,
 NEUSA SANTOS DO NASCIMENTO, SILVIA REGINA
  ALVES FERNANDES, LUIS ALBERTO VENTURA
        FERNANDES. (Equipe Serviço Social)




    Instituto de Infectologia Emilio Ribas - Ambulatório
Introdução

              O Grupo Sala de Espera:
                    Ampliar o diálogo com a população
                     usuária do Serviço do Ambulatório do
                     Instituto de Infectologia Emilio Ribas.
                    Estabelecer um espaço de interação
                     e de multiplicação de informações
                     junto aos usuários que aguardam
                     atendimento na Sala de Espera.
                    Esclarecer      dúvidas     sobre         o
                     diagnóstico, formas de prevenção e
                     tratamento      e   em    relação    ao
                     funcionamento dos diversos setores
                     do Instituto.




GRUPO SALA DE ESPERA DE UM AMBULATÓRIO DE INFECTOLGOIA
Objetivo Geral:

       Promover a informação, educação e prevenção.

       Situar e integrar os usuários no contexto institucional.

Objetivos Específicos:

       Propiciar a troca de experiências, estimulando a

        ajuda mútua, a participação e acompanhamento do

        tratamento,   principalmente     pelos   familiares   e

        colaterais, objetivando melhora na qualidade de vida.

       Estimular a reflexão acerca dos direitos dos usuários

        das Políticas de Saúde e Cidadania.



.
Metodologia.

Coordenação: Equipe Serviço Social do Ambulatório.

Colaboração: Equipe Multidisciplinar do Ambulatório.

Dias e Horários: (semanalmente)
        3ªF das 15h00min às 16h00min
        4ªF das 09h00min às 10h00min
Avaliação
Questionário para cada participante para avaliação, sugestões e
críticas. Sugestões de temas para próximos encontros.
Recursos materiais:
       “Flip Sharp”
       DVD
       Data Show
       Recursos Multi Mídia
       Folders Informativos
Resultados

     O resultado desta ação pode ser confirmado na análise dos
      questionários realizados pelos usuários após o Grupo Sala de
      Espera.
     A Equipe elaborou um questionário bem prático e objetivo onde a
      grande maioria dos participantes responde e devolve.
     Nestes questionários podemos analisar:
      - Temas sugeridos.
      - Dúvidas em relação ao tratamento.
      - Informações sobre o fluxo.
     A atividade atinge de 15 a 25 participantes por grupo, totalizando
      aproximadamente 160 participantes / mês.
CONCLUSÕES PRELIMINARES


                  O Trabalho de Grupo proporciona:




   Exercício da         Cultiva as atividades     Socializa

    cidadania.              associativas.       informações.




Trabalha a                                      Orientações
                       Troca de saberes.
prevenção.                                      quanto aos
                                                 direitos.
REFERÊNCIAS
-Plano de Trabalho da equipe de Serviço Social do
Instituto de Infectologia Emílio Ribas. 2007.

-Conselho Regional de Serviço Social do Estado de
São Paulo (Org.) .Legislação Brasileira para o Serviço
Social. 2. ed. rev., ampl. e atual. 9ª região. São Paulo:
CRESS, 2006.

-Serviço Social e saúde / Ana Elizabete Mota...[et al.],
(orgs). - 4. Ed. – São Paulo: Cortez; Brasília<DF:
OPAS, OMS, Ministério da Saúde, 2009.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Apresentação - Desafio do Atendimento à População em Situação de Rua em UBS I...
Apresentação - Desafio do Atendimento à População em Situação de Rua em UBS I...Apresentação - Desafio do Atendimento à População em Situação de Rua em UBS I...
Apresentação - Desafio do Atendimento à População em Situação de Rua em UBS I...
Centro de Desenvolvimento, Ensino e Pesquisa em Saúde - CEDEPS
 
Apresentação - Cuidar da Saúde é Coisa de Macho
Apresentação - Cuidar da Saúde é Coisa de MachoApresentação - Cuidar da Saúde é Coisa de Macho
Apresentação - Cuidar da Saúde é Coisa de Macho
Centro de Desenvolvimento, Ensino e Pesquisa em Saúde - CEDEPS
 
Apresentação - O Uso de Práticas Naturais no Combate ao Tabagismo: Um Desafio...
Apresentação - O Uso de Práticas Naturais no Combate ao Tabagismo: Um Desafio...Apresentação - O Uso de Práticas Naturais no Combate ao Tabagismo: Um Desafio...
Apresentação - O Uso de Práticas Naturais no Combate ao Tabagismo: Um Desafio...
Centro de Desenvolvimento, Ensino e Pesquisa em Saúde - CEDEPS
 
HUMANIZAÇÃO NO SETOR DE RADIOLOGIA
HUMANIZAÇÃO NO SETOR DE RADIOLOGIAHUMANIZAÇÃO NO SETOR DE RADIOLOGIA
HUMANIZAÇÃO NO SETOR DE RADIOLOGIA
Iago Brito
 
Conteúdo_teórico_MODULO_3_Bioética_e_Atribuições
Conteúdo_teórico_MODULO_3_Bioética_e_AtribuiçõesConteúdo_teórico_MODULO_3_Bioética_e_Atribuições
Conteúdo_teórico_MODULO_3_Bioética_e_Atribuições
aagapesantamarcelina
 
Humanização Na Radiologia
Humanização Na RadiologiaHumanização Na Radiologia
Humanização Na Radiologia
Uiliam Santos
 
1º boletim vigilância
1º boletim vigilância1º boletim vigilância
1º boletim vigilância
Elaine Antunes
 
14 equipe referencia
14 equipe referencia14 equipe referencia
14 equipe referencia
Lillian Oliveira
 
Slides apoio matricial
Slides apoio matricialSlides apoio matricial
Slides apoio matricial
Paula Oliveira
 
10 anos pnh nacional e co
10 anos pnh nacional e co10 anos pnh nacional e co
10 anos pnh nacional e co
redehumanizasus
 
Projeto de Intervenção Igapó - Natal-RN
Projeto de Intervenção Igapó - Natal-RN Projeto de Intervenção Igapó - Natal-RN
Projeto de Intervenção Igapó - Natal-RN
petsmufrn
 
Pnh
PnhPnh
Palestra de Humanização no Atendimento
Palestra de Humanização no AtendimentoPalestra de Humanização no Atendimento
Palestra de Humanização no Atendimento
Fabiano Ladislau
 
Conteúdo Teórico Módulo 3 Humanização
Conteúdo Teórico Módulo 3 HumanizaçãoConteúdo Teórico Módulo 3 Humanização
Conteúdo Teórico Módulo 3 Humanização
aagapesantamarcelina
 
O acolhimento nas práticas de produção de saúde hrms
O acolhimento nas práticas de produção de saúde  hrmsO acolhimento nas práticas de produção de saúde  hrms
O acolhimento nas práticas de produção de saúde hrms
Adélia Correia
 
Tecnologias leves para o cuidado em saúde mental
Tecnologias leves para o cuidado em saúde mentalTecnologias leves para o cuidado em saúde mental
Tecnologias leves para o cuidado em saúde mental
CENAT Cursos
 
Acolhimento à Demanda Espontânea na APS
Acolhimento à Demanda Espontânea na APSAcolhimento à Demanda Espontânea na APS
Acolhimento à Demanda Espontânea na APS
Frankly Eudes
 
Seminário Saúde Mental na Atenção Básica: "Vínculos e Diálogos Necessários" -...
Seminário Saúde Mental na Atenção Básica: "Vínculos e Diálogos Necessários" -...Seminário Saúde Mental na Atenção Básica: "Vínculos e Diálogos Necessários" -...
Seminário Saúde Mental na Atenção Básica: "Vínculos e Diálogos Necessários" -...
Centro de Desenvolvimento, Ensino e Pesquisa em Saúde - CEDEPS
 
A Política Nacional de Humanização e a Mudança de Paradigma na Humanização
A Política Nacional de Humanização e a Mudança de Paradigma na HumanizaçãoA Política Nacional de Humanização e a Mudança de Paradigma na Humanização
A Política Nacional de Humanização e a Mudança de Paradigma na Humanização
Associação Viva e Deixe Viver
 
Acolhimento IV CMMFC
Acolhimento IV CMMFCAcolhimento IV CMMFC
Acolhimento IV CMMFC
Leonardo Savassi
 

Mais procurados (20)

Apresentação - Desafio do Atendimento à População em Situação de Rua em UBS I...
Apresentação - Desafio do Atendimento à População em Situação de Rua em UBS I...Apresentação - Desafio do Atendimento à População em Situação de Rua em UBS I...
Apresentação - Desafio do Atendimento à População em Situação de Rua em UBS I...
 
Apresentação - Cuidar da Saúde é Coisa de Macho
Apresentação - Cuidar da Saúde é Coisa de MachoApresentação - Cuidar da Saúde é Coisa de Macho
Apresentação - Cuidar da Saúde é Coisa de Macho
 
Apresentação - O Uso de Práticas Naturais no Combate ao Tabagismo: Um Desafio...
Apresentação - O Uso de Práticas Naturais no Combate ao Tabagismo: Um Desafio...Apresentação - O Uso de Práticas Naturais no Combate ao Tabagismo: Um Desafio...
Apresentação - O Uso de Práticas Naturais no Combate ao Tabagismo: Um Desafio...
 
HUMANIZAÇÃO NO SETOR DE RADIOLOGIA
HUMANIZAÇÃO NO SETOR DE RADIOLOGIAHUMANIZAÇÃO NO SETOR DE RADIOLOGIA
HUMANIZAÇÃO NO SETOR DE RADIOLOGIA
 
Conteúdo_teórico_MODULO_3_Bioética_e_Atribuições
Conteúdo_teórico_MODULO_3_Bioética_e_AtribuiçõesConteúdo_teórico_MODULO_3_Bioética_e_Atribuições
Conteúdo_teórico_MODULO_3_Bioética_e_Atribuições
 
Humanização Na Radiologia
Humanização Na RadiologiaHumanização Na Radiologia
Humanização Na Radiologia
 
1º boletim vigilância
1º boletim vigilância1º boletim vigilância
1º boletim vigilância
 
14 equipe referencia
14 equipe referencia14 equipe referencia
14 equipe referencia
 
Slides apoio matricial
Slides apoio matricialSlides apoio matricial
Slides apoio matricial
 
10 anos pnh nacional e co
10 anos pnh nacional e co10 anos pnh nacional e co
10 anos pnh nacional e co
 
Projeto de Intervenção Igapó - Natal-RN
Projeto de Intervenção Igapó - Natal-RN Projeto de Intervenção Igapó - Natal-RN
Projeto de Intervenção Igapó - Natal-RN
 
Pnh
PnhPnh
Pnh
 
Palestra de Humanização no Atendimento
Palestra de Humanização no AtendimentoPalestra de Humanização no Atendimento
Palestra de Humanização no Atendimento
 
Conteúdo Teórico Módulo 3 Humanização
Conteúdo Teórico Módulo 3 HumanizaçãoConteúdo Teórico Módulo 3 Humanização
Conteúdo Teórico Módulo 3 Humanização
 
O acolhimento nas práticas de produção de saúde hrms
O acolhimento nas práticas de produção de saúde  hrmsO acolhimento nas práticas de produção de saúde  hrms
O acolhimento nas práticas de produção de saúde hrms
 
Tecnologias leves para o cuidado em saúde mental
Tecnologias leves para o cuidado em saúde mentalTecnologias leves para o cuidado em saúde mental
Tecnologias leves para o cuidado em saúde mental
 
Acolhimento à Demanda Espontânea na APS
Acolhimento à Demanda Espontânea na APSAcolhimento à Demanda Espontânea na APS
Acolhimento à Demanda Espontânea na APS
 
Seminário Saúde Mental na Atenção Básica: "Vínculos e Diálogos Necessários" -...
Seminário Saúde Mental na Atenção Básica: "Vínculos e Diálogos Necessários" -...Seminário Saúde Mental na Atenção Básica: "Vínculos e Diálogos Necessários" -...
Seminário Saúde Mental na Atenção Básica: "Vínculos e Diálogos Necessários" -...
 
A Política Nacional de Humanização e a Mudança de Paradigma na Humanização
A Política Nacional de Humanização e a Mudança de Paradigma na HumanizaçãoA Política Nacional de Humanização e a Mudança de Paradigma na Humanização
A Política Nacional de Humanização e a Mudança de Paradigma na Humanização
 
Acolhimento IV CMMFC
Acolhimento IV CMMFCAcolhimento IV CMMFC
Acolhimento IV CMMFC
 

Semelhante a Grupo Sala de Espera de um Ambulatório de Infectologia

aula 0001.pptx
aula 0001.pptxaula 0001.pptx
aula 0001.pptx
MrciaDaiane1
 
A HUMANIZAÇÃO EM UNIDADE DE TERAPIA INTENSIVA (UTI) NA FUNDAÇÃO CENTRO DE CON...
A HUMANIZAÇÃO EM UNIDADE DE TERAPIA INTENSIVA (UTI) NA FUNDAÇÃO CENTRO DE CON...A HUMANIZAÇÃO EM UNIDADE DE TERAPIA INTENSIVA (UTI) NA FUNDAÇÃO CENTRO DE CON...
A HUMANIZAÇÃO EM UNIDADE DE TERAPIA INTENSIVA (UTI) NA FUNDAÇÃO CENTRO DE CON...
IAPES - Instituto Amazonense de Aprimoramento e Ensino em Saúde
 
Atenção Compartilhada
Atenção CompartilhadaAtenção Compartilhada
Jose_Clemente_Apoio_matricial
Jose_Clemente_Apoio_matricialJose_Clemente_Apoio_matricial
Jose_Clemente_Apoio_matricial
comunidadedepraticas
 
Guia pratico 148_x210_coren
Guia pratico 148_x210_corenGuia pratico 148_x210_coren
Guia pratico 148_x210_coren
DefesaCivildeCamaari
 
Clinica ampliada 2 d_ireitos humanos e saude
Clinica ampliada 2 d_ireitos humanos e saudeClinica ampliada 2 d_ireitos humanos e saude
Clinica ampliada 2 d_ireitos humanos e saude
Roxane Sales
 
Cola
ColaCola
Apresentação do Comitê Municipal Telessaúde Redes São Paulo
Apresentação do Comitê Municipal Telessaúde Redes São PauloApresentação do Comitê Municipal Telessaúde Redes São Paulo
Apresentação do Comitê Municipal Telessaúde Redes São Paulo
Centro de Desenvolvimento, Ensino e Pesquisa em Saúde - CEDEPS
 
8274 agosto
8274 agosto8274 agosto
8274 agosto
Vagner Machado
 
Caderno ms
Caderno msCaderno ms
O marketing como diferencial na gestão pública de saúde
O marketing como diferencial na gestão pública de saúde O marketing como diferencial na gestão pública de saúde
O marketing como diferencial na gestão pública de saúde
Rogerio Catanese
 
Política Nacional de Atenção Básica (PNAB)
Política Nacional de Atenção Básica (PNAB)Política Nacional de Atenção Básica (PNAB)
Política Nacional de Atenção Básica (PNAB)
apemfc
 
Equipe multiprofissional de saúde
Equipe multiprofissional de saúdeEquipe multiprofissional de saúde
Equipe multiprofissional de saúde
naiellyrodrigues
 
Puericultura em Angola
Puericultura em AngolaPuericultura em Angola
Auditoria, Controle e Programação dos Serviços de Saúde
Auditoria, Controle e Programação dos Serviços de SaúdeAuditoria, Controle e Programação dos Serviços de Saúde
Auditoria, Controle e Programação dos Serviços de Saúde
Helenice Alexandrino
 
Manual de prevenção das dstaids em comunidades populares
Manual de prevenção das dstaids em comunidades popularesManual de prevenção das dstaids em comunidades populares
Manual de prevenção das dstaids em comunidades populares
Alinebrauna Brauna
 
Iv congresso internacional de serviço social
Iv congresso internacional de serviço socialIv congresso internacional de serviço social
Iv congresso internacional de serviço social
Vilma Pereira da Silva
 
Manual de prevencao as dst aids e comunidades populares
Manual de prevencao as dst aids e comunidades popularesManual de prevencao as dst aids e comunidades populares
Manual de prevencao as dst aids e comunidades populares
Nádia Elizabeth Barbosa Villas Bôas
 
Palestra PNAB
Palestra PNABPalestra PNAB
Palestra PNAB
mailsonenfermagem
 
AdesãO Hiv Aids
AdesãO Hiv AidsAdesãO Hiv Aids
AdesãO Hiv Aids
Pela Vidda - RJ
 

Semelhante a Grupo Sala de Espera de um Ambulatório de Infectologia (20)

aula 0001.pptx
aula 0001.pptxaula 0001.pptx
aula 0001.pptx
 
A HUMANIZAÇÃO EM UNIDADE DE TERAPIA INTENSIVA (UTI) NA FUNDAÇÃO CENTRO DE CON...
A HUMANIZAÇÃO EM UNIDADE DE TERAPIA INTENSIVA (UTI) NA FUNDAÇÃO CENTRO DE CON...A HUMANIZAÇÃO EM UNIDADE DE TERAPIA INTENSIVA (UTI) NA FUNDAÇÃO CENTRO DE CON...
A HUMANIZAÇÃO EM UNIDADE DE TERAPIA INTENSIVA (UTI) NA FUNDAÇÃO CENTRO DE CON...
 
Atenção Compartilhada
Atenção CompartilhadaAtenção Compartilhada
Atenção Compartilhada
 
Jose_Clemente_Apoio_matricial
Jose_Clemente_Apoio_matricialJose_Clemente_Apoio_matricial
Jose_Clemente_Apoio_matricial
 
Guia pratico 148_x210_coren
Guia pratico 148_x210_corenGuia pratico 148_x210_coren
Guia pratico 148_x210_coren
 
Clinica ampliada 2 d_ireitos humanos e saude
Clinica ampliada 2 d_ireitos humanos e saudeClinica ampliada 2 d_ireitos humanos e saude
Clinica ampliada 2 d_ireitos humanos e saude
 
Cola
ColaCola
Cola
 
Apresentação do Comitê Municipal Telessaúde Redes São Paulo
Apresentação do Comitê Municipal Telessaúde Redes São PauloApresentação do Comitê Municipal Telessaúde Redes São Paulo
Apresentação do Comitê Municipal Telessaúde Redes São Paulo
 
8274 agosto
8274 agosto8274 agosto
8274 agosto
 
Caderno ms
Caderno msCaderno ms
Caderno ms
 
O marketing como diferencial na gestão pública de saúde
O marketing como diferencial na gestão pública de saúde O marketing como diferencial na gestão pública de saúde
O marketing como diferencial na gestão pública de saúde
 
Política Nacional de Atenção Básica (PNAB)
Política Nacional de Atenção Básica (PNAB)Política Nacional de Atenção Básica (PNAB)
Política Nacional de Atenção Básica (PNAB)
 
Equipe multiprofissional de saúde
Equipe multiprofissional de saúdeEquipe multiprofissional de saúde
Equipe multiprofissional de saúde
 
Puericultura em Angola
Puericultura em AngolaPuericultura em Angola
Puericultura em Angola
 
Auditoria, Controle e Programação dos Serviços de Saúde
Auditoria, Controle e Programação dos Serviços de SaúdeAuditoria, Controle e Programação dos Serviços de Saúde
Auditoria, Controle e Programação dos Serviços de Saúde
 
Manual de prevenção das dstaids em comunidades populares
Manual de prevenção das dstaids em comunidades popularesManual de prevenção das dstaids em comunidades populares
Manual de prevenção das dstaids em comunidades populares
 
Iv congresso internacional de serviço social
Iv congresso internacional de serviço socialIv congresso internacional de serviço social
Iv congresso internacional de serviço social
 
Manual de prevencao as dst aids e comunidades populares
Manual de prevencao as dst aids e comunidades popularesManual de prevencao as dst aids e comunidades populares
Manual de prevencao as dst aids e comunidades populares
 
Palestra PNAB
Palestra PNABPalestra PNAB
Palestra PNAB
 
AdesãO Hiv Aids
AdesãO Hiv AidsAdesãO Hiv Aids
AdesãO Hiv Aids
 

Mais de Associação Viva e Deixe Viver

Exposição Virtual Viva e Deixe Viver - 22 anos de Histórias
Exposição Virtual Viva e Deixe Viver - 22 anos de HistóriasExposição Virtual Viva e Deixe Viver - 22 anos de Histórias
Exposição Virtual Viva e Deixe Viver - 22 anos de Histórias
Associação Viva e Deixe Viver
 
Sacola literária cch 2015
Sacola literária cch 2015Sacola literária cch 2015
Sacola literária cch 2015
Associação Viva e Deixe Viver
 
Pesquisa hospital menino jesus
Pesquisa hospital menino jesusPesquisa hospital menino jesus
Pesquisa hospital menino jesus
Associação Viva e Deixe Viver
 
Administando melhor o tempo
Administando melhor o tempoAdministando melhor o tempo
Administando melhor o tempo
Associação Viva e Deixe Viver
 
Apresentação valdir principios e diretrizes curso 2015
Apresentação valdir principios e diretrizes curso 2015Apresentação valdir principios e diretrizes curso 2015
Apresentação valdir principios e diretrizes curso 2015
Associação Viva e Deixe Viver
 
Aniversário 7 anos do rio de histórias 12.10.12
Aniversário 7 anos do rio de histórias   12.10.12Aniversário 7 anos do rio de histórias   12.10.12
Aniversário 7 anos do rio de histórias 12.10.12
Associação Viva e Deixe Viver
 
Formatura voluntários Rio de Histórias - parte 2
Formatura voluntários Rio de Histórias - parte 2Formatura voluntários Rio de Histórias - parte 2
Formatura voluntários Rio de Histórias - parte 2
Associação Viva e Deixe Viver
 
Formatura voluntários Rio de Histórias - parte 1
Formatura voluntários Rio de Histórias - parte 1Formatura voluntários Rio de Histórias - parte 1
Formatura voluntários Rio de Histórias - parte 1
Associação Viva e Deixe Viver
 
Cuidado de enfermagem doença cronica
Cuidado de enfermagem doença cronicaCuidado de enfermagem doença cronica
Cuidado de enfermagem doença cronica
Associação Viva e Deixe Viver
 
Você faz a diferença!
Você faz a diferença!Você faz a diferença!
Você faz a diferença!
Associação Viva e Deixe Viver
 
O Programa Universidade sem Fronteiras, a enfermagem da UEL e a cumunidade: A...
O Programa Universidade sem Fronteiras, a enfermagem da UEL e a cumunidade: A...O Programa Universidade sem Fronteiras, a enfermagem da UEL e a cumunidade: A...
O Programa Universidade sem Fronteiras, a enfermagem da UEL e a cumunidade: A...
Associação Viva e Deixe Viver
 
Diabetes mellitus intervenção de saúde na comunidade da unidade básica de saú...
Diabetes mellitus intervenção de saúde na comunidade da unidade básica de saú...Diabetes mellitus intervenção de saúde na comunidade da unidade básica de saú...
Diabetes mellitus intervenção de saúde na comunidade da unidade básica de saú...
Associação Viva e Deixe Viver
 
Tempo de despertar
Tempo de despertarTempo de despertar
Teleconsulta isis bertoncini
Teleconsulta   isis bertonciniTeleconsulta   isis bertoncini
Teleconsulta isis bertoncini
Associação Viva e Deixe Viver
 
Situação de saúde em idosos acometidos pelo avc
Situação de saúde em idosos acometidos pelo avcSituação de saúde em idosos acometidos pelo avc
Situação de saúde em idosos acometidos pelo avc
Associação Viva e Deixe Viver
 
Significado de humanização
Significado de humanizaçãoSignificado de humanização
Significado de humanização
Associação Viva e Deixe Viver
 
Princípios éticos no cuidado com paciente pediátrico terminal
Princípios éticos no cuidado com paciente pediátrico terminalPrincípios éticos no cuidado com paciente pediátrico terminal
Princípios éticos no cuidado com paciente pediátrico terminal
Associação Viva e Deixe Viver
 
Os serviços de saúde qualificados pela educação permanente
Os serviços de saúde qualificados pela educação permanenteOs serviços de saúde qualificados pela educação permanente
Os serviços de saúde qualificados pela educação permanente
Associação Viva e Deixe Viver
 
Os saberes de jovens do ensino fundamental sobre o aleitamento materno
Os saberes de jovens do ensino fundamental sobre o aleitamento maternoOs saberes de jovens do ensino fundamental sobre o aleitamento materno
Os saberes de jovens do ensino fundamental sobre o aleitamento materno
Associação Viva e Deixe Viver
 
O enfermeiro como mediador do processo da mulher.
O enfermeiro como mediador do processo da mulher.O enfermeiro como mediador do processo da mulher.
O enfermeiro como mediador do processo da mulher.
Associação Viva e Deixe Viver
 

Mais de Associação Viva e Deixe Viver (20)

Exposição Virtual Viva e Deixe Viver - 22 anos de Histórias
Exposição Virtual Viva e Deixe Viver - 22 anos de HistóriasExposição Virtual Viva e Deixe Viver - 22 anos de Histórias
Exposição Virtual Viva e Deixe Viver - 22 anos de Histórias
 
Sacola literária cch 2015
Sacola literária cch 2015Sacola literária cch 2015
Sacola literária cch 2015
 
Pesquisa hospital menino jesus
Pesquisa hospital menino jesusPesquisa hospital menino jesus
Pesquisa hospital menino jesus
 
Administando melhor o tempo
Administando melhor o tempoAdministando melhor o tempo
Administando melhor o tempo
 
Apresentação valdir principios e diretrizes curso 2015
Apresentação valdir principios e diretrizes curso 2015Apresentação valdir principios e diretrizes curso 2015
Apresentação valdir principios e diretrizes curso 2015
 
Aniversário 7 anos do rio de histórias 12.10.12
Aniversário 7 anos do rio de histórias   12.10.12Aniversário 7 anos do rio de histórias   12.10.12
Aniversário 7 anos do rio de histórias 12.10.12
 
Formatura voluntários Rio de Histórias - parte 2
Formatura voluntários Rio de Histórias - parte 2Formatura voluntários Rio de Histórias - parte 2
Formatura voluntários Rio de Histórias - parte 2
 
Formatura voluntários Rio de Histórias - parte 1
Formatura voluntários Rio de Histórias - parte 1Formatura voluntários Rio de Histórias - parte 1
Formatura voluntários Rio de Histórias - parte 1
 
Cuidado de enfermagem doença cronica
Cuidado de enfermagem doença cronicaCuidado de enfermagem doença cronica
Cuidado de enfermagem doença cronica
 
Você faz a diferença!
Você faz a diferença!Você faz a diferença!
Você faz a diferença!
 
O Programa Universidade sem Fronteiras, a enfermagem da UEL e a cumunidade: A...
O Programa Universidade sem Fronteiras, a enfermagem da UEL e a cumunidade: A...O Programa Universidade sem Fronteiras, a enfermagem da UEL e a cumunidade: A...
O Programa Universidade sem Fronteiras, a enfermagem da UEL e a cumunidade: A...
 
Diabetes mellitus intervenção de saúde na comunidade da unidade básica de saú...
Diabetes mellitus intervenção de saúde na comunidade da unidade básica de saú...Diabetes mellitus intervenção de saúde na comunidade da unidade básica de saú...
Diabetes mellitus intervenção de saúde na comunidade da unidade básica de saú...
 
Tempo de despertar
Tempo de despertarTempo de despertar
Tempo de despertar
 
Teleconsulta isis bertoncini
Teleconsulta   isis bertonciniTeleconsulta   isis bertoncini
Teleconsulta isis bertoncini
 
Situação de saúde em idosos acometidos pelo avc
Situação de saúde em idosos acometidos pelo avcSituação de saúde em idosos acometidos pelo avc
Situação de saúde em idosos acometidos pelo avc
 
Significado de humanização
Significado de humanizaçãoSignificado de humanização
Significado de humanização
 
Princípios éticos no cuidado com paciente pediátrico terminal
Princípios éticos no cuidado com paciente pediátrico terminalPrincípios éticos no cuidado com paciente pediátrico terminal
Princípios éticos no cuidado com paciente pediátrico terminal
 
Os serviços de saúde qualificados pela educação permanente
Os serviços de saúde qualificados pela educação permanenteOs serviços de saúde qualificados pela educação permanente
Os serviços de saúde qualificados pela educação permanente
 
Os saberes de jovens do ensino fundamental sobre o aleitamento materno
Os saberes de jovens do ensino fundamental sobre o aleitamento maternoOs saberes de jovens do ensino fundamental sobre o aleitamento materno
Os saberes de jovens do ensino fundamental sobre o aleitamento materno
 
O enfermeiro como mediador do processo da mulher.
O enfermeiro como mediador do processo da mulher.O enfermeiro como mediador do processo da mulher.
O enfermeiro como mediador do processo da mulher.
 

Grupo Sala de Espera de um Ambulatório de Infectologia

  • 1. Grupo Sala de Espera de um Ambulatório de Infectologia SERVIÇO SOCIAL Nome do responsável e dos integrantes da equipe: ANA DIAS DE MELO, CLAUDEMIR LEITE DE ALMEIDA, NEUSA SANTOS DO NASCIMENTO, SILVIA REGINA ALVES FERNANDES, LUIS ALBERTO VENTURA FERNANDES. (Equipe Serviço Social) Instituto de Infectologia Emilio Ribas - Ambulatório
  • 2. Introdução O Grupo Sala de Espera:  Ampliar o diálogo com a população usuária do Serviço do Ambulatório do Instituto de Infectologia Emilio Ribas.  Estabelecer um espaço de interação e de multiplicação de informações junto aos usuários que aguardam atendimento na Sala de Espera.  Esclarecer dúvidas sobre o diagnóstico, formas de prevenção e tratamento e em relação ao funcionamento dos diversos setores do Instituto. GRUPO SALA DE ESPERA DE UM AMBULATÓRIO DE INFECTOLGOIA
  • 3. Objetivo Geral:  Promover a informação, educação e prevenção.  Situar e integrar os usuários no contexto institucional. Objetivos Específicos:  Propiciar a troca de experiências, estimulando a ajuda mútua, a participação e acompanhamento do tratamento, principalmente pelos familiares e colaterais, objetivando melhora na qualidade de vida.  Estimular a reflexão acerca dos direitos dos usuários das Políticas de Saúde e Cidadania. .
  • 4. Metodologia. Coordenação: Equipe Serviço Social do Ambulatório. Colaboração: Equipe Multidisciplinar do Ambulatório. Dias e Horários: (semanalmente) 3ªF das 15h00min às 16h00min 4ªF das 09h00min às 10h00min Avaliação Questionário para cada participante para avaliação, sugestões e críticas. Sugestões de temas para próximos encontros. Recursos materiais:  “Flip Sharp”  DVD  Data Show  Recursos Multi Mídia  Folders Informativos
  • 5. Resultados  O resultado desta ação pode ser confirmado na análise dos questionários realizados pelos usuários após o Grupo Sala de Espera.  A Equipe elaborou um questionário bem prático e objetivo onde a grande maioria dos participantes responde e devolve.  Nestes questionários podemos analisar: - Temas sugeridos. - Dúvidas em relação ao tratamento. - Informações sobre o fluxo.  A atividade atinge de 15 a 25 participantes por grupo, totalizando aproximadamente 160 participantes / mês.
  • 6. CONCLUSÕES PRELIMINARES O Trabalho de Grupo proporciona: Exercício da Cultiva as atividades Socializa cidadania. associativas. informações. Trabalha a Orientações Troca de saberes. prevenção. quanto aos direitos.
  • 7. REFERÊNCIAS -Plano de Trabalho da equipe de Serviço Social do Instituto de Infectologia Emílio Ribas. 2007. -Conselho Regional de Serviço Social do Estado de São Paulo (Org.) .Legislação Brasileira para o Serviço Social. 2. ed. rev., ampl. e atual. 9ª região. São Paulo: CRESS, 2006. -Serviço Social e saúde / Ana Elizabete Mota...[et al.], (orgs). - 4. Ed. – São Paulo: Cortez; Brasília<DF: OPAS, OMS, Ministério da Saúde, 2009.